Você está na página 1de 14

Sintaxe de Concordância

AULA 5 A sintaxe de concordância trata dos padrões de combinação entre palavras da


língua. Concordância vem do verbo “concordar”, portanto, refere-se ao acordo
que deve haver entre as palavras tanto na esfera verbal (entre verbo e sujeito)
como nominal (entre nomes, pronomes etc).

Para não se confundir com as variáveis de concordância,


é importante conhecer as normas-padrão da língua

Veja o caso do verbo “haver” e “existir”

Leia o fragmento e observe as formas verbais em destaque:

Há homens que lutam um dia e são bons. Há outros que lutam um ano e são melhores.
Há os que lutam muitos anos e são muito bons. Porém, há os que lutam toda a vida. Estes são
imprescindíveis.
Bertold Brecht, dramaturgo alemão (1898-1956).

As regras de concordância devem se adequar às características especiais do verbo “ha-


ver” que com sentido de “existir” é impessoal e apresenta apenas terceira pessoa do singular,
mesmo quando acompanhado por nomes no plural, como é o caso do exemplo “homens”. Por-
tanto: “Há homens”.
Curiosamente, se o verbo “haver” fosse substituído pelo verbo “existir”, a regra de concor-
dância voltaria a seguir a regra padrão em que as formas do verbo devem combinar com o plural.
Veja como ficaria o texto: “Existem homens que lutam um dia e são bons. Existem outros que lu-
tam um ano e são melhores. Existem os que lutam muitos anos e são muito bons. Porém, existem
os que lutam toda a vida. Estes são imprescindíveis”.

Língua Portuguesa 2 - Aula 5 53 Instituto Universal Brasileiro


Estudo da Sintaxe de Concordância
Conceito de concordância A teoria da concordância, (sobretu-
Concordância é o princípio segundo o do, em sua evolução histórica) e demons-
qual um termo dependente se adapta às fle- tra perfeitamente esta diferença funda-
xões do seu principal. Isto significa que a pa- mental entre as duas disciplinas.
lavra dependente (regida) deve tomar sempre Suponhamos que um aprendiz de
o gênero, o número e a pessoa da principal estilo escreve uma frase destas: “Dá um
(regente). Esta conformidade de flexão - de aspecto interessante, os prédios com
gênero, número e pessoa - que deve existir as janelas cheias de luz”. Um gramático
entre o substantivo e o adjetivo que o modifi- censura logo a frase e aponta a falta de
ca, entre o verbo e o seu sujeito, denomina-se concordância entre o verbo e o sujeito: -
concordância. Aquele dá está errado: devia escrever-se
Há dois tipos de concordância: dão. O técnico do estilo não se deixa le-
• Verbal - do verbo com o seu sujeito. var por esse argumento, e procura, com
O caso da concordância verbal diz respeito ao base na psicologia, esclarecer aquela in-
verbo em relação ao sujeito, o primeiro deve fração. Quem assim escreveu como que
concordar em número (singular ou plural) e antecipou a sua visão e considerou não
pessoa (1ª, 2ª, 3ª) com o segundo. os prédios na sua variedade, mas no seu
• Nominal - do adjetivo (do nome, conjunto. Daí o emprego do singular pelo
pronome, artigo ou numeral) com o subs- plural.
tantivo a que se refere. A concordância no- LAPA, M. Rodrigues. Estilística da Língua
minal diz respeito ao substantivo e seus ter- Portuguesa. São Paulo, Martins Fontes, 1982.
mos referentes: adjetivo, numeral, pronome,
artigo. Essa concordância é feita em gênero
(masculino ou feminino) e pessoa.
Tanto a concordância verbal como a
nominal podem ser consideradas como fer-
ramentas essenciais para a construção ade-
É muito comum detectar erros de
quada de um texto. Existem as regras gerais,
concordância em placas informais.
mas há também alguns casos especiais que
devem ser estudados particularmente, pois
podem gerar dúvidas quanto ao uso.
Leia e reflita:

O “erro” de concordância
Uma das coisas que mais profunda-
mente distinguem a gramática da estilís-
tica é o conceito de erro: ao contrário do
que sucede na gramática, em estilística
não há propriamente erros, porque para
os maiores desvios é achada uma determi-
nante psicológica, natural. A estilística tem
por missão explicar, esclarecer; enquanto
a gramática sistematiza e impõe normas,
muitas vezes com rigidez excessiva.

Língua Portuguesa 2 - Aula 5 54 Instituto Universal Brasileiro


Além dos erros ortográficos, a placa Regra geral
mostra uma falha na concordância, visto
que há mais de um produto sendo anun- O verbo concorda com seu sujeito
ciado. O verbo, acompanhado pela par- em pessoa e número. Em geral, o verbo
tícula apassivadora “se”, deve concordar se conjuga no singular, quando o substan-
com o sujeito e, assim, a maneira correta tivo que constitui o sujeito da oração está
seria: Vendem-se pastel, coxinha, ca- no singular; e no plural, quando este se
chorro-quente, bolo e suco. acha no plural.
Exemplos:

• Eu vou a São Paulo.


• Paulo vai a São Paulo.
• Eles vão a São Paulo.

Significado de Gramática
Sabemos que o sujeito de uma oração
Conjunto de princípios que regem pode ser simples ou composto, conforme se
o funcionamento de uma língua. A gra- constitua de um ou mais núcleo. Como este
mática orienta como as palavras podem fato determina, em grande parte, a concor-
ser combinadas ou modificadas para dância verbal, estudaremos separadamente a
que as pessoas possam comunicar-se concordância do verbo com sujeito simples e
com facilidade e precisão. Não é preciso com o sujeito composto.
que uma língua possua escrita para ser
dotada de gramática. As línguas indíge-
nas, por exemplo, embora sejam apenas Regras especiais de concordância
faladas, têm seus próprios princípios de do verbo com sujeito simples
funcionamento.
1. Substantivo coletivo
Significado de Estilística
Quando o sujeito é um substantivo coletivo,
Estudo científico dos processos de acompanhado por uma locução adjetiva, no plu-
estilo; método de análise e crítica literária ral, pode o verbo ir para o singular, concordando
ou artística que se detém no estilo. / Arte com o sujeito gramatical, ou ir para o plural, con-
de bem escrever. cordando com a locução adjetiva. Veja:
Aurélio Online - Dicionário da Língua Portuguesa.
• A maioria das laranjas apodreceram.
• A maior parte dos soldados pereceu.
Concordância verbal • Mais da metade dos livros foram
vendidos.
A pessoa e o número em que o verbo
se encontra na oração são determinados pela
pessoa e número do sujeito da oração. 2. Preço ou quantidade

Quando o sujeito da oração exprime pre-


Alugam-se
(verbo)
ço ou quantidade, e a oração encerra uma
ideia de falta ou de sobra, a concordância se
Apartamentos faz de maneira especial: mesmo que o sujei-
(sujeito)
to se ache no plural, o verbo fica no singular.
Veja o exemplo a seguir:
Língua Portuguesa 2 - Aula 5 55 Instituto Universal Brasileiro
5. Verbo ser
• Vinte contos é muito dinheiro.
• Seis anos era muito tempo. • Nos predicados nominais, normal-
mente, concorda com o predicativo.
Atenção. Se a quantidade é resul-
tado de fatoração ou produto, o verbo vai • A cama eram umas palhas arrumadas
para o plural. (395 são 300 mais 95.) no chão.
• Tudo foram mentiras.

3. Adjunto adverbial de companhia • Em se tratando de sujeito representa-


do por um substantivo próprio ou pronome
Se o sujeito simples, no singular, vier pessoal, o verbo ser concordará com ele.
acompanhado na oração de um adjunto adver-
• Maria era as alegrias do pai.
bial de companhia, o verbo pode ir para o plu-
ral, indicando igualdade de cooperação entre
o sujeito e o adjunto adverbial. Se quisermos
ressaltar a ação do sujeito, colocamos o verbo
no singular.

• O capitão com seus soldados entra-


ram na cidade.
• O rei, com seus cavaleiros, partiu para
a fronteira.

4. Sujeito plural na forma


e singular na ideia

Quando o sujeito é plural na forma e sin-


gular na ideia, o verbo fica no singular.
• O Amazonas deságua no Atlântico.
• Campinas constitui o berço de Carlos
Gomes. Empregando o verbo ser impessoal-
mente (sujeito inexistente), a concordância
se fará com o predicativo.
• Eram seis horas.
• Já é meio-dia.
Quando os nomes que exprimem coleti-
vidade vêm precedidos por artigo, o verbo vai • Era uma hora da tarde.
obrigatoriamente para o plural; caso contrário,
se mantém no singular. Mas, o verbo "ser", impessoal, quando
seguido das expressões perto de, cerca de
• Os Estados Unidos possuem um e um numeral, poderá ficar tanto no singu-
extenso território. lar como no plural.
• Os Andes ficam na América do Sul.
• Era cerca de cinco horas.
• Minas Gerais tem muitas cidades
turísticas. • Eram cerca de cinco horas.

Língua Portuguesa 2 - Aula 5 56 Instituto Universal Brasileiro


6. Verbos haver e fazer o substantivo mais próximo estiver no singular;
poderá também tomar a forma do plural.
Atenção com os verbos haver e fazer
• Passeava no jardim o menino e seus
impessoais: verbo haver (no sentido de existir coleguinhas. (verbo concorda com o sujeito
ou indicando tempo decorrido) e verbo fazer mais próximo - menino)
(indicando tempo decorrido) devem ficar na 3ª
pessoa do singular.
3. Sujeito resumido por palavra
• Havia sérios compromissos. no singular
• Faz dez anos que não o vejo.
Quando o sujeito composto vier resu-
mido por uma palavra no singular, como tudo,
nada, nenhum etc., o verbo deverá perma-
necer no singular.
• Tristeza, alegrias, tudo passa neste
mundo.
O verbo existir não é impessoal, por-
tanto, segue a regra geral. • Funcionários, clientes e seguranças,
ninguém se moveu.
• Existia um forte motivo.
• Existiam milhares de motivos. 4. Expressões “um e outro”, “nem
um nem outro” como sujeito

7. Verbos dar, bater e soar As expressões um e outro, nem um


nem outro, quando sujeitos, seguidas ou não
Quando usados na indicação de horas, de substantivo, admitem o verbo indiferente-
possuem sujeito (relógio, hora, horas, badala- mente no singular ou no plural.
das...), e com ele devem concordar.
• Nem um nem outro cumpriu (ou cum-
priram) a promessa.
• O relógio deu duas horas.
• Um e outro descendiam (ou descen-
• Soaram duas horas no relógio da igreja. dia) de famílias nobres.

5. Expressão “mais de um”


Regras de concordância do verbo
com o sujeito composto Quando o sujeito da oração é a expres-
são mais de um, seu verbo ficará no singu-
1. Sujeito anteposto lar. Entretanto, se expressar reciprocidade, o
verbo irá para o plural.
Em geral, o verbo que constitui o predi-
• Mais de uma pessoa morreu aqui, nas
cado de uma oração de sujeito composto vai
mesmas circunstâncias.
para o plural.
• Mais de um dos vencedores se cum-
• O menino e a mãe passeavam no jardim. primentaram. (cumprimentaram um ao outro
• O rei e os cavaleiros foram à caça. = reciprocidade).
Sendo sujeito a expressão mais de
2. Sujeito posposto dois, mais de três etc., o plural será obri-
gatório. Veja:
Quando o sujeito composto vier depois do • Mais de três alunos foram reprovados.
verbo, este poderá permanecer no singular, se
Língua Portuguesa 2 - Aula 5 57 Instituto Universal Brasileiro
6. Elementos do sujeito composto 2. Pronome “quem”
ligados por conjunção
a) Quando o sujeito da oração é o pro-
Podem ter o verbo no singular ou no nome quem, o verbo deverá ir para a terceira
plural. Quando esta conjunção alternativa for pessoa do singular ou plural.
empregada com ideia de exclusão o verbo
ficará no singular. Em caso contrário, irá para • Fui eu quem falou.
o plural. • Fomos nós quem falaram.
• Ou Pedro ou Paulo será escolhido
b) Se a oração for iniciada pelo pronome
para fazer o discurso. (ideia de exclusão)
quem e terminada por um pronome pessoal, o
• A inveja ou o despeito levaram Paulo verbo ficará na 3ª pessoa do singular.
a zangar-se. (não há exclusão)
• Quem assumirá o comando será nós.
Se a conjunção ou vier ligando pa-
lavras sinônimas, o verbo deverá ficar no • Quem escreveu fui eu.
singular. Veja
• A leucemia ou leuquemia é uma c) Quando o escritor quiser tornar o sen-
doença muito perigosa. tido da frase mais explícito, ou quiser dar-lhe
ênfase, o verbo poderá vir na mesma pessoa
do pronome pessoal que precede o pronome
"quem".
Outros casos especiais de concordância
• Não fui eu quem falei com o professor.
1. Partícula “se” • És tu quem protestas.

a) Partícula apassivadora: o verbo O pronome "quem" pode referir-se a


(transitivo direto) concordará com o sujeito mais de uma pessoa, indo para o plural:
passivo. Veja os exemplos abaixo: • Quem foram os vencedores?

Vende-se este 3. Pronome relativo “que”


carro. (singular)
a) Quando o sujeito é o relativo "que", o
verbo concorda com seu antecedente em nú-
mero e pessoa. Veja os exemplos:
• O aluno que estuda é sempre bem-
-sucedido.
Vendem-se • Os alunos que estudam são sempre
carros. (plural) bem-sucedidos.
• Ele, que sempre estudou, será bem
sucedido.
• Eu, que nunca frequentei escola, sei
b) Índice de indeterminação do sujei- mais que você.
to: o verbo (transitivo indireto) ficará, obrigato-
riamente, no singular. b) Quando o relativo "que" tiver função de
sujeito e vier precedido do demonstrativo "o",
• Precisa-se de secretárias. com função de complemento do verbo "ser", o
• Confia-se em pessoas honestas. verbo que segue o relativo irá para a 3ª pessoa
ou concordará com o sujeito do verbo "ser".
Língua Portuguesa 2 - Aula 5 58 Instituto Universal Brasileiro
f) Sendo o antecedente do relativo res-
• Fui eu o que falou. tringido por um adjunto adnominal no plural,
• Fui eu o que falei. o verbo poderá ficar no singular, concordando
com um, ou ir para o plural, concordando com
Nota. Nossos gramáticos preferem o adjunto adnominal:
a primeira concordância - “Fui eu o que
falou”. • Um dos alunos que não fez o trabalho
foi Pedro.
c) Estando elíptico o demonstrativo "o", • Um dos alunos que não fizeram o
é obrigatória a concordância do verbo com o trabalho foi Pedro.
antecedente do que:

• Fui eu que falei. 4. Pronomes indefinidos e interrogativos


• Fomos nós que falamos.
a) Os interrogativos quais e quantos e
Em caso de ser, o antecedente do os indefinidos alguns, quaisquer, muitos,
"que", um substantivo predicativo do verbo poucos etc., quando seguidos dos pronomes
ser, o verbo pode concordar com o predi- pessoais nós ou vós e sendo sujeitos da ora-
cativo ou com o sujeito da oração antece- ção, levam o verbo a concordar em número e
dente (sendo esta a forma preferida). pessoa com os pronomes pessoais.
• Sou o homem que sempre defen-
deu a ordem. • Quantos de nós lutamos pela verdade?

• Sou o homem que sempre defendi • Muitos de nós seremos aprovados.


a ordem.
b) Há que esclarecer, contudo, que o
Observe que no primeiro exemplo mesmo não se dá com o pronome interrogativo
o verbo concorda com o predicativo ho- qual e com o indefinido nenhum. Quando tais
mem, 3ª pessoa do singular; já, no segun-
pronomes, seguidos de "nós" ou "vós", desem-
do, com o sujeito do verbo ser, eu, que
está oculto. penham a função de sujeito, o verbo da oração
toma a forma da terceira pessoa do singular,
concordando, portanto, com qual e nenhum.
d) Quando o relativo não tiver antece-
dente determinado, iniciando-se a frase pelo • Qual de nós luta pela verdade?
demonstrativo "o" havendo, ao final, o verbo • Nenhum de vós tem caridade!
ser seguido de pronome pessoal, o verbo
concordará, por atração, com este último: c) Quando o sujeito é cada ou cada qual,
o verbo vai para o singular, se a ação é praticada
• O que falou primeiro fui eu. por um só indivíduo, ou para o plural, se por todos:

e) Quando o pronome relativo que vem • Cada qual prestou grandes serviços à
precedido por um dos, uma das, o verbo da Pátria, quando a defenderam dos inimigos.
oração cujo sujeito é tal pronome vai para o Quando os vários sujeitos vierem
singular ou plural, conforme a ação seja prati- precedidos de cada, o verbo deverá per-
cada por um ou mais seres. manecer no singular. Veja:
• Cada gesto, cada sorriso seu reve-
• Entre meus amigos, Mário é um dos
lava todo o afeto que tinha para oferecer.
que mais estudam.
Se o sujeito composto indicar uma
• Uma das coisas que me fez sofrer foi
enumeração e for seguido por cada um, o
constatar sua moléstia.

Língua Portuguesa 2 - Aula 5 59 Instituto Universal Brasileiro


verbo também ficará no singular. Se o su-
jeito plural ou composto vier seguido de
cada um, o verbo irá para o plural.

Som e Iluminação
5. Porcentagem para festas e eventos

O sujeito apresentando apenas a forma


numérica de uma porcentagem faz com que A concordância nominal nada mais é
o verbo concorde com o numeral. Se a ex- que o ajuste que fazemos aos demais termos
pressão numérica vier seguida de substantivo da oração para que concordem em gênero e
o verbo poderá concordar com o numeral ou número com o substantivo. Teremos que ajus-
com o substantivo. tar, portanto, o artigo, o adjetivo, o numeral e o
pronome. A concordância nominal apresenta
• Vinte por cento da população mundial inúmeras particularidades, mas nesta aula va-
ainda vive em extrema pobreza.
mos concentrar a atenção apenas nos exem-
• Apenas 5% dos municípios têm abrigo plos mais significativos.
para moradores de rua.
Regra geral. O artigo, o adjetivo, o
numeral e o pronome concordam em gê-
Concordância nominal nero e número com o substantivo.

Observe as placas: Veja os exemplos:

• A pequena criança é uma gracinha.


Salgados • O garoto que encontrei era muito gen-
Frito til e simpático.
na Hora
A concordância é nominal quando se
opera entre o substantivo e a palavra regida
por ele, que pode ser outro substantivo, ou ad-
jetivo, ou um numeral, ou pronome.

Concordância do adjetivo
com o substantivo
Som e Iluminação
para festas e evento Regra geral. O adjetivo, palavra regi-
da pelo substantivo, deve concordar com
este em gênero e número. Isto significa
Para corrigirmos os erros de concordân-
que um substantivo feminino e no singular,
cia que aparecem nessas placas, deveríamos
por exemplo, deve ter como modificador
escrever:
um adjetivo no feminino e no singular.

Salgados 1. Adjetivo modifica dois ou


Fritos mais substantivos
na Hora
Quando um adjetivo modifica dois ou
mais substantivos, de mesmo gênero e no
Língua Portuguesa 2 - Aula 5 60 Instituto Universal Brasileiro
singular, toma o gênero deles e pode ir para o 4. Adjetivo se refere a substantivos
singular ou para o plural. de gênero e número diferentes
• A roseira e a mangueira floridas ale-
gram o quintal. Referindo-se o adjetivo a vários substanti-
vos de gênero e número diferentes, pode concor-
• A poesia e a prosa brasileira têm em dar com o mais próximo ou ir para o masculino
Carlos Drummond de Andrade um grande re- plural, o que ocorre mais frequentemente.
presentante.
• Com palavras e gesto brusco, o pai
censurou os filhos.
2. Adjetivo se refere a substantivos de
mesmo gênero e números diversos • Muitas moças e rapazes educados
rodopiavam pelo salão.
Quando os substantivos são do mesmo
gênero e de números diversos, o adjetivo 5. Substantivos sinônimos
que os modifica conserva o gênero (feminino
ou masculino) e vai para o plural. Se tiverem a mesma significação, o adje-
tivo concordará com o mais próximo.
• As maldições se cumpriam no povo e
gente hebreia.

6. Substantivos constituem
enumeração ou gradação

Recebo-a com O adjetivo que os modifica concorda com o


o coração e os mais próximo. Veja um exemplo de gradação:
braços abertos. • Ela faz seus trabalhos com um capri-
cho, um amor, uma severidade tremenda.

7. Adjetivo anteposto

3. Adjetivo modifica substantivos no Se o adjetivo vier anteposto a dois ou mais


singular de gêneros diferentes substantivos comuns, a concordância se fará, em
regra, com o substantivo que fica mais próximo.
Se um adjetivo modificar vários substan-
• Ela conservou intacta a carta e as flo-
tivos no singular, mas de gêneros diferentes, res que ele lhe ofereceu.
concordará com o mais próximo em gênero e
número, caso os preceda; se estiver depois Se os substantivos forem próprios, o
deles, poderá concordar com o último ou ir adjetivo irá para o plural. Veja:
para o masculino plural. • Estudai os grandes Aristóteles e
Platão.
• O menino ouvia a história com profun-
da atenção e interesse.
8. Adjetivo posposto
• O menino ouvia a história com aten-
ção e interesse profundo.
Quando dois ou mais adjetivos no sin-
• O menino ouvia a história com aten- gular modificam um mesmo substantivo, este,
ção e interesse profundos. se posposto, pode ficar no singular ou ir
para o plural. Veja o exemplo a seguir:
Língua Portuguesa 2 - Aula 5 61 Instituto Universal Brasileiro
• Ele fala da média e rica classe ou Ele
fala da média e rica classes.

O mesmo se dá com os numerais or-


dinais:
As regras que acabamos de citar,
• Ele ocupa o primeiro e segundo com relação à concordância do adjetivo
andar ou andares. com o substantivo, podem, contudo, ser
resumidas em poucas palavras:
Ainda dentro desta regra, estando o
substantivo antes dos adjetivos e se o úl- Diante de vários substantivos, o ad-
timo adjetivo estiver precedido de artigo, o jetivo, que os modifica, ou toma o gênero
substantivo ficará no singular. Exemplos: deles, quando todos pertencem ao mes-
mo gênero, indo para o plural, ou toma
• Ele estuda a língua inglesa e a a forma do masculino plural, quando são
francesa. de gêneros diferentes, podendo também
• Passe-me a tinta azul e a vermelha. concordar em gênero e número com o
substantivo mais próximo.
Em caso de o último adjetivo não vir
precedido de artigo, o substantivo irá para
o plural. Exemplos:
• Passe-me as tintas azul e vermelha.
• Os poderes legislativo e executivo.
Adjetivos indicativos de cores

9. Adjetivos regidos da preposição de • Quando a palavra que indicar cor for re-
presentada por um adjetivo, deverá concordar
Os adjetivos regidos da preposição de, em gênero e número com o substantivo a que
que se referem a pronomes neutros indefini- fizer referência. A regra vale também para os
dos (nada, muito, algo, tanto, etc.), geral- adjetivos compostos.
mente ficam no masculino singular, mas, • O corpo apresentava manchas ver-
por atração, podem concordar com o substan- melhas.
tivo sujeito.
• Pontos negros cobriam o céu de
• Júlia tem algo de misterioso. Porto Velho.
• Ele usa camisas verde-escuras.
Fazendo a concordância com o su-
jeito, diremos: • A menina tem olhos azul-claros.
• Júlia tem algo de misteriosa.
• Caso a palavra que indica cor repre-
sentar um substantivo, ele não deverá ser fle-
xionado. A regra se aplica também aos adjeti-
10. Com os pronomes adjetivos vos compostos.
“um e outro”
• Ganhamos duas almofadas cinza.
É regra que o substantivo que os prono- • Sempre aparecia de gravatas creme.
mes modificam fique no singular e o adjeti-
• Estava na moda tecidos verde-limão.
vo que se refere a tais substantivos vá para o
plural. • Todos admiravam as águas azul-
turqueza.
• Uma e outra coisa juntas.

Língua Portuguesa 2 - Aula 5 62 Instituto Universal Brasileiro


• Os compostos “azul-marinho” e “azul- ► Adjetivo (meio/meia - variável)
celeste” se apresentam como invariáveis.
• Tomou meio litro de leite.
• Os mais velhos preferem ternos • Estarei em sua casa dentro de meia hora.
azul-marinho.
• Blusas azul-celeste combinam com ► Advérbio (meio - invariável)
essas saias.
• Deixei a porta meio aberta.
• A menina, meio escondida entre as ár-
vores, espiava a chegada dos primos.
Casos especiais

1. Sempre variáveis

a) Leso, incluso e anexo. Adjetivos que


devem concordar com o substantivo que mo-
Meio-dia e meia
dificam, em gênero e número.
A gramática orienta o
• Calabar cometeu um crime de lesa-pátria. uso da expressão "meio-dia
e meia", em que o adjetivo
• Inclusos, remeto-lhe os recibos.
meia concorda com o subs-
• Segue anexa a esta carta a quantia tantivo feminino e singular hora, subentendi-
que me emprestou. do na frase: "meio-dia e meia hora."

b) Próprio, obrigado, quite. Concor- b) Mesmo. Pode desempenhar a função


dam com o substantivo a que se referem. de pronome adjetivo, de pronome substan-
tivo e de advérbio.
• Ela fez a própria mala. • Eu mesma fiz isto. (pronome adjetivo: con-
• Eles responderam aos próprios e-mails. corda em gênero e número com a referida pessoa)

• Paulo fez o mesmo. (pronome substan-


tivo = a mesma coisa: invariável)
• Obrigado, disse o rapaz.
• Paulo fez mesmo isto. (advérbio = real-
• Ela não se cansava de dizer obrigada. mente: invariável)

c) Só. Pode trazer alguma dificuldade


• Estou quite com minhas dívidas. em sua concordância. Quando é advérbio
• Eles estão quites com o serviço militar. tem sentido de “apenas, somente” e é invariá-
vel. Quando é adjetivo tem o sentido de “so-
zinho” e é variável.
2. Ora variáveis, ora invariáveis • Só consegui comprar uma passagem.
(advérbio)
a) Meio. Quanto ao adjetivo meio, que
aparece em compostos, como meio-dia, • Estiveram sós durante horas. (adjetivo)
meia-noite, meia-língua, é necessário,
para efetuar corretamente sua concordân- d) Possível. Como adjetivo posposto a
cia. E saber distingui-lo do advérbio meio um superlativo relativo no plural, permanece
que é invariável. invariável. Quando acompanhado de “mais”,
Língua Portuguesa 2 - Aula 5 63 Instituto Universal Brasileiro
“menos”, “melhor” ou “pior”, acompanha o arti-
• Ingerir menos comida ajuda a perder peso.
go que precede as expressões (variável).
• Ele estava sempre alerta ao menor sinal.
• Estas verduras são as mais frescas
• Todas as regras, exceto essa, afirmam
possível. (superlativo relativo: invariável)
a mesma coisa.
• Foram feitas as melhores tentativas
possíveis. (variável)

e) Bastante. Como advérbio é invariá-


vel; como pronome segue a regra geral.
• Fiquei bastante contente com a pro- Estudo da Sintaxe de Concordância
posta de emprego. Conceito de concordância
• Seus argumentos foram bastantes Concordância é o princípio segundo o
para me convencer. qual um termo dependente se adapta às flexões
do seu principal. Isto significa que a palavra de-
f) Locuções. É bom, é necessário, é pendente (regida) deve tomar sempre o gênero,
proibido etc. o número e a pessoa da principal (regente). É
a conformidade de flexão - de gênero, número
► Quando o substantivo sujeito não e pessoa -, que deve existir entre o substantivo
vem determinado pelo artigo, tem sentido ge- e o adjetivo que o modifica, entre o verbo e o
ral, absoluto, e a concordância se faz não com seu sujeito, denomina-se concordância. Há dois
a forma gramatical da palavra, mas com o fato tipos de concordância: verbal e nominal.
que se tem em mente.
Concordância Verbal - do verbo com
• Água de melissa é muito bom. o seu sujeito
• É necessário gramática. Regra geral. O verbo concorda
• É proibido entrada. com seu sujeito em pessoa e número.
Em geral, o verbo se conjuga no singu-
► Se o substantivo sujeito vier determi- lar, quando o substantivo que constitui o
nado pelo artigo, numeral, adjetivo ou prono- sujeito da oração está no singular; e no
me adjetivo (e, neste caso, já não está sendo plural, quando este se acha no plural.
tomado em sentido geral), a concordância se
fará normalmente. Veja os exemplos: Concordância Nominal - do adjetivo
(do nome, pronome, artigo ou numeral)
• A água de melissa é muito boa. com o substantivo a que se refere
• É necessária a gramática. Regra geral. O artigo, o adjetivo, o
• É proibida a entrada. numeral e o pronome concordam em gêne-
ro e número com o substantivo. A concor-
dância é nominal quando se opera entre o
3. Sempre invariáveis substantivo e a palavra regida por ele, que
pode ser outro substantivo, ou adjetivo, ou
a) Pseudo. Significa falso e é um adjetivo de um numeral, ou pronome.
origem grega. Não varia, ou melhor, só possui esta
forma, não se operando, por conseguinte, nenhu- Casos especiais:
ma concordância com o substantivo que o rege. • Sempre variáveis: leso, incluso e
anexo; próprio, obrigado, quite.
• O conferencista criticou duramente os • Ora variáveis, ora invariáveis: meio;
pseudo-intelectuais e pseudo-artistas. mesmo; só; possível; bastante; é bom, é ne-
cessário, é proibido.
• Sempre invariáveis: pseudo; menos,
b) Menos, alerta, exceto. Em todas as alerta, exceto.
ocasiões são invariáveis. Veja:
Língua Portuguesa 2 - Aula 5 64 Instituto Universal Brasileiro
4. Assinale a alternativa com os nomes
que completam corretamente as frases.

Será que é ___________________ essa


confusão toda? (necessário/ necessária)
1. (FUVEST. Adaptada) Leia a frase
abaixo e considere as afirmativas corretas. Quero que todos fiquem ____________.
(alerta/ alertas)
Na reunião do Colegiado, não faltou,
Houve _______________ razões para eu não
no momento em que as discussões se torna-
voltar lá. (bastante/ bastantes)
ram mais violentas, argumentos e opiniões
veementes e contraditórias.
A dona do imóvel ficou ______________
I - Não há erros nem de concordância desiludida com o inquilino. (meio/ meia)
verbal, nem de concordância nominal.
II - Há erro de concordância verbal em a) ( ) necessário - alertas - bastante -
“não faltaram” que deve concordar com o su- meia.
jeito “argumentos e opiniões”.
b) ( ) necessária - alerta - bastantes -
III - A concordância nominal em “argu-
mentos e opiniões veementes e contraditó- meio
rias” é válida. c) ( ) necessário - alerta - bastante -
meio.
a) ( ) Apenas I está correta. d) ( ) necessária - alertas - bastantes -
b) ( ) I e II estão corretas. meia.
c) ( ) II e III estão corretas.
d) ( ) Apenas II está correta. 5. Em "Dançam a bailarina e o profes-
sor" indique a única construção em que não
2. Assinale a alternativa em que as for- há concordância.
mas verbais completam corretamente a frase.
a) ( ) A bailarina e o professor dançam.
__________ apenas dois meses que b) ( ) Dança a bailarina e o professor.
estava desempregado e mais de uma pro-
c) ( ) Dança o professor e a bailarina.
posta de emprego ___________ ; porém,
______________ motivos pessoais que o le-
d) ( ) A bailarina e o professor dança.
varam a recusá-las.
6. Assinale a alternativa correta quanto à
a) ( ) Fazia - apareceu - devia haver. concordância verbal.
b) ( ) Faziam - apareceu - deviam haver.
c) ( ) Fazia - apareceram - devia haver. a) ( ) A salvação foi os amigos.
d) ( ) Faziam - apareceram - deviam haver. b) ( ) Era dez horas.
c) ( ) Três dias são muito.
3. Considerando a concordância verbal, d) ( ) Luís é as alegrias daquela casa.
entre as alternativas abaixo, assinale apenas
a que não está correta. 7. Somente uma das alternativas abaixo
não respeita as normas de concordância no-
a) ( ) Um terço dos contribuintes pagou minal. Aponte-a.
adiantado.
b) ( ) Mais da metade dos alunos desistiram. a) ( ) Laranja é bom para a saúde.
c) ( ) A maior parte do eleitorado vota- b) ( ) A laranja é boa para a saúde.
ram em branco. c) ( ) Comprou algumas gravatas cinza.
d) ( ) Um grande número de pessoas d) ( ) Estes lenços rosas foram todos
atendeu ao nosso pedido. vendidos.
Língua Portuguesa 2 - Aula 5 65 Instituto Universal Brasileiro
4. b) ( x ) necessária - alerta - bastan-
tes - meio
Comentário. Vamos rever os casos es-
peciais de concordância nominal. Entre as pa-
lavras e expressões que são ora variáveis,
1. c) ( x ) II e III estão corretas. ora invariáveis estão: meio; mesmo; só;
Comentário. A alternativa c está corre- possível; bastante; é bom, é necessário, é
ta. Há um erro de concordância verbal muito proibido. Vamos ver a aplicação nas frases.
comum quando o sujeito vem distanciado e A palavra meio permanece invariável quan-
depois como é o caso de “não faltaram” que do é empregada como advérbio de intensi-
deve concordar com o sujeito “argumentos e dade; portanto o correto é “meio desiludi-
opiniões”. A concordância nominal em “argu- da”. Bastante, como advérbio é invariável;
mentos e opiniões veementes e contraditó- como pronome segue a regra geral, portan-
rias” é válida, já que os adjetivos podem ser to, neste caso, vai para o plural: “bastantes
aplicados respectivamente aos substantivos. razões”. A expressão é necessário, quan-
Neste caso teríamos: “argumentos veemen- do o substantivo sujeito vier determinado
tes” e “opiniões contraditórias”. pelo artigo, numeral, adjetivo ou pronome
(essa), a concordância se fará normalmen-
2. a) ( x ) Fazia - apareceu - devia te: “será que é necessária essa confusão
haver. toda?”. A palavra alerta não deixa dúvidas:
Comentário. Neste caso, todas as for- é sempre invariável.
mas verbais fazem a concordância no sin-
gular, portanto a alternativa a apresenta as 5. d) ( x ) A bailarina e o professor
formas corretas. Vamos rever as regras! Os dança.
verbos haver e fazer impessoais: verbo fa- Comentário. O sujeito composto co-
zer (indicando tempo decorrido) e verbo ha- locado antes do verbo pede a flexão desse
ver (no sentido de existir ou indicando tem- mesmo verbo no plural. A forma correta é: “A
po decorrido) devem ficar na 3ª pessoa do bailarina e o professor dançam”.
singular. Atenção: a regra vale para formas
compostas e nestes casos a 3ª pessoa do 6. d) ( x ) Luís é as alegrias da casa.
singular se aplica ao verbo auxiliar como em Comentário. A única alternativa correta
“devia haver”. Quando o sujeito da oração é a é a d. Quando o sujeito é personificação (pa-
expressão mais de um, seu verbo ficará no lavra que indica pessoa ou pessoas, no caso
singular. “Luís”), o verbo ser deve concordar com esse
sujeito. As demais estão incorretas. Na alter-
3. c) ( x ) A maior parte do eleitorado nativa c, como o sujeito exprime quantidade,
votaram em branco. a concordância se faz de maneira especial:
Comentário. Quando o sujeito é um o verbo fica no singular: “Três dias é muito”.
substantivo coletivo, acompanhado por Na alternativa a, o verbo "ser" deve concordar
uma locução adjetiva, no plural, o verbo com o predicativo: “A salvação foram os ami-
pode ir para o singular, concordando com gos”. Empregando o verbo ser impessoalmen-
o sujeito gramatical, ou ir para o plural, te (alternativa b), a concordância também se
concordando com a locução adjetiva como fará com o predicativo: “Eram dez horas”.
nas alternativas a, b e d. Na alternativa c a
expressão partitiva a maior parte de, vem 7. d) ( x ) Estes lenços rosas foram
acompanhada de especificação no singu- todos vendidos.
lar, portanto, exige, na concordância gra- Comentário. A expressão cor-de-rosa
matical, o verbo no singular. A forma cor- é invariável, mesmo quando não é emprega-
reta é: A maior parte do eleitorado votou da em sua forma completa, portanto: “Estes
em branco. lenços rosa foram todos vendidos”.
Língua Portuguesa 2 - Aula 5 66 Instituto Universal Brasileiro