Você está na página 1de 2

Restinga

Restinga é um tipo de vegetação costeira, que possui uma


importância fundamental a todo o ecossistema a qual faz parte.
Segundo a resolução do CONAMA (Conselho Nacional do Meio
Ambiente) n.º 07 de 23 de julho de 1996, “entende-se por vegetação
de restinga o conjunto das comunidades vegetais, fisionomicamente
distintas, sob influência marinha e fluviomarinha. Estas comunidades
distribuídas em mosaico, ocorrem em áreas de grande diversidade
ecológica sendo consideradas comunidades edáficas por dependerem
mais da natureza do solo do que do clima.”
As vegetação da restinga, normalmente inicia-se próximo a linha
costeira, inicialmente com uma vegetação rasteira. A medida que vai
se distanciando da costa, essa vegetação torna-se mais densa, e
desenvolve-se plantas maiores, ao ponto de formarem já pequenos
arbustos, que são as chamadas vegetações pioneiras. E desenvolve-
se até as chamadas floresta de baixa e alta restinga, onde suas
árvores não ultrapassam 15 metros e possuem um dossel pouco
denso.
A restinga desenvolve-se em condições que tem normalmente
um fator limitante muito alto: ventos constantes, solo arenoso,
salinidade, baixos teores de nutrientes no solo e excesso e/ou falta de
umidade. Não possui muita diversidade, tampouco uma fauna
abundante, porém tem muita importância a todos aqueles
ecossistemas que a rodeiam, visto que impede que o solo entre em
erosão e ainda permite que a água penetre com mais facilidade no
solo, está na linha costeira e fica exposta a todos aqueles fatores
limitantes, servindo como uma espécie de barreira importantíssima à
floresta que situa-se logo após, protegendo-a contra toda aquela
variação climática constante.
Como já se pode notar, a preservação da restinga é fundamental,
pois ela serve de suporte a todo aquele bioma. Quando a vegetação é
destruída, o solo sofre intensa erosão pelo vento, o que ocasiona a
formação de dunas móveis com riscos para o ambiente costeiro e
para a população.
Entre as principais atividades predatórias destacam-se: a
agropecuária, a extração mineral, incêndios, estradas, expansão
imobiliária, entre outras. Por essa razão, o CONAMA, considera área
de preservação permanente nas restingas, a área situada:
- na faixa mínima de 300 metros, medidos a partir da linha de
premear máxima;
- em qualquer localização ou extensão, quando recoberta por
vegetação com função de fixadora de dunas ou
estabilizadoras de mangues.

Em suma, a restinga é um ecossistema característico do litoral


brasileiro, que possui funções de extrema importância para a
preservação e equilíbrio desse meio, das condições favoráveis do solo
e da permeabilidade do mesmo, além de proteger a mata atlântica de
boa parte dos fatores limitantes presentes.