Você está na página 1de 15

PARTE l

Origens
1
Fundamentos do Ensino Inclusivo
Anastasios Karagiannis,
William Stainback e
Susan Stainback

A EXCLUSÃO NAS ESCOLAS lança as sementes do descontentamento e da discri-


minação social. A educação é uma questão de direitos humanos, e os indivíduos com
deficiências devem fazer parte das escolas, as quais devem modificar seu funciona-
mento para incluir todos os alunos. Esta é a mensagem que foi claramente transmitida
pela Conferência Mundial de 1994 da UNESCO sobre Necessidades Educacionais
Especiais (Liga Internacional das Sociedades para Pessoas com Deficiência Mental,
1994). Em um sentido mais amplo, o ensino inclusivo é a prática da inclusão de todos
- independentemente de seu talento, deficiência, origem socioeconómica ou origem
cultural - em escolas e salas de aula provedoras, onde todas as necessidades dos alu-
nos são satisfeitas. Este capítulo discute as razões do ensino inclusivo em termos de
benefícios para os alunos, para os professores e para a sociedade. Educando todos os
alunos juntos, as pessoas com deficiências têm oportunidade de preparar-se para a
vida na comunidade, os professores melhoram suas habilidades profissionais e a so-
ciedade toma a decisão consciente de funcionar de acordo com o valor social da igual-
dade para todas as pessoas, com os conseqüentes resultados de melhoria da paz social.
Para conseguir realizar o ensino inclusivo, os professores em geral e especializados,
bem como os recursos, devem aliar-se em um esforço unificado e consistente.
Há três componentes práticos interdependentes no ensino inclusivo. O primeiro
deles é a rede de apoio, o componente organizacional, que envolve a coordenação de
equipes e de indivíduos que apóiam uns aos outros através de conexões formais e
informais (Stainback & Stainback, 1990a, 1990b, 1990c; Villa & Thousand, 1990).
Stone e Collicott (1994) descreveram um sistema bem-sucedido de uma rede de três
camadas: grupos de serviço baseados na escola, grupos de serviço baseados no distri-
to e parcerias com as agências comunitárias. Todos esses grupos funcionam em uma
base de apoio mútuo para capacitar o pessoal e os alunos. O segundo componente é a
consulta cooperativa e o trabalho em equipe, o componente do procedimento, que
envolve indivíduos de várias especialidades trabalhando juntos para planejar e imple-
mentar programas para diferentes alunos em ambientes integrados (Harris, 1990; Por-
ter, Wilson, Kelly & den Otter, 1991; Pugach & Johnson, 1990; Thousand & Villa,
1990). O terceiro é a aprendizagem cooperativa, o componente do ensino, que está
relacionado à criação de uma atmosfera de aprendizagem em sala de aula em que
alunos com vários interesses e habilidades podem atingir o seu potencial (Johnson &
Johnson, 1986; Sapon-Shevin, 1990). Os agrupamentos heterogêneos (Slavin, 1987),
a tutela dos pares em várias formas (Delquadri, Greenwood, Whorton, Carta & Hall,
1986; Jenkins & Jenkins, 1981; Osguthorpe & Scruggs, 1986; Stainback, Stainback &
Hatcher, 1983) e os grupos de ensino para atividades de instrução e recreação (Aron-
son, 1978; DeVries & Slavin, 1978) são alguns dos elementos da aprendizagem coo-
perativa. Mais recentemente, a instrução em multiníveis (Collicott, 1991; Stone &
Moore, 1994) sintetizou os elementos do ensino cooperativo em uma abordagem coe-
sa.
Os benefícios dos arranjos inclusivos são múltiplos para todos os envolvidos
com as escolas - todos os alunos, professores e a sociedade em geral. A facilitação
programática e sustentadora da inclusão na organização e nos processos das escolas e
das salas de aula é um fator decisivo no sucesso.

BENEFÍCIOS PARA TODOS OS ALUNOS


Nas palavras de Vandercook, Fleetham, Sinclair e Tetlie (1988), "nas salas de aula
integradas, todas as crianças enriquecem-se por terem a oportunidade de aprender
umas com as outras, desenvolvem-se para cuidar umas das outras e conquistam as
atitudes, as habilidades e os valores necessários para nossas comunidades apoiarem a
inclusão de todos os cidadãos" (p. 19). Entretanto, a simples inclusão de alunos com
deficiências em salas de aula do ensino regular não resulta em benefícios de aprendi-
zagem (p. ex., Marston, 1987-1988). Tem sido consistentemente observado que alu-
nos com níveis diferentes de deficiência aprendem mais em ambientes integrados
onde lhes são proporcionados experiências e apoio educacionais adequados do que quan-
do estão em ambientes segregados (Brinker & Thorpe, 1983, 1984; Epps & Tindal, 1987).
Quando existem programas adequados, a inclusão funciona para todos os alunos com e
sem deficiências, em termos de atitudes positivas, mutuamente desenvolvidas, de ganhos
nas habilidades acadêmicas e sociais e de preparação para a vida na comunidade.

Atitudes Positivas
As atitudes positivas com relação aos alunos com deficiências desenvolvem-se quan-
do são proporcionadas orientação e direção por parte dos adultos em ambientes inte-
grados (Forest, 1987a, 1987b; Johnson & Johnson, 1984; Karagiannis, 1988; Karagi-

22 SUSAN STAINBACK & WILLIAM STAINBACK


annis & Cartwright, 1990; Stainback & Stainback, 1988; Strully, 1986, 1987). A inte-
ração e a comunicação facilitadas ajudam o desenvolvimento de amizades e o trabalho
com os colegas. Os alunos aprendem a ser sensíveis, a compreender, a respeitar e a
crescer confortavelmente com as diferenças e as semelhanças individuais entre seus
pares.

Ganhos nas Habilidades Acadêmicas e Sociais


Além das atitudes positivas, pesquisas desde o início da década de 1970 têm mostrado
repetidamente os enormes benefícios que as crianças obtêm da socialização com seus
colegas durante os anos escolares (ver Johnson & Johnson, 1987, para uma revisão).
As crianças aprendem muitas habilidades acadêmicas (Madden & Slavin, 1983) e
também habilidades da vida diária, de comunicação e sociais (Cullinan, Sabornie, &
Crossland, 1992) através de interações com seus pares. Todos os alunos, incluindo
aqueles com deficiências, precisam de interações professor-aluno e aluno-aluno que
moldem habilidades acadêmicas e sociais.
Para os alunos com deficiências cognitivas importantes, convém não se preocu-
par com habilidades acadêmicas. Strain (1983) defende que "é bastante razoável ques-
tionar a segregação predominante e profunda de crianças como as autistas em grupos
de 'deficientes'" (p. 23). Para esses alunos, o que importa é a oportunidade de adquirir
habilidades sociais através da sua inclusão. Em uma disputa sobre integração escolar
em El Paso, Texas, o Tribunal de Recursos da Quinta Zona dos Estados Unidos deter-
minou que "embora uma criança com deficiência possa não ser capaz de absorver todo
o currículo da educação regular, ela pode beneficiar-se das experiências não-acadêmi-
cas no ambiente educacional regular" (Daniel R.R., v. State Board of Education). As
pessoas com deficiência ficam preparadas para a vida na comunidade quando são
incluídas nas escolas e nas salas de aula.

Preparação para a Vida na Comunidade


Em geral, quanto mais tempo os alunos com deficiências passam em ambientes inclu-
sivos, melhor é seu desempenho nos âmbitos educacional, social e ocupacional (Fer-
guson & Asch, 1989; Wehman, 1990). Alguns pais intuitivamente sabem que o ensino
inclusivo aumenta as oportunidades do seu filho para o ajustamento na vida:
Quando ela tiver terminado a escola, será capaz de participar de algum tipo de situação inte-
grada. Terá habilidades sociais que não teria tido e capacidade para atuar em situações mais
complexas do que seria capaz se tivesse permanecido segregada. (Hanline & Halvorsen,
1989, p. 490)
Os profissionais que têm a oportunidade de manter um contato próximo com as
crianças compreendem a importância das escolas na preparação dos alunos com defi-

INCLUSÃO 23
ciências para a vida na comunidade. Dois auxiliares de ensino em um projeto de inclu-
são expressaram muito claramente este entendimento:
Como eles estão com seus colegas ... para não ficarem para trás ... querem fazer o que as
outras crianças estão fazendo. Para eles é um encorajamento, pois vêem o que está aconte-
cendo à sua volta e são o tempo todo estimulados ... É bem simples ...
Posso observar isso todos os dias ... quando lidei pela primeira vez com Tia, alguns
anos atrás ... ela era muito quieta ... Agora, posso vê-la no pátio da escola ou esperando o
ônibus conversando ... [e] envolvida com as outras crianças ...
Tia disse-me certo dia que gostaria de ser professora ... Anos atrás, se ela tivesse me
dito isso, eu teria pensado "não há como esta criança se tornar uma professora"... e agora
tenho de dizer "sim, algum dia ela será capaz de ensinar crianças a ler". (Karagiannis, 1988,
p. 146-147)

Evitando os Efeitos Prejudiciais da Exclusão


Quando os efeitos positivos são contrastados com os efeitos negativos da exclusão, os
benefícios das escolas inclusivas tornam-se ainda mais pronunciados. Do ponto de
vista acadêmico, social e ocupacional, as colocações segregadas são prejudiciais aos
alunos. Após realizar uma série de estudos, Wehman (1990) concluiu que "as turmas
segregadas não conduzem à independência e à competência, mas estimulam uma sen-
sação irrealista de isolamento" (p. 43). Brown v. Board of Education (1954) declarou
claramente que a educação especial pode
gerar um sentimento de inferioridade com relação à situação [das crianças] na comunidade,
que pode afetar seus corações e suas mentes ... A sensação de inferioridade ... afeta a motiva-
ção da criança para aprender ... [e] tem uma tendência a retardar ... o desenvolvimento educa-
cional e mental. (p. 493)
Esta preocupação está refletida nas experiências de indivíduos com deficiências
que foram colocados em ambientes segregados. Um aluno que freqüentou classes es-
peciais durante todos os seus anos escolares declarou que
O único contato que tínhamos com as crianças "normais" era visual. Olhávamos umas para as
outras. Nessas ocasiões, posso relatar meu próprio sentimento: constrangimento ... posso
também relatar o sentimento delas: Credo! Nós, as crianças da "classe especial", internalizá-
vamos a mensagem do "credo" - e mais algumas outras. Estávamos na escola porque as
crianças vão para a escola, mas éramos proscritos sem nenhum futuro ou expectativa. (Mas-
sachusetts Advocacy Center, 1987, p. 4-5)
Outra pessoa com deficiência que foi segregada em seus anos escolares de-
clarou:
Eu me formei ... totalmente despreparado para o mundo real. Então, ficava em casa o dia
todo, trancado, achando que conseguir um emprego era algo completamente fora de questão

24 SUSAN STAINBACK & WILLIAM STAINBACK


... Acredite-me, um ambiente segregado não prepara para uma vida integrada ... (Massachu-
setts Advocacy Center, 1987, p. 4)
Em geral, os locais segregados são prejudiciais porque alienam os alunos. Os
alunos com deficiência recebem, afinal, pouca educação útil para a vida real, e os
alunos sem deficiência experimentam fundamentalmente uma educação que valoriza
pouco a diversidade, a cooperação e o respeito por aqueles que são diferentes. Em
contraste, o ensino inclusivo proporciona às pessoas com deficiência a oportunidade de
adquirir habilidades para o trabalho e para a vida em comunidade. Os alunos com defi-
ciência aprendem como atuar e interagir com seus pares no mundo "real". Igualmente
importante, seus pares e também os professores aprendem como agir e interagir com eles.

BENEFÍCIOS PARA OS PROFESSORES


O que está em questão no ensino inclusivo não é se os alunos devem ou não receber,
de pessoal especializado e de pedagogos qualificados, experiências educacionais apro-
priadas e ferramentas e técnicas especializadas das quais necessitam. A questão está
em oferecer a esses alunos os serviços de que necessitam, mas em ambientes integra-
dos, e em proporcionar aos professores atualização de suas habilidades. As feições da
escola, em tempos de grandes transformações sociais, estão mudando, e os professo-
res "precisam adquirir novas habilidades para trabalhar com alunos acadêmica e soci-
almente deficientes" (Schloss, 1992, p. 242). Nessa transformação da profissão do
ensino, os professores têm a oportunidade de desenvolver suas habilidades profissio-
nais em uma atmosfera de coleguismo, de colaboração e de apoio dos colegas. Os
benefícios são muitos.

Apoio Cooperativo e Melhoria das Habilidades Profissionais


O primeiro benefício para os professores é a oportunidade de planejar e conduzir a
educação como parte de uma equipe. Muitos professores sentem-se alienados nas es-
colas porque a ética do ensino proporciona poucas ou nenhuma oportunidade para
uma interação cooperativa destes profissionais. A colaboração permite-lhes a consul-
ta um ao outro e proporciona-lhes apoio psicológico.
Segundo, a colaboração e a consulta aos colegas ajuda os professores a melhorar
suas habilidades profissionais. No resumo de uma pesquisa que considerou as caracte-
rísticas e os resultados mais importantes da consulta e do processo da formação de
equipes, Elliott e Sheridan (1992) concluíram que os professores "expostos aos servi-
ços de consulta acreditam que suas habilidades profissionais melhoraram" (p. 319).
Além disso, os autores concluíram que o número de crianças encaminhadas aos servi-
ços de educação especial diminuiu consideravelmente após 4-5 anos dos serviços de
consulta e que as crianças com necessidades especiais tendiam a ter um melhor de-

INCLUSÃO 25
sempenho na escola. As implicações da pesquisa são claras: quando há cooperação e
apoio na escola, os professores melhoram suas habilidades com efeitos visíveis sobre
a aprendizagem dos alunos.

Participação e Capacitação
O terceiro benefício para os professores é que eles tomam conhecimento dos progres-
sos na educação, conseguem antecipar as mudanças e participam do planejamento da
vida escolar diária. Nas palavras de Sindelar, Griffin, Smith e Watanabe (1992), os
professores "são capacitados na medida em que elevam sua posição, mantêm-se infor-
mados das mudanças que ocorrem em suas áreas e garantem sua participação na toma-
da de decisões" (p. 249). A pesquisa indica que a maioria dos professores está disposta a
juntar-se aos professores especiais ligados para tornar as turmas de ensino regular mais
flexíveis e possíveis de serem acompanhadas por alunos com deficiências, se eles estive-
rem envolvidos no processo e tiverem escolhas com relação ao planejamento e aos tipos
de apoio e assistência que irão receber (Giangreco, Dennis, Cloninger, Edelman, & Schat-
tman, 1993; Myles & Simpson, 1989) e receberem treinamento em serviço.
As experiências transformadoras de muitos professores que participam de proje-
tos inclusivos são incríveis, mesmo quando as reações iniciais são negativas:
Eu mudei totalmente ao deixar de lutar contra Bobbi Sue, que foi colocada em minha turma
para lutar em defesa da sua inserção em uma classe regular, trabalhando com as crianças da
maneira como ela trabalhou durante todo um ano. Sou um perfeito exemplo de como temos
de ter a mente aberta. (Giangreco et al., 1993, p. 365)
Para alguns professores, adaptar seu ensino para incluir alunos com deficiência é
uma transição fácil, quase de anticlímax, após o esfriamento da expectativa inicial:
Tendo Ellen aqui, tenho de lidar com ela; e descobri que posso fazê-lo. Não é muito diferente
de lidar com toda uma variedade de outras pessoas na vida. (Giangreco et al, 1993, p. 365)
Ajudar os professores a tornarem-se melhores profissionais no contexto da inclusão
torna-os conscientes de que os novos desafios finalmente vão beneficiar todos os alunos:
Tenho usado muitas idéias que comecei a utilizar no ano passado, porque passei muito tempo
pensando sobre elas para incorporar Katie. Eu as tenho usado novamente este ano, ainda que
não tenha nenhuma criança com necessidades especiais, pois achei que funcionaram muito
bem com as crianças das classes regulares ... (Giangreco et al, 1993, p. 370)

BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE


Sem dúvida, a razão mais importante para o ensino inclusivo é o valor social da igual-
dade. Ensinamos os alunos através do exemplo de que, apesar das diferenças, todos

26 SUSAN STAINBACK & WILLIAM STAINBACK


nós temos direitos iguais. Em contraste com as experiências passadas de segregação, a
inclusão reforça a prática da idéia de que as diferenças são aceitas e respeitadas. Devi-
do ao fato de as nossas sociedades estarem em uma fase crítica de evolução, do âmbito
industrial para o informacional e do âmbito nacional para o internacional, é importan-
te evitarmos os erros do passado. Precisamos de escolas que promovam aceitação
social ampla, paz e cooperação.

O Valor Social da Igualdade


A decisão de Brown v. Board of Education deixou claro que separado não é igual. É
simplesmente discriminatório que alunos com deficiências devam conquistar o direito
ou estar preparados para serem incluídos na educação regular. Não é absurdo esperar
que os pesquisadores educacionais provem que eles podem ser beneficiados da educa-
ção em turmas regulares, enquanto outros alunos têm acesso irrestrito ao ensino sim-
plesmente porque não têm esse rótulo. Nenhum aluno deveria precisar ser aprovado
em um teste ou esperar resultados de pesquisa favoráveis para viver e aprender como
membros regulares da vida escolar e comunitária. O ensino inclusivo faz sentido e é
um direito básico - não é algo que alguém tenha de conquistar.
Quando as escolas incluem todos os alunos, a igualdade é respeitada e promovi-
da como um valor na sociedade, com os resultados visíveis da paz social e da coope-
ração. Estas declarações foram feitas por três pais, cujos filhos freqüentaram uma
escola de ensino fundamental, que incluía alunos portadores de deficiências:
Acho que a integração ampliou e aprofundou o conhecimento do meu filho sobre a diversida-
de da condição humana. De certa forma, ampliou o grau de empatia com os outros e trouxe à
tona o senso de responsabilidade de ser humano e útil ...
Ele sabe que há uma diferença entre ele e a criança deficiente - mas aceita este fato como
uma diferença, e não como algo que se deva temer ou depreciar, uma parte da vida ...
Meu filho não está realmente a par da diferença entre uma criança comum e uma criança mental-
mente deficiente. Quando tentei explicar a ele a diferença, ele disse que não se importaria de
estar em uma mesma turma com alunos com deficiência mental. (Karagiannis, 1988, p. 179)
Quando as escolas são excludentes, o preconceito fica inserido na consciência
de muitos alunos quando eles se tornam adultos, o que resulta em maior conflito social
e em uma competição desumana. Isso se reflete nos sentimentos de um aluno que foi
transferido de uma turma em escola de ensino fundamental integrada para uma classe
especial no início do ensino médio:
Eu me sentia bem quando estava em minha turma [regular], mas quando eles chegaram e nos
separaram, isso nos modificou. Isso mudou nossas idéias, a maneira como pensávamos um
sobre o outro, e nos transformou em inimigos, porque eles disseram que eu era burro e eles
eram inteligentes. (Schafer & Olexa, 1971, p. 96).

INCLUSÃO 27
Para maximizar a aceitação e a paz social, todas as crianças devem ter a oportu-
nidade de tornar-se membros regulares da vida educacional e social. A experiência
passada de segregação fala sobre o que deve ser transcendido: a desigualdade e o
controle.

Superando a Experiência e os Padrões do Passado


Os arranjos inadequados do passado para pessoas com deficiência foram resumidos
na tribuna do Senado norte-americano pelo então senador Lowell Weicker:
A história dos métodos formais da sociedade para lidar com as pessoas portadoras de defici-
ência pode ser resumida em duas palavras: SEGREGAÇÃO e DESIGUALDADE ... Como
sociedade, temos tratado as pessoas portadoras de deficiência como inferiores e as tornado
indesejadas em muitas atividades e oportunidades em geral disponíveis para outros norte-
americanos. (D.C. Update, 1988, p. 1)
No passado, foi decidido que algumas crianças ou alguns adultos deveriam ser
excluídos de nossas vidas, das salas de aula e das comunidades regulares porque eram
considerados uma ameaça à sociedade. Os motivos de tal exclusão eram dois: ajudar e
controlar os alunos. No passado, o desejo de controlar sobrepôs-se ao de ajudar (Kara-
giannis, 1992, 1994).
Tal desejo de controle sobre os alunos em instituições segregadas é particular-
mente forte em épocas de mudanças violentas. Durante o século XIX e início do sécu-
lo XX, quando a base econômica dos Estados Unidos estava passando do modelo
agrícola para o modelo industrial, as escolas eram fundamentais para a criação de uma
força de trabalho alfabetizada e disciplinada. Os alunos com deficiências eram encara-
dos como obstáculos para o funcionamento tranqüilo das escolas e das salas de aula,
pois careciam de habilidades para enfrentar as exigências acadêmicas e disciplinares.
Achava-se que sua presença prejudicaria a aprendizagem dos outros alunos ou que até
mesmo teria uma influência moral subversiva. Escolas e instituições especiais foram
estabelecidas para atender às necessidades de aprendizagem dos alunos com deficiên-
cia e para garantir que essas influências subversivas fossem contidas. A estrutura e a
organização destes ambientes segregados foram baseadas no controle. Durante o sé-
culo XX, as instituições consolidaram-se em número e seu principal resultado foi o
controle e não a assistência. A visão de que as pessoas com deficiência tinham pouco
potencial econômico para atender às exigências da sociedade contribuiu para que se
chegasse a esse resultado (Karagiannis, 1992).

A Sociedade de Informação Internacional e a Igualdade


As sociedades estão sofrendo mudanças fundamentais. Estão sendo transformadas de
industriais em sociedades informacionais, e de nacionais em internacionais. As ex-

28 SUSAN STAINBACK & WILLIAM STAINBACK


pressões via eletrônica, via de informação e escritório doméstico não são apenas ex-
pressões pomposas, mas indicações de um novo mundo de trabalho emergente. Um
número cada vez maior de pessoas está se sustentando, processando informações e
prestando serviços aos clientes, quer pessoalmente ou eletronicamente, e não mais
trabalhando nas fábricas, como acontecia na sociedade industrial. Ao mesmo tempo,
as sociedades estão tornando-se multiculturais, e a inclusão é um dos princípios fun-
damentais em que a transformação da sociedade deve se basear (Karagiannis, 1994).
O valor social da igualdade é consistente com o motivo de ajudar os outros e com
a prática do ensino inclusivo. Temos de garantir que os alunos com deficiência sejam
apoiados para tornarem-se participantes e colaboradores na planificação e no bem-
estar deste novo tipo de sociedade. Temos de evitar os erros do passado, quando os
alunos com deficiência eram deixados à margem.
À luz desse conhecimento, não podemos continuar a ignorar os efeitos da segre-
gação. Em uma sociedade cada vez mais diversificada, o ensino inclusivo ensina os
alunos a aceitar as pessoas que são diferentes. Colocar os alunos com deficiência em
escolas ou classes especiais impede esta socialização benéfica e transmite uma men-
sagem destrutiva de intolerância.
Se realmente desejamos uma sociedade justa e igualitária, em que todas as pes-
soas tenham valor igual e direitos iguais, precisamos reavaliar a maneira como opera-
mos em nossas escolas, para proporcionar aos alunos com deficiência as oportunida-
des e as habilidades para participar da nova sociedade que está surgindo. Se queremos
apoio e igualdade para todas as pessoas, a segregação nas escolas não pode ser justifi-
cada. Nas palavras de Forest (1988), "Se realmente queremos que alguém seja parte
das nossas vidas, faremos o que for preciso para receber bem esta pessoa e prover as
suas necessidades" (p. 3). Experiências educacionais adequadas e serviços afins po-
dem e devem ser providenciados.

DESLOCAMENTO DO PARADIGMA NA EDUCAÇÃO


A mudança no que diz respeito aos serviços de educação especial e à maneira como
são oferecidos provém de um deslocamento do paradigma que esteve em vigor desde
a década de 1970. Segundo Hahn (1989), há duas perspectivas de compreensão das
deficiências. A perspectiva das limitações funcionais foi predominante no passado e
tem muitos seguidores até hoje. Segundo este ponto de vista, a tarefa dos educadores
é determinar, melhorar ou preparar os alunos que não foram bem-sucedidos, sem es-
forços planejados para adaptar as escolas às necessidades, aos interesses ou às capaci-
dades particulares desses alunos. Os que não se adaptam aos programas existentes são
relegados a ambientes segregados.
O ponto de vista das limitações funcionais está sendo pouco a pouco substituído
pela perspectiva do grupo minoritário, que reivindica que as organizações e os ambi-
entes educacionais sejam adaptados, melhorados e preparados para atender às neces-
sidades de todos os alunos. Segregação e atitudes como a identificação e a rotulação,

INCLUSÃO 29
que em geral absorvem uma grande quantidade de recursos, são encaradas como dis-
criminação social e uma negação da provisão de habilidades para a cidadania partici-
pativa (Cummins, 1987; Snow, 1984; Stainton, 1994).
Embora não diretamente centrado em questões educacionais, a aprovação do
Ato dos Americanos com Deficiência (Americans with Disabilities Act - ADA) (PL
101-336), em 1990, indica a influência do paradigma do "grupo minoritário". Esse ato
tem como objetivo "expedir um mandato nacional claro e abrangente para pór fim à
discriminação contra indivíduos com deficiência, dando-lhes em nossa sociedade a
mesma proteção disponível aos outros indivíduos protegidos pelas leis dos direitos
civis" (TASH Newsletter, 1989, p. 1). O paradigma do grupo minoritário e do ADA
estabelece uma visão de mundo diferente para o futuro, no que diz respeito à deficiên-
cia. Segundo Daniels (1990), o ADA expressa a convicção de que "a maneira de pro-
mover a produtividade e a independência das pessoas com deficiência é remover as
barreiras que a nossa sociedade criou e restaurar os direitos dos cidadãos com defici-
ência, para compartilhar das oportunidades disponíveis aos norte-americanos" (p. 3).
Em conformidade com esse paradigma, todos os alunos, incluindo aqueles com
deficiência, devem ter o direito de freqüentar a escola do seu bairro, que deve estar
adaptada às necessidades da diversidade de seus alunos. Esta é certamente uma exi-
gência expressa por muitos autodefensores e pais de crianças com deficiência (Biklen,
1992; Ferguson & Asch, 1989; Snow, 1989; Strully, 1986, 1987; Worth, 1988). Para
nossas sociedades e comunidades serem ética, moral e legalmente justas, a inclusão é
uma necessidade.

CONCLUSÃO
Há poucos anos era considerado irrealista pela maioria das pessoas até mesmo discutir
a possibilidade de educar todos os alunos, incluindo aqueles com deficiências impor-
tantes, nas escolas e nas turmas regulares. Agora, isso está sendo feito com sucesso
em um número pequeno, porém crescente, de escolas na Austrália, no Canadá, na
Itália, nos Estados Unidos e em outros países (Berrigan, 1988, 1989; Biklen, 1988; Black-
man & Peterson, 1989; Buswell & Shaffner, 1990; Forest, 1987a; Hunter & Grove, 1994;
People First Association of Lethbridge, 1990; Perner, Digwall, & Keilty, 1994; Porter &
Richler, 1991; Schattman, 1988; Thousand & Villa, 1994; Villa & Thousand, 1988).
Na esperada expansão da inclusão, será necessário monitorar os efeitos da restri-
ção financeira que se está tornando uma marca dos nossos tempos. A inclusão não é,
nem se deve tornar, uma maneira conveniente de justificar cortes orçamentários que
podem pór em risco a provisão de serviços essenciais. A inclusão genuína não signifi-
ca a inserção de alunos com deficiência em classes do ensino regular sem apoio para
professores ou alunos. Em outras palavras, o principal objetivo do ensino inclusivo
não é economizar dinheiro: é servir adequadamente a todos os alunos.
As pessoas com deficiência necessitam de instruções, de instrumentos, de técni-
cas e de equipamento especializados. Todo este apoio para alunos e professores deve

30 SUSAN STAINBACK & WILLIAM STAINBACK


ser integrado - e associado - a uma reestruturação das escolas e das classes. Os apoios
devem ser centrais, e não periféricos, à educação regular. Dessa maneira, os benefíci-
os do ensino inclusivo podem atingir todos os alunos, professores e a sociedade em
geral. Segundo Skrtic (1994), a inclusão é mais que um modelo para a prestação de
serviços de educação especial. É um novo paradigma de pensamento e de ação, no
sentido de incluir todos os indivíduos em uma sociedade na qual a diversidade está se
tornando mais norma do que exceção.
Por isso, o desafio é estender a inclusão a um número maior de escolas e comu-
nidades e, ao mesmo tempo, ter em mente que o principal propósito é facilitar e ajudar
a aprendizagem e o ajustamento de todos os alunos, os cidadãos do futuro. Nossas
escolas e comunidades tornar-se-ão tão boas quanto decidirmos torná-las.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Americans with Disabilities Act of 1990 (ADA), PL 101-336. (26 de julho, 1990). Title 42, U.S.C.
12101 et seq: U.S. Statutes at Large, 104, 327-378.
Aronson, E. (1978). The jigsaw classroom. Beverly Hills, CA: Sage Publications.
Berrigan, C. (1988). Integration in Italy: A dynamic movement. TASHNewsletter, 6-7.
Berrigan, C. (1989). All students belong in the classroom: Johnson City Central Schools, Johnson
City, Nova York. TASH Newsletter, 15(1), 6.
Biklen, D. (Produtor). (1988). Regular lives [Vídeo]. (Disponível em WETA, P.O. Box 2226, Wa-
shington, DC 20013.)
Biklen, D. (1992). Schooling without labels: Parents, educators, and inclusive education. Filadél-
fia: Temple University Press.
Blackman, H. & Peterson, D. (1989). Total integration neighborhood schools. La Grange, IL: La
Grange Department of Special Education.
Brinker, R. & Thorpe, M. (1983). Evaluation of integration of severely handicapped students in
regular classrooms and community settings. Princeton, NJ: Educational Testing Service.
Brinker, R. & Thorpe, M. (1984). Integration of severely handicapped students and the proportion
of IEP objectives achieved. Exceptional Children, 51, 168-175.
Brown v. Board of Education, 347 US 483 (1954), p. 493.
Buswell, B. & Shaffner, B. (1990). Families supporting inclusive schooling. In W. Stainback & S.
Stainback (Eds.), Support networks for inclusive schooling: Interdependent integrated educati-
on (p. 219-229). Baltimore: Paul H. Brookes Publishing Co.
Collicott, J. (1991). Implementing multi-level instruction: Strategies for classroom teachers. In G.L.
Porter & D. Richler (Eds.), Changing Canadian schools: Perspectives on disability and inclu-
sion (p. 191-218). Downsview, Ontario, Canadá: G. Allan Roeher Institute.
Cullinan, D., Sabornie, E.J. & Crossland, C.L. (1992). Social mainstreaming of mildly handicapped
students. The Elementary School Journal, 92(3), 339-351.
Cummins, J. (1987). Psychoeducational assessment in multicultural school systems. Canadian Jour-
nal for Exceptional Children, 3(4), 115-117.
Daniel, R.R., v. State Board of Education, 874 F.2d 1036 (5 Circuito, 12 de junho, 1989).
o

Daniels, S. (1990). Disability in America: An evolving concept, a new paradigm. Policy Network
Newsletter, 3, 1-3.
D. C. Update. (Julho 1988). Senator Lowell Weicker on the Americans with Disabilities Act, p. 1.
Delquadri, J., Greenwood, C.R., Whorton, D., Carta, J.J. & Hall, V.R. (1986). Classwide peer tuto-
ring. Exceptional Children, 52, 535-542.

INCLUSÃO 31
DeVries, D.L. & Slavin, R.E. (1978). Team games tournament: A research review. Journal of Re-
search and Development in Education, 12, 28-38.
Elliott, S.N. & Sheridan, S. M. (1992). Consultation and teaming: Problem solving among educa-
tors, parents, and support personnel. The Elementary School Journal, 92(3), 315-338.
Epps, S. & Tindal, G. (1987). The effectiveness of differential programming in serving students
with mild handicaps: Placement options and instructional programming. In M.C. Wang, M.C.
Reynolds & H.J. Walberg (Eds.), Handbook of special education: Research and practice: Vol.
1. Learner characteristics and adaptive education (p. 213-248). Nova York: Pergamon Press.
Ferguson, P. & Asch, A. (1989). Lessons from life: Personal and parental perspectives on school,
childhood, and disability. In D. Biklen, A. Ford & D. Ferguson (Eds.), Disability and society (p.
108-140). Chicago: National Society for the Study of Education.
Forest, M. (1987a). More education integration. Downsview, Ontario: G. Allan Roeher Institute.
Forest, M. (1987b). Start with the right attitude. Entourage, 2, 11-13.
Forest, M. (1988). Full inclusion is possible. IMPACT, 1, 3-4.
Giangreco, M.F., Dennis, R., Cloninger, C., Edelman, S. & Schattman, R. (1993). "I've counted
Jon": Transformational experiences of teachers educating students with disabilities. Exceptio-
nal Children, 59(4), 359-372.
Hahn, H. (1989). The politics of special education. In D.K. Lipsky & A. Gartner (Eds.), Beyond
separate education: Quality education for all (p. 225-242). Baltimore: Paul H. Brookes Pu-
blishing Co.
Hanline, M. & Halvorsen, A. (1989). Parent perceptions of the integration transition process: Over-
coming artificial barriers. Exceptional Children, 55, 487-493.
Harris, K.C. (1990). Meeting diverse needs through collaborative consultation. In W. Stainback &
S. Stainback (Eds.), Support networks for inclusive schooling: Interdependent integrated edu-
cation (p. 139-150). Baltimore: Paul H. Brookes Publishing Co.
Hunter, M. & Grove, M. (Agosto, 1994). Queensland-Australia: Policy and practices. Artigo apre-
sentado na Excellence and Equity in Education International Conference, Toronto.
International League of Societies for Persons with Mental Handicap. (Junho, 1994). The Inclusion
Charter. Conferência Mundial da UNESCO sobre Necessidades Educacionais Especiais: Ac-
cess and Quality, Salamanca, Espanha.
Jenkins, J.R. & Jenkins, L.M. (1981). Cross age and peer tutoring: Help for children with learning
problems. Reston, VA: Council for Exceptional Children.
Johnson, D. & Johnson, R. (1984). Classroom learning structure and attitudes toward handicapped
students in mainstream settings: A theorical model and research evidence. In R. Jones (Ed.),
Attitudes and attitude change in special education (p. 118-142). Reston, VA: Council for Ex-
ceptional Children.
Johnson, D.W. & Johnson, R.T. (1986). Mainstreaming and cooperative learning strategies. Excep-
tional Children, 52, 553-561.
Johnson, E. & Johnson, R. (1987). Learning together and alone. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.
Karagiannis, A. (1988). Three children with Down syndrome integrated into the regular classroom:
Attitudes of a school community. Dissertação de mestrado inédita, McGill University, Montreal.
Karagiannis, A. (1992). The social-historical context of special education and mainstreaming in
the United States from independence to 1990. Teste de doutorado inédita, McGill University,
Montreal.
Karagiannis, A. (Agosto, 1994). The waves of special education over the last two hundred years:
Significance and implications for inclusive schools. Artigo apresentado na Excellence and Equity
in Education International Conference, Toronto.
Karagiannis, A. & Cartwright, G.F. (1990). Attitudinal research issues in integration of children
with mental handicaps. McGill Journal of Education, 25(3), 369-382.
Madden, N. & Slavin, R. (1983). Mainstreaming students with mild academic handicaps: Acade-
mic and social outcomes. Review of Educational Research, 53, 519-569.

32 SUSAN STAINBACK & WILLIAM STAINBACK


Marston, D. (1987-1988, Inverno). The effectiveness of special education. Journal of Special Edu-
cation, 21, 13-27.
Massachusetts Advocacy Center. (1987). Out of the mainstream. Boston: Author.
Myles, B. & Simpson, R. (1989). 'Regular educators' modification preferences for mainstreaming
mildly handicapped children. Journal of Special Education, 22, 479-489.
Osguthorpe, R.T. & Scruggs, T.E. (1986). Special education students as tutors: A review and analy-
sis. Remedial and Special Education, 7(4), 15-26.
People First Association of Lethbridge. (1990). Kids belong together [Vídeo]. (Disponível em Ex-
pectations Unlimited, P.O. Box 655, Niwot, CO 80544.)
Perner, D., Dingwall, A. & Keilty, G.C. (Agosto, 1994). Province-wide implementation of inclusion
- Strategies and reflections. Artigo apresentado na Excellence and Equity in Education Inter-
national Conference, Toronto.
Porter, G. (Produtor). (1988). A chance to belong [Vídeo]. Downsview, Ontario (Canadian Associ-
ation for Community Living, 4700 Keele St., Downsview, Ontario).
Porter, G.L. & Richter, D. (Eds.). (1991). Changing Canadian schools. Downsview, Ontario, Cana-
dá: G. Allan Roeher Institute.
Porter, G.L., Wilson, M., Kelly, B. & den Otter, J. (1991). Problem solving teams: A thirty minute
peer-helping model. In G.L. Porter & D. Richler (Eds.), Changing Canadian schools: Perspec-
tives on disability and inclusion. Downsview, Ontario, Canadá: G. Allan Roeher Institute.
Pugach, M.C. & Johnson, L.J. (1990). Meeting diverse needs through professional peer co-
llaboration. In W. Stainback & S. Stainback (Eds.), Support networks for inclusive scho-
oling: Interdependent integrated education (p. 123-137). Baltimore: Paul H. Brookes
Publishing Co.
Sapon-Shevin, M. (1990). Student support through cooperative learning. In W. Stainback & S.
Stainback (Eds.), Support networks for inclusive schooling: Interdependent integrated educati-
on (p. 65-79). Baltimore: Paul H. Brookes Publishing Co.
Schafer, W. & Olexa, C. (1971). Tracking and opportunity. Scranton, PA: Chandler.
Schattman, R. (1988). Integrated education and organization change. IMPACT, 1, 8-9.
Schloss, P.J. (1992). Mainstreaming revisited. The Elementary School Journal, 92(3), 233-244.
Sindelar, P.T., Griffin, C.C., Smith, S.W. & Watanabe, A.K. (1992). Prereferral intervention: En-
couraging notes on preliminary findings. The Elementary School Journal, 92(3), 245-259.
Skrtic, T. (Agosto, 1994). Changing paradigms in special education. Artigo apresentado na Exce-
llence and Equity in Education International Conference, Toronto.
Slavin, R.E. (1987). Ability grouping and student achievement in elementary school: A best-evi-
dence synthesis. Review of Educational Research, 57, 293-336.
Snow, J. (1989). Systems of support: A new vision. In S. Stainback, W. Stainback & M. Forest
(Eds.), Educating all students in the mainstream of regular education (p. 221-231). Baltimore:
Paul H. Brookes Publishing Co.
Snow, R.E. (1984). Placing children in special education: Some comments. Educational Resear-
cher, 13(3), 12-14.
Stainback, S. & Stainback, W. (1988). Educating students with severe disabilities in regular classes.
Teaching Exceptional Children, 21, 16-19.
Stainback, S. & Stainback, W. (1990a). Facilitating support networks. In W. Stainback & S. Stain-
back (Eds.), Support networks for inclusive schooling: Interdependent integrated education (p.
25-36). Baltimore: Paul H. Brookes Publishing Co.
Stainback, S. & Stainback, W. (1990b). Inclusive schooling. In W. Stainback & S. Stainback (Eds.),
Support networks for inclusive schooling: Interdependent integrated education (p. 3-23). Balti-
more: Paul H. Brookes Publishing Co.
Stainback W. & Stainback, S. (1990c). The support facilitator at work. In W. Stainback & S. Stain-
back (Eds.), Support networks for inclusive schooling: Interdependent integrated education (p.
37-48). Baltimore: Paul H. Brookes Publishing Co.

INCLUSÃO 33
Stainback, S., Stainback, W. & Hatcher, L. (1983). Handicapped peers' involvement in the educatiOon
of severely handicapped students. Journal of The Association for Persons with Severe Handi-
caps, 8(1), 39-42.
Stainton, T. (Agosto, 1994). Tools for participatory citizenship: The necessity of inclusive educati-
on. Artigo apresentado na Excellence and Equity in Education International Conference, To-
ronto.
Stone, J. & Collicott, J. (Agosto, 1994). Supportive inclusive education: Creating layers of support.
Artigo apresentado na Excellence and Equity in Education International Conference, Toronto.
Stone, J. & Moore, M. (Agosto, 1994). Multilevel instruction and enrichment. Artigo apresentado
na Excellence and Equity in Education International Conference, Toronto.
Strain, P. (1983). Generalization of autistic children's social behavior change: Effects of develop-
mentally integrated and segregated settings. Analysis and Intervention in Developmental Disa-
bilities, 3, 23-24.
Strully, J. (Novembro, 1986). Our children and the regular education classroom: Or why settle for
anything less than the best? Artigo apresentado na 13 conferência anual de The Association
a

for Persons with Severe Handicaps, San Francisco.


Strully, J. (1987, Outubro). What's really important in life anyway? Parents sharing the vision.
Artigo apresentado na 14 conferência anual de The Association for Persons with Severe Han-
a

dicaps, Chicago.
TASH Newsletter. (1989). Esmagadora maioria do senado aprova o Americans with Disabilities
Act, 4, 1-2.
Thousand, J.S. & Villa, R.A. (1990). Sharing expertise and responsibilities through teaching teams.
In W. Stainback & S. Stainback (Eds.), Support networks for inclusive schooling: Interdepen-
dent integrated education (p. 151-166). Baltimore: Paul H. Brookes Publishing Co.
Thousand, J.S. & Villa, R.A. (Agosto, 1994). Strategies to create inclusive schools and classrooms.
Artigo apresentado na Excellence and Equity in Education International Conference, Toronto.
Vandercook, T., Fleetham, D., Sinclair, S. & Tetlie, R. (1988). Cath, Jess, Jules, and Ames ... A
story of friendship. IMPACT, 2, 18-19.
Villa, R. & Thousand, J. (1988). Enhancing success in heterogeneous classrooms and schools: The
power of partnership. Teacher Education and Special Education, 11, 144-153.
Villa, R.A. & Thousand, J.S. (1990). Administrative supports to promote inclusive schooling. In W.
Stainback & S. Stainback (Eds.), Support networks for inclusive schooling: Interdependent
integrated education (p. 201-218). Baltimore: Paul H. Brookes Publishing Co.
Wehman, P. (1990). School to work: Elements of successful programs. Teaching Exceptional Chil-
dren, 23, 40-43.
Worth, P. (Dezembro, 1988). Empowerment: Choices and change. Artigo apresentado na conferên-
cia anual de The Association for Persons with Severe Handicaps, Washington, DC.

34 SUSAN STAINBACK & WILLIAM STAINBACK