Você está na página 1de 235

V I VA , É UM THÁ .

MAN U AL DO SÍ N DI C O
MANUAL
DO SÍNDICO
VIVA,
É UM THÁ.
Se você me pedisse um conselho, eu diria: Viva.
Viva o seu novo imóvel com muito mais do que você
imagina.
Viva o seu sonho materializado nessa nova conquista.
Viva a certeza de contar com mais de um século de
tradição.
Viva a qualidade de vida e o conforto com padrão Thá.

Você está recebendo um imóvel construído com total


atenção aos mínimos detalhes e com o que há de mais
moderno no setor. Por isso, todos aqui na Thá desejam a
você e sua família as boas-vindas e muita felicidade nessa
nova fase da sua vida.
Parabéns e Viva, é um Thá.
APRESENTAÇÃO
PREZADO SÍNDICO,

O Viva Vida Residencial é um empreendimento realizado pelo Grupo Thá para


que você tenha praticidade e conforto. Seus apartamentos foram planejados de modo
a oferecer qualidade de vida aos seus moradores, que podem também desfrutar de
uma elaborada área de lazer.

Agradecemos a confiança dos proprietários/moradores/usuários em nossa empresa,


isto é um valioso estímulo para prosseguirmos desenvolvendo produtos imobiliários de
qualidade e aprimorarmos nossos serviços de incorporação imobiliária.

O presente Manual do Síndico - Manual de Uso, Operação e Manutenção Preventiva


das Áreas Comuns - foi elaborado objetivando transmitir-lhe, a partir do momento
da entrega das áreas comuns do Empreendimento Viva Vida , todas as informações
necessárias e detalhadas, de modo prático e objetivo, destacando as condições de
garantia e orientação sobre o uso, operação e manutenção preventiva para facilitar a
utilização e manutenção do empreendimento.
Para tanto, sua elaboração está de acordo com as Normas da ABNT – Associação
Brasileira de Normas Técnicas, NBR 14037/2011, NBR 5674/99 e NBR 5671/90.

Este manual é de uso do síndico e sua utilização, de acordo com as informações


nele constantes, garantirá uma melhor utilização e conservação da edificação, com as
necessárias intervenções e ações no devido tempo.
Esperamos que este Manual seja o guia orientador do síndico para melhor gerir este
condomínio.

Para maior apoio a sua administração você poderá contar com nossa área de Assistência
Técnica, sempre disponível a oferecer o suporte técnico para os condôminos.

Desejamos sucesso neste novo empreendimento e nos colocamos à sua disposição


para o que julgar oportuno.

Parabéns por conquistar um imóvel Thá!

Diretoria Thá
LOCALIZAÇÃO DO
EMPREENDIMENTO

Empreendimento: Viva Vida Residencial


Endereço: Av. Winston Churchill, 293 Rua Francisco Raitani, 6120
Bairro: Capão Raso
CEP: 81110-070
Cidade: Curitiba / PR
CARACTERÍSTICAS
DO IMÓVEL

Uso: Apartamento Residencial


Tipo de Edificação: 3 torres
Torre A e C – 14 pavimentos
Torre B – 15 pavimentos
Áreas externas/lazer.

Este manual é composto pelo Manual do Síndico contendo informações especificas


em relação a manutenção e uso, bem como pelo Manual do Proprietário que
compõe informações complementares ao manual do síndico.
10
SUMÁRIO

Glossário 15
Capítulo I – Introdução 21
1.0 – Preliminares 21
2.0 – Objetivo do manual 21
3.0 – Alertas do manual 22
4.0 – Termos de entrega do manual 23
5.0 – Leis e normas 23
6.0 – Reformas e alterações 25
6.1 – Atualização do manual 27
7.0 – Mudanças 28
7.1 – Serviços de mudança e transporte 29
7.2 – Aquisição e instalação de equipamentos 29
7.3 – Decoração 29
Capítulo II – Etapas construtivas, operação, uso e manutenção 32
1.0 – Estruturas de concreto 32
2.0 – Alvenaria de tijolos cerâmicos 33
3.0 – Drywall 34
4.0 – Fachadas 35
5.0 – Esquadrias de madeira e ferragens 37
6.0 – Esquadrias de alumínio 37
7.0 – Vidros 42
8.0 – Impermeabilizações 43
9.0 – Revestimentos de pisos e paredes 45
10.0 – Revestimentos de paredes pintadas 47
11.0 – Revestimentos de forros de gesso 50
12.0 – Instalações hidráulicas 51
12.1 – Sistema de água fria 51
12.2 – Bombas d’água recalque e reserva 53
12.3 – Águas pluviais 55
12.4 – Esgoto 56
12.5 – Água quente 57
13.0 – Gás 58
14.0 – Louças e metais 59

11
15.0 – Bancadas 62
16.0 – Elevadores 64
17.0 – Equipamentos de combate a incêndio 65
17.1 – Extintores 65
17.2 – Hidrantes 67
17.3 – Portas corta fogo 68
17.4 – Corrimãos 69
ATENÇÃO 70
18.0 – Instalações elétricas 71
18.1 – Entrada e medição de energia 73
18.2 – Quadros elétricos 74
18.3 – Quadro de distribuição de luz e energia 74
18.4 – Tomadas, interruptores e placas 78
18.5 – Disjuntores e chaves seccionadoras 79
18.6 – Interruptor residual diferencial (DR) 81
18.7 – Interfonia 82
18.8 – Telefonia 82
18.9 – Antena coletiva 83
18.10 – TV a cabo 84
18.11 – Iluminação de emergência 84
18.12 – Iluminação e campainha 85
18.13 – Pára-raios 87
18.14 – Balizamento aéreo 88
19.0 – Reservatórios de água 92
20.0 – Piscina e espelho d’água 93
20.1 – Bomba da piscina e espelho d’água 94
20.2 – Filtro 95
21.0 – Playground/Espaço fitness 95
22.0 – Jardins - Paisagismo 96
23.0 – Automatização de portões 97
24.0 – Telhados 98
Capítulo III – Uso e manutenção 99
1.0 – Obrigação de manutenção 99
1.1 – Síndico e ou representante 99
1.2 – Conselho deliberativo 100
1.3 – Proprietário/usuário 100
1.4 – Administradora 101

12
1.5 – Zelador 101
1.6 – Equipe de manutenção local 101
1.7 – Empresa especializada 102
2.0 – Programa de manutenção 102
3.0 – Registro das manutenções realizadas 109
3.1 – Modelo de plano de manutenção 109
4.0 – Inspeções periódicas 109
5.0 – Dicas de manutenção elétrica e hidráulica 110
5.1 – Hidráulica 110
5.2 – Elétrica 112
Capítulo IV - Considerações e informações complementares 114
Meio ambiente 114
Uso Racional da Água 114
Uso Racional da Energia 114
Segurança Patrimonial 115
1.0 – Operação dos equipamentos e ligações 116
2.0 – Aquisição e instalação de equipamentos 116
3.0 – Prevenção e combate a incêndio 117
4.0 – Iluminação da escada 117
5.0 – Hidrante de passeio do corpo de bombeiros 117
6.0 – Extintores 118
7.0 – Situações de emergência 118
7.1 – Vazamentos em tubulação de gás 118
7.2 – Vazamento em tubulações hidráulicas 119
7.3 – Entupimento em tubulações de esgoto e águas pluviais 119
7.4 – Curto-circuito em instalações elétricas 119
7.5 – Parada súbita de elevadores 119
8.0 – Instalações hidrossanitárias 120
8.1 – Barrilete, colunas e ramais de distribuição 120
8.2 – Alimentação 121
8.3 – Reservatório 121
8.4 – Instalação de esgoto sanitário 121
8.5 – Instalação de águas pluviais 121
9.0 – Mofo 122
10.0 – Paisagismo 123
11.0 – Pintura 123

13
12.0 – Telhados e calhas 123
13.0 – Dedetização 124
14.0 – Impermeabilização 124
15.0 – Coleta seletiva 125
Capítulo V - Garantias 126
1.0 – Prazos de garantia 126
Capítulo VI - Fornecedores 131
1.0 – Fornecedores e prestadores de serviços 131
Capítulo VII - Assistência técnica 138
1.0 – Construção 139
2.0 – Dos equipamentos 139
3.0 – Prazos e procedências de solicitação de assistência técnica 139
4.0 – Perda de garantia legal 140
Capítulo VIII - Inspeções técnicas da edificação 141
Capítulo IX - Situações de emergência 142
1.0 – Incêndio 142
1.1 – Plano de emergência 142
1.2 – Brigada de incêndio 142
1.3 – Princípio de incêndio 143
1.4 – Abandono do prédio em chamas 143
1.5 – Rota de fuga do empreendimento 144
1.6 – Sistemas de combate existentes 145
2.0 – Elevadores 145
3.0 – Vazamentos de gás 147
Capítulo X - Documentações a renovar 148
Capítulo XI - Apêndice 152
1.0 – Localização das áreas comuns e unidades privativas 152
1.1 – Localização: Instalações elétricas 154
1.2 – Localização: Instalações hidráulicas 154
1.3 – Localização: Instalações de gás 155
Capítulo XII - Anexos técnicos 156
Tabela de acabamentos 186

14
GLOSSÁRIO

ITEM DESCRIÇÃO
• Norma Brasileira número 5674, da Associação
ABNT NBR 5674 Brasileira de Normas Técnicas, que regulamenta,
define e obriga a manutenção de edificações.

ABNT NBR – • Reforma em edificações — Sistema de gestão


16280:2014 de reformas — Requisitos

ATT • Assistência Técnica Thá

• Lei n. 10.406, de 10 de janeiro 2002, que


regulamenta a legislação aplicável às relações civis
em geral, dispondo, entre outros assuntos, sobre o
CÓDIGO CIVIL Condomínio em edificações. Nela são estabelecidas
BRASILEIRO as diretrizes para elaboração da Convenção de
Condomínio e estão também contemplados os
aspectos de responsabilidades, uso e administração
das edificações.

• Lei n. 8.078, de 11 de setembro de 1990, que institui o


CÓDIGO DE Código de Proteção e Defesa do Consumidor, melhor
DEFESA DO definindo os direitos e obrigações de consumidores
CONSUMIDOR e fornecedores, como empresas construtoras e/ou
incorporadoras.

• Capacidade de atendimento das necessidades dos


DESEMPENHO
usuários da edificação.

• Chave de liga/desliga, localizada nos QD's. Substitui


o antigo fusível, pois, ocorrendo algum curto-circuito,
DISJUNTOR
o dispositivo desarma e interrompe a passagem da
corrente elétrica.
• São anomalias que podem causar danos efetivos ou
DEFEITOS representar ameaça potencial de dano à saúde ou
segurança do proprietário (NBR 13756 – ABNT)

15
ITEM DESCRIÇÃO
• É constituída pelo pessoal permanente disponível
EQUIPE DE no empreendimento, usualmente supervisionada
MANUTENÇÃO por um zelador/gerente predial. Essa equipe deve
LOCAL ser adequadamente treinada para a execução da
manutenção rotineira.
• “Termo de compromisso de funcionamento adequado
de uma edificação, componente, instalação,
GARANTIA equipamento, serviço ou obra, emitido pelo seu
fabricante ou fornecedor.”(definição NBR 14037/2011
da ABNT).
• Estado no qual um determinado objeto ou parte
dele apresenta aberturas finas e alongadas na
sua superfície. Exemplo: A aplicação de uma
argamassa rica em cimento apresentou, após a
FISSURA
cura, muitas fissuras em direções aleatórias. As
fissuras são geralmente superficiais, não implicando
necessariamente em diminuição da segurança de
componentes estruturais.
• Caixa, geralmente metálica, localizada nas áreas
HIDRANTE DE
comuns da edificação, na qual estão instalados os
INCÊNDIO
registros e as mangueiras de incêndio.
• “Vistoria da edificação para determinar suas condições
técnicas, funcionais e de conservação, visando
INSPEÇÃO
direcionar o plano de manutenção.” (definição da
PREDIAL
Norma de Inspeção Predial do Instituto Brasileiro de
Avaliações e Perícias Nacional – IBAPE.

• Chave de luz que se localiza nas paredes e serve para


INTERRUPTOR
acender e desligar as lâmpadas.

Lei n. 4.591/64 de • Lei que dispõe sobre as incorporações imobiliárias, e a


16 de dezembro respeito do que não é regrado pelo Código Civil sobre
de 1964 o Condomínio em edificações.

16
ITEM DESCRIÇÃO
• Conjunto de atividades a serem realizadas para
conservar ou recuperar a capacidade funcional da
edificação e de suas partes constituintes para atender
as necessidades de segurança de seus usuários. Isso
MANUTENÇÃO
de acordo com os padrões aceitáveis de uso, de
modo a preservar a utilidade e sua funcionalidade.
A manutenção deve ser feita tanto nas unidades
autônomas quanto nas áreas comuns.
• Nos termos da NBR 5674, caracteriza-se pelos serviços
não previstos na manutenção preventiva, incluindo a
manutenção de emergência, caracterizada por serviços
MANUTENÇÃO
que exigem intervenção imediata para permitir a
NÃO PLANEJADA
continuidade do uso das edificações e evitar graves
riscos ou prejuízos pessoais e patrimoniais aos seus
usuários ou proprietários.
• Nos termos da NBR 5674, compreende a
manutenção rotineira, caracterizada pela realização
de serviços constantes e simples que possam ser
executados pela equipe de manutenção local, e a
MANUTENÇÃO manutenção planejada, cuja realização é organizada
PREVENTIVA antecipadamente, tendo por referência solicitações dos
usuários, estimativas de durabilidade esperada dos
componentes das edificações em uso ou relatórios de
vistorias técnicas (inspeções) periódicas sobre o estado
da edificação.

PNE • Portadores de necessidades especiais.

PRESCRIÇÃO • Prazo máximo previsto nas leis para se reclamar um


LEGAL direito.

17
ITEM DESCRIÇÃO
• Período em que o construtor ou incorporador
responde pela adequação do produto quanto ao seu
desempenho, dentro do uso que normalmente dele
se espera e em relação a vícios que tenham sido
PRAZO DE
constatados nesse intervalo de tempo. Os prazos
GARANTIA LEGAL
constantes nos Prazos de Garantia (presentes neste
manual) correspondem a prazos totais de garantia
e são estabelecidos pelo Código Civil Brasileiro e
Código de defesa do consumidor.
• É a empresa contratada durante a obra, responsável
pelo fornecimento da mão-de-obra e/ou do material,
na instalação de algum componente específico
PRESTADOR DE
como elétrica, hidráulica, vidros, espelhos, box de
SERVIÇO
banheiro, pintura, portas, entre outros. A relação
desses profissionais está no CAPÍTULO: Prestadores de
serviços.
• Conjunto de tubulações verticais que fazem a
PRUMADA DE
distribuição de água entre os andares de uma
ÁGUA QD
edificação.
• Estado no qual um determinado objeto ou parte dele
apresenta uma abertura cujo tamanho ocasiona
interferências indesejáveis. Exemplo: rachadura na
RACHADURA
parede pela qual entra água da chuva. Os diversos
tipos de interferências devem ser analisados caso a
caso e serem tratados antes do seu fechamento.

• Ralo que possui um sifão, no qual a água é retida,


RALO SIFONADO
formando o selo hídrico.

• Registro que controla a abertura e fechamento do


REGISTRO DE
abastecimento de água. Geralmente localizado junto
GAVETA
ao medidor de consumo de água, no hall de serviço.

18
ITEM DESCRIÇÃO

• Artifício hidráulico que forma um selo hídrico dentro da


SIFÃO
tubulação de água.

SOLIDEZ DA
• São itens relacionados à solidez da edificação que
CONSTRUÇÃO,
podem comprometer a sua segurança, estão incluídos
SEGURANÇA
peças e componentes da estrutura do edifício, tais
E UTILIZAÇÃO
como lajes, pilares, vigas, estruturas de fundação,
DE MATERIAIS E
contenções e arrimos.
SOLO
• Estado no qual um determinado objeto ou parte dele
se apresenta partido, separado em partes. Exemplo:
a parede está trincada, isto é, está separada em
duas partes. Em muitas situações a trinca é tão fina
TRINCA que se torna necessário o emprego de aparelho
ou instrumento para visualizá-la. As trincas, por
representarem a ruptura dos elementos, podem
diminuir a segurança de componentes estruturais de
um edifício.
• Os usuários correspondem a todas as pessoas que
USUÁRIOS utilizam o imóvel de alguma maneira. Sendo eles:
proprietários, inquilinos, funcionários.
• São aqueles de fácil constatação, anomalias que
afetam o desempenho de produtos ou serviços, ou
VÍCIOS o tornam inadequados aos fins a que se destinam,
APARENTES causando transtornos ou prejuízos materiais ao
proprietário (NBR 13756 – ABNT). Detectados quando
da vistoria para recebimento do imóvel.

19
ITEM DESCRIÇÃO
• São aqueles não detectáveis no momento da entrega
do imóvel, e que podem surgir durante a sua utilização
regular. Diminuem o valor da coisa ou a tornam
VÍCIOS OCULTOS imprópria ao uso a que se destina, e que, se fossem do
conhecimento prévio do adquirente, ensejariam pedido
de abatimento do preço pago ou inviabilizariam a
compra (NBR 13756 – ABNT).
• Período decorrido desde a data do término da
construção até a data em que se verifica uma situação
de depreciação e decadência de suas características
VIDA ÚTIL
funcionais, de segurança, de higiene ou de conforto,
tornando economicamente inviáveis os encargos de
manutenção.

20
CAPÍTULO I – INTRODUÇÃO

1.0 – PRELIMINARES

Neste item há documentos que visam transmitir os dados técnicos necessários para
que o síndico conheça os sistemas utilizados na edificação, seu uso, manutenção
e conservação de maneira a preservar sua vida útil e facilitar a administração
patrimonial e a manutenção deste empreendimento. Aqui você irá encontrar
reunidas, informações, dicas, observações e plantas em formato digital que lhe
possibilitam ter acesso a técnicas construtivas relevantes para tomada de decisões.
Considerando que:

a) O Grupo Thá entregou a obra ao condomínio no ato da assembleia de


Instalação do Condomínio.
b) As áreas comuns são de propriedade de todos os condôminos.
c) O uso, manutenção e garantia das áreas comuns, por pertencerem a todos
os condôminos, devem, portanto, ser geridas pelo síndico.

Cabe ao síndico realizar o recebimento do condomínio e zelar pelo


bom uso, operação e manutenção de todos os sistemas existentes.

Este Manual discorre sobre o uso, manutenção e garantia somente das áreas
comuns.

2.0 - OBJETIVO DO MANUAL

Especificar a correta utilização e manutenção do empreendimento imobiliário de


acordo com os sistemas construtivos e materiais empregados, evitando, com isso,
danos decorrentes do mau uso, esclarecendo quanto aos riscos de perda da garantia
pela falta de conservação e manutenção preventiva adequada.

O manual pretende atingir o máximo de desempenho através dos seguintes tópicos:


• Ser utilizado como um guia de consulta;
• Contribuir para preservar e valorizar o empreendimento;
• Auxiliar na prevenção de gastos antecipados com reposição de materiais ou
equipamentos;

21
• xecutar procedimentos de conservação e manutenção;
E
• Ensinar os procedimentos a todos os usuários (prestadores de serviços,

funcionários e moradores);
• Colaborar para evitar situações que possam causar os usuários em risco físico
e material;
• Conhecer procedimentos de segurança.

3.0 - ALERTAS DO MANUAL

Ao longo do manual, diversas caixas de texto coloridas são apresentadas para


destacar aspectos importantes relativos ao uso, conservação e manutenção do
imóvel. Os ícones utilizados no corpo de texto do manual estão representados no
quadro 1:

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Memorial técnico da execução dos serviços

MATERIAIS BÁSICOS
Especificação dos principais materiais utilizados nos serviços,
com referências técnicas

ATENÇÃO
CUIDADO! – Observações importantes

MANUTENÇÕES E RECOMENDAÇÕES
Principais recomendações para a manutenção
Principais cuidados com as manutenções do dia a dia

PERDA DE GARANTIA

22
4.0 – TERMOS DE ENTREGA DO MANUAL

Quando concluída a obra, será efetuada a vistoria das áreas comuns com o
subsíndico e/ou o síndico juntamente com o engenheiro da obra, e ou empresa
especializada em Perícias de Engenharia e Inspeções Prediais, verificando se as
especificações constantes no Memorial Descritivo foram atendidas, e se há vícios
aparentes de construção.

5.0 - LEIS E NORMAS

Para conhecimento e melhor entendimento do síndico relacionamos algumas das


Leis e Normas pertinentes:

1. Artigo 22 da Lei de condomínio nº 4591/64


“ ...será eleito, na forma prevista pela convenção, um síndico para
representar o condomínio, bem como para praticar os atos de defesa
dos interesses comuns e exercer a administração interna da edificação”.

2. NBR 5671 – Participação dos intervenientes em serviços e obras


de engenharia e arquitetura.
É a Norma Brasileira número 5671, da Associação Brasileira de Normas
Técnicas - ABNT, que regulamenta os direitos e obrigações dos intervenientes
da construção.
Item 7.3.2 “...a responsabilidade dos ônus decorrentes de mau uso,
especialmente pela desobediência às prescrições do Manual de Uso,
Operação e Manutenção, será do usuário, ficando dela eximidos o
proprietário e o executante”.

3. NBR 5674 – Manutenção de edificações


É a Norma Brasileira número 5674, da Associação Brasileira de Normas
Técnicas - ABNT, que regulamenta, define e obriga a manutenção das
edificações.
Esta norma esta em processo de revisão e entrará em consulta nacional a partir
05/12/2011 – Objetivo da Norma é que as edificações tenham programas de
manutenção Preventiva.

23
4. NBR 14037 – Manual de operação, uso e manutenção das
edificações
É a Norma Brasileira número 14037, da Associação Brasileira de Normas
Técnicas – ABNT, que determina o conteúdo, as recomendações, a elaboração
e a apresentação do Manual de Uso Operação e Manutenção dos edifícios,
bem como o Manual do Proprietário.

5. NBR 12722/92 – Discriminação de serviços para construção de


edifícios
É a norma Brasileira número 12722, da Associação Brasileira de Normas
Técnicas – ABNT, que discrimina os serviços técnicos necessários à elaboração
de planejamento, projetos, fiscalização e condução das construções,
destinados especialmente às edificações de propriedade pública ou privada,
residenciais, comerciais, industriais ou agrícolas.
Item 7.4.1, “...a entrega formal deve ser realizada pelo construtor ou
incorporador do empreendimento ao síndico quanto à área de uso em comum
(condominial), após a legalização da obra, através da obtenção do auto de
conclusão e registro de demais documentos pertinentes no Serviço de Registro
de imóveis”.

6. NBR 6493 - Emprego de cores fundamentais para tubulações.


É a norma Brasileira número 6493 que determina as cores que devem ser
utilizadas para identificação das tubulações das diversas instalações existentes
nas edificações.

7. ABNT NBR– 16280:2014 - Reforma em edificações — Sistema de


gestão de reformas — Requisitos
É a norma brasileira que define as ações necessárias nas reformas de
edificações residenciais e comerciais, para garantir a integridade das
construções. Além disso, reforça a legislação existente e chama a atenção
da sociedade para o risco de reformas executadas sem a supervisão de um
profissional habilitado, que podem causar grandes desastres.

24
6.0 - REFORMAS E ALTERAÇÕES

Para que a estabilidade e estética da edificação sejam preservadas devem-se tomar


cuidados com qualquer mudança nas características da construção, pois estas
podem afetar o desempenho estrutural e dos demais sistemas do edifício.

Para isso o condomínio pode estabelecer uma comissão interna de obras. Com
número de condomínios representativos. Na falta ou impossibilidade de engenheiros
moradores pode-se contratar serviços de empresa de engenharia e ou especialista
habilitado e ou capacitado para auxiliar nas tomadas de decisões e na fiscalização
dos serviços. Essa comissão tem por objetivo autorizar e fiscalizar obras na unidade
privativa e de uso comum de maneira a atender os parâmetros abaixo descritos:

• Toda e qualquer alteração nos sistemas estruturais da edificação deve ser


previamente submetida à análise dos projetistas e de um responsável técnico;
• Toda e qualquer alteração nos sistemas de vedações horizontais e verticais, e
demais sistemas, deve ser previamente submetida à análise dos projetistas e
de um responsável técnico;
• Deve atender as limitações e impedimentos da edificação ou de seus sistemas
e elementos, instalações e equipamentos e deve ser previamente submetida a
análise dos projetistas e de um responsável técnico;
• Toda e qualquer modificação que altere ou comprometa o desempenho do
sistema, inclusive aquelas da unidade vizinha, deve ser previamente submetia
a análise dos projetistas e de um responsável técnico;
• Todas as alterações devem ser objeto de documentação específica, incluindo
projeto e memória a serem elaborados pelos responsáveis técnicos. Devendo
ainda o condomínio ser avisado antecipadamente, quando a modificação for
realizada na unidade autônoma. Em havendo intervenções das reformas em
sistemas de uso comum deverá o condomínio fiscalizar a obra e emitir termo
de conformidade;
• As fachadas, halls sociais e de serviço, garagens, jardins, conforme

especificados na Convenção de Condomínio fazem parte integrante de um

25
todo que pertence ao condomínio, não sendo admitidas alterações sem
aprovação deste;
• As peças estruturais de concreto, vigas, lajes e também integram um sistema que
não podem ser alterados devendo ser observadas as cargas dimensionadas
para a sua execução, que não podem ser ultrapassadas sob pena de se
comprometer à estabilidade da obra.

Desde alterações de tomadas, furações de parede até as maiores alterações de


planta.

Não é a Thá quem faz a aprovação de modificações. Depois do empreendimento


entregue, eles são de inteira responsabilidade dos proprietários. A Assistência
Técnica Thá presta apenas serviços de manutenção e reparos. As reformas devem
ser executadas por profissional habilitado, que possa se responsabilizar pelos
serviços. Seguem algumas orientações que deverão ser seguidas:

• Contratar um profissional que se responsabilize tecnicamente e recolha a ART


de execução da reforma. Caso ainda não seja do seu conhecimento, a norma
de reformas ABNT NBR 16.280 deve ser seguida.
• Compatibilizar a planta de modificações (por menor que seja) com os respectivos
projetos originais do empreendimento: arquitetônico, elétrico, hidráulico, gás,
ar condicionado, telefonia e outros. Se precisar de informações adicionais às
dos projetos, favor consultar os projetistas. Estão listados no presente manual.
• Solicitar aprovação das modificações junto ao projetista de
estruturas. Este deverá fornecer um laudo atestando que as
modificações desejadas, não afetam a estabilidade do edifício.
Esse laudo deverá ser encaminhado ao condomínio também.
• Apresentar as modificações desejadas ao síndico. Conforme a norma acima
citada, ele é o responsável pelas alterações no condomínio.

26
IMPORTANTE!

Este manual tem sua validade exclusiva nas condições originais de entrega
da edificação, cabendo ao condomínio elaborar novo manual em caso de
alterações na originalidade.

Quando aplicável, as modificações devem ser registradas e aprovadas nos


órgãos competentes, conforme determina a NBR 14037/11.

Também devem ser seguidas a determinações da ABNT NBR– 16280:2014 -


Reforma em edificações — Sistema de gestão de reformas — Requisitos

O Grupo Thá exime-se de quaisquer responsabilidades sobre


alterações efetuadas.

6.1 - Atualização do manual

a. É obrigatório o condomínio atualizar o conteúdo deste manual em caso de


alterações das características do empreendimento em relação ao construído e
documentado neste manual.
b. A atualização do manual deve necessariamente incluir a revisão e correção de
todas as discriminações técnicas e projetos a edificação, além da revisão do
manual.
c. A atualização pode ser feita em forma de encartes que documentem a revisão
de partes isoladas, identificando no corpo do manual os itens revisados, ou
na forma de uma nova estrutura do manual, dependendo da intensidade das
modificações realizadas na edificação.
d. A atualização deste manual é um trabalho técnico, e deve ser realizado por
empresa de engenharia ou responsável técnico legalmente habilitado e com
comprovada capacidade técnica.
e. A versão antiga do manual deve ser identificada como desatualizada de forma
clara, porém devem ser guardadas como fonte de informação e memória
técnica da vida da edificação.

27
7.0 – MUDANÇAS

O empreendimento foi projetado para receber mudanças de móveis conforme


abaixo:

a. or ocasião de mudança é aconselhável que se faça um planejamento,


P
respeitando-se o Regulamento Interno do Condomínio e prevendo a forma
de transporte dos móveis, levando-se em consideração as dimensões dos
elevadores, escadarias, rampas e os vãos livres das portas.
b. Devem ser obedecidas as condições de tamanho de veículos permitidos pela
Prefeitura Municipal de Curitiba.

Abaixo estão reproduzidas algumas dimensões e características da edificação:

• Entrada pelo portão externo de veículos com dimensões de 5,70 x 2,30 metros;

• Entrada dos moradores ao condomínio pode ser pelos portões externo de


veículos possuindo dimensões de 4,30 x 2,14 m entrada em frente ao Hall e
6,00 x 2,20 entrada para as garagens.

• Entrada da parte comercial o portão tem a dimensão de 4,60 x 2,38m.

• Poderá ser utilizado elevador de serviço, que possui as dimensões:


• Capacidade: 8 pessoas ou 600 Kg.
• Porta da cabine de vão luz: 0,80m.
• Cabine com dimensões: 2,40 m altura x 1,20 m de largura x 1,20m
de profundidade.
• Porta com 0,80m de largura e altura de 2,00m

• As portas de entrada das unidades possuem 0,80 m de largura x 2,10 m


altura.

28
• A escadaria poderá ser utilizada e possui:
• Portas corta fogo de 0,80 m de largura x 2,10 m de altura.
• As portas não devem ficar abertas após a passagem.

• Poderá ser utilizada a entrada da portaria que possui 1,65m de largura x


2,20m de altura.

7.1 – Serviços de mudança e transporte

Por ocasião da mudança das unidades autônomas é aconselhável que se faça um


planejamento, respeitando-se o Regulamento Interno do Condomínio, e prevendo
a forma de transporte dos móveis levando-se em consideração as dimensões dos
elevadores, escadarias, rampas e os vãos livres das portas, mencionados acima.

7.2 – Aquisição e instalação de equipamentos

Ao adquirir qualquer equipamento verifique primeiramente à compatibilidade da


sua voltagem e potência, que deverá ser no máximo igual, à voltagem e potência
dimensionada em projeto para cada circuito.

Na instalação de luminárias solicite ao profissional habilitado que esteja atento ao


total isolamento dos fios.

Para sua orientação, o consumo de energia de seus equipamentos é calculado da


seguinte forma:

Potência x quantidade de horas por mês = Consumo KW/h.

7.3 – Decoração

• No momento da decoração, verifique as dimensões dos ambientes e espaços no


Projeto de Arquitetura, para que transtornos sejam evitados no que diz respeito
à aquisição de mobília e/ou equipamentos com dimensões inadequadas.

29
• Antes de iniciar a montagem dos móveis realize um teste em toda a rede
hidráulica do local, verificando se existe algum vazamento.

• Atente também a disposição das janelas dos pontos de luz, das tomadas e
interruptores.

• A colocação de redes e/ou grades em janelas deverá respeitar o estabelecido


na Convenção do Condomínio e no Regulamento Interno do Condomínio. São
indispensáveis cuidados especiais na furação para colocação
de ganchos, suportes ou similares, para evitar infiltração na
fachada.

• Não encoste o fundo dos armários nas paredes para evitar a umidade
proveniente da condensação, sendo necessária a colocação de um isolante
como por exemplo, chapa de isopor, entre o fundo do armário e a parede.

• Nos locais sujeitos a umidade (sob as pias) utilize sempre revestimento


impermeável.

• Para fixação de acessórios (quadros, armários, cortinas, saboneteiras,


papeleiras, suportes) que necessitem de furação nas paredes, é importante
tomar os seguintes cuidados: Observe se o local escolhido não é passagem
de tubulações hidráulicas, conforme detalhado nos Projetos de Instalações.

• Evite perfuração na parede próxima ao quadro de distribuição e nos


alinhamentos verticais de interruptores e tomadas, para evitar acidentes com
os fios elétricos;

• Para a furação em geral utilize, de preferência, furadeira e parafusos com


bucha. Atente para o tipo de revestimento, bem como sua espessura, tanto
para parede quanto para o teto e piso;

30
• Na instalação de armário sob as bancadas de lavatórios e cozinha, deve-
se tomar muito cuidado para que os sifões e ligações flexíveis não sofram
impactos, pois as junções podem ser danificadas, provocando vazamentos;

• Nunca perfure o piso dos banheiros e sacadas, evitando assim danos à


impermeabilização.

31
CAPÍTULO II – ETAPAS CONSTRUTIVAS,
OPERAÇÃO, USO E MANUTENÇÃO

1.0 - ESTRUTURAS DE CONCRETO

Especificações Técnicas

O sistema estrutural da edificação, dimensionado, calculado e executado conforme


o projeto estrutural responsável pela sua estabilidade é composto por:

• Torre A e C: 14 pavimentos;
• Torre B: 15 pavimentos;
• Subsolo Winston Churchill / Térreo Francisco Raitani – Hall Residencial /
Estacionamento Residencial;
• Térreo Winston Churchill / 2° Pavimento Francisco Raitani – Galeria / Hall
Residencial;
• 2°/3° Pavimento – 4 apartamentos / Estacionamento Residencial;
• 3°/4° Pavimento – 4 apartamentos / Estacionamento Residencial / Apoio
Condomínio / Bicicletário;
• 4°/5° Pavimento – 4 apartamentos / Áreas comuns cobertas e descobertas;
• 5°/6° ao 14°/15° Pavimento – Torres A e B: 10 pavimentos tipo (8 apartamentos
por andar);
• Torre C: 10 pavimentos tipo (10 apartamentos por andar);
• As lajes são elementos estruturais planos que recebem as ações das cargas
dos pisos, alvenarias e revestimentos e ainda as sobrecargas de pessoas,
móveis e equipamentos transmitindo-as às vigas;
• As vigas são elementos lineares horizontais periféricos às lajes que recebem as
cargas delas transmitindo-as aos pilares;
• Os pilares são elementos lineares verticais que recebem as cargas das vigas,
concentrando-os e transmitindo-as às fundações;
• As fundações são os elementos estruturais que recebem todas as

cargas do edifício e respondem por boa parte da solidez e segurança da
edificação;
• Observada a impossibilidade de retirada de qualquer laje, pilar ou vigas e de
sobrecarga das lajes além do limite previsto em projeto que é de:
• 150 Kgf/m² na laje interna dos apartamentos, terraço, lajes técnicas e
escadas, pisos do mezanino, pisos internos do térreo;
• 300 Kgf/m² estacionamentos e garagens.

32
Recomendações e Manutenção

a. L impar com água e detergente.


b. Não utilizar ácidos.
c. Pintar as barras de proteção.
d. Fixar ou trocar os rodapés.
e. Verificar a presença de infiltrações, trincas e fissuras.
f. Corrigir com massa os cantos com quebras desde que o aço não esteja
aparente.
g. Tratar as infiltrações e locais onde houver o aparecimento da armação de aço
com empresa especializada.

2.0 - ALVENARIA DE TIJOLOS CERÂMICOS

Especificações Técnicas

• s alvenarias constituem-se simplesmente em elementos de vedações ou


A
fechamentos, não possuindo características estruturais.

• As paredes externas e divisórias entre unidades do Viva Vida foram executadas


em alvenaria de blocos cerâmicos (convencional), com espessuras variando em
cada ambiente. Estes materiais são resistentes mecanicamente, possibilitando
a fixação de quadros ou elementos decorativos.

• ntes de perfurar paredes para colocação de quadros, armários, prateleiras


A
ou outros objetos, consulte os projetos de instalações hidráulicas e elétricas
do edifício. Procedendo assim, você evitará furar as tubulações de água e
instalações elétricas, bem como pilares e vigas, sendo estes de mais difícil
perfuração. É preferível a utilização de furadeira e buchas com parafusos
especiais para blocos, evitando-se o uso de pregos e martelo, que tem grande
capacidade de penetração, porém danificará o acabamento da parede.

33
3.0 – DRYWALL

Especificações Técnicas

• drywall é o sistema para construção a seco de paredes, forros e revestimentos,


O
combina estruturas de aço galvanizado (guias a montantes) com placas de
gesso de alta resistência mecânica e acústica.

• Para a instalação de objetos no forro é necessária a utilização de buchas.

• Cargas até 3kg: podem ser fixadas diretamente no drywall.

• Cargas entre 3kg e 10kg: devem ser fixadas nos perfis metálicos da
estrutura.

• Cargas acima de 10kg: a fixação deverá ser feita na laje.

IMPORTANTE!

Os materiais utilizados na estrutura, alvenaria e revestimento


das paredes são de naturezas diversas, possuindo diferentes
coeficientes de elasticidade, de resistência e dilatação térmica.
Assim sendo, diante de variações bruscas da temperatura
ambiente, da acomodação natural da estrutura causada
pela ocupação gradativa da edificação, bem como, quando
submetidos a cargas específicas, podem se comportar de
forma diferente, o que poderá eventualmente acarretar o
aparecimento de fissuras localizadas no revestimento das
paredes, fato este que NÃO compromete de forma alguma a
segurança da edificação. No caso de paredes internas, são
consideradas aceitáveis e normais, as fissuras não perceptíveis
a distância de pelo menos 1 metro. Com relação às paredes
externas, as eventuais fissuras que surgirem e não
provoquem infiltração para o interior da edificação,
serão consideradas aceitáveis e normais.

34
Recomendações e Manutenção

a. Não efetue reformas que envolvam demolição ou construção de paredes,


abertura ou fechamento de vãos, sem a prévia autorização do Condomínio.
b. Para fixação de elementos nas paredes use furadeira e buchas especiais para
blocos vazados de concreto.
c. As paredes devem ser limpas com produto apropriado ao seu acabamento.
d. Para limpeza de mofo utilizar água sanitária.
e. Verificadas quaisquer infiltrações procurar empresa especializada.

4.0 - FACHADAS

Especificações Técnicas

As fachadas do edifício foram revestidas com chapisco, reboco e com acabamento


final em Grafiato marca Dana Color, Laranja – E134; Cinza – C165; Branco – A158.

Recomendações e Manutenção

a. ão utilizar jato de água de alta pressão. A força do jato pode arrancar o


N
revestimento tipo grafiato e texturas. Utilizar pressão de 70 bar, distante cerca
de 70 cm do substrato a ser limpo.
b. Não utilize soluções que contenham produtos agressivos de quaisquer tipos e,
caso isso não seja possível, recomenda-se que a limpeza da fachada seja feita
com o uso de água com detergente neutro a 5%.
c. Quando não for obtido um resultado satisfatório somente com o jato de água,
recomenda-se a adição de soluções de hipoclorito de sódio (12%). Na fração
1:10 (hipoclorito: água) ou detergente neutro 1:6 (detergente neutro: água).
d. Consultar o fornecedor do material no caso de uso de outros produtos de
limpeza, para indicação de empresas autorizadas a proceder à limpeza do
revestimento.
e. Em caso de áreas fissuradas, descoladas, manchadas ou com vestígios de
impactos, recomenda-se a reaplicação do revestimento entre os frisos de
emendas de panos mais próximos.
f. A repintura deverá ser feita a cada 3 anos.

35
g. s elementos componentes da fachada, não poderão ser alterados sob
O
hipótese alguma, conforme determina a convenção de condomínio.
h. Antes de executar qualquer tipo de pintura, seja tinta a óleo, látex ou cal,
proteger as esquadrias de alumínio com fitas adesivas de PVC (não utilize
fitas tipo “crepe”, pois elas costumam manchar as esquadrias quando em
contato prolongado), sem que fique nenhuma área desprotegida ou com mau
contato, removendo-as imediatamente após o uso, uma vez que sua cola
contém ácidos ou produtos agressivos, que em contato prolongado com as
esquadrias poderão danificá-las.
i. Limpar as esquadrias imediatamente com pano seco e em seguida com pano
umedecido em solução de água e detergente neutro, caso haja contato com
a tinta.
j. A manutenção do revestimento externo (fachada) deverá ser realizada por
uma empresa de especializada. Aconselhamos empresas de Engenharia com
recolhimento de ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) e que apresente
acervo técnico no CREA (conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e
Agronomia).

Cerâmica

a. unca utilizar ácido fluorídrico ou produtos de origem duvidosa.


N
b. Para realizar limpeza para remover os restos de rejunte dos produtos cerâmicos
(Rústicos), a limpeza deve ser efetuada utilizando detergente a base de
ácido clorídrico (HCL), devendo ser realizada em uma única vez para não
comprometer o rejunte evitando assim corrosão, ou seja, o ataque químico
sobre o rejunte.

Rejuntamento

a. om o auxílio de um rodo ou uma desempenadeira de borracha, complete o


C
rejuntamento com a nata em toda a superfície da cerâmica.
b. As juntas poderão ser frisadas ou palitadas, se necessário.
c. Após aproximadamente 15 minutos do término do rejuntamento, retire o

excesso de nata com uma esponja úmida em água. Após a secagem total,
faça o acabamento com esponja seca.

36
5.0 - ESQUADRIAS DE MADEIRA E FERRAGENS

Especificações Técnicas

• As portas foram confeccionadas pela empresa Vert com madeira Pinus,



revestidas por uma camada de massa UV, material protetor das peças de HDF,
pintadas na cor branca. Nos batentes há uma camada de PVC nas bordas
com a função de anti-ruído.
• Os batentes foram fixados com espuma de poliuretano e as guarnições foram
fixadas com sistema de encaixe – tipo kit porta pronta.

6.0 - ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO

Especificações Técnicas

• Os perfis de alumínio foram fornecidos pela empresa Domínio, a qual fabricou


as esquadrias de alumínio, em várias dimensões e bitolas. As esquadrias
receberam acabamento em pintura eletrostática na cor branco Brilho Ref. Rau
9003B.
• Os demais acessórios e arremates de alumínio acompanham as mesmas
especificações e acabamentos dos perfis e dos montantes.
• Os perfis usados na fabricação das esquadrias são suficientemente resistentes
para suportar a ação do vento e outros esforços aos quais estão sujeitos;
não apresentam empenamentos, defeitos de superfície ou diferenças de
espessuras, possuem dimensões que atendem aos coeficientes de resistência
e as exigências estéticas do projeto. Foram montados de modo a atender
à estabilidade e estanqueidade de cada tipo de esquadria, impedindo a
passagem de água e ventos.

IMPORTANTE!

Os gradis de varanda não estão dimensionados para receber


cortinas de vidro sobre os mesmos. A instalação deste elemento está
condicionada ao acompanhamento de um técnico especializado.

37
ITEM DESCRIÇÃO
Limpeza das esquadrias
• A limpeza das esquadrias como um todo, inclusive
guarnições de borrachas e escovas, deverá ser feita
com solução de água e detergente neutro a 5%,
com auxílio de esponja macia, a cada 12 meses, no
mínimo, em zona urbana ou rural; Realizar a limpeza
simples quinzenalmente com pano macio e úmido.

• Não bater as portas ou deixá-las abertas em locais de


muito vento para não provocar rachaduras tanto nas
portas quanto nos batentes.

• Não calçar as portas para não causar empenamento


das dobradiças e parafusos.

• Os trilhos inferiores das janelas e portas de correr


Recomendações
precisam ser frequentemente limpos, para evitar o
e Manutenção
acúmulo de poeira, que com o passar do tempo
vai se compactando pela ação de abrir e fechar, se
transformando em crostas de difícil remoção que
comprometem o desempenho das roldanas, resultando
em troca precoce.

• Deve-se manter os drenos (orifícios) dos trilhos


inferiores sempre bem limpos e desobstruídos,
principalmente na época de chuvas mais intensas,
pois esta é a causa principal do borbulhamento e
vazamento de água para o interior do ambiente.

• NÃO usar em hipótese alguma fórmulas de


detergentes contendo saponáceos, esponjas de aço de
qualquer espécie, ou qualquer outro material abrasivo.

38
ITEM DESCRIÇÃO

• NÃO usar produtos ácidos ou alcalinos. Sua aplicação


poderá causar manchas na anodização ou pintura,
tornando o acabamento opaco;

• NÃO utilize objetos cortantes ou perfurantes para


auxiliar na limpeza dos “cantinhos” de difícil acesso.
Essa operação poderá ser feita com o uso de pincel
de cerdas macias embebido em solução de água e
detergente neutro a 5%;

• NÃO utilize vaselina, removedor, thinner® ou qualquer


outro produto derivado do petróleo, pois, além de
ressecar plásticos ou borrachas, fazendo com que
percam sua função de vedação, possuem componentes
que atraem partículas de poeira que agirão como
Recomendações
abrasivo, reduzindo em muito a vida do acabamento
e Manutenção
superficial do alumínio.

• NÃO utilizar jato de água de alta pressão para


lavagem das fachadas. A força do jato pode arrancar
as partes calafetadas com silicone ou qualquer outro
material protetor contra infiltração.

• NÃO remover as borrachas ou massas de vedação;

• Caso ocorram respingos de cimento, gesso, ácido


ou tinta, remova-os imediatamente com um pano
umedecido na mesma proporção de água e detergente
neutro a 5% e, logo após, passe uma flanela seca.

39
ITEM DESCRIÇÃO

• Todas as articulações e roldanas trabalham sobre


a camada de nylon auto lubrificante, razão pela
qual dispensam quaisquer tipos de graxa ou óleo
lubrificante. Esses produtos não devem ser aplicados
às esquadrias, pois em sua composição poderá haver
ácidos ou componentes não compatíveis com os
materiais usados na fabricação de esquadrias.

• Quando a janela possuir persiana de enrolar, a


limpeza externa da persiana deve ser feita removendo-
se a tampa da caixa do rolo, que fica na parte superior
da janela, pelo lado interno. Em seguida, proceder à
limpeza com um pano macio (ou esponja), umedecido
em uma solução de água e detergente neutro a 5%,
executando-se a limpeza em duas ou três palhetas de
Recomendações
cada vez, à medida que se move a persiana.
e Manutenção

Manutenção das esquadrias

• Deve ser feito por profissional qualificado;

• As esquadrias modernas são fabricadas com acessórios


articuláveis (braços, fechos e dobradiças) e deslizantes
(roldanas e rolamentos) de nylon, que não exigem
qualquer tipo de lubrificação, uma vez que suas partes
móveis, eixos e pinos são envolvidos por uma camada
deste material especial, auto lubrificante, de grande
resistência ao atrito e às intempéries.

40
ITEM DESCRIÇÃO
• Reapertar delicadamente com chave de fenda todos
os parafusos aparentes dos fechos, fechaduras ou
puxadores e roldanas responsáveis pela força do
caixilho de correr no trilho, sempre que necessário.

• Verificar nas janelas máximo-ar a necessidade de


regular o freio. Para isso, abrir a janela até um ponto
intermediário (+ - 30°), no qual ela deve permanecer
parada e oferecer certa resistência a qualquer
movimento espontâneo. Se necessário, a regulagem
deverá ser feita somente por pessoa especializada,
para não colocar em risco a segurança do usuário e de
terceiros.

• Não utilizar quaisquer tipos de graxa ou óleo


lubrificante nas articulações e roldanas que trabalham
Recomendações
sobre a camada de nylon auto lubrificante.
e Manutenção

• Não aplicar esforço algum ao operar as portas e


janelas de alumínio.

OBS: A utilização do álcool deverá ser somente para


retirar o respingo de tinta látex. Não utilizá-lo como
produto de limpeza.

Fitas adesivas para proteção de esquadrias pintadas


durante reformas ou obras: As fitas adesivas deverão ter
garantia quanto a resistência aos raios solares, no sentido
de não aderirem em demasia ou ressecar sobre as peças
pintadas, até a época de sua remoção. Sugestão de uso:
Fita 3w 26X da 3M Scoth do Brasil. Peças pintadas com
respingo de argamassa: Deve-se tomar muito cuidado

41
ITEM DESCRIÇÃO

para retirar a argamassa, não esfregando o lugar afetado,


pois a areia irá atritar o alumínio pintado. Para limpeza
deve-se ir jogando água e esfarelando com o dedo
Recomendações
somente no lugar afetado.
e Manutenção

Nunca se deve usar ferramentas cortantes ou pontiagudas,


ou materiais ásperos, no auxílio da limpeza.

7.0 - VIDROS

Especificações Técnicas

As espessuras dos vidros foram dimensionadas compatibilizando a resistência


necessária para o seu uso natural sendo:

LOCAL ESPESSURA TIPO DE VIDRO


Janelas pavto 4 mm Liso Incolor comum

Janelas dos Banheiros


4 mm Fantasia
p/ área externa

Janelas dos Banheiros


4 mm Fantasia
p/ área interna

Vidros Sup. Comum


Portas-janelas 4mm /6 mm 4mm/ Vidros Inf.
Laminado 6mm

Vidros Sup. Comum


Janelas com ventilação
4 mm 4mm/ Vidros Inf.
permanente
Laminado 6mm

42
Recomendações e Manutenção

a. L impar periodicamente utilizando água limpa e os produtos de mercado,


desde que não sejam alcalinos e não contenham substâncias abrasivas ou
corrosivas.
b. Limpar com álcool quando apresentarem manchas ou marcas de gordura ou
cola.
c. Tanto o tipo quanto a espessura dos vidros nunca deverão ser modificados,
sob o risco de não suportar o vão a ser fechado ou de ser inadequado para a
sua localização e uso.
d. Não utilizar esponjas de aço ou materiais abrasivos.
e. Verificar a integridade dos elementos de fixação como massas e gaxetas
repondo-os se necessário.
f. Evitar qualquer tipo de batida em sua superfície ou nos caixilhos que os
suportam.

8.0 – IMPERMEABILIZAÇÕES

Especificações Técnicas

• impermeabilização é a proteção da edificação contra a penetração indesejável


A
de águas das chuvas, das águas de banhos ou limpezas internas, das águas
utilizadas em manutenções de limpeza predial, da umidade dos solos ou da
terra de jardinagem. A impermeabilização visa proteger os ambientes.

• S ão proteções imperceptíveis a olho nú, já que estão localizadas sob os


revestimentos finais da paredes e dos pisos. Portanto tenha bastante atenção.
Mesmo não estando visíveis, não esqueça de sua existência. Evite quebras e
perfurações de pisos e revestimentos destes locais.

• os ambientes mencionados,
N foi realizado o procedimento de
impermeabilização.

• Locais de aplicação de impermeabilização:

43
TIPO DE IMPERMEABILIZAÇÃO
AMBIENTE
IMPERMEABILIZAÇÃO NA PAREDE
Box dos banheiros Manta Asfáltica Rodapé: até 60 cm

Revestimento
semiflexível,
Sacada Rodapé: 15 cm
bicomponente (A+B)
(Viaplus)

Rodapé: de 30 cm a
Área externa Manta Asfáltica
200 cm

Piscinas Manta Asfáltica Rodapé: toda parede

Poço de elevador Cristalização Rodapé: 60 cm

Rodapé: até 5 cm da
Floreiras Manta asfáltica
borda.

IMPORTANTE!
Para todas as floreiras o nível de terra não deverá exceder a 10 cm abaixo
do nível da borda, para que não ocorram vazamentos na manta de
impermeabilização.

No caso do condomínio modificar o paisagismo em floreiras


impermeabilizadas com mantas asfálticas, não utilizar plantas com
raízes profundas, pois danificam a manta.

Recomendações e Manutenção

Das Lajes

a. I nspecionar, mensalmente, os rejuntamentos dos pisos, paredes, soleiras,


ralos e peças sanitárias, pois, através das falhas nos mesmos, pode ocorrer
infiltração de água.
b. Não tentar resolver o problema e não executar os reparos com materiais e

44
sistemas diferentes do aplicado originalmente, pois a incompatibilidade pode
comprometer o bom desempenho do conjunto.
c. Inspecionar a camada drenante do jardim verificando se não há obstrução na
tubulação;

Dos reservatórios de concreto

a. recomendável que essa lavagem, seja feita por empresa especializada e


É
seja manual.
b. Não utilizar máquinas de alta pressão que danificam a proteção mecânica.
c. Durante a execução da limpeza das caixas e ou reservatórios, fechar / isolar
a saída de agua para consumo após esvaziamento e antes dos serviços de
limpeza, e manter o dreno aberto, afim de evitar a descida de sujeiras na
tubulação de uso. Sugerimos a contratação de empresa especializada.

9.0 - REVESTIMENTOS DE PISOS E PAREDES

Especificações Técnicas

Paredes

• as áreas secas o revestimento interno das paredes foi executado com massa
N
única com pintura, conforme consta no na Tabela da Acabamentos.
• Nas áreas molhadas de todos os pavimentos, aplicou-se massa única, com
acabamento específico em cada ambiente (cerâmica, etc.) – consulte a Tabela
de Acabamentos.

Pisos

• as áreas secas da unidade (salas e dormitórios).


N
• Nas áreas molhadas foi executado sobre a laje, impermeabilização e contrapiso
para assentamento de acabamento específico, em cada ambiente (cerâmica,
etc.) – consulte a Tabela de Acabamentos.

45
Recomendações e Manutenção

Dos materiais cerâmicos

a. L impar a seco ou, no máximo com o uso de pano ou esponja macia umedecido
com sabão neutro, sem a utilização de água evitando a infiltração, mesmo nas
áreas que estão impermeabilizadas.
b. Não utilizar vassouras de piaçava e máquinas de jato que podem destruir o
rejuntamento entre as peças.
c. Não utilizar detergentes agressivos, ácidos ou soda cáustica que retiram o
esmalte das peças e atacam os rejuntamentos.
d. tilizar um capacho na entrada do edifício para evitar a abrasão e que a
U
sujeira seja transportada para dentro, diminuindo desta forma, a frequência
de limpeza.
e. Verificar semestralmente o rejuntamento para evitar eventuais infiltrações.
f. Não utilizar pregos ou parafusos, mesmo nas juntas, pois poderão ocasionar
infiltrações ou vazamentos.
g. Perfurar as paredes (nunca os pisos), quando necessário, nos rejuntamentos,
com furadeira, buchas e parafusos.
h. Evitar a queda de objetos pontiagudos e pesados sobre os revestimentos.

Dos cimentados

a. L impar com pano embebido em água com sabão neutro


b. Não utilizar água corrente ou esguicho evitando a infiltração e o acumulo de
água (não há ralos para o escoamento).
c. Não utilizar máquinas de jato que podem destruir o rejuntamento entre as
peças.
d. Não utilizar detergentes agressivos.
e. Não utilizar pregos ou parafusos, mesmo nas juntas, pois poderão ocasionar
infiltrações ou vazamentos.
f. Evitar a queda de objetos pontiagudos e pesados sobre os revestimentos.

46
IMPORTANTE!
Os ambientes internos que não são impermeabilizados devem ser
limpos e secos com produtos neutros para que não haja infiltrações
nem danos às paredes e rodapés.

10.0 - REVESTIMENTOS DE PAREDES PINTADAS

Recomendações e Manutenção

Da pintura em látex

a. L impar trimestralmente com pano umedecido com água.


b. Repintar com as mesmas especificações da pintura original, periodicamente
para que se mantenha a aparência nova.
c. Pintar a parede inteira ou trecho que esteticamente se compatibilize com
os objetivos, não fazendo retoques isolados em virtude das diferenças de
tonalidade ocasionadas pela idade das tintas.
d. Não utilizar esponjas ásperas, buchas de palha de aço, álcool, lixas e máquinas
com jato de pressão.
e. Evitar o contato com pontas de lápis, caneta ou hidro cor.
f. Evitar exposição prolongada ao sol nas áreas internas.
g. Utilizar água e sabão neutro em caso de manchas de gordura.
h. Evitar atrito e pancadas.
i. Procurar manter os ambientes bem ventilados.
j. Utilizar detergente, formol ou água sanitária dissolvida em água para combater
o mofo nas paredes decorrente da condensação de água por deficiência de
ventilação que eventualmente possa surgir no inverno ou épocas de chuvas,
principalmente em ambientes fechados (armários, atrás das cortinas e forros
de banheiro).

IMPORTANTE!
Os ambientes internos que não são impermeabilizados devem ser
limpos a seco com produtos neutros para que não haja infiltrações
nem danos às paredes e rodapés.

47
IMPORTANTE!

MOFO

O aparecimento de mofo em armários e closets, na maioria das vezes não está


relacionado com problemas construtivos, como vazamentos e infiltração externa.

Estudos mostram que, em princípio, seu aparecimento deve-se à falta de iluminação


e ventilação dos ambientes. Na existência de água (vinda de vazamentos ou
infiltração), as peças afetadas se deterioram antes do mofo aparecer.

O mofo é um fungo que, em condições apropriadas, se reproduz numa velocidade


muito grande.

Técnicas construtivas avançadas e projetos arquitetônicos de qualidade não


garantem por si só, a ausência do mofo.

São vários os fatores que propiciam o mofo:

Fatores externos: grande número de edifícios próximos, alteração nas condições


climáticas e ar cada vez mais saturado de poluentes;

Fatores internos: grau de umidade relativo médio do ambiente, liberação de


vapor de água pelo homem, condições fisiológicas do ambiente, diferença de
temperatura entre ambientes, umidade gerada pelo uso dos ambientes (na cozinha,
no preparo de alimentos, no banheiro, transpiração, entre outros.), porosidade de
componentes internos, diferença de pressão entre os lados de uma parede, umidade
natural de móveis (principalmente os novos) componentes de material natural,
imóveis fechados por longo período de tempo (imóveis no litoral, por exemplo),
entre outros.

São inúmeras as combinações de causas que podem ou não propiciar o


desenvolvimento destes fungos. Então, na impossibilidade de prever o aparecimento
de mofo nos ambientes, o melhor é adotar a precaução antes da instalação definitiva
de móveis e revestimentos de parede como papel, tecido e outros.

48
Cuidados básicos contra mofo/bolor

• s rodapés nunca devem ser retirados para a instalação de móveis, pois além
O
de proteger a parede, geram um espaçamento mínimo para ventilação;

• eve-se evitar a instalação de armários embutidos junto às paredes de divisa


D
com o meio externo ou de cozinha e/ou banheiros. Na eventual necessidade
de instalá-los, o armário não deve ficar junto às paredes e deve-se utilizar um
isolante, como placa de isopor ou papel alumínio;

• ertifique-se junto à empresa de marcenaria sobre a utilização de madeiras


C
com teor de umidade compatível, bem como sobre a utilização de vernizes
protetores contra umidade principalmente nas áreas de contato com paredes;

• s cortinas do tipo “Black-out”, por serem impermeáveis, geram alto grau de


A
condensação se em contato direto e permanente com a parede. Este local,
portanto, deve ser bastante ventilado;

• s armários deverão ter ventilação interna para evitar que a diferença


O
de temperatura gere condensação e danifique as roupas e calçados,
principalmente os de couro. Na ausência de ventilação, devem-se manter as
portas abertas, principalmente no período da manhã;

• A abertura das janelas no início da manhã é fundamental para trocar o ar


“viciado” da noite e melhorar o equilíbrio entre as temperaturas interna/
externa.

IMPORTANTE!
A ATT não faz reparos relativos a mofo/bolor, nem substitui ou
repara móveis, utensílios ou roupas por eles danificados, a menos
que seja comprovada a existência de infiltrações ou vazamentos.

49
11.0 - REVESTIMENTOS DE FORROS DE GESSO

Especificações Técnicas

• Placas 120 cm x 180 cm com espessura de 10 mm.


• Em todos os ambientes exceto escada pressurizada, antecâmara, áreas
de garagem, guarita, copa dos funcionários, hall’s, depósito, bicicletário
e sala de pressurização.

Recomendações e Manutenção

a. L impar semestralmente com pano seco para remoção de poeira ou na presença


de sujeira aderida utilizar pano levemente umedecido no local e sabão neutro
cuidando para que a superfície após a limpeza fique completamente seca.
b. Substituir placa ou a parte dela que se encontre danificada sempre que

necessário.
c. Pintar a cada 12 meses.
d. Para remover manchas, de bolor ou umidade entre pinturas anuais, utilizar
água sanitária.
e. Evitar impacto direto em qualquer direção.
f. Não fixar ganchos ou suportes para pendurar vasos ou outro tipo de objeto.
g. Abrir vãos para luminárias, spots ou para

fixar pendentes com o auxílio de profissionais
habilitados.
h. Manter os ambientes ventilados, especialmente
após a umidificação do ambiente.

IMPORTANTE!
Os ambientes internos que não são impermeabilizados, devem ser
limpos a secos com produtos neutros para que não haja infiltrações
nem danos às paredes e rodapés.

50
12.0 - INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

Descrição dos Sistemas

• s instalações hidráulicas do edifício são compostas pelos sistemas de água


A
fria, água quente, esgoto, ventilação, combate a incêndio, águas pluviais e
gás.
• Todos os trechos aparentes das tubulações são pintados conforme NBR 6493/
ABNT, de acordo com a finalidade:

Água fria Verde-claro


Incêndio Vermelho
Eletrodutos Metálicos Cinza escuro
Água de reúso Verde-médio
Esgoto Preto
Águas pluviais Verde escuro
Gás Amarelo

12.1 - Sistema de Água fria

Especificações Técnicas

• O cavalete foi feito de acordo com as normas da concessionária.


• Os reservatórios superiores estão localizados na torre.
• As ligações das tubulações às caixas foram feitas por meio de flanges, de
acordo com o material empregado.
• Os barriletes se originam nas caixas d’água e dos mesmos são derivados as
colunas de distribuição.
• Todas as colunas de distribuição têm registros de gaveta bruto independentes.
• Das colunas de distribuição serão derivados os ramais para alimentação dos
aparelhos sanitários de cada pavimento.

51
• Todos os ramais que alimentam os aparelhos sanitários serão protegidos com
registros com registros de gaveta com canoplas cromadas.
• A água será recalcada aos reservatórios superiores, por meio de 02

eletrobombas, com funcionamento alternado.
• No térreo da Rua Francisco Raitani está o reservatório de contenção de cheias
com volume de 75,92m³.
• No 2º pavimento estão as duas cisternas de reúso, cada uma com 23,94m³,
e as duas cisternas de água potável, cada uma com volume de 35m³.

IMPORTANTE!

Em nenhuma hipótese poderá ser utilizada bacia sanitária


convencional com válvula de descarga.

ATENÇÃO!

Não ingerir água das torneiras externas do térreo e do subsolo, pois


a água utilizada é de reúso.

Recomendações e Manutenção

a. erificar semestralmente se os registros e torneiras apresentam algum problema


V
de vazamento.
b. Verificar anualmente se há manchas de mofo nas paredes que indicam

possíveis vazamentos nas tubulações e conexões.
c. Substituir ANUALMENTE os elementos de vedação dos registros e torneiras.
d. Evitar apoiar pesos ou utilizar os registros e torneiras como cabides.
e. Não apertar as torneiras e registros além do necessário.
f. Não atarraxar com excesso de força ao instalar filtros, torneiras, etc para evitar
vazamentos.
g. Evitar choques com os flexíveis que alimentam os lavatórios, caixas acopladas
dos vasos sanitários.

52
h. F echar o registro geral do ambiente no caso de vazamentos em tubulações.
i. Utilizar profissional habilitado para trocar, por material da mesma marca os
trechos das tubulações e as conexões que apresentarem vazamentos, evitando
assim problemas de folga ou dificuldades de encaixe.
j. Nunca aquecer a tubulação, em caso de substituição, pois ocorrerá a

deformação do tubo.
k. Não utilizar outros materiais para vedação tais como fios, massa de zarcão,
ou outros que provocam excesso de espessura de vedante, podendo causar
tensões localizadas e rompimentos por ocasião do aperto ou, o que é pior,
quando a instalação já estiver sobre pressão.

12.2 - Bombas de Água Recalque e Reserva

Especificações Técnicas

• Água de Reúso – 2º Pavimento


Bomba Pressurizadora KOMECO c/ vaso de expansão acoplado – Modelo TP-825
– POT = 370W. – diâmetro entrada = 40mm e diâmetro de saída=32mm

• Água Potável – 2º Pavimento


Bomba para Recalque FAMAC – MOD. FMG - POT.=4,0cv – 2 Estágios –
hman=44m.c.a. – d=75mm – Torre A e B: diâmetro entrada=75mm e diâmetro
de saída=63mm.
Torre C: diâmetro de entrada=90mm e diâmetro de saída=75mm.

• Água de Reúso – Subsolo


Bomba Submersível – hman=10m.c.a. – d=50mm.

Recomendações e Manutenção

a. O rodízio de funcionamento, para garantia de maior durabilidade, deve ser


feito a cada três meses, cuidando-se que antes da partida o corpo da bomba
esteja cheio de líquido. A operação por mais de 30 segundos a seco provoca
danos às faces de contato do selo mecânico resultando em vazamento pelo
eixo. Esta prática acarreta a perda da garantia do fabricante e do fornecedor
53
b. necessário verificar diariamente a bóia para que a bomba não trabalhe a
É
seco.
c. A bomba não deve fazer ruído excessivo nem ocasionar vibrações e vazamentos.
d. Para o escorvamento da bomba (preparo da bomba para funcionamento, para
não trabalhar em vazio ou a seco), feche o registro da tubulação de descarga,
remova o plug da parte superior do corpo, encha-o completamente com água
e recoloque o plug.
e. Realizar manutenção preventiva a cada três meses e corretiva quando
necessário, por empresa especializada, e manter os registros das manutenções
preventivas e corretivas no plano de manutenção, para eventuais garantias.

DEFEITO CAUSA PROVÁVEL RECOMENDAÇÃO


Bomba não Desligar, escorvar outra
A bomba não está escorvada.
fornece água vez e tentar novamente.
A bomba não está
completamente escorvada ou
com problemas de cavitação.
Motor com baixa rotação. Chamar o técnico
Baixa pressão Rotação no sentido errado. responsável pela
Manômetro com defeito. manutenção da bomba.
Rotores parcialmente obstruídos.
Vazamentos de ar na tubulação
de sucção.
Motor com baixa rotação.
Rotação no sentido errado. Chamar o técnico
Baixa vazão Rotores parcialmente obstruídos. responsável pela
Tubo de sucção ou ralo manutenção da bomba.
parcialmente obstruídos.
Conexões dos fios ou voltagem
errada.
Chamar o técnico
Superaquecimento Rotação baixa ou invertida.
responsável pela
do motor Atrito dos rotores nos estágio,
manutenção da bomba.
devido a má ajustagem.
Má ventilação.

54
DEFEITO CAUSA PROVÁVEL RECOMENDAÇÃO
Chaves abertas, fusíveis
queimados, conexões soltas ou
relê de sobrecarga aberto. Chamar o técnico
Motor não
Chave centrífuga do motor está responsável pela
funciona
inoperante. manutenção da bomba.
Conexões elétricas do motor
erradas.
Retirar ar da tubulação
Excesso de ar na Entrada de ar pela tubulação de
com profissional
rede hidráulica sucção. Água gasosa.
habilitado.
Retirar ar da tubulação
Perda de Entrada de ar pela tubulação de
com profissional
escorvamento sucção. Água gasosa.
habilitado.

12.3 - Águas Pluviais

Especificações Técnicas

• A rede de águas pluviais foi realizada de acordo com as Normas Brasileiras de


Instalações de Águas Pluviais – NBR 10844.
• O escoamento vertical é feito por meio de colunas.
• Possuem caimentos.
• As coletas em laje de cobertura são escoadas por meio de ralos de PVC com
arremate de impermeabilização.
• As águas pluviais serão encaminhadas a um poço de concreto com a finalidade
de retardar a velocidade da água ao chegar na rede pública
• As águas pluviais provenientes da cobertura são coletadas em calhas

metálicas e encaminhadas através de coletores verticais e horizontais para um
reservatório específico, com capacidade de 23,95 m3, para aproveitamento
em situações onde não se exija potabilidade da água.

55
Recomendações e Manutenção

a. T odas as tubulações, conexões e caixas de passagem que compõe o sistema


de captação de águas pluviais devem ser mantidos limpos para garantir a
vazão de projeto evitando retorno das águas captadas com a consequente
inundação de áreas nobres da edificação que poderá causar danos materiais
ao condomínio e às unidades autônomas.
b. Não obstruir nem eliminar pontos de captação das águas sem previa anuência
de profissional habilitado que poderá sugerir mudanças que não afetem o
funcionamento do sistema.

12.4 - Esgoto

Especificações Técnicas

• A rede de esgoto foi executada de acordo com as Normas Brasileiras de


Instalações Sanitárias e Regulamentos da Concessionária.

• O esgoto sanitário tem origem nos vasos sanitários, pias, chuveiros, lavatórios,
ralos, etc.

• Os ramais que recebem as águas ou detritos destes aparelhos são conectados


a uma prumada coletora. As prumadas recolhem as águas residuais de vários
pontos do edifício, levando-as por gravidade
até os desvios no térreo, de onde seguem para
a rede coletora pública.

• Realizar a inspeção trimestralmente das caixas


de gorduras, caixas de passagem, e semestralmente a limpeza das mesmas.

Recomendações e Manutenção

a. ão retirar as grelhas de proteção que evitam detritos maiores na tubulação,


N
gerando entupimento.

56
b. ão jogar gorduras ou resíduos sólidos nos ralos de pias e lavatórios.
N
c. Não jogar papéis, fios dentais, cotonetes, fraldas descartáveis, absorventes
higiênicos ou quaisquer outros objetos nos vasos sanitários.
d. Jogar água limpa no ralo sifonado para evitar mau cheiro se algum ambiente
ficar muito tempo sem uso.
e. Limpar os ralos periodicamente retirando-se quaisquer detritos que possam
promover entupimentos do ramal e prumada.
f. Não utilizar produtos ácidos ou cáusticos, água muito quente, hastes ou
arames.
g. Realizar a inspeção trimestralmente das caixas de gorduras, caixas de
passagem, e semestralmente a limpeza das mesmas.

12.5 - Água Quente

Especificações Técnicas

• rede de água quente foi executada de acordo com a Norma Brasileira NBR-
A
7198.

• T odos os ramais de água quente são protegidos por intermédio de registros de


gaveta com canopla de acabamento cromado.

• Toda tubulação foi executada em tubos com conexões do mesmo material.

• F oi executado um sistema de aquecimento a gás para atender aos pontos de


consumo de cada apartamento. A aquisição do aquecedor ficará a cargo do
proprietário.

Recomendações e Manutenção

a. erificar semestralmente se os registros e torneiras apresentam algum problema


V
de vazamento.
b. Verificar anualmente se há manchas de mofo nas paredes que indicam

possíveis vazamentos nas tubulações e conexões.
c. Substituir a cada 5 anos os elementos de vedação dos registros e torneiras.

57
d. vitar apoiar pesos ou utilizar os registros e torneiras como cabides.
E
e. Não apertar as torneiras e registros além do necessário.
f. Não atarraxar com excesso de força ao instalar filtros, torneiras, etc para evitar
vazamentos.
g. Evitar choques com os flexíveis que alimentam os lavatórios, caixas acopladas
dos vasos sanitários.
h. Fechar o registro geral do ambiente no caso de vazamentos em tubulações.
i. Utilizar profissional habilitado para trocar, por material da mesma marca os
trechos das tubulações e as conexões que apresentarem vazamentos, evitando
assim problemas de folga ou dificuldades de encaixe.
j. Nunca aquecer a tubulação, em caso de substituição, pois ocorrerá a
deformação do tubo.
k. Não utilizar outros materiais para vedação tais como fios, massa de zarcão,
ou outros que provocam excesso de espessura de vedante, podendo causar
tensões localizadas e rompimentos por ocasião do aperto ou, o que é pior,
quando a instalação já estiver sobre pressão.

13.0 – GÁS

Especificações Técnicas

• Pressão máxima de trabalho de 1’ ESTAGIO 150 kPa.

• Pressão máxima de trabalho 2’ ESTAGIO 7,5 kPa.

• Pressão de trabalho na saída dos Reguladores de 2’ ESTAGIO (Baixa Pressão)


para atender o salão de festas é de 220mmca. Para os pontos de consumo
dos apartamentos é de 750 mmca de Gás GLP.

• De acordo com as normas vigentes, a tubulação de entrada até a ERP e a


mesma são responsabilidade da empresa de gás.

• A tubulação de gás deve ser pintada na cor amarela.


• O Condomínio deverá realizar a contratação da empresa fornecedora de Gás
GLP (gás liquefeito de petróleo)
58
Recomendações e Manutenção

a. L impar anualmente as tubulações com materiais não inflamáveis.


b. Verificar a presença de vazamentos na tubulação.
c. Não fazer qualquer alteração na tubulação de gás, ele é invisível,

inflamável e de altíssimo grau de periculosidade.
d. Antes de adquirir ou instalar o fogão e o aquecedor, verificar se os aparelhos
estão adaptados para gás GLP.
e. Não testar vazamentos de gás com fósforos, objetos que produzam faíscas ou
qualquer material inflamável.
f. Constatando vazamento de gás, não acionar interruptores de luz, fechar todas
as torneiras e registros de gás, abrir as janelas e portas e comunicar ao zelador
do prédio ou empresa especializada.
g. Não confiar a manutenção dos aparelhos de gás para pessoas não habilitadas.
h. Fechar o registro em caso de viagens e ausências prolongadas.

14.0 - LOUÇAS E METAIS

Especificações Técnicas

• As louças são revestidas em material vitrificado impermeável, contínuo



e uniforme, recobrindo as superfícies internas e externas, salvo nas partes
necessárias ao apoio das peças durante a cozedura, partes invisíveis e partes
que não entram em contato com a água.

• Especificação de acabamentos conforme a Tabela da Acabamentos.

Recomendações e Manutenção

a. ntes de executar qualquer furação nas paredes, evite perfurações e danos à


A
impermeabilização;
b. Não jogue quaisquer objetos nos vasos sanitários e ralos que possam causar
entupimentos, tais como: absorventes higiênicos, folhas de papel, cotonetes,
cabelos, fio dental etc.;

59
c. unca jogue gordura nos ralos das pias e dos lavatórios, coloque-a dentro de
N
uma garrafa plástica e deposite no lixo;
d. Jogue resíduos sólidos diretamente no lixo, nunca nos ralos das pias e dos
lavatórios;
e. Não deixe de usar a grelha de proteção que acompanha a cuba das pias de
cozinha;
f. Nunca suba ou se apoie nas louças e bancadas, pois podem se soltar ou
quebrar causando ferimentos graves. Cuidados especiais com crianças;
g. Não apertar em demasia as torneiras da sua unidade, pois pode causar danos
às buchas de vedação interna;
h. Ao instalar filtros, torneiras etc., não os atarraxe com excesso de força, pois
pode danificar a saída da tubulação provocando vazamentos;
i. Não permitir sobrecarga de louças sobre a bancada ou cuba;
j. Não devem ser retirados elementos de apoio (mão francesa, coluna do tanque
etc.), podendo sua falta ocasionar quebra ou queda da peça ou bancada;
k. Mantenha vedado o ponto de esgotamento de água da máquina de lavar
junto à parede, usando acessórios próprios;
l. É recomendado o uso de sabão biodegradável para evitar retorno da espuma
da máquina de lavar;
m. Mantenha os registros fechados no caso de ausência prolongada do imóvel;
n. Em caso de falta de uso dos equipamentos hidráulicos por período prolongado,
deixe correr um pouco de água para restabelecer o “fecho hídrico” dos ralos
sifonados e sifões, evitando assim o retorno do mau cheiro;
o. A falta de uso prolongado dos mecanismos de descarga pode acarretar danos
como ressecamento de alguns componentes e acúmulo de sujeira, causando
vazamentos ou mau funcionamento;
p. Limpe os metais sanitários, ralos das pias e lavatórios, louças e cubas de aço
inox em pias, com água e sabão neutro e pano macio, nunca com esponja ou
palha de aço e produtos abrasivos;
q. Não utilize na limpeza ou desentupimento, hastes, ácidos ou produtos

cáusticos, acetona concentrada e substâncias que produzam ou estejam em
alta temperatura;
r. Limpe periodicamente os ralos e sifões das louças, tanques, lavatórios e pias
do seu imóvel, retirando todo e qualquer material causador de entupimento
(piaçava, panos, fósforos, cabelos, etc.) e jogando água a fim de se manter

60
o fecho hídrico nos ralos sifonados, evitando assim o mau cheiro proveniente
da rede de esgoto;
s. Limpe periodicamente os aeradores (bicos removíveis) das torneiras, pois é
comum o acúmulo de resíduos provenientes da própria tubulação;
t. Substitua periodicamente vedantes (courinhos) das torneiras, misturadores e
registros de pressão para garantir a vedação, evitar vazamentos e desperdícios
desnecessários;
u. Limpe e verifique a regulagem do mecanismo de descarga periodicamente;
v. Verifique a gaxeta, os anéis e a estanqueidade dos registros de gaveta,

evitando vazamentos;
w. Em caso de necessidade, troque os acabamentos dos registros pelo mesmo
modelo ou por outro do mesmo fabricante, evitando assim a troca da base;
x. Caso os tubos flexíveis (rabichos), que conectam as instalações hidráulicas
às louças forem danificados, causando vazamentos, substitua-os tomando o
cuidado de fechar o registro geral de água antes da troca.

Especificações Técnicas

• Metais Docol linha Pertutti Cromado – I.S. PNE Torre A,B e C / Copa do
Condomínio, BWC do Condomínio, DML (Torre B) / BWC’s FEM. E MAS. Torre
A e C / Salão de Festa Infantil e Espaço PET (Torre A) / Salão de Festa TEEN e
Adulto, Salão Gourmet 01 e 02 (Torre C).

Perda de Garantia

a. S e for evidenciado entupimento por quaisquer objetos jogados nos vasos


sanitários e ralos, tais como: absorventes higiênicos, folhas de papel, cotonetes,
cabelos etc.;
b. Se for evidenciada a falta de troca dos vedantes (courinhos) das torneiras;
c. Se for evidenciada a falta de limpeza nos aeradores, provocando assim

acúmulo de resíduos nos mesmos;
d. Se for evidenciada a retirada dos elementos de apoio (mão francesa, coluna
do tanque etc.) provocando a queda ou quebra da peça ou bancada;
e. Se for evidenciado o uso de produtos abrasivos e/ou limpeza inadequada nos
metais sanitários;

61
f. quipamentos que foram reparados por pessoas não autorizadas pelo serviço
E
de Assistência Técnica; Aplicação de peças não originais ou inadequadas, ou
ainda adaptação de peças adicionais sem autorização prévia do fabricante;
g. Equipamentos instalados em locais onde a água é considerada não potável
ou contenha impurezas e substâncias estranhas à mesma que ocasione o mau
funcionamento do produto;
h. Objetos estranhos no interior do equipamento ou nas
tubulações que prejudiquem ou impossibilitem o seu
funcionamento.

15.0 – BANCADAS, TAMPOS E SOLEIRAS

Especificações Técnicas

• Banheiros femininos e masculinos Torre A e C – 4º Pavimento – Tampos e


divisórias em Granito
Cor: Ocre Itabira

• Salão de Festa Infantil – Torre A – 4º Pavimento – Tampo pia e bancada


Cor: Branco Ceará

• Salão de Festa Infantil – Torre A – 4º Pavimento – Tampo pia e bancada


Cor: Branco Ceará

• Salão de Festa TEEN / Salão de Festas Adulto / Salão Gourmet 01 e 02– Torre
C – 4º Pavimento – Tampo pia e bancada
Cor: Branco Ceará

• BWC FUNCIONÁRIOS - TORRE B (4° Pavimento) – Tampo em Granito


Cor: Ocre Itabira

• COPA CONDOMÍNIO - TORRE B (4° Pavimento) – Tampo em Granito


Cor: Ocre Itabira

62
• CIRCULAÇÕES e HALL ELEVADOR – Torre A, B e C (4° Pavimento - Recreativo)
- Soleira, enquadramento e moldura Elevadores em granito
Cor: Ocre Itabira

• CIRCULAÇÕES e HALL ELEVADORES PAVIMENTOS TIPOS - TORRE A, B e C


(Todos Pavimentos, exceto pav. recreativo) – Soleiras
Cor: Ocre Itabira

• HALL ELEVADORES ESTACIONAMENTOS - TORRE A e C (2° e 3° Pavimento


) – Soleira
Cor: Ocre Itabira

• ELEVADORES (Pavts. Tipos e Estacionamento) - TORRE A, B e C – Soleira


Cor: Ocre Itabira

• HALL PORTARIA E HALL ELEVADORES - TORRE A,B e C - Soleira, enquadramento


e Moldura Elevadores em granito
Cor: Ocre Itabira

• Especificação de acabamentos conforme o Memorial Descritivo.

IMPORTANTE!

São produtos extraídos da natureza não havendo garantia de


uniformidade de tonalidade

63
Recomendações e Manutenção

a. ão utilizar as bancadas como ponto de apoio ou escada.


N
b. Realizar limpeza com pano macio e detergente neutro.

16.0 – ELEVADORES

Especificações Técnicas

• Cada Torre será entregue com 3 (três) elevadores, conforme projeto



arquitetônico, capacidade e velocidade adequados ao bom funcionamento,
respeitando rigorosamente as Normas Técnicas.

• Marca Thyssenkrupp.

Recomendações e Manutenção

a. pertar o botão de chamada apenas uma vez;


A
b. Observar o degrau formado entre o piso do pavimento e o piso do elevador;
c. Não ultrapassar a carga máxima permitida, que está indicada acima e em
placa no interior da cabina;
d. Não permitir que crianças brinquem ou trafeguem sozinhas nos elevadores;
e. Jamais utilizar os elevadores em caso de incêndio;
f. Jamais tentar retirar passageiros da cabina quando o elevador parar entre
pavimentos, pois há grandes riscos de ocorrerem sérios acidentes;
g. Nunca entrar no elevador com a luz apagada;
h. Nunca force a abertura da porta da cabine;
i. Não retirar a comunicação visual de segurança fixada nos batentes dos

elevadores;
j. Não pular ou fazer movimentos bruscos dentro da cabina;
k. Colocar acolchoado de proteção na cabina para o transporte de cargas

volumosas, especialmente durante mudanças;
l. Em casos de existência de ruídos e vibrações anormais, comunicar o zelador
ou responsável;

64
m. ão utilizar indevidamente o alarme e o interfone, pois são equipamentos de
N
segurança;
n. A abertura das portas do pavimento, com a chave de emergência deve ser
feita exclusivamente por pessoal autorizado;
o. Evite lavar o hall com água abundante, para que a mesma não escorra para
o interior do poço do elevador.
p. O Sistema de acionamento interno do elevador é numérico com teclas com a
numeração de cada pavimento.
q. Para os elevadores sociais, o sistema é o BioPass que através da digitalização,
somente permite acionar o comando das cabinas aos passageiros previamente
cadastrados que se identificarem tocando à célula biométrica antes de registrar
a chamada.
r. O elevador de emergência leva a cabina em caso de incêndio ao pavimento
de acesso principal. Para a execução desta estratégia deve ser acionado o
dispositivo de incêndio na botoeira do pavimento principal e assegurado o
suprimentos de energia ao sistema.

ATENÇÃO!
No caso de falta de energia elétrica, mantenha a calma e nunca tente
soluções próprias.
Informe o ocorrido à guarita através do interfone instalado no elevador.

Em caso de incêndio o zelador deve parar os elevadores com


chave manual, existentes no térreo.

17.0 - EQUIPAMENTOS DE COMBATE A INCÊNDIO

17.1 – Extintores

Especificações Técnicas

• O empreendimento foi construído com projeto aprovado segundo as normas


do Corpo de Bombeiros.

65
• O sistema de proteção e combate a incêndio é composto por:

• Extintores;
• Hidrantes;
• Portas corta-fogo.

• Foram instalados dois tipos de extintores, distribuídos conforme legislação em


vigor do Corpo de Bombeiros:

• Tipo 1 (T1) - PQS - Pó químico seco

• Tipo 2 (T2) - CO2 - Gás carbônico

• Os extintores de incêndio servem para um primeiro combate a pequenos


incêndios. Para tanto é importante ler atentamente as instruções contidas no
corpo do próprio equipamento, especialmente no que diz respeito às classes
de incêndio, para a qual é indicado e como utilizá-lo.

• A tabela elucida a sua utilização:

CLASSE DO
TIPO DE EXTINTOR INCÊNDIO
INCÊNCIO
Papel, papelão, madeira,
A Água pressurizada
tecidos, espumas.
Líquidos inflamáveis como
Pó químico, Gás
B tinner, água raz, gasolina,
carbônico.
acetona, removedor, resina.
Equipamentos elétricos,
quadros de força, motores
Pó químico, Gás
C de indução, gerador
carbônico.
em corrente contínua e
alternada.
Pó químico, Gás Gases inflamáveis sob
D
carbônico. pressão.

66
Os extintores e o local de sua colocação não devem ser alterados, pois foram
determinados pelo Corpo de Bombeiros.

Recomendações e Manutenção

a. Certifique-se que o sistema encontra-se em perfeito estado, se somente são


utilizados para esse fim e se não sofreram alteração com relação ao projeto
original.
b. Os extintores de incêndio deverão ser recarregados anualmente, e testados a
cada 5 anos, por empresa especializada, sendo esta uma das responsabilidades
civis do síndico do empreendimento.

17.2 – Hidrantes

Especificações Técnicas

• Mangueiras de 1 ½” de diâmetro, com comprimento variando entre 15 metros


e 30 metros, especificados de acordo com o projeto aprovado pelo Corpo de
Bombeiros do Estado.

• O sistema de hidrantes foi instalado de modo que todos os pontos protegidos


possam ser alcançados pela extensão da mangueira.

• As caixas de hidrantes em todos os andares são dotadas de mangueiras que


estão nos locais propriamente indicados.

Uso
a. S ão elementos fixos destinados a extinção das chamas através da água
armazenada no reservatório elevado.
b. Possuem mangueiras para fazer chegar a água até o local do sinistro.

Operação

a. Treinar brigada de Incêndio para conhecimento pleno do combate.

67
b. cionar a bomba de incêndio.
A
c. Abrir o registro de hidrantes no barrilete.
d. Toda tubulação de incêndio está pintada de vermelho.
e. Conectar a mangueira no registro com a ajuda da chave Storz.
f. Esticar a mangueira até o local do fogo não proveniente de materiais
inflamáveis ou eletricidade.
g. Abrir o registro de água.

Recomendações e Manutenção

a. Anualmente realizar limpeza da caixa de hidrante com solução água e



detergente.
b. Testar as mangueiras hidrostaticamente com empresa especializada,

anualmente.
c. Não deixá-las conectada aos registros para que não apodreçam em caso de
vazamentos.
d. Verificar se a sinalização está em ordem.
e. A cada 5 anos trocar as mangueiras.
f. Todos os hidrantes deverão ser testados por empresa especializada.
g. Trocar todas as peças que não resistirem ao teste. Deve ser feito por empresa
especializada.

IMPORTANTE!
Os halls dos apartamentos não são impermeabilizados e as mangueiras de
incêndio não devem ser usadas como esguicho para lavagem. Os halls
e escadaria devem ser limpos a seco com produtos neutros para que
não haja infiltrações nem danos às paredes e rodapés.

17.3 - Portas corta-fogo

Especificações Técnicas

Marca PCF Brasil.


• São as portas e batentes instalados nas escadarias para proteger das chamas
e da fumaça a evacuação do edifício em caso de incêndio.

68
• São folhas de chapa de aço galvanizada com tratamento especial
e miolo com isolante térmico.

Operação

a. T reinar brigada de Incêndio para conhecimento pleno do combate.


b. A porta corta fogo está situada na rota de fuga dos andares.
c. Em caso de incêndio descer a escadaria abrindo as portas e deixando-as
fechar sozinhas.
d. Não ficar segurando a porta aberta, elas isolam o local das chamas, calor e
fumaça.

Recomendações e Manutenção

a. S emestralmente testar as dobradiças e regular as que não fecharem.


Limpar com produtos apropriados e pintar se desgastada.
b. Enxugar a base da porta quando da lavagem do piso.
c. Lubrificar com óleo as dobradiças e fechaduras.
d. Trocar anualmente dobradiças e trincos desgastados ou que não funcionem.
e. Pintar periodicamente.

17.4 - Corrimãos

Especificações Técnicas

• Corrimão contínuo em ambos os lados.

Uso

a. romover apoio às pessoas em fuga na rota de emergência, não podendo


P
conter pontas vivas ou qualquer anomalia que promova a interrupção da
continuidade.

69
Operação

a. escer a escadaria utilizando o corrimão somente para apoio de passagem.


D
b. Evitar ficar pendurado interrompendo a rota de fuga.
c. Não depositar objetos sobre ele.

Recomendações e Manutenção

a. L impar anualmente com produto adequado.


b. Ajustar as fixações que estiverem soltando.
c. Pintar sempre que necessário.
d. T rocar a peça que apresente ferrugem ou avaria que provoque acidentes em
caso de uso.

IMPORTANTE!
As escadarias não são impermeabilizadas, devem ser limpos a seco com
produtos neutros para que não haja infiltrações nem danos às paredes e
rodapés.
É proibida a aplicação de ceras ou materiais que a deixem lisas, é
obrigatório que seja anti-derrapante.

ATENÇÃO: EM CASO DE INCÊNDIO

• Ao notar indícios de incêndio (fumaça, cheiro de queimado, etc.), certifique-


se do que está queimando e da extensão do fogo, sempre a uma distância
segura;
• Ligue para o Corpo de Bombeiros pelo número 193;
• Avise imediatamente a guarita, zelador ou a segurança;
• Combata o fogo utilizando o extintor mais apropriado conforme descrito na
tabela de classes de incêndio;
• Em caso de não saber manusear os extintores, saia do local imediatamente:
fechando as portas e as janelas atrás de si, sem trancá-las, desligando a
eletricidade e alertando os demais moradores;
• Jamais utilize os elevadores em caso de incêndio;

70
• Não tente salvar objetos - a sua vida é mais importante;
• Em no máximo 60 dias da instalação do condomínio, deverá ser formado uma
brigada de incêndio, conforme instrução técnica nº19 do Corpo de Bombeiros.

18.0 - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

Descrição do Sistema

Os principais componentes das instalações do seu imóvel são:

a. Quadro de distribuição: cada apartamento possui 01 quadro de


distribuição onde é instalada uma chave geral e disjuntores que protegem
todos os circuitos. No lado interno do quadro de distribuição existe a indicação
de todos os circuitos e suas respectivas especificações. Este quadro é projetado
e rigorosamente executado, dentro das normas de segurança, não podendo
ter suas chaves trocadas ou alteradas por outras de capacidade diferentes.

b. Chave geral: localizada no quadro de distribuição, interrompe a entrada de


energia do imóvel. Sempre que for efetuar reparos nas instalações, desligue
sempre a chave geral.

c. Encontra-se também instalado no quadro um dispositivo antichoque IDR*.

d. *IDR: dispositivo que visa a segurança pessoal e patrimonial, pois ele protege
tanto contra um choque ou contra uma pequena fuga de corrente; esse
dispositivo funciona da seguinte forma: se você coloca um secador de cabelos
na tomada, e esse aparelho está com uma pequena fuga de corrente, ou seja,
a energia que vem da tomada não está sendo completamente aproveitada
pelo motor, mas está se perdendo pelo fio e pela carcaça do aparelho, esse
dispositivo entra em ação e corta o fornecimento de energia, desligando o
disjuntor (que fica localizado no quadro de luz) de forma a protegê-lo contra
choques. Também pode ser desarmado quando alguma fiação, por algum
manuseio ou movimentação tiver sido desencapada e estiver em contato com
partes metálicas.

71
e. Disjuntores: a função principal dos disjuntores é proteger o circuito contra
excesso de carga ou curto circuito, desligando-se automaticamente quando
isto ocorrer. No caso de sobrecarga momentânea em um dos circuitos, o
disjuntor em questão se desligará automaticamente. Se for novamente ligado
e ele voltar a se desligar, é sinal de que há sobrecarga contínua ou algum
aparelho está em curto ou ainda o próprio circuito está em curto. Neste caso
deve-se chamar um profissional habilitado, mantendo o circuito desligado até
sua chegada e inspeção deste. Não se deve aceitar conselhos de leigos e
curiosos. Sempre que houver limpeza, reaperto ou manutenção das instalações
elétricas ou mesmo uma simples troca de lâmpadas, desligue o disjuntor
correspondente no circuito, ou na dúvida, desligue a chave geral.

f. Tomadas e interruptores: estão localizados de acordo com o projeto


executivo de instalações elétricas. A instalação elétrica do apartamento, de um
modo geral, prevê todas as tomadas com “voltagem” de 110 V. A quantidade
e localização das tomadas foram distribuídas, tendo em vista sua utilização
lógica e racional, estando de tal forma dimensionada que dispensa a ligação
de 2 (dois) ou mais aparelhos elétricos a uma mesma tomada, impedindo
assim, sobrecargas que possam prejudicar as instalações.

g. Aparelhos elétricos: lembre-se que as instalações elétricas de seu imóvel


foram dimensionadas para uso dos aparelhos instalados ou previstos em
projeto. Ao adquirir um aparelho elétrico, verifique se o local escolhido para a
sua instalação foi previsto em projeto, de modo que o funcionamento ocorra
nas condições exigidas pelo fabricante. As instalações de luminárias, máquinas
ou similares deverão ser executadas por técnicos habilitados observando-se
em especial o aterramento, voltagem, bitola, qualidade dos fios, isolamento,
tomadas e plugs dos equipamentos.

h. Circuitos: é o conjunto de tomadas de energia, pontos de iluminação,


tomadas especiais e interruptores, cuja enfiação encontra-se interligada.
É sempre importante verificar se a carga do aparelho a ser instalado não
sobrecarregará a capacidade de carga elétrica da tomada e da instalação
do circuito (disjuntor). Evite utilizar benjamins (T’s), pois eles podem provocar
sobrecarga.

72
ATENÇÃO!
Não ligue novos pontos de consumo nos disjuntores já existentes. Se for
necessário existem espaços vazios no quadro de distribuição para
instalação de novos disjuntores. Verifique também a capacidade
da chave geral, da fiação de entrada e da capacidade do quadro
geral do edifício.

18.1 - Entrada e Medição de Energia

Especificações Técnicas

• A entrada e medição de energia foram executadas de acordo com a exigência


da Concessionária.

• As ligações bem como as caixas padronizadas obedecem aos padrões da


Concessionária.

• Foi feito sistema de aterramento para as caixas de distribuição e de medidores,


conforme instruções da concessionária.

• Para cada medidor corresponde um disjuntor termomagnético automático, os


quais são identificados.

Recomendações e Manutenção

a. anter o local limpo.


M
b. Não permitir o acesso de pessoas estranhas ao local, pois a retirada de lacres
ou alterações nos medidores é passível de multa ao condomínio.
c. ão depositar objetos estranhos no local, principalmente inflamáveis.
N
d. Verificar se os quadros foram lacrados.

73
18.2 - Quadros Elétricos

Especificações Técnicas

• Contêm os equipamentos específicos, são em PVC .

Operação

a. brir a alavanca dos quadros e a porta sem a utilização de força.


A
b. Os quadros devem permanecer fechados e identificados com placas.
c. Não utilizar os quadros para guarda de materiais de limpeza, ferramentas,
correspondência, etc.

Recomendações e Manutenção

a. cada seis a doze meses fazer limpeza da parte externa contra oxidação.
A
b. Desenergizar o painel sempre.
c. Eliminar os pontos de oxidação com a aplicação de lixa fina e posteriormente
tinta.
d. A manutenção nos elementos internos do painel deve ser feita por empresa
especializada.

18.3 - Quadro de Distribuição de Luz e Energia

Especificações Técnicas

• Contêm os equipamentos específicos, são de chapa de ferro.

Recomendações e Manutenção

a. ão trocar os disjuntores e fios por outros de amperagem maior e diâmetro


N
diferente da constante no quadro, pois tal atitude pode provocar danos na
instalação, podendo gerar incêndio, curto circuito, acidentes pessoais, danos
fatais na instalação, e em equipamentos;

74
b. ão manusear aparelhos elétricos quando houver contato com água, pois
N
podem ocorrer acidentes fatais;
c. Ao lidar com eletricidade, procurar usar calçado com sola de borracha (tênis,
por exemplo), pois a borracha, sendo má condutora de energia, isola do
chão, evitando choques;
d. Nunca segurar dois fios ao mesmo tempo. O contato simultâneo com um
fio positivo e um negativo podem ocasionar passagem de corrente e uma
possível parada cardíaca. Quando tiver que lidar com instalação elétrica,
isolar sempre o fio que acabou de mexer antes de desencapar o outro;
e. Para a instalação do chuveiro elétrico nas unidades, o proprietário deve executar
a fiação do mesmo, adquirir um chuveiro de potência de até 5.200W,220
Volts. A resistência do chuveiro deve ser blindada ou convencional, em ambas,
deve ter comprovação do fabricante que são compatíveis com IDR (interruptor
diferencial residencial). Instalar chuveiros com resistência não compatível com
IDR, poderá acarretar na queda da energia do apartamento por completo.
f. Lembramos que o IDR é um dispositivo instalado e entregue no quadro
de força, sendo uma exigência da NBR 5410, protegem contra os efeitos
nocivos das correntes de fuga à terra garantindo uma proteção eficaz tanto
à vida dos usuários quanto aos equipamentos. A retirada ou desativação
desse equipamento no quadro de força caracteriza em perda de garantia das
instalações.
g. A compra de lâmpadas e aparelhos deve ser orientada em função da voltagem
instalada;
h. Evitar o uso de benjamim (T’s) para não sobrecarregar a instalação;
i. Não confundir o fio terra (cor verde) com os fios fase para não simular uma
ligação de 220V onde deveria ser 110V causando um curto-circuito em toda
a instalação;
j. Em caso de emergência ou incêndio, desligue a chave geral do quadro de
distribuição;
k. Na instalação de armários próximos às tomadas e interruptores, certifique-
se que o marceneiro recortou e reinstalou os mesmos no próprio corpo do
armário, de forma correta e com perfeito isolamento dos fios;
l. Nos ambientes onde tem forro de gesso foram deixados fios soltos sobre os
forros.
m. Marcadas as locações exatas dos furos, os mesmos deverão ser feitos com
serra copo.

75
n. As luminárias deverão ter rabicho para encaixar no fio sobre o forro;
o. A manutenção das instalações elétricas deve ser executada com os circuitos
desenergizados (disjuntores desligados);
p. Permitir somente que profissionais habilitados tenham acesso às instalações e
equipamentos. Isso evitará curto circuito, choque etc.;
q. Sempre que for executada manutenção nas instalações, como troca de

lâmpadas, limpeza e reapertos dos componentes, desligar os disjuntores
correspondentes;
r. Efetuar limpeza nas partes externas das instalações elétricas (espelho, tampas
de quadros etc.) somente com pano ligeiramente úmido;
s. Rever estado de isolamento das emendas de fios;
t. eapertar a cada 6 (seis) meses todas as conexões do Quadro de Distribuição;
R
u. Testar a cada 6 (seis) meses o disjuntor tipo DR apertando o botão localizado
no próprio disjuntor. Ao apertar o botão, a energia será cortada e voltará após
alguns segundos. Caso isso não ocorra, trocar o DR;
v. Reapertar anualmente todas as conexões (tomadas, interruptores e ponto de
luz);
w. Verificar o estado dos contatos elétricos substituindo peças que apresentem
desgaste, quando necessário (tomadas, interruptores e pontos de luz);
x. No hall dos elevadores, escadaria e estacionamentos estão instalados
dispositivos (sensor de presença ou fotocélulas) que servem para manter
as luzes acesas por um determinado período de tempo. Estes dispositivos
permitem sensível economia de energia.
y. Para conservação destes, nunca se deve permitir que sejam tampados ou
travados, para que as luzes fiquem acesas permanentemente, o que costuma
ocorrer quando há limpeza ou alguma mudança no edifício;
z. Solicite a ligação à concessionária COPEL (Companhia Paranaense de
Energia) no atendimento ao cliente pelo telefone 0800 51 00 116.
aa. Protocolo da solicitação de ligação de energia elétrica: Ver informativo contido
em anexo

A seguir, procedimentos a serem adotados para corrigir alguns


problemas:

76
Parte da instalação não funciona:

• Em caso de sobrecarga momentânea, o disjuntor do circuito atingido desligará


automaticamente. Após verificar se não existem aparelhos danificados, desde
que a instalação esteja feita corretamente, basta ligá-lo novamente. Caso o
disjuntor desligue novamente, configura-se indicativo de que há sobrecarga
contínua no circuito ou curto-circuito em algum aparelho ou no próprio
circuito. Neste caso, deixe os disjuntores desligados e solicite os serviços de
um profissional habilitado.

Disjuntores do quadro de distribuição desarmando com frequência

• Verificar se existe algum mau contato elétrico (conexões frouxas) que são
sempre fonte de calor, o que afeta a capacidade dos disjuntores. Neste caso,
um simples aperto nas conexões resolverá o problema;
• Outra possibilidade é que o circuito esteja sobrecarregado com instalação de
novas cargas, cujas características de potência são superiores às previstas no
projeto. Tal fato deve ser rigorosamente evitado;
• Verificar se não existe nenhum aparelho conectado ao circuito em questão,
com problema de isolamento ou mau contato que possa causar fuga de
corrente.

Superaquecimento no quadro de distribuição:

• Verificar se existem conexões frouxas e reapertá-las;


• Verificar se existe algum disjuntor com aquecimento acima do normal. Isto
pode ser provocado por mau contato interno do disjuntor devendo o mesmo
ser imediatamente desligado e substituído.

77
ATENÇÃO!

Nunca permitir que pessoas não habilitadas manuseiem o quadro


elétrico.

18.4 - Tomadas, Interruptores e Placas

Especificações Técnicas

• Tomadas e interruptores

• Estão localizados de acordo com o projeto executivo de instalações elétricas.

• A instalação elétrica do apartamento, de um modo geral, prevê todas as


tomadas com “voltagem” de 110 V. A quantidade e localização das tomadas
foram distribuídas, tendo em vista sua utilização lógica e racional, estando de
tal forma dimensionada que dispensa a ligação de 2 (dois) ou mais aparelhos
elétricos a uma mesma tomada, impedindo assim, sobrecargas que possam
prejudicar as instalações.

Operação

• Das tomadas

a. erificar se os disjuntores do local estão ligados.


V
b. Conectar o equipamento à tomada suavemente certificando-se de que as
voltagens são compatíveis.
c. Não sobrecarregar o circuito com a ligação de vários equipamentos em uma
tomada com utilização de benjamins.
d. Só instalar lâmpadas com a tensão prevista em projeto.
e. Utilizar proteção individual (estabilizadores) para equipamentos mais sensíveis.
f. Quando adquirir aparelho elétrico novo, verificar se está dentro das

especificações da tomada.

78
g. ão introduzir materiais metálicos nos orifícios das tomadas.
N
h. Utilizar sapatos de borracha quando for manuseá-las.

• Dos interruptores

a. onectar as lâmpadas nos bocais com os disjuntores desligados.


C
b. Ligar os disjuntores do local.
c. Acionar suavemente a tecla para acender as lâmpadas. Em caso de lâmpadas
com reator aguardar alguns segundos para que lâmpada acenda.
d. Jamais se utilizar pedaços de papel, borrachas e outros para fixar a tecla.
e. Se necessário trocar a peça.

Recomendações e Manutenção

a. L impar os espelhos a cada 2 anos.


b. Reapertar periodicamente todas as conexões.
c. Verificar o estado dos contatos elétricos e substituí-los quando apresentarem
desgaste.
d. A manutenção corretiva deve ser feita por profissional especializado.

18.5 - Disjuntores e Chaves Seccionadoras

Especificações Técnicas

Disjuntores: a função principal dos disjuntores é proteger o circuito contra excesso


de carga ou curto circuito, desligando-se automaticamente quando isto ocorrer. No
caso de sobrecarga momentânea em um dos circuitos, o disjuntor em questão se
desligará automaticamente. Se for novamente ligado e ele voltar a se desligar, é
sinal de que há sobrecarga contínua ou algum aparelho está em curto ou ainda o
próprio circuito está em curto. Neste caso deve-se chamar um profissional habilitado,
mantendo o circuito desligado até sua chegada e inspeção deste. Não se deve
aceitar conselhos de leigos e curiosos. Sempre que houver limpeza, reaperto ou
manutenção das instalações elétricas ou mesmo uma simples troca de lâmpadas,
desligue o disjuntor correspondente no circuito, ou na dúvida, desligue a chave
geral.

79
• Possibilita o seccionamento simultâneo das fases, tensão nominal de emprego
220/127 volts.

Operação

a. s disjuntores são acionados pela simples movimentação de suas alavancas;


O
b. Em caso de sobrecarga no circuito com a ocorrência de desarme do disjuntor,
este só deve ser religado após o desligamento do equipamento que provocou
a queda.
c. Verificar se há outro equipamento ligado no mesmo circuito.
d. Caso venha a desligar novamente chamar eletricista para verificação da

sobrecarga.

Das chaves seccionadoras

a. S ão acionadas com o movimento abaixa levanta da alavanca sem esforço.


b. Nelas passará corrente elétrica, portanto esta operação deve ser feita com
utilização de sapatos de borracha.
c. Quando a unidade estiver desabitada recomendamos o desligamento da
chave geral no quadro de distribuição.
d. As chaves são desligadas quando há necessidade de corte de energia em
determinada área do condomínio.

Recomendações e Manutenção

a. nualmente limpá-los externamente com pano seco.


A
b. No caso de desarme verificar se há sobrecarga no circuito por excesso de
ligações.
c. Se o desarme persistir pode haver problema do disjuntor.
d. Chamar técnico especializado para análise.

80
18.6 - Interruptor Residual Diferencial (DR)

Especificações Técnicas

• Chave geral: localizada no quadro de distribuição, interrompe a entrada de


energia do imóvel. Sempre que for efetuar reparos nas instalações, desligue
sempre a chave geral.

• Encontra-se também instalado no quadro um dispositivo antichoque DR*.

• *DR: dispositivo que visa a segurança pessoal e patrimonial, pois ele protege
tanto contra um choque ou contra uma pequena fuga de corrente; esse
dispositivo funciona da seguinte forma: se você coloca um secador de cabelos
na tomada, e esse aparelho está com uma pequena fuga de corrente, ou seja,
a energia que vem da tomada não está sendo completamente aproveitada
pelo motor, mas está se perdendo pelo fio e pela carcaça do aparelho, esse
dispositivo entra em ação e corta o fornecimento de energia, desligando o
disjuntor (que fica localizado no quadro de luz) de forma a protegê-lo contra
choques. Também pode ser desarmado quando alguma fiação, por algum
manuseio ou movimentação tiver sido desencapada e estiver em contato com
partes metálicas.

Operação

a. s disjuntores são acionados pela simples movimentação de suas alavancas;


O
b. Em caso de fuga de corrente no circuito, com a ocorrência de desarme do
disjuntor, este só deve ser religado após o desligamento do equipamento que
provocou a queda.
c. Verificar se há outro equipamento ligado no mesmo circuito.
d. Caso desligue novamente chamar técnico especializado para verificar a

sobrecarga.

81
Recomendações e Manutenção

a. L impar anualmente com pano seco.


b. No caso de desarme verificar se há sobrecarga no circuito por excesso de
ligações.
c. Se o desarme persistir pode haver problema do disjuntor, chamar técnico
especializado para análise.

18.7 – Interfonia

Especificações Técnicas

Foi instalado em cada apartamento, um interfone marca HDL cor branca, que
permite a comunicação entre todos os apartamentos e as portarias do edifício.

Operação

Ler instruções do fabricante.

Recomendações e Manutenção

a. nualmente limpar os quadros com pano seco para remoção de poeira.


A
b. Não permitir que leigos tenham acessos ao sistema.
c. Verificar se as ligações existentes estão compatíveis com a projetada.

18.8 – Telefonia

Especificações Técnicas

• Existente rede telefones externos de acordo com as normas da concessionária


local.

• O quadro geral e as caixas de bloco terminais estão localizadas nos cômodos


de prumada com fundo em alvenaria e fechamento em alumínio.

82
• A tubulação destinada à telefonia não pode ser utilizada para outros fins.

• O projeto e a execução da fiação interna do Edifício foram realizados por


instaladora credenciada junto às concessionárias locais.

IMPORTANTE!

Modificação alguma poderá ser feita em relação ao projeto


aprovado, sem consulta prévia à concessionária.

Operação

a. início da operação se dá quando a linha for ligada pela empresa contratada.


O
b. Conectar o aparelho telefônico na tomada identificada.
c. Não existindo sinal de linha a empresa fornecedora deve ser acionada.

Recomendações e Manutenção

a. nualmente limpar os quadros com pano seco para remoção de poeira.


A
b. Não permitir que leigos tenham acessos ao sistema.
c. Verificar se as ligações existentes estão compatíveis com a projetada.
d. Verificar as condições da fiação e instalação dos pontos telefônicos por

empresa especializada.

18.9 - Antena coletiva

Especificações Técnicas

• O Empreendimento possui previsão para Antena Coletiva de TV, tornando


possível à futura instalação do sistema.

Recomendações e Manutenção

a. Verificar presença de oxidação e desgaste das fiações e fixações.

83
b. S empre que necessário chamar empresa especializada para troca de peças e
fiações desgastadas.

IMPORTANTE!

Não deverá ser passado cabos de TV a Cabo individuais nas


tubulações destinadas para TV coletiva. Deverá ser passado cabo
coletivo com utilização de repetidora de sinal para a distribuição
para as unidades.

18.10 - TV a Cabo

Especificações Técnicas

• O Empreendimento possui previsão para TV a cabo, tornando possível à futura


instalação do sistema.

IMPORTANTE!

No caso de alguma operadora de TV a cabo, remover o cabo guia,


de apartamentos que não tenham solicitado instalação, ficará a
cargo da operadora a instalação de nova guia no local afetado.

18.11 - Iluminação de emergência

Especificações Técnicas

• Existe uma rede de blocos autônomos no hall dos elevadores, escadaria,


corredores de áreas comuns e garagens.

Operação

a. No corte de energia elétrica as luzes de emergência acendem automaticamente.

84
Recomendações e Manutenção

a. cionar mensalmente para verificação de funcionamento de todos os pontos


A
indicados no projeto.
b. Trocar as lâmpadas queimadas.
c. O não funcionamento implica na perda do Seguro.

18.12 - Iluminação e Campainha

Especificações Técnicas

• A alimentação dos quadros de luz é feita por meio de 3 fases mais neutro.
• Dos quadros de distribuição de luz partem tubulações completamente

embutidas, reunindo os pontos de utilização em grupos de circuitos parciais
que obedecem a seguinte relação para as bitolas mínimas de condutores.

• A bitola mínima dos condutores:

• Circuito de iluminação: 2,5 mm²


• Circuito de tomadas de corrente: 2,5 mm²
• Circuito p/ aparelhos de ar condicionado: 2,5 e 4mm²
• Condutor de aterramento (c/ proteção mecânica): 2,5 mm²
• Circuito de tomadas da cozinha e área de serviço: 2,5 mm²

• Os quadros de luz (QL) são constituídos por disjuntores termomagnéticos e


barramento de cobre sobre caixas de PVC.

• Os disjuntores são fixados a placa de material isolante de forma a possibilitar


a extração separada de cada um deles.

• Os disjuntores para circuitos fase/ neutro são unipolares, os para circuitos


fase/ fase são bipolares e os para circuitos fase/ fase/ fase são tripolares.

85
• As caixas para colocação de interruptores e tomadas obedecem a seguinte
especificação:

• 1 à 3 seções: 4”x 2”
• 4 à 6 seções: 4”x 4”
• Telefonia e TV: 4”x4”

• Salvo quando indicado no projeto de arquitetura, as alturas de utilização


obedecerão ao seguinte:

• Tomadas baixas – 0,30m do piso acabado ao centro da caixa.


• Interruptores e tomadas médias – 1,10 m do piso acabado ao centro de
caixa.
• Aarandelas – 2,20 m do piso acabado ao centro da caixa.
• Quadros de distribuição –entre 1,30 á 1,40 m do piso acabado ao
centro da caixa.

• A potência (watts) nos pontos de uso geral foi calculada de acordo com os
valores normalizados.

• Para cada apartamento teve a instalação de uma campainha localizada



próxima à porta de entrada, e comandada por um botão junto à porta de
entrada.

Operação

Acende ao acionamento do interruptor.

Recomendações e Manutenção

a. erificar diariamente se as lâmpadas acendem.


V
b. Limpar a cada 15 dias com pano úmido.

86
18.13 - Pára-raios

Especificações Técnicas

• Localizado na cobertura do prédio.

• O sistema de proteção contra descargas atmosféricas é composto das



seguintes partes: captores, descidas e sistema de aterramento.

• Os captores são compostos com terminal ponteira que são interligados ao


sistema de captação da cobertura localizados nos periféricos das coberturas.
• As descidas são por meio de ferragens especialmente dedicadas a condução
das correntes de descargas, embutidas nas faces internas dos pilares.

• O sistema de aterramento é constituído por cabo de cobre nu formando um


anel em volta da estrutura unindo todas as descidas e conectando-se aos
bastões de aterramento cravados no solo.

• O aterramento das massas dos equipamentos elétricos do edifício é ligado a


este anel.

• O terminal de aterramento principal (TAP), que se interliga a esse anel, está


localizado no subsolo 3, onde é possível proceder a inspeções e medição da
resistência de aterramento.

Recomendações e Manutenção

a. erificar se há corrosão na haste anualmente.


V
b. Verificar a continuidade elétrica por injeção de corrente entre pontos afastados
tanto na horizontal como na vertical.
c. Não instalar nenhum outro equipamento metálico em altura superior que o
para raio.

87
d. manutenção deve ser feita por empresa especializada semestralmente, e
A
sempre que o aparelho sofrer avarias.
e. Limpar e pintar a haste.
f. Esticar os cabos e substituir os danificados.

18.14 - Balizamento aéreo

Especificações Técnicas

• Localizada sobre a cobertura do prédio e com comando automático através de


célula fotoelétrica.
Operação

• Acende automaticamente ao entardecer.

Recomendações e Manutenção

a. erificar diariamente se a luz acende.


V
b. Verificar periodicamente a célula fotoelétrica, haste e circuito elétrico.

88
SITUAÇÕES ESPECIAIS

ATENÇÃO

PARADA DO ELEVADOR
• Se você ficar preso no elevador por falta de energia, não se apavore;
• Não force a abertura das portas e não tente sair se a cabina estiver parada
entre os dois pavimentos;
• Avise a guarita pelo interfone.

PROCEDIMENTOS EM CASO DE INCÊNDIO

• Se um incêndio ocorrer em seu apartamento saia imediatamente;


• Use a escada, nunca o elevador;
• Não combata o incêndio, a menos que você saiba manusear os extintores,
dispostos nos halls (Brigada de Incêndio);
• Se você ficar preso em meio a fumaça, respire através do nariz, protegido por
lenço molhado e procure rastejar até a saída. O ar sempre é melhor junto ao
chão;
• Antes de abrir qualquer porta, toque-a com as costas da mão. Se estiver quente
não abra;
• Mantenha-se vestido e molhe suas vestes;
• Se estiver preso dentro de uma sala jogue pela janela tudo o que puder
queimar facilmente;
• Não tente salvar objetos, tente se salvar;
• Ajude e acalme as pessoas em pânico, especialmente as crianças;
• Com fogo na roupa não corra; se possível envolva-se num tapete, coberta ou
tecido qualquer e role no chão.

PRECAUÇÕES COM APARELHOS ELÉTRICOS

• Verificar antes de ligar qualquer aparelho elétrico, se as voltagens da tomada


e do aparelho são as mesmas (110 ou 220 volts);

89
• Não ligar aparelhos que estiverem com o fio descascado, partido ou danificado;
• Não ligar vários aparelhos numa só tomada para não sobrecarregar a rede;
• Evitar o uso de benjamins.

MODIFICAÇÕES NO IMÓVEL

• Para efetuar quaisquer modificações no interior do imóvel deve-se comunicar


a administração do edifício e observar as recomendações do Regulamento
Interno e Convenção do Condomínio, além de consultar os projetos executivos,
disponíveis na administração do edifício;
• Qualquer reforma excluirá a respectiva área da garantia dada pela Construtora
ou pelos Fornecedores;
• Não fure azulejos ou mármores para colocação de buchas, sem antes consultar
os projetos de instalações hidro-sanitárias, pois existe o perigo de se furar
alguma tubulação;
• É importante manter as características estéticas, principalmente no que se
refere às áreas externas e fachadas do edifício;
• Contrate sempre empresas especializadas para efetuar quaisquer modificações,
principalmente quando a área a ser modificada estiver impermeabilizada.

VAZAMENTO DE GÁS

• Ao sentir cheiro de gás em seu apartamento, verifique primeiramente se os


registros do fogão estão abertos;
• Se tudo estiver em ordem, procure identificar o vazamento colocando espuma
de sabão sobre os locais suspeitos;
• Se o vazamento persistir, feche o registro de gás e comunique ao zelador, para
providências de manutenção imediatas;
• Caso sinta um forte cheiro de gás não acenda a iluminação do local.

90
ALTERAÇÕES DE SACADA

Servimo-nos desta, para apresentar nossa posição no sentido de esclarecê-lo quanto


a futuros questionamentos dos senhores condôminos, referente a estanqueidade
das sacadas das unidades. As unidades foram entregues pela Irthá Engenharia,
com suas sacadas abertas, conforme projeto devidamente aprovado, sendo que os
gradis, ali colocados, tem a função única de proteção dos usuários pela delimitação
de contorno da área.

O gradil, se não alterado em relação ao projeto, permite a livre troca da umidade


ambiente, entre a área da sacada e o exterior do prédio e, portanto não prevê o
isolamento da área contra umidade externa.

Após a ocupação das respectivas unidades, alguns condôminos tomam iniciativa,


no sentido de empreender o fechamento completo da área, através de empresas
terceirizadas. O conhecimento tácito do fato pela Irthá Engenharia, não caracteriza
sua concordância com o que as mencionadas empresas prometem com relação ao
resultado do serviço por elas executado, ou seja, a pretendida estanqueidade da
área da sacada.

Outros condôminos contratam, também, a instalação de redes de proteção externas.


A fixação dessas redes com buchas de nylon, através da perfuração da fachada
adjacente à área da sacada pode ocasionar infiltrações que, embora inicialmente
não comprometam a estrutura do prédio, acabam fluindo para dentro das sacadas
“consideradas estanques pelos condôminos”. Conte-se ainda, o disposto no Manual
do Proprietário entregue a cada um dos condôminos, nos itens perda de garantia e
modificações no apartamento.

91
19.0 - RESERVATÓRIOS DE ÁGUA

Especificações Técnicas

• Para acumulação de água potável o empreendimento é provido de:


• 01 reservatório inferior (cisterna), localizado no térreo subdividido em
02 células.
• 02 reservatórios superiores, localizados na Caixa d’água.
• Para acumulação de água pluvial o empreendimento é provido de:
• 01 reservatório inferior (cisterna), localizado no subsolo 03.

Operação

a. boia que aciona o dispositivo elétrico das bombas de recalque é regulada


A
pelo nível d´água na caixa d´água superior.
b. As bombas entram em funcionamento automaticamente recalcando a água
dos reservatórios inferiores condicionado ao pleno fornecimento de energia e
de água pelas redes públicas.

Recomendações e Manutenção

a. L avar todas e verificar a impermeabilização das caixas d´água de concreto a


cada 360 dias.
b. Não utilizar máquinas de alta pressão, pois podem danificar a proteção

mecânica dos reservatórios em concreto.
c. É recomendável que essa lavagem, seja feita por empresa especializada,
atendendo as normas da SANEPAR – PARANÁ.
d. As tampas devem permanecer fechadas e vedadas não permitindo entrada de
sujeira, animais, aves e insetos.
e. Fazer a análise microbiológica da água por laboratório idôneo como a

SANEPAR – PARANÁ a cada 6 meses e após a limpeza dos reservatórios.
f. Durante a execução da limpeza das caixas e ou reservatórios, fechar / isolar
a saída de agua para consumo após esvaziamento e antes dos serviços de
limpeza, e manter o dreno aberto, afim de evitar a descida de sujeiras na
tubulação de uso. Sugerimos a contratação de empresa especializada.

92
20.0 - PISCINA E ESPELHO D’ÁGUA

Especificações Técnicas

• Pastilha - ATLAS CERÂMICA - AZUL ME 10897 - MAPUÃ, TURUACÚ, INHAUMA


e ATLAS CERÂMICA - LINHA PODIUM - COR M12614 - 5X5CM.

Recomendações e Manutenção

a. Ligar o filtro durante 3 horas todos os dias.


b. Passar a peneira na água diariamente.
c. Usar o aspirador todos os dias, durante o verão, quando a piscina é mais
utilizada. Durante o inverno basta repetir essa operação uma vez por semana.
d. Colocar cloro diariamente para matar germes e manter a água esterilizada.
e. Utilizar os produtos químicos adequados.
f. Limpar os azulejos semanalmente para tirar a sujeira acumulada.

SINTOMA CAUSA PROVÁVEL RECOMENDAÇÃO


Utilizar algicida de manutenção.
Água turva, esverdeada, Algas trazidas
Evite o uso do sulfato de cobre,
paredes e fundo frequentemente
que é muito tóxico e pode
escorregadios. pelas chuvas.
manchar a piscina.
Algas e óleo
Utilizar produto específico para
Borda suja bronzeador na
limpar bordas.
água.
Utilizar produto redutor de pH e
Água turva, leitosa pH alto
filtrar por 12 h.
Partículas
minúsculas em
Utilizar produto auxiliar de
Água opaca, sem brilho suspensão, as quais
filtração
a areia do filtro não
é capaz de reter.

93
SINTOMA CAUSA PROVÁVEL RECOMENDAÇÃO
Ajustar o pH entre 7,0 e 7,4 e
Água faz arder os olhos e pH desajustado –
evitar produtos que desajustem
endurece os cabelos alto ou baixo
o pH da água.
Fundo sujo Material decantado Aspirar filtrando
Urina/ clorominas
Água turva com forte Utilizar cloro granulado – 14g/
devido a falta de
cheiro m2, no final do dia.
cloro
Utilizar cloro granulado e coar a
Superfície da água
Bronzeador/ fuligem superfície da água com peneira
gordurosa
envolta em pano.
Elevar o pH para 8,0 com
Água cristalina ou turva Ferro, cobre,
barrilha leve. Adicionar cloro
com cor: marrom- manganês,
granulado 14g/m2 e decantar.
avermelhada, azul- somados com o
Normalizar o pH entre 7,0 e
esverdeada, cor da terra. cloro.
7,4.

20.1 - Bomba da piscina e espelho d’água

Especificações Técnicas

• Piscina: Motobomba da marca DANCOR (5 CV 614 JM). DFR - 24 COM


MOTOBOMBA DE 1 CV P/ RAIA.
• Espelho d’água: Motobomba da marca DANCOR DFR-19 COM MOTOBOMBA
DE 3/4 CV.

Operação

a. Ver manual do fornecedor.

94
20.2 - Filtro

Especificações Técnicas

• Os filtros são da série DFR constituídos por um ou dois tanques em material


termoplástico, com sistema interno de distribuição e drenagem, válvula seletora
mult vias, visor de retro lavagem, manômetros, com motobomba com pré-filtro
e carga de areia industrializada.
• São fornecidos com o motor de acionamento para redes de energia elétrica
monofásica (127 v), bifásica (220 v) e trifásica (220v).

Operação

a. Ver manual do fornecedor.

Recomendações e Manutenção

a. erificação de eventuais vazamentos nas tubulações e juntas de vedação do


V
sistema de recirculação.
b. Evite armazenar os produtos químicos junto ao equipamento do filtro, pois
podem provocar corrosão no motor da bomba.

21.0 - PLAYGROUND/ ESPAÇO FITNESS

Cuidados de Uso

• Não utilizar os equipamentos fora das especificações de cada o fabricante.

Manutenção Preventiva

a. s equipamentos devem ser cuidados para que as partes metálicas não


O
oxidem. Devem ser lixados e pintados com zarcão e tinta à base de esmalte
anualmente, ou quando a camada de tinta for danificada.

95
b. o caso das partes em madeira devem ser, anualmente, lixadas e pintadas
N
com tinta a óleo, esmalte ou verniz.
c. Verificar periodicamente a integridade dos equipamentos e se as peças de
encaixe e/ou parafusadas, correntes e dispositivos de fixação estão em bom
estado, com parafusos de fixação bem apertados e em funcionamento.

Perda de Garantia

a. Se não forem tomadas os cuidados de uso ou não for feita a manutenção


preventiva necessária.

22.0 - JARDINS/ PAISAGISMO

Especificações Técnicas

• Localizada ao redor de toda a área externa do condomínio sendo contemplado


por vasos, grama, arbustos, etc.

Recomendações e Manutenção

b. ecomendamos a contratação de uma empresa especializada em manutenção


R
de jardins.
c. Também se deve ter atenção e tomar cuidado para que as árvores e suas
raízes não abalem a estrutura dos muros e pisos externos.

Manutenção Geral

d. I rrigação inicial abundante e diária, durante os períodos de menor insolação


(manhã ou entardecer);
e. Eliminação de ervas daninhas e pragas;
f. Adubação quando se fizer necessário;
g. Eliminação de ramificações secundárias nas árvores;
h. Poda quando se fizer necessário;

96
i. No pé da árvore deve ser feita uma coroa de modo a permitir que ela absorva
água.

23.0 - AUTOMATIZAÇÃO DE PORTÕES

Especificações Técnicas

• Compreende o conjunto das folhas dos portões, colunas, ferragens, e suportes,


adequadamente desenvolvidos para receberem as automatizações, motores
elétricos, fechaduras elétricas, sensores e controles, relacionados com a
operação dos portões.

Componentes do Sistema

• 01 Máquina para o portão deslizante.


• 02 Máquinas para o portão basculante.
• 01 Fechadura Elétrica.
• 01 Porteiro Eletrônico.

Recomendações e Manutenção

a. T odas as partes móveis, tais como roldanas, cabos de aço, correntes,


dobradiças etc., devem ser mantidas limpas, isentas de ferrugem, lubrificadas
ou engraxadas; a limpeza e lubrificação das partes móveis , deverá ser feita
mensalmente e registrada constar no plano de manutenção do condomínio.
b. Manter as chaves de fim de curso bem reguladas evitando batidas no

fechamento;
c. Os comandos de operação deverão ser executados evitando a inversão

instantânea no sentido de operação do portão;
d. Não inverter as fases que alimentam o equipamento, o que provoca o

não funcionamento do sistema de fim de curso, causando sérios danos ao
equipamento;
e. Contratar empresa especializada para promover as regulagens e lubrificações.
f. Contratar empresa especializada para executar mensalmente a manutenção
do sistema
97
Perda de Garantia

a. anos causados por colisões.


D
b. Se não forem tomados os cuidados de uso ou não forem feitas as manutenções
preventivas necessárias.

24.0 - TELHADOS

Especificações Técnicas

• Engradamento em madeira reflorestada e telha em fibrocimento 6mm.

Recomendações e Manutenção

a. Realizar a limpeza a cada seis meses, com produtos alcalinos, uma vez que
produtos ácidos danificam a zincagem dos coletores (calhas). A limpeza te
por objetivo eliminar os fungos que mancham e danificam as telhas.
b. Verificar se há furos ou quebras que possibilitem infiltração de água.
c. Verificar fixações. Trocar as danificadas.
d. Ao transitar sobre as telhas, colocar prancha de madeira para distribuição de
esforços.
e. Verificar mensalmente se calhas e condutores não estão obstruídos com folhas
e resíduos. Em época de chuvas essa verificação deve ser feita a intervalos
menores, a cada 15 dias por exemplo.

98
CAPÍTULO III – USO
E MANUTENÇÃO

1.0 - OBRIGAÇÃO DE MANUTENÇÃO

A manutenção da edificação é de responsabilidade do condomínio, representado


pelo síndico, tal que, a não realização desta acarretará na perda da garantia legal,
bem como a depreciação precoce do imóvel.

Complementando, seguem anotações do item 5 – Responsabilidades da NBR 5674


– Norma de Manutenção de edificações da ABNT:

“5.2. No caso de propriedade condominial, os proprietários


condôminos, responsáveis pela manutenção de partes autônomas
individualizadas e co-responsáveis pelo conjunto da edificação,
devem observar e fazer observar o estabelecido nas normas técnicas
e no manual de operação, uso e manutenção, se houver.”

A vida útil dos sistemas construtivos, materiais e equipamentos dependem da


maneira como os condôminos os utilizarão, sendo seu dever conservar, manter, usar
e operar nos termos fornecidos pelos fornecedores.

Neste sentido, é importante a leitura do Manual, bem como a atenção especial


quanto aos prazos de periodicidade das manutenções preventivas e corretivas, a fim
de garantir a preservação da vida útil e o bom desempenho dos sistemas.

Relacionamos abaixo algumas responsabilidades com relação à manutenção das


edificações, diretamente relacionadas à NBR 5674:

1.1 - Síndico e/ou Representante

• Elaborar, implantar e acompanhar o Programa de Manutenção Preventiva;

• Supervisionar as atividades de manutenção, conservação e limpeza das áreas


comuns e equipamentos coletivos do condomínio;

• Administrar os recursos para a realização da manutenção;

99
• Aprovar os recursos para a realização da Manutenção;

• Manter o Arquivo do Síndico sempre completo e em condições de consulta,


assim como repassá-lo ao seu sucessor;

• Registrar as manutenções realizadas;

• Coletar e arquivar os documentos relacionados às atividades de manutenção


(notas fiscais, contratos, certificados etc.);

• Contratar e treinar funcionários para execução das manutenções;

• Contratar empresas especializadas para realizar as manutenções;

• Fazer cumprir as normas de Segurança do Trabalho;

• Estabelecer local físico para o Arquivo de documentos gerais e de manutenção.

1.2 - Conselho Deliberativo

• Acompanhar a realização do Programa de Manutenção Preventiva;

• Aprovar os recursos para a realização da manutenção.

1.3 - Proprietário/Usuário

• Realizar a manutenção em seu imóvel observando o estabelecido no Manual


do Proprietário;

• Fazer cumprir e prover os recursos para o Programa de Manutenção Preventiva


das Áreas Comuns.

100
1.4 - Administradora

• Assumir as responsabilidades do Síndico conforme condições de contrato


entre o Condomínio e a Administradora;

• Dar suporte técnico para a elaboração e implantação do Programa de


Manutenção Preventiva.

1.5 - Zelador

• Fazer cumprir os regulamentos do edifício e as determinações do Síndico e da


Administradora;

• Monitorar os serviços executados pela equipe de manutenção e pelas empresas


terceirizadas;

• Registrar as manutenções realizadas;

• Auxiliar o Síndico ou Administradora para coletar e arquivar os documentos


relacionados às atividades de manutenção (notas fiscais, contratos, certificados
etc.);

• Fazer cumprir as normas de segurança do trabalho.

1.6 - Equipe de Manutenção Local

• Executar os serviços de manutenção de acordo com o Programa de Manutenção


Preventiva;

• Cumprir as normas de segurança do trabalho.

101
1.7 - Empresa Especializada

• Realizar os serviços de acordo com as normas técnicas, projetos e orientações


do Manual do Proprietário, do Manual das Áreas Comuns e Manuais dos
Equipamentos;

• Fornecer documentos que comprovem a realização dos serviços de



manutenção, tais como contratos, notas fiscais, garantias, certificados, etc.

• Utilizar materiais e produtos de primeira qualidade na execução dos serviços


mantendo as condições originais;

• Utilizar peças originais na manutenção dos equipamentos.

2.0 - PROGRAMA DE MANUTENÇÃO

Em atendimento a NBR 5674,o síndico deverá realizar um plano de manutenção, e


como colaboração sugerimos o abaixo:

ITEM DESCRIÇÃO PERIODICIDADE LEI


Conforme Consultar
Piso intertravado Inspeção geral no
manual do
de concreto piso e base fabricante fabricante
Verificar integridade
Telhado de das telhas e fixações.
fibrocimento Verificar calhas Mensal
ou telha cerâmica e condutores
desobstruídos.
Anéis de vedação
de registros, Verificar o
A cada 06 meses
torneiras e funcionamento
misturadores.

Inspeção geral no Consultar


Conforme
Antena coletiva manual do
sistema fabricante
fabricante

102
ITEM DESCRIÇÃO PERIODICIDADE LEI
Conforme Consultar
Aquecedores a
Regulagem e limpeza fabricante e manual do
Gás fabricante.
fornecedor

Limpeza de filtros e Conforme Consultar


Ar condicionado manual do
dreno fabricante fabricante
Automação dos Consultar
Manutenção Geral Mensal
portões fornecedor
Automação:
Consultar
dados,
Revisão e regulagem manual do
Informática, voz, A cada 04 meses
geral fabricante e
telefonia,
fornecedor.
vídeo, tv
Bomba Hidraulica Moto bomba 18 meses
Consultar
Verificações de
Bombas em geral Mensalmente manual do
funcionamento
fabricante

Consultar
Bombas d’água Rodízio Quinzenal manual do
fabricante

Verificar
Caixa acoplada Mensalmente
funcionamento
Consultar
CFTV Vistoria no sistema A cada 6 meses manual do
fabricante
Chuveiros Lavar o crivo A cada 06 meses
Retirar o verniz e
Anualmente
aplicar novo
Deck de madeira
Verificar os elementos
A cada 06 meses
de fixação
Desratização e Com empresa
A cada 06 meses
Dedetização terceirizada

103
ITEM DESCRIÇÃO PERIODICIDADE LEI
Elétrica
Quadros de
Testar disjuntores A cada 06 meses
distribuição
de circuitos
Conforme Consultar
Inspeção geral no
Elevadores fabricante/ manual do
sistema
fornecedor fabricante
Limpeza Trimestral
Esquadrias Reapertar parafusos
alumínio aparentes dos fechos Anualmente
e acessórios.
Esquadrias de
Pintura Anualmente
ferro
Esquadrias de
Encerar A cada 2 anos
madeira encerada
Esquadrias de
Pintar ou envernizar Anualmente
madeira
Recarga Anualmente
A cada 5 anos. 03
Extintores
Teste hidrostático meses quando em
uso
Lavagem com água
Fachadas e muro
corrente proibido alta A cada 2 anos
externos pintados
pressão
ou textura
Repintar A cada 3 anos
Fachadas, muros,
paredes externas Revisão de rejuntes e
Anualmente
revestidos com fixação
cerâmica.

104
ITEM DESCRIÇÃO PERIODICIDADE LEI
Fachadas:
elementos
Fixados – Verificar a calafetação
Anualmente
rufos, pára- e fixação.
raios, antenas,
decorações.
Forro gesso áreas
Repintar A cada 3 anos
secas
Forros de gesso
Repintar Anualmente
áreas úmidas
Gaxetas, registros
de gaveta, e Estanqueidade Anualmente
esfera
Limpar aeradores,
Hidráulica A cada 6 meses
bicos removíveis
Hidráulica -
Testar abertura e
registros dos
fechamentos dos A cada 6 meses
barriletes;
registros
cobertura
Hidráulica Sifões, Verificar
ralos de funcionamento e A cada 6 meses
tanques e pias obstrução
Funcionar mais de
uma hora. Verificar
Consultar
fusíveis, led de carga manual do
de baterias seladas; Mensal fabricante.
Iluminação de nível de Norma
10898/90.
emergência Eletrólito da bateria
comum.

Teste de Consultar
Quinzenal manual do
funcionamento fabricante

105
ITEM DESCRIÇÃO PERIODICIDADE LEI
Verificar camada
drenante, ralos
do jardim, se há
obstrução. Verificar e
Impermeabilização A cada 06 meses
refazer rejuntamentos
de pisos, paredes,
soleiras, ralos, peças
sanitárias.
Consultar
Inspeção geral no Conforme
Interfones manual do
sistema fabricante
fabricante
Jardim Manutenção Quinzenal
Louças, metais, Limpeza de ralos,
Mensal
Bombas grelhas
Mangueiras de
Teste hidrostático Anualmente 12779/93
incêndio
Medição ôhmica /
Anualmente
visual
Pára raios
Inspeção geral no Consultar a
A cada 5 anos
sistema NBR 5419
Paredes internas e
externas revestidas
Repintar A cada 3 anos
de argamassa,
gesso, drywall.
Remover o verniz e
Pintura em verniz Anualmente
repintar
Filtro de Piscina. Consultar
Conforme
Piscina Inspeção geral no manual do
fabricante fabricante
sistema.
Raspar, calafetar e
Pisos de madeira A cada 3 anos
aplicar acabamento.

Pisos elevados e Inspeção geral no Conforme Consultar


manual do
fórmica sistema fabricante fabricante

106
ITEM DESCRIÇÃO PERIODICIDADE LEI
Pisos; cimentados. Verificar juntas e Consultar
Concreto e contra preenchimento com Anualmente manual do
pisos mastique. fabricante
Repintar os
Anualmente
brinquedos
Playground Consultar
Verificar a integridade
A cada 6 meses manual do
dos brinquedos.
fabricante
Lubrificar dobradiças
e maçanetas.
Regulagem.
Consultar
Obrigatório slo de manual do
Porta corta fogo Trimestral
identificação no fabricante.
11742/ 92
terço superior da
testeira, do lado das
dobradiças.
Repintar piso. A cada 3 anos
Quadra
Repintar os
poliesportiva Anualmente
equipamentos
Quadro de
distribuição dos Reapertar as conexões Anualmente
circuitos
Verificar e completar
os rejuntamentos.
Rejuntamento e
As juntas devem ser Anualmente
juntas de dilatação
preenchidas com
mastique.
Desinfecção da caixa Anualmente
Reservatórios de
Análise microbiológica
água A cada 06 meses
da água

Sistemas de Conforme Consultar


Fabricante manual do
Segurança fabricante fabricante

107
ITEM DESCRIÇÃO PERIODICIDADE LEI
Tetos Interno /
Repintar Anualmente
externo
Reapertar conexões
Tomadas, e verificar o estado
interruptores e dos contatos A cada 6 meses
pontos de luz elétricos trocando os
danificados
Torneiras,
misturadores de
lavatórios, bidê Trocar os courinhos Anualmente
e registros de
pressão
Tubulações de Verificar presença de
Anualmente
águas pluviais raízes e obstruções
Válvula de
descarga, torneira Verificar
A cada 5 anos
automática e estanqueidade
eletrônica.
Limpar filtros e
Válvulas redutoras Conforme
verificar pressão
de pressão fabricante
conforme fabricante
Verificar desempenho
da vedação e fixação
nos caixilhos. Verificar
Vidros Anualmente
o funcionamento de
molas, dobradiças e
lubrificação.

ATENÇÃO!
As manutenções corretivas e/ ou preventivas devem ser realizadas
por profissionais qualificados ou empresa especializada, conforme
determina a NBR 5674.

108
3.0 - REGISTROS DAS MANUTENÇÕES REALIZADAS

A NBR 5674 determina que o síndico deverá registrar todas as manutenções


realizadas em livro de e armazenadas em local que adequado para que não se
danifique ou se perca.

3.1 - Modelo de Plano de Manutenção

DISCRIMINAÇÃO
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15
DOS SERVIÇOS
BOMBAS
REVEZAR BOMBAS
ESTÁ EM ORDEM?
S/N
ILUMINAÇÃO DE
EMERGÊNCIA
LÂMPADAS
QUEIMADAS?
QUANTAS?
GERADOR
TESTE DE
FUNCIONAMENTO
15 min.
FUNCIONOU? S/N

4.0 - INSPEÇÕES PERIÓDICAS

Vide capítulo IX.

109
5.0 - DICAS DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA E HIDRÁULICA

5.1 - Hidráulica

Como desentupir uma pia

Com o auxílio de luvas de borracha, um desentupidor e uma chave inglesa, siga os


seguintes passos:
a. Encha a pia de água;
b. Coloque o desentupidor sobre o ralo, pressionando-o para baixo e para cima,
observe se ele está totalmente submerso;
c. uando a água começar a descer, continue a movimentar o desentupidor,
Q
deixando a torneira aberta;
d. Se a água não descer, tente com a mão ou com o auxílio de uma chave
inglesa, desatarraxar o copo do sifão, neste copo ficam depositados os
resíduos, geralmente responsáveis pelo entupimento, mas não se esqueça de
colocar um balde em baixo do sifão, pois a água pode cair no chão;
e. Com um arame, tente desobstruir o ralo da pia, de baixo para cima, algumas
vezes, os resíduos se localizam neste trecho do encanamento, daí a necessidade
de usar um arame;
f. Coloque o copo que você retirou do sifão, não convém colocar produtos a
base de soda cáustica dentro da tubulação de esgoto;
g. Depois do serviço pronto, abra a torneira e deixe correr água em abundância,
para limpar bem.

Como desentupir um chuveiro

a. etire a capa protetora do crivo;


R
b. Retire a proteção metálica (quando houver);
c. Retire o plástico ou borracha preta;
d. Com o auxílio de uma escova de dente, limpe o crivo desobstruindo os orifícios
que podem ter acumulado detritos.

110
Como consertar uma torneira que está vazando

a. etire a tampa / botão (quando houver) da cruzeta com a mão;


R
a. Utilizando uma chave de fenda, desrosqueie o parafuso que prende a cruzeta;
a. Com o auxílio de um alicate de bico, desrosqueie a porca que prende a
canopla para poder ter acesso ao mecanismo de vedação;
a. Com auxílio de um alicate de bico, desrosqueie o mecanismo de vedação do
corpo.

Como regular a caixa de descarga acoplada da bacia sanitária

Regulagem

a. om cuidado, abra e retire a tampa da caixa acoplada;


C
b. Com a ajuda de um alicate, rosqueie a boia, deixando-a mais firme para que
quando a caixa estiver cheia, não permita que a água transborde pelo ladrão.

Substituição

a. om cuidado, abra e retire a tampa da caixa acoplada;


C
b. Desrosqueie a boia;
c. Leve-a para um depósito de materiais de construção para que sirva de modelo
para a compra de uma nova;
d. Com a nova boia em mãos, encaixe-a e rosqueie-a exatamente no local de
onde a antiga foi retirada.

Testes de vazamento de água

Na válvula ou na caixa de descarga

a. J ogue cinza de cigarro no vaso sanitário;


b. O normal é a cinza ficar depositada no fundo do vaso;
c. Em caso contrário, é sinal de vazamento na válvula ou na caixa de descarga.
d. Nas bacias cuja saída da descarga for para trás (direção da parede), deve-
se fazer o teste esgotando-se a água; se a bacia voltar a acumular água, há
vazamento na válvula ou na caixa de descarga.

111
Em reservatórios (cisternas) de edifícios

a. F eche o registro de saída do reservatório do térreo;


b. Feche completamente a torneira da boia;
c. Marque no reservatório o nível da água e, após 1 hora, no mínimo, veja se ele
baixou;
d. Em caso afirmativo, há vazamento no cano alimentado diretamente pela rede.

Em tubulação alimentada direto pela rede

a. Feche o registro do cavalete;


b. bra uma torneira alimentada diretamente pela rede da companhia de água
A
(torneira do jardim, por exemplo);
c. Espere até a água parar de correr;
d. Coloque um copo cheio de água na boca da torneira;
e. Se houver sucção da água do copo pela torneira, é sinal que existe vazamento
no cano alimentado diretamente pela rede.

5.2 - Elétrica

Parte da instalação não funciona

a. erificar no quadro de distribuição, se o disjuntor daquele circuito não está


V
desligado, em caso afirmativo, religá-lo;
b. Se ao religá-lo ele voltar a desarmar, solicite a assistência de um técnico
habilitado, para substituí-lo ou para localizar um curto circuito na instalação.

Superaquecimento do quadro de distribuição

a. erificar se existem conexões frouxas e reapertá-las;


V
b. Verificar se existe algum disjuntor com aquecimento acima do normal, isto
pode ser provocado por mau contato interno do disjuntor devendo o mesmo
ser imediatamente desligado e substituído.

112
Disjuntor do quadro de distribuição desarmando com frequência

a. erificar se existe algum mau contato elétrico (conexões frouxas) que são
V
sempre fonte de calor, o que afeta a capacidade dos disjuntores, neste caso,
um simples reaperto nas conexões resolverá o problema;
b. Outra possibilidade é que o circuito esteja sobrecarregado com instalação de
novas cargas, cujas características de potência são superiores às previstas no
projeto, tal fato deve ser rigorosamente evitado;
c. Verificar se não existe nenhum aparelho conectado ao circuito em questão,
com problema de isolamento ou mau contato que possa causar fuga de
corrente.

Chuveiro elétrico não esquenta a água

a. erificar se a chave de proteção no quadro de distribuição está desarmada,


V
caso esteja, religá-la;
b. Persistindo o problema, verificar se não ocorreu a queima da resistência do
chuveiro elétrico, se for o caso, substituí-la.

113
CAPÍTULO IV – CONSIDERAÇÕES E
INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Meio ambiente

É importante que o condomínio esteja atento para os aspectos ambientais e promova


a conscientização dos moradores e funcionários para que colaborem em ações que
tragam benefícios, tais como:

Uso racional da água

• Verifique periodicamente as contas para analisar o consumo de água e checar


o funcionamento dos medidores ou existência de vazamentos.

• Em caso de oscilações, chamar a concessionária para inspeção. (esta prática


também pode ser adotada para o uso de gás).

• Oriente os moradores e a equipe de manutenção local a verificar periodicamente


a existência de perdas de água (torneiras “pingando”, bacias “escorrendo”
etc)

• Oriente os moradores e a equipe de manutenção local no uso adequado da


água, evitando o desperdício.

INFORMAÇÃO!

Utilize água de maneira sustentável, evitando o desperdício.

Uso racional da energia

• Procure estabelecer o uso adequado de energia, desligando quando possível


pontos de iluminação e equipamentos, apenas lembre-se de não atingir
os equipamentos que permitem o funcionamento do edifício (ex.: bombas,
alarmes etc.).

114
• Para evitar fuga de corrente elétrica, realize as manutenções sugeridas, tais
como: rever estado de isolamento das emendas de fios, reapertar as conexões
do Quadro de Distribuição e as conexões de tomadas, interruptores e ponto de
luz, verificar o estado dos contatos elétricos substituindo peças que apresentam
desgaste.

• Instale equipamentos e eletrodomésticos que possuam selo de “conservação


de energia”, pois estes consomem menos energia.

• Implante um programa de coleta seletiva no edifício e destine os materiais


coletados à instituições que possam reciclá-los ou reutilizados.

INFORMAÇÃO!

Instale equipamentos e eletrodomésticos que possuam selo de


“conservação de energia”, pois consomem menos energia.

Segurança Patrimonial

• Estabeleça critérios de acesso para visitantes, fornecedores, representantes de


órgãos oficiais e das concessionárias;

• Contrate seguro contra incêndio e outros sinistros, abrangendo todas as



unidades, partes e objetos comuns;

• Garanta a utilização adequada dos ambientes para os fins que foram



destinados, evitando utilizá-los para o armazenamento de materiais inflamáveis
e outros não autorizados;

• Garanta a utilização adequada dos equipamentos para os fins que foram


projetados.

115
1.0 - OPERAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS E LIGAÇÕES

• Deverá ser consultado o manual dos fabricantes.

2.0 - AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTOS

• A instalação elétrica do imóvel e da área comum é dividida em vários circuitos.


Cada um tem limite determinado de carga em projeto, o que deverá ser
conhecido para a verificação de quais aparelhos eletrodomésticos poderão
ser ligados em cada circuito.

• O quadro de luz da unidade está sendo entregue com o diagrama dos



disjuntores.

• Ao adquirir qualquer aparelho, verifique primeiramente a compatibilidade


da sua tensão (voltagem) e potência, que deverá ser, no máximo, igual à
voltagem e potência dimensionada em projeto para cada circuito;

• Na instalação de luminárias, solicite ao profissional habilitado que esteja


atento ao total isolamento dos fios;

• Para sua orientação, o consumo de energia de seus equipamentos é calculado


da seguinte forma:

INFORMAÇÃO!

Potência x quantidade de horas por mês = Consumo kWh mensal.

• Foram executadas as previsões para CFTV, conforme projeto, o qual segue


anexo a este manual e deverá ser consultado quando da instalação definitiva
do sistema de CFTV.

116
3.0 - PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

• Apesar de riscos de incêndio em edifícios serem pequenos, podem ser



provocados por descuidos, como esquecer ferros de passar roupas ligado,
panelas superaquecidas, curtos-circuitos ou mesmo cigarros mal apagados.

• O seu edifício é dotado de um Sistema de Prevenção e Combate a Incêndio,


projetado de acordo com as normas do Corpo de Bombeiros. Este sistema
abrange reserva de água na caixa d’água, prumadas, mangueiras de incêndio,
extintores e alarmes.

• Certifique-se no condomínio que esses itens se encontram em perfeito estado,


somente são utilizados para esse fim e não sofreram alteração com relação ao
projeto original.

ATENÇÃO!

Em caso de Incêndio
Informe a portaria para avisar os demais moradores;
Ligue para o Corpo de Bombeiros;
Não utilize os elevadores;
Deixe imediatamente o local, alertando a todos que encontrar em
seu caminho.

4.0 - ILUMINAÇÃO DA ESCADA

• A luz da escada funciona com sistema de sensores. Na escada enclausurada


existe uma luminária de emergência em cada pavimento que somente acende
em caso de falta de energia elétrica, de modo que as baterias estão sempre
carregadas.

5.0 - HIDRANTE DE PASSEIO DO CORPO DE BOMBEIROS

• O hidrante de passeio no pavimento térreo está localizado na calçada de


acesso ao Edifício, sob tampa de ferro com a inscrição “INCÊNDIO”.

117
• onitore estes componentes mensalmente. Ao apresentar sinais de desgaste ou
M
funcionamento inadequado, procure a ajuda de um encanador especializado.

6.0 - EXTINTORES

• Recomenda-se ao síndico que verifique pessoalmente, os prazos de validade


das cargas dos extintores e dos cascos dos mesmos, providenciando sua
recarga ou troca, antes que expire o prazo.

ATENÇÃO!

As mangueiras para combate ao incêndio não devem ser usadas


para lavagem de pisos, carros, escadas, etc. Deve-se esticar
periodicamente para evitar seu apodrecimento.

7.0 - SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA

7.1 - Vazamentos em Tubulações de Gás

• Caso se verifique vazamento de gás em algum aparelho, como fogão ou


aquecedor, feche imediatamente os respectivos registros.

• Mantenha os ambientes ventilados, abrindo as janelas e as portas. Não utilizar


nenhum equipamento elétrico ou acionar qualquer interruptor.

ATENÇÃO!

Caso perdure o vazamento, solicite ao zelador ou síndico o


fechamento da rede de abastecimento. Acione imediatamente a
concessionária competente, o fornecedor dos equipamentos ou o
Corpo de Bombeiros.

118
7.2 - Vazamento em Tubulações Hidráulicas

• No caso de algum vazamento em tubulação de água quente ou água fria, a


primeira providência a ser tomada é o fechamento dos registros correspondentes
localizados no corredor de acesso aos apartamentos. Quando necessário,
avisar a equipe de manutenção local e acionar imediatamente uma empresa
especializada.

7.3 - Entupimento em Tubulações de Esgoto e Águas Pluviais

• No caso de entupimento na rede de coleta de esgoto e águas pluviais,


acionar imediatamente, caso necessário, uma empresa especializada em
desentupimento.

7.4 - Curto-Circuito em Instalações Elétricas

• o caso de algum curto-circuito, os disjuntores (do quadro de comando)


N
desligam-se automaticamente, desligando também as partes afetadas pela
anormalidade. Para corrigir, é só voltar o disjuntor correspondente à sua
posição original, tendo antes procurado verificar a causa do desligamento
do disjuntor, e chamar imediatamente a firma responsável pela manutenção
das instalações do condomínio, através do zelador/gerente predial e/ou
administradora. No caso de curto-circuito em equipamentos ou aparelhos,
procurar desarmar manualmente o disjuntor correspondente ou a chave geral.

7.5 - Parada Súbita de Elevadores

• S e eventualmente alguém ficar preso no elevador, acionar o botão de alarme


ou interfone. O funcionário do condomínio lhe prestará socorro e chamará a
empresa responsável pela conservação do elevador ou Corpo de Bombeiros.
Caso o condomínio tenha optado pela manutenção com o próprio fabricante,
poderá ser também utilizado número de emergência.

119
• m caso de pane e/ou quando o elevador chegar ao andar, aguarde a abertura
E
das portas e observe se o chão da cabine está no mesmo nível do pavimento.

• ão permita que nenhum funcionário do edifício abra a porta do elevador


N
em caso de pane. Aguarde a manutenção chegar. Esse procedimento evita
acidentes graves.

• ão atire lixo no poço do elevador. Esse lixo prejudica as peças que estão na
N
caixa do elevador, causando danos e mau funcionamento do sistema.

8.0 - INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS

8.1 - Barrilete, Colunas e Ramais de Distribuição

• Sob a caixa d’água existe um conjunto de registros que permitem a suspensão


do fornecimento de água. A estas tubulações chama-se colunas por serem, na
maior parte de seu percurso verticais.

• Todos os apartamentos possuem registros independentes para a água quente,


localizados no shaft com acesso no corredor, ao lado do hidrante de incêndio,
que servem para isolá-los da tubulação geral, sem provocar falta d’água nos
demais apartamentos. Na distribuição de água fria foram utilizadas prumadas
individuais por coluna de apartamentos, e os registros gerais são divididos em
1(um) registro para cada cômodo.

• Deve-se ter o cuidado de não abrir o registro de limpeza (localizado no


barrilete), porque quando aberto, este esgota a caixa d’água superior.
Quando o registro for aberto para esgotar a caixa d’água, no caso de sua
limpeza, fazê-lo com cuidado para não encher demais as calhas e ocasionar
vazamento nos apartamentos.

120
8.2 - Alimentação

Para evitar a falta de água, três pontos devem ser observados:

• Se há registro aberto nas canalizações alimentadoras;

• anter a torneira da boia limpa. Retirar o acúmulo de detritos na entrada da


M
mesma;

• anter o hidrômetro em perfeito estado. Quando houver suspeitas de


M
impurezas no hidrômetro, chame a concessionária responsável para limpá-lo
(SANEPAR).

8.3 - Reservatório

• Certifique-se sempre de que as caixas d’água estão limpas, livre de impurezas,


não lavar nada próximo às tampas de caixas d’água a fim de evitar possíveis
contaminações. As caixas não devem ser lavadas sem motivos.

8.4 - Instalação de Esgoto Sanitário

• Nas instalações de esgoto sanitário, foram usados os materiais descritos nas


especificações do projeto hidráulico do edifício, aprovados pela concessionária
(SANEPAR).

• Qualquer furo que for aberto nas paredes poderá quebrar a canalização, se
os golpes forem aplicados com violência nas proximidades (mais ou menos 15
cm) de um tubo.

8.5- Instalação de Águas Pluviais

• As águas pluviais captadas pelas calhas e valas existentes nas lajes de



coberturas, ralos e terraços, sacadas e áreas externas, são levadas por colunas
próprias até o térreo e conduzidas até a galeria pública.

121
ATENÇÃO!
É importante, semanalmente ou em prenúncio de chuvas, fazer uma
inspeção na cobertura e verificar a limpeza dos ralos e calhas.
Orientar as serventes de limpeza para quando fizerem a limpeza
dos terraços não jogarem lixo ou detritos nos ralos, que poderão
causar entupimentos.

9.0 - MOFO

• O aparecimento de mofo em armários e closets, na maioria das vezes não


está relacionado com problemas construtivos, como vazamentos e infiltração
externa.

• Estudos mostram que, em princípio, seu aparecimento deve-se à falta de


iluminação e ventilação dos ambientes. Na existência de água (vinda de
vazamentos ou infiltração), as peças afetadas se deterioram antes de o mofo
aparecer.

• O mofo é um fungo que se reproduz em uma velocidade muito grande em


condições adequadas. Tais condições são apropriadas por alguns fatores,
como grande número de edifícios próximos, alteração nas condições climáticas
e ar cada vez mais saturado de poluentes, por exemplo. Por isso, o nosso
ambiente, cada vez mais úmido e sombrio, acarreta surgimento cada vez
maior do mofo residencial.

• Técnicas construtivas de maior qualidade, projetos arquitetônicos de qualidade


não garantem, por si só, a ausência do mofo. São vários os fatores que o
propiciam, como por exemplo: grau de umidade relativa média do ambiente,
liberação de vapor de água pelo homem, condições fisiológicas do ambiente,
diferença de temperatura entre ambientes, umidade gerada pelo uso dos
ambientes (uso de cozinha, preparo do alimento, uso do banheiro, transpiração,
entre outros), porosidade de componentes internos, diferença de pressão

122
entre os lados de uma parede, umidade natural de móveis (principalmente os
novos), imóveis fechados por longo período de tempo, entre outros.

• São inúmeras as combinações de causas que podem ou não propiciar o


desenvolvimento desses fungos. Então, como não se pode detectar o futuro
aparecimento de mofo nos ambientes, é conveniente estudar a possibilidade
de um trabalho de precaução antes da instalação definitiva de móveis e
revestimento de parede como papel, tecido e outros.

10.0 - PAISAGISMO

• Elaborado por profissionais especializados, a composição dos jardins passa


por estudos em relação ao tipo de vegetação mais adequada ao comercial.

INFORMAÇÃO!

Recomenda-se a manutenção periódica dos gramados, plantas,


vasos, entre outros, através da contratação de uma empresa.

11.0 - PINTURA

• Periodicamente deve ser feita revisão da pintura, principalmente das peças


metálicas (no máximo de 6 em 6 meses), devido à agressividade do meio.

12.0 - TELHADOS E CALHAS

• É importante, mensalmente ou quando do prenúncio de chuvas, fazer inspeção


no telhado, verificar a limpeza dos ralos e calhas. A falta dessa inspeção pode
provocar alagamento.

123
13.0 - DEDETIZAÇÃO

• A dedetização geral do prédio e a limpeza das caixas d’água devem ser feitas
semestralmente por empresas especializadas, inclusive contra ratos, se for
o caso. Compete ao síndico avisar aos condôminos para que procedam à
dedetização de seus apartamentos nessa ocasião.

14.0 - IMPERMEABILIZAÇÃO

Com a finalidade de melhor preservar os locais impermeabilizados, os seguintes


itens deverão ser observados:

• Não proceder, sem a orientação da empresa executora do serviço, modificações


nos locais impermeabilizados, tais como: lajes, paredes, modificações de
paredes, ralos, entre outros.

• Comunicar de imediato ao setor de obras da empresa executora do serviço,


toda e qualquer trinca ou fissura de rodapés ou pisos e também nos serviços
de proteção final.

• Nas floreiras, evitar plantas com raízes agressivas.

• Caso haja algum entupimento do ralo, tomar cuidado para que, ao desentupi-
lo, não seja furado, possibilitando assim a passagem de água por baixo da
manta.

• Caso haja problema na tubulação do barrilete, não fazer esforço de torção do


mesmo.

• A manta impermeável está aplicada aproximadamente a 3 cm da superfície


acabada, portanto, não se deve fazer perfurações que ultrapassem esta
espessura.

124
• A impermeabilização é aplicada nas paredes e rodapés, aproximadamente 50
cm a partir da laje. Portanto, deve-se manter em perfeitas condições o topo
do paramento (muro) nos planos verticais, para que não entre água atrás da
impermeabilização.

• Cuidados especiais na limpeza dos reservatórios inferior e superior o operário


não deve golpear as paredes e pisos para não prejudicar a manta de
impermeabilização.

• Para a limpeza dos pisos e terraços, não devem ser usados produtos químicos
ou detergentes à base de derivados de petróleo, de solventes industriais ou de
produtos corrosivos, pois isto fatalmente causará danos à impermeabilização.

• Não lavar com mangueira, balde ou qualquer material que provoque excesso
de água nas áreas de piso de impermeabilização, como o piso do salão de
festas coberto, piso do BWC, fora da área do chuveiro, entre outros.

15.0 - COLETA SELETIVA

• Procurar implantar um programa de coleta seletiva no edifício e destinar os


materiais coletados a instituições que possam reciclá-los ou reutilizá-los. Há
espaço reservado no térreo para deposição do lixo gerado.

125
G ARANTIAS

Conforme NBR 1575-1 em seu item D.3.2 - Prazos /sub item D.3.2.1 –
A contagem dos prazos de garantia indicados na Tabela D1, inicia-se a partir
do “Certificado Vistoria e Conclusão de Obras - CVCO - em algumas cidades,
denominado “ Habite-se”.

Os prazos constantes neste manual foram estabelecidos em conformidade com as


regras legais vigentes e em vista do estágio atual de tecnologia de cada um dos
componentes e/ou serviços empregados na construção. Assim sendo, os prazos
referidos em tais documentos correspondem a prazos totais de garantia. Serão
válidos desde que seguidas as orientações do presente Manual.

INFORMAÇÃO!
(*) Prazo especificado pelo fabricante: entende-se por desempenho de
equipamentos e materiais, através da capacidade em atender aos requisitos
especificados em projetos, sendo o prazo de garantia o constante nos
contratos ou manuais específicos de cada material ou equipamento
entregues, ou período de 6 meses (o que for maior).

1.0 - PRAZOS DE GARANTIA


Prazos válidos a partir da data ddo CVCO - CERTIFICADO DE VISTORIA DE
Conclusão De obra (Habite-se), conforme ABNT NBR 15575 – 2013 – Edificações
Habitacionais - Desempenho.
NO
6 2 3 5
DESCRIÇÃO ATO DA 1 ANO
MESES ANOS ANOS ANOS
ENTREGA
Solidez e Segurança da Edificação (Estrutura de Concreto e Alvenaria Estrutural)

Peças estruturais (lajes, vigas, pilares, estruturas de


x
fundação, contenções e arrimo)

Paredes de vedação, estruturas auxiliares, estruturas


de cobertura, estrutura das escadarias internas ou x
externas, guarda-corpos, muros de divisa e telhados.

Equipamentos Industrializados

Aquecedores de passagem ou acumulação,


motobombas, filtros, interfone, automação de portões,
x
elevadores, sistemas de dados e de voz, telefonia,
vídeo, televisão e outros.

Sistemas de Segurança

126
NO
6 2 3 5
DESCRIÇÃO ATO DA 1 ANO
MESES ANOS ANOS ANOS
ENTREGA
Sistemas de proteção contra descargas atmosféricas,
sistemas de combate a incêndio, pressurização das
x
escadas, iluminação de emergência, sistemas de
segurança patrimonial.

Porta Corta-Fogo

Dobradiças e molas x

Integridade das portas e batentes Fabricante

Instalações Elétricas

Integridade das tomadas, interruptores, quadros,


caixas e disjuntores (riscos/amassados/manchas/ x
ausência)

Instalação de tomadas, interruptores, pontos de luz,


x
disjuntores, fios, cabos, eletrodutos, caixas e quadros.

Equipamentos: tomadas, interruptores, pontos de luz,


x
disjuntores, caixas e quadros.

Instalação de telefone, TV, minuterias, luz de


x
emergência.

Instalações Hidráulicas

Integridade das louças, metais e bancadas (riscos/


x
amassados/manchas/trincas/quebras)

Entupimentos de ralos, tubulações, louças e metais. x

Prumadas de água fria, água quente, esgotos, tubos


x
de queda e de ventilação.

Instalações embutidas nas paredes x

Equipamentos: ralos, louças, caixas de descarga,


bancadas, metais, flexíveis, sifões, válvulas, registros, x
pias, tanques e outros equipamentos hidráulicos.

Desempenho dos materiais: torneiras, registros, louças


Fabricante
e pias

Cubas de pia de cozinha Fabricante

Instalações de Gás

Integridade de medidores e válvulas x

Equipamentos x

Instalação x

Colunas x

Impermeabilização

Estanqueidade x

Esquadrias de Madeira (Caixilhos, vistas, portas, etc.)

127
NO
6 2 3 5
DESCRIÇÃO ATO DA 1 ANO
MESES ANOS ANOS ANOS
ENTREGA
Integridade da esquadria, fechaduras e metais
x
(lascas/riscos/trincas/manchas/pintura)

Esquadria (empenamento, descolamento e fixação) x

Funcionamento das fechaduras e ferragens em geral x

Desempenho de fechaduras e ferragens em geral Fabricante

Esquadrias de Aço

Integridade do acabamento e pintura x

Fixação e Oxidação x

Esquadrias de Alumínio

Integridade da esquadria (amassados/riscos/


x
manchas/pintura)

Acessórios faltantes (fechos/fechaduras/chaves) x

Funcionamento das partes móveis, inclusive


recolhedores de palhetas, motores e conjuntos x
elétricos de acionamento.

Borrachas, escovas, articulações, fechos e roldanas x

Estanqueidade da esquadria (vedação) x

Perfis de alumínio x

Vidros

Integridade dos vidros ( quebra/trinca/riscos) x

Fixação dos vidros x

Revestimento de paredes, pisos e tetos, internos e externos em argamassa, gesso, componentes de


gesso acartonado.

Ondulações excessivas em tetos e paredes x

Fissuras x

Aderência do revestimento x

Integridade do contrapiso - superfícies irregulares x

Integridade do contrapiso – destacamento. x

Revestimento de paredes, pisos e tetos em azulejos, cerâmica, pastilhas.

Integridade do revestimento (quebras, trincas,


x
manchas, diferenças de tonalidade)

Integridade do rejuntamento ou manchas x

Desempenho de revestimentos – revestimentos soltos,


x
gretados, desgaste excessivo.

Falha na aderência do rejuntamento x

Selantes, componentes de juntas e rejuntamento –


x
aderência.

Revestimento em pedras naturais, inclusive tampos de pias.

128
NO
6 2 3 5
DESCRIÇÃO ATO DA 1 ANO
MESES ANOS ANOS ANOS
ENTREGA
Integridade (quebras, trincas, manchas) x

Instalação x

Fachadas - Revestimento Externo

Fissuras no revestimento externo (que não


x
comprometam a solidez e segurança)

Estanqueidade das fachadas. x

Desempenho de revestimentos em azulejo, cerâmica,


x
pastilhas – revestimentos soltos.

Selantes, componentes de juntas e rejuntamento –


x
aderência.

Pisos de Madeira – tacos, assoalhos e decks.

Acabamento de pisos laminados, coloração,


x
destacamento, empenamento e arremates.

Integridade dos componentes – empenamento, trincas


x
na madeira e destacamento.

Revestimentos especiais – fórmica, plásticos, têxteis, pisos elevados, materiais compostos de


alumínio.

Aderência x

Forros de Gesso

Fissuras por acomodação dos elementos estruturais e


x
de vedação.

Pintura interna/externa

Acabamento geral da pintura (sujeira/machas/


x
ondulações)

Pintura de paredes e tetos (descascamento/bolhas/


x
esfarelamento/deterioração de acabamento)

Térreo externo, áreas comum.

Irregularidade nos pisos cimentados, concreto


x
estampado, intertravado.

Pedras soltas ou quebradas x

Portão de correr (problemas de automação) x

Portão de correr – mau desempenho do equipamento Fabricante

Equipamentos de combate a incêndio – ausência ou


x
integridade aparente

Paisagismo

Plantas mortas x

Falhas nos gramados x

129
NO
6 2 3 5
DESCRIÇÃO ATO DA 1 ANO
MESES ANOS ANOS ANOS
ENTREGA
Interfone - aparelho

Integridade x

Antena Coletiva

Desempenho do equipamento Fabricante

Instalação x

Churrasqueira

Existência dos acessórios (grelhas, suporte para


x
espeto, etc)

Integridade dos acessórios (grelhas, suporte para


x
espeto, etc)

130
CAPÍTULO VI – FORNECEDORES

1.0 – FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇOS

REALIZAÇÃO

Construtora
Irthá Engenharia S/A
Rua Marechal Deodoro, 630 - 24° andar – Curitiba/PR
Fone: (41) 3320-8831

Incorporadora
Gordon Empreendimentos Imobiliários S/A
Rua Marechal Deodoro, 630 - 24° andar – Curitiba/PR
Fone: (41) 3320-8831

PROJETOS TÉCNICOS

• PROJETO DE FUNDAÇÃO
Prospect – Engenharia e informática Ltda
Rua Visc. Do Rio Branco 1630 – CJ. 1104 – Curitiba/PR
Fone: (41) 3024 1020

• PROJETO ESTRUTURAL
Engecálculo Projetos Estruturais LTDA
Rua Silveiro Peixoto, 693 - Curitiba/PR
Fone: (41) 32430987

• PROJETO DE ELÉTRICA
Vectra
Projetos e Consultoria Hidráulica e Elétrica
Rua Estefano Mikilita, N° 125 - Sala 401 – Curitiba/PR
Fone/Fax: (041)3016-1503

• PROJETO DE HIDRÁULICA
Vectra
Projetos e Consultoria Hidráulica e Elétrica
Rua Estefano Mikilita, N° 125 - Sala 401 – Curitiba/PR

131
• PROJETO DE ARQUITETURA
DÓRIA LOPES FIUZA ARQUITETOS ASSOCIADOS S/S LTDA.
Rua: Estado de Israel, 131 – Vila Izabel – Curitiba/PR
Fone: (41) 3014 - 8681

• PROJETO DE AR CONDICIONADO
Excell Sistemas de climatização Ltda.
Rua Angola, 451, Pinhais/PR
Fone: (41) 3667-5887

• PROJETO DE GÁS
Elos Projetos
Rua José Clementino Bettega, 175 – loja 1 – Capão Raso – Curitiba/PR
Fone: (41) 3347-8100

INSTALAÇÕES E SERVIÇOS PRINCIPAIS

• AZULEJOS E CERÂMICAS
Cecrisa Revestimentos Cerâmicos S.A.
Manoel Delfino de Freitas, 1001 – Criciúma/SC
Fone: (48) 3431-6358

Incepa Revestimentos Cerâmicos Ltda.


Av. Padre Natal Pigato, 974 – Campo Largo/PR
(41) 3391-1000

• BOMBAS DE DRENAGEM, RECALQUE E INCÊNDIO


A Rieping
Rua Francisco Nunes, 184 – Curitiba/PR
(41) 3015-1530

• CUBA DE AÇO INOX


Tramontina Sul S.A.
Rua Garibaldi, 308 – Centro – Carlos Barbosa/RS
Fone: (41) 21119110

132
• CHURRASQUEIRA
Itagril Churrasqueiras Ltda
Rua Rio Negro, 1068 – Pinhais/PR
Fone: (41) 3653-1174

• ELEVADORES
ThyssenKrupp Elevadores S.A.
Rua Iapó, 1370 – Rebouças, Curitiba.
Fone: (41) 3342-4243

• EMPREITEIRA DE MÃO DE OBRA CIVIL


FM – Construções Civis Ltda ME
Av. Presidente Afonso Camargo, 2125 – Curitiba/PR
Fone: (41) 9746-8032

M&L Almeida Construções Ltda


BR 277 Km 111, 42 – Campo Largo/PR
Fone: (41) 9623-2579

WJ Instalações Elétricas Ltda


Rua Francisco Xavier de Oliveira, 554 – Tatuquara – Curitiba/PR
Fone: (41) 96693591

ES Construtora
Rua Anna de Macedo de Portugal, 114 – Campo de Santanna – Curitiba/PR
Fone: (41) 9814-3996/ (41) 8891-5085

• EQUIPAMENTOS CONTRA INCÊNDIO (EXTINTORES, MANGUEIRAS E


HIDRANTES)
Metal Casty
Rua José de Oliveira China, 230 – São Paulo/SP
Fone: (11) 2701-2220

133
• EQUIPAMENTOS AR CONDICIONADO
Excell Sistemas de climatização Ltda.
Rua Angola, 451, Pinhais – PR.
Fone: (41) 3667-5887

• FECHADURAS E DOBRADIÇAS
Assa Abloy Brasil Sistemas de Segurança Ltda.
Rua Augusto Ferreira Moraes, 618 – Socorro – São Paulo/SP
Fone: (11) 5693-4700

• FORROS E PAREDES DE GESSO


Total Wall Materiais e Construção
Rua Francisco José Gomes Ribeiro, 269 – Curitiba/PR
Fone: (41) 3016-0003

• IMPERMEABILIZAÇÕES
SJS Construções e Impermeabilizações
Rua Euzébio da Motta, 678 – Curitiba/PR
Fone: (41) 33523113

• INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS
HD Instalações Elétricas e Hidráulicas Ltda - ME
Avenida Francisco Kruger, 6350 Ap 401, Bloco B – Bairro Cachoeira – Almirante
Tamandaré/PR
Fone: (41) 9869-7712

• INSTALAÇÕES GÁS
V Martins e Cia Ltda
Rua Clementino Bettega, 175 – Capão Raso – Curitiba/PR
Fone: (47) 3347-6995

• ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO E VIDRO


Domínio Esquadrias de Alumínio Ltda
Rua Alcino Guanabara, 20 – Curitiba/PR
Fone: (41) 3095-2858

134
• CORRIMÃO ESCADARIA E ESQUADRIAS DE FERRO
Serralheria Edu Metal Ltda ME
Rua Professor Alberto Piekas, 1811 – Almirante Tamandaré/PR
Fone: (41) 36570111

• MÃO DE OBRA AZULEJOS


AEG Comércio e Serviços de Construção Civil Ltda
Rua João Marques,94 – Almirante Tamandaré/PR
Fone: (41) 99373854

• INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
MC Monte Castelo Instalções Elétricas
Rua Irmã Flavia Borlet, 1984 – Curitiba/PR
Fone: (41) 3089-1931

• COMUNICAÇÃO VISUAL
Requinte Placas e Troféus Ltda
Rua Laerte Fenelon, 2200 – São José dos Pinhais/PR
Fone: (41) 3653-0347

• CALHAS E RUFOS
Comércio de Calhas Santa Rita Ltda
Rua Arnaldo Tha, 1037 – Curitiba/PR
Fone: (41) 3245-7983

• INTERRUPTORES, TOMADAS DE ENERGIA E ESPELHOS


Schneider Eletric
Avenida da Saudade, 1125 – Sumaré/SP
Fone: (19) 3873-9744

• INTERFONES
Domotec Automação Ltda
Rua Major Heitor Guimarães, 1300 – Curitiba/PR
Fone: (41) 33430201

135
• LOUÇAS
Duratex S.A.
Av. Antonio Frederico Ozanam, 12000 – Distrito Industrial – Jundiaí/SP
Fone: 0800-0120133

• MÁRMORES E GRANITOS (REVESTIMENTOS DE PISO, PAREDE E


TAMPOS)
Marmores e Granitos S.G Ltda
Rua Giovani de Abreu Bianchini, 453 – Colombo/PR
Fone: (41) 9932-9352

• METAIS
Docol Metais Sanitários
Av. Edmundo Doubrawa, 1001 – Joinville - SC
Fone: (47) 3451-1112

• PORTÕES AUTOMATIZADOS
Domotec Automação Ltda
Rua Major Heitor Guimarães, 1300 – Curitiba/PR
Fone: (41) 33430201

• PORTAS DE MADEIRA
Adami AS Madeiras
Estrada Municipal CDR 455, SN – Caçador/SC
Fone: (49) 3561- 3619

• PORTAS CORTA FOGO


PCF Brasil
Rua Jovina de Oliveira Karan, 489 – Capão Raso - Curitiba – PR
Fone: (41) 3346-1298

136
• REVESTIMENTO EXTERNO – MATERIAL
Danacor Tintas e Revestimentos Ltda
Rua João Kubis, 849 – Almirante Tamandaré/PR
Fone: (41) 3698-4363

ATENÇÃO!
Permanece em posse do síndico e subsíndicos eleitos a cópia
eletrônica de todas as plantas do edifício, em caso de dúvidas,
consulte-as.

137
CAPÍTULO VII - ASSISTÊNCIA
TÉCNICA

O imóvel Thá é garantido conforme os preceitos do Código de Defesa do Consumidor


e do Código Civil Brasileiro, a saber:

• 05 anos quanto à solidez e estrutura da obra;


• 180 dias para vícios ocultos;
• 90 dias para vícios aparentes.

Entende-se como solidez e estrutura, as peças estruturais como lajes, vigas e pilares,
estruturas de fundação e contenção, que possam vir a comprometer a estabilidade
da edificação.

Entende-se como vício oculto, o vício que surge com a utilização da unidade, como
infiltrações e vazamentos.

Entende-se como vício aparente ou de fácil constatação, o vício que se verifica sem
a necessidade de uso, como portas empenadas, vazamento de torneiras e engates
flexíveis e empenamento de piso laminado.

SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Quando for necessário realizar algum tipo de reparo que esteja


previsto na garantia de seu imóvel, entre em contato com a Assistência
Técnica Thá através do site http://www.tha.com.br/cliente/, pelo
telefone (41) 3320-8820, ou pelo e-mail att@tha.com.br.

O Grupo Thá se obriga a prestar, dentro dos prazos de garantia estabelecidos


e específicos, o serviço de assistência técnica, reparando sem ônus os defeitos
verificados, desde que não seja identificado mau uso ou inobservância das
recomendações contidas neste Manual e dos itens contidos no Termo de Garantia.
Será então agendada uma visita ao imóvel, para avaliação técnica dos serviços
solicitados.

Constatando-se na avaliação técnica que os mesmos não estão enquadrados nas


condições de garantia, será cobrada uma taxa de visita e não caberá o Grupo Thá
a execução dos serviços.

138
1.0 - CONSTRUÇÃO

A construtora ou incorporadora se obriga a prestar, dentro dos prazos de garantia


legais, o serviço de assistência técnica.

Estes serviços deverão ser solicitados por escrito à construtora que agendará vistoria
para verificação da procedência da solicitação.

Sendo procedente a solicitação, serão marcadas datas para o início e término dos
serviços.

Para solicitações improcedentes, dentro dos termos da garantia legal e do Manual


do Síndico, será cobrada uma taxa de visita, e não caberá à construtora ou
incorporadora a execução dos serviços.

2.0 - DOS EQUIPAMENTOS

Após a entrega das áreas comuns cabe ao síndico estabelecer contrato de


Manutenção junto às empresas de assistência técnica dos equipamentos instalados
no edifício.

Cabe salientar que existem prazos de garantia de fornecimento e instalação que


devem ser obedecidos mediante apresentação de Nota Fiscal ou termo de garantia,
adquiridos pela construtora na época da construção.

Somente após o vencimento das garantias devem entrar em vigor os contratos de


manutenção.

3.0 - PRAZOS E PROCEDÊNCIAS DE SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA


TÉCNICA

De acordo com as legislações brasileiras;


1. Código Civil e Código de Defesa do Consumidor, os prazos para a
reclamação ou solicitação de assistência técnica junto à construtora são:

139
• Para vícios aparentes
No ato da instalação do condomínio, mediante aceite da Vistoria de Entrega da
Obra (Laudo), dentro do prazo de prescrição legal de 90 dias daquela data.
• Para vícios ocultos
Até 90 dias da data da constatação, dentro do prazo de prescrição legal de 180
dias.
• Para defeitos ou vícios ocultos, envolvendo segurança e solidez
Até 5 anos da data de instalação do condomínio.

4.0 - PERDA DE GARANTIA LEGAL

Ocorrerá quando:

• Não for observado o que dispõe este Manual, o Manual do Proprietário e


a NBR 5674 - Manutenção da Edificação da ABNT, no que diz respeito à
manutenção, o uso e a operação correta para os imóveis habitados ou não,
durante o prazo de vigência da garantia legal;
• Nos termos do artigo 1058 do Código Civil, ocorrer qualquer caso fortuito, ou
de força maior, que impossibilite a manutenção da garantia concedida;
• For executada reforma no imóvel pelo condomínio ou descaracterizações dos
sistemas construtivos integrantes da edificação, bem como outros dispositivos
expressos neste Manual;
• For verificado o mau uso de equipamentos e sistemas, bem como manuseios
impróprios;
• Houver danos por mau uso, ou não respeitando os limites admissíveis de
sobrecarga nas instalações e estruturas;
• O síndico, representante legal do condomínio, não permitir o acesso do

profissional destacado pela Construtora nas dependências da edificação para
proceder à Vistoria de conformidades com a Assistência Técnica;
• Forem identificadas irregularidades na Vistoria de Assistência Técnica, e as
devidas providências sugeridas não forem tomadas por parte dos proprietários
ou Condomínio;
• Após exceder os prazos das garantias previstas em tabela da NBR 15575-1.

140
CAPÍTULO VIII - INSPEÇÕES
TÉCNICAS DA EDIFICAÇÃO

a. condição da garantia do imóvel à correta manutenção da unidade e das


É
áreas comuns do Edifício.

b. os termos da NBR 5674, da Associação Brasileira de Normas Técnicas, e


N
do Manual do Proprietário, o proprietário é responsável pela manutenção da
sua unidade, e co-responsável pela realização e custeio da manutenção e
inspeções prediais das áreas comuns.

c. Inspeção Predial deverá ser realizada a cada ano, a fim de verificar o


A
correto uso, operação e manutenção do imóvel, cuja responsabilidade é do
condomínio.

d. pós a entrega, a empresa construtora ou incorporadora poderá efetuar


A
INSPEÇÕES PREDIAIS nas unidades selecionadas por amostragem, e nas
áreas comuns, a fim de verificar a efetiva realização destas manutenções,
o uso correto do imóvel e sua operação, bem como avaliar os sistemas
quanto ao desempenho dos materiais e funcionamento, de acordo com o
estabelecido no Manual de Operação, Uso e Manutenção, obrigando-se o
condomínio representado pelo síndico, em consequência, a permitir o acesso
do profissional em suas dependências, para proceder a INSPEÇÃO PREDIAL,
sob pena de perda de garantia.

e. as áreas comuns, o síndico responde pela administração dos interesses


N
de todos, portanto cabe a ele zelar pela realização das Inspeções e dar
conhecimento aos interessados.

141
CAPÍTULO IX - SITUAÇÕES
DE EMERGÊNCIA

1.0 - INCÊNDIO

1.1 - Plano de Emergência

Todo edifício deve ter um plano de emergência para abandono do prédio em caso
de incêndio.

Um plano de emergência deve conter:

• Procedimentos do supervisor;
• Procedimentos da brigada de incêndio;
• Procedimentos dos ocupantes do prédio;
• Planta do edifício;
• Localização do equipamento de combate a incêndio;
• Localização das vias de fuga;
• Ponto de reunião fora do edifício.

Quando o plano estiver pronto, providencie:

• Comunicação do conteúdo do plano a todos os ocupantes do edifício;


• Sinalização das instalações (saídas, extintores, etc.);
• Treinamento de abandono do edifício; um bombeiro poderá auxiliá-lo nesta
tarefa.

1.2 - Brigada de Incêndio

• A formação da brigada de incêndio é obrigatória, segundo determinação do


Corpo de Bombeiros.

• Ela deve ser composta por funcionários e usuários da edificação, que deverão
passar por treinamentos anuais.

142
1.3 - Princípio de Incêndio

Ao constatar um princípio de incêndio:

• Ligue imediatamente para o Corpo de Bombeiros 193;


• Forneça informações precisas como:
• Nome correto do local onde está ocorrendo o incêndio.
• Número do telefone de onde se está falando.
• Nome completo de quem está falando.
• Relato do que está acontecendo.
• Desligue o telefone;
• Não utilize os elevadores;
• Evacue imediatamente o local.

1.4 - Abandono do Prédio em Chamas

• O abandono deve ser feito pelas escadas, com calma, sem afobamentos.

• Nunca use o elevador.

• Ocorrendo o incêndio, saia imediatamente, o fogo se alastra com rapidez.

• Se você ficar preso em meio à fumaça, respire pelo nariz, em rápidas inalações,
se possível, molhe um lenço e utilize-o como máscara improvisada, procure
rastejar para a saída, pois o ar é sempre melhor junto ao chão.

• Feche todas as portas que ficarem atrás de você, assim retardará a propagação
do fogo.

• Se você ficar preso em uma sala cheia de fumaça, fique junto ao piso, onde o
ar é sempre melhor.

143
• Se possível, fique perto de uma janela, de onde poderá chamar por socorro.

• Toque a porta com sua mão; se estiver quente, não abra; se estiver fria abra
vagarosamente e fique atrás da porta; sentindo calor ou pressão vindo através
da abertura, mantenha-a fechada; se não puder sair, mantenha-se atrás de
uma porta fechada; qualquer porta serve como couraça; procure um lugar
perto de janelas e abra-as em cima e embaixo; calor e fumaça devem sair por
cima; respire pela abertura inferior.

• Procure conhecer o equipamento de combate à incêndio para utilizá-lo com


eficiência em caso de emergência.

• O edifício pode lhe dar várias opções de salvamento; conheça-as previamente.

• Não salte do prédio.

• Se houver pânico na saída principal, mantenha-se afastado da multidão;


procure outra saída; uma vez que você tenha conseguido escapar, não retorne.

• Chame o Corpo de Bombeiros imediatamente.

1.5 - Rota de Fuga do Empreendimento

O empreendimento possui escadaria de fuga para emergência dotada de:

• Portas corta fogo P90- resistem a 90 min sob ação de chamas. Devem ser
empurradas e fechadas pela ação de molas, após fuga do usuário.

• Placas indicativas do sentido de fuga que deve terminar no pavimento térreo.

• Placas indicativas do andar que o usuário está em fuga.

144
• Luminárias de emergência que acenderão ao corte de energia e ficarão acesas
por no mínimo 2 horas.

1.6 - Sistemas de Combate Existentes

• Vide capítulo III item 16

2.0 - ELEVADORES

O uso do elevador requer cuidados para evitar acidentes, que podem ser fatais.

O que você não deve fazer:

• Puxar a porta do pavimento sem a presença da cabine no andar.

• Apressar o fechamento das portas.

• Apertar várias vezes o botão de chamada.

• Chamar vários elevadores ao mesmo tempo.

• Fumar dentro do elevador.

• Movimentos bruscos dentro do elevador.

• Lotar o elevador com o peso acima do permitido.

• Bloquear o fechamento das portas com objetos.

O que as crianças não podem fazer:

• Não acionar os botões desnecessariamente;

145
• Não dar pulos ou fazer movimentos bruscos dentro da cabine;

• Nunca colocar as mãos na porta;

• Não entrar primeiro no elevador, assim que a porta se abre.

Se o elevador parar entre dois andares os ocupantes devem:

• Manter a calma, pois o perigo não é iminente;

• Não forçar as portas nem tentar sair por conta própria;

• Acionar o botão de alarme;

• Utilizar o interfone para pedir ajuda;

• Solicitar que chamem a empresa conservadora ou o Corpo de Bombeiros;

• Aguardar sua estabilização;

• Aguardar com calma.

Se o elevador parar entre dois andares os ocupantes não podem:

• Não forçar as portas nem tentar sair por conta própria;

• Tentar sair pela abertura, o elevador pode voltar a funcionar no momento em


que você estiver saindo.

Importante:

• Exija da empresa de conservação que o acesso à porta do elevador seja


bloqueado quando ele estiver em reparos ou revisão técnica.

146
• Nunca se afobe ao tomar o elevador.

• Quando a porta do elevador abrir, preste atenção, antes de entrar, verifique


que a cabine do elevador está no andar.

• Falhas mecânicas permitem, às vezes, que a porta abra sem a presença do


elevador.

• Entre e saia do elevador devagar, para evitar colisão com outros usuários.

• Não tente entrar no elevador enquanto os ocupantes estiverem saindo.

• Ao entrar e sair do elevador, cuidado para não tropeçar nos degraus que se
formam quando ele pára desnivelado com o pavimento.

• Em caso de incêndio, não utilize os elevadores, o abandono do edifício deve


ser feito pelas escadas, obedecendo ao plano de abandono.

3.0 - VAZAMENTOS DE GÁS

• Ao sentir o cheiro de gás, verifique se os registros do fogão estão abertos.

• Abra janelas e portas.

• Não acender a luz nem ligar outro equipamento elétrico.

• Se tudo estiver em ordem, procure identificar o vazamento colocando espuma


de sabão sobre os locais suspeitos.

• Havendo vazamento ou se o cheiro persistir chame empresa especializada.

147
CAPÍTULO X – DOCUMENTAÇÕES
A RENOVAR

Tabela A.1 – Incumbência pelo fornecimento inicial a cargo da construtora ou


incorporadora / incumbência pela renovação a cargo do proprietário ou condomínio
e periodicidade.

RESPONSÁVEL PELA PERIODICIDADE DA


DESCRIÇÃO FORNECIMENTO INICIAL
RENOVAÇÃO RENOVAÇÃO
Pelo proprietário quando
Construtora ou
Manual do proprietário Proprietário houver alteração na fase
Incorporadora
de uso

Pelo condomínio quando


Construtora ou
Manual de áreas comuns Condomínio houver alteração na fase de
Incorporadora
uso ou legislação

Certificado de garantia dos Construtora ou A cada nova aquisição /


Condomínio
equipamentos instalados Incorporadora manutenção

Notas fiscais dos Construtora ou A cada nova aquisição /


Condomínio
equipamentos Incorporadora manutenção

Manuais técnicos de uso,


Construtora ou A cada nova aquisição /
operação e manutenção dos Condomínio
Incorporadora manutenção
equipamentos instalados

Auto de conclusão (habite- Construtora ou Não há A cada nova


Não há
se) Incorporadora aquisição / manutenção

Não há, desde que


Alvará de aprovação e Construtora ou
inalteradas aas condições Não há
execução de edificação Incorporadora
do edifício

Não há, desde que


Alvará de instalação dos Construtora ou
inalteradas aas condições Não há
elevadores Incorporadora
do edifício

Alvará de funcionamento de Construtora ou


Condomínio Não há
elevadores Incorporadora

Auto de vistoria de corpo de Construtora ou


Condomínio Verificar legislação específica
bombeiros (AVCB) Incorporadora

Projetos legais aprovados Construtora ou


Não há Não há
Prefeitura e incêndio Incorporadora

Projetos aprovados em Construtora ou


Não há Não há
concessionárias Incorporadora

Projetos executivos Ver Construtora ou


Não há Não há
5.7.6.2 Incorporadora

Construtora ou
Memorial de incorporação Não há Não há
Incorporadora

Regulamento interno Condomínio Condomínio Quando necessário

Especificação, instituição de
Condomínio Não há Não há
condomínio

Importante – a minuta é
de responsabilidade do Não há Não há A cada alteração do síndico
construtor

148
RESPONSÁVEL PELA PERIODICIDADE DA
DESCRIÇÃO FORNECIMENTO INICIAL
RENOVAÇÃO RENOVAÇÃO
Convenção condominial Condomínio Condomínio Quando necessário

Relação de proprietários Condomínio Condomínio

Construtora ou
Licenças ambientais Condomínio Quando necessário
Incorporadora

Termos de ajustamento de Construtora ou


Condomínio Quando necessário
condutas ambientais(TAC) Incorporadora

Recibo de pagamento do
IPTU do último ano de obra,
boletos de IPTU a serem Construtora ou
Condomínio Não há
pagos, cópias do processo Incorporadora
de desdobramento do IPTU
e carnês IPTU desdobrado

Recibo de pagamento da
Construtora ou
concessionária de energia Condomínio Não há
Incorporadora
elétrica(último pagamento)

Recibo de pagamento da
Construtora ou
concessionária de água e Condomínio Não há
Incorporadora
esgoto (último pagamento)

Atestado do start-up do Construtora ou


Não há Não há
gerador Incorporadora

No 1º ano e depois a
cada 3 anos para edifício
Certificado de abrangência Construtora ou
Condomínio Residenciais e comerciais a
do gerador Incorporadora
cada 2 anos para locais de
reunião de público

Certificado de limpeza,
desinfecção e potabilidade Construtora ou
Condomínio A cada 6 meses
dos reservatórios de água Incorporadora
potável

Declaração de limpeza
do poço de água servida, Construtora ou
Condomínio A cada ano
caixas de drenagem e Incorporadora
esgoto

Relatório de vistoria de Construtora ou


Não há Não há
entrega de obra Incorporadora

Relação de
equipamentos, móveis,
eletrodomésticos, objetos Construtora ou
Não há Não há
de decoração entregues Incorporadora
ao condomínio(quando
aplicáveis)

Cadastro do condomínio no
Condomínio Condomínio Não há
sindicato patronal

Atestado de instalação de
gás e instalações hidráulicas Construtora ou
Condomínio Verificar legislação específica
e outras instalações prediais Incorporadora
(quando aplicável)

Atestado de instalações Construtora ou


Condomínio Verificar legislação específica
elétricas Incorporadora

149
RESPONSÁVEL PELA PERIODICIDADE DA
DESCRIÇÃO FORNECIMENTO INICIAL
RENOVAÇÃO RENOVAÇÃO
Atestado- sistema proteção
Construtora ou
de descarga atmosférica Condomínio A cada ano
Incorporadora
(SPDA)

A cada 5 anos para


Medição ôhmica (com edificações residenciais ou
Construtora ou
terrômetro calibrado e Condomínio comerciais e 3 anos para
Incorporadora
aferido pelo Inmetro) edificações com grandes
concentrações públicas

Sugestão ou modelo de
Construtora ou
programa de manutenção Não há Não há
Incorporadora
preventiva

Sugestão ou modelo de lista


Construtora ou
de verificação do programa Não há Não há
Incorporadora
de manutenção preventiva

Livro de atas de assembleias


Condomínio Condomínio A cada alteração
/ presença

Livro do conselho consultivo Condomínio Condomínio A cada alteração

Inscrição do condomínio na
Condomínio Condomínio A cada alteração de síndico
receita federal CNPJ

Inscrição do condomínio
Condomínio Condomínio Não há
no ISS

Inscrição do condomínio no
Condomínio Condomínio Não há
sindicato dos empregados

Apólice de seguro de
incêndio ou outro sinistro
que cause destruição Condomínio A cada ano A cada alteração
(obrigatório) e outros
opcionais

Relação de moradores Condomínio Condomínio A cada alteração

Procurações (síndico,
Condomínio Condomínio A cada alteração
proprietários etc)

Documentos de registros de A cada alteração de


funcionário condomínio de Condomínio Condomínio funcionário, quando
acordo com a CLT aplicável

Cópia dos documentos de A cada alteração de


registro dos funcionários Condomínio Condomínio funcionário, quando
terceirizados aplicável

Programa de prevenção de A cada ano, quando


Condomínio Condomínio
riscos ambientais (PPRA) aplicável

Programa de controle
A cada ano, quando
médico de saúde Condomínio Condomínio
aplicável
ocupacional (PCMSO)

Atestado de brigada de
Condomínio Condomínio A cada ano
incêndio

Relatório de inspeção anual


Condomínio Condomínio A cada ano
de elevadores (RIA)

150
RESPONSÁVEL PELA PERIODICIDADE DA
DESCRIÇÃO FORNECIMENTO INICIAL
RENOVAÇÃO RENOVAÇÃO
Contrato de manutenção de
Condomínio Condomínio Validade do contrato
elevadores

Contrato de manutenção de
Condomínio Condomínio A cada ano
gerador

Contrato do sistema e
instrumentos de prevenção e Condomínio Condomínio A cada ano
combate a incêndio

Certificado de testes dos


Construtora ou
equipamentos de combate a Condomínio Verificar legislação vigente
Incorporadora
incêndio

Livro de ocorrências da
Condomínio Condomínio A cada ocorrência
central de alarmes

Certificado de desratização
Condomínio Condomínio A cada seis meses
e desinsetização

Cadastro do condomínio Não há (desde que


Construtora ou
junto ás concessionárias de Condomínio inalteradas as condições do
Incorporadora
serviços edifício

IMPORTANTE!
• A periodicidade de renovação e o conteúdo da própria tabela A.1
devem ser ajustados, individualmente, em função das exigências locais
da legislação municipal, estadual ou ainda da legislação federal
vigente.
• O condomínio é o responsável pelo arquivo dos documentos, garantindo
a sua entrega a quem o substituir, mediante protocolo discriminado
item a item.
• O condomínio é responsável pela guarda dos documentos legais e
fiscais, durante os prazos legais.
• As providencias para a renovação dos documentos é de
responsabilidade do condomínio.
• Conforme determina a NBR 14037 /11.

151
CAPÍTULO XI – APÊNDICE

1.0 - LOCALIZAÇÃO DAS ÁREAS COMUNS E UNIDADES PRIVATIVAS

TORRE A
Cobertura Cobertura / Barrilete / Caixa d´ Água
14º Pavimento 1401 a 1408
13º Pavimento 1301 e 1308
12º Pavimento 1201 e 1208
11º Pavimento 1101 e 1108
10º Pavimento 1001 e 1008
9º Pavimento 901 e 908
8º Pavimento 801 e 808
7º Pavimento 701 e 708
6º Pavimento 601 e 608
5º Pavimento 501 e 508
4º Pavimento Áreas Comuns Cobertas
3º Pavimento Sala de pressurização, hall e Estacionamento
Estacionamento, hall, reservatórios de água
2º Pavimento
potável e cisterna de reuso.
Térreo Hall Social / Setor Comercial / Estacionamento
TORRE B

Cobertura Cobertura / Barrilete / Caixa d´ Água


14º Pavimento 1401 a 1408
13º Pavimento 1301 a 1308
12º Pavimento 1201 a 1208
11º Pavimento 1101 a 1108
10º Pavimento 1001 a 1008
9º Pavimento 901 a 908
8º Pavimento 801 a 808
7º Pavimento 701 a 708
6º Pavimento 601 a 608
5º Pavimento 501 a 508

152
4º Pavimento 405 á 408 e Áreas Comuns Cobertas
305 á 308, áreas comuns, Hall e
3º Pavimento
Estacionamento
2º Pavimento 205 á 208 e estacionamento
Hall Social / Setor Comercial /
Térreo
Estacionamento
TORRE C

Cobertura Cobertura / Barrilete / Caixa d´ Água


14º Pavimento 1401 a 1410
13º Pavimento 1301 e 1310
12º Pavimento 1201 e 1210
11º Pavimento 1101 e 1110
10º Pavimento 1001 e 1010
9º Pavimento 901 e 910
8º Pavimento 801 e 810
7º Pavimento 701 e 710
6º Pavimento 601 e 610
5º Pavimento 501 e 510
4º Pavimento Áreas Comuns Cobertas
Hall, sala de pressurização e
3º Pavimento
estacionamento
2º Pavimento Estacionamento e cisterna de reuso.
Hall Social / Setor Comercial /
Térreo
Estacionamento

153
1.1 LOCALIZAÇÃO: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

2º Pavimento

3º Pavimento

4º Pavimento

Cobertura /
Pavimento
1º Subsolo

5º ao 14º

Barrilete
Térreo

Quadro de
Telefone
x x x x 12º 10º 8º 6º

Quadro de TV x x x x 12º 10º 8º 6º


Quadro de 5º 7º 9º 11º
Medição x
Elétrica 13º
Quadro de
Disjuntores
x x x x x x

Elevadores x x x x x x

Prumadas /
x x x x x x x
Shafts

1.2 LOCALIZAÇÃO: INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS


2º Pavimento

3º Pavimento

4º Pavimento

Cobertura /
Pavimento
1º Subsolo

5º ao 14º

Barrilete
Térreo

Caixa de
Medição de x x x x x x
Água
Prumadas /
Shafts
x x x x x x x
RESERVATÓRIO
x x
DE ÁGUA
BOMBAS DE
x
RECALQUE
Redutora de
pressão
x x

Pressurizadores x x

154
Shafts
Prumadas /
x
1º Subsolo

x
Térreo

x
2º Pavimento
x
1.3 LOCALIZAÇÃO: INSTALAÇÕES DE GÁS

3º Pavimento
x

4º Pavimento

5º ao 14º
x

Pavimento

Cobertura/
Barrilete

155
CAPÍTULO XII – ANEXOS TÉCNICOS

Prezado Clientes

Informam om local por onde passam as tubulações embutidas, conforme legenda.

ATENÇÃO!

Não se pode perfurar esses locais e deve-se levar em conta uma


área de segurança, de 10 cm para cada lado da tubulação
representada. Além disso na representação fotográfica existem
áreas denominadas de limitador, que devem ser respeitadas..

Lembre-se que os encanamentos que passam por uma parede


hidráulica mostrada no banheiro, na cozinha etc., também estão
passando por esta mesma parede nas áreas secas vizinhas. O mesmo
ocorre com as prumadas e drenos que passam nas áreas secas, deve-
se observar sempre os 2 lados da parede antes de executar qualquer
furação. Na colocação dos armários, tomar todos os cuidados possíveis.

ANTES DE FURAR!

Usar limitador de broca e não ultrapassar 2 cm de profundidade.

Os detalhes das tubulações abaixo seguem o seguinte padrão:

Água Potável
Esgoto
Gás
Delimitador

OBS. Antes de fazer alterações nas paredes e no chão, deve observar-se que em
relação as tubulações esquematizadas abaixo devem ser considerados acréscimos
de 10cm tanto para o lado direito quanto para o lado esquerdo.

156
1.1 - TORRE A

A. ESPAÇO PET

VISTA 01

157
B. SALÃO DE FESTA INFANTIL

VISTA 01

Vista 1 Vista 1

158
Vista 1 Vista 1

C. BWC FEMININO

VISTA 02 VISTA 03

VISTA 01

159
Vista 1 Vista 1

Vista 2 Vista 2

160
Vista 3

Vista 3

D. BWC MASCULINO

VISTA 01

VISTA 02 VISTA 03

161
Vista 1 Vista 1

Vista 2 Vista 2

162
Vista 3

Vista 3

E. ESPAÇO FITNESS

VISTA 01 VISTA 02

163
Vista 1 Vista 1

1.2 - TORRE B

A. COPA CONDOMÍNIO

VISTA 01

Vista 1
164
B. I.S.M.

VISTA 04
VISTA 02

VISTA 01
VISTA 03

Vista 1

165
Vista 2 Vista 2

Vista 3 Vista 3

166
Vista 4

C. I.S.F.

VISTA 02

VISTA 01

167
Vista 1 Vista 1

Vista 2 Vista 2

168
D. DML

VISTA 01

Vista 1 Vista 1

169
1.3 - TORRE C

A. SALÃO GOURMET 01

VISTA 01

Vista 1

170
Vista 1 Vista 1

B. SALÃO GOURMET 02

VISTA 01 VISTA 02

171
Vista 1

Vista 1 Vista 1

172
C. SANITÁRIO MASCULINO

VISTA 02

VISTA 01
VISTA 03

Vista 1 Vista 1

173
Vista 2

Vista 2

Vista 3 Vista 3

174
D. SANITÁRIO FEMININO

VISTA 04

VISTA 01

VISTA 02

VISTA 03

Vista 1 Vista 1
175
Vista 2 Vista 2

Vista 3 Vista 3

176
Vista 4

E. SALÃO DE FESTA TEEN

VISTA 01

177
Vista 1 Vista 1

F. SALÃO DE FESTA ADULTO

VISTA 01

178
Vista 1 Vista 1

1.4 - SETOR COMERCIAL

A. LOJA 01

VISTA 01

179
Vista 1

B. LOJA 02

VISTA 01

180
Vista 1

C. LOJA 03

VISTA 01

181
Vista 1

D. LOJA 04

VISTA 01

182
Vista 1

1.5 - P.N.E. SETOR COMERCIAL E HALL’S RESIDENCIAIS (TÉRREO/


SUBSOLO)

VISTA 01
VISTA 01

183
VISTA 02 VISTA 02

Vista 1 Vista 2

184
185
ANEXO II
TABELA DE ACABAMENTOS

Áreas Comuns

AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: - Material: - Material:


Material ou (gesso/
- - M
Acabamento: emboço/
estrutura)
Acabamento
- Marca: -
/ Marca:

Linha: - Linha: - Marca: - Tipo: Espe


(liso/destaque/ - (ch
Cor: - Cor: - Linha: - sancas) lisa/
PASSEIO
(Térreo - Rua Francisco Tamanho: - Acabamento: - Cor: - Acabamento: - Aca
Raitani)
Tamanho /
PEI: - Altura: - - Marca: -
Posição:

Rejunte (cor e Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor: -
referência): referência): referência):
ta

cf. projeto cf. projeto


Observação: de Observação: de Observação: - Observação: - Ob
paisagismo paisagismo

Material: - Material: - Material:


Material ou Mureta - cf. padrão (gesso/
- M
Acabamento: fachada emboço/
estrutura)
Marca: - Marca: -

Linha: - Linha: - Marca: - Tipo: Espe


(liso/destaque/ - (ch
ACESSO VEÍCULOS Cor: - Cor: - Linha: - sancas) lisa/
/ EMBARQUE E
DESEMBARQUE /
RAMPAS (L=1,75m Tamanho: - Acabamento: - Cor: - Acabamento: - Aca
e 2,50m) / EM
NÍVEL - TORRE B
(Térreo - Rua Francisco Tamanho /
PEI: - Altura: - - Marca: -
Raitani) Posição:

Rejunte (cor e Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor: -
referência): referência): referência):
ta

cf. projeto cf. projeto


Observação: de Observação: de Observação: - Observação: - Ob
paisagismo paisagismo

186
TAMPOS/BIT BOX/
MOLDURAS/
PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/
SOLEIRAS

- Material: - Material: - Material: - Material: -

Especificação:
- (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
lisa/ moldura)

- Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

- Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
- (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

- Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

- Material: - Material: - Material: - Material: -

Especificação:
- (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
lisa/moldura)

- Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

- Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
- (tipo e - (Acabamento e - Marca: - Marca: -
tamanho) altura)

- Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

187
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: - Material: -
Material ou Material: (gesso/
-
Acabamento: emboço/estrutura)
Acabamento
- Marca: -
/ Marca:

Linha: - Linha: - Marca: -


Tipo: (liso/destaque/
Cor: - Cor: - Linha: - sancas)
ACESSO PEDESTRES
- TORRE B Tamanho: - Acabamento: - Cor: - Acabamento:
(Térreo - Rua Francisco
Raitani) Tamanho /
PEI: - Altura: - - Marca:
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor:
e referência): referência): referência):

cf. projeto
cf. projeto de
Observação: Observação: de Observação: - Observação:
paisagismo
paisagismo

Material: - Material: -
Material ou Material: (gesso/
cf. padrão fachada
Acabamento: emboço/estrutura)

Marca: - Marca: -

Linha: - Linha: - Marca: -


Tipo: (liso/destaque/
Cor: - Cor: - Linha: - sancas)
ÁREA P/ LIXEIRAS EXT.
TÉRREO- TORRE B Tamanho: - Acabamento: - Cor: - Acabamento:
(Térreo - Rua Francisco
Raitani) Tamanho /
PEI: - Altura: - - Marca:
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor:
e referência): referência): referência):

cf. projeto
cf. projeto de
Observação: Observação: de Observação: - Observação:
paisagismo
paisagismo

188
TAMPOS/BIT BOX/
MOLDURAS/
ETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/
SOLEIRAS

o/
- Material: - Material: - Material: - Material: -
a)

Especificação:
ue/
- (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
lisa/moldura)

- Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

- Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
- (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

- Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

o/
- Material: - Material: - Material: - Material: -
a)

Especificação:
ue/
- (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
lisa/moldura)

- Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

- Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
- (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

- Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

189
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: Porcelanato Material: Poliuretano Material:


Material ou Pintura Sobre (gesso/ Forro
Acabamento: Massa Corrida emboço/ Ges
estrutura)
Acabamento/
Porcellanato Esmaltado Marca: -
Marca:

co
Linha: Beta Natura/Beta Gris Linha: - Marca: Coral Tipo:
deta
(liso/destaque/
- ver
sancas)
Cor: Areia/Cinza Cor: Branco Linha: Latex PVA Fosco interi
HALL PORTARIA E
HALL ELEVADORES -
TORRE A,B e C Tamanho: 54,4X54,4 Acabamento: Reto polido Cor: Ovelha Acabamento: Pint

Tamanho /
PEI: - Altura: 12 cm - Marca: Co
Posição:

Rejunte (cor e Rejunte (cor e Rejunte (cor e


Silaqua - Corda - - Cor: Bran
referência): referência): referência):

detalhes: desenho de piso cf.


Observação: projeto de interiores em Metro Observação: - Observação: - Observação: -
Noce

Material: Porcelanato Material: Poliuretano Material:


Material ou Pintura Sobre (gesso/ Forro
Acabamento: Massa Corrida emboço/ Ge
estrutura)
Acabamento/
Porcellanato Esmaltado Marca: Santa Luzia
Marca:

Linha: Beta Natura Linha: - Marca: Coral Tipo:


Liso
(liso/destaque/
Cor: Areia/Cinza Cor: Branco Linha: Latex PVA Fosco desta
sancas)

I.S. PNE - TORRE A,B Tamanho: 54,4X54,4 Acabamento: Reto polido Cor: Ovelha Acabamento: Pint
eC

Tamanho /
PEI: - Altura: 12 cm - Marca: Co
Posição:

Rejunte (cor e Rejunte (cor e Rejunte (cor e


Silaqua - Corda - - Cor: Bran
referência): referência): referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

190
TAMPOS/BIT BOX/
TETO PORTAS MOLDURAS/ DIVISÓRIAS/ LOUÇAS METAIS
BORDAS/ SOLEIRAS

Soleira,
al:
enquadramento
/ Forro de
Material: - Material: e Moldura Material: - Material: -
o/ Gesso
Elevadores
a)
em gr.

com
Especificação:
detalhes
que/ (chapeada/ - Cor: Ocre Itabira Modelo: - Modelo: -
- ver proj.
s) lisa/moldura)
interiores

Moldura
nto: Pintura Acabamento: - Acabamento: acabamento Referência: - Referência: -
Topo 90°

a: Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia: Largura =


Branca (tipo e - (Acabamento 15cm (ver det. Marca: - Marca: -
tamanho) e altura) Interiores)

ção: - Observações: - Observação: - Observação: - Observação: -

al:
o/ Forro de Bacia Torneira Acabamento
Material: - Material: - Material: Lavatório Material:
o/ Gesso Convencional Pressmatic Registro
a)

Especificação:
Liso com Acesso
aque/ (chapeada/ - Cor: - Modelo: Vogue Plus Modelo: Compact Pertutti
destaque Plus
s) lisa/moldura)

Lavatório
e Coluna
Suspensa Bacia: P510 e
ento: Pintura Acabamento: - Acabamento: - Referência: Referência: 17160606 -
Código: Assento:AP.51
L51 +
CS1

a: Coral Cor: - Saia: - Cor: Branco Acabamento: Cromado

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: Deca Deca Marca: Docol
tamanho) e altura)

Válvula de descarga com


ção: - Observação: - Observação: - Observação: - Observação: acabamento chrome
01021506

191
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: Granito Material: -


Material ou Material: (gesso/
-
Acabamento: emboço/estrutura)

Acabamento/
Reto Polido Marca: -
Marca:

Linha: - Linha: - Marca: -


Tipo: (liso/destaque/
Cor: desenho com : Ocre Itabira Cor: - Linha: - sancas)

ELEVADORES (Pavts. Tamanho: - Acabamento: - Cor: - Acabamento:


Tipos e Estacionamento)
- TORRE A, B e C Tamanho /
PEI: - Altura: - - Marca:
Posição:

Rejunte (cor e Rejunte (cor Rejunte (cor e


- - - Cor:
referência): e referência): referência):

Observação: ver projeto de interiores Observação: - Observação: - Observação:

Material: Porcelanato Material: Poliuretano


Material ou Pintura Sobre Material: (gesso/ P
Acabamento: Massa Corrida emboço/estrutura) M
Acabamento/
Porcellanato Esmaltado Marca: Santa Luzia
Marca:

Linha: Beta Natura Linha: - Marca: Coral Tipo: (liso/destaque/


Cor: Areia/Cinza Cor: Branco Linha: Latex PVA Fosco sancas)
CORREDOR
ACESSO A SALA DE
MÁQUINAS E SALA DE Tamanho: 54,4X54,4 Acabamento: Reto polido Cor: Branca Acabamento:
MÁQUINAS - TORRE B
(Térreo - Rua Francisco
Raitani) Tamanho /
PEI: - Altura: 12 cm - Marca:
Posição:

Rejunte (cor e Rejunte (cor e Rejunte (cor


Silaqua - Corda - - Cor:
referência): referência): e referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

192
TAMPOS/BIT BOX/MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/SOLEIRAS

so/
- Material: - Material: Soleira Material: - Material: -
ura)

Especificação:
aque/
- (chapeada/ - Cor: Ocre Itabira Modelo: - Modelo: -
lisa/moldura)

o: - Acabamento: - Acabamento: Reto Polido Referência: - Referência: -

- Cor: - Saia: - Cor: - Cor: -

Vistas: Rodapia:
- (tipo e - (Acabamento - Marca: - Acabamento: -
tamanho) e altura)

Não haverá moldura em


gr. Nesses pavimentos
- prever cantoneira
o: - Observação: - Observação: de aluminio na cor Observação: - Observação: -
branca ao nas quinas
das paredes do vão de
passagem (laterais)

so/ Pintura Sobre


Material: - Material: - Material: - Material: -
ura) Massa Corrida

aque/ Especificação:
- (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
lisa/moldura)

o: Pintura Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

Coral Cor: - Saia: - Cor: - Cor: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Acabamento: -
tamanho) e altura)

cf. projeto
arquitetônico
o: - Observação: e caderno Observação: - Observação: - Observação: -
de
esquadrias

193
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Pintura
Pintura sobre Concreto
Material: Material: Sobre Textura
Alisado Material ou Material: (gesso/ Pi
Emboço amaçada sobre
Acabamento: emboço/estrutura)
Emboço
Acabamento/
Pintura Coral Marca: Coral
Marca:

Tinta para
Linha: Tinta para Piso Linha: Marca: -
Piso Tipo: (liso/
destaque/ sancas)
ESCADA PRESSURIZADA Cor: Concreto Cor: Concreto Linha: -
- TORRE A,B e C
(Todos os pavimentos) Tamanho: - Acabamento: - Cor: Branca Acabamento: Ti

Tamanho /
PEI: - Altura: 7cm - Marca:
Posição:

Rejunte (cor e Rejunte (cor Rejunte (cor e


- - - Cor:
referência): e referência): referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

Pintura
Sobre
Material: Concreto Alisado Material: Blocos / Pintura sobre
Estrutura Material ou Blocos / Material: (gesso/ Pi
Aparente Acabamento: Estrutura emboço/estrutura) Estru
Aparente
Acabamento/
- Marca: Coral
Marca:

Tinta para
Linha: - Linha: Marca: Coral Tipo: (liso/
Piso
destaque/ sancas)
Cor: - Cor: Concreto Linha: Tinta PVA
ESTACIONAMENTO
COBERTO RESIDENCIAL Tamanho: - Acabamento: - Cor: Branca Acabamento:
(Subsolo, Térreo, 2° e 3°
Pavimento)
Tamanho /
PEI: - Altura: - - Marca:
Posição:

Rejunte (cor e Rejunte (cor e Rejunte (cor


- - - Cor:
referência): referência): e referência):

ver pintura
especial de
faixas de
Observação: - Observação: - Observação: Observação:
sinalização
para
estacionamento

194
TAMPOS/BIT BOX/MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/SOLEIRAS

sso/ Pintura sobre


Material: - Material: - Material: - Material: -
tura) Emboço

Especificação:
/
- (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
cas)
lisa/moldura)

o: Tinta Acrílica Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

Coral Cor: - Saia: - Cor: - Cor: -

Vistas: Rodapia:
Branco (tipo e - (Acabamento - Marca: - Acabamento: -
tamanho) e altura)

cf. projeto corrimão


arquitetônico escada
o: - Observação: Observação: - Observação: - Observação:
e caderno de cf. projeto
esquadrias arquitetônico

sso/ Pintura sobre


Material: - Material: - Material: - Material: -
tura) Estrutura Aparente

Especificação:
/
- (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
cas)
lisa/moldura)

o: Tinta PVA Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

Coral Cor: - Saia: - Cor: - Cor: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Acabamento: -
tamanho) e altura)

o: - Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

195
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Ladrilho Ladrilho Pin


Material: Material:
Hidráulico Hidráulico Material ou Pintura sobre Blocos / Material: (gesso/ so
Acabamento: Estrutura Aparente emboço/estrutura) Estr
Apa
Acabamento/
- Marca: -
Marca:

Linha: - Linha: - Marca: Coral Tipo: (liso/destaque/


Cor: Concreto natural Cor: Concreto Linha: Tinta PVA sancas)

RAMPA VEÍCULOS
Tamanho: - Acabamento: - Cor: Branca Acabamento: Tinta
(Subsolo, Térreo e 3°
Pavimento) Tamanho /
PEI: - Altura: 7cm - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor: Bra
e referência): referência): referência):

ver pintura especial de


Observação: - Observação: - Observação: faixas de sinalização Observação:
para estacionamento

Pintura
Concreto
Material: Material: sobre
Alisado Material ou Material: (gesso/ Pintur
Emboço Pintura sobre Emboço
Acabamento: emboço/estrutura) Em
Acabamento/
- Marca: Coral
Marca:

Tinta para
Linha: - Linha: Marca: Coral
Piso Tipo: (liso/destaque/
sancas)
Cor: - Cor: Concreto Linha: Tinta PVA
ÁREA TÉCNICA -
ESTACIONAMENTO Tamanho: - Acabamento: - Cor: Branca Acabamento: Tint
(Térreo)
Tamanho /
PEI: - Altura: 7cm - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor: Bra
e referência): referência): referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

196
TAMPOS/BIT BOX/
MOLDURAS/
ETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/
SOLEIRAS

Pintura
o/ sobre
Material: - Material: - Material: - Material: -
ra) Estrutura
Aparente

que/ Especificação:
- (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
lisa/moldura)
: Tinta PVA Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

- Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

o/ Pintura sobre
Material: - Material: - Material: - Material: -
ra) Emboço

Especificação:
que/
- (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
lisa/moldura)

: Tinta PVA Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

- Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

197
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: - Material: -
Material ou cf. fachada Material: (gesso/ Fo
Acabamento: empreendimento emboço/estrutura) G
Acabamento
- Marca: -
/ Marca:

Linha: - Linha: - Marca: -


Tipo: (liso/destaque/
Cor: - Cor: - Linha: - sancas)
GALERIA COBERTA
E CALÇADA Tamanho: - Acabamento: - Cor: - Acabamento: Tin
(Térreo - Rua Winston
Churchill) Tamanho /
PEI: - Altura: - - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor: Br
e referência): referência): referência):

Observação: cf. decreto Observação: cf. decreto Observação: - Observação:

Concreto
Material: Material: - Pintu
Alisado Material ou Pintura sobre Blocos / Material: (gesso/
Est
Acabamento: Estrutura Aparente emboço/estrutura)
Ap
Acabamento/
- Marca: -
Marca:

Linha: - Linha: - Marca: Coral


Tipo: (liso/destaque/
Cor: - Cor: - Linha: Tinta Acrílica sancas)
ACESSO VEÍCULOS
EM NÍVEL -
LATERAL TORRE A Tamanho: - Acabamento: - Cor: Branca Acabamento: Tin
(Térreo - Av. Winston
Churchill) Tamanho /
PEI: - Altura: - - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor: Br
e referência): referência): referência):

ver pintura especial de


Observação: - Observação: - Observação: faixas de sinalização Observação:
para estacionamento

198
TAMPOS/BIT BOX/
MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/
SOLEIRAS

so/ Forro de
Material: - Material: - Material: - Material: -
ura) Gesso

Especificação:
aque/
- (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
lisa/moldura)

o: Tinta PVA Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branco (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

o: - Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

Pintura sobre
so/
Estrutura Material: - Material: - Material: - Material: -
ura)
Aparente

Especificação:
aque/
- (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
lisa/moldura)

o: Tinta PVA Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

o: - Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

199
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: Cerâmica Material: Cerâmica


Material ou Pintura Sobre Massa Material: (gesso/ For
Acabamento: Corrida emboço/estrutura) G
Acabamento/
Cecrisa Marca: Cecrisa
Marca:

Linha: Arizona WH Linha: Arizona WH Marca: Coral


Tipo: (liso/ Liso
Cor: Natural Cor: Natural Linha: Latex PVA Fosco destaque/ sancas) des

HALL ELEVADORES
Tamanho: 45,6 x 45,6 Acabamento: Reto Polido Cor: Branca Acabamento: Pin
ESTACIONAMENTOS
- TORRE A e C Tamanho /
(2° e 3° Pavimento) PEI: - Altura: h=8,0 cm - Marca: C
Posição:

Siláqua
Rejunte (cor Siláqua cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e
cor cinza - Cor: Bra
e referência): cinza platina referência): referência):
platina

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

Concreto
Material: Material: -
Alisado Material ou Material: (gesso/ Co
Concreto Alisado
Acabamento: emboço/estrutura) Ali
Acabamento/
- Marca: -
Marca:

Linha: - Linha: - Marca: -


Tipo: (liso/destaque/
Cor: - Cor: - Linha: - sancas)
CISTERNAS -
TORRE A e C
(2° Pavimento - Tamanho: - Acabamento: - Cor: - Acabamento:
Estacionamento Torre
A e C) Tamanho /
PEI: - Altura: - - Marca:
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor:
e referência): referência): referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

200
TAMPOS/BIT BOX/ MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/SOLEIRAS

so/ Forro de
Material: - Material: Soleira Material: - Material: -
ura) Gesso

Especificação:
Liso com
(chapeada/ - Cor: Ocre Itabira Modelo: - Modelo: -
cas) destaque
lisa/moldura)

o: Pintura Acabamento: - Acabamento: Reto Polido Referência: - Referência: -

Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

Não haverá moldura em


gr. Nesses pavimentos
- prever cantoneira de
o: - Observação: - Observação: Observação: - Observação: -
aluminio na cor branca ao
nas quinas das paredes do
vão de passagem (laterais )

so/ Concreto
Material: - Material: - Material: - Material: -
ura) Alisado

Especificação:
aque/
- (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
lisa/moldura)

o: - Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

- Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
- (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

o: - Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

201
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Pintura
Pintura sobre Sobre
Material: Concreto Material: Blocos / Pi
Alisado Estrutura Material ou Pintura sobre Blocos / Material: (gesso/ s
Aparente Acabamento: Estrutura Aparente emboço/estrutura) Est
Ap
Acabamento/
Pintura Coral Marca: Coral
Marca:

Tinta para
Linha: Tinta para Piso Linha: Marca: Coral Tipo: (liso/destaque/
Piso
sancas)
SALA DE BOMBAS Cor: Concreto Cor: Concreto Linha: Tinta PVA
(2° Pavimento -
Estacionamento Torre Tamanho: - Acabamento: - Cor: Branca Acabamento: Tin
A e C)
Tamanho /
PEI: - Altura: 7cm - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor: Br
e referência): referência): referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

Concreto
Material: Material: -
Alisado Material ou Pintura sobre Blocos / Material: (gesso/
Acabamento: Estrutura Aparente emboço/estrutura)
Acabamento/
- Marca: -
Marca:

Linha: - Linha: - Marca: Coral


Tipo: (liso/
Cor: - Cor: - Linha: Tinta Acrílica destaque/ sancas)
ESTACIONAMENTO
RESIDENCIAL
DESCOBERTO Tamanho: - Acabamento: - Cor: Branca Acabamento:
(2° Pavimento - Projeção
Torre B) Tamanho /
PEI: - Altura: - - Marca:
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor:
e referência): referência): referência):

ver pintura especial de


Observação: - Observação: - Observação: faixas de sinalização Observação:
para estacionamento

202
TAMPOS/BIT BOX/
MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/
SOLEIRAS

Pintura
so/ sobre
Material: - Material: - Material: - Material: -
ura) Estrutura
Aparente

Especificação:
aque/
- (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
lisa/moldura)

o: Tinta PVA Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branco (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

cf. projeto
arquitetônico
o: - Observação: Observação: - Observação: - Observação: -
e caderno de
esquadrias

so/
- Material: - Material: - Material: - Material: -
ura)

Especificação:
liso/
- (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
cas)
lisa/moldura)

o: - Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

- Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
- (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

o: - Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

203
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Pintura sobre
Material: Concreto Material: - Material: Pi
Alisado Material ou Pintura sobre Blocos / (gesso/ s
Acabamento: Estrutura Aparente emboço/ Est
estrutura) Ap
Acabamento/
Pintura Coral Marca: -
Marca:

Linha: Tinta para Piso Linha: - Marca: Coral Tipo:


(liso/destaque/
A.C. e Cor: Concreto Cor: - Linha: Tinta Acrílica sancas)
SALA DE
Tamanho: - Acabamento: - Cor: Branca Acabamento: Tinta
PRESSURIZAÇÃO
- TORRE A e C Tamanho /
(3° pavimento) PEI: - Altura: - - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor: Br
e referência): referência): referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

Material: Piso Cerâmico Material: Cerâmica Material:


Material ou (gesso/ Pint
Pintura sobre Emboço
Acabamento: emboço/ bre
estrutura)
Acabamento/
Cecrisa Marca: Cecrisa
Marca:

Linha: Pavi Mix Linha: Pavi Mix Marca: Coral Tipo:


(liso/destaque/
Cor: Arvoredo Marfim Cor: Arvoredo Marfim Linha: Latex PVA Fosco sancas)
LIXO E DEPÓSTIO
- TORRE A Tamanho: 45x45 Acabamento: Reto Polido Cor: Branca Acabamento: P
(Estacionamento -
3°pavto.) Tamanho /
PEI: 4 Altura: h=8,8 cm - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor: B
e referência): referência): referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

204
TAMPOS/BIT BOX/
MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/
SOLEIRAS

al: Pintura
o/ sobre
Material: - Material: - Material: - Material: -
o/ Estrutura
ra) Aparente

Especificação:
aque/ - (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
s) lisa/moldura)

ento: Tinta Acrílica Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

a: Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branco (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

cf. projeto
arquitetônico
ção: - Observação: Observação: - Observação: - Observação: -
e caderno de
esquadrias

al:
o/ Pintura So-
Material: - Material: - Material: - Material: -
o/ bre Emboço
ra)

Especificação:
aque/ - (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
s) lisa/moldura)

ento: Pintura Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

a: Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

cf. projeto
arquitetônico
ção: - Observação: Observação: - Observação: - Observação: -
e caderno de
esquadrias

205
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: Piso Cerâmico Material: Cerâmica Material: P


Material ou Pintura Sobre Massa (gesso/ S
Acabamento: Corrida emboço/ M
estrutura) C
Acabamento/
Cecrisa Marca: Cecrisa
Marca:

Linha: Pavi Mix Linha: Pavi Mix Marca: Coral Tipo:


(liso/destaque/
Cor: Arvoredo Marfim Cor: Arvoredo Marfim Linha: Tinta PVA sancas)
BICICLETÁRIO
Tamanho: 45x45cm Acabamento: Reto Polido Cor: Branca Acabamento: P
- TORRE B
(3° Pavimento) Tamanho /
PEI: 4 Altura: h=8,8 cm - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Siláqua cor cinza Rejunte (cor e Siláqua cor cinza Rejunte (cor e
- Cor: B
e referência): platina referência): platina referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

Material: Piso Cerâmico Material: Cerâmica Material:


Material ou Pintura Sobre Massa (gesso/ Fo
Acabamento: Corrida emboço/ G
estrutura)
Acabamento/
Cecrisa Marca: Cecrisa
Marca:

Linha: Pavi Mix Linha: Pavi Mix Marca: Coral Tipo: Lis
(liso/destaque/ de
Cor: Arvoredo Marfim Cor: Arvoredo Marfim Linha: Latex PVA Fosco sancas)

COPA CONDOMÍNIO Tamanho: 45x45 Acabamento: Reto Polido Cor: Branca Acabamento: P
- TORRE B
(3° Pavimento)

Tamanho /
PEI: 4 Altura: h=8,8 cm - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Siláqua cor cinza Rejunte (cor e Siláqua cor Rejunte (cor e
- Cor: B
e referência): platina referência): cinza platina referência):

Parede com a
Na parede
Hidráulica e gás
onde terá
da copa, com
Observação: - Observação: revestimento Observação: Observação:
revestimento cerâmico:
cerâmico, não
Cecrisa, Clean, White
possui rodapé
Plain Lux - 32x45cm

206
TAMPOS/BIT BOX/
MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/
SOLEIRAS

al: Pintura
o/ Sobre Ganchos de Ferro p/
Material: - Material: - Material: - Material:
o/ Massa suporte de Bicicletas
ra) Corrida

: Especificação:
aque/ - (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: Suspenso em Teto
s) lisa/moldura)

ento: Pintura Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

a: Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branco (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

ção: - Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

al: Torneira
o/ Forro de Tampo de Acabamento
Material: - Material: Material: - Material:
o/ Gesso em gr. Cozinha Registro
ra) de Mesa

Liso com Especificação:


Ocre
aque/ destaque (chapeada/ - Cor: Modelo: - Modelo: Pertutti
Itabira
s) 2cm lisa/moldura)

Reto
polido
com
ento: Pintura Acabamento: - Acabamento: Referência: - Referência: 266306 -
rebaixo
na área
da pia

a: Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: Cromado

Vistas: Rodapia:
Branco (tipo e - (Acabamento h=7cm Marca: - Marca: Docol
tamanho) e altura)

cf. projeto
cf.
arquitetônico Cuba Inox Tramontina
ção: - Observação: Observação: projeto Observação: - Observação:
e caderno de Retangular BL - 94020106
Interiores
esquadrias

207
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: Piso Cerâmico Material: Cerâmica Material:


Material ou Pintura Sobre Massa (gesso/ Forr
Acabamento: Corrida emboço/ Ge
estrutura)
Acabamento/
Cecrisa Marca: Cecrisa
Marca:

Linha: Pavi Mix Linha: Pavi Mix Marca: Coral Tipo: Liso
(liso/destaque/ desta
Cor: Arvoredo Marfim Cor: Arvoredo Marfim Linha: Latex PVA Fosco sancas) 2c
VESTIÁRIO
CONDOMÍNIO Tamanho: 45x45 Acabamento: Reto Polido Cor: Branca Acabamento: Pin
- TORRE B
(3° Pavimento) Tamanho /
PEI: 4 Altura: h=8,8 cm - Marca: Co
Posição:

Rejunte (cor Siláqua cor cinza Rejunte (cor e Siláqua cor cinza Rejunte (cor e
- Cor: Bra
e referência): platina referência): platina referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

Material: Piso Cerâmico Material: Cerâmica Material:


Material ou (gesso/ Forr
Cerâmica
Acabamento: emboço/ Ge
estrutura)
Acabamento/
Cecrisa Marca: Cecrisa
Marca:

Linha: Pavi Mix Linha: Pavi Mix Marca: Cecrisa Tipo: Liso
(liso/destaque/ dest
Cor: Arvoredo Marfim Cor: Arvoredo Marfim Linha: Clean sancas) 2c

BWC FUNCIONÁRIOS
- TORRE B Tamanho: 45x45 Acabamento: Reto Polido Cor: White Plain Lux Acabamento: Pin
(3° Pavimento)
Tamanho /
PEI: 4 Altura: h=8,8 cm 32x45cm Marca: Co
Posição:

Rejunte (cor Siláqua cor cinza Rejunte (cor e Siláqua cor Rejunte (cor e
Siláqua cor branco Cor: Bra
e referência): platina referência): cinza platina referência):

Na parede
onde terá
colocação na
Observação: - Observação: revestimento Observação: Observação:
horizontal
cerâmico, não
possui rodapé

208
TAMPOS/BIT BOX/
MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/
SOLEIRAS

al:
/ Forro de
Material: - Material: - Material: - Material: -
o/ Gesso
a)

Liso com Especificação:


que/ destaque (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
s) 2cm lisa/moldura)

nto: Pintura Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

: Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branco (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

cf. projeto
arquitetônico
ção: - Observação: Observação: - Observação: - Observação: -
e caderno de
esquadrias

al:
Tampo Bacia
/ Forro de Torneira Acabamento
Material: - Material: em gr./ Material: Cuba com Cx. Material:
o/ Gesso Lavatório Registro
Divisórias Acoplada
a)

Liso com Especificação: Oval


Ocre
que/ destaque (chapeada/ - Cor: Modelo: de Ravena Modelo: Pertutti
Itabira
s) 2cm lisa/moldura) embutir

Reto
ento: Pintura Acabamento: - Acabamento: Referência: L59 P909 Referência: 455606 -
polido

a: Coral Cor: - Saia: - Cor: Branco Acabamento: Cromado

Vistas: Rodapia:
Branco (tipo e - (Acabamento h=7cm Marca: Deca Marca: Docol
tamanho) e altura)

cf. projeto
arquitetônico Chuveiro Elétrico Lorenzetti
ção: - Observação: Observação: - Observação: - Observação:
e caderno de Maxi Ducha
esquadrias

209
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: Piso Cerâmico Material: - Material:


Material ou (gesso/ Fo
Cerâmica
Acabamento: emboço/ G
estrutura)
Acabamento/
Cecrisa Marca: -
Marca:

Linha: Pavi Mix Linha: - Marca: Cecrisa Tipo: Liso


(liso/destaque/ des
Cor: Arvoredo Marfim Cor: - Linha: Clean sancas) 2

DML - TORRE B Tamanho: 45x45 Acabamento: - Cor: White Plain Lux Acabamento: Pi
(3° Pavimento)

Tamanho /
PEI: 4 Altura: - 32x45cm Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Siláqua cor cinza Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- Siláqua cor branco Cor: Br
e referência): platina referência): referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

Material: Piso Cerâmico Material: Cerâmico Material:


Material ou Pintura Sobre Massa (gesso/ Fo
Acabamento: Corrida emboço/ G
estrutura)
Acabamento/
Cecrisa Marca: Cecrisa
Marca:

Linha: Pavi Mix Linha: Pavi Mix Marca: Coral Tipo: com
(liso/destaque/ - ve
CIRCULAÇÕES e Cor: Arvoredo Marfim Cor: Arvoredo Marfim Linha: Latex PVA Fosco sancas) inte
HALL ELEVADORES
Tamanho: 45x45 Acabamento: Reto Polido Cor: Branca Acabamento: Pi
PAVIMENTOS TIPOS
- TORRE A, B e C Tamanho /
(Todos Pavimentos, PEI: 4 Altura: h=8,8 cm - Marca: C
Posição:
exceto pav. recreativo)
Rejunte (cor Siláqua cor cinza Rejunte (cor e Siláqua cor cinza Rejunte (cor e
- Cor: Br
e referência): platina referência): platina referência):

cf. projeto
Observação: Observação: - Observação: - Observação:
Interiores

210
TAMPOS/BIT BOX/
MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/
SOLEIRAS

l:
/ Forro de Torneira de Tanque
Material: - Material: - Material: Tanque Material:
o/ Gesso e Máquina de Lavar
a)

Liso com Especificação:


que/ destaque (chapeada/ - Cor: - Modelo: Tanque M Modelo: Pertutti
) 2cm lisa/moldura)

Coluna
Código: CT.25
nto: Pintura Acabamento: - Acabamento: - Referência: Referência: 1134
Tanque M
Código: TQ.02

: Coral Cor: - Saia: - Cor: Branco Acabamento: Cromado

Vistas: Rodapia:
Branco (tipo e - (Acabamento - Marca: Deca Marca: Docol
tamanho) e altura)

cf. projeto
arquitetônico
ão: - Observação: Observação: - Observação: - Observação: -
e caderno de
esquadrias

al:
/ Forro de
Material: - Material: Soleira Material: - Material: -
o/ Gesso
a)

com detalhes Especificação:


que/ - ver proj. (chapeada/ - Cor: Ocre Itabira Modelo: - Modelo: -
) interiores lisa/moldura)

nto: Pintura Acabamento: - Acabamento: Reto Polido Referência: - Referência: -

: Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

Não haverá moldura em gr.


Nesses pavimentos - prever
cantoneira de aluminio na cor
ção: - Observação: - Observação: Observação: - Observação: -
branca ao nas quinas das
paredes do vão de passagem
(laterais )

211
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: Porcelanato Material: Poliuretano Material:


Material ou Pintura Sobre Massa (gesso/ Fo
Acabamento: Corrida emboço/ G
Porcellanato estrutura)
Acabamento/
Esmaltado/ Marca: Santa Luzia
Marca:
Incepa

com detalhes - ver


Linha: Beta Natura Linha: - Marca: Tipo: com
proj. interiores
(liso/destaque/ - ve
CIRCULAÇÕES e Cor: Areia/Cinza Cor: Branco Linha: sancas) inte
HALL ELEVADOR -
TORRE A, B e C Tamanho: 54,4X54,4 Acabamento: Reto Cor: - Acabamento: Pi
(4° Pavimento -
Recreativo) Tamanho /
PEI: - Altura: h=12cm - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Siláqua cinza Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - Cor: Br
e referência): platina referência): referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

Material: Porcelanato Material: Porcelanato Material:


Material ou Pintura Sobre Massa (gesso/ Fo
Acabamento: Corrida emboço/ G
estrutura)
Acabamento/
Portinari Marca: Portinari
Marca:

Linha: Canyon Linha: Canyon Marca: Coral Tipo: com


(liso/destaque/ - ve
Cor: WH Cor: WH Linha: Latex PVA Fosco sancas) inte
VARANDA PISCINA
- TORRE A e C Tamanho: 45x45cm Acabamento: Reto Cor: Broto de Feijão Acabamento: Pi
(4° Pavimento -
Recreativo) Tamanho /
PEI: 4 Altura: h=7cm - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor siláqua cinza Rejunte (cor e Siláqua cor cinza Rejunte (cor e
- Cor: Br
e referência): platina referência): platina referência):

Detalhes em Detalhes em
Piso Porcelanato Piso Porcelanato
Observação: Portinari Eco Observação: Portinari Eco Observação: - Observação:
Nature Hard Nature Hard
NO NO

212
TAMPOS/BIT BOX/ MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/SOLEIRAS

l:
/ Forro de
Material: - Material: Soleira Material: - Material: -
o/ Gesso
a)

com detalhes Especificação:


que/ - ver proj. (chapeada/ - Cor: Ocre Itabira Modelo: - Modelo: -
) interiores lisa/moldura)

nto: Pintura Acabamento: - Acabamento: Reto Polido Referência: - Referência: -

: Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

Não haverá moldura em gr.


Nesses pavimentos - prever
cantoneira de aluminio na cor
ão: - Observação: - Observação: Observação: - Observação: -
branca ao nas quinas das
paredes do vão de passagem
(laterais )

l:
/ Forro de
Material: - Material: - Material: - Material: -
o/ Gesso
a)

com detalhes Especificação:


que/ - ver proj. (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
) interiores lisa/moldura)

nto: Pintura Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

: Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

cf. projeto
arquitetônico
ão: - Observação: Observação: - Observação: - Observação: -
e caderno de
esquadrias

213
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: Porcelanato Material: - Material:


Material ou Porcellanato (gesso/ Forro de
M
Acabamento: Esmaltado emboço/ Gesso
Porcellanato estrutura)
Acabamento/
Esmaltado/ Marca: -
Marca:
Incepa

Linha: Beta Natural Linha: - Marca: Incepa Tipo: Liso com Espe
(liso/destaque/ destaque (cha
Cor: Areia Cor: - Linha: Beta Natural sancas) 2cm lisa/
BWC’S FEM. E
MASC. - TORRE A e C Tamanho: 54,4X54,4 Acabamento: - Cor: Areia Acabamento: Pintura Acab
(4° Pavimento -
Recreativo) Tamanho /
PEI: - Altura: - 54,4X54,4 Marca: Coral
Posição:

V
Rejunte (cor Siláqua cinza Rejunte (cor e Rejunte (cor e Siláqua cinza
- Cor: Branca (
e referência): platina referência): referência): platina
tam

Observação: - Observação: - Observação: - Observação: - Obs

Material: Vinílico Material: Poliuretano Material:


Material ou Pintura sobre (gesso/ Forro de
M
Acabamento: Massa Corrida emboço/ Gesso
estrutura)
Acabamento Santa
Tarkett Marca:
/ Marca: Luzia

Eclipse com
Linha: Linha: - Marca: Coral Tipo: Espe
Premium detalhes
(liso/destaque/ (cha
- ver proj.
Composição: sancas) lisa/
Cor: Branca Linha: Latex PVA Fosco interiores
Spirit ref.
21020963
A112 + Spirit
Cor:
ESPAÇO FITNESS A908 ref.
- TORRE A 21020965 + Acabamento: Reto Cor: Vapor d' água Acabamento: Pintura Acab
(4° Pavimento - Chile red ref.
Recreativo) 565

Tamanho /
Tamanho: Manta Altura: 12 cm - Marca: Coral
Posição:

V
Rejunte (cor e Rejunte (cor e
PEI: - - - Cor: Branca (
referência): referência):
tam

Rejunte (cor
- detalhes em
e referência):
pastilha Atlas
desenho Observação: - Observação: de Porcelana Observação: - Obs
de piso 5x5cm ref.
Observação: Açores SG 8010
cf. projeto
Interiores

214
TAMPOS/BIT BOX/
MOLDURAS/
PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/
SOLEIRAS

Tampos e Bacia
de Torneira Acabamento
Material: - Material: divisórias Material: Cuba com Cx. Material:
so Lavatório Registro
em gr. Acoplada

om Especificação: De embutir oval Ravena


Ocre
que (chapeada/ - Cor: Modelo: e Lavatório de e One Modelo: Pertutti
Itabira
m lisa/moldura) Canto Piece

Reto P909 e
ura Acabamento: - Acabamento: Referência: L59 e L76 Referência: 455606 -
Polido P143

al Cor: - Saia: 20cm Cor: Branco Acabamento: Cromado

Vistas: Rodapia:
ca (tipo e - (Acabamento h=10cm Marca: Ravena Marca: Docol
tamanho) e altura)

As portas
cf. projeto dos box Obs.: No banheiro
arquitetônico serão em masculino terá mictórios
Observação: Observação: Observação: Observação: -
e caderno de vidro com - Mictório Convencional
esquadrias pelicula Código: M.715 - Deca
jateado

de
Material: - Material: - Material: - Material: -
so

m
Especificação:
hes
(chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
proj.
lisa/moldura)
ores

ura Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

al Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
ca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

cf. projeto
arquitetônico
Observação: Observação: - Observação: - Observação: -
e caderno de
esquadrias

215
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: Vinílico Material: Poliuretano Material: (gesso/


Material ou Pintura Sobre Massa Fo
emboço/
Acabamento: Corrida G
estrutura)
Marca: Tarkett Marca: Santa Luzia

Linha: Eclipse Premium Linha: - Marca: Coral Tipo: com


(liso/destaque/ -v
Composição: Spirit
Cor: Branca sancas) int
A711cód. 21020980 Latex PVA Fosco e
Cor: + Spirit A711 cód. Linha: Pintura Especial de
21020979 + Chile Acabamento: Reto quadro Negro Acabamento: P
red ref. 565

BRINQUEDOTECA Creme de Milho e


- TORRE A PEI: - Altura: 12 cm Cor: Marca: C
Verde Escolar
(4º Pavimento -
Recreativo)
Rejunte (cor Rejunte (cor e Tamanho /
- - - Cor: B
e referência): referência): Posição:

desenho de piso cf. Rejunte (cor e


Observação: -
projeto Interiores referência):

Observação: - Parede com listras na Observação:


composição de cores
da Coral: Creme
desenho de piso cf.
Observação: Observação: de Milho, Verde
projeto Interiores
Triunfo, Lagoa Azul,
Azul Royal e Suco de
Cenoura.

Material: Vinílico Material: Poliuretano Material: (gesso/


Material ou Pintura Sobre Massa Fo
emboço/
Acabamento: Corrida G
estrutura)
Marca: Tarkett Marca: Santa Luzia

Linha: Eclipse Premium Linha: - Marca: Coral Tipo: com


(liso/destaque/ -v
Composição: Spirit
Cor: Branca sancas) int
A711cód. 21020980
Cor: + Spirit A711 cód. Linha: Latex PVA Fosco
21020979 + Chile Acabamento: Reto Acabamento: P
red ref. 565

SALÃO FESTAS INFANTIL


- TORRE A (4° Pavimento Tamanho: Manta Altura: 12 cm Cor: Creme de Milho Marca: C
- Recreativo)

Rejunte (cor e Tamanho /


PEI: - - - Cor: B
referência): Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e


- -
e referência): referência):

Observação: - Observação:
Toda parede
desenho de piso cf. hidráulica em ALASKA
Observação: Observação:
projeto Interiores WH 33X46.Rejunte
Siláqua Branco

216
TAMPOS/BIT BOX/
MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/
SOLEIRAS

esso/
Forro de
o/ Material: - Material: - Material: - Material: -
Gesso
a)

com detalhes Especificação:


que/ - ver proj. (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
) interiores lisa/moldura)

nto: Pintura Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

: Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

Divisória entre
Salão de
Festas Infantil e
Brinquedoteca
- vão=4,25m a
ão: - Observação: Observação: - Observação: - Observação: -
ser fechado em
Vidro comum
e laminado
com perfil de
aluminio.

Tampo
esso/ Torneira
Forro de pia e Acabamento
o/ Material: - Material: Material: - Material: de
Gesso Bancada Registro
a) Cozinha
em gr.

com detalhes Especificação:


Branco
que/ - ver proj. (chapeada/ - Cor: Modelo: - Modelo: Pertutti
Ceará
) interiores lisa/ moldura)

Reto
nto: Pintura Acabamento: - Acabamento: Referência: - Referência: 266306 -
Polido

prever
rebaixo
: Coral Cor: - Saia: para área Cor: - Acabamento: Cromado
molhada
- pia

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento h=15cm Marca: - Marca: Docol
tamanho) e altura)

cf. projeto
cf. Cuba Inox Tramontina
arquitetônico
ão: - Observação: Observação: projeto Observação: - Observação: Retangular BL -
e caderno de
Interiores 94020106
esquadrias

217
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: Porcelanato Material: Porcelanato


Pintura
Material ou Material: (gesso/ Fo
Sobre Massa
Acabamento: emboço/estrutura) G
Corrida
Porcellanato Porcellanato
Acabamento/
Esmaltado/ Marca: Esmaltado/
Marca:
Incepa Incepa

Linha: Beta Natural Linha: Beta Natural Marca: Coral Tipo: (liso/destaque/ Lis
Cor: Areia Cor: Areia Linha: Latex Acrílica sancas) de

Tamanho: 54,4X54,4 Acabamento: Reto Cor: Opalina Acabamento: P


ESPAÇO PET - TORRE A
(4° Pavimento -
Recreativo)
Tamanho /
PEI: - Altura: h=7cm - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Siláqua cinza Rejunte (cor e Siláqua cinza Rejunte (cor e
- Cor: B
e referência): platina referência): platina referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

Material: Piso Cerâmico Material: Cerâmico Pintura


Material ou Material: (gesso/ Fo
Sobre Massa
Acabamento: emboço/estrutura) G
Corrida
Acabamento/
Cecrisa Marca: Cecrisa
Marca:

Linha: Pavi Mix Linha: Pavi Mix Marca: Coral


Tipo: (liso/destaque/ Lis
Cor: Arvoredo Marfim Cor: Arvoredo Marfim Linha: Tinta PVA sancas) de
DEPÓSITO
PISCINA - TORRE A Tamanho: 45x45cm Acabamento: Reto Polido Cor: Branca Acabamento: P
(4° Pavimento -
Recreativo) Tamanho /
PEI: 4 Altura: h=8,8 cm - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Siláqua cinza Rejunte (cor e Siláqua cinza Rejunte (cor e
- Cor: B
e referência): platina referência): platina referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

218
TAMPOS/BIT BOX/
TETO PORTAS MOLDURAS/ DIVISÓRIAS/ LOUÇAS METAIS
BORDAS/SOLEIRAS

Tampo/
Bancada e
Lavatório
so/ Forro de Torneira Acabamento
Material: - Material: em concreto Material: - Material:
ura) Gesso Jardim Registro
revestido em
pastilha de
Porcelana

que/ Liso com Especificação: cód.SG8310


(chapeada/ - Cor: (Bertioga) - Modelo: - Modelo: Pertutti
destaque
lisa/moldura) Atlas
Rejunte:
Tecnojunta
o: Pintura Acabamento: - Acabamento: Master da Referência: - Referência: 222806 -
Tecnocola cor
Alaska

ver proj. de
Coral Cor: - Saia: Cor: - Acabamento: Cromado
interiores

Rodopia em
Pastilha de
Vistas: Rodapia:
Porcelana na
Branca (tipo e - (Acabamento Marca: - Marca: Docol
cor Bertioga -
tamanho) e altura)
cód.SG8310
Atlas

cf. projeto Para cada lavatório prever


arquitetônico ver proj. de aquecedor elétrico de
: - Observação: Observação: Observação: - Observação:
e caderno de interiores água - Aquecedor Versátil
esquadrias Lorenzetti

so/ Forro de
Material: - Material: - Material: - Material: -
ura) Gesso

Especificação:
que/ Liso com
(chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
destaque
lisa/moldura)

o: Pintura Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

cf. projeto
arquitetônico
: - Observação: Observação: - Observação: - Observação: -
e caderno de
esquadrias

219
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: - Material: - Material:


Material ou (gesso/
-
Acabamento: emboço/
estrutura)
Acabamento
- Marca: -
/ Marca:

Linha: - Linha: - Marca: - Tipo:


(liso/destaque/
Cor: - Cor: - Linha: - sancas)
RECREAÇÃO EXTERNA
DESCOBERTA Tamanho: - Acabamento: - Cor: - Acabamento:
(4° Pavimento -
Recreativo) Tamanho /
PEI: - Altura: - - Marca:
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor:
e referência): referência): referência):

ver projeto de ver projeto de cf. fachada


Observação: Observação: Observação: Observação:
paisagismo paisagismo empreendimento

Concreto Material:
Material: Material: -
Alisado Material ou Grafiato sobre (gesso/
Pi
Acabamento: Emboço emboço/
estrutura)
Acabamento/
- Marca: -
Marca:

Linha: - Linha: - Marca: DanaColor Tipo:


(liso/destaque/
Cor: - Cor: - Linha: - sancas)
CIRCULAÇÃO
INTERNA GLP E GLP Tamanho: - Acabamento: - Cor: Branco – A158 Acabamento: Pi
(4° Pavimento -
Recreativo) Tamanho /
PEI: - Altura: - - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor: Br
e referência): referência): referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

220
TAMPOS/BIT BOX/ MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/SOLEIRAS

al:
/
- Material: - Material: - Material: - Material: -
o/
a)

Especificação:
que/ - (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
s) lisa/moldura)

nto: - Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

a: - Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
- (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

-
ção: - Observação: - Observação: Observação: - Observação: -

al:
/
Pintura Material: - Material: - Material: - Material: -
o/
a)

Especificação:
que/ - (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
s) lisa/moldura)

nto: Pintura Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

: Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

ção: - Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

221
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: - Material: - Material:


Material ou (gesso/ Fo
Acabamento: emboço/ G
estrutura)
Acabamento
- Marca: -
/ Marca:

Linha: - Linha: - Marca: Tipo:


Lis
(liso/destaque/
Cor: - Cor: - Linha: de
sancas)
CIRCULAÇÃO ACESSO
ÁREA RECREATIVA Tamanho: - Acabamento: - Cor: Acabamento: P
INTERNA - TORRE B
(4° Pavimento) Tamanho /
PEI: - Altura: - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - Cor: B
e referência): referência): referência):

ver projeto de ver projeto de cf. fachada


Observação: Observação: Observação: Observação:
paisagismo paisagismo empreendimento

Material: Vinílico Material: Poliuretano Material:


Material ou Pintura Sobre Massa (gesso/ Fo
Acabamento: Corrida emboço/ G
estrutura)
Acabamento/
Tarkett Marca: Santa Luzia
Marca:

Linha: Eclipse Premium Linha: - Marca: Coral Tipo: com


(liso/destaque/ -v
Composição:
Cor: Branca Linha: Latex PVA Fosco sancas) int
Spirit A107 cód.
Cor: 21020982 +
JOGOS TRADICIONAIS Spirit A112 Acabamento: Reto Cor: Mármore Acabamento: P
- TORRE B cód.21020963
(4° Pavimento)
Tamanho /
PEI: - Altura: 12 cm - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor: B
e referência): referência): referência):

desenho de
Observação: piso cf. projeto
Interiores
Observação: - Observação: - Observação:
desenho de
Observação: piso cf. projeto
Interiores

222
TAMPOS/BIT BOX/ MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/SOLEIRAS

al:
o/ Forro de
Material: - Material: - Material: - Material: -
o/ Gesso
ra)

Especificação:
Liso com
aque/ (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
destaque
s) lisa/moldura)

ento: Pintura Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

a: Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

-
ção: - Observação: - Observação: Observação: - Observação: -

al:
o/ Forro de
Material: - Material: - Material: - Material: -
o/ Gesso
ra)

com detalhes Especificação:


aque/ - ver proj. (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
s) interiores lisa/moldura)

ento: Pintura Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

a: Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

cf. projeto
arquitetônico
ção: - Observação: Observação: - Observação: - Observação: -
e caderno de
esquadrias

223
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: Vinílico Material: Poliuretano


Material ou Pintura sobre Material: (gesso/emboço/ For
Acabamento: Emboço estrutura) G
Santa
Marca: Tarkett Marca:
Luzia

Eclipse com d
Linha: Linha: - Marca: Coral
Premium Tipo: (liso/destaque/ sancas) - ve
Composição: Cor: Branca Linha: Textura inte
Spirit A112
cód.21020963
JOGOS VIRTUAIS Cor: + Spirit A802
cód. 21020989 Acabamento: Reto Cor: efeito Concreto Acabamento: Pin
- TORRE B
(4° pavimento - + Spirit A711
Recreativo) cód. 21020980

Tamanho /
PEI: - Altura: 12 cm - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor: Br
e referência): referência): referência):

desenho de
Observação: piso cf. projeto
Interiores
Observação: - Observação: - Observação:
desenho de
Observação: piso cf. projeto
Interiores

Material: Porcelanato Material: Poliuretano


Material ou Pintura sobre Material: (gesso/emboço/ For
Acabamento: Emboço estrutura) G
Porcellanato
Acabamento/ Santa
Esmaltado/ Marca:
Marca: Luzia
Incepa

Linha: Beta Natural Linha: - Marca: Coral com d


Tipo: (liso/destaque/ sancas) - ve
Cor: Areia Cor: Branca Linha: Latex PVA Fosco inte

Tamanho: 54,4X54,4 Acabamento: Reto Cor: Asteroide Acabamento: Pin


SALÃO DE FESTAS
TEEN - TORRE C Tamanho /
(4° Pavimento - PEI: - Altura: 12 cm - Marca: C
Posição:
Recreativo)
Rejunte (cor Siláqua cinza Rejunte (cor e Rejunte (cor e
- - Cor: Br
e referência): platina referência): referência):

Aplicação de
Pastilhas estilo
inox, cor prata,
escovado,
tamanho da
Observação: - Observação: - Observação: Observação:
placa 30 x 30
cm, tamanho da
pastilha 5 x 5
cm. - ver projeto
de interiores

224
TAMPOS/BIT BOX/
O PORTAS MOLDURAS/ DIVISÓRIAS/ LOUÇAS METAIS
BORDAS/SOLEIRAS

ço/ Forro de
Material: - Material: - Material: - Material: -
Gesso

com detalhes Especificação:


ncas) - ver proj. (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
interiores lisa/moldura)

Pintura Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

- Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

Tampo pia
ço/ Forro de Torneira de Acabamento
Material: - Material: e Bancada Material: - Material:
Gesso Cozinha Registro
em gr.

com detalhes Especificação:


ncas) - ver proj. (chapeada/ - Cor: Branco Ceará Modelo: - Modelo: Pertutti
interiores lisa/moldura)

Pintura Acabamento: - Acabamento: s Referência: - Referência: 266306 -

Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: Cromado

Vistas:
Rodapia:
Branca (tipo e - h=10cm Marca: - Marca: Docol
(altura)
tamanho)

Divisória entre
Salão de
Festas Infantil e
Brinquedoteca
Cuba Inox Tramontina
- vão=4,25m a cf. projeto
- Observação: Observação: Observação: - Observação: Retangular 2C 40 BL -
ser fechado em Interiores
94031206
Vidro comum
e laminado
com perfil de
aluminio.

225
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: Porcelanato Material: Poliuretano


Material: (gesso/
Material ou Pintura Sobre
emboço/ Forro
Acabamento: Massa Corrida
estrutura)
Porcellanato
Acabamento/
Esmaltado/ Marca: Santa Luzia
Marca:
Incepa

Linha: Beta Natural Linha: - Marca: Coral Tipo: (liso/ com


destaque/ -
Cor: Areia Cor: Branca Linha: Latex PVA Fosco sancas) in
SALÃO DE FESTAS
ADULTO - TORRE C Tamanho: 54,4X54,4 Acabamento: Reto Cor: Luar Acabamento:
(4° Pavimento -
Recreativo) Tamanho /
PEI: - Altura: 12 cm - Marca:
Posição:

Rejunte (cor Siláqua cinza Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - Cor:
e referência): platina referência): referência):

detalhes em
pastilha Atlas
Observação: - Observação: - Observação: de Porcelana Observação:
5x5cm ref.
Coral B2155

Material: Porcelanato Material: Poliuretano


Material: (gesso/
Material ou Pintura Sobre
emboço/ Forro
Acabamento: Massa Corrida
estrutura)
Porcellanato
Acabamento/
Esmaltado/ Marca: Santa Luzia
Marca:
Incepa

Linha: Beta Natural Linha: - Marca: Coral Tipo: (liso/ com


destaque/ -
Cor: Areia Cor: Branca Linha: Latex PVA Fosco sancas) in

Chapéu de
Tamanho: 54,4X54,4 Acabamento: Reto Cor: Acabamento:
Palha
SALÃO GOURMET
01 E 02 - TORRE C Tamanho /
PEI: - Altura: 12 cm - Marca:
(4° Pavimento - Posição:
Recreativo)
Rejunte (cor Siláqua cinza Rejunte (cor e Rejunte (cor e
- - Cor:
e referência): platina referência): referência):

Paredes com
Detalhes:
Pastilha Atlas
Observação: - Observação: - Observação: Observação:
Mosaico Tibete
SG11156
5x5cm

226
TAMPOS/BIT BOX/
TETO PORTAS MOLDURAS/ DIVISÓRIAS/ LOUÇAS METAIS
BORDAS/SOLEIRAS

sso/ Tampo pia


Torneira de Acabamento
/ Forro de Gesso Material: - Material: e Bancada Material: - Material:
Cozinha Registro
) em gr.

/ com detalhes Especificação:


/ - ver proj. (chapeada/ - Cor: Branco Ceará Modelo: - Modelo: Pertutti
interiores lisa/moldura)

to: Pintura Acabamento: - Acabamento: Reto Polido Referência: - Referência: 266306 -

prever rebaixo
Coral Cor: - Saia: para área Cor: - Acabamento: Cromado
molhada - pia

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento h=15cm Marca: - Marca: Docol
tamanho) e altura)

cf. projeto
Cuba Inox Tramontina
arquitetônico cf. projeto
ão: - Observação: Observação: Observação: - Observação: Retangular 2C 40 BL -
e caderno de Interiores
94031206
esquadrias

sso/ Tampo pia


Torneira de Acabamento
/ Forro de Gesso Material: - Material: e Bancada Material: - Material:
Cozinha Registro
) em gr.

/ com detalhes Especificação:


/ - ver proj. (chapeada/ - Cor: Branco Ceará Modelo: - Modelo: Pertutti
interiores lisa/moldura)

to: Pintura Acabamento: - Acabamento: Reto Polido Referência: - Referência: 266306 -

prever rebaixo
Coral Cor: - Saia: para área Cor: - Acabamento: Cromado
molhada - pia

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento h=60cm Marca: - Marca: Docol
tamanho) e altura)

Divisória
entre Salão
de Festas
Infantil e
Brinquedoteca
Cuba Inox Tramontina
- vão=4,25m cf. projeto
ão: - Observação: Observação: Observação: - Observação: Retangular 2C 40 BL -
a ser fechado Interiores
94031206
em Vidro
comum e
laminado
com perfil de
aluminio.

227
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Material: Porcelanato Material: Poliuretano Material:


Material ou (gesso/ Fo
Pintura sobre Emboço
Acabamento: emboço/ G
Porcellanato estrutura)
Acabamento/
Esmaltado/ Marca: Santa Luzia
Marca:
Incepa

Linha: Beta Natural Linha: - Marca: Coral Tipo: com


(liso/destaque/ - ve
SALAS DE ESTUDO Cor: Areia Cor: Branca Linha: Latex PVA Fosco sancas) inte
01 E 02 - TORRE C
Tamanho: 54,4X54,4 Acabamento: Reto Cor: Amanhecer e Crômio Acabamento: Pi
(4° Pavimento -
Recreativo) Tamanho /
PEI: - Altura: 12 cm - Marca: C
Posição:

Rejunte (cor Siláqua cinza Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - Cor: Br
e referência): platina referência): referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

Pintura sobre
Material: Concreto Material: - Material:
Alisado Material ou (gesso/
-
Acabamento: emboço/
estrutura)
Acabamento/
Pintura Coral Marca: -
Marca:

Linha: Tinta para Piso Linha: - Marca: - Tipo:


(liso/destaque/
Cor: Concreto Cor: - Linha: - sancas)
A. TÉCNICA
DESCOBERTA Tamanho: - Acabamento: - Cor: - Acabamento:
- TORRE A e B
(pavimento cx. D’ água) Tamanho /
PEI: - Altura: - - Marca:
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor:
e referência): referência): referência):

cf. Fachada cf. Fachada


Observação: - Observação: Observação: Observação:
empreendimento empreendimento

228
TAMPOS/BIT BOX/ MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/SOLEIRAS

al:
/ Forro de
Material: - Material: - Material: - Material: -
o/ Gesso
a)

com detalhes Especificação:


que/ - ver proj. (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
) interiores lisa/moldura)

nto: Pintura Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

: Coral Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
Branca (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

-
ção: - Observação: - Observação: Observação: - Observação: -

al:
/
- Material: - Material: - Material: - Material: -
o/
a)

Especificação:
que/ - (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
) lisa/moldura)

nto: - Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

: - Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
- (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

ção: - Observação: - Observação: - Observação: - Observação: -

229
AMBIENTE PISO RODAPÉ PAREDE TETO

Concreto Material:
Material: Material: -
Alisado Material ou (gesso/ Co
Concreto Alisado
Acabamento: emboço/ A
estrutura)
Acabamento/
- Marca: -
Marca:

Linha: - Linha: - Marca: - Tipo:


(liso/destaque/
Cor: - Cor: - Linha: - sancas)
CAIXA D’ ÁGUA
Tamanho: - Acabamento: - Cor: - Acabamento:
- TORRE A, B e C
(pavimento cx. D’ água) Tamanho /
PEI: - Altura: - - Marca:
Posição:

Rejunte (cor Rejunte (cor e Rejunte (cor e


- - - Cor:
e referência): referência): referência):

Observação: - Observação: - Observação: - Observação:

Observações -
Acabamentos Finais:

Acabamento Elétrico Schneider - Lunare

Interfone Residencial INTERFONE marca HDL - cor branca

Fechadura (Internas/ Ext/


La Fonte - linha classic basic - 6602
BWC)

Dobradiças canto redondo Imab

Esquadrias: Janelas,
Porta Janelas e Portas det. cf. caderno de esquadrias / perfil de alum. Pintura eletr. Branca / vidro laminado incolor
Venezianas

Esquadrias: Portas det. cf. caderno de esquadrias / material em madeira com acabamento em pintura branca (que possibilite retoques)

Soleiras: Portas Janelas


Soleira em Gr. Ocre Itabira
Acesso Área Externa

Soleiras: Portas Internas Soleira em Gr. Ocre Itabira apenas nas portas internas que dão acesso as áreas comuns pela circulação

Soleiras: Janelas Janelas NÃO terão parapeitos revestidos em gr.

Acabamento de Ralos PVC Branco

Revestimento de
Cf. projeto Arquitetônico
Fachada

Vento Kit Considerar Vento Kit para banheiros sem janelas ou venezianas

Acabamento Elevador Painéis de Cabine interna + Teto + Rodapé + Porta Cabine = Aço inoxidável escovado / Corrimão = Curvo Alumínio cromado / Porta de Pavi

Fechamento Shafts Quadros em Marcenaria, com caixaria e portas em madeira com sistema de abrir, revestidos ext. e inter. Com o mesmo acabamento (lâmina ou
(pvtos tipos) peso e movimentação das portas. As portas de shafts para centrais de gás, precisam ter venezianas.

230
TAMPOS/BIT BOX/ MOLDURAS/
TETO PORTAS LOUÇAS METAIS
DIVISÓRIAS/BORDAS/SOLEIRAS

al:
/ Concreto cf. caderno
Material: Material: - Material: - Material: -
o/ Alisado esquadria
a)

Especificação:
aque/ - (chapeada/ - Cor: - Modelo: - Modelo: -
s) lisa/moldura)

ento: - Acabamento: - Acabamento: - Referência: - Referência: -

a: - Cor: - Saia: - Cor: - Acabamento: -

Vistas: Rodapia:
- (tipo e - (Acabamento - Marca: - Marca: -
tamanho) e altura)

-
ção: - Observação: - Observação: Observação: - Observação: -

/ Porta de Pavimento = Pintura Cinza / Espelho dentro da cabine

nto (lâmina ou pintura), na cor branca. Portas lisas sem detalhes, com puxador tipo "gola" na parte inferior da porta. Dobradiças reforçadas para o sustento apropriado do

231
O Grupo Thá é composto por três unidades de negócio: Thá
Incorporadora, com atuação no Paraná e em Santa Catarina, Thá
Engenharia, com atuação em todo Brasil e a Imobiliária Thá, com
sede em Curitiba. Com mais de 7 milhões de metros quadrados
construídos, o Grupo Thá é considerado é um dos mais tradicionais
grupos imobiliários do Brasil.

Desde 1895, o Grupo Thá construiu sua história com muita


dedicação, comprometimento e respeito pelos fornecedores,
colaboradores, clientes e pelo meio ambiente. Hoje, milhares de
pessoas têm a satisfação de morar em imóveis que são referência
em construção de qualidade e que geram valor para seus moradores
e para a sociedade.

232
233
Presente em 17 estados brasileiros.
Mais de 7.000.000 m² construídos.
Satisfação total para o cliente.
Certificações mais respeitadas do setor.

V I VA , É U M T H Á .

234

Você também pode gostar