Você está na página 1de 19

Universidade Federal de São João Del Rei – NEAD

Curso Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas e Equipamentos (PCRME) – Tarefa


II: Norma Regulamentadora NR 12 – Alterações – Lei Federal nº 5194/66 artigo 64.1 –
Unidades I e II da disciplina PCRME – EST UFSJ/NEAD

DIEGO DA SILVA MÉGDA

ALTEROSA – MG
Outubro 2019

1
1. 1ª Atividade: Ler os seguintes itens da NR 12 anterior: 12.1; 12.2; 12.3; 12.4;
12.5; 12.133; 12.134, 12.135 ao 12.154 Anexo II e Anexo IX da NR12, verificar
e escrever sobre as alterações apresentadas.

A Norma Regulamentadora NR 12 trata acerca da Segurança no Trabalho em


Máquinas e Equipamentos. No dia 7 de maio de 2019, a Comissão Tripartite Paritária
Permanente – CTPP, se reuniu em Brasília/DF para discutir a proposta de reestruturação
da NR 12. As modificações foram discutidas anteriormente pela Comissão Nacional
Tripartite Temática – CNTT NR12, em abril, resultando no novo texto aprovado pela
CTPP.
A numeração de cada item da NR 12 sofreu alteração, iniciando-se agora com a
demarcação do item “Princípios Gerais” como sendo o item 12.1.
Já no item subsequente, numerado no texto atual como 12.1.1, foi acrescentada a
observação opcional de normas europeias tipo “C” harmonizadas, que são normas de
segurança por categoria de máquinas, nas quais dão prescrição detalhadas de segurança a
um grupo particular de máquinas, conforme apresentado pela Nota Técnica NT 179 de
2016.
Ao item 12.1.4 do texto atual, antes item 12.2B, foram acrescentados os seguintes
pontos: d) aos equipamentos estáticos; e) às ferramentas portáteis e ferramentas
transportáveis (semiestacionárias), operadas eletricamente, que atendam aos princípios
construtivos estabelecidos em norma técnica tipo “C” (parte geral e específica) nacional
ou, na ausência desta, em norma técnica internacional aplicável; f) às máquinas
certificadas pelo INMETRO, desde que atendidos todos os requisitos técnicos de
construção relacionados à segurança da máquina. Isto é, no texto atual foram inclusas
novas categorias de máquinas e ferramentas, nas quais o NR 12 não se aplica.
Sem referência ao texto anterior, foi acrescido ainda o item 12.1.4.1, no qual diz
respeito a aplicação das disposições da NR 12 às máquinas existentes nos equipamentos
estáticos. Em outras palavras, apesar de máquinas e equipamentos estáticos não serem
objetos de aplicação dos dispostos apresentados da NR 12, as máquinas e equipamentos
acoplados ou pertencentes a esta categoria de máquina, devem ser observados.
Foi acrescentado o item 12.1.6 ao novo texto da NR 12, sem referência à algum item
do texto anterior da Norma. O item 12.1.6 informa que “é permitida a segregação, o
bloqueio e a sinalização que impeçam a utilização de máquinas e equipamentos, enquanto
estiverem aguardando reparos, adequações de segurança, atualização tecnológica,

2
desativação, desmonte e descarte”. Portanto esse item agrega um ponto a mais na questão
da segurança em máquinas e equipamentos, promovendo e chamando a atenção para o
estabelecimento de ações que visam a minimização dos riscos e proteção todos os
envolvidos com tais máquinas e/ou equipamentos, durante etapas de reparos, calibração,
ou qualquer outro tipo de intervenção.
No item 12.3 do texto anterior, foi retirado do texto a parte que trata a respeito da
adoção de medidas apropriadas sempre que houver pessoas com deficiência envolvidas
direta ou indiretamente no trabalho. Considera-se que estas medidas de adequação e
proteção devem ser adotas em qualquer tipo de atividade, garantidas, por sua vez, pelas
demais normativas que visam estabelecer a inclusão de pessoas com deficiência (PcD) no
mercado de trabalho.
Na nova versão foram acrescentados os itens 12.1.9.1 e 12.1.9.1.1, ambos sem
referência no texto anterior. Estes itens estabelecem os seguintes pontos:

12.1.9.1 A adoção de sistemas de segurança nas


zonas de perigo deve considerar as características técnicas
da máquina e do processo de trabalho e as medidas e
alternativas técnicas existentes, de modo a atingir o nível
necessário de segurança previsto nesta NR.

12.1.9.1.1 Entende-se por alternativas técnicas


existentes as previstas nesta NR e em seus Anexos, bem
como nas normas técnicas oficiais ou nas normas
internacionais aplicáveis e, na ausência ou omissão destas,
nas normas Europeias tipo “C” harmonizadas.

O item 12.1.9.1 em consideração, portanto, o estabelecimento de medidas técnicas


de segurança nas zonas consideradas perigosas levando-se em consideração não só
características técnicas da máquina, definido pela preposição “e”, mas também o processo
de trabalho, isto é, exigências inerentes do processo produtivo tomando-se como apoio a
segurança dos envolvidos. Tais medidas técnicas são definidas posteriormente no item
12.1.9.1.1, inclusive retomando a observação à normas europeias tipo “C” harmonizadas.
Foram também acrescidos os itens 12.1.11 e 12.1.12, ambos sem referência no
texto anterior.

3
12.1.11 As máquinas nacionais ou importadas
fabricadas de acordo com a NBR ISO 13849, Partes 1 e 2,
são consideradas em conformidade com os requisitos de
segurança previstos nesta NR, com relação às partes de
sistemas de comando relacionadas à segurança.

12.1.12 Os sistemas robóticos que obedeçam às


prescrições das normas ABNT ISO 10218-1, ABNT ISO
10218-2, da ISO/TS 15066 e demais normas técnicas
oficiais ou, na ausência ou omissão destas, nas normas
internacionais aplicáveis, estão em conformidade com os
requisitos de segurança previstos nessa NR.

Estes itens chamam a atenção para a segurança em máquinas e equipamento, como


sistemas de comando e sistemas robóticos, que seguem prescrições estabelecidas por
normas específicas, como NBR ISO 13849 e ABNT ISO 10218-1, reforçando a ideia de
que, por seguirem os dispostos apresentados pelas suas respectivas normas, estão em
conformidade com os requisitos de segurança previstos na NR 12.
No texto atual foi acrescido o item 12.2.1.1, no qual não possui referência com
algum item do texto anterior. Este item informa que “é permitida a demarcação das áreas
de circulação utilizando-se marcos, balizas ou outros meios físicos”. Constituindo,
portanto, mais um ponto com o intuito de aumentar a proteção nos locais de instalação de
máquinas e equipamentos através de diferentes tipos de demarcações.
Foi acrescido ao texto atual ainda, o item 12.2.8, no qual trata a respeito da
movimentação de materiais sobre os trabalhadores, em que “as máquinas, as áreas de
circulação, os postos de trabalho e quaisquer outros locais em que possa haver
trabalhadores devem ficar posicionados de modo que não ocorra transporte e
movimentação aérea de materiais sobre os trabalhadores”. Não são raros os acidentes
envolvendo o içamento de cargas e movimentação destas cargas sobre os trabalhadores,
portanto este item estabelece como prioritário o projeto áreas de circulação de materiais,
nos locais onde não há a circulação de pessoas, ou vice-versa. Nota-se que este item trata
não somente de máquinas e equipamentos, mas todo e qualquer posto de trabalho e local
de circulação, ampliando o conceito de proteção estabelecido pela NR 12.

4
O item 12.2.9, também acrescido ao texto atual, reforça o estabelecido por
regulamentação específica ou NR setorial, na questão de segurança envolvendo
sinalização, arranjos físicos, circulação, armazenamento.
Os itens 12.4.13 e 12.4.13.1, nos quais tratam a respeito da segurança envolvendo
instalações elétricas em máquinas e equipamentos, excluem do texto original o ponto que
trata a respeito do estabelecido por normas técnicas oficiais vigentes, sendo agora os
pontos estabelecidos por ambos itens tratadas de maneira prioritária, de observação
obrigatória.
Os itens que tratam a respeito dos sistemas de segurança, item 12.5 e subitens,
sofreram alterações no texto atual. Foi acrescido o item 12.5.1.1 no qual estabelece que
“quando utilizadas proteções que restringem o acesso do corpo ou parte dele, devem ser
observadas as distâncias mínimas conforme normas técnicas oficiais ou normas
internacionais aplicáveis”, e o item 12.5.2.1, informando que “a instalação de sistemas de
segurança deve ser realizada por profissional legalmente habilitado ou profissional
qualificado ou capacitado, quando autorizados pela empresa”. Portanto estes itens
ampliam o estabelecimento de medidas de segurança, fornecendo agora parâmetros mais
específicos e medidas mais objetivas de proteção envolvendo tais sistemas de segurança.
Deve-se notar, porém, que foi adotada o termo “resguardar” ao invés de “garantir” ao
referir-se aos sistemas de segurança, estabelecidos no item 12.5 e subitens. Apesar de
tratar-se de terminologias, nota-se que há um certo afastamento as utilizar o termo
“resguardar”, isto é, há uma sensação de que os sistemas de segurança por si só, não
podem garantir a proteção à saúde e à integridade física dos trabalhadores, mas sim
resguardar essa proteção.
Ao texto atual foi acrescido o item 12.5.6.1, no qual estabelece que é “permitida
a ligação em série, na mesma interface de segurança, de dispositivos de intertravamento
de diferentes proteções móveis, desde que observado o disposto na ISO/TR 24.119”. Mais
uma vez o texto atual da NR 12 faz referências a outras normas específicas, o que pode
ser caracterizado como uma modernização nos itens do texto atual da NR, já que estas
normas são constantemente revisadas.
O item 12.47 no texto anterior, referente ao item 12.5.9 no texto atual, sofreu
alterações no que se diz as proteções às transmissões de força e os componentes móveis
a elas interligados, acessíveis ou expostos. O texto atual informa que estes sistemas devem
possuir proteções fixas, ou móveis com dispositivos de intertravamento, que impeçam o

5
acesso por todos os lados, desde que ofereçam risco. Isso de fato constitui-se um
problema, já que nem sempre uma avaliação de riscos é realizada com certa frequência.
Ao item 12.55 do texto anterior, referente ao item 12.5.17 no texto, é acrescido
que ao ser exigido projeto, diagrama ou representação esquemática dos sistemas de
segurança de máquinas, em função do risco, somente são válidos os documentos em
língua portuguesa, conforme estabelecido pelo texto anterior, e elaborado por profissional
legalmente habilitado – acrescido ao novo texto -, o que reforça a importância do papel
de profissional legalmente habilitado durante a elaboração de tais documento, garantindo
maior confiabilidade aos documentos apresentados.
Assim como no texto anterior da NR 12, o texto atual em seus itens 12.8.2 e
12.8.2.1 informa a respeito da adoção de passarelas e o uso de plataformas móveis ou
elevatórias em correias transportadoras. Porém no texto atual é inserido o item 12.8.2.3,
dispensando a obrigatoriedade destes dispositivos os transportadores contínuos de correia
cuja manutenção e/ou inspeção seja realizada por meio de plataformas móveis ou
elevatórias, atendidos os requisitos do item 4 do Anexo III desta NR. Portanto trata-se de
uma simplificação com relação aos parâmetros de segurança estabelecidos no anterior, o
que, por sua vez, não significa maior exposição ao risco, já que métodos de avaliação
devem ser estabelecidos para uma correta apreciação dos riscos envolvidos em cada
situação.
Foram acrescentados ao texto atual da NR 12, os itens 12.9.1 e 12.9.2, nos quais
tratam de aspectos ergonômicos, como se segue:

12.9.1 Para o trabalho em máquinas e


equipamentos devem ser respeitadas as disposições
contidas na Norma Regulamentadora n.º 17 - Ergonomia.

12.9.2 Com relação aos aspectos ergonômicos, as


máquinas e equipamentos nacionais ou importadas
fabricadas a partir da vigência deste item devem ser
projetadas e construídas de modo a atender às disposições
das normas técnicas oficiais ou normas técnicas
internacionais aplicáveis.

Em compensação, os itens 12.94 ao item 12.105, no qual apresentam aspectos e


parâmetros voltados para a ergonomia em máquinas e equipamento, foram excluídos do
texto atual da NR 12. Mais uma vez nota-se uma simplificação no texto atual da NR 12 e
6
chamando atenção para o atendimento aos dispostos estabelecidos em normativas
específicas referentes à ergonomia.
O texto atual exclui de seus itens 12.11.1 e 12.11.2 o termo “manutenção
preventiva” e “manutenção corretiva”, informando que as manutenções devem ser
realizadas na forma e periodicidade determinada pelo fabricante, por profissional
legalmente habilitado ou por profissional qualificado. Portanto nota-se que o texto atual
não se preocupa com o estabelecimento de uma classificação das manutenções, sendo elas
estabelecidas de acordo com a periodicidade definida pelo fabricante, conforme normas
técnicas oficiais ou normas técnicas internacionais aplicáveis; a observação desta última,
por sua vez, não restrita somente à ausência das primeiras, como estabelecido no texto
anterior da NR 12 em seus itens 12.111 e 12.111.1.
Com relação às manutenções o texto ainda apresenta o item 12.11.2.2 no qual
estabelece que as manutenções preventivas devem possuir um cronograma de execução e
insere o termo “manutenção preditiva”, informando que esta deve “possuir descrição das
técnicas de análise e meios de supervisão centralizados ou de amostragem”. Este item
torna mais objetivo o modo como a manutenção preditiva deve ser realizada,
principalmente a respeito das análises efetuadas.
O item 12.121 do texto anterior também sofreu alterações. O item referente no
texto atual é o item 12.12.6. Este item trata a respeito da sinalização perante situações
consideradas perigosas, como a parada, a partida ou a velocidade excessiva de uma
máquina. No texto anterior destaca-se que o sinal de alerta deveria ser emitido antes que
ocorresse qualquer situação considerada perigosa, conforme estabelecido pela NR 12. No
texto atual é informado que os sinais de alerta devem ser emitidos de modo que indiquem
a ocorrência de um evento perigo (ou sua iminência, como citado por ambos). Devido a
ausência de referências bibliográficas que sustentem tal informação, supõe-se que esta
questão esbarra principalmente em limitações técnicas, apoiando-se ainda em questões de
padronização entre as máquinas fabricadas no Brasil e importadas, já que a maioria das
máquinas podem não estar adaptadas para emitirem um sinal de alerta, tais como sinais
luminosos e sonoros intermitentes, antes que uma parada, ou qualquer outra anomalia,
possam ser detectadas, mas sim após esta detecção. Portanto, com a atualização no texto
atual da NR 12 procura-se principalmente padronizar tais itens objetos de observação.
Os itens 12.12.7 e 12.12.7.1 do texto atual, informam que as máquinas e
equipamentos fabricados antes de 24 de dezembro de 2011, devem possuir em local
visível informações referentes ao fabricante e referente à máquina ou equipamento. No

7
texto anterior é informado que todos os equipamentos fabricados a partir da data de
vigência da Norma deveriam possuir tal informação. Portanto trata-se de uma atualização
que exclui uma grande parcela de equipamentos, muitas deles considerados antigos, do
cumprimento deste item da norma, o que pode prejudicar análises e perícias, por exemplo,
envolvendo tais equipamentos.
O item 12.13.3, inserido no texto atual, informa que “os manuais de máquinas e
equipamentos, nacionais ou importados, fabricadas a partir da vigência deste item, devem
seguir as normas técnicas oficiais ou internacionais aplicáveis”. Nota-se, portanto, uma
tentativa de simplificação e modernização do texto atual, no sentido de promover a
observação de normas internacionais, constantemente atualizadas, referente aos manuais
que acompanham as máquinas e equipamentos. Um problema que poderia decorrer desta
observação, poderia ser a presença de muitos padrões de manuais para equipamentos
fabricados por diferentes fornecedores.
Assim como no texto anterior, o item 12.14.2 do texto atual da NR 12, informa
que “ao início de cada turno de trabalho ou após nova preparação da máquina ou
equipamento, o operador deve efetuar inspeção rotineira das condições de
operacionalidade e segurança e, se constatadas anormalidades que afetem a segurança, as
atividades devem ser interrompidas, com a comunicação ao superior hierárquico”.
Posteriormente, é acrescentado o item 12.14.2.1, que informa que “não é obrigatório o
registro em livro próprio, ficha ou sistema informatizado da inspeção rotineira realizada
pelo operador prevista no subitem 12.14.2”. Infelizmente esse item exclui a necessidade
de registro em livro próprio, o que pode prejudicar a confirmação de registros de eventos
ocorridos durante o período de operação da máquina ou equipamento.
O texto atual exclui o item 12.132.1, que informa que “os serviços que envolvam
risco de acidentes de trabalho em máquinas e equipamentos, exceto operação, devem ser
precedidos de ordens de serviço - OS – específicas”. É notável que as ordens de serviço
cumprem um importante papel para proteção dos trabalhadores ao utilizarem máquinas e
equipamentos, este item fica, portanto, estabelecido na Norma Regulamentadora NR 1 –
Disposições Gerais – em seu item 1.4.1, subitem IV.c), no qual informa que cabe ao
empregador elaborar ordens de serviço sobre segurança e saúde no trabalho, dando
ciência aos trabalhadores.
No que se refere a capacitação dos trabalhadores, o texto atual exclui o item
12.140, 12.141 e 12.143 nos quais definem os requisitos mínimos para consideração de

8
um trabalhador ou profissional como qualificado, habilitado e autorizados,
respectivamente. Portanto o item restringe-se unicamente ao termo “capacitação”.
Sobre os anexos, o texto atual da NR 12, em seu item 12.17.5.2 informa que “as
obrigações dos anexos desta NR se aplicam exclusivamente às máquinas e equipamentos
neles contidas”, isto é, os dispostos apresentados em cada anexo destinam-se às categorias
e tipos de máquinas e equipamentos descritos, levando-se em consideração suas
peculiaridades, como zonas específicas de perigo em cada tipo de máquina ou
equipamento.
O item 12.153 do texto anterior, no qual exige que o empregador mantenha
“inventário atualizado das máquinas e equipamentos com identificação por tipo,
capacidade, sistemas de segurança e localização em planta baixa, elaborado por
profissional qualificado ou legalmente habilitado” é substituído pelo 12.18.1, no qual
estabelece que “o empregador deve manter à disposição da Auditoria-Fiscal do Trabalho
relação atualizada das máquinas e equipamentos”. De certa forma este item simplifica a
ação do Auditoria-Fiscal do Trabalho, otimizando-a, porém, retira a obrigatoriedade de
disposição de documentos importantes, que podem fornecer informações importantes
durante a auditoria.
Com relação aos anexos, no Anexo I, realocado para o item 12.5.1.1 no novo texto da
NR 12, o tema distâncias mínimas de segurança foi retirado, pois este trata de matéria
diversa (Requisitos para o uso de detectores de presença optoeletrônicos). O assunto
passou a ser remetido para normas técnicas.
Foram inseridos no Anexo III do novo texto da NR 12 todo conteúdo referente aos
meios de acesso – do item 12.64 ao item 12.76.1 – constantes no texto anterior da NR 12.
Algumas alterações ainda foram propostas, como exceções a medidas apresentadas pela
norma ISO, como no item 10.1 em que a largura útil das passarelas, plataformas e rampas
poderá ser reduzida, nos casos apresentados pelos subitens a) e b), em 0,5 m e não é 0,6
m como apresentado no texto anterior da NR 12. A mesma modificação é observada no
item 12.1, para escadas com único lance, cuja altura seja inferior a 1,50 m e no item 12.2,
para escadas de degraus com espelho das máquinas e equipamentos no intervalo de 3,0
m, devendo possuir largura útil mínima de 0,5 m.
No Anexo IV do novo texto da NR 12, foram inseridas as definições de termos
utilizados no novo texto da NR 12, não mencionados pelo texto anterior da NR, como
“dispositivo de obstrução”, “dispositivo mecânico”, “dispositivo de validação”,

9
“manutenção preditiva”, “normas europeias harmonizadas”, “normas do tipo A, B e C”,
dentre outras definições
Estes são, portanto, os principais pontos de alteração da NR 12. Conforme
estabelecido pela Nota Técnica n.° 48 do Ministério do Trabalho e Previdência Social, a
construção da nova NR 12 foi fundamentada tanto em normas nacionais quanto em
normas internacionais, conforme visto, tendo buscado harmonizar a legislação nacional
com as normas internacionais, propiciando um tratamento equânime entre as máquinas
fabricadas no país e as máquinas importadas.

2. 2ª Atividade: Responda qual a diferença entre o profissional habilitado e o


profissional qualificado, comparando as diferenças entre os dois textos da NR
12 (anterior e atual).

A Norma Regulamentadora n.º 12 (NR 12), Segurança no Trabalho em Máquinas e


Equipamentos, tanto em sua versão anterior quanto no texto da revisão, apresenta em seu
glossário (Anexo IV), que o profissional legalmente habilitado “é o trabalhador
previamente qualificado e com registro no competente conselho de classe, se necessário”.
Em muitos dos itens da NR 12, tanto em sua versão anterior quanto no texto da
revisão, nota-se o estabelecimento de requisitos mínimos e parâmetros necessários para
que máquinas e equipamentos atendam às suas exigências de segurança, sob a
responsabilidade de profissional legalmente habilitado inscrito no respectivo conselho de
classe e com a respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica (ART).
Já o profissional ou trabalhador qualificado, conforme estabelecido pela NR 12
em seu Anexo IV, tanto no texto anterior quanto no texto da revisão, é “aquele que
comprove conclusão de curso específico na sua área de atuação e reconhecido pelo
sistema oficial de ensino”.
Portanto a diferença entre ambos, refere-se à inscrição no respectivo conselho de
classe, em termos gerais. Portanto um profissional legalmente habilitado possui atribuição
profissional para a execução daquela atividade, sendo ele o responsável técnico pelo
projeto, coordenação ou execução da atividade, podendo inclusive emitir Anotação de
Responsabilidade Técnica (ART), se assim o exigir a atividade em questão.
Vemos o destaque de necessidade de emissão de ART pelo profissional
legalmente habilitado no Anexo VIII da NR 12 (relativo a prensas e similares), tanto no
texto anterior à revisão, em seu item 16.1, quanto no texto da revisão, em seu item 9.3,

10
em que informa que “qualquer transformação substancial do sistema de funcionamento
ou do sistema de acoplamento para movimentação do martelo - retrofitting de prensas e
equipamentos similares somente deve ser realizada mediante projeto mecânico elaborado
por profissional legalmente habilitado, acompanhado de Anotação de Responsabilidade
Técnica – ART”.

No que se diz respeito ao profissional qualificado, a sua denominação está


relacionada à sua capacitação, tanto teórica quanto profissional. Conforme estabelecido
por alguns itens da NR 12, vemos que o profissional qualificado está apto a executar
algumas atividades que podem ser atribuídas também ao profissional legalmente
habilitado. Vemos esse destaque no item 12.113 do texto antigo, e no item 12.11.3 do
texto revisado, em que é estabelecido que “a manutenção, inspeção, reparos, limpeza,
ajuste e outras intervenções que se fizerem necessárias devem ser executadas por
profissionais capacitados, qualificados ou legalmente habilitados, formalmente
autorizados pelo empregador, com as máquinas e equipamentos parados e adotando os
procedimentos descritos nos subitens de a) a e)”. Porém deve-se destacar que não é
atribuído ao profissional qualificado a responsabilidade técnica com emissão de ART,
conforme estabelecido ao profissional legalmente habilitado.

3. 3ª Atividade: Verifique e responda o que determina a Lei Federal nº 5194/66


artigo 64.
O Artigo 64 da Lei n° 5.194, de 24 de dezembro de 1966 informa que “será
automaticamente cancelado o registro do profissional ou da pessoa jurídica que deixar de
efetuar o pagamento da anuidade, a que estiver sujeito, durante 2 (dois) anos consecutivos
sem prejuízo da obrigatoriedade do pagamento da dívida”.
O artigo informa, portanto, que o profissional deve estar em dia com o pagamento da
anuidade devida ao respectivo conselho de classe, como o CREA por exemplo, para que
seja considerado no legítimo exercício da profissão. Dessa forma o profissional
legalmente habilitado somente será considerado como tal, se estiver em dia com o
pagamento da anuidade. Caso contrário, poderá perder o registro profissional caso a
anuidade não seja paga durante 2 (dois) anos consecutivos, sendo impedido, portanto, de
exercer legalmente sua profissão, não podendo assumir responsabilidade técnica por
qualquer obra, atividade, projeto com a emissão de Anotação de Responsabilidade
Técnica, caso a atividade assim o exija.

11
4. 4ª Atividade: Verifique e escreva sobre os itens estudados, nas Unidades I e
II da disciplina, nos seguintes trabalhos disponibilizados.

Trabalho 1: Terezan (2015) apresenta em seu trabalho uma proposta de confecção


de um inventário de acordo com a Norma Regulamentadora n° 12 (NR 12), adequando
ou indicando como realizar a adequação de máquinas e equipamentos de um determinado
setor de uma usina de álcool e açúcar. As adequações propostas em seu trabalho foram
realizadas anteriormente à publicação do texto da revisão da NR 12, portanto os itens
observados deveriam ser novamente vistoriados para que as adequações propostas
atendam aos requisitos de segurança estabelecidos pelo novo texto da norma.
As Tabelas 4, 5 e 6 do trabalho de Terezan (2015) faz um comparativo dos itens
(arranjo físico e instalações) observados em diferentes setores da usina, comparando-os
com os requisitos apresentados principalmente pela NR 12.
O primeiro item da Tabela 4 do trabalho de Terezan (2015) trata-se a respeito do item
12.6 do texto anterior à revisão da NR 12, com seu correspondente item no novo texto da
NR 12 sendo o 12.2.1 em que informa que “nos locais de instalação de máquinas e
equipamentos, as áreas de circulação devem ser devidamente demarcadas em
conformidade com as normas técnicas oficiais”. O autor verifica que, apesar de algumas
vias estarem demarcadas, algumas não possuem demarcações, caracterizando uma não
conformidade.
Outro item avaliado no presente estudo de caso apresentado na Tabela 4 trata-se do
item 12.6.2 do texto anterior à revisão da NR 12, com seu correspondente item no novo
texto da NR 12 sendo o item 12.2.1.2 em que informa que “as áreas de circulação devem
ser mantidas desobstruída”. Portanto trata-se de outro item que deve ser mantida sua
observação, mesmo com a alteração do texto da NR 12. O autor verifica que há
conformidade com relação a este item da NR 12.
O próximo item apresentado na Tabela 4 (Linha 4) faz referência não só a um único
item da NR 12, mas sintetiza os requisitos estabelecidos por vários itens da norma. Um
dos pontos destacados no item observado pelo autor, refere-se ao item 12.8.1 da NR 12,
em seu texto anterior à revisão, em que informa que “a distância mínima entre máquinas,
em conformidade com suas características e aplicações, deve garantir a segurança dos
trabalhadores durante sua operação, manutenção, ajuste, limpeza e inspeção, e permitir a
movimentação dos segmentos corporais, em face da natureza da tarefa”. A única

12
diferença entre o texto desse item e seu referente no novo texto da NR 12 – item 12.2.2 –
refere-se à substituição da palavra “garantir” pela palavra “resguardar”. Nota-se que essa
substituição se ajusta às limitações impostas pelos dispositivos, em que estes sozinhos
não podem garantir totalmente a segurança do operador, mas sim resguardar a sua
segurança, isto é, cobrir, servir como meio de proteção.
O último item observado pelo autor na Tabela 4 durante a inspeção, refere-se aos
requisitos exigidos para pisos dos locais de trabalho, onde houver máquinas e
equipamentos e das áreas de circulação. No texto anterior da NR 12 são apresentados
critérios específicos para estes locais, apresentados pelo item 12.9 da NR 12 em seus
subitens a), b) e c):
12.9 Os pisos dos locais de trabalho onde se
instalam máquinas e equipamentos e das áreas de
circulação devem:
a) ser mantidos limpos e livres de objetos,
ferramentas e quaisquer materiais que ofereçam riscos de
acidentes;
b) ter características de modo a prevenir riscos
provenientes de graxas, óleos e outras substâncias e
materiais que os tornem escorregadios; e
c) ser nivelados e resistentes às cargas a que estão
sujeitos.
No novo texto da NR 12 foram excluídos os itens a), b) e c), informando agora,
no seu item 12.2.4 que “o piso do local de trabalho onde se instalam máquinas e
equipamentos e das áreas de circulação devem ser resistentes às cargas a que estão
sujeitos e não devem oferecer riscos de acidentes”.
Durante a inspeção o autor observou que os pisos são constantemente limpos e
livres de objetos causadores de acidentes, o escoamento é efetivo, porém, pelo fato de o
piso ser vazado, a água de limpeza atinge outros níveis da fábrica, caracterizando,
portanto, a não conformidade. Além dessa observação, o novo item da NR 12 sugere uma
visão ampla a respeito da proteção envolvendo o piso desses locais, sendo necessárias
medidas que de eliminem qualquer tipo de risco nesses locais, além da observação da
resistência às cargas que estão sujeitos.
Na Tabela 5, Terezan (2015) faz novas avaliações a respeito dos sistemas de
segurança vistoriados na fábrica. O primeiro item da Tabela 5 (Linha 1), diz respeito ao

13
item 12.38 da NR 12 em que informa que “as zonas de perigo das máquinas e
equipamentos devem possuir sistemas de segurança, caracterizados por proteções fixas,
proteções móveis e dispositivos de segurança interligados, que garantam proteção à saúde
e à integridade física dos trabalhadores”. Mais uma vez no novo texto da NR 12 a palavra
“garantir” é substituída pela palavra “resguardar”. Supõe-se novamente que essa
substituição se ajusta às limitações impostas pelos dispositivos, em que estes sozinhos
não podem garantir totalmente a segurança do operador, mas sim resguardar a sua
segurança, isto é, cobrir, servir como meio de proteção. Para este item e para o item
posterior, referente ao item 12.38.1 (sem alteração no novo texto da NR 12), observou-se
que ambos atendem aos requisitos estabelecidos.
Na Tabela 6, Terezan (2015) faz uma análise dos dispositivos de parada de
emergência, comparando-os com os requisitos estabelecidos pela NR 12, no texto anterior
à revisão. Estes dispositivos são tratados no item 12.56 ao item 12.63.1 no texto antigo
da NR 12, com referência ao item 12.6 ao item 12.7.8.1 no novo texto da norma. Apenas
o item 12.56.2 sofreu alteração no novo texto da norma. O novo texto da norma inclui a
obrigação de serem equipadas com um ou mais dispositivos de parada de emergência (por
meio dos quais possam ser evitadas situações de perigo latentes e existentes), as máquinas
manuais, em que antes eram excetuadas da obrigação no texto anterior da NR 12.
Portanto, as vistorias devem contemplar este tipo de máquina para adequação ao novo
texto da NR 12.
Deve-se destacar novamente que o trabalho de Terezan (2015) teve como objetivo a
elaboração de um inventário para adequação de equipamentos e máquinas conforme os
requisitos especificados na NR 12, no seu texto anterior à revisão. A proposta de
elaboração de inventário é determinada pelo item 12.153 do texto anterior à revisão da
NR 12, informando que “o empregador deve manter inventário atualizado das máquinas
e equipamentos com identificação por tipo, capacidade, sistemas de segurança e
localização em planta baixa, elaborado por profissional qualificado ou legalmente
habilitado”. O novo texto da NR 12 exclui esta obrigação, sendo suficiente que a empresa
mantenha à disposição do Auditor-Fiscal do Trabalho uma relação de suas máquinas e
equipamentos, porém isso não exclui a obrigação de adequação dos itens observados,
conforme apresentados na Tabela 4, 5 e 6 do trabalho de Terezan (2015).

Trabalho 2: O próximo trabalho a ser analisado para adequação ao novo texto da NR


12, trata-se de um Trabalho de Conclusão de Curso elaborado por Bregalda, Paulino &

14
Silva (2015), tendo como objetivo a aplicação da NR 12 para adequação de máquinas e
equipamentos de uma metalúrgica.
Os autores propõem como primeiro passo da análise, assim como proposto pelo item
12.153 da NR 12 em seu texto anterior à revisão, necessidade do inventário da máquina
ou equipamento a ser analisado. O novo texto da NR 12 exclui esta obrigação, sendo
suficiente que a empresa mantenha à disposição do Auditor-Fiscal do Trabalho uma
relação de suas máquinas e equipamentos, não excluindo a obrigação de análise de risco.
A máquina objeto de análise dos autores, em que foi proposta a elaboração de
inventário e análise de risco está apresentada na Figura 1.a) e 1.b).

a) b)

Figura 1: a) Máquina Corta Canto, b) Máquina Corta Canto – Risco de mutilação


das mãos. Fonte: Bregalda, Paulino & Silva (2015)

Trata-se de uma máquina corta cantos, utilizada para fazer cortes de diferentes
ângulos em chapas de até 3 mm, com acionamento no pedal e suportes pneumáticos. A
máquina compõe o processo de fabricação (estamparia) de chapas de aços que são
utilizadas em estruturas (proteções externas) de catracas e relógio-ponto em geral.
A Figura 1.b) destaca o risco associado a mutilação das mãos na máquina em questão.
Portanto foram propostas melhorias com base nos requisitos estabelecidos pela NR 12, a
fim de eliminar tal risco.
A primeira medida adotada tem como base o item 12.44 do texto anterior à revisão da
NR 12, em que estabelece o a proteção deve ser móvel quando o acesso a uma zona de
perigo for requerido uma ou mais vezes por turno de trabalho, observando-se que: a) a

15
proteção deve ser associada a um dispositivo de intertravamento quando sua abertura não
possibilitar o acesso à zona de perigo antes da eliminação do risco; e b) a proteção deve
ser associada a um dispositivo de intertravamento com bloqueio quando sua abertura
possibilitar o acesso à zona de perigo antes da eliminação do risco. Este item não sofreu
alteração no novo texto da NR 12, estabelecido como 12.5.6. Portanto qualquer medida
adotada nesse sentido estará ainda de acordo com o novo texto da NR 12.
Outra item observado para o estabelecimento de medida de proteção na máquina corta
canto, é o item 6.5.1 do Anexo X da NR 12, em seu texto anterior à revisão, que informa
que “para as máquinas autopropelidas e seus implementos, a proteção deve ser móvel
quando o acesso a uma zona de perigo for requerido mais de uma vez por turno de
trabalho”. Este item manteve-se no novo texto da NR 12, portanto, qualquer medida
proposta observando tal item atende também aos mesmos requisitos estabelecidos pelo
novo texto da NR 12.
A Figura 2 mostra a proteção de acrílico utilizada após a análise de risco tendo como
base os itens da NR 12 descritos anteriormente.

Figura 2: Máquina Corta Canto com proteção de acrílico – Parte superior.

Além das modificações propostas na máquina Corta Canto, foi identificada a


necessidade de reorganizar o arranjo físico da fábrica, para atendimento aos requisitos
estabelecidos pela NR 12 em seu texto anterior à revisão. A NR 12, em seu texto anterior
à revisão, trata a respeito do arranjo físico e instalações no item 12.6 ao item 12.13. No
novo texto da NR 12, estes requisitos são estabelecidos no item 12.2 ao item 12.2.9.

16
Uma das modificações incluídas no novo texto da NR 12, trata-se do item 12.2.1.1
em que informa que “é permitida a demarcação das áreas de circulação utilizando-se
marcos, balizas ou outros meios físicos”. No texto anterior a demarcação deveria ser feita
em conformidade com normas técnicas oficiais, portanto caso a norma não estabelecesse
o uso de marcos, balizas e outros meios físicos, estes não poderiam ser utilizados.
Outra alteração refere-se a exclusão do item 12.6.1 no novo texto da NR 12, em que
estabelece que “as vias principais de circulação nos locais de trabalho e as que conduzem
às saídas devem ter, no mínimo, 1,20 m (um metro e vinte centímetros) de largura”.
Portanto trata-se de uma simplificação a respeito das vias de circulação, no que se diz
respeito ao estabelecimento de medidas mínimas de segurança. Contudo deve-se destacar
que o item 12.2.3, no novo texto da NR 12, estabelece que “as áreas de circulação e
armazenamento de materiais e os espaços em torno de máquinas devem ser projetados,
dimensionados e mantidos de forma que os trabalhadores e os transportadores de
materiais, mecanizados e manuais, movimentem-se com segurança”. Portando a exclusão
de medidas mínimas para áreas de circulação no novo texto da NR 12, não exclui a
necessidade de adoção de medidas de segurança para as áreas circulação de trabalhadores
e materiais, inclusive a adoção de medidas mais restritivas, caso assim o exija.

17
Referências Bibliográficas
1) BRASIL, FUNDACENTRO. CTPP aprova novo texto da NR 12. Publicado por
Fundacentro/ACS - Cristiane Reimberg em 10 de maio de 2019. Disponível em <
http://www.fundacentro.gov.br > Acesso em 23 de setembro de 2019.

2) BRASIL, MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. NR – 12 – Segurança


no Trabalho em Máquinas e Equipamentos. Portaria MTb n.º 3.214 de 08 de junho
de 1978. Diário Oficial da União, Sessão 1. Brasília/DF, 1978.

3) BRASIL, MINISTÉRIO DO TRABALHO. Nota Técnica n.º 179. Brasília/DF,


2016.

4) BRASIL. NR – 12 – Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos.


Portaria SEPRT, n.º 916 de 30 de julho de 2019. Diário Oficial da União. Brasília/
DF, 2019. Disponível em < https://enit.trabalho.gov.br > Acesso em 24 de
setembro de 2019.

5) BRASIL. Norma Regulamentadora n.º 1 – Disposições Gerais. Portaria SEPRT


n.º 915, 30 de julho de 2019. Diário Oficial da União. Brasília/ DF, 2019.

6) BRASIL, MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL. Nota


Técnica n.° 48. Brasília/DF, 2016.

18
7) BRASIL. Lei nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966. Regula o exercício das
profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e dá outras
providências. Brasília/DF, abr. 1967.

8) TEREZAN, A. L. Inventário para adequação de máquinas e equipamentos em


usina de etanol conforme a Norma Regulamentadora Nº 12. Trabalho de
Conclusão de Curso (Monografia), Centro de Tecnologia, Universidade Estadual
de Maringá (UEM). Maringá/PR, 2015.

9) BREGALDA, M. B.; PAULINO, V. C.; SILVA, W. B. Aplicação da NR 12 em


máquinas e equipamentos: estudo de caso. Trabalho de Conclusão de Curso
(Monografia), Departamentos Acadêmicos de Eletrônica (DAELN) e Mecânica
(DAMEC), Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Curitiba/PR,
2015.

19

Você também pode gostar