Você está na página 1de 36

1

GUIA DEFINITIVO

FRAMEWORK
ÁGIL SCRUM
2

SUMÁRIO

Introdução............................................................... 03

1. Visão geral do framework ágil Scrum.......... 07

2. Conceitos fundamentais do Scrum............ 11

3. Papéis do Scrum................................................ 16

4. Atividades principais no framework........... 21

5. Dicas para usar o Scrum no dia a dia........... 26

6. Sobre a Lecom Tecnologia.............................. 33


3

INTRODUÇÃO
4

Introdução

O Scrum nasceu da mente de Jeff Sutherland


e Ken Schwaber. A ideia é inspirada em um
artigo publicado em 1986 na Harvard Business
Review, de autoria dos japoneses Ikujiro Nonaka
e Hirotaka Takeuchi, chamado de “The new new
product development game” (O novo jogo no
desenvolvimento de novos produtos).

Os autores do artigo inserem, no texto, uma


analogia entre times de desenvolvimento de
novos produtos e um jogo de rugby, tudo para
mostrar como era feito o trabalho em meados de
1980. Uma das sessões era chamada de “scrum”,
que é a denominação de uma das formações de
equipe para o momento da reposição da bola no
jogo. Daí surgiu o nome do modelo de trabalho.
Introdução 5

Entretanto, existe a chance de Jeff e Ken não


serem exatamente os primeiros a mencionar
o Scrum, já que um framework parecido e com
o mesmo nome (mas sem muitos detalhes)
foi explicado por DeGrace e Stahl em seu
livro “Wicked problems, righteous solutions”
(Problemas complicados, soluções justas, sem
tradução oficial).

Porém, coube a Jeff e Ken criar, de fato, uma


maneira detalhada de aplicar o framework ao
desenvolvimento e o lançamento dos livros
iniciais sobre o assunto, incluindo o primeiro
guia definitivo.

A ideia principal do Scrum é fazer entregas


contínuas de valor agregado, para que tudo
funcione em um fluxo mais constante e
assertivo, com contato frequente com o cliente.
Introdução 6

Dessa maneira, é possível ter uma alternativa


ao modelo “cascata” de trabalho, no qual há
uma única entrega ao final do projeto, que pode
gerar um enorme retrabalho, principalmente
por causa das diferenças de expectativas
e momentos.

Caso o desenvolvimento de um projeto dure seis


ou oito meses, por exemplo, o cliente pode estar
com pensamentos diferentes sobre a entrega
no início e ao final, o que faz com que apareçam
divergências após o término do trabalho.

Quer saber mais sobre como o Scrum pode


ajudá-lo a otimizar suas entregas e agilizar seus
projetos? Confira este e-book até o final!
7

01.

VISÃO GERAL DO
FRAMEWORK
ÁGIL SCRUM
8

Visão Geral do
Framework Ágil Scrum

Ao falarmos sobre Scrum, o primeiro ponto que


deve ser notado é o fato de que ele não é uma
metodologia ágil, e sim um framework. Enquanto
a primeira dita regras a serem seguidas, o
segundo é a base para a implantação de
métodos de desenvolvimento — um
“modelo de trabalho”.

Objetivos da implementação do Scrum

O Scrum é implementado a projetos específicos


e, principalmente, complexos. Aqueles que
exigem o domínio de ferramentas e/ou
tecnologias que, anteriormente, não eram
utilizadas e precisam de novos conhecimentos
sobre o desenvolvimento. Essa situação gera um
cenário “caótico” para o trabalho no projeto, e o
Scrum encaixa-se muito bem como solução.
Visão geral do framework ágil Scrum 9

Isso porque ele funciona por meio de pequenas


interações entre as equipes, com entregas
parciais para o cliente e um direcionamento
mais preciso durante as fases do projeto,
com acompanhamento constante do time de
desenvolvedores. Assim, é possível organizar
de maneira muito mais clara e assertiva todo o
cenário de criação de projetos complexos.
Visão geral do framework ágil Scrum 10

Principais segmentos de negócio que


utilizam o framework

A tecnologia é um dos setores que mais utilizam


o Scrum e no qual ele atinge seu maior grau de
maturidade, até mesmo por ter sido criado com
foco em desenvolvimento ágil de softwares.

Entretanto, é possível implementar projetos de


novos produtos industriais com o framework,
por exemplo, mas esses outros segmentos ainda
não representam algo tão exponencial no
uso do Scrum.
11

02.

CONCEITOS
FUNDAMENTAIS
12

Conceitos fundamentais

São três os pontos fundamentais do Scrum:


os papéis, as atividades e os documentos,
também chamados de artefatos. O que mais
se destaca no framework, no entanto, é a
maneira como o desenvolvimento ocorre, com
um acompanhamento diário e organizado das
demandas e entregas.

Diante de um projeto para o qual será utilizado o


Scrum como framework (projetos complexos), o
Product Owner, responsável por fazer a primeira
avaliação do projeto, convoca uma reunião
com a equipe de desenvolvedores. Participará
também o Scrum Master, responsável por
mediar os encontros para alinhar o time Scrum,
incentivá-los e assegurar a agilidade do projeto.
Conceitos fundamentais do Scrum 13

Nesse encontro é apresentado o primeiro


artefato: o product backlog — que nada mais
é do que um “briefing” com as primeiras ideias
sobre o produto a ser desenvolvido, criado pelo
Product Owner.

São apontadas as demandas prioritárias (em


ordem decrescente de prioridade) com base no
que oferece mais valor ao produto do cliente.
A essa priorização é dado o nome de grooming
e, todas elas são distribuídas ao longo do tempo
de projeto em sprints, também chamadas de
interações — períodos fechados
de desenvolvimento —, pelo time e pelo
Scrum Master.
Conceitos fundamentais do Scrum 14

Todos os dias, os desenvolvedores precisarão


trabalhar para entregar o máximo de
funcionalidades (estórias) que puderem a fim
de atender à meta estimada para aquela
interação. É recomendado que cada sprint
dure um tempo fixo, de duas a quatro semanas
(time-boxed). O que precisa ser feito em cada
interação é apontado no segundo documento,
o sprint backlog.

Para organizar o processo, promover o pilar da


transparência e rever as prioridades, mantendo
a organização, há uma reunião diária, na qual
cada membro do time Scrum deve responder
a três perguntas:
Conceitos fundamentais do Scrum 15

Para atestar o fim de cada interação, há outro


artefato: a definição de pronto. Nele, haverá
uma lista daquilo que a sprint deveria atender.
Se todos os pontos da definição de pronto foram
atendidos, o que foi criado é entregue para
o cliente em uma reunião ao final da interação.

Lá, ele apontará os principais pontos que


precisam de mudanças, e essas alterações
são destinadas à próxima interação. Após essa
reunião, há uma retrospectiva daquela sprint,
na qual são colocados para a equipe os aspectos
de maior sucesso ou que podem ter melhorias.
Dessa lista, são tiradas as chamadas lições
aprendidas, registradas em outro documento.

A grande vantagem é que o retrabalho, caso


haja, terá um impacto muito menor do que se
houvesse somente uma entrega final, reprovada.
O último artefato, então, representa a
entrega ou incremento.
SCRUM
Conceitos fundamentais do Scrum 16

VISÃO GERAL

PRODUCT
BACKLOG
(priorizado)

ESTÓRIAS SPRINT
(funcionalidades) BACKLOG

PRODUCT
BACKLOG
REUNIÃO
PLANEJAMENTO DIÁRIA
DA SPRINT Daily
Scrum

NOVA
FUNCIONALIDADE SPRINT DE
2-4 SEMANAS

REVISÃO DA
SPRINT

RETROSPECTIVA
DA SPRINT
17

03.

PAPÉIS
DO SCRUM
18

Papéis do Scrum

A base da equipe de um projeto em Scrum são


os papéis. A posição dos membros determinará
não só funções, mas também níveis de contato
com o cliente e de influência nas decisões
referentes ao projeto. São eles:

- Product Owner

Cabe ao Product Owner (P.O.) o contato com o


cliente (interno ou externo). Diante disso, fica
sob sua responsabilidade todo o levantamento
de requisitos do projeto, que serão traduzidos
em estórias — necessidades — do usuário.
Um exemplo seria, por exemplo, algum
botão a ser adicionado em uma tela específica
de um sistema.
Papéis do Scrum 19

O P.O. também é o responsável pela criação do


product backlog e a priorização das atividades
por ordem de valor agregado para o cliente.

- Scrum Master

O papel do Scrum Master é muito ligado ao


time Scrum. É ele que deve incentivar o time,
mediar as reuniões e fazer com que o projeto
seja realmente ágil por meio das daily scrums,
reviews e retrospectivas. Ele deve, também,
fazer o contato do time com o P.O.
Papéis do Scrum 20

- Time Scrum

O time Scrum é composto por desenvolvedores


multidisciplinares, que farão, de fato, a execução
das sprints. Deve haver uma boa noção de
trabalho com o framework para agregar
agilidade ao projeto.
21

04.

ATIVIDADES
PRINCIPAIS
22

Atividades principais

As atividades são um dos pontos-chave


do Scrum, e são elas que determinarão os
momentos específicos do desenvolvimento
do projeto. A lista de atividades de um projeto
orientado por Scrum é:

- Planejamento do sprint

Realizada no início da sprint, essa reunião


aborda os principais pontos em relação à última
interação (incluindo as lições aprendidas) e busca
desenvolver da melhor maneira a próxima.

Podem ser adicionados novos itens ao sprint


backlog caso haja mudanças após a anterior,
para garantir uma maior satisfação do cliente.
Atividades principais 23

- Reuniões Diárias (Daily Scrum)

As reuniões diárias configuram uma das


principais características do Scrum. É por
meio delas que é feito o acompanhamento
e gerenciamento das interações no
desenvolvimento do projeto.

É realizada pelo Scrum Master e pelo time Scrum,


e não deve durar muito. O ideal é que seja uma
pequena conversa de, no máximo, 15 minutos.
Atividades principais 24

- Revisão da sprint

Na revisão da sprint (sprint review), realizada a


cada duas ou quatro semanas após a sprint, o
que foi feito naquela interação será apresentado
pelo time Scrum, Scrum Master e pelo Product
Owner ao cliente. É neste momento que ele
poderá apontar as mudanças necessárias e o
direcionamento para fazê-las.
É como um encontro para aprovação do que
foi desenvolvido.

É dessa reunião que sairá o documento de lições


aprendidas, que será apresentado no próximo
planejamento de sprint.
Atividades principais 25

- Retrospectiva da Sprint

A retrospectiva da sprint é uma reunião feita


logo após a revisão, com o objetivo de retomar
toda a interação e vê-la com detalhes, para
entender o que poderia ter sido feito diferente
e também as razões pelas quais algo foi feito de
um modo e não de outro.

Há também uma retrospectiva de todo o


projeto, feita da mesma maneira, mas com
apontamentos referente a toda a entrega, e não
às entregas parciais das sprints.
26

05.

DICAS PARA USAR O


SCRUM NO DIA A DIA
27

Dicas para usar o Scrum


no dia a dia

Aplicar o framework Scrum a alguns projetos


de sua empresa pode trazer muito mais
efetividade e agilidade no trabalho,
principalmente por causa da entrega contínua
de valor. Para isso realmente acontecer,
é necessário entender alguns pontos principais
da relação entre o método de trabalho
e o seu negócio como um todo.

1. Atingindo a eficiência operacional


com o Scrum

As entregas rápidas e constantes do Scrum


auxiliam os colaboradores e gestores a prever
problemas com mais rapidez, além de
permitir um plano de mudança mais
assertivo e direcionado.
Dicas para usar o Scrum no dia a dia 28

Isso leva a uma eficiência operacional


significativa no projeto, pois é possível entregar
o produto em muito menos tempo, com
chances reduzidas de haver divergências
entre equipe e cliente.

2. Quais são os detalhes do Scrum


que merecem mais atenção durante o
desenvolvimento de um projeto?

Um dos pontos mais importantes, praticamente


imprescindível, de um projeto orientado por
Scrum são os eventos, também chamados de
rituais. Entram nesse grupo o daily scrum e
os planejamentos, revisões e retrospectivas
de sprints, que também ajudam a verificar,
de tempos em tempos, se o framework está
operando de maneira realmente efetiva.
Dicas para usar o Scrum no dia a dia 29

São eles que engajam a equipe, alinham as


atividades do projeto e permitem a entrega de
valor, além de auxiliar a identificar possíveis
gargalos e resolvê-los. Otimizam também o
contato entre Product Owner, Scrum Master,
time Scrum e o cliente.

Os eventos são extremamente importantes.


Inseri-los no desenvolvimento fará com que tudo
seja muito mais efetivo.

3. Como adaptar colaboradores ao Scrum?

Antes de pensar em como adaptar os


colaboradores ao método de trabalho de fato, é
necessário trazer para a cultura da empresa uma
mudança de mindset para o Ágil, já que essa não
é a forma tradicional de se trabalhar. Esse é um
dos quesitos mais delicados quando o assunto é
orientar um projeto por Scrum.
Dicas para usar o Scrum no dia a dia 30

Muitas empresas, hoje, contam com um cargo


específico para isso: o agile coach, que tem como
papel disseminar os valores e fazer com que,
durante a implementação da metodologia ágil,
os fundamentos estejam presentes entre
os colaboradores.

Ele que dará treinamentos, explicará os


detalhes básicos, fará reuniões e também
trabalhará com incentivo interno para que
todos estejam pensando da mesma maneira
e a implementação da metodologia
Dicas para usar o Scrum no dia a dia 31

4. Indicadores para medir eficiência do Scrum

Indicadores são uma grande discussão no


mundo ágil, principalmente quando falamos
de framework. Isso porque, em teoria, se
adicionássemos KPIs à análise da eficiência de
um método de trabalho, faríamos dele uma
metodologia e o foco poderia sair das entregas
de valor e se voltar à apenas bater metas, o que
não é desejado.

No Scrum, entretanto, há uma maneira de


medir a efetividade do trabalho. É o chamado
burndown chart. Este gráfico relaciona a
quantidade de estórias (demandas) ao tempo
que demoram para ser realizadas dentro do
período de execução da sprint.
Dicas para usar o Scrum no dia a dia 32

Para ter uma média, é traçada uma reta, em


diagonal, de maneira decrescente e de ponta a
ponta do gráfico. Tendo essa linha como base,
vão sendo preenchidos os números de estórias
completadas para verificar se o trabalho está
sendo entregue como o esperado.
33

Sobre a
Lecom Tecnologia

Há mais de 20 anos a Lecom Tecnologia busca


auxiliar empresas em suas transições para
a era digital. São três os nossos pilares, que
ditam as bases da cultura de nosso trabalho:
Sobre a Lecom Tecnologia 34

1. A Era Digital é acessível para todos

Para qualquer tamanho ou segmento de negócio


é possível aplicar a tecnologia para resolver
falhas e otimizar processos durante todo o
período de um projeto.

2. Processos digitais são o alicerce da


transformação digital

Hoje, os processos analógicos precisam ser


transformados e substituídos pelos processos
digitais para garantir a evolução não só da
empresa, mas do mercado como um todo. Subir
o nível da entrega de serviços permite, entre
outros pontos de sucesso, aproveitar melhor
diversas oportunidades de negócio.
Sobre a Lecom Tecnologia 35

3. É possível gerar entregas contínuas de valor

A entrega ágil é essencial para acelerar


a transformação digital. Aposte em uma
plataforma ágil, com gerenciamento preciso de
processos e integração entre equipes e sistemas!

Saiba mais sobre nossos ideais para mudar


a maneira como as empresas enxergam a
transformação digital.

Acesse www.lecom.com.br.
36

Você também pode gostar