Você está na página 1de 18

O Reino das Plantas

AULA 4 O Reino das Plantas é um dos mais ricos em variedade. E também é funda-
mental para a sustentação da vida na Terra, pois de forma direta ou indireta,
as plantas fornecem alimento. Mas a função mais importante é invisível: pro-
duz oxigênio, necessário à respiração dos seres vivos.

O reino verde é essencial para a vida no planeta

Reino das Plantas – a base das cadeias alimentares

As plantas são seres pluricelulares, nesse ponto elas se parecem bastante com os animais e
com alguns tipos de fungos. Porém, as plantas têm uma característica especial que as diferencia dos
seres de outros grupos: elas são autotróficas. Os seres autotróficos têm a capacidade de produzir o
seu próprio alimento através do processo de fotossíntese.
Através do uso da luz as plantas geram energia luminosa e assim produzem glicose, uma
matéria orgânica que se forma a partir da combinação de água e gás carbônico. Acontece então a
formação do seu alimento e em seguida é feita a liberação do gás oxigênio.
Assim como alguns outros seres fotossintetizantes, as plantas produzem matéria orgânica que
é responsável pela nutrição da maior parte dos seres vivos. Dessa forma as plantas são a base das
cadeias alimentares: além disso, quando elas fornecem o gás oxigênio para o ambiente estão con-
tribuindo para a manutenção da vida dos seres que, assim como elas próprias, precisam desse gás
para respirar.
Disponível em: http://meioambiente.culturamix.com/ecologia/reino-plantae-ou-metaphyta-o-reino-das-plantas.
Acesso em: 22.10.2013. Texto adaptado.

Biologia 2 - Aula 4 45 Instituto Universal Brasileiro


O reino das plantas (Reino Plantae)
de água (estômatos nas folhas). O corpo
Plantas
das mais desenvolvidas e com maior nú-
mero de espécies é formado por raiz, caule
Evoluíram da água para conquistar
e folhas.
a terra e possibilitar a vida animal. Prova-
velmente originaram-se de algas clorofíce-
as, mas o caminho foi longo até chegar às Classificação (taxonomia)
plantas atuais. Os primeiros seres vivos
Na classificação mais antiga as plantas
que deram origem às plantas são desco-
foram divididas em dois grandes grupos:
nhecidos. Mas teriam sido seres unicelu-
lares capazes de realizar fotossíntese e vi-
1. Criptógamas (cripto = oculto; gamos
viam dentro do mar, se deslocando dentro
= casamento), em referência a plantas com
de massas de água que os carregavam,
estruturas de reprodução invisíveis, como
e possivelmente desenvolveram sensores
musgos e samambaias.
captadores e direcionadores ao foco de
luz para realizar a fotossíntese.
Disponível em: http/netnature.word.com/evolução das
plantas. Acesso em: 02.07.2013. Texto adaptado.

Características das plantas Musgo Samambaia


O ramo da Biologia que estuda as plan-
tas ou vegetais é a Botânica. 2. Fanerógamas (faneros = aparente;
Todas as plantas são seres eucariontes gamos = casamento), em referência a plantas
pluricelulares, com tecidos diferenciados, e com estruturas vistosas de reprodução (flo-
autótrofos fotossintetizantes. res), com formação de sementes: pinheiros
(gimnospermas) e todas as plantas com flo-
Esquema de uma célula vegetal
res e frutos (angiospermas).
Retículo
endoplasmático
Parede celular
liso

Cloroplasto Núcleo

Nucléolo
Membrana
plasmática
Carioteca
Complexo Pinheiro (gimnosperma) Árvore florida (angiosperma)
de Golgi
Mitocôndria

Vacúolo Principais grupos de plantas


Ribossomo
Atualmente, um dos critérios de classifi-
Retículo
endoplasmático
cação considera a presença ou ausência de
Citoplasma rugoso tecidos condutores de água com sais mine-
rais e nutrientes orgânicos, e a presença de
Na conquista do meio terrestre, as plan- sementes e frutos. Didaticamente, podemos
tas desenvolveram estruturas de adaptação dividir as plantas em quatro grupos: briófi-
para fixação no solo (raízes), condução de tas, pteridófitas, gimnospermas e angios-
água (vasos condutores) e controle da perda permas.
Biologia 2 - Aula 4 46 Instituto Universal Brasileiro
Briófitas (divisão Bryophita) produz gametas. A outra fase é assexuada e
musgos e hepáticas produz esporos. Então, formam-se dois tipos
de indivíduos: o gametófito (plantinha verde)
e o esporófito, que aparece sobre o gametó-
fito feminino quando este é fecundado. O es-
porófito é constituído por pequenas cápsulas
que liberam os esporos.

Musgo Hepática
Esporófito
Na evolução das plantas, a grande con-
quista foi a passagem da água para a terra. As
briófitas foram as pioneiras nesse processo.
Gametófito
São as plantas mais simples, que vivem em
ambientes úmidos como solos de florestas,
cascas de árvores e superfícies de rochas.

Características

• São avasculares, isto é, sem va-


sos condutores de água e nutrientes, pois
crescem rentes ao solo, rochas ou cascas
de árvores.
• Fixam-se através de filamentos mi-
núsculos chamados rizoides (falsas raízes).
As “folhinhas” são ditas filoides e fazem fo-
tossíntese. O pequenino caule, cauloide.
• Não produzem flor, nem semente.
O ciclo de vida por alternância de ge-
Reprodução rações é chamado metagênese e já foi es-
tudado nas algas. Todas as plantas repro-
Os musgos reproduzem-se por alternân- duzem-se por metagênese.
cia de gerações, isto é, uma fase é sexuada,

Observe o esquema que explica a alternância de gerações (metagênese)


no ciclo de reprodução de um musgo
Cápsula
Arquegônio Oosfera (n)
(n) Esporo
Zigoto (2n)
Anterídio Anterozoide (n)
(n) Esporófito
(2n)

(n) (n)
Esporófito (2n)

Gametófito (n)
Gametófito Gametófito

Esporos Meiose
(n) Cápsula (2n)
R!

Biologia 2 - Aula 4 47 Instituto Universal Brasileiro


Pteridófitas (divisão Pteridophyta) samam- Reprodução
baias, avencas, selaginelas e cavalinhas
A reprodução dá-se por metagênese,
Representam as plantas que se adapta- mas, ao contrário das briófitas, a fase maior
ram totalmente ao ambiente terrestre, crescen- e mais duradoura é o esporófito (planta que
do e elevando-se do solo. Pertencem ao grupo produz esporos).
das criptógamas, juntamente com as briófitas, As pteridófitas mais conhecidas são as sa-
pela ausência de flores, frutos e sementes. São mambaias, do grupo das filicíneas. Na superfície
muito conhecidas e utilizadas em decoração. inferior das folhas aparecem pequenas bolinhas
de cor marrom, fáceis de se observar, chamadas
soros, contendo os esporângios, de onde saem
os esporos. Muitas pessoas confundem essas
estruturas com doenças e acham que devem ex-
traí-las! Na verdade, a planta está iniciando sua
fase esporofítica no seu ciclo de vida.

Samambaia Selaginela

Avenca Samambaiaçu

Soros na face inferior de uma folha de samambaia


Características
No interior do esporângio as células
• Possuem raízes verdadeiras para fixa- dividem-se por meiose, originando os espo-
ção ao solo e absorção de água e sais minerais. ros haploides. Nas samambaias os esporos
• Possuem vasos condutores, que dis- são todos iguais e a planta é chamada isos-
tribuem a seiva absorvida do solo a todas as porada. Cada esporo, caindo no solo úmido,
partes da planta. Essa adaptação possibilitou germina e forma uma plantinha em forma
às pteridófitas um maior crescimento em rela- de coração, o protalo, com apenas alguns
ção às briófitas. milímetros. Essa estrutura é o gametófito,
• Apresentam caule subterrâneo, cha- isto é, a planta que produz gametas (fase
mado rizoma, de onde saem as folhas. sexuada). No protalo formam-se dois tipos
• As folhas são compostas, penadas de estruturas: os anterídios, produtores dos
(em forma de penas), formadas por muitas lâ- anterozoides (gametas masculinos), e os
minas. Exercem duas funções: fotossíntese e arquegônios, que contêm a oosfera, game-
reprodução. As folhas novas nascem enrola- ta feminino. Da fecundação (encontro do an-
das e recebem o nome de báculos. terozoide com a oosfera), forma-se o zigoto
(2n), que cresce sobre o gametófito (n). O
esporófito desenvolve-se até a fase adulta,
constituindo a planta vistosa, que continuará
o ciclo. Na natureza, todas as partes gran-
des e vistosas são os esporófitos no ciclo de
vida. As flores contêm os gametófitos.
Báculo Folhas em forma de penas

Biologia 2 - Aula 4 48 Instituto Universal Brasileiro


Veja o esquema que representa a alternância de gerações (metagênese)
no ciclo de vida da samambaia.

Germinação

Protalo -
Esporo (n) gametófito (n)

Meiose

Oosfera (n) Gametângio


visto em corte
Esporângio (2n)
Gametângio
visto em corte

Anterozoides (n)

Báculo
Esporófito (2n)
Gametófito (n)

Fecundação
Esporófito (2n)
Zigoto (2n)

Fecundação
metros de altura. Atualmente, a maior par-
Os anterozoides, flagelados, nadam na te das espécies é encontrada nas florestas
película de água que cobre o protalo e entram úmidas tropicais.
pela abertura do arquegônio, indo fecundar a
oosfera. A fecundação dá origem ao zigoto,
que se divide por mitoses, formando um em-
brião (diploide), que cresce sobre o protalo,
iniciando a fase esporofítica. Surgem as raí-
zes, a primeira folha e o caule, já com vasos As maiores samambaias,
condutores. chamadas samambaiaçus, en-
contradas na Mata Atlântica,
estão ameaçadas de extinção.
Elas foram extraídas desenfre-
adamente para uso em paisa-
gismo e fabricação de vasos
As pteridófitas foram as plantas mais e placas de xaxim. Por essa
abundantes e de grande porte existentes razão, o Ibama proibiu a re-
tirada dessas plantas do seu hábitat natural,
no planeta, no período Carbonífero (há
obrigando a utilização de outro material. Atual-
350 milhões de anos). Eram semelhantes
mente está sendo usada a fibra de coco para
às samambaiaçus e chegavam a atingir 30 substituir o xaxim.

Biologia 2 - Aula 4 49 Instituto Universal Brasileiro


Gimnospermas - plantas de sementes nuas desenvolvidos e conhecidos como cones (ou
(do grego gymno = nu; sperma = semente) pinhas), o que lhes confere a classificação no
grupo das coníferas.
São plantas (fanerógamas) que não
produzem fruto. Suas sementes são des- Estróbilo (cone)
protegidas, ”nuas”, daí o significado do nome. feminino, onde são pro-
Dos vários grupos de gimnospermas atuais, duzidas as sementes. Ele
os mais conhecidos são o das coníferas (pi- representa a “flor” das
gimnospermas, onde os
nheiros, ciprestes e sequoias) e o das ci-
óvulos ficam desprotegi-
cadíneas (cicas). As gimnospermas marcam
dos porque não há ová-
o aparecimento da semente na conquista rio. Cada óvulo contém
do ambiente terrestre. Graças a ela, as plan- o gameta feminino (oosfera), que será fecundado
tas podem se dispersar e se desenvolver em pelo pólen, levado pelo vento.
locais favoráveis. Elas preferem ambientes
temperados (a maior diversidade de espécies
encontra-se no hemisfério norte).
Estróbilo

Estróbilo

Estróbilo masculino (menor) onde é


produzido o pólen.

Fecundação

Quando um grão de pólen é transportado


pelo ar até o estróbilo feminino, forma-se um
Pinus Sequoia
tubo, chamado tubo polínico, que contém os
gametas masculinos (núcleos espermáticos).
Um deles une-se à oosfera, formando um zigoto
diploide. Cada óvulo fecundado, já com um em-
brião, forma uma semente. A semente despren-
de-se do cone feminino e, caindo no solo, pode
germinar, dando origem a uma nova planta.
Como em todas as plantas, a meiose é espórica;
produz os grãos de pólen na base das escamas
dos cones masculinos, e os óvulos, na base das
escamas dos cones femininos. Os estróbilos ou
cones são flores sem cheiro e sem cor, por isso
não atraem insetos nem pássaros. O transporte
Pinheiro azul Araucária
dos grãos de pólen é feito pelo vento.

Características O aparecimento do tubo polínico


nas gimnospermas marca um aspecto
As gimnospermas possuem raízes, cau- importante na evolução: essas plantas,
le e folhas. Possuem também ramos reprodu- definitivamente, não dependem da água
tivos com folhas modificadas chamadas es- para a reprodução, como as briófitas e
tróbilos. Em muitas gimnospermas, como os pteridófitas.
pinheiros e as sequoias, os estróbilos são bem
Biologia 2 - Aula 4 50 Instituto Universal Brasileiro
Estróbilo

Polinização
Estróbilo pelo vento

Pólen

Planta adulta

Germinação

Semente
com embrião
Fecundação Tubo polínico

Zigoto

O único pinheiro nativo do Brasil é As gimnospermas surgiram há cer-


a araucária (Araucaria angustifolia), co- ca de 350 milhões de anos e dominaram
nhecida como pinheiro-do-paraná. É en- a Terra até surgirem os primeiros mamí-
contrado no sul do país, formando a Mata feros (há cerca de 50 milhões de anos).
de Araucárias, e em Campos do Jordão, Na Era Mesozoica (era dos dinossauros),
no estado de São Paulo. O estróbilo fe- as florestas eram de imensos pinheiros e
minino (pinha) é bastante desenvolvido constituíam a base da cadeia alimentar
(cerca de 20 centímetros), com enorme daqueles seres gigantescos. Porém, em
quantidade de sementes comestíveis, virtude das mudanças climáticas, as gim-
que são os pinhões. nospermas começaram a desaparecer, e
A Mata de Araucárias é o bioma os dinossauros também.
mais devastado do país (só resta 1%). A maior floresta de gimnospermas do
No século passado, especialmente a par- mundo é a Taiga (floresta boreal ou das
tir da Primeira Guerra Mundial, a mata coníferas), que ocorre em grandes latitu-
foi sendo destruída para uso da madeira des norte, na Europa, Ásia e Canadá.
do pinheiro-do-paraná. Hoje, ele é quase
Disponível em: www.algosobre.com.br/biologia/as gim-
uma relíquia. nospermas. Acesso em: 12.09.2013. Texto adaptado.

Biologia 2 - Aula 4 51 Instituto Universal Brasileiro


Outras gimnospermas conhecidas

Ginkgo (Ginkgo biloba). É uma árvore de


origem chinesa, considerada uma das mais primiti-
vas. A palavra ginkgo significa “damasco prateado”
e biloba, pela forma bilobada das folhas (um leque
bipartido). Suas folhas têm grande valor medicinal,
usadas na fabricação de medicamentos para o
combate dos radicais livres e como auxiliar da oxi-
genação cerebral, intensificando a memória.

Cicas (Cycas). Das muitas espécies de


Cycas, a mais conhecida no Brasil é a Cyca
revoluta, chamada sagu-de-jardim, muito usa-
da em paisagismo. Dela pode ser extraído o
amido para alimentação. Originárias da China
e Japão são semelhantes a palmeiras, muito
decorativas e não atingem a altura de uma ár-
vore. O estróbilo, grande, aparece na extremi-
dade da planta e, quando maduro, exala forte As angiospermas são os vegetais
odor. As plantas são de sexos separados e o mais evoluídos, pois são constituídos de
estróbilo masculino lembra um abacaxi. raiz, caule, folha, flor, fruto e semente.
São plantas herbáceas ou lenhosas.

Classificação
Estróbilo Estróbilo
masculino feminino O nome das subclasses baseia-se na
estrutura da semente, quanto à presença de
um ou dois cotilédones.
Angiospermas – as mais evoluídas
Cotilédones são estruturas presen-
Características tes na semente, ricas em substâncias nu-
tritivas, cuja função é nutrir o embrião.
As angiospermas (angio = urna; sperma
= semente) são as plantas mais abundantes da
Terra, com maior número de espécies (cerca de
250.000 conhecidas atualmente). Possuem flor,
geralmente vistosa, fruto e semente. Os óvulos
ficam dentro do ovário (em forma de urna ou vaso)
da flor. Quando ocorre fecundação, os óvulos Monocotiledônea Dicotiledônea
transformam-se em sementes e o ovário, em fruto.
Biologia 2 - Aula 4 52 Instituto Universal Brasileiro
1 - Monocotiledôneas. Caracterizam-se 2 - Dicotiledôneas. Caracterizam-se por
por apresentar sementes com um só cotilé- apresentar sementes com dois cotilédones
done (mono = um). (di = dois). A maioria das plantas herbáceas,
Veja alguns exemplos de plantas mono- árvores frutíferas e todas as grandes árvores.
cotiledôneas: Veja alguns exemplos de plantas dicoti-
ledôneas:

Palmeiras Gramíneas Milho Mamoeiro Feijão Tomateiro

Ipê Laranjeira

Outras características
Bananeiras Orquídeas Bambu
Raízes - com um eixo principal (raiz axial
Outras características que ou pivotante).
todas apresentam

Raízes - fasciculadas, lembrando uma


cabeleira.

Caule - ramificado.
Folhas - com formas e tamanhos varia-
dos, recortadas, nervuras ramificadas.

Caule - reto, sem ramificações, dividido


em nó e entrenó (como no bambu, na cana).
Folhas - longas, com nervuras paralelas.

Flores - pétalas e sépalas em número


de quatro ou cinco, ou múltiplos.

As flores das angiospermas podem ser


hermafroditas (apresentam órgãos masculinos
e femininos), ou unissexuadas (flores só mas-
culinas e flores só femininas). A parte masculi-
na é chamada androceu (andro = masculino)
Flores - pétalas e sépalas em número e a feminina, gineceu (gine = feminino).
de três ou múltiplo de três.
Biologia 2 - Aula 4 53 Instituto Universal Brasileiro
Estrutura da flor função de atrair os polinizadores (pássaros e
insetos). No androceu (estames) são produzi-
dos os grãos de pólen, que são transportados
Gineceu
até o gineceu (estigma), dando início ao pro-
cesso da fecundação.

Androceu
Polinização e fecundação
A multiplicação das espécies faneróga-
mas é feita graças à união dos gametas mas-
culinos e femininos existentes no androceu e
Pétalas
no gineceu, respectivamente.
Para que haja o processo de fecunda-
ção, há necessidade de aproximação das cé-
Sépalas
lulas reprodutoras e consequente fusão de
Receptáculo
ambas, para a formação de uma única célula,
Pedúnculo chamada célula-ovo.
Há necessidade de uma fase preparató-
ria para a fusão dos gametas, representada
Estrutura gineceu e androceu pelo transporte dos elementos masculinos do
androceu para o gineceu.
Estigma

Polinização
Estilete
É o transporte do grão de pólen da an-
Gineceu

tera até o estigma da flor. Dependendo da es-


pécie, conforme a estrutura da flor, os agentes
polinizadores são diversos:
Ovário
• Anemofilia - O transporte é feito pelo
vento (anemo = vento) e provoca grande des-
perdício de grãos de pólen, que se perdem.
Somente alguns deles irão fecundar. Em ge-
ral, as flores das plantas anemófilas não têm
aroma, nem nectários, o que justifica a não
Antera
atração dos insetos e pássaros, ficando a po-
Conectivo linização na dependência exclusiva dos ven-
Androceu

tos.
Quando a polinização é feita pelos ani-
Filete
mais, recebe vários nomes, dependendo do
grupo a que o animal pertence.
• Entomofilia - É a polinização feita
pelos insetos. As flores que possuem aroma,
Todas as partes da flor originam-se de coloração viva e nectários atraem os insetos.
folhas modificadas que constituem os vertici- Quando visitam uma flor, são obrigados, pela
los florais. Os verticilos externos servem de disposição dos órgãos florais, a tocar primei-
proteção aos órgãos reprodutores. O mais ex- ro no estigma, onde depositam os grãos de
terno, geralmente verde, é o cálice, formado pólen que trouxeram presos às suas asas, às
pelas sépalas. O verticilo geralmente colorido patas e demais partes do corpo. Os que mais
e vistoso é chamado corola, formado por pé- intensamente exercem essa função são as
talas, que, além de proteção, também têm a abelhas.
Biologia 2 - Aula 4 54 Instituto Universal Brasileiro
• Ornitofilia - É feita pelos pássaros, Fecundação
principalmente pelos beija-flores que, procu-
rando néctar para alimentar-se, se tornam Nas angiospermas há uma particularida-
veículos do transporte do pólen. Quando in- de: ocorre dupla fecundação no interior de
troduzem o longo bico numa corola, podem cada óvulo. Com a germinação do pólen, for-
tocar nos estames; as anteras deixarão cair ma-se o tubo polínico com dois núcleos mas-
os grãos de pólen sobre o bico; quando esses culinos (núcleos espermáticos), que são os
pássaros visitarem outras flores da mesma verdadeiros gametas masculinos.
espécie, seus bicos tocarão o estigma, onde Ao penetrar no óvulo, o tubo polínico
os grãos de pólen ficarão retidos. atinge o saco embrionário.
O gameta mais próximo da extremidade
Outras formas de polinização alcança a oosfera, com a qual se funde para
constituir a célula-ovo ou zigoto, do qual resul-
• Hidrofilia - pela água. Os grãos de tará o embrião.
pólen são levados pela correnteza. O segundo gameta masculino funde-se
• Quiropterofilia - por morcegos, que com os núcleos do saco embrionário, forman-
são atraídos por flores brancas que se abrem do um maciço celular chamado albume ou
à noite. endosperma secundário, que armazena as
• Polinização artificial - feita pelo ho- reservas nutritivas da semente.
mem, que intervém na fecundação, visando Do embrião, surgem um ou dois cotilé-
obter maior rendimento na produção de frutos dones, que são folhas modificadas, contidas
e sementes. na semente.

Veja no esquema como ocorre a fecundação

Antera
em corte MEIOSE

Pólen (n)
(2n)
Gi
ne
ce
u

Estigma
Tubo
polínico
Estilete

Oosfera (n)
Semente Ovário
Óvulo
Núcleos
polares (n)

Fruto Embrião

(n) (saco embrionário)

Biologia 2 - Aula 4 55 Instituto Universal Brasileiro


Germinação das sementes

• Nas monocotiledôneas (sementes


com um cotilédone), a nutrição do embrião
é feita pelo albume ou endosperma, pois Desenvolvimento do embrião do feijão
o cotilédone é muito reduzido. Ocorre, por
exemplo, no milho, trigo, arroz, aveia, ce- Folhas
Hipocótilo
vada, centeio. Cotilédones (origem na
gêmula)
Germinação de uma semente Gêmula
monocotiledônea (milho) Hipocótilo
(origem no
caulículo)

Radícula
Raiz

• Nas plantas dicotiledôneas (se-


mentes com dois cotilédones) a nutrição
do embrião no início do desenvolvimento é
garantida pela reserva dos cotilédones. É
o que ocorre na ervilha, na soja, no fei- O nome “milho” é oriundo do latim
jão, no grão-de-bico, no café entre outras. miliu. “Avati”, “auati” e “abati” são oriundos
Essa reserva é constituída de proteínas e do tupi. O nome científico Zea mays deu
vitaminas, muito importantes na alimenta- oringem ao nome maisena, amido extraí-
ção humana. do desse cereal. Acredita-se que a planta
tenha vindo do México, há cerca de 7.500
Germinação de uma semente anos. O milho é um dos alimentos mais
dicotiledônea (feijão) nutritivos que existem, contendo quase
todos os aminoácidos, exceto a lisina e o
triptofano. Contém as vitaminas A, E e B1,
além de sais minerais de fósforo, cálcio e
potássio. O maior produtor mundial são os
Estados Unidos. O Brasil ocupa o terceiro
lugar na produção e exportação, em que
o Paraná contribui com 27% da produção,
seguido de Mato Grosso. Além da extra-
ção do amido e do óleo, os países produ-
tores têm investido no aproveitamento do
milho para produzir biocombustível.
Disponível em: wikipedia.org/milho.
Acesso em: 24.09.2013. Texto adaptado.

Biologia 2 - Aula 4 56 Instituto Universal Brasileiro


A semente e o fruto
Após a fecundação, ocorre a queda das pé-
talas, sépalas e estames; o óvulo transforma-se
Qual a função do cabelo na em semente, como nas gimnospermas. Porém, na
espiga de milho? O que ele tem flor das angiospermas existe o ovário, que se de-
a ver com o grão? senvolve formando o fruto, cuja função é proteger
as sementes e possibilitar a dispersão delas para
O cabelo, ou barba, é o “órgão sexu- a colonização de novas áreas. Quando a semente
al” do milho. É ele que transporta o grão liberta-se do fruto, germina, e o embrião cresce for-
de pólen até os ovários, que se localizam mando a nova planta, que é o esporófito.
no sabugo, para fecundá-los. “O pólen Os frutos são constituídos de três partes: epi-
fica em uma inflorescência, que é um carpo (casca), mesocarpo (parte do meio) e endo-
conjunto de várias flores, localizada na carpo (parte interna, junto da semente). Geralmen-
parte superior da planta, conhecida como te, a parte suculenta e comestível é o mesocarpo. O
vassourinha”, explica o botânico Gilberto conjunto das três partes constitui o pericarpo.
Kerbauy, da Universidade de São Paulo.
Epicarpo
Quando são espalhadas pelo vento, eles
caem sobre os fios e escorregam por mi-
núsculos canais – chamados tubos polí- Mesocarpo
nicos – que estão dentro dos fios. Cada
fio está ligado a um ovário que fica na es- Endocarpo
piga. Depois de fecundados, os ovários
Semente
transformam-se em grãos, que são o fruto
da planta. Quando a espiga está madura,
os cabelos desprendem-se do sabugo e,
ao retirar-se a palha que o envolve, eles
se soltam com facilidade. Tipos de frutos

Superinteressante. Julho de 1995. 1. Carnosos (pericarpo suculento)


Acesso em: 24.09.2013.
a) Bagas – com muitas sementes. Exem-
Milhofone - Conheça um fone de plos: tomate, pimentão, uva, goiaba, mamão, laranja.
ouvido feito de bioplástico b) Drupas – uma única semente fundida
de amido de milho ao endocarpo, duro, pétreo. Exemplos: manga,
pêssego, abacate, azeitona. O coco-da-baía
A marca de equipamentos musicais é uma drupa, porém, o mesocarpo é fibroso e
EOps, o designer britânico Michael Young não comestível. O que se come é a semente:
e a loja francesa Colette se juntaram para o endosperma carnoso e branco e o endosper-
criar um fone de ouvidos feito de aço inoxi- ma líquido, que é a água.
dável reciclado e bioplástico de amido de
milho, o que deixaria o som mais cristalino. Epicarpo
O fone tem duas cores disponíveis: doura-
do e grafite, e o controle no cabo é compa- Mesocarpo (fibroso)

tível com produtos da Apple. Ou seja, você Endocarpo


não precisa tirar o iPhone do bolso para
aumentar o som. Endosperma

Endosperma líquido
Superinteressante. Fevereiro de 2012.
Acesso em: 24.09.2013.

Biologia 2 - Aula 4 57 Instituto Universal Brasileiro


O coco multiuso, um exemplo de
sustentabilidade. Não se explora mais
apenas a água e a polpa dos frutos colhi- Vagem Cápsula de algodão
dos nos coqueirais do Norte e Nordeste do
país. Depois da secagem, a fibra do coco
é transformada em diversos materiais: pla-
cas para revestimentos verdes, com plan-
tas decorativas e até peças de “renda”,
como toalhas de mesa. O endocarpo do O algodão é uma fibra branca obtida
coco (parte externa da semente) é um po- dos frutos de algumas espécies do gênero
límero vegetal natural de alta densidade. Gossypium. Atualmente, somente quatro
De sua composição, 46% são de lignina, espécies são aproveitadas em larga es-
parte mais dura da madeira, e ainda há cala para a confecção de tecidos e instru-
taninos impregnados, substâncias que di- mentos médicos. É uma planta subtropi-
ficultam a penetração de microrganismos. cal, comum no México, Austrália e África.
Por esse motivo, a casca dura do coco é Estima-se que a produção mundial gire em
cortada e transformada em pastilhas que torno de 25 milhões de toneladas anual-
são aplicadas em revestimentos e pisos. mente. As fibras são pelos originados da
superfície das sementes e estas, depois
2. Secos (pericarpo seco, não comestível) de separadas, são aproveitadas na obten-
ção de óleo comestível.
O acúmulo de substâncias nutritivas con- Atualmente, o algodão é produzido por
centra-se nas sementes. Exemplos: nozes, mais de sessenta países. China, Índia, Esta-
amêndoas. dos Unidos, Paquistão e Brasil despontam
como os principais produtores da fibra.
Deiscência dos frutos Fonte: Wikipédia e abrapa.com.br/algodão no mundo.
Acesso em: 23.09.2013. Texto adaptado.
A semente localizada no interior do fru-
to precisa libertar-se do envoltório constituído
pelo pericarpo, para poder realizar o desenvol-
Pseudofrutos (falsos frutos)
vimento de uma nova planta, com os mesmos
caracteres da que lhe deu origem. Há frutos Assemelham-se a um fruto, só que a parte
secos que se abrem naturalmente, soltando carnosa, adocicada e comestível, não se origi-
as sementes, e outros que se mantêm fecha- na do desenvolvimento do ovário, mas de outra
dos. De acordo com esse aspecto, os frutos parte da flor.
secos podem ser: 1. Pseudofrutos simples originam-se
do pedúnculo ou do receptáculo da flor.
a) Indeiscentes - aqueles que não se Exemplos: caju (pedúnculo), maçã e pera
abrem quando maduros. A semente está liga- (receptáculo).
da à parede do fruto. É o caso do grão de mi-
lho, do trigo, da cevada e do girassol.
b) Deiscentes - típicos das leguminosas,
o fruto é chamado legume ou vagem: feijão, er-
vilha, soja, amendoim. No algodão, na mamona,
Caju Maçã Pera
na papoula, o fruto é chamado cápsula.
Biologia 2 - Aula 4 58 Instituto Universal Brasileiro
2. Pseudofrutos compostos originam-
se do receptáculo da flor, com muitos ová-
rios. É o caso do morango.

De onde vem o berimbau?

Flor com Receptáculo com Cada ponto é


muitos ovários muitos frutinhos um frutinho
com semente
A espécie Crescentia cujete é uma ár-
3. Pseudofrutos múltiplos desen- vore conhecida popularmente como calabaça,
volvem-se de inflorescências, que são muitas cuité, cuieira ou árvore da cuia, que atinge até
flores juntas num só pedúnculo. Exemplos: 16 metros de altura. Seu fruto, globoso, depois
abacaxi, figo e amora. de lavado e seco, é utilizado como caixa de
ressonância em berimbaus e como recipiente
São chamados de infrutescências, em
para líquidos, incluindo o chimarrão.
que a parte suculenta e comestível origina-se Originária da América Central, no Brasil ocor-
da fusão de muitos ovários. re desde a Amazônia até Goiás e Rio de Janeiro.
Esta planta também é considerada tóxi-
ca por conter ácido cianídrico.
Wikipedia, a enciclopédia livre. Texto adaptado.

Disseminação das sementes


Figo Abacaxi
É o transporte feito por vários agentes
como o vento, a água e, principalmente pelos
animais, que possibilitam a dispersão das es-
pécies a diferentes locais, distantes uns dos
outros. Essa dispersão mostra o sucesso evo-
lutivo das angiospermas, na adaptação e ocu-
Economia verde, outro exemplo de pação dos ambientes terrestres.
sustentabilidade no século 21. Sai da Floresta
Amazônica (paraense) e segue para uma fábri-
ca de peças automotivas de São Bernardo do
Campo, em São Paulo: o curauá, uma bromélia
semelhante ao abacaxi, chamado “abacaxizi-
nho” da Amazonia, cujas fibras são resistentes, Banana tem semente?
longas, flexíveis e duráveis, pode substituir os A banana é um fruto partenocárpico, isto
usos da fibra de vidro. Além disso, serve para re- é, o ovário da flor cresceu antes que houvesse fe-
forçar garrafas PET, fabricar solas de sapato, to- cundação. Aqueles pontinhos dentro da banana
mar o lugar do amianto nas caixas-d’água e dar são os óvulos não fecundados e o desenvolvimen-
mais maleabilidade a vigas de concreto. Mantas to do ovário é um processo hormonal. Sabe-se
de curauá já circulam pelo trânsito urbano, em te- que foi encontrada recentemente uma espécie de
tos e tampas de porta-malas de muitos modelos banana selvagem com semente, mas ainda não
de automóveis nacionais. foi descoberto o agente polinizador da flor. A multi-
plicação das bananeiras se faz pelo caule subter-
National Geographic. Junho de 2012. Texto adaptado. râneo (rizoma), que solta novos brotos.

Biologia 2 - Aula 4 59 Instituto Universal Brasileiro


• Flor é o órgão de reprodução.
• Fruto - tem a função de proteger as
sementes até que sejam libertadas para
se dispersarem no meio ambiente. Partes
• Todas as plantas são eucariontes do fruto: epicarpo (casca), mesocarpo (do
(células com núcleo), pluricelulares (muitas meio) e endocarpo (interna, junto da se-
células), autótrofas (sintetizam alimento) fo- mente). Os frutos classificam-se em: car-
tossintetizantes (sintetizam a energia solar nosos (mesocarpo desenvolvido) e secos.
na produção de alimento. Estes podem se abrir naturalmente quando
• Criptógamas - reprodução escondida - maduros, soltando as sementes: são deis-
sem flor. Briófitas (musgos e hepáticas) e pteri- centes. Os que não se abrem são chama-
dófitas (samambaias, avencas, selaginelas) dos indeiscentes.
• Fanerógamas - com flor e semente. • Pseudofruto - a parte comestível não
Dividem-se em dois grupos: gimnospermas (pi- se origina do ovário, mas de outra parte da flor.
nheiros e cicas); a flor é o estróbilo; e angiosper- Simples: maçã (receptáculo), caju (pedúncu-
mas - todas as árvores, arbustos e gramíneas. lo). Composto: muitos ovários numa flor: mo-
• Classificam-se, de acordo com a se- rango. Múltiplo: muitas flores presas num só
mente, em: monocotiledôneas (um cotilédo- eixo (inflorescência): abacaxi, figo, amora, são
ne) e dicotiledôneas (dois cotilédones). infrutescências.

As diferenças entre monocotiledôneas e dicotiledôneas


Órgão Monocotiledônea Dicotiledônea

Raiz Em feixe (fasciculada). Pivotante (ou axial).

Normalmente com cres-


Normalmente sem cres-
cimento em espessura.
cimento em espessura:
Os troncos - caules
herbáceos, colmos,
lenhosos e ramificados -
bulbos e rizomas.
Rizoma Colmo são comuns.
Caule

Feixes vasculares dis- Feixes vasculares dis-


postos irregularmente. postos em círculo.

Bainha geralmente Bainha quase sempre


Folha desenvolvida. Nervuras reduzida. Nervuras
paralelas. reticuladas.
Bainha

3 sépalas Sépalas e pétalas em 3 pétalas


Sépalas e pétalas em geral organizadas em
Flor geral organizadas em base 5 (pentâmeras).
base 3 (trímeras). Mais raramente em
3 pétalas base 2 ou 4. 3 sépalas

Um cotilédone reduzido, Dois cotilédones com ou


Semente sem reserva. Exemplo: sem reserva. Exemplo:
milho. feijão.
Cotilédone Cotilédone

Biologia 2 - Aula 4 60 Instituto Universal Brasileiro


c) ( ) gimnospermas como os pinheiros.
d) ( ) angiospermas como as árvores
frutíferas.

5. (ENEM-2007. Adaptada). Se a explora-


1. (Mackenzie-2011. Adaptada) Durante o ção descontrolada e predatória verificada atual-
processo evolutivo das plantas, ficou marcada a mente continuar por mais alguns anos, pode-se
transição do meio aquático para o terrestre. Algu- antecipar a extinção do mogno. Essa madeira
mas adaptações surgiram, tais como vasos con- já desapareceu de extensas áreas do Pará, de
dutores, flor, tubo polínico, sementes e frutos. Mato Grosso, de Rondônia, e há indícios de que
Briófitas Pteridófitas Gimnospermas Angiospermas
a diversidade e o número de indivíduos existentes
podem não ser suficientes para garantir a sobre-
A B C D
vivência da espécie a longo prazo. A diversidade
Considerando a sequência evolutiva repre- é um elemento fundamental na sobrevivência de
sentada acima, é correto afirmar que o surgimento: qualquer ser vivo. Sem ela, perde-se a capacida-
de de adaptação ao ambiente, que muda tanto por
a) ( ) de sementes ocorreu em B. interferência humana como por causas naturais.
b) ( ) de vasos condutores ocorreu em A. www.greenpeace.org.br. Texto adaptado.
c) ( ) de tubos polínicos ocorreu em C. Com relação ao problema descrito no
d) ( ) frutos ocorreu em C. texto, é correto afirmar que:

2. Como as flores femininas (estróbilos) a) ( ) a baixa adaptação do mogno ao


das gimnospermas não possuem ovário, estas ambiente amazônico é causa da extinção des-
plantas consequentemente não produzem: sa madeira.
b) ( ) a extração predatória do mogno
a) ( ) sementes. pode reduzir o número de indivíduos dessa
b) ( ) frutos. espécie e prejudicar sua diversidade genética.
c) ( ) óvulos. c) ( ) as causas naturais decorrentes
d) ( ) gametas masculinos. das mudanças climáticas globais contribuem
mais para a extinção do mogno que a interfe-
3. Uma característica que diferencia rência humana.
Briófitas e Pteridófitas é a presença de: d) ( ) a redução do número de árvores
de mogno ocorre na mesma medida em que
a) ( ) clorofila. aumenta a diversidade biológica dessa ma-
b) ( ) esporos somente nas Briófitas. deira na região amazônica.
c) ( ) esporófito
d) ( ) vasos condutores somente nas 6. (Unipar-PR. Adaptada) O pinheiro-do-
Pteridófitas. -paraná (Araucaria angustifolia) apresenta plan-
tas portadoras de pinhas, local de produção de
4. (ENEM-2005. Adaptada) Caso os cien- estruturas comestíveis denominadas pinhões. Os
tistas descobrissem alguma substância que im- termos em negrito referem-se, respectivamente, a:
pedisse a reprodução de todos os insetos, cer-
tamente nos livraríamos de várias doenças de a) ( ) gametófito, estróbilos femininos,
que esses animais são vetores. Em compensa- sementes.
ção, teríamos grandes problemas, como a dimi- b) ( ) esporófito, estróbilos femininos,
nuição drástica de plantas que dependem dos sementes.
insetos para polinização, que é o caso das: c) ( ) esporófito, estróbilos masculinos,
sementes.
a) ( ) briófitas como os musgos. d) ( ) gametófito, frutos, estróbilos fe-
b) ( ) pteridófitas como as samambaias. mininos.
Biologia 2 - Aula 4 61 Instituto Universal Brasileiro
4. d) ( x ) angiospermas como as ár-
vores frutíferas.

Comentário. Os insetos são os mais


importantes agentes polinizadores das an-
1. c) ( x ) de tubos polínicos ocor- giospermas, vegetais que produzem frutos.
reu em c. Sem o transporte do grão de pólen feito pelos
insetos, as flores não seriam fecundadas, não
Comentário. As gimnospermas foram havendo, portanto, o desenvolvimento dos
as primeiras plantas a possuir sementes, for- frutos.
madas após a fecundação da oosfera do óvu-
lo pelo núcleo espermático contido no grão de 5. b) ( x ) a extração predatória do
pólen. O grão de pólen, ao tocar o óvulo, inicia mogno pode reduzir o número de indiví-
o processo da fecundação formando o tubo duos dessa espécie e prejudicar sua diver-
polínico, que garante o encontro das células sidade genética.
reprodutoras. As briófitas foram as primeiras a
sair da água para a terra, não possuem vasos Comentário. A primeira formação flo-
condutores. Estes só surgiram com as pteri- restal do Brasil a ser explorada foi a Mata
dófitas, mais adaptadas ao ambiente terrestre. Atlântica. Algumas espécies, como o cedro, o
Os frutos só surgiram com as angiospermas, jacarandá e o pau-brasil quase desaparece-
portanto, a alternativa c está errada. ram. Atualmente, a última fronteira é a Amazô-
nia, onde a espécie mais retirada é o mogno.
2. b) ( x ) frutos. Sua madeira é bastante utilizada na constru-
ção de móveis e vem sendo extraída de forma
Comentário. Nas gimnospermas, a flor predatória e irracional no Brasil. Por ser en-
tem aspecto lenhoso e é chamada estróbilo ou contrado no interior da floresta, o seu corte e
pinha. Nela, os óvulos ficam desprotegidos e são arraste derrubam cerca de 30 outras árvores
fecundados, formando as sementes. Como não que se encontram ao seu redor.
há ovário, não há formação de fruto, daí o signifi-
cado de gimnospermas: “sementes nuas”. 6. b) ( x ) esporófito, estróbilos fe-
mininos, sementes.
3. d) ( x ) vasos condutores somen-
te nas Pteridófitas. Comentário. A planta, no caso o pi-
nheiro-do-paraná, constitui o esporófito,
Comentário. Briófitas e pteridófitas são isto é, a produtora de esporos (grãos de pó-
plantas, portanto, possuem clorofila. Ambas len nos vegetais superiores) e de óvulos, es-
reproduzem-se por alternância de gerações, truturas de reprodução. Nas gimnospermas,
onde, na fase esporofítica ocorre a reprodu- as flores são chamadas cones ou estróbilos,
ção por esporos, que germinam, originando formados por escamas com aspecto de ma-
o gametófito (plantinha que produz os game- deira. Nos estróbilos masculinos são produ-
tas). Da união dos gametas masculino e femi- zidos os grãos de pólen e nos estróbilos
nino, surge o zigoto, que cresce formando o femininos, chamados pinhas, formam-se
esporófito. As pteridófitas foram as primeiras os óvulos, localizados na base das esca-
a se adaptarem ao ambiente terrestre, eleva- mas. Os grãos de pólen são transportados
ram-se do solo, e surgiram os vasos condu- pelo vento e fecundam os óvulos, forman-
tores para o transporte de água e nutrientes. do as sementes. Nem todos os pinheiros
Nas briófitas não houve necessidade de con- produzem sementes desenvolvidas, mas a
dução, pois são plantas minúsculas que vivem araucária forma grande quantidade de se-
em ambientes úmidos, sempre em contato mentes grandes e comestíveis, que são os
com o solo e a água. pinhões.
Biologia 2 - Aula 4 62 Instituto Universal Brasileiro