Você está na página 1de 14

Gerência geral: Adamir Ferreira

Capa: Renata Santiago


Preparação, diagramação e revisão: Thuâny
Simões / AnnaBella Editorial

Este livro segue as regras da Nova Ortografia da Língua


Portuguesa.

Editora Canção Nova


Rua João Paulo II, s/n – Alto da Bela Vista
12 630-000 Cachoeira Paulista – SP
Tel.: [55] (12) 3186-2600
E-mail: editora@cancaonova.com
loja.cancaonova.com
Instagram: @editoracancaonova

Todos os direitos reservados.

ISBN: 978-85-5339-172-1

© EDITORA CANÇÃO NOVA, Cachoeira Paulista,


SP, Brasil, 2019
Diacono
´ Nelsinho Correa
ˆ
Deus é o Amor sempre de bom humor....... 7
Zé Pretinho e sua banda: Zé Luiz, Zé Mané,
João Vidrinho… e o menino…................. 11
Motorista assassino.................................... 15
O padre que não acreditava que o capeta
existia....................................................... 20
Seu Lico: aprender a ler com a Bíblia......... 23
A cura da “misturação” ............................ 26
O padre solitário...................................... 29
Meu batismo no Espírito Santo com efeitos
especiais.................................................... 33
O homem que acendeu a vela para o
diabo.........................................................36
Oração pela freira no retiro: visão da mulher
grávida...................................................... 39
O sargento que chorava............................ 42
Zé Pretinho rezando pelo Bosquinho.........45
A Santa não subiu, quer ficar com a
gente........................................................ 49
O padre que tinha medo de defunto..........54
Padre Leo e o homem antigo .................... 57
O menino que botou fogo na igreja
matriz....................................................... 60
Deus nos deu a vida para que ela
seja divertida, cheia de amor e de unção.
Nós é que, na maioria das vezes, insistimos em
torná-la complicada. Os testemunhos que o Nel-
sinho relata neste livro mostram que a vida não
precisa ser um peso, mas que Deus é bom, cheio de
misericórdia, bem-humorado e se vale de pessoas
humildes para realizar grandes coisas.
Eu vejo Deus realizar grandes coisas também
através do Nelsinho Corrêa. Suas canções nos le-
vam ao Céu, nos fazem rir, nos fazem chorar, nos
fazem sonhar. Muitas pessoas tiveram suas vidas
transformadas ao rezarem com suas músicas. Quem
nunca se emocionou e sentiu o coração arder de
amor com a canção “Saudade”? Você conhece as
músicas “Há amor em mim”, “Sacramento da co-
munhão”, “Gente linda”, “Quero te amar”, “Quem

7
me segurou foi Deus”? Se não as conhece, precisa
conhecê-las.
Quando Deus batiza no Espírito Santo uma
alma de poeta como a do Nelsinho, coisas lindas
acontecem. Lembro-me de um momento muito
importante em que precisei de oração, pois eu iria
tomar uma decisão que transformaria minha vida.
Então procurei o Nelsinho e pedi que rezasse por
mim. Eu já sabia que ele tinha seu coração em
sintonia com Deus e que o Espírito Santo lhe havia
dado um forte carisma de Palavra de Ciência. No
entanto, eu estava me sentindo desconfortável por-
que, quando eu o encontrasse, precisaria contar-lhe
três assuntos muito delicados e íntimos, e eu não
sabia por onde começar.
Qual não foi a minha surpresa, quando eu
entrei na sala onde ele me esperava e antes que eu
dissesse qualquer coisa, o Nelsinho propôs: “Vamos
fazer assim: você senta aqui e eu rezo por você; ao
fim da oração, se houver ainda alguma coisa que
você queira dizer, então conversaremos”. Aceitei,

8
aliviado por não ter que entrar no assunto. Porém,
no início da oração, o Nelsinho já foi dizendo:
“Deus está me mostrando...”, e zás, ele descreveu
com clareza a primeira coisa que eu estava ensaiando
contar-lhe.
Deus revelou ao Nelsinho, com extrema exa-
tidão, algo que ninguém sabia e que muito me
angustiava. Comecei a chorar. E ele continuou:
“Deus também está me mostrando...”, e revelou
a segunda coisa que eu iria falar. Então desabei
numa choradeira que não acabava mais. Mas ele
continuou: “Nosso Senhor quer te dar uma palavra
para um momento decisivo de sua vida...”, e trouxe
então a Palavra que descrevia pormenorizadamente
o cuidado de Deus sobre mim naquela circunstân-
cia. Era a terceira coisa que eu iria pedir.
A oração durou mais uns minutos, mas as
lágrimas duraram três dias. Foi uma experiência
de profunda renovação em minha vida, pois, por
meio daquelas revelações, Deus mostrava que estava

9
cuidando de mim e que nada havia escapado aos
Seus olhos amorosos de Pai.
Nunca esquecerei aquele dia! Este é o Nelsinho
Corrêa que reza pela gente como poucos fazem e
cozinha uma canjiquinha como ninguém! Na sua
casa existe alegria e amor. A gente se sente feliz lá,
porque Deus habita naquele lugar.
Este livro vai desafiar você a encontrar Deus
poderosíssimo em meio a histórias simples e ale-
gres de gente como a gente! Desejo que este livro
faça tão bem a você quanto fez a mim. Durante a
leitura, você vai sentir vontade de rir e chorar ao
mesmo tempo, e isso será cura para o seu coração,
pois é como está escrito: “A alegria do Senhor é a
vossa força” (Ne 8,10).

Márcio Mendes

10
Zé Pretinho foi um dos maiores teólogos
que eu conheci. Sem ter frequentado nenhuma
faculdade, tinha o dom de sabedoria, ensino,
11
discernimento dos espíritos, libertação, revela-
ção, conselho, profecia, ciência e cura interior
como ninguém. Foi batizado no Espírito Santo
e ali, naquele momento, nasceu um dos maio-
res ministros de cura que o Brasil e o mundo
conheceram. Felizmente tive a alegria de acom-
panhá-lo em muitas orações de libertação e
cura interior.
Eu era um menino de apenas 14 anos e o
acompanhava ao violão na Paróquia São Mi-
guel. Zé Pretinho, mestre da oração, nunca
elevava a voz, nem na oração de libertação, e a
graça acontecia grandemente. Inesquecível! Ele
chegava e rezava pela pessoa, e Deus revelava
tudo e curava, pois é assim a autêntica cura
interior: Deus toma a iniciativa, a cura interior
é o impacto da graça!
Zé Pretinho e sua trupe foram os “reis do
mé”, da pinga, “da cangibrina”, e entre os seus
companheiros de “manguaça”, “bebedeira”,

12
estava o meu pai: Nelson Corrêa, “o quaiúdo”,
o Nelson do cavaco. Juntos, eles destilavam
álcool na folha de laranjeira e tomavam.
Meu pai e Zé Pretinho trabalhavam juntos
no 3º grupo na antiga F.P.V., fábrica de ex-
plosivos de Piquete-SP, e uma vez me contou
que certo dia eles ganharam cinco litros de
“água velva”. Passados alguns dias, o rapaz que
tinha dado perguntou se eles haviam recebido
o presente. Eles disseram que sim e que estava
uma delícia, e que já havia acabado. O rapaz
então ficou admirado, pois aquilo era loção
após barba, porém eles a destilaram com folha
de laranjeira e tomaram tudo, e ainda disseram
que havia ficado geladinho e gostoso na goela.
Zé Pretinho, depois do seu batismo no
Espírito Santo, foi um instrumento eficaz de
Deus na cura interior e exercia uma liderança
tranquila, serenamente aceita pelos demais já
naquele tempo, pois tinha “a visão em 3D”

13
quando rezava por alguém, com uma riqueza
de detalhes e precisão que convertia o mais
incrédulo.
Zé Pretinho foi um grande instrumento
nas mãos do Pai e canal da graça para seus ex-
companheiros de cachaça, que depois viraram
companheiros da graça.

Oração

Senhor, a libertação que foi feita na vida


desses homens é a que muitos precisam. Tem mise-
ricórdia daqueles que afundam sua vida nos vícios.
Liberta-os e faz deles instrumentos de libertação
para muitos. Liberta-me também, Senhor. Amém!

14