Você está na página 1de 10

1

ACONSELHAMENTO PASTORAL

Módulo 001

Diretrizes para o uso da Bíblia no Aconselhamento Pastoral

I- Introdução

Olá seja bem-vindo à disciplina ‘Aconselhamento Pastoral’, essa é a videoaula de


nosso primeiro módulo, hoje eu quero conversar com você sobre o uso da Bíblia no
‘Aconselhamento Pastoral’, neste primeiro capítulo você viu um pouco da história do
surgimento do ‘Aconselhamento Pastoral’, e você deve ter percebido que o grande dilema
entre as correntes de ‘Aconselhamento Pastoral’, está envolvendo sempre como se usa a
Bíblia.

“Jay Adamsi:- A Bíblia é suficiente para resolver todas as questões de


aconselhamento pastoral.”

Por isso ele (Jay Adams), afasta a Psicologia, afasta a Psiquiatria, afasta a Psicanálise
a Sociologia, a Antropologia, e qualquer outra ciência que pudesse eventualmente ajudar na
compreensão do ser humano.

“Gary Collinsii:- Integração entre Psicologia e Bíblia de maneira


balanceada.”

Gary Collins é mais integrativo, ele vai trabalhar integrando a Psicologia, e usado a
Psicologia e a Bíblia numa proporção bem balanceada.
2
“Howard Clinebelliii:- Utilização de principios, e não necessariamente de
versículos.”

E depois, no final Howard Clinebell trabalha com a Bíblia também, mas usando mais
principios do que textos Bíblicos.

Bom e o que nós podemos falar então, sobre o uso da Bíblia no ‘Aconselhamento
Pastoral’, eu quero deixar para vocês nesta videoaula, seis diretrizes que vão ajudar vocês a
pensarem no uso da Bíblia durante as suas sessões de aconselhamento.

2:04
II- Diretrizes:

1- A Bíblia é sempre o ponto de partida:-

A primeira diretriz é a seguinte a Bíblia é sempre o ponto de partida, é claro que você
utiliza a Psicologia, você pode utilizar principios de Psicanalise, você estudou isso e
Psicologia também, mas quando alguém vem procurar você, para um ‘Aconselhamento
Pastoral’, a Bíblia tem que estar como ponto de partida, se a pessoa quisesse algum conselho
alguma orientação, alguma compreensão do ponto de vista da Psicologia, procuraria um
Psicologo, se fosse do ponto de vista de uma Psicanalise procuraria um Psicanalista, procurou
você, porque entende que você é um pastor, e que o aconselhamento é Pastoral.

A figura do pastor e da Bíblia, são figuras que estão sempre muito interligadas, por
isso o ponto de partida, é sempre a Bíblia, para o seu trabalho o uso da Bíblia precisa ser
criterioso, no sentido de que ela pode servir até de justificativa para várias outras coisas,
vamos ver isso mais para frente.

“A Bíblia sempre propõe um roteiro:- através de uma parábola, uma


passagem, um versículo que você pode usar para ajudar um aconselhando.”
3
Mas a Bíblia vai sempre colocar um roteiro, são os principios Bíblicos, é uma parábola
da Bíblia, é uma passagem da Bíblia, é um versículo que você vai ajudar aquele
aconselhando a entender que ele está no contexto do ‘Aconselhamento Pastoral’, e que neste
contexto a Bíblia também é uma ferramenta importante para reorganização, para fazer com
que aquele indivíduo que está procurando aconselhamento, tenha chance de descobrir a saída
para a sua própria dificuldade.

“Qualquer aconselhamento pastoral em que alguma técnica esteja muito


acima da Bíblia está desbalanceada.”

Por isso a Bíblia oferece principios bem importantes, e que você deve sempre partir da
Bíblia, qualquer ‘Aconselhamento Pastoral’ que alguma técnica esteja muito acima da Bíblia,
esse ‘Aconselhamento Pastoral’ está desbalanceado, a Bíblia tem que estar presente e tem que
ter um lugar de importância no ‘Aconselhamento Pastoral’.

4:28
2- A Bíblia não pode ser usada para apoiar práticas moralistas:-

O segundo ponto que eu quero conversar com vocês é que a Bíblia não pode servir
para apoiar práticas moralistas, o uso da Bíblia precisa ser criterioso no sentido de, não se
prestar a um escudo para servir, você já deve ter visto isso, alguns conselheiros colocam a
Bíblia a serviço da sua rigidez moral.

“A Bíblia é um livro que fala da moralidade, mas não é moralista.”

A Bíblia contém uma série de principios morais, podemos até dizer que a Bíblia é um
livro que fala da moralidade, mas a Bíblia não é moralista, e por isso as práticas moralistas,
que muitas pessoas, tem por ai, não devem ser justificadas com os textos Bíblicos.

A Bíblia não pode servir de escudo, e nem justificativa para fazer com que o
moralismo do conselheiro, se coloque diante daquele que está buscando aconselhamento, do
aconselhando.
4
Na verdade a Bíblia deve nos fazer pensar sobre os nossos principios morais, você vai
perceber que a Bíblia embora seja um livro de moralidade, que fala sempre de questões moral,
não é um livro moralista no sentido que estamos vendo nos dias de hoje.

6:04
3- A Bíblia deve ser usada apenas como Revelação de Deus:-

A terceira dica que eu quero deixar com você, é que a Bíblia deve ser usada apenas
como Revelação de Deus, e quando digo apenas, a Bíblia é o livro mais importante para nós
cristãos, ela fala sobre diversos assuntos, ela trabalha vários aspectos da vida humana, mas ela
acima de tudo ela é Revelação de Deus para as nossas vidas.

Algumas pessoas, e algumas correntes de aconselhamento pretendem utilizar a Bíblia


como um livro de ciência por exemplo, a Bíblia não é livro de ciência, é um pouco desleal
procurar confrontar a Bíblia sempre com problemas, com propostas científicas que estão
sendo colocadas agora na nossa atualidade.

A Bíblia é o livro da Revelação de Deus, ela narra a trajetória do povo de Deus no seu
relacionamento com Deus, e a Bíblia tem o seu pano de fundo, e ela deve ser usada nesse
aspecto, por isso a Bíblia tem que ser usada apenas como Revelação de Deus, colocar a Bíblia
acima da ciência, confrontá-la como os mais diversos principios e descobertas científicas, é
colocar a Bíblia numa situação que ela não precisa ficar, por isso use a Bíblia como
Revelação.

O verdadeiro sentido da palavra ‘viva’, é que deve ser resgatado no seu


aconselhamento, no momento em que você está prestando aconselhamento, a Bíblia tem que
ser esse instrumento que facilitara que o aconselhando encontre consolo, direção e comunhão
com Deus, não coloque a Bíblia para ficar em lugares em que ela não deve ficar.

8:16
5
4- A Bíblia deve ser entendida como fonte de princípio de vida:-

A nossa quarta recomendação é que a Bíblia deve ser entendida como fonte de
princípios para a vida, você vai encontrar muito por ai, pessoas que usam textos Bíblicos, que
usam as vezes grandes trechos da Bíblia de cor pra justificar algumas posições pessoais, claro
que conhecer a Bíblia, decorar os textos, fazer ligações entre um texto e outro, tudo isso pode
ser importante quando você está no exercício do ‘Aconselhamento Pastoral’; no entanto, o
que eu quero dizer com esse ponto, que a Bíblia deve ser entendida como fonte de principios
de vida, ou principios para vida.

“Principios da Bíblia como o amor e a graça estão acima da citação de


algum eventual trecho ou texto que às vezes as pessoas usam fora do contexto.”

É que os principios da Bíblia, estão acima da citação dos textos, por exemplo:- o
princípio do amor, o princípio da graça, estes principios estão acima de algum eventual texto,
de algum eventual trecho da Bíblia, que às vezes as pessoas usam fora do contexto, mais
importante do que mencionar textos inteiros da Bíblia, é você captar a verdade dos principios
da Bíblia que pode ser aplicados na vida do aconselhando.

Mais do que textos, então a Bíblia deve partir dos seus pressupostos, dos seus próprios
principios, os principios Bíblicos podem ser, e serão certamente terapêuticos para aquele que
busca aconselhamento, você pode usar os textos Bíblicos, mas além dos textos Bíblicos você
tem que encontrar os principais conceitos que estão na Bíblia, para aplicar na vida do
aconselhando.

10:39
5- A Bíblia deve ser usada como valioso instrumento de ajuda:-

A nossa quinta orientação, quinta diretriz é que a Bíblia deve ser usada como valioso
instrumento de ajuda, você viu na prática de ‘Jay Adams’, na forma como ‘Jay Adams’
trabalha o aconselhamento, que a Bíblia deve se usada para confrontar, e de fato muitas
pessoas usam mesmo a Bíblia neste contexto, no contexto da confrontação, e a confrontação
6
em algum momento pode até eventualmente acontecer, mas a Bíblia é um livro que coleciona
histórias de pessoas que receberam ajuda de Deus.

“Quando alguém te procura no seu gabinete pastoral, esta pessoa


sempre precisa de ajuda, mas nem sempre de confrontação.”

Quando alguém procura você no seu gabinete pastoral, ela sempre precisa de ajuda,
nem sempre precisa de confrontação, por isso, a confrontação pode ser até uma técnica
interessante, ate ser utilizada em alguns casos, mas não é a única maneira de você usar a
Bíblia.

A Bíblia precisa ser usada para consolar, a Bíblia usada por exemplo, no leito do
hospital, para orientar uma família que está enlutada, para trabalhar com alguém que veio ao
seu gabinete que descobriu uma doença grave, essa pessoa precisa de consolo.

Por isso usar a Bíblia como uma fonte inesgotável de principios que podem ajudar as
pessoas que estão buscando ajuda, se você consegue fazer isso, você transforma o
‘Aconselhamento Pastoral’ numa experiência encantadora para a vida das pessoas que estão
procurando você.

A Bíblia serve para informar, os principios Bíblicos, eles ajudam as pessoas quando
eles indicam caminhos, não estou falando aqui de dar conselhos, mas de indicar principios
Bíblicos, informar a maneira como Deus entende aquela situação que o aconselhando está
passando naquele momento, a Bíblia precisa ser libertada da ideia de que ela serve apena para
confrontar, e precisa ser usada como instrumento de ajuda.

Ela serva para reencaminhar, você viu nas páginas da Bíblia que muitas pessoas
encontraram Jesus, e estavam desencaminhadas na vida, e ao encontrarem Jesus elas
reencaminharam a vida.

O aconselhamento tem essa função, de fazer com que o aconselhando encontre um


novo caminho, uma nova proposta, uma nova maneira de enfrentar as dificuldades que lhe
tem enfrentado, por isso a Bíblia serve para reorientar as pessoas, no sentido da realização das
suas maiores potencialidades, usar apenas como confrontação pode fazer com que você perca
7
a oportunidade de estimular a potencialidade daquele que veio buscar ajuda, por isso a Bíblia
é um manancial e informações, de principios, de orientações importantes que devem servir de
instrumentos de ajuda, para aqueles que vieram buscar aconselhamento no seu gabinete com
você.

14:55
6- A Bíblia não pode estar a serviço do juízo do conselheiro:-

Por último, a Bíblia não pode estar a serviço do juízo do conselheiro, a Bíblia deve ser
usada sempre a partir da perspectiva do amor, as vezes a gente vê alguns tele evangelistas,
algumas pessoas que aparecem na televisão fazendo uso da Bíblia, sempre no sentido de
acusar, de condenar, e as vezes alguns conselheiros também usam a Bíblia nesse sentido.

A Bíblia deve ser usada a partir da dinâmica do amor, o amor de Deus pelos homens é
o que permeiam todas as páginas da Bíblia, usar a Bíblia fora deste prisma, é uma
descaracterização do livro da vida, por isso a Bíblia tem que ajudar as pessoas sempre movida
pelo amor, usar a Bíblia como instrumento de condenação não é correto, por isso nós tivemos
seis dicas para você usar a Bíblia no se ‘Aconselhamento Pastoral’.

- Sempre usá-la como seu ponto de partida, e isso é uma coisa importante, não deixe
que nenhuma técnica ocupe o lugar principal do ‘Aconselhamento Pastoral’;

- Nao usar a Bíblia para práticas moralistas, faça antes de começar o aconselhamento
um exame, se aquilo que você está pensando no aconselhando, é Bíblico ou é do seu
arcabouço moralista;

- A Bíblia não deve ser usada fora do espectro da Revelação de Deus, sempre ela será
Revelação de Deus, e a Revelação de Deus é o que a pessoa que veio buscar ajuda precisa;

- A Bíblia deve ser usada como fonte de principios de ajuda, não há livro nenhum no
mundo que tenha mais principios de vida, do que a Palavra de Deus;

- A Bíblia precisa ser usada como um instrumento prático de ajuda;


8
- E por fim ela não pode estar a serviço do juízo do conselheiro.

Espero que essas diretrizes ajudem você a usar a Bíblia no seu gabinete pastoral, Deus
te abençoe.

Dr. Esny Cerene Soares

Soli Deo Gloria


J.M.Kran
9
i Jay E. Adams exerce um ministério de mais de 40 anos na área de aconselhamento bíblico.
Obteve seu Ph.D pela Universidade de Missouri e serviu como professor no Seminário
Teológico de Westminster por vários anos. Dr. Adams fundou os ministérios Christian
Counseling and Educational Foundation (CCEF) e National Association of Nouthetic
Counselors (NANC).

Escreveu mais de 50 livros sobre ministério pastoral, pregação, aconselhamento, estudo


bíblico, e vida cristã, entre eles:- A vida Cristã no Lar, Conselheiro Capaz, Como Vencer o
Vicio, Auto Estima – Uma Perspectiva Bíblica, De Perdoado a Perdoador, Manual do
Conselheiro Cristão, entre outros.

ii Gary R. Collins – É Ph.D. em psicologia clínica, presidente da American Association of


Christian Counselors e editor da Christian Counseling Today, foi professor de psicologia na
Trinity Evangelical Divinity School por vinte anos.

Conferencista internacional e uma das maiores autoridades em aconselhamento cristão,


Collins já veio ao Brasil várias vezes, para falar ora nos encontros nacionais do Corpo de
Psicólogos e Psiquiatras Cristãos (CPPC), ora nos congressos da Associação Brasileira de
Aconselhamento Cristão Evangélico (ABRACE).

Autor de mais de cinquenta livros, estes são alguns dos seus livros:- Você Pode Fazer a
Diferença, Ajudando uns aos Outros pelo Aconselhamento, Aconselhamento Cristão, entre
outros.

Para saber mais sobre o autor sugiro este artigo da ‘Fides Reformata’ do Mackenzie:-
http://www.mackenzie.br/fileadmin/Mantenedora/CPAJ/Fides_Reformata/
02_AconselhamentoCristao.pdf
10
iii Howard J. Clinebell, nascido em Springfield, Illinois em 1922, graduou-se na
Universidade de DePauw em Indiana, no Seminário Garrett em Illinois, e fez seu
doutoramento na Universidade de Columbia em Nova York. Foi um teólogo de renome e
pastor metodista, morreu aos 83 anos em 13 abril de 2005 por complicações de mal de
Parkinson. Como um dos primeiros defensores da formação em psicoterapia para os
seminaristas que pretendem trabalhar como conselheiros em diversos âmbitos, Clinebell
ajudou a fundar o movimento de aconselhamento pastoral, o qual foi pioneiro dessa formação.
Ele era um membro fundador da American Association. Pastoral dos Conselheiros e serviu
como presidente em 1964-65.

Você também pode gostar