Você está na página 1de 4

EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DA VARA CIVEL

DE AMELIA RODRIGUES /BA

Fabrício Correia da silva, brasileiro, menor absolutamente


incapaz, nascido em 23/08/2009 neste ato representado por sua mãe Maia
Nogueira Correia, brasileira, solteira, caixa, portadora do CPF sob n°
02778256520, residente e domiciliada na Rua do Granjão nº 1081, Bairro Areal
nesta comarca de Amélia Rodrigues - BA, por sua procuradora, o advogado
signatária desta CARLOS HENRRIQUE ROSA CARVALHO, Brasileiro, em
uma união estável, inscrito na OAB/BA 62.482 Com escritório Profissional Na
Rua Ministro Lima Teixeira, nº51, bairro Centro, na cidade de Amélia
Rodrigues-BA, onde recebe intimações, vem respeitosamente á presença de
vossa excelência propor a seguinte AÇÃO DE ALIMENTOS CC. PEDIDOS DE
ALIMENTOS PROVISÓRIOS em face de Fabio Roque Pinto Da Silva,
brasileiro, solteiro, mecânico automotivo, e, residente e domiciliado na Rua
Ministro Lima Teixeira nº 473, Bairro Centro, nesta cidade e comarca de Amélia
Rodrigues, o que faz pelas razões de fato e de direito que a seguir expõe:

Dos Fatos

O Requerente é filho do Requerido e da Sra. Maia Nogueira Correia


encontrando-se com pouco mais de 9 anos de idade. Atualmente, reside com a
mãe, sendo que aquela é responsável por todo sustento do menor. Desde a
separação o requerido não ajudou em nada, nem mesmo o visita, tão pouco
tem se preocupado com o menor, dando a ele o devido cuidado, e não tem
cumprindo com a obrigação alimentar em face do menor Fabrício correia da
silva, Mister salientar que além das despesas com alimentação e moradia, a
mãe do requerido ainda arca sozinha com as despesas extraordinárias
(medicas, odontológicas, transporte escolar, vestuário e outros), tudo isso com
um valor de um salário mínimo de R$ 998,00, fato este que está
impossibilitando de fornecera seu rebento o mínimo existencial, Isso sem
contar a impossibilidade de se prover o lazer do requerente, imprescindível pra
toda e qualquer criança , tendo em vista que sua mãe não tem condições de o
fazer-lo sozinha.
O requerido labora em conceição do Jacuípe - BA, e em Amélia Rodrigues-BA
na função de mecânico automotivo recebendo um valor médio de R$ 2,000,00
(dois mil reais).

Enfim, o sustento do requerente se tornou impossível sem o auxilio do


requerido, razão pela qual se faz necessária a condenação do mesmo ao
pagamento de pensão alimentícia, no montante correspondente a 50% do
salário mínimo o que desde já se requer.

DO DIREITO

A constituição Federal em seu artigo 229 estabelece que “Os pais têm o
dever de assistir, criar e educar os filhos menores, e os filhos maiores tem o
dever de ajudar e amparar os pais na velhice, carência ou enfermidade”.

No mesmo sentido, o artigo 1.634, I, do código civil dispõe que a criação e a


educação de filhos menores competem aos pais. Este dever de sustento,
criação e educação também é previsto no estatuto da criança e do Adolescente
(Lei8. 069/90, em seu artigo 22, o qual leciona:

Art.22. Aos pais incumbe o dever de sustento, guarda e educação dos filhos
menores, cabendo- lhes ainda, no interesse destes, a obrigação de cumprir e
fazer cumprir e fazer cumprir as determinações judiciais.

Verifica- se, portanto, que compete também ao requerido prover o sustento


do requerente, e não só a mãe, como vem ocorrendo. Com relação a os
alimentos, cumpre ressaltar que estes são prestações para a satisfação das
necessidades vitais de quem não pode provê-las por si. Deve abranger o que é
imprescindível á vida á vida da pessoa, como alimentação, vestuário,
habitação, tratamento medico, diversão, instrução e colaboração.

Segundo Maria Helena Diniz (curso de Direito Civil Brasileiro, 5. Vol.,18. Ed.,
São Paulo: Saraiva,2003, p.467),

O fundamento desta obrigação de prestar alimentos é o principio da


preservação da dignidade da pessoa humana (CF, art. 1º, III) e o da
Solidariedade familiar, pois vem a ser um dever personalíssimo, devido pelo
alimentante, em razão do parentesco que o liga ao alimentado.
Quanto á obrigação de prestar alimentos, o artigo1. 694, caput, do código Civil,
estabelece;

Que podem os parentes os conjugue ou companheiros pedir uns aos outros


alimentos de que necessitem para viver de modo compatível com a sua
condição social, inclusive para atender as necessidades de sua educação.

De acordo com o § 1º do mesmo dispositivo, os requisitos para sua concessão


são: necessidade do alimentado e capacidade do alimentante, as quais
restaram sobejamente demonstradas nos autos. ora, o requerente é menor não
apresenta quaisquer condições de prover o seu sustento sozinho e sua mãe
vem enfrentando dificuldade, não podendo continuar a fazê-lo sozinha.

De outra parte, alem de ter o dever de sustento do filho (embora assim não o
faça), o requerido possui plenas condições de contribuir para a satisfação de
suas necessidades vitais.

Pelas Razões expostas, imprescindível se faz data vênia, a fixação de pensão


alimentícia a se paga pelo requerido, em favor do requerente, pensão esta que
se pleiteia no valor correspondente a 50% do salário mínimo, como forma

DOS ALIMENTOS PROVISÒRIOS

O artigo 4º da Lei 5.478/68 (Lei de Alimentos) dispõe que: “Ao despachar o


pedido, o juiz fixará desde logo alimentos provisórios a serem pagos pelo
devedor, salvo se o credor expressamente declarar que deles não necessita”.
Tendo em vista que as necessidades do requerente são vitais e imediatas,
deverão, data máxima vênia, ser fixados alimentos provisórios, o que desde já
se requer

PEDIDO

Diante do exposto, requerem a Vossa Excelência à concessão e fixação


liminar, independente de audiência da parte contrária, de alimentos provisórios
em favor do requerente, com o seu arbitramento correspondente a 50% do
salário mínimo, a serem pagos através de deposito em nome da mãe do
menor, ora requerente, em conta a ser aberta junto á agência de Amélia
Rodrigues do Banco do Brasil por ordem deste juízo.

Requer ainda, a designação de audiência de conciliação, e julgamento, com a


citação e intimação do requerido, para a respectiva audiência e para, querendo,
responder aos termos da presente ação, sob pena de revelia confissão quanto
a matéria de fato.

Igualmente, requer sejam julgados procedentes os pedidos autorais, para


condenar o requerido ao pagamento de pensão alimentícia no valor
correspondente a 1 salário mínimo, alem do pagamento das custas
processuais, honorários advocatícios e demais efeitos de sucumbência.

Requer a intimação do Ministério Público para os termos da seguinte ação.


Requer ao final a concessão dos benefícios da Assistência judiciária justiça
Gratuita, por ser o requerente pobre em sentido legal e, nem ele nem sua mãe
tem condições de prover as custas do processo em prejuízo de seu sustento
de sua família.

Protesta provar o alegado por todos os meios de prova em direito admitidos


especialmente juntada requisição e exibição de documentos, depoimento
pessoal do requerido sob pena de confissão e prova testemunhal.

Dá-se à causa do valor de 12.000, 00(doze mil reais).

Termos em que,

Pede deferimento.

Amélia Rodrigues/BA, 18 de novembro de 2019.

Dr. Carlos Henrique Rosa Carvalho

OAB/BA nº62. 482