Você está na página 1de 3

ADRIEL KUNIHEI KUDO – MATRÍCULA: 201612016

MATHEUS SOUSA NEVES BARBOSA – MATRÍCULA: 201602693

RESUMO – NBR 14712: ELEVADORES ELÉTRICOS - ELEVADORES DE CARGA,


MONTA-CARGAS E ELEVADORES DE MACA - REQUISITOS DE SEGURANÇA
PARA PROJETO, FABRICAÇÃO E INSTALAÇÃO

A norma NBR 14712 tem como objetivo, estabelecer os requisitos de segurança para
construção e instalação de elevadores elétricos de carca, elevadores de maca e monta-cargas
novos, instalados permanentemente, servindo a pavimentos definidos, suspensos por cabos e
movendo-se entre guias inclinadas em no máximo 15° com a vertical. Em casos especiais, deve-
se fazer considerações suplementares (atmosfera explosiva, terremotos, etc.).

Para os efeitos da norma aqui resumida, as seguintes definições são aplicadas:

 Elevador de carga: Elevador destinado principalmente ao transporte de cargas e no qual


somente o ascensorista e a pessoa necessária para a carga e a descarga são permitidas
viajar.
 Elevador de maca: Elevador de passageiros com dimensões apropriadas para o
transporte de pacientes.
 Monta-carga: Mecanismo de transporte com carro de capacidade e tamanho limitados,
que se move em guias de direção substancialmente vertical e que é usado
exclusivamente para transportar pequenas cargas.

ELEVADORES DE CARGA

Os elevadores de carga são subdivididos em classes:

 Classe A: Carga comum, onde o peso é distribuído e nunca uma peça singela pesa mais
que ¼ da carga nominal do elevador. O carregamento e a descarga são manuais ou
através de empilhadeiras manuais. Para esse tipo de carregamento a carga nominal
mínima deve ser calculada à base de 250 kg/m² da área útil da cabina.
 Classe B: Carga automotiva, onde o elevador é usado para transporte de veículos
utilitários ou automóveis de passageiros, até a carga nominal do elevador. Para este tipo
de carregamento, a carga nominal mínima deve ser calculada à base de 150 kg/m² da
área útil da cabina
 Classe C: Quando o carregamento é feito por empilhadeira motorizada a qual é
transportada ou não pelo elevador ou outros carregamentos com grandes concentrações
de carga, onde a empilhadeira motorizada não é utilizada. Durante o carregamento, a
carga na plataforma do carro não deve exceder 150% da carga nominal e em nenhum
caso o peso da empilhadeira motorizada deve exceder 50% da carga nominal do
elevador. Para este tipo de carregamento a carga nominal mínima deve ser calculada à
base de 250 kg/m² da área útil da cabina. Durante a viagem, os pesos da empilhadeira
motorizada mais a carga não podem exceder a carga nominal do elevador.

Além das definições, a norma ainda estabelece padrões para o fechamento da caixa,
caixa de máquinas e casa de polias, para o cálculo das guias carros e para o caso de casas de
máquinas exteriores à edificação. Há também toda uma formulação para o cálculo das tensões
resistidas pelas armações de carro.

Além disso, ainda são definidas condições de tensões para as plataformas, cabina e
soleiras. Há também uma atenção as regras de iluminação, placas de identificação, além de
regras sobre as portas do carro e dos pavimentos. Por último, mas não menos importante, a
norma trata sobre regras relacionadas ao circuito elétrico presente no sistema, como também
sobre o botão de emergência obrigatório na cabina.

MONTA-CARGAS

Aqui são abordadas todas as características construtivas que devem ser obedecidas,
destacando-se elementos como o sistema de freio, coeficiente de segurança, além de alguns
padrões que devem ser respeitados por toda a parte estrutural dos componentes do monta-
cargas.

ELEVADORES DE MACA

Sobre esses elevadores em específico, a norma foca bastante no que tange as suas
dimensões. Além disso, destaca-se que esses elevadores devem:

 ter na cabina um dispositivo que impeça o fechamento automático das portas durante a
operação de carga e descarga;
 ser providos de um dispositivo de nivelamento que automaticamente leve a cabina ao
piso dos pavimentos, dentro de uma tolerância máxima de 10 mm sob condições
normais de carga ou descarga;
 ter na cabina um dispositivo que transfira para o ascensorista (ou pessoa qualificada) o
comando do elevador, eliminando as chamadas externas, possibilitando levar a cabina
diretamente ao andar desejado;
 se servindo a mais de quatro pavimentos, ter comando automático coletivo com seleção
na subida e na descida