Você está na página 1de 10

Qual o significado de moral e de ética?

AULA 2 Embora sejam usados como sinônimos, os conceitos de moral e ética são dis-
tintos: a moral tem como base regras e costumes de grupos sociais mais loca-
lizados; a ética é a reflexão teórica e científica que busca fundamentar regras
morais e princípios sociais de caráter universal.

Ética e moral: bases de conduta do indivíduo e da sociedade

Conceitos distintos com finalidades semelhantes

Os termos possuem origem etimológica distinta. A palavra ética vem do grego ethos que sig-
nifica “modo de ser” ou “caráter”. Já a palavra moral tem origem no termo latino mores que significa
“relativo aos costumes”. O que resultou em conceitos distintos.
Moral. É o conjunto de regras aplicadas no cotidiano e usadas continuamente por cada cida-
dão. Essas regras orientam cada indivíduo, norteando as suas ações e os seus julgamentos sobre o
que é moral ou imoral, certo ou errado, bom ou mau.
Ética. É um conjunto de conhecimentos extraídos da investigação do comportamento humano
ao tentar explicar as regras morais de forma racional, fundamentada, científica e teórica. É uma re-
flexão sobre a moral.
No sentido prático, a finalidade da ética e da moral é muito semelhante. São ambas responsá-
veis por construir as bases que vão guiar a conduta do homem, determinando o seu caráter, altruís-
mo e virtudes, e por ensinar a melhor forma de agir e de se comportar em sociedade.
Disponível em: http://www.significados.com.br/etica-e-moral/.
Acesso em: 20.10.2013. Texto adaptado.

Filosofia 2 - Aula 2 15 Instituto Universal Brasileiro


Reflexão sobre ética e moral
Homem: um ser social como andar, correr e brincar, bem como os
padrões de beleza e os comportamentos cha-
O homem, desde seu nascimento, é
mados de bons e maus. Assim, participando
um ser social, isto é, vive em uma socieda- de vários grupos, o homem aprende a conduta
de, faz parte de um grupo e nele cresce e se adequada que deve adotar em cada realidade.
desenvolve. Quando pequeno, ele vive no Interessa muito ao ser humano conhecer as
meio dos familiares e aprende convivendo regras de um convívio social harmonioso.
com esse pequeno grupo a existência de re-
gras que, se respeitadas, possibilitam que
todos vivam bem.
Os campos da ética e da moral
Este não é um estudo moderno. Desde
a Antiguidade grega a ética já era objeto de
reflexão e em momento algum se deixou de
debatê-la, como alguns ramos da Filosofia.
Em diversas situações de nossa vida,
já tivemos de parar e pensar profundamen-
te, refletir sobre que atitude tomar, o que
fazer, como fazer ou se comportar, que ca-
minho escolher, enfim, decidir pela melhor
ação ou atitude.
Quando estamos nesta situação, investi-
Ninguém passa estas regras por escri- gando e refletindo sobre o agir humano e o valor
to, ou numa aula de convivência familiar, mas desta ação, estamos no campo da ética.
observando comportamentos, escutando fra- Através das experiências, das respostas
ses como “isto é errado”, “você não pode fazer a perguntas sobre o que é certo ou errado,
isto”, enfim, frases que esclarecem a maneira tiramos algumas certezas e alimentamos a in-
pela qual se deve comportar em grupo. teligência humana de elementos necessários
Mais tarde, na escola, aprende outras para julgar de maneira correta, baseando-nos
regras que explicarão como se comportar na nas convicções que obtivemos com as expli-
classe, pátio, passeios, e até quando estiver cações recebidas, ou experiências vividas.
entre os amigos. No ambiente de trabalho,
posteriormente, também se familiarizará com
outras regras de conduta para, novamente,
conviver bem entre colegas.

As regras do convívio social

O mundo cultural constitui um sistema de


significados estabelecidos por outros e, desde
cedo, bem pequenos, aprendemos como nos
comportar à mesa, na rua, diante de estranhos,

Filosofia 2 - Aula 2 16 Instituto Universal Brasileiro


Atualmente, mediante as mudanças so-
ciais acontecendo tão rapidamente, é comum as
pessoas se sentirem inseguras, com a sensação
de que determinados valores e costumes (“bons
costumes”) perderam o significado diante de tan-
ta violência, corrupção, modernidade e outras
justificativas de que “isto não se usa mais” ao se
referirem a certos valores morais.
Quando analisamos as relações dos in-
divíduos com a coletividade, notamos a de-
composição de alguns valores anteriormente
respeitados, resultando, com isto, no desa-
parecimento de um referencial ético para a
sociedade.

A ilustração do filósofo chinês Laozi (ou


Lao Tsé), a quem se atribui a fundação do
Na Filosofia, o campo de estudo res- taoísmo, expressa em caracteres chineses o
pensamento: “A moral é nobre como a água”.
ponsável pela pesquisa e compreensão do
A ética, ou Filosofia moral, é a parte da Filoso-
comportamento humano é a ética (tam- fia que se preocupa com a reflexão sobre as
bém chamada de Filosofia moral). noções e princípios que fundamentam a vida
Ética e moral são conceitos que se moral, podendo esta reflexão seguir várias
confundem, pela proximidade de significado direções. Quando estamos nesta situação,
e uso. Assim, torna-se necessário explicar o investigando e refletindo sobre o agir huma-
quanto estes conceitos se relacionam entre no e o valor desta ação, estamos no campo
si e se distinguem, ao mesmo tempo. da ética. A ética realiza o discurso crítico so-
bre o estado moral do grupo, após investigar,
avaliar e entender seus gostos, costumes e
Diferenciando ética e moral hábitos, leis e valores. As regras de condu-
ta estabelecidas pelos membros do grupo,
De acordo com o Dicionário Etimológi- em comum acordo, com o objetivo de pautar
co da Língua Portuguesa, de Antônio Geral- o comportamento e o convívio dos homens,
do da Cunha, ética, do latim ethicus, deriva do para preservar hábitos e costumes inerentes
grego èthikós, que é o ramo de conhecimento ao grupo, constituem a moral. De um modo
que estuda a conduta humana, estabelecendo mais prático, antes de qualquer ação, a mo-
os conceitos do bem e do mal numa determi- ral define o que é certo ou errado; a ética vai
nada sociedade, em certa época. refletir sobre o que é certo ou errado segundo
Moral é relativo aos costumes, é um con- as circunstâncias.
junto de regras de conduta. Segundo o filósofo
espanhol Sánchez Vazquez, ambas as palavras
mantêm, assim, uma relação que não tinham
propriamente em suas origens etimológicas.
A finalidade da moral e da ética
Certamente, moral vem do latim mos ou mores, na vida dos homens
“costume” ou “costumes”, no sentido de conjun- Com o propósito de garantir a sobrevivên-
to de normas ou regras adquiridas por hábito. A cia, o homem submete a natureza por meio do
moral se refere, assim, ao comportamento adqui- trabalho e, com a finalidade de organizar as re-
rido ou modo de ser conquistado pelo homem,
lações entre os indivíduos, surge a moral, possi-
enquanto ética significa, analogamente, modo de
ser ou caráter enquanto forma de vida também
bilitando com isso a ação coletiva. Imaginar um
adquirida ou conquistada pelo homem. povo sem um conjunto de regras é impossível,
tal a importância do mundo moral.
Filosofia 2 - Aula 2 17 Instituto Universal Brasileiro
vina, pois foram recebidos por Moisés, di-
retamente de Deus, consolidando as bases
morais do povo hebreu, conforme as escri-
turas bíblicas.

O comportamento moral varia de acordo


com o tempo, lugar e as exigências das con-
dições nas quais os homens se organizam.
Cada vez que as relações de produção e prá-
ticas de trabalho são alteradas, acontecem
modificações nas exigências das normas de
comportamento coletivo.
A moral não precisa aparecer em forma
de uma lei escrita; ela é um estado comporta-
mental subentendido por todos do grupo, en-
quanto a ética quer estudar, discursar sobre As sociedades que possuíam estas leis
as origens e a importância deste estado moral divinas induziam os seus membros a esco-
para entendê-lo. A finalidade da moral é indi- lher entre o bem e o mal, que eram o resul-
car aos membros de seu grupo os caminhos tado das ações certas ou erradas. Assim, a
do certo e do errado, para que eles escolham escolha certa aproximava o homem dos deu-
o certo como alternativa de vida. ses, enquanto a errada distanciava o homem
de seu criador.
Moralidade é uma questão de se seguir
ordens absolutas, dadas por uma autoridade
considerada suprema, Deus. A essência é um
Segundo o filósofo, sociólogo e antro- sistema do que é permitido e do que é proibi-
pólogo francês Claude Lévi-Strauss (1908- do, o mesmo ocorrendo nas outras moralida-
2009), a passagem do reino animal ao reino des baseadas em uma religião ou crença.
humano, ou seja, a passagem da natureza à
cultura é produzida pela instauração da lei, Posteriormente, com o desenvolvimen-
por meio da proibição do incesto, que é uma to de outras crenças, religiões, o crescente
norma cultural universal. Para esse autor, a questionamento das questões humanas, a re-
norma pensada como estrutura encontra-se volução científica e tecnológica, estas leis se
fora de nós, nos sistemas naturais e sociais, e desvincularam das mãos divinas e passaram
em nós como função simbólica. E é assim que a pertencer ao campo humano. As leis pas-
se estabelecem as relações de parentesco e sam a ser elaboradas pela sociedade civil.
aliança sobre as quais é construído o mundo Surgiram, então, leis que passaram a
humano, que é simbólico.
regulamentar o comportamento do homem.
Elaboradas pelos homens, estas leis cíveis
também apontavam o certo e o errado, o
Moralidade nas leis divinas e civis bem e o mal, mas sem a conotação do peca-
No início da história da vida dos ho- do, do “ficar afastado do criador”, presente
mens, havia um poder divino que direciona- nas leis divinas.
va e orientava os grupos humanos, ditando A elaboração das leis, bem como as
leis que possuíam uma origem divina. Os sanções para o não cumprimento destas,
Dez Mandamentos é um exemplo de lei di- passa a ser responsabilidade dos homens;
Filosofia 2 - Aula 2 18 Instituto Universal Brasileiro
portanto, temos o homem ditando o caminho pai; o povo, a imagem dos filhos”. Balzac afir-
do bem moral, do bem social. As leis divinas ma que: “a família será sempre a base das
não deixaram de existir; ambas passaram a sociedades”.
conviver em harmonia.

Lévi-Strauss vê a proibição do incesto


como uma norma que ordena relações de
aliança, que são asseguradas por um dos
princípios fundamentais da cultura: a troca.
A norma, portanto, funda, ordena e garan-
te uma relação de troca. Para o estudioso,
as relações de parentesco são elaborações
do espírito, no nível do pensamento incons-
ciente. A proibição do incesto institui não só
Cabe à ética, cujos princípios são refle- o casamento, como o parentesco, isto é, a
xivos, traçar um paralelo racional entre estes relação daquele que cede a mulher (pai ou
dois âmbitos de manifestação de justiça, que irmão) e aquele que a recebe (o marido),
ocorre pela execução de julgamentos. Por
pois é dessa troca que se estabelecem as
sua vez, julgamentos são enunciações de juí-
zos acerca de atitudes humanas. No entanto,
relações de filiação e de afinidade.
o que é certo varia de grupo para grupo, de
uma sociedade para outra.
Critérios éticos
Sendo de ordem moral as regras da vida,
Início da formação moral é na família e de ordem ética as reflexões sobre como agir,
A convivência familiar é um dos pilares é apropriado perguntar, agora, onde encontrare-
para a formação moral do indivíduo. As bases mos estas regras que nortearão nossas ações.
da conduta estão no convívio entre pais e filhos. E onde aprenderemos a reflexão ética.
Como instituição, a família tem sido responsável As regras da moral são transmitidas pela
não só pela reprodução da espécie, mas pela cultura, na convivência com outras pessoas
criação e socialização dos filhos e pela trans- da sociedade mais experientes ou com mais
missão das referências culturais e morais. conhecimento, pela religião e pelas leis. Para
a reflexão ética, no entanto, deve-se conhecer
o que é bom ou mau, sem que haja uma inter-
pretação pessoal.

Esta constatação está presente no pen-


samento de grandes filósofos. Segundo Rou-
sseau, “a família é o primeiro modelo das
sociedades políticas: o chefe é a imagem do
Filosofia 2 - Aula 2 19 Instituto Universal Brasileiro
Para isto, faz-se necessário conhecer e nalidade e que a do ser humano é a felicidade,
aplicar alguns critérios de escolha, regras de pen- alcançada pela racionalidade, o que o difere dos
samento ético que resultam de muitas reflexões, demais seres. Para ele, todo mundo quer crescer
e não do que uma pessoa pensa no momento de como pessoa, e afirmava que cultivar as virtudes
uma decisão. Deparamo-nos, então, com o fato é um meio de crescimento pessoal. A virtude não
de que cada filósofo tem critérios diferentes para é uma ação irrefletida; ela envolve um julgamento
decidir sobre o que é certo, bom ou não, e com inteligente sobre a reação adequada à situação
valores diferentes para cada um. em que a pessoa se encontra.
Tais critérios éticos desenvolveram-se a O conhecimento e o raciocínio são os
partir da visão de vida de cada filósofo. Como a responsáveis para se evitar o exagero, pois o
ética é uma reflexão sobre o agir, os critérios éti- critério para ele é o equilíbrio. Acreditava que
cos resultam das reflexões sobre o agir das pes- é o “hábito que torna o homem bom”. Assim,
soas e, destas reflexões, obtemos indicações ou é preciso treinar as virtudes sempre para que
orientações para a conduta dos homens. não se faça nada errado que possa prejudi-
car a felicidade do indivíduo. O treinamento de
uma virtude leva ao hábito.
Filósofos x Critérios éticos
Se formos pensar no treinamento das
Antes de analisarmos os critérios de cada virtudes de Aristóteles nos dias de hoje, lem-
filósofo, vamos lembrar que cada um viveu em braremos do quanto uma pessoa “não trei-
um determinado momento, sofrendo influência nada” em algumas regras de boas maneiras
de algum filósofo anterior e, também, desen- se sente insegura numa situação de entre-
volvendo uma maneira particular de pensar, de vista de emprego, num almoço com pessoas
refletir, criando, com isso, critérios éticos pró- importantes, ou outra situação similar. Não
prios. Não nos cabe determinar qual é o certo, adianta tentar fingir que se têm boas manei-
mas analisá-los criticamente. ras, ou parecer que se é bom. Essas virtudes
devem estar incorporadas à alma.
Sócrates - “a ignorância é o único mal”
Epicuro - “o prazer é o princípio
Considerado o pai da Filosofia ocidental, ético da vida”
acreditava que a essência do homem é a sua
alma inteligente e que fazer o bem é conhecer Filósofo grego, dizia ser o “prazer o prin-
essa alma inteligente. Dizia que “a ignorância cípio ético da vida”, cujo critério para o bem
é o único mal”. Acreditava, com isso, que a era o prazer e para o mal, a dor. Lembramos
felicidade vinha de se levar uma boa vida. que o lema dos epicuristas era “não se preo-
cupe, seja feliz” e, assim, caberia à razão
Se você, aluno, pensar um pouco, se
lembrará de ter vivido alguma situação em
orientar as nossas escolhas para que não so-
que não refletiu a respeito de alguma coisa e frêssemos. Para este filósofo, todos os praze-
“partiu para a ignorância”, como normalmente res são bons, porém uns são melhores que os
dizemos. Tal fato nos leva a pensar que, neste outros. Então, questionamos como saber qual
momento, você não foi inteligente o suficiente é o melhor prazer. Ele também dizia que todo
para refletir e resolver seu problema, precipi- prazer, no final, leva-nos à dor e que o fim de
tando-se e perdendo a calma. Pelos critérios toda dor é o prazer; logo, buscar prazeres que
de Sócrates, você agiu mal, pois ele conside- durassem mais tempo, para nos afastarmos
rava conhecimento o que é bom, certo. das dores, seria o caminho.

Aristóteles - “o hábito torna o O prazer, para Epicuro, era definido como


moderação, leitura e introspecção, e a pior coi-
homem bom”
sa que se poderia fazer era afligir-se com o fu-
turo incerto. Acreditava que se deveria viver um
Definia o homem por sua alma inteligente, dia de cada vez, para alcançar a tranquilidade.
mas também acreditava que tudo tinha uma fi-
Filosofia 2 - Aula 2 20 Instituto Universal Brasileiro
Aplicação da ética
Uma preocupação no campo da ética
é como aplicá-la, como os filósofos efetiva-
mente aplicam suas teorias às decisões mo-
rais reais.

Se analisarmos o desenvolvimento das


Dilemas éticos
sociedades, notaremos o quanto os valores
A teoria ética que um indivíduo adota de- morais mudaram, tanto de uma época para ou-
termina sua reação a questões particulares e, tra, como de um lugar para outro. Um exem-
raramente, há respostas fáceis para decisões plo disto é a escravidão: moralmente aceitável
importantes. por séculos tanto na Grécia como na Europa
Atualmente, muitos problemas propõem e Brasil, e atualmente é condenada. Outro é o
dilemas éticos sobre os quais somos chama- papel da mulher, que mudou em grande parte
dos a emitir julgamentos morais, como: casos do mundo ocidental e continuou inalterado em
de eutanásia, progressos contemporâneos algumas sociedades tribais ou orientais.
em tecnologia e experiências genéticas, fertili- A ampliação do grau de consciência e res-
zação in vitro, pesquisas com células-tronco e ponsabilidade pessoal no comportamento moral
outros procedimentos discutíveis. introduz um elemento contraditório que irá angus-
tiar o homem: a moral, ao mesmo tempo em que
é o conjunto de regras que determina como deve
ser o comportamento das pessoas, é também a
livre e consciente aceitação das normas.
Isto significa dizer que um ato é propria-
mente moral se passar pelo crivo da aceitação
pessoal da norma. Sabe-se o quanto é penoso
descobrir que uma norma, adequada em um
determinado momento, perdeu a razão de ser,
tornou-se obsoleta em outro momento e deve
ser mudada. As contradições entre o novo e o
velho são vividas quando as relações estabele-
cidas exigem um novo código de conduta.

O esclarecimento de possíveis aborda-


gens desses problemas pode ser útil, mas per-
manece o fato de que as decisões éticas são as
São chamados de relativistas aqueles que
mais difíceis e importantes que tomamos, bem acreditam na tese de que não haveria um julga-
como a responsabilidade pelas escolhas que mento moral absoluto, pois a moralidade é sempre
cabe, em última análise, a cada um de nós. relativa à sociedade em que se vive e foi criada.

Consciência ética
A importância da ética e da moral
Outro aspecto a ser abordado é o fato de
na vivência humana
que diversas sociedades têm costumes e ideias
diferentes a respeito do que é certo e errado e, Ética e moral possuem um forte compo-
ainda que exista uma coincidência entre as con- nente histórico. A ética é uma reflexão sobre os
cepções, não há um consenso mundial sobre o valores do homem diante do mundo, com o ob-
que é considerado certo ou errado. jetivo de compreender a realidade em que vive
Filosofia 2 - Aula 2 21 Instituto Universal Brasileiro
e que se modifica a partir de sua intervenção,
atualizando-se conforme a necessidade e a o comportamento do homem. As leis divinas,
capacidade humana de se adaptar ao mundo. no entanto, não foram abolidas, coexistindo
em harmonia com as dos homens.
Logo, a ética é um exercício filosófico de inda-
gação e questionamento sobre a conduta do ho- Início da formação moral é na família
mem, sua responsabilidade e liberdade. Como instituição, a família tem sido respon-
A complexidade do ato moral está no fato de sável não só pela reprodução da espécie, mas tam-
que ele provoca efeitos não apenas na pessoa que bém pela criação e socialização dos filhos e pela
age, mas também naqueles que a cercam e na transmissão das referências culturais e morais.
própria sociedade. Portanto, para que um ato seja
moral, ele deve ser livre, consciente e não deve Critérios éticos
ser um ato solitário, mas solidário, pressupondo a Faz-se necessário conhecer e aplicar
solidariedade e a reciprocidade com aqueles com alguns critérios de escolha, regras de pen-
os quais o homem se compromete. samento ético que resultam de muitas refle-
xões. Entretanto, cada filósofo tem seu crité-
rio para decidir sobre o que é certo, bom ou
não, com valores diferentes para cada um.
Filósofos x Critérios éticos
Reflexão sobre ética e moral • Sócrates - “a ignorância é o único mal”.
• Aristóteles - “o hábito torna o homem
Homem: um ser social
bom”.
Desde que nasce, o homem pertence a • Epicuro - “o prazer é o princípio ético
um grupo social, que o instruirá sobre a con- da vida”.
vivência com as pessoas, a obediência às
Aplicação da ética
normas do grupo.
Uma preocupação no campo da ética é
Os campos da ética e da moral
como aplicá-la, como os filósofos efetivamente
A ética, ou Filosofia moral, é a parte da Filo- aplicam suas teorias às decisões morais reais.
sofia que se preocupa com a reflexão sobre as no-
Dilemas éticos
ções e princípios que fundamentam a vida moral.
O esclarecimento de possíveis aborda-
Diferenciando ética e moral
gens dos dilemas éticos como a eutanásia, fertili-
Em sentido amplo, a moral é o conjunto zação in vitro, pesquisa com células-tronco, pode
de regras de conduta admitidas em determinada ser útil, mas as decisões éticas permanecem
época ou por um determinado grupo, e o homem entre as mais difíceis e importantes, bem como
moral seria aquele que acata (agindo bem) ou a responsabilidade pelas escolhas que fazemos.
transgride as regras do grupo (agindo mal).
Consciência ética
A finalidade da moral e da ética na
A consciência ética introduz um elemen-
vida dos homens
to contraditório: a moral, ao mesmo tempo em
Com a finalidade de organizar as rela- que é o conjunto de regras que determina como
ções entre os indivíduos surge a moral, pro- deve ser o comportamento das pessoas, é tam-
pondo regras e leis para indicar aos membros bém a livre e consciente aceitação das normas.
do grupo os caminhos do certo e do errado.
A importância da ética e da moral
Moralidade nas leis divinas e civis na vivência humana
Se a princípio eram os deuses ou o A ética é um exercício filosófico de in-
Deus bíblico que nortearam as regras morais dagação e questionamento sobre a conduta
do povo, posteriormente o desenvolvimento do homem, sua responsabilidade e liberda-
das ciências levou o povo a estabelecer suas de. O ato moral deve ser livre, consciente e
próprias leis, que passaram a regulamentar solidário, pressupondo a reciprocidade.

Filosofia 2 - Aula 2 22 Instituto Universal Brasileiro


3. Em sua obra As estruturas elementa-
res do parentesco, o antropólogo francês Lévi-
-Strauss considerou a proibição de incesto como
uma norma que veio a ordenar relações de:

1. Leia as conceituações abaixo e identi- a) ( ) aliança, assegurada pelo princí-


fique a alternativa correta. pio cultural da troca.
b) ( ) parentesco, como sistema natural
I - Moral é o conjunto de normas, ad- e social.
quiridas pela educação e pela tradição, que c) ( ) de filiação e afinidade entre pais e
regulam o comportamento do homem no filhos.
meio social. d) ( ) Todas as alternativas estão cor-
II - Ética é um conjunto de valores e co- retas.
nhecimentos fundamentados na reflexão, com
objetivo de garantir o bem-estar da vida em 4. Leia com atenção as afirmativas que
sociedade. apresentam sinteticamente critérios éticos e,
III - Moral e ética são conceitos relaciona- em seguida, indique a alternativa que nomeia
dos à vida do homem em sociedade. A ética, seus autores na ordem em que foram apre-
mais teórica e reflexiva; a moral, mais prática. sentadas (de I a III):

a) ( ) I e II estão corretas. I - A essência do homem é sua alma inte-


b) ( ) I, II e III estão corretas. ligente, e fazer o bem é conhecer essa alma,
c) ( ) II e III estão incorretas. sendo a ignorância o único mal.
d) ( ) I, II e III estão incorretas. lI - O equilíbrio é o critério para se evitar
exageros e as virtudes devem ser treinadas
2. As experimentações tecnológicas con- como hábito e incorporadas à alma.
temporâneas, especialmente aplicadas à Medici- III - O prazer é o princípio ético da vida. Cabe
na - como fertilização in vitro; eutanásia, aplicada à nossa razão orientar as nossas escolhas.
em caso de doentes terminais; mudança de sexo
etc. - têm colocado dilemas éticos que dizem res- a) ( ) Aristóteles, Sócrates e Epicuro.
peito ao que é certo ou errado, dependendo do b) ( ) Sócrates, Epicuro e Aristóteles.
ponto de vista. Ao fazermos um julgamento a res- c) ( ) Sócrates, Aristóteles e Epicuro.
peito, estamos entrando no campo: d) ( ) Epicuro, Sócrates e Aristóteles.

5. Nos grupos humanos e nas socieda-


des estabelecidas, a ética e a moral são fun-
damentais para que haja paz e prosperidade.
Sobre tal afirmativa podemos dizer que:

a) ( ) é correta, pois tanto a moral como


a ética almejam o bem-estar e a prosperidade
do grupo ou sociedade.
b) ( ) só é verdade no caso de não ha-
ver mudanças na conduta humana e no con-
ceito de ética.
a) ( ) da ética. c) ( ) é incorreta, já que moral pode di-
b) ( ) do relativismo moral. ferir conforme o grupo ou sociedade.
c) ( ) das normas previstas pela socie- d) ( ) é semicorreta, já que os aspectos
dade. moral e ético não têm nenhuma relação com a
d) ( ) pessoal. sociedade.
Filosofia 2 - Aula 2 23 Instituto Universal Brasileiro
do-se, portanto, a “aliança”, assegurada pelo prin-
cípio cultural da troca (a); ocorrendo as “relações
de parentesco”, como sistema natural e social (b);
e de “filiação e afinidade” entre pais e filhos (c).
Na década de 1950, a proposta de Lévi-Strauss
1. b) ( x ) I, II e III estão corretas. de que a proibição do incesto é universalmente im-
Comentário. As conceituações estão posta a fim de estabelecer uma relação de “troca”
absolutamente corretas. Já se sabe que existe na união entre mulheres e homens - condição in-
certa confusão entre os conceitos de ética e mo- dispensável à instituição do matrimônio, da família,
ral. E isto pode ser explicado pela relação que do parentesco e da própria vida social -, causou
existe entre esses conceitos. Alguns pensado- um grande impacto no contexto da reflexão antro-
res consideram que a moral pode ser entendida pológica, e teve reconhecimento internacional.
como um objeto de estudo da ética. Daí a ética
ser considerada a Filosofia da moral. Em sínte- 4. c) ( x ) Sócrates, Aristóteles e Epi-
se, a moral pode ser definida como a ciência dos curo.
costumes, que orienta a vida do homem desde Comentário. A ordem em que foram
as sociedades mais primitivas. A ética investiga enunciados os pensamentos desses filósofos é
e explica as normas morais, para que a ação do apresentada na resposta c: I - para Sócrates a
homem não seja orientada apenas pela tradição, essência do homem é a alma inteligente, é fazer
pelo hábito ou pela educação, mas possa ser o bem; a ignorância seria o único mal; II - Aris-
uma ação inteligente e consciente. tóteles definia o homem por sua alma inteligen-
te e cuja finalidade era a felicidade conquistada
2. a) ( x ) da ética. pelo treino das virtudes como hábitos saudáveis;
Comentário. A resposta correta é a a, III - Para Epicuro o prazer era o princípio ético
pois é a ética que, por meio da reflexão, nos da vida, cabendo à razão orientar as escolhas.
leva a fazer julgamentos impessoais sobre o As afirmativas expressam o pensamento dos fi-
bem e o mal. Neste sentido, a ética pode ser en- lósofos citados, sintetizando o critério ético que
tendida como reflexão que se faz com base no cada um deles adotou para decidir o que é bom
aspecto moral. As demais alternativas apontam ou não para a vida do homem.
para a esfera da moral: (b) a moral é que define
as regras de conduta num grupo ou sociedade; 5. a) ( x ) é correta, pois tanto a mo-
(c) as normas sociais têm base na moral; bem ral como a ética almejam o bem-estar e a
como o relativismo moral (d). Além disso, os di- prosperidade do grupo ou sociedade.
lemas éticos, como os anunciados nesta ques- Comentário. Por definição: a moral se
tão, normalmente, surgem na área científica. refere às regras; e a ética, aos valores que orien-
Os avanços da ciência devem ter por objetivo a tam o comportamento do homem no meio em
promoção do bem comum. E é preciso uma am- que vive; ambas garantindo o bem-estar social.
pla discussão sobre as difíceis questões éticas A paz e a prosperidade são pressupostos desse
que giram em torno de temas polêmicos, a fim bem-estar social. Portanto, a alternativa correta
de esclarecer dados técnicos, sociais e culturais é a. A partir da compreensão de que o desenvol-
envolvidos nos avanços propostos. vimento deve ter uma relação com o bem-estar
social, o desafio é manter a ética em todas as
3. d) ( x ) Todas as alternativas estão dimensões: econômica, social, cultural, tecno-
corretas. lógica, ambiental; sem perder de vista aspectos
Comentário. Para o autor, a proibição essenciais como a solidariedade, a melhoria na
do incesto é considerada a passagem da nature- qualidade de vida, a proteção ao ser humano e
za para a cultura. Portanto, todas as alternativas à natureza. A atuação ética respeita os valores e
estão corretas. O que Lévi-Strauss chamou de os direitos compartilhados pela sociedade. Para
“troca”, ou seja, a união entre homem e mulher, assegurar o bem comum, a ação ética deve ob-
ocorria entre pessoas de grupos diferentes, dan- servar práticas idôneas e justas.
Filosofia 2 - Aula 2 24 Instituto Universal Brasileiro