Você está na página 1de 39

MOTORES DE COMBUSTÃO

INTERNA E GERADORES DE VAPOR


Prof.: Otávio Favoretti do Nascimento

Colatina, 2019
Fundamentos da combustão
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
2
<otavio.favoretti@gmail.com>
Combustíveis
Carbono

Ênfase do estudo:
Substância
COMBUSTÍVEL Combustíveis Hidrogênio
inflamável
hidrocarbonados

Enxofre e outros
podem estar
presentes

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


3
<otavio.favoretti@gmail.com>
Combustíveis
• Os combustíveis hidrocarbonados • Os combustíveis hidrocarbonados
podem existir no estado líquido, gasosos são obtidos de poços de gás
gases e sólido; natural ou produzidos em
• Os combustíveis hidrocarbonados determinados processos químicos.
líquidos são obtidos • O gás natural normalmente consiste
frequentemente de derivados de em hidrocarbonatos diferentes,
óleo cru através de processos de sendo o principal o metano.
destilação e craqueamento; • Para determinação da combustão de
• Exemplos de combustíveis líquidos combustíveis sólidos, é utilizada a
são a gasolina, óleo diesel, análise imediata (base mássica
querosene, entre outros. quantidades relativas dos
elementos).
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
4
<otavio.favoretti@gmail.com>
Figura 1 – Colunas de destilação de petróleo. Fonte: Borgnakke (2018).
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
5
<otavio.favoretti@gmail.com>
Combustíveis derivados do petróleo
• É constituído, basicamente, por
uma mistura de compostos Temp. Comp. USOS
químicos orgânicos; Fração Ebulição aproximada
• Por ser encontrado em estado
gasoso ou estado líquido, de GLP Até 40 C3 – C4 Gás combustível
engarrafado
acordo com o tamanho das
moléculas e condições normais de Gasolina 40-175 C5 – C10 Combustível de
temperatura e pressão; automóvel,
solvente
• Os componentes químicos que Lubrificantes 400-510 C26 – C38 Óleos lubrificantes
constituem o petróleo são
separados de acordo com suas
faixas de ebulição;

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


6
<otavio.favoretti@gmail.com>
Combustíveis derivados do petróleo
➢Petróleo Petróleos
• São líquidos oleosos, inflamáveis, parafínicos
a sua cor que varia do castanho ao
negro, com cheiro desagradável,
Petróleos
sendo menos denso que a agua; naftênicos
• Apresentam diferentes Famílias de
propriedades físicas (massa hidrocarbonetos
específica, viscosidade, entre Petróleos
outras), podendo ser pouco aromáticos
viscosos (condensados) e outros
que demorariam o dia inteiro para
escorrer em um recipiente. Petróleos mistos

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


7
<otavio.favoretti@gmail.com>
Combustíveis derivados do petróleo
Como os petróleos ficaram a) Alcanos ou parafínicos
milhões de anos na natureza, é • Caracterizados por se
fácil compreender por que organizarem em cadeias
possuem compostos abertas, normais ou ramificadas,
quimicamente estáveis. Os e somente com ligações simples.
principais hidrocarbonetos
encontrados são: b) Cicloparafínicos ou naftênicos
➢Alcanos ou parafinas; • São hidrocarbonetos de cadeia
saturada (ligações simples) com
➢Cicloparafínicos ou naftênicos; estrutura cíclica (anel), podendo
➢Aromáticos; ser normais ou ramificadas.
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
8
<otavio.favoretti@gmail.com>
Combustíveis derivados do petróleo
c) Aromáticos (CnH2n-6) • São excelentes agentes
• Hidrocarbonetos que possuem antidetonantes para motores do
um ou mais anéis benzênicos, ciclo Otto.
ligados por cadeias carbônicas,
lineares ou ramificadas.
• Em função de sua grande
estabilidade química, é muito
difícil de romper as ligações do
anel, que confere a estes
compostos grande resistência a
autoignição.
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
9
<otavio.favoretti@gmail.com>
Descrição da composição da mistura
• Pode descrever a composição Onde:
de uma mistura fornecendo a ✓𝑚𝑖 - é a massa.
massa ou número de mols de
cada componente presente. ✓𝑛𝑖 - é o número de mols.
• A equação a seguir relaciona a ✓𝑀𝑖 é a massa molecular.
massa, o número de mols e a • Quando 𝑚𝑖 é expresso em
massa molecular de um termos de quilogramas, 𝑛𝑖 é
componente i da seguinte expresso em termos de kmol.
maneira:
𝑚𝑖
𝑛𝑖 =
𝑀𝑖

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


10
<otavio.favoretti@gmail.com>
Descrição da composição da mistura
• A massa total de uma mistura é 𝑚𝑖
dada pela soma das massas de 𝑚𝑓𝑖 =
𝑚
seus componentes: • A determinação das frações
𝑗
mássicas dos componentes é às
𝑚 = 𝑚1 + 𝑚2 + ⋯ + 𝑚𝑗 = ෍ 𝑚𝑖 vezes chamada análise
𝑖=1 gravimétrica.
• As quantidades relativas dos
componentes podem ser • A soma das frações mássicas de
especificados em termos das todos os componentes em uma
frações mássicas. A fração mistura é igual à unidade.
𝑗
mássica 𝑚𝑓𝑖 do componente i é
definida como: ෍ 𝑚𝑓𝑖 = 1
𝑖=1
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
11
<otavio.favoretti@gmail.com>
Descrição da composição da mistura
• Número total de mols de uma • A fração molar 𝑦𝑖 do componente
mistura é dado por: 𝑖 é definida por:
𝑗 𝑛𝑖
𝑛 = 𝑛1 + 𝑛2 + ⋯ + 𝑛𝑗 = ෍ 𝑛𝑖 𝑦𝑖 =
𝑛
𝑖=1
• A determinação das frações
• A quantidade relativas dos molares dos componentes de
componentes presentes na uma mistura pode ser chamada
mistura podem ser também análise molar.
descritas em termos de frações 𝑗
molares. ෍ 𝑦𝑖 = 1
𝑖=1
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
12
<otavio.favoretti@gmail.com>
Descrição da composição da mistura
• A massa molecular aparente 𝑛1 𝑀1 + 𝑛2 𝑀2 + ⋯ + 𝑛𝑗 𝑀𝑗
(média) da mistura, M, é 𝑀 =
𝑛
definida como a razão da massa • A massa molecular aparente
total da mistura, m, e o número pode ser calculada como uma
total de mols da mistura, n. média ponderada das frações
molares das massas moleculares
𝑚1 + 𝑚2 + ⋯ + 𝑚𝑗 dos componentes
𝑀= 𝑗
𝑛
𝑀 = ෍ 𝑦𝑖 𝑀𝑖
Substituindo 𝑚𝑖 = 𝑛𝑖 . 𝑀𝑖 , temos: 𝑖=1

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


13
<otavio.favoretti@gmail.com>
Aula 06 – Exemplo 1 – Conversão de frações
molares em frações mássicas
• A análise molar de produtos gasosos de combustão de um
determinado combustível hidrocarbonado é CO2, 0,08; H2O, 0,11; O2,
0,07; N2, 0,74. (a) Determine a massa molecular aparente da mistura.
(b) Determine a composição em termos de frações mássicas (análise
gravimétrica).

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


14
<otavio.favoretti@gmail.com>
Aula 06 – Exemplo 2 – Conversão de frações
mássicas em frações molares
• Uma mistura de gases tem a seguinte composição em termos de
frações: H2, 0,10; N2, 0,60; CO2, 0,30. Determine (a) A composição em
termos de frações molares e (b) a massa molecular aparente da
mistura.

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


15
<otavio.favoretti@gmail.com>
Introdução a combustão
COMBUSTÃO COMPLETA
• Quanto uma reação química
ocorre, as ligações no interior Ocorre quando à queima
das moléculas dos reagentes são completa dos seguintes
quebradas e os elétrons são elementos
reorganizados para formar os
produtos. Carbono Hidrogênio Enxofre

• Nas reações de combustão, à


rápida oxidação dos Dióxido de Dióxido de
constituintes do combustível carbono
Água
enxofre
resulta em liberação de energia
a medida que os produtos da Se essas condições não
combustão são gerados. forem atendidas, tem-
se uma COMBUSTÃO
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento INCOMPLETA. 16
<otavio.favoretti@gmail.com>
Introdução a combustão
• Quando se lida com reações • Exemplo: Considere a combustão
químicas, é necessário recordar completa do hidrogênio com o
que a massa é conservada, e oxigênio.
portanto a massa dos produtos é 1
igual a massa dos reagentes. 1 H2 + O2 → 1H2 O Eq.(1)
2
• A massa total de cada elemento Reagentes Produtos
químico de ser a mesma dos dois
lados da equação, mesmo que os • Os coeficientes numéricos são
elementos existam em compostos postos de ambos os lados da
químicos diferentes nos reagentes equação para prover iguais
e produtos. quantidades de cada elementos
• Contudo, o número de mols dos em ambos os lados da equação.
produtos pode diferir do número • Chamados de coeficientes
de mols dos reagentes. estequiométricos.
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
17
<otavio.favoretti@gmail.com>
Introdução a combustão
• Em palavras, a Equação (1)
expressa: 2 kg H2 + 16 kg O2 → 18 kg H2 O
1
1 kmol H2 + kmol O2 → 1 kmol H2 O →Lembrando que:
2
• O número de moles de um lado da
• Visto que 1 kmol de H2 equivale a equação química não
2 kg, 1Τ2 kmol de O2 equivale 16 kg necessariamente precisa ser o
e 1 kmol de H2O equivale a 18 kg, mesmo do outro lado da equação,
pode-se novamente interpretar a entretanto, a soma das massas dos
Equação 1 da seguinte forma: reagentes deve ser igual à dos
produtos.
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
18
<otavio.favoretti@gmail.com>
Modelagem da combustão
• O oxigênio é necessário em Tabela 1 -Composição do ar seco
todas as reações de combustão,
no qual, na maior parte das Componente Fração molar (%)
utilizações de combustão, o ar Nitrogênio 78,08
provê o oxigênio necessário. Oxigênio 20,95

• Oxigênio puro é utilizado apenas Argônio 0,93

em operações especiais, tais Dióxido de carbono 0,03


como no corte e na soldagem. Neônio, hélio, metano e outros 0,01

• A composição de uma amostra Fonte: Moran e Shapiro (2011).


típica de ar seco é dada na
Tabela 1.
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
19
<otavio.favoretti@gmail.com>
Modelagem da combustão
• Para simplificação dos cálculos de ➢É admitido que o nitrogênio não
combustão, o seguinte modelo é participa da reação química.
utilizado:
➢Todos os componentes do ar são ➢Razão ar-combustível
agrupados ao nitrogênio e • Dois parâmetros podem ser
considera-se que o ar tem 21% de utilizados para expressar a
oxigênio e 79% de nitrogênio em quantidade de combustível e de ar
base molar. em determinado processo de
➢Com essa ideia, a razão molar combustão:
nitrogênio/oxigênio é ✓Razão ar-combustível;
0,79/0,21=3,76, ou seja, para cada ✓Razão combustível-ar.
mol de O2, tem-se 3,76 moles de
N2.
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
20
<otavio.favoretti@gmail.com>
Modelagem da combustão
➢Razão ar-combustível • Em base mássica
• A razão ar-combustível é 𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑑𝑒 𝑎𝑟 𝑚𝑜𝑙𝑠 𝑑𝑒 𝑎𝑟 𝑥 𝑀𝑎𝑟
simplesmente a razão entre a =
𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑐𝑜𝑚𝑏𝑢𝑠𝑡í𝑣𝑒𝑙 𝑚𝑜𝑙𝑠 𝑐𝑜𝑚𝑏𝑢𝑠𝑡í𝑣𝑒𝑙 𝑥𝑀𝑐𝑜𝑚𝑏
quantidade de ar e a quantidade de
combustível em uma reação. 𝑚𝑜𝑙𝑠 𝑑𝑒 𝑎𝑟 𝑀𝑎𝑟
=
• A razão pode ser escrita em base 𝑚𝑜𝑙𝑠 𝑐𝑜𝑚𝑏𝑢𝑠𝑡í𝑣𝑒𝑙 𝑀𝑐𝑜𝑚𝑏
molar (mols ar/mols combustível) • Ou
ou em base mássica ( massa ar/ 𝑀𝑎𝑟
𝐴𝐶 = 𝐴𝐶
massa de combustível). 𝑀𝑐𝑜𝑚𝑏
• Em base molar: Onde AC e a razão ar-combustível em base molar e
𝑚𝑜𝑙𝑠 𝑑𝑒 𝑎𝑟
AC e a razão ar-combustível em base mássica.
𝐴𝐶 =
𝑚𝑜𝑙𝑠 𝑑𝑒 𝑐𝑜𝑚𝑏𝑢𝑠𝑡í𝑣𝑒𝑙 Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
21
<otavio.favoretti@gmail.com>
Modelagem da combustão
➢Ar teórico
• A quantidade mínima de ar que fornece oxigênio suficiente para a combustão
completa de todo o carbono, hidrogênio e enxofre presentes no combustível é
chamada de quantidade teórica de ar. Quando se consegue a combustão
completa com o ar teórico, os produtos da combustão não contêm oxigênio.

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


22
<otavio.favoretti@gmail.com>
Modelagem da combustão
• A quantidade de ar fornecida é • A quantidade de ar fornecida
maior ou menor que a pode ser expressa de forma
quantidade de ar teórica. A alternativa como percentual de
quantidade de ar efetivamente ar em excesso ou percentual de
fornecida é comumente deficiência de ar.
expressa em termos do • Assim 150% equivalem a 50%
percentual de ar teórico. em excesso e 80% de ar teórico
• Por exemplo, 150% de ar teórico são o mesmo que 20% de
significam que o ar efetivamente deficiência de ar.
fornecido é 1,5 vez a quantidade
de ar teórico.
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
23
<otavio.favoretti@gmail.com>
Modelagem da combustão
• A razão de equivalência é a • Quanto a razão é maior que 1,
razão de combustível-ar real em diz-se que os reagentes formam
relação à razão combustível-ar uma mistura rica.
para combustão completa com a • A seguir é apresentado um
quantidade teórica de ar. exemplo para obter reações
• Diz-se que os reagentes formam químicas balanceadas
uma mistura pobre quando a (conservação de massa) e
razão de equivalência é menor determinar a razão ar-
que a 1; combustível.

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


24
<otavio.favoretti@gmail.com>
Aula 06 – Exemplo 03– Determinação da
Razão ar-combustível
• Determine a razão ar-combustível em bases mássicas para a
combustão completa do octano, C8H18, com (a) quantidade teórica de
ar, (b) 150 % da quantidade teórica de ar (50% ar em excesso).

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


25
<otavio.favoretti@gmail.com>
Produtos da combustão
• A quantidade relativa real dos • Na utilização da análise dos
produtos da combustão pode ser produtos da combustão, para se
determinada experimentalmente. obter a relação real
• Os dispositivos que medem a ar/combustível, o princípio básico é
composição dos produtos da a conservação da massa de cada
combustão (análise fracionada) elemento.
são:
✓Orsat;
✓Cromatógrafo;
✓ Analisador infravermelho;
✓ Outros.
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
26
<otavio.favoretti@gmail.com>
Produtos da combustão
➢Combustão completa ➢Combustão incompleta
• Na Combustão Completa do Gás • Na Combustão Incompleta,
Natural (sem enxofre), os podem aparecer também CO,
elementos presentes nos NOx, H2S, CxHy nos produtos da
produtos da combustão são: combustão, além de SO2, CO2,
CO2, H2O, N2, O2, Ar, etc. H2O, N2, O2, Ar, etc.
• Na Combustão Completa de
Combustíveis que contêm
enxofre, tem também SO2, além
de CO2, H2O, N2, O2, Ar, etc.
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
27
<otavio.favoretti@gmail.com>
Avaliação entalpia em sistemas reagentes
• Em cada tabela de propriedades • Quando ocorre uma reação
termodinâmicas utilizadas química, os reagentes
anteriormente, os valores da desaparecem e formam- se
energia interna, entalpia e entropia produtos, de modo que não é
específicos eram fornecidos em possível calcular as diferenças para
relação a algum estado de todas as substâncias;
referência; • Para se estabelecer uma referência
• Esta abordagem é satisfatória para para o estudo de sistemas de
sistemas para diferenças que reagentes designando-se
impliquem diferenças nos valores arbitrariamente um valor nulo para
das propriedades entre os mesmos a entalpia de elementos estáveis
estados de mesma composição, em um estado denominado estado
por que nessa caso as referências de referência padrão e definido por
arbitrárias se cancelam. 𝑻𝒓𝒆𝒇 = 298,15 𝐾 25°𝐶 𝑒 𝒑𝒓𝒆𝒇 =
1 𝑎𝑡𝑚.
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
28
<otavio.favoretti@gmail.com>
Entalpia de formação
• Entalpia de formação é a energia • A entalpia de formação também
liberada ou absorvida quando o pode ser determinada por meio
composto é formado a partir dos da transferência de calor em
seus elementos , estando o uma reação na qual os
composto e os elementos a compostos são formados a
𝑇𝑟𝑒𝑓 𝑒 𝑝𝑟𝑒𝑓. partir dos elementos;
• É simbolizada por ℎ𝑓° ;
• Pode ser determinada por meio
da termodinâmica estatística
por meio de dados da
espectroscopia;
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
29
<otavio.favoretti@gmail.com>
Entalpia de formação
• Considera o reator simples
apresentado na Figura 2, no qual
o carbono e o oxigênio são
introduzidos a 𝑻𝒓𝒆𝒇 e 𝒑𝒓𝒆𝒇 , e
reagem completamente em
regime permanente para formar
dióxido de carbono às mesmas
temperatura e pressão. Figura 2 – Reator utilizado para discutir o conceito
de entalpia de formação. Fonte: MORAN e
• Dióxido de carbono é formado de SHAPIRO (2011).
acordo com:
𝐶 + 𝑂2 → 𝐶𝑂2
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
30
<otavio.favoretti@gmail.com>
Entalpia de formação
• A taxa de transferência de calor e . . __ . __ . __
entalpias dos fluxos de entrada e 0 = Qvc + 𝑛𝐶ℎ𝐶 + 𝑛𝑂2 ℎ𝑂2 − 𝑛𝐶𝑂2 ℎ𝐶𝑂2
saída são relacionadas pelo Onde:
. __
balanço da taxa de energia: 𝑛 𝑒 ℎ são respectivamente a vazão
. . . . molar e a entalpia por mol. Resolvendo
0 = Q vc + 𝑚𝐶ℎ𝐶 + 𝑚𝑂2 ℎ𝑂2 − 𝑚𝐶𝑂2 ℎ𝐶𝑂2 para achar a entalpia especifica do
Onde dióxido de carbono
. . . .
𝑚 𝑒 ℎ - são respectivamente, a vazão __ 𝑄𝑣𝑐 𝑛𝐶 __ 𝑛𝑂2 __
mássica e entalpia específica. Ao escrever ℎ𝐶𝑂2 = . + . ℎ𝐶 + . ℎ𝑂2
𝑛𝐶𝑂2 𝑛𝐶𝑂2 𝑛𝐶𝑂2
a equação é suposto que não há trabalho
e efeitos desprezíveis da energia cinética e
potencial.
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
31
<otavio.favoretti@gmail.com>
Entalpia de formação
• Visto que o carbono e o oxigênio são
elementos estáveis no estado-
padrão, ℎ𝑐 = ℎ𝑂2 = 0 e a equação
se torna: • A entalpia de um composto é
.
Sinal – : reação exotérmica formada por ℎ𝑓° , associada à
𝑄𝑣𝑐
formação do composto a partir de
__
ℎ𝐶𝑂2 = Sinal + : reação endotérmica
𝑛𝐶𝑂2 seus elementos (Tabela A-25 e A-25
• A entalpia específica de um E);
composto em um estado que não • e ∆ℎ , associado à variação de
seja o estado-padrão é determinada estado a composição constante.
pela soma da variação da entalpia
específica entre o estado-padrão e o
estado de interesse para a entalpia
de formação. Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
32
<otavio.favoretti@gmail.com>
Aula 06 – Exemplo 04– Análise de uma câmara
de combustão
• Gás metano a 400 K e 1 atm entra na câmara de combustão, onde é
misturado com o ar que entra a 500 k e 1 atm. Os produtos de
combustão saem a 1800 k e 1 atm. Para a operação em regime
permanente, determine em kJ por mol de combustível à taxa de
transferência de calor da câmara de combustão. Despreze os efeitos
da energia cinética e potencial. O valor médio para o calor especifico
cp de metano entre 298 e 400 K é de 38 kJ/kmol.K

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


33
<otavio.favoretti@gmail.com>
Aula 06 – Exemplo 05– Análise de uma câmara
de combustão
• Propano (C3H8) A 298 K e 1 atm entra na câmara de combustão que
opera em regime permanente com fluxo molar de 0,7 kmol/s e
queima completamente com 200% da quantidade de ar teórico, que
entra a 298 K e 1 atm. Os efeitos das energias cinética e potencial são
desprezados. Se os produtos de combustão saem a 560 K e 1 atm,
determine a taxa transferência de calor da câmara de combustão.

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


34
<otavio.favoretti@gmail.com>
Entalpia de combustão e poderes caloríficos
• Embora o conceito de entalpia de • E entalpia de combustão é definida
formação permeie as formulações como a diferença entre a entalpia
dos balanços de energia para dos produtos e a entalpia dos
sistemas reagentes, nem sempre reagentes quando ocorre uma
os valores de entalpia de formação combustão completa a temperatura
dos combustíveis será tabulada; e pressão dadas. Ou seja:
• Exemplo – óleo e carvão são ℎ𝑅𝑃 = ෍ 𝑛𝑠 ℎ𝑠 − ෍ 𝑛𝑒 ℎ𝑒
compostos de varias substancias
químicas, que podem variar de 𝑃 𝑅
° °
acordo com a fonte. • Os símbolos ℎ𝑅𝑃 𝑜𝑢 ℎ𝑅𝑃 simbolizam
que os valores são de acordo com a
• Em muitos casos práticos, pode ser 𝑇𝑟𝑒𝑓 e 𝑝𝑟𝑒𝑓 .
utilizada a entalpia de combustão.
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
35
<otavio.favoretti@gmail.com>
Entalpia de combustão e poderes caloríficos
• O poder calorífico de um ➢Poder Calorífico superior (PCS)
combustível é um número • O poder calorífico superior é
positivo igual ao modulo da obtido quando toda a água
entalpia de combustão. formada por combustão é um
• Dois poderes caloríficos recebem líquido.
denominação particular: ➢Poder Calorífico inferior (PCI)
✓ poder calorífico superior (PCS); • O poder calorífico inferior é
✓Pode calorifico inferior (PCI) obtido quando toda a água
formada por combustão é vapor.

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


36
<otavio.favoretti@gmail.com>
Entalpia de combustão e poderes caloríficos
• Entretanto, em instalações • A determinação do poder
industriais, geralmente a calorífico pode ser feita de duas
temperatura dos gases de saída maneiras: em laboratórios,
é maior que a temperatura de mediante o emprego de
condensação, portanto o calor aparelhos denominados
latente não é possível de ser calorímetros ou analiticamente,
recuperado. Devido a esta a partir da composição do
consideração, o PCI é de maior combustível.
aplicação para os cálculos de
rendimento e viabilidade
econômica.
Prof. Otávio Favoretti do Nascimento
37
<otavio.favoretti@gmail.com>
Entalpia de combustão e poderes caloríficos
• Conhecido o PCI de um
combustível, pode-se
determinar o valor de seu PCS
de acordo com a própria
definição de poder calorífico, ou Sendo hvap (calor latente de
seja, a diferença entre o PCS e o vaporização da água) a 25 °C cerca
PCI é obtida subtraindo o calor de 2.440 kJ/kg.
de vaporização da água nos
produtos:

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


38
<otavio.favoretti@gmail.com>
Referências Bibliográficas
• BORGNAKKE, C. Fundamentos da Termodinâmica. São Paulo: Blucher,
2018.
• BRUNETTI, F. Motores de combustão interna: volume 1/2. São Paulo:
Editora Blucher, 2012.
• MORAN, M.J.; SHAPIRO, H.N. Princípios de termodinâmica para
engenharia. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

Prof. Otávio Favoretti do Nascimento


39
<otavio.favoretti@gmail.com>

Você também pode gostar