Você está na página 1de 14

Por que o Vaticano removeu

14 livros da Bíblia em 1684?

Por: choiceandtruth

A igreja do Vaticano, ou a igreja católica romana, tem uma longa


história de corrupção e engano. Além de literalmente cometer atos de
genocídio há vários séculos contra os cátaros , de abusar sexualmente de
crianças nos tempos mais modernos , é certamente uma das
organizações mais corruptas da história.

NOTA: O AUTOR NÃO FAZ MENCIONAR A PERSEGUIÇÃO JUDEU


(As mesmas pessoas que são os guardiões e protetores dos
oráculos de D'us): Aqui estão os destaques menos conhecidos
das relações internacionais judaicas na era comum (uma amostra
abreviada) Linha do tempo do judaísmo | História do Anti-
Semitismo
No ano de 1611, a Bíblia foi traduzida do latim para o inglês. Naquela
época, a Bíblia continha um total de 80 livros e os últimos 14 livros, que
hoje foram excluídos, constituíam o fim do Antigo Testamento e eram os
seguintes:

 1 Esdras

 2 Esdras

 Tobit

 Judith

 O resto de Ester

 A sabedoria de Salomão

 Ecclesiasticus

 Baruque com a epístola Jeremias

 Os Cânticos dos 3 filhos sagrados

 A história da Susana

 Bel e o dragão

 A oração por Manassés

 1 Macabeus

 2 Macabeus

Em 1684, todos esses livros foram removidos de todas as versões,


exceto uma edição de 1611, que foi a primeira edição traduzida para o
inglês.

Nesta primeira edição, você também descobrirá que o nome de Jesus


está escrito IESUS e pronuncia-se Yahashua. Então, por que então todos
continuam a chamá-lo de Jesus, quando a letra J nem sequer foi usada
na época?

Um desses livros que é particularmente interessante é a "Sabedoria de


Salomão". Para quem não conhece, Salomão é um dos personagens
mais lendários da Bíblia. Ele era filho de Davi e é acusado de ser o
homem mais sábio que já viveu. Ele é pintado em grande parte como
uma figura benevolente. Mas o que você lê neste livro o fará questionar
tudo o que lhe foi dito para acreditar nele.
Observe o seguinte trecho;

Sabedoria de Salomão 2: 1-24

1 Para o dito ímpio do raciocínio com eles mesmos, mas não de


maneira correta, nossa vida é curta e tediosa e, na morte de um
homem, não há remédio: nem se sabe que alguém retornou da
sepultura.

2 Pois nascemos em toda a aventura; e seremos a seguir como se


nunca tivéssemos existido; pois o sopro de nossas narinas é
como fumaça, e a pequena faísca no movimento de nosso
coração.

3 Ao ser extinto, nosso corpo se transformará em cinzas e nosso


espírito desaparecerá como o ar suave,

4 E nosso nome será esquecido com o tempo, e nenhum homem


terá nossas obras em memória, e nossa vida passará como o
rastro de uma nuvem, e será dispersa como uma névoa que é
afastada, com os raios de o sol e vence com o calor do mesmo.

5 Porque o nosso tempo é muita sombra que passa; e depois do


nosso fim, não há retorno; pois é selado rapidamente, para que
ninguém volte.

6 Vamos lá, pois vamos apreciar as coisas boas que estão


presentes; e vamos usar rapidamente as criaturas como na
juventude.

7 Enchemo-nos de vinho e unguentos caros; e não deixe passar


nenhuma flor da primavera.

8 Vamos coroar-nos de botões de rosa, antes que sejam secos:

9 Que nenhum de nós fique sem a sua parte da nossa


voluptuosidade; deixemos sinais de nossa alegria em todo lugar:
pois esta é a nossa porção e nossa sorte é esta.

10 Vamos oprimir o pobre homem justo, não pouparemos a


viúva, nem reverenciaremos os antigos cabelos grisalhos dos
idosos.
11 Seja a nossa força a lei da justiça; porque o que é fraco é
achado como nada.

12 Portanto, aguardemos os justos; porque ELE não é da nossa


vez, e é puro contrário ao que fazemos. Ele nos repreende por
ofendermos a lei e rejeita a nossa infâmia a transgressão de
nossa educação.

13 Ele professa ter o conhecimento do Altíssimo, e chama a si


mesmo o filho do Senhor.

14 Ele foi feito para reprovar nossos pensamentos

15 Ele é doloroso para nós até de contemplar, pois sua vida não é
como a de outros homens; seus caminhos são de outra maneira.

16 Consideramo-lo como falsificações; abstém-se dos nossos


caminhos, como da imundície; pronuncia o fim dos justos para
ser abençoado, e alegra-se de que DEUS é seu pai.

17 Vamos ver se as suas palavras são verdadeiras; e vamos


provar o que acontecerá no final dele.

18 Porque, se o homem justo é o Filho dos Altíssimos, ele o


ajudará e libertará das mãos dos seus inimigos.

19 Vamos examiná-lo com despeito e tortura, para que possamos


conhecer sua mansidão e provar sua paciência.

20 Vamos condená-lo com uma morte vergonhosa: pois pela sua


própria boca ele será respeitado ...

Isso levanta uma série de questões importantes

 Quem Salomão está falando de matar com uma "morte vergonhosa"?

 Por que o Vaticano votou para remover esses 14 livros da Bíblia?

 Por que Salomão parecia tão louco e mal neste livro?

Parece que Salomão estava falando de Jesus. Mas Jesus nasceu cerca de
900 anos após sua morte. Ele poderia ter profetizado a vinda de Jesus?
Vamos considerar por que esse poderia ser o assunto sobre o qual
Salomão estava falando;
 Eles mataram o filho com uma morte vergonhosa

 As ações ou modas do FILHO eram diferentes das de todos os outros

 ELE afirma ser e é o filho de O MAIS ALTO

 Ele era um pobre pobre justo que encararia Salomão e outros como ele
como "falsificações".

 ELE professa ter conhecimento dos MAIS ALTOS

Então ouça o que Salomão tem a dizer:

 Ele foi feito para reprovar (criticar) nossos pensamentos

 Somos considerados como falsificações: ELE abstém-se dos nossos


caminhos, como da imundície; pronuncia o fim dos justos para ser
abençoado, e se vangloria de que DEUS é seu pai.

 Pois se o homem justo é o Filho dos Altíssimos, Ele o ajudará e libertará


das mãos dos inimigos.

E uma última coisa que eu gostaria de destacar é quando Salomão diz;

 Vamos oprimir o pobre homem justo, não vamos poupar a viúva, nem
reverenciar os antigos cabelos grisalhos dos idosos.

Isso realmente atrapalha tudo o que pensávamos que sabíamos.


Salomão realmente e verdadeiramente soa mal. Ele também é acusado
de ser o homem mais sábio da história.

Curiosamente, Salomão é um homem que foi envolvido em ocultismo,


ele adorou vários deuses e era fraco por mulheres . E o famoso Templo
de Salomão é considerado o local de nascimento espiritual da Maçonaria
, um movimento que está (nos níveis mais altos) associado a puxar as
cordas dos principais eventos globais e argumenta ser o verdadeiro
poder de controle de nosso mundo.

O que quer que esteja realmente acontecendo aqui, certamente


deveríamos pesquisar mais.

Abaixo, você pode assistir a um documentário sobre o conhecimento


oculto e o domínio do rei Salomão;
A MÁGICA REAL de Salomão - SEGREDOS ANTIGOS REVELADOS
(DOCUMENTÁRIO SUPERNATURAL OCULTO)
NOTA: Este vídeo não está mais disponível porque a conta do YouTube
associada a este vídeo foi encerrada.
FIM DA ESCOLHA E VERDADE POST - choiceandtruth

Escrituras Sagradas
Judaicas: Os Apócrifos e
Pseudepígrafos
por Michael E. Stone
O Tanakh (Bíblia Hebraica) consiste em uma coleção de escritos que datam
aproximadamente dos séculos XIII - III aC . Esses livros foram incluídos no
cânon judaico pelos sábios talmúdicos de Yavneh, por volta do final do
primeiro século EC, após a destruição do Segundo Templo . No entanto,
existem muitos outros escritos judaicos do Período do Segundo Templo que
foram excluídos do Tanakh; estes são conhecidos como os Apócrifos e os
Pseudepígrafos.

Os apócrifos (em grego, "livros ocultos") são livros judaicos daquele período
não preservados no Tanakh, mas incluídos no Antigo Testamento em latim
(Vulgata) e grego (Septuaginta). Os apócrifos ainda são considerados parte do
cânone das igrejas católica e ortodoxa romana e, como tal, seu número é fixo.

O termo Pseudepigrapha (grego, "falsamente atribuído") foi dado aos escritos


judaicos do mesmo período, que foram atribuídos a autores que realmente não
os escreveram. Isso foi difundido na antiguidade greco-romana - nos círculos
judaico, cristão e pagão. Os livros foram atribuídos a autores pagãos e nomes
retirados do repertório de personalidades bíblicas, como Adão , Noé , Enoque,
Abraão , Moisés , Elias , Ezequiel , Baruque e Jeremias. Os Pseudepigrapha se
assemelham aos apócrifos em caráter geral, mas não foram incluídos na
Bíblia, Apócrifos ou literatura rabínica.

Todos os Apócrifos e a maioria dos Pseudepigrapha são obras judaicas


(algumas contêm adições cristianistas). Eles fornecem evidências essenciais
da literatura judaica e do pensamento durante o período entre o final da escrita
bíblica (cerca de 400 aC) e o início da literatura rabínica substancial na última
parte do primeiro século EC. Eles despertaram muito interesse acadêmico,
pois fornecem informações sobre o judaísmo na virada da era entre a Bíblia e
a Mishna (lei bíblica e lei oral) e ajudam a explicar como o judaísmo rabínico
e o cristianismo surgiram.

Quando eles foram escritos

A obra judaica mais antiga conhecida, não incluída na Bíblia, é o Livro de


Enoque. Esta é uma obra complexa, escrita no século III (ou talvez até o final
do século IV) AEC, após o retorno do exílio na Babilônia e o estabelecimento
da Segunda Comunidade Judaica (séculos 6 a 5 aC) e antes da revolta dos
Macabeus em 172 AEC. As cópias mais antigas do Livro de Enoque, datadas
do terceiro século AEC, foram descobertas entre os Manuscritos do Mar
Morto (veja abaixo).

Os mais recentes dos Apócrifos e Pseudepigrapha são os Apocalipses de


Esdras e Baruque, escritos nas décadas seguintes à destruição romana do
Segundo Templo em 70 EC. Essas obras, contemporâneas às da escola
rabínica de Yavneh, refletem as lutas e dilemas teológicos e éticos provocados
pela conquista romana da Judéia e pela destruição do templo.

A maioria dessas obras foi escrita na Terra de Israel, em aramaico ou hebraico


. No entanto, alguns deles, como A Sabedoria de Salomão, foram escritos em
grego. Esses escritos judaicos gregos foram produzidos na diáspora judaica
generalizada da época, principalmente no Egito (Alexandria) e no norte da
África. Embora a maioria dos textos hebraicos e aramaicos tenha sido perdida
ao longo dos séculos, muitos deles traduzidos para as línguas grega ou cristã
oriental (como etiópica, siríaca ou armênia) foram encontrados. O cristianismo
primitivo demonstrou grande interesse pelas tradições e histórias judaicas
sobre figuras e eventos bíblicos e, como resultado, os estudiosos agora têm
acesso a uma biblioteca substancial de escritos judaicos, criada durante um
período crucial da história judaica, mas preservada apenas dentro da tradição
cristã.

O desenvolvimento dos estudos bíblicos

Certas obras apócrifas eram conhecidas na tradição judaica durante a Idade


Média, não necessariamente em seus textos completos, mas em versões
resumidas e recontadas, ou em traduções de volta para o hebraico ou aramaico
das línguas cristãs. Assim, as formas dos Livros de Judite, Macabeus e Ben
Sira, bem como partes da Sabedoria de Salomão, eram familiares aos
estudiosos judeus. Mas essas obras nunca alcançaram ampla aceitação no
judaísmo e permaneceram, em maior ou menor grau, curiosidades.

Durante o Renascimento na Europa e nos séculos seguintes, um interesse em


várias línguas orientais se desenvolveu nos círculos cristãos. Primeiro, o
hebraico, depois o árabe, o aramaico, o etiópico, o siríaco e outros ocuparam
seu lugar ao lado do grego e do latim no âmbito acadêmico. Ao mesmo tempo,
estudiosos cristãos começaram a se interessar por fontes rabínicas
(preservadas em hebraico) e pela exegese bíblica judaica. Esse interesse
combinado pela linguagem e pelos rabínicos foi um componente importante
no complexo desenvolvimento que, no final do século XVIII, forneceu a base
para os estudos bíblicos críticos "modernos".

Outros desenvolvimentos contribuíram e resultaram desse processo: o início


da arqueologia, a decifração dos hieróglifos egípcios e cuneiformes
babilônicos e o estudo de antiquários e acadêmicos da Terra Santa. Nesse
contexto, desenvolveu-se o interesse em documentos judaicos que poderiam
ajudar a iluminar o Novo Testamento. Muitas obras foram descobertas,
publicadas, traduzidas e estudadas, e passaram a ser chamadas de
Pseudepigrapha. Uma tradução para o inglês das obras conhecidas no início
do século XX foi preparada sob a orientação do renomado estudioso inglês
RH Charles e intitulado The Apocrypha and Pseudepigrapha of the Old
Testament, publicado em 1913. Para os estudiosos judeus modernos, essas
obras são conhecidas como Sefarim Hitsonim ("Livros Externos"). Duas
importantes traduções anotadas para o hebraico moderno foram publicadas,
uma editada por Abraham Kahana (reeditada mais recentemente em 1959) e
uma por AS Hartom (1969).

Os Pergaminhos do Mar Morto

O interesse acadêmico foi renovado após a descoberta dos Manuscritos do


Mar Morto, em 1947. Nas onze cavernas próximas a Qumran, a noroeste do
Mar Morto , foram descobertas partes de mais de 700 manuscritos judaicos
antigos. Eles haviam sido escritos no mesmo período que os apócrifos e os
pseudepígrafos, principalmente em hebraico, com um número menor em
aramaico e ainda menos em grego. Presume-se que os Manuscritos do Mar
Morto sejam a biblioteca de uma comunidade sectária em Qumran. Os
pergaminhos sobreviveram à devastação romana da Judéia nos anos 68-70
EC, porque estavam escondidos em cavernas. Eles têm sido um foco principal
de interesse acadêmico e geral nos últimos meio século.

Entre os Manuscritos do Mar Morto havia um número de manuscritos dos


Apócrifos e Pseudepígrafos, incluindo dez manuscritos do Livro de Enoque
no aramaico original (até então, as cópias existiam apenas em uma tradução
etíope de uma tradução grega de um original semítico), que foram vitais para
responder a muitas perguntas sobre suas origens. A datação dos manuscritos
pelo seu script mostra que certas partes de Enoque são pelo menos tão antigas
quanto o século III aC. Fragmentos de Ben Sira em hebraico, Tobit em
aramaico, a Epístola de Jeremias em grego e outros também foram
encontrados em Qumran.
Além dessas descobertas, os pergaminhos incluíam outros escritos
semelhantes, anteriormente desconhecidos. Em um Pergaminho dos Salmos
de Qumran, várias composições adicionais foram descobertas, aumentando
assim o corpus de textos já conhecidos.

Eles também ajudaram a entender um gênero literário - os Salmos posteriores


- que estão mal representados nos Apócrifos e Pseudepígrafos. Esses poemas
de oração fornecem uma profunda compreensão dos sentimentos e
sentimentos religiosos de seus autores. O conhecimento de que existia uma
produção literária animada de Salmos naquela época significa que qualquer
estudo da literatura judaica antiga deve agora levar muito a sério esses Salmos
apócrifos.

Um terceiro aspecto importante dos Manuscritos do Mar Morto é que eles


foram descobertos em um contexto arqueológico e sociológico conhecido,
fixando-os firmemente no período do Segundo Templo. Antes de 1947, eram
conhecidos apenas manuscritos medievais cristãos dos Apócrifos e
Pseudepigrapha, e só podiam ser datados com base nos detalhes neles
contidos. Isso nem sempre é um procedimento confiável. Os Manuscritos do
Mar Morto, decorrentes de um contexto arqueológico claramente estabelecido,
são vitais para datar os escritos com precisão.

O que esses textos nos ensinam sobre o judaísmo antigo?

Além das descobertas em Qumran, um número substancial de Pseudepigrapha


antigos foram encontrados em outros lugares. Alguns deles foram preservados
em grego e latim; outros em traduções do grego e do latim para várias línguas
cristãs orientais - siríaco, etíope, árabe, eslavo da igreja, armênio e georgiano,
entre outros. O mais proeminente deles é o Livro de Enoque (etíope e grego);
o Livro dos Jubileus, também preservado na Etiópia; Testamentos dos Doze
Patriarcas em grego; O Apocalipse de Baruque em Siríaco; o livro dos
segredos de Enoch na antiga igreja eslava; e os livros de Adão e Eva em latim,
grego, eslavo, armênio e georgiano.

Entre essa literatura estão obras de caráter variado. Algumas são histórias: a
principal fonte de conhecimento das guerras dos macabeus é o primeiro e o
segundo livros apócrifos dos macabeus. Outras obras, chamadas apocalipses,
apresentam visões de segredos celestes e terrestres, de Deus e de seus anjos. A
preocupação com as realidades celestes é um desenvolvimento muito
importante no Período do Segundo Templo. Nestas obras predominam as
questões religiosas centrais, sobretudo a questão da justiça de Deus. Tais
visões são atribuídas a Enoque, Esdras, Baruque e Abraão.

Um número substancial de obras transmite ensinamentos proverbiais sobre


questões religiosas e práticas. Esses numerosos livros de sabedoria ou
sapiental são uma continuação da tradição de Provérbios e Eclesiastes na
Bíblia. A Sabedoria de Ben Sira é um registro dos ensinamentos de Ben Sira,
o chefe de uma academia em Jerusalém nas primeiras décadas do século II aC.
Além disso, os judeus do período do Segundo Templo compuseram muitos
salmos e orações, expressando seu amor a Deus, seu desejo de estar perto dele
e sua angústia sobre o destino dos indivíduos e de Israel.

Os manuscritos demonstram que o pensamento judaico desse período era


orientado entre os pólos: Israel e a humanidade; o mundo terrestre e celestial;
os justos e os iníquos. As pessoas naquela época viviam na consciência dessas
dualidades e na tensão criada por elas. Uma certeza da providência justa e
misericordiosa de Deus foi desafiada pelos eventos turbulentos e violentos de
seus tempos. Esses livros são diferentes da literatura rabínica; eles lidam
apenas de maneira periférica com tradições de caráter legal (halakhic), que
dominaram o próximo estágio rabínico da criatividade judaica.

Qual a importância deles?

Quando esses livros foram estudados, os estudiosos perceberam que poderiam


ajudar a fornecer um contexto para a compreensão das origens do
cristianismo. O judaísmo rabínico não era mais a base principal para a
comparação com a literatura cristã mais antiga, mas a literatura judaica do
período do Segundo Templo, e particularmente o Pseudepigrapha, poderia
contribuir com muitas idéias, tornando a origem judaica do cristianismo mais
compreensível.

A contribuição do estudo dos Apócrifos e Pseudepígrafos para a compreensão


do Novo Testamento não deve ser subestimada. A abordagem de Jesus que é
tipificada pela Busca do Jesus Histórico de Schweitzer (1964) - usando o
contexto de "apocalíptico judeu" para ajudar a entender sua atividade - não
teria sido possível sem a descoberta do Pseudepigrapha. Como resultado
desses estudos, agora temos informações sobre os tipos de judaísmo e idéias
religiosas dentro da tradição judaica que, de outra forma, permaneceriam
perdidos.

Aqui chegamos mais perto de responder a uma pergunta central: por que
estudar essa literatura? A resposta geral é que os Apócrifos e Pseude-pigrapha
devem ser estudados porque incorporam uma expressão do espírito humano, e
o historiador é chamado a estudar o passado humano. Mas, para estudiosos da
chamada "cultura judaico-cristã", um interesse particular é inerente à
investigação do segmento do passado em que o judaísmo assumiu a forma que
ainda possui e em que o cristianismo emergiu. No entanto, essa mesma
agenda, quando formulada dessa maneira, traz consigo potencialidades para a
perversão da verdade e o equívoco da realidade. O empreendimento histórico
é interpretativo; existe um grande perigo inerente ao estudo das origens da
própria tradição. As "ortodoxias" modernas e medievais tendem a interpretar o
tempo antes de elas existirem em termos de si mesmas. Somente na última
geração de estudiosos do judaísmo no período do segundo templo, as
implicações dessa maneira de ver o mundo começaram a penetrar no tecido do
pensamento e da escrita históricos.

Esse é um desenvolvimento extremamente importante, pois permite que a


literatura judaica do Segundo Período do Templo e as pessoas que produziram
e estimaram essas obras saiam das sombras gigantescas lançadas pelos
colossos gêmeos do Talmude e do Novo Testamento .

Torna-se então possível começar a delinear o que parecem ter sido aspectos
centrais do judaísmo no período do segundo templo. Novos aspectos da vida e
do pensamento judaicos tornam-se evidentes e a tarefa de sua descrição
detalhada e integração em um quadro geral pode ser abordada. Somente esse
esforço, em última análise, possibilitará o avanço de nossa compreensão do
desenvolvimento do judaísmo rabínico e do cristianismo. Este é um trabalho
pesado, mas muito importante, e é o Pseudepigrapha que nos fornece
evidências de aspectos vitais do judaísmo que, de outra forma, permaneceriam
desconhecidos.

Esse aspecto do estudo da literatura pseudo-digital está em sua infância. Ao


segui-lo, somos capazes de rastrear a influência das antigas tradições e
documentos judaicos ao longo dos séculos. Houve uma ou duas pesquisas que
mostraram o caminho (Satran 1980; Stone 2001); outras investigações
associadas analisaram a maneira como as tradições apócrifas judaicas foram
adotadas e desenvolvidas pelo judaísmo e pelo cristianismo medievais
(Bousset 1896; Stone 1982, Stone 1996). Essas duas vias de investigação
parecem produzir resultados reais no estudo direto dos textos, na avaliação de
seu caráter e função, bem como na diferenciação de materiais judaicos e
cristãos, nem sempre uma tarefa fácil. Sob essa perspectiva específica, o
estudo dos apócrifos e pseudepígrafos nos ensina a entender aspectos
significativos da cultura medieval, da história judaica e das origens cristãs.

Lista de Apócrifos

Tobit
Judith
As adições ao livro de Ester
Sabedoria de Salomão
Eclesiástico, ou a sabedoria de Joshua ben Sira
Baruch
A Carta de Jeremias
As adições ao livro de Daniel
A Oração de Azarias e o Cântico dos Três Judeus
Susanna
Bel e o dragão
1 Macabeus
2 Macabeus
Além disso, os seguintes livros estão nas Bíblias grega e eslava, mas não
no cânon católico romano, embora alguns deles ocorram em latim:
1 Esdras
2 Esdras
3 Macabeus
4 Macabeus
Oração de Manassés
Salmo 151, seguindo o Salmo 150 na Bíblia Grega

Selecione Lista de Pseudepigrapha com algumas anotações

Apocalipse de Abraão : Uma escrita judaica apresentando uma visão vista


por Abraão, além de lendas sobre ele. Sobrevivendo apenas na antiga igreja
eslava, provavelmente foi escrita no século II dC

Livros de Adão e Eva : Várias versões intimamente relacionadas de uma


escrita que tratam da história dos protoplastos. Tudo isso pode derivar de um
documento de origem judaica, cuja língua e data são desconhecidas.

Apocalipse de Adão : Uma revelação gnóstica aparentemente setênica


recebida por Adão e transmitida a Seth. Talvez o primeiro ou o segundo
século EC, na data, ocorra no Codex Nag Hammadi 5.

Apocalipse Siríaco de Baruque : Apocalipse escrito após a destruição do


Templo pelos romanos, está intimamente relacionado ao Quarto Livro de
Esdras. Seus principais assuntos são as questões teológicas levantadas pela
destruição.

Antiguidades bíblicas : Às vezes também chamada de pseudo-filo, essa é


uma história bíblica desde a criação até a monarquia e parece ter sido escrita
antes da destruição do templo pelos romanos.

Livro de Enoque: Um compêndio de cinco apocalipses judeus, todos


compostos antes da destruição do Segundo Templo. Estes provêm de diversos
períodos e seitas sociais, sendo a mais antiga a primeira e a terceira partes. o
livro inteiro é encontrado apenas em etíope, mas partes dele foram descobertas
em grego e no aramaico original de Qumran.

Livro dos Segredos de Enoque : (2 Enoque ou Enoque eslavo). Um


apocalipse judeu da época anterior à destruição do templo, relacionando a
ascensão de Enoque aos céus e as revelações recebidas por ele ali, bem como
a história das gerações antediluvianas.

Quarto Livro de Esdras (2 Esdras) : Um apocalipse escrito após a


destruição do Segundo Templo, provavelmente entre 95 e 100 EC. Ele lida
com os problemas teológicos que surgiram com a destruição do Templo.

Livros dos Gigantes: Uma escrita associada ao ciclo de Enoque, relacionando


as ações dos gigantes que nasceram da união dos "filhos de Deus e das
mulheres humanas" (Gênesis 6: 1-4). É conhecido a partir de fragmentos
encontrados em Qumran e foi escrito antes de 100 aC

Livro dos Jubileus : Uma recontagem e expansão da história bíblica desde a


Criação até Moisés. Foi originalmente escrito em hebraico no início do
segundo século AEC

Vidas dos Profetas: Uma coleção de notas biográficas relacionadas aos


detalhes das vidas e ações de vários profetas. Circulou amplamente entre os
cristãos e provavelmente reflete fontes judaicas. Escrito nos primeiros séculos
dC

Quarto Livro dos Macabeus: Um livro escrito em grego por um judeu


helenizado para mostrar o domínio da razão sobre as paixões. Os mártires da
revolta dos Macabeus servem como seus principais exemplos.

Testamento de Moisés (Assunção de Moisés) : Este artigo relaciona a última


acusação de Moisés a Josué. Sua forma atual data do início do primeiro século
EC. Contém ensinamentos escatológicos muito importantes.

Oráculos da Sibilina: Coleção de oráculos fabricados por propagandistas


judeus e cristãos no início dos séculos EC Eles foram atribuídos à Sibila, uma
profetisa pagã.

Testamento de Salomão : Uma obra grega, cristã em sua forma atual,


contendo extensas tradições lendárias e mágicas associadas a Salomão.

Testamentos dos Doze Patriarcas : Uma obra que lista as últimas vontades e
testamentos dos doze filhos de Jacó. Ele sobrevive no grego de forma cristã,
mas claramente contém muitas fontes sectárias judaicas mais antigas. É
importante para o estudo do ensino ético e escatológico judaico.

Fontes: Ministério das Relações Exteriores de Israel


Biblioteca Virtual Judaica http://www.jewishvirtuallibrary.org/the-apocrypha-and-
pseudepigrapha

Simples de lembrar https://www.simpletoremember.com/articles/a/HistoryJewishPersecution/

* Michael E. Stone é professor de estudos armênios e de estudos religiosos na Universidade Hebraica de


Jerusalém e professor adjunto de estudos religiosos na Universidade da Pensilvânia. Ele é autor de mais de 40
livros e numerosos artigos nas áreas de estudos armênios e judaísmo antigo.

Desafios cristãos Rabino Tovia Singer: Todos os


estudiosos sabem que Mateus usou a Septuaginta mais
confiável!
Christian argumenta que o rabino Tovia Singer descaracteriza as citações de cumprimento
de Mateus e argumenta que o primeiro evangelho se baseou na Septuaginta (LXX) mais
confiável e anterior, do que nos textos hebraicos. Ele argumenta ainda que Isaías 7:14
certamente estava falando de um nascimento virginal porque uma concepção natural não
seria digna de nota e não poderia ser um "sinal". Citando fontes, o rabino Singer responde
a essas acusações sérias.

Você também pode gostar