Você está na página 1de 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE


DEPARTAMETO DE FISIOLOGIA E PATOLOGIA
DISCIPLINA DE FISIOLOGIA HUMANA
DISCENTE: LOUYSE JERÔNIMO DE MORAIS

RELATÓRIO – AULA PRÁTICA: ESPIROMETRIA

Durante a aula prática do dia 12, tivemos uma introdução rápida sobre a fisiologia
pulmonar e a sua relação com o teste de espirometria. Logo após, foi escolhida uma
voluntária para a realização do teste, sendo este realizado antes e depois de alguns minutos
de exercício, com o objetivo de comparar os resultados.
A tabela abaixo apresenta os resultados obtidos com a primeira voluntária:
Parâmetros Pré-teste Pós teste
Valor % Valor %
Capacidade Vital (CV ou 2920 ml 70 2990 ml 71
VC)
Vol. Reserva Inspiratória 1830 ml 990 ml
(VRI-IRV)
Vol. Reserva Expiratória 380 ml 28 680 ml 77
(VRE-VER)
Volume Corrente (VC ou 710 ml 1320 ml
TV)
Frequência Respiratória (FR) 25 30
respirações/min respirações/min
Volume Minuto Respiratório 17,75 L/min 39,6 L/min

Diante dos dados obtidos, foi observado que, após o exercício, o volume de
reserva inspiratória diminuiu. Isso ocorre pelo fato de que o volume corrente aumenta
durante a atividade física, a fim de fazer entrar mais ar nos pulmões, e consequentemente
mais oxigênio para atender a demanda do corpo. Nesse sentido, como a capacidade vital,
que é a soma do volume corrente com os volumes de reserva inspiratória e expiratória,
não se altera com a atividade física, já que a capacidade de enchimento dos pulmões é
sempre a mesma, e tendo em vista que o volume corrente aumenta, é indutivo que os
volumes de reserva diminuem. Nesse caso, foi notado que o volume de reserva expiratória
aumentou ao invés de diminuir, nos levando a acreditar que o primeiro teste deveria ter
sido repetido, pois algum fator pode tê-lo comprometido. Além disso, como outra maneira
de captar mais oxigênio para o corpo durante os exercícios, o corpo tende a aumentar a
frequência respiratória, e foi exatamente o que aconteceu com a nossa voluntária. Por fim,
como o volume minuto respiratório se refere ao volume corrente multiplicado pela
frequência respiratória, e como houve um aumento de ambos os valores, é natural que
este também tenha aumentado no pós-teste.
Além da capacidade vital determinada na tabela, também é possível fazer o
cálculo da capacidade inspiratória (CI) da nossa voluntária somando-se o volume corrente
com o volume de reserva inspiratória. Dessa forma, tem-se que, no pré-teste, a CI foi
igual a 2540 ml e, no pós teste, 2310 ml.
É válido ressaltar que, no teste de espirometria, alguns volumes e capacidades não
podem ser aferidos, tais como o volume residual (VR), a capacidade residual funcional
(CRF), que corresponde à soma do VRE com o VR, e a capacidade total (CT), que é o
somatório dos quatro volumes primários. Isso ocorre pois o volume residual se refere ao
volume de gás que permanece no interior dos pulmões após a expiração contínua. Assim,
é impossível retirá-lo de dentro desse órgão para fazer a aferição. Portanto, todas as
capacidades que envolvem o VR também não podem ser determinadas.
Para finalizar, foi chamado um novo voluntário, a fim de realizar o teste
novamente. Os resultados obtidos estão listados na tabela a seguir:
Parâmetros Pré-teste Pós teste
Valor % Valor %
Capacidade Vital (CV ou 4840 ml 71 4750 ml 79
VC)
Vol. Reserva Inspiratória 2610 ml 2050 ml
(VRI-IRV)
Vol. Reserva Expiratória 1270 ml 64 1100 ml 55
(VRE-VER)
Volume Corrente (VC ou 950 ml 1600 ml
TV)
Frequência Respiratória (FR) 15 15
respirações/min respirações/min
Volume Minuto Respiratório 14,25 L/min 24 L/min

O novo voluntário, por ser do sexo masculino, apresentou um volume corrente


maior do que a voluntária anterior. Após o exercício, como já era esperado e já foi
explicado anteriormente, o volume corrente aumentou em detrimento dos volumes de
reserva inspiratória e expiratória. No entanto, um fato nos chamou atenção. A frequência
respiratória do rapaz permaneceu exatamente a mesma. Uma explicação para tal pode ser
devido a um bom preparo físico do voluntário. Ademais, foi possível observar que o
volume minuto respiratório aumentou, apesar da frequência permanecer a mesma, pois o
volume corrente também foi ampliado. Como já foi exposto, a capacidade vital não se
altera com a atividade física, devendo ter valores exatamente iguais. As diferenças entre
os valores de CV obtidos durante os testes nos indicam que estes devem ser realizados
mais vezes para obtermos uma boa aferição. As capacidades inspiratórias durante o pré
e pós-teste foram 3560 ml e 3650 ml, respectivamente.