Você está na página 1de 3

Universidade Federal de Pernambuco

Centro de Artes e Comunicação


Departamento de Comunicação e Cinema

Exercício apresentado à Universidade Federal de Pernambuco, junto ao curso de


Bacharelado em Cinema, dentro do contexto da disciplina de Estética e Cultura Visual,
ministrada pela professora Angela Prysthon.

Recife, Novembro de 2010

POLÊMICO? TERRY RICHARDSON E O FLERTE COM O GROTESCO


por Alan Tonello*

Conhecido por seus numerosos e polêmicos ensaios fotográficos, Terry Richardson,


nascido em Nova York, em 1965, e criado em Hollywood, herdou seu interesse pela
fotografia diretamente do seu pai, Bob Richardson, também fotógrafo. Bob, que a princípio
era designer gráfico, tornou-se fotógrafo aos 35 anos e consolidou-se como tal, entretanto
possuía uma estética diferente, urbana – de rua mesmo – representada de forma visceral
nas fotografias de moda. “Eu quis jogar a realidade nas minhas fotografias. Sexo, drogas e
rock "n" roll. Aquilo é o que acontecia. E eu estava ajudando a acontecer.”1, dizia Bob
Richardson. Seu legado foi totalmente absorvido por seu filho, Terry.

Terry Richardson fotografa autobiograficamente. São fotos de amigos e


conhecidos, mas ele também possui um apreço por personagens do acaso, pessoas
totalmente desconhecidas que acha pelas ruas e que possuem características peculiares,
bizarras. Notado pelo grande caráter sexual de suas fotos, Terry desenvolveu a habilidade

* Aluno do 4º período do bacharelado em Cinema pela Universidade Federal de Pernambuco.


1
New Yorker, 1995 apud Horyn, "Bob Richardson".
de extrair a essência crua de qualquer um que apareça diante de suas lentes, capturando um
ar cômico, trágico, muitas vezes belo, mas sempre provocativo.

Suas investidas na fotografia se iniciaram quando Terry ainda frequentava o


colégio, em Hollywood, e era integrante de uma banda de punk rock. Desde então, nunca
mais parou e hoje é um grande ícone da fotografia mundial, tendo passado inclusive por
diversos editoriais de marcas famosas como Gucci, Levi's, Tommy Hilfiger, Nike, Carolina
Herrera e tendo uma lista de nomes famosos que já passaram por suas lentes, como Daniel
Day Lewis, Leonardo DiCaprio, Jay Z, Kanye West, Johnny Knoxville, Luiza e Yasmin
Brunet, Jared Leto e até o atual presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

Richardson já teve seu trabalho taxado de misógino e explorador, como


consequência da elevação de sua contracultura ao máximo. No entanto, ele construiu na
área artística uma figura carismática e persuasiva, o que é claramente notado em suas
fotografias, as quais são famosas por quase sempre trazerem pessoas famosas em situações
ou roupas certamente inusitadas, como no caso das já citadas Luiza e Yasmin Brunet, mãe
e filha, que posaram nuas para o artista.

Suas manifestações artísticas possuem um tom grotesco que, desde o que já dizia
Bakthin, “representam um mundo infinito de formas e expressões do riso que se opõem à
cultura oficial, ao tom sério”3 que ainda hoje causam grande impacto no grande público.

2
Luiza e Yasmin Brunet em sessão para Terry Richardson, 2007
3
BAKHTIN, Mikhail. A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de
François Rabelais. Tradução de Yara Frateschi Vieira. São Paulo/Brasília: Hucitec/Editora
4

Entretanto, este estilo polêmico, e até mesmo parodista, que choca o público é o
que ganha a audiência de suas exposições e cria um público cada vez maior para seu
trabalho. “A contrafação dos cânones esteticamente corretos seduz amplas faixas de
audiência, predispostas a rir diante das situações chocantes que desfilam em telas e
imagens.”5

Seu trabalho se expande por vários meios, passando pela gravação de videoclipes e
comerciais e também participações no cinema, onde trabalhou na fotografia do filme “Skin
Gang”, de Bruce La Bruce, outro adepto da estética grotesca e de alto teor (homo)erótico, e
atualmente desenvolve seu primeiro longa-metragem.

Universidade de Brasília, 2008 apud DUARTE, André L. B. Cultura popular na Idade Média e no
Renascimento: Revistando um clássico. Universidade Federal de Uberlândia – UFU, Abr/Mai/Jun 2008,
Vol. 5, Ano 5.
4
Integrantes do grupo de bizarrices norte-americano Jackass. O grotesco e o inusitado estão
majoritariamente presente na obra de Richardson. Mai/2008
5
MORAES, Dênis de. A hegemonia do grotesco no imaginário da mídia, Mai/2002. Disponível em
http://www.lainsignia.org/2002/mayo/cul_036.htm, acessado em 25 Nov/2010.