Você está na página 1de 16

SAX Evolution

Articulação
Resumo - Articulação

• A articulação é uma das grandes ferramentas para


interpretação.
• O uso desse recurso de forma correta torna possível
interpretações incríveis e sentimentais.
• Esse recurso deve ser estudado e aplicado por músicos
que já tenham uma coluna de ar formada.
• Nesse E-book iremos abordar articulações simples e
dupla.
Etapas de aprendisagem

Entendendo Fixando Exercitando Aplicando


Articulação simples
Sax Evolution
Articulação simples
Na aplicação dessa técnica são adotadas algumas formas gráficas
para um melhor entendimento.
Silabas (Te, Ti, Tô, Tu), o uso de cada uma dessas expressões pode
ter variações dependendo do professor ou do aluno.
A silaba (Ti) é muito usada no caso de articulação sem o toque da
língua na palheta. Na qual pode ser substituída pela silaba (Ru).
• Articulação com toque pela língua na palheta
Articulação muito usada, o toque da língua na palheta causa
interrupção total ou parcial da vibração da palheta. Articulação usada
em expressão fortes e marcantes.
• Articulação sem toque da língua na palheta
Articulação usada sem a interrupção da vibração da palheta. Usada
em expressões suaves.

Como estudar:
Articulação com toque da língua:
Use uma das silabas citadas acima, escolha a que for mais
confortável para a execução.
Para maior conforto, em um primeiro momento use a boquilha com e
o tudel ou até mesmo somente a boquilha.
1. Ligue o metrônomo em 60bpm
2. Inicie e estabilize o som
3. Acompanhe o metrônomo com uma articulação a cada
batimento.
4. Repita esse processo até obter facilidade no exercício OBS:
Muito cuidado com a sonoridade, fique atento no timbre emitido.
5. Após sentir facilidade na execução aumente gradativamente a
velocidade do metrônomo até obter o resultado pretendido.
Estudando com o saxofone
Após obter a velocidade e timbragem pretendida usando a boquilha
ou boquilha e tudel no exercício, esta na hora de fazer o exercício
usando o saxofone.
1. Comece o exercício usando o metrônomo com velocidade de
60bpm
2. Use a nota intermediária (Sol – G) sem oitava
3. Uma nota por batimento 4 notas iguais a cada 4 batimentos,
então suba para próxima nota (Lá-A) e assim sucessivamente.
4. Aumente progressivamente a velocidade do metrônomo OBS:
Mantenha a sonoridade.
5. Após dominar a articulação na área ascendente partindo da
nota (Sol-G), treine descendente partindo mesma nota.
Avançando
Aplique a articulação em arpejos, depois em oitavas
OBS: Fique atento na sonoridade, não pode haver mudanças em seu
som devido a articulação.
Articulação Simples

Partitura
Articulação Dupla
Sax Evolution
Articulação Dupla

Técnica com maior grau de dificuldade que após dominada favorece


ao musico execução clara e expressiva em execuções rápidas.
Silabas usadas nessa técnica ((Ta, Ca)(Te, Que)(To, Co)), o uso de
cada uma dessas expressões pode ter variações dependendo do
professor ou do aluno.
Articulação com toque pela língua na palheta

Essa articulação tem grande eficiência em passagens rápidas, dando


clareza e evidenciando as notas, como informado em articulação
simples o toque da língua na palheta causa interrupção parcial ou
total da vibração da palheta, porem na articulação dupla terá um
toque com a ponta da língua na palheta e ou outro toque do meio da
língua com a parte superior da boca.
Como estudar:
Use uma das silabas citadas acima, escolha a que for mais
confortável para a execução.
Para maior conforto, em um primeiro momento use a boquilha com o
tudel ou até mesmo somente a boquilha.
1. Ligue o metrônomo em 60bpm
2. Inicie e estabilize o som
3. Acompanhe o metrônomo com uma articulação a cada
batimento. (Obedecendo a sequencia, toque com a ponta da
língua, toque com o meio da língua)
4. Repita esse processo até obter facilidade no exercício OBS:
Muito cuidado com o sonoridade, fique atento no timbre emitido,
articulação com a ponta e com o meio da língua deve ter
sonoridades compatíveis.
5. Após sentir facilidade na execução aumente gradativamente a
velocidade do metrônomo até obter o resultado pretendido.
Estudando com o saxofone
Após obter a velocidade e timbragem pretendida usando a boquilha
ou boquilha e tudel no exercício, esta na hora de fazer o exercício
usando o saxofone.
1. Comece o exercício usando o metrônomo com velocidade de
60bpm
2. Use a nota intermediária (Sol – G) sem oitava
3. Uma nota por batimento 4 notas 4 batimentos então suba para
próxima nota (Lá-A) e assim sucessivamente.
4. Aumente progressivamente a velocidade do metrônomo OBS:
Mantenha a sonoridade.
5. Após dominar a articulação na área ascendente partindo da
nota (Sol-G), treine descendente partindo mesma nota.
Avançando
Aplique a articulação em arpejos, depois em oitavas
OBS: Fique atento na sonoridade, não pode haver mudanças em seu
som devido a articulação.
Articulação Dupla

Partitura
BONUS
Qual a rigidez correta para as sapatilhas,
macia ou rígida?
Vamos entender melhor como funciona o papel das sapatilhas, para o bom desempenho
do saxofone.
A sapatilha possui algumas funções que são de extrema importância, como vedar os
orifícios das chaves, proporcionar maciez na execução e o mais importante, à condução e
reflexão das ondas sonoras.

Partes da sapatilha:
1. Papelão: Fundo da sapatilha
2. Feltro: Parte responsável pela rigidez da sapatilha
3. Couro: Revestimento da sapatilha
4. Ressonador: Acessório que dá característica a sapatilha.

Cada uma dessas partes contribui para uma sapatilha de excelência.

Sapatilhas macias
Pontos positivos:
Consegue compensar e prevenir alguns tipos de vazamento como:
Empeno leve da bandeja
(A bandeja pode ser empenada em várias situações, na fabricação, quedas ou impactos e
até mesmo na limpeza cotidiana do saxofone. Dependendo de quanto à sapatilha seja
macia, ela pode evitar pequenos vazamentos provocados por pequenos empenos.)
Bordas dos orifícios do saxofone irregulares
As bordas dos orifícios das chaves podem vir irregulares de fábrica, o que acontece com
saxofones de baixa qualidade, mas também podem ser empenadas por quedas, impactos
ou até mesmo por eventuais manutenções feitas por pessoas sem conhecimento adequado.
Tudo isso pode ocasionar irregularidades nas bordas dos orifício provocando vazamentos,
que podem ser compensada pela sapatilha, desde que essas irregularidades sejam de
pequena proporção.
BONUS
Digitação macia com menos impacto e barulho
A sapatilha macia funciona como um amortecedor oferecendo conforto
na digitação com baixo barulho.
Cria frisos com facilidade
Os frisos nas sapatilhas ajudam muito na vedação e dificulta o
aparecimento de vazamentos, compensando eventuais irregularidades
das bordas dos orifícios.

Pontos Negativos:
Menor Durabilidade
Devido à maciez, o couro (que pode ser sintético ou animal), fica exposto
a maior pressão das bordas dos orifícios, isso impõe que o material se
deforme e forme os frisos. Caso esse material não tenha boa resistência ele
será danificado com facilidade.
Fácil deformação
As sapatilhas macias são compostas por feltros macios, em alguns casos a
espessura e elasticidade do couro também contribui no quesito maciez,
porem couros mais duros e espessos não são boas alternativas para a
fabricação de sapatilhas, esse tipo de couro deixa a sapatilha mais rígida
porem, a maioria dos couros com espessura grossa ao serem expostos à
água tende a ficarem rígidos e encolher. Por isso é comum o uso de couros
mais finos, que em conjunto com feltro macio conseguem se modelar com
maior facilidade. Porem essa maciez contribui para a deformação e
desgaste precoce da sapatilha.
A maciez em excesso faz a sapatilha criar uma depressão dentro do
orifício do saxofone que pode interferir negativamente na ressonância e
fluidez das ondas sonoras, alterando o timbre e afinação.
BONUS
Veja na imagem, a parte (roxa) ilustra a invasão da sapatilha no perímetro
de circulação das ondas.

Facilita que as sapatilhas grudem.


Com o feltro macio e o couro fino, a uma grande facilidade na criação dos
frisos na sapatilha, mas se a maciez for excessiva o friso pode ficar
profundo e as laterais desse friso pressionar as bordas do orifício do
saxofone, isso faz a sapatilha grudar. Porem esse não é o único fato que
contribui para as sapatilhas grudarem, pode ser resíduos, tipo de material
da sapatilha, temperatura etc..
Veja a ilustração.
BONUS
Sapatilhas duras
Pontos Positivos:
Alinhamento controlado da sapatilha
A sapatilha mais rígida tende a ficar plana, evitando invasão do centro da
sapatilha ao interior do orifício do saxofone, mantendo o padrão de
espaço de ressonância.

Maior resistência à deformação


Devido a ter o auxilio de um feltro mais rígido, o couro (seja ele sintético
ou animal), fica apoiado, compartilhando com o feltro a pressão recebida
pelas bordas do orifício. Esses fatores mantém a sapatilha estável e plana
com muito menos riscos a deformação.

Maior durabilidade
Como o Couro (seja ele sintético ou animal), compartilha a pressão
recebida pelas bordas do orifício, aumenta a resistência e
consecutivamente a durabilidade das sapatilhas, pois o couro não é
esticado e não sofre deformação em pontos específicos
BONUS
Pontos Negativos:
Não consegue compensar e evitar vazamentos como:
Empeno leve da bandeja
Devido à falta de flexibilidade a sapatilha não consegue compensar a
parte empenada, e isso facilita o aparecimento de vazamentos.
Bordas dos orifícios do saxofone irregulares
Devido à falta de flexibilidade a sapatilha não consegue compensar as
partes irregulares, e isso facilita o aparecimento de vazamentos.
Digitação dura com barulho
Devido o feltro ser rígido o impacto entre a sapatilha e as bordas dos
orifícios do saxofone é maior, causando barulhos e a sensação de
digitação dura.
Conclusão:
A rigidez da sapatilha deve ser observada de acordo com a estrutura do
saxofone.
Para a confecção de excelentes sapatilhas, que exerçam seu papel com
excelência, deve ser levado em conta as bordas dos orifícios.
Quando essas bordas são mais espessas como as (hole‐tone), que são
aquelas bordas mais grossas, que recebem um anel em toda sua extensão
muito usado em saxofones (Vintage), ou mesmo bordas normais de
saxofones com metal mais grosso. As sapatilhas podem ser menos rígidas,
pois o contato entre a sapatilha e a borda do orifício é maior maximizando
o ponto de contato entre as partes e minimizando o desgaste das
sapatilhas, além de evitar aparecimento de vazamentos por pequenos
empenos ou até mesmo por bordas com pequenas irregularidades. Esse
tipo de sapatilha proporciona digitação macia e com menos ruídos.
BONUS
Para saxofones com bordas finas, as sapatilhas podem ser mais
rígidas, pois o ponto de contato com a sapatilha é menor e isso evita
o desgaste precoce das sapatilhas, porem as bordas dos orifícios
devem ser planas e a regulagem deve ser bem ajustada, pois a
sapatilha rígida não consegue compensar eventuais irregularidades
das bordas dos orifícios assim como empeno das bandejas de
vedação.
Muitos saxofonistas podem testemunhar problemas que ocorreram
após seus saxofones serem sapatilhados, ao invés de ficarem
melhor, apresentaram vários problemas, isso ocorre pela falta de
observação do tipo de sapatilha para o tipo de saxofone.
Saxofones de baixo custo geralmente possuem sapatilhas macias e
de couro (sintético), como o controle de qualidade é baixo, a
maioria desses saxofones possuem irregularidades nas bordas das
chaminés, que são compensados pela maciez da sapatilha, mas
como o material é de baixa qualidade as sapatilhas são danificadas
facilmente e com pouco tempo de uso.
.
Fonte: www.jansensax.com
MAIS...
Sax Evolution foi criado com o intuito de levar até você uma forma
alternativas para sua evolução, métodos com passa a passos que te
farão evoluir com qualidade, facilidade e agilidade...
Passe para o próximo nível, nos acompanhe e fique por dentro.

Se tem alguma sugestão, duvidas, dica ou crítica deixe sua


mensagem ela será de suma importância para os próximos
conteúdos....

AGUARDAMOS SEU COMENTÁRIO.


Compartilhe conhecimento isso faz parte do nosso futuro.
Contato: contato@saxevolution.com
Site: www.saxevolution.com
Facebook: https://www.facebook.com/saxevolutions