Você está na página 1de 105

DADOS

DE COPYRIGHT

Sobre a obra:
A presente obra é disponibilizada pela equipe Le Livros e seus diversos
parceiros, com o objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e
estudos acadêmicos, bem como o simples teste da qualidade da obra, com o fim
exclusivo de compra futura.

É expressamente proibida e totalmente repudiável a venda, aluguel, ou quaisquer


uso comercial do presente conteúdo

Sobre nós:
O Le Livros e seus parceiros disponibilizam conteúdo de dominio publico e
propriedade intelectual de forma totalmente gratuita, por acreditar que o
conhecimento e a educação devem ser acessíveis e livres a toda e qualquer
pessoa. Você pode encontrar mais obras em nosso site: LeLivros.site ou em
qualquer um dos sites parceiros apresentados neste link.

"Quando o mundo estiver unido na busca do conhecimento, e não mais


lutando por dinheiro e poder, então nossa sociedade poderá enfim evoluir a
um novo nível."
RODRIGO FERNANDES

em







TINHA TUDO PRA


DAR CERTO SE NÃO
FOSSE EU











































COPYRIGHT © 2017 JACARÉ BANGUELA
Todos os diretos reservados. Nenhuma parte deste livro poderá ser
reproduzida, de forma alguma, sem permissão formal por escrita do autor,
exceto as citações incorporadas em artigos de crítica ou resenhas.

AUTOR
Rodrigo Fernandes

REVISÃO
Elba Maria Palmeira Rabello Rodrigo
Fernandes

CAPA
Rodrigo Fernandes

DIAGRAMAÇÃO
Natanael Andrade Siliane
Bet

COORDENAÇÃO EDITORIAL
Tempero Propaganda

CATALOGAÇÃO NA FONTE
Bibliotecária Vanessa Pereira CRB: 14/1446


Fernandes, Rodrigo
Tinha tudo para dar certo se não fosse eu: crônicas de uma vida amo- rosa de merda / Rodrigo Fernandes –
[s.l.] : [s.n.], 2017. 164 p. ; 19 cm.

ISBN 978-85-923299-0-7

1. Crônicas Brasileiras. 2. Comédia Brasileira. 3. Humor. I.Título. II. Autor.
F363t

CDD: 869.935
CDU: 82-94(81)














TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À JACARÉ BANGUELA
www.jacarebanguela.com.br




















































































“O amor bem-sucedido não interessa a ninguém.”
Nelson Rodrigues


DESCULPA!

Este livro é apenas um grande compilado de histórias que juntei ao longo
desses 31 anos de vida mal vivida. Mas não são histórias aleatórias, não são
pensamentos soltos traduzidos em palavras pra que você possa entender o
que eu também não entendo (!). O que quero (pretendo) mostrar aqui é a
obra de uma cabeça vazia que geralmente serve como oficina do capeta, mas
que em outros momentos guarda histórias reais de situações constrangedoras
que fazem qualquer pessoa se perguntar: “por que esse imbecil fez isso!?”.

A resposta é simples e direta: eu não faço ideia!

É como disse algum sábio (ou Fábio, não me lembro agora): “As piores
decisões geram as melhores histórias”, e aqui estou eu puxando do fundo da
minha memória histórias nas quais tomei as piores decisões e acabei me
dando muito mal nesta arte que pouco domino: a conquista amorosa. Tudo é
baseado em fatos reais. Todas as histórias realmente aconteceram, mas
algumas ganharam um pouco mais de humor para divertir você que está
lendo.
Em relação às mulheres, eu sou extremamente apaixonado por elas. Certa feita o
comediante, amigo, chapa e camarada Diogo Portugal me perguntou:
- Banguela, você acha que o... (não vou entregar o cara aqui) é gay?
- Não, acho que não, por quê?
- Porque eu nunca vi ele namorando nenhuma mulher.
- Você nunca me viu também!
- Mas você é um tarado!
Sou, é verdade, mas na maneira mais pura desta palavra. Gosto de
mulheres e gosto de relacionamentos, só não soube muito bem como
juntar essas duas coisas numa só. A ideia deste livro surgiu por pedidos
no Twitter, quando eu relatava lá as minhas tentativas frustradas de
conseguir engatar um namoro ou simplesmente conseguir engatar. As
histórias eram tantas que me pediram para colocar num livro e eu ainda
não sei se estou feliz ou triste
por ter reunido 50 delas.
Aqui você vai ler o pior de mim, as minhas piores (ou melhores,
depende do ponto de vista) derrotas amorosas. Tudo o que qualquer
homem teria vergonha de dizer numa mesa de bar, eu achei engraçado
eternizar num livro.
Se você é mulher e em algum dia da sua vida você já se relacionou
amorosamente comigo, talvez você esteja neste livro. E se você é uma
travesti... saiba que eu fiquei uma semana remoendo aquela noite!






























Sumário
1. O Primeiro Beijo
2. A Perninha Mole
3. Carnaval
4. Pesque e... Bate
5. O Capacete
6. Não sou bom com linguagem dos sinais
7. Que viagem!
8. Um leão sem juba
9. O resgate
10.Formas geométricas do amor
11.O fluxo
12.Aquela Maria...
13.Fá do Clube do Whisky
14. Surpresaaaaa!
15.Milhagem
16.O show de humor que terminou sem graça
17.Caí na Friendzone
18.Desastre aéreo
19.Não era amor, era cilada
20. Rainha da Feira da Uva
21.O corpo fala
22. Afinal, o que quer um comediante?
23. Muitas sinapses para meu cérebro subdesenvolvido
24. As voltas do mundo
25. Pagando, ô, pato!
26. Um jovem e nerd
27. Guru do sexo
28. Tomando banho na balada
29. Divina goiana
30. Que pressão é essa!?
31.O falso vencedor!
32. Poema da derrota
33. Quem sabe?
34. A primeira faz tchan, a segunda...
35. O frango
36. A mendiga da Augusta
37. Autoestima é tudo!
38. Know-how de tocos
39. Pagando o preço da conta
40. A droga do sexo
41. O dia da marmota
42. Romantismo de caminhoneiro
43. Cialis
44. Fui enganado por um megahair
45. O bom Banguela bobo
46. Adorável maldito Tinder
47. O David Luiz
48. O flato
49. Gentileza gera boas más histórias
50. A russa do albergue





1. O Primeiro Beijo

Meu primeiro beijo deve ter sido como é o de qualquer um: cheio de
expectativas, com alguém que também estava a fim e certamente horrível (o
beijo, não a pessoa). Lembro de pensar durante o beijo: “qual é a graça de ficar
batendo meus dentes nos dentes da outra pessoa?”. Naquela hora não fazia
sentido nenhum alguém gostar de beijar na boca. Porém existe uma relação
estranha entre meu primeiro beijo e vários outros que eu dei na vida: uma festa.
Acho que pelo fato do meu primeiro emprego ter sido aos 15 anos como
iluminador (e depois DJ) em uma casa noturna, meus encontros por muito tempo
aconteceram ao som de Vinny, Aqua, Corona, Kelly Key e até Morena
Tropicana do Alceu Valença. Ultimamente tem sido mais ao som de Lady Gaga,
Strokes e vez ou outra um Los Hermanos, ou seja, não melhorou tanto.
Nessa época me lembro de estar com meu amigo Alberto numa festa e uma
mulher mais velha ir falar para ele que queria ficar comigo. Achei aquilo
interessante, afinal de contas as garotas do meu colégio nunca tinham se
interessado por mim e uma mulher com o dobro (ou mais) da minha idade tinha.
Isso é excitante e ao mesmo tempo triste.
Nos encontramos num canto escuro, trocamos algumas palavras e ela veio me
beijar. Como eu não sabia fazer isso, o beijo não tinha pressão, vazava ar, as
bocas não criavam aquele vácuo do beijo. Aí vieram os dentes batendo um no
outro e eu achando essa coisa de beijo a coisa mais inútil do mundo depois do
mamilo masculino (pra quê serve o mamilo masculino além de marcar na roupa
em dias frios?).
Lembro claramente dela me perguntar:
- É a primeira vez que você beija?
- Claro que não!
- Então você tem problemas. Esse foi o pior beijo que eu já dei na vida!
Nem eu, nem ela e nem ninguém poderia prever quantos problemas eu teria em
relação a isso dali pra frente! Acho que, no mínimo, uns 50.

2. A Perninha Mole

Depois que eu fui promovido a DJ sem precisar passar pelo Big Brother, as
coisas começaram a melhorar. Eu beijei vezes suficientes para aprender a dar
pressão na boca, saber o que fazer com a língua e deixar os meus dentes
minimamente distantes dos delas. Meu primeiro beijo foi horrível, tudo bem, mas
minha primeira vez no sexo superou as expectativas. Foi aos 18 anos com uma
garota de programa, de graça e bêbado de Natu Nobilis quente num motel em
Itaúba, uma cidade com nome de árvore no interior do Mato Grosso.
Ser DJ fixo em uma balada tem vantagens e desvantagens. As vantagens são: a
bebida de graça e estar exposto para as garotas te notarem. As desvantagem são:
os bêbados pedindo músicas e as garotas que querem transar com você mas pra
isso precisam esperar até o fim da festa. E essa garota esperou. Se eu não me
engano, a minha primeira linguada dentro da orelha foi ela quem me deu - ou a
irmã mais nova de um grande amigo da escola - não lembro agora.
No fim da balada eu peguei emprestado o carro de um amigo do meu irmão sem
que este amigo soubesse e fui levar a garota para um motel. Lá em Sinop (uma
cidade no interior do Mato Grosso, onde eu morava) os motéis ficavam na beira
da estrada, um pouco longe da cidade e isso significava ter que entrar numa
rodovia para poder transar. Como a gente iria demorar um pouco até chegar no
motel, a garota propôs uma ideia: um boquete enquanto eu dirigia... numa
rodovia federal… de madrugada… com caminhões carregados de madeira e soja
ultrapassando o tempo todo.
Como a ideia parecia imbecil, topei.
Ela começou e eu a segurei pelo cabelo, tentei dar um ritmo. Ultrapassei alguns
caminhões, fechei os olhinhos algumas vezes e só quando rampei três quebra-
molas percebi que minha perna estava respondendo pouco aos meus comandos
de pisar no freio e embreagem. Mais à frente vi um motel e tirei o pé do
acelerador. Liguei o pisca e entrei à esquerda, saindo da rodovia e apontando
para a entrada do motel. A garota ainda estava ali dando o melhor dela.
Conforme o motel se aproximava e a garota continuava, eu tentava pisar fundo na
embreagem e frear para entrar no motel, mas... e as perninhas moles? Cadê a
força? Não tinha! Bati de frente com o muro do motel forte o bastante pra fazer
um buraco nele com o carro.
Calma que tem mais!
Segundo a primeira Lei de Newton, ‘um corpo em movimento tende a
permanecer em movimento’, certo? Assim que eu bati no muro, o meu corpo todo
foi em direção ao volante, mas lembre-se: tinha uma garota entre essas duas
coisas e comigo na sua boca.
- GLARP!
Quando meu corpo voltou pra trás, a garota levantou tomando ar e vomitou no
painel todo do carro. De espelhinho a espelhinho. Toda a janta e a bebida da
balada ali no painel do carro que eu nem deveria ter pego! O gerente do motel
saiu e viu um carro atravessado no muro, uma garota vomitando no painel, um
adolescente com o pau de fora e cara de desespero. Ele olhou pra mim e
compadeceu: ‘Que noite, hein?’.
É… que noite!

3. Carnaval

O Carnaval é sempre uma ótima época para se pegar mulher, mas isso só
acontece porque as mulheres também acham esta uma ótima época para pegar
uns caras. Eu estava em um clube em Sinop (MT) curtindo marchinhas de
carnaval, fazendo alguns passos do Harmonia do Samba, me embebedando de
cerveja quente e foi nesse clima de amor no ar que eu vi esta garota linda de pele
clara e olhos azuis.
Com esses atributos, claro que vários caras estavam chegando nela e ela dando
fora em todos. Ao mesmo tempo que isso dá um mega desânimo de tentar, dá
uma pontinha de “se eu tentar e conseguir, eu vou ser o cara mais fodão do
lugar!”.
Fui conversar com ela e pelo que me lembro foi mais ou menos assim:
- Oi.
- Oi.
- Você tá contando?
- O que?
- O número de caras que você tá dando fora?
- Hahahaha, não. Você tá?
- Olha, não peguei do começo da festa mas eu já contei uns cinco.
- É, não deve ser muito mais que isso.
- Então você tá só aquecendo ainda? Vai ser difícil pra mim!
- O papo até agora já tá durando mais que os outros.
- Deve ser porque não vim falar que te achei linda, que seus olhos são lindos, que
seu sorriso é lindo, que sua sobrancelha é linda, que seu bafo é lindo...
- Eu tô com bafo?
- De cerveja com chiclete mas eu gosto.
- Quê!?
- Quer ir lá fora?
- Pra que?
- Pra gente ficar.
- Hahahahaha, acha que é assim?
- Sei lá. Você tá dando fora em tantos caras que, ou eu tô gastando o seu tempo ou
perdendo o meu.
- Hum... boa...
- Vamos?
- Vai na frente e eu já vou.
- Por que?
- Porque sim ué.
- Tá bom.
Fui para o lado de fora onde tinham vários casais se pegando encostados no
muro e não demorou muito para começar a chover. Todo mundo saiu correndo
pra dentro do clube e eu fiquei lá esperando na chuva. Sabe por que? Porque nos
filmes isso SEMPRE funciona. Só por isso. Juro! Fiquei lá ensopado igual uma
besta porque nos filmes isso é legal de se fazer.
Não demorou muito e ela apareceu na porta com uma amiga, me viu lá todo
molhado e me chamou pra dentro. Fui.
- Por que você tava na chuva?
- Porque a gente combinou lá fora.
- Mas por que você ficou lá?
- Porque eu não queria perder por NADA a chance de
poder ficar com você.
A amiga dela riu, ela riu e algumas pessoas em volta começaram a rir.
- Mas agora você tá todo molhado.
- Pois é.
- E... eu não quero me molhar. Desculpa.
Ela saiu rindo e eu fiquei ali uns minutos ainda antes de
decidir ir pra casa todo molhado. Malditas comédias românticas!

4. Pesque e... Bate

Quando eu era DJ acabei tocando também em alguns Carnavais, todo tipo de


música. De eletrônica ao sertanejo, passando pelo pagode e até as marchinhas
tradicionais. Toquei todos os dias a noite toda. No último dia de Carnaval eu já
estava morto de cansado, mas uma garota da minha sala (cuja eu era
perdidamente apaixonado) tinha me chamado pra ir na quarta-feira de cinzas pro
Pesque e Pague.

[PAUSA]

Pesque e Pague é um lugar afastado da cidade com vá- rios lagos artificiais
cheios de peixes. Você vai lá, pesca e paga o que você pescou (dã!). Além desses
lagos com peixes, tem uns sem peixes mas com uns tobogãs e trampolins pra você
ir só se divertir sem o compromisso de pescar.

[DESPAUSA]

Na verdade, ela chamou a sala toda, mas ninguém se manifestou muito, o que
me animou. Como eu era contratado do clube que eu tocava como DJ, durante o
dia eu fazia outros serviços pra eles e neste dia eu estava fazendo o transporte de
gelo e bebidas com a Saveiro do dono da balada. Depois de fazer algumas
viagens, fiquei liberado do trabalho... e de carro. Não pensei duas vezes e parti
pro Pesque e Pague.
Na animação de encontrar com ela, eu voei na estrada para chegar logo. Assim
que saí da rodovia e entrei na es- trada de terra que levava ao lugar eu descobri
uma coisa maluca quando se dirige caminhonetes (que se ensina na auto escola
mas que eu não tinha feito ainda). A traseira da caminhonete é o lugar mais leve
do veículo porque a distribuição de lataria não é igual, por isso sempre colocam
aquelas câmaras cheias de areia dentro, pra ficar mais pesada e não... rodar.
Tchanã! Adivinha o que aconteceu quando eu saí da rodovia e entrei voando
numa es- trada de terra?
Os troianos ficariam com inveja do tamanho do cavalo de pau que eu dei! Eu
rodei tanto que acho que se eu parasse do lado do Yudi ele me daria um
Playstation.
Rodei, rodei, rodei e invadi uma fazenda arrancando três tocos da cerca,
quebrando o para-brisa, furando o radiador, estourando um pneu e destruindo a
frente do carro. Abri a porta pra sair do carro e entrou uns 10 kg de terra no meu
colo. Uma caminhonete que estava passando me ajudou a sair dali, eu troquei o
pneu e fui ao Pesque e Pague, afinal, EU TINHA OBJETIVOS A CUMPRIR!
Cheguei lá com o carro saindo mais fumaça que en- saio do Planet Hemp, com a
roupa mais suja que a de um mendigo e mais cansado que o cabeleireiro da
Vanessa da Mata. Estacionei e fui até os tobogãs. Lá estava ela, linda, de biquíni,
dentro do lago, feliz, rindo e se beijando com um outro colega nosso de sala.
Fiquei alguns segundos ali olhando a cena. Parecia que o tempo tinha parado mas
na minha cabeça passou um flashback muito rápido de tudo o que eu tinha feito
naquele dia pra chegar até ali e ver aquilo. Eu imagino que a Vida é uma velhinha
irônica, que ri muito de situações como esta.
Voltei pro carro e decidi ir pra casa tentar achar uma maneira de arrumar ele
antes de avisar meus patrões da merda que eu tinha feito. No meio do caminho o
carro morreu sem água no radiador. Fiquei parado na estrada esperando alguém
passar pra me ajudar.
De longe eu vi meu colega de classe vindo de moto com ela na garupa. Eu podia
pedir uma ajuda pra eles mas sabe o que eu fiz? Disfarcei pra que eles não
vissem que era eu ali, afinal, eu estava todo sujo e com um carro bati- do. Eu não
queria que ELA me visse assim, apesar de tudo o que eu tinha passado até ali.
E a Vida não parava de rir do meu lado.

5. O Capacete

Um dia a balada que eu trabalhava contratou novas funcionárias e eu me


apaixonei por uma delas. Ela era um pouco mais velha que eu, um sorriso grande
e lindo, cabelos bem pretos, lisos e longos e um corpo sensual!
O pulo do gato é que ela era uma MULHER, não uma garota. As garotas da
minha sala eram legais, mas nunca me deram bola. Mentira. Lembro de uma
Jaqueline que era a fim de mim no primeiro grau. Nunca mais a vi. Enfim, tive a
sorte de ficar com essa minha colega de trabalho algumas vezes e chegamos
quase a transar (a menos que você considere punheta, sexo).
Ela tinha uma moto pequena, tipo essas de 50 cilindra- das, e um dia chegou a
me mostrar um capacete que ela curtia. Ok, anotado na memória! Passaram-se os
meses e chegou no mês do aniversário dela. Na época eu só trabalhava como DJ
e não ganhava muito dinheiro. Eram R$ 30,00 por noite tocada. Como a balada
abria às sextas e sábados, meu saldo semanal era de R$ 60,00 e para comprar um
capacete de R$ 350,00 eu tinha que trabalhar seis finais de semanas sem gastar
dinheiro. Fiz isso por mais algumas semanas e juntei um pouco mais do que
precisava.
Fui na loja comprar o capacete e tinha um cara comprando o último! Era o
último da cidade! Outro só por encomenda para no mínimo uma semana de
espera. O aniversário era NAQUELE dia, tinha que ser AQUELE capacete!
Negociei com o cara e acabei pagando suados R$ 450,00. Sim, eu estava
apaixonado por causa de umas punhetas (a baixa autoestima é maravilhosa
nesses casos!).
Naquela noite eu fui até a casa dela entregar o presente. Ela estava sozinha e eu
entrei, animado. Entreguei o presente, ela abriu e gostou muito! Nos beijamos e
começamos a nos pegar. Um carro parou na frente da casa dela e buzinou, ela foi
ver quem era, eu olhei pela cortina e vi que era um dos maiores playboys da
cidade. Ela foi lá conversar com ele e eu fiquei na casa, esperando ela voltar.
Passou um tempinho, eu olhei pela janela de novo e vi eles se beijando bem.
Tipo, BEM!
Sentei no sofá e fiquei sem reação olhando pro nada. Eu tinha economizado dois
meses total de trabalho por aquele capacete. Levantei, saí da casa dela, passei por
eles se beijando, ela me viu, me chamou, eu ignorei e fui embora a pé pra casa.
Nunca mais ficamos ou falamos sobre isso. Simplesmente continuamos a
trabalhar no mesmo lugar sem nos falarmos mais.
Eu só me arrependo de uma coisa nessa história toda. De não ter voltado aquela
noite pra buscar o capacete de volta.

6. Não sou bom com linguagem dos
sinais

Em 2003 eu me mudei de Sinop, no interior, para Cuiabá, a capital do Mato


Grosso, para estudar publicidade e propaganda na UNIC – Universidade de
Cuiabá. Uma maneira de conseguir desconto na mensalidade era trabalhando no
curso. Como eu tinha conhecimento de edição de áudio por ter trabalhado muito
tempo como DJ, fui para a rádio do curso de Jornalismo atendendo os alunos e
professores pela manhã, o que não atrapalhava em nada meu curso à noite.
Era o primeiro ano do curso de Jornalismo na UNIC e tinham várias alunas
muito legais e bonitas nele. Como eu tinha coração fraco, me apaixonei logo por
várias, mas eu já estava esperto o suficiente para, pelo menos, não sair avisando
elas disso. Fiquei na minha. Todo dia tinha uma aluna de Jornalismo na rádio,
seja para fazer algum trabalho ou para matar aula. Os caras também eram gente
boa. Todos passavam por ali no horário das aulas da manhã ou, se tempo livre, à
tarde.
Uma dessas alunas ia com mais frequência à tarde e eu era a fim dela, mas ela
era BEM patricinha. Gente boníssima e riquíssima. Ela tinha carrão, roupas
caras, ficava com os playboys e frequentava os camarotes das baladas. Eu dirigia
uma Variant 1972 emprestada do meu avô, usava camisetas que eu tinha
mandado fazer em uma dessas gráficas que fazem camisetas, calça cargo cáqui,
era tímido e ficava na pista da balada porque não tinha tantos amigos assim pra
rachar um camarote.
Um dia ela me chamou pra ir numa balada cara e eu fui. Chegando lá a vi no
camarote com um cara bonito, bem vestido, malhado e que bebia whisky. Eu
fiquei na minha, na pista, com minha cara de trouxa, minha roupa boa da
Riachuelo, meu corpo de publicitário e meu copo com Coca-Cola e gelo. Ela
passava por mim, falava alguma coisa, ríamos e ela seguia. Foi assim a noite
toda enquanto ela foi bebendo mais, se soltando mais, rindo mais e apesar de eu
gostar de como as coisas estavam indo, eu percebi que não rolaria nada entre a
gente, afinal ela estava acompanhada de um cara lindíssimo (porra, o cara era
bonito mesmo!) e era muita areia pro meu caminhãozinho (ela, não o cara).
Fui embora sem avisar e mandei uma mensagem agradecendo o convite. Ela
respondeu:
- Trouxa!
- Quê?
- Você é trouxa! Eu não acredito que você foi embora! Por que você não falou
comigo antes de ir?
- Porque você tava no camarote com a sua turma lá.
- Era só me chamar! Você é muito trouxa! Você nunca reparou que eu sou a fim
de você não?
- O QUÊ!?
- Todo dia eu vou à tarde na rádio falar com você e você nunca faz nada. Te
chamei pra balada achando que você faria alguma coisa e você não fez nada!
- Mas você tá acompanhada aí!
- Do meu irmão!
- Como eu ia saber? Você não me falou!
- Você não perguntou!
- Vamos nos ver amanhã então? Topa ir no cinema?
- Viu como você é trouxa! Era pra você voltar aqui agora!
- Tá bom, vou voltar.
- Agora não quero mais. Você vai voltar porque eu falei e não porque você
queria.
- Mas eu quero.
- Não, você quer encontrar amanhã. Amanhã eu não quero mais!
- Então eu vou agora.
- Agora eu não quero mais também.
Eu não voltei. E sabe o pior? Todas as outras vezes que nos vimos pessoalmente
eu nunca soube como tocar no assunto.

Ps.: Leia o livro “O Corpo Fala - Pierre Weil”. Me ajudou muito com situações
assim anos depois.


7. Que viagem!

Só durante a faculdade eu percebi algo que me seguiu pela vida. Eu não sou bom
em me relacionar amorosa- mente com as garotas à minha volta. Isso porque em
algum momento me disseram: “Cara, tá a fim da mulher, chega com o pé na
porta!”, e como eu não sou bom de mira, sempre acerto na porra do batente e
viro amigo.
Por isso eu comecei a tentar as amigas dos meus amigos. Uma delas era amiga
da namorada do meu amigo, estava bem longe de mim, podia rolar! A gente
morava em Cuiabá (MT) e os nossos chapas e camaradas da Cia De Comédia Os
Melhores do Mundo iam fazer peça em Campo Grande (MS). As passagens
estavam baratas e meu amigo queria levar a namorada dele para ver. Gostei da
ideia e armei um esquema: comprei um par de passagens também e falei pra essa
amiga dos meus amigos que minha companhia furou comigo e que eu estava com
uma passagem sobrando. Ela quis comprar e eu disse que não precisava, eu já
tinha pago, só não queria ir sozinho ou de vela. Ela topou. Na minha cabeça
subdesenvolvida tudo já estava subentendido. Algo como “então... eles são um
casal... nós estamos indo juntos... bem...”, mas eu esqueci de uma coisinha: eu
não FALEI isso para ela. Chegamos em Campo Grande, fomos para o hotel e
ficamos eu e meu amigo num quarto, a namorada dele e a amiga dela em outro,
na frente. À noite fomos para a peça, rimos, curtimos e seguimos para uma
balada. Dançamos, bebemos e meu amigo voltou para o hotel com a namorada.
Eu fiquei na balada com a garota. Conversamos um pouco mais, bebemos um
pouco mais, eu fui ficar com ela e ela me deu um fora. Claro! Disse que eu estava
confundindo as coisas e que ela só viajou pela curtição da viagem.
Tudo bem, lance legal, o juiz não apitou, segue o jogo. Passamos mais um tempo
na balada, voltamos para o hotel, dormimos no mesmo quarto, em camas
separadas, num silêncio constrangedor e assim fomos até chegarmos em Cuiabá,
quando nunca mais nos encontramos de novo.
Que viagem!

8. Um leão sem juba

Durante a faculdade de Comunicação Social eu deixei o cabelo crescer,


experimentei maconha e descobri Legião Urbana, ou seja, tudo normal.

Em 2006, filmando Futebol Americano em Cuiabá (MT).



Os semestres passaram e novas alunas chegaram no curso de Jornalismo. Uma
delas era uma gracinha! Baixinha, pele branca, olhos azuis, sorriso lindo e
gargalhada divertida. Apaixonei! Chamei ela para o cinema e ela topou. Fomos
ver um filme e o único que estava para começar era Hannibal – O Início.
Assistimos e nem preciso dizer que não rolou muito clima para uns beijos.
Nos dias seguintes eu comecei a buscar ela no trabalho e deixar em casa.
Conversávamos sobre tudo e isso me animava muito. Um dia ela disse que
gostaria de me ver de cabelo curto, que achava que eu ficaria mais bonito. Bem,
quem tem cabelo comprido sabe como é DIFÍCIL manter ele bom, mas eu estava
disposto a tudo pela garota.
No dia seguinte, antes de ir buscá-la no trabalho, passei no cabeleireiro e tosei a
juba. Foi-se a cabeleira que eu adorava ter, mas tudo bem, cheguei no trabalho
dela, ela me viu por fora do carro, fez uma cara de surpresa, entrou no carro e eu:
- Gostou? Cortei.
- Ficou estranho.
- ... oi?
- Não sei, ficou estranho.
- Mas você não queria me ver de cabelo curto?
- Queria, mas acho que de cabelo comprido você fica melhor. Assim ficou
estranho.
Cara! Que ódio! MAS QUE ÓDIO QUE EU FIQUEI! Eu
tinha demorado meses pra deixar o cabelo grande! Fiquei tão puto que desde
então eu passei a só usar “cabelo estranho” na minha vida. Nunca mais fui buscar
ela no trabalho e também nem avisei que não ia. Foda-se!
Eu gostava daquele cabelo.

9. O resgate

Sempre gostei de comédias românticas e suas incríveis histórias fantasiosas de


amor e humor. Todas as voltas que a vida dá e as decisões desastrosas que fazem
aquela confusão ingênua acabar em uma bonita cena de beijo entre o trouxa e a
gatinha. Eu, na minha posição super clara de trouxa que sou, sempre tentei fazer
coisas legais para chegar ao final do filme com o beijo da gatinha. Demorei um
tempo pra descobrir que só eu vivia um filme, as outras pessoas estavam vivendo
o mundo real.
Certa vez fiquei com uma garota numa viagem de final de semana com meu
primo e umas amigas dele. A garota era bem inteligente, muito divertida e
interessantíssima! Lembro que ela me ensinou a dançar forró, olha que
interessante! Ficamos o final de semana todo e assim que voltamos para Cuiabá
eu quis sair com ela, e é aí que começa a história que só eu fazia parte.
Peguei, com o meu primo, o endereço do trabalho dela e o setor que ela
trabalhava. Fui no shopping, comprei uma caixa de Ferrero Rocher, tirei um,
coloquei num envelope e deixei na recepção do trabalho dela com um bilhetinho:

“Sequestrei toda a família deste Ferrero Rocher, se quiser rever os outros me
encontre hoje às 21h em frente a bilheteria do cinema do Shopping Pantanal.
Não avise a polícia. Venha sozinha. Um Beijo. Rodrigo (o primo do André).”

Ahhhh, isso foi fofo, vai!? Poxa, fiz uma piadinha, fui gentil, levei presentinho,
convidei ela para sair de uma forma super descontraída. Claro que ia dar certo.
Nos filmes com certeza daria!
Lá pelas 20h mais ou menos eu me arrumei e fui pro shopping esperar ela.
Resumindo.
Às 23h o shopping fechou e ninguém apareceu. Ou eu fui precipitado ou essas
coisas só funcionam mesmo nos filmes.
Ps.: Joguei a caixa de chocolates no lixo.

10. Formas geométricas do amor

Nem tudo é desastre na minha vida amorosa. Desta vez, por exemplo, eu estava
saindo várias vezes com uma garota e tudo corria bem. A gente ia junto nas
micaretas, nas festas rave, nos falávamos quase todos os dias pelo celular e
conversávamos muito sobre tudo. Porém (e sempre haverá um porém), se tivesse
dado tudo certo ela não estaria neste livro, né?
No final do meu curso de Publicidade e Propaganda em Cuiabá eu consegui um
estágio de três meses na Globo no Rio de Janeiro, dentro do Projac, com edição de
programas de humor, vinhetas, novelas e cheguei até a acompanhar a gravação de
alguns capítulos das novelas 7 Pecados e Paraíso Tropical. Foi uma experiência
sensacional! Tanto que assim que eu ter- minei a faculdade, tudo o que eu queria era
me mudar de vez para o Rio de Janeiro e trabalhar com entretenimento.
Porém, finalmente eu estava conseguindo entrar em um relacionamento depois
de várias tentativas frustradas. Será que o Projac podia esperar um pouco mais?
Será que minha vontade de querer ser grande no Rio de Janeiro era só mais um
desejo que todo mundo tem e passa? Eu acreditei que sim e resolvi ficar em Cuiabá,
pela garota.
Um dia, sem avisar, eu fui até a casa dela pra gente se ver. Cheguei, entrei e ela
estava conversando com um cara no sofá. Até aí, tudo bem, pessoas conversam,
normal. Mas existe uma distância mínima que as bocas precisam estar afastadas para
que possam se produzir consoantes. No caso deles a distância era igual a zero.
Fiquei ali na porta parado, olhando e esperando eles terminarem esse papo.
Terminaram, ela me viu e se assustou. Eu fiquei sem reação. Ela pulou do sofá e
veio falar comigo. Me puxou pelo braço e me levou pra cozinha.
- Eu explico!
- ...
- Ele é um cara que eu fico já tem um tempo.
- !
- Antes mesmo de começar a ficar com você.
- !!
- Tanto que ele sabia de você e tudo bem pra ele.
- !?
- Eu gosto muito de você! Mesmo! Você é uma ótima companhia. Eu me divirto
muito com você, acho você inteligente, um papo super legal... mas eu gosto dele
também!
- Tá, entendi... mas eu não sei se quero fazer parte disso.
- Eu quero estar mais com você, mas eu gosto dele também. Você entende?
- Olha, eu meio que deixei de me mudar pro RJ por sua causa e você não me falou
nada disso. Eu não quero fazer parte desse triângulo amoroso. Acho que você tem que
escolher, ou eu ou ele.
- … é ele.
O Rio de Janeiro é mesmo um lugar lindo, não é? Morei um ano lá!

11. O fluxo

Quando me mudei pro Rio de Janeiro eu tinha certeza que minha vida sexual
seria uma merda. Se já era ruim na cidade onde eu nasci, imagina numa cidade
onde eu nem tinha sido convidado pra estar! Eu cheguei tão despreparado no Rio
de Janeiro que consegui alugar um apartamento numa sexta-feira à tarde, mas só
fui ter onde dormir na segunda. Não tinha nada no apartamento! Dor- mi a sexta,
o sábado e o domingo no chão usando minha mochila como travesseiro e minhas
roupas como colchão e lençol.
Anos depois, quando contei sobre isso para o meu pai, falando como a minha
chegada no Rio foi sofrida, meu pai perguntou: “Mas por que você não comprou
um colchão inflável e um lençol? Depois era só dobrar e guardar”. Me senti um
imbecil e percebi que minha chegada no RJ só foi sofrida por pura burrice minha
mesmo.
No final de semana seguinte eu encontrei uma garota de Cuiabá em uma balada
ali pelo bairro de Botafogo e pra minha maior sorte ela conhecia o meu blog, o
Jacaré Banguela. Bingo! Fomos para o meu apartamento, tirei a roupa dela,
joguei na cama (ela, não a roupa) e transamos por horas! Tá, minutos. MAS
FORAM ÓTIMOS MINU- TOS! Assim que terminamos ela disse que não
estava se sentindo muito bem e que precisava ir ao banheiro. Fiquei meio
apreensivo, mas não me preocupei muito.
Ela estava no banheiro e eu fui ligar a luz pra achar a minha cueca. Quando
olhei pra minha cama TINHA SANGUE EM TUDO! Eu, que até então não tinha
a menor intimidade com o assunto menstruação, comecei a falar comigo mesmo
em pensamento: ‘Caralho! Eu cortei a garota com o meu pau!? Puta que me
pariu! Ela tá com hemorragia interna! Essa filha da puta vai morrer no meu
banheiro! Como que eu vou explicar isso pra polícia! Como eu vou explicar isso
pra minha família!? Eu tô fudido! Acabou minha carreira! Eu matei uma mulher!
Puta que pariu! Eu matei uma mul…’
Eis que ela sai do banheiro e me vê ali desesperado olhando pra cama.
- Ai, desculpa!
- O QUÊ!?
- Eu sabia que estava menstruando mas não achei que fosse descer hoje.
- Descer o que?
- Minha menstruação.
- Menstruação?
- É. Desculpa. Eu posso mandar lavar pra você.
- Puta que me pariu... a f f ... caraaaaaaaaaalho... puta merda... graças a Deus!
- Desculpa.
- Relaxa – eu disse, sentando na beirada da cama e colocando a mão na cabeça,
aliviado.
- Tá tranquilo, eu mando lavar amanhã.
- Mesmo?
- Mesmo.
Eu me vesti, ela se vestiu e foi embora. Enrolei todo o lençol, coloquei numa
sacola grande e limpei a cena do crime. No dia seguinte eu ia viajar cedo para
outra cidade e levei o lençol até a lavanderia do lado do meu prédio. Eu já estava
sem graça por ter que levar aquilo tudo cagado de sangue pra alguém lavar. Eu
sei que eu seria julgado, mas eu não tinha opção (até porque era meu único
lençol!).
Cheguei na lavanderia e dei de cara com a porta. Era sábado de manhã, umas 9h
mais ou menos, eu tinha que ir pro aeroporto e não tive outra opção: joguei o
lençol no lixo.
Apesar do susto, chamei a garota pra sair mais algumas vezes, mas ela sempre
tinha algum outro compromisso. Aposto que era menstruar na cama de alguém!
Sorte a minha.

12. Aquela Maria...

No Rio de Janeiro as minhas aventuras ou desventuras amorosas só


aumentavam. Talvez pelo fato de eu ter começado a ler Nelson Rodrigues e
Sérgio Porto, nessa época, tenha me ajudado a QUERER viver umas coisas mais
malucas como as que eles escreveram (sem os suicídios e os assassinatos, claro).
Um dia um amigo me chamou para ir no apartamento de uma garota, que tinha a
fama de já ter transado com vá- rios comediantes amigos nossos do Brasil todo.
Problema nenhum! Pelo contrário, só vimos vantagem nisso. Assim como
existem as Marias-Chuteira, existem também as Marias-Comédia, afinal, as
Marias fazem o que quiserem. Naquela época, como além de blogueiro eu
estava começando no stand-up, me animei em ter alguma coisa em comum com
os grandes comediantes que eu era fã, nem que fosse aquela Maria. Chegamos
no apartamento dela e assim como combinado, ela estava com uma amiga lá.
Conversamos um pouco, bebemos um pouco e meu amigo não ficou a fim de
nenhuma das duas, disse que queria ir embora e a Maria anfitriã (a Comédia)
pediu para ficarmos. Ele insistiu em ir, mas disse para eu ficar, que eu iria me
divertir. Fiquei. Assim que meu amigo foi embora e a amiga da Maria também,
fiquei ali com ela todo animado. Ela perguntou se eu queria dormir lá e eu disse
que sim. Ela sorriu, me levou até um quarto e disse:
- Fica nesse aqui, o cara que dorme aí é um gringo mas ele tá viajando. Tem
cobertor ali no armário.
- E você?
- Eu vou dormir aqui no meu, tô com sono, tenho que acordar amanhã cedo pra ir
trabalhar. Quando sair só encosta a porta que é seguro aqui. Boa noite.
Entrei no quarto, deitei, fiquei uma meia hora olhando para o teto, levantei, fui
até o quarto da Maria e ela tava lá roncando de boca aberta. Fui embora. Liguei
para o meu amigo ir me buscar e ele não podia pois estava ocupado transando
com a amiga da Maria. Peguei um táxi e fui pra casa. Puto!
Nessas horas eu até entendo os desfechos do Nelson Rodrigues e do Sérgio
Porto.

13. Fá do Clube do Whisky

Eu não lembro exatamente quando foi que eu comecei a querer ser um cara mais
conhecido. Talvez quando eu vi- rei DJ em Sinop (MT) e as pessoas começaram
a elogiar o meu trabalho eu tenha sentido vontade de trabalhar mais para ser
mais elogiado. Talvez.
O meu blog, o Jacaré Banguela, é um ótimo termômetro pra isso. Muita gente
conhece e muita gente não, e é por isso que eu não uso ele como meu
sobrenome na hora de me apresentar pra alguém, porque quando a pessoa não
conhece, é só meio vergonhoso eu afirmar que ele é muito conhecido quando a
outra pessoa nunca nem ouviu falar. Lembro que estava com um amigo num
puteiro no Rio de Janeiro (aliás, só lá que eu entendi porque o Rio de Janeiro
é a Cidade Maravilhosa) e uma das garotas de programa veio falar comigo.
- Oi, desculpa perguntar, mas... você é o cara do Jacaré Banguela?
Pô, inflei igual um pavão na hora! Pensei comigo: “já que ela é fã, talvez nem
cobre pelo programa de hoje!”. Dei um sorrisinho de canto de boca, olhei para o
meu amigo, fiz cara de “Tá vendo? Fama!” e respondi:
- Sou sim.
- Sério mesmo?
- Sé.rí.ssi.mo!
- É ele mesmo, o cara do Jacaré Banguela! – disse a garota se virando pra trás
enquanto dava este recado para um outro cliente que abriu um sorrisão e veio
falar comigo.
- Pôôôôôô! Eu sou muito seu fã, cara! Mas como eu não sabia se era você
mesmo, pedi pra ela vir perguntar. Que que ce tá fazendo aqui?
Que pergunta foi essa!? O que eu estaria fazendo dentro de um puteiro? Ah, já
sei! Virando piada para o meu ami- go que espalhou a história para todo mundo
que a gente conhece, era isso que eu estava fazendo lá!
Só de raiva, eu me lembro que peguei a garota que estava com o fã, levei ela pro
quarto e transamos. Mas tive que pagar.
Afinal o fã era o cara, não ela.

14. Surpresaaaaa!

Esta fase de puteiro foi curta e intensa mas renderam três histórias boas para este
livro. Esta aqui é a do meio e é um pouco bosta. Mesmo!
Nesta época de puteiro eu meio que queria entender mais como era fazer sexo,
eu tinha feito pouco até então e neste meu período no Rio de Janeiro o meu blog,
o Jacaré Banguela, lucrava muito. Deixei muito dinheiro no mesmo puteiro. Eu
era um cliente fiel àquelas meninas, ia sempre no mesmo puteiro.
A cada ida eu tentava uma posição nova com aquelas mulheres mega experientes
além do papai e mamãe que... porra... essa é meio que automática. Fui fazendo
todas que eu tinha curiosidade como Coqueirinho, De Ladinho, Frango Assado,
De Pé, Balanço Sensual, Montaria Invertida, Carrinho De Mão, menos o 69
porque... né… um dia eu tive curiosidade pelo cu. Não o meu, claro, mas o delas.
Como deve ser fazer sexo por lá? Será que mulher gosta (olha que ingênuo que
eu era!)? Será que era só pedir que todas fariam? Bem, só tinha um jeito de
descobrir. Fui à casa das “mulheres de vida fácil” (quem criou essa expressão
com certeza foi uma esposa traída, porque pensa aí em transar com uns cinco
desconhecidos por dia, por obrigação e por dinheiro. É fácil? Se você achou,
talvez você seja uma boa puta em potencial e só tá perdendo dinheiro não
fazendo isso ainda) e escolhi uma das garotas para o que eu queria. Perguntei se
ela fazia de tudo e ela disse que sim. Ótimo!
Fomos para o quarto e começamos a brincadeira. Pedi para ela o cu. Assim,
direto e decidido. Eis que ouço:
- Claro, seu pau é ótimo pra comer cu!
E isso é um elogio difícil de aceitar. Porque ao mesmo tempo que aparentemente
é legal ter um pau “ótimo para comer cu”, eu não sei o que isso realmente
significa. É fino? É pequeno? Não machuca? Eu não sei!
Voltemos ao cu.
Confesso que gostei da sensação, me pareceu bem interessante mesmo, fiquei ali
repetindo os movimentos e curtindo o passeio. Porém (olha ele aqui de novo!
Sempre haverá um porém!), eu caí numa cilada para qual eu não tinha
treinamento para escapar.
No linguajar gay eles têm uma frase que é “fazer a chuca para não passar
cheque”, que é uma maneira mais refina- da de falar “lavar o cu por dentro para
não cagar no pau alheio”. Bem, digamos que eu... ganhei... um... “cheque”.
Fiquei decepcionado com a falta de profissionalismo da moça. Sabe quando você
vai na lanchonete, pede um copo de açaí e vem escorrendo açaí pelo copo? É
desse tipo de falta de profissionalismo que eu tô falando. Não pode deixar o açaí
escorrer do copo!
Nunca mais fiz anal com uma garota de programa. Hoje faço só com moças
belas, recatadas e do lar.

15. Milhagem

Eu comentei que ia muito neste puteiro do Rio de Janeiro, né? Pois é. Ia mesmo.
Não vou falar o nome dele aqui porque vai que na nota fiscal vem como
“restaurante” ou “comércio de bebidas?” Aí a namorada de alguém lê este livro
e liga os pontos sobre onde o cara sempre tem uns “almoços de reunião com o
pessoal do escritório” e eu viro estopim de uma DR desnecessária. Deus me livre!
Mas o puteiro fica perto da lagoa Rodrigo de Freitas, naquele córrego que tem ali,
sabe? Quase em frente ao Pão de Açúcar do lado do Jardim Botânico como quem
vai para o Humaitá. Enfim. Talvez por uma carência afetiva das várias mulheres de
quem eu vinha levando fora (por minha culpa, confesso), o puteiro passou a ser o meu
divã por um tempo. Um longo tempo. Sabe aquelas histórias que a gente ouve dos
caras que vão no puteiro para conversar com a puta? Então, eu já fui esse tipo de
cara. Já quis tirar umas garotas dessa vida como se eu fosse a Mulher-Maravilha
livrando essas escravas da opressão machista que as tratam como simples objeto
de prazer.
Mas eis um ponto. A garota de programa está acima de qualquer ismo desses
porque um lado vê essa mulher como um simples objeto de prazer, o outro vê
como o símbolo do empoderamento da mulher sobre o fato dela fazer o que quiser
com o próprio corpo, inclusive lucrar. E elas estão cagando muito para qualquer
conceito sobre o que elas fazem ou deixam de fazer.
Elas são demais! Amo putas!
Eu ia tanto neste puteiro, mas TANTO, que um dia eu cheguei, falei meu nome
fantasia (“Fernando Rodrigues”, que tal?), coloquei minha digital no aparelhinho
e a atendente abriu um sorrisão pra mim:
- Ih, olha que beleza senhor Fernando! Parabéns!
- Eita! Pelo quê?
- O senhor tem vindo muito aqui, não é?
- É, acho que tenho.
- Então, a casa quer te parabenizar por isso.
- Hum, obrigado. Valeu casa! Uhul!
- Hahahaha... é mais do que só parabenizar! Vamos te dar um bônus hoje.
- De que?
- Hoje o senhor não paga nada.
- Como assim?
- Nada. O senhor vai se divertir hoje por conta da nossa casa.
- Nem bebida?
- O senhor tem direito a dois drinks e uma garota por conta da casa. Só hoje.
- Uau! Valeu! Sensacional! Obrigado casa!
- A casa é que agradece!
Usufruí de todos os benefícios deste dia com muito apreço pela gentileza. Mas
quando estava voltando para casa eu pensei que talvez fosse a hora de eu parar
com isso. Se eu estava ganhando milhas, é porque o meu avião estava voando
demais e para destinos errados. Nunca mais voltei lá e nunca mais me relacionei
com uma garota de programa.
Pelo menos não uma assumida. Foi bom enquanto durou. Muito bom!


16. O show de humor que terminou sem

graça

Depois de desistir dos puteiros no Rio de Janeiro eu voltei a tentar ficar com
as mulheres sem que eu precisas- se pagar e isso é muito difícil, afinal, para que
as mulheres se interessassem por mim eu teria que ser... interessante. Me
dediquei mais ao Jacaré Banguela, no nível dos textos, às pesquisas para não
escrever (muita) merda, ao sarcasmo e ironia que eu sempre odiei (!) e depois
de um tempo algumas garotas começaram a se manifestar. Com uma delas eu
comecei a sair bastante. Fui numa festa em um píer em Botafogo, em um outro
dia fomos num barzinho no Flamengo e na terceira vez que saímos eu levei ela
para assistir um show de stand-up de uns amigos (show de stand-up é ótimo para
pegar a pessoa que você quer. Fica a dica. Mas cuidado!).
Ela adorou o show, riu muito, gostou do passeio e na saída sugeri para ela de
irmos jantar com os comediantes, afinal, eu era amigo das estrelas e queria me
mostrar um cara influente. Ela aceitou.
Chegamos no restaurante. Eu, ela, um dos comediantes e um outro amigo nosso.
Ficamos conversando, rindo, bebendo, comendo e eu percebi uma coisa estranha,
mas fiquei na minha. Assim que ela saiu para ir ao banheiro o comediante disse:
- Banguela, tá rolando uma parada estranha aqui.
- Eu tô vendo.
- Ela tá pas...
- Passando o pé na sua perna. Eu tô vendo.
- Cara! Eu não fiz nada, eu juro. Eu tô de boa aqui. Quer trocar de lugar comigo?
- Não, relaxa. Se ela quer te dar, come ela.
- Mas você que chamou ela pra sair.
- Azar o meu.
- Não, cara! Come ela!
- Ela não quer dar pra mim, quer dar pra você. Come ela você.
- Porra!
Ela voltou e seguimos outro papo, claro. Conversamos mais um pouco, pedimos
a conta, pagamos e fomos embora. Como eu era o único de carro, fiquei na
função de deixar a turma em casa. Deixei o amigo primeiro e fui deixar o
comediante para depois ir deixar a garota e surpreender ela com um “Quer que eu
suba?” ou “Quer ir lá pra casa e depois eu te deixo na sua?”, afinal, só os
homens da mesa sabiam que todos ali sabiam o que estava acontecendo, para ela
ninguém sabia de nada.
Assim que eu parei na frente do prédio do comediante ele desceu... e ela
também. Eu e o comediante nos olhamos e ficamos sem reação. Isso sim foi
surpreendente!
Ela disse que pegaria um táxi pra casa depois, mas que tinha adorado a noite.
Bateu a porta do carro e eu e o comediante ainda ficamos uns 5 segundos parados
sem reação antes de eu acelerar e ir embora.
Tudo bem. No dia seguinte o comediante disse que ela transava mal pra
caramba! Acho que ele mentiu pra mim só para eu não me sentir tão mal pela
noite passada.
Valeu cara!

17. Caí na Friendzone

Todo ano em Curitiba tem o Festival de Curitiba e dentro dele o Risorama, um


festival de comédia organizando pelo Diogo Portugal. Há vários anos que eu
tenho o prazer de ser convidado pra ir e sempre gosto muito de estar em Curitiba.
Adoro a cidade, o clima e... é claro, as mulheres absurdamente lindas que moram
lá.
Numa dessas vezes que eu fui, me encontrei com uma garota que era fã do
Jacaré Banguela há alguns anos e queria me encontrar no hotel. Dei uma olhada
nas fotos dela no Facebook e a garota era simplesmente uma das mais lindas que
eu já vi na vida. Sério! Posso garantir isso pois estou escrevendo este livro anos
depois de tê-la conhecido. Pirei com ela mas não demonstrei, claro!
Ela disse que não conseguiria ir no hotel mas queria se encontrar comigo.
Chamei pro Risadaria e ela foi. Se divertiu vendo os shows, conversamos e os
comediantes combinaram de ir numa festa sertaneja depois das apresentações.
Convidei ela para ir conosco e ela topou. Na festa, tocando aquele sertanejão da
portêra véia, eu que não sou bobo nem nada chamei ela pra dançar. Eu danço
médio, já tinha aprendido há uns anos em Cuiabá (lembra?), mas quando tô com
a confiança alta, parece até que danço bem.
Corpo colado, roçando barba no pescoço, ela rindo, nos olhamos de pertinho, fui
beijar e...
- Não!
- Que?
- Não, por favor não!
E quando tem um “por favor” antes de um “não” a coisa fica séria. Travei.
- O que foi?
- Ah, cara... sério... putz... é uma merda isso! – disse ela choramingando.
- Tá tudo bem? – fiquei preocupado.
- Ah... é foda isso viu!
- O que foi? Fala pra mim.
Saímos da pista e fomos pra um canto.
- Tá tudo bem? Eu fiz alguma coisa que você não curtiu?
Desculpa.
- Não, não fez... sei lá... é foda.
- Me fala o que foi.
- Ah... pô... todo cara que eu conheço quer me pegar. Sempre! Toda vez.
- Bem, você é bonita e muito divertida. Natural que os caras se interessem.
- Tá, eu sei, mas é que eu quero um amigo também!
- E você não tem amigos aqui em Curitiba? – já tentando tirar o meu da reta.
- Não, só umas meninas que eu saio de vez em quando, mas eu queria um
homem.
- Bom, dá pra gente ficar e eu ser amigo, não? - não?
- Ah, sei lá, eu prefiro não.
- Não ser minha amiga? Tudo bem, a gente fica então.
- Hahahaha... não, prefiro não ficar com você e ter você como amigo.
- Mas bem na minha vez?
- Desculpa, mas eu quero só ser sua amiga.
- Bom, tá bom, então eu vou ali tentar pegar umas garotas e depois a gente
conversa sobre elas, tá bom? – fui escroto? Fui, mas calma...
- Tá.
Voltei pra pista e ela veio atrás.
- Peraí!
- O quê?
- Eu não quero que você fique com outra garota.
- Ué. Não posso ficar com você e não posso ficar com outra garota também?
- Não, hoje não. Eu vim com você e quero ficar conversando com você.
Mulheres, me desculpa, mas esse tipo de pedido não faz o MENOR sentido.
Ainda mais vindo de alguém que eu tinha conhecido NAQUELE dia. Segui.
- … eu vou embora.
- Por quê?
- Já tô puto.
- Comigo?
Fui em direção a saída, paguei meu cartão e chamei um táxi. Ela veio atrás.
- Peraí, eu vou com você.
Entramos no táxi e eu dei o endereço do meu hotel. Ela disse que não queria ir
pra lá. Eu disse que íamos pro meu hotel e que de lá ela podia ir pra casa dela no
mesmo táxi. Ok. No meio do caminho ela disse que tava com fome.
POOOOOOORRAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!! – pensei.
Desviamos para um McDonald’s. Descemos, comemos, conversamos e eu não
toquei no assunto, pagamos, chamei outro táxi. Ela veio e me abraçou. Ficamos
abraçadinhos. Chegou o táxi. Dei o endereço do hotel, ela não falou nada.
Chegando perto do hotel ela disse:
- Vou pra minha casa.
- Tudo bem, estamos chegando no hotel. Eu fico lá e você vai pra sua casa
depois.
- Mas eu tô sem dinheiro pra pagar o táxi.
Lembra que eu disse que pra mim a Vida é uma velhinha sacana? Pois é, ela era
a motorista do táxi e ria como ninguém!
- Deixa eu ficar em casa antes?
- Não quer ir pro hotel?
- Não, quero ir pra casa.
Ela deu o endereço, demos uma volta imensa e fomos pra casa dela. Assim que
chegamos:
- Então tchau. – eu disse.
- Assim?
- Assim como?
- Você tá bravo comigo?
CARAAAAAAAAAALHOOOOOOOOOOO!!!!! - pensei
enquanto respirava fundo.
- Não.
- Mas você tá seco.
- São quase 7h da manhã, eu só tô com sono.
- Tá bom. A gente se vê amanhã? CLARO QUE NÃO, Ô CARALHO!!!
- Pode ser.
- Você me liga?
- Ligo.
- Mesmo?
MEU OVOOOOOOOOOOOO!!!!
- Ligo.
- Vou esperar, hein?
- Tá bom.
- Você nem vai ligar, já tô vendo!
ALGUÉM TEM UMA ARMA PRA EU DAR UM TIRO NESSA FILHA DA
PUTA!?
- Vou sim. Agora deixa eu ir que eu tô com bastante sono mesmo.
- Tá.
Ela me deu um abraço, um beijo no rosto e desceu do táxi. Partimos.
- Cara, eu não teria essa sua paciência não! – disse o taxista.
- Foi difícil.
Excluí ela de todas as minhas redes sociais, apaguei o telefone e poderia até
dizer que não lembro mais o nome dela (porque não lembrava mesmo), mas
enquanto escrevia este texto eu lembrei, procurei no Facebook e ela está casada.
Azar do cara.

18. Desastre aéreo

O Rio de Janeiro infelizmente não foi exatamente bom para mim


profissionalmente. Não que tenha sido ruim, mas as coisas não estavam
acontecendo como eu queria. Certa vez, conversando com o chapa, camarada e
come- diante Fábio Porchat sobre isso ele me perguntou: “mas você era bom?
Porque se você não era bom, a culpa não era da cidade”. E eu repensei toda a
minha teoria de que “O” Rio de Janeiro não foi bom pra mim. Acho que eu é que
não estava pronto para o Rio de Janeiro.
Mas o fato é que eu me mudei pra São Paulo um ano depois e as coisas
começaram a dar certo (provavelmente por causa das porradas que eu levei no
RJ). Eu estava fazendo Stand-up há algum tempo e notei que em São Paulo tem
mais lugares para se apresentar que no Rio de Janeiro, isso me deu um gás para
me dedicar mais a essa arte que eu já gostava muito como espectador.
Certa vez voltando de avião de algum lugar que eu não lembro qual, fiquei por
último pra descer porque eu tinha colocado a minha mala no último bagageiro,
mas sentei no meio do avião. Nisso uma das comissárias estava me olhando com
certa curiosidade. Ela, linda da cabeça aos pés (era Tam. Se fosse Varig...) com
um belo de um sorriso de clareamento a laser. Com certeza era!
Todos saíram e eu fui buscar minha mala. Ela chegou perto e perguntou:
- Você é o cara do Jacaré Banguela?
- Sou sim.
- Legal! Eu adoro seu blog. Gosto das coisas que você escreve lá.
- Ah, tudo bobagem!
- Por isso que é bom.
- Você mora aqui em São Paulo?
- Moro sim. Você também?
- Moro. Depois de amanhã vou fazer um show de stand-up num evento fechado ali
no Comedians (bar de comédia). Tá afim de ir?
- Ó! Acho que tô sim. Tentei ir lá uma vez mas a fila tava
enorme aí eu desisti.
- É evento fechado, não vai ter fila. Consigo colocar seu nome lá. Qual seu
celular?
- Anota meu Face. – TOMA, BOBO!
Anotado. Mandei as coordenadas e ela mandou o nome dela e de uma amiga.
Isso foi em 2011 e eu realmente não era muito bom no stand-up. Porém como ela
aceitou o convite, eu queria ser o melhor comediante da noite. De- corei bem
meu texto, escrevi mais algumas coisas e parti pro show. Assim que eu entrei no
palco eu a vi na plateia. Fiz sinal pra ela, ela respondeu com um tchauzinho e eu
comecei a fazer as piadas.
A primeira não funcionou muito bem, a plateia não riu. Disfarcei, segui e a
segunda funcionou mais ou menos. Bom! A terceira foi uma meeeeeerda e a
partir daí mais nenhuma piada funcionou. Foi um dos piores shows da minha
vida!
Para você entender qual é a sensação de ser um come- diante com piadas ruins, é
mais ou menos como quando você sonha que está nu no meio da rua. Sabe essa
sensação de estar em público, em completo desespero e não saber o que fazer
quando todo mundo está te olhando? É exatamente assim!
No final do show eu a procurei, mas ela já tinha ido embora. Mandei uma
mensagem no Facebook pra ela.


Nunca mais consegui chamar ela pra sair. Acho que o fato dela ter me bloqueado
no Facebook dificulta também. Acho!

19. Não era amor, era cilada

Escrevendo este livro eu percebi que a única cidade que eu nunca morei mas
tenho boas histórias ruins da minha vida é Curitiba. Imagina se eu morasse!
Inspirado por filmes e histórias legais, eu já comentei aqui em outro conto que
de vez em quando eu fantasio situações românticas por puro prazer de querer
viver uma cena de filme mas sempre erro na hora de definir e avisar o elenco.
Geralmente o único que está sabendo que aquilo deveria ser uma cena de filme
romântico sou eu.
Havia um tempo em que eu e esta garota estávamos nos falando muito pelo
WhatsApp. Ela em Curitiba e eu em São Paulo. Conversávamos quase todos os
dias. Falávamos sobre várias coisas e mandávamos ícones fofos um para o outro
o tempo todo. Ficávamos batendo a nossa agenda para vermos quando seria
possível nos encontrar, se íamos um para a cidade do outro e todo aquele
romance intenso e verdadeiro que só o vazio, a distância e a superficialidade da
virtualidade podem sempre nos proporcionar (!)
Um dia, num sábado qualquer, eu acordei inspirado por Hollywood e pensei:
“vou fazer uma surpresa pra ela!”. Respirei fundo, levantei da cama, tomei um
banho, peguei meu carro e fui pra Curitiba. Foda-se! Cinco horas de estrada (que
é linda, inclusive!), música alta e um objetivo: almoçar com a garota, passar o dia
com ela, um bar ou balada à noite e... quem sabe... bem... você sabe.
Cheguei na cidade e mandei uma mensagem para ela dizendo que estava lá e
queria almoçar, que foi uma viagem de última hora (eu não queria revelar a
surpresa logo) e que eu passaria o final de semana em Curitiba para fazer umas
coisas. Ela se animou e foi me encontrar.
Ela, assim como boa parte das garotas deste livro, era extremamente linda,
inteligente e legal. Almoçamos, conversamos, rimos e durante a sobremesa ela
quis saber o que eu estava fazendo em Curitiba, achei que seria uma ótima
oportunidade de falar que estava lá por causa dela. Pensei: “é agora que ela se
apaixona!”.
- Vim te ver.
- Que!? – respondeu ela meio séria.
- Vim só pra te ver. A gente tava combinando isso faz tempo, então peguei meu
carro e vim.
- Mas... por quê? – já bem séria.
- Ué... porque sim. Precisa de um motivo?
- Você veio só pra se encontrar comigo? – meio desconfiada.
- É, oras. A gente se fala todo dia e fica combinando de se encontrar. Eu não
tinha nada pra fazer em São Paulo neste final de semana e vim te ver.
- E por que você não me avisou que viria?
- Porque eu queria fazer uma surpresa. Por quê? Fiz alguma coisa errada? Você
namora?
- Não, não namoro, mas... não acredito que você veio só pra me ver.
- Pra te ver, conversar com você, passar o dia com você, sair pra um bar à noite...
essas coisas.
- É... não sei... – disse ela já dando aquela coçadinha na nuca que significa “puta
merda, o que eu faço agora!?”.
- Não gostou de eu ter vindo?
- Gostei... é que... é estranho você vir do nada “só pra me ver” (sim, ela fez aspas
com as mãos).
- Putz, foi mal, eu achei que você ia gostar da surpresa. Ela deu uma desculpa de
que estava com a tarde toda ocupada e que não daria para me encontrar de
novo naquele final de semana INTEIRO. Da minha parte era amor mas pra ela
era cilada.

20. Rainha da Feira da Uva

Há dois ditados antigos na internet que serviam para desmerecer os blogueiros


quando esses começaram a ser reconhecidos como mídia de massa e se tornaram
conhecidos, que eram: “ser famoso na internet é como ser rico no Banco
Imobiliário” e “ser famoso na internet é como ser Rainha da Feira da Uva, você é
muito conhecido, mas para um público muito específico de pessoas!”.
Eu já prefiro a piada que eu fazia nos meus primeiros shows de stand-up: “ser uma
webcelebridade é como ser o personagem principal de uma novela... da Record,
porque você sai na rua e ninguém te reconhece porque nunca te viu na vida!”.
Mas nós, webcelebridades (!), sempre tivemos as nossas próprias Feiras da Uva e
Bancos Imobiliários que são esses eventos nerds como Campus Party, Comic Con,
You Pix, os eventos de Anime e todos esses lugares que costumam reunir muitos
jovens com seus hormônios à flor da pele e a ado- ração pelos seus ídolos virtuais.
Eu costumava ser um desses ídolos nerd (!) Sério (!!) Mesmo (!!!)
Em um desses eventos eu conheci uma garota que eu fiquei bem a fim. Ela era de
outra cidade, mas estava em São Paulo porque estava participando de um concurso
da Garota Mais Bonita da Internet (ou algo parecido com isso) e assim que eu
puxei um papo com ela, ela ficou surpresa em saber que eu a conhecia (lembre-se,
eu costumava ser um ídolo nerd!).
Começamos a conversar e logo no início ela falou do namorado dela. Eu dei uma
travada, mas como ela tinha um papo legal, continuei. Até porque hoje em dia é
comum conhecer pessoas com relacionamento aberto, certo? Não por acaso ela
começou a falar o quanto o relacionamento dela era uma merda, que não gostava
do cara, que ele não dava atenção pra ela, que quase não transavam mais e eu...
entendi o código.
Fomos para uma festinha particular de um pessoal do evento que estávamos e
continuamos conversando. Papo vai, papo vem, ficamos. Fomos embora, cada um
para o seu destino e não nos falamos mais naquela noite. No dia seguinte saía o
resultado da votação em que ela estava concorrendo. Como eu estava no evento, fui
ver qual seria o resultado. Chegando no espaço da votação a vi de mãos dadas com
um cara, supus que fosse o tal namorado. Ela me viu e sorriu amarelo, mas quando
o namorado dela me viu:
- NÃO ACREDITOOO! O JACARÉ BANGUELAAA! CA- RALHOOO!!!
VOCÊ É FODAAA!!!!!
Eu quis me cagar todo.
- Caralho! Eu sou muito seu fã, cara! Você é foda! Puta que pariu! Não acredito que
eu tô te vendo aqui na minha frente! Puta merda! Foda! Essa aqui é a minha
namorada.
- Oi, prazer.
- Prazer.
- Puta que pariu! Tira uma foto comigo. Eu tô tremendo. Caralho! Eu não acredito!
O Jacaré Banguela! Que foda! Eu te acho foda, cara! Amor, tira uma foto aqui, eu
tô tremendo demais! Puta que pariu! Que foda!
Click!
Eu me senti mal, muito mal, mal mesmo. Duas semanas
depois eu tava ficando com essa menina de novo. Droga!

21. O corpo fala

A maioria das relações amorosas que eu tive até aqui duravam apenas uma noite
por vez e eu não tinha a menor vontade de me relacionar por mais tempo que
isso. Talvez por insegurança de um relacionamento mais sé- rio, talvez por não
gostar tanto das garotas que eu havia conhecido, até então, ou talvez seja o fato
que existem 7 bilhões de pessoas na Terra e não faz muito sentido se relacionar
com uma só a vida inteira. Talvez.
Eu havia ganhado um pacote de viagem para duas pessoas numa promoção. Era
uma boa viagem longa, com várias escalas até chegar ao destino final, mas ainda
as- sim, boa. Chamei minha mãe e ela não podia, chamei meu irmão e ele não
podia, chamei uns amigos e eles não podiam e aí eu resolvi chamar uma garota
que eu já tinha ficado algumas vezes. Porém (olha ele aqui de novo!), eu e ela
não éramos íntimos de verdade. Tínhamos ficado algumas vezes e só, sem muito
papo ou romance.
A viagem seria longa, passaríamos uma semana juntos e eu tentei ficar de boa,
afinal, era a primeira vez que eu estaria muito tempo e muito junto com uma
garota. Veja, na minha primeira oportunidade real de estender uma relação eu já
me aprisionei com uma garota por uma se- mana! Risco alto!
Chegamos no hotel depois de horas de viagem, escalas, aeroportos, check-in,
alfândegas, embarques, desembarques, esperas e principalmente comidinhas lixo
de avião e aeroporto. Além de serem uma fortuna, são uma bomba pra qualquer
estômago. Eu estava louco de vontade de ir no banheiro, o charuto já estava no
beiço e fumegando!
Assim que entramos no quarto ela correu para o banheiro e eu fiquei puto! Me
controlei pra não cagar. Eu não sabia quanto tempo ela iria demorar e minha
barriga fazia sons estranhos. Foi o tempo da garota fechar a porta do banheiro, eu
ouvir o barulho da tampa do vaso abrindo e começar uma sinfonia de diarreia que
a vida não tinha me preparado para ouvir.
Se a comidinha dos aviões fez mal pra mim, pra ela fez MAL PRA CACETE. Eu
fiquei parado no centro do quarto, olhando pra porta do banheiro, com a boca
meio aberta, abismado, ouvindo o que eu estava ouvindo e segurando na alça de
uma mala. Fiquei ali sem reação coexistindo com outro ser humano que estava
fazendo a coisa mais natural do planeta e a briga na minha cabeça começou:
- Claro que sim, todo mundo faz isso!
- Porra, mas eu não queria saber!
- Por que não? Super natural.
- Porra, mas e agora como eu vou olhar pra cara dela?
- Ué, olhando! Você também caga.
- Eu sei, mas eu nunca ouvi outra pessoa cagando.
- Nunca?
- Sei lá, to puxando aqui na memória e não lembro de ninguém.
- Relaxa!
- Ela podia ter ligado o chuveiro, sei lá. Eu ligaria o chuveiro.
- Mas não deu tempo.
- Porra, se feder eu vou ficar bem puto!
- É possível que feda.
- Porra, eu vou ficar bem puto!
- Mas cocô fede. Qual o problema de feder?
- Cheirar o meu cocô tudo bem, é meu! Eu que fiz! Mas o de outra pessoa não.
Ainda mais uma garota.
- Ahhhh... qual o problema.
- Meu nariz! Porra, agora toda vez que a gente sair pra jantar eu já sei que ela vai
cagar aqui.
- E você não vai?
- Vou, mas eu vou ligar o chuveiro.
- E se feder?
- Não vai feder.
- Não tem como saber.
- Peraí! Porra! Que cheiro é esse?
- É, que cheiro é esse!? Fedeu.
Foi uma semana ótima mas foi uma merda.

22. Afinal, o que quer um comediante?

Se nem Freud conseguiu descobrir o que quer uma mulher, imagina eu que sou
um trouxa? Certa vez fiz um show num bar em São Paulo com vários
comediantes mais novos que eu, tanto na idade quanto em tempo de comédia. No
elenco tinha uma garota que estava começando na carreira mas fez boas piadas.
Gostei da criatividade dela, de como ela se movimentava no palco, como
apresentava as piadas e as saídas que ela encontrou para as piadas que não tinham
sido tão boas.
No final do show eu fui parabenizá-la e dar uns pitacos em algumas piadas dela
(é sempre legal quando os amigos comediantes fazem isso, acabam dando outro
ponto de vista no que escrevemos. Comediantes, façam isso sempre!) e ficamos
conversando sobre várias outras coisas.
Ela me disse que morava longe e que estava tarde, o metrô estava fechado e ela ia
achar um jeito de ir para casa ou esperar o metrô abrir. Como o bar em que
estávamos era perto da minha casa eu chamei ela para dormir lá. Ela topou.
Só lembrando que tínhamos acabado de nos conhecer.
Fomos para a minha casa e no caminho ela puxou um papo sobre dois
comediantes que ela já tinha ficado. Famosos, amigos meus. Um deles ela tinha
até transado já. Eu entendi isso como uma indireta. Podia ser nada, mas começar
esse papo DO NADA? Desconfiei positivamente. Chegamos na minha casa e ela
falou que estava com sono. Mostrei o meu quarto e falei para ela ficar à vontade.
Falei que eu dormiria lá também. Ela disse que tudo bem. Fui na cozinha, tomei
uma água, voltei pro quarto e
ela já estava deitada. De roupa.
- Vai dormir de roupa?
- É, tô com frio.
- Tem edredom aqui, ó.
- Ah, obrigada.
- Fica à vontade aí.
Comecei a tirar minha roupa e fiquei de cueca. Ela tirou a dela e ficou de
calcinha e sutiã. Deitamos um de frente pro outro. Nos encaramos um pouco,
rimos e eu fui beijar ela.
- Não.
- Oi?
- Não. Melhor não.
- Peraí. O melhor é sim, o bom é ‘calma aí vamos devagar’ e o ruim é que é o
‘Não’.
- Hahahaha... tá, é verdade, mas não.
- Ué, achei que você tava a fim.
- Não, acho que você entendeu errado.
Pausa no diálogo. Eu entendi errado? Então atenção que é hora da revisão:
01 - Nos conhecemos naquela noite.
02 - Fomos para a minha casa.
03 - No caminho ela falou DO NADA sobre os outros
comediantes que ela já tinha ficado/transado.
04 - Está de calcinha e sutiã na minha cama.
05 - No mesmo edredom que eu.
Que parte eu entendi errado?
- A gente não vai ficar?
- Não, eu só quero dormir mesmo e ir pra minha casa amanhã, mas eu posso
pegar um táxi e ir agora, eu peço pra minha mãe pagar quando eu chegar em
casa. Eu ligo pra ela quando eu estiver chegando, ela acorda e paga, é tranquilo.
- Só não é tranquilo pra sua mãe. Relaxa aí. Fica de boa então, eu durmo na sala.
Amanhã eu te levo no metrô.
- Sério? Mas você tá bravo comigo?
- Não, claro que não. Fica de boa aí.
Dormi na sala e no dia seguinte levei ela até o metrô.

“A grande pergunta que não foi nunca respondida e que eu não fui capaz ainda
de responder, apesar de meus trinta anos de pesquisa sobre a alma feminina é –
O que quer uma mulher?”. FREUD, Sigmund.

Se você não sabe, meu caro Freud, eu não tenho a ME- NOR ideia. A MENOR!

23. Muitas sinapses para meu cérebro

subdesenvolvido

Ahhhh... essa aqui é uma das lembranças mais tristes que eu tenho. Eu estava no
palco de um evento de tecnologia em São Paulo e essa garota me assistiu. Ela
não sabia quem eu era, não fazia parte do meu público, mas ficou curiosa pela
aglomeração e risadas vindas daquele canto do salão. Quando meu show acabou
e eu tirei algumas fotos com algumas pessoas do público, ela veio se apresentar e
perguntar quem eu era.
Ela era uma estudante de neurociência com foco em mobilidade e estudos em
cima das pesquisas sobre exoesqueleto do renomado cientista brasileiro Miguel
Nicolelis. Eu já tinha lido algumas coisas sobre isso e fiquei interessadíssimo em
conversar mais com ela sobre esta área. Ela era extremamente linda com um
sorriso largo e uma voz doce. Três frases trocadas com ela e eu já queria
repovoar o planeta com aquela mulher. Exagero? Talvez, mas ela era sensacional
mesmo!!!
Batemos um papo e combinamos de sair. Dias depois a encontrei em uma balada
no centro de São Paulo, num prédio abandonado, com paredes pichadas, um tipo
de música estranhíssima, pessoas dos mais diferentes tipos de vestimentas,
cabelos, alturas, pesos e sexos. Parecia que eu tinha caído sem querer numa festa
dos vendedores da Chilli Beans.
Ficamos, conversamos, ficamos mais um pouco, o dia amanheceu e cada um foi
para a sua casa com o compro- misso de nos encontrarmos novamente outro dia.
Trocamos umas mensagens e ela topou ir dormir na minha casa. Busquei ela no
metrô e fomos. Assistimos um pouco de TV, ouvimos música e transamos por
um bom tempo (perceba que eu não disse ‘muito tempo’, mas sim, ‘um bom
tempo’, afinal, meu desempenho costumava ser bem mediano). Dormimos,
acordamos no meio da madrugada e transamos de novo. Rimos, conversamos
mais um pouco e dormimos. Acordamos no começo do dia e transamos mais
uma vez, desta vez sem camisinha porque... bem, porque tem momentos na vida
em que a roleta russa parece um bom esporte.
Levantamos, tomamos café da manhã e eu a levei de volta ao metrô (eu quis
levar ela em casa, mas ela não quis). A única coisa que eu pedi pra ela foi que
tomasse a pílula do dia seguinte. Ela disse que isso desregulava toda a
menstruação dela e que doía demais. Eu já fiquei preocupado, mas ela disse que
tomaria.
Caro(a) leitor(a), se tem uma coisa que desespera o homem é ficar na dúvida se
ele vai ou não ser pai. Não há frase mais preocupante que: “minha menstruação
tá atrasada”. Mentira, há sim: “Eu acho que tô grávida” faz qualquer homem
solteiro amolecer as pernas. Por isso a cada mensagem que ela me mandava meu
coração batia gelado e eu não queria puxar este assunto com ela. Vai que num
azar qualquer ela me comunica da gravidez? Era melhor então que eu nem
perguntasse.
Umas duas semanas depois da nossa aventura, ela me manda uma mensagem
dizendo que eu não seria papai. Fiquei tão feliz que publiquei a mensagem dela na
internet.

Fiquei aliviado ao mesmo tempo em que ela ficou MUI- TO PUTA COMIGO.
Com razão. Ela disse que tinha gostado de estar comigo e do meu papo, mas que
não queria servir de fonte de piadas pra mim. Justo. Perdi uma das mulheres
mais inteligentes e interessantes que eu já tive. Dois anos depois voltamos a nos
falar. Conversamos um pouco e ela sugeriu de nos encontrarmos em algum
barzinho qualquer dia. Eu sugeri a minha casa.


Eeeeeeeitaaaaaa!!! Não há exoesqueleto que aguente essa porrada da vida não!
É como diz a piada do comediante paraense Victor Camejo: “A diferença entre a
mulher e Deus é que Deus per- doa”.

24. As voltas do mundo

Um dia eu me apaixonei de verdade e a sensação é a mesma de quando a gente


vai peidar e caga sem querer. A gente não queria isso, não esperava isso e muito
menos estava procurando por isso. Ela morava no Sul e passaria o final de
semana em São Paulo. Já tínhamos nos falado pelo Twitter, DM e WhatsApp.
Ela tinha poucas fotos nas redes sociais, o que fez o jogo todo muito mais
sedutor. O papo já era interessante, ela era uma garota super inteligente e
divertida, mas eu não sabia exatamente como ela era fisicamente.
No dia que ela chegou em São Paulo eu já a convidei pra ir em uma balada, ela
topou e à noite fui buscá-la no hotel. Assim que ela entrou no carro meu coração
bateu mais gelado. Ela era extremamente linda e tinha um sorriso incrível! Eu me
apaixonei. Fiquei desconcertado pra conversar, não tinha assunto, gaguejava, fiz
um milhão de piadinhas só porque eu percebi que ela gostava. Me apaixonei.
Apesar de praticamente tudo ser perfeito nela, um defeito me saltava os olhos:
ela tinha uma autoestima baixa, bem baixa e não acreditava em tudo o que era:
interessante, inteligente, divertida e linda. Já tinha morado em São Paulo uma
vez e namorado um cara, mas as coisas não deram certo e ela voltou pro Sul. Lá
ela acabou ficando com uns caras meio babacas e estava um pouco desiludida.
Nas semanas seguintes que nos falamos por telefone e mensagens, na vez que eu
fui para o Sul gravar algumas coisas e me encontrei com ela, numa outra vez
quando ela estava indo para a Europa encontrar os pais e pegou uma conexão
longa em São Paulo só para que a gente passasse um tempo juntos, em todas
essas vezes eu fui aos poucos fazendo ela voltar a acreditar nas múltiplas
qualidades que faziam dela a garota super interessante por quem eu estava
perdidamente apaixonado.
Alguns meses depois ela me disse que iria se mudar para São Paulo no ano
seguinte. Fiquei muito feliz. As energias do mundo estavam finalmente jogando a
meu favor. Nesse período eu estava viajando muito, gravando muito e
trabalhando muito, falávamos menos que antes e eu fui percebendo que ela
estava correspondendo pouco às minhas mensagens. Eu perguntava se estava
tudo bem e ela me garantia que sim! Eu queria saber se ela estava voltando a se
sentir inferior e ela dizia que não, que eu realmente tinha ajudado ela a voltar a
se sentir bem. Eu ficava feliz com isso, ela nunca podia voltar a esquecer o
quanto ela era interessante.
E por falar em voltar, muita coisa voltou na vida dela semanas depois. Ela voltou
a manter a boa autoestima, voltou pra São Paulo e também voltou com o ex-
namorado paulista.
Eu também voltei. Voltei a lembrar que a vida é assim:
“Às vezes você vai peidar e caga mas nem por isso você deixa de peidar”.
Espalhe esta bela mensagem aos seus filhos e netos.

25. Pagando, ô, pato!

Dizem que o bom de se chegar no fundo do poço é que só existe um caminho a


seguir: pra fora dele. Eu acredito, não vejo muita vantagem em ser pessimista
com as coisas. O otimismo te coloca em enrascadas bem mais divertidas! Eu
estava saindo há algum tempo com uma garota de outra cidade meio longe de
São Paulo e, para o desespero das minhas primas, eu fui para Nova York gravar
o making of da peça “Sexo – A Comédia”, da Cia. De Comédia Os Melhores do
Mundo (grupo e peça que, anos depois, eu passaria a atuar). Digo ‘o desespero
das minhas primas’ porque eu costumo trazer maquiagens e mulherzices para
elas quando eu viajo para o exterior, mas quando estou saindo com alguma
garota a minha cota de importação
tem outro destino.
Desta vez um comprei umas vitaminas que a garota tinha me pedido e aproveitei
pra levar também uns cremes que eu sabia que ela iria gostar. Cheguei no Brasil,
peguei o endereço dela e mandei os presentes. Ela A-DO-ROU! Pontos pra
mim, afinal, no mundo das conquistas surpreender vale três pontos, na frente
de “chocolates” que vale dois e “jantares” que vale um (não, “sexo” não conta
ponto mas pode tirar. Sexo é mais obrigação mesmo).
Logo que os adorados presentes chegaram e ela pediu o número da minha conta
para me pagar pelas vitaminas, eu neguei, claro! Afinal, eram presentes! Ela
insistiu em querer me pagar e eu combinei que a próxima vez que ela fosse para
São Paulo o nosso jantar seria por conta dela, ela riu e eu ri. Eu ri porque ela riu,
mas ela riu porque sabia que isso não iria acontecer.
Dias depois eu descobri que ela já tinha voltado com o ex-namorado quando eu
mandei os presentes. Merda! Eu devia ter aceitado o pagamento, meu prejuízo
seria menor.
Aposto que tudo isso foi alguma bruxaria das minhas primas!

26. Um jovem e nerd

Eu passei vários anos da minha vida com cara de nerd. Não que eu não tenha
essa cara agora, mas antes eu me encaixava direitinho no padrão. Era um gordo
de barba e óculos de aro grosso que sempre servia como referência para qualquer
parente que estivesse a fim de comprar um computador novo e não sabia a
melhor opção.
Porém, apesar do visual, eu nunca fui esse nerd padrão. Até hoje não sei
configurar impressoras e muito menos escolher um bom computador nem para
mim! Já fui confundido com primos, amigos e colegas de pessoas aleatórias que
me perguntavam se eu era fulano ou ciclano e até com outros caras da internet
como o Alexandre Ottoni (o cara do site Jovem Nerd) ou o comediante Rogério
Mor- gado.
Mas quando fui confundido com o Alexandre do Jovem
Nerd é que a história ficou boa, simplesmente pelo fato de eu não ter percebido
que a garota não sabia que eu era eu. A culpa não foi dela, foi das circunstâncias.
Eu estava numa balada e:
- Oi, desculpa, você tem um blog não tem?
- Oi. Tenho sim.
- Putz! Eu acho demais o que você faz!
- Sério!? Poxa, obrigado!
- Sério! Acho super engraçado!
- Legal. Pô, valeu!
- Você faz vídeos pro You Tube também, não é?
- Faço.
- Eu sabia! Já vi seus vídeos. Acho muito demais, você tem uma energia boa e
uma risada que eu gosto muito. – já tava querendo, né?
- Obrigado! Você é a...?
Ela disse o nome dela e seguimos o papo sobre internet, filmes, cultura pop,
música e várias outras coisas. Como ela estava dando papo e super interessada,
eu fui pra cima e... peguei.
Assim que terminamos de nos beijar, ela:
- Nossa! Eu não esperava por isso.
- O que? Ficar comigo? Não curtiu?
- Curti, você beija bem, mas foi estranho.
- Por quê?
- Sei lá. É estranho. Você é o cara da internet e eu vejo seus vídeos faz tempo. É
estranho.
- Bom, agora você vai ver os vídeos e saber que a gente
já ficou. Só.
Nisso chegou uma amiga dela chamando ela para ir em- bora.
- Tenho que ir. Manda um abraço meu pro Azaghal!
- Oi?
- O Azaghal, manda um abraço pra ele!
E a minha cabeça começou a fazer sinapses numa velocidade absurda para achar
o pacote desta informação que relacionava eu diretamente ao Azaghal. O pacote
veio:

Você já foi confundido outras vezes com o Alexandre Ottoni, o Jovem Nerd,
sócio do Azaghal. Por isso ela mandou um abraço pro Azaghal, ela acha que
você é o Jovem Nerd.

E a minha reação 01 foi:
- Podexá! Mando sim! Beijo!
E a minha reação 02 foi mandar um tweet na hora para o Alexandre.

Alexandre, obrigado pela sua fama! Ouvi dizer que você beija bem. Parabéns por
isso!

27. Guru do sexo

Na vida há muitas “primeiras vezes”, até mesmo no sexo. Cada nova posição é
uma primeira vez em ver se aquele jeito te agrada, cada nova garota é uma
primeira vez sobre como ou o quê pode agradar ela e assim por diante. Esta
garota eu conheci numa balada perto de casa. Ela era amiga de uma amiga e no
mesmo dia que ficamos eu chamei ela pra ir pra minha casa. Ela topou. Nos
beijamos, tiramos a roupa e ela não quis tirar a calcinha. Tudo bem. Nos
beijamos mais um pouco, nos pegamos mais um pouco e... não queria tirar a
calcinha. Tentei de várias formas e intensidades, nada.
Ela não queria. Perguntei se estava tudo bem:
- Tá.
- Mesmo?
- Uhum.
- Quer continuar?
- Quero.
- Então vamos – e fui tirando a calcinha dela. Ela segurou.
- Quer me falar alguma coisa?
- Não... é que... sei lá...
- Tá insegura com alguma coisa? – mulheres são mais sensíveis com ‘problemas’
que só existem na cabeça delas como ‘minha depilação tá atrasada 2 dias’, ‘tô
300 gramas gorda’, ‘eu tenho umas pintas na virilha que formam a cara do
Sérgio Mallandro’, do que o homem.
- Não, é que eu sou… não sei como dizer.
A primeira coisa que eu pensei foi: travesti. Nada contra, mas como eu não tinha
sido avisado, seria uma surpresa bem inesperada.
- Pode ficar tranquila. Me fala o que é.
- Você não vai gostar quando eu falar. Puta merda! É travesti!
- Pode falar, não vou ficar bravo.
- Você jura?
- Juro.
- É que eu…
‘Costumava me chamar Carlos’, aposto!
- … sou virgem ainda.
DEUS SEJA LOUVADO! É SÓ VIRGINDADE!
- Ahhh… tranquilo.
- Sério?
- Muito! Mas você quer perder isso?
- Não sei.
- Tá nervosa?
- Tô um pouco.
- Vamos fazer assim: eu vou indo devagar. Se doer muito eu paro e pronto.
- Jura?
- Juro.
Eu me senti o Guru do Sexo! Eu estava apresentando esta novidade para a
garota. Não importa o que aconteça na vida dela eu fui o primeiro, ou seja, nada
poderia ser pior a partir daquele momento. Mas confesso que a experiência pra
mim foi meio ruim. Principalmente porque a garota sente bastante dor e a culpa
é sua! Ao invés de ser um sexo gostosinho, é como se você fosse um enfermeiro
estagiário tentando achar uma veia no braço de uma véia. É só agulhada, dor e
reclamação. Ainda repeti isso com mais outras duas garotas! Foi horrível mas foi
ótimo.

28. Tomando banho na balada

Sabe quando você olha pra outra pessoa pela primeira vez, ela também te olha e
por algum motivo que ninguém sabe explicar, vocês se sentem absurdamente em
plena sintonia? Poetas chamariam de amor, físicos chamariam de atração, mas
no meio de uma balada e a garota em questão de mãos dadas com o namorado eu
chamo de “Vai dar merda, oba!”.
Foi rápido assim mesmo! Entrei na balada e dei de cara com essa garota que
travou o olhar em mim e eu fiquei do tipo “Tô cagado?”. Sorri e passei por eles.
Minutos depois nos cruzamos novamente e eu puxei um papo. Ela disse que o
namorado estava no bar pegando bebida e que ela tava indo no banheiro. Eu,
gentilmente, ofereci companhia pra ela até o toalete. Ela, gentilmente, aceitou.
Como em qualquer balada, a fila do banheiro tava gigante. Ficamos conversando
ali enquanto a fila andava. Em alguns poucos pares de frases começamos a nos
beijar como se não houvesse o amanhã. Poetas chamariam de paixão,
investigadores da polícia chamariam de crime premeditado, eu chamo de
“Delícia de erro!”.
Língua vai, língua vem, paf! Um copo de chope explode na minha cara
molhando eu, a garota, o beijo e umas três pessoas em volta.
- ENTÃO É ISSO!?
- Amor?
- É ISSO QUE VOCÊ VEIO FAZER NO BANHEIRO?
- Am... amor... não é...
- VOCÊ VEIO AQUI PRA BEIJAR ESSE... GORDO!?
(sim, eu estava bem gordo na época)
- Não! É que...
- VAI! FICA AÍ COM ESSE... GORDO!
- Amor... eu...
Paf! O outro copo de chopp veio na minha cara e eu me
mantive imóvel como um bom culpado deve ficar.
- GORDO!
Disse ele mais uma vez e saiu. A garota foi atrás do seu verdadeiro amor e eu
comecei a rir. Não de nervoso, nem de raiva. Comecei a rir porque achei
engraçado mesmo! O cara era menor que eu, mais forte e tava cheio de raiva. Ele
podia ter feito qualquer coisa, mas só conseguia me chamar de gordo. Eu ri. Ri
muito. Acho que até gargalhei um pouco.
Macho que sou, esperei mais uns 40 minutos ali pelo banheiro antes de
atravessar a balada e ir embora pra casa todo cagado de chopp. Não lembro mais
do rosto da garota e muito menos o seu nome. Poetas chamariam de “amnésia
traumática”, psicólogos de “memória do sub- consciente”, eu chamo de “Gordo
fazendo gordice”.

29. Divina goiana

Gente bonita intimida qualquer pessoa. Aposto que o Brad Pitt tremeu as pernas
quando viu a Angelina Jolie pela primeira vez (e, provavelmente, vice-versa).
Como eu não sou diferente do Brad Pitt – você me entendeu – tive que ser tão
bom ator quanto ele pra fingir naturalidade quando me encontrei com uma
modelo goiana no Rio de Janeiro e fomos para a praia juntos.
Eu estava MUITO a fim de ficar com ela por vários motivos. Nos conhecemos
anos antes quando eu estava em Goiânia gravando um comercial e ela foi no
estúdio só pra me ver. Já tinha achado isso incrível independente de quem fosse,
mas sendo uma deusa como ela eu apaixonei rápido!
Anos depois, quando nos reencontramos no RJ, eu que- ria dar mais um passo
nessa relação, mas fica difícil quando a outra pessoa sente dó de você. Explico.
Assim que nos encontramos, decidimos ir para uma praia um pouco longe de
onde estávamos. Eu, na época, estava muito gordo e ela, super gentil, sugeriu de
pegarmos um táxi.
- Nada, dá pra ir andando. – eu disse.
- Mas são umas três praias daqui!
- Tudo bem.
- Você vai chegar lá cansado.
- Vou nada, meu joelho aguenta. - rimos.
Gordo é foda! Não basta ser gordo, tem que provar que o corpo não vai doer de
fazer algo simples como ANDAR! Bom, fomos até a praia andando e
conversando, meu joelho não doeu (mentira, doeu pra cacete!) e ficamos ali na
areia. Eu pedi um guarda sol para não torrar no sol do meio-dia e ela preferiu
justamente torrar na praia do
Leblon.
Depois de umas 3 horas ali resolvemos ir embora e eu achei que deveria fazer
alguma coisa pra não cair na friendzone. Eu tava nervoso porque, pô, não queria
fazer nenhuma merda! Ela sempre foi interessantíssima e eu não queria perder
nenhum contato com ela, mas riscos envolvem, inclusive, fazer merda.
Dei um abraço nela e ficamos ali alguns segundos abraçados, ela sussurrou
alguma coisa no meu ouvido que eu não escutei direito, pedi pra ela repetir e me
afastei pra ouvir o que ela tinha pra me dizer e aproveitei pra ficar
estrategicamente posicionado perto da boca dela quando BRRRUURGGLLL!!!

“A insolação é causada por uma exposição prolongada do corpo humano ao sol
intenso. Dentre os seus sinto- mas mais frequentes estão tontura, desidratação,
febre e vômito.”

Sim, vômito.
Nos lavamos no chuveiro da praia e eu levei ela até um táxi enquanto ela
chorava e se desculpava. Até hoje eu penso: o que o Brad Pitt teria feito nessa
situação?

30. Que pressão é essa!?

Há algumas situações que fazem a gente repensar a vida. Um acidente de carro,


um tiroteio, um afogamento ou até mesmo um salto de bungee jumping faz com
que aqueles milissegundos em que a nossa vida está em jogo valha pra repensar
que rumo estamos tomando do nosso caminho.
Como eu já estive em todas essas situações aí de cima, preciso relatar uma outra
envolvendo a saborosa aventura da conquista.
Graças ao meu trabalho na internet e ao tempo em que eu o venho fazendo,
algumas pessoas acabam me reconhecendo em muitos lugares diferentes como
numa balada. Geralmente é um papo rápido e tranquilo, mas às vezes não.
Tomando meus bons drinks e ouvindo música alta em um desses lugares na Rua
Augusta em São Paulo, eu e meu amigo comediante, chapa e boa praça Renato
Albani conversávamos sobre qualquer coisa quando um cara me puxa pelo
braço.
- Ô! Cê é o maluco do Jacaré Banguela?
- Sou sim.
- Num falei pra você? – confirmando pra uma garota
com quem ele estava conversando.
- Hum, não sei quem é, desculpa. – Ela respondeu pra mim, meio sem jeito.
- Tudo bem, é mais comum não saberem quem eu sou mesmo. – Respondi.
Rimos.
- Ele é fodão na internet! Cê devia muito conhecer esse cara! Falaí, Jacaré!
- Bem, eu tenho um blog chamado Jacaré Banguela. É de humor.
- Eu gosto de humor. Você faz stand-up?
- Faço.
- Legal, eu curto.
- Pô, vou te chamar pra me assistir um dia então. Qual o seu nome?
Ela respondeu e começamos a conversar, eu e ela. O cara aos poucos foi saindo
da conversa e se afastando mesmo. Fiquei ali conversando com a garota e
acabamos ficando. Passado um tempo, fui ao banheiro e assim que entrei vi o
cara entrando junto comigo e mais três amigos dele. Puxei papo enquanto mijava
e eles me observavam.
- E aê? Pô, muito legal a sua amiga!
- É, né?
- Muito. Curti ela.
- Eu também tava curtindo.
- Oi? – Olhei pra ele e percebi que os quatro estavam me encarando sério.
- Porra, mano! Eu tava lá dando um papo na mina cê chegou e roubou a mina na
cara dura, tá me tirando?
- Eu? Não! Nem saquei que você tava dando em cima dela.
- Cê não tem medo de morrer não, Jacaré?
E ele levantou a camiseta revelando uma pistola na cintura. Sabe quando você
SENTE o coração pulsar dentro do peito, o corpo fica inteiro gelado, o couro
cabeludo arrepia, o tempo para, você repensa a vida ao mesmo tempo em que
sente uma bolinha de cocô escapar da sua bunda? Pois é, assim que eu tava.
Eis que DO NADA surge o meu amigo Renato com um copo de cerveja na mão,
fica entre eu e o cara e começa a descascar ele:
- Qualé mano? Tá maluco?
- Quem é você?
- Sou amigo do Banguela e tô te sacando desde lá da pista. Porque você tá puto
com o cara?
- Porra, o cara roubou minha mina!
- Que sua mina o quê? Ele tava de boa na dele e você que chamou ele pro papo,
não foi?
- Foi.
- Foi você que ficou falando benzão dele pra mina e falou que ela tinha que
conhecer ele, não foi?
- Foi.
- Foi? – perguntou um dos amigos do cara pra ele.
- Foi, ué! Mas era só pra ele se apresentar e vazar.
- Como ele ia saber? Você falou isso pra ele? – indagou o Renato.
- Não falei.
- Então? E tá mostrando essa pistola aí pra que? Vai atirar no cara aqui no
banheiro? Tá louco? Não vai! En- tão guarda essa porra aí! Você que apresentou
o cara pra mina, fez a mina se interessar pelo cara e agora tá aí ameaçando o
cara?
- Pô, não foi o que você falou pra gente. – respondeu um dos amigos do cara.
- É... foi mal aí, Jacaré... é que eu fiquei meio puto que você pegou a mina.
- Cê que me apresentou ela. – respondi ainda sem saber o que fazer com o cocô
que tava na minha cueca.
- Foi. Vacilo meu. Foi mal aí. – disse o cara esticando o braço e me
cumprimentando.
Ele e os amigos saíram do banheiro, eu voltei à minha coloração normal, a
temperatura do meu corpo voltou a subir e eu entrei na cabine do banheiro para
me limpar. Saí de lá direto pra casa, nem encontrei a garota de novo. Não sei se
eu teria perdido a vida ali no banheiro da balada, mas se não fosse o Renato
aparecer, com certeza eu teria perdido aquela cueca, aquela calça, as meias e os
tênis.

31. O falso vencedor!

Mais uma incrível história em Curitiba, capital do purgatório, onde você paga os
seus pecados com as garotas mais lindas e interessantes. Eu conheci uma garota
no Rio de Janeiro e logo trocamos WhatsApp, Instagram, Facebook e
combinamos de “um dia qualquer tomar umas por aí” como todo bom acordo de
carioca.
O tempo passou, ela se mudou para Curitiba e depois de algumas semanas eu fui
fazer show na Cidade Modelo. Combinamos de nos encontrar e ela foi. Passamos
o dia todo rindo, conversando, zuando tudo e todas essas coisas que pessoas
divertidas e interessantes fazem. No final do dia eu tentei ficar com ela e ela
negou na hora, mas não negou a possibilidade daquilo acontecer ‘um dia’.
Tudo bem, jogada limpa, segue o lance.
No mesmo dia, à noite, ela foi no meu show e fomos jantar depois. Eu não sei
pra você, mas pra mim passou da meia noite já é outro dia, sendo assim aquele
‘um dia’ poderia ser neste novo dia, certo? Falei pra ela essa minha teoria, ela riu
e eu achei melhor tentar algo um pouco mais tarde pra não ficar pressionando
muito também, afinal, o dia já tava bem legal com ela.
Papo vai, papo vem e apareceram dois amigos nossos em comum, um do Rio de
Janeiro e outro de São Paulo. Bebemos, rimos, contamos piadas, falamos mal da
vida alheia e ela pediu licença pra ir no banheiro.
Ficamos os três amigos na mesa quando um deles levanta o assunto:
- Ela é demais! Baita vontade de pegar ela de novo. – Disse o paulista.
- Peraí, você também já pegou ela? – indagou o carioca.
- Caralho! Banguela, você tá pegando ela? – Retrucou o paulista.
Olha que situação merda! Eu podia ser sincero? Claro! Mas veja os fatos: os dois
já tinham ficado com ela e qualquer um deles poderia voltar a ficar caso ela
quisesse, com a diferença de que com eles ela já sabia como seria, comigo não.
Pode parecer uma vantagem, mas na corrida da conquista, ter 0 pontos no placar
não é algo para se comemorar.
- Tô. – Respondi, tentando tirar eles da competição.
- Boa! Ela é sensacional, não é? – Perguntou o carioca em tom de confirmação.
- Muito! – Respondi confiante.
- Mandou bem, Banguela! – Parabenizou o paulista.
- Valeu!
Ela voltou e conversamos um pouco mais até que eu sugeri de irmos embora,
não queria perder mais muito tempo. Todos toparam e ela foi me deixar no hotel.
Assim que paramos em frente eu convidei ela pra subir e ela riu. Muito. Muito
mesmo. Valendo! Riu de verdade. Gargalhou. Parou. Respirou e riu mais um
pouco. Eu fiquei com cara de cachorro que cagou na igreja: sorrindo pra não
chorar de humilhação.
Vamos ser sinceros: uma coisa é falar não, outra é gargalhar na sua cara! Ela se
recompôs e disse:
- Banguela, a gente é só amigos. A gente não vai ficar não.
- Mas você disse...
- Eu tava só brincando. Tá loco? Eu gosto de você, mas não... não rola...
- Tá.
- Pô, não vai ficar bravo comigo, né? Eu gosto muito de você, só não dessa
forma. Acho você muito divertido só, desculpa.
Vamos combinar uma coisa? Enfie o braço no meu cu mas não se solidarize pela
minha derrota amorosa, por favor (lembrando aqui que isso é apenas uma figura
de linguagem)!
Nesses casos eu sempre penso: ‘Eu fui pouco interessante ou muito Zé Ruela?’.
A resposta é: nunca saberei. Para muitas mulheres os homens são todos iguais,
menos quando a gente quer ser visto assim.

32. Poema da derrota

Morava perto da minha casa. A garota linda, legal e solteira.


Ríamos muito pela internet.
Iludido fiquei por besteira.

Achei que poderia pegar fácil
Não tinha como dar errado. Arrastei ela pra uma balada.
Gaguejei e não fiz nada porque fiquei intimidado.

FIM

33. Quem sabe?

Eu estava em um baile funk no Rio de Janeiro (sim, a história já começa boa!)


quando uma morena alta, malhada, bonita, com bundão e peitão veio dar em
cima de mim. Eu tenho a plena noção do cara que eu sou, do tipo de mulher que
eu atraio e certamente aquela morena não fazia parte desse pequeno grupo.
Ela estava com uma amiga e eu com um amigo. Os amigos fizeram amizade
rápido e em duas frases eles já estavam se beijando. Algo como:
- Já é?
- Já é!
Pronto. Beijo.
Eu não, eu estava desconfiado. Aquela morena padrão mulher de jogador de
futebol, no Rio de Janeiro, num baile funk, só podia estar ou me confundindo
com alguém ou querendo o meu dinheiro. Nas duas opções ela estava muito
enganada!
Troca o DJ, começa a tocar um funk pesadão e a morena começa a rebolar pra
mim, ou melhor, começa a rebolar EM MIM! Nesses casos não existe poder da
mente que controle a biologia do corpo. Me animei (se é que você entende) e a
morena gostou disso. Continuou dançando ali no ‘Malaquias’ por mais uns dois
funks. Acho que ela não queria romance. Acho! Resolvi ir embora pro hotel já
que a pulga não saía da minha orelha. No dia seguinte no café-da-manhã eu
encontrei com o meu amigo e fui tirar a dúvida:
- Cê pegou a amiga daquela morena que tava comigo?
- Peguei.
- Trouxe pra cá?
- Não, ela queria cobrar.
- Ahhhhh... eu sabia! Eram garotas de programa?
- As duas. Mas a sua era diferente.
- Pois é! Mó morenassa! Deve cobrar o triplo!
- Não é isso não.
- Ahhhhh... peraí! Era uma travesti?
- Bingo.
PORRA! EU SABIA! Era mesmo padrão mulher de jogador de futebol! Alguma
coisa não tava certa pra mim ali. PRA MIM. Nada contra quem gosta, mas não é
a minha praia. Fiquei aliviado de não ter ido transar com uma travesti.
Mas fiquei pensando... poderia ter sido interessante!
Porque veja: imagina que eu chego com ela no quarto e descubro só na hora H
que ela tem o mesmo que eu na cueca. O que fazer? Jogar ela na cama e transar,
afinal o jogo já começou e eu aprendi no futebol que quem não faz leva!
Sem contar que a travesti transa por onde as mulheres costumam demorar
MESES para liberar, ou seja, você já começa ganhando! E dependendo da
travesti, no dia seguinte ela pode até topar jogar um Fifa com você.
A próxima não me escapa!

34. A primeira faz tchan, a segunda...

Por um bom tempo em São Paulo eu morei em um apartamento que as vizinhas


eram três irmãs lindas com quem eu pegava o elevador de vez em quando. O
máximo de papo que eu tinha trocado com elas era: “e esse clima?”, mas só até
o dia em que uma delas tocou a minha campainha pedindo a senha do wi-fi. Do
MEU wi-fi!
A princípio eu fiquei puto mas seus olhos azuis, sua pele clara, seu sorriso aberto
e a minha baixa autoestima fizeram eu passar a senha sem pensar muito.
Começamos a conversar pelo Facebook e WhatsApp até que eu chamei ela pra
sair, ela topou e fomos pra balada que eu não pagava pra entrar. Na entrada eu
descobri que ela tinha 17 anos. O coração pulsou gelado mas ela disse que tava
tudo bem. Fiquei mais tranquilo mas sabia que ela não conseguiria entrar na
festa a menos que ela tivesse uma cartei- rinha falsa de estudante. Tchã! Claro
que tinha!
Entramos já rindo da situação. Dançamos, bebemos, rimos um pouco mais e eu
tava curtindo mesmo ela. Di- vertida, esperta, danada, linda e minha vizinha.
Tchum! Só vantagens!
Comecei a falar sobre sacanagem e putaria, ela entrou no papo, aprofundamos,
fui dar um beijo e Tchã Tchã Tchã Thãããããã... ela era lésbica. Nem bi, nem
lésbica de balada (aquelas meninas hétero que beijam umas garotas na balada de
vez em quando), não. Lésbica com “L” maiúsculo e ponto final.
Ficamos amigos e o único plano mais íntimo que dividi com ela por mais alguns
meses foi o da internet mesmo.

35. O frango

Eu passei muito tempo da minha vida sendo gordo. Bem gordo. Durante uns 10
anos mais ou menos e uns 40kg mais do que eu devia. Nessa época as garotas
que transavam comigo faziam isso ou porque gostavam de gordo ou porque
estavam desesperadas. Provavelmente a segunda opção.
Uma vez uma garota de Curitiba foi passar o final de semana comigo em São
Paulo e ficar na minha casa. Ela chegou, almoçamos (claro), fomos pra casa,
vimos alguma coisa na TV, lanchamos (claro) e programamos algo para a noite
(provavelmente um jantar). Na hora do banho chamei ela pra ir comigo e ela
topou. Aqui começa o desespero não planejado.
Começamos a nos beijar no banheiro e tirar a roupa. Ficamos nus e animados.
Fechei a tampa do vaso, sentei e trouxe ela para um frango assado (claro). O
problema é que o espaço entre a parede, o vaso e o box não cabia eu, ela e o
frango.
Tentamos com ela vindo de ré, com ela apoiada na pia, dentro do box de frente,
de costas, com a perna levantada, nada, nenhuma posição encaixava. Explico o
triste motivo sem rodeios.
Quando se é gordo, há muita gordura entre... tudo! Principalmente na virilha, na
coxa, na barriga e em tudo em volta da rôla. A única maneira de fazer ela parecer
minimamente imponente é ficar deitado. Fora isso é passar vergonha com a
garota que saiu lá de Curitiba de ônibus e provavelmente ficou pensando: “mas
que merda eu tô fazendo aqui!?”.
A coisa mais gostosa pra gente naquela noite foi sem dúvida a janta (é claro).

36. A mendiga da Augusta

Tá, não era uma mendiga, mas o Rafinha Bastos achou melhor resumir ela
assim. Não digo que ele está errado, mas explico melhor como foi.
Faziam quatro meses que eu tinha feito minha cirurgia bariátrica e não tinha
transado ainda (na verdade fazia bem mais tempo que eu não transava) e o
Rafinha me chamou para irmos ao Comedians, o clube de comédia dele. No
caminho uma garota reconheceu a gente e veio puxar papo. Ela estava meio
bêbada e o Rafinha acelerou o passo. Pro meu azar ela grudou em mim e eu
fiquei pra trás.
O papo saiu do nada e evoluiu rápido demais!
- Eu conheço você! – ela disse.
- Eu faço umas coisas na internet.
- Ahhh, sim, o Jacaré alguma coisa.
- Banguela.
- Não. É Jacaré alguma coisa.
- Isso. Canal do Jacaré.
- Ahhh... é isso mesmo! Meu amigo gay sumiu.
- Oi?
- Meu amigo gay me arranja uns caras pra beijar porque eu não sei chegar nos
caras.
- Hum, e já beijou muito hoje?
- Nada, um só. Sexo então, nem se fala.
- Quer ir pro meu apartamento? É ali na esquina de baixo.
- Tá.
Sim, foi rápido assim.
Mandei mensagem pro Rafinha avisando que eu estava indo pra casa com a
garota e fui. Entramos já aos beijos! Mão aqui, ali, arranco a camiseta, ela a
blusinha, o sutiã, eu o óculos, a calça, ela o shortinho, eu a calça, ela a calcinha
e... UÔU!! QUE CHEIRO É ESSE!? TEMOS UMA FÃ DE WALKING DEAD!
Eu já tinha ouvido a lenda do mau cheiro genital mas nunca tinha vivido tal
aventura. Indiana Jones desistiria da missão! Bear Grylls não teria estômago pra
isso! Rambo choraria como uma criança e eu só broxei solene- mente. Ela
começou a chorar por causa da minha broxada como se a culpa fosse dela. Eu
disse que não era, que eu era um broxa e isso sempre acontecia (um gentleman,
não é?). Ela se acalmou e foi embora.
Peguei minha dignidade e meu celular no chão e avisei o Rafinha que eu
encontraria com ele no Comedians, porém tinha um MONTE de áudios dele
num grupo de WhatsApp cheio de artistas conhecidos contando que eu peguei
uma mendiga na Rua Augusta.
Ele estava mentindo, mas não estava exatamente errado.

37. Autoestima é tudo!

Se tem uma coisa que eu odeio muito nessa vida é mulher feia com autoestima
alta. Puta merda como eu fico com raiva disso!
Não que eu ache que mulher feia não possa ter autoestima boa. Eu, por exemplo,
fico puto por ser feio e ter a completa noção disso. Admiro muito gente feia que
não se dá conta do desconforto que é para as outras pessoas ter que conviver com
ela, ter que dar bom dia, dividir eleva- dor, rir de alguma piada... isso é muito
admirável!
A segunda coisa que eu mais odeio é mulher feia que sabe a pose certa para sair
bem em fotos. Ainda mais na internet, que é um grande programa do João
Kléber com muita pegadinha e pausa dramática.
Uma vez conheci uma garota lindíssima no Twitter! Combinamos de sair pra
tomar um suco e “bater um papo”, eu disse. Nos encontramos e pra minha
surpresa ela era um filhote de cão chupando manga. Não pela fofura do filhote,
mas pela manga chupada mesmo! Ela tinha uns 19 anos e eu já tinha 30.
Assustei mas fingi que não. Fiquei o tempo todo tentando calcular quanto ela
poderia ganhar de dinheiro se trabalhasse profissionalmente com retoque de
fotos no Photoshop. Olha, seria uma fortuna!
Tomamos o suco, batemos um papo, rimos, falamos sobre como é bom ser
solteiro e poder pegar todo mundo, mas o tempo passou e eu sofri calado. No
final, pagamos a conta e já estávamos indo embora quando pensei: “quer saber?
Já tô aqui mesmo…” e puxei ela pra dar um beijo, ela negou. Aliviei, ri, ela
também e tentei de novo, ela negou de novo. Eu perguntei se tava tudo bem e ela
disse que sim, só não queria ficar comigo. Eu concordei. Ela tava totalmente no
direito dela.
Fiquei puto? Fiquei. Por ela não ter ficado comigo? Não, por eu ter caído no erro
de subestimar ela e me superestimar. Tanto no quesito conquista quanto no
quesito Photoshop.
Ela mandava bem demais!

38. Know-how de tocos

Nem tudo é ruim numa vida amorosa de merda. Mentira. Tudo é ruim sim, mas
há momentos em que ser especialista no assunto faz com que você tenha as
melhores respostas. É como se você se saísse por cima mas estando por baixo,
entende? Explico.
Uma garota muito bonitinha levou um toco na balada e tava dando chilique
porque o cara não quis ficar com ela. O cara era um fã meu e estava falando
comigo quando ela chegou.
- Mudou de ideia? - Ela disse.
- Hahaha... não.
- Não é possível!
- Sobre o quê? - Perguntei.
- Você ficaria comigo? - Ela questionou.
- Isso é uma pergunta solta ou uma proposta?
- Uma pergunta. Porque ele não quer ficar.
- Bom, se ele não quer ficar, eu fico.
- Não quero ficar com você, quero ficar com ele.
- E por que você não fica com ela?
- Porque eu namoro.
- Grandes merda! - Ela respondeu e eu meio que concordei.
- Mas eu sou fiel à minha namorada. - Ele respondeu e eu meio que concordei.
- Foda-se! Eu também namoro mas quero ficar com você agora. Achei
interessante da parte dela, mas achei melhor me abster de opiniões.
- Aí é problema seu com seu namorado, eu não quero ficar com você. - Justo.
- Você tá maluco? Eu sou gata e já dei fora em uns 20 caras só hoje e você não
quer ficar comigo?
- Não quer! Ele já falou! - Eu intervi, afinal, já estava achando ela muito chata
pela insistência sendo que ele tinha dado bons argumentos.
- Cala a boca! Não é com você o papo!
- Deixa de ser chata pra caralho! O cara namora e não quer ficar com você. É
difícil entender isso?
- Ele quer sim, só tá fazendo joguinho.
- Você que tá dando chilique aí só porque tomou um toco.
- Eu dei 20 tocos hoje!
- E você não tá vendo 20 caras dando chilique aí só por causa disso? Você está
sim toda sem saber o que fazer por- que nunca tomou um toco na vida. Toma! Se
fudeu! Tá toda orgulhosa de ter dado 20 tocos e não aguenta levar um só! Vai à
merda você e seus tocos! Se você não respeita o seu namoro o problema é seu!
Respeita o cara que namora e é fiel! Você é bonita? É! Pra caralho! Ô lá em casa!
Mas não é por isso que você vai pegar quem você quiser! Pode pegar muita
gente, o que acho interessantíssimo apesar de talvez eu nunca saber na prática o
que é isso, mas você não é 100%, é 99%. Então para de dar esse chiliquinho
merda, esse showzinho bosta e entenda que você acabou de encontrar aquele 1%
que não te acha interessante o suficiente. Ou melhor, 2%, já que eu também tô
te achando um saco!
Tudo bem, não é com você que eu quero ficar.
Ela tinha razão. Eu meio que me saí por cima, mas continuei por baixo,
entendeu?

39. Pagando o preço da conta

Levei uma garota na gravação do show de stand-up do Leo Lins e ela era
superinteressante, inteligente, linda e com uma risada incrivelmente divertida.
Depois do show fomos comer no Zena Café, um restaurante de massas de um
amigo meu, o chef Carlos Bertolazzi.
O Carlos foi apresentador de um programa de culinária no SBT e estava bem
conhecido na época. Se eu desse sorte e ele estivesse pelo restaurante, com
certeza viria até a mesa falar comigo e eu iria impressionar mais a garota. Ele
não estava. Droga!
O cardápio do lugar é todo em italiano, que deixa tudo mais refinado e eu fingi
fluência no idioma. O garçom veio anotar o nosso pedido e eu fui tirar uma
pequena dúvida:
- Olá, uma dúvida. O que é esse “guinóchi”?
- Nhoque, senhor. Se escreve gnocchi mas se pronuncia nhoque.
Lembra que eu disse que a garota tinha uma risada in- crivelmente divertida?
Então, não é assim tão divertida quando está sendo usada contra você. Ela
explodiu de rir e se conteve, mas ficou tremendo toda segurando a risada. Eu
continuei sério, olhei pro garçom e pedi um sanduíche qualquer.
Conversamos, rimos, tomamos suco e eu pedi a conta. Veio. Peguei e sugeri
pagar, ela preferiu dividir, ok. Peguei a calculadora, dividi por 2 e vi que daria 67
reais para cada. Disse que seria 65 pra ela (a ideia aqui era eu pagar 70 reais por
pura gentileza).
Veio a maquininha, ela pagou os 65 reais e eu falei pro garçom passar 70 no meu
cartão. Ele olhou a conta e disse que não. Eu estranhei. Perguntei o motivo e ele
disse:
- A conta toda deu 67 reais e ela já pagou 65. Faltam 2 reais só.
FIQUEI COM CARA DE CU!
Ela riu e disse que tudo bem. Apesar de eu tentar outras vezes, nunca mais
saímos. Parece que não foi à toa que eu me formei em humanas e não em exatas.
OK.

40. A droga do sexo

Carnaval é aquela época do ano em que a putaria tá liberada e ninguém é julgado


por isso, afinal, se tá tocando pagode dos anos 90, quem consegue se segurar?
Em um dos anos em que fui passar o carnaval em Salvador acabei encontrando
uma amiga apresentadora de TV que vejo apenas de vez em quando em festas e
eventos.
Conversamos um pouco e fomos curtir o Carnaval. Umas duas horas depois ela
me encontrou de novo.
- Jacaré!
- Opa!
- Vem cá, você tá com quem aí?
- Sozinho.
- Veio sozinho?
- Vim.
- Hum... é o seguinte: um amigo me deu esse negócio
aqui e disse que você toma e fica doidão querendo transar.
- Opa! – como não ficar animado com uma informação dessas vindo DO NADA,
no meio do Carnaval e por uma mulher linda?
- O cara me deu dois, mas vou tomar um só porque nunca tomei. Quero outro?
- Manda aí!
- Tá, pega aqui. Toma lá no banheiro pra ninguém sacar. A gente se vê por aí.
- Beleza.
Peguei a droga que mais parecia um grão de arroz, fui pro banheiro do camarote
e tomei com whisky, afinal, a ideia de potencializar o seu efeito me parecia
interessante. Pouco tempo depois eu já tava com o pau durão e latejando - me
desculpe o linguajar mas eu não achei nenhum outro modo para descrever de
maneira clara aquela sensação - e eu queria muito encontrar minha amiga.
Imaginei que se eu estava daquele jeito, ela também estaria.
Comecei reparando nas paredes pra ver se ela não tinha subido em nenhuma. Não
tinha. Fui pra saída do banheiro e esperei um tempo. Nada. Rodei o camarote
inteiro e não encontrei. Mandei uma mensagem pelo celular.
- Tá aonde?
- Chegando na van indo pro hotel. E você?
- No caminho da van.
Saí voando do camarote e fui encontrar a van. Se ela estava indo pro hotel e com
a libido fervendo, não tinha como a gente não fazer tudo pegar fogo! Cheguei no
estacionamento das vans e ela não estava lá. Peguei meu celular e tinha uma
mensagem dela.
- Kd vc? Já estamos saindo!
PUTA MERDA!!!
- Moço, que horas sai a próxima van?
- Daqui meia hora.
- MEIA HORA!? Tem táxi aqui?
- Tem, mas vai te cobrar uma facada. Quanto custa um sexo selvagem?
Peguei um táxi e voei pro hotel. Uma corrida normal que daria uns R$ 80,00 saiu
por R$ 200,00 mas foda-se, meu ovo tava doendo já! No caminho eu fui falando
com ela.
- Peguei a outra van, vou chegar logo depois de você.
- Tá.
- Me espera no saguão do hotel.
- Já vou subir pro quarto. Preciso dormir.
- Ah, para! Hahahaha! – É comum rir em situações de desespero.
- Hoje é banho e cama.
- Topo!
- Kkkkkkk
- Qual o número do seu quarto? Chegando eu toco lá e a gente toma a saideira.
Ela não respondeu mais. Pedi o número na recepção e a recepcionista não
passou, minha pupila devia estar mais dilatada que orelha de roqueiro. Mandei
mais algumas mensagens e nada. Fui pro meu quarto e dormi meio puto por não
ter aproveitado o efeito daquela maravilhosa droga.
No café da manhã do dia seguinte ela aparece do nada.
- Bom diaaaa... tá sozinho aqui?
- Opa! Bom dia, tô.
- Posso sentar?
- Claro.
- Caaaaara, cê não sabe...
- O quê?
- Sabe aquela parada que eu te dei?
- Sei.
- Você tomou?
- Tomei.
- E aí?
- Ué. Te mandei mensagem quando cheguei aqui e vc não me respondeu.
- Como assim?
- Pô, eu tava doidão. A parada bateu fortão e eu tava pirado querendo transar.
- Hahahahahahahahahaha!!!! Comigo?
- Ué, não?
- Hahahahahahahahahaha!!! Para!
- ...
- Cara! Eu tomei essa parada, peguei um cara lá no camarote que eu não sei nem
quem é e mandei ele embora agora de manhã! Quase nem dormi. Eu sou muito
louca. Puta merda!
E eu fiquei em silêncio com a mesma cara de cu que você está agora lendo isso.
Sim! Exatamente essa mesma cara!

41. O dia da marmota

Um dos poucos auges das minhas tentativas de conquista foi de chamar uma
garota pra ir dormir no meu apartamento e ela topar. Na minha cabeça um
convite desse tem algo implícito muito explícito: vamos transar até cansar, certo?
Afinal, que tipo de pessoa aceita ir dormir na casa de outra que mal conhece?
Tirando as psicopatas, as aventureiras e as bêbadas, acho que ninguém mais.
Meu apartamento estava uma zona (e não da maneira “zona” que eu queria),
parecia que eu tinha empilhado as roupas, papéis e móveis em cima de uma
granada e de- tonado. Tudo espalhado para todos os lados! Arrumei o
apartamento em 3 minutos e tomei um banho. Para desespero de qualquer ser
vivo, veio aquela pontada do charuto depois de eu já ter até passado perfume!
Como eu imaginei uma noite de loucuras e movimentos corporais, achei melhor
não arriscar deixar a marmota dentro da toca.
Voltei pro banheiro e fiz o que tinha que fazer. A marmota era maior do que eu
imaginava, parecia um tênis All Star (eu tinha almoçado bem naquele dia). Dei
descarga e o desespero bateu. A água do vaso subiu até a borda e parou, fazendo
um piscina olímpica para a marmota ficar lá girando como se fosse uma foca
amestrada tocando saxofone. E o desentupidor! Que desentupidor? Que pessoa
tem um desentupidor em casa antes do vaso entupir? Ninguém! Onde encontrar
um desentupidor às, sei lá, 22h, sendo que a garota já estava vindo para o meu
apartamento? Resultado: Youtube!
Procurei por “Como desentupir vaso sem desentupidor?” e lá estava a solução.
Era arriscada mas podia funcionar. Eu só precisava colocar um saco grande de
lixo em cima do vaso, abaixar a borracha, GARANTIR que está bem lacrado e
dar descarga. A força da água vai forçar tudo pra cima e como não dá, vai forçar
pra baixo desentupindo tudo. Valia a tentativa.
Coloquei o saco de lixo no vaso, a borracha por cima, dei descarga e... inundei o
banheiro. Era água e mau cheiro pra tudo quanto é lado. A técnica pode até
funcionar, mas eu não devo ter isolado direito, não sei. O desespero só
aumentou.
Tomei uma decisão importante naquela hora. Eu precisava me livrar pelo menos
da marmota então peguei um saco plástico, inverti, coloquei minha mão dentro,
segurei a marmota e virei a sacola de volta. Pronto. Menos um problema.
Como só tinha água no vaso até a tampa, fiquei tranquilo em avisar a garota que
ele estava entupido. Peguei uns panos de chão e em tempo recorde deixei tudo
limpo, faltava resolver o que fazer com a marmota. Não podia jogar no lixo
porque se a garota resolvesse mesmo dormir lá, a marmota poderia começar a
exalar. Descer com ela no elevador podia ser arriscado eu encontrar um vizinho
ou pior, uma vizinha.
Só me restou uma opção: jogar pela janela. Se eu rodasse com muita força,
poderia jogar bem longe. Oras! Davi matou Golias usando a mesma técnica,
poderia funcionar! Coloquei a sacola dentro de outra sacola pra não correr o
risco de estourar, abri a janela e rodei com força em direção à rua (meu
apartamento é de frente para a rua, em cima da portaria). Joguei! Ouvi o saco
batendo no chão e pensei “deu certo!”. Logo em seguida eu pensei: “mas será
que caiu fora do prédio ou no jardim? Pior! E se caiu em cima do arame farpado
do portão, rasgou e a marmota escorreu pelo muro!?”.
O interfone toca. “Puta merda! Caiu no portão!” - pensei enquanto atendia o
interfone.
- Alô.
- Senhor Rodrigo?
- Isso.
- É daqui da portaria, a senhorita Isadora está aqui.
- Pode subir.
- Ok.
Senti um certo alívio. Tudo estava resolvido. Já não me importava mais o
destino da marmota. O apartamento estava arrumado, o banheiro estava limpo e
a marmota tinha ido embora. A Isadora chega.
- Oi!
- E aê? Beleza?
- Meu! Acredita que eu tava lá em baixo e veio um saco voando do nada e caiu
do meu lado!?
- … puta merda! Sério?
- Sério! E podre! Acho que alguém jogou lixo pela janela! São Paulo é foda,
meu!
- Que merda!
- Nem fala. Preciso usar o banheiro rapidinho.
- Tá entupido o vaso.
Ela olhou pro nada por alguns segundos e eu me mantive sério. Não sei se ela
juntou os fatos, mas se fez, foi elegante o suficiente para não comentar.
Assistimos TV, lemos um livro, comemos brigadeiro, tricotamos(!), ela dormiu
comigo e no dia seguinte fomos tomar café da manhã. Descemos, saímos do
prédio e passamos pela sacola da marmota na calçada (ufa! Caiu na calçada).
Nós dois olhamos para a sacola e ela não comentou nada. Nada! Oras, era a
sacola que QUASE acertou ela, é claro que ela comentaria isso, certo? Mas ela
não comentou e eu tive certeza absoluta que ela tinha juntado os fatos.
Saímos outras vezes mas ela nunca mais dormiu na minha casa.
Que merda!

42. Romantismo de caminhoneiro

Essa é uma história curta de uma amizade divertida. Tenho uma amiga daquelas
que sempre está emendando um namoro no outro. Isso já virou uma piada nossa
pois sempre que ela termina um relacionamento eu mando um “E aí, tá sumida!”.
Em uma das vezes o papo sobre ‘estar solteira’ continuou mais que de costume e
eu estranhei positivamente. Fomos zuando sobre nunca termos ficado e tal... papo
vai, papo vem e ela manda:
- Para! A gente já é íntimo! Eu to falando com você enquanto eu to cagando.
Ainda quer me comer?
E eu, com a delicadeza de um rinoceronte, respondi:
- Eu empurro essa bosta toda pra dentro!
- Nossa! Foi a coisa mais nojenta e romântica que já me disseram.
Rimos muito na hora. Ela começou a namorar semanas depois.

Ps.: Empurraria sim.

43. Cialis



Marquei sair com uma garota bem mais nova do que eu e nós já sabíamos o que
ia rolar porque já tinha rolado outras duas vezes. Como eu tinha chegado de
viagem, na manhã daquele dia, não quis dar sorte pro azar e comprei um Cialis.
Combinamos de nos encontrar às 18h porque às 19h ela tinha que estar na
faculdade. Me programei e tomei o Cia- lis meia hora antes como manda a bula.
Só que logo que eu tomei, ela ligou dizendo que estava liberada. PUTZ!
Busquei, levei pra minha casa e aconteceu o que eu previa. Fiquei no que os
nordestinos chamam de “rôla bamba”, quando o pau tá na meia bomba, sabe?
Bom, já que a confusão tinha começado e a minha bandeira estava a meio pau,
quem tem boca vaia Roma! Vaiei muito e ter- minamos felizes. Levei ela pra
faculdade. Eu ainda tinha o dia livre e aproveitei para ir ao cinema assistir “Que
Horas Ela Volta?”, já que todo mundo estava falando muito bem do filme na
época. Foi só terminar os trailers que o Cialis começou a fazer efeito. Juro!
Passei 90 minutos de pau duro assistindo a Regina Casé.








































44. Fui enganado por um megahair




Tinha essa balada em São Paulo que eu costumava ir sozinho, afinal, nunca tive
problemas em ir sozinho para os lugares ‘até mesmo viajando’, por isso eu
estava lá ouvindo música alta, bebendo alguma coisa alcoólica e olhando em
volta para ver se alguma garota me interessava. Há alguns padrões que, com o
tempo, você consegue identificar numa balada e que ajudam no sucesso de uma
pegação.
Por exemplo: garotas feias com amigas bonitas costumam ser mais fáceis de
pegar (EI! NÃO ME JULGUE POR ISSO! NÃO FUI EU QUEM CRIOU AS
REGRAS, EU SÓ SIGO ELAS!).
Outro padrão é a garota que já beijou mais de dois caras na mesma balada. A
chance de ela ser do tipo super independente, de muita atitude, que faz o que
quer, na hora que quer e com quem quiser é grande. Nesse caso, ser mais um na
lista dela, não é uma má ideia se você só quiser diversão por uma noite.
Porém, tem um padrão que costuma ter um alto índice de aproveitamento que é
“a amiga deixada de lado”.
É aquele caso claro em que a garota está aos beijos com alguém e a amiga está ao
lado com os braços cruzados esperando a festa acabar logo pra ela ir embora.
Essa amiga já está de bode, emburrada, puta da vida que não está pegando
ninguém e querendo que o mundo exploda. Eis a chance de chegar e propor um
passatempo interessante: a sua boca.
Foi graças a este padrão que eu comecei a namorar a minha primeira namorada e
era exatamente esta a situação que eu vi diante dos meus olhos na balada desta
história aqui. Fui até o encontro dela:
- Oi.
Ela acenou levantando as sobrancelhas e abrindo um sorriso de boca fechada.
- É uma merda ficar de vela, né?
Ela torceu os lábios, levantou os ombros e fez cara de “fazer o que, né?”
- Posso te ajudar com isso?
Ela não fez nada e ficou me olhando. Parti pro beijo. Começamos a nos beijar e
eu segurei ela pela nuca. Senti o megahair nos meus dedos e pensei “hummm...
danadinha... colocando aplique pra ficar mais sensual...”, deslizei minha mão
pelo rosto dela e... cara... estranho... eu já tinha sentido aquela textura. Fiquei
com a mão no pescoço dela e esfreguei meu dedão no rosto da garota mais uma
vez. Eu realmente já tinha sentido aquela textura!
Passei a mão mais uma vez para comprovar a minha teoria e comprovei: era
textura de barba feita com gilete. Eu estava beijando alguém de barba! Parei.
Me afastei.
Fiquei sério.
Olhei no fundo dos olhos da pessoa e dei uma encarada.
Ela levantou as sobrancelhas, abriu um leve sorriso, fez cara de “Ué... o que
foi?”.
Eu continuei sério, dei dois passos pra trás, virei de lado e saí andando sem dar
uma palavra. Nesta noite eu peguei três garotas na festa e depois fui pra casa
sozinho.
Passei três dias remoendo esta situação. Eu pensava: “será que agora eu sou
gay?”, “será que agora eu sou obrigado a chupar uma rôla?”, “dar o cu dói
mesmo ou é lenda?”, “se ele me desse mole, será que eu ficaria com o Henri
Castelli?”, “será que eu gosto de usar perfume masculino porque as mulheres
gostam do cheiro ou porque eu gosto é de sentir cheiro de homem no meu
pescoço?”, e a lembrança mais inconveniente de todas era: o beijo é IGUAL de
mulher.
O que me fez começar a cogitar a opção... Henri Castelli.

45. O bom Banguela bobo

Essa é uma das minhas mais célebres derrotas por vários motivos. Conheci uma
ex-BBB e capa da Playboy numa balada e batemos um papo solto, sem
compromisso e sem tom de pegação, afinal, eu nunca achei que pode- ria pegar
uma mulher capa de revista, mas só até a amiga dela vir e falar que ela queria me
pegar.
Virei pato. Comecei a fazer tudo o que ela queria. Na mesma noite ela disse que
tava rolando um show da Tati Quebra Barraco numa outra festa. Fomos e nos
beijamos muito! Parecia que finalmente eu estava começando a colher os frutos
de uma vida amorosa de merda. Parecia...
No meio da festa ela encontrou uma garota com quem tinha ficado no dia
anterior e rolou uma DR bizarra! Eu, que não queria perder a pegação, fingi
tranquilidade e não me importei.
Quando tudo voltou ao normal ela perguntou qual era minha intenção para
aquela noite. Eu respirei fundo e falei sem medir as consequências: “ver você
dando cambalhotas e girando estrelinha igual ginasta”. Silêncio.
“Brincadeira, quero te chupar toda! ”. Rimos e nos pegamos como nunca, no
meio da pista, ao som de Tati Quebra Barraco. Muito amor!
Saímos um pouco pra tomar um ar e apareceu um fã meu. Fiquei conversando
com o cara e ela disse que ia entrar pra pegar alguma coisa. Ok. Conversei um
pouco mais, voltei pra festa e fui no banheiro. No caminho dei de cara com a ex-
BBB beijando outro cara.
Fiquei parado olhando sem reação e percebi que a culpa era minha, afinal, ela
tinha avisado que ia pegar uma coisa dentro da festa, eu que não me liguei que
poderia ser um outro cara.
Fazia algum tempo que eu não era feito de trouxa nessa intensidade, e eu achei
que tava destreinado, mas descobri que isso é como andar de bicicleta. Sem o
banco. Só no cano.

46. Adorável maldito Tinder

Fui fazer um show de stand-up em Ribeirão Preto e no dia seguinte cedo já


voltaria para São Paulo. Não que- rendo perder tempo, comecei a rodar o Tinder
como se não houvesse amanhã (até porque realmente não teria) e, como sabem
ou não, o Tinder tem um número X de likes. Depois disso só 12h depois, o que
pra mim não faria diferença já que eu teria ido embora mesmo.
Comecei: sim, não, não, sim, sim, sim, não, não... até acabarem as opções.
Pensei comigo: “bem, já dei meus likes, se alguma dessas garotas der de volta, é
match e gol!”. O dia passou e eu me arrumei pro show à noite. Logo que o
show acabou, peguei o celular pra ver se tinha alguma mensagem. Tinha, do
Tinder, avisando que uma Mayara tinha me dado um Super Like. Entrei no perfil
da Mayara, vi as fotos, ela era realmente linda mas não tinha nenhuma outra
informação além disso: Mayara. Não tínhamos amigos em comum, não tinha
sobrenome, instagram, twitter, nada. Dei um like pra poder dar match e... eu não
tinha mais likes, lembra?
EU NÃO TINHA MAIS LIKES PRA DAR!
Ei, Mayara de Ribeirão Preto! Segura esse Super Like aí, menina! Já já eu volto!

47. O David Luiz

Encontrei a garota num bar na avenida Paulista. Ela era carioca e estava passando
uns dias em São Paulo, amiga de uma garota que eu tinha acabado de conhecer. A
carioca era linda, simpática, alegre e... sorridente, muito sorridente.
Eu, sem nenhum direito de ser, sou um cara um tanto perfeccionista com mulher.
Eu gosto das lindas. Se for linda e gente boa, porra! Aí eu apaixono fácil! A
carioca se encaixava no perfil, mas assim que sorriu eu percebi que faltava um
dente. Não na frente, mas o zagueiro esquerdo, o David Luiz da boca. Isso me
pegou. Talvez com o time desfalcado, a chance de gol era maior, mas esse dente
(ou a falta dele) começou a crescer nos meus olhos.
Quanto mais ela bebia e sorria, mais o buraco desse dente aumentava pra mim.
Ficou difícil não olhar sempre pra isso. Virou um incômodo grande. Justo eu, o
Jacaré Banguela, incomodado por uma falta de dente! Eu tava me sentindo meio
culpado de julgar tanto a menina a linda e sem dente, mas era mais forte que eu.
Suportei até o momento em que ela chegou bem pertinho do meu ouvido e disse:
“você não sabe o estrago que essa boca aqui pode fazer!” Poxa, moça... já fez... já
fez.







48. O flato

Cheguei em Curitiba pra fazer uma série de shows de Stand-Up e lembrei que
esqueci o paletó do meu terno em São Paulo. Merda! Como cheguei cedo, fui no
shopping comprar outro. Comprei, aproveitei pra almoçar e decidi voltar pro
hotel caminhando porque Curitiba é linda e o clima é ótimo.
Umas três quadras antes de chegar no hotel a natureza me chamou. Não em
forma líquida, nem sólida, mas na gasosa. Como estava ventando, eu estava
caminhando entre árvores e sem ninguém em volta, atendi ao chamado e flatulei
deliciosamente. Neste exato momento o vento para de soprar, as árvores param
de mexer e uma curitibana linda para do meu lado:
- Ei, você é o cara do Jacaré Banguela, né? - e me sobe aquele fio gelado pelas
costas enquanto eu percebo aquela nuvem de bafo de taxista vindo na minha
direção.
Porque o peido é traiçoeiro, ele acompanha! Às vezes vem a vontade e você não
quer ser o dono daquilo, você só quer deixar pro universo isso mas não tem
como. E sabe quando você tá conversando com a pessoa, ela dá aquela coçada
no nariz e você sabe que é porque tá muito podre? Ela falou:
- Nossa! - enquanto coçava o nariz - Tá fazendo o que por aqui?
- Jogando merda na sua cara - pensei em responder mas achei rude. Achei
melhor:
- Vim fazer um show hoje. Tá a fim de ir?
Ela já com os olhos vermelhos, respondeu:
- Eu tenho que ir agora, depois a gente se fala.
E foi embora. Veja o problema, eu não peguei o telefone dela, ela não me
procurou em nenhuma rede social e provavelmente saiu falando pra todas as
amigas dela que o cara do Jacaré Banguela fede.
Se tiver alguém de Curitiba lendo isso agora, espalha a notícia por aí que não é
que o cara do Jacaré Banguela fede, eu só peido na rua de vez em quando.

49. Gentileza gera boas más histórias

Gentileza é uma merda! Seja gentil com coisas simples e fazendo coisas simples.
Nunca prometa coisas grandes que não dependem de coisas simples. Ficou
complica- do? Eu explico. Em uma madrugada qualquer eu estava voltando a pé
de uma balada quando passei na frente de outra. Uma garota me olhou, franziu a
testa e me chamou: “Jacaré?”. Olhei em volta e como não vi o Jacaré do Tchan
por perto, supus que era comigo mesmo. A garota era uma PRIN-CE-SI-NHA!
Sem sacanagem! Que mulher linda! Ruiva, ahhhhh as ruivas!
Eu estava meio bêbado, ela estava meio bêbada, trocamos umas frases, roubei
uns beijos e trocamos Whats App. Nos falamos durante a semana e marcamos de
jantar em um restaurante japonês. Comemos, conversamos, trocamos beijos
sabor shoyu e ela me disse que estava de mudança. Eu, todo gentil e pronto pra
entrar em uma aventura de merda me ofereci pra fazer a mudança dela. Como
ela disse que seriam poucas caixas, eu disse que poderiam caber no meu carro.
Passou um tempo e no dia combinado me arrumei para buscar as coisas dela. No
mesmo dia uns amigos me chamaram pra fazer um show de Stand-Up de
emergência, substituindo um outro comediante que faltou. Como eu nunca nego
trabalho, topei. Daria tempo de fazer as duas coisas (na minha cabeça). Me
arrumei pra fazer a mudança da garota e ir fazer o show logo na sequência. Desci
pra garagem, entrei no carro e ‘tic’. Bati a chave de novo e ‘tic’. Sem bateria!
Deixei a MERDA do GPS ligado por dois dias sem notar e ele sugou toda a
bateria do carro. Abri o capô pra ver se tinha algum fio solto. Nada. Chamei o
porteiro do prédio pra ver se ele arranjava algum outro morador pra me fazer
uma chupeta (no sentido elétrico da palavra), nada. O tempo passou e eu tinha
que ir pro teatro fazer o show.
Puta merda! Que decisão! Abandonar a ruiva ou o trabalho? Nenhum dos dois!
Peguei um táxi e fui até a garota (não tinha UBER em São Paulo ainda). Cheguei
lá e ela já estava com as coisas na portaria do prédio me esperando. Perguntou
onde estava o meu carro e eu expliquei a situação toda, inclusive o show. Ela
ficou com uma cara de perdida, que ela realmente estava!
Sugeri de chamarmos um táxi. Chamamos. Veio um meio pequeno. Socamos as
coisas como pudemos, eu sugeri de pagar a corrida, ela negou meio impaciente
mas ainda gentil. Entrou no táxi, me deu tchau com a mão e foi embora. Tentei
falar com ela outras vezes mas ela não me respondeu mais.
Naquela noite eu cheguei atrasado no show mas consegui fazer. Não perdi o
trabalho, mas perdi a garota.

50. A russa do albergue

A ideia deste livro surgiu na metade de 2015 quando eu comecei a pensar em


algumas coisas que eu queria fazer em 2016. Passei vários meses lembrando de
todas as vezes que eu me dei mal com uma garota desde o meu primeiro namoro
e a cada lembrança eu ria e anotava na agenda do celular enumerando elas para
saber o quanto eu já tinha me dado mal. Quando chegou em 30 eu achei que era
um número bom, mas eu lembrei mais algumas e quando chegou em 40 eu fiquei
preocupado. Comecei a organizar as histórias numa linha do tempo e acabei
lembrando de mais algumas. Tudo pronto para começar a desenvolver as
histórias.
No dia 1 de janeiro de 2016 eu fui para Nova York assistir ao show de Stand-Up
do Jerry Seinfeld ao vivo e me hospedei num albergue muito legal e barato.
Fiquei 12 dias certos e calculei 4 histórias por dia para conseguir discorrer sobre
as 48 histórias programadas para este livro.
Para o meu azar (ou sorte, depende do ponto de vista) eu lembrei de mais uma
história e coloquei aqui, chegando em 49 histórias. Eu tinha certeza que antes de
publicar o livro eu conseguiria lembrar ou, na pior das hipóteses, viver mais uma
história. Este albergue que eu fiquei em Nova York tinha três camas por quarto e
eu estava dividindo o meu com uma russa. Linda, loira, olhos azuis, 30 anos e
um sotaque de vilão do 007.
Conversamos pouco porque ela falava muito. MUITO! Era um monólogo em
que eu era a plateia e ela a artista. Só ela falava! No dia seguinte eu já estava de
saco cheio da russa e comecei a entender o motivo de tantos filmes de guerra
contra aquele país… mas ela gostou de mim. Todos os dias ela me dava algum
presentinho, uma balinha de caramelo, um donut, umas castanhas (que ela viu
que eu comia enquanto escrevia o livro) e começou a me elogiar. Ela dizia que
gostava da minha dedicação com o livro, a minha cara de sério escrevendo
piadas e até o cheiro do perfume que eu usava todos os dias. Na minha cabeça
ela TAVA QUERENDO, NÉ!?
Eu, por azar ou sorte, estava saindo com uma garota no Brasil e bem a fim dela.
Nos falávamos todos os dias em que eu estive em NY escrevendo o livro e por
mais que a russa me parecesse bem interessante, eu estava muito a fim dessa
garota do Brasil. Fui levando a russa aos poucos, meio que no esquema “vai que
a brasileira me dá um fora enquanto eu estou aqui? Se for isso, aí é gol na
Rússia!”, e também “como ela é meio chata, vou deixar pra ir com tudo no
último dia. Se rolar, rolou. Se não rolar, é o último dia”. Estratégia definida, o
lance era manter tudo morno sempre.
Comprei uns presentinhos para a russa, mas não dei muitas aberturas. Fui
jogando o jogo merda da conquista. No penúltimo dia em NY a brasileira já não
falava mais tanto comigo como nos primeiros dias e eu resolvi que à noite eu
daria em cima da russa fortemente. Assim como em todos os outros dias dessas
férias produtivas, eu passei a tarde toda fora do albergue escrevendo os últimos
contos do livro em uma lanchonete. Voltei um pouco mais cedo para o albergue a
fim de dar o ultimato na gringa.
Entrei, subi as escadas, passei pelo hall, entrei no corredor dos quartos, abri a
porta do meu quarto e lá estava a russa transando com um cara na cama dela.
Porra, ela tinha um baita corpo maneiro que não dava para reparar na roupa! Ela
olhou para mim assustada, eu fiquei sem reação e o cara falou:
- Sai daqui! – em inglês, claro.
Eu, que neste momento estava abismado em descobrir que a russa era gostosa e
não queria parar de olhar pra ela nua, retruquei:
- Este é o meu quarto!
- Meu também! Sai! – respondeu a russa.
- Então tá bom! – respondi bravo, virando as costas e saindo do quarto.
E é claro que eu fiquei puto por ter demorado tanto para tentar transar com a
russa que estava a fim de mim! E mais puto ainda porque isso ACABOU DE
ACONTECER!
Sim, estou do lado de fora do quarto agora escrevendo o conto que fecha o meu
livro no momento exato em que ele aconteceu! Eu podia estar transando agora
com uma russa gostosa? Podia, mas não estou.
Afinal, tinha tudo pra dar certo se não fosse eu!





FIM






1A EDIÇÃO - JULHO DE 2017