Você está na página 1de 4

ILUSTRÍSSIMO SENHOR DIRETOR DO DIRETRAN DA ...................

AUTO DE INFRAÇÃO: ................

........................, pessoa jurídica de direito privado, com sede


em ...................., à Rua ....................., No. ............., inscrita no CNPJ
sob nº ........................., por intermédio de seu advogado, ao final
assinado, conforme instrumento de mandato anexo, com escritório
profissional à Rua ..................., n.º ........, Conj. ........., .........., ............
- .........., fone .............., onde recebem notificações e intimações, vem,
com o devido respeito, perante Vossa Senhoria, tempestivamente,

APRESENTAR CONDUTOR E PROMOVER DEFESA PRÉVIA

aos termos do Auto de Infração em epígrafe, lavrado pelo DIRETRAN,


pelos motivos que passa a aduzir:

I. DOS FATOS

1. Foi lavrada autuação de infração, supostamente cometida pela


Autuada, em linhas gerais por avançar sinal vermelho do semáforo o
veículo ..........., de sua propriedade, conduzido pelo Sr. ......................,
conforme apresentação do condutor em anexo. A autuação tem
como fundamento o art. 208 do Código de Trânsito Brasileiro, que
diz:
“Art. 208 – Avançar o sinal vermelho do semáforo ou o de parada
obrigatória.
Infração - gravíssima
Penalidade – multa.”

2 .Também se verifica que a infração ocorreu na data de ..............


de ............... de ................., às ............. hrs, no local assinalado
como ............. x ......................

3. É totalmente inverídica a versão do agente autuador de que o


condutor do veículo da Requerente teria avançado o sinal vermelho.
O que ocorreu na verdade é que na mudança do sinal verde para o
amarelo, o veículo da Requerente já estava na eminência de transpor
o cruzamento constante do autor de infração, e a parada do veículo
repentinamente em cruzamento de grande fluxo seria temerária e
resultaria em situação de perigo para os veículos que vinham
imediatamente atrás.

4. Salienta-se que tal versão pode ser facilmente comprovada por


testemunhas oculares, se isto efetivamente vier a ser necessário,
inclusive pelo passageiro que estava no banco ao lado do condutor.

5. Inclusive, como é de conhecimento de todos os motoristas que


trafegam pelas ruas e avenidas de nossa capital, a Rua ................ é,
sem sombra de dúvida, uma rua de grande movimento
de .................., com constantes engarrafamentos, principalmente no
dia e horário constante na notificação.

6. Infelizmente, o despreparo dos agentes de trânsito tem concorrido


para que os mesmos interpretem de forma totalmente equivocada a
legislação.

7. Desde o primeiro grau escolar aprendemos que o sinal luminoso


de cor amarela do semáforo significa atenção, devendo o condutor
parar o veículo, salvo se isto resultar em situação de perigo para os
veículos que vem atrás.

8. Importante salientar que o que se tenta aqui não é somente


escusar-se de uma penalidade injustamente imposta, mas também
de mostrar aos dignos julgadores que a situação precisa ser
modificada. É necessário que o Poder Público invista considerável
quantia na atualização e orientação dos agentes de trânsito, pois não
é com a aplicação abundante de multas e penalidades que o nosso
trânsito caótico irá mudar.

II. Das Irregularidades do Auto de Infração

1. Conforme se depreende clara e cristalinamente do referido auto


de infração, o agente autuador nem ao menos se deu ao trabalho de
especificar a infração cometida de forma até a possibilitar a ampla
defesa para o motorista, principalmente por tratar-se de infração
gravíssima.

2. O fato não se deu da forma descrita no auto de infração. O que ali


está escrito é simples repetição literal do artigo do CTB, não
refletindo a realidade fática, conforme já demonstrado.
3. A questão é lógica. O auto repete o art. 208, sem no entanto
mencionar as circunstâncias do ocorrido. A informação lacônica e
imprecisa contida no auto de infração é inconsistente, devendo ser
julgada insubsistente nos estritos termos do n.º I, do parágrafo único
do art. 281, do Código de Trânsito Brasileiro.

5. Para uma infração considerada de


natureza gravíssima, convenhamos, a descrição haveria de ser
detalhado, o que possibilitaria até uma melhor oportunidade de
defesa pela Requerente, caso realmente tivesse cometido a infração,
o que se admite só para argumentar.

6. Destaque-se que em momento algum a Requerente ou seu


condutor foram abordados por policial militar, ou este apresentou
justificação da impossibilidade no auto de infração, para a
competente autuação, simplesmente recebendo um aviso de
notificação de autuação.

7. Ressalte-se que o CTB determina, no §3º do art. 280, que o agente


autuador deve parar o “infrator” e autuá-lo no momento da dita
infração. O envio de notificação pelo correio é exceção, e como tal
deve ser plenamente justificada, e não usada como “praxe” da
“indústria das multas”.

8. Foi negligente e relapso o agente autuador pelos fatos já relatados,


tendo também desatendido integralmente o contido no art. 280, do
Código de Trânsito Brasileiro, devendo ser julgado inconsistente e
irregular o auto de infração ..........................., o que se requer desde
já.

9. O agente não seguiu a forma e a formalidade legal para a lavratura


do auto de infração. Feriu-se o Princípio da Legalidade Administrativa.
O auto é inválido. Deve ser anulado.

III. Do Requerimento

Diante do exposto, e considerando que a Requerente não cometeu a


mencionada infração, requer-se:

a) seja declarado inconsistente e irregular o Auto de


Infração .........................., dando-se provimento a presente DEFESA;

b) seja eximida a Requerente do recolhimento do valor


correspondente, bem como o condutor do acréscimo de pontuação;
Pede Deferimento.
...................., ................. de............... de ...........

...........................

OAB/................