Você está na página 1de 27

Treinamento - Assistência Técnica

Transmissão de 5 velocidades-02T
Polo
Índice

Introdução .......................................................................................................... 3

Transmissão manual 02T .............................................................................. 3

Design Modular .......................................................................................... 4

Carcaça ..................................................................................................... 5

Componentes mecânicos da transmissão .................................................................. 6

Desenho da transmissão ............................................................................ 6

Vista geral do sistema............................................................................................. 8

Árvore primária ........................................................................................... 8

Árvore secundária ....................................................................................... 9

Suporte de rolamentos ................................................................................ 10

Sistema de sincronização dupla para 1º e 2º marchas ....................................... 12

Diferencial ............................................................................................... 13

Fluxo de força ................................................................................................... 14

Fluxo de força da transmissão ..................................................................... 15

Comandos da transmissão .................................................................................... 16

Comando externo da transmissão ................................................................. 16

Comando interno da transmissão .................................................................. 18

Movimento de seleção ................................................................................ 19

Movimento de engate ................................................................................. 20

Bloqueio da marcha a ré .............................................................................. 21

Serviço ............................................................................................................. 22

Ajuste dos cabos de comando da transmissão ................................................. 22

Soltando os cabos de comando .................................................................... 22

Trava do eixo de seleção .............................................................................. 22

Bloqueio da alavanca de engate .................................................................... 23

Fixação dos cabos de comando ..................................................................... 23

Componentes elétricos ....................................................................................... 24

Sensor de velocidade - G22 .......................................................................... 24

Interruptor da luz de marcha a ré - F4 ............................................................. 25


Novo Atenção/Nota

Durante a sua leitura fique


atento a este símbolo que
identifica informações
importantes.
Introdução

Transmissão Manual 02T

A nova transmissão manual 02T de 5 velocidades


da série MQ200 foi escolhida para equipar o Polo,
tanto na motorização 1.6l como na 2.0l

A carcaça da transmissão manual 02T foi produzida


em magnésio e desenvolvida com 2 conjuntos de
árvores “ocas”, o que a torna extremamente leve.
Apesar da leveza de construção, sua robustez
permite torques até 200 Nm.

Graças ao projeto da nova transmissão, os eixos e


as diversas engrenagens podem ser facilmente
mudadas e escalonadas, para as mais diversas
aplicações e potências dos motores.

Devido a variabilidade de relações de eixos e


engrenagens, esta transmissão pode ser aplicada
para várias versões de veículos e estilos de dirigir,
combinando desde o estilo conservador até o
esportivo, proporcionando baixo consumo de
combustível.

A transmissão é comandada por cabos e o comando


da embreagem é hidráulico.
O objetivo de desenvolvimento dessa nova
transmissão buscou contemplar os seguintes
requisitos:

- engates suaves e precisos das marchas


através de cabos individuais;

- ótimo rendimento;

- peso reduzido;

- design modular.

3
Design modular

Os componentes da nova transmissão estão


estruturados de forma modular. Esta particularidade
se traduz em maior funcionalidade na montagem em
série e também para o setor de serviços.
Os componentes são:

Alavanca de embreagem

Este módulo é composto pela própria alavanca, o


rolamento e o guia.

Eixo de seleção com a tampa do comando da


transmissão Eixo de seleção Tampa do
comando
Neste módulo estão alojados todos os elementos da transmissão
de encaixe, molas, guias do comando da
transmissão e a trava de ajuste do comando.

Trava
Acionador
dos garfos

Mecanismo de comando interno

É composto por garfos, alavancas, patins da


transmissão e suporte de alojamento.

Suporte de rolamentos Árvore primária


Suporte de rolamentos

Este módulo é composto por dois rolamentos


blindados de esferas, a árvore primária e a árvore
secundária pré-montadas.

Árvore secundária
4
Carcaça

A carcaça da transmissão 02T é fabricada em Em comparação com o alumínio, o magnésio


magnésio e consiste de duas partes (carcaça possui menor densidade, portanto menor rigidez.
da transmissão e carcaça da embreagem). Esta particularidade é compensada com reforços
e apoios de maior espessura da parede.
A carcaça da transmissão tem pontos de
fixação na parte superior para fixação ao Com isto o resultado final obtido foi uma redução
suporte do lado esquerdo do motor, e na parte de 2,5 Kg, comparado com uma carcaça
de baixo, pontos para fixação do suporte convencional de alumínio.
pendular.
O magnésio tem mais uma vantagem acústica
frente ao alumínio, devido a sua característica de
maior amortecimento, o que propicia maior
conforto para o condutor.

Pontos de fixação

Tampa da
carcaça da Carcaça da embreagem
transmissão

Carcaça da transmissão

Devido à densidade reduzida do material da carcaça é necessário a utilização de


parafusos com maior comprimento para a fixação das partes.
Os parafusos também foram revestidos para proteger a carcaça contra decomposição
eletroquímica.

5
Componentes mecânicos da transmissão

Desenho da transmissão

A transmissão 02T é uma caixa compacta de 5


marchas para veículos com tração dianteira e
motorização transversal.
Engrenagem da marcha a ré
É composta de duas árvores e um eixo adicional
para a marcha a ré.

As engrenagens das árvores primária e


secundária possuem dentes helicoidais e
recebem um tratamento superficial chamado
“shot peening” onde a peça é jateada a fim de
aumentar a resistência à fadiga, diminuindo
eventuais efeitos nocivos provocados por
irregularidades superficiais durante o processo
de produção (ex: rebarbas, riscos e tensões de
tração).

Todas as engrenagens da transmissão são


montadas sobre rolamentos de agulhas que
proporcionam um alto nível de suavidade nas
marchas.
Tampa da carcaça
A 1ª e 2ª marchas são montadas na árvore da transmissão
secundária, enquanto que a 3ª , 4ª e 5ª marchas
são montadas na árvore primária.

Esta disposição contribui para diminuir a inércia


dos conjuntos, durante as trocas de marcha.

A engrenagem da marcha a ré está montada em


um eixo separado que fica entre a árvore
primária e a árvore secundária, e quando
engatada inverte o sentido de rotação da árvore
secundária.

Todas as marchas à frente são sincronizadas,


sendo que a 1ª e a 2ª marcha possuem um
sistema de sincronização dupla.
Carcaça da transmissão
A marcha à ré conta com um pequeno freio no
eixo primário através do sincronizador da 5ª
marcha.

O torque é transmitido através da engrenagem


de saída da árvore secundária (Pinhão) para a
coroa do diferencial.

6
Carcaça da embreagem

Alavanca de embreagem

Árvore primária

Árvore secundária

Engrenagem de saída
(Pinhão)

Diferencial

Coroa

7
Vista geral do sistema

Árvore primária

É montada com um rolamento cilíndrico na


carcaça da embreagem (rolamento móvel), e
com um rolamento blindado (rolamento fixo)
do suporte de rolamentos montado na carcaça
da transmissão.

A árvore primária foi perfurada, em seu eixo


longitudinal, objetivando reduzir o seu peso.

Engrenagem móvel
a
da 5 marcha Engrenagem
Corpo sincronizador a
da 2 marcha Engrenagem móvel
da 5a marcha Engrenagem da 4a marcha
da 1a marcha
Canal de redução
de peso

Engrenagem Rolamento cilíndrico


da marcha a ré
Anel de trava Suporte de rolamentos Corpo sincronizador
da 3a e 4a marcha
Engrenagem móvel
a
da 3 marcha

As engrenagens para a 1ª, 2ª e marcha a ré Uma vez engrenada uma das marchas a
são usinadas na própria árvore primária. engrenagem móvel correspondente é
conectada na árvore primária.
As engrenagens da 3ª, 4ª e 5ª marchas são
montadas sobre rolamentos de agulhas. Os anéis de trava mantém as engrenagens em
suas respectivas posições.
O corpo sincronizador da 3ª , 4ª , e 5ª
marchas estão conectados a árvore primária
através de um estriado longitudinal.

8
Árvore secundária

A árvore secundária está montada na carcaça da


transmissão com um rolamento cilíndrico (rolamento
móvel) na carcaça de embreagem e com um rolamento
blindado de esferas (rolamento fixo) no suporte de
rolamentos junto com a árvore primária.

A árvore secundária foi perfurada, em seu eixo


longitudinal, objetivando reduzir o seu peso.

Engrenagem da
a
2 marcha
Engrenagem móvel Engrenagem da
Engrenagem da a
da 1 marcha a
4 marcha
5a marcha Engrenagem da
3a marcha
Canal de redução
de peso

Anéis de
trava Rolamento cilíndrico

Suporte de rolamentos Corpo sincronizador Pinhão


a a
da 1 e 2 marcha

As engrenagens da 3ª, 4ª e 5ª marchas e o Os anéis de trava mantém as engrenagens em


corpo sincronizador da 1ª e 2ª marchas são suas respectivas posições.
montadas na árvore secundária através de um
estriado longitudinal. As engrenagens da 1ª e 2ª marchas são
móveis e estão montadas sobre rolamentos de
agulhas.

9
Suporte de rolamentos

Uma novidade na nova transmissão 02T é a estrutura


modular, como dito anteriormente.

Um dos módulos é o suporte de rolamentos da


transmissão que é composto por dois rolamentos
blindados de esferas.

Este tipo de construção permite fácil remoção dos


rolamentos das suas árvores, o que reduz o tempo de
reparo.

Os rolamentos de esferas não são montados


diretamente na carcaça da transmissão, mas sim em
alojamentos separados (suporte).

Suporte de rolamentos

Árvore primária

Árvore secundária

O conjunto da árvore primária, árvore secundária e suas engrenagens são


montadas primeiro no suporte de rolamentos e depois facilmente acoplados na
carcaça da transmissão.

O suporte de rolamentos deve ser substituído por completo em caso


de reparos.

10
Suporte de rolamentos

Rolamentos

Blindagem

Colar

Blindagem

Os dois rolamentos blindados de esferas da árvore


primária e da árvore secundária são partes
integrantes do suporte de rolamentos.

Os rolamentos são fixados no suporte por meio de


uma arruela especial, soldada no próprio suporte.

O suporte de rolamentos é montado e fixado na


caixa de transmissão através de seis parafusos.

11
Sistema de sincronização dupla para 1ª e 2ª marchas

Antes de ocorrer a conexão, entre uma engrenagem da árvore


primária com uma da árvore secundária, através do corpo
sincronizador com luva deslizante, é preciso que as duas
engrenagens girem na mesma velocidade (giro sincronizado).
Isto ocorre, durante a troca de marcha, entre o cone da
engrenagem e a luva deslizante do corpo do sincronizador.

Engrenagem móvel
a
da 3 marcha
Luva deslizante
Devido ao atrito provocado pela superfície maior dos dois
anéis sincronizadores, a eficiência da sincronização
aumenta consideravelmente reduzindo o esforço
necessário para a troca de marchas.

Com isso se consegue maior suavidade nas trocas de


marchas quando se reduz da 3ª para 2ª e da 2ª para a 1ª
marcha.

Corpo sincronizador
Engrenagem móvel a a
da 1 e 2 marcha
da 1a marcha

Anel sincronizador
A dupla sincronização para cada marcha é interno
composta por: Engrenagem móvel
Anel sincronizador
externo
- Cone sincronizador na engrenagem

- Anel sincronizador (interno)

- Anel cônico

- Anel sincronizador (externo)

Cone sincronizador Anel cônico


na engrenagem

12
Diferencial

É o conjunto final de saída da força motriz da transmissão.

O diferencial é montado com dois rolamentos de rolos


cônicos otimizados, na carcaça da transmissão e na carcaça
da embreagem.

Dois retentores de diâmetros diferentes vedam a carcaça pelo


lado externo.

A coroa dentada do diferencial é prensada na caixa satélite e


trabalha em conjunto com o pinhão da árvore secundária.

Pinhão
Coroa do diferencial Carcaça da embreagem

Caixa satélite
Carcaça da transmissão
Arruela de ajuste

Flange do eixo
lado esquerdo

Flange do eixo lado direito


Retentor

Rolamentos de
Retentor rolos cônicos

Roda geradora de impulsos


para sensor de velocidade
Rolamentos de rolos cônicos

Se algum componente do diferencial for substituído é necessário ajustar a pré


carga do eixo diferencial.
Isto é feito com uma arruela de ajuste na carcaça da embreagem.
Consulte o Manual de Reparações para realizar o ajuste.

13
Fluxo de força

14
Fluxo de força de transmissão

O torque do motor é transmitido para a


árvore primária.

Dependendo da marcha que está


engrenada, o torque é transmitido pelo
respectivo conjunto de engrenagens da
árvore secundária para a coroa do
diferencial.

O torque e o sentido de rotação atuam


sobre as engrenagens motrizes em
função da marcha engrenada.

15
Comandos da transmissão

Movimento de engate Alavanca de retransmissão

Alavanca de movimento
de engate

Alavanca de seleção
com contrapeso
antivibração

Tampa do comando da transmissão


Trava
Movimento de seleção

Eixo de seleção
Acionador dos garfos

Comando externo da transmissão

Para evitar vibrações e oscilações originadas O mecanismo (alavanca de retransmissão e as


durante a transmissão de força, a caixa de alavancas de movimento de seleção e engate)
transmissão é equipada com um comando por transforma os movimentos dos dois cabos de
cabos “Bowden”. comando em movimentos de avanço e
retrocesso do eixo de seleção.
Dois cabos fazem a conexão entre a alavanca
de engate (dentro do veículo) e a transmissão. A tampa do comando da transmissão possui
uma trava, com a qual se pode imobilizar o
Os cabos de comando transmitem os eixo de seleção em uma posição definida para
movimentos da alavanca de engate de dentro os trabalhos de reparo e ajustes.
do veículo para o eixo de seleção.

16
Alavanca de engate

Cabo de conexão

Carcaça da alavanca
de engate

Cabo de seleção

Desta forma os ajustes do comando da transmissão


foram simplificados.

O sistema de segurança para engate da marcha a ré


existe para evitar que a mesma seja engatada por
engano, e é feito pelo sistema de bloqueio por trava
de pressão (página 21).

17
Comando interno da transmissão

Os movimentos de troca de marchas são


transmitidos, para a caixa de transmissão, pela
parte superior através do eixo de seleção montado
na tampa de comando. Quando são realizados os
movimentos de seleção o eixo descreve um
movimento axial e, quando é realizado o engate, o
eixo gira.

Duas esferas submetidas à pressão de uma mola


travam o eixo de seleção na posição
correspondente a marcha selecionada.

Eixo de
seleção Movimento de
seleção
Tampa do Movimento de
comando conexão
Os garfos da 1ª e 2ª e da 3ª e 4ª marchas são
montados em rolamentos de esferas de contato Esferas
angular que contribuem com a suavidade de (embutidas)
operação do comando da transmissão.

Quando uma marcha é engrenada, o acionador dos


garfos movimenta a alavanca de seleção que por
Mecanismo de
sua vez movimenta os garfos.
comando interno
Os patins de arraste estão posicionados nas
extremidades dos garfos, e são estes que deslocam
as luvas deslizantes.
a a
Garfo da 3 e 4
marchas

Rolamento
angular
Garfo da
5a marcha Patim de
Garfo da
arraste
marcha a ré

Garfo da 1a
a
e 2 marchas

18
Movimento de seleção

Os movimentos da alavanca de engate (para a O cabo de seleção é fixado em uma alavanca


direita e para a esquerda) são transmitidos que retransmite os movimentos. Esta alavanca
através da alavanca seletora do cabo de é montada em um dispositivo móvel que se
seleção transformando-se em movimentos comunica com o eixo de seleção através de
para frente e para trás. A alavanca seletora é um patim.
montada no guia esférico da articulação da
alavanca de engate. O movimento para cima e para baixo faz com
que o acionador do eixo de seleção seja
Com auxílio do comando externo, os conduzido até o mecanismo de comando
movimentos para frente e para trás do cabo de interno conectando a marcha selecionada
seleção são transformados em movimentos (1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª marcha ou a marcha a ré).
para cima e para baixo no eixo de seleção.

Movimento de seleção

Alavanca de engate

Guia esférico

Articulação
Alavanca de
retransmissão
Alavanca seletora
Patim
Cabo de seleção

Eixo de seleção
Acionador dos
garfos (embutido)

19
Movimento de engate

Os movimentos da alavanca de engate são Devido à movimentação do patim, a alavanca


transmitidos diretamente para o cabo de retransmissora de movimentos do cabo de
engate. seleção não se movimenta, portanto sua
posição não se altera.
Ao mover a alavanca em direção à marcha
selecionada, o cabo de engate se movimenta Ao efetuar o movimento de giro, o acionador
em direção oposta ao movimento efetuado na move o mecanismo de comando interno, que
alavanca. por sua vez arrasta o garfo, alterando sua
posição para a posição correspondente à
O movimento para frente e para trás do cabo marcha selecionada, que então é engatada.
de engate gira o eixo de seleção.

Movimento de engate
Alavanca de
engate

Guia esférico

Alavanca de
retransmissão Articulação

Patim
Cabo de engate

Contrapeso antivabração

Alavancas de
movimento de engate

Alavanca da
marcha a ré

Acionador dos garfos Eixo de seleção

20
Bloqueio da marcha a ré

O engate da marcha a ré possui uma trava de


segurança para evitar que seja acionada por engano. Mola de
compressão
A trava da marcha a ré é montada na carcaça da
alavanca de engate.

O motorista tem que primeiro empurrar a alavanca


de engate para baixo para depois engatá-la.

pressionar
movimento de engate

Mola de
compressão

Durante a seleção normal das marchas, a alavanca Trava de


de engate não ultrapassa o limite da trava de segurança
segurança, impedindo que a marcha a ré seja
engatada acidentalmente. Alavanca
de engate Trava de
bloqueio

Ao pressionar a alavanca de engate contra a mola


de compressão, ela escorrega para baixo através
da articulação, posicionando a trava de bloqueio
por baixo da trava de segurança.

O movimento subseqüente para engatar a marcha


a ré, desvia a alavanca de engate da trava e a
marcha é engatada.

A mola de compressão empurra a alavanca de


engate novamente para cima na posição
engrenada mantendo a alavanca na posição de
marcha a ré.

21
Serviço

Ajuste dos cabos de comando da transmissão

Os ajustes dos cabos de comando da transmissão


foram simplificados pela posição da tampa do
comando e por uma trava localizada na mesma,
além de outra trava para a alavanca de engate.

O ajuste dos cabos de comando deve ser feito com Posição da alavanca
a alavanca de engate na posição de ponto morto. de engate para
serviços de ajustes

Cabo de engate Cabo de seleção

Soltando os cabos de comando 1


2
O dispositivo que prende os cabos de engate e
seleção, deve ser puxado o suficiente para 2
destravar o cabo (1). Depois gire o dispositivo para
a esquerda para bloqueá-lo (2).

Agora os cabos estão livres para serem ajustados.

1
Trava do eixo de seleção

Na tampa de comando da transmissão existe uma


trava destinada ao travamento do eixo de seleção.
Para fazer seu posicionamento, primeiro empurre-o
para baixo (1) e, em seguida, empurre a trava em 3
direção ao eixo de seleção (2), girando-a para travar
conforme a indicação da seta (3).

A trava mantém o eixo de seleção travado na


2
posição de ajuste.
Tampa do comando
Trava
da transmissão

22
Bloqueio da alavanca de engate

É necessário posicionar a alavanca de engate em


ponto morto. T10027

A alavanca de engate deve ser posicionada de forma


que a ferramenta T10027 possa ser introduzida no
furo sobressalente da carcaça.

Carcaça da alavanca
de engate

Fixação dos cabos de comando

Para fixar os cabos de comando, é necessário girar à


direita o dispositivo de fixação dos cabos de seleção 1
e engate (1). A mola comprime o dispositivo de
fixação na posição ajustada e trava os cabos.
1
Solte a trava do eixo de seleção (2) e a trava da
alavanca de engate, removendo a ferramenta
(T10027).

A alavanca de engate deve ficar agora na posição de


ponto morto, entre a 3ª e 4ª marchas.

23
Componentes Elétricos

Sensor de velocidade - G22

Uma roda geradora de impulsos dentro da caixa do


diferencial gera sinais que são captados pelo sensor
de velocidade G22, para determinar a velocidade de
marcha do veículo.
Sensor de
velocidade - G22
O sensor está localizado do lado de fora da carcaça
da embreagem, próximo à flange do lado direito

Rotor dentado

O sensor trabalha segundo o princípio HALL. Os


impulsos elétricos do sensor passam para a Unidade
de Comando do Instrumento Combinado, onde é
processado para indicar a velocidade e a distância
percorrida (kilometragem).

Este sensor destaca-se pela precisão das


indicações, suavidade de funcionamento e G22 J285 G21
resistência aos efeitos de temperatura.

Circuito elétrico

D + 15 comutador de ignição e partida, terminal 15

G21 velocímetro

G22 sensor de velocidade

J285 Unidade de Comando do Instrumento Combinado

24
Interruptor da luz de marcha a ré - F4

O interruptor da luz da marcha a ré está localizado Carcaça da


na lateral externa da carcaça da transmissão. Interruptor da luz transmissão
de marcha a ré F4
Quando a marcha a ré é engatada, o interruptor é
acionado por uma elevação existente na face da
haste de acionamento da marcha a ré.

Isto faz com que o circuito elétrico seja fechado,


acendendo a luz de marcha a ré.

Elevação da haste de
acionamento da marcha a ré

Haste de acionamento
da marcha a ré

Circuito elétrico

D+ 15 comutador de ignição e partida, terminal 15

F4 interruptor da luz de marcha a ré

M16 lâmpada da luz da marcha a ré lado esquerdo

M17 lâmpada da luz da marcha a ré lado direito

25
“A reprodução ou transcrição
total ou parcial deste material é
proibida, salvo expressa
autorização por escrito da
Volkswagen do Brasil Ltda.”

As informações contidas nesta apostila são exclusivamente


para efeito de treinamento do pessoal de rede, estando
sujeitas a alterações sem prévio aviso.