Você está na página 1de 4

1 - Dicas de uso

• Não coloque a mão na placa durante o teste, pois pode inserir ruído ou
interferência na medida.

• Se na placa houver mais de um terra, indicamos curto-circuitar todos os


terras antes de iniciar o teste. Ou memoriza-los em duas ou três etapas
identificando este processo na descrição para não esquecer.

• Se as medidas estiverem instáveis (as curvas não ficam constantes no


gráfico), tente uma das 03 soluções possíveis para a estabilização da
mesma na tela devido a operação do circuito:
• Coloque um resistor de 10kΩ entre a alimentação e o terra
• Os osciladores devem ser desativados (cristais, multivibradores,
etc.).
• Mude a referencia do gnd para algum ponto em comum da placa,
como o positivo por exemplo.
• Componentes de fabricantes diferentes podem apresentar curvas
diferentes, principalmente nos pinos de reset, set, preset e clear, como
na figura abaixo:

Se essa diferença se repetir em vários pinos, pode ser uma indicação de


defeito.

• Se o equipamento não encontrar nenhum defeito, isso pode indicar que


algum dos

CI’s apresenta um defeito interno. Recomendamos que o usuário


analise os CI’s que mais apresentam defeitos internos, como por
exemplo:
• Memórias.
• Processadores.
• CI’s que trabalham aquecidos.
• O formato do gráfico é a informação mais importante para a localização
do defeito. A indicação numérica de erro deve ser utilizada apenas como
uma referência. Pequenos valores de erro não indicam necessariamente
um defeito, enquanto variações no formato do gráfico são indicativos de
defeitos. Ao encontrar este tipo de diferença, utilize a opção Marcar
Falha no modo Teste.

• Diferenças na parte central do gráfico, mesmo que pequenas, podem


indicar um defeito. Essas diferenças requerem uma atenção maior do
usuário.
Exemplo Pratico:
Olhe a foto abaixo:

Houve este caso onde estava com um problema no circuito, pelo que entendi
estava matando a geração de tensão no TNY. Tinha uma variação na
capacitância no BYPASS devido a um capacitor smd cerâmico de 100nf que na
placa ruin estava dando abaixo de 20nf, pelo que vi. Levando isso em conta
olhe
O ponto circulado neste exemplo e' para a conexão para um capacitor de
bypass externo para a fonte de 5,85 V gerada internamente do TNY.

Este e' um seletor de modo para o valor limite atual, dependendo o valor da
capacitância adicionada. O uso de um 0,1 µF ou 100nf neste

capacitor resulta no valor limite de corrente padrão. A variação dele pra baixo,
pode causar o apagão de funcionamento, como estava acontecendo com ele
causando o não funcionamento.

Como vimos acima, uma pequena diferença, apesar de ser pequena, indica um
possível defeito.

• Podemos tolerar algumas diferenças na parte esquerda do gráfico, pois


os fabricantes não garantem as características para a polarização
reversa dos componentes.

• Componentes com baixas impedâncias interferem no teste,


principalmente transformadores e capacitores de valores altos que não
estejam ligados à alimentação. Nestes casos, opte pelo tipo de medição
Potência Baixa(modelo 2Plus) ou frequência em 180hz(modelos 10 e
20vpp). Pode ser necessária a remoção destes componentes, para
maior eficiência do teste.

• Se a maioria das curvas obtidas tenderem a indicar um curto-circuito


(reta na vertical), pode ser necessário utilizar o tipo de medição Potência
Baixa onde o Rastre 2Plus injetara 4HZ e nos modelos 10vpp e 20vpp
em 180hz.

• Os CI's que têm internamente um circuito chamado bomba de carga


(charge pump), como por exemplo, o MAX232, confunde o teste. Para
testar adequadamente esses componentes, é necessário retirar seus
capacitores.
• Sempre que possível realize o teste da placa toda antes de iniciar a
troca de componentes. Inicie o reparo pelos defeitos mais graves
(curtos-circuitos e circuitos abertos).