Você está na página 1de 82

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO


TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO

MOBI SANTOS
________
MORADIA ESTUDANTIL PRIVADA EM SANTOS

POR

LUIZ FERNANDO GAMARANO

ORIENTAÇÃO
PROF. ME. NELSON GONÇALVES
LUIZ FERNANDO GAMARANO

MOBI SANTOS
________
MORADIA ESTUDANTIL PRIVADA EM SANTOS

Trabalho final de graduação


apresentado como requisito
para obtenção do Título de
Arquiteto e Urbanista pela
Universidade Santa Cecília.

Banca Examinadora
"O mais importante não é a
arquitetura, mas a vida, os
amigos e este mundo injusto
que devemos modificar".

Oscar Niemeyer
"Dedico este trabalho ao
meu Pai João Álvaro
Gamarano, meu grande
incentivador."
1
APRESENTAÇÃO

1.1 INTRODUÇÃO..................................1 4

1.2 OBJETIVO GERAL............................1 5

1.3 OBJETIVOS ESPECÍFICOS..............15

1.4 JUSTIFICATIVA................................16 2
1.5 METODOLOGIA................................17 ANÁLISE DE MORADIAS

2.1 DEMANDA................................................................... .....19

3 2.2 HABITAÇÃO ESTUDANTIL INTERNACIONAL...................2 5

OBRAS DE REFERÊNCIA 2.3 MORADIAS ESTUDANTIS NO BRASIL..............................25

3.1 MORADIA TOCANTINS......................3 6 2.4 CIDADE DE SANTOS........................................................2 6

3.2 TIETGENKOLLGIET ..........................37

3.3 HABITAÇÃOLCAMPINAS...................38

4 5
DIAGNÓSTICO
PROJETO
4.1 LOCALIZAÇÃO............................ 40
5.1 PROGRAMA DE NECESSIDADES...................................53
4.2 ENCRUZILHADA.........................41
5.2 MEMORIAL JUSTUFUCATIVO.........................................54
4.3 USO DO SOLO............................48
5.3 DESENHO TÉCNICO.......................................................56
4.5 LEGISLAÇÃO..............................49
5.4 CONFORTO AMBIENTAL................. ................................57

5.5 SISTEMA CONSTRUTIVO................................................65

5.6 3D E VISTAS....................................................................67

6
CONCLUSÃO

CONSIDERAÇÕES FINAIS..............80

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS..81
1. APRESENTAÇÃO
14

1. APRESENTAÇÃO
1.1 Introdução

Atualmente, a Moradia Estudantil passa a ser um tema de fundamental


importância, jovens brasileiros lutam pela garantia de permanência em
Instituições de Ensino Superior (IES) privado. Segundo dados do Censo,
realizado em 2017, o número de matriculas entre 2007 e 2017 aumentou
56,4%. As IES privadas têm uma participação de 75,3% (6.241.307) no total de
matrículas de graduação. A rede pública, portanto, participa com 24,7%
(2.045.356). Com base nos dados, concluímos que universidades privadas
detém a maior parte das matrículas.

A crescente demanda parte de programas sociais estudantis como o


Universidade Para Todos (PROUNI), o Financiamento Estudantil (FIES) e o
Programa de Cotas, facilitando o ingresso. Mesmo com as facilidades, os
universitários escolhem cursos longe de sua cidade ou até mesmo estado.
Geralmente são estudantes de baixa renda que ingressam por meio de
programas sociais e com isso passam a ter dificuldades para arcar com custos
de moradia.

Santos é uma cidade considerada polo universitário, muitos estudantes migram


atrás de uma oportunidade. Entretanto, é umas das cidades mais verticalizadas
do Brasil, aumentando consideravelmente os custos dos imóveis, com isso vem
a dificuldade que os estudantes enfrentam para achar uma moradia ou
república com valores acessíveis.

A escolha do tema aconteceu com base em minhas experiências e interesses


pessoais durante os anos de estudo na universidade. Entre tantas disciplinas,
desenvolvi um interesse especial por Projeto Arquitetônico, pela questão de a
disciplina estar relacionada à habitação, principalmente pelo fato de melhorar
condições ambientais e sociais. "Arquitetura não é apenas uma coisa. Não é
apenas uma arte. ... Tem que lidar com a situação real; tem que fazer algo de
15

bom para a sociedade." - Xiaodu Liu em "What Can Architecture Do? An


Interview with Xiaodu Liu" em ArchDaily.

Por fim, a ausência de moradia estudantil prejudica estudantes, universidades


e o próprio governo com inadimplências. Os problemas citados justificam a
urgência, já que o mercado imobiliário brasileiro não está voltado para soluções
de moradias para estudantes.

1.1 Objetivo Geral

Desenvolver projeto arquitetônico de moradia estudantil no município de


Santos, buscando atender as necessidades físicas e intelectuais, focando em
um público jovem, com diferentes classes sociais, atendendo, prioritariamente,
estudantes cursando ensino superior na cidade. Objetiva-se criar um conjunto
de serviços para contribuição da vida acadêmica e social dos estudantes.

1.2 Objetivos Específicos

 Propor tipologias que atendam perfis e demandas estudantis;


 Estimular o convívio compartilhado para aproximação de pessoas e
trocas de experiências, “Coliving”;
 Projetar apartamentos mobiliados para atender o público estudantil;
 Criar espaço de uso misto na edificação;
 Relacionar espaços em comum;
 Promover conforto ambiental;
 Estudar a necessidade de uma Moradia Estudantil na cidade de
Santos e qual o melhor local para o desenvolvimento;
 Pesquisar referência projetuais, analisando suas potencialidades.
16

1.3 Justificativa

Em um contexto em que o elevado número de alunos beneficiados pelos


programas sociais estudantis nos últimos anos torna-se cada vez mais
necessário desenvolver projetos de moradias que atendam essa demanda em
cidades que tenham um número significativo de universidades.

Regiões que atuam como “Polo Universitário” necessitam urgentemente de


projetos de moradias públicas ou privadas que atendam essa crescente
demanda, evitando que estudantes desistam dos estudos por falta de moradia
acessível e adequada ao perfil estudantil.

Segundo levantamento da Assessoria Econômica do sindicato, as matrículas


em cursos presenciais na rede privada na região da Baixada Santista
cresceram 4,6% em 2014, índice superior ao do Estado de São Paulo (4,3%).
Em 2013, eram 44.012 alunos matriculados no ensino superior particular e, em
2014, esse número passou a 46.044.

A busca por apartamentos próximos as faculdades de Santos para formação de


republicas estudantil passa a ser o principal obstáculo de encontrar imóveis
que se adéquam as necessidades dos estudantes e sejam acessíveis
economicamente, principalmente por se tratar de Santos, uma cidade
verticalizada por falta de espaço, valorizando assim o m² dos imóveis. (FIGURA
1 INDICE DE LOCAÇÃO FIPEZAP) segundo o índice FIPEZAP, a locação em
Santos aumentou quase 130% entre 2014 e 2015, tendo uma queda em 2017,
voltando à margem de 130% em 2019.

FIGURA1

Índice de locação em Santos - Fonte: Índice de locação FIPEZAP


17

1.4 Metodologia

O presente estudo consiste em pesquisas de referências teóricas relacionadas


ao tema, servindo de base para o desenvolvimento da habitação estudantil.
Referenciais bibliográficos serão analisados para auxilio na elaboração do
projeto.

Foram pesquisados projetos de habitações estudantis nacionais e


internacionais, com o propósito de absorver características, formas e ideias
apresentadas no capitulo de referências projetuais.

O diagnóstico urbano foi realizado com informações oficiais sobre a cidade de


Santos, coletando dados sobre a demanda de universidades e estudantes com
propósito de analisar e justificar a falta deste tipo de habitação em uma cidade
considerada um dos maiores polos universitários do Brasil.

Com base na pesquisa realizada sobre moradias estudantis será elaborado um


programa de necessidades, considerando o público alvo para o
desenvolvimento de um projeto que atenda os requisitos necessários.
18

2. ÁNALISE DE MORADIAS
19

2.1 Demanda

AUMENTO DE ESTUDANTES NAS UNIVERSIDADES

Com base na pesquisa realizada pelo Censo da Educação Superior 2016,


34.366 cursos de graduação foram ofertados em 2.407 instituições de
educação superior (IES) no Brasil para um total de 8.052.254 estudantes
matriculados. Segundo as estatísticas apresentadas, as 197 universidades
existentes no país equivalem a 8,2% do total de IES, mas concentram 53,7%
das matrículas em cursos de graduação.

O número de matrículas na educação superior (graduação e sequencial)


continuou crescendo. Entre 2006 e 2016, houve aumento de 62,8%, com uma
média anual de 5% de crescimento.

Em 2016, quase 3 milhões de alunos ingressaram em cursos de educação


superior de graduação. Desse total, 82,3% em instituições privadas.
Após uma queda observada em 2015, o número de ingressantes teve um
crescimento de 2,2% em 2016 (TABELA 1 Censo da Educação Superior,
2016), (FIGURA 2 : Censo da Educação Superior, 2016) mostra o número de
matriculas em 2016 na região da Baixada Santista. Na figura 4 notamos um
aumento considerável de estudantes beneficiados pelo FIES, e na figura 5
notamos o aumento do número de estudantes participantes entre 1998 e 2015

TABELA1

Fonte: Censo da Educação Superior, 2016


20

FIGURA 2

Matriculas região da Baixada Santista – Fonte: Censo da Educação Superior, 2016

FIGURA 3

Matriculas região da Baixada Santista – Fonte: Censo da Educação Superior, 2016


21

PROUNI e FIES dois programas de inclusão ao ensino


superior

Segundo dados do site do PROUNI – Programa Universidade para


Todos e o FIES – Fundo de financiamento do ensino superior
implantado em 2005 já beneficiou quase 2 milhões de estudantes
oriundos das escolas públicas de ensino médio disponibilizando
bolsas integrais e parciais de 50%. (FIGURA 4 CENSO DO ENSINO
SUPERIOR, 2016), chegando a quase 6 milhões em 2014.

FIGURA 4

Matriculas região da Baixada Santista – Fonte: Censo da Educação Superior, 2016

Percebemos (FIGURA 5 e 6 CENSO DO ENSINO SUPERIOR, 2016)


um numero de aumento de matriculas de programas sociais aos
estudantes entre 2009 e 2016.
22

FIGURA 5

Matriculas programas sociais estudantis – Fonte: Censo da Educação Superior, 2016


23

FIGURA 6

Matriculas em redes privada – Fonte: Censo da Educação Superior, 2016


24

2.2 Habitação Estudantil Internacional

O mercado de moradia estudantil internacional é amplamente praticado, existe


um nicho de propriedades de locação exclusiva para estudantes. São imóveis
com gestão profissional e com infraestrutura completa de qualidade. Essas
residências possuem ambientes super modernos oferecendo vários “mimos”
como internet de alta velocidade, piscinas, salas de jogos, academias, copas,
lavanderias e é claro, quartos individuais ou compartilhados confortáveis e
mobiliados para os estudantes. Além de tudo, outros itens fundamentais que
caracterizam esses imóveis são a segurança 24h (com controle de acesso) e
a proximidade do campus.(TOGNETTI 2015).

Segundo Tognetti (2015), São imóveis com gestão profissional e


com infraestrutura completa de qualidade. Essas residências
possuem ambientes super modernos oferecendo vários “mimos” como
internet de alta velocidade, piscinas, salas de jogos, academias, copas,
lavanderias e é claro, quartos individuais ou compartilhados confortáveis e
mobiliados para os estudantes. Além de tudo, outros itens fundamentais que
caracterizam esses imóveis são a segurança 24h (com controle de acesso) e
a proximidade do campus.

FIGURA 7

Pure Student Living: Unidade Highbury – Fotos da fachada e amenidades interiores


retiradas do site da empresa. (http://purestudentliving.com/our-properties/highbury)

STUDENT LIVING – Fonte: http://purestudentliving.com/our-properties/highbury


25

De acordo com Tognetti nos EUA existem as maiores empresas do mundo


neste setor, podemos citar a American Campus Communities
(www.americancampus.com) que conta com impressionantes números de
100.000 (cem mil !!!) leitos distribuídos em 164 imóveis próprios (uma média de
610 leitos/propriedade). Além desses, outros 39 imóveis de terceiros são
operados pela ACC, somando mais 30 mil camas ao portfólio. (Dados de 31 de
março de 2015) É comum que empresas como estas tenham suas ações
negociadas em bolsa de valores. Elas constituem REITS (Real Estate
Investment Trusts) que funcionam como os FIIs brasileiros (Fundos de
Investimento Imobiliários).

2.3 Habitação Estudantil Brasileira

Tognetti ainda menciona que no Brasil são comuns produtos substitutos como:

 Casas alugadas: são as repúblicas convencionais, onde alunos se organizam


em grupos de 4 a 10 pessoas para locar um imóvel. As casas são amplas e
tem seus quartos e banheiros compartilhados. Nelas são comuns festas e
churrascos;
 Kitnets alugados: essa é a forma que mais se assemelha ao student
housing internacional do ponto de vista de investimento imobiliário, porém as
versões brasileiras contam com pouca especificidade no projeto, prevalecendo
o amadorismo tanto na administração como nos detalhes dos acabamentos do
produto;
 Apartamentos alugados: ficam em prédios residenciais comuns e são
procurados por alunos que buscam mais tranquilidade, organização e
segurança. Esse formato de moradia tem custo mais elevado para alunos pois
muitas vezes é rateado em poucas pessoas (2 ou 3);
 Hotéis: esse tipo de hospedagem normalmente é procurado por estudantes de
primeiro ano que ainda não conheceram colegas ou ainda por profissionais
como professores que não precisam viver na cidade onde lecionam;
 Residências Estudantis (dentro da universidade): são moradias das
universidades que em geral são antigas, carecem de manutenção e as poucas
vagas existentes são priorizadas à pessoas em condição sócio-econômica
desfavorável
26

FIGURA 8

STUDENT HOUSING – Fonte: http://purestudentliving.com/our-properties/highbury

De acordo com Tognetti o nosso jeito tupiniquim o conceito de Student Housing


(figura 8) está chegando ao Brasil. Algumas cidades tradicionalmente
estudantis do interior do estado de São Paulo como São Carlos e Campinas já
contam com um movimento de empreendedores no desenvolvimento de
imóveis com várias características dos empreendimentos americanos e
europeus. As instalações desenvolvidas aqui ainda estão aquém das que
podemos encontrar fora do país, mas mesmo que ainda “engatinhando”,
verifica-se que felizmente, o mercado profissional de locação brasileiro já
encontrou um novo nicho. Não nos surpreenderá se em breve grandes
investidores institucionais também observem e comecem a explorar
comercialmente esse potencial

.
27

2.4 Cidade de Santos

A cidade de Santos (Figura 9) está localizada no litoral paulista e a 72


quilômetros da capital, a cidade ostenta o 5º lugar no ranking de qualidade
de vida dos municípios brasileiros, conforme Índice de Desenvolvimento
Humano (IDH) aferido pela Organização das Nações Unidas (ONU) com
base nos níveis de expectativa de vida, educação e PIB per capita.

FIGURA 9

Localização de Santos – Fonte: Site Mapas do mundo


28

De acordo com informações do site da Prefeitura de Santos as atividades


ligadas ao Porto - o maior da América Latina, com 13 quilômetros de
extensão e por onde passa mais de um quarto de todas as cargas que
entram e saem do Brasil, configuram como principal fonte de riquezas do
município, fazendo de Santos a cidade da Região Metropolitana da Baixada
Santista mais importante economicamente e uma das mais ricas do país.

Em pé de igualdade com os jardins e a praia, como principais pontos


turísticos e cartões-postais da cidade, está o Centro Histórico. Região vizinha
ao complexo portuário, o Centro conserva vivo em suas estreitas e
charmosas ruas com calçamento de pedra um passado de glórias com a
comercialização do café, que já figurou como principal produto de exportação
brasileiro. A cidade tem se destacado também no turismo de negócios e no
ecoturismo, já que quase a totalidade de sua porção continental se mantém
preservada, o que a confere importância à preservação do Meio
Ambiente como premissa da cidade.

FIGURA 10

Dados Geográfico – Fonte: Site Prefeitura de Santos


29

Economia

No ranking de cidades brasileiras, Santos está entre as 20 mais ricas

Os dados mais recentes da Fundação Seade, órgão estadual, apontam que


Santos é a 17ª cidade mais rica do país, com Produto Interno Bruto da ordem
de R$ 27,616 bilhões em 2010. O montante de riquezas gerado na cidade
supera oito estados brasileiros, como Alagoas, Sergipe e Tocantins.

Já o PIB per capita anual é de R$ 65.848, conforme o mesmo levantamento


de 2010. Turismo e Serviços em geral têm importante peso nesses números,
mas o Porto como principal canal de entrada e saída de cargas do Brasil é o
maior gerador de receita e renda para a cidade. Tanto que o município é a
segunda cidade que mais arrecada impostos no Estado, atrás apenas da
capital.

O orçamento municipal gira em torno de 1,9 bilhão em 2013, segundo


estimativa. A renda per capita também figura no início do ranking de cidades
brasileiras. Pelo censo de 2010, do IBGE, aparece em 9ª posição, com
remuneração média de R$ 1.682,24, maior do que a renda por habitante de
capitais como São Paulo (R$ 1.495,04) e Rio de Janeiro (R$ 1.518,55).

O nível de emprego tem se mantido em constante alta na última década,


seguindo tendência nacional. Pesquisas semestrais do Núcleo de Estudos
Socioeconômicos (NESE) da Unisanta mostraram que a taxa de desemprego
manteve-se entre 8% e 11% entre 2011 e 2012.
30

Universidades
FIGURA 11

UNIVERSIDADES – Fonte: Site Prefeitura de Santos

Santos é considerado um pólo universitário, contando com 11 principais


universidades (Figura 11), alunos de diversas regiões migram para a cidade em
busca de qualificação.
31

Mobilidade
FIGURA 12

MALHA CICLOVIÁRIA – Fonte: Site Prefeitura de Santos

Dados do site da Prefeitura de Santos mostra que a cidades está com


47,1 quilômetros, a malha cicloviária de Santos não para de crescer. As vias
exclusivas para bicicletas interligam a orla ao Centro de Santos, a divisa com
São Vicente à área do Porto e a zona Leste à Zona Noroeste – região que
concentra os atuais investimentos na ampliação das ciclovias.

Devido ao estímulo que dá ao uso desse meio de transporte, Santos é


considerada "cidade amiga da bicicleta" pela ABC (Associação Brasileira dos
Ciclistas). A condição de ser uma cidade quase totalmente plana favorece a
adesão a esta modalidade de transporte, que além de econômica, é saudável
e ambientalmente correta.
32

VLT

FIGURA 13

MAPA VLT – Fonte: Site EMTU

A cidade de Santos conta com um sistema de transporte inovador, VLT Veículo


Leve sobre Trilhos, um modelo de eficiência e acessibilidade. De acordo com o
site da EMTU já em operação há alguns anos em cidades europeias com
excelentes resultados, o Veículo Leve Sobre Trilhos tem emissão zero de
poluentes. Interage com o meio urbano de maneira amigável, circulando ao
nível das ruas, preservando o patrimônio histórico e colaborando para a
revitalização urbanística das vias por onde passa.

A operação do VLT da Baixada Santista começou em abril de 2015. O


moderno Centro de Controle Operacional foi entregue em junho de 2016. O
primeiro trecho do VLT, com 11,1km de extensão (Figura 13) foi totalmente
entregue à população no dia 31/01/2017, ligando o Terminal Barreiros, em São
Vicente, à Estação Porto, em Santos.

A população dos nove municípios da Região Metropolitana da Baixada Santista


já usufrui dos benefícios do VLT, com menos poluição sonora, além da redução
do tempo gasto nas viagens entre os municípios.
33

BIKE SANTOS

Um sistema de Bikes compartilhadas (Figura 14) torna-se uma opção de


transporte sustentável, melhorando a qualidade de vida e saúde, distribuída
em pontos estratégicos da cidade, oferecendo uma solução de transporte de
pequeno percurso que contribui com a mobilidade das pessoas em centros
urbanos.

FIGURA 14

Projeto e mapa bike Santos – Fonte: Site Bike Santos


34

PATINETES ELÉTRICOS

Assim como Bikes compartilhadas, em 2019 Santos recebeu mais uma


opção de transporte sustentável, Patinetes Elétricos compartilhados, basta
baixar o aplicativo da empresa para localizar e utilizar o transporte.

FIGURA 15

Mapa Patinete Santos – Fonte: Site Mais Santos


35

4. OBRAS
3- OBRAS DEDE REFERÊNCIA
REFERÊNCIA
36
37
38
39

3-
4-OBRAS DE REFERÊNCIA
DIAGNÓSTICO
40

4 - DIAGNÓSTICO

Localização da área de intervenção

A área escolhida para este estudo localiza-se entre a Zona intermediária e a


Zona da Orla no bairro Encruzilhada, um bairro próximo ao Centro e à Orla, a
Encruzilhada é um dos melhores bairros de Santos para se viver. O
desenvolvimento rápido trocou os velhos casarões, comuns no início do século
passado, pelos edifícios repletos de escritórios, consultórios e centros clínicos.
Concentra-se hoje um grande número de supermercados, padarias,
drogarias, escritórios - como o da Companhia de Navegação MSC -,
igrejas, escolas e até universidades.

Segundo site novo milênio a Encruzilhada possui 15,7 mil habitantes. Boa parte
vive nos 23 prédios do Conjunto Habitacional Ana Costa, da Rua Guedes
Coelho. O bairro conta também com equipamentos da Prefeitura: duas
unidades básicas de saúde, Instituto da Mulher, Casa da Gestante, além do
Centro Comunitário Isabel Garcia. Também abriga o Hospital Conselheiro
Nébias (antigo Hospital dos Estivadores).

FIGURA 16

Mapa de Zonas Fonte: Site Prefeitura de Santos


41

O bairro Encruzilhada foi escolhido por estar localizada em uma zona central
privilegiada, onde temos infraestrutura completa, mobilidade acessível e
principalmente próximo a grandes universidades .

Mapa das principais Faculdades de Santos

Local estratégico para área do projeto e distâncias das principais Faculdades.


(Considerando trajeto a pé ou bicicleta)

FIGURA 17

DISTÂNCIAS FACULDADES SANTOS Fonte: AUTOR

A figura 17 acima mostra o mapa das principais faculdades de Santos, nota-se


uma grande concentração de universidades próximo ao local escolhido do
projeto, uma região central do mapa de Santos. Considerando distâncias da
maiorias das universidades, notamos uma distância média de 1,1 Km, uma
distância confortável para maioria das universidades, evitando gastos com
transportes. Para aqueles que necessitam ir para uma faculdade com uma
distância maior, como a Esamc e Fatec, temos opções de mobilidade como
ciclovia, VLT, Patinetes elétricos e ônibus.
42

Bairro Encruzilhada

FIGURA 18

Bairro em zona urbana,


situado no território insular de
Santos.

Localização – região Leste.


Delimitado pelas ruas Joaquim
Távora e Campos Melo,
ferrovia e avenida Ana Costa.
Faz divisa com os bairros Vila
Mathias, Macuco, Boqueirão,
Gonzaga, Vila Belmiro e
Campo Grande.

BAIRRO ENCRUZILHADA Fonte: Site Prefeitura de Santos

Área: 814.686,09 m² ou 0,82 km² em ago/2011

População 15.588 habitantes em 2010

Densidade: 19.133,75 hab/km² em 2010

Boa infra-estrutura urbana e localização privilegiada são diferenciais do bairro.

Os casarões e chalés do início do século passado deram lugar a edifícios


repletos de escritórios, consultórios médicos e centros clínicos. As vias, antes
de terra, tornaram-se ruas e avenidas das mais movimentadas de Santos. O
comércio também se desenvolveu de maneira diversificada. Essa rica infra-
estrutura urbana, aliada à proximidade do Centro e da praia, tornou a
Encruzilhada um dos melhores bairros de Santos para se viver.
43

Criada oficialmente com o Plano Diretor de 1968, a Encruzilhada possui 15,7


mil habitantes. Boa parte vive nos 23 prédios do Conjunto Habitacional Ana
Costa, da Rua Guedes Coelho. Um dos orgulhos da área é o Clube Atlético
Santista, que passa por reestruturação. O bairro conta também com
equipamentos da Prefeitura: duas unidades básicas de saúde, Instituto da
Mulher, Casa da Gestante, além do Centro Comunitário Isabel Garcia. Também
abriga o Hospital Conselheiro Nébias (antigo Hospital dos Estivadores).

Casarões - Mansões e palacetes ainda estão presentes, embora em menor


número. Três deles estão na Av. Conselheiro Nébias, onde estão o Casarão da
Marinha (antiga sede da Capitania dos Portos de São Paulo), o Centro
Municipal de Inclusão Social Digital - Rede do Futuro e a Gota de Leite, que
abriga a sede do Fundo Social de Solidariedade.

A Encruzilhada possui ainda entidades assistenciais tradicionais como o


Educandário Anália Franco, o centro Espírita Ismênia de Jesus, o Lar
Mensageiros da Luz e a Legião da Boa Vontade.

Com 15,7 mil habitantes, a Encruzilhada mantém a característica residencial,


apesar do forte avanço do comércio e novos empreendimentos Uma das
peculiaridades da Encruzilhada é a existência da favela da Vila Santa Casa,
que está a poucos metros do Gonzaga, uma das regiões consideradas nobres
da Cidade. Quem passa pela Avenida Senador Feijó, que corta a comunidade -
conhecida anos atrás como Caldeirão do Diabo - nota o paradoxo: enquanto
cerca de 100 famílias vivem em barracos de alvenaria, ao lado será erguido um
condomínio de luxo, com cinemas, piscinas e academia.

NIDE 5 – ENCRUZILHADA “Abrange uma área definida que se inicia no


cruzamento entre o prolongamento do eixo do canteiro sul da Avenida Affonso
Penna com o eixo da Avenida Conselheiro Nebias, segue pelo eixo do canteiro
na direção leste, limite com a área denominada AAS-S até o prolongamento do
eixo da Rua Oswaldo Cruz, segue por este na direção sul até o prolongamento
do eixo lateral sul do lote 72 da Rua Oswaldo Cruz , segue por este na direção
oeste até encontrar o eixo do canteiro central da Avenida Conselheiro Nebias,
segue por este na direção norte até encontrar o eixo do canteiro sul da Avenida
44

Affonso Penna, segue por este na direção leste até encontrar o ponto inicial da
descrição”.

FIGURA 20

LOCALIZAÇÃO BAIRRO ENCRUZILHADA Fonte: Google maps

FIGURA 21

LOCALIZAÇÃO ÁREA DO PROJETO Fonte: Google maps


45

FIGURA 22

Figura 1: Google Maps Encruzilhada - Fonte: Google

VISTA NORTE Fonte: Google maps

FIGURA 23
46

VISTA OESTE Fonte: Google maps

FIGURA 24

VISTA LESTE Fonte: Google maps

FIGURA 25
47

VISTA SUL Fonte: Google maps

FIGURA 26

VISTA OESTE Fonte: Google maps

Classificação de Vias – Fonte: Site Prefeitura de Santos


48

Restrições Urbanísticas da Zona (Taxa de Ocupação e Coeficiente de


Aproveitamento – anexo I.

Na figura abaixo (figura 5), notamos que a Zona da Orla possui uma taxa de
ocupação máxima: 40% acima de 6 pavimentos, 50% até 6 pavimentos e 60%
até 4 pavimentos. Coeficiente de aproveitamento máximo 5 e em vias
constantes 4.

FIGURA 27

Taxa de Ocupação e Coeficiente de Aproveitamento - Fonte: Site Prefeitura de Santos


49

Categoria de Uso

Na (figura 28 e 29) logo abaixo identificamos a categoria de usos de acordo


com a via local

FIGURA 28.

Categoria de Uso - Fonte: Site Prefeitura de Santos

FIGURA 29
50

Categoria de Uso - Fonte: Site Prefeitura de Santos

Recuos necessários

No caso do lote escolhido se trata do § 3.º, terreno de esquina.

Art. 32. O recuo frontal mínimo exigido é de:


I - 25,00 m (vinte e cinco metros) para as vias
de trânsito rápido;
II - 10,00 m (dez metros) para as avenidas
Presidente Wilson, Vicente de Carvalho, Bartolomeu de Gusmão e Saldanha
da Gama em toda sua extensão;
III - 7,00m (sete metros) para as avenidas Dona
Ana Costa em toda sua extensão, Conselheiro Nébias desde sua intersecção
com a Rua Bittencourt até a Av. Vicente de Carvalho, e no Loteamento Parque
da Montanha - Morro Nova Cintra;
IV - 5,00 m (cinco metros) para as vias públicas
não citadas nos incisos anteriores;
V - a critério do órgão competente, em função
das condições geotécnicas e topográficas, quando localizado na zona dos
51

morros.

§ 1.º Não será exigido o recuo frontal na Zona


Central I e II, exceto nas avenidas Dona Ana Costa, Washington Luiz, Campos
Salles e Rangel Pestana no trecho entre a Avenida Ana Costa e Rua Brás
Cubas, Av. Conselheiro Nébias no trecho entre a R. Bittencourt e R. Xavier
Pinheiro.

§ 2.º No caso de lotes com mais de uma frente


deverão ser observados os recuos frontais mínimos estabelecidos para cada
via.

§ 3.º No caso de lote situado em uma ou


mais esquinas, 01 (um) dos recuos frontais poderá ser reduzido para 3,00
(três) metros desde que este não esteja voltado para as vias arteriais e as
vias citadas nos incisos I, II ou III deste artigo, exceto nos casos abaixo
em que não poderá haver redução desde o pavimento térreo:
52

5- PROJETO

5 – PROJETO
53

5.1 Programa de Necessidade

O programa foi dividido em três partes, residencial, comercial e área comum.


Área residencial composta por unidades de habitação (quartos e
apartamentos); área comercial localizados no térreo e aberto aos moradores do
edifício e bairro; área comum que inclui todas áreas necessárias para o
funcionamento do projeto que inclui, serviços ou áreas comuns abertas ao
publico ou exclusivo para residentes.

Principais metas estabelecidas durante o a elaboração:

 Integração: Área privada e espaço publico

Pensando em um espaço de socialização, umas das prioridades do


projeto foi estabelecer uma harmonia entre o espaço publico e os
espaços interno do edifício, uma contradição ao modelo de construção
da cidade de construir edifício murados.

 Atender o Publico Estudantil

Ofertar unidades habitacionais que atendam diversos perfis estudantis.

 Mobilidade

Sendo uma moradia estudantil pensada para alunos de Santos, a


localização é primordial para que seus moradores sejam capazes de
chegar as principais instituições de ensino sem a necessidades da
utilização de transporte, publico ou privado. Com isso incentivando
meios sustentáveis de transportes como bicicleta e patinetes.
54

5.2 MEMORIAL JUSTIFICATIVO

Através das demandas identificadas nos capítulos anteriores, desenvolveu-se


um edifício de habitação estudantil privada para estudantes de uso misto. A
área comercial foi concentrada no pavimento térreo, estabelecendo uma
conexão com o nível da rua. A área residencial, apartamentos e áreas coletivas
privadas, encontra-se nos pavimentos superiores.

O projeto se realiza a partir de dois sistemas construtivos distintos: um sistema


modular industrializado, que organiza os espaços típicos que apresentam
ordem e repetição, e uma construção pesada, em concreto armado.

O sistema construtivo é baseado em um módulo estrutural quadrado de 4,80


por 4,80 metros, sendo o núcleo de moradia e a circulação coletiva inseridos
em um conjunto de quatro módulos (9,60 por 9,60 metros). Esse sistema
organiza todos os espaços privados, de uso coletivo imediato. A construção
da Moradia Estudantil foi inteiramente pensada a partir da racionalização
construtiva e da industrialização, objetivando a redução de custo e tempo de
implantação, a redução de custo de manutenção e a redução do esforço do
trabalhador no canteiro de obras e na operação do edifício ao longo de toda a
sua vida útil.

Foram desenvolvidos três tipos de habitação:

 Tipo 1 – apartamento com 4 quartos individuais


 Tipo 2 - apartamento com 2 quartos duplos
 Tipo 3 – apartamento com 2 quartos individuais para pessoas com
necessidades especiais

O nome “Mobi Santos” origina-se de Mobilidade, que nada mais é que a


capacidade de chegar aos lugares necessários para a vida urbana, como
trabalho, escola, parques, comércio, hospitais, etc. A localização do terreno é
privilegiada, praticamente no centro do mapa de Santos, no eixo universitário,
55

situado à Av. Francisco Glicério - face Sul - até a Av. Paranapiacaba – face
Norte -, próximo à Av. Conselheiro Nébias, (eixo que liga o Porto até a Orla de
Santos). Considerando a localização do terreno e seu alto custo, optou-se pela
verticalização, 11 pavimentos com 6 unidades habitacionais para 4 pessoas por
pavimento, divididas em 2 torres, totalizando 192 vagas.

O formato em “U” foi escolhido pensando em uma qualidade térmica, acústica e


vista privilegiada para todos os residentes, visando o centro como espaço
aberto público com áreas verdes. Fluxos mais intensos são esperados nas
duas vias existentes, formando passagens para acesso ao VLT, integrando com
o entorno e organizando a transição entre programas públicos, semipúblicos e
privados. Além disso, contará com um grande reservatório para captação das
águas da chuva em eventos extremos por conta das dificuldades de drenagem
urbana no local.

A organização do edifício teve como prioridades a ventilação e a iluminação


natural. Sendo assim, todos os quartos são voltados para a face Leste,
proporcionando um maior conforto, com vista privilegiada para parte central,
por meio de áreas em comum.

A fachada é voltada para o Sul, estrategicamente para as áreas de uso público,


evitando a luz do sol e aproveitando a ventilação natural. O pavimento térreo
conterá as áreas comerciais.

Os volumes terão características neutras, com uso de vidros, jogo de cores na


fachada e dormitórios com características do pintor neerlandês modernista Piet
Mondrian.

Mobi Santos promoverá maior continuidade com os espaços urbanos. Com


isso, pretende-se não apenas estimular espaços de encontro e convivência,
mas sobretudo estender as qualidades de tais espaços ao entorno.

As páginas a seguir apresentam plantas, desenhos e perspectivas como


suporte para entendimento do projeto arquitetônico e seus ambientes.
56

Av. Conselheiro Nébias


Av. Francisco Glicério

TIPOLOGIAS

52 m

50 m
57

Análise Conforto Ambiental

O
L

O formato em “u” proporciona um encaixe perfeito de sustentabilidade,


mantendo os dormitórios voltados para o leste figura?, deixando a base do “u”
figura? para faixada sul evitando o calor excessivo nos espaços de uso público.
58

Área Área
Comercial Comercial
Bicicletário Bicicletário
92,16m² 92,16m²

Área
Área
Comercial
Comercial
circulação 92,16m²
92,16m²

Bicicletário 92,16m² Bicicletário 92,16m²

Área comercial
Área comercial
Entrada
28m²
28m² Principal
Guarita 10,4 m² Guarita 10,4 m²
PLANTA 2° PAV TIPO
59

Ambientes

Apartamentos 66 m²

Quarto 8,4 m²

Cozinha e Sala 16m²

Área Academia 141 m²

Pavimento tipo
60

Caixa d’água 43

Cobertura 36,3

10 PAV 29,7

09 PAV 26,4

08 PAV 23,1

07 PAV 19,8

06 PAV 16,5

05 PAV 13,2

04 PAV 9,9

03 PAV 6,6

02 PAV 3,3

01 PAV 0,0
61
62
63
64
65

Tipologias

As tipologias parte de uma referência de um sistema modular de moradia


estudantil premiada em 1° lugar no concurso da Unifesp em São José dos
Campos projetado pelo Escritório de Arquitetos Associados de Belo Horizonte.

Segundo a empresa o projeto se realiza a partir de dois sistemas construtivos


distintos: um sistema modular industrializado, de natureza tectônica, que
organiza os espaços típicos que apresentam ordem e repetição, e uma
construção pesada, estereotômica, em concreto armado. A estrutura principal
do sistema modular em perfis metálicos leves como pequenos vãos,
compatíveis com a escala dos espaços internos, permitindo uma montagem
econômica e rápida, com baixo impacto

Módulo - Fonte: Arquiteto e Associados

Vedações e caixilhos modulados, integrados a armários externos em concreto


pré-moldado, cujo içamento e montagem pode se realizar concomitantemente à
instalação dos núcleos sanitários; – divisões internas das unidades em gesso
acartonado e marcenaria integrada, a permitir reorganizações internas das
unidades e integração entre unidades.
66

Plantas apartamentos

A partir do modulo 9,60x9,60 a empresa de Arquitetos Associados


desenvolveram 5 tipologias, nas quais utilizarei no projeto Mobi Santos
Universitário.
 Apartamento Individual
 Apartamento Obeso
 Apartamento Família
 Apartamento Duplo
 Apartamento P.C.R.

Plantas Apartamentos - Fonte: Arquiteto e Associados


Nas próximas páginas temos perspectivas para um melhor entendimento.
67
68
69
70
71
72
73
74
75
76
77
78
79

6-CONCLUSÃO
80

6.1 Considerações Finais

Mobi Santos promoverá maior continuidade com os espaços urbanos. Com


isso, pretende-se não apenas estimular espaços de encontro e convivência,
mas sobretudo estender as qualidades de tais espaços ao entorno.

Dada à importância do assunto, torna-se necessário o desenvolvimento


de moradias estudantis em cidades consideradas “Pólos Universitárias”,
a demanda crescente de alunos beneficiados em programas sociais de
implantação nas universidades mostra a importância de um alojamento.
Além disso, diminui o número de desistentes e inadimplentes que
aumenta cada vez mais devido à crise no país. Um projeto inovador e
sustentável contribui para todos envolvidos.
81

6.2 BIBLIOGRAFIA

BAIRRO ENCRUZILHADA. Disponível em: <


http://www.novomilenio.inf.br/santos/h0100b52.htm/>. Acesso em: 22 maio.
2019.

BIKE SANTOS. Disponível em: <


https://www.mobilicidade.com.br/bikesantos/>. Acesso em: 22 maio. 2019.

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR. INEP. Disponível em:


<http://inep.gov.br/censo-da-educacao-superior>. Acesso em: 7 maio. 2019.

CONHEÇA SANTOS. PREFEITURA. Disponível em: <


http://www.santos.sp.gov.br/?q=hotsite/conheca-santos>. Acesso em: 20 maio.
2019.

CRESCE Nº DE MATRÍCULAS NA BAIXADA SANTISTA EM 2014. O ÍNDICE


É SUPERIOR AO DO ESTADO DE SÃO PAULO POR CHRISTIAN MIRANDA -
22/03/2016. Disponível em: < http://noticias.unisanta.br/campus/cresce-no-de-
matriculas-na-baixada-santista-e-registro-em-2014-o-indice-e-superior-ao-do-
estado-de-sao-paulo>. Acesso em: 10 maio. 2019.

FIPEZAP - ÍNDICE FIPEZAP DE PREÇOS DE IMÓVEIS ANUNCIADOS.


Disponível em: < https://www.fipe.org.br/pt-br/indices/fipezap/>. Acesso em: 15
maio. 2019

GOOGLE MAPS. Disponível em: < https://www.google.com.br/maps?hl=pt-


BR&tab=rl&authuser=0/>. Acesso em: 25 maio. 2019.

O DORMITÓRIO UNIVERSITÁRIO MAIS BACANA DO MUNDO. Disponível


em: < https://www.mdig.com.br/index.php?itemid=25757/>. Acesso em: 22
maio. 2019.

PATINETES ELÉTRICOS CHEGAM EM SANTOS. MAIS SANTOS. Disponível


em: < http://www.maissantos.com.br/santos/patinetes-eletricos-chegam-em-
santos//>. Acesso em: 22 maio. 2019.

PRÉDIO DE MORADIA ESTUDANTIL NO TOCANTINS RECEBE PRÊMIO


INTERNACIONAL DE ARQUITETURA. Disponível em: <
https://www.bbc.com/portuguese/brasil-46288724/>. Acesso em: 25 maio.
2019.
82

RESIDÊNCIA ESTUDANTIL DA UNICAMP. Disponível em: <


http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/13.154/4895/>. Acesso em:
25 maio. 2019.

STUDING HOUSING. REXPERTS. Disponível em: <


http://rexperts.com.br/student-housing-no-brasil-republicas-estudantis-como-
investimento-imobiliario/ >. Acesso em: 17 maio. 2019.

WHAT CAN ARCHITECTURE DO? AN INTERVIEW WITH XIAODU LIU.


ARCHDAILY. Disponível em: < https://www.archdaily.com/168202/what-can-
architecture-do-an-interview-with-xiaodu-liu>. Acesso em: 7 maio. 2019.

MORADIA ESTUDANTIL UNIFESP


Disponível em: https://arquitetosassociados.arq.br/moradia-estudantil-unifesp/