Você está na página 1de 44

ANALGÉSICOS e ANTIINFLAMATÓRIOS não

ESTEROIDAIS - AINES

Cristiane S R Fonteles D.D.S., M.S., Ph.D.


BMJ 2013;346:f3195 doi: 10.1136/bmj.f3195 2
Efeitos Farmacológicos

• Ação
– Analgésica
– Antipirética
– Anti-inflamatória
Efeitos Adversos
• Gastrointestinais • Gravidez
• Cardiovasculares • Hipersensibilidade
• Asma • Raros
• Equilíbrio ácido-base
• Efeitos hepáticos/
renais
• Efeito uricosúrico
Efeitos GI
• Dor epigástrico, náuseas, vômitos, ulceração gástrica e duodenal
• Dose e frequência de uso
• Mecanismos
• Efeito irritante direto
• Inibição PGE2 e PGI2
• Cuidados:
– Pacientes com úlceras e gastrites
Função plaquetária
• Prolongamento do tempo de sangramento
• Acetilação irreversível da COX-1 plaquetária com redução da formação
de TXA2
• COX-2 - produção de PGI2 nas células endoteliais
• Cuidados:
– Pacientes com lesões hepáticas, hipoprotrombinemia, deficiência de
vitamina K, hemofilia ou que fazem uso de anticoagulantes
– AAS e Coxibes
– Importante: Naproxeno bloqueia o efeito antiplaquetário da aspirina
Efeitos cardiovasculares
• 2 estudos recentes demonstraram um maior risco de Infarto do Miocárdio
durante terapia com Ibuprofeno de aprox 2.400 mg/dia, comparado a doses
de 1.200 mg/dia
• Diclofenaco é o AINE que gera o maior risco de IM
• Naproxeno parece ser o AINE com menor risco de IM - recomendada dose
de até 750 mg/dia em pacientes de risco baixo-moderado de eventos
cardiovasculares, e aqueles que tomam AAS
• Maior risco de eventos cardiovasculares em nefropatia
• Todos os AINES causam aumento dos-dependente da PA
– Antagonistas de enzima conversora de angiotensina, bloqueadores dos
receptores da angiotensina II, beta-bloqueadores, e diuréticos
Efeitos respiratórios
• Estimulação (in)direta da respiração
• Aumentam consumo O2 e produção de CO2
• CO2 - Estimula ventilação pulmonar
• Doses tóxicas - Estimula centro respiratório e causa alcalose
metabólica/paralisia respiratória central/colapso respiratório/acidose
metabólica
• Reduz VEF1 - 20% adultos e 5% crianças com asma
• Cuidados:
– Pacientes ingerindo barbitúricos e opióides (risco de acidose
metabólica)
– AAS e Coxibes
Equilíbrio ácido-básico e padrão eletrolítico

– Alcalose metabólica - Aumento pH sangue


– Aumento da excreção renal de bicarbonato
– Alteração nas concentrações plasmáticas de Na+ e K+
– Alcalose respiratória compensada se instala
– Acidose respiratória e metabólica
Efeitos hepáticos e renais
– Hepatotoxicidade particularmente com diclofenaco e ibuprofeno
– Síndrome de Reye - danos hepáticos e cerebrais
– Insuficiência Cardíaca Congestiva -
• Retenção de Na+ e H2O + redução da função renal
– Pacientes sadios -
• Nefrotoxidade é rara
• Ingestão prolongada + outros compostos = necrose papilar e nefrite
intersticial
• Antagonistas de enzima conversora de angiotensina + nefropatia - piora o
quadro
Efeitos uricosúricos

• Efeito sobre excreção de ácido úrico


– Doses baixas (1 - 2 g/dia) - elevam conc. plasm.
– Doses altas (>5 g/dia) - reduzem conc. plasm.
Efeitos raros

• Meningite asséptica em pacientes com doenças


inflamatórias
• Síndrome de Steven-Johnson
Gravidez
• Largo estudo epidemiológico: Mulheres tomando
AINES no 1o trimestre tem maiores chances de
ter aborto que mulheres que não usam AINES
(OD 2,43; IC 2,12-2,79)
• Podem atrasar o parto e levar ao fechamento
prematuro do ducto arterioso
• AINES não seletivos podem levar a perda
sanguínea durante o parto
Nakhai-Pour HR, Broy P, Sheehy O, Bérard A. CMAJ 2011; 183: 1713-20.
2011;183:1713-20.
Classificação
• Derivados Salicílicos
– Ácido acetilsalicílico, diflunisal
• Derivados Pirazolônicos
– Dipirona, fenilbutazona
• Derivados do Ácido Acético
– Indometacina, diclofenaco, cetorolaco,
etodolaco
16
Classificação
Derivados do Paraminofenol
• Paracetamol, fenacetina
Derivados do Ácido Propiônico
• Ibuprofeno, naproxeno, cetoprofeno,
fenoprofeno, flurbiprofeno
Derivados Oxicanos
• Piroxicam, meloxicam, tenoxicam
Classificação

Fenamatos
• Ácido flufenâmico, ácido mefenâmico
Derivados da Sulfonilida
• Nimesulida
Coxibes
• Celecoxibe, etoricoxibe

18
Brunton et al. Goodman & Gilman’s Manual of Pharmacology and Therapeutics. Chapter 26, p.430-435, 2008
20
Brunton et al. Goodman & Gilman’s Manual of Pharmacology and Therapeutics. Chapter 26, p.430-435, 2008
Brunton et al. Goodman & Gilman’s Manual of Pharmacology and Therapeutics. Chapter 26, p.430-435, 2008
21
Brunton et al. Goodman & Gilman’s Manual of Pharmacology and Therapeutics. Chapter 26, p.430-435, 2008
22
• 232008
Brunton et al. Goodman & Gilman’s Manual of Pharmacology and Therapeutics. Chapter 26, p.430-435,
• Brunton et al. Goodman & Gilman’s Manual of Pharmacology and Therapeutics. Chapter 26, p.430-435, 2008
24
Derivados Pirazolônicos: Dipirona
• Efeitos Farmacológicos
– Analgésicos e antipiréticos
• Somente inibição da COX ?, estimula óxido
nítrico,↑ GMPc, ↓ dor, ↓ vias de febres
independente de PGs
• Efeitos Adversos
Hematológicos
• trombocitopenia, leucopenia, anemia aplástica,
alterações leucêmicas
Manifestações clínicas
• febres, estomatites e dor de garganta
Derivados Pirazolônicos: Dipirona

• Efeitos Adversos
– TGI
– Rash cutâneo
– Hepatite colestática, púrpuras e hematúria
– Aumento do tempo de sangria
– SNC: letargia, tremores, confusão,
depressão, dores de cabeça, agitação e
fraqueza.
– TGU: Nefrotoxicidade
Acetaminofeno

Vantagens
NÃO
• inibe agregação plaquetária
• causa sangramento ou irritação gástrica
• afeta excreção de ácido úrico
• tem as mesmas interações medicamentosas que a
aspirina
• tem hipersensibilidade cruzada com os outros AINES
AINEs como Analgésicos

– Usar por tempo inferior ou igual a 1 semana


– Em comparação a opióides e associações
não deprime o SNC
– COX-2 seletivos são mais seguros para o
TGI, mas são mais inseguros para o SCV
Concepções Erradas sobre Dor
– Pacientes com dor sempre expressam sinais
visíveis
– Patologias óbvias, resultados de exames e tipo de
cirurgia determinam a existência e intensidade da
dor
– Pacientes devem aguardar o máximo possível para
tomar analgésicos, para que aprendam a tolerar
melhor a dor

29
Na Seleção do Analgésico
– Severidade da dor
– História médica
– História recente e passada de dor
– O paciente deve ser considerado a
autoridade na sua dor
– Antecipar a intensidade da dor em função do
procedimento
30
Na Seleção do Analgésico
– Anestésicos locais
– Via de regra (salvo quando contraindicado)
iniciar sempre com o uso dos AINEs
– Recomendação: iniciar terapia com dose
analgésica máxima, seguida de uso
ininterrupto por 2-3 dias
– Dores crônicas devem expressar resultados
terapêuticos em 3-4 semanas
31
RECOMENDADO PELA OMS - 1990
DOR
AINE

DOR PERSISTE OU AUMENTA ALÍVIO


OPIÓIDE ± AINE ±
ADJUVANTE

ALÍVIO

32
Nimesulida

• Relativa seletividade COX-2


• Hepatotoxicidade
• Committee for Medicinal Products for Human
Use (CHMP)
– Manter como droga de 2a linha
– Menor dose efetiva pelo menor tempo
– Não mais indicada para osteoartrite ou tratamentos a
longo prazo
– Dor aguda: tão eficaz quanto outros AINEs

33
Analgésicos
• Aspirina: adultos,comp. 500 mg, cx. c/ 20 ou 240
– Posologia: via oral, 500 a 1000 mg, cada 4 a 6 horas; via retal, 325 a 650 mg, cada
4 horas.
• Acetaminofeno (Tylenol): adultos, cp. 500 mg;
– Posologia: adultos, via oral ou retal, 650 a 1,0 g, cada 6 horas. Dose máxima diária:
4 g/dia.
• Crianças, via oral ou retal: 65 mg/kg/dia divididos em 4 a 6 doses. Solução oral
100 mg/ml; 120 mg/12 ml; 200 mg/ml; suspensão oral 240 mg/5 ml; supusitórios
de 500mg.
Analgésicos

• Dipirona (Anador, Baralgin M ou Novalgina retal, Dipirona


sódica):adultos, via oral, 500 mg a 1 g, 3 vezes ao dia; via i.m. ou
i.v., 500 mg a 4 g/dia, fracionados; ou 1 supositório até 4 vezes/dia.
– Apres: cp. 250, 300, 320, 400, 500 mg; sol. Oral 0,5 g/1,5 ml; 300 mg/ml; 350
mg/ml; 400 mg/ml; 500 mg/30 gotas; sup 300; 500; 1000 mg; sol. inj.(I.m. ou
I.v.): 400 mg/2 ml, 500 mg/ml; 2500 mg/5 ml.
Dipirona em pediatria
• Crianças:
– 1 a 3 anos (9 a 15 kg): oral, 7 a 12 gotas (2,5 a 5 ml)
– 4 a 6 anos (16 a 21 kg): oral, 13 a 16 gotas (5 a 7,5 ml)
– 7 a 9 anos (22 a 28 kg): oral, 18 a 21 gotas (5 a 10 ml)
– 10 a 12 anos (29 a 40 kg): oral, 22 a 30 gotas (7,5 a 12,5 ml)
– 13 a 14 anos (41 a 50 kg):oral, 30 a 37 gotas (10 a 15 ml)
• dose máxima diária de 8,5 a 17 mg/kg. Administrar até 4 vezes/dia, com intervalo de 6 horas.
Antiinflamatórios

• Meloxicam (Movatec): Adultos: 7,5 ou 15 mg v.o. 1 vez/dia


• Piroxicam (Feldene): Adultos: 10 a 20 mg v.o. 2 vezes/dia
• Tenoxicam (Tilatil): Adultos: 10 a 20 mg/dia
Antiinflamatórios

• Celecoxib (Celebra) - Adultos: 200 mg v.o. 1-2 vezes/dia


• Diclofenaco potássico (Cataflam) - Adultos: 50 mg v.o. 3
vezes/dia ou 75 mg de 12/12 horas
Casos Clínicos

Paciente sexo feminino, 50 anos, sadia, asmática, mas sem história


Paciente sexo masculino, 25 anos, sadio, sem história de alergias de alergia a
medicamentos, apresenta-se ao serviço de emergência com dor associada
apresenta-se para exodontia de 3º molares impactados (38 e 48). ao dente 23.
Avaliação Planejar
clínica evidencia restauração de RC mesial
analgesia pré e pós-operatória. recente, sensibilidade à palpação, e
percussão vertical, dor espontânea, contínua, muito intensa há 2 dias, ausência de edema
ou mobilidade. Radiográfica: radiolucdez PA circunscrita. Prescrever.

39
Casos Clínicos

Paciente sexo Via


Paracetamol: masculino,
Oral – 510-15
anos (18 kg), sadio,
mg/kg/dose a sem
cada história de
4-6 horas.
alergias apresenta-se
Importante: com5 doses
Não exceder história
em de dor, para exodontia do
24 horas
dente 85. Prescrever.

40
Paracetamol
Formulações pediátricas disponíveis no Brasil.
Tylenol.
Solução Oral 200 mg/mL (gotas)
1 mL = 14-16 gotas = 200 mg
Aproximadamente 12,5 mg/gota
Obs: Adoçado com ciclamato e sacarina. Contem corante
amarelo crepúsculo. Cuidado para crianças alérgicas à aspirina
e asmáticas.

Suspensão Oral 32 mg/mL (Tylenol Criança) -


Suspensão Oral 100 mg/mL (Tylenol Bebê) – 15 mL
Obs. Adoçado com xarope de frutose de milho. Contem corante
vermelho FD&C nº 40. Cuidado para crianças alérgicas.

41
Cetoprofeno

Formulações pediátricas disponíveis no Brasil


Profenid
Solução Oral 20 mg/mL (gotas)
1 mL = 20 gotas = 20 mg
Aproximadamente 1 mg/gota
Obs: Adoçado com ciclamato e sacarina.

Dose – 1 gota/kg a cada 6-8 horas

42
Ibuprofeno
Formulações pediátricas disponíveis no Brasil
Dalsy
Susp oral 100 mg/5 mL
DOR
6 ms – 11 anos: 10 mg/kg v.o. a cada 6-8 hs 

Dose diária recomendada é de 40 mg/kg
Em mL: Peso da criança ÷ 2

INFLAMAÇÃO
20-50 mg/kg/dia ÷ 3-4

Obs: Contem corante amarelo crepúsculo e parabenos. Adoçado


com sacarose

43
Ibuprofeno

Formulações pediátricas disponíveis no Brasil


Alivium
Sol oral 50 (1 gota=5 mg) e 100 mg/mL (1 gota=10 mg)
Susp oral 30 mg/mL

Obs: Contem corante amarelo crepúsculo e parabenos. Adoçado


com sacarina, ciclamato e sucralose

44