Você está na página 1de 16

Grupos distintos: Reino dos Protistas e os Vírus

AULA 2 O Reino dos Protistas é o que mais confunde. Faz o agrupamento de proto-
zoários e algas que, apesar de serem compostos por estruturas celulares se-
melhantes, apresentam diferenças importantes no método de obter energia.
Já os vírus são considerados um grupo à parte: o limite da vida.

Protistas: nem animais, nem plantas

Antigamente, os protozoários eram classifica-


dos como animais, por se locomoverem. As algas,
por serem verdes, eram incluídas entre os vegetais.
Verificou-se, porém, que, sendo unicelulares, os pro-
tozoários não têm semelhança com animais; assim
como algas, uni e pluricelulares, não têm com plan-
tas, pois nenhum desses organismos forma tecidos.
O radical grego proto, presente na designação “pro-
tista” significa “primitivo”. As algas vivem em meio
aquático e são seres vivos relativamente simples.
Muitos cientistas consideram as algas verdes (pluri-
celulares) como plantas muito primitivas. Alga unicelular

Protozoário Alga pluricelular

Vírus: um grupo à parte

Os vírus estão no limite da vida: não são


constituídos por células, embora dependam
delas para viver: são parasitas intracelulares.
Isso significa que os vírus não têm metabolismo
próprio, apesar de se reproduzirem e evoluírem
interagindo com o aparato metabólico da célu-
la hospedeira. São formados simplesmente por
uma cápsula de proteína, de formas variadas, e
um único ácido nucleico, que pode ser o DNA ou
o RNA. Nunca os dois, como nos seres vivos. Vírus HIV

Biologia 2 - Aula 2 19 Instituto Universal Brasileiro


Outros microrganismos: Reino dos Protistas e os Vírus
Reino dos protoctistas (ou Protozoários
protistas): protozoários e algas (proto = “primitivo”; zoo = “animal”)

Protista é um grupo diverso de mi- São todos unicelulares (têm uma só


crorganismos eucariontes unicelulares que célula) e heterótrofos (não sintetizam seu
inclui os protozoários e as algas uni ou plu- próprio alimento). Alguns se alimentam de
ricelulares. bactérias ou de outros protoctistas. Outros
são parasitas. A maioria deles pode se mover
livremente para procurar alimento e vive na
Características comuns dos protistas água doce ou solo úmido.

• São eucariontes (têm núcleo diferenciado). Giardia duodenalis (ou lamblia, ou


• Não formam tecidos (a maioria é uni- intestinalis) é um protozoário flagelado
celular). de distribuição cosmopolita e, nos dias
• Todos vivem em meio líquido. de hoje, é o para-
sita intestinal mais
Diferenças comumente identi-
ficado nos exames
• Os protozoários são unicelulares he- fecais ao redor do
terótrofos. mundo.
• As algas podem ser uni ou pluricelu-
lares, todas autótrofas.
Estruturas locomotoras
a) Pseudópodes - Ou “falsos pés”, são
expansões ou prolongamentos protoplasmáti-
cos que servem tanto para a locomoção como
Leia o trecho de um artigo sobre
para a captura de alimentos. As expansões
contaminação por protozoários emitidas fazem com que a célula vá mudando
de forma durante a locomoção.
Antes da década de 1980, disenteria, fe- b) Flagelos - São filamentos longos e
bre tifoide e paratifoide eram as principais do- delgados, dotados de movimentos ondulató-
enças associadas à água, mas a melhoria nos rios e serpenteantes. Os flagelos servem para
processos de tratamento de água, especial- a locomoção e preensão de alimentos. Apare-
mente cloração, foi altamente efetiva em re- cem em pequeno número, geralmente 1, 2, 3,
duzir as bactérias parasitas do intestino. Após 4 e 8 flagelos para cada célula.
1980, os protozoários parasitas Cryptospori- c) Cílios - São prolongamentos curtos e
dium e giárdia apareceram como os principais
muito numerosos, em forma de fios. Graças a
contaminantes associados à água, por serem
resistentes à cloração. No mínimo, 325 surtos
seus movimentos vibratórios ou em remo, per-
epidêmicos associados aos protozoários para- mitem a locomoção e nutrição do protozoário.
sitas foram reportados mundialmente. d) Membranas ondulantes - Um flagelo
percorre longitudinalmente a célula, permane-
Disponível em: www.educadores.diaadia.pr.gov.br- cendo ligado a ela através de dobra protoplas-
protozoários de veiculação hídrica-Dra. Regina Maura
Bueno Franco. Acesso em: 25.02.2013. mática, a membrana ondulante.
e) Mionemas - São fibrilas contráteis,
Biologia 2 - Aula 2 20 Instituto Universal Brasileiro
dispostas longitudinal ou transversalmente d) Esporozoários - não possuem orga-
entre o ectoplasma e o endoplasma. nelas de locomoção. São todos parasitas.
Permitem a locomoção por contração e Ex.: plasmódio, causador da malária.
distensão do corpo celular.

Classificação dos protozoários


(de acordo com a locomoção)

a) Rizópodos - locomovem-se por pseu-


dópodos. Exs.: as amebas, algumas parasitas.
Um grupo de rizópodos fabrica um esqueleto
Plasmódio
de sílica, de formas variadas. São os radiolá-
rios, de vida livre, marinhos e planctônicos.
Principais doenças causadas
por protozoários

Disenteria amebiana ou amebíase

Caracteriza-se por infecção intestinal


Ameba Radiolário
causada pela ameba Entamoeba histolytica.
Essa doença ocorre em todo o mundo, porém
b) Flagelados - locomovem-se por fla- é mais comum em áreas tropicais com falta de
gelos. Exs.: tripanossomo (parasita causador saneamento, principalmente no México, paí-
da doença de Chagas); leishmânia, outro fla- ses da África e da América do Sul e na Índia. A
gelado, causa a leishmaniose; a giárdia, para- transmissão se dá por ingestão de alimentos e
sita o intestino. água contaminada com fezes.

Doença de Chagas

Causada pelo protozoário flagelado


Trypanosoma cruzi, transmitido pelas fezes
do inseto (percevejo) popularmente conheci-
do por barbeiro (Triatoma infestans). No Bra-
sil, estima-se que haja cerca de 3 milhões de
pessoas infectadas. A doença recebeu o nome
de seu descobridor, Carlos Chagas.
Tripanossomo

c) Ciliados - possuem muitos cílios para


locomoção. Ex.: paramécio, de vida livre, isto
é, não é parasita.
O barbeiro é um inseto que se ali-
menta de sangue (hematófago), de hábi-
to noturno, que pica o rosto das pessoas
adormecidas. A moléstia não é transmitida
pela picada do inseto, pois as formas in-
fectantes não aparecem nas glândulas sa-
Paramécio livares. No momento ou pouco depois de

Biologia 2 - Aula 2 21 Instituto Universal Brasileiro


Malária
picar e sugar o hospedeiro, o barbeiro eli-
mina fezes, depositando os tripanossomos
É causada por protozoários do gênero Plas-
sobre o rosto do hospedeiro. As próprias
modium, transmitidos através da picada de mos-
mãos do hospedeiro podem introduzir os
quitos do gênero Anopheles, mais comuns nas
excrementos nas mucosas. O hospedeiro,
zonas rurais nas épocas de chuvas. A malária,
coçando-se, pode produzir na pele uma es-
maleita, impaludismo ou febre palustre, caracteri-
coriação, facilitando a penetração dos tripa-
za-se por ciclos de febre a intervalos de 24, 48 ou
nossomos.
72 horas. O ciclo de contaminação começa quan-
A fase crônica é caracterizada pelas
do um mosquito contaminado com o plasmódio
perturbações cardíacas. Os tripanossomos
pica o hospedeiro, transmitindo com a saliva as
invadem o miocárdio, produzindo a cardio-
formas infectantes (esporozoítos).
patia chagásica, com taquicardia, deficiên-
Depois de inoculados, os esporozoítos dei-
cia de tensão e cardiomegalia (aumento do
xam o tecido localizado abaixo da pele e caem na
coração). Os indivíduos picados pelo bar-
corrente circulatória.
beiro não vivem além dos cinquenta anos.
Em seguida, os esporozoítos penetram nas
O tripanossomo vive em tatu, morcego,
células do fígado, onde se reproduzem. Há o rom-
gato, macaco, cotia, gambá e cobaia, e daí
pimento das células, liberando novas formas infec-
adaptou-se também ao homem.
tantes que podem permanecer em estado latente,
o que explica as recaídas tardias da malária.
Com a ruptura das hemácias, acompanha-
das por ataque febril, os esporozoítos são liber-
tados e caem no plasma, penetrando em outros
glóbulos, refazendo o ciclo. A multiplicação pros-
segue até o término do período de incubação, que
dura duas semanas mais ou menos, aparecendo
Triatoma infestans (barbeiro) os primeiros sintomas clínicos. O desenvolvimento
do parasita é interrompido pela defesa do organis-
mo hospedeiro, através da fagocitose (engloba-
mento do esporo pelo glóbulo branco) e da produ-
ção de anticorpos.
Se a pessoa contaminada é picada pelo
mosquito anófeles, os esporozoítos do plasmódio
atingem as glândulas salivares do mosquito, po-
Quem foi Carlos Chagas dendo ser transmitidos para outros hospedeiros.
Carlos Chagas (1878- A malária é co-
1934) foi um médico sanitaris-
mum nas regiões quen-
ta, cientista e bacteriologista
tes do norte do Brasil
brasileiro, o primeiro e único
cientista na história da medi- (região amazônica, áre-
cina a descrever completamente uma doença as de garimpo, sertão
infecciosa, o seu causador e o seu transmis- nordestino e regiões silvestres). Espalha-se fa-
sor. Ele descobriu o protozoário Trypanoso- cilmente devido às atividades extrativistas nas
ma cruzi e o seu transmissor, o percevejo matas, onde o mosquito encontra condições
triatoma, popularmente conhecido como “bar- adequadas à sua sobrevivência. A maioria pre-
beiro”. O nome da espécie, cruzi, foi dado fere atacar à noite. Essa doença também foi es-
em homenagem ao amigo e patrocinador das tudada por Carlos Chagas.
suas pesquisas, Osvaldo Cruz.
Disponível em: http:/www.wikipedia/wiki/Anopheles.
Wikipedia, a enciclopédia livre. Acesso em: 25.02.2013. Acesso em: 04.03.2013

Biologia 2 - Aula 2 22 Instituto Universal Brasileiro


Leishmaniose (diatomos = cortado em dois). Durante milê-
nios, restos dessas algas foram sendo depo-
Causada por um protozoário flagelado sitados no fundo dos mares, dando origem a
do gênero Leihmania, transmitido pela pica- um tipo de rocha sedimentar, leve e porosa,
da do mosquito-palha (gênero Phlebotomus), chamada diatomito, muito usado como mate-
também conhecido como birigui ou tatuquira. rial abrasivo.
A leishmaniose é uma doença crônica, que
causa lesões na pele e mucosa, com febre, 3. Euglenofíceas - Algas unicelulares
perda de peso e anemia, podendo provocar a que se locomovem por flagelos. Algumas pos-
morte de 90% dos casos não tratados. suem cloroplastos, fazem fotossíntese, são
autótrofas. Outras são heterótrofas, com ca-
racterísticas de protozoários. A mais comum
Algas
é a Euglena viridis, encontrada em lagoas,
São na maioria aquáticas, todas autótro- águas paradas, sarjetas, dando aspecto es-
fas fotossintetizantes e, por não terem tecidos verdeado à água.
diferenciados, são classificadas como protis-
tas. Distribuem-se em dois grupos principais: Corpúsculo
Estigma
fotorreceptor
algas unicelurares e algas pluricelulares.

Algas unicelulares Vacúolo


pulsátil Corpúsculo
basal
São flutuantes e formam o fitoplâncton, Núcleo
base da cadeia alimentar que nutre os proto- Cloroplastos
zoários e muitos animais aquáticos. Consti-
tuem a maior fonte de oxigênio da atmosfera
terrestre. Dividem-se em três grupos ou filos.
Flagelo
1. P i r r o f í c e a s
(pirro = fogo) - Orga- Membrana
nismos também conhe- celular
cidos como dinoflagela-
dos (dino = rotação) por
possuírem uma estru-
tura que lhes confere
movimento de rotação.
A proliferação excessi-
va dessas algas provoca o fenômeno da maré O diatomito é uma rocha calcárea
vermelha, que pode ocorrer naturalmente ou formada pela precipitação dos restos mi-
por lançamento de esgotos na água do mar. croscópicos das carapaças de diatomá-
Esses organismos liberam substâncias tóxicas ceas. Tem cor branca, creme, cinza ou
que podem afetar animais seres humanos. marrom-esverdeado. Começou a ser usa-
do pelos gregos, há 2000 anos, na fabri-
2. Crisofíceas cação de cerâmicas e hoje é componente
(criso = dourado) de centenas de produtos. No Brasil, é co-
- Essas algas pos- nhecido desde o período colonial, e as re-
suem uma parede servas mais importantes estão no Ceará,
espessa, impregna- Rio Grande do Norte, Bahia, Pernambu-
da de sílica, formada co, Maranhão, Piauí, Amazonas, Rio de
por duas partes como se fosse uma caixinha. Janeiro e Paraná.
Daí o outro nome que recebem: diatomáceas
Biologia 2 - Aula 2 23 Instituto Universal Brasileiro
1. Clorofíceas (cloro
Pode ser usado em filtros indus- = verde) - algas verdes. Há
triais, isolantes térmicos e acústicos, po- muitas espécies marinhas,
madas dermatológicas, pastas de dente, porém a maioria é de água
como abrasivo de pastas de polimento de doce. O pigmento presente é
metais, inseticidas, pilhas elétricas, fabri- a clorofila. Ex.: ulva.
cação de tijolos e dinamite (como absor-
vente da nitroglicerina). 2. Feofíceas (feo =
marrom) - algas pardas. Pre-
dominantemente marinhas.
Possuem clorofila e outros
pigmentos como a xantofila
e a fucoxantina, que vão do amarelo ao marrom.
Ex.: sargaço, flutuante, macrocistis e laminária,
A dinamite foi descoberta por Alfred que podem atingir muitos metros de comprimento.
Nobel (1833-1896), misturando nitroglice-
rina com diatomito. Formou-se um produ- 3. Rodofíceas (rodo
to mais seguro, que podia explodir com = vermelho) - algas ver-
um detonador. Nobel tornou-se rico e ao melhas. Além da clorofila,
morrer, deixou parte de sua fortuna para possuem outros pigmen-
a fundação que leva o seu nome e que tos carotenoides, como a
concede prêmios às pessoas que mais se ficoeritrina (vermelho) e a ficocianina (azul). Há
destacam em seus trabalhos pela paz e espécies de profundidade e outras de águas ra-
progresso da humanidade. sas, presas em rochas.
Fonte: Biologia - Enciclopédia do estudante - Estadão.
Adaptado. Reprodução das algas
As algas unicelulares reproduzem-se
assexuadamente, por bipartição: a célula di-
Algas pluricelulares
vide-se por mitose, originando duas células-
Fixam-se em rochas e recifes de coral no filhas iguais a ela.
fundo do mar, e outras vivem em água doce. As algas pluricelulares apresentam
Algumas chegam a atingir muitos metros, mas reprodução sexuada e assexuada. Muitas
não apresentam raiz, nem caule, nem folhas. espécies possuem um ciclo de vida chamado
Por isso, seu organismo é chamado talo, que haplodiplobionte, que ocorre também em to-
pode apresentar formas variadas, desde lâ- dos os vegetais. Esse ciclo é conhecido como
minas muito finas até estruturas largas que alternância de gerações.
lembram folhas. Comumente, refere-se a elas Entenda como é: uma alga pluricelular
como talófitas. diploide (todas as células 2n), sofre divisão
por meiose e origina esporos haploides
(n, com metade do número de cromosso-
mos). Cada esporo pode se desenvolver,
Ulva (alface-do-
-mar). Alga muito comum dividindo-se por mitoses sucessivas, dando
nos costões rochosos, origem a organismos pluricelulares também
na zona das marés. haploides. Esses organismos produzem ou-
tro tipo de células reprodutoras: os gametas,
que são haploides. A união de dois gametas
origina o zigoto, diploide, que por divisões
A cor predominante nas algas pluricelu- sucessivas (mitoses), desenvolve-se num
lares justifica a classificação em três filos: organismo diploide.
Biologia 2 - Aula 2 24 Instituto Universal Brasileiro
Por isso, esse tipo de ciclo de vida apre-
senta duas gerações: uma haploide e outra
diploide, que vão se alternando. Esse ciclo
também é conhecido como metagênese.
Saiba qual a diferença entre espo-
Veja o esquema que representa a ro e gameta: um esporo é capaz de se
alternância de gerações na alga verde desenvolver sozinho, originando um or-
ulva (alface-do-mar) ganismo pluricelular. Um gameta precisa
se unir a outro gameta para dar origem a
uma célula diploide, o zigoto, que após
esporos sucessivas divisões, desenvolve-se num
II
organismo pluricelular.
III

Importância das algas


organismo
multicelular organismo As algas são importantes, pois, fazendo
multicelular
I fotossíntese e ocupando as grandes exten-
IV sões de água que recobrem ¾ da superfície
zigoto
gametas da Terra, garantem a produção do gás oxigê-
V nio (O2) para a respiração dos demais seres e
delas próprias.
O organismo que produz esporos é • As algas unicelulares fazem parte do
chamado esporófito (2n) e o que produz plâncton, isto é, conjunto de seres incapazes
gametas é o gametófito (n). Há gametó- de se locomover contra as correntes de água.
fito masculino e gametófito feminino. O Assim, o plâncton é carregado pela água; ele
gameta feminino é chamado oosfera, e é composto por animais minúsculos e larvas
o masculino, anterozoide. (zooplâncton) e por algas fotossintetizantes
A oogamia representou uma im- (fitoplâncton). O fitoplâncton faz a fotossíntese
portante conquista na evolução das e, além disso, serve de alimento para os seres
algas. O deslocamento dos gametas do zooplâncton, que por sua vez alimentam os
masculinos em relação aos femininos é animais maiores. A poluição das águas afeta
um fenômeno de atração química (qui- diretamente o plâncton e, portanto, toda a ca-
miotactismo). Essa atração se torna deia alimentar dependente do fitoplâncton.
mais eficiente quando a célula que a • As algas pluricelulares são usadas na
produz é imóvel; a oosfera, perdendo culinária oriental: o talo de certa alga vermelha
a sua capacidade de se mover, pôde (nori) enrola o sushi. Outra fornece o ágar-ágar,
armazenar substâncias de reserva ne- espécie de gelatina usada em laboratórios para
cessária à germinação do zigoto. Ela meio de cultura de bactérias e fungos.
se tornou volumosa e houve diminui-
ção de sua produção; os anterozoides, Algas pardas
ao contrário, conservaram sua capaci- produzem algina, que
dade de se mover, a fim de se deslo- absorve água e forma
carem ao encontro da oosfera imóvel. um gel usado nas in-
Para garantir a oportunidade de encon- dústrias alimentícias
trar os gametas femininos ou, melhor (sorvetes, gelatinas e patês) e farmacêuti-
ainda, para garantir a perpetuação da cas (cremes e cosméticos). Algas desidra-
espécie, eles são produzidos em gran- tadas e moídas são usadas em rações de
de número e pequeno porte. animais e em fertilizantes.

Biologia 2 - Aula 2 25 Instituto Universal Brasileiro


RNA, protegidos por uma cápsula chamada
capsídio. Todos são parasitas intracelula-
res obrigatórios: precisam penetrar numa
célula para realizar a única função que exer-
cem: a reprodução. Basta se infiltrarem
Problemas com as algas
numa célula, para que possam dar origem
a outros vírus iguais, que irão se multiplicar
Em 2012, jornais noticiaram que o
dentro de um organismo.
Caribe foi invadido por algas de sargaço,
prejudicando o turismo, a pesca e a nave-
gação. O Mar de Sargaços, na parte média
do oceano Atlântico, ocupa uma superfície
de 3,5 milhões de quilômetros quadrados
e chega até parte do Triângulo das Bermu-
das, já no Mar do Caribe. Acredita-se que Não confunda vírus com bactéria.
as altas temperaturas e o aumento das Os vírus são muito menores que as bac-
tempestades tropicais devido às mudanças térias, não têm estrutura celular, nem me-
climáticas, sejam algumas das causas do tabolismo próprio.
crescimento excessivo dessas algas, que
causaram a grande invasão.
Medida dos vírus
Os vírus são tão pequenos que só po-
dem ser vistos ao microscópio eletrônico e a
Vírus: um grupo à parte
medida usada é o nanômetro. Faça a com-
Os vírus são estudados à parte porque paração: uma bactéria mede cerca de 1µm
estão situados na fronteira entre o mundo vivo (micrômetro), que é a milésima parte do mi-
e o inerte. Não se incluem no reino dos protis- límetro e um vírus é medido pela milésima
tas, mas são tratados como microrganismos. parte do micrômetro!
São os menores e mais simples.
A palavra vírus, do latim vírus, significa 1 micrômetro (µm) = 1/1.000 mm
veneno ou toxina. São partículas minúscu-
las (entre 20 e 300 nanômetros de diâmetro), 1 nanômetro (nm) = 1/1.000 µm
constituídos por um ácido nucleico (DNA ou
RNA) protegido por uma cápsula de proteína Então, um nanômetro é a milionési-
(capsídio). Externamente, um envoltório lipo- ma parte do milímetro.
proteico confere formas de aspectos variados
aos diferentes vírus. A função desse envoltório
é permitir a penetração nas células, rompendo
a membrana plasmática. Reprodução
A reprodução dos vírus é feita através de
Lembre-se: microrganismos são todos um processo químico de duplicação ou repli-
os seres microscópicos: bactérias, protozoá- cação da molécula de DNA ou RNA, com for-
rios, algas e fungos unicelulares. E também mação da capa proteica, produzindo-se novos
os vírus, que são ultramicroscópicos. vírus.
Fora da célula os vírus são apenas subs-
Ainda há controvérsias entre os cientis- tâncias inativas, e muitos tipos de vírus chegam
tas, se os vírus devem ou não ser conside- a cristalizar-se, podendo manter-se assim por
rados seres vivos, pelo fato de serem muito longos períodos, até surgir a oportunidade de
simples: não são células e só possuem no invadirem o interior de uma célula viva, onde
seu interior uma molécula de DNA ou de podem, finalmente multiplicar-se.
Biologia 2 - Aula 2 26 Instituto Universal Brasileiro
O fato de poderem cristalizar-se, como
ou diretamente, pelo contato de mãos e
uma substância inorgânica, tem causado mui-
objetos contaminados. Podem ocorrer in-
ta polêmica entre os cientistas, em relação ao
fecções oportunistas por bactérias que
fato de poderem ser considerados seres vivos
aproveitam as mucosas inflamadas, pro-
ou não.
vocando o aparecimento de sinusite, otite,
laringite e até pneumonia.
Tipos de vírus – cada um na sua A gripe é uma infecção mais grave,
causada pelo vírus influenza. Há duas li-
Os vírus não são todos iguais. Cada um
nhagens responsáveis pelas epidemias: A
apresenta um aspecto diferente para cada
e B. O vírus influenza tipo A (H1N1) é uma
doença que causa. Há muitos tipos de vírus
mutação que se manifestou em 2009, pro-
(cerca de 3.600), pois o envoltório externo de
vocando a epidemia da “gripe suína”. As
proteínas toma formas e desenhos variados.
manifestações da gripe são mais intensas
Veja as imagens que representam al-
que as do resfriado: dores musculares, e
guns deles:
de garganta, febre alta, tosse e outros sin-
tomas que podem ser causados por bacté-
rias oportunistas, evoluindo para um qua-
dro mais grave.
Vírus do Vírus influenza Vírus HIV
herpes (gripe) (aids)

Através de mutações, os vírus conse-


guem transformar-se, enganando as defesas
naturais do nosso organismo, que nos prote-
gem contra as doenças. Mutação é o mes-
mo que mudança, alteração, modificação ou
transformação. No caso dos seres vivos, mu-
tação é a mudança química no seu material
genético.
Mutações no material genético provocam
mudanças na informação genética e, como
resultado final, são formados novos vírus que
apresentam algumas diferenças em relação à
geração anterior. São os vírus mutantes. Por
exemplo, os vírus da gripe, que a cada ano,
são mutantes em relação aos da gripe do ano
anterior. Por isso, as gripes recebem nomes O vírus influenza, que causa a gripe
diferentes. comum, a aviária (H5N1) e a suína (H1N1),
diferem na estrutura das proteínas de superfí-
cie. São dois tipos de proteínas: H (hemaglu-
tinina) e N (neuraminidase), que permitem a
aderência e a penetração do vírus no interior
da célula, onde ele vai se multiplicar.
Gripe e resfriado não são a mesma
Revista Scientific American - Ed. especial - n° 54.
doença! O resfriado é uma infecção mais Texto adaptado.
branda, causada por diversos vírus (ade-
novírus e rinovírus). A contaminação ocor- Acompanhe na imagem a seguir, como
re pelo ar (gotículas de saliva com vírus) ocorre o ataque do vírus da gripe.

Biologia 2 - Aula 2 27 Instituto Universal Brasileiro


Porém, são diferentes quanto à forma e apre-
Passo a passo do ataque sentam uma expansão, através da qual o
do vírus da gripe ácido nucleico é injetado no interior de uma
bactéria.
CAPSÍDEO VÍRUS Podem apresen-
CÉLULA
tar também fibras que
O vírus se ajudam a fixar o vírus
fixa na célula
na bactéria, enquanto
DNA
o ácido nucleico está
RNA VIRAL sendo transferido para
o interior da célula bac-
CITOPLASMA teriana. Uma vez den-
tro da bactéria, o ácido
NÚCLEO
nucleico do vírus passa a comandar o metabolis-
mo celular, dirigindo-o na produção de mais ácidos
CAPSÍDEO Endocitose: o
vírus é absorvi-
nucleicos, que irão formar os novos vírus.
do por inteiro. Após algum tempo, terão sido formados
centenas de novos bacteriófagos. A bactéria é
destruída, isto é, se rompe e liberta os novos
vírus que irão invadir mais bactérias, dando
Dentro do núcleo
continuidade ao ciclo infeccioso.
da célula hospedei-
RNA VIRAL ra, o vírus produz Duplicação do bacteriófago
cópias de seu
material genético Bacteriófago
e forma novos Ácido nucleico do vírus
capsídeos, usan- Capa proteica
do matéria-prima,
energia e organelas
do hospedeiro.

RNA VIRAL

VÍRUS
Bactéria
Os vírus
recém-criados Cromossomo
rompem a da bactéria
MEMBRANA
membrana da
célula infectada e
saem em busca de
novas células. Doenças causadas por vírus
Seres que causam doenças são chama-
dos de agentes patogênicos. Os vírus tam-
Os bacteriófagos bém são agentes patogênicos, provocando
Os vírus parasitam todos os tipos de doenças conhecidas como viroses.
seres vivos, inclusive bactérias. Os vírus que Vamos nos referir somente às viroses
infectam bactérias são chamados de bacte- que atacam o ser humano, mas, é bom lem-
riófagos. Em relação à sua estrutura, os bac- brar que os vírus são parasitas de todos os
teriófagos são semelhantes aos demais vírus, outros tipos de seres. Um exemplo são os ví-
isto é, - são constituídos por ácido nucleico rus que atacam as folhas das plantas de fumo,
(DNA) rodeado por uma camada proteica. deixando-as amareladas.
Biologia 2 - Aula 2 28 Instituto Universal Brasileiro
Nos seres humanos, algumas das do- homossexual. Os doentes apresentavam
enças causadas por vírus são: gripes (co- degeneração súbita das defesas imunoló-
mum, aviária e suína), AIDS, caxumba, gicas e rápida deterioração do estado ge-
sarampo, varíola, herpes, febre amarela, ral. Essa doença também se originou na
dengue, raiva, poliomielite, hepatite, ca- África Central, entre os chimpanzés da-
tapora, febre hemorrágica e outras, como quela região. Era a “síndrome da imuno-
o, condiloma, causado pelo vírus HPV (papi- deficiência humana adquirida”, ou SIDA
loma vírus humano) e também as diarreias - no Brasil mais conhecida pela sigla em
infantis, causadas pelo rotavírus. inglês, AIDS.
Fonte: Revista Scientific American –
Edição especial - nº 28.

O vírus HIV infecta o sistema imuno-


lógico, destruindo as principais células de
A varíola, doença viral e uma das defesa, os leucócitos T, um dos tipos de
mais antigas pestes da humanidade (ao glóbulos brancos. O doente de AIDS acaba
longo do século 20 matou mais de 300 morrendo, não pelo HIV em si, mas por in-
milhões de pessoas), foi considerada er- fecções oportunistas como diarreias, pneu-
radicada do planeta, pois o último caso monia e até uma gripe. O HIV é um retroví-
registrado ocorreu em 1977 na África. rus, isto é, um vírus que funciona “de trás
Porém, uma nova ameaça aparece para frente”: ele possui RNA como material
agora através da varíola do macaco e bovi- genético e, para se reproduzir, o RNA preci-
na, cujo número de casos está subindo. Os sa ser revertido a DNA. Uma enzima chama-
cientistas temem a possibilidade de uma da transcriptase reversa produz um DNA a
nova epidemia global, pois a população em partir do RNA. Daí em diante, o DNA passa
geral já perdeu a imunidade da vacina. a produzir cópias do RNA viral, além do RNA
mensageiro, que leva o código para a pro-
Fonte: Revista Scientific American - Edição especial dução das proteínas.
saúde - n° 54 - Agosto de 2013.

HIV é centenário. Um estudo feito


Os antibióticos não são eficazes con- por um grupo internacional de pesquisa-
tra os vírus. Eles são capazes de inibir o dores indicou que a forma mais comum
metabolismo somente de bactérias, que do vírus HIV começou a se espalhar en-
são microrganismos celulares. O uso indis- tre humanos no período entre 1884 e
criminado de antibióticos levou o Ministério 1924, e não durante a década de 1930,
da Saúde a proibir e controlar a venda des- como havia sido relatado em estudos
ses medicamentos sem receita médica. anteriores. A epidemia entre seres hu-
manos esteve sempre correlacionada ao
crescimento de centros urbanos do Con-
AIDS go, República Centro Africana, Gabão e
Guiné Equatorial.
Em 1981, uma nova doença infec-
ciosa humana foi identificada nos Estados Disponível em: www.agência.fapesp.br/divulgação cien-
Unidos, atingindo, de início, a comunidade tífica. Acesso em: 11.03.13

Biologia 2 - Aula 2 29 Instituto Universal Brasileiro


Prevenção contra a AIDS Condiloma ou crista-de-galo

Visto que ainda não há cura nem vacina Os vírus HPV (papilomas vírus genitais),
para a AIDS, a melhor forma de prevenção é evitar responsáveis pelo condiloma ou crista-de-ga-
a contaminação com firmeza e convicção. lo, também são transmitidos por via sexual.
Isto é conseguido não se colocando em si- Podem provocar proliferações celulares be-
tuações de risco, isto é, não tendo comportamen- nignas ou malignas. Atualmente, 20% das
tos de risco. Como o HIV é encontrado em vários mortes por câncer entre as mulheres se de-
líquidos do corpo, como por exemplo, no sangue, vem a tumores induzidos por papiloma vírus
no esperma, nas secreções vaginais e no leite no colo uterino. Em escala mundial, é a se-
produzido por mulher portadora, a prevenção con- gunda causa de câncer entre as mulheres.
siste em cuidados relacionados a estes líquidos. A Revista Scientific American - Edição especial - nº 28.
seguir, algumas das principais formas de contá-
gio e as respectivas medidas preventivas.

Como se pega (formas de contágio)


Ao receber sangue ou seus derivados,
contaminados.
A incidência do câncer de colo de
Através de agulhas e seringas contaminadas. útero poderia estar próxima de zero se
Através de objetos cortantes como alicates de todas as mulheres fizessem acompanha-
cutículas e lâminas de barbear. mento ginecológico regularmente. O exa-
me de Papanicolau é, efetivamente, um
Através de qualquer tipo de relação
sexual (vaginal, anal ou oral) com pessoa
meio simples e barato de identificar célu-
contaminada. las anormais, pré-cancerígenas. Identifi-
cadas a tempo, proporcionam um cuida-
Em transplante de órgãos, inseminação artificial
e bancos de leite materno.
do eficaz às pacientes.

Da mãe infectada para o filho, durante a Revista Scientific American - Edição especial - nº 28.
gravidez, parto e amamentação.

Como se evita (medidas preventivas) Dengue


Nas transfusões, exigir o fornecimento de O vírus da dengue é transmitido pela
sangue devidamente testado.
picada da fêmea do Aedes aegypti, mosqui-
Utilizar somente agulhas e seringas to diurno que se multiplica em depósitos de
descartáveis. água parada. Há 4 tipos desses vírus: os so-
Usar alicate devidamente esterilizado ou utilizar
rotipos 1, 2, 3 e 4. O tipo 4 voltou a circular
um de uso exclusivo e pessoal. Usar e exigir em alguns estados do Brasil. Especialmente
lâminas descartáveis. crianças e jovens não desenvolveram imuni-
dade contra ele.
Usar preservativo (camisinha), que, além
de evitar a contaminação pelo HIV, evita a
contaminação de outras doenças sexualmente
transmissíveis.

Exigir o controle de qualidade com a


comprovação de testes efetuados.

Os médicos informados sobre a infecção da


mãe devem tomar providências especiais
durante a gravidez e durante o parto. A mãe
contaminada não deve amamentar. Mosquito Aedes aegypti

Biologia 2 - Aula 2 30 Instituto Universal Brasileiro


Sintomas. Evoluem de acordo com três
formas clínicas:
a) Dengue clássica - benigna, seme-
lhante à gripe: febre alta (39 a 40 ºC), dor
de cabeça, dores musculares, prostração,
Casos de dengue triplicam em 2013. Epide-
vermelhidão no corpo, dores nas juntas e
mia já atinge os estados do Acre, Tocantins, Mato
atrás dos olhos. Num período de 3 a 7 dias a
Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e São Paulo
temperatura diminui e os sintomas regridem.
(Sorocaba com 170 casos e Santos com 460).
Nas crianças, ainda se manifestam vômitos e
diarreias. Fonte: O Estado de S. Paulo - 25.02.2013.
b) Dengue hemorrágica - aparecem
sangramentos: nasal, gengival e na pele.
c) Síndrome do choque associado à
dengue - ocorrem complicações como alte-
rações neurológicas, insuficiência hepática e
sintomas cardiorrespiratórios.
Ainda está sendo testada em humanos
uma vacina a partir do vírus geneticamente E os príons, o que são?
modificado.
Príons são moléculas de proteínas infec-
ciosas, que se distinguem de vírus e bactérias
Mapa da dengue - 2011 por não possuírem DNA nem RNA. As doenças
causadas por essas proteínas afetam os neurô-
RR
nios do sistema nervoso central e recebem o
AP nome de encefalopatias espongiformes, por-
que tornam o cérebro com aspecto esponjoso.
As doenças causadas por príons não têm cura
AM CE
PA MA RN e a mais conhecida delas é a Encefalopatia
PB
PI PE Espongiforme Bovina (EEB), conhecida como
AC
RO TO SE
AL “mal da vaca louca”, que provoca a degene-
BA ração dos neurônios dos bovinos, causando al-
MT
DF teração no comportamento e morte em pouco
GO tempo. Essa doença pode ser transmitida ao
MG
ES
homem através do consumo de vísceras.
MS
SP RJ Disponível em: www.infoescola-Biologia/príons.
PR Acesso em: 30.08.2013. Texto adaptado.

SC

RS
Imunização

Vacinas
Risco baixo Risco alto
São substâncias como proteínas, toxi-
Risco moderado Risco muito alto
nas, partes de bactérias ou vírus, ou vírus e
Áreas com risco de transmissão focalizada bactérias inteiros, atenuados (enfraquecidos)
ou mortos. Ao serem introduzidos no organis-
Obs. 1: O mapa não considera a dispersão do DEN-4 mo provocam uma reação no sistema imuno-
para outros estados lógico, desencadeando a produção de anticor-
Obs. 2: SC nunca teve transmissão autóctone de dengue pos que tornam o organismo imune ou mais
Fonte: Ministério da Saúde resistente àquele agente e às doenças por ele
provocadas.
Biologia 2 - Aula 2 31 Instituto Universal Brasileiro
Ação dos anticorpos

Nosso organismo defende-se naturalmen-


te das doenças, produzindo anticorpos. Temos
de 6.000 a 10.000 glóbulos brancos (ou leucóci-
tos) por mm3 de sangue e entre eles os linfócitos Outros microrganismos: Reino dos
são os principais responsáveis pela produção Protistas e os Vírus
de anticorpos e ataque a corpos estranhos. Só
► Reino dos protistas (ou protoctis-
que essa produção é demorada e a doença se tas), todos são eucariontes (possuem nú-
instala. Aí é que entra a vacina, simulando uma cleo). Ex.: Protozoários e algas.
versão mais leve da doença e induzindo o orga-
nismo a produzir os anticorpos necessários que • Protozoários - unicelulares, hete-
ficarão “de prontidão” no sangue, para entrar em rótrofos, vivem em meio aquático. Podem
ação quando um agente infeccioso aparecer. ser de vida livre ou parasitas. Estão clas-
Isso significa estar imunizado. sificados conforme o modo de locomoção:
rizópodos, flagelados, ciliados e esporo-
Soros zoários.
Protozoários parasitas: ameba, tripa-
nossoma, leishmania, giárdia e plasmódio.
Os soros são diferentes das vacinas. Eles
contêm anticorpos produzidos no sangue de um • Algas - autótrofas, fotossintetizantes.
animal e já estão prontos para serem aplicados, Maioria aquática. Dividem-se em dois grupos:
como no caso de picadas por animais peçonhen- unicelulares e pluricelulares.
tos. Para a produção do soro antiofídico, por
exemplo, o veneno da cobra é injetado no cavalo, ► Vírus. São microrganismos estuda-
cujo sistema imunológico produz os anticorpos dos à parte, pois não são células. A única
específicos. A ação dos venenos é muito rápida característica de ser vivo é a presença de
e o soro deve ser aplicado com certa urgência, a DNA ou RNA, dentro de uma cápsula de
fim de bloquear os efeitos muitas vezes fatais. proteína.

Principais doenças causadas por ví-


rus. Gripes, AIDS (vírus HIV), sarampo, va-
ríola, caxumba, herpes, febre amarela, den-
gue, raiva, poliomielite, hepatite, catapora,
condiloma (vírus HPV).
Edward Jenner - o
Vírus bacteriófagos. São aqueles que
descobridor da vacina
usam a célula de uma bactéria para se repro-
contra a varíola
duzir e infectar um organismo.
A palavra vacina vem
Vacinas. São substâncias (proteínas),
do latim vaccinus, de vacca
ou bactérias ou vírus atenuados de uma de-
(vaca). Sua origem está re-
terminada doença que, injetados no organis-
lacionada à descoberta do
mo, provocam a produção de anticorpos con-
médico inglês Edward Jen-
tra o agente infeccioso, tornando o indivíduo
ner (1749-1823), que percebeu que algumas
imune à doença.
mulheres que ordenhavam vacas eram imu-
nes à varíola, por terem se contaminado com
Soros. São parte do sangue de um
cowpox (doença benigna do gado semelhante
animal que já fabricou os anticorpos contra
à varíola).
determinada toxina. A ação do soro é mais
Disponível em: www.revistavitanaturalis.com/edward-jenner e rápida que a da vacina e é aplicado para blo-
a descoberta da vacina. Acesso em: 05.09.13. Texto Adaptado. quear as toxinas de animais peçonhentos.

Biologia 2 - Aula 2 32 Instituto Universal Brasileiro


como sendo de uma alga clorofícea (verde).
Atualmente, as algas não são considera-
das plantas verdadeiras porque:

a) ( ) não possuem organelas membra-


1. Os nomes populares dos protozoários nosas em suas células.
parasitas que causam, respectivamente, a b) ( ) não possuem os mesmos pigmen-
malária e a doença de Chagas são: tos que as plantas.
c) ( ) não apresentam tecidos especiali-
a) ( ) ameba e plasmódio. zados.
b) ( ) tripanossomo e ameba. d) ( ) não possuem flores.
c) ( ) plasmódio e tripanossomo.
d) ( ) paramécio e plasmódio. 6. O protozoário causador da malária ou
maleita é transmitido ao homem através:
2. São características gerais dos protistas:
a) ( ) das fezes do mosquito Anopheles.
a) ( ) unicelulares e pluricelulares, eu- b) ( ) da picada do mosquito Anopheles.
cariontes, heterótrofos e autótrofos. c) ( ) das fezes do barbeiro.
b) ( ) unicelulares, procariontes, heterótrofos. d) ( ) da picada do barbeiro.
c) ( ) pluricelulares, eucariontes, autótrofos.
d) ( ) unicelulares, procariontes, heteró- 7. O vírus da AIDS invade e se reproduz
trofos e autótrofos. no interior:

3. As amebas que causam a disenteria a) ( ) dos glóbulos vermelhos.


amebiana são transmitidas: b) ( ) de qualquer glóbulo branco.
c) ( ) dos linfócitos T4.
a) ( ) pelas fezes de pessoas portadoras d) ( ) dos linfócitos B.
das amebas, que contaminam água e alimentos.
b) ( ) pela picada do barbeiro. 8. (Uerj) Pandemias graves de gripe
c) ( ) pelas fezes do barbeiro, deposita- por vírus influenza repetem-se, no mundo, a
das no alimento e na água. determinados intervalos de tempo, causando
d) ( ) pela picada do mosquito Anopheles. milhões de mortes. Cientistas da OMS aler-
tam para o fato de que a gripe aviária, surgida
4. As marés vermelhas podem trazer sé- no sudeste asiático, pode provocar uma nova
rios problemas para o homem e para seres vi- pandemia. O controle do alastramento desse
vos marinhos. Esse fenômeno é causado por: vírus é problemático não só devido às facilida-
des de transporte no mundo, mas, também,
a) ( ) vazamento de petróleo, que au- porque as vacinas produzidas para combatê-
menta a proliferação de sargaço. -lo podem perder a sua eficácia com o tempo.
b) ( ) grande concentração de rodofí- Essa perda de eficácia está associada à se-
ceas, provenientes do fundo do mar. guinte característica do vírus influenza:
c) ( ) proliferação excessiva de certas al-
gas unicelulares, que liberam toxinas na água. a) ( ) Sofrer alterações em seu genoma
d) ( ) presença de poluentes químicos com certa frequência.
provenientes de esgotos industriais. b) ( ) Inibir com eficiência a produção de
anticorpos pelo hospedeiro.
5. (Mackenzie-2011, adaptada). Um jor- c) ( ) Destruir um grande número de cé-
nal noticiou: “planta encontrada no sapato do lulas responsáveis pela imunidade.
suspeito...”. O texto dizia que o sapato foi exami- d) ( ) Possuir cápsula protetora contra a
nado por um botânico, que identificou a amostra maioria das defesas do hospedeiro.
Biologia 2 - Aula 2 33 Instituto Universal Brasileiro
5. c) ( x ) não apresentam tecidos
especializados.
Comentário. As algas foram atualmente
colocadas no reino protista, por não formarem
tecidos como as plantas, embora suas células
1. c) ( x ) plasmódio e tripanossomo. sejam iguais: possuem organelas com membra-
Comentário. Na questão aparecem na, como mitocôndrias, núcleo, cloroplastos e o
quatro nomes de protozoários. As amebas po- pigmento clorofila, que absorve a energia lumi-
dem ser de vida livre e parasitas. Estas causam nosa para a realização da fotossíntese.
disenterias porque parasitam o intestino. O pa-
ramécio não é parasita. Os parasitas que cau- 6. b) ( x ) da picada do mosquito
sam, respectivamente, a malária e a doença de Anopheles.
Chagas, são o plasmódio e o tripanossomo. Comentário. O mosquito Anopheles é
mais comum em zonas rurais e durante a épo-
2. a) ( x ) unicelulares e pluricelula- ca de chuvas. Ao sugar o sangue de um doen-
res, eucariontes, heterótrofos e autótrofos. te, o mosquito recebe células do plasmódio,
Comentário. Protistas compreendem os que se reproduzem no seu intestino e migram
protozoários e as algas. Os protozoários são uni- para as glândulas salivares. Durante outra pi-
celulares e as algas podem ser uni ou pluricelu- cada, o mosquito passa para a pessoa sadia,
lares. Todos são eucariontes porque suas células as células do protozoário. Anualmente, de um a
têm núcleo; os protozoários são heterótrofos (ali- três milhões de pessoas morrem, a maioria na
mentam-se de outros seres) e as algas são autó- África. No Brasil, 99,9% dos casos se restrin-
trofas porque fazem fotossíntese e fabricam seu gem à região amazônica.
próprio alimento.
7. c) ( x ) dos linfócitos T4.
3. a) ( x ) pelas fezes de pessoas Comentário. Os linfócitos T4 são um
portadoras das amebas, que contaminam tipo de glóbulos brancos que ocupam a “linha de
água e alimentos. frente” na defesa do organismo, atacando corpos
Comentário. A ameba parasita, que cau- estranhos invasores. Os vírus HIV parasitam es-
sa a disenteria, é a Entamoeba histolytica. Esse ses glóbulos, e o sistema de defesa do corpo fica
protozoário pode contaminar alimentos, prin- destruído. Com isso, fica liberada a entrada de
cipalmente hortaliças, se estas forem irrigadas bactérias e outros vírus oportunistas.
com águas de locais sem saneamento, como
córregos, por exemplo. As demais alternativas 8. a) ( x ) sofrer alterações em seu
estão incorretas, porque: o barbeiro transmite o genoma com certa frequência.
protozoário tripanossomo, através das fezes e o Comentário. O vírus influenza, causa-
mosquito Anopheles é transmissor do plasmó- dor das gripes, sofre mutações com frequência.
dio através da picada. Por isso, pode causar novas pandemias após
algum tempo, quando as imunizações perde-
4. c) ( x ) proliferação excessiva de ram a eficácia. Cada vacina é específica para
certas algas unicelulares, que liberam toxi- um tipo de vírus. Se um mesmo tipo de vírus
nas na água. sofre mutação e penetra no organismo, os anti-
Comentário. As algas unicelulares pirro- corpos não “reconhecem” as novas toxinas, e a
fíceas (pirro = fogo), ou dinoflagelados, podem se infecção evolui. Isso é explicado porque na mu-
multiplicar excessivamente por fatores naturais ou tação genética, novas proteínas são formadas,
por grande quantidade de substâncias orgânicas lan- resultando em envoltórios proteicos diferentes,
çadas no mar através de esgotos. Essa ocorrência que não são identificados pelo nosso sistema
causa o fenômeno das marés vermelhas, com toxi- imunológico. Não temos anticorpos produzidos
nas que afetam animais marinhos e seres humanos contra o novo (modificado) agente infeccioso,
(se consumirem ostras e mariscos contaminados). que se torna um invasor oportunista.
Biologia 2 - Aula 2 34 Instituto Universal Brasileiro