Você está na página 1de 29

REPORT 4

Método

IDENTIFICAÇÃO

NO NOME e-mail Telefone

Marcos Paulo Oliveira dos marcosposantos@hotmail.com 11-975405359


171944
Santos

TÍTULO:
ESTUDO DE CASO DE CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE: Para aquisição de uma
Autoclave a vapor
LÍDER DO GRUPO:
Marcos Paulo Oliveira dos Santos

ORIENTADOR:
Willians Cesari Rizzo

Data da Entrega: 10 / 05 /2019

____________________________
Visto do Orientador
COORDENADORIA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

MARCOS PAULO OLIVEIRA DOS SANTOS

ESTUDO DE CASO DE CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE: Para


aquisição de uma Autoclave a vapor

REPORT 4:
 Elementos pré-textuais, (anterior)
 Capítulo 1: Introdução (anterior)
 Capítulo 2: Revisão de Literatura (anterior)
 Método
 Referências

Sorocaba/SP
2019
Marcos Paulo Oliveira dos Santos

ESTUDO DE CASO DE CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE: Para


aquisição de uma Autoclave a vapor

Pré Projeto apresentado à Faculdade de


Engenharia de Sorocaba, como exigência
parcial para a disciplina de Projeto
Aplicado a Engenharia de XXXXX.

Orientador: Willians Cesari Rizzo

Sorocaba/SP
2019
FICHA CATALOGRAFICA

ELABORADA PELA “BIBLIOTECA FACENS”

SXXXs
Sobrenome, Nome do Aluno 1; Sobrenome, Nome do Aluno 2; Sobrenome,
Nome do Aluno 3; Sobrenome, Nome do Aluno 3.
Título do trabalho: subtítulo se houver/ por Nome do Aluno et al. –
Sorocaba, SP: [s.n.], 2017.
XXf.; 29cm.

Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Faculdade de


Engenharia de Sorocaba, Coordenadoria de Engenharia de Produção –
Curso de Engenharia de Produção, 2016.
Orientador: Prof. Me. Paulo Roberto Teixeira Junior

Palavra-chave. 2. Palavra-chave. 3. Palavra-chave. I. Faculdade de


Engenharia de Sorocaba. II. Título.

CDD XXX
Marcos Paulo Oliveira dos Santos

ESTUDO DE CASO DE CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE: Para


aquisição de uma Autoclave

Trabalho de Conclusão de Curso


apresentado à Faculdade de Engenharia
de Sorocaba, como exigência parcial para
obtenção do diploma de graduação em
Engenharia de Produção.

Sorocaba, XX de XXXXXXXXXX de 2019.

Banca examinadora

_____________________________________________________
Prof. Esp/Me/Dr e Nome

_____________________________________________________
Prof. Esp/Me/Dr e Nome

_____________________________________________________
Prof. Me Paulo Roberto Teixeira Junior
AGRADECIMENTOS

Aqui cada aluno, individualmente, escreve um texto de agradecimento e


coloca seu nome completo justificado à esquerda, quatro espaços abaixo
do texto. Cada aluno, uma página de agradecimento. Se o grupo preferir
fazer um agradecimento só, mantém apenas essa página e não precisa
colocar os nomes, pois entende-se que o agradecimento é de todos os
autores.

Nome do aluno, caso o agradecimento tenha sido individual


Frase de um autor que representa o
espírito desse trabalho.

Nome do autor acima


LISTA DE FIGURAS

FIGURA 1. Título da figura ................................................................................ X


FIGURA 2. Título da figura ................................................................................ X
FIGURA 3. Título da figura ................................................................................. X
FIGURA 4. Título da figura ................................................................................. X
FIGURA 5. Título da figura ................................................................................ X
FIGURA 6. Título da figura ................................................................................ X
FIGURA 7. Título da figura ................................................................................. X
FIGURA 8. Título da figura ................................................................................. X
LISTA DE TABELAS

TABELA 1. Título da tabela ............................................................................... X


TABELA 2. Título da tabela ............................................................................... X
TABELA 3. Título da tabela ................................................................................ X
TABELA 4. Título da tabela ................................................................................ X
TABELA 5. Título da tabela ............................................................................... X
TABELA 6. Título da tabela ............................................................................... X
TABELA 7. Título da tabela ................................................................................ X
TABELA 8. Título da tabela ................................................................................ X
LISTA DE QUADROS

QUADRO 1. Título do quadro ............................................................................. X


QUADRO 2. Título do quadro ............................................................................. X
QUADRO 3. Título do quadro ............................................................................. X
QUADRO 4. Título do quadro ............................................................................. X
QUADRO 5. Título do quadro ............................................................................ X
QUADRO 6. Título do quadro ............................................................................. X
QUADRO 7. Título do quadro ............................................................................. X
QUADRO 8. Título do quadro ............................................................................. X
LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS

IES .............................................................................. Instituição de Ensino Superior


ABNT ..................................................... Associação Brasileira de Normas Técnicas
IBGE .................................................... Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
FACENS ...................................................... Faculdade de Engenharia de Sorocaba
XXXX ...................................................................................................................... X
XXXXXX .................................................................................................................. X
XXXXX..................................................................................................................... X
XXXXXX .................................................................................................................. X
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ......................................................................................................... 7
2 REVISÃO DE LITERATURA .................................................................................. 13
2.1 Sub-item .............................................................................................................. 13
2.2 Sub-item .............................................................................................................. 16
3 MÉTODO................................................................................................................ 19
3.1 Sub-item .............................................................................................................. 19
3.2 Sub-item .............................................................................................................. 20
3.2 Sub-item .............................................................................................................. 20
4 RESULTADOS ....................................................................................................... 22
4.1 Sub-item .............................................................................................................. 19
4.2 Sub-item .............................................................................................................. 20
4.2 Sub-item .............................................................................................................. 20
5 CONCLUSÃO......................................................................................................... 25
6 REFERÊNCIAS ...................................................................................................... 29
ANEXOS ................................................................................................................... 31
RESUMO

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx.

Palavras-Chave: Palavra 1. Palavra 2. Palavra 3.


ABSTRACT

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx.

Key-words: Word 1. Word 2. Word 3.


1 INTRODUÇÃO

Nos últimos anos, as empresas em geral vem sofrendo algumas mudanças no modo
em como devem agir para aquisição de novos equipamentos, os compradores
começam a ter uma visão mais sistêmica do mercado e estão começando a pensar
em como analisar os processos de aquisição de novos equipamentos, pois não é
somente o valor inicial que necessariamente deve ser observado e sim um conjunto
de fatores. Ainda mais quando falamos de equipamentos de alto valor agregado.

A visão que os profissionais da área de hospitalar tem em relação a aquisição de bons


equipamentos, ainda na sua grande maioria está bem desatualizada, pois compram
os equipamentos preocupados em preço inicial e não custo total de propriedade, ao
qual será o tema abordado desse trabalho.

Comumente, isso acontece pela falta de informação ou pelo jeito em que as


informações são passadas, as vendas não são baseadas na vida útil do bem e sim no
seu valor de aquisição. Esquecendo que há uma necessidade que analisar todo um
contexto, no funcionamento do equipamento ao longo de dez anos.

De forma geral, o trabalho aborda em seu contexto uma avaliação de custo total de
propriedade, relacionado a aquisição de um equipamento chamado autoclave,
baseado em consumo de energia elétrica, água, peças, mão de obra para manutenção
e equipamento em funcionamento.

A abrangência desse trabalho é comprovar com “números”, que o equipamento em


questão tem que ser analisado diversos pontos antes da aquisição, não somente seu
valor inicial. E comprovarmos as vantagens do produto A em relação ao B.
Em sua totalidade, será analisado as diversas faces que a aquisição desse
equipamento pode levar e com o custo total de propriedade, colocar mais informações
nas mãos dos profissionais da área da decisão de aquisição, para que façam uma
excelente aquisição.

A maior relevância que teremos com esse trabalho, é mostrar o quão será econômico
conhecer praticamente todos os parâmetros e pontos para realizar a aquisição do
equipamento em questão.

Em busca de melhorar continuamente a gestão de custos, outras ferramentas podem


ser incorporadas às já utilizadas, como é o caso do Custo Total de Propriedade. O
Custo Total de Propriedade é capaz de enriquecer as análises feitas pelos métodos
de custeio, dando mais subsídios aos gestores (Valdirene e Ivanir, 2004).

Porém, será que apenas o conhecimento e gerenciamento dos custos internos das
empresas são suficientes no ambiente atual das organizações? Ou será que a
empresa deve ter consciência de todos os custos envolvidos com o produto? E afinal,
quando se encerra, efetivamente, o custo de um produto? Quanto custa o produto
para o consumidor? Será que o conhecimento do preço de venda é suficiente para
que a empresa fabricante tome decisões a respeito do consumidor? (Dione Olesczuk,
2007).

Mas o que/qual é o valor de um bem/serviço? Este é um conceito subjetivo, pois


depende do grau de utilidade ou benefício atribuído ao produto/ serviço pela pessoa
que o consome. O valor decorre da percepção do cliente sobre o grau de atendimento
de suas necessidades, considerando as características e atributos do produto, seu
preço, a facilidade de aquisição, de manutenção e de uso ao longo de todo o seu ciclo
de vida (Ely Célia e Joel de Jesus, 2012).
Os resultados do estudo indicam que a adoção do TCO é caracterizada como parte
de um grande processo de reestruturação da função Compras das empresas, em que
se destaca a formação de um grupo especializado no desenvolvimento de análises de
TCO e isolado das atividades tradicionais dos processos de compras. Além dos
benefícios de redução de custos, o TCO possibilita que as empresas estreitem o
relacionamento com fornecedores considerados estratégicos. Os principais entraves
observados são as dificuldades no levantamento de informações de custos e
resistências tanto de fornecedores como do pessoal de suprimentos. Em vista dos
resultados da pesquisa, a metodologia parece ser adequada ao processo de compras
de itens estratégicos em grandes empresas do país (Fernando Miguel, 2006).

O primeiro capitulo explicará o que é a autoclave, qual a importância do equipamento


no processo hospitalar, o que é manutenção preventiva.

O segundo capítulo apresentará as informações através da revisão de literatura


informada, buscando analisar o Custo total de propriedade.

O terceiro capítulo apresenta a metodologia do estudo, trazendo as perguntas da


pesquisa, o método escolhido, o processo de coleta e análise dos dados e as
limitações do método.

O quarto capítulo apresenta os casos estudados do equipamento A e do B, seguindo


a estrutura formada pelas perguntas da pesquisa e a análise dos resultados,
confrontando as práticas identificadas em cada um dos casos e abordando pontos
identificados na literatura.

O quinto e último capítulo apresenta as conclusões, as limitações do estudo e as


sugestões para estudos futuros sobre este mesmo tema.
2 REVISÃO DE LITERATURA

2.1 Total Cost of Ownership TCO ou Custo Total de Propriedade

O objetivo desse capitulo é mostrar os principais pontos e influencia que os


compradores no processo envolvido podem deixar passar despercebidos na
aquisição de uma Autoclave, mas para continuar a falar do Custo Total de
Propriedade de uma Autoclave será apresentado o que é a Autoclave e a importância
no processo hospitalar.

2.1.1

A autoclave tem seu maior uso nas Centrais de Materiais e Esterilização,


denominadas como CME. Nas CME’s é onde realiza-se todo o processo de limpeza,
desinfecção e esterilização.

Na limpeza é onde se remove toda a sujidade visível a olho nu, onde utiliza-
se escovas, água quente, detergentes, entre outros. O intuito de realizar toda a
limpeza desse material é para a liberação ao próximo passo, que é a desinfecção.

Para realização da desinfecção desses materiais, normalmente é utilizado um


equipamento que se chama Termodesinfectora, esse equipamento utiliza a água em
uma temperatura elevada para realizar a Termodesinfecção. Onde se remove
praticamente todos os microrganismos do material, ficando vivos normalmente os
Bacillus stearothermophilus, esse microrganismo não é combatido no processo de
desinfecção, pois possui uma espécie de um invólucro semelhante a um ovo, e o
processo de Termodesinfecção não é capaz de mata-lo, então tem-se a necessidade
de realizar o processo de esterilização, que é onde tem a necessidade de utilização
de uma Autoclave.

Para iniciar o processo de esterilização, obrigatoriamente o material tem que


estar limpo e seco. Então os operadores iniciam o processo de embalagem desse
material, separação e por fim coloca-se dentro da Autoclave, para o processo de
esterilização. Esse processo é onde é possível realizar a morte microbiana na escala
de um para um milhão de probabilidade de encontrar o Bacillus stearothermophilus,
que é o vilão que se deseja aniquilar.

Então como podemos ver a Autoclave tem uma contribuição enorme para o
processo da CME e no processo hospitalar como um todo, pois, os materiais que
saem da CME irão para as salas cirúrgicas, pronto atendimento, salas de endoscopia
e para vários outros setores que precisarão do material limpo e estéril para sua
utilização.

Segundo noticia do site o globo, infecção hospitalar mata mais de cem mil
pessoas por ano. A ideia dessa informação não é criar um caos ou alarmar a
população, isso é um dado para mostrar a importância de uma Autoclave no
processo hospitalar, então para realizar a aquisição da melhor autoclave, faremos
um estudo de caso sob dois equipamentos de marcas distintas que nesse trabalho
chamarei de Autoclave A e Autoclave B, através do Custo Total de Propriedade.

2.1.2 – Total Cost of Ownership TCO ou Custo Total de Propriedade

O custo total de propriedade é uma conta que busca a mensuração de todos


os gastos envolvidos no processo de aquisição de um bem, desde um simples
computador a um sofisticado sistema automatizado por exemplo.

O conceito de TCO foi desenvolvido pela Gartner Group, uma empresa de


consultoria e pesquisa de mercado de tecnologia na área de TI, que iniciou a
utilização deste método no uso de microcomputadores. Com o desenvolvimento e o
crescente uso de microcomputadores, a partir dos anos 80 e, por consequência, seu
progressivo aumento de custos, as empresas começaram a sentir necessidade de
determinar não só o custo de aquisição de computadores, mas também de saber
todos os demais custos que são incorridos por ter e usar computadores. E a
importância do TCO cresceu na medida em que as tecnologias da informação
tomaram conta do cotidiano das pessoas em todo o mundo, tornando mais complexa
a sua administração no âmbito dos negócios e das empresas. Com o passar do
tempo esse conceito começou a ser utilizado por outras áreas e atualmente é uma
ferramenta indispensável em corporações que requerem um alto grau de precisão
na aplicação de recursos e na obtenção de melhores fornecedores (SANTOS, 2011).
Sobre a utilização do Custo Total de Propriedade (Total Cost of Ownership -
TCO) como uma ferramenta auxiliar na gestão de custos. O TCO é, ainda, pouco
conhecido na área de Custos, sendo mais utilizado na Logística e na Engenharia de
Software. Na gestão de custos, as técnicas normalmente empregadas consideram
os bens e serviços a partir do momento em que estes passam a fazer parte das
operações, enquanto no TCO questiona-se as próprias decisões de aquisição, já que
estas devem ser tomadas levando-se em conta, além dos preços de compra, os
custos que a empresa terá com o processo de aquisição, com a operação e com a
manutenção dos itens. A utilidade do TCO está em ampliar as possibilidades de
análise da gestão de custos (GASPERETTO, 2004).

Segundo AGOSTINI (2017) ele usou o TCO para realizar a comparação entre
dois serviços distintos. Comprar veículos para o sistema público ou trabalhar com
serviço de transporte terceirizado. Alguns pontos que foram possíveis observar na
compra, valor de aquisição do bem, manutenção, IPVA, pneus, entre outros. Já na
terceirização tem o valor fixo da mensalidade, sem a depreciação do bem. Aplicando
o TCO nessa ocasião foi possível ver a diferença dos dois tipos de custos e escolher
o que melhor se encaixa para o orçamento.

Segundo SALIBA (2010) nas últimas duas décadas foi percebido um grande
movimento no setor de compras, mostrando a preocupação para aquisição de bens
para a instituição. Pois o processo de compras passou a ser o ponto chave para a
melhor aquisição de um bem ou serviço. Querendo muito essa melhoria que foram
iniciadas as etapas da compra usando a metodologia do TCO.

Nessa linha de raciocínio o setor de compras percebe que para melhor


aquisição de um bem, terá que trabalhar juntamente com outros setores que irão
realmente utilizar aqueles produtos, então o setor de compras passa a ser um
articulador entre os setores. Pois há muito pontos em que o comprador não faz ideia
da utilidade e se realmente é o melhor que o mercado tem a oferecer, então vem a
ideia de começar a ser um grande articulador entre os setores, visando buscar os
líderes e operadores dos outros setores para alinhamento de visão e ensinamento
ao comprador, a ideia da junção com os outros setores, como manutenção e
operação por exemplo, é para que o comprador consiga trabalhar com detalhes e
históricos que não aparecem nos sistema de informação dos equipamentos em
questão, buscando assim realizar a melhor aquisição possível.

Para Hansen e Mowen (2001, p. 423) a gestão estratégica de custos “é o uso


de custos para desenvolver e identificar estratégias superiores que produzirão uma
vantagem competitiva”. Vantagem competitiva, que é a criação de um valor melhor
para o cliente por um custo igual ou mais baixo do que aquele oferecido pelos
competidores. Nesta perspectiva Hansen e Mowen (2011, p. 424) declaram que o
“posicionamento estratégico é o processo de seleção da combinação ótima das três
abordagens estratégicas gerais”.

O papel fundamental da gestão estratégica de custos “é reduzir custos


enquanto simultaneamente fortalece a posição estratégica escolhida”. A redução dos
custos e a manutenção do posicionamento estratégico dependem de todas as
empresas que formam a cadeia de valor.

2.2 Planejamento do ciclo de vida de um produto

O planejamento do ciclo de vida de um produto vem provocando significativas


inovações dentro e fora das organizações. Em décadas passadas, os ciclos de vida
dos produtos eram mais longos e a variedade de produtos era geralmente baixa.
Assim, os gestores acabaram trazendo consigo uma visão tradicional do sistema no
qual estavam inseridos (BEUREN e SCHAEFFER, 1997).

Sabe-se que o ciclo de vida de um produto é composto pelo conjunto das


fases por onde passa o produto ou uma classe de produtos. Porém, com relação a
estas etapas, percebe-se que a terminologia e abordagem variam de acordo com a
sua aplicabilidade. Assim, pode-se também dividir o ciclo de vida de um produto de
acordo com a perspectiva mercadológica. Esta, consiste na representação das fases
para a venda de um produto, ou seja, o comportamento desse produto no mercado.

Percebe-se que, além do custo ser uma das estratégias para a obtenção de
vantagem competitiva, este também é um elemento que vem contribuindo para uma
nova abordagem do ciclo de vida do produto. Quer dizer, no sistema tradicional, os
custos que são confrontados com as receitas, praticamente só se iniciam na fase de
produção. No que concerne ao custeamento por ciclo de vida do produto, os custos
já são identificados nas etapas pré-operacionais, possibilitando a redução de custos.

O ciclo de vida do produto, se analisado adequadamente, poderá não alertar


apenas para os problemas que normalmente ocorrem em cada fase, mas
principalmente, poderá indicar com antecedência, as oportunidades, estimular a área
mercadológica, planejar novos usos, características e formas de conquistar e de
manter clientes.

De acordo com BEUREN (1994), “como na contabilidade o padrão de


mensuração é a unidade monetária faz-se necessário corrigi-la, a fim de prover
informações válidas, confiáveis, apropriadas e econômicas. Válidas no sentido de
representar os verdadeiros atributos dos objetos ou eventos alvos. Confiáveis, diz
respeito a não existência de erro no processo de mensuração. Apropriadas, está
relacionado à pertinência e necessidade da informação para a tomada de decisões.
Econômicas, em termos de relação custo x benefício que a informação proporciona”.
3 MÉTODO

Neste capítulo serão descritos os métodos a serem utilizados no presente


estudo, bem como o tipo de pesquisa utilizada e demais procedimentos abordados,
visando uma adequada estruturação do trabalho.

Para a realização do estudo serão utilizados, além das informações obtidas


junto aos profissionais envolvidos, os dados contidos nos sistemas de informação já
utilizados pela empresa que trabalha com o equipamento A e pelo cliente que possui
o equipamento B, de onde serão extraídas todas as variáveis que compõem o
presente estudo.

O método utilizado será o TCO, os dados utilizados nas fórmulas de cálculo de


TCO dependem da necessidade da empresa, provavelmente um dado crucial utilizado
numa situação pode ser totalmente descartável num outro cálculo. Os custos que
veremos aqui são decorrentes do processo de vida útil dos produtos. Segundo
SAKURAI (1997) esses custos estão divididos em três grupos:

• Custos iniciais: custos de pesquisa e desenvolvimento, de


planejamento, de compra, de licenciamento etc;

• Custos normais: custos de fabricação, custos de venda, custos de


utilização etc;

• Custos finais: custos de reparos, custos de descarte do produto etc.

Dentro destes três grupos estão alguns custos como o preço de Compra, custos
de frete e transporte, custos de manutenção, custos de operação, custos de Descarte
e valor de Descarte. Estes são os custos básicos envolvidos no ciclo de utilização de
um produto que passam por escolha e qualificação dos fornecedores, pedidos de
compra, transporte, recebimento, inspeção, armazenamento, uso, manutenção e
descarte.

Segundo AGOSTINI (2007) sabemos que o TCO foi desenvolvido para assistir
à área de TI, porém seu uso nos dias de hoje é aproveitado por diversos outros
segmentos de negócios. Por este motivo existem diversas fórmulas de cálculo do
TCO, pois para cada negócio, ou até mesmo para empresas de um mesmo segmento,
existem dados que são acrescidos, substituídos ou ignorados dependendo da
relevância e importância dada pelos responsáveis por estes cálculos.

Uma fórmula bastante completa é a apresentada por RIGGS e ROBBINS


(1998).

TCO = CM + PC + F + M + O + CD – VD

Onde:

CM = Custo dos Materiais secundários ou complementares

PC = Preço de Compra

F = Frete e transporte

M = Custos de manutenção

O = Custos de operação

CD = Custos de Descarte

VD = Valor de Descarte

A fórmula proposta por RIGGS & ROBBINS (1998) apresenta seus


componentes de acordo com o ciclo de vida de um produto. Como citado
anteriormente, cada empresa ou cada administrador deve montar sua própria fórmula
de acordo com os custos que julgue mais significativos para seu ambiente.

Segundo CUNHA & FERNANDES (2009) devem ser analisados dentre os


maiores custos:

• Prospecção: Deve ser levada em consideração o pessoal e tempo


requerido para avaliar as diversas formas de aquisição do bem ou serviço de acordo
com a quantidade de similares existentes no mercado, a quantidade de fornecedores
e sua capacidade de produzir de acordo com a necessidade da empresa, o
cumprimento de todos os requisitos solicitados pela empresa;
• Aquisição: Deve-se considerar a forma, prazo e custo da entrega; deve
ser analisada cada opção para conseguir um alinhamento com o planejamento
tributário da empresa; avaliar a forma de pagamento, prazos e encargos financeiros;
avaliar o custo para inspecionar o serviço adquirido; quantificar as devoluções por
defeito e vícios do bem ou serviços;

• Treinamento: Mensurar o valor a ser gasto com o treinamento de


pessoal para a inserção de uma nova tecnologia ou forma de trabalho com o bem ou
serviço adquirido;

• Manutenção: Custo de manutenção preventiva e corretiva para mão-


de-obra, peças de reposição, tempo de setup e downtime;

• Descarte: Custo de descarte apropriado do bem, para que sejam


evitadas intercorrências junto a órgãos de fiscalização.

Será utilizado a ideia como o cálculo RIGGS e ROBBINS (1998), pois será
levado em consideração o cálculo de consumo de água, energia elétrica,
manutenções, peças substituídas e produtividade.
PR + AGVC + AGVP + DC + CE + VL + CT = Custo Total de Propriedade
TCO

Onde:

PR = PRODUTIVIDADE

AGVC = AGUA PARA GERAR O VACUO

AGVP = AGUA PARA GERAÇÃO DO VAPOR

DC = DEMANDA CONTRATADA

CE = CONSUMO ENERGÉTICO

VL = VALIDAÇÃO

CT = CONTRATO DE MANUTENÇÃO

Com o mesmo embasamento de RIGGS e ROBBINS (1998), podemos


determinar que a Autoclave a vapor irá usar desses componentes para definir seu
custo total dentro da sua vida útil.
REFERÊNCIAS

ENGHOLM, Hélio Jr. Custo Total de Propriedade (TCO) e Retorno de


Investimento (ROI). São Paulo: Gestão do conhecimento e tratamento da
informação, 2014.
GASPERETTO, Valdirene; TECHIO, Ivanir Salete da Silva. XI Congresso Brasileiro
de Custos. Bahia 2004
SANTOS, Iles Carlos Vilela. Estudos de Caso de Custo total de Propriedade TCO
(Total cost of Ownership). 2011. 33f. Trabalho de graduação – Faculdade de
Tecnologia de São Paulo, 2011

AGOSTINI, Lidiane Bassi. Frota própria versus serviço de transporte terceirizado:


um estudo comparativo através do custo total de propriedade. 2017. 90f.
Trabalho de graduação – Universidade Federal da Fronteira Sul, 2017

SALIBA, Fernando Miguel Pinto. A adoção do custo total de propriedade e o


processo de compras de grandes empresas brasileiras: um estudo de caso.
2006. 162f. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006

MOREIRA, Eduardo Cunha. Gestão do curso logístico e no custo total de


propriedade. 2008. 63f. Dissertação de Mestrado – Pontifícia Universidade Católica,
2008

SOUTES, Dione Olesczuk. Custo total de propriedade: É importante? Pra quem?


2007 P.83-105, Campus Mal. Cândido Rondon - V. 7 Nº 13 - 2º sem 2007
SALIBA, Fernando Miguel Pinto. Custo Total de Propriedade: uma análise de sua
utilização nas decisões de investimentos em bens de capital de empresas do
setor industrial 2010. 15f. XVII Congresso Brasileiro de Custos, Minas Gerais, 2010

CORBARI, Ely Célia. Gestão estratégica de Custos. Revista Iesde Brasil, São
Paulo: p. 165-182, 2012
SAKURAI, Michiharu. Gerenciamento integrado de custos. São Paulo: Atlas, 1997
SHANK, John k., GOVINDARAJAN, Vijay. A revolução dos custos “Como
reinventar e redefinir sua estratégia de custos para vencer em mercados
crescentemente competitivos”. Tradução de Luiz Orlando Coutinho Lemos. 8ª
ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997
JERICO, M. C.; CASTILHO, V. Gerenciamento de custos: aplicação do método de
custeio baseado em atividades em centro de material esterilizado. São Paulo,
Revista da Escola de Enfermagem da USP, v.44, n.3, p.745-752, 2010
[1] Infecção Hospitalar mata mais de 100 mil por ano. Disponível em: <
https://oglobo.globo.com/politica/sem-controle-eficiente-infeccoes-hospitalares-
causam-cemmil-obitos-por-ano-2697060>. Acesso em: 07 abril 2019
HANSEN, Don R.; MOWEN, Maryanne M. Gestão de Custos: contabilidade e
controle. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2001.

BEUREN, Ilse Maria.; SCHAEFFER, Viviany. ANÁLISE DOS CUSTOS DO CICLO


DE VIDA DO PRODUTO: UMA ABORDAGEM TEÓRICA. Santa Catarina, Campus
Universitário – Trindade, 1997

RIGGS, E. A., ROBBINS, S. L. The Executive’s Guide to Supply Management


Strategies, New York: American Management Association; 1998

CUNHA, R. K. C.; FERNANDES, B. V. R. RUC – Revista Unieuro de


Contabilidade, Brasília, 2009

Você também pode gostar