Você está na página 1de 34

O que são rochas?

Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar
           

com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na
natureza para atender as necessidades da humanidade. Entretanto,
diversos processos podem levar a formação de rochas com diferentes
características e aplicações. O objetivo deste capítulo é introduzir os
processos formadores de rocha e as características gerais que permitem
diferenciá-las e classificá-las.

            Rocha pode ser definida como agregado de minerais formado por
processos naturais. Esses agregados podem conter, ainda, matéria
orgânica e vidro. Em outras palavras, as rochas são registros de processos
naturais ocorridos em algum lugar do passado. É através do estudo deste
registro que podemos, portanto, investigar os processos que ocorreram no
passado do nosso planeta e, assim, entender a evolução da Terra.
Quanto à sua origem, podemos
considerar três tipos básicos de rochas:

Rochas Magmáticas - formadas por


solidificação de rochas fundidas
(magma);

Rochas Sedimentares - formadas por


deposição de materiais em
ambientes continentais ou
marinhos;

Rochas Metamórficas - formadas pela


transformação de rochas pré-
existentes no estado sólido devido
Podemos ver na figura que uma rocha magmática ou uma rocha
sedimentar podem sofrer processos metamórficos e mesmo voltar a
fundir originando um magma
Colombini
Fabio
Esses tipos de
rochas são
resultantes do
resfriamento e
consolidação do
magma, que
provém do
interior da Terra e
é o principal O granito é um
componente do exemplo de rocha
manto. magmática.
Foram os primeiros tipos de rochas que se formaram, com a
consolidação da parte externa do planeta, há bilhões de anos.
A solidificação do magma pode se realizar tanto sobre a superfície
terrestre como no interior da crosta.
Rochas magmáticas intrusivas
São as rochas formadas
pelo magma que se
solidificou em grandes
profundidades. O granito é
uma das variedades desse
tipo de rocha. No Brasil,
algumas serras são
formadas de granito, como
a da Mantiqueira, do Mar,
e algumas serras do
Planalto Residual Norte-
Amazônico.

São as
rochas que
são
formadas
pelo magma
solidificado
na
superfície.
Um exemplo
Colombin
Fabio
Formam-se pela acumulação
(deposição) de sedimentos,

i
provenientes da fragmentação
de outras rochas; pela ação da
água, do vento e do gelo; e de
restos de organismos animais e
vegetais. O processo de
formação das rochas
sedimentares é extremamente
lento. O calcário é um
exemplo de rocha
sedimentar.
Uma rocha magmática exposta, por exemplo,
na superfície da Terra sofre a ação do tempo
e vai sendo decomposta. Os sedimentos, por
sua vez, depositam-se aos poucos no fundo
de um lago ou oceano. Nesse local, eles vão
sendo comprimidos em camadas que, depois
Arenito Calcário

São formadas através da


sedimentação de partículas de
outras rochas existentes ou de
materiais orgânicos.
O arenito se forma quando rochas como o granito se desintegram aos poucos 
pela ação dos ventos e das chuvas. Os grãos de quartzo dessas rochas
formam a areia. Areias e dunas de areia, porém não são rochas: são
fragmentos de rochas.

Por isso é muito comum


encontrar restos ou marcas
de animais e plantas em
rochas sedimentares: o
animal ou planta morre e é
coberto por milhares de grãos
de minerais.
Os restos ou marcas de
organismos antigos são
chamado de fósseis.
Analisando os fósseis, os
cientistas podem estudar
como era a vida no passado
em nosso planeta.
Esses tipos de rochas são resultados da
transformação de rochas sedimentares ou
magmáticas, submetidas a grandes
pressões (peso) e elevadas temperaturas.
Embora possam manter características da
rocha original, as rochas metamórficas
geralmente adquirem características
novas. Elas costumam se formar abaixo da
superfície, em grande profundidade.

Keystock/Keystone
As rochas metamórficas

Age FotoStock /
geralmente são ricas em
metais. Quando possuem grãos
de ouro, prata, ferro ou outros
metais são chamadas minérios,
todas de valor comercial.

Jazida de mármore em
Carrara, na Itália.
Ardósia é usada como piso.
O Quartzo é usado em vidros,
relógios, detergentes, pasta de
dentes e iluminação elétrica, e muito
mais aplicações. Ocupa cerca de
12% da crosta terrestre e é um dos
minerais de maior ocorrência no
planeta.

Nas rochas, o quartzo aparece associado


principalmente com o feldspato e mica, e
nos filões aparece associado aos mais
diversos minerais.
Agentes internos ou endógenos:

TECTONISMO

Orogênese – Movimentos horizontais de


placas. Formam os dobramentos

Epirogênese – Movimentos verticais de placas.


Formam os falhamentos
Agentes externos ou exógenos:

Essas mudanças ocorrem em três momentos:

EROSÃO, TRANSPORTE E DEPOSIÇÃO de


sedimentos.
Agentes Externos (Exógenos) formadores
do relevo
FÍSICO: água (líquida e sólida),
ventos, temperatura,
gravidade
Intemperism QUÍMICO: água (infiltração e
o dissolução)
EROSÃ
BIOLÓGICO: seres vivos (plantas e
O
agentes decompositores)

Denudação e transporte: retirada do material do seu


local de origem por meio dos ventos,
enxurradas, gravidade etc. (suspensão,
rolamento e saltação).
Sedimentação: acúmulo de detritos nas partes
mais baixas do relevo (planícies,
depressões, dolinas etc.)
Ao desgaste de rochas e solos, causado por agentes
naturais ou pela ação humana, e ao transporte e à
sedimentação desses materiais, damos o nome de erosão.

Conforme a intensidade e o papel dos agentes de erosão,


podemos classificar a erosão em:
• natural: provocada pelos processos naturais, como
as chuvas e o derretimento das neves, que alteram a
superfície da Terra;
• acelerada: decorrente do agravamento dos processos
naturais de erosão em razão do mau uso do solo, como o
cultivo com técnicas que o empobrecem e destroem ou a
retirada da vegetação que lhe serve de proteção natural.
No Brasil, a erosão atinge grandes
proporções em alguns estados, afetando
não só a agricultura, mas até povoados e
cidades inteiras.

Dos solos do noroeste


Nas cidades, isso ocorre
do Paraná, por
quando não são
exemplo, que
construídas galerias
correspondem a 70%
pluviais e a vegetação é
das terras cultiváveis
destruída.
do estado, a erosão
transporta anualmente
de
Calcula-se que, por ano, o 40 aperde
Brasil 50 toneladas de
terra por
aproximadamente 500 milhões hectare.
de toneladas de solo
através da erosão.
Zaida Siqueira /
Olhar Imagem
Erosão em
encosta no
litoral do Ceará
Colombini
Fabio

Erosão do solo em
estágio
avançado,
formando
voçoroca, em
A LATERIZAÇÃO é o surgimento de uma
crosta ferruginosa, formada pela
decomposição das rochas com
precipitação dos óxidos e hidróxidos de
alumínio e ferro, que acaba com a
fertilidade do solo. A LIXIVIAÇÃO
é a lavagem da parte superficial do solo,
onde se encontra os nutrientes, e retirada
dos sais minerais hidrossolúveis,
empobrecendo o solo.
SOLOS

Um solo maduro, após sofrer meteorização mecânica,


meteorização química e incorporação da matéria orgânica,
encontra-se dividido em camadas (horizontes). O solo deve
apresentar 4 horizontes que se podem dividir em sub-horizontes.
O solo é uma camada superficial de
espessura variável. É o produto da
desintegração das rochas provocada pelo
intemperismo (ação da água, do calor e do
frio, e dos seres vivos).

Solo de terra roxa em Sertãozinho,


SP.
CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS BRASILEIROS:

- muito férteis;

QUANTO À FERTILIDADE - moderadamente férteis;

- pouco férteis.

- rasos (menos de 50 cm);


QUANTO À
- pouco profundos (50 a 100 cm);
PROFUNDIDADE
- profundos (100 a 200 cm);
- muito profundos (mais de 200 cm).
Principais solos do Brasil:

 Massapé: são solos característicos do NE, onde foi muito explorado pelas culturas
canavieiras.

 Latossolos: são os solos formados a partir de derrames basálticos (grande quantidade de


óxidos de ferro), muito profundos, espessos, porosos, de coloração avermelhada (latossolo
vermelho – terra-roxa) ou amarelada, com grande concentração de argila. É característico de
áreas de climas tropicais (forte lixiviação e intemperização).

 Litossolos: solos rasos, pouco desenvolvidos, quase indiferentes nos seus diversos
horizontes.

 Pozólicos: solos pouco profundos, vermelhos ou amarelos, com horizontes bem


definidos, típicos de climas úmidos, como no sul do Brasil ou no interior da Europa
(tchernozións).

 Aluviões: solos ricos em minerais devido à reposição destes pelas enchentes dos rios
(solos de aluvião ou depósitos aluvionares). Desenvolvem-se nas margens fluviais.

Sal-gema

Salmourão: solos muito diversos, mas com elevados teores de cascalho e/ou areia
grossa.
No Brasil encontramos dois tipos de
solo de grande fertilidade: a terra
roxa e o massapê.

O massapê é proveniente da
decomposição de rochas
como o granito e o
calcário. Esse tipo de solo
cobre uma extensa faixa
do Nordeste brasileiro.
Logo depois da chegada
dos portugueses ao
Brasil, o massapê passou
a ser bastante utilizado
para o cultivo da cana-
de-açúcar.
RELEVO BRASILEIRO

O território brasileiro é formado por


estruturas geológicas antigas (com exceção
das bacias recentes do Pantanal, Amazônia
ocidental e trechos do litoral nordeste e sul 
Os afloramentos rochosos do país são
Cenozóico).
formados por grandes bacias sedimentares
(Paleozóico ao Mesozóico) e escudos cristalinos
 64% Bacias Sedimentares
(Pré-cambriano).
 36% Escudos Cristalinos

OBS.: no território brasileiro, as estruturas e as formações


litológicas (substrato rochoso) são antigas (Pré-cambriano – rochas
magmáticas e metamórficas - e Paleozóico – rochas sedimentares antigas),
mas as formas de relevo são recentes (ação da erosão).