Você está na página 1de 2

Marcelo Sant’Anna da Silva

Rodovalho, Robson. Bíblia: verdade ou ficção? / Robson Rodovalho.


Brasília: Sara Brasil Edições, 2006. 48p., 2ª edição.

A um momento na vida que devemos nós perguntar se a Bíblia e uma farsa


ou realmente revelação de Deus? Essa pergunta e referente a um tema muito
importante no cristianismo. Num dado momento da vida nós devemos realizar
mudanças em nossas vidas, através de decisões. Em uma dessas decisões e se
vamos crer ou não na Bíblia, fazendo a pergunta se ela e realmente uma farsa ou
revelação de Deus?

Devemos analisar e compreender a Bíblia, nos contextos se ela e realmente


a palavra de Deus, ou nós teremos edificação espiritual e bons princípios, ou
sendo uma farsa devemos esquecer e abandonar a mesma.

Uma maneira para se entender melhor e a uma conclusão, devemos fazer


uma abordagem histórica, geológica e cientifica.

A Bíblia vem do termo “biblos”, que significa livro, sendo composta 66


livros e dividido em duas coletâneas (o Velho testamento e o Novo Testamento).
Contendo estudos de 40 escritores e escrita num período de 1600 anos (1500
a.C. até 100 d.C.). Começou a ser escrita por Moisés que compilou as narrativas
históricas de gerações anteriores.

Observamos uma duvida crescente sobre a veracidade destes textos


compilados por Moisés, tendo uma pergunta que fazemos que seria existir
alguma forma uma segurança científica? Devemos lembrar que a Bíblia Sagrada
chegou a nós em rolos chamados manuscritos, escritos por judeus rabinos.
Sendo que eles chegaram ao mundo em um rolo de 38 livros. Que são os
manuscritos do Mar Morto, que são o achado mais importante do nosso tempo,
segundo o cientista Hardging.

Esses manuscritos foram encontrados por Mohamed Dib, que por sua vez
fora vendidos e chegaram as mãos de Yeshuet Samuel, arcebispo ortodoxo, que
iniciou o estudo do cientifico dos mesmos, para definir a veracidade do que
estava escrito nos manuscritos.

Em 1949, o teólogo Hardging e o padre Holland Des Vox, estudaram


fragmentos dos tecidos de linhos que enrolavam esses pergaminhos, chegando a
conclusão que os mesmos foram escritos entre 30 a.C a 70 a.C. Após polemica
sobre a veracidade das datas, foi feito o teste do carbono 14, identificado a data
que estava coerente coma que foi identificado por Hardging e Holland.

Observamos que a Bíblia possui versões reconhecidas onde temos uma


abordagem cientifica, quanto à veracidade dos manuscritos originais da Bíblia
Sagrada. A versão mais antiga na integra do Velho Testamento é a chamada
Septuaginta (tradução livre para a língua Grega). A versão Latina substitui a do
grego devido ao desuso da língua. No ano de 383 São Jerônimo revisou a Bíblia
latina, e depois fez uma nova tradução do Novo Testamento que foi chamanda
de Vulgata e acrescentou os apócrifos. Em 1516, a Bíblia em grego foi traduzido
por Erasmo, e a tradução foi melhor que a Vulgata, e sendo utilizada pelos
protestantes até hoje.

Possuímos várias comprovações arqueológicas e históricas que atestam a


veracidade da Bíblia, como a descoberta da cidade de Ur local de nascimento de
Abraão, o diluvio como descritos em vasos sumérios, e a arca de Noé encontrada
no Monte Agridage, entre outros exemplos. Temos também cientistas e
pesquisadores Cristãos que comprovam a sua veracidade na teoria Teocêntrica
da Criação do Mundo.

Observamos que existem inúmeras evidências que comprovam a


veracidade das escrituras, mas a vida é o suficiente para mostrar a existência de
um Deus verdadeiro, e que ele se revela através da Bíblia.