Você está na página 1de 7

Cópia não autorizada

Copia impressa pelo Sistema CENWIN

TUBOS DE ACO-CARBONO, SEM COSTURA, PARA CALOEIRAS 01.014


E SUPERAQUECEDORES DE ALTA PRESSAO
NBR 5594

MAR/1982
Especificacgo

SUMARIO
1 Objetivo
2 Normas e documentos complementares
3 Condi@es gerais
4 Condi$es especif icas
5 InspeCk
6 Aceitaqb e rejeicb

1 OBJETIVO

1.1 Esta Norma fixa as condi@es que devem ser obedecidas pelos tubos de aZ;o-
carbon0 sem costura Dara caldeiras e SuDeraquecedores de alta press;iio, cuja tern
peratura nao ultrapasse a $25’C e sujo digmetro externo esteja entre 12,7 mm e
177,8 mm inclusive e corn espessura de parede entre 2,20 mm e 25,4 mm inclusive.

1.2 Tubos corn outras dimensoes podem ser fornecidos, desde que cumpram corn to
dos OS outros requisitos desta Norma.

2 NOR-T@&& OOCUMENTOSCOMPLEMENTARES

Na apmcaSao desta Norma 6 necessario consultar:

NBR 5586 - Tubos de aso-carbon0 e de aso liga ferriticas e austenist icas


- EspecificaGao
NBR J591 - Tubos de aGo-carbon0 para altas temperaturas - Requisitos ad icio
nais para aplicas;jo em caldeiras - Especifica$o

3 CONOICGES GERAIS

3.1 Designa&o

OS tubos considerados nesta Norma sso designados pelo dismetro externo e pela es

Origam: NBR 5594/80


CB-1 - Comiti Brasileiro de Minerack e Metalurgia
CE-1:22.99 - Comissk de Estudo de Produtos Tubulares de Ace

SISTEMA NACIONAL DE ABNT - ASSOCIACAO BRASILEIRA


METROLOGIA, NORMALIZACAO DE NORMAS TiiCNlCAS
E QUALIDADE INDUSTRIAL @

Pdavras-chave: tubo. caldeira. superaquecedor. I NBR 3 NORMA BRASILEIRA REGISTRAOA

7 paginas
COU: 669.14462.3:621.184.3186 Todos OS direitos reservados
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
2 NBR 559411982

pessura minima de parede.

3.2 R~pisit0s gemis

3.2.1 OS tubos considerados nesta Norma tern requisitos gerais constantes da NBR
5586.

3.2.2 OS tubos desta Norma obedecem aos requisitos estabelecidos em normas apt-2
vadas pelo C6digo ASME, para caldeiras e vasos de press”ao. No case de se dese
jar emprega-la obedecendo ao estipulado no Codigo IS0 para caldeiras, devem ser
observados tambern OS requisitos adicionais indicados na NBR 5591, OS quais sup12
mentam ou subst tuem OS desta Norma.

3.3 Material
0 aGo empregado na fabrica$o desses tubos deve ser do t ipo acalmado e obtido pi
10s processes S emens Martin, Basic0 a Oxighio ou Forno El&trico.

3.4 Fabricag~o

OS tubos devem ser sem costura, acabados a quente ou trefilados a frio, conforme
estabelecido na ordem de compra.

3.5 Aspect0

3.5.1 Se&o

OS tubos devem ser de seq”ao circular e espessura uniforme dentro das tolerancias
correspondentes.

3.5.2 Retilineidude

OS tubos devem ser praticamente retos a simples inspeG visual, de modo a n”ao
afetar sua utiliza$o.

3.5.3 Extremidades

As extremidades devem ser cortadas perpendicularmente ao eixo do tubo, sem apt-2


sentar arestas cortantes ou rebarbas.

3.5.4 Superficie
A superficie dos tubos deve ser isenta de defeitos que prejudiquem seu USO. Pot-

acordo prhio 6 estabelecido se OS tubos devem ser fornecidos decapados, 1 impos


corn jato abrasivo e se devem receber protesao anticorrosiva.

3.6 Defeitos e repros

3.6.1 Defeitos superficiais

OS tubos n;iib devem apresentar defeitos superficiais que afetem sua utiliza$ao.

3.6.2 Remog& de defeitos

OS defeitos superficiais menores podem ser eliminados somente por desbastes a es


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NW?55!W1982 3

met-i 1, sempre que a espessura de parede se mantiver dentro de tolersncia corres


pondente.

3.6.3 Defeitos na mon-kzgem

3.6.3.1 Durante a montagem , OS tubos ao serem expandidos, mandrilados e rev i ra


dos corretamente nao devem apresentar defeitos que possam ser atribuidos s qua11
dade do material ou ao process0 de fabricasso.

3.6.3.2 Ao serem forjados, soldados ou dobrados corretamente durante sua insta


lasso, OS tubos nao devem apresentar defeitos atribuiveis a qualidade do materL
al ou ao process0 de fabrica$zo.

3.7 DimensZes e toZer&icas

3.7.1 Comprimento

OS tubos podem ser fornecidos em comprimentos fixos ou em comprimentos de fabrl


caG:o entre 4 m e 8 m. Quando OS tubos forem fornecidos em comprimentos fixos,as
tolerzncias s50 as estabelecidas na NBR 5586.

3.7.2 Di&netro externo e espessura de parede


Essas dimensoes devem estar de acordo corn a ordem de compra. As tolersncias para
dismetro externo e espessura de parede sao as indicadas na NBR 5586.

3.7.3 Massa
A massa teorica dos tubos deve ser calculada de acordo corn a NBR 5586, assim cc
mo sua tolerSncia.

3.8 Ordem de compra


Na ordem de compra Segundo esta Norma, o comprador deve indicar:

a) niimero desta Norma;


b) quantidade pedida (metros ou numero de tubos ou quilogramas);
c) descrigao do produto (tubos sem costura)
d) diametro externo em mil imetros;

e> espessura de parede minima em milimetros;


f) comprimento (de fabricaS ou fixo em mi 1 imetros);
g) process0 de fabrica s;iio (acabado a quente ou trefilado a frio);
h) se 6 exigido certif i cado de ensaios de fabrica;

8 se deve ser feito o ensaio nao destrutivo em lugar do ensaio de pressso


hidroststica;
j) requisitos adiciona i s ou excessoes ao indicado nesta Norma;
k) uso a que sao destinados a titulo informativo.

3.9 Maxcag.Go

Alem das marcas exigidas pela NBR 5586 deve ser marcado se o tubo 6 acabado a
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

4 NBR 559411982

quente ou tref i lado a frio.

3.10 Frecau$es no a.rmazenamento e transportes

3.10.1 Froteptio superficia2

Salvo acordo pr&io em contrario, OS tubos decapados ou 1 i mpos corn jato abras iv0
devem ser protegidos adequadamente pelo fabricante contra a oxidagao superfic ial

durante o armazenamento e transporte.

4 CONDICe)ES ESPECI-FICAS

4.1 Composi&o q&mica


A composi$o quimica do aso desses tubos nas analises de panela ou de verificaSao
deve ser a indicada na Tabela.
TABELA - ComposiGb qdmica

C% Mn% P% max. S% max. Si% max.

0,06 a 0,18 0,27 a 0,63 o,o5 0,06 0,25

4.2 Tratamento t&mico

4.2.1 OS tubos trefilados a frio devem ser submetidos a urn tratamento termico e
uma temperatura minima de 650°c, apes o iiltimo passe a frio.

2.2 OS tubos acabados a quente nao necessitam ser submetidos a tratamento t-


co.

.3 Bopriedades me&Gas

4.3.1 Devem ser obedecidos aos seguintes ensaios:

a) ensaios de achamento e alargamento,


- OS corpos de prova submetidos a estes ensaios, conforme 5.3.1, devem
satisfazer OS requisitos indicados na NBR 5586;
b) ensaio de dureza,
- OS corpos de prova submetidos a este ensaio, conforme 5.3.2, devem 2
presentar dureza Brine11 nao maior que 137 ou dureza Rockwell B n”a0
maior que 77;
c> ensaio de press20 hidrostatica,
- OS tubos submetidos a este ensaio, conforme 5.3.1 devem sastifazer OS
requisitos indicados na NBR 5586;

d) ensaio Go destrutivo,
- quando OS tubos forem submetidos a esse ensaio, conforme 5.3.3 , em
substituigao ao ensaio de pressso hidrostatica, devem sati sfazer a

NBR 5586.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 5594l1982 5

4.3.2 Para fins de projeto, OS seguintes valores de propriedades mec&icas pc


dem ser assumidos:

a) limite min mo de resistencia a tra$o: 324 MPa (33,0 kgf/mm2 );


b) limite min mo de escoamento: 179 MPa (18,3 kgf/mm2);
c) 1 imi te min mo de alongamento em 50,O mm: 35%.

5 INSPECAO

5.1 Amostragem

5.1.1 Remessa

Conjunto dos tubos de mesmas dimensoes e caracteristicas que constituem uma en


trega. A remessa para fins de recepcao 6 dividida em lotes.

5.1.2 Lote

Consiste de tubos de caracteristicas iguais, sendo de 250 tubos quando o dizme


tro externo for menor ou igual a 76,2 mm e de 100 tubos quando o dismetro exter
no for maior que 76,2 mm. OS lotes sao formados antes do torte dos tubos no co!
primento pedido.

5.1.3 Arnostras
5.1.3.1 Para a anil ise quim ca de panela deve ser tomada uma amostra de cada
corrida.

5.1.3.2 Para a anilise quimica de verificagao deve-se obedecer o seguinte:

a) a amostra deve ser formada de urn tubo por lote no case de tubos prove
nientes de corridas nao identificadas e de urn tubo ou de urn tarugo
por corrida no case de corridas identificadas;
b) quando se torna necessario repetir a anilise de verificagao por falta
de concordincia corn OS requisitos de composigao quimica, a nova amos
tra deve ser formada pelo dobro das amostras originais.

5.1.3.3 Para o ensaio de achatamento a amostra deve ser formada por dois tubos
por lote.

5.1.3.4 Para o ensaio de alargamento a amostra deve ser formada por dois tubos

por lote. Estes tubos nao devem ser OS mesmos utilizados para o ensaio de achata-
mento.

5.1.3.5 Para o ensaio de dureza a amostra deve ser formada por 5% dos tubos tr2
tados termicamente em fornos de carga descontinua ou por 1% dos tubos tratados
termicamente em forno continua. 0 nu’mero minima de tubos a ensaiar 6 de cinco .
No case dos tubos que nao necessitem tratamento tgrmico o ensaio de dureza, se
exigido, 6 feito pelo menos em cinco tubos por lote.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
6 NB R 5594/l 982

5.1.3.6 Todos OS tubos devem ser submetidos ao ensaio de pressso hidrostatica.

5.1.3.7 Todos OS tubos devem ser submetidos ao ensaio nao destrutivo, quando ele
for exigido, em substituigao ao ensaio de press20 hidrostatica.

5.2 Corpos de prova

5.2.1 De cada amostra obtida para OS ensaios de achatamento e alargamento, reti

ram-se doi s corpos de prova, urn de cada extremidade do tubo.

5.2.2 De cada amostra obtida para anilise de verifica$ao e dureza retira-se urn
corpo de prova.

5.3 Ensaios e reensaios

5.3.1 Analise de verificagao e OS ensaios de achatamento, alargamento e pressao


hidrostatica sao realizados conforme a NBR 5586.

5.3.2 0 ensaio de dureza Brine11 6 feito nos tubos corn espessura de 5 mm ou


maior e o de dureza Rockwell nos tubos corn espessura de parede menor que 5 mm, ob
servando-se o que dispije a NBR 5586.

5.3.3 Por acordo previo entre comprador e fabricante pode ser feito o ensaio nao
destrutivo em substituiSao ao ensaio de press50 hidroststica, observando-se o-que
dispoe a NBR 5586.

5.3.4 Deve ser fornecido ao comprador ou ao seu representante urn relaterio de


composil;ao quimica obtida na analise de panela ou de verificagao.

5.3.5 Se a analise de verificasao indicar que algum dos elementos nao satisfazem
OS requisitos de composis”ao quimica desta Norma, devem ser efetuados reensaios
desses elementos em amostras obtidas conforme 5.1.3.2 b).

5.3.6 Se alguns dos resultados dos reensaios, de caracteristica mecsnicas nao sa-
tisfazerem OS requisitos desta Norma, OS reensaios devem ser feitos de acordo corn
a NBR 5586.

6 ACEITACAO E REJEICAO

6.1 Aceita&?o

OS tubos sao aceitos quando atendem integralmente esta Norma.

6.2 Rejei&o

6.2.1 Aw*Zise qdmica de verifica&o

Se nos reensaios algum dos elementos nao satisfazer OS requisitos de composigao

quimica desta Norma, a corrida ou o lote deve ser rejeitado. 0 fabricante pode e”
saiar cada tubo do lote ou cada tarugo da corrida rejeitada; sendo aceitos somen
_

te OS que estiverem de acordo corn OS requisitos desta Norma.


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 559411982 7

6.2.2 Ckxracterz'sticas mec&icas

A rejei$ao por resultados de reensaios de caracteristicas mechicas se faz con_

forme a NBR 5586.