Você está na página 1de 19

CURSO DE SISMO

MINISTRADO PELO ENG. FLAVIO CESAR BITELLI


INDICE

27-Conceito – Método da Análise Modal


27) CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL

Conforme vimos anteriormente, os sistemas estruturais possuem uma propriedade


de oscilarem sobre uma força inerente ao próprio sistema, devido ao um distúrbio
inicial e o mais importante, sem a adição de forças externa, fenômeno este
conhecido como vibração livre
Sabemos também que frequência, é o número de oscilações completadas, em uma
unidade de tempo, e frequência natural, a frequência de vibração livre de um
sistema, e considerando que estes sistemas estruturais quando excitados, tendem a
vibrar com uma gama de frequências conhecidos como Mode Shapes, cada
estrutura tende a ter “N” formas de vibração conforme seu numero de graus de
liberdade.

Fonte - Understanding Dynamic Analysis SEAWI


presentation from Sam Rubenzer of FORSE Consulting
April 27, 2012
27)CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL

Define-se como grau de liberdade da estrutura, como o numero de parâmetros


necessários para determinar sua posição no espaço.
Um corpo no espaço possui, 6 (seis) graus de liberdade :
3 translações e 3 rotações

Fonte ARQUIVO F3MD


27) CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL

Entretanto em alguns sistemas estruturais, podemos por simplicidade reduzir os


sistemas a 1(um) grau de liberdade , conforme abaixo:

Estes sistemas são conhecidos


como SDOF , single degree of
freedom ( único grau de liberdade)

Fonte ARQUIVO F3MD


27) CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL

Podemos também representar o edifício em roxo acima , como um conjunto de


sistemas equivalentes SDOF conforme abaixo, com a mesma massa e rigidez do
prédio original

Fonte - Understanding Dynamic


Analysis SEAWI presentation from
Sam Rubenzer of FORSE
Consulting April 27, 2012

Com isto observamos que o prédio com


“N”graus de liberdade , pode ser representado
para efeito de deslocamentos translacionais
como um sistema de 1 grau de liberdade.
27) CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL

Calculo das Forças Inerciais para Estruturas com 1 grau de liberdade

Imaginemos agora, que a partir de um modelo SDOF , com uma taxa de


amortecimento dada, variemos a frequência ou os períodos em pequenos intervalos
de tempo, compatíveis com o acelerograma de um especifico sismo.
Conceito Acelerograma- Recordando as primeiras aulas, acelerogramas são gráficos
da aceleração ou porcentagem da aceleração em relação à aceleração da
gravidade, em um intervalo de tempo (ver abaixo exemplo)

Fonte - Understanding Dynamic Analysis SEAWI


presentation from Sam Rubenzer of FORSE Consulting
April 27, 2012
27) CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL

Para cada frequência ou período , obtém-se a resposta do modelo ao longo do tempo


para todo o acelerograma de entrada, obtendo-se a aceleração máxima em todo o
historico
O gráfico que representa a máxima aceleração , versus a frequência é denominado
espectro de resposta de acelerações

Fonte - Understanding Dynamic Analysis SEAWI


presentation from Sam Rubenzer of FORSE
Consulting April 27, 2012
27) CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL

As normas trabalham com o espectro de projeto, o qual possue valores envoltórios e


mais suavizados

Fonte ASCE-7

Conforme dito anteriormente, o espectro é obtido para


uma determinada condição de sismo. Como os sismos
variam, as normas e em especial o ASCE , definem
fatores corretores, já vistos.
De posse deste gráfico , e tendo a frequência
fundamental, conseguimos calcular as forças inerciais
no sistema = m.a (massa vezes aceleração).
27) CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL

Calculo das Forças Inerciais para sistemas usuais


Na pratica , os sistemas possuem mais de 1(um) grau de liberdade. Neste caso
pode ser interessante além do calculo das forças inerciais, a determinação do
máximo deslocamento U, no evento sísmico, a fim de calcularmos as forças elásticas
F= k x U
Da equação geral do movimento já vista, obtemos as equações de movimento
desacopladas para cada modo de vibração r

Fonte - Understanding Dynamic


Analysis SEAWI presentation from
Sam Rubenzer of FORSE Consulting
April 27, 2012
27) CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL

Com isto e consideração as equações de um sistema com 1 grau de liberdade


obtemos os deslocamentos para cada modo

Fonte - Understanding Dynamic


Analysis SEAWI presentation from
Sam Rubenzer of FORSE Consulting
April 27, 2012

Sabendo-se que os máximos não são atingidos


simultaneamente para todos os modos, utilizam-se métodos
envoltórios para a determinação do deslocamento U ou seja
para estruturas de vários graus de liberdade, a análise por
espectro de resposta consiste em se considerar isoladamente a
resposta de cada modo de vibração da estrutura, obtendo-se os
valores máximos de cada modo. Isto consiste em uma
aproximação , sendo que a obtenção dos máximos valores de
resposta da estrutura podem-se aplicar 3 procedimentos
diferentes de combinação modal:
27) CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL
1. Soma dos valores máximos de todos os modos
2. Raiz quadrada da soma dos valores máximos ao quadrado de todos
os modos (SRSS: Square Root of Sum of Squares)
3. Combinação quadrática completa (CQC - Complete Quadratic
Combination)

O método a, é muito pouco utilizado, pois somente é interessante onde a


frequência fundamental (modo fundamental) , predomina sobre os
outros, e a influencia destes na soma é pequena.

O método b , SRSS fornece excelentes estimativas da resposta para


estruturas com modos de vibração bem espaçados. Em casos de a
estrutura possuir modos, pouco espaçados, o método pode sub ou
superestimar os resultados.
Rmax = (Σj (Rmax.j 2)1/2
O método C , CQC é aplicável a uma vasta classe de estruturas SRSS.
Rmax = (Σi Σj uij * Rmax.j * Rmax.i )1/2
sendo:
uij = (8 ξ2 * (1+r) * r3/2) / [(1-r²)² + 4 ξ 2 * r * (1+r)²], 0 ≤ uij ≤ 1,
sendo:
ξ o amortecimento
r = ωi / ωj. Para r = 1, por exemplo, tem-se uij = 1 e para r = 0, uij = 0
27) CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL
Agora como procedemos na pratica?

No dia a dia do engenheiro estrutural, podemos seguir as seguintes regras de


procedimento.
Abaixo daremos um roteiro de como se verificar as estruturas neste método pelo
ASCE 7

Passo 1 -
Determina-se o gráfico do espectro de resposta de projeto, conforme item 11.4.5 do
ASCE 7
27)CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL
Agora como procedemos na pratica?
Para esta determinação calcular conforme já explanado, os
valores de SDS (aceleração espectral de curta duração),
SD1 (aceleração espectral ajustada de período 1s) , T
(período fundamental da estrutura), T0=0,2 SD1/SDS ,
T1=SD1/SDS e TL – Periodo de longa duração
Para períodos menores que T0 . a aceleração espectral,
função da porcentagem de g , é dada pela formula – Sa =
SDS (0,4+0,6T/T0)
Para períodos maiores ou iguais a T0 e menores ou iguais a
TS , utilizar como aceleração espectral o valor de SDS
Para períodos maiores que TS e menores ou iguais a TL , a
aceleração espectral é dada pela formula Sa=SD1/T
No caso de períodos maiores que TL , a aceleração
espectral deverá ser considerada conforme a formula
Sa=(SD1 x TL)/T2
Com estes dados faz-se a construção do gráfico. Todos
estes valores para um amortecimento de 5%, media usual
para as estruturas
27) CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL
Agora como procedemos na pratica?
Abaixo um exemplo:
SDS =0,88g SD1=0,61g
T=0,678s T0=0,14s
T1=0,69s

Fonte F3MD – Power Plant Project


27) CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL
Agora como procedemos na pratica?

Grafico do Espectro de Projeto


Fonte – Aquivo F3MD
27) CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL
Passo 2 – Determinar as frequências naturais da Estrutura

Deverão ser obtidas tantas frequências naturais , até que pelo menos 90% da massa seja
mobilizada em cada direção ortogonal considerada no modelo

Passo 3 – Determinação do Valor da Força Equivalente Basal

Determina-se a força equivalente Basal, de acordo com o explicado no método das forças
equivalentes. Este valor será utilizado para escalar os valores. Não é necessário distribuir as
forças nos níveis, apenas obter o valor total. Este valor deve ser obtido conforme item 12.8,
com o valor do período T da estrutura. No caso deste período exceder o produto Cu x Ta – Cu
–tabela 12.8-1 ASCE 7 e Ta conforme item 12.8.2.1, este mesmo valor Cu x Ta , deverá ser
utilizado no lugar de T.

Passo 4- Combinar os resultados Modais

Os resultados modais deverão ser combinados pelo método do SRSS ou CQC

Passo 5 – Escalar os Valores

Após a combinação dos resultados modais, comparar a força obtida Vt pelo método modal,
com a força V, obtida pelo método da força equivalente. Se a força Vt for menor que 0,85V,
considerar como o fator corretivo de = 0,85 V/Vt nos valores obtidos.
27) CONCEITO – MÉTODO DA ANÁLISE MODAL
Aplicabilidade do Metodo-
O método modal , conforme apresentado na tabela 12.6-1 , pode ser aplicado para
qualquer situação.
REFERENCIAS
Understanding Dynamic Analysis SEAWI presentation from Sam Rubenzer of FORSE Consulting April 27, 2012