Você está na página 1de 72

Manual de Instalação

Plataforma Elevatória Hidráulica AC11

DAIKEN ELEVADORES
Tel.: (41) 3621- 8422
Tel.: (41) 3621- 8417
E-mail: suporte.revenda@daikenelevadores.com.br
Avenida São Gabriel, nº 481.
Planta Bom Jesus - Colombo/PR.
www.daikenelevadores.com.br

Revisão 5 - Agosto/2016
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO............................................................................................................................................. 3
2. NORMAS TÉCNICAS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .............................................................................. 3
3. SEGURANÇA ............................................................................................................................................... 3
4. LIMPEZA E CONSERVAÇÃO ........................................................................................................................ 4
5. VERIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA ......................................................................................................... 4
6. PREPARAÇÃO DA ÁREA DE INSTALAÇÃO ................................................................................................... 5
7. DESEMBALAGEM DAS PEÇAS .................................................................................................................... 6
8. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS – PLATAFORMA AC11 .................................................................................... 6
8.1. Sistema de elevação .............................................................................................................................. 6
8.2. Unidade Hidráulica ................................................................................................................................ 6
8.3. Alimentação ........................................................................................................................................... 7
8.4. Cabina .................................................................................................................................................... 7
8.5. Sistema de comandos ............................................................................................................................ 7
9. CONJUNTOS FUNCIONAIS.......................................................................................................................... 7
10. MONTAGEM DA ESTRUTURA (TORRE) ................................................................................................ 10
10.1. Montagem das guias sem estrutura de montante (parede com vigas de concreto) ...................... 10
10.2. Montagem da estrutura de montantes (opcional para parede sem vigas de concreto) ................ 13
11. MONTAGEM DO CONJUNTO DE ELEVAÇÃO ........................................................................................ 16
11.1. Montagem do cilindro e viga elevatória.......................................................................................... 16
11.2. Montagem da arcada e travessa do freio........................................................................................ 19
11.3. Montagem da corrente ................................................................................................................... 22
12. VERIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA DE FUNCIONAMENTO DO FREIO ........................................................... 24
12.1. Procedimento de teste de freio: Simulação de ruptura de corrente .............................................. 24
13. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS ................................................................................................................ 27
13.1. Fixação da caixa da unidade hidráulica e quadro de comando ....................................................... 27
13.2. Conexões hidráulicas ....................................................................................................................... 27
13.3. Análise de falhas e soluções da Unidade Hidráulica ....................................................................... 30
14. INSTALAÇÃO DO CABEAMENTO ELÉTRICO .......................................................................................... 33
14.1. Passos para instalação do cabeamento elétrico ............................................................................. 34
15. MONTAGEM DOS FECHAMENTOS....................................................................................................... 40
15.1. Base 900x1400mm .......................................................................................................................... 40
15.2. Base 1100x1400mm ........................................................................................................................ 43
15.3. Luminária de emergência ................................................................................................................ 45
16. FIXAÇÃO DAS RAMPAS ATUADORAS DOS TRINCOS ............................................................................ 47
17. SENSORES DE POSICIONAMENTO ....................................................................................................... 50
17.1. Sensores de parada e inter-travamento.......................................................................................... 50
17.2. Sensor radical .................................................................................................................................. 53
18. INSTALAÇÃO DAS PORTAS ................................................................................................................... 54
19. AJUSTES FINAIS .................................................................................................................................... 55
19.1. Retoque na pintura.......................................................................................................................... 55
19.2. Ajustes nas guias de nylon............................................................................................................... 55
19.3. Demais ajustes ................................................................................................................................. 55
20. CONTROLE DE REVISÕES...................................................................................................................... 56
21. ANEXOS ................................................................................................................................................ 57

2
1. INTRODUÇÃO
 Este manual tem o objetivo de orientar o instalador quanto à instalação e montagem da
PLATAFORMA AC11 em conformidade com boas práticas no que se refere à segurança, qualidade
e produtividade na execução de suas atividades.
 Os procedimentos descritos no presente Manual de Instalação devem ser rigorosamente
seguidos visando à padronização das práticas de instalação, que é um dos pressupostos básicos
para a criação de um sistema eficiente de melhoria contínua de produtos e serviços.
 Caso o instalador tenha críticas ou sugestões em relação aos procedimentos descritos
neste Manual de Instalação, este deve comunicar o fato para análise da equipe técnica da Daiken
Elevadores. Esta comunicação pode ser feita diretamente ao Planejador Técnico de instalações, ou
através de um dos documentos gerados após o término do serviço: a Ordem de Serviço ou o Diário
Técnico de Instalação.

2. NORMAS TÉCNICAS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


 NBR 9050 - Acessibilidade em edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos.
 NBR 9386-1 - Plataformas elevatórias de acionamento mecânico para pessoas com
mobilidade reduzida – regras de segurança, dimensões e funcionamento – plataforma de elevação
vertical.
 NR 10 - Segurança em serviços e instalações elétricas.
 NR 35 - Trabalho em altura.

3. SEGURANÇA
 A execução de atividades com segurança para instaladores e também para pessoas
estranhas à equipe de instalação são fundamentais para o sucesso do processo de instalação.

 As condições de segurança devem ser observadas em todas as fases da instalação da


plataforma, que terminam com a entrega técnica e assinatura do termo de aceitação pelo cliente.

ATENÇÃO: Para a instalação da Plataforma AC11 são necessários


dois (02) instaladores, com o auxílio de um andaime.

 Condições de segurança a serem observadas pelos técnicos de instalação:

 Observar a utilização dos EPI’s (Equipamentos de Proteção Individual) necessários


em cada fase do processo de instalação (os EPI’s recomendados para cada fase do
processo de instalação estão descritos no presente manual de instalação);
 Utilizar técnicas de transporte manual, evitando lesões e acidentes;
 Manter o ambiente da instalação sempre limpo e organizado;
 Evitar o acesso de pessoas estranhas a área reservada para a instalação da
plataforma;
 Utilizar no que se refere a serviços e instalações elétricas, as recomendações da
NR-10;

3
 Utilizar no que se refere a trabalho em altura, as recomendações da NR-35;
 Não utilizar áreas ou recursos que não tenham sido previamente disponibilizados
pelo cliente para a equipe de instalação;
 Não liberar o equipamento para utilização por pessoas estranhas à equipe de
instalação antes que o termo de aceitação tenha sido preenchido e assinado pelo
cliente;
 Manter o equipamento desligado ao final da jornada diária de trabalho enquanto o
termo de aceitação não tenho sido assinado e preenchido pelo cliente.

4. LIMPEZA E CONSERVAÇÃO
 O local de instalação deve ser mantido limpo e organizado durante todo o processo de
instalação. Antes da conclusão do processo de instalação (aceitação) uma limpeza rigorosa da
plataforma deve ser feita pela equipe de instaladores.
 As seguintes recomendações devem ser observadas para a limpeza da plataforma:
 Não utilizar produtos de limpeza com solventes fortes ou abrasivos;
 Não utilizar polidores ou saponáceos abrasivos, ou utilizá-los de maneira
moderada, pois estes podem criar riscos na tinta do equipamento ou até expor
peças metálicas à oxidação;
 Não deixar artigos de aço comum, estranhos ao elevador, em contato com suas
partes metálicas, especialmente se o ambiente estiver úmido ou molhado;
 Jamais raspar a pintura de qualquer parte metálica utilizando espátulas ou lâminas;
 Utilizar aspirador de pó para remover excesso de sujeira ou resíduos em frestas e
sulcos do equipamento;
 Ao limpar os botões de acionamento, utilizar material de limpeza neutro e evitar
que o líquido de limpeza escorra para os contatos elétricos;
 Não utilizar produtos de limpeza de nenhuma espécie sobre a placa eletrônica,
componentes eletromecânicos e motor;
 Para elevadores com acabamento em inox, utilizar silicone líquido ou produto
específico para inox. Atentar para o sentido de lixamento evitando assim micro
riscos e perda do acabamento escovado;
 Caso durante o processo de limpeza da plataforma seja constatado dano à pintura,
retoques devem ser feitos de forma localizada, evitando possíveis pontos de
oxidação futura.

5. VERIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA
 Antes de iniciar a montagem da plataforma, é imprescindível que o instalador realize uma
nova verificação da adequação da infraestrutura geral (civil, elétrica e hidráulica), se está
conforme Projeto Executivo.
 A verificação deve ser feita antes de ser iniciado o processo de desembalar as peças da
plataforma.
 A verificação da infra-estrutura tem o propósito de atestar se todo o processo envolvendo
a execução da obra civil foi conduzido de maneira satisfatória, desde a IPE (Instrução de Projeto
Executivo) até a sua aprovação na visita de vistoria. Em teoria, com a aprovação sem pendências

4
da obra civil após a vistoria o elevador já deve estar disponível para instalação. Porém, convém ao
instalador confrontar o resultado da obra civil com o projeto executivo.
 No caso de haver pendências apontadas na vistoria, o instalador deve verificar se estas
foram sanadas corretamente.
 Em qualquer caso, havendo irregularidades verificadas na obra civil, a equipe de instalação
deve contatar o planejador de instalação da empresa responsável, antes de dar continuidade no
serviço de instalação.
 Verificar a disponibilidade de horário para a realização do serviço de instalação.
 Ao constatar qualquer situação que prejudique o andamento normal do processo de
instalação, o instalador DEVE comunicar imediatamente ao Planejador de Instalações da Empresa
responsável e relatar este fato no Diário Técnico de Instalação.

6. PREPARAÇÃO DA ÁREA DE INSTALAÇÃO


 ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO:

 Verificar a DISPONIBILIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA no local, bem como o padrão


de tomadas adotado e a possível necessidade de adaptadores;
 Preparar a área para que o processo seja conduzido de maneira eficiente e sem
obstruções;
 Verificar se TODOS os VOLUMES a plataforma foram ENTREGUES e se há algum
DANO VISÍVEL em qualquer uma das EMBALAGENS;
 No caso de embalagem com danos (peças também danificadas), providenciar a
troca junto à Daiken;
 No caso de itens faltantes solicitar à Daiken o, ou os componentes faltantes;
 Organizar as embalagens contendo as peças da plataforma de maneira a não
atrapalhar a circulação de pessoas pelo local. É necessário certificar-se que as
embalagens estejam acomodadas em equilíbrio estável e não sofram quedas
durante a instalação, sempre obedecendo às identificações nas embalagens
relacionadas ao empilhamento das mesmas;

ATENÇÃO: Alocar as embalagens em local coberto, evitando que as mesmas


fiquem expostas ao sol, chuva ou outras ações temporais.

 Efetuar a LIMPEZA DA ÁREA onde os técnicos irão circular durante a execução do


serviço de instalação. Caso haja restos de obra (areia, reboco, pregos, etc.), com a
circulação de pessoas, estes podem ocasionar danos ao piso da área onde será
efetuada a instalação;
 Providenciar local próximo e adequado para a maleta de ferramentas;
 Equipar-se com os EPI’s necessários para a montagem e manuseio dos andaimes;
 Montar o andaime na caixa de corrida.

5
7. DESEMBALAGEM DAS PEÇAS
 A desembalagem de peças deve ser feita de maneira SEQUENCIAL, levando-se em conta
sempre as peças que deverão ser utilizadas na etapa seguinte do processo de montagem. As peças
que não tiverem relação com a etapa posterior não devem ser desembaladas, a menos que
estejam embaladas juntamente com peças necessárias nessa etapa.

ATENÇÃO: Tomar cuidado ao descartar embalagens vazias, pois peças


menores ou pacotes com parafusos, porcas e arruelas podem ficar escondidos
em dobras, emendas de papelões ou plásticos-bolhas.

 Uma vez desembaladas, é importante que o instalador posicione as peças de forma


estável, evitando que as mesmas caiam e sofram avarias ou que causem danos ao local da
instalação (pisos, paredes, móveis, etc.).
 Separar um local adequado para o empilhamento das embalagens inutilizadas de papelão,
plástico e madeira.
 Esta tarefa deve ser feita imediatamente após a desembalagem, evitando dificuldades de
locomoção pelo ambiente da instalação, local sujo e perda de ferramentas.
 Os volumes são embalados visando facilitar a movimentação (pouco peso e volume).
 Para localizá-los encontre a etiqueta com o código colado sobre o mesmo.

8. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS – PLATAFORMA AC11


 Tipo: Plataforma elevatória vertical semi cabinada hidráulica.
 Aplicação: Movimentação vertical para pessoas com mobilidade reduzida.

8.1. Sistema de elevação


 Capacidade: 325 kg
 Acionamento: Pistão hidráulico
 Tipo: Elevação indireta através de correntes
 Cilindro: Simples ação, retorno por gravidade, diâmetro da haste 45mm
 Corrente: Corrente de rolos simples ASA 60, passo 3/4”
 Altura de elevação: até 4,0m
 Velocidade máxima nominal: 6,0 m/min
 Quantidade de paradas: 2 paradas (opcional 3 paradas)
 Sistema de segurança: Freio mecânico de acionamento instantâneo por roletes

8.2. Unidade Hidráulica


 Capacidade da bomba: 2,6 cc/rev
 Limitador de pressão máxima de subida: 110 bar
 Construção: Bloco em alumínio injetado com acoplamento C DIN para motor

6
 Tanque plástico: 8l
 Óleo hidráulico: HR 46EP, total 15 l

8.3. Alimentação
 Tensão: 220V ou 380V trifásico
 Inversor de frequência: Opcional
 Motor: 2cv, 60HZ, 4 POLOS, 1720 RPM, 220/380/440VAC trifásico, IP55
8.4. Cabina
 Área interna da cabina:
 900x1400mm (locais públicos): 01 cadeirante
 1100x1400mm: 01 cadeirante + 01 acompanhante
 800x1200mm (especial - não recomendado para uso público)
 Configurações de entradas:
 Opostas (180°)
 Unilaterais (360° lateral ou frontal)
 Adjacentes (90° - recomendado apenas para base 1100x1400mm)
 Acabamento: Carenagens de aço galvanizado com pintura eletrostática microtexturizada
cinza fosco
8.5. Sistema de comandos
 Movimento com acionamento constante por joystick
 Botão de emergência na cor vermelha
 Sistema de segurança que permite a descida sem energia elétrica (opcional)

9. CONJUNTOS FUNCIONAIS
 Neste capítulo são apresentados os conjuntos funcionais que compõem a plataforma
elevatória modelo AC11.
 Estrutura da torre  Conjunto de elevação

7
 Arcada e base  Carenagem da cabina (as peças desta
imagem podem variar de acordo com a
configuração do produto)

 Travessa do freio

 Painel de comandos  Portas (as peças desta imagem podem


variar de acordo com a configuração do
produto)

 Quadro de comando

8
 Na sequência é possível observar todo o equipamento montado (torre, conjunto de
elevação, arcada, base, freio, carenagem, painel de comandos, portas e quadro de comando).

9
10.MONTAGEM DA ESTRUTURA (TORRE)
10.1. Montagem das guias sem estrutura de montante (parede com vigas de concreto)
 Fixar os suportes nas vigas de concreto conforme figura 01. A distância na vertical (altura)
entre um suporte e outro pode variar de acordo com a disponibilidade das vigas de concreto na
parede, conforme indica o Projeto Executivo da obra.

Figura 01: Fixação dos suportes das guias

 Verificar o tipo de entradas da base (unilateral 360°, opostas 180°, ou adjacente 90°) e
seguir as distâncias de fixação das guias conforme as figuras 02 ou 03 para futuramente garantir o
vão adequado entre a soleira do pavimento e da base. Caso a base possua saídas opostas (180°)
possivelmente a parede do fundo da caixa de corrida terá 1590mm (295mm+1000mm+295mm),
adotar as dimensões conforme figura 02, mantendo a base centralizada na caixa de corrida.

ATENÇÃO: A distância entre as faces externas das guias “T”


deverá ser sempre 1000mm.

Figura 02: Distância de fixação dos suportes para base com saídas opostas (180°)

 Caso a base possua uma saída unilateral (360°) ou adjacente (90°), adotar as dimensões
conforme figura 03:

 Deixar 295mm de distância entre a guia e a parede onde ficará a porta (boneca de porta);
 Deixar livre a 3ª dimensão (distância entre a guia e a parede oposta da porta).
10
Figura 03: Distância de fixação dos suportes para base com saída unilateral (360°) ou adjacente (90°)

ATENÇÃO: As distâncias indicadas são para bases padrão, que possuem


1400mm de largura! Para bases especiais (menores) com 1200mm de
largura, considerar 100mm a menos na distância entre a boneca de
porta e a guia, por exemplo: Quando for base 800x1200mm, onde se lê
a medida 295mm, leia-se 195mm.

Figura 04: Distância de fixação dos suportes para base 800x1200mm

 Garantir que os suportes estão alinhados, esquadrejados com a caixa de corrida e que a
parede encontra-se no prumo. Antes de fixar definitivamente, verificar se todas as medidas estão
correspondentes.
 Posicionar os clip's (castanhas) das guias nos suportes conforme figura 05.
11
Figura 05: Fixação dos clip's das guias

 Após confirmar que as guias estão alinhadas e na posição correta (inclusive no PRUMO),
parafusar as demais guias utilizando as emendas conforme figura 06. A quantidade de guias e
emendas pode variar de acordo com o desnível da obra.

Figura 06: Emenda das guias

 Fixar os demais suportes conforme figura 07 (a quantidade de suportes poderá variar de


acordo com o desnível da obra). Conferir novamente o prumo das guias antes de apertar
definitivamente a estrutura.

Figura 07: Suportes montados com as guias no prumo

12
10.2. Montagem da estrutura de montantes (opcional para parede sem vigas de
concreto)
 Quando o local não apresentar vigas de concreto na parede para fixação dos parabolts,
devem ser utilizados montantes metálicos para auxiliar na fixação das guias “T” na parede.

 Iniciar com a fixação do montante junto ao piso conforme figura 08, respeitando a medida
de 913mm para deixar as guias na medida necessária.

Figura 08: Fixação da base do montante

 Parafusar as colunas do montante inferior de 2m conforme a figura 09, utilizando os


parafusos descritos.

Figura 09: Fixação da coluna do montante inferior

 Parafusar as travessas horizontais nas colunas, para AC11, proceder conforme a figura 10.

13
Figura 10: Fixação das travessas horizontais nas colunas dos montantes

 A medida que se fizer necessário subir a altura da torre, repetir o processo de fixação dos
montantes, utilizando as emendas para montantes as e travessas. Conforme o desnível haverá
variação na quantidade de peças.
 Fixar as travessas de chumbamento das guias e montantes na parede conforme figura 11.

Figura 11: Fixação dos suportes das guias e montantes

 Logo após fixar na parede, fixar as travessas de ligação dos montantes com as guias
conforme figura 12.

Figura 12: Fixações intermediárias entre os montantes e as guias

14
 Inserir as demais travessas chumbando nas vigas de concreto conforme figura 13. Inserir as
travessas de ligação e aperte os parafusos. As posições das vigas de concreto encontram-se no
projeto executivo da obra.

Figura 13: Fixação das travessas de chumbamento e ligação entre guias e montantes

 Posicionar as guias “T” conforme figura 02 ou 03 e fixá-las com os clip's (castanhas) contra
as travessas de ligação e chumbamento conforme figura 14.

Figura 14: Fixação dos clip's das guias

 Para manter a distância adequada entre os montantes e as guias, utilizar o gabarito


fornecido conforme figura 15.

15
Figura 15: Utilização do gabarito para distanciamento padrão entre as colunas e as guias “T”

 Para continuação da montagem das demais guias “T”, seguir os mesmos procedimentos
descritos no item anterior (10.1 - Montagem das guias sem estrutura de montante - parede com
vigas de concreto).

11. MONTAGEM DO CONJUNTO DE ELEVAÇÃO


11.1. Montagem do cilindro e viga elevatória
 Inicialmente apenas posicionar o calço do cilindro no centro das guias conforme figura 16.

Figura 16: Posição de trabalho do calço do cilindro

 Logo após, posicionar o cilindro sobre o calço e fixá-lo com as braçadeiras na parede, ou
nas travessas dos montantes (caso a torre seja com montantes) conforme figuras 17 e 18, mas
ainda sem apertar completamente.

16
Figura 17: Posicionamento do cilindro e calço do cilindro

Figura 18: Fixação das braçadeiras do cilindro em torre sem montantes e com montantes

 Para o prosseguimento do ajuste do cilindro e calço do cilindro deverá ser instalada a viga
elevatória, conforme figura 19.
 A viga elevatória deve ser fixada sobre o cilindro utilizando parafuso 30mm que
acompanha o cilindro. Não é requerida fixação com aperto para esse item, podendo ser feita
manualmente pelo instalador.

17
Figura 19: Montagem da viga elevatória

 Após a montagem da viga elevatória sobre o cilindro, deve-se ajustar o prumo do cilindro
conforme figura 20.

Figura 20: Prumo do cilindro

ATENÇÃO: Somente após deixar o cilindro no prumo que poderá ser dado o
aperto final dos suportes das abraçadeiras de fixação na parede ou nos
montantes, além do chumbamento definitivo do calço do cilindro no piso.
 Para finalizar a montagem da torre, inserir a travessa de travamento superior das guias,
cuja finalidade é servir como um batente mecânico caso a viga elevatória venha a atingir o final
das guias, evitando que a mesma saia para fora das guias. Montar conforme figura 21.

18
Figura 21: Travessa de travamento superior

11.2. Montagem da arcada e travessa do freio


 Posicionar as arcadas direita e esquerda nas guias, utilizando um calço (sugestão: calço de
madeira) de aproximadamente 7,5cm de altura embaixo da arcada nos dois lados, conforme figura
22. Esta altura é estimada para um rebaixo padrão de 15cm, e poderá variar de acordo com a
medida presente em obra.

Figura 22: Posicionamento das arcadas

 Posicionar a travessa do freio, prolongador da arcada e travamento superior conforme


figura 23. Certificar-se de encostar a parte superior da travessa do freio no batente das arcadas.

19
Figura 23: Montagem dos elementos da arcada

ATENÇÃO: Nunca fixar a travessa do freio nas arcadas utilizando somente


parafusos, sempre utilizar parafusos com arruelas lisa e de pressão.

 Em seguida, montar as peças de acionamento do freio, cujo bloco vem pré-montado na


arcada. É necessário montar em campo a barra roscada de acionamento (barra de sincronismo) e a
haste de acionamento do rolete.
 Para isso, é necessário retirar as porcas mais próximas da extremidade da barra roscada, e
inserir a haste de acionamento. Juntamente, deve-se montar o rolete de acionamento do freio
com arruela e contra pino (ao inserir o contrapino, dobrar a ponta), além da fixação da haste no
bloco do freio sempre utilizando o tubo espaçador (destacado na figura 24) para possibilitar que a
haste tenha livre movimentação ao apertar o parafuso de fixação. Para finalizar, engatar a mola no
furo da haste conforme indicado na figura 24.

Figura 24: Montagem das peças de acionamento do freio


20
ATENÇÃO: As porcas da barra roscada apenas posicionam o braço de
acionamento, elas não devem apertar o mesmo. A barra roscada, assim
como o rolete, devem girar livremente conforme figura 24.
CASO AS PORCAS TRAVAS APERTEM O BRAÇO DE ACIONAMENTO O FREIO
NÃO ACIONARÁ!

Figura 25: Barra roscada e rolete com livre movimentação

 Observar o sistema de funcionamento do freio na figura 26. Quando as correntes estão


tensionadas, a haste de acionamento do rolete deverá baixar o rolete, tornando a movimentação
da plataforma livre. Ao afrouxar (ou romper) a corrente, a haste do rolete deverá subir e o rolete
irá travar nas guias, ocorrendo a frenagem da plataforma.
 Após ocorrer frenagem da plataforma, para soltar o freio as correntes deverão ser
tensionadas novamente fazendo com que a arcada suba, dessa forma o rolete irá descer e
destravar o freio.

Figura 26: Esquema de funcionamento do freio

 Observar a distância correta entre o bloco do freio e as guias, conforme figura 27.

21
Figura 27: Distância entre a face traseira da guia e o bloco do freio

 Montar o sensor de segurança do freio conforme figura 28.

Figura 28: Montagem do sensor de segurança do freio

Demais informações sobre a ligação elétrica dos componentes, poderão ser


consultadas no diagrama elétrico da plataforma, encontrado nas últimas
páginas deste manual (Anexos), ou colado dentro da caixa quadro do comando.

11.3. Montagem da corrente


 Inserir a corrente na viga elevatória e fixá-la nas abas do cilindro, conforme figura 29.

Figura 29: Inserir a corrente na viga elevatória

22
 Conectar a corrente no pino da travessa do freio, conforme figura 30.

Figura 30: Fixação da corrente no pino da travessa do freio

 Para realizar a emenda da corrente seguir os passos, conforme figura 31:


1º) Deixar o cilindro totalmente recuado e a viga elevatória abaixada;
2º) Manter a corrente totalmente esticada;
3º) Manter a base nivelada com o pavimento inferior (com o auxílio do calço de
madeira sob a arcada).

Figura 31: Emenda da corrente

23
12. VERIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA DE FUNCIONAMENTO DO FREIO

ATENÇÃO: Esta etapa é de extrema importância e não deverá


ser ignorada!

 Verificar a integridade do sistema do freio, seguindo os seguintes passos:


 Verificar se a folga entre a face traseira da guia e o bloco está com 2mm (-1 /+
0mm), conforme figura 27;
 Verificar se a porca da barra de acionamento não está interferindo no movimento
da alavanca. A haste de acionamento do rolete (assim como o rolete) deve
movimentar-se livremente conforme figura 32;

Figura 32: Verificação da movimentação adequada do conjunto freio

 Realizar o procedimento de simulação de ruptura da corrente para certificar que a


alavanca está movendo corretamente e o rolete está travando a arcada.

12.1. Procedimento de teste de freio: Simulação de ruptura de corrente


1º) Calçar a arcada em um ponto acima do pavimento inferior, utilizando a trava de
segurança apoiada no suporte da torre. Encostar suavemente a arcada sobre a trava
de segurança, conforme figura 33.

Figura 33: Arcada apoiada sobre a trava de segurança

2º) Abrir a válvula do resgate da unidade hidráulica para abaixar totalmente o cilindro e
retirar a tensão (afrouxar) das correntes, conforme figura 34.

24
Figura 34: Recuar o cilindro para afrouxar as correntes

3º) Colocar o dispositivo (alça) na posição de teste (aletas viradas para cima) apoiada na
face inferior dos suportes do pino das correntes, conforme figura 35.

Figura 35: Alça em posição de teste (aletas para cima)

4º) Subir o cilindro novamente elevando a arcada e esticando a corrente. A arcada


deverá ficar cerca de 35 cm acima do ponto onde foi apoiada, conforme figura 36.

Figura 36: Elevar a arcada acima do ponto de apoio

5º) Esticar o cabo de aço com alça manual até o pavimento superior. Puxar a alça
rapidamente para desarmar as aletas, desta maneira, simulando a ruptura da
corrente e a queda da cabina, conforme figura 37.

25
Figura 37: Esticar o cabo de aço e puxar a alça para desarmar as aletas

6º) Verificar o funcionamento do freio (se ambos os lados frearam), conforme figura 38.
Executar o teste pelo menos duas vezes para certificar-se do correto
funcionamento.

Figura 38: Rolete do freio travando nas guias e freando a arcada

7º) Após o teste, deixar o dispositivo de teste na posição de trabalho, conforme figura
39.

ATENÇÃO: O dispositivo deverá ficar na posição conforme figura 39


em situação de operação normal da plataforma.
As aletas deverão ficar levantadas apenas na situação de teste!

Figura 39: Alça do teste em posição de trabalho normal da plataforma

8º) Enrolar o cabo de aço e fixá-lo na travessa mais próxima com fita hellermann
(fornecida), conforme figura 40.

26
Figura 40: Organizar e fixar o cabo de aço do teste

ATENÇÃO: Não executar o teste do freio demasiadamente para não danificar as


peças do conjunto, principalmente o rolete de acionamento.
Caso a plataforma acione emergencialmente o freio após a finalização da
instalação, é recomendado a substituição do rolete de acionamento do freio.

13. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS


13.1. Fixação da caixa da unidade hidráulica e quadro de comando
 A informação sobre a posição de instalação é indicada no Projeto Executivo da obra.

 A Caixa da Unidade Hidráulica/Quadro de Comando deve ser parafusada no piso através de


parabolts, conforme figura 41.

Figura 41: Fixação da caixa da Unidade Hidráulica

13.2. Conexões hidráulicas


 Após a fixação da Caixa da Unidade Hidráulica e Quadro de Comando, o instalador deve
conectar a mangueira entre a bomba hidráulica e o cilindro hidráulico, conforme figura 42.

 A conexão da mangueira deve ser feita inicialmente na extremidade do cilindro hidráulico.


Em seguida a mangueira deve ser posicionada dentro da caixa de corrida até o ponto de entrada
de cabos elétricos (furo com 100 mm de diâmetro) previsto no Projeto Executivo. Externamente à
caixa de corrida, a mangueira deve ser acondicionada na eletrocalha que liga a caixa de corrida a
unidade hidráulica.
27
Figura 42: Conexão da mangueira e válvula antiqueda com o cilindro

ATENÇÃO: Retirar os tampões de plástico que vedam as conexões (mangueira


e entrada do cilindro) apenas no momento da conexão entre os itens!
Esta ação visa evitar a entrada de sujeira dentro da mangueira ao manuseá-la.

ATENÇÃO: O conjunto do antiqueda é pré-montado na fábrica e preso ao


motor da unidade hidráulica.

 A mangueira deve ser conectada à bomba hidráulica, na conexão macho 1/2’’ que se
encontra pré-montada. As sobras de mangueira devem ser organizadas dentro da Caixa da UH e
QC, quando possível, conforme figura 43.

Figura 43: Conexão da mangueira na bomba hidráulica


28
 Após realizar a conexão da mangueira, deverá ser inserido óleo no reservatório da bomba
hidráulica com o auxílio de um funil. A quantidade de óleo enviada é suficiente para o
preenchimento do reservatório da bomba hidráulica mais a mangueira.
 O reservatório deverá ser completado até o nível da tampa, conforme figura 44.

Figura 44: Visão do sistema hidráulico

 Após realizadas as conexões necessárias e inserido óleo no sistema, realizar a retirada do ar


(sangrar) do sistema hidráulico.

ATENÇÃO: Esta etapa é de extrema importância para o


funcionamento adequado do equipamento!

 Para sangria do ar do cilindro, o parafuso situado na parte superior do cilindro deverá ser
afrouxado minimamente, conforme figura 45, até que pare de sair ar e comece a sair óleo. Ao
começar a sair óleo, fechar adequadamente novamente o parafuso.
 Este processo deverá ser repetido pelo menos três vezes com uma viagem da plataforma
no intervalo de cada uma das execuções do processo ou até que tenha sido eliminado o efeito
mola do conjunto cabine.

Figura 45: Parafuso de retirada de ar do cilindro

29
 Após o sangramento do pistão para retirada do ar, o reservatório deve ser novamente
reabastecido até o nível da tampa. Caso haja sobra de óleo ao final da instalação, o instalador
deverá deixá-lo no cliente.

13.3. Análise de falhas e soluções da Unidade Hidráulica

Figura 46: Descrição dos itens da U.H.

ANÁLISE DE FALHAS E SOLUÇÕES


PROBLEMA POSSÍVEL CAUSA POSSÍVEL SOLUÇÃO
Caso o pescador esteja solto ou caído, a bomba não
O pescador (dentro do reservatório) da estará succionando o óleo adequadamente. Verificar
bomba está solto ou caído; pescador da bomba e caso necessário, fixá-lo
corretamente à bomba.
Motor da Caso a peneira do filtro do pescador esteja com
O filtro do pescador (dentro do
unidade gira, sujeira em excesso, o mesmo poderá obstruir a
reservatório) está com sujeira ou
mas sucção de óleo. Verificar o filtro do pescador e caso
entupido;
plataforma necessário, remover as impurezas.
não sobe Caso a válvula antiqueda do cilindro esteja montada
no sentido invertido, a mesma poderá estancar
Válvula antiqueda (conectada ao cilindro)
quando é enviado óleo para o cilindro. Verificar
está montada invertida;
montagem da válvula antiqueda e caso necessário,
montá-la adequadamente.
30
Verificar ligação elétrica do motor e caso necessário,
Motor está girando no sentido invertido;refazer as ligações adequadamente. Invertendo os
fios 5 e 6.
Cabina está travada mecanicamente no Inspecionar a caixa de corrida e caso necessário,
percurso (guias torcidas, guias fora de eliminar possíveis pontos de interferência onde a
prumo, etc.); cabina (partes móveis) possa vir a enroscar.
Válvula de resgate manual (7) não está Verificar válvula de resgate manual e caso necessário,
totalmente fechada; fechá-la totalmente.
Caso o pescador esteja solto ou caído, a bomba não
estará succionando o óleo adequadamente. Verificar
O pescador da bomba está solto ou caído;
pescador da bomba e caso necessário, fixá-lo
corretamente à bomba.
Realizar a sangria do cilindro até que o ar saia
Existe ar no cilindro;
completamente.
Esta situação é mais comum quando a mangueira
Plataforma
possui comprimento muito extenso (emendas de 6m).
trepida Existe ar na mangueira;
Realizar a sangria do cilindro até que o ar saia da
durante
mangueira completamente.
subida
Durante a subida quando o pescador passa a
succionar espuma ao invés de óleo líquido, pode
Óleo com espuma;
ocorrer a trepidação. Verificar o aspecto do óleo e
caso necessário realizar filtragem.
Verificar o óleo utilizado e caso necessário, retirar
Óleo com especificações diferentes do
todo óleo do sistema e adicionar o óleo com as
padrão da plataforma;
especificações padrões de fábrica.
Verificar atuação do freio e caso necessário, regulá-lo
Freio mecânico acionado; adequadamente para que não seja acionado
inadvertidamente.
Válvula anti-queda (conectada ao cilindro) A desregulagem da válvula antiqueda pode ocasionar
Plataforma travada; o estanque da mesma. Verificar válvula antiqueda.
parada no A ligação elétrica pode estar com defeito na
pavimento Sem energia na válvula solenoide (4); alimentação da válvula solenoide. Ligar a fiação
superior e adequadamente.
não desce Verificar existência de sujeira na válvula de
Sujeira na válvula de emergência (7);
emergência, o que pode acarretar em entupimento.
Quando há tentativa de desmontar a peça utilizando
alicate, poderá ocasionar ranhuras na superfície da
Haste da guia do solenoide danificada (7); haste, impedindo a atuação correta do solenoide.
Caso seja necessário retirar a válvula (7) utilizar as
ferramentas adequadas (soquete sextavado).
Plataforma Válvula reguladora de fluxo (8) muito Fechar a válvula antiqueda e testar o movimento de
parada no aberta acionando o anti-queda; descida.
pavimento
superior e Caso tenha muita graxa no pino, o mesmo pode ficar
não desce travado. Limpar o pino e trocar O´ring caso esteja
Válvula reguladora de fluxo (8) com pino
danificado.
interno de vazão travado;
OBSERVAÇÃO: Cuidado ao desmontar a válvula (8)
para não danificar anel O´ring.
Possível sujeira no óleo pode obstruir a válvula
Plataforma
solenoide impedindo-a de fechar completamente,
inicia sozinha
Sujeira na válvula solenoide (4); deixando uma pequena quantidade de óleo passar.
o movimento
Verificar válvula solenoide e caso necessário, realizar
de descida
a limpeza.
31
Válvula de resgate manual (7) não está Verificar válvula de resgate e caso necessário, fechá-
totalmente fechada; la totalmente.
Caso a plataforma seja muito antiga, o anel de
vedação (O´ring) de borracha pode apresentar sinais
Válvula reguladora de fluxo (8) pode estar
de desgaste, e estando danificado, pode deixar o óleo
com anel de vedação danificado;
passar não cumprindo com sua função de vedação do
fluxo, fazendo com que o cilindro abaixe/recue.

Retirar a válvula com chave estrela 19mm e realizar


Sujeira na válvula de retenção (12);
limpeza, recolocar a válvula e testar o equipamento.

Plataforma
trepida Regular/aumentar a velocidade de descida através da
Velocidade de descida muito lenta;
durante válvula de regulagem de fluxo (8).
descida

ATENÇÃO: A válvula 7 (acionamento de emergência/resgate


manual) deverá ser operada apenas por técnico autorizado.

ATENÇÃO: A válvula 3 (reguladora da pressão de subida) sai


lacrada de fábrica. NÃO INTERFERIR NESTE ITEM!

ATENÇÃO: Esta Unidade Hidráulica não possui regulagem de


velocidade de subida.

32
14. INSTALAÇÃO DO CABEAMENTO ELÉTRICO
 Após a fixação da Caixa da Unidade Hidráulica e realizada a conexão da mangueira
hidráulica entre a bomba hidráulica e o cilindro, deve-se iniciar a ligação dos cabos elétricos no
Quadro de Comando.
 É importante realizar uma checagem do Quadro de Distribuição de Energia, que deve estar
em conformidade com o Diagrama Unifilar do Projeto Executivo. Deve-se verificar se as espessuras
dos fios que ligam o Quadro de Distribuição de Energia ao Quadro de Comando obedecem às
orientadas no Projeto Executivo.

33
ATENÇÃO: Antes de ligar a energia elétrica e fazer qualquer verificação
devem ser desligados todos os disjuntores tanto do Quadro de Distribuição
de Energia tanto do disjuntor, quanto do Quadro de Comando.

Figura 47: Conexão dos disjuntores do quadro de comando

ATENÇÃO: Este quadro é meramente ilustrativo (demonstra a


forma correta de ligação dos disjuntores).

14.1. Passos para instalação do cabeamento elétrico


 Na figura 48 é possível observar a vista superior do quadro de comando da plataforma.

34
Figura 48: Componentes do quadro de comando

 Considerar a figura 49 para visualização de onde devem ser conectadas as fiações


explanadas nos seguintes passos nos bornes SAK (bloco BLF).

Figura 49: Visualização das conexões dos bornes SAK

1º) Na primeira etapa, deve-se ligar as entradas de energia do Quadro de Comando


(220Vac mono/bifásico) nos bornes B1 e B2. Esta fiação deve vir diretamente do
disjuntor destinado à energização do Quadro de Comando disponibilizado pelo
cliente no Quadro de Distribuição de Energia. Juntamente com estes aproveitar e
realizar a ligação do aterramento no borne B3;
2º) O próximo passo é conectar a tensão trifásica de acionamento do motor da bomba
hidráulica (220VAC trifásico ou 380VAC trifásico) nos bornes B4, B5 e B6. Da mesma
forma que no item anterior esta fiação deve vir diretamente do disjuntor destinado
à energização do motor disponibilizado pelo cliente no Quadro de Distribuição de
Energia;
3º) OBS: Se na obra em questão não houver energia trifásica disponível deve-se
conectar a tensão 220Vac mono/bifásico nos bornes B4 e B5 (neste caso DEVE
OBRIGATORIAMENTE estar instalado o item 38315 - Kit Inversor Trifásico);
35
4º) Em seguida conectar a fiação de sinal do interfone nos bornes B7 e B8 se houver
este opcional na obra em questão. Se não houver este passo deve ser ignorado.
Este par de fios interliga a metade do interfone que está na portaria/recepção com
a parte móvel do interfone que está dentro da cabina;
5º) Por último realizar a conexão do 220Vac de energização da iluminação e ventilação
da cabina nos bornes B9 e B10. Esta fiação deve vir diretamente do disjuntor
destinado à energização da iluminação/ventilação da cabina disponibilizado pelo
cliente no Quadro de Distribuição de Energia. Em casos onde há apenas a luminária
de emergência montada na cabina é esta energia que irá recarregar a bateria
interna da luminária para acendimento em situações de queda da rede elétrica;
6º) Ligar disjuntores do Quadro de Distribuição de Energia, mas NÃO LIGAR AINDA O
DISJUNTOR DO QUADRO DE COMANDO.

Figura 50: Exemplo de posicionamento do quadro de comando e quadro de distribuição de energia

7º) Medir nos bornes do quadro de comando as tensões alternadas:


 Tensão de alimentação do Quadro de Comando (entre B1 e B2) = 220Vac;
 Tensão de alimentação do motor (entre B4 e B5, entre B4 e B6 e entre B5 e B6) =
220Vac ou 380Vac, conforme Projeto Executivo.
ATENÇÃO: Caso a ligação no Projeto Executivo determine 380VAC,
o técnico deve modificar a ligação dos enrolamentos do motor,
pois o padrão de fábrica é de 220VAC.

8º) Se NÃO for necessária a mudança de enrolamento do motor de 220Vac para


380Vac este item pode ser desconsiderado. Se a alteração for necessária seguir os
passos abaixo:
 Desenergizar todos os disjuntores do Quadro de Distribuição de Energia;
 Localizar placa de identificação do motor da unidade hidráulica, conforme figura 51;

Figura 51: Placa de identificação do motor da Unidade Hidráulica


36
 Reparar que o esquema de ligação para 220Vac ou 380Vac está representado na
própria placa de identificação do motor da unidade hidráulica, de qualquer forma
segue resumo das ligações para ambos os casos:
220Vac (PADRÃO DE FÁBRICA):
Fase U (chamado de L1 na placa do motor) – juntar com U1, W4, U3 e W2;
Fase V (chamado de L2 na placa do motor) – juntar com V1, U4, V3 e U2;
Fase W (chamado de L3 na placa do motor) – juntar com W1, V4, W3 e V2.

380Vac (COMO DEVE FICAR DEPOIS DA ALTERAÇÃO):


Fase U (chamado de L1 na placa do motor) – juntar com U1 e U3;
Fase V (chamado de L2 na placa do motor) – juntar com V1 e V3;
Fase W (chamado de L3 na placa do motor) – juntar com W1 e W3;

U2, V2, W2, U4, V4 e W4 devem ser colocados em curto-circuito e


isolados.
9º) Ao término do rearranjo de fiação do motor, tornar a ligar todos os disjuntores do
Quadro de Distribuição de energia e confirmar tensão de alimentação do motor
(entre B4 e B5, entre B4 e B6 e entre B5 e B6) = 380Vac, conforme Projeto
Executivo.
 Desembalar os cabos (BLA, BLB, BLC, BLD, BLG) e instalá-los. Lembrar que o sentido
recomendado de instalação é partindo da Plataforma para o Quadro de Comando.
Acondicionar os mesmos nas calhas e conduítes conforme obra. Prestar atenção
para que as extremidades dos cabos fiquem com os conectores HiLok para o lado do
Quadro de Comando.

Figura 52: Sequência de ligações dos bornes bloco BLF

10º)Organizar e fixar os cabos do Quadro de Comando junto à estrutura, conforme sua


utilização:
 BLA – Cabo de manobra – fitado de 12 vias – deve ser preso à arcada pela presilha,
conduzido pela roldana da viga elevatória e ser levado até a parte inferior da
estrutura, onde deve ser fixado em um suporte que tem outra presilha;

37
Figura 53: Passagem do cabo de manobra

 BLB – Cabo para os sensores de posicionamento superiores (sensor de pavimento


superior e sensor radical superior);
 BLC – Cabo para os sensores da porta do pavimento superior (botão de chamada,
sensor de abertura de porta e sensor de travamento de porta);
 BLD - Cabo para os sensores da porta do pavimento inferior (botão de chamada,
sensor de abertura de porta e sensor de travamento de porta).
 BLG – Cabo para os sensores de posicionamento inferiores (sensor de pavimento
inferior e sensor radical inferior). Se não houver sensor mecânico radical inferior
fazer curto-circuito nos fios do cabo BLG designados para ligação neste sensor.
11º)Após fixação dos cabos na estrutura interna, conectar os cabos na régua de
conectores localizada na parte inferior do Quadro de Comando, conforme figura 54,
tomando especial cuidado para evitar inversões.

Figura 54: Posicionamento dos cabos no quadro de comando


38
ATENÇÃO: Os cabos BLE e BLJ são internos ao Quadro de comando.
No anexo II deste manual seguem tabelas com a distribuição dos fios
e funções de cada cabo.
12º)Após a fixação dos sensores de posicionamento, deve-se proceder a sua ligação
elétrica conforme a tabela abaixo:
NOME
SENSOR TIPO DO CONTATO FIOS
DO CABO

FIM DE CURSO DE PARADA SUPERIOR N.F. (NORMALMENTE FECHADO) BLB 2e3

FIM DE CURSO RADICAL SUPERIOR N.F. (NORMALMENTE FECHADO) BLB 8e9

FIM DE CURSO DE PARADA INFERIOR N.F. (NORMALMENTE FECHADO) BLG 2e3

Ligação dos fios dos cabos BLB e BLG nos sensores de posicionamento

13º)Certificar-se de que nenhum dos sensores esteja atuado. Caso haja algum sensor
esteja atuado, a viga elevatória deve ser movimentada até que todos os sensores
sejam liberados.
 Para movimentar a viga elevatória para cima, utilizar a chave de comando do
contator do Quadro de Comando para o acionamento do motor da Unidade
Hidráulica. No caso de o motor girar, mas não haver pressão de óleo, é provável que
seja necessária a mudança da sequência de fases do motor trifásico;
 Para movimentar a viga elevatória para baixo, liberar a pressão do óleo através da
válvula localizada na Unidade Hidráulica.
14º)Com todos os sensores de posicionamento conectados, ligar o disjuntor do Quadro
de Comando. Depois de ligado o Quadro de Comando, a Placa Controladora deve
iniciar a sequência de inicialização (acendimento sequencial dos LEDs 1 a 5).
Finalizada a sequência de inicialização, a placa controladora deve indicar a presença
de alarmes (LED ALARME) em virtude de que vários sensores da plataforma
(sensores de PORTA, TRAVA, EMERGÊNCIA) ainda não se encontrarem ligados.
 Caso o alto-falante tenha sido conectado na saída de áudio amplificado, a
mensagem Falha geral, favor contatar a assistência técnica deve ser reproduzida.
Além da reprodução da mensagem sonora, há indicação desta falha pelo
acendimento de alguns LEDs indicadores de erro (LEDs LD1 a LD5, maiores detalhes
sobre o tipo de erro devem ser consultados da tabela de erros da plataforma).
15º)Desligar o disjuntor do Quadro de Comando.
16º) O SENSOR DO FREIO DE EMERGÊNCIA deve ser colocado em série com o BOTÃO DE
EMERGÊNCIA. A conexão do sensor do freio de emergência deve ser feita no
contato normalmente fechado.

39
15. MONTAGEM DOS FECHAMENTOS
15.1. Base 900x1400mm

 Parafusar os fechamentos dos cantos em ambos os lados conforme figura 55.

Figura 55: Fixação dos fechamentos dos cantos

 Parafusar a chapa da soleira nos locais de entrada da plataforma (opostas 180°, unilaterais
360°, ou adjacentes 90°), utilizando o parafuso francês conforme figura 56, deixando as porcas
para o lado de baixo.

Figura 56: Fixação da chapa da soleira

 Parafusar as colunas esquerda e direita conforme figura 57.

Figura 57: Fixação das colunas na base

40
 Parafusar as travas traseiras do painel nas colunas esquerda e direita, e logo após na
travessa superior da arcada conforme figura 58.

Figura 58: Fixação da trava do painel

 Encaixar o fechamento inferior do painel utilizando os furos laterais para fixar nas colunas,
e logo após inserir os tapa-furos para dar acabamento. Na sequência, encaixar o fechamento do
painel de comandos utilizando os ganchos traseiros da chapa, conforme figura 59.

Figura 59: Fixação do fechamento inferior do painel

 Parafusar o corrimão conforme a figura 60, utilizando os espaçadores e o parafuso longo


através da trava do painel, e roscando no rebite do tubo do corrimão.

Figura 60: Fixação do corrimão

41
 Encaixar o painel de comando na chapa do fechamento e parafusar conforme figura 61.

Figura 61: Fixação do painel de comando

 Após fixar o painel de comandos, fazer as ligações elétricas dos itens conforme as
instruções do diagrama elétrico, e fixar o cabo de manobra conforme a figura 62.

Figura 62: Fixação da chapa trava do cabo flat

 Encaixar o fechamento superior utilizando os ganchos traseiros da chapa e fixar com os


parafusos de acordo com a figura 63, logo após inserir os tapa-furos para acabamento.

Figura 63: Fixação do fechamento superior

 Fixar o fechamento central na posição adequada conforme o tipo de entradas da


plataforma (opostas 180°, unilaterais 360°, ou adjacentes 90°), conforme figura 64.

42
Figura 64: Tipos de entrada/saídas da plataforma

 Quando o fechamento central quando for montado na lateral da base, atentar para o
gancho auxiliar que fixará o fechamento, conforme figura 65. Nesta mesma figura pode-se
perceber que todos os fechamentos da cabina ficam alinhados com o lado interno da plataforma,
e as saliências ficam para o lado externo.

Figura 65: Detalhes de fixação do gancho auxiliar e lado de fixação do painel central frontal

15.2. Base 1100x1400mm

 Todos os procedimentos para montagem da base 1000x1400mm são os mesmos da base


900x1400mm citados nos tópicos anteriores, com exceção para os detalhes explanados na
sequência.
 Fixar os fechamentos dos cantos em ambos os lados conforme figura 66, e também os
complementos que ficarão ao lado das colunas do painel.

43
Figura 66: Fixação dos fechamentos dos cantos e complementos das colunas do painel na base 1100x1400mm
 Montar as travessas de reforço inferior da base conforme figura 67. Encostar a aba das
travessas no fundo da base e fixar nos parafusos da arcada.

Figura 67: Fixação das travessas de reforço na base 1100x1400mm


 Inserir a cantoneira de apoio frontal no prolongador ada arcada conforme figura 68.

44
Figura 68: Fixação da cantoneira de apoio frontal na base 1100x1400mm

15.3. Luminária de emergência

 Fixar o suporte da luminária no painel acima da botoeira com dois parafusos auto-
brocantes M5x10 nos respectivos furos, conforme a figura 69.

Figura 69: Fixação do suporte da luminária de emergência

 Cortar o plugue conector do fio de alimentação da luminária, deixando a maior quantidade


de cabo possível na mesma. Desencapar adequadamente o cabo restante na luminária para
posterior conexão com borne, conforme figura 70.

Figura 70: Preparação do fio da luminária


45
 Passar o fio da alimentação elétrica (já cortado) pelo furo oblongo (rasgo na horizontal), e
leva-lo até a parte traseira da cabina. Fixar a luminária pelos encaixes traseiros (encaixe formato
gota) nos dois parafusos M3x10 a serem roscados no suporte padrão.
 Para um melhor encaixe da luminária, garantir a distância de 4mm entre a chapa e a
cabeça dos parafusos, conforme figura 71.

ATENÇÃO: A luminária deverá ficar CENTRALIZADA no suporte e encaixada


adequadamente (bem presa), para que não caia do suporte.

Figura 71: Encaixe da luminária no suporte

 Conectar o cabo da alimentação ao chicote código 53000 (CHICOTE COMPLEMENTAR -


ILUMINAÇÃO DE EMERGENCIA - AC11), através do borne presente no mesmo, conforme figura 72.
 Ligar os bornes para energizar a luminária conforme figura 72. Ligar o borne 1 no borne 10,
e ligar o borne 2 no borne 9. A alimentação também poderá ser feita de forma direta, ligando
diretamente a tomada na rede elétrica, neste caso verificar o comprimento do cabo e posição para
evitar rompimento.

Figura 72: Ligação da luminária de emergência

Demais informações sobre a ligação elétrica dos componentes, poderão ser


consultadas no diagrama elétrico da plataforma, encontrado nas últimas
páginas deste manual (Anexos), ou colado dentro da caixa quadro do comando.

46
16. FIXAÇÃO DAS RAMPAS ATUADORAS DOS TRINCOS
 Seguir os passos da sequência para fixar e regular as rampas de acionamento dos trincos
das portas.

REGULAGEM DO TRINCO PARA PORTA LATERAL À TORRE

AC11-A-D0522 AC11-A-D9883

1º) Certificar de possuir em mãos


as seguintes peças, e montá-las no
local adequado na carenagem da
plataforma.

AC11-A-D9883 AC11-A-D0522

2º) Observando o conjunto por um


ângulo superior, a roldana do
trinco deverá estar sempre no
centro da chapa da rampa. Para
isto, pode-se variar/inverter a
montagem da chapa no suporte
para garantir esta centralização.
Para este modelo de rampa (porta
lateral) existem até quatro
combinações possíveis de
montagem.

3º) Pode-se também inverter a


posição de montagem da haste da
roldana no trinco, para melhorar a
centralização da mesma na chapa
da rampa.

47
4º) Quando a plataforma atingir o
pavimento, e o trinco estiver
acionado, ou seja, a porta estiver
liberada para abrir, a roldana do
trinco deverá estar em contato
com a superfície vertical da rampa
atuadora (de preferência o mais
próximo possível do centro), e
jamais na superfície inclinada.
Ao ser acionada na superfície
inclinada, a roldana fica
tensionada contra a rampa,
ocasionando a desregulagem da
rampa e da haste da roldana a
longo prazo, além de causar PLATAFORMA PARADA NO PAVIMENTO: PLATAFORMA PARADA NO PAVIMENTO:
possíveis danos ao equipamento. PORTA LIBERADA PARA ABRIR PORTA LIBERADA PARA ABRIR

Ao ser acionada na superfície


vertical, aumenta-se a garantia de
que a porta estará liberada para
abrir enquanto a plataforma
estiver parada no referido
pavimento, pois nesta situação, o
sistema permite pequenas
vibrações/movimentações da
base.

5º) Caso o trinco não esteja sendo


acionado corretamente conforme
indicado no item 4, utilizar as
regulagens verticais da rampa,
para mover a chapa para cima ou
para baixo.
Pode-se utilizar também, a
regulagem horizontal que fixa a
rampa na carenagem para
aproximar ou afastar a rampa da
roldana.

48
REGULAGEM DO TRINCO PARA PORTA FRONTAL À TORRE

AC11-A-D0490 AC11-A-D0491

1º) Certificar de possuir em mãos as


seguintes peças, e montá-las no
local adequado na carenagem da
plataforma.

AC11-A-D0491 AC11-A-D0490

2º) Observando o conjunto por um


ângulo superior, a roldana do trinco
deverá estar sempre no centro da
chapa da rampa. Para isto, pode-se
variar a posição do furo que fixa a
chapa na carenagem para garantir
esta centralização. Para este modelo
de rampa (porta frontal) existem até
três combinações possíveis de
montagem (três furos oblongos que
podem ser utilizados para fixação na
carenagem: oblongo da esquerda,
centro e direita).

3º) Pode-se também inverter a


posição de montagem da haste da
roldana no trinco, para melhorar a
centralização da mesma na chapa da
rampa.

49
4º) Quando a plataforma atingir o
pavimento, e o trinco estiver
acionado, ou seja, a porta estiver
liberada para abrir, a roldana do
trinco deverá estar em contato com
a superfície vertical da rampa
atuadora (de preferência o mais
próximo possível do centro), e
jamais na superfície inclinada.
Ao ser acionada na superfície
inclinada, a roldana fica tensionada
contra a rampa, ocasionando a
desregulagem da rampa e da haste
da roldana a longo prazo, além de
causar possíveis danos ao PLATAFORMA PARADA NO PAVIMENTO: PLATAFORMA PARADA NO PAVIMENTO:
equipamento. PORTA LIBERADA PARA ABRIR PORTA LIBERADA PARA ABRIR

Ao ser acionada na superfície


vertical, aumenta-se a garantia de
que a porta estará liberada para
abrir enquanto a plataforma estiver
parada no referido pavimento, pois
nesta situação, o sistema permite
pequenas
vibrações/movimentações da base.

5º) Caso o trinco não esteja sendo


acionado corretamente conforme
indicado no item 4, utilizar as
regulagens horizontais da rampa,
para aproximar ou afastar a rampa
da roldana.
Pode-se utilizar também, a
regulagem vertical que fixa a rampa
na carenagem para mover a chapa
para cima ou para baixo.

17.SENSORES DE POSICIONAMENTO
17.1. Sensores de parada e inter-travamento

 PLATAFORMA CHEGANDO NO PAVIMENTO: O sensor de liberação da porta (inter-


travamento) deverá atuar antes do trinco mecânico da porta: 1º atua sensor de inter-travamento;
2º atua trinco mecânico da porta; 3º atua sensor de parada no pavimento (esta sequência é a
mesma para pavimento inferior ou superior).

 PLATAFORMA SAINDO DO PAVIMENTO: O trinco mecânico da porta deverá ser liberado


antes do sensor de inter-travamento: 1º desativa sensor de parada em pavimento; 2º desativa
trinco mecânico da porta; 3º desativa sensor de liberação da porta (esta sequência é a mesma
para pavimento inferior ou superior).
50
51
52
17.2. Sensor radical

 O sensor radical é instalado acima dos sensores de parada no pavimento e inter-


travamento das portas, conforme figura 73. A função deste sensor é interromper a alimentação do
motor antes que a plataforma sofra choque mecânico contra qualquer obstáculo (travessa limite
superior, teto da caixa de corrida, etc.), caso o sensor de parada no pavimento eventualmente não
seja acionado.
 Trata-se de um sensor de segurança e deverá ser acionado pela rampa apenas em casos
emergenciais. Deverá ser verificado em campo a distância adequada de instalação do sensor
radical para que este seja acionado, somente após os sensores de parada no pavimento, e sempre
antes de qualquer choque mecânico.
 Distância mínima entre SENSOR FIM DE CURSO SUPERIOR e SENSOR FIM DE CURSO
RADICAL SUPERIOR: 8 centímetros.

Figura 73: Instalação do sensor radical

Demais informações sobre a ligação elétrica dos componentes, poderão ser


consultadas no diagrama elétrico da plataforma, encontrado nas últimas
páginas deste manual (Anexos), ou colado dentro da caixa quadro do comando.

53
18. INSTALAÇÃO DAS PORTAS
 Fixar os contra marcos de porta conforme a figura 74.

Figura 74: Fixação do contramarco do vão de porta

 Fixar o contramarco na alvenaria com parafusos e buchas de 6mm. O contramarco deve


sempre estar faceado pelo lado de dentro da caixa de corrida para que a fresta entre a porta e a
plataforma seja a menor possível.

 Fixar a porta no contramarco (atentar para o prumo e esquadro da porta para que ela não
enrosque no caixilho e ou fique com frestas desiguais) conforme figura 75.

Figura 75: Pontos de fixação da porta no contramarco

54
19.AJUSTES FINAIS
19.1. Retoque na pintura
 Os retoques de pintura devem ser realizados logo após a instalação, antes que o ponto
danificado comece a oxidar.
 Os retoques devem ser feitos com tinta automotiva fornecida pela Daiken ou
confeccionada em lojas do ramo.

19.2. Ajustes nas guias de nylon


 Ajustar as folgas das guias laterais da arcada, conforme figura 76.

Figura 76: Ajuste das guias laterais da arcada

 Ajustar as folgas dos guias laterais da viga elevatória, conforme figura 77.

Figura 77: Ajuste das guias da viga de elevação.

19.3. Demais ajustes


 Ajustar o nivelamento das paradas da cabina nos pavimentos.

 Ajustar os sensores de forma que a plataforma pare nivelada em cada pavimento.

 Ajustar os atuadores de trinco das portas, conforme figura 78.

55
Figura 78: Atuadores de trinco de porta

 Ajustar a pressão das molas aéreas conforme figura 79.

Figura 79: Regulagem da mola aérea

 Caso encontre dificuldades durante a instalação do equipamento, entrar em contato com o


suporte técnico da DAIKEN ELEVADORES:

 (41) 3621-8422

 (41) 3621-8417

20. CONTROLE DE REVISÕES


4) Atualização geral - 04/12/13
5) Padronização de formatação (Responsável: Danilo) - 10/08/2016

56
21. ANEXOS
ANEXO l - Diagrama elétrico para plataforma AC11
 Este diagrama encontra-se na tampa da caixa do quadro de comando do equipamento.

57
ANEXO ll - Diagrama do cabeamento
A estrutura do cabeamento da Plataforma Elevatória AC11 possui os seguintes
componentes:

 43172 - CHICOTE BLA - CABO DE COMANDO DA CABIN - MANOBRA - Q.C. PLUS


 43177 - CHICOTE COMANDO - COMPLEMENTAR A BLA - Q.C. PLUS
 47034 - CHICOTE COMANDO - COMPLEMENTAR A BLA - Q.C. PLUS V 3.3 -
JOYSTICK
 43173 - CHICOTE BLB - SENSORES DE POSICIONAMENTO SUPERIOR - Q.C. PLUS
 43174 - CHICOTE BLC - PORTA SUPERIOR - Q.C. PLUS
 43175 - CHICOTE BLD - PORTA INFERIOR - Q.C. PLUS
 43176 - CHICOTE BLG - SENSORES DE POSICIONAMENTO INFERIOR - Q.C. PLUS
 46931 - CONECTOR BLJ PARA Q.C. V 3.3 SEM INVERSOR

Nas próximas páginas seguem os diagramas de fiação de todos os cabos que fazem
parte da estrutura da AC11.

58
ANEXO lll - 43172 - CHICOTE BLA - CABO DE COMANDO DA CABINA - MANOBRA - Q.C. PLUS

59
ANEXO lV - 43177 - CHICOTE COMANDO - COMPLEMENTAR A BLA - Q.C. PLUS

60
ANEXO V - 47034 - CHICOTE COMANDO - COMPLEMENTAR A BLA - Q.C. PLUS V3.3 – JOYSTICK

61
ANEXO Vl - 43173 - CHICOTE BLB - SENSORES DE POSICIONAMENTO SUPERIOR - Q.C. PLUS

62
ANEXO Vll - 43174 - CHICOTE BLC - PORTA SUPERIOR - Q.C. PLUS

63
ANEXO Vlll - 43175 - CHICOTE BLD - PORTA INFERIOR - Q.C. PLUS

64
ANEXO lX - 43176 - CHICOTE BLG - SENSORES DE POSICIONAMENTO INFERIOR - Q.C. PLUS

65
ANEXO X - 46931 - CONECTOR BLJ PARA Q.C. V3. 3 SEM INVERSOR

66
ANEXO Xl - EXEMPLO DE DIAGRAMA UNIFILAR

67
ANEXO Xll - CÓDIGOS DE ERROS
Além do sistema de mensagens de voz ou no caso da ausência/defeito do mesmo, a
placa controladora do quadro de comando possui vários leds indicativos de problemas.
Os principais são: LED1, LED2, LED3, LED4 e LED5. Esses indicadores acendem de
acordo com os problemas que a placa controladora detecta de acordo com a tabela
abaixo:

CÓDIGO DE LEDS
ERROS
ERRO ACESOS
1 LED1 Os dois finais de curso acionados simultaneamente
2 LED2 Plataforma na posição intermediaria e porta superior aberta
LED1
3 Plataforma na posição intermediaria e porta inferior aberta
LED2
4 LED3 Plataforma na posição inferior e porta superior aberta
LED1
5 Plataforma na posição superior e porta inferior aberta
LED3
LED2
6 Time out de subida
LED3
LED1
Alimentação abaixo do mínimo + cabina entre pavimentos + botão
7 LED2
de subida pressionado
LED3
Botão de emergência acionado com a plataforma na posição
8 LED4
intermediária
LED1 Botão de emergência acionado com a plataforma em algum dos
9
LED4 pavimentos
LED2 Alimentação abaixo do mínimo com comandos de movimentação
10
LED4 da cabina, com esta nivelada no pavimento.
LED1
Permite continuar descendo em caso de falta de energia (somente
11 LED2
para resgate)
LED4
12 LED3 -x-
LED4
LED1 -x-
13 LED3
LED4
LED2
14 LED3 Porta inferior destravada
LED4
LED1
LED2
15 Porta superior destravada
LED3
LED4
Plataforma na posição superior com porta inferior aberta e
16 LED5
comando de descida presente
LED1 Plataforma na posição inferior com porta superior aberta e
17
LED5 comando de subida presente
LED2 Alimentação abaixo do mínimo e nenhum outro comando de
18
LED5 movimentação

Além dos acima mencionados temos outros LEDs importantes que podem auxiliar na
resolução de problemas:

68
LED CARACTERÍSTICA/COMPORTAMENTO
Deve acender durante a reprodução de mensagem de áudio permanecendo apagado ao
LED6
término da mesma.
Aceso indica que há tensão da bateria chegando à placa controladora para efetuar o
LED7
resgate no caso de falta de energia da rede elétrica.

LED8 Aceso indica que há tensão de alimentação principal 12V proveniente da rede elétrica.

Aceso indica que há tensão auxiliar de 24V proveniente da rede elétrica. Esta tensão é
LED9 usada em todos os sensores externos (portas, trincos, botões, etc) e é isolado dos outros
circuitos digitais da placa controladora.

Indica intenção da placa controladora em acionar a válvula de descida. Está intertravada


LED10 com o circuito de fechamento da porta superior, ou seja, somente quando a porta superior
estiver fechada é que a energia poderá chegar até a válvula de descida.
LED11 Aceso indica que a porta superior está fechada.
LED12 Aceso indica que a placa está operando através da bateria.
LED13 Não usado (acionamento da segunda velocidade de descida).

LED14 Indica presença de tensão alternada para carregador de baterias.


LED15 Aceso indica que a porta inferior está fechada.
LED16 Aceso indica que o circuito de emergência (botão na cabina e freio) está sem problemas.
De acordo com a intensidade mostra mais ou menos carga da bateria. Quanto mais aceso o
LED17
led estiver mais carga está sendo enviada para a bateria.

Está atrelado ao acionamento das chaves 1 e 2 do componente S2 (configuração em


LED18 fábrica). DEVE estar apagado durante o funcionamento normal. Se estiver aceso alterar a
posição das chaves 1 e 2 para apagá-lo.

Está atrelado ao acionamento das chaves 3 e 4 do componente S2 (mensagem de ciclos da


plataforma). DEVE estar apagado durante o funcionamento normal. Se estiver aceso irá, a
LED19 cada movimento, reproduzir a mensagem da quantidade de ciclos que a plataforma já
executou. Alterar a posição das chaves 3 e 4 para apagá-lo e desativar a função de
reprodução da mensagem de ciclos.
Está atrelado ao acionamento das chaves 5 e 6 do componente S2 (auto teste). DEVE estar
apagado durante o funcionamento normal. Se estiver aceso irá movimentar a plataforma
LED20 automaticamente de um pavimento para outro sem intervenção nos botões de
movimentação. Alterar a posição das chaves 5 e 6 para apagá-lo e desativar função de auto
teste.
Observar o posicionamento e localização dos principais componentes da placa
controladora:

69
ANEXO Xlll - VERSÕES DE FIRMWARE
Sobre o microcontrolador da placa controladora v3.3 (figura no anexo anterior) temos
a indicação de qual modelo de firmware está gravado no componente. O formato do
texto da etiqueta segue o padrão FWXXXXXRYY onde XXXX indica a variação de
funcionalidade e o YY indica a revisão do código. Segue abaixo as versões correntes e
características principais de cada uma das variações:

FIRMWARE CARACTERÍSTICA
Este firmware é utilizado quando precisa-se substituir uma
FW60045R03 placa controladora antiga v3.2 utilizando uma placa atual v3.3.
O firmware contempla plataformas de DUAS PARADAS.
Firmware padrão utilizado em plataformas de DUAS PARADAS
FW60046R03
e quadros com fiação atual (v3.3).
Este firmware é utilizado quando precisa-se substituir uma
FW61045R03 placa controladora antiga v3.2 utilizando uma placa atual v3.3.
O firmware contempla plataformas de TRÊS PARADAS.
Firmware padrão utilizado em plataformas de TRÊS PARADAS e
FW61046R03
quadros com fiação atual (v3.3).

OBSERVAÇÃO: As versões instaladas deveriam ser iguais ou superiores a R03, no caso de versão
anterior entrar em contato para possível atualização.

70
ANEXO XVl - INSTALAÇÃO DO DISPOSITIVO DE SEGURANÇA

ATENÇÃO: A utilização do Dispositivo de Segurança É OBRIGATÓRIO para


atividades de instalação e manutenção corretiva nas plataformas.

 É disponibilizado um par de dispositivos por plataforma (cód. peça: AC11-A-D9889).

 Segue sequência de instalação do dispositivo de segurança para o trabalho sob a


plataforma.
 MONTAR DISPOSITIVO:
1) Encaixar o dispositivo no suporte da guia da torre (um dispositivo em cada lado/cada guia);

2) Para torre sem montante, acoplar o parafuso com porca para travar o dispositivo;

71
3) Abaixar suavemente a plataforma até que a arcada encoste no dispositivo;

4) Plataforma está pronta para operação sob a mesma.

 RETIRAR DISPOSITIVO:
1) Deixar os dois dispositivos DENTRO da caixa de corrida, preferencialmente em um local de
fácil acesso, que NÃO INTERFIRA no deslocamento da plataforma.

 FIXAR A PLAQUETA DE SEGURANÇA NA PAREDE DA CAIXA DE CORRIDA:

72