Você está na página 1de 8

RESUMO

LIVRO : MINISTÉRIO DO DIACONATO

UNIDADE 2

AULA 1: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA AUTORIDADE E PODER NA BÍBLIA

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

A presente aula introduz ao leitor, a importância do tema Autoridade. Destaca


que toda benção passa pela obediência a autoridades, e que esta foi distorcida
através do pecado de Adão e Eva. Todo homem está sob a autoridade de alguém,
por isso deve se aprender sobre o princípio da obediência a autoridade.

1. AUTORIDADE, PODER E SEUS SIGNIFICADOS


Diferenciando Poder de Autoridade
- PODER – É o controle sobre pessoas, através da imposição. Pode ser
comprado e vendido, dado ou tirado; gera desgaste e medo nos relacionamentos.
- AUTORIDADE- Esta ligada a essência da pessoa. É uma revelação interna,
demonstrada através da habilidade de convencer; influência e inspira respeito e
admiração.

Diferenciando Autoridade de Autoritarismo


- AUTORIDADE – Do latim é “augere”, significa elevar ao auge, fazer crescer.
Jesus Cristo é o melhor e maior modelo de autoridade, detentor de todo o poder
nunca impôs nada a ninguém, fazia as pessoas se sentirem importantes, com uma
proposta de liberdade e humildade. A liderança baseada na autoridade é legitimada
por Deus traz paz, motivação e faz os outros crescerem.

- AUTORITARISMO – se impõe através do medo, suscita a ansiedade e o


medo, gera sentimento de inferioridade e limita a liberdade.

A Coexistência do Poder e a da Autoridade


Poder e Autoridade necessariamente devem coexistir, conforme 1 Pedro
2.13,14 – uma vida sem submissão a autoridade revestida de poder , não agrada a
Deus. O poder não pode estar apartado da autoridade, pois o poder é a função de
efetuar punição; e a autoridade está na pessoa, promove a paz e tranquilidade aos
que nela sujeitam.

2. A ORIGEM DA AUTORIDADE
Origem Divina ou de Deus
Deus é a única fonte de autoridade e poder, esta acima de qualquer
autoridade, tem poder de fato e de direito; e portanto, todos os homens prestaram
contas a ELE.

Origem Cristológica ou Jesus Cristo


Jesus é detentor da capacidade de transformar, converter e mudar a natureza
do homem a sua própria vontade. E segundo, Atos 1.1-3 seu caráter, milagres,
ensinos e ressurreição confere crédito a sua plena autoridade.

Origem Escriturística ou As Escrituras


Jesus usou as Escrituras Sagradas como referência para sua vida terrena,
falou sobre a vinda do Messias, derrotou satanás com três versículos, legitimando a
autoridade da bíblia, através da repetição do termo “está escrito.” A bíblia é a
materialização da autoridade que determina o que podemos ou não fazer.

3. TIPOS DE AUTORIDADES LEGITIMAS


Autoridade Familiar
As profundas mudanças da instituição familiar atual, reflete numa geração que
não respeita as autoridades constituídas no lar; filhos não respeitam pais, pais
transferem sua responsabilidade aos avos, maridos e esposas insubmissos. A bíblia
é incisiva que a rebeldia contra autoridade familiar é rebeldia contra o reino, não há
como ser do reino se recusar a autoridade confiada por Deus.

Autoridade Governamental
Jesus deixa claro nas escrituras sagradas: (...)deem a César o que é de
César, e a Deus o que é de Deus (Lc20.25); devemos respeitar e honrar nossas
obrigações como cidadãos, independentemente do caráter de nossos governantes.

Autoridade Eclesiástica
Deus estabeleceu autoridade no corpo de Cristo com a finalidade de
representar o seu poder e propósito em autoridade e serviço. Os escritores sagrados
nos ensinam a nos submetermos aos apóstolos e pastores que são autoridades
sobre nós, pois o ministério não é uma invenção humana, mas divina.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
A autoridade e poder são um fato da Bíblia, e nela se encontra os limites
estabelecidos, com origem e legitimação em Deus.
LIVRO : MINISTÉRIO DO DIACONATO

UNIDADE 2
AULA 2: AUTORIDADE ESPIRITUAL NO ANTIGO TESTAMENTO

Esta aula descreve ao estudante, sobre a autoridade espiritual delegada pelo


próprio Deus, para o homem para que exerça poder com princípios bíblicos. Para
glorificar o nome de Deus.

1. REIS
1. O chamado dos Reis
Os reis de Israel deveriam apresentar alguns requisitos para assumir o seu
trono, os quais eram: serem descendentes de Davi e deveriam ser ungido, está
unção representava a autoridade e a presença de Deus na vida do escolhido.

2. As funções do rei
O rei de Israel para ter êxito em seu reinado, deveria se assentar no trono e
ter sempre consigo uma cópia das leis sagradas, suas ações deveriam ser pautadas
pela palavra de Deus. Sua figura representava a proteção ao povo em tempos de
guerra; além de figurar como homem acessível o qual se esperava por sabedoria
para a solução de casos difíceis.

3. Reconhecimento da autoridade do rei


A autoridade espiritual é acompanhada pela confirmação divina e
reconhecimento humano. Uma verdadeira liderança não se apaga com ausência do
vigor físico, pois a autoridade deriva de fonte divina.

4. Cuidado no exercício da autoridade do rei


A autoridade do rei de Israel e seu exercício estava condicionada a sua
obediência á palavra de Deus.

II. OS SACERDOTES
Os reis atuavam na área politica e administrativa, os sacerdotes eram
responsáveis pelo ensino da lei e do culto.
1. O chamado dos sacerdotes
Para exercer o sacerdócio era necessário ser descendente Arão, se caso, não
fosse e chegasse a ser ungido morria imediatamente. A unção era acompanhada da
purificação do sangue e impunha condição de santidade e poder.

2. As funções sacerdotais
As funções sacerdotais eram ligadas diretamente a condução da vida sócio-
moral / espiritual – religiosa. Eram mediadores entre Deus e o homem; julgavam
causa civis e ensinavam a lei ao povo.

3. Reconhecimento da autoridade sacerdote


Os verdadeiros líderes evidenciam a unção divina e precisam receber nosso
reconhecimento, respeito e obediência.

4. Cuidado no exercício da autoridade sacerdote


Os sacerdotes têm como dever manter a pureza de suas vidas e cuidar com
rigor do culto a Deus, para que não sejam reprovados pelo Senhor.

III. OS PROFETAS
Os profetas eram chamados para transmitir o recado de Deus com extrema
fidelidade.

1. O chamado dos profetas


Os profestas não necessitavam de descendência ou linhagem era
vocacionados por Deus para ser porta-voz D’Ele.
Os profetas podem ser classificados em maiores e menores, nomeados assim
por causa do tamanho dos livros.

2. As funções dos profetas


Os profetas recebiam a palavra revelada pelo próprio Deus, estas podiam ser:
admoestações – condenavam praticas de forma veemente a chamar o povo a um
sincero arrependimento; e preditivas – proferidas para o futuro, sendo de
condenação ou esperança ao povo.
3. Reconhecimento da Autoridade Profética
Os sacerdotes eram reconhecidos como porta-voz de Deus. Reis os
buscavam nas horas de crise; tinham compromisso com a verdade e não só
profetizavam bênçãos, como também juízo.

4. Cuidado no exercício da autoridade profética


A autoridade espiritual concedida por Deus a uma pessoa é algo precioso e
muito valioso que visa promover a glória de Deus e a edificação do povo. Por isso é
necessário o zelo e cuidado para ter aprovação e a benção Divina.
LIVRO : MINISTÉRIO DO DIACONATO

UNIDADE 2
AULA 3: A AUTORIDADE DE JESUS CRISTO

CONSIDERAÇÕES INICIAIS
A aula três descreve a importância da autoridade no nome do Senhor Jesus,
seus nomes e títulos comunicam o seu reino.

1. SUA AUTORIDADE ATRAVÉS DE SEUS NOMES E TÍTULOS


Os nomes de Jesus Cristo emana e reflete seu caráter messiânico e salvífico.
Os nomes mais conhecidos são: O filho do Homem e Emanuel - (o Kyrios).

1.1. O Filho do Homem e a autoridade de perdoar pecados


Jesus Cristo tem o direito de exercer autoridade de perdoar pecados e salvar
a todos os que creem. Deus deu a Jesus exclusivo direito e poder de nos perdoar e
tonar-nos santos e imaculados.

1.2. Cristo como Senhor e sua autoridade absoluta sobre a igreja


O cristão deve sempre lembrar que foi somente através da obra redentora de
Cristo é que foi resgatado do pecado. No entanto,é necessário também reconhecer
como Senhor. Jesus é soberano e detém autoridade e governo absoluto sobre a sua
igreja.

1.3. O Emanuel e a autoridade do Deus que está conosco


A autoridade de Jesus Cristo é absoluta, assim como, a do Deus Pai. Todas
as coisas foram feitas para Ele e por meio D’Ele; sem Ele nada do que existe seria
feito.

2. SUA AUTORIDADE ATRAVÉS DO REINO DE DEUS


O reino de Deus é o tema central da pregação e do ministério de Jesus; ele
aponta para o domínio sobre aqueles que reconhecem sua autoridade absoluta
sobre eles.
2.1. O que é o Reino de Deus?
O reino de Cristo está localizado nos corações dos homens, não é um reino
físico, mas espiritual; cujo o propósito é a redenção do povo de Deus do pecado e
de poderes demoníacos, e o estabelecimento final dos novos céus e nova terra.

2.2. As perspectivas teológicas do Reino


Existem ao menos três concepções de Reino: A primeira – se limita ao
presente, realidade atual, a segunda – compreende como uma realidade futura; a
terceira – considera como realidade presente e futura, inaugurado com o nascimento
de Jesus, e o futuro será inaugurado no milênio.

2.3. A vinda do Reino


Jesus anunciou a vinda do Reino em palavras que soavam semelhantemente
àquelas de João Batista. Jesus disse que: o tempo está se cumprindo e o Reino está
próximo.

2.4. O Reino estabelecido pela graça


O Reino é estabelecido pela graça soberana de Deus e suas bençãos devem
ser recebidas como dons dessa graça.

2.5. Os sinais da presença do Reino


Os sinais da presença e da autoridade de Jesus no Reino se manifestaram
através: da expulsão de demônios, realizações de milagres, queda de satanás,
pregação do evangelho e a dadiva do perdão dos pecados.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Buscar a autoridade e o Reino de Cristo requer dependência no Espírito Santo
que derrama o amor de Jesus no coração.

Interesses relacionados