Você está na página 1de 3

AGRICULTURA CAMPONESA NO MUNICÍPIO DE OURÉM ESTADO DO PARÁ

ROCHA, DENISE OLIVEIRA SOUZA RU: 1507302


POLO: CAPANEMA
UNINTER

RESUMO

O munícipio de Ourém-Pa está situado na mesoregião do Guamá e apresenta a base de sua economia
voltada principalmente para a produção de produtos agrícolas e pela extração de minerais agregados. A
vegetação original do município é representada floresta equatorial subperenifólia que se apresenta apenas
como remanescente e como vegeação secudária ocorre a vegeação secundária que é denominada de
capoeira onde estão inseridos os diversos sistemas agrícolas do município. Historicamente o município tem
forte influencia da agricultura familiar, sendo que desde o início do século XX já havia organizações dos
agricultores, como por exemplo: a Associação dos Agricultores da Casa Familiar Rural 25 de Julho. A
agricultura familiar do munícípio vem recebendo importantes incentivos como o apoio na compra de
sementes e mudas, como a cessão de maquinários no campo, além da compra do produtos para a merenda
escolar do município o que em contribuido para o seu fortalecimento.

INTRODUÇÃO
A agricultura familiar gera mais de 80% da ocupação no setor rural e responde no Brasil
por sete de cada 10 empregos no campo e por cerca de 40% da produção agrícola. Atualmente,
a maior parte dos alimentos que abastecem a mesa dos brasileiros vem das pequenas
propriedades (CONAB, 2015).
O município de Ourém, encontra-se na microrregião do Guamá, localizada na mesorregião
do nordeste paraense, situando-se entre as coordenadas geográficas de 01° 23’ 49” a 01° 37’
20” de latitude sul e 47° 20’ 27” a 46° 55’ 00” de longitude oeste de Greenwich. Possui uma área
territorial de 593,94 km2. Sua vegetação original se enquadra na região fitoecológica de floresta
equatorial subperenifólia, restando hoje remanescentes da mesma, dominando na paisagem, a
vegetação secundária, denominada de capoeira, em diferentes estádios sucessórios, associada
aos diferentes sistemas agrícolas (Embrapa, 1998).
No município de Ourém foi fundada no ano de 1990 a Associação de Agricultores da Casa
Familiar Rural 25 de Julho, fruto de discussões do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do
município, que na época percebia a carência de um espaço em que fossem viabilizadas
alternativas para o desenvolvimento sustentável da agricultura Familiar de Ourém.
De 1991 a 1994, a Associação com financiamento de uma entidade Italiana (MANITESE),
construiu uma estrutura física na qual pudessem realizar atividades como reuniões, Assembléias
e cursos. Durante esse período foram desenvolvidas atividades como: viveiro de produção de
mudas (coco, cupuaçu, maracujá, limão e laranja). Área de produção de frutas como laranja,
banana e farinha de mandioca, bem como criação de abelhas, em produção ativa. Criação de
galinha caipira e patos, com produção de pintos e ovos; Experimentos de recuperação da
fertilidade do solo através da utilização de leguminosas. Cultivo em faixa com ingá, sistema
agrosilvipastoril (paricá, andiroba, caju, manga e pastagens e ovelhas). Módulos de sistemas
consorciados (abacate, cupuaçu, banana, graviola, acerola, laranja, coco, açaí, mamão, jaca,
pimenta do reino, banana, coco, ingá, mamão e abacaxi); plantio de árvores nativas, para
manutenção de um banco de sementes de variadas espécies.
A produção agricola no munícipio atualmente é principalmente representada por hortifrutis,
pela farinha de mandioca e seus derivados como tucupi, goma e farinha de tapioca, milho e
pimenta.

MATERIAIS E MÉTODOS

Para a realização da presente trabalho foi realizado pesquisa bibliográfica referente ao


tema abordado bem como uma pesquisa de campo nas áreas de produção agrícola para se ter
uma relação mais detalhada dos produtos cultivados no munícipio de Ourém. Foi visiada a
Secretaria de Meio Ambitene e Agricultura do município e a EMAER (Cartório de Ourém) para
se ober dados da produção agrícola local dos últimos anos.

RESULTADOS E DISCUSSÕES
Segundo a legislação vingente sobre a agriculura familiar no Brasil considera-se agriculura
familiar ou empreendendor familiar aquele que pratica atividades no meio rural, atendendo os
seguintes requisitos: não detenha, a qualquer título, área maior do que 4 (quatro) módulos fiscais;
utilize predominantemente mão-de-obra da própria família nas atividades econômicas do seu
estabelecimento ou empreendimento; tenha renda familiar predominantemente originada de
atividades econômicas vinculadas ao próprio estabelecimento ou empreendimento; tenha
percentual mínimo da renda familiar originada de atividades econômicas do seu estabelecimento
ou empreendimento e dirija seu estabelecimento ou empreendimento com sua família (Brasil
2006).
No município de Ourém foram cadastrados na EMATER aproximadamente 315 famílias
que apresentam propriedades de terra com tamanho inferior ou igual a 220 hectares, no entanto
os demais requisitos não são cadastrados. Sabe-se que desas 31 famílias cerca de 80% se
inserem em odos os requisitos exigidos pra se ober benefícios de agricultor familiar.
A prefeitura do município desenvolve programas e ações de acesso facilitado aos
produtores agropecuários, por exemplo, para compra de sementes, mudas e alevinos. Além
disso, também disponibiliza maquinário aos produtores em forma de cessão temporária gratuita
(IBGE).
Outro programa adotado pela prefeitura de Ourém foi o programa Programa Nacional DE
Alimentação Escolar / PNAE do Município, em que a aquisição de gêneros alimentícios seja feita
da Agricultura Familiar e do Empreendedor Familiar Rural, detentores de Declaração de Aptidão
ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – DAP Física e/ou Jurídica,
conforme Lei da Agricultura Familiar nº 11.236, de 24 de julho de 2006 e enquadrados no
Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – PRONAF, organizados em
grupos formais e/ou informais.
Os objetivos com essa política no município foi de promover a alimentação saudável e
adequada à clientela do PNAE, com produtos da Agricultura Familiar e do Empreendedor
Familiar Rural ou de suas organizações de forma a contribuir com o seu fortalecimento, em
conformidade como o art. 19 da Lei nº 10.696, de 02 de julho de 2003, e o Decreto nº 7.775/2012,
com a Lei nº 11.947/2009 e Resolução 4/2015/CD/FNDE/MEC de 02 de Abril de 2015, com a
legislação específica do PNAE por meio da aquisição de gêneros alimentícios da Agricultura
Familiar e do Empreendedor Familiar Rural, para atender os alunos do ensino fundamental e
ensino médio da Rede Municipal de Ensino do município de Ourém.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A importancia de políticas públicas de incentivo a agriculura familiar é indispensável para


o desenvolvimento social e economico do país, por isso, sua implementação nos municípios de
que apresenam famílias e empreendimegnos da agriculura familiar é uma forma de fortaceler
suas atividades e criar condições para a permanencia dessas famílias no campo. Com isso, foi
comprovado que o municipio de Ourém adota as políticas de ambito federal em seu município
contribuindo para o desenvolvimento social, ecocomico de muitas familias que tem como renda
a produção de alimentos e produtos oriundos da agricutlura familiar.
Os mais diversos produtos do município também são fornecidos na escola local o que
contribui não só para o produtor rural, mas para toda sociedade que se beneficia com alimentos
mais saudáveis sem muitos agrotóxicos e de boa qualidade, pois por não precisarem ser
transporados por longas distancias chegam mais frecos a mesa do consumidor.
Faz-se necessário que mais políticas de incentivo sejam implementadas, envolvendo
setores da cultura e educação para que essas familias, que são responsaveis por grande parte
do que está na mesa dos brasileiros, não sejam apenas produtores rurais, mas que tenham as
mesmas oportunidades sociais das pessoas que vivem na cidade.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Brasil. Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da
Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais.
Dísponivel:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11326.htm

Instituto de Geografia e Estatística (IBGE). Disponível:


https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/ourem/pesquisa/1/21682. Acessado: 02 de maio de 2019.

Lei Municipal nº1.786, de 06 de dezembro de 2013. Autoriza o poder executivo municipal a criar
o programa municipal de desenvolvimento da cadeia produtiva da aquicultura familiar, bem como
utilizar recursos na promoção de ações de apoio e incentivo à atividade.

Ministério do Desenvolvimento Agrário; Secretaria de Desenvolvimento Territorial; Fundação


Sócio-Ambiental do Nordeste Paraense, 2006. Diagnóstico e planejamento de desenvolvimento
do território rural do nordeste Paraense.