Você está na página 1de 4

GUERRA DE POSIÇÃO E GUERRA DE MOVIMENTO

Giuseppe Vacca

Professor de História das Doutrinas Políticas na


Universidade de Bari e Diretor do Instituto Gramsci de Roma

O conceito de “guerra de posição” faz parte da teoria da hegemonia e responde à


exigência de definição das características históricas novas da luta política no
mundo depois da Grande Guerra e da Revolução de Outubro. “A passagem da
guerra manobrada à guerra de posição”, afirma Gramsci, surge “como a questão
de teoria política mais importante colocada pelo período do pós-guerra e a mais
difícil de ser resolvida corretamente”. A “revolução em dois tempos”, ele havia
afirmado no final dos anos vinte num célebre artigo do Ordine Nuovo (Due
Rivolucioni), isto é, a conquista do Estado numa batalha campal definitiva e o
empenho da maquina estatal para transformar coercitivamente a sociedade, não
pode se constituir no arquétipo da revolução proletária. A Revolução de Outubro,
portanto, era considerada a última revolução do século XIX.
A passagem na qual o conceito de “guerra de posição sob o terreno político” é
formulado da maneira mais expressiva faz referência – da mesma forma quando
Gramsci enuncia a concepção de hegemonia – à disputa que havia contraposto
Lênin (tática da “frente única”) a Trotski (teoria da “revolução permanente”) a
respeito dos modos de se desenvolver a luta revolucionária depois do “grande ato
metafísico” de Outubro.
“Parece-me que Ilitch havia compreendido – afirma Gramsci no Quaderno n. 7 –
que havia ocorrido uma mudança da guerra manobrada, vitoriosamente aplicada
no Oriente em 1917, para a guerra de posição, que era a única possível no
Ocidente. (...) No Oriente, o Estado era tudo, a sociedade civil era primitiva e
gelatinosa; no Ocidente, havia uma justa relação entre Estado e sociedade civil e,
diante dos abalos do Estado, podia-se divisar imediatamente uma robusta
estrutura de sociedade civil. O Estado era apenas uma trincheira avançada, por
trás da qual se situava uma robusta cadeia de fortalezas e casamatas; isso se
podia ver, mais ou menos, de Estado para Estado, mas esta observação exigia um
acurado reconhecimento de caráter nacional”.
A passagem é densa de referências históricas e de reminiscências teóricas nas
quais se pode captar as palavras “hegemonia”, “revolução passiva”,
“americanismo”, “intelectuais”. Aqui gostaria de chamar a atenção apenas sobre
um ponto.
A distinção entre Oriente e Ocidente retoma um tema que já havia estado no
centro da elaboração alcançada nas Teses de Lion. Ela enfatiza as características
da relação entre produção e política na sociedade capitalista desenvolvida e
esclarece sobre a impossibilidade de se conceber a revolução socialista no
Ocidente como um processo “puramente político”. “Nos países de capitalismo
avançado – afirmou Gramsci no seu relatório de agosto de 1926 ao Comitê
Central – a classe dominante possui reservas políticas e organizativas que não
possuía, por exemplo, na Rússia. Isto significa que também as crises econômicas
gravíssimas não têm imediata repercussão no campo político. A política está
sempre atrasada e bastante atrasada em relação à economia. O aparelho de
Estado é muito mais resistente do que se pode imaginar e, com êxito, é capaz de
organizar, nos momentos de crise, forças fiéis ao regime muito além do que a
profundidade da crise deixaria supor”.
Desenvolvendo a distinção entre Oriente e Ocidente, no Quaderno 13 (Noterelle
sulla politica del Machiavelli), Gramsci chega a um enunciado teórico de valor
geral a respeito das relações entre política e economia. No celebérrimo parágrafo
17, Rapporti di forza: analisi delle situazioni, à pergunta “se as crises históricas
fundamentais são determinadas imediatamente pelas crises econômicas”, ele
responde: “pode-se excluir que, por si mesmas, as crises econômicas imediatas
produzam eventos fundamentais; podem apenas criar um terreno mais favorável à
difusão de determinados modos de pensar, de pôr e de resolver as questões que
envolvem todo o curso subseqüente da vida estatal”.
A importância do conceito de “guerra de posição” se afirma então como o ponto de
chegada e de máxima generalização do raciocínio. Este modo de desmontar
teoricamente o economicismo pode ser considerado o aspecto de maior
originalidade da tradição comunista italiana e também a diferença mais evidente
em relação às outras correntes do movimento comunista e socialista internacional.
(Publicado em VVAA, Antonio Gramsci – le sue idee nel nostro tempo. Roma:
Roma: Editrice L'Unità, 1987, p.101-102).

A REVOLUÇÃO PASSIVA EM GRAMSCI

Luisa Mangoni

Professora de História da Itália do Século XX na Universidade de Veneza

O conceito de revolução passiva permite captar, de maneira exemplar, tanto o


método de trabalho quanto a relação entre paradigma interpretativo e
exemplificações históricas em Gramsci. Ele nasce, antes de tudo, da focalização
de um período preciso: o Risorgimento italiano. No 1o Quaderno1[1], datado de
1929/30, Gramsci observa que a análise da política dos moderados permite
distinguir o Risorgimento como um caso específico de “revolução sem revolução”
ou de “revolução passiva”, como ele precisa melhor num acréscimo posterior
(p.41). Posteriormente, este critério histórico-político foi aferido e detalhado como
possível interpretação da assim chamada Era da Restauração, mas com a
advertência de que se trata de uma questão historicamente complexa, não
resolvível “com base em esquemas sociológicos abstratos” (p.134).
Nesta fase o conceito de revolução passiva se expressa mais analiticamente,
tendo como base as seguintes passagens: 1) Revolução Francesa e
transformação violenta das relações sociais políticas na França; 2) oposição
européia; 3) guerra da França contra a Europa; 4) embates nacionais e formação
dos Estados modernos europeus por meio de pequenas ondas reformistas,
caracterizadas pela combinação de lutas sociais, intervenções “do alto” e guerras
nacionais. É esta última passagem que fixa a Era da Restauração como era da
revolução passiva, isto é, como aquela “forma política na qual as lutas sociais
encontram cenários bastante elásticos, de forma a permitir que a burguesia
ascenda ao poder sem rupturas clamorosas”(p.134).
Entre 1930 e 1933, a hipótese de trabalho revela futuras potencialidades
explicativas em relação ao problema, suscitando analogias entre o período
histórico posterior à queda de Napoleão e aquele que sucede à guerra de 1914 a
1918; em outras palavras, a idéia de revolução passiva passa a ser concebida
também em seu significado “atual”, passa a ser, por exemplo, um possível critério
de interpretação histórica do fascismo (p.1209). Em 1933, o conceito de revolução
passiva vem, hipoteticamente, indicado como chave interpretativa de “toda época
complexa de transformações históricas”(p. 1827).
As passagens internas do raciocínio seguido por Gramsci, a cautela expositiva
que privilegia hipóteses interpretativas ao invés de esquemas generalizantes,
induzem a caracterização de um procedimento circular: de um fenômeno definido
como um paradigma interpretativo mais geral que, por sua vez, deve ser verificado
concretamente à luz de específicas exemplificações históricas. Este método de
trabalho comporta uma progressiva articulação da mesma hipótese inicial.
Dado que o caso exemplar de revolução passiva é aquele no qual se dá “uma
combinação de forças progressistas escassas e insuficientes por si mesmas ...
com uma situação internacional favorável à sua expansão e vitória” (p.1360),
derivam-se dai algumas conseqüências relevantes. Assim, a complexa realidade
política que está contida na ‘expressão metafórica’ de Restauração não pode ser
lida como puro processo de conservação, a partir do momento que detrás do
aparente imobilismo de uma ‘envoltura política’ ocorre, na realidade, uma
transformação molecular das ‘relações sociais fundamentais’ (p.1818). São
evidentes as implicações de uma análise desta natureza no que se refere às
interpretações do fascismo, e não apenas dele.
Além disso - e como conseqüência -, Gramsci sublinha o perigo de transformar a
revolução passiva em programa “porque a impostação geral do problema pode
levar a um fatalismo”(p.1827): a dialética conservação-inovação, que “na
linguagem moderna se chama reformismo” (p. 1325), uma vez assumida como
programa pode também determinar uma espécie de “derrotismo histórico” e,
portanto, “mitigar o advento de uma antítese vigorosa” (p.1827). Fórmulas como
aquelas usadas, por exemplo, por Croce - “o mundo segue em frente...” -
contribuíram inclusive para convencer a respeito da inelutabilidade de um
processo histórico e agregar em torno disso um consenso passivo, determinando
uma espécie de renúncia fatalista à luta.
(Publicado em VV.AA., Antonio Gramsci: le sue idee nel nostro tempo, Roma:
Editrice L'Unità, 1987, pp.129-130. Versão para o português em Ensaios de
História, UNESP, Franca, v.01, n.02, 1996, p.143-146).

2[1] Aqui a autora se refere à obra que Gramsci escreveu na prisão, cuja edição
crítica foi publicada pela editora Einaudi, de Turin, em 1975, aos cuidados de V.
Gerratana, sob o título geral de Quaderni del Carcere

Você também pode gostar