Você está na página 1de 79

CT 110 – Eletrotécnica

Básica
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

APRESENTAÇÃO

A eletricidade é uma das mais importantes formas de energia usada no mundo de hoje. Sem
ela, não existiria iluminação adequada, comunicações de rádio, televisão, computadores e nem os
serviços telefônicos. As pessoas teriam que se conformar em viver sem os eletrodomésticos tão
comuns hoje em dia. Além disso, sem a eletricidade o setor de transportes não seria como é
atualmente, uma vez que a eletricidade é utilizada em todos os tipos de veículos.

Em relação às atividades industriais, o consumo é intensivo, pois, praticamente, todos os


processos empregam a energia elétrica de uma forma ou outra.

Uma análise rápida dos fatos leva a conclusão que a eletricidade está presente em todos os
campos da atividade humana.

Por essa rápida exposição, verifica-se que esse assunto é excepcionalmente importante, tanto
para mantenedores, sejam eletricista ou mecânicos, quanto para operadores.

Sendo assim, o procurou-se no Projeto Multifunção fornecer uma formaçao básica sobre o
assunto.
Observa-se que apesar disso, o assunto é bastante extenso, o que levou à necessidade de
dividí-lo em duas disciplinas. Na primeira delas, correspondente a esse texto, são tratados os temas
relacionados à corrente contínua, enquanto, na segunda, os de corrente alternada.

Nesse cenário, esse material foi especialmente desenvolvido para abordar os seguintes temas
básicos de eletrotécnica, considerando o emprego de corrente contínua:
O Capítulo 1 apresenta várias definições básicas para o estudo e compreensão da
eletricidade.
O Capítulo 2 introduz os conceitos relativos à corrente e tensão elétrica.
No Capítulo 3 se estudam as resistências elétricas e os seus comportamentos em um circuito.
O Capítulo 4, por outro lado, apresenta os elementos de um circuito e fornece procedimentos
para a sua resolução.
O Capítulo 5 aborda o conceito de potência elétrica nos circuitos de corrente contínua e seus
componentes.
O Capítulo 6 é dedicado às leis de Kirchhoff e o seu emprego na resolução de circuitos mais
complexos que os apresentados nos capítulos anteriores.
Finalmente, para a fixação da aprendizagem, o Anexo apresenta as resoluções de todos os
exercícios propostos, divididos por capítulos.
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

ÍNDICE

CAPÍTULO 1: NATUREZA DA ELETRICIDADE ____________________________________ 1


RESUMO __________________________________________________________________________ 1
1.0 - INTRODUÇÃO _________________________________________________________________ 1
2.0 - MATÉRIA _____________________________________________________________________ 1
3.0 - ÁTOMO _______________________________________________________________________ 1
4.0 – CARGA ELÉTRICA ____________________________________________________________ 1
5.0 - PRODUÇÃO DE ELETRICIDADE ________________________________________________ 2
6.0 - CONDUTORES, ISOLANTES ELÉTRICOS E SEMICONDUTORES ___________________ 2
6.1 – Condutores Elétricos ___________________________________________________________________ 2
6.2 – Isolantes Elétricos _____________________________________________________________________ 3
6.3 - Semicondutores________________________________________________________________________ 3

CAPÍTULO 2: CORRENTE E TENSÃO ELÉTRICA __________________________________ 4


RESUMO __________________________________________________________________________ 4
1.0 - INTRODUÇÃO _________________________________________________________________ 4
2.0 – FORMAÇÃO DA CORRENTE ELÉTRICA_________________________________________ 4
3.0 – INTENSIDADE DA CORRENTE ELÉTRICA_______________________________________ 5
Exercícios de fixação _____________________________________________________________________ 5
4.0 – CIRCUITO ABERTO E FECHADO _______________________________________________ 6
5.0 – TENSÃO ELÉTRICA ___________________________________________________________ 7
EXERCÍCIOS PROPOSTOS __________________________________________________________ 7

CAPÍTULO 3: RESISTÊNCIA ELÉTRICA __________________________________________ 8


RESUMO __________________________________________________________________________ 8
1.0 - INTRODUÇÃO _________________________________________________________________ 8
2.0 – RESISTÊNCIA ELÉTRICA ______________________________________________________ 8
Exercícios de fixação _____________________________________________________________________ 8
3.0 – PRIMEIRA LEI DE OHM________________________________________________________ 9
Exercícios de fixação _____________________________________________________________________ 9
4.0 – SEGUNDA LEI DE OHM _______________________________________________________ 10
Exercícios de fixação ____________________________________________________________________ 11
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

5.0 – VARIAÇÃO DA RESISTÊNCIA COM A TEMPERATURA __________________________ 12


Exercícios de fixação ____________________________________________________________________ 12
6.0 - RESISTORES _________________________________________________________________ 12
7.0 – ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES ________________________________________________ 13
7.1 – Associação em Série __________________________________________________________________ 13
Exercícios de fixação ____________________________________________________________________ 14
7.2 – Associação em Paralelo ________________________________________________________________ 14
Exercícios de fixação ____________________________________________________________________ 15
7.3 – Associação Mista _____________________________________________________________________ 15
Exercício de fixação _____________________________________________________________________ 16
7.4 – Curto-Circuito _______________________________________________________________________ 16
Exercício de fixação _____________________________________________________________________ 17
8.0 – REPRESENTAÇÃO SIMBÓLICA________________________________________________ 17
9.0 - TRANSFORMAÇÃO ESTRELA - TRIÂNGULO ___________________________________ 18
Exercício de fixação _____________________________________________________________________ 18
EXERCÍCIOS PROPOSTOS _________________________________________________________ 19

CAPÍTULO 4: CIRCUITOS EM CORRENTE CONTÍNUA ____________________________ 24


RESUMO _________________________________________________________________________ 24
1.0 - INTRODUÇÃO ________________________________________________________________ 24
2.0 – FONTES______________________________________________________________________ 24
3.0 – CARGAS _____________________________________________________________________ 25
4.0 - SENTIDO DA CORRENTE ELÉTRICA ___________________________________________ 25
5.0 – ASSOCIAÇÃO DE FONTES_____________________________________________________ 26
Exercícios de fixação ____________________________________________________________________ 27
6.0 – RESOLUÇÃO DE CIRCUITOS SIMPLES_________________________________________ 28
Exercícios de fixação ____________________________________________________________________ 29
7.0 – DIVISORES DE TENSÃO E CORRENTE _________________________________________ 30
Exercícios de fixação ____________________________________________________________________ 31
8.0 – CHAVES E FUSÍVEIS __________________________________________________________ 32
8.1 - Chaves______________________________________________________________________________ 32
Exercício de fixação _____________________________________________________________________ 33
8.2 - Fusíveis _____________________________________________________________________________ 33
Exercício de fixação _____________________________________________________________________ 34
9.0 – AMPERÍMETRO E VOLTÍMETRO______________________________________________ 35
Exercício de fixação _____________________________________________________________________ 36
10.0 – PONTE DE WHEATSTONE____________________________________________________ 36
EXERCÍCIOS PROPOSTOS _________________________________________________________ 37
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

CAPÍTULO 5: POTÊNCIA ELÉTRICA ____________________________________________ 39


RESUMO _________________________________________________________________________ 39
1.0 - INTRODUÇÃO ________________________________________________________________ 39
2.0 – POTÊNCIA ELÉTRICA ________________________________________________________ 39
Exercícios de fixação ____________________________________________________________________ 39
3.0 – EFEITO JOULE _______________________________________________________________ 40
4.0 - POTÊNCIA DISSIPADA EM UM RESISTOR ______________________________________ 40
Exercícios de fixação ____________________________________________________________________ 41
5.0 – POTÊNCIA DA FONTE ________________________________________________________ 41
EXERCÍCIOS PROPOSTOS _________________________________________________________ 41

CAPÍTULO 6: ANÁLISE DE CIRCUITOS _________________________________________ 43


RESUMO _________________________________________________________________________ 43
1.0 - INTRODUÇÃO ________________________________________________________________ 43
2.0 - NÓS, MALHAS E RAMOS ______________________________________________________ 43
3.0 – RESOLUÇÃO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS COM UMA MALHA ___________________ 43
Exercícios de fixação ____________________________________________________________________ 44
3.0 – LEIS DE KIRCHHOFF _________________________________________________________ 45
3.1 - Lei de Kirchhoff das Correntes (LKC) _____________________________________________________ 45
3.2 - Lei de Kirchhoff das Tensões (LKT) ______________________________________________________ 46
Exercícios de fixação ____________________________________________________________________ 47
EXERCÍCIOS PROPOSTOS _________________________________________________________ 50

ANEXO: RESOLUÇÃO DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS ____________________________ 52


RESUMO _________________________________________________________________________ 52
CAPÍTULO 2 ______________________________________________________________________ 52
CAPÍTULO 3 ______________________________________________________________________ 52
CAPÍTULO 4 ______________________________________________________________________ 64
CAPÍTULO 5 ______________________________________________________________________ 68
CAPITULO 6 ______________________________________________________________________ 70
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

"O essencial é invisível aos olhos."

Antoine de Saint Exupery (1900 - 1944)


Aviador e escritor francês, autor do clássico “O
Pequeno Príncipe”.
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

CAPÍTULO 1: NATUREZA DA ELETRICIDADE

RESUMO bauxita, a qual, se dividida novamente em duas partes,


chega-se aos elementos que a compõe.
Este capítulo apresenta várias definições
básicas para o estudo e compreensão da eletricidade.
3.0 - ÁTOMO
1.0 - INTRODUÇÃO O átomo é a menor partícula que um elemento
Apesar do uso intensivo da eletricidade só ter- pode ser reduzido, mantendo as propriedades deste
se iniciado no século 19, sua descoberta data de 2.000 elemento. Se uma gota de água for reduzida ao menor
anos e foi atribuída aos gregos. Eles observaram que tamanho possível, obtém-se uma molécula de água.
quando um material, hoje conhecido como âmbar, era Entretanto, se ela for reduzida mais ainda, chega-se aos
atritado com alguns materiais, ele conseguia atrair átomos de hidrogênio e oxigênio.
certos materiais, tais como folhas secas e serragem. Os Se o átomo de um elemento for dividido, esse
gregos chamaram o âmbar de elektron, o que originou elemento deixará de existir nas partículas que restarem.
a palavra eletricidade. A razão disso é que essas partículas menores estão
A partir do século 17, vários cientistas presentes em todos os átomos dos diferentes elementos
desenvolverem estudos no assunto, porém existentes.
consideravam que a eletricidade era um fluido Um átomo contém várias partículas
composto de cargas positivas e negativas. Atualmente, elementares, mas as principais para a eletricidade são
porém, ela é definida como sendo produzida por os elétrons, prótons e nêutrons.
partículas denominadas elétrons e prótons.
4.0 – CARGA ELÉTRICA
2.0 - MATÉRIA
Os prótons, elétrons e nêutrons, quando em
Matéria, em termos gerais, é tudo aquilo que presença uns dos outros, apresentam um
possui massa e ocupa lugar no espaço. Pode ser comportamento típico, a saber:
encontrada no estado sólido, líquido ou gasoso.
a) prótons em presença de prótons se
A matéria é formada por componentes básicos
repelem;
denominados elementos. Por exemplo, o oxigênio e
b) elétrons em presença de elétrons se
hidrogênio são elementos, assim como alumínio, cobre,
repelem;
prata, ouro e mercúrio. Existem mais de 100 elementos
c) prótons em presença de elétrons se
conhecidos, dos quais 92 são naturais e os restantes
atraem;
criados artificialmente.
d) nêutrons em presença de nêutrons, não se
Os elementos podem ser combinados para
observa nem atração nem repulsão.
produzirem materiais com características
completamente deferentes das suas. A água, por
Para diferenciar e explicar esses
exemplo, é uma substância composta constituída dos
comportamentos, diz-se que os prótons e elétrons são
elementos hidrogênio e oxigênio. O sal comum de
portadores de uma propriedade física especial,
mesa se compõe dos elementos sódio e cloro.
denominada carga elétrica.
Observe-se que, embora o hidrogênio e o
Por apresentarem comportamentos opostos,
oxigênio sejam gases, podem se combinar e produzir
torna-se claro que existem dois tipos distintos de carga
água, que é um líquido.
elétrica. Assim, para diferenciá-las, utiliza-se a
A menor partícula que uma substância
seguinte convenção:
composta pode ser reduzida antes de se dividir nos
elementos que a compõe é chamada de molécula. Por a) prótons possuem carga elétrica positiva;
exemplo, se um grão de bauxita for dividido b) elétrons possuem carga elétrica
sucessivamente ao meio, até onde for possível manter negativa;
as suas características, obtém-se uma molécula de c) nêutrons não possuem carga elétrica.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 1: Natureza da Eletricidade - 1
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Observe-se que os prótons e os nêutrons se alto nível de energia, eles são aqueles que mais
localizam no núcleo do átomo e os elétrons giram em facilmente se tornam livres. Assim, quando uma força
órbitas em torno desse núcleo. ou energia suficiente for aplicada a um átomo, os
elétrons da camada de valência se tornarão livres,
produzindo a eletricidade.

Figura 2 – Liberação de elétron – modelo.

6.0 - CONDUTORES, ISOLANTES ELÉTRICOS E


SEMICONDUTORES

6.1 – Condutores Elétricos


Figura 1 – Modelo do átomo.
Condutor elétrico é todo meio material que
permite às partículas eletrizadas se movimentarem com
Medidas elétricas efetuadas informam que a
facilidade. Em geral, os metais são bons condutores,
carga negativa do elétron é igual, porém oposta, à
pois possuem, na camada de valência do átomo,
carga positiva do próton.
elétrons livres que, por estarem fracamente ligados ao
Essa quantidade comum será denominada
núcleo atômico, podem passar facilmente de um átomo
carga elétrica elementar e indicada por e, cujo valor é:
a outro, formando uma verdadeira nuvem eletrônica no
e = 1,6 . 10-19 Coulomb interior do metal.
Onde Coulomb (C) é a unidade com que se
medem as cargas elétricas no Sistema Internacional de
Unidades (SI).
Normalmente, um átomo contém o mesmo
número de elétrons e prótons, ou seja, as cargas
opostas se cancelam e o átomo permanece
eletricamente neutro. Entretanto, como as propriedades Figura 3 – Condutores – Nuvem de elétrons.
de um elemento são determinadas apenas pelo número
de prótons, o de elétrons pode ser alterado. Existem condutores elétricos nos estado
Se um átomo qualquer apresentar mais sólido, líquido e gasoso. É importante saber distinguir
prótons (+) do que elétrons (-), ele terá carga positiva. quais são os portadores de carga elétrica capazes de se
Em caso contrário, sua carga é negativa. movimentar através desses meios, ou seja:
Átomos carregados são chamados de íons.
Assim, um átomo carregado positivamente é um íon a) Nos condutores sólidos, cujo exemplo
positivo, e, carregado negativamente, é um íon típico são os metais (tais como: ferro,
negativo. aço, cobre, alumínio, latão), os
portadores de carga elétrica são
exclusivamente, elétrons;
5.0 - PRODUÇÃO DE ELETRICIDADE b) Nos condutores líquidos, cujo exemplo
típico são as soluções iônicas, os
A camada (ou órbita) mais externa de um portadores de carga elétrica são,
átomo é denominada camada de valência e não possui exclusivamente, íons;
mais que 8 elétrons. c) Nos gases condutores, também ditos
Como esses elétrons estão menos sujeitos à gases ionizados, os portadores de carga
força de atração do núcleo e também possuem o mais elétrica são íons e elétrons.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 1: Natureza da Eletricidade - 2
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

6.2 – Isolantes Elétricos O carbono, silício, germânio, estanho e


chumbo são exemplo de semicondutores.
O isolante elétrico, por sua vez é aquele tipo
de material que não apresenta facilidade ao movimento
das partículas eletrizadas. Os não-metais, como vidro,
fibra de vidro, mica, plástico, borracha, madeira; papel,
resina epóxi e baquelite são bons isolantes, pois não
possuem quantidade suficiente de elétrons livres para
permitir a passagem das partículas através de si.

a) Transistores.

Figura 4 – Isolantes – Poucos elétrons livres.

Os isolantes são bastante empregados em


conjunto com os condutores, como é o caso de fios
utilizados em instalações elétricas.

b) Diodos
Figura 5 – Fio elétrico isolado.

Figura 6 – Isolamento de uma bobina de motor de


corrente contínua.

6.3 - Semicondutores

Semicondutores são materiais que não são


nem bons condutores nem bons isolantes. Em outras c) Tiristores.
palavras, eles podem conduzir a eletricidade melhor do
que os isolantes, entretanto não tão bem como os Figura 7 – Exemplos de dispositivos à base de
condutores. semicondutores.

________________________________________________________________________________________________
Capítulo 1: Natureza da Eletricidade - 3
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

CAPÍTULO 2: CORRENTE E TENSÃO ELÉTRICA

RESUMO Durante seu movimento, o elétron de um


átomo pode sofrer a influência de outro átomo e entrar
Este capítulo introduz os conceitos relativos à na órbita deste. Ao mesmo tempo, um elétron do
corrente e tensão elétrica. segundo átomo é liberado e penetra na órbita de outro
átomo. Um grande número de elétrons externos mudam
de órbita continua e aleatoriamente, de tal forma que os
1.0 - INTRODUÇÃO elétrons de valência realmente não pertencem a um
único átomo. Em vez disto, todos os átomos
Para que se possa produzir algum tipo de compartilham todos os elétrons de valência e assim, se
trabalho com a eletricidade deve-se produzir uma mantêm unidos.
corrente elétrica, ou seja, o movimento de muitos Nessa situação, embora o condutor possua
elétrons livres, em um condutor, em uma mesma muitos elétrons livres, não há formação de carga
direção e sentido. elétrica.
Para impulsionar tais elétrons é necessário A fim de produzir um fluxo de elétrons, os
aplicar uma determinada força entre as extremidades que estiverem livres no fio de cobre devem ser
desse condutor. forçados a se moverem na mesma direção e sentido, em
Note-se que a origem da palavra corrente está vez de o fazerem aleatoriamente. Isso pode ser feito,
ligada a uma analogia que os cientistas do passado aplicando cargas elétricas nas extremidades do fio de
estabeleceram entre a eletricidade e a água. Eles cobre; uma carga negativa numa extremidade, e uma
imaginavam que a eletricidade era um fluido, ou seja, carga positiva na outra extremidade.
algo que pudesse fluir ou escorrer como água corrente. Como os elétrons são negativos, eles são
Os condutores seriam os encanamentos por onde repelidos pela carga negativa e atraídos pela positiva.
passava essa corrente de eletricidade. Hoje se sabe que Por esse motivo, não podem mudar para órbitas que os
essa comparação raramente corresponde à realidade, levariam a se moverem contra as forças das cargas
mas o termo se manteve. elétricas. Em vez disto, saltam de órbita para órbita em
Esse capítulo analisa esses conceitos. direção à carga positiva, originando um fluxo de
elétrons no sentido de seu movimento.
2.0 – FORMAÇÃO DA CORRENTE ELÉTRICA

Em um fio de cobre cada átomo possui um


elétron na camada de valência, fracamente mantido em
órbita. Além disto, os átomos se encontram juntos, de
tal forma que as órbitas externas se entrelaçam.

Figura 2 – Deslocamento de elétrons nas órbitas.

Portanto, o movimento ordenado de partículas


eletrizadas constitui a corrente elétrica. O seu sentido,
entretanto, é adotado como o oposto do fluxo de
elétrons, ou seja, como se o movimento fosse o de
Figura 1 – Órbitas dos elétrons. partículas positivas.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 2: Corrente e Tensão Elétrica - 4
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Observa-se que é comum empregar-se os


múltiplos e sub-múltiplos da corrente, em especial:

a) Quiloampère = 103 A = 1 kA;


b) Miliampère = 10-3 A = l mA;
c) Microampère = 1-6 A = 1 µA

Como toda carga elétrica é múltipla da carga e


do elétron, a expressão da quantidade de carga pode ser
escrita como:

Q=nxe (2)

Onde:
Figura 3 – Sentido convencional da corrente.
n é um número inteiro; e
O sentido convencional da corrente é
amplamente utilizado na eletricidade.
e = 1,6 . 10-19 C

3.0 – INTENSIDADE DA CORRENTE ELÉTRICA


Portanto, a corrente elétrica pode ser expressa,
também, na forma:
Seja um condutor com uma determinada seção
transversal, como ilustrado na figura 4. nxe
i= (3)
t
Exercícios de fixação

1) Em um relâmpago avalia-se que, em apenas 1


décimo de milésimo de segundo, descem de
uma nuvem para a Terra, em média, cerca de
20 quintilhões (1018) de elétrons. Qual a
corrente elétrica média equivalente a
movimento de cargas elétricas ?

Figura 4 – Cargas fluindo através do condutor.

Define-se a intensidade da corrente (i) como


sendo a relação entre a quantidade de carga de carga
(Q) que atravessa uma seção transversal de um
condutor em um determinado tempo (t), ou seja:

Q
i= (1)
t
Solução:
No Sistema Internacional de Unidades,
medindo-se a quantidade de carga elétrica em Como a carga do elétron é:
Coulomb (C) e o intervalo de tempo em segundo (s), a
unidade de intensidade de corrente elétrica vem e = 1.6 . 10-19 C
expressa em C/s e denomina-se Ampère (A). Portanto
Então, a quantidade total de carga escoada
1A=1C/1s no relâmpago é de:
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 2: Corrente e Tensão Elétrica - 5
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Q = n x e = 20 1018 x 1,6 . 10-19 colocada, impedindo o movimento de mais elétrons.


Isto seria a eletricidade estática, pois tudo ficou em
Ou: repouso.
Para que exista uma corrente elétrica, os
Q = 3,2 C elétrons livres devem continuar a fluir e, para tanto,
uma fonte de energia elétrica deve aplicar cargas
opostas a cada extremidade do fio. Assim, os elétrons
Como o tempo para o escoamento dessa repelidos pela carga negativa serão recolhidos pelo
carga é lado positivo da fonte. Para cada elétron recolhido, um
elétron deverá ser fornecido ao condutor pelo lado
t = 0,0001 s negativo da fonte. A corrente fluirá através do
condutor, enquanto a fonte de energia aplicar suas
Tem-se: cargas elétricas. O sistema descrito constitui um
circuito fechado ou completo.
Q 3,2 As pilhas, baterias e geradores são exemplos
i= = = 32.000 A de fontes.
t 0,0001

Portanto, a corrente é:

3,2
i= = 32.000 A = 32 kA
0,0001
2) Se um fio condutor é percorrido por uma
corrente elétrica de 5 A, pergunta-se: Qual a
carga elétrica que atravessa uma seção
transversal desse condutor em 10 segundos?
E o número de elétrons?

Solução: Figura 5 – Circuito fechado.

Aplicando-se a definição de intensidade de Se, por outro lado, o fio estiver interrompido
corrente elétrica, tem-se: em qualquer ponto, os elétrons se acumularão na
extremidade está ligada ao lado negativo da fonte.
Q = i x t = 5 x 10 = 50 C Além disso, os elétrons deixarão a extremidade do fio
que está ligado ao lado positivo da bateria.
O número de elétrons pode ser calculado a A carga desenvolvida no ponto interrompido
partir da expressão (2), ou seja: impedirá o movimento dos elétrons e,
conseqüentemente, não haverá passagem de corrente
elétrica.
Q 50
n= = = 3,125 1020 Portanto, um circuito aberto impede o fluxo
e 1,6 .10 -19 de corrente elétrica.

Portanto:

n = 3,125 1020 elétrons.

4.0 – CIRCUITO ABERTO E FECHADO

Se uma carga negativa for colocada em uma


das extremidades de um fio, os elétrons livres serão
repelidos para a outra extremidade. A corrente fluirá
somente por alguns momentos, até que um número
suficiente de elétrons se acumule na extremidade do
fio, produzindo uma carga negativa igual à carga Figura 6 – Circuito aberto.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 2: Corrente e Tensão Elétrica - 6
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

5.0 – TENSÃO ELÉTRICA UT = 0 (5)


A carga elétrica retida por um corpo constitui Portanto a tensão entre um ponto A e a terra é
seu potencial elétrico, pois os elétrons que são igual ao potencial desse ponto.
desalojados acumulam energia que poderá ser utilizada
para movimentar outros elétrons.
UAT = UA – UT = UA (6)
Como são necessárias duas cargas para
completar um circuito, a diferença de potencial (ddp)
entre elas estabelece a força elétrica que irá
impulsionar os elétrons.
O lado negativo é considerado como o
potencial baixo e o lado positivo como o potencial alto.
Desta forma, e considerando o sentido
convencional, a corrente em um fio sempre circula do
potencial mais alto (+) para o potencial mais baixo (-).
Isso significa, também, que a corrente elétrica poderá Figura 9 – Tensão entre o ponto A (+) e terra (-).
fluir de um potencial positivo alto para um potencial
positivo baixo, assim como entre dois potenciais A unidade usada para indicar a tensão elétrica
negativos diferentes. é o Volt (V).
Note-se que é comum empregar-se os
múltiplos e sub-múltiplos da tensão, em especial:

a) Quilovolt = 103 V = 1 kV;


b) Milivolt = 10-3 V = l mV;

EXERCÍCIOS PROPOSTOS
1) Quantos elétrons em excesso em um corpo
que se apresenta-se eletrizado com carga
elétrica total de -1,28 . 10-15 C.?
2) Quantos elétrons devem ser retirados de um
Figura 7 – Circulação de corrente. corpo eletricamente neutro para que ele fique
com carga total de 1 C?
Quando duas cargas estabelecem uma
diferença de potencial (ddp), a força resultante é 3) A intensidade de corrente elétrica, em um
chamada força eletromotriz (fem) ou tensão elétrica. certo condutor metálico, é invariável e vale
Desta forma, para dois pontos, A e B, com 3A. Que quantidade de carga essa corrente
potenciais diferentes, tem-se que a tensão entre eles transporta a cada 10 segundos?
(ddp) é: 4) Qual é a intensidade da corrente elétrica em
um fio, por cuja secção transversal, passa uma
UAB = UA - UB (4) carga de 10C a cada 2,0s?
5) Calcule a carga total que atravessa a secção
transversal de um condutor em coulombs,
sabendo-se que por ele flui uma corrente de
intensidade 2,0 mA durante 1,0 minuto.
6) Uma lâmpada fluorescente contém em seu
interior um gás que se ioniza após a aplicação
de alta tensão entre seus terminais. Após a
ionização, uma corrente elétrica é estabelecida
Figura 8 – Diferença de potencial (tensão) UAB entre os e os íons negativos deslocam-se com uma taxa
pontos A (+) e B (-). de 1,0 x 10 -18 íons/segundo para um dos
pólos. Os íons positivos se deslocam, com a
Observa-se que é comum adotar-se a Terra mesma taxa, para o outro pólo. Nestas
como referência e, em sendo assim, o seu potencial condições, calcule a corrente elétrica na
elétrico (UT), por convenção é nulo, ou seja: lâmpada.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 2: Corrente e Tensão Elétrica - 7
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

CAPÍTULO 3: RESISTÊNCIA ELÉTRICA

RESUMO Em função do exposto, pode-se definir a


resistência (R) elétrica como sendo:
Este capítulo visa o estudo das resistências
elétricas e seu comportamento em um circuito. U
R= (1)
I
1.0 - INTRODUÇÃO

Os materiais não conduzem a corrente elétrica


igualmente. Como visto, existem condutores, isolantes
e semicondutores.
Quase todos os metais são bons condutores,
entretanto, alguns são melhores que outros, pois nem
todos, possuem o mesmo número de elétrons livres.
Desta forma, corpos diferentes podem
apresentar diferentes níveis de dificuldade ao Figura 1 – Tensão, corrente e resistência em um
movimento dos portadores de carga elétrica. condutor.
Em outras palavras, existem materiais que
oferecem uma maior resistência (ou seja, resistem Note-se que, através da expressão (1), é
mais) à passagem do fluxo de elétrons que outros. possível concluir que a corrente contínua é
Quanto maior a resistência, pior será a condução e proporcional à tensão continua aplicada e inversamente
vice-versa. proporcional à resistência, ou seja:
Portanto, considerando-se fios condutores de U
materiais diferentes, mas de mesmas dimensões e na I= (2)
mesma temperatura, será melhor condutor aquele que R
oferecer a menor resistência à passagem dos portadores
de carga elétrica. Além disto, pode-se a passagem de corrente
por uma resistência, resulta em uma diferença de
potencial em seus terminais, ou seja:
2.0 – RESISTÊNCIA ELÉTRICA U =RxI (3)

Se uma corrente elétrica mantém sua A unidade de resistência no Sistema


intensidade e sentido ao longo do tempo, ela é chamada Internacional de Unidades (SI) é o ohm ( ) em
de corrente contínua. Desta forma, também a tensão homenagem ao cientista e vale, de acordo com a
necessária para propiciar tal situação possui mesma expressão (1):
intensidade e sentido ao longo do tempo, ou seja, é
uma tensão contínua. 1V
1 = (4)
Desta forma, para que haja a circulação de 1A
corrente contínua (I) em um fio, é necessária a
aplicação de uma tensão contínua (U) proveniente de Ou seja, uma resistência apresenta o valor de 1
uma fonte aplicada a seus terminais (uma pilha ou quando, ao ser submetido à de tensão de 1 V, é
bateria, por exemplo). percorrido por uma corrente de 1 A.
Neste sentido, a corrente contínua assumirá
um determinado valor limite, pois o material que Exercícios de fixação
compõe o fio apresenta uma barreira à sua livre
circulação, ou seja, limita a sua passagem. Tal 1) Aplicando-se uma diferença de potencial
característica dos materiais é denominada resistência (ddp) de 220 V a uma resistência ôhmica, a
elétrica. corrente que a percorre valor é de 5 A. Nessas
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 8
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

condições pergunta-se: Qual é o valor da corrente (ou seja, sua curva característica), verifica-se
resistência? que ele é uma reta, como ilustra a figura 2.

Solução:

Aplicando-se a expressão (1), tem-se:

U 220
R= = = 44
I 5
Portanto, a resistência é:

44
2) Aplicando-se uma diferença de potencial
(ddp) de 220 V a uma resistência ôhmica cujo
valor é de 20 , qual será a intensidade da
corrente que a percorre?
Figura 2 – Curva característica de uma resistência
Solução: ôhmica.

Aplicando-se a expressão (1), tem-se: Há resistências, entretanto, que não obedecem


à primeira lei de Ohm, apresentando curva
U 220 característica diferente de uma reta.
I= = = 11
R 20
Portanto, a corrente será de:

11 A
3) Por um fio, cuja resistência ôhmica é de 5 ,
circula uma corrente contínua de intensidade
10 A. Nestas condições, calcule a ddp
necessária para que isto ocorra.
Solução:
Aplicando-se a expressão (3), tem-se:
U = R x I = 5 x 10 = 50
Portanto, a diferença de potencial (ddp) será
Figura 3 – Característica não-linear de uma resistência.
de:

50 V Note que, para os condutores ôhmicos, a


relação entre tensão e corrente em qualquer ponto da
reta será sempre a mesma e, portanto, a resistência é
3.0 – PRIMEIRA LEI DE OHM constante.
Para os condutores não ôhmicos, verifica-se
Conforme descoberto pelo cientista alemão que, para cada ponto de tensão e corrente, a relação
Georg Simon Ohm (1789-1854), existe uma classe entre elas são diferentes.
particular de condutores que, a uma temperatura De qualquer forma, é importante ressaltar que
constante, apresenta resistência elétrica constante. Essa as expressões (1), (2) e (3) sempre são válidas para
é a chamada primeira lei de Ohm. qualquer tipo de resistência.
Desta forma, os condutores que apresentam
resistência constante, qualquer que seja a tensão e Exercícios de fixação
corrente, são denominados condutores ôhmicos. A
resistência, do mesmo modo, é uma resistência 1) Obtenha a corrente I indicada na curva
ôhmica. característica de uma determinada resistência
Para essas resistências, se for traçado um de um condutor, a qual é fornecida no gráfico
gráfico do comportamento da tensão em função da a seguir.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 9
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

4.0 – SEGUNDA LEI DE OHM

Além do descrito anteriormente, Ohm


determinou, de forma experimental, que a resistência
elétrica (R) é proporcional ao seu comprimento (l) e
inversamente proporcional à área (A) de sua seção
transversal (também chamada de bitola). Além disto
depende de uma caracteristica do material denominada
resistividade ( ),ou seja:

l
R= (5)
A
Solução:

Como a curva característica é uma reta, a


resistência é constante para qualquer ponto e,
assim, aplicando-se a expressão (1), tem-se:

U 10
R= = =2
I 5
Então, aplicando-se a expressão (2), resulta:

U 20 Figura 4 – Material com seção transversal de área A e


I= = = 10 comprimento l.
R 2
A expressão (5) é conhecida como a segunda
Portanto, a corrente I será de: lei de Ohm.
A resistividade, por outro lado, exprime a
10 A dificuldade em se estabelecer um fluxo de elétrons (ou
corrente elétrica) por um determinado material.
2) Submetendo-se um condutor à diferentes Pelo exposto, os materiais isolantes
tensões e medindo-se a respectivas correntes, apresentam elevada resistividade, enquanto os
obteve-se os resultados da tabela mostrada a condutores, baixa.
seguir: A resistividade é uma propriedade intrínseca
dos materiais e independente de suas dimensões
Tensão (V) 1,5 3,0 5,4 7,0 geométricas, ou seja, o seu valor é função do próprio
Corrente (A) 0,20 0,30 0,45 0,5 material.
A temperatura, entretanto, a afeta.
Pergunta-se: Esse condutor é ôhmico? Nos metais puros, quando a temperatura
aumenta, a resistividade também aumenta. Isto ocorre
Solução: devido ao aumento das amplitudes de oscilação dos
átomos da rede, o que aumenta a probabilidade de
Para que um condutor seja ôhmico, ele deve choques entre estes e os elétrons livres.
apresentar resistência constante, independente Nas soluções eletrolíticas, a resistividade
da tensão e corrente aplicadas. Assim, se for diminui quando a temperatura aumenta, pois a
aplicada a expressão (1), a cada par de viscosidade da solução diminui com o aumento da
valores, obtêm-se: temperatura, dando maior mobilidade aos portadores
de carga elétrica em solução, diminuindo a resistência
Tensão (V) 1,5 3,0 5,4 7,0 da mesma.
Corrente (A) 0,20 0,30 0,45 0,5 No caso do grafite, a resistividade também
Resistência ( ) 7,5 10 12 14 diminui quando a temperatura aumenta. Isto ocorre
porque mais elétrons são liberados da estrutura, quando
Como se verifica, o valor da resistência não é a temperatura é elevada, aumentando o número de
constante e, portanto, não é ôhmico. portadores de carga elétrica.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 10
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Algumas ligas de cobre, manganês e níquel, 2) Considerando-se dois condutores, um de


como a manganina e a constantan, apresentam cobre e outro de alumínio com 10 metros de
resistividades praticamente constantes em relação à comprimento, ambos com a mesma bitola,
temperatura. pergunta-se: Qual é o comprimento do fio de
A unidade da resistividade no Sistema cobre para que a resistência de ambos seja a
Internacional de Unidades (SI) é ohm . metro ( .m). mesma?
A tabela 1 apresenta alguns valores referidos à
temperatura de 20 0C. Solução:
Resistividade (a 20 ºC) Verificando-se a resistividade do alumínio na
Material tabela 1 e aplicando-se na expressão (1), tem-
em .m
Prata 1,645.10-8 se:
Cobre 1,723.10-8 Ralumínio = 2,825.10-8 . lalumínio / A
Ouro 2,443.10-8
Alumínio 2,825.10-8 Da mesma forma, para o cobre:
Tungstênio 5,485.10-8 Rcobre = 1,723.10-8. lcobre / A
Níquel 7,811.10-8
Ferro 1,229.10-7 Dividindo-se membro a membro, resulta:
Constantan 4,899.10-7
Ralumínio 2,825.10 - 8 10
Carbono 3,5.10-5 = x
Silício 2,3.103 Rcobre 1,723.10 - 8 lcobre
Poliestireno ~ 1016
Ou seja:
Tabela 1 - Resistividade elétrica de diversos materiais
condutores, semicondutores e isolantes (a 20 ºC).
Ralumínio 10
= 1,639 x =1
Rcobre lcobre
Exercícios de fixação

1) Considerando-se dois condutores, um de


lcobre = 1,639 x 10 = 16,39
cobre e outro de alumínio, ambos com o Portanto, um fio de alumínio com 10 metros
mesmo comprimento e a mesma bitola, de comprimento apresenta a mesma
pergunta-se: Qual é o melhor condutor? resistência de um fio de cobre com mesma
Solução: bitola e comprimento de 16,4 metros,
aproximadamente.
Verificando-se a resistividade do alumínio na
tabela 1 e aplicando-se na expressão (1), tem- 3) Quantas vezes a bitola de um fio de alumínio
se: deve ser maior que a de um fio de cobre para
que apresentem a mesma resistência e
Ralumínio = 2,825.10-8 . l / A comprimento?

Da mesma forma, para o cobre: Solução:


-8 Verificando-se a resistividade do alumínio na
Rcobre = 1,723.10 . l / A
tabela 1 e aplicando-se na expressão (1), tem-
Dividindo-se membro a membro, resulta: se:

Ralumínio 2,825.10 - 8 Ralumínio = 2,825.10-8 . l / Aalumínio


= = 1,639
Rcobre 1,723.10 - 8 Da mesma forma, para o cobre:

Portanto, Rcobre = 1,723.10-8. l / Acobre


Dividindo-se membro a membro, resulta:
Ralumínio = 1,639 . Rcobre
Ou seja, para condutores de mesmas Ralumínio 2,825.10 - 8 A
dimensões, a resistência elétrica do alumínio = x cobre = 1
é, aproximadamente, 64% maior que a do Rcobre 1,723.10 - 8 Aalumínio
cobre.
Resulta:
Assim, o cobre é um melhor condutor do que
o alumínio. Aalumínio = 1,639 . Acobre,
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 11
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Portanto, um fio de alumínio deve apresentar Atente-se que, para esse caso, a elevação de
uma bitola, aproximadamente, 64% maior que temperatura entre as duas situações é de:
a do fio de cobre, para que eles possuam a
mesma resistência e comprimento. T – T0 = 50 – 30 = 20 0C.

5.0 – VARIAÇÃO DA RESISTÊNCIA COM A 6.0 - RESISTORES


TEMPERATURA
Freqüentemente, quando se conecta uma carga
Note-se que, como a resistência elétrica de um (como uma lâmpada ou um chuveiro, por exemplo) a
material é dependente da resistividade, ela também é uma fonte de tensão fixa, a corrente resultante no
afetada pela temperatura. circuito é excessiva. Tal situação ocorre quando a
Assim, no caso de um condutor que apresente resistência da carga é muito pequena ou a tensão de
uma resistência R0 a uma temperatura T0, a resistência saída da fonte é muito alta.
R a uma temperatura T é, aproximadamente: A corrente pode ser diminuída pela redução da
tensão da fonte, mas, geralmente, é impossível, ou pelo
R = R0 [1 + (T – T0)] (6) menos impraticável. Assim, a única maneira de reduzir
a corrente é adicionar resistência ao circuito.
Onde é conhecido como coeficiente de Quanto a isso, pode-se aumentar a resistência
temperatura do material, cuja unidade é o ohm/graus da fonte de tensão, da carga ou dos fios de ligação.
Celsius ( /0C). Observe-se, entretanto, que as resistências da fonte e da
carga são características do circuito e não podem ser
Exercícios de fixação alteradas. A resistência da fiação, por sua vez, é tão
1) A resistência de um condutor a 40 0C é 10 . baixa que seriam necessários vários quilômetros de fios
Sabendo-se que o coeficiente de temperatura para se obter um aumento de alguns ohms na
do material do condutor é de 0,004 /0C, resistência total do circuito. Também é possível utilizar
calcule o valor de sua resistência a 80 0C. fios de ligação de resistência maior, mas seria
necessária uma grande variedade de tipos de fios para
Solução: interligar as partes de um circuito.
Para resolver essa situação, emprega-se um
Substituindo-se os valores correspondentes na componente denominado resistor, o qual é,
expressão (2) tem-se: normalmente, fabricado com fios de nicromo ou
tungstênio ou, ainda, com películas de grafite
R = R0 [1 + (T – T0)] depositadas sobre um material isolante.
Os resistores podem ter valores fixos ou
R = 10 . [1 + 0,004 (80 – 40)] variáveis de resistência, sendo nesse ultimo caso
chamados de reostatos.
R = 11,6
2) A resistência elétrica de um condutor a 30 0C
é 5 . Qual é o valor da temperatura para que
a resistência seja 5,4 ? Adotar o coeficiente
de temperatura do material do condutor igual
a 0,004 /0C.
Solução:
Substituindo-se os valores correspondentes na
expressão (2) tem-se:

R = R0 [1 + (T – T0)]

5,4 = 5 . [1 + 0,004 (T – 30)]


De onde:

T = 50 0C Figura 5 – Resistores em circuito eletrônico.


________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 12
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

7.0 – ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

Os resistores são fabricados industrialmente e


disponíveis comercialmente sob certas especificações
ou valores nominais. No entanto, não é possível
fabricar resistores de todos os valores.
Por essa razão, é possível empregar os
reostatos, como analisado anteriormente, ou efetuar
uma associação de resistores, isto é, agrupá-los
adequadamente de forma que o conjunto apresente um
valor específico de resistência, denominada resistência
Figura 6 – Resistor para circuitos de potência. equivalente.
Para atender a fins práticos, os resistores
podem ser associados em série, em paralelo ou em
grupos mistos (série e paralelo, ao mesmo tempo).

7.1 – Associação em Série

O circuito ilustrado na figura 9 apresenta uma


associação em série de resistores.

Figura 9 – Exemplo de associação em série de


Figura 7 – Exemplos de reostatos. resistores.

Verifica-se pela análise da figura 9 que, na


associação série, a corrente que circula por todos os
resistores é a mesma.
Por outro lado, de acordo com a expressão (3),
a tensão em uma resistência é igual ao produto de seu
valor pela corrente. Assim:

U 1 = R1 x I ; U 2 = R2 x I ;

U 3 = R3 x I
Figura 8 – Exemplo de reostato (potenciômetro).
Observa-se que a soma dessas tensões devem
Note-se que, os resistores para aplicações em ser, obrigatoriamente, iguais à da fonte, ou seja:
circuitos eletrônicos, como o da figura 5, apresentam
faixas com cores padronizadas para identificação,
marcadas sobre a sua superfície. U = U1 + U 2 + U 3
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 13
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Mas, sabe-se da expressão (1) que, a divisão Ou seja:


da tensão pela corrente, resulta em um valor de
resistência, necessariamente. Assim, considerando-se a I = 2 mA
tensão da fonte e a corrente que circula devido a ela,
obtêm-se uma resistência total ou equivalente de todo Assim, as tensões são:
o circuito, ou seja:
U 1 = R1 x I = 2,5 x 10 3 x 2 x 10 - 3
U
Req =
I U 2 = R2 x I = 1 x 10 3 x 2 x 10 - 3
Ou:
U 3 = R3 x I = 3 x 10 3 x 2 x 10 - 3
U = Req x I
Ou:
Desta forma:
U1 = 5 V ; U 2 = 2 V e U 3 = 6 V
Req x I = U 1 + U 2 + U 3
Observe-se que:
ou
U 1 + U 2 + U 3 = 5 + 2 + 6 = 13 = U
Req x I = R1 x I + R2 x I + R3 x I
7.2 – Associação em Paralelo
Portanto:
O circuito ilustrado na figura 10 apresenta
Req = R1 + R2 + R3 uma associação em paralelo de resistores.

Sendo assim, conclui-se que, se houverem n


resistores em série, a resistência equivalente é:

Req = R1 + R2 + R3 + ..... + Rn (7)

Exercícios de fixação

1) Calcule a resistência equivalente do circuito


da figura 11, sabendo-se que R1 = 2,5 k , R2
= 1 k e R3 = 3 k .
Solução:
De acordo com a expressão (7), tem-se:

Req = 2,5 + 1 + 3 = 6,5

Portanto: Figura 10 – Exemplo de associação em paralelo de


resistores.
Req = 6,5 k
Verifica-se pela análise da figura 10 que, na
2) Sabendo-se que a tensão da fonte do circuito associação paralelo, a tensão aplicada a todos os
da figura 11 é igual a 13 V, calcule a corrente resistores é a mesma e igual a da fonte.
e a tensão em cada resistor. Por outro lado, de acordo com a expressão (2):
Solução: U U
I1 = ; I2 = ;
A corrente I pode ser calculada utilizando a R1 R2
expressão (2), ou seja:
e
U 13 U
I= = = 2 x 10 - 3 I3 =
Req 6,5 x 10 3 R3
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 14
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Observa-se que a soma dessas correntes Ou:


devem ser, obrigatoriamente, iguais à que a fonte
fornece, ou seja: 1 13
=
I = I1 + I 2 + I 3 Req 7,5

Mas, sabe-se da expressão (1) que, a divisão Então:


da tensão pela corrente, resulta em um valor de
resistência, necessariamente. Assim, considerando-se a 7,5
tensão da fonte e a corrente que circula devido a ela, Req = = 0,58
obtêm-se uma resistência total ou equivalente de todo
13
o circuito, ou seja:
Portanto:
U
Req = Req = 0,58 k
I
Ou ainda:
2) Sabendo-se que a tensão da fonte do circuito
U da figura 12 é igual a 13 V, calcule a corrente
I= e a tensão em cada resistor.
Req
Solução:
Então:

U U U U A tensão de cada resistor é igual a da fonte e,


= I1 + I 2 + I 3 = + + portanto,
Req R1 R2 R3
Portanto:
U = 13 V

1 1 1 1 As correntes podem ser calculadas utilizando-


= + + se a expressão (2), ou seja:
Req R1 R2 R3
U 13 -3
Sendo assim, conclui-se que, se houverem n I= = 3 = 22,5 x 10
resistores em paralelo, a resistência equivalente é:
Req 0,58 x 10

1 1 1 1 1 U 13
= + + + .... + (8) I1 = = = 13 x 10 - 3
Req R1 R2 R3 Rn R1 1 x 10 3
Para apenas duas resistências em paralelo,
pode-se calcular a equivalente diretamente através de: U 13 -3
I2 = = 3 = 5,2 x 10
R2 2,5 x 10
R1 x R2
Req = (9)
R1 + R2 U 13
I3 = = = 4,3 x 10 - 3
R3 3 x 10 3
Exercícios de fixação

1) Calcule a resistência equivalente do circuito Ou:


da figura 12, sabendo-se que R1 = 1 k , R2 =
2,5 k e R3 = 3 k . I = 22,5 mA; I1 = 13 mA ;
Solução:
I 2 = 5,2 mA e I 3 = 4,3 mA
De acordo com a expressão (8), tem-se:
7.3 – Associação Mista
1 1 1 1 3 x 2,5 + 3 + 2,5
= + + = O circuito ilustrado na figura 11 apresenta
Req 1 2,5 3 1 x 2,5 x 3 uma associação mista de resistores.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 15
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Desta forma, de acordo com a expressão (7),


tem-se:

Figura 11 – Exemplo de associação mista de resistores. Req = 0,72 + 3 = 3,72


O cálculo da resistência equivalente, neste
Portanto:
caso, envolve os dois procedimentos anteriores, ou
seja, calcula-se o valor correspondente para os Req = 3,72 k
resistores que estiverem em paralelo e os que estiverem
em série, até que se obtenha apenas um único valor. 7.4 – Curto-Circuito

A figura 12 mostra um fio de resistência


Exercício de fixação elétrica desprezível, conectados entre os pontos A e B,
Calcule a resistência equivalente do circuito aos quais também está conectada a resistência R1.
da figura 13, sabendo-se que R1 = 1 k , R2 =
2,5 k e R3 = 3 k .

Solução:

Observado-se a figura 13, verifica-se que as


resistências R1 e R2 estão em paralelo e, assim,
de acordo com a expressão (8), a resistência
em paralelo (Reqp) é:
Figura 12 – Curto-circuito em resistência.
1 1 1 2,5 + 1
= + = Desta forma, calculando-se a resistência
Reqp 1 2,5 1 x 2,5 equivalente entre os pontos A e B, tem-se:

Ou: 1 1 1
= +
ReqAB R fio R1
1 3,5
=
Reqp 2,5 Ou seja:

Então: R fio x R1 0 x R1
ReqAB = = =0
2,5 R fio + R1 0 + R1
Reqp = = 0,72
3,5 Conclui-se, então, que o fio ligado entre A e B
anula a participação de R1 no circuito. Em outras
Observe que Reqp estará em série com R3, palavras, diz-se que, nesta situação, se efetuou um
como ilustrado na figura a seguir. curto-circuito entre os pontos A e B.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 16
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Portanto, os pontos A e B são eletricamente 8.0 – REPRESENTAÇÃO SIMBÓLICA


coincidentes, já que não há ddp entre eles.
Desta forma, quando se curto-circuita uma Os resistores são representados em desenhos
resistência, embora presente fisicamente, ela deixa de elétricos pela sua resistência, como mostrado na figura
participar do circuito e, portanto, pode ser eliminada de 13. A simbologia para reostatos é a da figura 14.
quaisquer cálculos.

Exercício de fixação

Calcule a resistência equivalente entres os


pontos A e B do circuito da figura mostrada a
Figura 13 – Simbologia para representação de
seguir, sabendo-se que R1 = 1 k , R2 = 2,5 k
resistores em desenhos elétricos.
e R3 = 3 k .

Figura 14 – Simbologia para representação de reostatos


em desenhos elétricos.

Utilizando-se dessa simbologia a associação


das resistências das figuras 9, 10 e 11 são as mostradas
nas figura 15, 16 e 17, respectivamente.

Solução: Figura 15 – Representação simbólica da associação de


resistências do circuito da figura 9.
Inspecionando-se o circuito da figura,
verifica-se que as resistências R1 e R2 estão em
paralelo e a resistência R3 está curto-
circuitada, pois os pontos D, E e B são iguais
eletricamente. Assim, de acordo com a
expressão (8), a resistência em paralelo (Reqp)
é:
1 1 1 2,5 + 1
= + =
ReqAB 1 2,5 1 x 2,5
Figura 16 – Representação simbólica da associação de
Ou: resistências do circuito da figura 10.

1 3,5
=
ReqAB 2,5
Então:
2,5
ReqAB = = 0,72
3,5

Portanto:
Figura 17 – Representação simbólica da associação de
ReqAB = 0,72 k resistências do circuito da figura 11.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 17
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

9.0 - TRANSFORMAÇÃO ESTRELA - TRIÂNGULO Para transformar uma associação triângulo em


estrela, têm-se as seguintes relações entre as
Uma associação de resistores em forma de resistências:
estrela, também conhecida como Y (ipsilon), pode ser
transformada em uma associação triângulo, também Ra x Rb
R1 = (10)
conhecida como delta, para facilitar análise de Ra + Rb + Rc
circuitos.
Rb x Rc
R2 = (11)
Ra + Rb + Rc
Rc x Ra
R3 = (12)
Ra + Rb + Rc
Observando-se a figura, nota-se que, o resistor
da associação estrela, equivale ao produto das
resistências adjacentes, divididos pela soma das
resistências, em triângulo.
Por outro lado, se:

a) Estrela Ra = Rb = Rc = R
Então:
R
R1 = R2 = R3 = (13)
3
Para transformar uma associação estrela em
triângulo, têm-se as seguintes relações entre as
resistências:

R1 x R2 + R2 x R3 + R1 x R3
Ra = (14)
R2
b) Delta (ou triângulo) R1 x R2 + R2 x R3 + R1 x R3
Rb = (15)
Figura 8 – Associação estrela e delta de resistores. R3

É possível transformar uma conexão estrela R1 x R2 + R2 x R3 + R1 x R3


em triângulo, ou vice-versa, como mostrado a seguir. Rc = (16)
R3
Observando-se a figura, nota-se que, o resistor
da associação triângulo, equivale à soma do produto
das resistências tomadas duas a duas, dividida pela
resistência oposta em estrela.
Se, entretanto:

R1 = R2 = R3 = R
Então:

Ra = Rb = Rc = 3R (17)

Exercício de fixação

Calcule a resistência equivalente entres os


Figura 9 – Equivalência das associações estrela – pontos X e Y do circuito da figura mostrada a
triângulo. seguir.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 18
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Solução: Calculando-se a resistência equivalente entre


os pontos X e Z, resulta:
Tomando-se os resistores entre os pontos a, b
e c, nota-se que é uma associação triângulo. (10 + 2,5) x (15 + 5,0)
Desta forma, transformando-se tal associação R XZ = = 7,69
(10 + 2,5) + (15 + 5,0)
em estrela, conforme a figura, consegue-se
simplificar o circuito. Assim, entre os pontos X e Y, tem-se:

R XY = 7,69 + 5
Portanto:
R XY = 12,69

EXERCÍCIOS PROPOSTOS

1) Um fio condutor, ligado a uma diferença de


potencial de 6 V, é percorrido por uma
corrente elétrica de 1,5 A. Qual a resistência
elétrica desse fio?
2) Determine a resistência elétrica de um fio de
alumínio de 25 m de comprimento e 0,75 mm2
de área de seção transversal.

3) Submetendo-se três condutores à diferentes


tensões e medindo-se a respectivas correntes,
Efetuando a transformação: obteve-se os resultados mostrados a seguir:
Condutor 1:
10 ×10
R1 = = 2,5 Tensão (V) 0 4 10 40
10 + 10 + 20 Corrente (A) 0 2 5 20

10 × 20 Condutor 2:
R2 = = 5,0
10 + 10 + 20 Tensão (V) 0 5 16 30
Corrente (A) 0 5 8 10
10 × 20
R3 = = 5,0 Condutor 3:
10 + 10 + 20
Tensão (V) 0 0,25 0,4 2
Assim, o circuito fica: Corrente (A) 0 2,5 4 20
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 19
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Com tais dados identifique o(s) condutor(es) b) Quanto maior for o comprimento de um
ôhmico(s) e não-ôhmico(s). resistor, tanto _______ a sua resistência
elétrica;
4) A intensidade de corrente elétrica que c) De acordo com a 1ª Lei de Ohm, a corrente
percorre um resistor é 200 mA e a ddp nos que flui em um resistor é diretamente
seus terminais vale 40 V. Determine a sua proporcional à ___________ aplicada e
resistência elétrica. inversamente proporcional à __________
do resistor.
5) Um chuveiro elétrico possui resistência
elétrica de 11 . Qual a intensidade da 10) Nos gráficos numerados de 1 até 4, tem-se a
corrente que o atravessa quando submetido a tensão (U) em função da corrente (I) em
uma tensão elétrica de 220 V? certos resistores. Nessas condições pergunta-
se: quais deles obedecem a lei de Ohm?
6) A corrente através de uma lanterna elétrica e
sua pilha é 1,0 A e a resistência do filamento é
30 . Qual a tensão elétrica entre os extremos
do filamento?

7) Um resistor, que obedece à Lei de Ohm,


apresenta resistência igual a 10 . Represente,
em um gráfico, a corrente elétrica I que
percorre esse resistor, em função da diferença
de potencial U aplicada, no intervalo de U = 0
até U = 100 V.

8) Assinale a alternativa correta:


Os choques elétricos produzidos no corpo
humano podem provocar efeitos que vão
desde uma simples dor ou contração muscular,
até paralisia respiratória ou fibrilação
ventricular. Tais efeitos dependem de fatores
11) Qual dos seguintes gráficos representa a
como a intensidade de corrente elétrica,
corrente (I) que atravessa um resistor, em
duração, resistência da porção do corpo
função da ddp (U) entre os extremos desse
envolvida. Suponha, por exemplo, um choque
resistor que obedece à lei de Ohm?
produzido por uma corrente de apenas 4 mA e
que a resistência da porção do corpo envolvida
seja de 3000 . Então, pode-se afirmar que o
choque elétrico pode ter sido devido ao
contato com:
( ) uma pilha grande de 1,5 V;
( ) os contatos de uma lanterna contendo
uma pilha grande de 0,6 V;
( ) os contatos de uma bateria de
automóvel de 12 V;
( ) uma descarga elétrica produzida por
um raio num dia de chuva;
( ) os contatos de uma tomada de rede
elétrica de 120 V.

9) Leia com atenção as seguintes frases e


complete as lacunas
Frases:
a) A corrente elétrica é o resultado do ______
ordenado de _______ de um lugar para
outro;
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 20
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

12) Assinale a alternativa correta: 18) Assinale a alternativa correta:


Qual dos gráficos a seguir pode representar a Se o comprimento e o diâmetro de um resistor
resistência (R), em função da secção forem duplicados, a sua resistência:
transversal (S), de um fio condutor ôhmico de
comprimento constante? ( ) é multiplicada por quatro;
( ) permanece a mesma;
( ) é dividida por dois;
( ) é multiplicada por dois;
( ) é dividida por quatro.

19) Um forno elétrico resistivo é alimentado por


uma tensão U. Sabe-se que o resistor
empregado nesse forno foi fabricado com um
material, cuja resistividade apresenta um
coeficiente de temperatura igual a 5 m /0C.
Quando o forno está a 20 0C, a corrente que
circula pelo resistor é 2 A. Nessas condições,
pergunta-se: Quando a corrente for de 1,6 A,
qual é a temperatura do forno?

20) Dispõe-se de três resistores de resistências


300 cada um. Para se obter uma resistência
de 450 , como é necessário associá-los?

21) Qual é a resistência equivalente para n


resistores em série, todos com resistência R?

22) Qual é a resistência equivalente para n


13) Assinale a alternativa correta: resistores em paralelo, todos com resistência
O valor da resistência elétrica de um condutor R?
ôhmico não varia, se for mudado somente:
23) Determine a resistência equivalente à
( ) o material de que ele é feito; associação dos circuitos representados nas
( ) seu comprimento; figuras a seguir.
( ) a diferença de potencial a que ele é
submetido; 23.1)
( ) a área de sua secção reta;
( ) a sua resistividade.

14) Um condutor de cobre apresenta 1,0 km de


comprimento por 10 mm2 de secção e uma 23.2)
resistividade de 0,019 . mm2 /m. Aplicando-
se uma diferença de potencial de 38 V,
pergunta-se: Qual a intensidade de corrente
elétrica irá percorrer o fio?
15) Dois fios, um de níquel e outro de cromo, de
mesmo comprimento e resistividade 1 e 2
respectivamente, são submetidos á mesma
diferença de potencial. Qual a relação entre os
raios dos fios de níquel e cromo, afim de que 23.3)
as intensidades de correntes sejam iguais?

16) Quantos metros deve ter um fio de cobre com


2 mm de diâmetro, para que a sua resistência
seja igual a 1 ?
17) Qual é a resistência elétrica de uma barra de
alumínio de 1 m x 2 cm x 7 cm?
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 21
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

24) Assinale a alternativa incorreta com relação à 27) Determine a resistência equivalente entre os
associação de resistores em série. terminais A e B.
( ) A resistência equivalente é sempre
maior que a de qualquer um dos
resistores que compõem a associação;
( ) A intensidade de corrente elétrica é
igual em todos os resistores;
( ) A soma das tensões nos terminais dos
resistores componentes é igual à
tensão nos terminais da associação;
( ) A tensão é necessariamente a mesma
em todos os resistores. 28) Determine a resistência equivalente entre os
pontos A e B dos seguintes circuitos:
25) Nos circuitos esquematizados a seguir, calcule 28.1)
a resistência equivalente entre os pontos A e
B.
25.1)

28.2)

25.2)

28.3)

26) Calcule a resistência equivalente entre os


terminais A e B, nos seguintes casos:
26.1)

29) Obtenha a resistência equivalente entre os


pontos A e B, entre os pontos A e C e entre os
pontos D e B para o circuito esquematizado a
seguir.

26.2)

________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 22
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

30) Determine a resistência equivalente entre os 30.4)


pontos A e B para os seguintes casos:

30.1)

31) Determine a resistência equivalente entre os


pontos A e B e entre pontos A e C.

30.2)

32) Determine a resistência equivalente entre os


pontos X e Y.

30.3)

________________________________________________________________________________________________
Capítulo 3: Resistência Elétrica - 23
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

CAPÍTULO 4: CIRCUITOS EM CORRENTE


CONTÍNUA

RESUMO 2.0 – FONTES

Este capítulo apresenta os elementos de um Com visto no Capítulo 2, uma fonte produz
circuito e fornece procedimentos para a sua resolução. uma força eletromotriz ou fem (E), a qual estabelece
uma diferença de potencial (ddp) em seus terminais
(U), de modo a impulsionar a corrente pelo circuito.
1.0 - INTRODUÇÃO Se o circuito estiver aberto, ambas as
grandezas são iguais. Entretanto, ao se alimentar uma
Um circuito elétrico é um sistema constituído carga, o circuito estará fechado e fluirá uma corrente
por, pelo menos, uma fonte de energia, condutores ou por ele.
fios de ligação e um dispositivo que recebe e utiliza a Tal corrente também circula pelo interior
energia elétrica da fonte para realizar algum trabalho, o fonte (I) e sempre encontrará uma resistência interna
qual é chamado de carga. (Ri) dos elementos condutores que a compõe. Como se
A fonte converte alguma modalidade de sabe, pela lei de Ohm, resultará no surgimento de uma
energia em energia elétrica empregando, por exemplo, ddp na resistência, dada por:
o magnetismo ou reações químicas. Sua função é Ri x I
manter uma diferença de potencial entre dois pontos Assim, a tensão (U) nos terminais da fonte
desse circuito. Tal ddp, conforme visto anteriormente, (ddp) é igual à diferença entre a fem E e a ddp na
causará um fluxo de portadores de cargas através resistência, ou seja:
desses pontos, estabelecendo uma corrente elétrica por
todo o sistema. U = E - Ri x I (1)
São exemplos de fontes de tensão contínua, as
pilhas, baterias, geradores de corrente contínua Observe-se que, por esse motivo, a ddp na
(dínamos) e retificadores, entre outros de menor uso. resistência é chamada de queda de tensão interna da
Uma carga, por sua vez, converte a energia fonte. Desta forma, para um circuito fechado, a tensão
elétrica em outras formas de energia, tais como disponível nos terminais de uma fonte (U) é inferior a
movimento, luz, calor, ou som, ou pode simplesmente fem (E) produzida (ou gerada) devido à queda de
modificar ou controlar a quantidade de energia elétrica tensão interna.
fornecida pela fonte. São exemplos, os motores, Portanto, o valor da tensão terminal é inferior
lâmpadas e aparelhos que contêm resistências elétricas ao da força eletromotriz gerada e depende exigência de
(como chuveiros elétricos, por exemplo), entre outros. corrente pela carga.
Considerando-se tais fatos, as fontes são
representadas em desenhos elétricos como mostrado na
figura 2.

Figura 2 – Representação simbólica de uma fonte de


Figura 1 – Exemplo de um circuito elétrico básico. tensão contínua.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 24
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Observe-se que, se a resistência interna for Assim, eles produzem uma força que age no
nula, a queda de tensão também o será e a fonte sentido de impedir o fluxo de elétrons, ou seja, uma
considerada como ideal. Nesse caso, a fem e a ddp nos força contra-eletromotriz (fcem).
terminais possuiriam sempre os mesmos valores e Além disto, é importante ressaltar que os
iguais à operação com circuito aberto. A representação motores também apresentam uma resistência interna
simbólica para este caso é a mostrada na figura 3. (Ri) de seus componentes e, portanto, ao circular
corrente (I) por ela, ocorrerá uma queda de tensão
interna.
Pelo exposto, para um circuito fechado, a fem
(E) produzida (ou gerada) é inferior à tensão que se
aplica aos no terminal de uma carga (U) devido à
queda de tensão interna, ou seja:

U = E + Ri x I (2)

Devido a esses motivos, costuma-se utilizar


Figura 3 – Representação simbólica de uma fonte de uma simbologia semelhante à das fontes para
tensão contínua ideal. representar os motores, invertendo-se apenas o sentido
da corrente, como ilustra a figura 5.
3.0 – CARGAS

A carga é o dispositivo que absorve energia


elétrica da fonte, transformando-a em energia
mecânica, luminosa ou sonora, ou, ainda, em calor.
As três primeiras transformações sempre são
acompanhadas da produção de calor, inevitavelmente.
Observe-se que este termo também foi
utilizado para as cargas das partículas de um átomo
(elétron, prótons e nêutrons). Para evitar confusões,
elas serão denominadas portadores de carga, enquanto
o termo carga será empregado com a definição acima.
As cargas que transformam energia elétrica
a) Fonte b) Carga
contínua em energia mecânica são os motores de
corrente contínua, como o ilustrado na figura 4. Figura 5 – Representação simbólica de uma carga do
tipo motor de corrente contínua.

Observe-se que os resistores, já estudados,


também são cargas, pois transformam a energia elétrica
em calor, porém não produzem uma força contra-
eletromotriz.

4.0 - SENTIDO DA CORRENTE ELÉTRICA

Uma fonte apresenta dois terminais ou pólos,


sendo um positivo (+), ou de potencial mais alto, e
outro negativo (-), ou de potencial mais baixo. Desta
forma, tem-se um pólo (ou terminal) positivo e um
negativo.
Figura 4 – Motor de corrente contínua utilizado em Por outro lado, como analisado no Capítulo 2,
locomotivas (Motor de tração). sabe-se que a corrente em um condutor, sempre circula
do potencial mais alto (+) para o potencial mais baixo
Os motores apresentam aspectos construtivos (-) e, portanto, a polaridade da fonte de tensão
semelhantes ao dos geradores, entretanto, enquanto, determina o seu sentido no circuito. A figura 6 mostra
um gerador impulsiona a corrente pelo o circuito, o o sentido de circulação de corrente em um circuito com
motor tende a se opor a esse movimento. apenas uma fonte e um motor como carga.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 25
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

5.0 – ASSOCIAÇÃO DE FONTES

Muitas vezes é necessário efetuar uma


associação de fontes. São exemplos clássicos desse
fato, os aparelhos eletrônicos e banco de baterias.
O circuito representado na figura 8 mostra
duas fontes associadas em série.

Figura 6 – Circuito formado por fonte e motor de


corrente contínua como carga. Figura 8– Fontes em série.

Naturalmente, o mesmo ocorre quando a carga Na associação em série, assim como no caso
é um resistor, como exemplificado na figura 7. dos resistores, todos as fontes são percorridas pela
mesma corrente.

Figura 9 – Representação simbólica de “n” fontes em


série.
Assim, verifica-se que as tensões se somam,
desde que cada fonte tenha seu pólo negativo ligado ao
positivo da fonte seguinte, ou seja, a fem equivalente
(Eeq) é:

Eeq = E1 + E2 + ......... + En (3)

e, a resistência interna equivalente (Rieq):

Rieq = Ri1 + Ri 2 + ..... + Rin (4)


Figura 7 – Circuito formado por fonte e resistor.

Nas condições mostradas na figura 7,


necessariamente, o potencial do ponto A (UA) é maior
que o do ponto B (UB), ou seja:

UA > UB

Observa-se que, no circuito apresentado que a


ddp entre os terminais do resistor é igual à tensão nos
terminais da fonte. Figura 10 – Fonte equivalente.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 26
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Naturalmente, se houver uma fonte com E, a corrente total é:


polaridade invertida, ele funcionaria como carga.
A associação em paralelo de fontes também é I = I1 + I2 + ......... + In = n x I (6)
possível, como ilustra a figura 11.
Nessas condições, a fem (E) da fonte
equivalente é igual a fem. de cada uma delas, ou seja:

Eeq = E (7)
O mesmo é válido para as resistências
internas, ou seja:

Ri = Ri1 = Ri 2 = ..... = Rin (8)

Então, a resistência interna equivalente (Rieq)


da associação é dada por:

Ri
Figura 11 – Fontes em paralelo. Rieq = (9)
n

Figura 13 – Fonte equivalente.

Exercícios de fixação

1) Duas pilhas são conectadas como na


figura a seguir:

Figura 12 – Representação simbólica de “n” fontes em


paralelo.

Este tipo de configuração, entretanto, implica


em alguns cuidados, ou seja, as tensões de ambas as
Sabe-se que a pilha 1 apresenta fem E1
fontes devem ser rigorosamente iguais tanto em
igual a 3 V e resistência interna (Ri1)
polaridade quanto em intensidade. Em caso contrário,
igual a 0,6 e, a pilha 2, fem.E2 igual a
resultará em uma corrente de circulação na malha
6 V e resistência interna Ri2 igual a 1,2
formada pelas fontes, a qual, inclusive, independe da
. Nessas condições, determine a fem e
carga.
a resistência interna da fonte equivalente
Considerando-se apenas os casos que as
e a corrente de curto-circuito I.
fontes são idênticas, tem-se que a tensão (U) é a
mesma em todas as fontes, bem como todas as
Solução:
correntes fornecidas são iguais, ou seja:
A representação simbólica do circuito
I1 = I2 = ......... = In = I (5) mostrado é:
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 27
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Ri 5
Rieq = = = 0,5
n 10
Portanto, o circuito equivalente é:

As fontes estão em série e, então:

Eeq = E1 + E2 = 3 + 6 = 9 V
As resistências internas também estão em
série e, assim: Como as resistências estão em série, tem-se:
Rieq = Ri1 + Ri2 = 0,6 + 1,2 = 1,8 Req = Ri + R = 0,5 + 4 = 4,5
O circuito equivalente é: Portanto, a corrente I é facilmente calculada
através de:

Eeq 9
I= = = 2A
Req 4,5

A tensão U nos terminais do resistor é:

U =RxI =4x2=8V

6.0 – RESOLUÇÃO DE CIRCUITOS SIMPLES


A corrente de curto-circuito I é facilmente
Para a resolução de circuitos com oferece
calculada através de:
apenas um caminho para circulação de corrente, como
o da figura 14, por exemplo, pode-se adotar o seguinte
Eeq 9 procedimento:
I= = =5A
Rieq 1,8

Observe-se que a tensão U é nula.

2) Dez baterias de 9V e 5 cada uma são


associadas em paralelo, para alimentar um
resistor de 4 . Qual a ddp e a corrente
nesse resistor?

Solução:
Figura 14 – Exemplo de circuito com apenas um
Essa associação é equivalente a uma caminho para a corrente.
fonte com fem igual a 9 V e, de acordo
com a expressão (9), resistência interna 10 passo) Adota-se um sentido da corrente como o
equivalente Rieq igual a: mostrado na figura;
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 28
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

20 passo) Marca-se as polaridades das fem e fcem; No circuito tem-se, no sentido da corrente:

30 passo) Determina-se o valor da fem equivalente, Eeq = - 10 V + 7 V – 2 V


respeitando-se a polaridade no sentido da corrente, Ou:
obtendo-se uma fonte equivalente;
Eeq = - 5 V
40 passo) Determina-se a resistência equivalente;
O sinal negativo indica que a corrente entraria
50 passo) Com esses valores obtêm-se o circuito no pólo negativo (-) da fonte equivalente e sai
equivalente; pelo pólo positivo (+), como deve ser.
40 passo) Cálculo da resistência equivalente:
60 passo) Calcula-se a corrente pela lei de Ohm.
Como as resistências estão todas em série,
Exercícios de fixação basta adicioná-las para determinar a
equivalente (Req), ou seja:
1) Calcular a corrente que circula no circuito
mostrado na figura a seguir. Req = 2 +2 + 3 + 3
Ou:
Req = 10
50 passo) Circuito equivalente:
Com os valores calculados, o circuito
equivalente é o mostrado na figura a seguir:

Solução:
10 passo) Adota-se um sentido qualquer de
corrente como o mostrado na figura a seguir:

60 passo) Cálculo da corrente:


Com esta configuração do circuito, a corrente
é facilmente calcula através de:
U 5
I= = = 0,5
R 10
Portanto, a corrente no circuito é

I = 0,5 A
20 passo) Marca-se as polaridades como a
seguir: 2) Calcular a corrente que circula no circuito da
figura a seguir.

30 passo) Cálculo da fonte equivalente (Eeq):


________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 29
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Solução: 40 passo) Cálculo da resistência equivalente:

10 passo) Adota-se um sentido qualquer de Como as resistências estão todas em série,


corrente como o mostrado na figura a seguir: basta adicioná-las para determinar a
equivalente (Req), ou seja:

Req = 1 +2 + 3 + 3
Ou:
Req = 9
50 passo) Circuito equivalente:

Com os valores calculados, o circuito


equivalente, já com o sentido correto da
20 passo) Marca-se as polaridades como a corrente, é o mostrado na figura a seguir:
seguir:

60 passo) Cálculo da corrente:

Com esta configuração do circuito, a corrente


é facilmente calculada através de:

30 passo) Cálculo da fonte equivalente (Eeq): U 9


I= = =1
No circuito tem-se, no sentido da corrente: R 9

Eeq = - 1 V + 10 V Portanto a corrente no circuito é


Ou:
I=1A
Eeq = + 9 V
O sinal positivo indica que a corrente entraria 7.0 – DIVISORES DE TENSÃO E CORRENTE
no pólo positivo (-) da fonte equivalente e sai
pelo pólo negativo (+), como deve ser. Considere-se o circuito simples da figura 15,
Portanto, o sentido da corrente está ao cuja representação simbólica é dada na figura 16.
contrário do que deveria ser. Corrigindo-se o
sentido, tem-se o mostrado na figura a seguir:

Figura 15 – Circuito elétrico.


________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 30
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

pois permite dividir a tensão aplicada


proporcionalmente entre elas.
Também existem divisores de corrente, que
são circuitos (ou trechos) como o mostrado na figura
17 e representado na figura 18.

Figura 16 – Circuito elétrico.

Como a corrente circula pelas duas


resistências que estão em série, a soma de suas quedas
de tensão é, obrigatoriamente, igual a fem aplicada, ou
seja:

U = U1 + U2 (10)

Mas:
Figura 17 – Divisor de corrente.
U1 = R1 x I (11)

U2 = R2 x I (12)

Ou seja:

U = U1 + U2 = R1 x I + R2 x I
Ou, ainda:

U = (R1 + R2) x I (13)

Portanto: Figura 18 – Divisor de corrente.

U Efetuando-se equacionamento semelhante ao


I= (14) anterior, obtêm-se:
R1 + R2
R2
Substituindo-se (14) em (11) e em (12), I1 = I (17)
R1 + R2
obtêm-se, respectivamente:
R1 e
U1 = U (15)
R1 + R2 R1
I2 = I (18)
R1 + R2
e
R2 Exercícios de fixação
U2 = U (16)
R1 + R2 1) No circuito representado na figura a
seguir, a queda de tensão no resistor R é
Em função do exposto, o tipo de configuração de 6 V. Nestas condições, calcule o seu
de resistências é conhecido como divisor de tensão, valor.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 31
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

U 6
I= = = 0,83 A
R 7,2

Assim, aplicando-se as expressões (10) e (11),


tem-se:

- Na resistência de 12 :

R2 8
I1 = I= 0,83 = 0,332 A
R1 + R2 12 + 8

Solução:
- Na resistência de 8 :

A resistência equivalente entre os resistores de R1 12


I2 = I= 0,83 = 0,498 A
12 e 8 é: R1 + R2 12 + 8
R1 x R2 12 x 8
Req = = = 4,8 8.0 – CHAVES E FUSÍVEIS
R1 + R2 12 + 8
8.1 - Chaves
Assim, o circuito mostrado pode ser reduzido
ao da figura a seguir: Nem todos os elementos de um circuito
elétrico fornecem ou consomem energia. Há
dispositivos de controle, tais como as chaves ou
interruptores, que podem ligar ou desligar um circuito
ou elemento a um circuito maior, por exemplo.

Como a tensão no resistor R é igual a 6 V,


pode-se dizer a partir de (14) que:

R
6= 10
R + 4,8

De onde: Figura 19 – Exemplo de utilização de uma chave faca.

R = 7,2 A simbologia empregada para esse tipo de


componente é a mostrada na figura 20.

2) Para as mesmas condições anteriores,


calcule as correntes nos resistores em
paralelo.
Figura 20 – Simbologia para chaves ou interruptores.
Solução:
O circuito da figura 19 pode ser representado
A corrente total I do circuito é: de forma simbólica como o mostrado na figura 21.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 32
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

A resistência equivalente total (Req) é, então:

Req = Req1 + Req2 = 4,8 + 7,2 = 12


A corrente total I do circuito, com a chave
Figura 21 – Representação simbólica do circuito da
aberta, é:
figura 19.
E 12
I= = =1A
Exercício de fixação Req 12
No circuito representado na figura a seguir,
calcule o valor da corrente total (I), para a b) Chave fechada
chave aberta e fechada.
Ao se fechar a chave, a resistência de 6 é
curto-circuitada e o circuito fica:

Solução: Portanto, a resistência equivalente total (Req)


é:
a) Chave aberta
Req = Req1 + R = 4,8 + 1,2 = 6
A resistência equivalente entre os resistores de
Desta forma, a corrente total I do circuito,
12 e 8 é:
com a chave fechada, é:
R1 x R2 12 x 8 E 12
Req1 = = = 4,8 I= = =2A
R1 + R2 12 + 8 Req 6
Por outro lado, a resistência equivalente entre 8.2 - Fusíveis
os resistores de 1,2 e 6 é:
Os fusíveis são dispositivos de proteção que,
Req2 = 1,2 + 6 = 7,2 pela fusão de uma parte especificamente projetada e
dimensionada, interrompem os circuitos no quais se
Assim, o circuito mostrado pode ser reduzido acham inseridos, interrompendo a corrente quando ela
ao da figura a seguir: excede um valor determinado em um certo tempo.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 33
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Sua operação consiste na fusão de um


elemento fusível quando por ele circular uma corrente
com valor superior àquela para o qual foi projetado.
Observa-se que são equipamentos de larga
aplicação, com diversos tipos construtivos, e, na
realidade, constituem-se na proteção mais tradicional
dos circuitos e sistemas elétricos contra curtos-
circuitos, porém podendo também atuar sob condições
de sobrecarga.

Solução:

a)
Fechando-se K1
Ao fechar apenas K1, as resistências de 20 e
10 estarão em série, e, assim, a resistência
equivalente entre eles é:de:

Figura 22 – Exemplo de fusíveis. Req = 20 + 10 = 30

Os fusíveis podem ser representados de várias A corrente total I do circuito, com a chave K1
formas em circuitos, como ilustrado na figura 23. fechada, é:

E 30
I= = =1A
Req 30

Como o fusível F2 suporta apenas 0,5 A ele irá


Figura 23 – Exemplo de simbologia para fusíveis. queimar.

Atualmente os fusíveis têm sido substituídos


pelos disjuntores, dispositivos com a mesma função Fechando-se K2
mas que não se queimam, apenas desligam ou Ao fechar a chave K2, com a chave K1
"desarmam". Eles permitem manobra manual e podem inicialmente fechada, as resistências de 20 e 5
ser religados, ao contrário de fusíveis que necessitam estarão em série, pois o fusível F2 queimou
ser trocados quando da ocorrência de um curto- e interrompeu o circuito. Assim, a resistência
circuito. equivalente entre eles é:de:

Exercício de fixação Req = 20 + 5 = 25


No circuito representado na figura a seguir, os
fusíveis F1, F2, F3 e F4 suportam, no máximo, A corrente total I do circuito, com as chaves
correntes de intensidade 1,2 A, 0,5 A, 2 A e 5 K1 e K2 fechadas, é:
A, respectivamente. Nessas condições,
pergunta-se: E 30
a) Se as chaves K1, K2, K3 forem nessa I= = = 1,2 A
Req 25
seqüencialmente e nessa ordem, o que
ocorre?
b) Como deve ser a ordem de fechamento Tanto fusível F1 quanto o F3 suportam essa
dessas chaves. corrente.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 34
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Fechando-se K2
Ao fechar a chave K2, com as chaves K1 e K2
inicialmente fechadas, as resistências de 20 e
5 dos ramos estarão em paralelo e ambas
em série com a outra de 20 .

R1 x R2 20 x 5
Req1 = = =4
R1 + R2 20 + 5

ReqT = 20 + 4 = 24
Portanto:

E 30 Figura 24 – Exemplo de amperímetro.


I= = = 1,25 A
Req 24

Essa corrente irá queimar o fusível F1,


interrompendo todo o circuito.

b)
Nesse circuito não é possível fechar-se todas
as chaves com os fusíveis utilizados. No
máximo, o que se pode fazer é fechar K2 ou K3
separadamente, pois:
Apenas com K2 fechada: Figura 25 – Utilização de amperímetros para medição
Já calculado, sendo: de corrente em circuitos.

I = 1,2 A O voltímetro, por outro lado, é um instrumento


destinado a medir tensão elétrica entre dois pontos de
Apenas com K3 fechada: um circuito elétrico e, portanto, deve ser ligado em
Nesse caso, as duas resistências de 20 paralelo com o elemento de circuito cuja tensão se
estarão em série, e, assim: quer medir.
Sua resistência interna é muito elevada, sendo,
Req = 20 + 20 = 40 em condições ideais, considerada infinita.

e
E 30
I= = = 0,75 A
Req 40

Como se observa, a corrente é inferior a


admissível por ambos os fusíveis (F1 e F4)

9.0 – AMPERÍMETRO E VOLTÍMETRO

Um amperímetro tem como objetivo medir a


corrente elétrica que circula por um circuito ou por um
ramo do mesmo e, portanto, deve ser ligado em série
no circuito cuja corrente se quer medir.
Sua resistência interna é muito baixa, sendo,
em condições ideais, considerada nula. Figura 26 – Exemplo de voltímetro.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 35
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

De onde, a leitura do amperímetro deve ser:

I = 0,16 A
A leitura do voltímetro, por outro lado, é a
diferença de potencial entre os pontos A e B
aos quais ele está ligado. Assim:

UAB - 6 + 1,5 I + 11 I = 0

Figura 27 – Utilização de voltímetro para medição de Ou:


tensão em circuitos.
UAB = 6 – (1,5 + 11) I
Exercício de fixação
UAB = 6 – 12,5 x 0,16
No circuito representado na figura a seguir,
determine as leituras do amperímetro e do De onde, a leitura do voltímetro deve ser:
voltímetro, supondo que eles são ideais (isto é, não
interferem no circuito).
UAB = 4 V

10.0 – PONTE DE WHEATSTONE

A ponte de Wheatstone é um circuito que,


dentre outras aplicações, pode ser usado para medir
resistências e possui a configuração da figura 28.

Solução:

Como o circuito possui apenas uma malha, a


leitura do amperímetro é a própria corrente
total I do circuito.

Figura 28 – Ponte de Wheatstone.

A ponte de Wheatstone estará em equilíbrio


quando a corrente I que circula pelo amperímetro for
nula, o que ocorre quando:

R1 x R2 = R3 x R4 (19)

Se, por exemplo a resistência R4 é


desconhecida, é possível determiná-la com a ponte em
equilíbrio e conhecendo-se as demais resistências, ou
Assim, circulando a malha a partir do ponto A seja:
no sentido anti-horário, tem-se:
R2
R4 = × R1 (20)
- 6 + 1,5 I + 11 I + 12 I +2 + 0,5 I = 0 R3
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 36
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

EXERCÍCIOS PROPOSTOS 5) No circuito da figura, as resistências valem R1


= 4,0 , R2 = 2,0 e R3 = 2,0 . Calcular as
1) Determine a corrente que percorre o circuito correntes I1 e I2 que atravessam as resistências
ilustrado na figura a seguir. R1 e R2.

2) Determine a corrente que atravessa a fonte do 6) No circuito abaixo, determine as correntes I,


circuito ilustrado na figura a seguir. I1, I2 e I3.

7) No circuito da figura abaixo, qual é a corrente


I, em Ampères, fornecida pela bateria de 12V
3) A figura a seguir representa um trecho AB de ?
um circuito elétrico percorrido por uma
corrente de 0,5 A. Nessas condições,
determine a ddp entre os pontos A e B.

4) Calcular a corrente no resistor R = 10 no


circuito representado a seguir:

8) No circuito dado, o gerador é ideal. Qual é a


ddp entre os terminais da resistência de 10 ?

________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 37
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

9) No circuito abaixo, todos os resistores têm a


mesma resistência. Nessas condições
pergunta-se:
a) Mantendo-se aberta a chave S, qual
o resistor submetido à maior
diferença de potencial? 12) Na figura os fusíveis possuem resistências
b) Se for I a corrente elétrica que desprezíveis e suportam, no máximo, as
atravessa o resistor R1, quando a correntes neles indicadas. Para que nenhum
chave S estiver fechada, qual é a deles queime, qual é o maior valor da corrente
corrente que atravessará este mesmo I?
resistor, quando a chave S estiver
aberta?

13) Qual é a corrente indicada pelo amperímetro,


sabendo-se que a fem da fonte G é igual a 250
V e o valor de todas as resistências igual a 100
?

10) No circuito abaixo, determine a maior tensão


da bateria para que nenhum dos fusíveis
queime, sabendo-se que eles possuem
resistência desprezível.

14) Determine as leituras do amperímetro e do


voltímetro. Suponha que eles são ideais, isto
é, não interferem no circuito.

11) Na montagem esquematizada na figura, os


fusíveis possuem resistências desprezíveis e
suportam, no máximo, as correntes neles
indicadas. Se houver uma ddp de 120 V entre
os pontos A e B, qual (is) fusível (eis) irá (ão)
queimar?

________________________________________________________________________________________________
Capítulo 4: Circuitos em Corrente Contínua - 38
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

CAPÍTULO 5: POTÊNCIA ELÉTRICA

RESUMO Pode-se demonstrar que um dispositivo


elétrico percorrido por uma corrente I, quando
Este capítulo aborda o conceito de potência submetido à uma tensão U, desenvolve uma potência
elétrica nos circuitos de corrente contínua e seus (consome ou entrega energia em um determinado
componentes. tempo) dada por:

P = UI (2)
1.0 - INTRODUÇÃO

A energia se manifesta sob as mais variadas A unidade de potência no SI é o Watt,


formas e, por isso, recebe diferentes nomes, tais como: podendo, naturalmente, ser empregados os seus
elétrica, luz (energia luminosa), som (energia sonora), múltiplos e submúltiplos (kW ou MW, por exemplo).
calor (energia calorífica), movimento (energia Note-se que, da expressão (1), pode-se afirmar
cinética), entre outras. que a energia elétrica (Eel) é:
Observa-se que não é fácil definir o que é
energia de maneira simples e precisa, porque ela é um Eel = P x t (3)
conceito muito abstrato, que abrange fenômenos
extremamente diferentes entre si. Intuitivamente, Para a energia, a unidade mais utilizada na
entretanto, pode-se pensar em energia como algo que prática é o quilowatt - hora (kWh), onde a unidade de
se transforma continuamente e pode ser utilizado para potência é dada em quilowatt e o tempo em hora.
realizar trabalho. É importante ressaltar nesse ponto, que o tipo
No caso de um circuito, a carga pode realizar de carga utilizada determina a quantidade de energia
trabalho, produzir calor ou luz, a partir da energia retirada da fonte. Por isso, o termo carga muitas vezes
elétrica. Como se sabe, ela deve ser proveniente de é usado para designar a potência fornecida pela fonte.
uma fonte. Nesse caso, quando se diz que a carga
Observa-se que, em qualquer processo, a aumenta ou diminui, significa que a fonte está
energia nunca é criada ou destruída, apenas fornecendo mais ou menos potência. Portanto, deve-se
transformada de uma modalidade para outra ou outras. ter em mente que a palavra carga possui dois
A quantidade de trabalho executado pela carga significados, ou seja, é o dispositivo que retira energia
depende da quantidade de energia fornecida e da da fonte e a potência que é retirada da fonte.
velocidade com que ela a utiliza. Em outras palavras,
com a mesma quantidade de energia, algumas cargas
Exercícios de fixação
consomem mais do que outras, no mesmo intervalo de
tempo. Portanto, algumas cargas utilizam a energia
mais rapidamente do que outras. 1) Qual é a corrente que circula por um
Assim, a “rapidez” que uma fonte ou uma chuveiro elétrico com as seguintes
carga recebe ou fornece energia denomina-se potência. características: 220 V – 2.200 W?
Solução:
2.0 – POTÊNCIA ELÉTRICA
As características citadas referem-se à
Em função do exposto, a potência pode ser tensão elétrica que é aplicada ao
definida como a relação entre a energia (Eel) fornecida chuveiro, ou seja, 220 V e à potência que
(ou recebida) por uma máquina ou sistema em um ele dissipa (2.200 W) nessa tensão.
determinado tempo (t), ou seja: Assim, da expressão (2), vem:

Eel P 2200
P= (1) I= = = 10 A
t U 220
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 5: Potência Elétrica - 39
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

2) Em 30 minutos de funcionamento, que Por outro lado, sabe-se que:


quantidade de energia o chuveiro descrito
no exercício anterior consome? U
I=
Solução: R
Como: E, desse modo:
30 minutos = 0,5 hora,
U
aplicando-se a expressão (3), resulta: P = UI = U x
R
Eel = P x t = 2,2 x 0,5 = 1,1 kWh
De onde:

3.0 – EFEITO JOULE U2


P= (5)
R
Toda vez que uma corrente elétrica circula
através de um condutor, produz calor. Esse fenômeno é Deve-se atentar que, a potência dissipada, é
denominado efeito Joule, descoberto em 1840 pelo uma grandeza de muita importância para os resistores.
cientista inglês James Prescott Joule (1818 – 1889). Ela deve ser especificada juntamente com a resistência,
Note-se que a produção de calor nos bons pois, na realidade, ela definirá o tamanho do
condutores é menor, pois é mais fácil causar um fluxo dispositivo, de modo a dissipar calor.
de corrente. Um mau condutor, entretanto, pode Um resistor de 10 m , por exemplo, pode
produzir grande quantidade de calor. dissipar vários kW, enquanto um de 10 K , dissipar
Desta forma, como a resistência elétrica está alguns poucos watts.
associada com à circulação de corrente, nelas sempre
ocorrerá uma dissipação de energia na forma de calor,
causando uma elevação de temperatura.
Existem várias aplicações práticas desse efeito
no dia-a-dia, tais como aquecedores, secadores e
chuveiros, entre outros. Por outro lado, ele pode ter
conseqüências indesejáveis, como, por exemplo, a
diminuição da vida útil do isolamento de equipamentos
elétricos por excesso de aquecimento.

4.0 - POTÊNCIA DISSIPADA EM UM RESISTOR

Ao circular uma corrente I por um resistor de


resistência R a partir da aplicação de uma tensão U, ela
converterá energia elétrica em térmica (efeito Joule).
Sendo assim, a potência elétrica consumida
pelo resistor (P) é dissipada ou perdida e dada pela
expressão (2). a) Resistores para locomotivas.
Mas, de acordo com a primeira lei de Ohm,
tem-se:

U =RxI
Então:

P = UI = R x I x I
b) Resistor tubular com potência até 1 kW.
ou:
Figura 1 – Resistores de grande potência e baixa
P= R x I2 (4) resistência - Exemplos
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 5: Potência Elétrica - 40
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

EXERCÍCIOS PROPOSTOS

1) Em um local iluminado por 12 lâmpadas


incandescentes, sendo 5 de 100W e 7 de 60W
cada, pergunta-se:
a) Para uma média diária de 3 horas de
plena utilização das lâmpadas, qual
a energia consumida em (kWh) por
Figura 2 - Resistor de 4.7 k e potência de 0,25 W. essas lâmpadas, em um mês de 30
dias?
Exercícios de fixação
b) Sendo a tensão da instalação de 115
1) Qual é a potência dissipada em uma V, qual é a corrente total utilizada
resistência de 5 quando é percorrida pelas lâmpadas?
por uma corrente de 2 A? 2) Várias lâmpadas idênticas estão ligadas em
Solução: paralelo a uma rede de alimentação de 110 V.
Sabendo-se que a corrente elétrica que
Aplicando-se a expressão (4), resulta: percorre cada lâmpada é de 6/11 A, pergunta-
se:
P = R x I 2 = 5 x 2 2 = 20 W a) qual a potência dissipada em cada
lâmpada?
2) Qual é a resistência do chuveiro elétrico
de 220 V e 2.200 W? b) se a instalação das lâmpadas estiver
protegida por um fusível que
Solução: suporta até 15 A, quantas lâmpadas
podem, no máximo, ser ligadas?
Nesse caso, a partir da expressão (5)
obtêm-se: 3) Um fio de resistência elétrica igual a 50 é
submetido a uma diferença de potencial de 20
V. Qual a energia dissipada no fio em um
U 2 220 2 minuto?
R= = = 22
P 2200 4) Um fusível de 30 A foi instalado em uma rede
alimentada por uma tensão de 120 V. Quantas
lâmpadas de 110 W poderão ser ligadas
5.0 – POTÊNCIA DA FONTE
simultaneamente nesta rede, sem perigo de
queimar o fusível?
Sabe-se que em uma fonte de fem. E e
resistência interna Ri, fornecendo corrente elétrica de 5) Qual é a potência de um aparelho elétrico que
intensidade I sob tensão U, tem-se: consome a energia de 2,5 kWh em 10 min?
6) Quantos resistores de 160 devem ser
U = E - Ri x I
associados em paralelo, para dissipar 500 W
Então, multiplicando por I todos os termos da sob uma diferença de potencial de 100 V?
expressão, resulta: 7) Um chuveiro elétrico, quando sob ddp de
2 220V, é atravessado por uma corrente elétrica
U x I = E x I - Ri x I x I = E x I - Ri x I de intensidade 10 A. Qual é a energia elétrica
consumida, em kWh, em 15 minutos de
Cada termo representa uma potência elétrica,
funcionamento?
ou seja:

Pf = U x I é a potência fornecida pela fonte; 8) Um aparelho elétrico de aquecimento traz na


plaqueta a inscrição 100 W e 100 V. Qual é a
sua resistência?
Pg = E x I é a potência total gerada,
9) Um resistor de resistência elétrica R, quando
Pe = Ri x I 2 é a potência dissipada no interior, ou ligado a uma ddp de 220 V, dissipa 1 kW.
mais comumente, chamada de perdas Para que outro resistor, ligado a 110 V,
por efeito Joule. dissipe 2 kW, qual deve ser a sua resistência?
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 5: Potência Elétrica - 41
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

10) Um chuveiro de 6 kW e 220 V teve sua


resistência danificada. Para consertá-lo, 1/3 de
sua resistência foi cortada, aproveitando-se
somente o restante. Qual é a nova potência do
chuveiro?
11) Um aparelho elétrico alimentado por uma
diferença de potencial de 120 V consome uma
potência de 60 W. Calcule:
a) A intensidade da corrente que circula
pelo aparelho, expressa em A.
b) A energia elétrica que ele consome
14) A bateria do circuito representado na figura a
em 8 horas, expressa em kWh.
seguir possui resistência interna desprezível.
Nestas condições, calcule a potência que essa
12) A uma bateria de 12 V ligam-se dois
bateria fornece ao circuito.
resistores em paralelo, pelos quais passam
respectivamente 0,5 A e 1,5 A.
a) Qual a carga fornecida pela bateria
durante 5 minutos?
b) Qual a potência total dissipada nos
resistores?
13) No circuito proposto, calcule:
a) a indicação do amperímetro ideal;
b) a potência elétrica fornecida pelo
gerador;
c) a potência elétrica dissipada em cada
um dos elementos do circuito.

________________________________________________________________________________________________
Capítulo 5: Potência Elétrica - 42
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

CAPÍTULO 6: ANÁLISE DE CIRCUITOS

RESUMO

Este capítulo apresenta as leis de Kirchhoff e


o seu emprego na resolução de circuitos mais
complexos que os apresentados nos capítulos
anteriores.

1.0 - INTRODUÇÃO

As técnicas de análise de circuitos são


procedimentos utilizados para avaliar o comportamento
das grandezas elétricas em um circuito com mais de Figura 2 – Nós (pontos A e B).
uma fonte e com mais de um caminho fechado para
corrente. Denomina-se ramo ao conjunto de elementos
Existem muitas delas, como por exemplo: inseridos entre dois nós como exemplifica a figura 3.
análise nodal, superposição, equivalentes de Thèvenin
e Norton.
Esse capítulo, entretanto, estuda apenas o
equacionamento dos circuitos através de malhas e,
mesmo assim, restringindo a, no máximo, duas delas.
Esta técnica de análise baseia-se na Leis de
Kirchhoff, como mostrado a seguir.

2.0 - NÓS, MALHAS E RAMOS

Em um circuito elétrico, denomina-se malha


um conjunto de elementos que constitui um percurso
fechado para o fluxo de corrente elétrica e que não
contenha apenas resistências, como exemplificado na
figura 1.
Figura 3 – Ramos de um circuito.

3.0 – RESOLUÇÃO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS


COM UMA MALHA

Para a resolução de circuitos com apenas uma


malha, como o da figura 1, pode-se adotar o seguinte
procedimento:

10 passo) Adota-se um sentido da corrente como o


mostrado na figura;

Figura 1 – Exemplo de uma malha. 20 passo) Marca-se as polaridades das fem e fcem;
0
Por outro lado, denomina-se nó a um ponto 3 passo) Adiciona-se os valores das fem e fcem,
comum a três ou mais condutores, como ilustrado na respeitando-se a polaridade no sentido da corrente,
figura 2. obtendo-se o valor de uma fonte equivalente;
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 6: Análise de Circuitos - 43
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

40 passo) Determina-se a resistência equivalente; Ou:


Eeq = - 5 V
50 passo) Com esses valores obtêm-se o circuito
equivalente O sinal negativo indica que a corrente entraria
no pólo negativo (-) da fonte equivalente e sai
60 passo) Calcula-se a corrente. pelo pólo positivo (+), como deve ser.
Exercícios de fixação
40 passo) Cálculo da resistência equivalente:
1) Calcular a corrente que circula no circuito da Como as resistências estão todas em série,
figura a seguir. basta adicioná-las para determinar a
equivalente (Req), ou seja:
Req = 2 +2 + 3 + 3
Ou:
Req = 10
50 passo) Circuito equivalente:
Com os valores calculados, o circuito
equivalente é o mostrado na figura a seguir:

Solução:
10 passo) Adota-se um sentido qualquer de
corrente como o mostrado na figura a seguir:

60 passo) Cálculo da corrente:


Com esta configuração do circuito, a corrente
é facilmente calcula através de:

U 5
I= = = 0,5
R 10
Portanto, a corrente no circuito é
20 passo) Marca-se as polaridades como a
seguir:
I = 0,5 A
2) Calcular a corrente que circula no circuito da
figura a seguir.

30 passo) Cálculo da fonte equivalente (Eeq):


No circuito tem-se, no sentido da corrente:
Eeq = - 10 V + 7 V – 2 V
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 6: Análise de Circuitos - 44
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Solução: 40 passo) Cálculo da resistência equivalente:


Como as resistências estão todas em série,
10 passo) Adota-se um sentido qualquer de
basta adicioná-las para determinar a
corrente como o mostrado na figura a seguir:
equivalente (Req), ou seja:

Req = 1 +2 + 3 + 3
Ou:
Req = 9
50 passo) Circuito equivalente:
Com os valores calculados, o circuito
equivalente, já com o sentido correto da
corrente, é o mostrado na figura a seguir:
20 passo) Marca-se as polaridades como a
seguir:

60 passo) Cálculo da corrente:


Com esta configuração do circuito, a corrente
é facilmente calcula através de:

U 9
I= = =1
3 passo) Cálculo da fonte equivalente (Eeq):
0 R 9
No circuito tem-se, no sentido da corrente: Portanto a corrente no circuito é

I=1A
Eeq = - 1 V + 10 V
Ou:
Eeq = + 9 V 3.0 – LEIS DE KIRCHHOFF

O sinal positivo indica que a corrente entraria Em 1845, o físico Gustav Robert Kirchhoff
no pólo positivo (-) da fonte equivalente e sai (1824 - 1887), anunciou regras que permitem calcular
pelo pólo negativo (+), como deve ser. correntes, tensões e resistências em circuitos elétricos
Portanto, o sentido da corrente está ao com muitas malhas, em uma extensão do trabalho de
contrário do que deveria ser. Corrigindo-se o Ohm. Tais regras são conhecidas como leis de
sentido, tem-se o mostrado na figura a seguir: Kirchhoff, as quais são:
a) Lei de Kirchhoff das Correntes (LKC) ou
lei dos nós;
b) Lei de Kirchhoff das Tensões (LKT) ou
lei das malhas.

3.1 - Lei de Kirchhoff das Correntes (LKC)

A Lei de Kirchhoff das Tensões estabelece


que:

A soma das correntes que entram e saem de um nó é


nula.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 6: Análise de Circuitos - 45
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Ou, em outras palavras: Ou seja:

A soma das correntes que chegam a um nó é igual à E1 - E2 = U1 + U2 + U3


soma das as correntes que dele saem.
Observa-se que a queda de tensão na
Para ilustrar o exposto, a figura 4 mostra um resistência é sempre:
circuito com três correntes, uma em cada ramo, às
quais se encontram no nó A (e também no B). U=RxI
Então:

U1 = R1 x I

U2 = R2 x I

U3 = R3 x I
Ou, ainda:
Figura 4 – Nós e correntes em um circuito.
E1 - E2 = R1 x I + R2 x I + R3 x I
De acordo com a Lei de Kirchhoff das
Correntes tem-se no nó A (ou B): De onde se obtêm a corrente da malha através
de:
I1 + I2 = I3
E1 - E2
Ou, ainda:
I=
R1 + R2 + R3
I1 + I2 - I3 = 0 Pelo mostrado, a Lei de Kirchhoff das Tensões
permite calcular, facilmente, a corrente da malha.
3.2 - Lei de Kirchhoff das Tensões (LKT)
Assim, é interessante a sua utilização em
A Lei de Kirchhoff das Tensões estabelece circuitos que contenham várias malhas.
que:
Para a resolução de circuitos com duas
A soma das tensões de todos os componentes de uma
malhas, como o da figura 4, pode-se empregar o
malha é nula.
seguinte procedimento:
De modo a exemplificar essa lei, seja o
10 passo) Adota-se um sentido qualquer para as
circuito da figura 12.
correntes I1, I2 e I3.

Figura 5 – Circuito com uma malha.

Somando-se as tensões no sentido da corrente,


tem-se: 20 passo) Adota-se um sentido de circulação para as
malhas iguais aos das respectivas correntes, como
- E1 + U1 + E2 + U2 + U3 = 0 mostrado na figura a seguir.
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 6: Análise de Circuitos - 46
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

80 passo) Substituir o valor de I3 nas expressões das


malhas, ou seja:

R1 x I1 - E1 + R3 x (I1 + I2) = 0
e:
R2 x I2 - E2 + R3 x (I1 + I2) = 0
90 passo) Arranjar as expressões adequadamente:

(R1 + R3) x I1 + R3 x I2 = E1
30 passo) Adota-se um ponto de referência qualquer
para o início e o fim da inspeção da malha 1. e:
R3 x I1 + (R2 + R3) x I2 = E2
100 passo) Resolver o sistema de duas equações e duas
incógnitas (I1 e I2);

110 passo) Calcular I3, através:

I3 = I1 + I2
As correntes que apresentarem valor negativo,
significa que seu sentido foi adotado invertido, mas o
seu valor está correto.
Exercícios de fixação
40 passo) Adota-se um ponto de referência qualquer
para o início e o fim da inspeção da malha 2. 1) Calcular as correntes de cada ramo do
circuito da figura a seguir.

Solução:
50 passo) Efetua-se a circulação da malha 1, a partir do
seu ponto de referência no sentido adotado, ou seja: 10 passo) Adotando-se um sentido qualquer
para as correntes I1, I2 e I3, tem-se:
R1 x I1 - E1 + R3 x I3 = 0
60 passo) Efetua-se a circulação da malha 2, a partir do
seu ponto de referência no sentido adotado, ou seja:

R2 x I2 - E2 + R3 x I3 = 0

70 passo) Aplicar a lei dos nós para a corrente I3, ou


seja:

I3 = I1 + I2
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 6: Análise de Circuitos - 47
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

20 passo) Adotando-se o mesmo sentido das 60 passo) Efetuando-se a circulação da malha


correntes para as respectivas malhas, tem-se: 2 a partir do seu ponto de referência, obtêm-
se:
3 – 1 + 3 x I2 + 2 x I2 + 2 + 5 x I3 = 0
ou:
5 x I3 + 5 x I2 + 4 = 0
70 passo) Aplicando-se a lei dos nós para a
corrente I3:
I3 = I1 + I2

80 passo) Substituindo-se o valor de I3 nas


expressões das malhas, resulta:
30 passo) Marcando-se o ponto de referência
para o início e o fim da inspeção da malha 1, 5 x I1 - 7 + 5 x (I1 + I2) = 0
tem-se:
e:
5 x (I1 + I2) + 5 x I2 + 4 = 0
90 passo) Arrumando-se as expressões
adequadamente:

10 x I1 + 5 x I2 = 7
e:

5 x I1 + 10 x I2 = - 4
100 passo) Resolvendo-se o sistema de duas
equações e duas incógnitas (I1 e I2), resulta:
40 passo) Marcando-se o ponto de referência
para o início e o fim da inspeção da malha 2, I1 = 1,2 A e I2 = - 1 A
resulta:
110 passo) Calculando-se I3, tem-se:

I3 = I1 + I2 = 1,2 + (- 1)

I3 = 0,2 A
Observe-se que a corrente I2 é negativa e,
portanto possui o sentido contrário ao
inicialmente adotado. Desta forma, o circuito
é:

50 passo) Efetuando-se a circulação da malha


1 a partir do seu ponto de referência, obtêm-
se:

1 x I1 - 9 + 2 + 5 x I3 + 4 x I1 = 0
ou:

5 x I1 - 7 + 5 x I3 = 0
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 6: Análise de Circuitos - 48
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

2) Calcular a diferença de potencial entre os UCD = -2 + 2 x 1 + 3 x 1 = 3


pontos C e D do circuito da figura a
seguir. Ou seja, a diferença de potencial entre os
pontos C e D é:

UCD = 3 V
3) Calcular o valor da resistência R3 do
circuito da figura, sabendo-se que I1 = 0,2
A.

Solução:
O circuito é o mesmo do exercício anterior e,
assim, já foram determinadas as correntes de
cada ramo. Desta forma, tem-se:

Solução:

10 passo) Adotando-se um sentido qualquer


para as correntes I2 e I3, tem-se:

Observe-se que o trecho do circuito


compreendido entre os pontos C, A, D e C,
pode ser tratado como uma malha.

20 passo) Adotando-se o mesmo sentido das


correntes para as respectivas malhas, tem-se:

Assim, pela Lei de Kirchhoff das Tensões a


soma das tensões de todos os componentes é
nula.

Desta forma, iniciando-se a circulação da


malha pelo ponto C, tem-se:
-2 + 2 x 1 + 3 x 1 – UCD = 0 30 passo) Marcando-se o ponto de referência
para o início e o fim da inspeção da malha 1,
Portanto: tem-se:
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 6: Análise de Circuitos - 49
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

5 x I1 + R3 x (I1 + I2) = 3
e

5 x I2 + R3 x (I1 + I2) = 5
100 passo) Subtraindo-se uma expressão da
outra, resulta:

5 x I1 - 5 x I2= - 2
Como:
40 passo) Marcando-se o ponto de referência
para o início e o fim da inspeção da malha 2, I1 = 0,2 A
resulta:
Então:

I2 = 0,6 A

110 passo) Calculando-se I3, tem-se:

I3 = I1 + I2 = 0,2 + 0,6

I3 = 0,8 A

120 passo) Para calcular R3, será utilizado esse


passo adicional, ou seja, utilizando-se a
50 passo) Efetuando-se a circulação da malha expressão da malha 1, tem-se:
1 a partir do seu ponto de referência, obtêm-
se: 5 x I1 - 3 + R3 x I3 = 0
5 x I1 - 3 + R3 x I3 = 0 ou:

60 passo) Efetuando-se a circulação da malha 5 x 0,2 + R3 x 0,8 = 3


2 a partir do seu ponto de referência, obtêm-
se: De onde:

5 x I2 - 5 + R3 x I3 = 0 R3 = 2,5
70 passo) Aplicando-se a lei dos nós para a
corrente I3: EXERCÍCIOS PROPOSTOS

I3 = I1 + I2 Calcule as tensões e correntes nos resistores dos


circuitos abaixo.
80 passo) Substituindo-se o valor de I3 nas
expressões das malhas, resulta: 1)

5 x I1 - 3 + R3 x (I1 + I2) = 0
ou:

5 x I2 + R3 x (I1 + I2) - 5 = 0
90 passo) Arrumando-se as expressões
adequadamente:
________________________________________________________________________________________________
Capítulo 6: Análise de Circuitos - 50
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

2) 4)

3) 5)

________________________________________________________________________________________________
Capítulo 6: Análise de Circuitos - 51
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

ANEXO: RESOLUÇÃO DOS EXERCÍCIOS


PROPOSTOS

RESUMO ou:

Este anexo apresenta as resoluções de todos os Q = i x t = 3 x 10 = 30 C


exercícios propostos, divididos por capítulos.
Resposta: A carga elétrica transportada é de 30 C.
CAPÍTULO 2
4)
1) Q 10
Como essa carga é negativa, o corpo tem elétrons em i= = = 5A
t 2
excesso.
Por outro lado, Q = n x e , de onde: 5)
Q
1,28.10 -15 C = n x 1,6.10 -19 C i= ===> Q = i x t
t
Ou: Q = 2,0 x 10 -3 x 60 = 0,12

1,28.10 -15 3 Q = 0,12 C


n= -19 = 8.10 elétrons
1,6.10
6)
Resposta: O corpo apresenta 8.000 elétrons em n x e 1,0.1018 x 1,6.10 -19
excesso. i= =
t 1
2)
Sendo Q = n x e , tem-se:
i = 0,16 A
1 C = n x 1,6.10 -19 C
ou
1 iT = i A + iB = 0,16 + 0,16 = 0,32
18
n= -19 = 6,25.10
1,6.10
iT = 0,32 A
Resposta: Deve-se tirar do corpo 6,25.1018 elétrons.

3) CAPÍTULO 3
Tratando-se de condutor metálico, os portadores de
carga elétrica são elétrons. Considerando-se uma 1)
secção qualquer desse condutor, elétrons a atravessam Como
em sentido oposto ao da corrente elétrica. Para um
intervalo t = 10s segundos, a quantidade de carga que U=RxI
passa por essa secção é:
Q U 6
i= R= = =4
t I 1,5
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 52
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

2) 8)
l -8
2,825.10 .25 Como:
R= =
A 0,75.10 -6 U =RxI

R = 0,94 U = 3000 x 4.10 -3


U = 12 V
3)
Para um condutor ser considerado ôhmico, ele deve ter Portanto:
a relação tensão/corrente, constante.
Resposta: C
Condutor1: ôhmico (R = 2 )
Condutor2: não ôhmico 9)
Condutor3: ôhmico (R = 0,1 ) a) A corrente elétrica é o resultado do movimento
ordenado de elétrons livres de um lugar para outro;
4) b) Quanto maior for o comprimento de um resistor,
U =RxI tanto maior a sua resistência elétrica;
c) De acordo com a 1ª Lei de Ohm, a corrente que flui
em um resistor é diretamente proporcional à tensão
aplicada e inversamente proporcional à resistência
U 40 do resistor.
R= =
I 200.10 -3
10)
Nenhum desses gráficos obedece à Lei de Ohm. Sabe-
R = 200 se que a relação tensão corrente tem que ser constante
(resistência), isso elimina 1 e 2. Em 3, tem-se a
5) presença de corrente para a tensão igual a 0, o que é
impossível. No gráfico 4 acontece o contrário, tem-se
U 220 presente uma tensão e nenhuma corrente, também
I= =
R 11 eliminando essa possibilidade.
I = 20 A
11)
Como:
6)
U =RxI U =RxI
U = 30 x 1,0 U
R = = constante
I
U = 30 V
Portanto:
7)
Resposta: B
120

100

80 12)
Corrente (A)

Como:
60

40 A resistência R varia com o inverso do de S


l
20 R=
S
0
0 2 4 6 8 10 12 Portanto:
Tensão (V)
Resposta: D
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 53
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

13) 16)
Aumentando-se a tensão, a corrente também aumenta, Sabe-se que a resistividade elétrica do cobre é
ficando R = constante. 1,723.10-8 e como:

U =RxI l
R= =1
U A
R=
I
Tem-se:
(x) a diferença de potencial a que ele é submetido.
1,723.10 8 l
1=
14) 3.1416 x 0.0012
l 0,019 1000
R= = = 1,9 Portanto:
A 10
l = 182 m
U 38
I= = = 20 A 17)
R 1.9 Como:
l=1m
15)
Se: e
I1 = I2 e U1 = U2
A = 0,02 x 0,07 = 1,4.10-3 m2
Então:
E, sendo:
U1 U 2
= = R1 = R2
I2 I2 l
R=
A
Além disso:
Resulta:
l1 = l2
1 x 2,825. 10 -8 -5
Então: R= = 2,018. 10
1,4.10 -3
l l
1 = 2 18)
A1 A2 Como:

ou: l
R=
A
1 A2 = 2 A1
e,
Então: D2
2
2 2 A= (r) =
1 (r2) = 2 (r1) 4

ou seja: Ao duplicar o diâmetro original (2 x D), tem-se:

(r1/ r2)2 = 1 / 2 (2 D) 2 2
A2 = = xD =4A
Nessas condições, portanto, a relação entre os 4
quadrados dos raios dos condutores deve ser igual à
relação entre as suas resistividades. Por outro lado, como se têm 2 x l, resulta:
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 54
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

2xl 1 l 23.1)
R2 = =
4x A 2 A
Portanto:

R Req = 0,5 + 1,5 + 2,0 = 4


R2 =
2
23.2)
Dessa forma, a resposta correta é:
(x) é dividida por dois.

19)
Como:

R = R0 [1 + (T – T0)]
Como, nesse caso:
Fazendo-se o paralelo dois a dois, tem-se:
U U
R= e R0 =
1,6 2

Substituindo-se na fórmula, obtêm-se:

R = R0
U U
= [1 + 0,005 (T – 20)]
1,6 2

1,25 = 1 + 0,005 T – 0,1 240 x 240


Req1 = = 120
240 + 240
De onde:
T = 70 0C
20)
Deve-se colocar duas resistências de 300 em
paralelo, o que é equivalente a 150 , ambas em série
com outra de 300 , o que resulta em 450 .

21)
RT = nR , pois seriam somadas as n resistências para 120 x 120
se obter a resistência equivalente. Req = = 60
120 + 120
22)
23.3)
R
O resultado é , pois:
n
1 1
=n ,
RT R
e, portanto:

R 3x3
RT = Req = 0,5 + =2
n 3+3
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 55
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

24) 25.2)
A alternativa incorreta é:
Dando-se nomes aos pontos, tem-se:
(x) A tensão é necessariamente a mesma em todos os
resistores.

Observe-se que, nesse caso, os resistores podem não


apresentar o mesmo de valor de resistência. Sendo
assim, como a corrente elétrica é a mesma em todos
eles (associação série), resultará uma tensão diferente
em cada resistor.

25.1)

80 x 80
Atribuindo-se uma identificação aos pontos, tem-se: Req1 = = 40 ,
80 + 80
então:

Assim:

Req1 = 2 + 5 + 3 = 10
Req 2 = 40 + 60 = 100

10 x 10
Req 2 = =5
10 + 10
100 x 100
Req 3 = = 50
100 + 100

Assim, a resistência entre os pontos A e B é:

R AB = 2 + 5 + 3 = 10
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 56
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Req 2 = 150 + 50 = 200 26.2)


Dando-se nomes aos nós, tem-se:

Assim, a resistência entre os pontos A e B é:

200 x 200
R AB = = 100
200 + 200

26.1)

Req1 = 7 + 3 = 10

6x4
Req1 = = 2,4 e Req 2 = 5 + 3 = 8
6+4 10 x 10
Req1 = =5
10 + 10

8x2
Req1 = = 1,6
8+2
8x8
Req 2 = 5 + 3 = 8 e Req 3 = =4
8+8

Assim, a resistência entre os pontos A e B é:


Assim, a resistência entre os pontos A e B é:

R AB = 2,4 + 1,6 = 4 R AB = 5 + 4 + 5 = 14
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 57
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

27) Fazendo-se a associação em série dos resistores de 2 ,


Dando-se nome aos nós: e depois em paralelo com o de 4 , tem-se:

RS = 2 + 2 = 4 ;

RP = RS || 4 = 2 .

Logo,

Fazendo a associação em série dos resistores de 2 ,e


depois em paralelo com o de 4 , tem-se:

RS = 2 + 2 = 4 ;

Para resistências iguais em paralelo, tem-se: RP = RS || 4 = 2 .

R
R AB =
4
28.1) Fazendo a associação em série dos resistores de 1
e de 3 , e depois em paralelo com o de 4 , tem-se:

Fazendo-se a associação em série dos resistores


restantes, tem-se:

RAB = 2 + 1 = 3 .

28.2)
Fazendo a associação em série dos resistores de 3 e
RS = 3 + 1 = 4 de 9 , e depois em paralelo com o de 4 , tem-se:

RP = RS || 4 = 2 (|| = paralelo)

RS = 3 + 9 = 12 ;

RP = RS || 4 = 3 .
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 58
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Fazendo-se a associação em paralelo dos resistores do


ramo superior, resulta:

Fazendo a associação em série dos resistores de 3 e


de 17 , e depois em paralelo com o de 5 , tem-se:

RS = 3 + 17 = 20 ; Figura – 1

Cálculo de RAB, como podemos notar pela figura 1, as


RAB = RS || 5 = 4 . duas resistências no ramo de cima estão em série, e RAB
é igual à associação deste resultado em paralelo com a
28.3) resistência R:
Como se nota nos pontos entre as resistências, um
deles é mesmo de A e o outro é o mesmo de B. Assim, R R
desenhando-se o circuito de outra maneira, resulta: RS = + =R
2 2

RS = R;

R
RAB = RS || R =
2

Cálculo de RAC, mudando o formato da figura 1, as


duas resistências no ramo de baixo estão em série, e
RAC é igual à associação deste resultado em paralelo
R
com a resistência :
2

1 1 1 1
= + + ;
R AB R R R

1 3
= ;
R AB R
Figura - 2
R
R AB = . R 3R
3 RS = R + = ;
2 2
29)
Como não há resistência entre os pontos C e D, eles R 3R
são um único ponto, assim, desenhando-se o circuito de RAC = RS || =
outra maneira, obtêm-se: 2 8

Para o cálculo de RBD, nota-se na figura 2 que o valor


de RBD é igual à RAC, então:

3R
RBD = .
8
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 59
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

30.1) Executando-se a associação em série e, depois, em


Realizando a associação em série das resistências paralelo nos quatro triângulos de resistências externos,
próximas aos cantos do quadrado exterior e depois a tem-se:
associação em paralelo com as resistências de 10
interiores, tem-se: RS = 3 + 3 = 6 ;
RP = RS || 3 = 2 .

Req1 = 4 + 6 = 10 ;
Transformando o triangulo de resistências de 3 em
Req2 = 3 + 7 = 10 ; estrela, tem-se:

R = Req1 || 10 = 5 .

3x3
R= =1
3+3+3

Fazendo a associação em série e depois em paralelo


entre as resistências restantes, tem-se:

RS = 5 + 5 = 10

RAB = RS || RS = 5 .
30.2)

Fazendo-se a associação em série das resistências de 1


, 1 e 4 e, depois, a associação em paralelo dos
resultados tem-se:

RS = 1 + 4 + 1 = 6 ;

RP = RS || RS = 3 .
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 60
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Circuito resultante: Fazendo-se a associação em série entre os ramos


marcados e, depois, o paralelo entre eles:

RAB = 3 + 1 + 3 + 1 = 8
30.3) Fazendo-se a associação em série entre os resistores do
Redesenhando o circuito: ramo marcado:

10 x 12 60
R AB = =
10 + 12 11
30.4)
Nomeando-se os pontos intermediários de C e D, e
redesenhando o circuito, tem-se:

Transformando-se o triangulo de resistências CDE em


estrela, tem-se:

Transformando-se o triangulo de resistências ADC em


estrela, tem-se:
4x4 16 4
R= = =
4 + 4 + 4 12 3

Onde:
2x2 4 2
R= = =
2+2+2 6 3
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 61
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

O circuito resultante é:

Transformando-se o delta para estrela através de:

Fazendo-se a associação em série entre as resistências


Ra x Rb 2R 2 2R
R1 = = =
de 2 e R e, depois, o paralelo dos resultados, tem-se: Ra + Rb + Rc 3R 3
2 8 Rb x Rc 2R 2 2R
RS = 2 + = R2 = = =
3 3 Ra + Rb + Rc 3R 3
8 8 4 Rc x Ra R2 R
RP = || = . R3 = = =
3 3 3 Ra + Rb + Rc 3R 3

O novo desenho do circuito fica:

2 4 6
R AB = + = =2
3 3 3

31)
Primeiramente, somam-se as resistências circuladas em
série.
Dessa forma, resultam dois pares de resistores em
R + R = 2R série, ou seja:

2R 5R R 4R
+R= e +R=
3 3 3 3
Para calcular a resistência equivalente entre os
terminais A e B, os resistores circulados na figura
abaixo devem ser considerados em série.

O novo desenho do circuito fica:

Assim:

Note-se que, os três resistores mais a esquerda estão na


5R 8R
+R=
configuração delta. 3 3
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 62
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Portanto: De onde:

Como as resistências resultantes estão em série, tem-se:

2 R 7 R 13R
+ =
3 9 9
A resistência equivalente dos dois resistores em 32)
paralelos da figura anterior é: No circuito da figura a seguir, percebe-se que entre os
pontos A, C, Y e D, existe uma configuração delta.
4 R / 3 x 8R / 3 8R
=
4 R / 3 + 8R / 3 9
Assim:

Como as resistências resultantes estão em série, tem-se:


Sendo assim, pode-se transformá-la em estrela, através
2 R 8 R 14 R de:
R AB = + =
3 9 9
Ra x Rb 5
Para calcular a resistência equivalente entre os
R1 = =
Ra + Rb + Rc 2
terminais A e C, não é necessário refazer todo o
processo. Note-se que, o circuito da figura abaixo, é o Rb x Rc 5
mesmo do processo anterior. R2 = =
Ra + Rb + Rc 2
Rc x Ra
R3 = =5
Ra + Rb + Rc

O novo circuito apresenta 3 resistores em série do lado


direito e 2 resistores em série do lado esquerdo, como
mostrado na figura a seguir:
Calcula-se, então, o equivalente dos resistores
marcados com um circulo tracejado (em serie), ou seja:

4R 7R
+R=
3 3

Calculando-se o equivalente paralelo dos resistores em De onde:


série
10 + 5/2 = 25/2
4 R / 3 x 7 R / 3 8R
=
4R / 3 + 7 R / 3 9 30 + 15 + 5 = 50
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 63
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Desta maneira, entre os terminais X e Y, resta, CAPÍTULO 4


somente, 2 resistências em paralelo em série com outra.
01)

Adotando-se sentido horário para a corrente na malha,


tem-se:
Assim:
Req = 1,0 + 9,0 + 3,0 + 2,0 = 15
(25/2 ||15) + 5/2 = 25/2 = 12,5

33) E eq = - 6 + 4,5 = -1,5 V

Observação: Sinal negativo indica sentido de


circulação da corrente na fonte.

Logo,

Req 1,5
Ic = = = 0,1 A
Escolhendo-se iniciar pelo ponto B, e empregando a Eeq 15
transformação delta para estrela resulta:
02)

No circuito da figura acima, verifica-se que tanto os


resistores de 8R e 1R/2, como os resistores de 4R e 2R
abaixo, estão ligado em série. Assim:

8R + 1R/2 = 17R/2 Para tal sentido da corrente, tem-se:

4R + 2R = 6R 3 x 6 18
Req1 = = =2
3+6 9
Como os dois resistores estão em paralelo, tem-se:
Como as resistências resultantes estão em série:

17R/2 || 6R = 102R/29 = 3,52R ReqT = 1,5 + 2,0 + 4,0 = 7,5


Então, a configuração resume-se em apenas dois
Logo:
resistores em série, sendo o acima calculado e o
resistor 1R/2 próximo da extremidade B. Req 6,0
Ic = = = 0,8 A
3,52R + 1R/2 = 4,02R EeqT 7,5
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 64
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

03) 4x2 10
Req = +2=
4+2 3
e
Para esse circuito, com sentido de corrente dado, a ddp 12 3
Ic = = 12 x = 3,6 A
entre AB é igual a: 10 10
U AB = -2,5 + I x (0,5 + 5,5 + 2,5 ) + 12 3
U AB = -2,5 – 4,25 +12 = 5,25 V Tendo tensão Uab dada por:

04) R1 x R2
U AB = I c x
R1 + R2

e sabendo-se que:
U R1 = I1 x R1 e U R 2 = I 2 x R2

Como U R1 = U R 2 = U AB , tem-se que:

R2 2 x 3,6
I1 = I c x = = 1,2 A
R1 + R2 4+2
Efetuando-se os cálculos para as resistências
e
equivalentes, tem-se:
R1 4 x 3,6
5 I2 = Ic x = = 2,4 A
Req1 = 2 e Req 2 = = 2,5 R1 + R2 4+2
2
Logo: 06)

ReqT = 2 + 0,5 + 2,5 = 5


Sendo assim, tem-se a corrente no circuito:
Req 10
Ic = = = 2A
EeqT 5
A tensão UAB é dada por:
U AB = Req1 x I c = 2 x 2 = 4 V
Fazendo o paralelo das resistências no circuito, tem-se:
Logo, a corrente que passa em R = 10 :
U AB 4 1 1 1 1 2 + 2 +1
IR = = = 0,4 A = + + =
R 10 Req (1 + 3) 4 8 8
05)
8
Req =
5
Corrente no circuito:

24 5
I= = 24 x = 15 A
8 8
5
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 65
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Mas UAB = 24 V, logo: 9)


No circuito abaixo, todos os resistores têm a mesma
24 24 resistência, R, por exemplo:
I1 = =3 A I2 = =6 A
8 4
e

24
I3 = =6 A
4

07) a) Mantendo-se aberta a chave S, tem-se

(R2 + R4) || (R3 + R5)

ou seja;

2 R || 2 R = R
Como:

R1 = R

O circuito da figura acima pode ser representado como Portanto, tem-se uma resistência equivalente:
mostrado a seguir:
Req = 2 R

Fica claro que a tensão sobre R1 possui o mesmo valor


da tensão sobre a resistência equivalente anteriormente
calculada.
Como todas as resistências são iguais, a tensão sobre
R1 é o dobro das que são aplicadas sobre os demais
resistores do circuito.

b)
Quando a chave S estiver fechada tem-se:
Note-se que há um curto em uma resistência. R2 || R3 e R4 || R5
Dessa forma, a resistência equivalente é: Ou seja, respectivamente:

Req = 0,5 R/2 e R/2

Pela lei de Ohm, tem-se: Como ambas estão em série, também com:

12 R1 = R
I= = 24 A
0,5 Tem-se uma resistência equivalente:

8)
R = 2R
eq
Como os terminais da resistência de 10 estão em
curto com os terminais da fonte, a tensão sobre essa Em função do exposto, a corrente não se altera com a
resistência é igual à da fonte, ou seja, 60 V. chave aberta ou fechada.
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 66
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

10) 11)
No circuito dado, o fusível de 4 A está em série com o
resistor de menor valor entre os resistores com fusíveis
em série (de 4 e 12 ). Basta que ele não queime
para que o outro (o de 8A) também não o faça.
Assim, a tensão máxima entre os terminais de ambos
os resistores é de 16 V.

Do circuito, tem-se:

6 || 3 = 2
Como a resistência equivalente total do circuito é

ReqT = 2 + 8 = 10

U AB 120
Como ambas estão em paralelo, tem-se: I AB = = = 12 A
ReqT 10
12 || 4 = 3
Observa-se que essa corrente é a que passaria pelo
fusível F1, se não houver a queima de nenhum deles.
Assim:
16 Então:
I1 = A
3
e, então: U = 2 x 12 = 24 V
Assim, a corrente no fusível F2 seria de:
16
U AB = (3 + 3) x = 32 V
3 24
IF2 = =8A
Como a resistência equivalente no ramo que engloba os 3
fusíveis é de 6 e está em paralelo com a resistência
Por outro lado, a corrente no fusível F3 seria de:
de 6 entre os pontos A e B, tem-se:
24
IF3 = =4A
6 || 3 = 2 6
Pelos resultados obtidos, conclui-se que, para as
condições apresentadas o fusível F3 irá queimar.
Assim:
32 12)
I= = 16 A
2 Considerando-se que a corrente se divide igualmente
nos 3 ramos e que o valor máximo de corrente no ramo
Sendo a resistência equivalente total do circuito: do fusível que suporta a menor corrente é 4 A, I deve
ser no máximo 3 x 4, ou seja, 12 A.
ReqT = 2 + 2 + 4 = 8 Portanto:

Imax = 12 A
Tem-se que:
13)
A resistência equivalente do circuito apresentado é de:
U = ReqT x I = 8 x 18 = 128 V
Req = 125
Portanto, para que nenhum fusível queime, maior
tensão admissível na fonte deve ser de 128 V. Então, a corrente total do circuito é:
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 67
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

250 E = PT x tempo = 920 x 90 = 82,8 kWh


I= =2A
125
b)
Como as 4 resistências estão em paralelo e possuem o Como:
mesmo valor, a corrente se divide igualmente entre elas P = U x IT
igualmente e, portanto, o amperímetro indicará 0,5 A.
920 = 115 x I T
14)
Como o circuito possui apenas uma malha, a leitura do I T = 8A
amperímetro é a própria corrente total I do circuito.
2)
a)
Como:
P=UxI
a potencia dissipada é:
6
P = 110 = 60 W
11
b) A resistência de cada lâmpada será dada por:

Assim, circulando a malha a partir da bateria de “6 V” U2


no sentido anti-horário, tem-se:
P=
R
6 - 0,5 I - 3,5 I - 2,5 I - 1,5 I - 4 = 0 ou:

De onde, a leitura do amperímetro deve ser: 110 2


Rn = = 201,66
I = 0,25 A 60
A resistência final do conjunto deve ser de:
A leitura do voltímetro, por outro lado, é a diferença de
potencial entre os pontos A e B aos quais ele está
ligado. Assim:
U T 110
RT = = = 7,33
IT 15
UAB = 6 - 0,5 I – 3,5 I
Com isso, para calcular o número de resistências
Ou:
associadas ao conjunto paralelo “n”, tem-se a seguinte
UAB = 6 – (0,5+3,5) I equação:

UAB = 6 – 4 x 0,25 1 1
=n
De onde, a leitura do voltímetro deve ser:
RT Rn

UAB = 5 V n = 27,5
Portanto, para que o fusível não se abra, o número
CAPÍTULO 5 máximo de lâmpadas que devem ser colocadas em
paralelo é 27.
1)
12 lâmpadas sendo 5 x 100 W e 7 x 60 W 3)
Como:
a) 30 dias – 3h/dia => 90h/mês
U 2 20 2
PT = 5 x 100 + 7 x 60 = 920 W P= = =8W
R 50
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 68
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

Ou seja, tem-se: 15 m = 1/4 h = 0,25 h


E1s = P x t = 8 x 1 = 8 Ws = 8 J E = P x t = 2,2 x 0,25 = 0,55 kWh
Portanto em 1 minuto (60 s), tem-se:
8)
E1m = E1s x 60 = 480 J Tem-se:

A energia dissipada em um minuto é 480 J U 2 100 2


R= = = 100
4) P 100
Como:
9)
P=UxI Tem-se:
A corrente que cada lâmpada consome é:
U 2 220 2
R= = = 48,4
P 110 P 1000
I= = = 0,5 A
U 220 O outro resistor deve ser de:
Como o fusível suporta 30 A, é possível ligar até 60
lâmpadas. U 2 110 2
R= = = 6,05
P 2000
5)
Como Tem-se, então, que:

1 kWh = 3.106 J R
Rd =
tem-se: 8

2,5 x 3,6.10 6 10)


P= = 15 kW
600
U2 220 2
A potência consumida é de 15 kW. Rinicial = = = 8,067
Pinicial 6000
6)
U2 U2 220 2 x 3
RT = = 20 Pfinal = = = 18 kW
P 1 8,067
x Rinicial
3
Portanto, tem-se que o número de resistências (n) em
paralelo deve ser: Portanto, com a diminuição da resistência do chuveiro,
tem-se uma corrente maior passando por ele e,
1 1 conseqüentemente, uma maior potência dissipada.
=n
RT Rn 11)
Sendo:
n=8
P = 60 W e U = 120 V
7)
Como:
a)
P = U x I = 220 x 10 = 2200 W
P 60
I= = = 0,5 A
Como 15 minutos de funcionamento corresponde a: U 120
________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 69
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

b) 20 – 5 x I3 – 5 x I1 = 0;
Para 8 horas:
Na malha 2:
E = P x t = 60 x 8 = 0,55 kWh
3 – 5 x I3 – 1 x I2 = 0;
12)
a) Pela lei de Kirchoff das correntes, tem-se:
P = U x I = 12 x 2 = 24 W
I3 = I1 + I2;
E = P x t = 24 x 5/60 = 2 Wh
Trabalhando as equações tem-se:
b)
PR1 = 12 x 15 = 18 W 5 x I3 + 5 x I1 = 20 (1)

PR2 = 12 x 0,5 = 6 W 5 I3 + I2 = 3 (2)

13) I3 = I1 + I2 (3)
a)
Para um amperímetro ideal, R = 0: Substituindo-se (3) em (1) e (2):

U 9 5 x (I1 + I2) + 5 x I1 = 20
I= = =1A
R 9 10 x I1 + 5 x I2 = 20
b) 5 x (I1 + I2) + I2 = 3
P =U x I = 9 x1= 9 W
5 x I1 + 6 x I2 = 3
c)
P1,5 = 1,5 W Isolando I2:

P6 = 6 W 3 - 5 x I1
2 2
P3 = R x I = 3 x 0,5 = 0,75 W I2 =
6

14) Substituindo na outra equação:


Req = 6
3 - 5 x I1
2 2 10 x I1 + 5 - = 20
U 12 6
P= = = 24 W
R 6
De onde:

CAPITULO 6 I1 = 3 A

1) I2 = 2 A
Aplicando a Lei de Kirchoff das tensões na malha 1,
tem-se: I3 = 1 A

________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 70
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

U1 = 5 x I1 = 5 x 3 = 15 V U1 = 5 x I1 = 5 x 0.57 = 2,85 V;

U2 = 1 x I2 = 1 x (-2) = -2 V U2 = U3 = 5 x I2 = 5 x (-0,52) = -2 V;

U4 = 3 x I3 = 3 x 0,05 = 0,15 V.
U3 = 5 x I3 = 5 x 1 = 5 V
3) Aplicando a Lei de Kirchoff das tensões na malha 1,
2) tem-se:
Aplicando a Lei de Kirchoff das tensões na malha 1,
tem-se:

3 – 3 x I3 – 5 x I1 = 0 3 – 10 x I3 – 15 x I1 = 0

Na malha II: Na malha 2:

1 – 5 x I2 – 5 x I2 – 3 x I3 – 6 = 0 6 + 10 x I3 + 15 x I2 + 5 x I2 = 0

Trabalhando-se as equações obtém-se: Trabalhando-se as equações obtém-se:

5 x I1 + 3 x I3 = 3 (1) 15 x I1 + 10 x I3 = 3 (1)

10 x I2 + 3 x I3 = 5 (2) 20 x I2 + 10 x I3 = -6 (2)

e, pela lei de Kirchoff das correntes, tem-se: e, pela lei de Kirchoff das correntes, tem-se:

I3 = I1 + I2 (3) I3 = I1 + I2 (3)

Resolvendo-se o sistema de equações, resulta: Resolvendo-se o sistema de equações, resulta:

I1 = 0,57 A; I1 = 0,23 A;
I2 = 0,52 A; e I2 = 0,276 A; e

I3 = 0,05 A I3 = 0,046 A

________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 71
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

U1 = 5 x I1 = 5 x 0.57 = 3,45 V; U1 = 15 x I1 = 15 x 0,0222 = 0,3333 V;


U2 = 5 x I2 = 5 x (-0,27) = - 1,35 V; U2 = 5 x I2 = 5 x (-0,1777) = - 0,8885 V;

U3 = 15 x I2 = 5 x (-0,27) = - 4,05 V; U3 = 10 x I2 = 10 x (-0,1777) = - 1,777 V;

U4 = 10 x I3 = 10 x (-0,046) = - 0,46 V. U4 = 15 x I3 = 15 x (- 0,15547) = - 2,333 V.


4) Aplicando-se a Lei de Kirchoff das tensões na malha 5) Aplicando-se a Lei de Kirchoff das tensões na malha
1, tem-se: 1, tem-se:

3 – 10 x I3 – 15 x I1 = 0 15 – 10 x I3 – 50 x I1 = 0
Na malha 2: Na malha 2:

5 + 15 x I3 + 10 x I2 + 5 x I2 = 0 25 + 10 x I3 + 20 x I2 + 5 x I2 = 0
Trabalhando-se as equações obtém-se: Trabalhando-se as equações obtém-se:

15 x I1 + 15 x I3 = - 2 (1) 50 x I1 + 10 x I3 = 15 (1)

15 x I2 + 15 x I3 = - 5 (2) 25 x I2 + 10 x I3 = - 25 (2)

e, pela lei de Kirchoff das correntes, tem-se: e, pela lei de Kirchoff das correntes, tem-se:

I3 = I1 + I2 (3) I3 = I1 + I2 (3)

Resolvendo-se o sistema de equações, resulta: Resolvendo-se o sistema de equações, resulta:

I1 = 0,0222 A; I1 = 0,3875 A;

I2 = - 0,1777 A; e I2 = - 0,825 A; e

I3 = - 0,15547 A I3 = - 0,4375 A

________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 72
CT 110 – ELETROTÉCNICA BÁSICA

U1 = 50 x I1 = 50 x 0,3875 = 19,375 V; U3 = 20 x I2 = 20 x (-0,825) = - 16,5 V;

U2 = 5 x I2 = 5 x (-0,825) = - 4,125 V; U4 = 10 x I3 = 10 x (- 0,4375) = - 4,375 V.

________________________________________________________________________________________________
Anexo: Resolução dos Exercícios Propostos - 73