Você está na página 1de 4

EU2017 - o raio cósmico

thunderbolts.info / wp / 2017/01/22 / eu2017-o-raio-cósmico /

sschirott

O THUNDERBOLT CÓSMICO

O símbolo escolhido para essas conferências anuais é o Raio


Cósmico: vajra sânscrito , dorje tibetano e kongō japonês . Essa
enigmática “arma dos deuses” vincula diretamente um tema
global da antiguidade à vanguarda da ciência do plasma.

Uma forma inicial do raio bipolar nas mãos do mítico guerreiro assírio Ninurta

1/4
Não é de surpreender que poucos estudiosos e cientistas tenham parado para se
perguntar sobre o fascínio de nossos antepassados ​pela imagem do raio, ou sobre as
coisas extraordinárias ditas a respeito. A maioria dos pesquisadores rotineiramente
assume que o céu antigo era essencialmente idêntico ao nosso hoje, deixando pouco a
se perguntar. Como hoje, antes.

No entanto, um fato notável nos salta das culturas antigas. Embora a interpretação
moderna veja a imagem como um relâmpago fantasioso, ela não se parece com um raio.
É a forma mais antiga e mais comum é a bipolar, uma característica nunca exibida por
raios terrestres. Mas a imagem arcaica apresenta uma combinação impressionante de
fenômenos elétricos no espaço e em experimentos de laboratório. Essa partida é muito
precisa para ser acidental.

À esquerda: Nebulosa Planetária M2-9 ou "Asas de uma Nebulosa de Borboleta". À


direita: "Nebulosa de Borboleta". As estruturas de ampulheta desse tipo acentuam o
papel da descarga elétrica bipolar.

Imagens do raio cósmico, retiradas de moedas gregas, ilustram as variações na


simetria bipolar. As formas comuns podem ser entendidas como estruturas cônicas e
cilíndricas semelhantes às vistas em experimentos de laboratório de alta energia.
Freqüentemente, os membros luminosos se destacam na luz visível e em outras
frequências.

Ilustração estilizada de formas de descarga elétrica em 3D no laboratório de plasma,


ocorrendo entre dois eletrodos. Em contraste, o ambiente elétrico 3D no espaço
provoca jatos axiais que evoluem nas duas direções a partir de um corpo carregado.

2/4
Em praticamente todas as representações antigas - assim como em experimentos de
descarga em laboratório - as morfologias da descarga evoluem de um "jato" axial. A
coluna axial está sempre presente. Mas onde está o jato nas formas nebulares de
“borboleta” mostradas acima? Duas ou três décadas atrás, a pergunta pode ter ficado
sem resposta. Mas agora, graças às maneiras avançadas em que vemos objetos no
espaço, sabemos que o jato axial está lá, exibindo a forma serpentina comumente
associada à imagem do raio em evolução (o arquétipo da Serpente Relâmpago). Você
pode vê-lo em movimento nas asas de uma nebulosa de borboleta na parte inferior da
página aqui: http://en.wikipedia.org/wiki/Planetary_Nebula_M2-9

Os relatos antigos descrevem deuses do trovão rugindo nos


céus ou lançando uma "arma de trovão" contra intrusos
monstruosos. O que significava dar credibilidade provisória a
essa memória global? Isso significaria novas oportunidades
radicais para a investigação interdisciplinar, com profundas
implicações para a ciência moderna.

O raio cósmico nos leva à descoberta da era espacial, enquanto


também ilumina os cantos escuros da história humana. Ele nos
convida a comparar imagens telescópicas do espaço com os
eventos antigos. Experimentos de laboratório com intensa
descarga elétrica encontrarão um lugar indispensável ao lado
da arte rupestre pré-histórica, onde observamos formações
idênticas gravadas na pedra. Raio bipolar do
guerreiro nórdico
Seguindo esse caminho de exploração, chegamos a uma Odin.

conclusão extraordinária. Nossos ancestrais viviam sob um céu


eletrificado, uma fonte de temor e terror. E eles preservaram um registro permanente
dos eventos nas rochas ao seu redor. Os espetáculos de sacudir a terra produziram uma
explosão da imaginação humana, enquanto a provocação celestial deixava sua marca
globalmente, nos arquétipos míticos e simbólicos que moldavam todas as civilizações
primitivas.

3/4
A imagem grega do raio cósmico à esquerda encontra uma contraparte
impressionante nas explosões de sprites que disparam para o espaço na atmosfera
superior da Terra, com durações contadas em milissegundos. As geometrias dos
sprites podem ser escaladas para cima e para baixo para corresponder à descarga
bipolar no espaço e no laboratório. Para obter mais informações, consulte:
https://www.thunderbolts.info/wp/2013/10/30/bolts-out-of-thin-air-2/ Direito de foto
e direitos autorais: Walter Lyons, FMA Research, Fort Collins, Colorado, Estados
Unidos da América / NASA.

Para referência adicional, consulte Buscando a Terceira História , uma apresentação feita
na UE2012 por David Talbott.

4/4