Você está na página 1de 582

POWERTECH Motores

Diesel 4,5L e 6,8L


Sistema Eletrônico
de Combustı́vel Nı́vel 12
com
Bomba Stanadyne DE10

MANUAL TÉCNICO
POWERTECH Motores Diesel 4,5L e
6,8L — Sistema Eletrônico de
Combustı́vel Nı́vel 12 com Bomba
DE10
03OCT05 (PORTUGUESE)

Para informações de manutenção, ver também:


POWERTECH Motores Diesel 4,5L e 6,8L —
Motor Básico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CTM206
Alternadores e Motores de Partida. . . . . . . . CTM77
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . (Disponı́vel Apenas em Inglês)
Acessórios do Motor OEM . . . . . . . . CTM67 (Disponı́vel
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Apenas em Inglês)

John Deere Power Systems


LITHO IN U.S.A.
Introdução
Avanço

Este manual foi escrito para ser utilizado por um instalação de componentes e como ter acesso aos
técnico experiente. As ferramentas essenciais componentes.
necessárias para a execução de determinadas
manutenções são identificadas neste manual e são As informações estão organizadas em seções e
recomendadas para uso. grupos para os vários componentes que necessitam
de instruções de manutenção. A seção 05 resume
Este manual (CTM339) trata somente dos Sistemas todas as ferramentas essenciais aplicáveis, as
Eletrônicos de Combustı́vel Nı́vel 12 com Bomba ferramentas e equipamentos para manutenção, outros
Injetora Stanadyne DE10. Ele é um de cinco volumes materiais necessários à execução do serviço e kits de
que tratam dos motores de 4,5 l e 6,8 l. Os quatro peças de manutenção. A seção 06 resume todas as
manuais associados a seguir tratam dos reparos, especificações, as tolerâncias de desgaste e os
operação e diagnósticos do motor básico, do sistema valores de torque.
mecânico de combustı́vel, do sistema eletrônico de
combustı́vel nı́vel 4 e do sistema eletrônico de Antes de iniciar diagnósticos ou reparos em um motor,
combustı́vel nı́vel 1: limpe-o.

• Motor Básico — CTM206 Este manual contém unidades métricas SI seguidas


• CTM219 — Sistema Eletrônico de Combustı́vel imediatamente pelas unidades de medidas habituais
Nı́vel 4 com Bomba Bosch VP44 dos E.U.A. A maior parte das peças destes motores é
• CTM215 —Sistemas Mecânicos de Combustı́vel dimensionada pelo sistema métrico.
• CTM284 (Somente em inglês) — Sistemas
Eletrônicos de Combustı́vel Nı́vel 1 com Bomba Alguns componentes deste motor podem ser
Delphi (Lucas) DP201 reparados sem a remoção do motor da máquina.
Consulte o manual técnico da máquina especı́fica para
No futuro, serão acrescentados outros manuais para obter informações sobre componentes que podem ser
fornecer mais informações, conforme necessário, reparados sem a remoção do motor da máquina e
sobre os sistemas eletrônicos de combustı́vel. também sobre os procedimentos de remoção e
instalação do motor.
Viva com segurança: Leia as mensagens de
segurança na introdução deste manual e os cuidados Leia completamente cada bloco do material antes de
apresentados no texto do manual. executar a manutenção para verificar as diferenças de
procedimentos ou especificações. Somente siga os
procedimentos que se aplicam ao número de modelo
Este é o sı́mbolo de alerta de segurança. Quando
do motor no qual você está trabalhando. Se for dado
vir este sı́mbolo na máquina ou neste manual, fique
somente um procedimento, este se aplicará a todos os
alerta à possibilidade de lesões pessoais.
motores do manual.
Use este manual técnico de componentes juntamente
CALIFORNIA PROPOSITION 65 WARNING
com o manual técnico da máquina. Uma lista de
O escape de motores diesel e alguns de seus
aplicações, na Seção 01, Grupo 001, identifica a
componentes são conhecidos no estado da
relação entre produto e modelo e entre tipo de
Califórnia como causadores de câncer, defeitos
componente e modelo. Consulte o manual técnico da
congênitos e outros danos de reprodução.
máquina para obter informações sobre a remoção e

OUO1080,00001FE –54–16NOV01–1/1

CTM339 (03OCT05) Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=2
Introdução

POWERTECH Motor de 4,5 l com Sistema Eletrônico de Combustı́vel Nı́vel 12 e Bomba


Stanadyne DE10

–UN–06NOV01
–UN–06NOV01

RG11932
RG11931

Lado Esquerdo do Motor

Lado Direito do Motor

POWERTECH é uma marca registrada da Deere & Company DPSG,OUO1004,129 –54–15MAY98–1/1

CTM339 (03OCT05) Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=3
Introdução

CTM339 (03OCT05) Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=4
Conteúdo
01
SEÇÃO 01—Informações Gerais
Grupo 000—Segurança
Grupo 001—Identificação do Motor
Grupo 002—Combustı́veis
02
SEÇÃO 02—Reparações e Ajustes
Grupo 090—Reparações e Ajustes no Sistema
Eletrônico de Combustı́vel
Grupo 110—Reparação e Ajuste do Controle
Elétrico do Motor
03
SEÇÃO 03—Teoria da Operação
Grupo 130—Operação do Sistema Eletrônico de
Combustı́vel
Grupo 140—Operação do Sistema de Controle
Eletrônico
04

SEÇÃO 04—Diagnósticos
Grupo 150—Diagnósticos e Testes Observáveis
Grupo 160—Diagnósticos de Código de Problemas
e Testes
05
SEÇÃO 05—Ferramentas e Outros Materiais
Grupo 170—Ferramentas de Reparação do Sistema
de Controle Eletrônico/de Combustı́vel
e Outros Materiais
Grupo 180—Ferramentas de Manutenção de
06
Diagnóstico

SEÇÃO 06—Dados técnicos


Grupo 200—Dados Técnicos de Reparação
Grupo 210—Especificações de Diagnóstico
INDX

Todas as informações, ilustrações e especificações deste manual são


baseadas nas informações mais recentes e disponíveis no momento da
publicação deste. Fica reservado o direito de realizar mudanças a
qualquer momento sem aviso prévio.
COPYRIGHT  2002
DEERE & COMPANY
Moline, Illinois
All rights reserved
A John Deere ILLUSTRUCTION Manual

CTM339 (03OCT05) i Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=1
Conteúdo

01

02

03

04

05

06

INDX

CTM339 (03OCT05) ii Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=2
01

Seção 01
Informações Gerais
Conteúdo

Página

Grupo 000—Segurança . . . . . . . . . . . . . . . . .01-000-1

Grupo 001—Identificação do Motor


Indicação do Modelo do Motor . . . . . . . . . . . .01-001-1
Informações da Placa do Número de Série
do Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .01-001-2
Etiqueta do Código de Opção do Motor
OEM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .01-001-3
Informações Relativas a Regulamentos sobre
Emissões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .01-001-3
Tabelas de Aplicação do Motor . . . . . . . . . . . .01-001-4

Grupo 002—Combustı́veis
Lubrificantes e Lı́quido de Arrefecimento . . . .01-002-1
Combustı́vel Diesel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .01-002-1
Combustı́vel Biodiesel . . . . . . . . . . . . . . . . . . .01-002-2
Teste do Combustı́vel Diesel. . . . . . . . . . . . . .01-002-2
Lubricidade do Combustı́vel Diesel . . . . . . . . .01-002-3

CTM339 (03OCT05) 01-1 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=1
Conteúdo

01

CTM339 (03OCT05) 01-2 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=2
Grupo 000
Segurança
01
Manuseio de Fluidos com Cuidado - Evite 000
1
Incêndios

Quando transferir ou utilizar combustı́vel, evite fazê-lo na


proximidade de aquecedores, chamas ou faı́scas e não
fumar.

–UN–23AUG88
Armazene os lı́quidos inflamáveis em lugar seguro onde
não exista perigo de incêndio. Não perfure nem incinere
vasilhames pressurizados.

TS227
Limpe a máquina e retire dela qualquer sujeira, graxas e
outros resı́duos.

Não guarde tecidos impregnados de óleo, pois eles


podem inflamar-se espontaneamente.

DX,FLAME –54–29SEP98–1/1

Manuseio do Fluido de Partida a Frio com


Segurança

O fluido de partida a frio é altamente inflamável.

Ao usá-lo mantenha todas as faı́scas e chamas

–UN–18MAR92
afastadas. Mantenha o fluido de partida a frio longe das
baterias e cabos.

Para prevenir a descarga acidental, ao guardar a lata

TS1356
pressurizada, mantenha a tampa no contentor e guarde-o
em um local fresco e protegido.

Não incinere ou perfure um contentor com fluido de


partida a frio.

DX,FIRE3 –54–16APR92–1/1

Emergências

Esteja preparado para qualquer incêndio.

Mantenha um kit de primeiros socorros e o extintor de


incêndio sempre à mão.
–UN–23AUG88

Mantenha os números de emergência dos médicos,


serviço de ambulância, hospital e bombeiros próximos do
seu telefone.
TS291

DX,FIRE2 –54–03MAR93–1/1

CTM339 (03OCT05) 01-000-1 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=9
Segurança

01
000 Fluidos de Alta Pressão
2

As fugas de fluidos sob pressão podem penetrar na pele


e causar ferimentos sérios.

Evite o perigo diminuindo a pressão antes de desligar

–UN–23AUG88
uma tubulação hidráulica ou outras linhas. Aperte todas
as ligações antes de aplicar pressão.

Procure fugas com um pedaço de cartão. Protega as

X9811
mãos e o corpo dos fluidos a alta pressão.

Em caso de acidente, consulte um médico imediatamente.


Qualquer fluido injetado na pele deve ser removido
cirurgicamente dentro de algumas horas ou poderá
resultar em gangrena. Os médicos com pouca experiência
neste tipo de ferimento devem procurar uma fonte
adequada de conhecimentos médicos nesta área. Tal
informação pode ser obtida no departamento médico da
Deere & Company em Moline, Illinois, E.U.A.

DX,FLUID –54–03MAR93–1/1

Uso de Roupa de Proteção

Use roupa e equipamento de segurança apropriados ao


trabalho.

A exposição prolongada ao ruı́do pode causar dano ou


perda de audição.

–UN–23AUG88
Use dispositivos de proteção da audição apropriados tais
como protetores de ouvidos para proteger contra barulhos
altos ou incômodos. TS206

Operar o equipamento com segurança requer a plena


atenção do operador. Não use rádios nem auscultadores
enquanto estiver operando a máquina.

DX,WEAR –54–10SEP90–1/1

CTM339 (03OCT05) 01-000-2 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=10
Segurança

01
Manutenção de Máquinas com Segurança 000
3

Prenda o cabelo longo atrás da cabeça. Não use gravata,


cachecol, roupas soltas e nem colares quando trabalhar
próximo de máquinas, ferramentas ou de peças móveis
de uma máquina. Se estes objetos se prenderem no
equipamento, poderão resultar em graves ferimentos.

–UN–23AUG88
Remova anéis e outras jóias para prevenir choques
elétricos ou enroscamento em peças móveis.

TS228
DX,LOOSE –54–04JUN90–1/1

Trabalhe em Área Ventilada

O gás de escape do motor pode causar doenças ou até


mesmo a morte. Na necessidade de ligar um motor em
uma área fechada, remova o gás da área com uma
extensão do tubo de escape.

–UN–23AUG88
Se você não tiver uma extensão do tubo de escape, abra
as portas para a circulação do ar.

TS220
DX,AIR –54–17FEB99–1/1

Limpeza da Área de Trabalho

Antes de começar um trabalho:

• Limpe a área de trabalho e a máquina.


• Certifique-se de que todas as ferramentas necessárias

–UN–18OCT88
para seu trabalho estejam disponı́veis.
• Tenha as peças certas à disposição.
• Leia todas as instruções completamente; não tente
simplificar o processo.

T6642EJ
DX,CLEAN –54–04JUN90–1/1

CTM339 (03OCT05) 01-000-3 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=11
Segurança

01
000 Remova a Tinta Antes de Soldar ou Aquecer
4

Evite gases e pó potencialmente tóxicos.

Gases perigosos podem ser gerados quando a tinta é


aquecida por solda ou maçarico.

–UN–23AUG88
Remova a tinta antes de aquecer:

• Remova a tinta no mı́nimo a 100 mm (4 in.) da área a


ser afetada pelo aquecimento. Se não for possı́vel

TS220
remova a tinta, utilize um protetor respiratório aprovado
antes de aquecer ou soldar.
• Se for lixar ou raspar a tinta, evite respirar o pó. Use
um respirador aprovado.
• Se usar solvente ou removedor de tinta, retire o
removedor com água e sabão antes de soldar. Retire
da área os vasilhames de solvente ou de removedor de
tinta e outros materiais inflamáveis. Permita que os
gases se dispersem por pelo menos 15 minutos antes
de soldar ou aquecer.

Não use solvente clorado em áreas onde serão feitas


soldas.

Faça todo o trabalho de solda em uma área bem


ventilada para dispersar os gases tóxicos e o pó.

Jogue fora a tinta e o solvente adequadamente.

DX,PAINT –54–24JUL02–1/1

Evite Aquecer Áreas Próximas às Linhas de


Fluido Pressurizado

A pulverização inflamável pode ser gerada pelo


aquecimento próximo às linhas de fluido pressurizado,
resultando em queimaduras graves para você e outras
–UN–15MAY90

pessoas. Não aqueça por soldagem elétrica ou autógena


ou com maçarico próximo a linhas de fluido pressurizado
ou outros materiais inflamáveis. As linhas pressurizadas
podem explodir acidentalmente quando o calor se
TS953

estender para além da área próxima da chama.

DX,TORCH –54–10DEC04–1/1

CTM339 (03OCT05) 01-000-4 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=12
Segurança

01
Iluminação da Área de Trabalho com 000
5
Segurança

Ilumine sua área de trabalho adequadamente e com


segurança. Use uma luz portátil de segurança para
trabalhar dentro ou sob a máquina. Certifique-se de que a

–UN–23AUG88
lâmpada esteja em volta de uma carcaça de arame. O
filamento quente ou uma lâmpada acidentalmente
quebrada pode inflamar o combustı́vel ou o óleo em
contato.

TS223
DX,LIGHT –54–04JUN90–1/1

Construção de Ferramentas com Segurança


no Concessionário

Ferramentas defeituosas ou partidas podem produzir


ferimentos sérios. Ao construir ferramentas, use materiais
apropriados de boa qualidade e boas técnicas de

–UN–01JUL97
trabalho.

Não solde ferramentas a não ser que tenha equipamento

LX1016749
apropriado e a experiência necessária para executar o
trabalho.

DX,SAFE,TOOLS –54–10OCT97–1/1

CTM339 (03OCT05) 01-000-5 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=13
Segurança

01
000 Prática de Manutenção Segura
6

Compreenda o procedimento de manutenção antes de


executar qualquer trabalho. Mantenha a área de trabalho
limpa e seca.

Nunca lubrifique, ajuste ou faça manutenção na máquina


quando esta estiver em movimento. Mantenha mãos, pés
e vestimentas longe de peças acionadas por potência
elétrica ou hidráulica. Desengate todas as fontes de
potência, e opere os controles para aliviar a pressão.
Baixe o equipamento até ao solo. Desligue o motor.
Remova a chave. Permita que a máquina arrefeça.

Apoie de forma segura quaisquer elementos da máquina


que tenham que ser levantados para que a manutenção
possa ser feita.

Mantenha todas as peças em bom estado e


adequadamente instaladas. Repare danos imediatamente.
Substitua as peças gastas ou partidas. Remova quaisquer

–UN–23AUG88
acumulações de massa lubrificante, óleo ou detritos.

Em equipamentos com motor, desligue o cabo terra da


bateria (-) antes de fazer quaisquer ajustes nos sistemas

TS218
elétricos ou antes de soldar na máquina.

Em implementos rebocados, desligue o conjunto de cabos


de ligação do trator antes de fazer manutenção nos
componentes do sistema elétrico ou antes de soldar na
máquina.

DX,SERV –54–17FEB99–1/1

CTM339 (03OCT05) 01-000-6 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=14
Segurança

01
Uso de Ferramentas Adequadas 000
7

Use as ferramentas apropriadas para o trabalho.


Ferramentas e procedimentos improvisados podem
ameaçar a segurança.

Use ferramentas elétricas somente para afrouxar as

–UN–08NOV89
peças rosqueadas e parafusos.

Para afrouxar e apertar os parafusos, use as ferramentas


de tamanho correto. NÃO use ferramentas de medida dos

TS779
E.U.A. em parafusos em milı́metros. Evite ferimentos
devido a queda de chaves.

Use somente as peças de manutenção que estão de


acordo com as especificações da John Deere.

DX,REPAIR –54–17FEB99–1/1

Descarte Adequado dos Resı́duos

Descartar os resı́duos de forma inadequada pode


ameaçar o meio-ambiente e a ecologia. Resı́duos
potencialmente prejudiciais usados com os equipamentos
da John Deere incluem produtos tais como óleo,

–UN–26NOV90
combustı́vel, lı́quido de refrigeração, fluido para freios,
filtros e baterias.

Use vasilhame à prova de vazamento e fugas ao drenar

TS1133
os fluidos. Não use vasilhame para alimentos ou bebidas,
pois alguém pode enganar-se e usá-los para a ingestão
de alimento ou bebida.

Não despeje os resı́duos sobre o solo, pelo sistema de


drenagem e nem em cursos de água.

O vazamento de lı́quidos refrigerantes do ar condicionado


podem danificar a atmosfera da Terra. Os regulamentos
do governo podem requerer um centro autorizado de
manutenção de ar condicionado para recuperar e reciclar
os lı́quidos refrigerantes usados no ar condicionado.

Pergunte ao seu centro local do meio ambiente ou de


reciclagem, ou ainda ao seu concessionário John Deere
sobre a maneira adequada de reciclar ou de descartar os
resı́duos.

DX,DRAIN –54–03MAR93–1/1

CTM339 (03OCT05) 01-000-7 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=15
Segurança

01
000 Viva com Segurança
8

Antes de devolver a máquina ao cliente, certifique-se de


que a máquina esteja funcionando adequadamente,
especialmente os sistemas de segurança. Instale todos os
protetores e blindagens.

–54–07OCT88
TS231
DX,LIVE –54–25SEP92–1/1

CTM339 (03OCT05) 01-000-8 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=16
Grupo 001
Identificação do Motor
01
Indicação do Modelo do Motor 001
1

Modelo de Motor John Deere — Motores 4045 e 6068

A indicação do modelo do motor John Deere inclui o


número de cilindros, deslocamento em litros, aspiração,
código do usuário e código da aplicação. Por exemplo:

Motor 4045TF275
4 ................................................................ Número de cilindros
4.5 ............................................................. Deslocamento em litros
T ............................................................... Código de aspiração
F ............................................................... Código do usuário
275 ............................................................ POWERTECH código de aplicação
Código de Aspiração
D ............................................................... Aspirado naturalmente
T ............................................................... Turbocomprimido, sem pós-refrigeração
A ............................................................... Turbocomprimido e Pós-Refrigerado Ar-a-Lı́quido Refrigerante
H ............................................................... Turbocomprimido e Pós-Refrigerado Ar-a-Ar
Código de Fábrica do Usuário
AP Indústrias John Deere Mexica S. A de C. V. (Saltillo/Monterrey, México)
AT ............................................................. Agritalia srl (Vitória, Sicı́lia, Itália)
BE Bell Equipment Co. (Richards Bay, África do Sul)
CQ ............................................................ John Deere Brazil (Horizontina, Brasil)
DW ............................................................ John Deere Davenport Works (Davenport, Iowa)
E ............................................................... John Deere Ottumwa Works (Ottumwa, Iowa)
F ............................................................... OEM (Fabricantes Externos de Equipamento)
FF ............................................................. Deere-Hitachi (Kernersville, Carolina do Norte)
FG ............................................................. Goldoni S.P.A. (Modena, Itália)
FM ............................................................ Motores Marı́timos
H ............................................................... John Deere Harvester Works (East Moline, Illinois)
KV ............................................................. John Deere Commercial Worksite Products (Knoxville, Tennessee)
L ................................................................ John Deere Werke Mannheim (Alemanha)
LA ............................................................. John Deere Werke Mannheim (Alemanha) (Motores com Bomba de Injeção Bosch VP44)
LV ............................................................. John Deere Commercial Products (Augusta, Georgia)
N ............................................................... John Deere Des Moines Works (Des Moines, Iowa)
P ............................................................... Industrias John Deere Mexico S.A. de C.V. (Saltillo/Monterrey, México)
PY ............................................................. Larson & Toubro Ltd. (Pune, Índia)
RW ............................................................ John Deere Waterloo Tractor Works (Waterloo, Iowa)
T ............................................................... John Deere Dubuque Works (Dubuque, Iowa)
T8 ............................................................. Cameco Industries (Thibodaux, Louisiana)
TJ .............................................................. John Deere Forestry (antiga Timberjack) (Suécia/Finlândia/Canadá/EUA)
YC ............................................................. John Deere Jialian Harvester Co. Limited (China)
Z ............................................................... John Deere WERKE Zweibrucken (Alemanha)
Código da Aplicação
001, etc. .................................................... Consulte os GRÁFICOS DE APLICAÇÃO DO MOTOR posteriormente neste Grupo.

POWERTECH é uma marca comercial da Deere & Company OUO1080,00001FA –54–15NOV01–1/1

CTM339 (03OCT05) 01-001-1 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=17
Identificação do Motor

01
001 Informações da Placa do Número de Série do
2
Motor

IMPORTANTE: A placa do número de série do motor


(A) pode ser destruı́da com facilidade.
Antes da limpeza do bloco com

–UN–15NOV01
"tanque quente", remova a placa.

Número de Série do Motor (B)

RG11816
Cada motor tem um número de série do motor John
Deere com 13 dı́gitos, que identifica a fábrica que o
Placa do Número de Série do Motor
produziu, a designação do modelo do motor e um número
seqüencial de 6 dı́gitos. Segue um exemplo:

CD4045T000000
CD .......................... Fábrica que produz o motor
4045T ..................... Designação do modelo do motor
000000 ................... Número de série de seqüência
Código de Fábrica (Fabricante do Motor)

–UN–16MAR98
T0 ........................... Dubuque, Iowa
CD .......................... Saran, França
PE .......................... Torreon, México
J0 ........................... Rosario, Argentina
Indicação do Modelo do Motor

RG9060
4045T ..................... Definição explicada anteriormente. Consulte os
INDICAÇÃO DO MODELO DO MOTOR
anteriormente neste grupo. Placa do Número de Série do Motor Dubuque
Número Seqüencial
000000 ................... Número de série seqüencial de 6 dı́gitos

Dados de Aplicação do Motor (C)

A segunda linha de informações na placa do número de

–UN–07NOV01
série identifica o motor/máquina ou a relação OEM.
Consulte osGRÁFICOS DE APLICAÇÃO DO MOTOR
posteriormente neste grupo.

RG11949
Coeficiente de Absorção (D) — (Somente para
Motores Construı́dos por Saran)
Placa do Número de Série do Motor Saran
A segunda linha de informações na placa do número de
série Saran também contém o valor do coeficiente de
absorção para as emissões de fumaça.
A—Placa do Número de Série do Motor
B—Número de Série do Motor
C—Dados de Aplicação do Motor
–UN–06NOV01

D—Coeficiente de Absorção (Somente Motores


Saran)
RG11948

Placa do Número de Série do Motor Torreon

OUO1080,00001FB –54–15NOV01–1/1

CTM339 (03OCT05) 01-001-2 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=18
Identificação do Motor

01
Etiqueta do Código de Opção do Motor OEM 001
3

Uma etiqueta com código de opções está afixada no topo


da tampa da válvula e identifica as opções instaladas na
fábrica em cada motor OEM, para garantir a aquisição
das peças corretas.

–UN–03DEC01
Forneça sempre a informação do código da opção e
código de base do motor quando encomendar peças de
reparação. Nos catálogos de peças e manuais do

RG12027
operador há listagens de códigos de opções.

NOTA: Antes da limpeza com ”tanque quente”,


certifique-se de registrar os códigos de opção em
algum outro lugar.

OUO1080,000020E –54–26NOV01–1/1

Informações Relativas a Regulamentos sobre Emissões

Dependendo do destino final, os motores podem estar uma peça ou componente cujo principal efeito é fazer
em conformidade com os regulamentos de emissões, um atalho, inutilizar ou tornar inoperante qualquer
de acordo com a Agência de Proteção do Ambiente componente do motor ou dispositivo que afete a
dos EUA (EPA), a Comissão de Recursos Aéreos da conformidade do motor com os regulamentos de
Califórnia (CARB) e, para a Europa, a Diretiva emissão. Resumindo, é ilegal qualquer operação à
97/68/EC, relacionada com as medições de emissões exceção da recuperação do motor às
de partı́culas e gases poluentes a partir de motores de especificações originais publicadas.
combustão interna. Tais motores são designados
”CERTIFICADOS” e recebem uma etiqueta de Lista de componentes relacionados com emissões:
emissão, afixada no motor.
• Sistema de injeção de combustı́vel
Os regulamentos proı́bem a alteração de componentes • Coletor de admissão
relacionados com a emissão listados a seguir, o que • Turbocompressor
tornaria esse componente inoperativo, ou a realização • Sistema de arrefecimento de ar
de qualquer ajuste no motor para além das • Pistão
especificações publicadas. Também é ilegal instalar

OUO1080,0000035 –54–29AUG01–1/1

CTM339 (03OCT05) 01-001-3 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=19
Identificação do Motor

01
001 Tabelas de Aplicação do Motor
4
EQUIPAMENTO AGRÍCOLA JOHN DEERE
Modelo da Máquina Modelo do Motor
Waterloo - Tratores
Trator 5425 PE4045TLV53
Trator 5525 PE4045TLV54
Trator 7220 PE6068HRW59
Trator 7320 PE6068HRW59
Trator 7420 PE6068HRW60
Trator 7520 PE6068HRW60
Trator 7815 PE6068HRW63

Mannheim, Alemanha
Trator 6020SE (R2) CD4045TL270
Trator 6120, 6120SE (R2) CD4045TL271
Trator Advantage 6215 (NA) CD4045TL272
Trator Clássico 6215 (R2) CD4045TL272
Trator 6220, 6220SE (R2) CD4045TL272
Trator 6320SE (R2) CD4045HL270
Trator Advantage 6415 (NA) CD4045HL272
Trator 6420SE (R2) CD4045HL271
Trator Clássico 6515 (R2) CD6068HL270
Trator 6520L (NA) CD4045HL273
Trator 6520SE (R2) CD6068TL270
Trator Advantage 6615 (NA) CD6068TL271, CD6068HL271
Trator 6620SE 6068HL272
Trator Advantage 6715 (NA) CD6068TL273, CD6068HL273

Zweibrucken, Alemanha
TeleHandler 3215 CD4045HZ061, CD4045HZ275
TeleHandler 3220 CD4045HZ060, CD4045HZ275
TeleHandler 3415 CD4045HZ061, CD4045HZ275
TeleHandler 3420 CD4045HZ060, CD4045HZ275
TeleHandler 3700 CD4045TZ060
TeleHandler 3800 CD4045HZ060

Continua na próxima página OUO1089,0000205 –54–23SEP05–1/2

CTM339 (03OCT05) 01-001-4 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=20
Identificação do Motor

01
EQUIPAMENTOS PARA CONSTRUÇÃO E FLORESTAIS JOHN DEERE 001
Aplicação Modelo do Motor 5
Dubuque
Carregadeira Retroescavadora 310G PE4045DT058, T04045DT058
Carregadeira Retroescavadora 310G (Alt. Comp.) PE4045TT088, T04045TT088
Carregadeira Retroescavadora 310SG PE4045TT089, T04045TT089
Carregadeira Retroescavadora 315SG PE4045TT089, T04045TT089
Retroescavadora 710G PE6068TT057
Trator de Esteiras 450H (Alt. Comp.) PE4045TT084, T04045TT084
Trator de Esteiras 450H (Nat. Asp.) PE4045DT058, T04045DT058
Trator de Esteiras 450H LGP PE4045TT085, T04045TT085
Trator de Esteiras 550H PE4045TT087, T04045TT087
Trator de Esteiras 550H LGP PE4045TT086, T04045TT086
Trator de Esteiras 650H PE4045HT050
Trator de Esteiras 700H PE6068TT060
Carregadeira Retroescavadora 710G PE6068TT057

Saltillo, México
Escavadora 120C PE4045HP050
Escavadora 160C LC PE4045HP051

Deere-Hitachi - Kernersville
Escavadora 200LC PE6068HT059

Florestais
Extrator 810 CD4045HTJ75
Colheitadeira Feller Buncher 543 DTT PE6068HDW62
Colheitadeira Feller Buncher 640 DTT PE6068HDW62
Extrator 1010 T04045HTJ76, CD4045HTJ76
Extrator 1110 CD6068HTJ75
Extrator 1058 T04045HTJ76
Extrator 1410 CD6068HTJ77
Extrator 1458 CD6068HTJ77
Colheitadeira 770 CD6068HTJ77
Colheitadeira com Rodado 770D CD4045HTJ77
Colheitadeira 863 CD6068HTJ77
Colheitadeira 1070 CD6068HTJ76
Colheitadeira 1063 CD6068HTJ76
Trator de Arraste 548 PE6068HDW59
Trator de Arraste 648DD/648TC PE6068HDW60

OEM JOHN DEERE (FABRICANTES EXTERNOS DE EQUIPAMENTO)


CD4045TF275
Motor Marı́timo CD4045TFM75
PE4045HF275
CD4045TF275
PE4045TF275
CD6068HF275
PE6068HF275
CD6068TF275
PE6068TF275

OUO1089,0000205 –54–23SEP05–2/2

CTM339 (03OCT05) 01-001-5 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=21
Identificação do Motor

01
001
6

CTM339 (03OCT05) 01-001-6 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=22
Grupo 002
Combustı́veis
01
Lubrificantes e Lı́quido de Arrefecimento 002
1

NOTA: Para obter informações sobre lubrificantes e


lı́quidos de arrefecimento, consulte a Seção 01,
Grupo 002, do Manual do Motor Base CTM104.

DPSG,OUO1004,2761 –54–16MAY00–1/1

Combustı́vel Diesel

Procure o seu distribuidor local de combustı́vel para se Lubricidade do combustı́vel deve passar um nı́vel
informar sobre as propriedades do combustı́vel diesel de carga mı́nimo de 3.100 gramas medido conforme a
disponı́vel em sua área. ASTM D6078 ou, diâmetro da marca de desgaste
máximo de 0,45 mm medido conforme a ASTM
De um modo geral, os combustı́veis diesel são D6079.
combinados para satisfazer as exigências de baixa
temperatura da área geográfica na qual são Teor de enxofre:
comercializados.
• A qualidade do combustı́vel diesel e o teor de
Os combustı́veis diesel recomendados são os enxofre devem estar de acordo com todos os
especificados pela EN 590 ou ASTM D975. regulamentos existentes para a área em que o
motor opera.
Propriedades necessárias do combustı́vel • É preferı́vel um teor de enxofre abaixo de 0,05%
(500 ppm).
Em todos os casos, o combustı́vel deve estar de • Se for usado diesel com teor de enxofre maior do
acordo com as seguintes propriedades: que 0,05% (500 ppm), os intervalos de manutenção
do óleo do cárter podem ser afetados. (Consulte as
Índice de cetano mı́nimo de 45. É preferı́vel um recomendações para o Óleo do Motor Diesel.)
número de cetano maior que 50, especialmente em • NÃO use combustı́vel diesel com teor de enxofre
temperaturas abaixo de -20°C (-4°F) ou elevações acima de 1,0%.
acima de 1500 m (5000 ft).
IMPORTANTE: NÃO misture óleo usado do motor
Ponto de Obstrução de Filtro Frio (CFPP) abaixo da ou qualquer outro tipo de óleo
temperatura baixa esperada OU Ponto de Névoa pelo lubrificante com o diesel.
menos 5°C (9°F) abaixo da temperatura baixa
esperada.

OUOD002,0000171 –54–23SEP05–1/1

CTM339 (03OCT05) 01-002-1 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=23
Combustı́veis

01
002 Combustı́vel Biodiesel
2

Procure o seu distribuidor local de combustı́vel para se injetores e na câmara de


informar sobre as propriedades do biodiesel disponı́vel combustão.
na sua área.
Um grande benefı́cio ambiental do combustı́vel
SOMENTE podem ser usados combustı́veis biodiesel biodiesel é sua capacidade de biodegradação. Isso faz
se suas propriedades estiverem de acordo com a com que o armazenamento e o manuseio do
última edição da ASTM PS121, DIN 51606 ou outra combustı́vel biodiesel sejam particularmente
especificação equivalente. importantes. As áreas de interesse incluem:

Descobriu-se que os combustı́veis biodiesel melhoram • Qualidade do novo combustı́vel


a lubricidade em concentrações de até 5% misturado • Conteúdo de água do combustı́vel
em combustı́vel diesel de petróleo. • Problemas devidos ao envelhecimento do
combustı́vel
Quando usar uma mistura de combustı́vel biodiesel, o
nı́vel de óleo do motor deve ser verificado diariamente Problemas potenciais decorrentes de deficiências nas
quando a temperatura do ar estiver a -10°C (14°F) ou áreas acima – ao usar o combustı́vel biodiesel em
inferior. Se o óleo se diluir ao combustı́vel, diminua os concentrações acima de 5% – podem provocar os
intervalos de troca adequadamente. seguintes sintomas:

IMPORTANTE: Óleos brutos vegetais comprimidos • Perda de potência e redução do desempenho


NÃO são adequados para o uso • Vazamento de combustı́vel
como combustı́veis em qualquer • Corrosão do equipamento de injeção de combustı́vel
concentração em motores John • Bicos injetores com acúmulo de coque e/ou
Deere. bloqueados, resultando em não combustão do motor
• Entupimento do filtro
Esses óleos não se queimam • Lacagem e/ou desgaste dos componentes internos
completamente e provocam falha • Sedimentos e depósitos
do motor, deixando depósitos nos • Vida útil dos componentes do motor reduzida

RG41183,0000046 –54–18DEC01–1/1

Teste do Combustı́vel Diesel

DIESELSCAN é um programa de análise de


combustı́vel da John Deere que pode ser usado para
monitorar a qualidade do seu combustı́vel. A análise
DIESELSCAN verifica o tipo de combustı́vel, a limpeza, o
teor de água, a adequação para operação em baixas
temperaturas e se o combustı́vel está dentro das
especificações.

Verifique se seu concessionário John Deere tem


disponibilidade de kits DIESELSCAN.

DIESELSCAN é uma marca registrada da Deere & Company DX,FUEL6 –54–14NOV05–1/1

CTM339 (03OCT05) 01-002-2 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=24
Combustı́veis

01
Lubricidade do Combustı́vel Diesel 002
3

O combustı́vel diesel deve ter a lubricidade adequada O uso de combustı́vel diesel de baixa lubricidade
para garantir o devido funcionamento e durabilidade também pode causar um desgaste acelerado, erosão
dos componentes do sistema de injeção de ou corrosão dos bicos injetores, instabilidade na
combustı́vel. velocidade do motor, partida difı́cil, baixa potência e
fumaça no motor.
Os combustı́veis diesel para uso em rodovias, nos
Estados Unidos e no Canadá, necessitam ter A lubricidade do combustı́vel deve passar um nı́vel de
atualmente um teor de enxofre inferior a 0,05% (500 carga mı́nimo de 3.100 gramas medido conforme a
ppm). ASTM D6078 ou diâmetro da marca de desgaste
máximo de 0,45 mm medido conforme a ASTM
O combustı́vel diesel na União Européia precisa ter D6079.
teor de enxofre menor que 0,05% (500 ppm).
As especificações ASTM D975 e EN 590 não exigem
A experiência mostra que o combustı́vel diesel com que os combustı́veis sejam aprovados em teste de
baixo teor de enxofre pode ter a lubricidade lubricidade de combustı́vel.
inadequada e o seu uso pode reduzir o desempenho
nos sistemas de injeção de combustı́vel devido à Se for usado um combustı́vel de lubricidade baixa ou
lubrificação inadequada dos componentes da bomba desconhecida, adicione PREMIUM DIESEL FUEL
injetora. A concentração mais baixa de componentes CONDITIONER (CONDICIONADOR DE DIESEL
aromáticos neste combustı́vel também afeta COMBUSTÍVEL PREMIUM) John Deere (ou
adversamente as vedações da bomba injetora equivalente) na concentração especificada.
podendo provocar vazamentos.

OUOD002,0000179 –54–18DEC01–1/1

CTM339 (03OCT05) 01-002-3 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=25
Combustı́veis

01
002
4

CTM339 (03OCT05) 01-002-4 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=26
Seção 02
Reparações e Ajustes
Conteúdo 02

Página Página

Grupo 090—Reparações e Ajustes no Sistema


Remoção e Instalação do Sensor de
Eletrônico de Combustı́vel
Perda de Calor do Lı́quido de
Sistema de Combustı́vel—Informações
Arrefecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-110-2
Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-090-1
Substitua o Sensor de Posição do
Alivie a Pressão do Sistema de
Virabrequim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-110-3
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-090-2
Remoção e Instalação do Sensor de Pressão
Remova e Instale o Filtro Final de
do Óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-110-3
Combustı́vel/Câmara de Água e/ou
Remoção e Instalação do Sensor de
Pré-Filtro/Base da Câmara de Água . . . . . .02-090-3
Temperatura do Ar do Coletor . . . . . . . . . . .02-110-4
Conjunto Pré-Filtro de
Remoção e Instalação do Sensor de
Combustı́vel/Câmara de Água
Temperatura do Combustı́vel. . . . . . . . . . . .02-110-4
(Opcional) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-090-6
Remoção e Instalação do Aquecedor de
Conjunto do Filtro Final de Combustı́vel . . . . .02-090-7
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-110-5
Substitua o Filtro Final de
Conectores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-110-6
Combustı́vel/Câmara de Água e o
Utilização do Composto para Isolamento
Pré-Filtro/Câmara de Água . . . . . . . . . . . . .02-090-8
Elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-110-6
Remova a Bomba de Suprimento de
Uso da Arruela de Alta Pressão . . . . . . . . . . .02-110-7
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-090-10
Reparação do Conector
Instale a Bomba de Suprimento de
WEATHERPACK . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-110-8
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-090-11
Remova os Terminais de Lâmina do Corpo
Sincronização Estática da Bomba Injetora . .02-090-11
do Conector . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-110-11
Remova a Bomba Injetora. . . . . . . . . . . . . . .02-090-12
Reparo dos Conectores (Tipo de Puxar)
Inspecione o Diâmetro Interno da
METRI-PACK . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-110-12
Engrenagem de Acionamento da
Reparo dos Conectores (Tipo de Empurrar)
Bomba e o Diâmetro Externo do Eixo . . . .02-090-14
METRI-PACK . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-110-14
Instalação da Bomba Injetora . . . . . . . . . . . .02-090-14
Reparo dos Conectores DEUTSCH . . . . . .02-110-17
Remoção dos Bicos Injetores de
Reparo do Conector AMP . . . . . . . . . . . . . . .02-110-20
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-090-18
Limpe o Furo do Bico Injetor de
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-090-20
Limpe os Bicos Injetores de Combustı́vel . . .02-090-20
Teste do Bico Injetor de Combustı́vel . . . . . .02-090-21
Desmontagem dos Bicos Injetores de
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-090-24
Ajuste do Bico Injetor de Combustı́vel. . . . . .02-090-25
Instale as Vedações no Bico Injetor de
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-090-26
Instalação dos Bicos Injetores de
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-090-27
Sangria do Sistema de Combustı́vel . . . . . . .02-090-29

Grupo 110—Reparação e Ajuste do Controle


Elétrico do Motor
Unidade de Controle do Motor (ECU) . . . . . . .02-110-1
Remoção e Instalação do Sensor de
Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do
Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .02-110-2

CTM339 (03OCT05) 02-1 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=1
Conteúdo

02

CTM339 (03OCT05) 02-2 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=2
Grupo 090
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel
Sistema de Combustı́vel—Informações Gerais

A sincronização estática do pino trava das bombas Todos os motores são equipados com um filtro final de
Stanadyne DE10 é feita durante a instalação da combustı́vel redondo com câmara de água. O
bomba injetora. escorvador manual no topo do elemento do filtro é
02
opcional. 090
A bomba de suprimento de combustı́vel é um 1
componente separado montado no lado direito Todos os motores usam Bicos Injetores Stanadyne
superior do bloco do motor e é acionada pelo pino no "Rate Shaping" (Modelagem de Taxa) (RSN).
bloco que desliza no ressalto do comando de válvulas
do motor. As opções instaladas em campo incluem aquecedor
de combustı́vel, câmara de água e escorvador manual
Os motores podem ser equipados com uma câmara de combustı́vel.
de água/pré-filtro de combustı́vel opcional.

OUO1089,00001F7 –54–06NOV01–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-090-1 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=29
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Alivie a Pressão do Sistema de Combustı́vel

CUIDADO: O diesel combustı́vel, ao escapar


sob pressão, pode ter força suficiente para
02 penetrar na pele, causando lesões sérias. Antes
090 de desconectar as linhas, certifique-se de

–UN–23AUG88
2
aliviar a pressão. Antes de aplicar pressão ao
sistema, certifique-se de que TODAS as
conexões estejam apertadas e que as linhas,
tubos e mangueiras não estejam danificados.

X9811
Mantenha as mãos e o corpo afastados de
furos e bocais ejetores de fluidos sob pressão. Fluidos de Alta Pressão
Use um pedaço de papelão ou madeira, em vez
das mãos, para procurar vazamentos.

Se QUALQUER fluido for injetado na pele, deve


ser retirado cirurgicamente dentro de poucas
horas por um médico que esteja familiarizado
com este tipo de lesão ou pode resultar em
gangrena. Médicos não familiarizados com este
tipo de lesão podem entrar em contato com o
Departamento Médico da Deere & Company, em
Moline, Illinois, ou com outra fonte médica
especializada.

Sempre que o sistema de combustı́vel for aberto para a


execução de serviços (linhas desconectadas ou filtros
removidos), será necessário sangrar o ar do sistema.
Consulte SANGRIA DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL
neste grupo.

RG,35,JW7625 –54–20NOV97–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-090-2 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=30
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Remova e Instale o Filtro Final de


Combustı́vel/Câmara de Água e/ou
Pré-Filtro/Base da Câmara de Água

Consulte o manual do operador para informar-se sobre os 02


intervalos de troca e manutenção corretos (em horas). 090
3
Os motores são equipados com um filtro final de
combustı́vel/câmara de água (A) e podem ter um

–UN–15NOV01
pré-filtro/câmara de água opcional.

Os filtros finais de combustı́vel/câmaras de água podem


ser equipados com uma câmara de coleta de água

RG11989
transparente e/ou um escorvador manual em máquinas
equipadas somente com um filtro.
Filtro Final de Combustı́vel

A—Filtro Final de Combustı́vel/Câmara de Água

Continua na próxima página OUO1089,00001F6 –54–06NOV01–1/3

CTM339 (03OCT05) 02-090-3 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=31
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

1. Limpe completamente os conjuntos do pré-filtro/filtro


de combustı́vel e a área ao redor para evitar que
sujeira e detritos entrem no sistema de combustı́vel.

2. Conecte uma linha de drenagem nos adaptadores do


02
090 dreno do filtro e drene todo o combustı́vel do sistema.
4
NOTA: Os filtros de combustı́vel são vinculados ao
cabeçote do filtro. Se o pré-filtro e o filtro final

–UN–26NOV01
forem removidos, assegure-se de que sejam
reinstalados nos cabeçotes corretos.

3. Remova o elemento do filtro final de combustı́vel e o

RG12021
pré-filtro/câmara de água, se necessário. Consulte
SUBSTITUIÇÃO DO FILTRO FINAL DE
COMBUSTÍVEL/CÂMARA DE ÁGUA E Base do Filtro Final de Combustı́vel
PRÉ-FILTRO/CÂMARA DE ÁGUA , neste grupo.
A—Base do Filtro Final de Combustı́vel

NOTA: As linhas de combustı́vel do pré-filtro e do filtro


final podem estar conectadas a diferentes pórticos
de entrada e saı́da do filtro, dependendo da
aplicação do motor. Marque a localização da linha
de combustı́vel para auxiliar durante a montagem.
Consulte as marcações na base do filtro de
combustı́vel para verificar os pórticos de
entrada/saı́da de combustı́vel, pois há diferenças
entre as bases do filtro final e do pré-filtro.

4. Desconecte as linhas de combustı́vel de todos os


pórticos.

5. Remova a base do filtro final de combustı́vel (A).

6. Se equipado, remova a base do pré-filtro.

7. Substitua as peças conforme necessário.

8. Instale as braçadeiras de montagem e aperte com o


torque especificado, informado abaixo.

Especificação
Suporte do Filtro Final de
Combustı́vel até o Cabeçote de
Cilindros—Torque ............................................................ 73 N•m (54 lb-ft)
Base de Montagem do Filtro Final
de Combustı́vel até o Suporte—
Torque ............................................................................. 73 N•m (54 lb-ft)

Continua na próxima página OUO1089,00001F6 –54–06NOV01–2/3

CTM339 (03OCT05) 02-090-4 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=32
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Especificação
Suporte do Pré-Filtro de
Combustı́vel até o Cabeçote de
Cilindros e Alternador—Torque ....................................... 73 N•m (54 lb-ft)
Base de Montagem da Câmara
de Água/Pré-Filtro de
02
Combustı́vel até o Suporte—
090
Torque ............................................................................. 50 N•m (36 lb-ft)
5

9. Instale os elementos da câmara de água/filtro final de


combustı́vel e do pré-filtro. Consulte SUBSTITUIÇÃO
DO FILTRO FINAL DE COMBUSTÍVEL/CÂMARA DE
ÁGUA E PRÉ-FILTRO/CÂMARA DE ÁGUA , neste
grupo.

10. Conecte as linhas de combustı́vel a todos os pórticos.

11. Sangre o sistema de combustı́vel. Consulte


SANGRIA DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL neste
grupo.

OUO1089,00001F6 –54–06NOV01–3/3

CTM339 (03OCT05) 02-090-5 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=33
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Conjunto Pré-Filtro de Combustı́vel/Câmara


de Água (Opcional)
A—Adaptador do Dreno
B—Gaxeta
C—Parafuso
02 D—Câmara de Água
090 E—Anel de Retenção
6 F—Elemento do Filtro
G—Base do Filtro com Anel de Vedação
H—Bujão de Ventilação
I—Gaxeta
J—Bujão (2 usados)
K—Diafragma
L—Sede da Mola
M—Mola
N—Tampa da Mola
O—Manı́pulo da Bomba
P—Anel de Retenção

–UN–19NOV97
RGT7751HR
–UN–19NOV97
RGT7751HS

Conjunto do Filtro Primário/Câmara de Água

RG,35,JW7623 –54–21JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-090-6 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=34
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Conjunto do Filtro Final de Combustı́vel

1—Anel de Retenção
2—Anel O
3—Haste
4—Anel O 02
5—Anel de Retenção 090
6—Filtro 7
7—Anel O
8—Anel O
9—Adaptador do Dreno
10—Parafuso
11—Anel O
12—Câmara de Água
13—Adaptador
14—Anel O
15—Aquecedor de Combustı́vel (Opcional)
16—Anel O
17—Base do Filtro
18—Conjunto do Escorvador (Opcional)
19—Tampa

–UN–16NOV01
RG12015
Filtro Final de Combustı́vel

OUO1080,00001FC –54–15NOV01–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-090-7 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=35
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Substitua o Filtro Final de


Combustı́vel/Câmara de Água e o
Pré-Filtro/Câmara de Água

02 NOTA: Consulte o manual do operador para informar-se


090 sobre os intervalos de troca e manutenção
8 corretos (em horas).

Os filtros finais de combustı́vel podem ser

–UN–15NOV01
equipados com uma câmara de água
transparente e/ou um escorvador manual em
máquinas equipadas somente com um filtro.

RG11990
A substituição dos elementos do pré-filtro e do
filtro final de combustı́vel é similar. As diferenças
Filtro Final de Combustı́vel Exibido
serão notadas. Certifique-se de que os relevos
corretos dos elementos do filtro coincidam com as A—Anel de Retenção
fendas no cabeçote de montagem. B—Elemento do Filtro

1. Limpe completamente o conjunto do filtro de


combustı́vel/câmara de água e a área ao redor, se
isso já não tiver sido realizado antes.

2. Conecte uma linha de drenagem aos adaptadores de


drenagem do filtro e drene todo o combustı́vel dos
filtros.

NOTA: Levantar o anel de retenção (A) enquanto ele é


girado, ajuda a passá-los pelos delimitadores
elevados.

3. Segure firmemente o anel de retenção (A) e gire-o no


sentido anti-horário por 1/4 de volta. Remova o anel
com o elemento do filtro (B).

4. Inspecione a base de montagem do filtro quanto à


limpeza. Limpe conforme necessário.

5. Remova a câmara de água transparente, se equipado.


Drene e limpe a câmara de água. Seque com ar
comprimido.

6. Instale a câmara de água transparente, se equipado,


no novo elemento do filtro. Certifique-se de que o anel
O esteja corretamente instalado na canaleta superior
da câmara.

Continua na próxima página OUO1089,00001F5 –54–06NOV01–1/2

CTM339 (03OCT05) 02-090-8 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=36
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

7. Inspecione detalhadamente o anel de vedação de


poeira da base do filtro. Substitua conforme
necessário.

NOTA: Os filtros de combustı́vel devem estar


02
posicionados corretamente e a chave do 090
recipiente deve estar encaixada na fenda da base 9
de montagem, para obter-se uma instalação
adequada.

8. Instale o novo elemento do filtro na base de montagem


e posicione-o com um leve movimento de vai-e-vem.
Certifique-se de que o elemento esteja posicionado
adequadamente na base de montagem.

9. Instale o anel de retenção na base de montagem e


aperte cerca de 1/3 de volta até que ele “se encaixe”
no detente. NÃO aperte demasiadamente o anel de
retenção.

10. Sangre o sistema de combustı́vel. Consulte


SANGRIA DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL, neste
grupo.

OUO1089,00001F5 –54–06NOV01–2/2

CTM339 (03OCT05) 02-090-9 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=37
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Remova a Bomba de Suprimento de


Combustı́vel

IMPORTANTE: Deve-se sempre utilizar uma chave


02 inglesa de apoio ao soltar as
090 conexões ou linhas de combustı́vel da
10 bomba de suprimento para evitar
danos às conexões.

–UN–15NOV01
1. Desconecte a linha de entrada de combustı́vel (A) e
linha de saı́da (B) e as conexões da tampa da bomba
de suprimento e as linhas de combustı́vel para manter
os detritos fora do sistema de combustı́vel.

RG11991
2. Remova os parafusos (C) e o conjunto da bomba de
suprimento de combustı́vel do bloco de cilindros. Linhas da Bomba de Suprimento de Combustı́vel

NOTA: A bomba de suprimento de combustı́vel é


acionada por uma vareta impulsora (D) que corre
no ressalto do comando de válvulas do
excêntrico. O cabeçote de cilindros deve ser
removido para remover esta vareta impulsora.

–UN–16MAR98
3. Cubra a abertura do bloco de cilindros para evitar que
entre sujeira no motor.

4. Verifique se há desgaste na superfı́cie da alavanca da

RG9051
bomba. Se a superfı́cie da alavanca estiver
desgastada de maneira plana ou côncava, substitua a Remova a Bomba de Suprimento de Combustı́vel
bomba.

A—Entrada da Bomba de Suprimento do Tanque de


Combustı́vel
B—Saı́da da Bomba de Suprimento até o Filtro Final
de Combustı́vel
C—Parafusos

–UN–27NOV01
D—Vareta Impulsora

RG12022

Vareta Impulsora da Bomba de Suprimento de Combustı́vel

OUO1089,00001F8 –54–06NOV01–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-090-10 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=38
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Instale a Bomba de Suprimento de


Combustı́vel

IMPORTANTE: Aplique LOCTITE 242 nas roscas dos


parafusos de montagem da bomba de 02
suprimento (C) e nas conexões da 090
linha de combustı́vel ao reinstalar a 11
bomba de suprimento. NÃO permita
que o vedante entre no sistema de

–UN–15NOV01
combustı́vel.

1. Instale a bomba de suprimento de combustı́vel no


bloco de cilindros com a alavanca de bombeamento

RG11991
apoiada na parte superior da vareta impulsora,
utilizando um anel O novo. Aperte os parafusos (C) de
acordo com as especificações. Linhas da Bomba de Suprimento de Combustı́vel

A—Entrada da Bomba de Suprimento do Tanque


Especificação de Combustı́vel
Parafusos da Bomba de
B—Saı́da da Bomba de Suprimento até o Filtro
Suprimento de Combustı́vel— Final de Combustı́vel
Torque ............................................................................. 30 N•m (22 lb-ft)
C—Parafusos

IMPORTANTE: SEMPRE utilize uma chave inglesa de


apoio ao instalar conexões e/ou linhas
de combustı́vel na bomba de
suprimento para evitar danificar as
conexões.

2. Conecte a linha de entrada (A) e a linha de saı́da (B)


da bomba de suprimento de combustı́vel e aperte
firmemente.

3. Sangre o sistema de combustı́vel. Consulte SANGRIA


DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL neste grupo.

OUO1089,00001FA –54–06NOV01–1/1

Sincronização Estática da Bomba Injetora

A sincronização estática do pino-trava é obtida durante a


instalação da bomba injetora. Consulte INSTALAÇÃO DA
BOMBA INJETORA, mais adiante, neste grupo.

OUO1089,00001FB –54–06NOV01–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-090-11 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=39
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Remova a Bomba Injetora

IMPORTANTE: Nunca limpe a vapor ou despeje água


em uma bomba injetora de
combustı́vel enquanto a bomba estiver
02
090 em funcionamento ou enquanto
12 estiver ainda quente. Isso poderá
provocar emperramento das peças
giratórias internas da bomba.

1. Limpe a bomba injetora de combustı́vel, as linhas e a

–UN–16NOV01
área ao redor da bomba com solvente de limpeza ou
limpador a vapor.

2. Gire o motor para o PMS do tempo de compressão do

RG12002
cilindro número 1 e instale o Pino de Sincronização
JDG1571 no volante.
Bomba Injetora de Combustı́vel Stanadyne DE10

3. Antes de remover a bomba injetora do motor, instale o


Pino de Sincronização da Bomba Injetora JDG1559 (A)
no furo do pino de sincronização.

4. Remova a tampa da engrenagem de acionamento da


bomba injetora (exibida removida). Remova a porca de

–UN–21JAN02
retenção da engrenagem de acionamento e a arruela
da extremidade do eixo da bomba. Tome cuidado para
não deixar a arruela cair dentro da tampa da
engrenagem de sincronização.

RG12036
5. Fixe o Extrator da Engrenagem de Acionamento
JDG1560 na engrenagem de acionamento da bomba Pino de Sincronização da Bomba Injetora JDG1559
injetora (B) usando dois parafusos (C).

6. Aperte uniformemente os dois parafusos (C) e aperte


firmemente o parafuso extrator central (D) contra a
extremidade do eixo da bomba.

7. Aperte o parafuso extrator central (D) até que a


engrenagem de acionamento da bomba se afaste do
eixo cônico. Remova o Extrator JDG1560 da
engrenagem de acionamento.
A—Pino de Sincronização JDG1559
–UN–21JAN02

B—Engrenagem de Acionamento da Bomba Injetora


C—Parafusos (2 usados)
D—Parafuso Extrator Central
RG12000

Remoção da Engrenagem de Acionamento da Bomba Injetora

Continua na próxima página OUO1089,00001FE –54–07NOV01–1/2

CTM339 (03OCT05) 02-090-12 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=40
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

8. Remova o conector do sensor de temperatura (A) e o


conector do solenóide de controle de combustı́vel (B).

IMPORTANTE: SEMPRE utilize uma chave inglesa de


apoio ao apertar ou afrouxar as linhas
02
de suprimento de combustı́vel da 090
bomba injetora, de modo que as 13
conexões de descarga da bomba não
sejam alteradas. Isso evita possı́veis
danos no interior da bomba.

–UN–16NOV01
9. Desconecte a linha de suprimento de combustı́vel (D)
e a linha de retorno (C).

10. Remova a braçadeira (E) que fixa as linhas de

RG12001
suprimento (pressão) de combustı́vel (F).
Remoção do Conector Elétrico da Bomba Injetora
11. Desconecte todas as linhas de suprimento de
combustı́vel (F) da bomba injetora e instale as
tampas protetoras.

12. Remova três porcas do prisioneiro de montagem da


bomba injetora (G). Remova a bomba injetora dos
prisioneiros de montagem. Coloque a bomba em uma
superfı́cie limpa e plana e inspecione o diâmetro
externo do eixo e da engrenagem de acionamento
conforme descrito mais adiante neste grupo. Consulte
INSPEÇÃO DO DIÂMETRO EXTERNO DO EIXO E
DO DIÂMETRO INTERNO DA ENGRENAGEM DE

–UN–16NOV01
ACIONAMENTO DA BOMBA INJETORA mais
adiante neste grupo.

RG12003
A—Conector do Sensor de Temperatura
B—Conector do Solenóide de Controle de
Combustı́vel
C—Linha de Retorno de Combustı́vel Desconecte as Linhas de Suprimento de Combustı́vel
D—Linha de Suprimento de Combustı́vel
E—Braçadeira
F—Linhas de Suprimento de Combustı́vel
G—Porca (3 usadas)

OUO1089,00001FE –54–07NOV01–2/2

CTM339 (03OCT05) 02-090-13 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=41
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Inspecione o Diâmetro Interno da Engrenagem de Acionamento da Bomba e o Diâmetro


Externo do Eixo

IMPORTANTE: Use uma boa fonte de iluminação IMPORTANTE: Ao substituir a engrenagem de


02 para inspecionar completamente o acionamento da bomba injetora ou
090 diâmetro interno da engrenagem e instalar uma nova bomba, as
14 o diâmetro externo do eixo. superfı́cies cônicas do diâmetro
externo do eixo de acionamento e
1. Verifique se há transferência de metal em todo o do diâmetro interno da engrenagem
diâmetro interno da engrenagem de acionamento de acionamento DEVEM SER
da bomba, como resultado do deslizamento do limpos para remover as camadas
eixo. de proteção e os resı́duos de óleo.
Use um limpador adequado, que
2. Inspecione todo o diâmetro externo do eixo de não deixe resı́duos. As superfı́cies
acionamento da bomba e verifique se há casadas DEVEM SER MONTADAS
transferência de metal devido ao deslizamento da SECAS e NÃO SE DEVE UTILIZAR
engrenagem. Se houver evidências de LUBRIFICANTES.
transferência de metal no diâmetro externo do eixo
da bomba ou no diâmetro interno da engrenagem
de acionamento, a bomba injetora e a engrenagem
de acionamento DEVEM SER substituı́das.

OUO1089,00001FC –54–06NOV01–1/1

Instalação da Bomba Injetora

1. Antes de instalar a bomba injetora no motor, instale o A


Pino de Sincronização da Bomba Injetora JDG1559 (A)
no furo do pino de sincronização da bomba. Instale
uma pequena punção ou chave de fenda no furo do
eixo de acionamento da bomba (B) e gire o eixo até
que o pino de sincronização caia no recesso do eixo
de acionamento da bomba injetora.
–UN–19NOV01
A—Pino de Sincronização JDG1559
B—Furo no Eixo de Acionamento
RG12019

Instalação do Pino de Sincronização

Continua na próxima página OUO1089,0000204 –54–08NOV01–1/4

CTM339 (03OCT05) 02-090-14 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=42
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

NOTA: Ao girar o motor para o PMS do tempo de


compressão do cilindro número 1, gire somente
na direção da rotação para evitar folga na
engrenagem. A folga das engrenagens é
suficiente para tirar a sincronização da bomba
02
injetora por vários graus, causando mau 090
desempenho do motor. 15

2. Certifique-se de que o cilindro número 1 esteja travado

–UN–16NOV01
no PMS do tempo de compressão e instale o Pino de
Sincronização JDG1571 no volante.

NOTA: Fixe o Pino de Sincronização JDG1559 (B) na

RG12004
bomba durante a instalação.

3. Instale a bomba injetora nos prisioneiros de montagem Porcas do Prisioneiro de Montagem da Bomba Injetora
e aperte três porcas do prisioneiro de montagem da
bomba (A) conforme as especificações. Posicione a
engrenagem de acionamento durante a instalação da
bomba.

Especificação
Porcas do Prisioneiro de
Montagem da Bomba Injetora—
Torque ............................................................................. 25 N•m (19 lb-ft)

–UN–16NOV01
4. Instale a engrenagem da bomba injetora (D) no eixo
de acionamento. Instale, mas não aperte, a porca de
montagem da engrenagem da bomba injetora (C).

RG12007
NOTA: Segure a engrenagem da bomba injetora
enquanto aplica o torque para evitar que a
engrenagem gire. Pino de Sincronização da Bomba Injetora

5. Gire a engrenagem no sentido anti-horário (vista da


frente do motor) para remover qualquer folga e aperte
a porca de montagem da engrenagem conforme as
especificações.

Especificação –UN–16NOV01

Porca de Montagem da
Engrenagem Bomba Injetora—
Torque ......................................................................... 195 N•m (145 lb-ft)

6. Instale a chapa de acesso da engrenagem da bomba


RG12008

injetora e remova o pino de sincronização (B) da


bomba. Instale o bujão no furo do pino de
Instalação da Engrenagem da Bomba Injetora
sincronização da bomba injetora e aperte de acordo
com as especificações. A—Porca do Prisioneiro de Montagem da Bomba
Injetora (3 usadas)
B—Pino de Sincronização da Trava da Bomba
Injetora JDG1559
C—Porca de Montagem da Engrenagem
D—Engrenagem da Bomba

Continua na próxima página OUO1089,0000204 –54–08NOV01–2/4

CTM339 (03OCT05) 02-090-15 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=43
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Especificação
Bujão do Pino de Sincronização
da Bomba Injetora—Torque .......................................... 9,5 N•m (7.5 lb-ft)

7. Remova o Pino de Sincronização JDG1571 do volante.


02 Continua na próxima página OUO1089,0000204 –54–08NOV01–3/4
090
16

CTM339 (03OCT05) 02-090-16 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=44
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

8. Conecte as linhas de suprimento (pressão) de


combustı́vel da bomba injetora (F). Começando com a
saı́da (I) e continuando ao redor do cabeçote da
bomba, no sentido anti-horário, fixe as linhas na
mesma ordem de ignição do motor (1-5-3-6-2-4 nos
02
motores de 6 cilindros e 1-3-4-2 nos motores de 4 090
cilindros). 17

IMPORTANTE: SEMPRE utilize uma chave inglesa de


apoio ao apertar ou afrouxar as linhas
de suprimento de combustı́vel da

–UN–16NOV01
bomba injetora, de modo que as
conexões de descarga da bomba não
sejam alteradas. Isso evita possı́veis
danos no interior da bomba.

RG12001
9. Aperte as linhas de suprimento de combustı́vel na
Conectores Elétricos da Bomba Injetora
bomba conforme as especificações.

Especificação
Linhas (Pressão) de Suprimento
de Combustı́vel da Bomba
Injetora—Torque .............................................................. 27 N•m (20 lb-ft)

10. Instale a braçadeira (E).

11. Conecte a linha de suprimento de combustı́vel (D) e


a linha de retorno (C).

–UN–16NOV01
12. Instale o conector do sensor de temperatura (A) e o
conector do solenóide de controle de combustı́vel (B).

13. Sangre o ar do sistema de combustı́vel conforme

RG12003
descrito neste grupo. Consulte SANGRIA DO
SISTEMA DE COMBUSTÍVEL neste grupo. Dê
partida no motor, faça-o funcionar por alguns minutos Conecte as Linhas de Suprimento de Combustı́vel
e verifique se há vazamentos no sistema de
combustı́vel.
A—Conector do Sensor de Temperatura
B—Conector do Solenóide de Controle de
Combustı́vel
–UN–11JAN02
C—Linha de Retorno de Combustı́vel
D—Linha de Suprimento de Combustı́vel
E—Braçadeira
F—Linhas de Suprimento de Combustı́vel
G—Porca (3 usadas)
RG12035

H—Lateral do Bloco do Motor


I—Conexão de Saı́da até o Cilindro No. 1

OUO1089,0000204 –54–08NOV01–4/4

CTM339 (03OCT05) 02-090-17 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=45
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Remoção dos Bicos Injetores de


Combustı́vel

Precauções Gerais ao Executar Serviço nos Bicos


02
Antes de remover, limpe completamente toda a sujeira do

–UN–15NOV01
090
18 cabeçote de cilindros ao redor dos bicos injetores de
combustı́vel. Limpe com ar comprimido para evitar que a
sujeira entre nos cilindros. Tampe o furo do cabeçote de
cilindros após a remoção de cada bico injetor. Cubra as

RG11993
aberturas da linha de combustı́vel assim que forem
desconectadas.
Bico Injetor de Combustı́vel

Encaixe as tampas protetoras imediatamente nas pontas


dos bicos injetores e conexões da linha, para evitar danos
no manuseio e entrada de detritos no sistema de
combustı́vel.

Não dobre as linhas de suprimento de combustı́vel, pois


isso pode afetar sua durabilidade. Ao soltar as linhas de
pressão de combustı́vel, mantenha imóvel a junta macho
da linha do bico com uma chave de apoio.

OUO1089,00001FF –54–07NOV01–1/4

1. Solte as porcas do tubo (A) em cada bico para


remover as linhas de retorno e as conexões T como
um conjunto.

A—Porcas do Tubo

–UN–21DEC05
RG11994

Linhas de Retorno de Combustı́vel

Continua na próxima página OUO1089,00001FF –54–07NOV01–2/4

CTM339 (03OCT05) 02-090-18 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=46
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

2. Desconecte a linha de injeção de combustı́vel do bico


usando uma chave de apoio na conexão do bico,
como mostrado.

3. Remova o parafuso que fixa o bico no furo do


02
cabeçote de cilindros.

–UN–19NOV01
090
19

RG11999
Linha de Injeção de Combustı́vel no Bico

OUO1089,00001FF –54–07NOV01–3/4

4. Puxe o bico injetor para fora do cabeçote de cilindros


usando o Extrator de Bico Injetor JDG1515-1 (A).

IMPORTANTE: Não use chaves de fenda, espátulas


ou ferramentas similares para isto,
pois elas podem danificar o bico
injetor.

A—Extrator de Bico Injetor JDG1515-1

–UN–16NOV01
RG12018
Conjunto Extrator de Bicos Injetores

OUO1089,00001FF –54–07NOV01–4/4

CTM339 (03OCT05) 02-090-19 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=47
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Limpe o Furo do Bico Injetor de Combustı́vel

IMPORTANTE: Gire sempre a ferramenta no sentido


horário no furo, para evitar cegar as
bordas cortantes, inclusive ao
02
090 remover a ferramenta do furo.

–UN–07NOV97
20
Limpe o furo do bico injetor usando a Ferramenta de
Limpeza de Furos de Bicos Injetores JDE39 (A). Remova
os detritos do furo soprando com ar comprimido e tampe

RG7743
o furo para evitar a entrada de materiais estranhos.

Limpe o Furo do Bico Injetor


A—Ferramenta de Limpeza do Furo do Bico

RG,35,JW7596 –54–20NOV97–1/1

Limpe os Bicos Injetores de Combustı́vel

1. Remova a vedação restritiva de carbono (A) da


canaleta do corpo do bico usando uma lâmina de
barbear ou canivete afiado e remova a arruela superior
de vedação (B). Descarte a vedação e a arruela.

–UN–15NOV01
2. Coloque o bico em solvente ou diesel combustı́vel
limpo, de maneira que a canaleta da vedação restritiva
de carbono fique submersa, e deixe de molho por

RG11995
alguns minutos.

IMPORTANTE: Não raspe nem estrague o Limpe os Bicos Injetores de Combustı́vel


revestimento de TEFLONdo corpo do
A—Vedação Restritiva de Carbono
bico, acima da canaleta da vedação B—Arruela Superior de Vedação
restritiva de carbono. Esse
revestimento vai ficar descolorido
durante a operação normal, mas isso
não causa danos. Não use escova
elétrica para limpar o corpo do bico
injetor.

3. Após deixar de molho, limpe a ponta do bico com


escova de metal. Nunca use escova de aço ou
raspadeira.

TEFLON é uma marca comercial registrada da DuPont Co. OUO1080,00001FD –54–15NOV01–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-090-20 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=48
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Teste do Bico Injetor de Combustı́vel

CUIDADO: A ponta do bico sempre deve estar


direcionada para longe do operador. O
combustı́vel dos orifı́cios de pulverização pode 02
penetrar na roupa e na pele, causando graves 090

–UN–23AUG88
21
lesões pessoais. Recomenda-se encobrir o bico
com um tubo de vidro transparente.

Antes de aplicar pressão ao testador de bicos,

X9811
certifique-se de que todas as conexões estejam
apertadas e não estejam danificadas. O fluido Fluido de Alta Pressão
que escapa por um pequeno furo pode ser
quase invisı́vel. Para procurar vazamentos
suspeitos, use um pedaço de papelão ou
madeira, ao invés das mãos.

Se QUALQUER fluido for injetado na pele, deve


ser retirado cirurgicamente dentro de poucas
horas por um médico que esteja familiarizado
com este tipo de lesão ou pode resultar em
gangrena.

–UN–08AUG89
NOTA: O teste do desempenho de um bico injetor
durante o funcionamento do motor é um teste
impreciso. Para se obter uma verificação correta
do desempenho, use um testador de bicos

L30741
JT25510 (1) e uma linha de pressão KJD10109
(2).
Teste do Bico Injetor de Combustı́vel
Use somente combustı́vel diesel cuidadosamente
1—Testador de Bicos
filtrado para testar os bicos injetores, pois o 2—Linha de Pressão
combustı́vel sujo danificará gravemente as peças
de precisão dos bicos.

Conecte o bico ao testador de modo que seu eixo forme


um ângulo de aproximadamente 30° na vertical e que o
pulverizador de combustı́vel fique direcionado para baixo.
Verifique todas as conexões quanto a vazamentos. Feche
a válvula de corte do manômetro e lave (sangre) o bico
injetor acionando a bomba de teste rapidamente.

Continua na próxima página OUO1089,0000200 –54–07NOV01–1/4

CTM339 (03OCT05) 02-090-21 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=49
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Teste do Padrão de Pulverização

Feche a válvula de corte e acione a alavanca da bomba


com 60 golpes por minuto. Se o bico injetor de
combustı́vel estiver funcionando corretamente, o
02
090 combustı́vel deve passar através de todos os orifı́cios dos
22 bicos no formato de um cone de pulverização fino e
uniforme. Este cone de pulverização é inclinado em
relação à linha de centro do corpo do bico, mas não deve
ser distribuı́do. Para uma verificação mais precisa,
coloque um pedaço de papel ou papelão a uma distância
adequada abaixo do bico e verifique se aparecem pontos
circulares de umidade causados pelo combustı́vel. Os
desvios do padrão ou do ângulo de pulverização regular
podem ser causados pelo entupimento parcial ou total do
orifı́cio do bico injetor. Neste caso o combustı́vel sai em
um jato e não em uma pulverização fina.

Verificação do Desgaste da Haste e da Guia da


Válvula

Conecte o bico injetor de combustı́vel ao testador de bico


com a ponta levantada um pouco acima de sua
extremidade oposta.
Cubra a ponta e bombeie o testador até a atingir a
pressão de 10 300 kPa (103 bar) (1500 psi). Mantenha a
pressão constante e observe quanto combustı́vel vaza da
extremidade de retorno do bico injetor. Após a formação
da primeira gota, conte as gotas por 30 segundos e
compare com a especificação.

Bico Injetor de Combustı́vel—Especificação


Bico—Vazamento de Retorno a
10 300 kPa (103 bar) (1500 psi) ................ 1 a 14 gotas (máximo) em 30
segundos

Continua na próxima página OUO1089,0000200 –54–07NOV01–2/4

CTM339 (03OCT05) 02-090-22 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=50
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Verificação da Sede da Válvula

Conecte o bico ao testador para testar na posição


horizontal. Acione a alavanca da bomba rapidamente para
sangrar o bico e permitir que a válvula se assente. Seque
02
completamente a ponta do bico injetor. Agora aciona a 090
alavanca da bomba lentamente até que a pressão 23
indicada fique a aproximadamente 2800 a 3500 kPa (28 a
35 bar) (400 a 500 psi) abaixo da pressão de abertura
(consulte as especificações das pressões de abertura).
Continue a observar o bico. Sob essas condições o fluı́do
não deve pingar da ponta do bico injetor. Entretanto
algumas gotas ou um pouco de umidade na ponta é
considerado aceitável. Acione a alavanca da bomba
rapidamente várias vezes sucessivamente para fazer com
que o bico pulverize de forma normal. Após o último
golpe da bomba, observe novamente. Se o bico não
estiver totalmente à prova de vazamentos, desmonte para
fazer a manutenção.

Teste da Pressão de Abertura

NOTA: A pressão de abertura absoluta é menos


importante do que a pressão de abertura igual em
todos os bicos.

Feche a válvula de corte do indicador e acione a bomba


várias vezes para permitir que a válvula do bico se
assente corretamente. Abra a válvula de corte do
indicador. Aumente a pressão até o ponto onde o ponteiro
do manômetro caia rapidamente. Este ponto (faça a
leitura) é a pressão de abertura da válvula do bico.

Continua na próxima página OUO1089,0000200 –54–07NOV01–3/4

CTM339 (03OCT05) 02-090-23 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=51
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Bico Injetor de Combustı́vel—Especificação


Bico "Rate Shaping" (Modelagem
de Taxa)—Abertura da Pressão
para Ajuste
(Novo ou Recondicionado) ........................................ 24 400—24 900 kPa
(244—249 bar) (3540—3620 psi)
02
Abertura da Pressão para
090
Verificação
24
(Novo ou Recondicionado) ..................... 24 100 kPa (241 bar) (3500 psi)
Min
Pressão de Abertura para Ajuste
(Usada) ...................................................................... 23 000—23 600 kPa
(230—236 bar) (3340—3420 psi)
Pressão de Abertura para
Verificação (Usada) ................................ 21 800 kPa (218 bar) (3170 psi)
Min
Bico "Rate Shaping" (Modelagem
de Taxa)—Diferença de pressão
de abertura entre os cilindros ................... 700 kPa (7 bar) (100 psi) Máx

Se o padrão de pulverização, o teste de vazamento e o


teste de desgaste da válvula estiverem bons mas o teste
da pressão de abertura não estiver satisfatório, ajuste a
pressão de abertura.

OUO1089,0000200 –54–07NOV01–4/4

Desmontagem dos Bicos Injetores de


Combustı́vel

NOTA: Se todos os testes confirmarem que o bico


funciona corretamente, nenhuma manutenção
adicional será necessária e o bico pode ser
reinstalado. Se um bico injetor não estiver
funcionando corretamente e tiver que ser
desmontado para limpeza e/ou
recondicionamento, consulte seu concessionário
“Stanadyne”.

A—Conexão T
B—Tampa
C—Anel O (2 usados)
D—Retentor
E—Tampa de Proteção
–UN–15NOV01

F—Vedação Restritiva de Carbono


G—Arruela de Vedação
H—Tampa de Proteção
RG11996

Desmontagem do Bico RSN

OUO1089,0000201 –54–07NOV01–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-090-24 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=52
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Ajuste do Bico Injetor de Combustı́vel

CUIDADO: A ponta do bico sempre deve estar


direcionada para longe do operador. O
combustı́vel dos orifı́cios de pulverização pode 02
penetrar na roupa e na pele, causando graves 090

–UN–23AUG88
25
lesões pessoais. Recomenda-se encobrir o bico
com um tubo de vidro.

Antes de aplicar pressão ao testador de bicos,

X9811
certifique-se de que todas as conexões estejam
apertadas e não estejam danificadas. O fluido Fluidos de Alta Pressão
que escapa por um pequeno furo pode ser
quase invisı́vel. Use um pedaço de papelão ou
madeira, em vez das mãos, para procurar
vazamentos.

Se QUALQUER fluido for injetado na pele, deve


ser retirado cirurgicamente dentro de poucas
horas por um médico que esteja familiarizado
com este tipo de lesão ou pode resultar em
gangrena.

1. Desparafuse a tampa da câmara da mola (C) usando


a Chave da Tampa da Câmara de Mola JDG1521.

2. Afrouxe e remova a porca autofrenante do parafuso de


ajuste de levantamento (D).

–UN–15NOV01
3. Afrouxe a porca autofrenante do parafuso de ajuste de
pressão (E) usando a Chave Especial JDG1515-2.

RG11997
4. Conecte o bico ao testador, depois ajuste a pressão
de abertura de acordo com as especificações girando
o parafuso de ajuste de pressão (A). Use a Ajuste do Bico RSN
Ferramenta do Parafuso de Ajuste de Pressão
JDG1522. A—Parafuso de Ajuste de Pressão
B—Parafuso de Ajuste de Levantamento
C—Tampa da Câmara da Mola
5. Aperte a porca autofrenante do parafuso de ajuste de
D—Porca Autofrenante do Parafuso de Ajuste de
pressão (E) de acordo com as especificações e Levantamento
verifique novamente a pressão de abertura. E—Porca Autofrenante do Parafuso de Ajuste de
Pressão
6. Aperte cuidadosamente o parafuso de ajuste de F—Sede da Mola
levantamento (B) até que se apóie na sede da mola
(F).

7. Desparafuse o parafuso de ajuste de levantamento por


7/8 de volta.

Continua na próxima página OUO1089,0000202 –54–07NOV01–1/2

CTM339 (03OCT05) 02-090-25 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=53
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

8. Aperte a porca autofrenante do parafuso de ajuste de


levantamento (D) de acordo com a especificação.

9. Verifique novamente a pressão de abertura.


02
Bico Injetor de Combustı́vel—Especificação
090
Porca Autofrenante do Parafuso
26
de Ajuste de Pressão—Torque ......................................... 10 N•m (7 lb-ft)
Porca Autofrenante do Parafuso
de Ajuste de Levantamento—
Torque .............................................................................. 5 N•m (3.5 lb-ft)

OUO1089,0000202 –54–07NOV01–2/2

Instale as Vedações no Bico Injetor de


Combustı́vel

IMPORTANTE: Todas as vezes que um bico injetor


for removido do cabeçote de cilindros,
substitua a vedação restritiva de

–UN–27MAR98
carbono (B) por uma nova.

1. Posicione o Instalador da Vedação Restritiva de


Carbono de Bicos JD258 (JD-258) (A) sobre a ponta

RG9096
do bico.
Vedações do Bico Injetor de Combustı́vel
2. Instale uma nova arruela de vedação (C) no corpo do
bico. A—Instalador da Vedação Restritiva de Carbono
B—Vedação Restritiva de Carbono
3. Posicione uma nova vedação restritiva de carbono (B) C—Arruela de Vedação
no instalador de vedação. Deslize a vedação de
carbono até que assente em sua canaleta no corpo do
bico.

NOTA: Se o bico não for instalado nesse momento,


instale uma Tampa Protetora de Bicos No. 16189
sobre a ponta do bico. Tampe todas as outras
aberturas do bico para evitar contaminação.

RG,35,JW7586 –54–20NOV97–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-090-26 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=54
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Instalação dos Bicos Injetores de


Combustı́vel

IMPORTANTE: Antes de instalar os bicos injetores,


certifique-se de que eles estejam 02
limpos e sem óleo ou graxa. 090
27
NOTA: Se o furo do bico no cabeçote de cilindros tiver
que ser limpo, use a Ferramenta de Limpeza do
Furo do Bico JDE39. Consulte REMOÇÃO DOS

–UN–19NOV01
BICOS INJETORES DE COMBUSTÍVEL
anteriormente neste grupo.

1. Remova a tampa (se instalada anteriormente) do furo

RG11998
do bico no cabeçote de cilindros e limpe o furo com ar
comprimido.
Bico Injetor no Cabeçote de Cilindros
NOTA: Certifique-se de que a superfı́cie de vedação do
cabeçote de cilindros (na qual estará a arruela de
vedação) esteja lisa e sem danos ou sujeira. Isso
poderá impedir a vedação adequada. A sujeira e
a aspereza também podem fazer com que o bico
fique torcido quando o parafuso de fixação for
apertado, fazendo com que a válvula emperre.

2. Instale o bico com o espaçador e as braçadeiras no


cabeçote de cilindros usando um leve movimento de
torcida, enquanto o bico estiver assentado no furo. A
ilustração mostra a relação das peças necessárias
para a instalação adequada.

3. Alinhe as braçadeiras do bico e instale o parafuso.


Não aperte o parafuso nesse estágio.

4. Conecte a linha de pressão de combustı́vel ao bico.


Deixe a conexão levemente frouxa até que o ar seja
sangrado do sistema.

5. Aperte os parafusos da trava de fixação do bico de


acordo com as especificações.

Especificação
Parafusos da Trava de Fixação
do Bico Injetor de Combustı́vel—
Torque ............................................................................ 40 N•m ((30 lb-ft)

Continua na próxima página OUO1080,0000200 –54–16NOV01–1/3

CTM339 (03OCT05) 02-090-27 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=55
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

6. Instale o conjunto da linha de retorno.

Especificação
Porca Sextavada da Linha de
Retorno de Combustı́vel—Torque.................................... 5 N•m (3.7 lb-ft)
02 (44 lb-in.)
090
28

OUO1080,0000200 –54–16NOV01–2/3

7. Sangre o ar da conexão frouxa da linha de injeção.


Aperte a conexão usando duas chaves de acordo com
as seguintes especificações.

Especificação
Linha de Suprimento do Bico

–UN–19NOV01
Injetor de Combustı́vel—Torque ..................................... 27 N•m (20 lb-ft)

Consulte SANGRIA DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL


neste grupo.

RG11999
Linha de Pressão de Combustı́vel do Bico

OUO1080,0000200 –54–16NOV01–3/3

CTM339 (03OCT05) 02-090-28 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=56
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Sangria do Sistema de Combustı́vel

CUIDADO: O fluido sob pressão, ao escapar,


pode penetrar na pele e causar lesões graves.
Evite este risco liberando a pressão antes de 02
desconectar uma linha hidráulica ou outras 090

–UN–23AUG88
29
linhas. Aperte todas as conexões antes de
aplicar pressão. Procure por vazamentos com
um pedaço de papelão. Proteja as mãos e o
corpo dos fluidos de alta pressão.

X9811
Caso ocorra um acidente, consulte um médico Fluidos de Alta Pressão
imediatamente. Qualquer fluido injetado na pele
deverá ser retirado cirurgicamente dentro de
algumas horas ou poderá resultar em gangrena.
Médicos não familiarizados com este tipo de
lesão podem entrar em contato com o
Departamento Médico da Deere & Company, em
Moline, Illinois, ou com outra fonte médica
especializada.

Sempre que o sistema de combustı́vel for aberto para a


execução de serviços (linhas desconectadas ou filtros
removidos), será necessário sangrar o ar do sistema.

O sistema de combustı́vel poderá ser sangrado em um


dos vários locais. Em algumas aplicações de motor pode
ser necessário consultar o manual do operador e escolher
o melhor local para a aplicação do motor/máquina.

OUO1089,0000203 –54–07NOV01–1/5

1. Afrouxe o parafuso do respiro da sangria de ar (A)


com as mãos por duas voltas completas na base do
filtro de combustı́vel.

A—Parafuso de Respiro da Sangria


–UN–25OCT01
RG11805

Parafuso do Respiro da Sangria do Filtro Final de Combustı́vel

Continua na próxima página OUO1089,0000203 –54–07NOV01–2/5

CTM339 (03OCT05) 02-090-29 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=57
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

2. Acione a alavanca de escorva da bomba de


suprimento de combustı́vel (B) ou o botão do
escorvador na base do filtro de combustı́vel (se
equipado).
02
090 3. Aperte o bujão de drenagem firmemente; continue a

–UN–25OCT01
30 acionar o escorvador até que a ação de bombeamento
não seja sentida.

4. Dê partida no motor e verifique se há vazamentos.

RG11806
Se o motor não ligar, pode ser necessário sangrar o ar
do sistema de combustı́vel na bomba injetora de Alavanca do Escorvador da Bomba de Suprimento de
Combustı́vel
combustı́vel ou nos bicos injetores conforme explicado
a seguir. B—Alavanca do Escorvador

OUO1089,0000203 –54–07NOV01–3/5

Na Bomba Injetora de Combustı́vel

1. Afrouxe a linha de retorno de combustı́vel (A) na


bomba injetora de combustı́vel.

2. Acione a alavanca do escorvador da bomba de

–UN–25OCT01
suprimento de combustı́vel ou o botão do escorvador
na base do filtro de combustı́vel (se equipado).

3. Logo que o fluxo de combustı́vel esteja sem bolhas de

RG11807
ar, aperte a linha de retorno de combustı́vel de acordo
com as especificações. A alavanca do escorvador é
acionada por mola e retornará à posição normal. Linha de Retorno da Bomba Injetora de Combustı́vel

A—Linha de Retorno de Combustı́vel


Especificação
Linha de Retorno da Bomba
Injetora de Combustı́vel—Torque ................................... 27 N•m (20 lb-ft)

Continua na próxima página OUO1089,0000203 –54–07NOV01–4/5

CTM339 (03OCT05) 02-090-30 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=58
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Nos Bicos Injetores de Combustı́vel

1. Coloque a alavanca do acelerador na posição de meia


aceleração.
02
IMPORTANTE: Sempre use uma chave de apoio ao 090

–UN–25OCT01
soltar ou apertar linhas de 31
combustı́vel nos bicos e/ou na bomba
injetora para evitar danos.

RG11808
2. Usando duas chaves de boca, solte duas conexões da
linha de combustı́vel dos bicos injetores.
Linha de Pressão de Combustı́vel do Bico
3. Gire o motor novamente com o motor de partida por
15 segundos (mas não ligue o motor), até fluir
combustı́vel sem bolhas para fora da conexão frouxa.
Reaperte as conexões com o torque especificado.

Especificação
Linhas de Suprimento do Bico
Injetor de Combustı́vel—Torque ..................................... 27 N•m (20 lb-ft)

4. Repita o processo para os bicos injetores


remanescentes (se necessário) até que todo ar tenha
sido removido do sistema de combustı́vel.

Se ainda assim o motor não ligar, consulte o


concessionário autorizado ou o distribuidor do motor.

OUO1089,0000203 –54–07NOV01–5/5

CTM339 (03OCT05) 02-090-31 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=59
Reparações e Ajustes no Sistema Eletrônico de Combustı́vel

02
090
32

CTM339 (03OCT05) 02-090-32 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=60
Grupo 110
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor
Unidade de Controle do Motor (ECU)

IMPORTANTE: NÃO lave a Unidade de Controle do


Motor (ECU) com pressão.
02
Antes de fazer soldas em motores 110
equipados com ECU, proteja a ECU 1
contra danos de alta corrente da
seguinte maneira:

–UN–15NOV01
1. Solte a conexão da ECU com o
aterramento da estrutura do
veı́culo.

RG12006
2. Desconecte todos os outros
conectores da ECU. Desconecte
também o conector do módulo da Unidade de Controle do Motor (ECU)
bomba injetora.
3. Conecte o aterramento de
soldagem próximo ao ponto de
solda e certifique-se de que a ECU
e os outros componentes elétricos
não estejam na passagem do
aterramento.

NOTA: Para diagnóstico e teste do controle eletrônico e


sensores do motor, consulte o Grupo 150.

IMPORTANTE: NÃO ABRA A UNIDADE DE


CONTROLE DO MOTOR.

NOTA: O conjunto lacrado da ECU é o componente do


sistema com MENOR probabilidade de falhas.
Certifique-se de que ele esteja isolado e
identificado como sendo o componente com
defeito antes de substituir. Consulte o manual de
operação e teste para informar-se sobre os
procedimentos adequados de detecção e
resolução de problemas.

A ECU não pode ser reparada. Se estiver com defeito,


substitua como uma unidade. Forneça o número de série
de 13 dı́gitos do motor ao solicitar uma nova ECU.

IMPORTANTE: Se uma ECU não for programada de


forma idêntica à original (com defeito),
poderão ocorrer mensagens incorretas
de diagnóstico, baixo desempenho ou
danos ao motor.

OUO1080,0000201 –54–16NOV01–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-110-1 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=61
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

Remoção e Instalação do Sensor de


Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do
Motor

02 1. Solte o conector da fiação do sensor de temperatura


110 do lı́quido de arrefecimento do motor e remova o
2 sensor.

2. Passe Graxa para Alta Temperatura JDT405 no anel O

–UN–16NOV01
do sensor e instale-o no alojamento do termostato.
Aperte de acordo com as especificações.

Especificação

RG12009
Sensor de Temperatura do
Lı́quido de Arrefecimento do
Motor—Torque................................................................. 15 N•m (11 lb-ft) Sensor de Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor

3. Instale o conector da fiação do sensor.

A—Sensor de Temperatura do Lı́quido de


Arrefecimento do Motor

OUO1080,0000202 –54–16NOV01–1/1

Remoção e Instalação do Sensor de Perda


de Calor do Lı́quido de Arrefecimento

1. Solte o conector da fiação do sensor de perda de calor


do lı́quido de arrefecimento e remova o sensor.

–UN–26MAY00
2. Passe Graxa para Alta Temperatura JDT405 no anel O
do sensor e instale o sensor na traseira do cabeçote
de cilindros. Aperte de acordo com as especificações. RG10766

Especificação
Sensor de Perda de Calor do
Lı́quido de Arrefecimento— Perda de Calor do Lı́quido de Arrefecimento (Traseira do Cabeçote
Torque ............................................................................. 35 N•m (26 lb-ft) de Cilindros)

3. Instale o conector da fiação do sensor. A—Sensor de Perda de Calor do Lı́quido de


Arrefecimento

RG40854,000014A –54–11FEB02–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-110-2 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=62
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

Substitua o Sensor de Posição do


Virabrequim

1. Solte o conector da fiação do sensor.


02
2. Usando um soquete comprido, remova o sensor de 110
posição do virabrequim (A). 3

3. Substitua o sensor e o anel O da tampa da

–UN–16NOV01
engrenagem de sincronização. Aperte o sensor de
acordo com as especificações.

Especificação

RG12011
Sensor de Posição do
Virabrequim—Torque ...................................................... 14 N•m (10 lb-ft)
Sensor de Posição do Virabrequim
4. Instale o conector da fiação do sensor.
A—Sensor de Posição do Virabrequim

OUO1080,0000203 –54–16NOV01–1/1

Remoção e Instalação do Sensor de Pressão


do Óleo

1. Solte o conector da fiação do sensor de pressão do


óleo (exibido desconectado) e remova o sensor do
bloco de cilindros.

–UN–02DEC99
2. Passe Vedante de Tubos LOCTITE 592 com
TEFLON nas roscas do sensor. Instale o sensor no

RG10550
alojamento do radiador de óleo e aperte de acordo
com as especificações.
Sensor de Pressão do Óleo
Especificação
Sensor de Pressão do Óleo—
Torque ............................................................................. 15 N•m (11 lb-ft)

3. Instale o conector da fiação do sensor.

LOCTITE é uma marca registrada da Loctite Corp.


TEFLON é uma marca comercial registrada da DuPont Co. OUO1080,0000204 –54–16NOV01–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-110-3 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=63
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

Remoção e Instalação do Sensor de


Temperatura do Ar do Coletor

1. Solte o conector da fiação do sensor de temperatura


02 do ar e remova o sensor (A) da linha de admissão de
110 ar.
4
2. Substitua o anel O e instale o sensor na linha de
admissão de ar. Aperte o sensor de acordo com as

–UN–16NOV01
especificações.

Especificação
Sensor de Temperatura do Ar do

RG12013
Coletor—Torque ................................................................ 10 N•m (7 lb-ft)

3. Instale o conector da fiação do sensor. Sensor de Temperatura do Ar do Coletor

A—Sensor de Temperatura do Ar do Coletor

OUO1080,00001F5 –54–09NOV01–1/1

Remoção e Instalação do Sensor de


Temperatura do Combustı́vel

1. Solte o conector da fiação do sensor de temperatura


do combustı́vel e remova o sensor (A) da bomba
injetora de combustı́vel.

2. Substitua o anel O e instale o sensor na bomba


injetora de combustı́vel e aperte de acordo com as

–UN–16NOV01
especificações.

Especificação
Sensor de Temperatura do

RG12014
Combustı́vel—Torque ....................................... 13—18 N•m (10—13 lb-ft)

3. Instale o conector da fiação do sensor. Sensor de Temperatura do Combustı́vel

A— Sensor de Temperatura do Combustı́vel

OUO1080,00001F6 –54–12NOV01–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-110-4 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=64
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

Remoção e Instalação do Aquecedor de


Combustı́vel

1. Solte o conector da fiação do aquecedor de


combustı́vel e remova o aquecedor da base do filtro. 02

–UN–16NOV01
110
2. Substitua o anel O e instale o aquecedor de 5
combustı́vel no pórtico de entrada do filtro primário de
combustı́vel de acordo com as especificações.

RG12016
Especificação
Aquecedor de Combustı́vel—
Torque ................................................................................. 9 N•m (7 lb-ft) Aquecedor de Combustı́vel

3. Instale o conector da fiação do aquecedor.

OUO1080,00001F7 –54–12NOV01–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-110-5 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=65
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

Conectores

Conectores são dispositivos que proporcionam a


montagem e a desmontagem dos sistemas. As
manutenções nos conectores devem sempre ser
02
110 executadas utilizando-se ferramentas especı́ficas para o
6 tipo de conector. Uma boa frisagem é importante para a
estabilidade mecânica e elétrica. Os conectores
reparados devem ser fisicamente testados puxando-os,
para certificar-se de que o contato esteja firmemente
fixado ao condutor.

IMPORTANTE: Se por algum motivo os conectores


não estiverem conectados, como
quando a bomba injetora de
combustı́vel é removida, é importante
proteger os conectores contra
detritos.

Consulte os procedimentos a seguir para reparar os


vários tipos de conectores.

RG,RG34710,1328 –54–23OCT97–1/1

Utilização do Composto para Isolamento


Elétrico

Aplique o Composto AT66865 diretamente nos terminais


entre a vedação do fio e o corpo do conector. Isso cria
uma barreira contra umidade, especialmente em
condições úmidas.

RG,RG34710,1335 –54–23OCT97–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-110-6 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=66
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

Uso da Arruela de Alta Pressão

IMPORTANTE: Reduza a pressão ao direcionar a


água pressurizada aos componentes e
conectores eletrônicos ou elétricos
02
porque isso pode causar mau 110

–UN–18OCT88
funcionamento deles. Reduza sempre 7
a pressão e pulverize a um ângulo de
45 a 90 graus.

T6642EJ
Uso da Arruela de Alta Pressão

RG,RG34710,1329 –54–23OCT97–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-110-7 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=67
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

Reparação do Conector WEATHERPACK

1. Desacople o conector WEATHERPACK. Remova as


cintas plásticas e a fita.
02

–UN–23AUG88
110 2. Abra a trava secundária na traseira do conector.
8
3. Identifique a cor/número do fio na cavidade do
conector. Certifique-se de que cada fio volte à

TS0128
cavidade correta.

4. Insira a Ferramenta de Extração JDG3641 sobre o


contato do terminal no corpo do conector. A
ferramenta de extração deve estar completamente
assentada para destravar as lingüetas do terminal do
corpo do conector. Quando a ferramenta estiver
assentada, puxe o fio suavemente de trás do conector.
Se o(s) fio(s) ou terminal(is) estiverem sendo
reparados, vá para a etapa 5. Se os fios e terminais
estiverem OK e somente o conector estiver sendo
substituı́do, vá para a etapa 9.

5. Utilizando Alicates Universais para Eletricidade


JDG1452, corte o fio diretamente atrás da dobra da
vedação do terminal. Se qualquer parte da vedação
ainda estiver no fio, descarte-a.

6. Utilizando Alicates Universais para Eletricidade


JDG1452, desencape 6 mm (1/4 in.) do isolamento da
extremidade do fio.

WEATHERPACK é uma marca registrada da Packard Electric

1
Incluı́do no Kit de Reparo Elétrico JT07195B

2
Incluı́do no Kit de Ferramentas de Reparo Elétrico JDG155

Continua na próxima página AG,OUOD008,296 –54–06MAR02–1/4

CTM339 (03OCT05) 02-110-8 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=68
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

7. Selecione o tamanho correto da vedação. Deslize a


vedação sobre o isolamento do fio com o lado do
diâmetro menor apontando para a extremidade do fio.
O lado do diâmetro pequeno da vedação deve se
alinhar com a borda externa do isolamento.
02

–UN–23AUG88
110
IMPORTANTE: A vedação deve encaixar-se 9
exatamente sobre o isolamento do
cabo, sem folga entre a vedação do
cabo e o isolamento.

TS0136
NOTA: As vedações dos cabos têm código de cores para
as três bitolas de fios:

• Verde - Fio de Bitola 18—20


• Cinza - Fio de Bitola 14—16
• Azul - Fio de Bitola 10—12

AG,OUOD008,296 –54–06MAR02–2/4

8. Selecione um terminal de bitola correta no fio e frise


na posição com um friso do tipo W, usando uma
Ferramenta de Frisagem WEATHER PACK JDG783.

NOTA: Os terminais têm identificação numérica para


duas bitolas de fios:

–UN–02NOV94
• #15 - 14—Fio de Bitola 16
• #19 - 18—Fio de Bitola 20

TS1623
WEATHER PACK é uma marca registrada da Packard Electric Continua na próxima página AG,OUOD008,296 –54–06MAR02–3/4

CTM339 (03OCT05) 02-110-9 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=69
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

9. Insira o terminal no conector. O terminal deve fazer um


clique quando estiver totalmente assentado.
Certifique-se de que o fio seja inserido na cavidade
correta do conector.
02
110 IMPORTANTE: As lingüetas do terminal devem ser

–UN–23AUG88
10 espalhadas cuidadosamente para
garantir um bom assentamento no
corpo do conector. Se o terminal
estiver sendo reutilizado em um novo

TS0130
conector, certifique-se de que as
lingüetas estejam espalhadas.

NOTA: Os corpos do conector são “codificados” para


terminais corretos. Certifique-se de que os
terminais estejam alinhados corretamente.

A instalação correta do terminal da camisa (A) e


pino (B) está ilustrada.

–UN–02DEC88
10. Puxe o fio suavemente para assegurar-se de que o
terminal esteja travado na posição.

TS0139
11. Repare ou transfira os fios restantes.

12. Feche a trava secundária na traseira do conector. A—Camisa


B—Pino
13. Passe fita novamente nos fios e acrescente as cintas
plásticas necessárias no chicote.

AG,OUOD008,296 –54–06MAR02–4/4

CTM339 (03OCT05) 02-110-10 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=70
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

Remova os Terminais de Lâmina do Corpo


do Conector

NOTA: Use a Ferramenta de Extração JDG776 com os


terminais METRI-PACK das Séries 56, 280 e 630. 02
Use a Ferramenta de Extração JDG777 com os 110

–UN–23AUG88
terminais METRI-PACK da Série 150. 11

1. Insira a Ferramenta de Extração de Terminais JDG776


ou JDG7771 no corpo do conector empurrando a

RW4218
lingüeta de trava do terminal para dentro.

2. Puxe delicadamente o fio e remova o terminal do


A—Lingüeta de Trava
conector. B—Posição Original

3. Ajuste a lingüeta de trava no terminal para sua posição


original antes de instalá-la em um conector.

1
Incluı́do no Kit de Reparo Elétrico JT07195B
AG,OUOD008,297 –54–06MAR02–1/1

CTM339 (03OCT05) 02-110-11 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=71
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

Reparo dos Conectores (Tipo de Puxar)


METRI-PACK

1. Desconecte o conector METRI-PACK (A) da ECU.


02

–UN–13MAR02
110 2. Remova as cintas plásticas e a fita do chicote atrás do
12 conector.

3. Identifique a cor/número do fio na cavidade do

RG12231A
conector. Certifique-se de que cada fio volte à
cavidade correta.

4. Usando a Ferramenta de Extração de Terminais


JDG776 (C)1, remova cuidadosamente a vedação (B)
de trás do conector.

IMPORTANTE: Certifique-se de que não ocorram


danos na vedação uma vez que a água

–UN–13MAR02
e contaminantes corroerão os
terminais.

NOTA: A ferramenta de extração deve ser usada de trás

RG12232A
do conector.

5. Usando a Ferramenta de Extração de Terminais


JDG776 (C), faça um ângulo na ponta de modo que
ela deslize pela borda superior do conector.
Certifique-se de que a ferramenta de extração esteja
centrada na cavidade do conector e empurre-a para
dentro até sentir resistência.

–UN–05AUG98
6. Com a ferramenta de extração inserida no conector,
gire suavemente a ferramenta no sentido horário e
anti-horário (não mais do que 1/8 de volta em cada
direção) para pressionar a lingüeta de trava do

RW16935A
terminal (D).

7. Remova a ferramenta de extração de trás do conector.

8. Empurre o fio até que o terminal saia da frente do A—Conector


B—Vedação do Conector
conector. Se o terminal não sair, repita as etapas 4-6. C—Ferramenta de Extração de Terminais JDG777
D—Lingüeta de Trava do Terminal
E—Terminal

METRI-PACK é uma marca registrada da Delphi Packard Electric


Systems

1
Incluı́do no Kit de Reparo Elétrico JT07195B
Continua na próxima página AG,OUOD008,298 –54–06MAR02–1/2

CTM339 (03OCT05) 02-110-12 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=72
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

9. Utilizando um Alicate Universal para Eletricidade


JDG1451, corte o fio diretamente atrás do terminal.

IMPORTANTE: Conserve o máximo possı́vel de fio.


Se somente alguns fios estiverem
02
mais curtos do que os demais, toda a

–UN–13MAR02
110
tensão será colocada neles. Podem 13
ocorrer danos ao chicote.

10. Utilizando Alicates Universais para Eletricidade

RG12234A
JDG1451, desencape 6 mm (1/4 in.) do isolamento da
extremidade do fio.

11. Se o fio tiver sido removido do conector, certifique-se


de que ele seja alimentado através do conector (F) e
na cavidade correta.

12. Usando o Alicate de Frisagem JDG783 (G) ou o


JDG707 (H), frise um novo terminal no fio.

–UN–13MAR02
13. Certifique-se de que a lingüeta de trava (D) do
terminal novo esteja na posição para fora. Puxe o fio
de volta para dentro da cavidade do conector até que

RG12233A
o terminal se trave.

NOTA: O terminal assentará somente em uma posição.


Se o terminal não entrar no soquete do corpo do
conector, verifique se o alinhamento está correto
(E).

14. Empurre o fio para certificar-se de que o terminal


está travado no conector.

–UN–05AUG98
15. Deslize a vedação do conector de volta para dentro
do conector. Certifique-se de que a vedação esteja
em sua posição original.

RW16935A
16. Passe fita novamente nos fios e acrescente as cintas
plásticas necessárias no chicote.
D—Lingüeta de Trava do Terminal
E—Orientação Correta do Terminal
F—Fio
G—Ferramenta de Frisagem de Terminais JDG783
H—Ferramenta de Frisagem de Terminais JDG707

1
Incluı́do no Kit de Ferramentas de Reparo Elétrico JDG155
AG,OUOD008,298 –54–06MAR02–2/2

CTM339 (03OCT05) 02-110-13 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=73
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

Reparo dos Conectores (Tipo de Empurrar)


METRI-PACK

1. Desconecte o conector METRI-PACK. Remova as


02 cintas plásticas e a fita.
110

–UN–08DEC98
14 2. Remova a trava secundária (A).

3. Identifique a cor/número do fio na cavidade do


conector. Certifique-se de que cada fio volte à

RW77137
cavidade correta.

4. Insira a Ferramenta de Extração de Terminais JDG776


ou JDG7771 (B) na cavidade do conector (C)
empurrando a aba de trava do terminal para dentro.

NOTA: Use a Ferramenta de Extração JDG776 com os


terminais METRI-PACK das Séries 56, 280 e 630.

–UN–23AUG88
Use a Ferramenta de Extração JDG777 com os
terminais METRI-PACK da Série 150.

5. Remova a ferramenta de extração e puxe o fio da

TS0136
parte de trás do conector.

6. Utilizando umAlicate Universal para Eletricidade


JDG1452, corte o fio diretamente atrás do terminal. A—Trava Secundária do Conector
B—Ferramenta de Extração
C—Soquete do Corpo do Conector
7. Utilizando um Alicate Universal para Eletricidade
D—Terminal
JDG1452 desencape 6 mm (1/4 in.) do isolamento da
extremidade do fio.

8. Selecione o tamanho correto da vedação. Deslize a


vedação sobre o isolamento do fio com o lado do
diâmetro menor apontando para a extremidade do fio.
O lado do diâmetro pequeno da vedação deve se
alinhar com a borda externa do isolamento.

METRI-PACK é uma marca registrada da Delphi Packard Electric


Systems

1
Incluı́do no Kit de Reparo Elétrico JT07195B

2
Incluı́do no Kit de Ferramentas de Reparo Elétrico JDG155

Continua na próxima página AG,OUOD008,299 –54–06MAR02–1/3

CTM339 (03OCT05) 02-110-14 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=74
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

IMPORTANTE: A vedação deve encaixar-se


exatamente sobre o isolamento do
cabo, sem folga entre a vedação do
cabo e o isolamento.
02
NOTA: As vedações dos cabos têm código de cores para 110
as três bitolas de fios: 15

• Verde - Fio de Bitola 18—20


• Cinza - Fio de Bitola 14—16
• Azul - Fio de Bitola 10—12

9. Selecione o contato de tamanho correto para o fio.

Continua na próxima página AG,OUOD008,299 –54–06MAR02–2/3

CTM339 (03OCT05) 02-110-15 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=75
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

10. Frise o contato (A) no fio com uma frisa do tipo “W”
usando a Ferramenta de Frisagem JDG865 (B).

11. Frise a vedação do cabo (C) no contato, usando a


Ferramenta de Frisagem JDG865 (B).
02
110

–UN–07DEC98
16 12. Certifique-se de que a lingüeta de trava (D) do
terminal novo esteja na posição para fora.

13. Empurre o terminal para dentro da cavidade correta

RW77139
do conector até que o terminal trave.

14. Puxe o fio suavemente para verificar se o terminal


está travado no conector.

15. Coloque a trava secundária de volta no conector.

16. Passe fita novamente nos fios e acrescente as cintas


plásticas necessárias no chicote.

–UN–15MAR02
A—Contato
B—Ferramenta

RW77138A
C—Vedação do Cabo
D—Lingüeta de Trava do Terminal

–UN–15MAR02
RW77140A

AG,OUOD008,299 –54–06MAR02–3/3

CTM339 (03OCT05) 02-110-16 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=76
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

Reparo dos Conectores DEUTSCH

1. Desconecte o conector Deutsch. Remova as cintas


plásticas e a fita.
02
2. Identifique a cor/número do fio na cavidade do 110

–UN–07DEC98
conector. Certifique-se de que cada fio volte à 17
cavidade correta.

3. Selecione a ferramenta de extração de tamanho

RW77142
correto para a bitola do fio a ser removido:

• Ferramenta de Extração JDG361 - Fio de Bitola


12 — 141 A—Alavanca
• Ferramenta de Extração JDG362 - Fio de Bitola
16 — 181
• Ferramenta de Extração JDG363 - Fio de Bitola 202
• Ferramenta de Extração JDG785 - Fio de Bitola 6-83

4. Comece a introduzir o fio na extremidade (A) da


ferramenta de extração de tamanho correto.

5. Deslize a ferramenta de extração para trás ao longo


do fio até a sua ponta estalar no fio.

IMPORTANTE: NÃO torça a ferramenta ao inseri-la no


conector.

6. Deslize a ferramenta de extração ao longo do fio para


dentro do corpo do conector até que ela esteja
posicionada sobre o contato do terminal.

7. Puxe o fio do corpo do conector usando a ferramenta


de extração.

8. Utilizando um Alicate Universal para Eletricidade


JDG1454, corte o fio diretamente atrás da vedação do
terminal.

DEUTSCH é uma marca registrada da Deutsch Company

1
Incluı́do no Kit de Reparo Elétrico JT07195B e no Kit de Reparo
Elétrico DEUTSCH JDG359.

2
Incluı́do no Kit de Reparo Elétrico DEUTSCH JDG359

3
Incluı́do no Kit de Ferramentas de Reparo Elétrico JT07195B

4
Incluı́do no Kit de Ferramentas de Reparo Elétrico JDG155

Continua na próxima página AG,OUOD008,304 –54–03NOV99–1/5

CTM339 (03OCT05) 02-110-17 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=77
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

9. Utilizando umAlicate Universal para Eletricidade


JDG1454, desencape 6 mm (1/4 in.) do isolamento da
extremidade do fio.

02
110
18

4
Incluı́do no Kit de Ferramentas de Reparo Elétrico JDG155
AG,OUOD008,304 –54–03NOV99–2/5

10. Ajuste o seletor (A) na Ferramenta de Frisagem


JDG3601 para a bitola correta do fio .

11. Afrouxe a porca autofrenante (B) e gire o parafuso de


ajuste (C) para dentro até que ele pare.

–UN–23AUG88
A—Seletor
B—Porca Autofrenante
C—Parafuso de Ajuste

TS117
1
Incluı́do no Kit de Reparo Elétrico JDG359
AG,OUOD008,304 –54–03NOV99–3/5

12. Insira o terminal (A) e gire o parafuso de ajuste (D)


até que o terminal esteja rente com a tampa (B).

IMPORTANTE: Selecione o tamanho correto do


terminal para encaixar no corpo do
conector.
–UN–23AUG88

13. Aperte a porca autofrenante (C).

A—Terminal
TS0134

B—Tampa
C—Porca Autofrenante
D—Parafuso de Ajuste

Continua na próxima página AG,OUOD008,304 –54–03NOV99–4/5

CTM339 (03OCT05) 02-110-18 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=78
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

14. Insira o fio no terminal e frise até a alavanca contatar


o batente.

IMPORTANTE: O terminal deve permanecer centrado


entre os encaixes enquanto se frisa.
02
110

–UN–23AUG88
15. Libere a alavanca e remova o terminal. 19

16. Inspecione os terminais para garantir que todos os


fios estejam no barril frisado.

TS118
IMPORTANTE: Se os fios não forem todos frisados
no terminal, corte o fio no terminal e
repita os procedimentos de instalação
dos terminais.

NOTA: Reajuste a ferramenta de frisagem para cada


procedimento de frisagem.

–UN–23AUG88
17. Empurre o terminal diretamente para dentro da
cavidade correta do conector até sentir um
travamento positivo.

TS0135
IMPORTANTE: Instale o terminal na cavidade correta
usando o passa-fios de bitola correta.

18. Puxe o fio suavemente para verificar se o terminal


está travado no conector.

19. Transfira os fios restantes para a cavidade correta no


novo conector.

–UN–07DEC98
20. Passe fita novamente nos fios e acrescente as cintas
plásticas necessárias no chicote.

RW77141
AG,OUOD008,304 –54–03NOV99–5/5

CTM339 (03OCT05) 02-110-19 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=79
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

Reparo do Conector AMP

02
110
20

–UN–31MAY00
RG10742
Uso da Ferramenta de Frisagem AMP

A—Conjunto do Delimitador C—Fio E—Fenda de Frisagem G—Barril de Isolamento


B—Delimitador D—Fenda de Frisagem F—Terminal H—Barril do Fio

1. Desconecte o conector AMP. Remova as cintas NOTA: Consulte as instruções fornecidas com a
plásticas e a fita. ferramenta para decidir qual fenda de frisagem
(D ou E) usar.
2. Identifique a cor/número do fio na cavidade do
conector. Certifique-se de que cada fio volte à 6. Segurando o terminal (F) pela extremidade de
cavidade correta. encaixe, insira primeiro o barril de isolamento (G)
através da parte dianteira da ferramenta e para
3. Pressione a Ferramenta de Extração de Terminais dentro da fenda de frisagem apropriada (D ou E).
JDG1369 na face do conector e remova o fio e o
terminal da parte de trás do conector. IMPORTANTE: Certifique-se de que ambos os
lados do barril de isolamento (G)
NOTA: Verifique o comprimento de desencapagem do sejam iniciados de maneira
fio e a altura de frisagem antes de usar a uniforme para dentro da seção de
ferramenta de frisagem AMP. Consulte as frisagem. NÃO tente frisar um
instruções fornecidas com a ferramenta. terminal que esteja posicionado
incorretamente.
4. Desencape o fio novo no comprimento indicado nas
instruções da ferramenta. Não chanfre nem corte 7. Posicione o terminal de maneira que o “U” aberto
os fios. do fio e dos barris de isolamento (H e G) fiquem de
frente para o topo da ferramenta. Coloque o
5. Segure a Ferramenta de Frisagem JDG708 AMP terminal para cima dentro do encaixe de maneira
de maneira que a parte de trás (lado do fio) esteja que o delimitador móvel (B) caia dentro da fenda
de frente para você. Pressione as hastes da do terminal, como mostrado. Coloque a
ferramenta e deixe que elas se abram extremidade dianteira do tambor do fio (H) contra o
completamente. delimitador móvel.

Continua na próxima página DPSG,OUO1004,2867 –54–06MAR02–1/3

CTM339 (03OCT05) 02-110-20 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=80
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

8. Segure o terminal (F) na posição e pressione as 9. Insira o fio desencapado (C) no isolamento do
hastes da ferramenta até acionar a catraca o terminal e nos barris do fio até que esteja unido
suficiente para manter o terminal na posição. NÃO contra o batente do fio.
deforme o barril de isolamento nem o barril do fio.
DPSG,OUO1004,2867 –54–06MAR02–2/3 02
110
21
10. Segure o fio e o terminal (A) no lugar. Pressione as
alavancas da ferramenta até a catraca ser liberada.
Deixe as alavancas da ferramenta se abrirem e
remova o terminal frisado.

NOTA: O terminal frisado pode emperrar na área de


frisagem. Ele pode ser removido com facilidade
empurrando para baixo o topo do delimitador (B).

11. Instale o fio na cavidade correta do conector.

12. Passe fita novamente nos fios e acrescente as cintas


plásticas necessárias no chicote.

A—Fio e Terminal
B—Delimitador

–UN–15MAR02
T112335E
DPSG,OUO1004,2867 –54–06MAR02–3/3

CTM339 (03OCT05) 02-110-21 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=81
Reparação e Ajuste do Controle Elétrico do Motor

02
110
22

CTM339 (03OCT05) 02-110-22 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=82
Seção 03
Teoria da Operação
Conteúdo

Página

Grupo 130—Operação do Sistema Eletrônico de


Combustı́vel 03
Sobre este Grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-130-1
Operação do Sistema de Combustı́vel . . . . . .03-130-2
Operação da Bomba de Suprimento de
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-130-4
Operação do Filtro Final de Combustı́vel . . . .03-130-5
Operação da Bomba Injetora de
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-130-6
Operação do Bico Injetor de Combustı́vel . . . .03-130-8

Grupo 140—Operação do Sistema de Controle


Eletrônico
Sobre este Grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-1
Terminologia do Sistema de Controle
Eletrônico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-2
Operação do Sistema de Controle
Eletrônico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-3
Monitoramento dos Parâmetros do Motor . . . .03-140-3
Visão Geral do Sistema de Controle
Eletrônico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-4
Medição da Temperatura . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-5
Medição da Pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-8
Medição da Posição do Acelerador . . . . . . . . .03-140-8
Medição da Rotação do Motor . . . . . . . . . . .03-140-12
Opções de Controle de Acelerador da
Marinha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-13
Controle do Acelerador de Sincronização
do Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-15
Transferência da Localização do Controle do
Acelerador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-17
Solenóide da Bomba . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-18
Sensor WIF (Água no Combustı́vel) . . . . . . .03-140-18
Unidade de Controle do Motor (ECU) . . . . . .03-140-20
Rede da Área do Controlador (CAN –
Controller Area Network) . . . . . . . . . . . . . .03-140-22
Operação do Controle de Cruzeiro . . . . . . . .03-140-23
Operação do Aquecedor do Ar de
Admissão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-23
Proteção do Motor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-24
Programas de Redução . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-24
Seleção de Curvas de Torque Múltiplo . . . . .03-140-25
Seleção do Modo de Depressão do
Comando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-25
Autodiagnóstico da Unidade de Controle do
Motor (ECU) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .03-140-26

CTM339 (03OCT05) 03-1 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=1
Conteúdo

03

CTM339 (03OCT05) 03-2 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=2
Grupo 130
Operação do Sistema Eletrônico de Combustı́vel
Sobre este Grupo

Neste grupo, as informações sobre o sistema de


combustı́vel são descritas nas seguintes categorias:

• Operação do Sistema de Combustı́vel


• Operação da Bomba de Suprimento de Combustı́vel
• Operação do Filtro Final de Combustı́vel
• Operação da Bomba Injetora de Combustı́vel
• Operação do Bico Injetor de Combustı́vel
03
130
RG40854,000001C –54–03DEC01–1/1 1

CTM339 (03OCT05) 03-130-1 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=85
Operação do Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Operação do Sistema de Combustı́vel

03
130
2

–UN–21DEC01
RG11957

A—Tanque de Combustı́vel E—Bomba Injetora de H—Linha de Retorno de J—Combustı́vel da Bomba de


B—Pré-Filtro Combustı́vel Combustı́vel Suprimento sob Pressão
C—Bomba de Suprimento de F—Válvula de Transbordo I—Combustı́vel sob Pressão K—Combustı́vel da Bomba
Combustı́vel G—Bico Injetor de do Tanque Injetora sob Pressão
D—Filtro Final de Combustı́vel Combustı́vel

A bomba de suprimento de combustı́vel (C) suga o combustı́vel é direcionado através do pré-filtro (B)
combustı́vel do tanque (A) pressurizando o antes de ir para a bomba de suprimento de
combustı́vel. Uma vez pressurizado na bomba de combustı́vel. Uma câmara de água pode ser incluı́da
suprimento, o combustı́vel percorre através do filtro com o pré-filtro ou com os filtros finais de combustı́vel.
final de combustı́vel (D) para a bomba injetora de Normalmente, a câmara de água localiza-se no
combustı́vel (E). Em algumas aplicações, o primeiro filtro do sistema.

Continua na próxima página RG40854,000001D –54–03DEC01–1/2

CTM339 (03OCT05) 03-130-2 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=86
Operação do Sistema Eletrônico de Combustı́vel

A bomba injetora de combustı́vel eleva a pressão do combustı́vel é forçado para fora de um pequeno
combustı́vel necessária à injeção. Este combustı́vel orifı́cio na ponta do bico injetor. Isto permite que o
com alta pressão é direcionado através das linhas de combustı́vel seja atomizado quando entra na câmara
suprimento (pressão) para os bicos injetores de de combustão. O excesso de combustı́vel dos bicos
combustı́vel (G). Se houver combustı́vel excedente na injetores é direcionado através da linha de retorno de
bomba injetora, ele é liberado através de uma válvula combustı́vel e volta para o tanque de combustı́vel. Em
de transbordo (F) e retornado ao tanque através da algumas aplicações, este combustı́vel se desloca
linha de retorno de combustı́vel (H). através de um resfriador de combustı́vel antes de
retornar para o tanque.
Quando a pressão do combustı́vel dentro do bico
injetor (G) vence a válvula do bico injetor, o 03
130
3

RG40854,000001D –54–03DEC01–2/2

CTM339 (03OCT05) 03-130-3 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=87
Operação do Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Operação da Bomba de Suprimento de


Combustı́vel

A bomba de suprimento de combustı́vel Sofabex usa um


ressalto excêntrico no comando de válvulas do motor
para operar a alavanca (G) na bomba de suprimento para
pressurizar o sistema de combustı́vel.

O combustı́vel é aspirado pela bomba do tipo diafragma


do tanque de combustı́vel para o lado de entrada (D)
03 desta bomba.
130
4
Uma vez que a alavanca (G) está montada no lado mais
alto do ressalto do comando de válvulas, a haste (F) puxa
o diafragma para baixo (I). A pressão de sucção abre a

–UN–17APR98
válvula de retenção da entrada (C) e o combustı́vel é
puxado para dentro da bomba.

Uma vez que a saliência do comando de válvulas roda

RG9119
para o lado mais baixo, a mola de retorno (E) força o
diafragma (I) para cima. A pressão resultante do
combustı́vel fecha a válvula de retenção de entrada (C) e
A—Saı́da de Combustı́vel
abre a válvula de retenção de saı́da (B), fornecendo o B—Válvula de Retenção da Saı́da
combustı́vel através da saı́da (A) para a bomba injetora. C—Válvula de Retenção da Entrada
D—Entrada de Combustı́vel
Existe uma alavanca do escorvador manual (H) para E—Mola de Retorno
F—Haste
forçar o combustı́vel através do sistema para sangrar o ar
G—Alavanca
do filtro de combustı́vel, das linhas, etc. H—Alavanca do Escorvador Manual
I—Diafragma

RG40854,0000110 –54–28SEP05–1/1

CTM339 (03OCT05) 03-130-4 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=88
Operação do Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Operação do Filtro Final de Combustı́vel

O combustı́vel entra no filtro pela entrada (C), flui através


do elemento do filtro (D) e sai através da saı́da (B) para a
bomba injetora de combustı́vel. O elemento do filtro de 5
mı́crons está alojado em uma câmara de sedimentos
fixada à base com um anel de retenção rosqueado.

Como a água e os contaminantes se assentam no fundo


da câmara de sedimentos, há um bujão de drenagem (E).
Em algumas opções, há uma câmara de água fixada na 03
base da câmara de sedimentos. 130
5

O ar no sistema pode ser expulso através do respiro


quando se afrouxa o parafuso de sangria (A). A bomba
de escorva opcional (F) suga o combustı́vel do tanque
para encher a câmara do filtro quando o elemento do filtro
é substituı́do. A bomba de escorva também fornece
combustı́vel do filtro para a bomba injetora.

A—Parafuso de Sangria
B—Saı́da de Combustı́vel
C—Entrada de Combustı́vel

–UN–27MAR98
D—Elemento do Filtro
E—Bujão de Drenagem
F—Bomba do Escorvador

RG9090
RG40854,0000111 –54–16JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 03-130-5 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=89
Operação do Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Operação da Bomba Injetora de Combustı́vel

03
130
6

–UN–20DEC01
RG11958
A—Conexão de Entrada de D—Anel do Came G—Válvula de Controle da J—Regulador de Pressão do
Combustı́vel E—Conexão de Descarga Bomba Alojamento/Conexão de
B—Eixo Propulsor de Serviço F—Solenóide de Controle de H—Rotor do Distribuidor Retorno de Combustı́vel
Pesado Combustı́vel I—Sensor de Temperatura do
C—Bomba de Transferência Combustı́vel

NOTA: A ilustração acima foi reproduzida com a A bomba de transferência de combustı́vel (dentro da
permissão da Stanadyne Automotive bomba injetora) suga o combustı́vel do filtro final
Corporation. através da conexão de entrada de combustı́vel (A).
Com cada rotação, ela pressuriza o combustı́vel entre
Os principais componentes da bomba injetora de 0 e 100 kPa (0 e 11 bar) (0 e 160 psi) dependendo da
combustı́vel Stanadyne DE10 são o eixo propulsor (B), rotação da bomba. Depois que o combustı́vel é
a bomba de transferência (C), as sapatas e o anel do pressurizado pela bomba de transferência, ele pode ir
came (D), o rotor do distribuidor (H), a válvula de para três locais: dentro dos êmbolos do anel do came
controle da bomba (G) e o solenóide do controle de (D), dentro das cavidades do alojamento da bomba
combustı́vel (F). O virabrequim do motor aciona o eixo injetora e recircular de volta para a passagem de
propulsor da bomba usando as engrenagens entre os entrada de combustı́vel.
dois componentes. A rotação do eixo propulsor
movimenta a bomba de transferência, as sapatas e os
roletes do came e o eixo do distribuidor pois todos
esses componentes estão acionados.

Continua na próxima página RG40854,0000112 –54–16JAN02–1/2

CTM339 (03OCT05) 03-130-6 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=90
Operação do Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Quando a válvula de controle da bomba está aberta, armazenar combustı́vel sob pressão é manter os
ela permite que o combustı́vel pressurizado pela componentes da bomba injetora resfriados e
bomba de transferência entre na câmara de alta lubrificados. A quantidade de combustı́vel liberada
pressão. A Unidade de Controle do Motor (ECU) dentro do alojamento é determinada pelo tamanho da
energiza o solenóide de controle do combustı́vel que agulha de respiro. A pressão do alojamento é
faz com que a válvula de controle da bomba se feche. controlada pelo regulador de pressão/conexão de
Quando a válvula de controle da bomba está fechada, retorno de combustı́vel (J). Se a pressão ultrapassar o
os êmbolos da câmara de alta pressão criam pressão regulador, ele devolverá o combustı́vel para o tanque.
de injeção porque são forçados para dentro pela A ECU monitora a temperatura do combustı́vel do
rotação do anel do came. O combustı́vel a alta alojamento através de um sensor de temperatura de
pressão é forçado através das conexões de descarga combustı́vel (I). Para obter mais informações sobre o 03
para os bicos injetores. Quando o solenóide de sensor de temperatura de combustı́vel, consulte 130
7
controle do combustı́vel é desenergizado, a válvula de MEDIÇÃO DE TEMPERATURA no Grupo 140 desta
controle da bomba se abre. O combustı́vel na câmara Seção.
de alta pressão se derrama para fora da câmara de
alta pressão e para dentro do combustı́vel da bomba O combustı́vel sob pressão da bomba de transferência
de transferência. restante percorre uma válvula reguladora da bomba de
transferência. Isso permite que o combustı́vel retorne
Um pouco do combustı́vel sob pressão da bomba de à pressão de entrada da bomba de combustı́vel. Ela
transferência é liberado através de um pórtico que circula o combustı́vel de volta através da bomba de
contém uma agulha de respiro dentro das cavidades transferência.
do alojamento da bomba injetora. O objetivo de

RG40854,0000112 –54–16JAN02–2/2

CTM339 (03OCT05) 03-130-7 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=91
Operação do Sistema Eletrônico de Combustı́vel

Operação do Bico Injetor de Combustı́vel

A ponta de pulverização do injetor (A) forma uma unidade


integral com o corpo do injetor (D) do qual não pode se
separar. O bico injetor é fixado no cabeçote de cilindros
por três pinças elásticas sobrepostas que pressionam o
grampo de localização e o parafuso. A pressão de
contato é limitada por um anel espaçador. O injetor é
vedado no cabeçote de cilindros em sua extremidade
inferior com uma vedação restritiva de carbono (B). A
03 extremidade superior é vedada com uma arruela de
130 vedação (D). O grampo (P) assegura a posição correta do
8
bico injetor de combustı́vel completo no cabeçote de
cilindros. A linha de retorno é acoplada por conexões T
(M), encaixadas no corpo do injetor e fixadas com uma
tampa com anel O (T).

O bico injetor de combustı́vel funciona basicamente da


mesma maneira que um injetor do tipo pulverização
normal. Sua pressão de abertura é ajustada pelo parafuso
de ajuste de pressão (O). O levantamento da válvula do
injetor (C) é ajustado pelo parafuso (K) localizado no

–UN–12FEB02
parafuso de ajuste de pressão.

A vedação restritiva de carbono (B) evita que o carbono

RG11959
se deposite ao redor do injetor no cabeçote de cilindros.
Os bicos injetores de combustı́vel têm quatro orifı́cios.

A—Ponta de pulverização
B—Vedação restritiva de carbono
C—Válvula do bico
D—Corpo do bico
E—Arruela de vedação
F—Conexão para a linha de injeção
G—Guia da válvula do injetor
H—Porca de união
I—Sede da mola
J—Mola de pressão ajustável
K—Parafuso de ajuste de levantamento
L—Porca autofrenante para o parafuso de ajuste de
pressão
M—Conexões T
N—Porca autofrenante para o parafuso de ajuste de
levantamento
O—Parafuso de ajuste de pressão
P—Grampo de localização
Q—Bocal Roscado
R—Tela do filtro
S—Linha da pressão do combustı́vel
T—Tampa

RG40854,0000020 –54–03DEC01–1/1

CTM339 (03OCT05) 03-130-8 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=92
Grupo 140
Operação do Sistema de Controle Eletrônico
Sobre este Grupo

Neste grupo, as informações sobre o sistema de controle


elétrico estão descritas nas seguintes categorias:

• Terminologia do Sistema de Controle Eletrônico


• Operação do Sistema de Controle Eletrônico
• Monitoramento dos Parâmetros do Motor
• Sistema de Controle Eletrônico
• Medida da Temperatura
– Sensor ECT (Temperatura do Lı́quido de 03
Arrefecimento do Motor) 140
1
– Sensor MAT (Temperatura do Ar do Coletor)
– Sensor de Perda de Temperatura do Lı́quido de
Arrefecimento
– Sensor de Temperatura de Combustı́vel
• Medida da Pressão
– Sensor de Pressão do Óleo
• Medida da Posição do Acelerador
• Medida da Velocidade do Motor
– Sensor de Posição do Virabrequim
• Opções de Controle de Acelerador da Marinha
– Controle do Acelerador de Sincronização do Motor
– Controle de Localização do Controle do Acelerador
• Solenóide da Bomba
• Sensor WIF (Água no Combustı́vel)
• Unidade de Controle do Motor (ECU)
• Rede da Área do Controlador (CAN – Controller Area
Network)
• Operação de Controle de Cruzeiro
• Operação do Aquecedor do Ar de Admissão
• Proteção do Motor
• Programas de Redução da Capacidade Normal
• Seleção de Curvas de Torque Múltiplo
• Seleção do Modo de Depressão do Comando
• Autodiagnóstico da Unidade de Controle do Motor
(ECU)

RG40854,0000021 –54–04OCT05–1/1

CTM339 (03OCT05) 03-140-1 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=93
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Terminologia do Sistema de Controle


Eletrônico
Atuador Um dispositivo controlado pela (ECU) para executar determinada função.

Analógico Sinal de que há uma faixa contı́nua de voltagens possı́veis. Normalmente sinais de 0 a 5 Volts ou 0 a 12 Volts.

Reforço Pressão de carga de ar no coletor de admissão.

CAN Rede da Área do Controlador. Rede de caminhos eletrônicos nos veı́culos que permite a comunicação entre os
controladores.
03
140 DTC Código de Diagnóstico de Falhas. Código que é armazenado na memória da ECU quando essa detecta um
2 problema no sistema de controle eletrônico.

Digital Um sinal que consiste de somente dois nı́veis de tensão — normalmente 0 Volts e +5 Volts.

ECT (Sensor de) Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor. Mede a temperatura do lı́quido de arrefecimento
do motor. Consulte MEDIDA DA TEMPERATURA mais adiante, neste Grupo, para obter detalhes.

ECU Unidade de Controle do Motor. O computador que controla os sistemas de combustı́vel, ar e ignição do motor.
Consulte UNIDADE DE CONTROLE DO MOTOR (ECU) mais adiante, neste Grupo, para obter detalhes.

FMI Identificador de Modo de Falha. A segunda parte de um código de duas partes que identifica os códigos de
problemas do sistema de controle de acordo com o padrão SAE J1939. O FMI identifica o tipo de falha que
ocorreu. A primeira metade do código é o Número do Parâmetro Suspeito (SPN).

J1587/J1708 O padrão da Society of Automotive Engineers (Sociedade de Engenheiros Automotivos) (SAE) para
componentes eletrônicos de veı́culos para serviço pesado. J1587 é o padrão do software. J1708 é o padrão de
hardware.

MAT (Sensor de) Temperatura do Ar do Coletor. Mede a temperatura do ar do coletor de admissão. Consulte MEDIDA
DA TEMPERATURA mais adiante, neste Grupo, para obter detalhes.

PROM Memória Programável, Somente Leitura. O chip de computador que contém as informações de calibração para o
sistema de controle do motor. Consulte UNIDADE DE CONTROLE DO MOTOR (ECU) mais adiante, neste
Grupo, para obter detalhes.

PWM Modulação da Largura de Pulso. Um sinal digital (não analógico) que consiste de um pulso gerado a uma
freqüência fixa. Quando um atuador é controlado por um sinal de PWM (Modulação de Largura de Pulso), o
tempo de funcionamento do sinal é aumentado ou diminuı́do (modulado) para aumentar ou diminuir a saı́da do
atuador.

RAM Memória de Acesso Aleatório. A parte da memória do computador dentro da ECU que se altera quando o motor
estiver funcionando e é armazenada enquanto o motor estiver desligado. Consulte UNIDADE DE CONTROLE
DO MOTOR (ECU) mais adiante, neste Grupo, para obter detalhes.

SAE Society of Automotive Engineers. Trabalhando com a sociedade para promover a segurança e a manutenção de
veı́culos e a conservação dos recursos energéticos.

Sensor Dispositivo usado pela ECU para monitorar os diversos parâmetros do motor.

SPN Número de Parâmetro Suspeito. A primeira metade de um código de duas partes que identifica os códigos de
falha do sistema de controle de acordo com o Padrão SAE J1939. O SPN identifica o sistema ou componente
que falhou. A segunda metade do código é o Identificador de Modo de Falha (FMI).

VBAT Voltagem da bateria ou tensão não comutada.

VSW Tensão comutada

RG40854,0000023 –54–03DEC01–1/1

CTM339 (03OCT05) 03-140-2 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=94
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Modo de Partida do Motor do Motor (ECT). Neste ponto, o motor dará partida e a
ECU entrará no modo de funcionamento.
Quando a chave for colocada na posição “LIGADA”,
uma tensão não permanente é enviada à Unidade de Modo de Funcionamento do Motor
Controle Eletrônico (ECU). Isto energiza a ECU e
permite que ela “inicialize” e se prepara No modo de funcionamento, a ECU monitora as
automaticamente a partida do motor. informações dos vários sensores e em seguida
determina a quantidade ideal de combustı́vel a ser
NOTA: Se um problema de fiação impedir que o sinal injetada e a sincronização ideal de injeção para que o 03
de LIGADO da chave chegue à ECU, o motor motor desenvolva alta potência enquanto mantém 140
3
não dará partida. baixa emissão de escape.dda posiçredor do injetor no
press n (D) do qual n A ECU controla o fornecimento
Logo que a ECU recebe uma entrada do sensor de de combustı́vel energizando e desenergizando o
posição do virabrequim de que o motor está girando, solenóide da válvula de controle da bomba. Quando a
ela moverá a válvula de controle da bomba para a ECU energiza o solenóide, a válvula de controle da
posição de “pressão”, que permitirá o aumento da bomba se fecha e a injeção se inicia. Quando a
pressão de injeção. O combustı́vel é fornecido para quantidade correta de combustı́vel tiver sido injetada,
todos os cilindros. Para proporcionar aumento da a ECU desenergiza o solenóide fazendo com que a
temperatura baixa, a quantidade de combustı́vel válvula de controle se abra e a injeção de combustı́vel
injetado tem como base a temperatura medida pelo seja interrompida.
sensor de Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento

RG40854,0000022 –54–03DEC01–1/1

Monitoramento dos Parâmetros do Motor

Para o sistema de controle eletrônico distribuir


combustı́vel de acordo com um determinado conjunto de
condições operacionais, os seguintes parâmetros são
monitorados pela ECU:

• Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor


(ECT)
• Perda de Calor do Lı́quido de Arrefecimento
• Temperatura do Ar do Coletor (MAT)
• Pressão do Óleo
• Temperatura do Combustı́vel
• Posição do Acelerador
• Sensor de Posição do Virabrequim

RG40854,0000026 –54–03DEC01–1/1

CTM339 (03OCT05) 03-140-3 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=95
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Visão Geral do Sistema de Controle Eletrônico

03
140
4

–UN–18DEC01
RG11960

A—Sensor de Pressão do Óleo D—Sensor de Posição do F—Sensor da ECT H—Sensor de Perda de Calor
B—Solenóide de Controle da Virabrequim G—Sensor de Temperatura do do Lı́quido de
Bomba E—Sensor de Temperatura do Ar do Coletor (MAT) Arrefecimento
C—Unidade de Controle do Combustı́vel
Motor (ECU)

NOTA: Alguns dos componentes mostrados são à posição do pistão. Para obter isso, o sistema de
opcionais e não são usados em todas as controle do motor executa as seguintes funções:
aplicações.
• Monitora constantemente as condições de operação
O sistema eletrônico de controle serve como um do motor
regulador do motor, controlando a válvula de controle • Fornece uma quantidade ideal de combustı́vel para
da bomba através de um solenóide de maneira que o as condições de operação
combustı́vel seja distribuı́do de acordo com um • Fornece modos de controle múltiplos
conjunto especı́fico de condições do motor, em • Executa autodiagnóstico
quantidades precisas e no momento exato, em relação

RG40854,0000024 –54–03DEC01–1/1

CTM339 (03OCT05) 03-140-4 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=96
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Medição da Temperatura

O sensor da Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do


Motor (ECT) e o sensor de Perda de Calor do Lı́quido de
Arrefecimento, o sensor de Temperatura do Ar do Coletor
(MAT) e o sensor de Temperatura do combustı́vel são

–UN–17AUG01
termistores (resistores variáveis sensı́veis à temperatura).
A resistência do sensor diminui quando a temperatura à
qual é exposta se eleva (coeficiente negativo de
temperatura). Temperaturas mais altas resultam em

RG11819
voltagens mais baixas e temperaturas menores resultam 03
em voltagens mais altas. A Unidade de Controle do Motor 140
5
(ECU) envia 5 Volts ao sensor, monitora a queda de
voltagem ao longo do sensor e compara a queda de
voltagem com os valores pré-programados na memória
da ECU para determinar a temperatura. Além dos
sensores de temperatura, algumas aplicações usam
interruptores de temperatura. O interruptor de perda de
calor do lı́quido de arrefecimento é um exemplo. Os
termostatos se fecham quando uma temperatura
especı́fica é atingida.

Continua na próxima página RG40854,0000025 –54–03DEC01–1/5

CTM339 (03OCT05) 03-140-5 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=97
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Sensor de Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento


do Motor (ECT)

Em muitas aplicações, o sensor de Temperatura do


Lı́quido de Arrefecimento do Motor (ECT) localiza-se no
alojamento do termostato (A). Em outras aplicações, ele
pode se localizar na traseira do cabeçote de cilindros.

–UN–29JAN02
A ECU monitora a temperatura do lı́quido de
arrefecimento para:
03

RG11963
140 • Fins de proteção do motor. Para obter mais
6
informações sobre programas de redução e proteção
ao motor, consulte PROTEÇÃO DO MOTOR ou
PROGRAMAS DE REDUÇÃO mais adiante neste A—Sensor da ECT
Grupo.
• Determinação da quantidade de combustı́vel para a
partida — A ECU ajustará a quantidade de combustı́vel
suprido durante a partida com base nas leituras iniciais
da ECT.
• Determinação da marcha lenta — Para aquecer mais
rapidamente o motor, a ECU aumenta a marcha lenta
depois da partida se for medida uma temperatura baixa
do lı́quido de arrefecimento.

RG40854,0000025 –54–03DEC01–2/5

Sensor de Perda de Calor do Lı́quido de


Arrefecimento

O sensor de Perda de Calor do Lı́quido de Arrefecimento


localiza-se na traseira do cabeçote de cilindros (A) em
algumas aplicações que usam esse motor.
–UN–26MAY00

A ECU monitora a perda de calor do lı́quido de


arrefecimento para fins de proteção do motor. Para obter
mais informações sobre programas de redução e
RG10766

proteção ao motor, consulte PROTEÇÃO DO MOTOR ou


PROGRAMAS DE REDUÇÃO mais adiante neste Grupo.

A—Sensor de Perda de Calor do Lı́quido de


Arrefecimento

Continua na próxima página RG40854,0000025 –54–03DEC01–3/5

CTM339 (03OCT05) 03-140-6 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=98
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Sensor de Temperatura do Ar do Coletor (MAT)

O sensor da Temperatura do Ar do Coletor (MAT)


localiza-se no tubo de passagem (A) ou no coletor de
admissão. O sensor MAT mede a temperatura do ar de
admissão para ajudar a ECU a calcular o fornecimento
correto de combustı́vel e para a partida a frio. A ECU

–UN–29JAN02
também monitora a temperatura do ar do coletor para fins
de proteção do motor. Para obter mais informações sobre
programas de redução e proteção ao motor, consulte
PROTEÇÃO DO MOTOR ou PROGRAMAS DE 03

RG11964
REDUÇÃO mais adiante neste Grupo. Este sensor é 140
7
opcional e não está incluı́do em todas as aplicações.

A—Sensor da MAT

RG40854,0000025 –54–03DEC01–4/5

Sensor de Temperatura do Combustı́vel

O sensor de temperatura do combustı́vel (A) localiza-se


na parte superior da bomba injetora. Ele mede a
temperatura do combustı́vel na bomba injetora que
atravessa a válvula de transbordo. A temperatura é
utilizada para auxiliar a ECU a calcular a quantidade

–UN–29JAN02
correta de combustı́vel para PROTEÇÃO DO MOTOR ou
PROGRAMAS DE REDUÇÃO posteriormente neste
Grupo.

RG11962
A—Sensor de Temperatura do Combustı́vel

RG40854,0000025 –54–03DEC01–5/5

CTM339 (03OCT05) 03-140-7 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=99
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Medição da Pressão

Os sensores de pressão do sistema são resistores


variáveis de 3 fios. À medida que a pressão se altera,
altera-se também a resistência do sensor. A ECU envia
uma voltagem de referência de 5 Volts ao sensor,

–UN–30JAN03
monitora o retorno da voltagem no fio de sinal do sensor
e compara a queda de tensão com os valores
pré-programados na memória da ECU para determinar a
pressão. Além dos sensores de pressão, algumas

RG12827
03 aplicações usam pressostatos. Os pressostatos
140 fecham-se quando uma pressão especı́fica é atingida.
8

RG40854,0000027 –54–03DEC01–1/2

Sensor de Pressão do Óleo

O sensor de pressão do óleo é um sensor opcional


localizado no compartimento principal do motor (A). A
ECU monitora a pressão do óleo para fins de proteção do
motor. Para obter mais informações sobre programas de

–UN–29JAN02
redução e proteção ao motor, consulte PROTEÇÃO DO
MOTOR ou PROGRAMAS DE REDUÇÃO mais adiante
neste Grupo.

RG11961
A—Sensor de Pressão do Óleo

RG40854,0000027 –54–03DEC01–2/2

Medição da Posição do Acelerador

Os motores de 4,5 l e 6,8 l têm a opção de operar com


um sinal de saı́da de um sensor de posição de um
acelerador analógico, um acelerador multiestado ou um
acelerador CAN. Em algumas aplicações, são usados
aceleradores múltiplos.

Continua na próxima página RG40854,0000031 –54–05DEC01–1/7

CTM339 (03OCT05) 03-140-8 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=100
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Acelerador Analógico

Um acelerador analógico utiliza um resistor variável


(potenciômetro) usado para medir a posição do
acelerador. A ECU envia uma voltagem de referência de
5 Volts ao sensor, monitora a queda da voltagem pelo

–UN–15JAN03
resistor e compara a queda de tensão com os valores
pré-programados na memória da ECU. A voltagem de
entrada do acelerador analógico normalmente varia entre
1,0 e 4,0 volts, dependendo da posição do acelerador. A

RG11820
voltagem do acelerador analógico em marcha lenta é de 03
aproximadamente 1,0 Volt e 4,0 Volts em alta rotação. A 140
Sensor de Posição 9
ECU tem a capacidade de aprender voltagens diferentes
para marcha lenta e alta rotação, portanto as voltagens
acima poderão mudar dependendo da aplicação.

RG40854,0000031 –54–05DEC01–2/7

Acelerador Multiestado

O acelerador multiestado é usado quando se desejam


algumas rotações fixas do motor. Existem três tipos de
aceleradores multiestado: Estado duplo, Estado triplo e
Rampa. Todos esses aceleradores são conectados

–54–11OCT02
exatamente da mesma maneira. A única diferença é que
o interruptor é usado para controlar a rotação do motor.
Para obter informações sobre cada um desses
aceleradores, consulte ACELERADOR DE ESTADO

RG12348
DUPLO, ACELERADOR DE ESTADO TRIPLO ou
ACELERADOR DA RAMPA mais adiante na Seção
Medição da Posição do Acelerador. Esquema do Acelerador Multiestado

Continua na próxima página RG40854,0000031 –54–05DEC01–3/7

CTM339 (03OCT05) 03-140-9 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=101
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Acelerador de Estado Duplo

O acelerador de estado duplo é usado em aplicações que


usam poucas rotações fixas do motor. Existem duas
posições disponı́veis, Marcha Lenta e Alta Rotação. O
interruptor usa dois resistores diferentes para alterar a

–54–11OCT02
voltagem retornada à ECU. A ECU usa uma tabela de
conversão interna para transformar a voltagem em uma
rotação especı́fica do motor. Quando o interruptor estiver
na posição de marcha lenta, a corrente será direcionada

RG12284
03 através de um resistor de 390 ohms. A posição de alta
140 rotação usa um resistor de 1.300 ohms. Essas rotações
10 Acelerador de Estado Duplo
podem ser ajustadas e salvas dependendo das
necessidades da aplicação.

RG40854,0000031 –54–05DEC01–4/7

Acelerador de Estado Triplo

O acelerador de estado triplo funciona muito similarmente


ao acelerador de estado duplo. Esse acelerador usa um
interruptor de três posições, Marcha Lenta, Alta Rotação
Ajustável e Alta Rotação Não Ajustável. O interruptor usa

–54–11OCT02
três resistores diferentes para alterar a voltagem
retornada à ECU. A ECU usa uma tabela de conversão
interna para transformar a voltagem em uma rotação
especı́fica do motor. Quando o interruptor estiver na

RG12285
posição de marcha lenta, a corrente será direcionada
através de um resistor de 390 ohms, a posição ajustável
de alta rotação usa um resistor de 1.300 ohms e a Acelerador de Estado Triplo
posição não ajustável de alta rotação usa um resistor de
3.000 ohms. Essas rotações ajustáveis podem ser
gravadas dependendo das necessidades da aplicação. A
alta rotação não ajustável é regulada na fábrica com alta
rotação do motor e não pode ser alterada. Essa posição
sempre ajustará a rotação do motor para o valor de alta
rotação de fábrica. As duas outras posições são
ajustáveis e funcionam exatamente como o acelerador de
estado duplo.

Continua na próxima página RG40854,0000031 –54–05DEC01–5/7

CTM339 (03OCT05) 03-140-10 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=102
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Acelerador da Rampa

O acelerador da rampa permite que o operador aumente


ou diminua lentamente a rotação do motor através de um
interruptor temporário de três posições (retorno por mola
à posição central). Se o interruptor for mantido na posição

–54–11OCT02
para cima, a rotação do motor aumentará em pequenos
incrementos. Se o interruptor for mantido na posição para
baixo, a rotação do motor diminuirá. Após a rotação
desejada ser selecionada, libere o interruptor na posição

RG12286
central. O interruptor usa três resistores diferentes para 03
alterar a voltagem retornada à ECU. Quando o interruptor 140
Acelerador da Rampa 11
estiver na posição desejada (centro), a corrente será
direcionada através de um resistor de 1.300 ohms. Ao
alterar a rotação do motor, um resistor de 390 ohms
reduz a rotação do motor e um de 3.000 ohms aumenta a
rotação do motor. A rotação permanecerá a mesma até
um ciclo da chave ou a troca de operador.

RG40854,0000031 –54–05DEC01–6/7

Acelerador de Barramento CAN

Acelerador do Barramento CAN é a informação enviada à


ECU por outro controlador através do barramento CAN da
posição desejada do acelerador.

–54–11OCT02
RG12349

Diagrama do Acelerador do Barramento CAN

RG40854,0000031 –54–05DEC01–7/7

CTM339 (03OCT05) 03-140-11 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=103
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Medição da Rotação do Motor

Sensor de Posição do Virabrequim

O sensor de posição do virabrequim funciona detectando


os entalhes nas respectivas rodas de sincronização.
Quando um entalhe da roda de sincronização estiver

–UN–29JAN02
diretamente sob o sensor, um sinal de voltagem é
induzido. A ECU monitora esse sinal de voltagem para
determinar a posição da roda de sincronização. O sensor
03 localiza-se na parte dianteira do virabrequim, atrás da

RG11965
140 engrenagem prensada do virabrequim.
12

O sensor de posição do virabrequim (A) é localizado na


parte dianteira do virabrequim. Ele é um sensor de A—Sensor de Posição do Virabrequim
captação do tipo indutivo que detecta os dentes da roda
de sincronização do virabrequim. A ECU usa a entrada de
posição do virabrequim para determinar a rotação do
motor.

RG40854,0000028 –54–03DEC01–1/1

CTM339 (03OCT05) 03-140-12 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=104
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Opções de Controle de Acelerador da Marinha

03
140
13

–UN–01NOV05
RG14542
Chicote Elétrico do Acelerador Duplo

A—Entrada do Acelerador da D—Relé de Corte da Partida I—Adaptador do Acelerador M—Bateria, Terra, Alimentação
Cabine de Comando E—Conector de 23 Pinos Auxiliar Após Chave de Ignição
B—Entrada de Seleção de F—Conector de 21 Pinos J—Entrada do Acelerador Ligada e Partida (para o
Estação da Cabine de G—Entrada Auxiliar de Auxiliar Painel de Instrumentos)
Comando Seleção de Estação K—Saı́da Sincronizada do N—Conexão CAN (para o
C—Conexão de Desligamento H—Adaptador da Seleção de Motor Painel de Instrumentos)
Externo Estação Auxiliar L—Entrada Sincronizada do
Motor

Os motores da marinha de 4,5L e 6,8L têm duas com transferência da localização de controle, e 2.
opções de acelerador duplo: 1. Aceleradores duplos Controle de sincronização do motor.

Continua na próxima página DB92450,0000036 –54–28SEP05–1/2

CTM339 (03OCT05) 03-140-13 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=105
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

A operação de qualquer das opções requer uma opções foram adquiridas. As duas opções não podem
variação do chicote elétrico de transição marı́tima ser operadas simultaneamente. A seguir, as
(mostrado acima). O tipo de variação do chicote descrições de operação de cada opção.
elétrico depende de se uma ou outra, ou ambas as
DB92450,0000036 –54–28SEP05–2/2

03
140
14

CTM339 (03OCT05) 03-140-14 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=106
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Controle do Acelerador de Sincronização do Motor

03
140
15

–UN–28SEP05
RG14460
Diagrama Esquemático de Controle do Acelerador de Sincronização do Motor

Dois motores marı́timos, com ECUs separadas, são do motor seguidor é desativada. Ele não responde
configurados de tal forma que suas velocidades mais à sua aceleração. Ele recebe continuamente a
podem ser coordenadas uma com a outra. A ECU de saı́da (E3) do tacômetro do motor principal (B), que a
um ou outro motor pode ser designada como ECU utiliza para fazer com que o motor seguidor coordene
principal através da página Opções de Ajustes. sua velocidade com o motor principal.

IMPORTANTE: Não se deve programar ambas as Para alcançar e manter o funcionamento da


ECUs como principais, nem velocidade do motor sı́ncrono:
programar ambas as ECUs para
serem seguidoras. • Ambas as velocidades dos motores deve estar entre
100 rpm, ou menos, um do outro.
A operação sincronizada do motor é ativada quando o • Os valores individuais do comando do acelerador
Interruptor de Ativação de Sincronização da ECU devem estar dentro de 5% um do outro.
Seguidora (A) é fechado. Isso fornece o caminho para • Ambos os valores do sinal de velocidade do motor
a tensão do sistema (comutada) (A2) para comandar a devem ser 975 rpm, ou mais.
ECU seguidora para permitir a operação sincronizada
do motor (C2). Ao tentar a operação do Motor sı́ncrono, se uma ou
mais das condições acima não for(em) satisfeita(s), as
Uma vez que a operação é ativada, as ECUs luzes de Ativação da Sincronização piscarão
fornecem potencial (G2) e terra (A2) para as luzes de continuamente, até que a(s) condição(ões) de falha
Ativação da Sincronização, que se acendem e ocorra(m).
permanecem acesas. A saı́da do tacômetro da ECU

Continua na próxima página DB92450,0000033 –54–28SEP05–1/2

CTM339 (03OCT05) 03-140-15 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=107
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

O teste das luzes de Ativação da Sincronização ocorre ignição deve ter permanecido DESLIGADA por no
quando a chave é LIGADA — as luzes se acendem mı́nimo 30 segundos, antes de ser ligada novamente.
brevemente. Para que este teste ocorra, a chave de

DB92450,0000033 –54–28SEP05–2/2

03
140
16

CTM339 (03OCT05) 03-140-16 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=108
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Transferência da Localização do Controle do Acelerador

03
140

–UN–28SEP05
17

RG14461
Diagrama Esquemático da Transferência da Localização do Controle do Acelerador

Este recurso permite o controle do acelerador a partir lâmpada de controle do acelerador da cabine se
de um local ou dois, da cabine de comando ou de apague. O controle do acelerador está agora no local
uma segunda estação (auxiliar). Quando a ECU é auxiliar, e não mais no local da cabine de comando,
inicializada com a chave LIGADA, o controle do derivado da Entrada do Acelerador da Cabine de
acelerador assume, por padrão, a estação selecionada Comando (E1) para a Entrada do Interruptor de
por meio da página de opções de reforço durante a Transferência do Acelerador da Cabine de Comando
última programação da ECU. (H2).

Para alterar a localização do controle do acelerador Para que a transferência do controle do acelerador
durante o funcionamento do motor, o interruptor do seja bem sucedida, a posição do acelerador solicitado
botão de pressão de seleção da estação no deve estar na faixa de 2% da posição do acelerador
acelerador solicitante é mantido acionado até que a ativo. Se o acelerador solicitante não estiver dentro
lâmpada da estação esteja acesa continuamente, dos 2% exigidos, na tentativa inicial de transferência
indicando que a transferência do controle do do controle, a lâmpada se acende e apaga. Se o
acelerador foi bem sucedida. Neste ponto, o interruptor do botão de pressão de seleção de estação
interruptor pode ser liberado sem interromper o for mantido acionado e o operador mover o acelerador
controle do acelerador na estação. solicitante para dentro dos 2% exigidos, a
transferência ocorrerá. A lâmpada passará do estado
No caso ilustrado na figura acima, o Interruptor de intermitente para o contı́nuo, e o interruptor no
Transferência do Acelerador na estação auxiliar de acelerador solicitante pode ser liberado.
controle do acelerador foi LIGADO. Isso conecta a
Entrada do Acelerador Auxiliar (B3) à Entrada do Se a posição do acelerador solicitante estiver fora do
Interruptor de Transferência do Acelerador Auxiliar intervalo operacional normal (ou seja, fora do intervalo
(H1), informando a ECU (A) do inı́cio da transferência. de sinal normal: mı́nimo de 0 a 0,5 V e máximo de 4,5
A ECU fornece potencial de Acionamento da Lâmpada a 5,0 V), sua lâmpada se acende momentaneamente,
do Acelerador Auxiliar (G2) através da lâmpada ao apagando-se em seguida e permanecendo apagada.
aterramento da alimentação (J2), ocasionando seu Se os contatos do interruptor de ambos os
acendimento. A ECU pára simultaneamente o aceleradores forem fechados simultaneamente, a ECU
potencial de Acionamento da Lâmpada do Acelerador seleciona o "local de mais alta prioridade", que foi
da Cabine de Comando (J1), fazendo com que a designado durante a programação da ECU.

Continua na próxima página DB92450,0000034 –54–04OCT05–1/2

CTM339 (03OCT05) 03-140-17 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=109
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Ao LIGAR a chave, um teste das lâmpadas em ambas A tensão normal de operação do acelerador é de 0,5 a
as estações do acelerador ocorrerão. Qualquer 4,5 V.
lâmpada que não se acenda durante este teste está
com defeito, e deve ser substituı́da. Para que esse
teste ocorra, a chave de ignição deve ter permanecido
DESLIGADA por no mı́nimo 30 segundos.

03
140
18 DB92450,0000034 –54–04OCT05–2/2

Solenóide da Bomba

Localizado na extremidade da bomba injetora, o solenóide


da bomba (A) controla o movimento da válvula de
controle da bomba. Isso controla a quantidade de
combustı́vel fornecida ao motor. Quando a Unidade de

–UN–29JAN02
Controle do Motor (ECU) não fornece corrente ao
solenóide, a válvula não se move. Portanto, a bomba
injetora não fornece combustı́vel. Quando a ECU fornece
corrente ao solenóide, a válvula de controle da bomba

RG11966
fecha a câmara de injeção alta, o que permite que o A
combustı́vel na câmara atinja a pressão de injeção. A
quantidade de combustı́vel é determinada por vários
sensores do sistema de controle e mensagens são A—Conector do Solenóide da Bomba
enviadas à ECU.

RG40854,0000115 –54–24JAN02–1/1

Sensor WIF (Água no Combustı́vel)

Sensor de Dois Fios

Continua na próxima página RG41183,00000E0 –54–04OCT05–1/3

CTM339 (03OCT05) 03-140-18 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=110
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

O sensor de água no combustı́vel consiste de dois


eletrodos (A) no fundo do reservatório do filtro final de
combustı́vel e um resistor de 200 quilohms, em paralelo
com os eletrodos. O combustı́vel diesel é um condutor
muito pobre de eletricidade, comparado com a água, e
enquanto há apenas combustı́vel no reservatório,
praticamente toda a corrente passa pelo resistor. Isso faz
com que a ECU (E) detecte apenas uma demanda

–UN–28SEP05
nominal e constante de corrente. Porém, quando a água
(D) desloca o combustı́vel no fundo do reservatório, além
dos isoladores do eletrodo (B), a resistência através dos 03
eletrodos se torna significativamente menor que através 140

RG14498
19
do resistor, e uma corrente adicional passa do D3,
alimentação do sinal de WIF, através da água pelos
eletrodos (C) para F2, retorno do circuito de WIF. Isso faz Diagrama Esquemático do Sensor WIF de Dois
Fios
com que a ECU detecte uma maior demanda de corrente,
o que reduz a taxa ou desliga o motor. Para obter mais
informações sobre programas de redução e proteção ao
motor, consulte PROTEÇÃO DO MOTOR ou
PROGRAMAS DE REDUÇÃO mais adiante neste Grupo.

RG41183,00000E0 –54–04OCT05–2/3

Sensor de Três Fios (Somente Marı́timo)

Sem água no reservatório no fundo do recipiente do filtro,


o interruptor do circuito WIF (interno da ECU) estabelece

–UN–28SEP05
uma tensão de +5 V no circuito. Quando há água no
reservatório, o sensor WIF faz com que o circuito WIF
passe para o terra, configurando o DTC em 97,00, e a
operação do motor sofre redução ou desliga. Para obter
RG14499

mais informações sobre programas de redução e


proteção ao motor, consulte PROTEÇÃO DO MOTOR ou
Diagrama Esquemático do Sensor WIF de Três
PROGRAMAS DE REDUÇÃO mais adiante neste Grupo. Fios

RG41183,00000E0 –54–04OCT05–3/3

CTM339 (03OCT05) 03-140-19 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=111
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Unidade de Controle do Motor (ECU)

A1 A2 A3
B1 B2 B3
C1 C2 C3
D1 D2 D3
E1 E2 E3

03 F1 F2 F3
140 G1 G2 G3
20
H1 H2 H3
J1 J2 J3
K1 K2 K3
Conector da ECU

–54–19DEC01
RG11967

A Unidade de Controle do Motor (ECU) é o “cérebro” • Fornece controle para todas as velocidades
do Sistema de Controle Eletrônico. A ECU é uma • Executa autodiagnóstico no sistema de controle
unidade independente que contém circuitos eletrônicos • Armazena os códigos de problemas na memória
e software que, juntos, executam as seguintes
funções: A ECU é composta dos seguintes subsistemas:

• Converte os sinais elétricos dos vários sensores em Conversores Analógico/Digital


sinais digitais
• Toma decisões sobre a quantidade ideal de Esta parte da ECU converte os sinais de voltagem
combustı́vel e sincronização com base nas analógica dos vários sensores em sinais digitais que a
informações provenientes de diversos sensores unidade de processamento central consegue
• Limita o combustı́vel máximo para operação em “entender”.
curvas múltiplas de potência
• Controla o solenóide da válvula de controle da
bomba para o fornecimento de combustı́vel
desejado

Continua na próxima página RG40854,0000029 –54–03DEC01–1/2

CTM339 (03OCT05) 03-140-20 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=112
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Unidade de Processamento Central (CPU) cálculos são temporariamente armazenados na RAM.


As informações na RAM são perdidas quando a
A unidade de processamento central executa cálculos voltagem da bateria para a ECU for removida.
matemáticos e funções lógicas necessários para
controlar a quantidade de combustı́vel e a — Memória Somente de Leitura - ROM
sincronização da injeção. A CPU controla o solenóide
de controle da bomba para a sincronização e A ROM contém informações programadas. As
quantidade de combustı́vel desejadas. Também informações da ROM só podem ser lidas, não
controla o sistema de autodiagnóstico. alteradas. As informações da ROM são retidas quando
a voltagem da bateria é removida.
Memória 03
— Memória Elétrica Apagável Programável Somente 140
21
A ECU contém 3 diferentes tipos de memória: de Leitura - EEPROM

— Memória de Acesso Aleatório - RAM A EEPROM contém informações programadas na


fábrica, incluindo dados especı́ficos do motor e dados
A RAM é como a área de trabalho da ECU. Os dados de aplicação. As informações da EEPROM são retidas
dos diversos sensores e os resultados de vários quando a voltagem da bateria é removida.

RG40854,0000029 –54–03DEC01–2/2

CTM339 (03OCT05) 03-140-21 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=113
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Rede da Área do Controlador (CAN –


Controller Area Network)

A Rede da Área do Controlador (CAN) é utilizada para


permitir a comunicação entre outros controladores no
motor ou no veı́culo e para conexão ao software de
diagnóstico. Todos os controladores necessários para a
comunicação através da CAN são conectados usando fios
que formam um barramento. O J1939 é um padrão SAE
que utiliza a CAN.
03
140
Praticamente só um tipo de informação pode ser
22
comunicada pelo Barramento da CAN. Essa informação
inclui números de peças, números de série, rotação do
motor, rotação do ventilador, etc. O motor também usa a
CAN para se comunicar com outros controladores de
veı́culo. Dependendo da aplicação, várias informações
como a posição do acelerador, solicitações de redução,
solicitações de desligamento, e códigos de diagnóstico de
problemas são comunicadas por esta rede. A CAN
também permite que um software como o SERVICE
ADVISOR se comunique com nosso controlador do
motor. Todas as informações vistas através do programa
são transferidas através do barramento da CAN.

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company RG40854,000002A –54–03DEC01–1/1

CTM339 (03OCT05) 03-140-22 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=114
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Operação do Controle de Cruzeiro

A ECU está disponı́vel com e sem a função de • Energia do controle de cruzeiro “LIGADA” ou
controle do cruzeiro. É um controle de cruzeiro fora de “DESLIGADA”
estrada que mantém a rotação do motor constante sob • “Ajustar” ou “Aumentar” a rotação do motor
condições variáveis de carga. Esta função destina-se • “Retomar” ou “Diminuir” a rotação do motor
especialmente a aplicações de campo onde o • Pedal do freio ou da embreagem do veı́culo para
operador enfrenta a necessidade de fazer conversões desligar o controle de cruzeiro
no veı́culo ao final de cada linha. Este controle de
cruzeiro permite que o motorista use o acelerador e/ou Nas ECUs de 12 Volts, a rotação do motor pode ser
freio para fazer a conversão do veı́culo. Quando ajustada a partir de dois locais diferentes. A 03
estiver pronto para retornar às operações de campo, o localização primária normalmente é na cabine do 140
23
operador acelera o motor para mais de 1.300 rpm e veı́culo e é usada para definir uma rotação constante
ativa a função Cancelar/Retomar novamente para do motor enquanto o veı́culo estiver sendo dirigido. O
retornar à velocidade de cruzeiro. Um cronômetro controle de cruzeiro secundário normalmente é usado
interno dá ao operador um minuto para concluir a em um local que tenha controle de velocidade PTO e
manobra de conversão. é usado com o motor em “neutro” ou fora de marcha.
Ambos os locais têm as funções normais de controle
O controle de cruzeiro tem as funções normais de: de cruzeiro.

RG40854,000002B –54–03DEC01–1/1

Operação do Aquecedor do Ar de Admissão

Uma função opcional não incluı́da em todas as ECUs, adequado, ela apaga a luz “Indicadora do Aquecedor
o aquecedor do ar de admissão é usado para de Ar” e desenergiza o relé do aquecedor de ar. Se o
aumentar a temperatura do ar no coletor de admissão operador girar a ignição de “LIGADA” para “PARTIDA”
para melhorar a partida a frio. Quando o operador gira nesse momento, o motor vai girar e dará partida.
a chave de “DESLIGADO” para “LIGADO”, a ECU usa
o sensor de temperatura do combustı́vel para Se o operador girar a chave de “PARTIDA” para
determinar a temperatura do motor e do ar ambiente, “LIGADA” sem esperar que a luz “Indicadora do
acende a luz “Indicadora do Aquecedor de Ar” no Aquecedor de Ar” apague, a ECU vai desenergizar o
painel e energiza o relé do aquecedor de ar. relé do aquecedor de ar e será necessário um ciclo
chave-desligada/chave-ligada antes de permitir o
O relé do aquecedor de ar, por sua vez, energiza as pré-aquecimento novamente.
bobinas do aquecedor de ar localizadas no coletor de
admissão. A ECU manterá o relé do aquecedor de ar Sempre que o motor girar mas não der partida, será
energizado por um perı́odo de tempo determinado necessário um ciclo chave-desligada/chave-ligada
pelas temperaturas medidas. Quando a ECU antes que o pré-aquecimento seja permitido
determinar que o tempo de pré-aquecimento é novamente.

RG40854,000002C –54–03DEC01–1/1

CTM339 (03OCT05) 03-140-23 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=115
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Proteção do Motor

A proteção é necessária para evitar danos ao motor. segundos. Se o problema for corrigido dentro do
Há três programas diferentes de proteção do motor perı́odo de retardo de 30 segundos, a potência
disponı́veis nas Unidades de Controle do Motor aumentará a uma taxa determinada até alcançar a
(ECUs): potência total.
Recurso de Cancelamento de Desligamento
• Sem Proteção — A ECU não tem o programa para
reduzir ou desligar o motor. É responsabilidade do NOTA: Ao segurar o interruptor de cancelamento de
operador reagir às luzes de advertência em suas desligamento continuamente na posição
03 aplicações. Pode ser necessário desligar ou reduzir “LIGADO” o cronômetro de 30 segundos não
140 o motor dependendo do Código de Problema de será zerado.
24
Diagnóstico (DTC) estabelecido. Consulte o manual
do operador para identificar esta informação para Os desligamentos de proteção do motor podem ser
uma dada aplicação. cancelados por 30 segundos de cada vez. Isso pode
• Proteção do Motor SEM Desligamento — A ECU ser usado para mover o veı́culo até um local seguro.
tem a capacidade de reduzir o motor. É Cada vez que o interruptor é pressionado, o
responsabilidade do operador reagir à(s) luz(es) de cronômetro de desligamento é restaurado para 30
advertência em suas aplicações para identificar se é segundos e o motor funcionará em modo de redução
necessário desligar o motor. Consulte o manual do da capacidade normal. Consulte ESPECIFICAÇÕES
operador para recuperar esta informação para uma DA APLICAÇÃO na Seção 6, Grupo 210, deste
dada aplicação. manual para informar-se sobre os recursos de
• Proteção do Motor com Desligamento— A ECU proteção do motor nos diferentes sensores de sua
reduzirá o motor para dados DTCs. Se um DTC que aplicação.
exige o desligamento está ajustado, a ECU reduzirá
drasticamente o motor e o desligará em 30

RG40854,000002D –54–04DEC01–1/1

Programas de Redução

A Unidade de Controle Eletrônica (ECU) reduzirá a de combustı́vel. Consulte ESPECIFICAÇÕES DA


quantidade de combustı́vel fornecida ao motor quando APLICAÇÃO, na Seção 06, Grupo 210 deste manual
as entradas do sensor ultrapassarem as faixas para obter especificações sobre a redução do sensor
normais de operação. Um Código de Problema de de acordo com a aplicação.
Diagnóstico (DTC) sempre acompanha uma redução

RG40854,000002F –54–04DEC01–1/1

CTM339 (03OCT05) 03-140-24 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=116
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Seleção de Curvas de Torque Múltiplo

A ECU tem a capacidade de limitar a quantidade máxima


de combustı́vel de tal maneira que as curvas de torque
múltiplo possam ser selecionadas individualmente
enquanto o motor estiver funcionando. A seleção de
curvas de torque múltiplo é determinada pelos sinais do
interruptor para o terminal de seleção de curva de torque
da ECU ou por mensagens de outros controladores da
Rede de Área do Controlador (CAN) da máquina. Na
maioria das aplicações, uma curva de torque é usada 03
para operação “normal”. Diversas outras curvas de torque 140
25
reduzidas serão usadas para proteger os eixos, engates,
transmissões, etc., sob determinadas condições de
operação.

Por exemplo: uma máquina pode escolher curvas de


torque múltiplo usando uma disposição simples de
interruptores. Um simples interruptor reversı́vel
liga/desliga e um resistor podem ser usados para comutar
entre a curva de torque 1 (potência máxima) e qualquer
uma das outras curvas de torque. Quando o interruptor

–54–24SEP02
for aberto, a ECU comandará a curva de torque 1.
Quando o interruptor for fechado, a ECU comandará uma
das outras curvas dependendo da resistência na linha.
Consulte ESPECIFICAÇÕES DA APLICAÇÃO na Seção

RG8552
6, Grupo 210, deste manual e consulte a curva de torque
correspondente para a sua aplicação.

RG40854,000002E –54–04DEC01–1/1

Seleção do Modo de Depressão do Comando

O sistema de controle eletrônico fornece regulagens na rotação do motor com a troca de carga até que o
para todas as velocidades. A Unidade de Controle do limite de torque do motor seja alcançado. A marcha
Motor (ECU) controla a rotação do motor com base no lenta de fábrica é sempre ajustada para regulagem
sinal do acelerador analógico. isócrona. A seleção da depressão pode ser
determinada pela rotação do motor, carga e controle
A ECU também tem a capacidade de fornecer de cruzeiro, dependendo da aplicação. Consulte
depressão normal e isócrona (0%). A depressão ESPECIFICAÇÕES DA APLICAÇÃO na Seção 6,
normal dá uma queda na rotação do motor com um Grupo 210, deste manual e consulte o modo de
aumento de carga ou um aumento na rotação do depressão do comando correspondente para a sua
motor com uma redução de carga. Quando estiver em aplicação.
isócrono, a depressão está em 0% e não há alteração

RG40854,0000030 –54–04DEC01–1/1

CTM339 (03OCT05) 03-140-25 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=117
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Autodiagnóstico da Unidade de Controle do Motor (ECU)

A Unidade de Controle do Motor (ECU) tem a Os códigos SPN/FMI são escritos a partir da norma
capacidade de detectar problemas internamente e no SAE J1939 como códigos de duas partes. A primeira
sistema de controle eletrônico. Isso inclui determinar parte do código é o Número do Parâmetro Suspeito
se qualquer sinal de tensão do sensor estiver muito (SPN). Normalmente, ele contém de 2 a 4 dı́gitos. O
alto ou muito baixo. Se a ECU detectar um problema SPN identifica o sistema ou o componente que tem a
com o sistema de controle eletrônico, um Código de falha, por exemplo, SPN 110 indica uma falha no
Diagnóstico de Falhas (DTC), especı́fico para o circuito de temperatura do lı́quido de arrefecimento do
sistema com defeito, será armazenado na memória da motor. A segunda parte do código é chamada de
03 ECU. código do Identificador de Modo de Falha (FMI). O
140 FMI contém 2 dı́gitos. O FMI identifica o tipo de falha
26
Existem dois tipos de DTCs: que ocorreu: por exemplo, FMI 3 indica valor acima do
normal. Para determinar a falha exata, são
• Ativo necessários o SPN e o FMI. Combinar o SPN 110
• Armazenado com o FMI 3 torna alta a tensão de entrada da
temperatura do lı́quido de arrefecimento do motor .
Os DTCs ativos indicam que a falha está ocorrendo.
Essas falhas às vezes são chamadas de falhas Em todas as aplicações com a Unidade de Controle
"concretas". do Motor (ECU) Nı́vel 12, a ECU transmite os códigos
SPN/FMI para a Rede da Área do Controlador (CAN).
Os DTCs armazenados indicam que ocorreu uma Isso permite o uso de ferramentas de serviço como o
falha no passado, mas que não está ocorrendo no SERVICE ADVISOR e o Indicador de Diagnóstico
momento. Este tipo de DTC pode ser causado por para exibir os DTCs ativos e armazenados. Ao usar o
uma falha "intermitente". Essas podem ser problemas SERVICE ADVISOR, os códigos serão exibidos no
como um mau contato ou um fio intermitentemente em formato 000000.00. Por exemplo, SPN 110 FMI 3 será
curto com o terra. exibido como 000110.03.

Há diversos métodos diferentes para exibir os DTCs OUTROS CÓDIGOS


armazenados e ativos na ECU.
Se os códigos não forem exibidos como códigos
NOTA: Se o SERVICE ADVISOR for utilizado para SPN/FMI ou códigos de 2 dı́gitos, talvez o aplicativo
ler uma tensão do sensor e valor calculado e esteja utilizando outro formato. Por exemplo, em
houver um DTC ativo para aquele sensor, o alguns aplicativos, o código F455 é exibido para a
valor calculado para esse sensor será o valor tensão alta de entrada da temperatura do lı́quido de
"voltar ao inı́cio" e a tensão será a tensão real arrefecimento do motor. Isso pode ser visto em
do sensor. Use a tensão durante o algumas aplicações dentro do SERVICE ADVISOR.
diagnóstico, a não ser que seja orientado de Neste manual, é necessário converter este formato de
outra forma por uma tabela de diagnósticos. código em um código SPN/FMI para garantir que o
procedimento de diagnóstico correto seja seguido.
Há diversos métodos diferentes para exibir os DTCs Consulte a LISTAGEM DE CÓDIGOS DE
armazenados e ativos na ECU. DIAGNÓSTICO DE FALHAS (DTCS) NA ECU

CÓDIGOS SPN/FMI LÂMPADA DE ADVERTÊNCIA

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company


SERVICE ADVISOR Continua na próxima página RG,RG34710,1540 –54–30SEP97–1/2

CTM339 (03OCT05) 03-140-26 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=118
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

Em algumas aplicações, existe uma lâmpada de LIMPEZA DOS DTCS ARMAZENADOS


advertência que é usada quando um código se torna
ativo. Normalmente, uma luz constante indica que a Os DTCs armazenados podem ser apagados através
ECU está tomando medidas extremas para proteger o do SERVICE ADVISOR. Consulte o manual da
motor e uma luz intermitente indica que a ECU máquina ou veja LIMPEZA DOS DTCS
detectou uma falha e o desempenho do motor pode ARMAZENADOS NO INDICADOR DE
ser afetado. Consulte o Manual do Operador para DIAGNÓSTICO, no Grupo 160, mais adiante, neste
obter informações mais detalhadas sobre uma dada manual, para determinar como apagar o leitor de
aplicação. códigos.

03
140
SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company RG,RG34710,1540 –54–30SEP97–2/2 27

CTM339 (03OCT05) 03-140-27 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=119
Operação do Sistema de Controle Eletrônico

03
140
28

CTM339 (03OCT05) 03-140-28 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=120
Seção 04
Diagnósticos
Conteúdo

Página Página

Grupo 150—Diagnósticos e Testes Observáveis D2 - Procedimento de Diagnóstico


Sobre este Grupo do Manual . . . . . . . . . . . . .04-150-1 Indicador de Diagnóstico Não se
E1 - O Motor dá Partida/Não dá Partida . . . . .04-150-2 Comunica com a ECU . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-45
E1 - Motor dá Partida/Não dá Partida - A1 - Verificação do Aquecedor da
Procedimento de Diagnóstico . . . . . . . . . . .04-150-2 Admissão de Ar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-50
E2 - Falha/Funcionamento Irregular do A1 - Verificação do Aquecedor da
Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-8 Admissão de Ar - Continuação . . . . . . . . .04-150-51 04
E2 - Procedimento de Diagnóstico de A1 - Verificação do Aquecedor di Ar de
Falha/Funcionamento Irregular do Motor . . .04-150-8 Admissão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-52
E3 - O Motor Não Desenvolve Potência A1 - Procedimento do Diagnóstico de
Máxima . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-14 Verificação do Aquecedor do Ar de
E3 - O Motor Não Desenvolve Potência Admissão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-52
Máxima – Procedimento de Verificação da Qualidade do Suprimento de
Diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-14 Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-55
E4 - Motor Emite Muita Fumaça Branca Pelo Teste a Drenagem de Retorno do
Escapamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-20 Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-56
E4 - Procedimento de Diagnóstico Motor Teste o Ar no Combustı́vel . . . . . . . . . . . . . .04-150-57
Emite Fumaça de Escape Branca em Verificação da Pressão de Suprimento de
Excesso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-20 Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-58
E5 - Motor Emite Muita Fumaça Preta ou Teste de Bancada da Bomba de Suprimento
Cinza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-24 de Combustı́vel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-59
E5 - Motor Emite Muita Fumaça Preta ou Sangria do Sistema de Combustı́vel . . . . . . .04-150-61
Cinza - Procedimento de Diagnóstico . . . .04-150-24
Teste Quanto a Falha na Ignição do Cilindro
E6 - Motor Não Gira . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-27
(Motor Funcionando) . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-64
E7 - Marcha Lenta do Motor Está Fraca . . . .04-150-28
E8 - Ruı́do Anormal no Motor . . . . . . . . . . . .04-150-29
E9 - Acelerador Analógico (B) Não Grupo 160—Diagnósticos de Código de Problemas
Responde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-31 e Testes
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-32 Sobre este Grupo do Manual . . . . . . . . . . . . .04-160-1
F1 - Procedimento de Diagnóstico e Conceitos Elétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-1
Verificação do Sistema de Suprimento de Uso de um Multı́metro Digital . . . . . . . . . . . . .04-160-2
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-32 Defeitos do Circuito Elétrico . . . . . . . . . . . . . .04-160-2
F2 - Consumo Excessivo de Combustı́vel . . .04-150-35 Detecção e Resolução de Problemas de
F3 - Combustı́vel no Óleo . . . . . . . . . . . . . . .04-150-35 Defeitos do Circuito . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-5
F5 - Verificação do Bico Injetor de Parâmetros de Dados de Configuração do
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-36 Motor no Indicador de Diagnóstico . . . . . .04-160-10
D1 - A ECU Não Se Comunica Com DST ou Exibição dos DTCs no Indicador de
SERVICE ADVISOR . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-38 Diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-12
D1 - A ECU Não Se Comunica Com DST ou Exibição dos DTCs Armazenados no Aferidor
SERVICE ADVISOR . . . . . . . . . . . . . . .04-150-39 de Diagnóstico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-13
D1 - A ECU Não Se Comunica Com o DST Limpeza dos DTCs Armazenados no
ou SERVICE ADVISOR - Procedimento de Indicador de Diagnóstico . . . . . . . . . . . . . .04-160-14
Diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-39 DTCs Intermitentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-15
D2 - Indicador de Diagnóstico Não se Descrição do Parâmetro de Dados . . . . . . . .04-160-16
Comunica com ECU . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-44
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-150-45 Continua na próxima página

CTM339 (03OCT05) 04-1 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=1
Conteúdo

Página Página

Instruções de Teste do Motor – Teste de T11 - Procedimento de Diagnóstico da


Alteração da Curva de Torque da Tensão Alta de Referência do Acelerador da
Escavadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-19 Escavadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-59
Reprogramação da Unidade de Controle do T12 - Tensão Baixa de Referência do
Motor (ECU) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-19 Acelerador da Escavadora. . . . . . . . . . . . .04-160-62
Códigos de Diagnóstico de Falhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-63
(DTCs). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-20 T12 - Procedimento de Diagnóstico da
Lista dos Códigos de Diagnóstico de Tensão Baixa de Referência do Acelerador da
Falhas (DTCs) na ECU . . . . . . . . . . . . . . .04-160-22 Escavadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-63
Procedimento de Diagnóstico . . . . . . . . . . . .04-160-26 T13 - Tensão Alta do Terra do Acelerador da
Diagnósticos de Falhas Intermitentes . . . . . .04-160-27 Escavadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-66
T1 - Entrada Alta do Acelerador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-67
Multiestado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-28 T13 - Procedimento de Diagnóstico da
04 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-29 Tensão Alta do Terra do Acelerador da
T1 - Procedimento de Diagnóstico de Escavadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-67
Entrada Alta do Acelerador Multiestado . . .04-160-29 T14 - Tensão Baixa do Terra do Acelerador
T2 - Entrada Baixa do Acelerador da Escavadora. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-70
Multiestado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-71
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-33 T14 - Procedimento de Diagnóstico da
T2 - Procedimento de Diagnóstico de Tensão Baixa do Terra do Acelerador da
Entrada Baixa do Acelerador Escavadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-71
Multiestado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-33 T15 - Tensão Alta da Entrada do Acelerador
T3 - Entrada Alta do Acelerador Analógico da Escavadora. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-74
(A) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-36 T15 - Procedimento de Diagnóstico da
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-37 Tensão Alta da Entrada do Acelerador da
T3 - Procedimento de Diagnóstico de
Escavadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-75
Entrada Alta do Acelerador Analógico
T16 - Tensão Baixa da Entrada do
(A) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-37
Acelerador da Escavadora. . . . . . . . . . . . .04-160-78
T4 - Entrada Baixa do Acelerador
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-79
Analógico (A) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-40
T16 - Procedimento de Diagnóstico da
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-42
Tensão Baixa da Entrada do Acelerador da
T4 - Procedimento de Diagnóstico da
Escavadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-79
Entrada Baixa do Acelerador Analógico
T17 - Entrada Alta do Acelerador
(A) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-42
T5 - Entrada Alta do Acelerador Analógico Analógico (C). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-82
(B) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-46 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-83
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-47 T17 - Procedimento de Diagnóstico da
T5 - Procedimento de Diagnóstico da Entrada Alta do Acelerador Analógico
Entrada Alta do Acelerador Analógico (C) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-83
(B) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-47 T18 - Entrada Baixa do Acelerador
T6 - Entrada Baixa do Acelerador Analógico (C). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-86
Analógico (B) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-50 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-87
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-51 T18 - Procedimento de Diagnóstico da
T6 - Procedimento de Diagnóstico da Entrada Baixa do Acelerador Analógico
Entrada Baixa do Acelerador Analógico (C) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-87
(B) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-51 T19 - Acelerador Não Calibrado
T7 - Acelerador da CAN Inválido. . . . . . . . . .04-160-54 Adequadamente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-90
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-55 T20 - Tensão de Entrada do Acelerador
T7 - Procedimento de Diagnóstico para Abaixo do Limite de Calibração Inferior . . .04-160-90
Acelerador da CAN Inválido. . . . . . . . . . . .04-160-55 T21 - Calibração de Acelerador
T11 - Tensão Alta de Referência do Cancelada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-91
Acelerador da Escavadora. . . . . . . . . . . . .04-160-58
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-59 Continua na próxima página

CTM339 (03OCT05) 04-2 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=2
Conteúdo

Página Página

T22 - Tensão da Entrada do Acelerador 000097.31 — Água Detectada no


Analógico (A) Fora da Faixa . . . . . . . . . . .04-160-92 Combustı́vel (Somente Trator de Esteiras
T23 - Tensão de Entrada do Acelerador 750J) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-120
Multiestado Fora do Intervalo. . . . . . . . . . .04-160-93 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-121
000028.03 — Tensão Alta do Acelerador . . .04-160-94 Procedimento de Diagnóstico de Água
000028.04 — Tensão Baixa do Detectada no Combustı́vel (Somente
Acelerador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-94 Trator de Esteiras 750J) . . . . . . . . . . . . .04-160-121
000029.03 — Tensão Alta do Acelerador . . .04-160-95 000100.01 — Pressão do Óleo do Motor
000029.04 — Tensão Baixa do Extremamente Baixa . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-124
Acelerador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-95 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-126
000029.14 — Tensão do Acelerador Fora 000100.01 Procedimento Diagnóstico de
da Faixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-96 Pressão do Óleo do Motor Extremamente
000084.31 — Incompatibilidade da Baixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-126
Velocidade do Veı́culo . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-98 000100.03 — Tensão Alta na Entrada de 04
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-99 Pressão do Óleo do Motor. . . . . . . . . . . .04-160-128
000084.31 Procedimento de Diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-129
de Incompatibilidade da Velocidade do 000100.03 Procedimento de Diagnóstico de
Veı́culo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-99 Tensão Alta de Entrada da Pressão do
000091.03 — Tensão Alta do Óleo do Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-129
Acelerador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-101 000100.04 — Voltagem Baixa de Entrada
000091.04 — Tensão Baixa do de Pressão no Óleo do Motor . . . . . . . . .04-160-132
Acelerador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-102 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-134
000091.07 — Calibragem do Acelerador 000100.04 Procedimento Diagnóstico de
Inválida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-103 Voltagem Baixa de Entrada da Pressão
000091.10 — Tensão Baixa do do Óleo do Motor. . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-134
Acelerador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-103
000100.16 - Pressão de Óleo do Motor
000091.13 — Calibragem do Acelerador
Alta, Nı́vel Moderadamente Grave . . . . . .04-160-138
Cancelada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-104
000100.16 — Pressão do Óleo do Motor Alta,
000091.14 — Tensão do Acelerador Fora
Nı́vel Moderadamente Grave,
da Faixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-105
Procedimento de Diagnóstico de Leitura
000097.00 — Água Detectada
Incorreta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-138
Continuamente no Combustı́vel . . . . . . . .04-160-105
Teste Elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-139
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-107
000100.18 — Pressão do Óleo do Motor
Procedimento de Diagnóstico de Água
Detectada Continuamente no Moderadamente Baixa . . . . . . . . . . . . . . .04-160-140
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-107 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-141
000097.03 — Tensão Alta do Sinal de Água 000100.18 Procedimento Diagnóstico de
no Combustı́vel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-110 Pressão do Óleo do Motor Moderadamente
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-111 Baixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-141
000097.03 Procedimento de Diagnóstico 000105.03 — Tensão Alta na Entrada da
da Tensão Alta do Sinal de Água no Temperatura do Ar do Coletor . . . . . . . . .04-160-144
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-111 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-145
000097.04 — Tensão Baixa do Sinal de 000105.03 Procedimento de Diagnóstico da
Água no Combustı́vel . . . . . . . . . . . . . . .04-160-114 Tensão de Entrada Alta da
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-115 Temperatura do Ar do Coletor . . . . . . . . .04-160-145
000097.04 Procedimento de Diagnóstico 000105.04 — Tensão Baixa de Entrada
da Tensão Baixa do Sinal de Água no da Temperatura do Ar do Coletor . . . . . .04-160-148
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-115 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-149
000097.16 — Água Detectada no 000105.04 Procedimento Diagnóstico de
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-118 Tensão Baixa de Entrada da
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-119 Temperatura do Ar do Coletor . . . . . . . . .04-160-149
000097.16 Procedimento de Diagnóstico
Água Detectada no Combustı́vel . . . . . . .04-160-119 Continua na próxima página

CTM339 (03OCT05) 04-3 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=3
Conteúdo

Página Página

000105.16 — Temperatura do Ar do Coletor 000111.03 — Perda de Tensão Alta de


Moderadamente Alta . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-152 Entrada da Temperatura do Lı́quido de
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-153 Arrefecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-178
000105.16 Procedimento de Diagnóstico de . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-179
Temperatura do Ar do Coletor Moderadamente 000111.03 Procedimento de Diagnóstico da
Alta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-153 Perda de Tensão Alta de Entrada da
000110.00 — Temperatura do Lı́quido de Temperatura do Lı́quido de
Arrefecimento do Motor Extremamente Arrefecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-179
Alta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-154 000111.04 — Tensão Baixa de Entrada da
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-155 Perda de Temperatura do Lı́quido de
000110.00 Procedimento de Diagnóstico da Arrefecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-182
Temperatura Extremamente Alta do . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-183
Lı́quido de Arrefecimento do Motor . . . . .04-160-155 000111.04 Procedimento de Diagnóstico da
04 000110.03 — Tensão Alta na Entrada da Tensão Baixa de Entrada de Perda de
Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Temperatura do Lı́quido de
Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-158 Arrefecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-183
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-159 000158.17 — Erro no Desligamento da
000110.03 Procedimento de Diagnóstico da ECU. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-186
Tensão Alta de Entrada da . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-187
Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do 000158.17 Procedimento de Diagnóstico
de Erro de Desligamento da ECU . . . . . .04-160-187
Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-159
000160.02 — Ruı́do na Entrada de Rotação
000110.04 — Tensão Baixa na Entrada da
da Roda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-190
Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-191
Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-162
000160.02 Procedimento de Diagnóstico
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-163
do Ruı́do na Entrada de Rotação da
000110.04 Procedimento de Diagnóstico da
Roda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-191
Tensão Baixa de Entrada da
000171.03 — Tensão da Entrada de
Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do
Temperatura de Ar Ambiente Fora da
Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-163 Faixa Alta (somente Tratores de Esteira
000110.15 — Temperatura Alta do 750J) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-193
Lı́quido de Arrefecimento do Motor Menos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-194
Grave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-166 000171.03 Procedimento de Diagnóstico da
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-167 Tensão de Entrada da AAT Fora da
000110.15 Procedimento Diagnóstico de Faixa Alta (somente Tratores de Esteiras
Temperatura Alta do Lı́quido de 750J) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-194
Arrefecimento do Motor Menos Grave . . .04-160-167 000171.04 — Tensão da Entrada de
000110.16 — Temperatura do Lı́quido de Temperatura de Ar Ambiente Fora da
Arrefecimento do Motor Moderadamente Faixa Baixa (somente Tratores de Esteira
Alta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-170 750J) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-197
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-171 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-198
000110.16 Procedimento Diagnóstico de 000171.04 Procedimento de Diagnóstico da
Temperatura do Lı́quido de Tensão de Entrada da Temperatura do
Arrefecimento do Motor Moderadamente Ar Ambiente Fora da Faixa Baixa . . . . . .04-160-198
Alta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-171 000174.03 — Tensão Alta na Entrada da
000111.00 — Perda de Lı́quido de Temperatura do Combustı́vel. . . . . . . . . .04-160-200
Arrefecimento de Temperatura Extremamente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-201
Alta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-174 000174.03 Procedimento de Diagnóstico da
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-175 Tensão Alta da Entrada de Temperatura do
000111.00 Procedimento de Diagnóstico da Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-201
Perda de Temperatura Extremamente
Alta do Lı́quido de Arrefecimento. . . . . . .04-160-175 Continua na próxima página

CTM339 (03OCT05) 04-4 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=4
Conteúdo

Página Página

000174.04 — Tensão Baixa na Entrada 000637.02 — Ruı́do na Entrada de Posição


da Temperatura do Combustı́vel . . . . . . .04-160-204 do Virabrequim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-230
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-205 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-231
000174.04 Procedimento de Diagnóstico da 000637.02 Procedimento de Diagnóstico
Tensão Baixa da Entrada de Temperatura do de Ruı́do na Entrada da Posição do
Combustı́vel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-205 Virabrequim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-231
000174.16 — Temperatura do 000637.10 — Erro de Padrão de Entrada
Combustı́vel Alta, Moderadamente da Posição do Virabrequim . . . . . . . . . . .04-160-234
Grave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-208 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-235
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-209 000637.10 Procedimento de Diagnóstico Erro
000174.16 Procedimento Diagnóstico de no Padrão de Entrada da Posição do
Temperatura Alta do Combustı́vel Moderadamente Virabrequim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-235
Grave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-209 000639.13 — Erro no Barramento da
000189.00 — Redução da Capacidade CAN. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-238 04
Normal de Rotação do Motor. . . . . . . . . .04-160-211 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-239
000190.00 — Excesso Extremo de Rotação 000639.13 Procedimento de Diagnóstico
do Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-212 de Erro do Barramento da CAN. . . . . . . .04-160-239
000190.01 — Velocidade do Motor Abaixo do 000644.02 — Entrada do Comando de
Intervalo Operacional Normal, Nı́vel Rotação Externo (OEM, Somente
Mais Grave (Somente Marı́timos Marı́timo) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-241
OEM). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-213 000729.03 — Sinal Alto no Aquecedor do Ar
000190.01 — Velocidade do Motor Abaixo de Entrada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-242
do Intervalo Operacional Normal, Nı́vel Mais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-243
Grave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-214 000729.03 Procedimento de Diagnóstico
000190.01 Procedimento de Diagnóstico de do Sinal Alto do Aquecedor do Ar de
Velocidade do Motor Abaixo do Entrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-243
Intervalo Operacional Normal, Nı́vel Mais 000729.05 — Sinal Baixo no Aquecedor
Grave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-214 do Ar de Entrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-246
000190.16 — Excesso Moderado de Rotação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-247
do Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-216 000729.05 Procedimento de Diagnóstico
000190.18 — Velocidade do Motor Abaixo do do Sinal Baixo do Aquecedor do Ar de
Intervalo Operacional Normal, Nı́vel Entrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-247
Moderadamente Grave (Somente Marı́timos 000898.09 — Velocidade do Veı́culo ou
OEM). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-217 Mensagem de Torque Inválida. . . . . . . . .04-160-249
000523.09 — Seleção de Marcha Atual 000970.31 — Interruptor Auxiliar de
Inválida ou Não Recebida (Somente Desligamento do Motor Ativo . . . . . . . . . .04-160-250
Carregadoras da série J) . . . . . . . . . . . . .04-160-218 000971.31 — Interruptor Externo de
000620.03 — Tensão Alta do Suprimento do Redução da Capacidade Normal do Motor
Sensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-220 Ativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-251
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-221 001069.09 — Tamanho do Pneu
000620.03 Procedimento de Diagnóstico Inválido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-252
de Tensão Alta do Suprimento do 001069.09 — Tamanho de Pneu
Sensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-221 Inválido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-253
000620.04 — Tensão Baixa do Suprimento 001069.09 Procedimento de Diagnóstico
do Sensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-224 de Tamanho do Pneu Inválido . . . . . . . . .04-160-253
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-225 001069.31 — Erro de Tamanho do
000620.04 Procedimento de Diagnóstico Pneu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-256
de Tensão Baixa do Suprimento do . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-257
Sensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-225 001069.31 Procedimento de Diagnóstico
000629.13 — Erro da ECU . . . . . . . . . . . . .04-160-228 de Erro do Tamanho do Pneu . . . . . . . . .04-160-257
000629.13 Procedimento de Diagnóstico
de Erro do ECU . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-228 Continua na próxima página

CTM339 (03OCT05) 04-5 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=5
Conteúdo

Página Página

001076.00 — Fechamento da Válvula de 001079.03 Procedimento de Diagnóstico


Controle da Bomba Muito Longo . . . . . . .04-160-258 da Tensão Alta do Suprimento do
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-259 Sensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-291
001076.00 Procedimento de Diagnóstico do 001079.04 — Tensão Baixa do Suprimento
Fechamento Muito Longo da Válvula de do Sensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-294
Controle da Bomba . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-259 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-295
001076.01 — Fechamento da Válvula de 001079.04 Procedimento de Diagnóstico
Controle da Bomba Muito Curto. . . . . . . .04-160-262 de Tensão Baixa do Suprimento do
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-263 Sensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-295
001076.01 Procedimento de Diagnóstico do 001109.31 — Advertência de Parada de
Fechamento Muito Curto da Válvula de Proteção do Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-298
Controle da Bomba . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-263 001110.31 — Desligamento de Proteção
001076.03 — Tensão Alta do Solenóide do Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-299
04 001568.02 — Seleção da Curva de Torque
da Bomba . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-266
Inválida ou Ausente (Somente Trator de Esteiras
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-267
750J) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-300
001076.03 Procedimento de Diagnóstico
001569.31 — Redução na Capacidade
da Corrente Alta do Solenóide da Normal do Combustı́vel . . . . . . . . . . . . . .04-160-302
Bomba . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-267 002000.06 — Falha Interna da ECU . . . . . .04-160-303
001076.05 — Circuito Aberto no Solenóide 002000.13 — Violação de Segurança . . . . .04-160-304
da Bomba . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-270
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-271
001076.05 Procedimento de Diagnóstico
do Circuito do Solenóide da Bomba
Aberto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-271
001076.06 — Circuito do Solenóide da
Bomba Gravemente em Curto . . . . . . . . .04-160-274
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-275
001076.06 Procedimento de Diagnóstico de
Circuito da Bomba Solenóide Gravemente em
Curto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-275
001076.07 — Fechamento da Válvula de
Controle da Bomba Não Detectado . . . . .04-160-278
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-279
001076.07 Procedimento de Diagnóstico do
Fechamento Não Detectado da Válvula
de Controle da Bomba. . . . . . . . . . . . . . .04-160-279
001076.10 — Circuito do Solenóide da
Bomba Moderadamente em Curto . . . . . .04-160-282
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-283
001076.10 Procedimento de Diagnóstico de
Circuito da Bomba Solenóide
Moderadamente em Curto . . . . . . . . . . . .04-160-283
001076.13 — Tempo de Queda de
Corrente da Bomba Inválido . . . . . . . . . .04-160-286
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-287
001076.13 Procedimento de Diagnóstico
do Tempo de Queda de Corrente da Bomba
Inválido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-287
001079.03 — Tensão Alta do Suprimento do
Sensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-290
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .04-160-291

CTM339 (03OCT05) 04-6 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=6
Grupo 150
Diagnósticos e Testes Observáveis
Sobre este Grupo do Manual

Esta seção do manual contém as informações – F2 - Consumo excessivo de combustı́vel


necessárias para os diagnósticos observáveis e os – F3 - Combustı́vel no óleo
procedimentos de teste relacionados com combustı́vel. – F5 - Verificação do bico injetor de combustı́vel
Use estas informações em conjunto com o Manual de • (D) Diagnóstico de Defeitos no Software de
Motores Básicos Diesel de 4,5L e 6,8L. (CTM 104). O Diagnóstico:
Grupo 150 está dividido em duas áreas: diagnóstico – D1 - A ECU não se comunica com o DST ou
de defeitos e procedimentos de teste. A área de oSERVICE ADVISOR
diagnóstico de mau funcionamento ainda é dividida – D2 - O Indicador de Diagnóstico Não se
nos seguintes tópicos, contendo os seguintes sintomas Comunica com ECU
observáveis: • (A) Diagnóstico de Defeitos no Aquecedor da
Admissão de Ar:
NOTA: Siga o procedimento de diagnóstico de um – A1 - Verificação do Aquecedor di Ar de Admissão
DTC ativo ou armazenado antes de buscar Os procedimentos para diagnosticar alguns dos
qualquer procedimento de diagnóstico sintomas anteriores são formatados de tal forma que é
04
observável. recomendado um teste ou uma reparação e, em 150
seguida, com base nos resultados, é recomendado 1
NOTA: Para diagnosticar sintomas observáveis ou outro teste ou reparação. Outros sintomas são
motores com um sistema mecânico de organizados na forma de sintoma - problema -
combustı́vel, consulte o Manual de Sistemas solução. Nesses sintomas os problemas são
Mecânicos de Combustı́vel para Motores arrumados primeiro na forma mais provável ou mais
Diesel de 4,5L e 6,8L (CTM 207). fácil de verificar. Os sintomas arrumados nos dois
formatos se referem ao procedimentos de teste
• (E) Diagnóstico de Defeitos no Motor em Geral: localizados na segunda parte desta seção. A segunda
– E1 - Motor dá partida/não dá partida parte desta seção do manual contém os seguintes
– E2 - Motor falha na ignição/ funciona procedimentos de teste:
irregularmente
– E3 - Motor não desenvolve potência total • Procedimentos de Teste do Sistema de
– E4 - Motor emite muita fumaça branca pelo cano Combustı́vel:
de escape – Verificação da Qualidade do Suprimento de
– E5 - Motor emite muita fumaça preta ou cinza Combustı́vel
– E6 - Motor não dá partida – Teste do Retorno do Dreno de Combustı́vel
– E7 - Marcha lenta do motor está fraca – Teste do Ar no Combustı́vel
– E8 - Ruı́do anormal no motor – Verificação da Pressão de Suprimento de
– E9 - Acelerador Analógico (B) Não Responde Combustı́vel
• (F) Diagnóstico de Defeitos no Sistema de – Sangria do Sistema de Combustı́vel
Combustı́vel: – Teste Quanto a Falhas na Ignição do Cilindro
– F1 - Verificação do sistema de suprimento de (Motor Funcionando)
combustı́vel

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company RG40854,0000113 –54–23SEP05–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-1 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=123
Diagnósticos e Testes Observáveis

E1 - O Motor dá Partida/Não dá Partida

NOTA: Esse procedimento se aplica a motores com mas o motor não liga ou somente liga após
Unidades de Controle de Motor (ECUs) John partidas prolongadas. Se o motor não der
Deere. Esse procedimento deve ser usado se partida, consulte E6 - MOTOR NÃO DÁ
a velocidade de partida do motor estiver OK, PARTIDA posteriormente neste Grupo.

RG40854,00000D3 –54–23SEP05–1/1

E1 - Motor dá Partida/Não dá Partida - Procedimento de Diagnóstico


04
150
2

– – –1/1

1 E1 - Verificação Antes de utilizar este procedimento de diagnóstico: Nenhum problema


Preliminar encontrado:
1. Assegure-se de que a qualidade e a quantidade de combustı́vel estejam VÁ PARA 2
adequadas. Consulte VERIFICAÇÃO DA QUALIDADE DO SUPRIMENTO DE
COMBUSTÍVEL posteriormente neste Grupo. Problema encontrado:
Repare e teste
2. Assegure-se de que a velocidade de partida do motor esteja correta. Consulte novamente
TESTE DA VELOCIDADE DE PARTIDA DO MOTOR no Grupo 150 do Manual
Base de Motores Diesel 4,5L e 6,8L (CTM 104).

3. Assegure-se de que a viscosidade do óleo esteja correta.

4. Verifique o funcionamento do aquecedor de ar em temperaturas baixas. Consulte


A1 - PROCEDIMENTO DO DIAGNÓSTICO DE VERIFICAÇÃO DO AQUECEDOR
DO AR DE ADMISSÃO neste Grupo.

5. Verifique se a tensão permanente para a ECU permanece acima de 6 V durante a


partida.

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-2 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=124
Diagnósticos e Testes Observáveis

2 Teste do DTC Ativo 1. Conecte o DST ou SERVICE ADVISOR. Não há DTCs ativos:
VÁ PARA 3
2. Ignição LIGADA, motor DESLIGADO
DTC(s) ativo(s)
3. Inicie o Software de Comunicação da ECU presente(s):
Faça o diagnóstico dos
NOTA: Para que esta etapa seja realizada com êxito em todos os motores HL e DTC(s). Se qualquer um
TL, o Interruptor de Perigo de 4 Vias deve estar LIGADO, antes e durante a dos DTCs tiver um SPN
partida. de 637, diagnostique-os
primeiro.
4. Dê partida no motor durante 15 segundos, e verifique se o DST ou SERVICE
ADVISOR mostram uma leitura de RPM durante a partida. Não é possı́vel se
comunicar com a ECU:
5. Leia os DTCs com o DST ouSERVICE ADVISOR. Consulte D1 - A ECU
NÃO SE COMUNICA
COM O DST ou
PROCEDIMENTO DE
DIAGNÓSTICO DO
SERVICE ADVISOR
posteriormente neste 04
Grupo. 150
3
Nenhuma leitura de RPM
mostrada durante a
partida: VÁ PARA 4

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company – – –1/1

3 Teste do Indicador do 1. Dê partida no motor de partida Ruı́do de Posição do


Sensor de Posição do Virabrequim acima de 0:
Virabrequim 2. Com o uso do DST ou SERVICE ADVISOR, leia o parâmetro Ruı́do de Posição do VÁ PARA 4
Virabrequim durante a partida.
Ruı́do de Posição do
NOTA: Para obter uma explicação desse parâmetro, consulte DESCRIÇÃO DOS Virabrequim é 0:
PARÂMETROS DE DADOS, no Grupo 160. VÁ PARA 5

– – –1/1

4 Verificação de Verifique se há possı́veis falhas no veı́culo que possam causar quaisquer das Problema encontrado:
Inspeção da Fiação seguintes situações: Repare e teste
do Veı́culo novamente. O motor dá
1. Ligações elétricas ruins partida, problema
resolvido.
2. Sensor de rotação do motor danificado
Problema não
3. EMI de equipamentos de rádio instalados de maneira inadequada ou outros encontrado:
dispositivos eletrônicos VÁ PARA 5

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-3 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=125
Diagnósticos e Testes Observáveis

5 Verificação de Execute o seguinte procedimento para verificar quanto a combustı́vel no bico injetor: Esguichos constantes e
Combustı́vel Presente seqüenciais de
nos Bicos Injetores combustı́vel
CUIDADO: A fuga de fluidos sob pressão pode penetrar na pele e causar observados:
ferimentos graves. Mantenha as mãos e o corpo afastados de furos e VÁ PARA 7
bicos que poderiam injetar fluidos sob alta pressão.
Sem combustı́vel
Se QUALQUER fluido for injetado na pele, deve ser retirado presente em qualquer
cirurgicamente dentro de poucas horas por um médico que esteja descarga da bomba:
familiarizado com este tipo de lesão ou pode resultar em gangrena. Os VÁ PARA 6
médicos não-familiarizados com este tipo de lesão podem entrar em
contato com o Departamento Médico da Deere & Company, em Moline, Esguichos de
Illinois, ou com outra fonte médica especializada. combustı́vel de apenas
uma descarga, ou o
1. Usando duas chaves de boca, solte todas as ligações da linha de combustı́vel na combustı́vel apenas
extremidade da bomba. goteja de uma ou mais
descargas:Rotor da
2. Dê partida no motor enquanto monitora as ligações soltas quanto a esguichos bomba danificado. Troque
consistentes e seqüenciais de combustı́vel. a bomba. Nota: ao
04 substituir a bomba,
150 3. Reaperte a ligação no bico, de acordo com a especificação. todos os injetores
4 devem ser verificados.
Especificação SUBSTITUA quaisquer
Condutos de Bicos Injetores de injetores com defeito
Combustı́vel—Torque ................................................................................. 27•m (20 lb-ft) para evitar danos na
nova bomba. VÁ PARA 8

– – –1/1

6 Verificação do Verifique o sistema de suprimento de combustı́vel. Consulte F1 - PROCEDIMENTO Problema no sistema de


Sistema de DE DIAGNÓSTICO DE VERIFICAÇÃO DO SISTEMA DE SUPRIMENTO DE suprimento de
Suprimento de COMBUSTÍVEL mais adiante neste Grupo. combustı́vel
Combustı́vel encontrado:
repare o problema e teste
novamente.
Nota: se o sistema for
equipado com um
conjunto de filtro
primário/bomba manual,
certifique-se de que não
há fluxo reverso devido
ao deslocamento da
válvula guarda-chuva
na bomba do
escorvador. (Se houver,
a bomba de injeção
perdeu sua primeira
escorva: teste a
pressão entre a bomba
de transferência e a
DE10). O motor dá
partida, problema
resolvido.

Nenhum problema
encontrado no sistema
de suprimento de
combustı́vel: VÁ PARA 7 .

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-4 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=126
Diagnósticos e Testes Observáveis

7 Troca do ECU Se uma ECU sabidamente conhecida estiver disponı́vel, conecte-a ao sistema e O motor dá
Reconhecidamente verifique se o motor dará partida. partida:problema
Bom resolvido.

O motor não dá


partida:VÁ PARA 8
– – –1/1

8 Verificação dos Bicos Teste os bicos injetores de combustı́vel. Consulte F5 - VERIFICAÇÃO DO BICO Bicos injetores de
Injetores de INJETOR DE COMBUSTÍVEL posteriormente neste Grupo. combustı́vel com
Combustı́vel defeito encontrado:
repare ou substitua e
teste novamente. O motor
dá partida, problema
resolvido.

Nenhum bico injetor de


combustı́vel com
defeito encontrado:VÁ 04
PARA 9. 150
5

– – –1/1

9 Verificação da Roda Insira uma chave de fenda no orifı́cio do sensor de rotação e verifique se a roda de Roda de sincronização
de Sincronização sincronização não está frouxa no virabrequim. frouxa no
virabrequim:substitua a
roda de sincronização e
teste novamente. O motor
dá partida. Problema
resolvido.

A roda de sincronização
não está frouxa no
virabrequim:VÁ PARA 10.

– – –1/1

10 Verificação da Não passa combustı́vel


Pressão Alta da CUIDADO: O fluido sob pressão, ao escapar, pode penetrar na pele e da ponta do
Bomba causar lesão grave. Mantenha as mãos e o corpo afastados de furos e bico:substitua a bomba,
bicos que possam injetar fluidos sob alta pressão. e teste novamente. O
Se QUALQUER fluido for injetado na pele, deve ser retirado cirurgicamente motor dá partida,
dentro de poucas horas por um médico que esteja familiarizado com este tipo problema resolvido.
de lesão ou isso pode resultar em gangrena. Os médicos não-familiarizados com
este tipo de lesão podem entrar em contato com o Departamento Médico da O combustı́vel é
Deere & Company, em Moline, Illinois, ou com outra fonte médica especializada. atomizado a partir da
ponta do bico:VÁ PARA 11
Com o uso de uma linha de injeção substituta, conecte um bico reconhecidamente
bom a uma das descargas da bomba. Dê partida no motor e verifique se o
combustı́vel é atomizado da ponta do bico.

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-5 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=127
Diagnósticos e Testes Observáveis

11 Teste de Restrições Verifique restrições na admissão e no escape. Consulte VERIFIQUE RESTRIÇÕES Todos os componentes
na Admissão e NA ADMISSÃO E NO ESCAPEna Seção 4, Grupo 150, do Manual do Motor Básico funcionando
Escape de Motores Diesel 4,5L e 6,8L (CTM 104). corretamente:
VÁ PARA 12

Restrições encontradas:
repare o componente
com defeito e teste
novamente. O motor dá
partida, problema
resolvido.

– – –1/1

12 Teste de Verifique a pressão de compressão. Consulte TESTE DA PRESSÃO DE Pressão de compressão


Compressão COMPRESSÃO DO MOTOR, na Seção 04, Grupo 150, do Manual de Motor Básico dentro da
04
dos Motores Diesel 4,5L e 6,8L (CTM 104). especificação:
150
VÁ PARA 13
6
Pressão de compressão
fora da especificação:
VÁ PARA 16

– – –1/1

13 Verificação do Anel NOTA: NÃO use muito óleo. NÃO deixe o óleo entrar nas válvulas. Pressão de compressão
do Pistão dentro da
1. Aplique óleo na área do anel do pistão através do furo do bico injetor. Consulte especificação:
REMOVA OS BICOS INJETORES DE COMBUSTÍVEL na Seção 02, Grupo 090 VÁ PARA 16
deste manual.
Pressão de compressão
2. Teste novamente a pressão de compressão. fora da especificação:
VÁ PARA 14

– – –1/1

14 Verificação do Verifique o chicote da válvula. Consulte VERIFICAÇÃO E AJUSTE DA FOLGA DA Chicote da válvula
Chicote da Válvula VÁLVULA na Seção 02, Grupo 020 do Manual do Motor Básico de Motores Diesel de dentro da
4,5L e 6,8L (CTM104). especificação:
VÁ PARA 15

Chicote da válvula em
uma ou mais válvulas
fora da especificação:
ajuste o chicote da
válvula e teste
novamente. O motor dá
partida, problema
resolvido.

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-6 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=128
Diagnósticos e Testes Observáveis

15 Verificação da Verifique a elevação da válvula. Consulte MEDIÇÃO DA ELEVAÇÃO DA VÁLVULA na A elevação de todas as
Elevação da Válvula Seção 02, Grupo 020 do Manual do Motor Básico de Motores Diesel de 4,5L e 6,8L válvulas dentro da
(CTM104). especificação:
VÁ PARA 16

A elevação de uma ou
mais válvulas está fora
da especificação:
reajuste a folga de
acordo com a
especificação após medir
a elevação. Consulte
VERIFICAÇÃO E
AJUSTE DA FOLGA DA
VÁLVULA na Seção 02,
Grupo 020 do Manual do
Motor Básico de Motores
Diesel de 4,5L e 6,8L
(CTM104). O motor dá
partida, problema 04
resolvido. 150
7

– – –1/1

16 Verificação de Neste ponto, a causa mais provável da pressão de compressão baixa do motor é uma Problema encontrado
Pistões, Anéis e das seguintes falhas dos pistões, anéis e/ou camisas de cilindro ou nas guias de nos pistões, anéis e/ou
Camisas de Cilindro válvulas. Verifique os itens mais prováveis conforme o caso. camisas ou guias de
válvulas: repare o
• Anéis de controle de óleo desgastados ou quebrados problema conforme
• Camisas de cilindro ou pistões marcados necessário.
• Ranhuras do anel do pistão excessivamente gastas
• Os anéis de pistão ficam presos nas ranhuras dos anéis
• A tensão dos anéis de pistão é insuficiente
• Os intervalos entre os anéis de pistão não estão escalonadas
• Camisas de cilindro vitrificadas (carga insuficiente durante o amaciamento do motor)
• Guias ou hastes da válvula gastos
• O cabeçote do cilindro pode precisar de recondicionamento

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-7 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=129
Diagnósticos e Testes Observáveis

E2 - Falha/Funcionamento Irregular do Motor

RG40854,00000D4 –54–19JUL05–1/1

E2 - Procedimento de Diagnóstico de Falha/Funcionamento Irregular do Motor

– – –1/1

1 E2 - Verificação Antes de usar este procedimento de diagnóstico, verifique abaixo o que pode causar Nenhum problema
Preliminar ou ser confundindo como não-funcionamento ou funcionamento irregular: encontrado:
04
VÁ PARA 2
150
1. Verifique se há vazamentos de ar no coletor de admissão
8
Problema encontrado:
2. Verifique se há problemas mecânicos Repare e teste
novamente. O motor
3. Verifique se há problemas na transmissão funciona normalmente,
problema resolvido.
4. Verifique os acessórios do motor, tais como o ar condicionado ligando e desligando

5. Verifique se há interferência eletromagnética (EMI) de rádios instalados


incorretamente, etc.

– – –1/1

2 Teste do DTC Ativo 1. Conecte o DST ou SERVICE ADVISOR. Não há DTCs ativos:
VÁ PARA 3 .
2. Ignição LIGADA, motor DESLIGADO
Há DTCs ativos:
3. Inicie o Software de Comunicação da ECU diagnostique os DTCs.
Se qualquer um dos
4. Ignição LIGADA, motor em marcha lenta DTCs tiver um SPN de
637, diagnostique-os
5. Leia os DTCs com o DST ouSERVICE ADVISOR. primeiro.

6. Verifique o número de série da ECU, o número de série do motor, a versão do


software, e verifique o número de série da bomba, se estiver disponı́vel.

7. Instale o software atualizado, se necessário.

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company – – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-8 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=130
Diagnósticos e Testes Observáveis

3 Recrie as Condições 1. Opere o motor sob as condições em que ocorrem os problemas de não Não funcionando
funcionamento ou funcionamento irregular. irregularmente:nenhum
problema encontrado,
2. Com a ignição LIGADA e o motor em marcha lenta, leia os DTCs, usando o SA. verifique o problema e
tente reproduzir as
condições do problema.

Funcionando
irregularmente, com
DTCs ativos presentes:
diagnostique os DTCs.
Se quaisquer DTCs
tiverem SPN 637,
diagnostique-os primeiro.

Funcionamento
irregular com DTCs
ativos:VÁ PARA 4

04
150
9

– – –1/1

4 Verificação do 1. Verifique o desempenho do sistema de combustı́vel de baixa pressão pelo Problemas


Sistema de Procedimento de Diagnóstico de Verificação do Sistema de Suprimento de encontrados:repare
Combustı́vel de Baixa Combustı́vel. Consulte F1 - VERIFICAÇÃO DO SISTEMA DE SUPRIMENTO DE conforme necessário e
Pressão COMBUSTÍVEL na Seção 04, Grupo 150 da Verificação do Sistema Mecânico de teste novamente. O motor
Combustı́vel de Motores Diesel de 4,5L e 6,8L (CTM207). funciona normalmente,
problema resolvido.
2. Inspecione a linha de retorno de combustı́vel quanto a restrições, dobras e
ingestão de ar (com um pedaço de linha limpa). Certifique-se também de verificar Nenhum problema
entupimentos em quaisquer resfriadores. encontrado:VÁ PARA 5 .

NOTA: Se o sistema estiver equipado com um conjunto de filtro primário/bomba


manual, certifique-se de que não há fluxo reverso, devido ao deslocamento da
válvula guarda-chuva na bomba de escorva.

3. Teste a pressão entre a bomba de transferência e a bomba injetora.

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-9 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=131
Diagnósticos e Testes Observáveis

5 Verificação da Linha Determine se as linhas de suprimento de combustı́vel estão com restrições: As linhas não têm
de Combustı́vel de restrição:o ar flui
Alta Pressão 1. Desconecte a linha de fornecimento de combustı́vel suspeita na extremidade do livremente para o outro
bico injetor e na extremidade da bomba injetora. lado da linha de
suprimento. VÁ PARA 6
2. Procure sinais óbvios de bloqueio, ou linhas dobradas, deformadas ou amassadas.
As linhas têm
3. Force ar através de uma extremidade da linha de fornecimento. restrição:o ar não flui
livremente para o outro
lado da linha de
suprimento. Repare ou
substitua as linhas e teste
novamente. O motor
funciona normalmente,
problema resolvido.

04
150
10

– – –1/1

6 Verificação do Bico 1. Teste os bicos injetores de combustı́vel. Consulte F5 - VERIFICAÇÃO DO BICO Teste dos bicos
Injetor de INJETOR DE COMBUSTÍVEL posteriormente neste grupo. injetores OK:VÁ PARA 7
Combustı́vel
Bico(s) injetor(es) com
CUIDADO: O fluido sob pressão, ao escapar, pode penetrar na pele e defeito encontrado(s):
causar lesão grave. Mantenha as mãos e o corpo afastados de furos e repare ou substitua, e
bicos que possam injetar fluidos sob alta pressão. teste novamente. O motor
Se QUALQUER fluido for injetado na pele, deve ser retirado cirurgicamente funciona uniformemente,
dentro de poucas horas por um médico que esteja familiarizado com este tipo problema resolvido.
de lesão ou isso pode resultar em gangrena. Os médicos não-familiarizados com
este tipo de lesão podem entrar em contato com o Departamento Médico da
Deere & Company, em Moline, Illinois, ou com outra fonte médica especializada.

2.Para ajudar a identificar qual bico está com defeito, realize o procedimento a seguir
para determinar qual injetor faz a menor diferença quando a linha está trincada:

a. Com duas chaves de boca, afrouxe a conexão da linha de combustı́vel nos bicos
injetores, uma de cada vez.

b. Ouça qual bico faz menos diferença na uniformidade do motor. Este é o bico com
defeito.

c. Aperte novamente a conexão em cada bico de acordo com a especificação antes


de prosseguir para o próximo bico.

Especificação
Conexão da Linha de Combustı́vel—
Torque .................................................................................................... 27 N•m (20 ft-lb)

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-10 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=132
Diagnósticos e Testes Observáveis

7 Verificação da Roda Insira uma chave de fenda no orifı́cio do sensor de rotação e verifique se a roda de A roda de sincronização
de Sincronização sincronização está ou não frouxa no virabrequim. (A roda de sincronização é fixada e não está frouxa:VÁ
encaixada por pressão no virabrequim. Não deve estar frouxa, e deve girar apenas PARA 8.
quando o virabrequim é girado.)
Roda de sincronização
frouxa:substitua a roda
de sincronização e teste
novamente. O motor
funciona normalmente,
problema resolvido.

– – –1/1

8 Verifique a Fiação 1. Procure problemas nas conexões e fiações, incluindo uma inspeção visual em Fiação/pinos do
busca de corrosão na fiação. conector com defeito
04
não encontrados:VÁ
150
2. Verifique a conexão entre o chicote elétrico e um sensor, ou entre o chicote e a PARA 9 .
11
ECU, usando um Conjunto de Teste do Adaptador do Conector JT07328 e
inserindo o terminal macho do adaptador de teste correspondente no terminal Fiação/pinos do
fêmea do terminal conector da ECU ou sensor. conector com defeito
encontrados:repare e
teste novamente. O motor
funciona uniformemente,
problema resolvido.

– – –1/1

9 Verifique a ECU Se estiver disponı́vel, substitua a ECU por uma ECU reconhecidamente boa do Situação não
mesmo modelo. resolvida:insira
novamente a ECU
original e VÁ PARA 10 .

Situação resolvida:insira
novamente a ECU
original.

A situação permanece
resolvida:problema de
conexão, volte para 8 .

A falha original
retorna:substitua a ECU.
O motor funciona
normalmente, problema
resolvido.

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-11 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=133
Diagnósticos e Testes Observáveis

10 Verificação da Nota: faça anotações no DST ou SERVICE ADVISOR enquanto o motor está Problemas elétricos não
Bomba Injetora funcionando em sua condição irregular - também quando estiver funcionando encontrados:substitua a
uniformemente, se a situação for intermitente - para que os registros possam bomba injetora e
ser enviados ao consultor DTAC, se for solicitado. descarregue a carga útil
designada para a nova
1. Se possı́vel, faça testes no máximo para verificar a sobrepotência oriunda do bomba.
motor.
Problemas elétricos
2. Faça uma verificação detalhada das conexões elétricas. encontrados:repare e
teste novamente. O motor
3. Inspecione os contatos da tampa do solenóide da válvula, e determine se estão ou funciona normalmente,
não queimados, ou se os parafusoss prisioneiros de contato estão quebrados. problema resolvido.

– – –1/1

11 Verificação de Falha Verifique falhas na união da junta do cabeçote. Consulte VERIFIQUE FALHAS NA Sem sinais de falha na
da Junta do JUNTA DO CABEÇOTE na Seção 04, Grupo 150 do Manual do Motor Básico de junta do cabeçote:
04
Cabeçote Motores Diesel de 4,5L e 6,8L (CTM104). VÁ PARA 12
150
12
Sinais de falha da junta
do cabeçote
encontrados:
substitua a junta do
cabeçote e teste
novamente. O motor
funciona normalmente,
problema resolvido.

– – –1/1

12 Verificação da Verifique a pressão de compressão. Consulte TESTE DA PRESSÃO DE Pressão de compressão


Pressão de COMPRESSÃO DO MOTOR na Seção 04, Grupo 150 do Manual do Motor Básico de dentro da
Compressão Motores Diesel de 4,5L e 6,8L (CTM104). especificação:
VÁ PARA 14

Pressão de compressão
fora da especificação:
VÁ PARA 13

– – –1/1

13 Verificação do Anel NOTA: NÃO use muito óleo. NÃO deixe o óleo entrar nas válvulas. Pressão de compressão
do Pistão dentro da
1. Aplique óleo na área do anel do pistão através do furo do bico injetor. Consulte especificação:
REMOVA OS BICOS INJETORES DE COMBUSTÍVEL na Seção 02, Grupo 090 VÁ PARA 14
deste manual.
Pressão de compressão
2. Teste novamente a pressão de compressão. fora da especificação:
VÁ PARA 16

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-12 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=134
Diagnósticos e Testes Observáveis

14 Verificação do Verifique o chicote da válvula. Consulte VERIFICAÇÃO E AJUSTE DA FOLGA DA Chicote da válvula
Chicote da Válvula VÁLVULA na Seção 02, Grupo 020 do Manual do Motor Básico de Motores Diesel de dentro da
4,5L e 6,8L (CTM104). especificação:
VÁ PARA 15

Chicote da válvula em
uma ou mais válvulas
fora da especificação:
ajuste o chicote da
válvula e teste
novamente. O motor
funciona normalmente,
problema resolvido.

– – –1/1

15 Verificação da Verifique a elevação da válvula. Consulte MEDIÇÃO DA ELEVAÇÃO DA VÁLVULA, A elevação de todas as
Elevação da Válvula no Grupo 020, Seção 02, do Manual de Motor Básico dos Motores Diesel 4,5L e 6,8L válvulas dentro da
04
(CTM104). especificação:
150
VÁ PARA 16
13
A elevação de uma ou
mais válvulas está fora
da especificação:
reajuste a folga de
acordo com a
especificação após medir
a elevação. Consulte
VERIFICAÇÃO E
AJUSTE DA FOLGA DA
VÁLVULA na Seção 02,
Grupo 020 do Manual do
Motor Básico de Motores
Diesel de 4,5L e 6,8L
(CTM104). Teste
novamente. O motor
funciona normalmente,
problema resolvido.

– – –1/1

16 Verificação de Neste ponto, a causa mais provável da pressão de compressão baixa do motor é uma Problema encontrado
Pistões, Anéis e das seguintes falhas dos pistões, anéis e/ou camisas de cilindro ou nas guias de nos pistões, anéis e/ou
Camisas de Cilindro válvulas. Verifique os itens mais prováveis conforme o caso. camisas ou guias de
válvulas:repare o
• Anéis de controle de óleo desgastados ou quebrados problema conforme
• Camisas de cilindro ou pistões marcados necessário e teste
• Ranhuras do anel do pistão excessivamente gastas novamente.
• Os anéis de pistão ficam presos nas ranhuras dos anéis
• A tensão dos anéis de pistão é insuficiente
• Os intervalos entre os anéis de pistão não estão escalonadas
• Camisas de cilindro vitrificadas (carga insuficiente durante o amaciamento do motor)
• Guias ou hastes da válvula gastos
• O cabeçote do cilindro pode precisar de recondicionamento

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-13 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=135
Diagnósticos e Testes Observáveis

E3 - O Motor Não Desenvolve Potência Máxima

RG40854,00000D5 –54–23SEP05–1/1

E3 - O Motor Não Desenvolve Potência Máxima – Procedimento de Diagnóstico

– – –1/1

1 E3 - Verificação Antes de usar o procedimento de diagnóstico, tenha certeza de que: Nenhum problema
Preliminar encontrado:
04
• Não há problemas com a transmissão VÁ PARA 2
150
• Não há problemas mecânicos no motor
14
• Não há excesso de carga no motor Problema encontrado:
• Não há lastro desbalanceado Repare e teste
• Os filtros de ar e de combustı́vel não estão restringidos ou entupidos novamente
• A qualidade do combustı́vel está OK

– – –1/1

2 Teste do DTC Ativo 1. Conecte o DST ou SERVICE ADVISOR. Não há DTCs:
VÁ PARA 3
2. Ignição LIGADA, motor DESLIGADO
DTCs presentes:
3. Inicie o Software de Comunicação da ECU vá para o procedimento
de diagnóstico
4. Ignição LIGADA, motor DESLIGADO correspondente.

5. Leia os DTCs com o DST ouSERVICE ADVISOR.

NOTA: Em alguns DTCs, a ECU reduz a taxa de combustı́vel para proteger o


motor.

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company – – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-14 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=136
Diagnósticos e Testes Observáveis

3 Teste de Emissão do 1. Gire o motor em velocidade nominal de carga total. Pequena quantidade ou
Escape inexistência de fumaça
2. Nessas condições, determine o tipo de emissão do escape. no escape:
VÁ PARA 4

Muita fumaça branca no


escape:
consulte E4 - MOTOR
EMITE MUITA FUMAÇA
BRANCA PELO CANO
DE ESCAPE -
PROCEDIMENTO DE
DIAGNÓSTICO,
posteriormente, neste
Grupo.

Muita fumaça preta ou


cinza no escape:
Consulte E5 - MOTOR
EMITE MUITA FUMAÇA 04
PRETA OU CINZA PELO 150
CANO DE ESCAPE - 15
PROCEDIMENTO DE
DIAGNÓSTICO
PROCEDIMENTO DE
DIAGNÓSTICO,
posteriormente, neste
Grupo.

– – –1/1

4 Verificação da A ECU nos motores diesel de 4,5L e 6,8L tem a capacidade de operar em curvas de Número correto da
Seleção da Curva de torque múltiplo. Para verificar se o motor está operando na curva de torque correta curva de torque exibido
Torque sob as condições de operação onde haja um problema de baixa potência: para as condições de
operação
1. Recrie as condições do problema de baixa potência. correspondentes:
VÁ PARA 5
2. Leia o parâmetro Curva de Torque no DST ou SERVICE ADVISOR.
Número incorreto da
NOTA: Para obter uma explicação desse parâmetro, consulte DESCRIÇÃO DOS curva de torque exibido
PARÂMETROS DE DADOS, no Grupo 160. para as condições de
operação
3. Compare o Parâmetro da Curva de Torque com a tabela correspondente de curva correspondentes:
de torque. Consulte ESPECIFICAÇÕES DA APLICAÇÃO na Seção 6, Grupo 210, consulte o manual da
deste manual e consulte a curva de torque correspondente para a sua aplicação. máquina para determinar
os componentes que, se
estiverem com defeito,
poderiam evitar que a
curva correta de torque
fosse selecionada
OU
fiação de seleção da
curva de torque com
defeito
– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-15 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=137
Diagnósticos e Testes Observáveis

5 Verificação da 1. Opere o motor e tente recriar a condição de baixa potência. Seleção correta do
Seleção do Modo de comando:
Depressão do 2. Leia o parâmetro Comando da Velocidade Desejada e o parâmetro Comando da VÁ PARA 6
Comando Velocidade Máxima usando o DST ou SERVICE ADVISOR.
Seleção incorreta do
NOTA: Para obter uma explicação desse parâmetro, consulte DESCRIÇÃO DOS comando:
PARÂMETROS DE DADOS, no Grupo 160. consulte o manual da
máquina para determinar
3. Compare a seleção do comando com a tabela correspondente de modo do os componentes que, se
comando. Consulte ESPECIFICAÇÕES DA APLICAÇÃO na Seção 6, Grupo 210, estiverem com defeito,
deste manual e consulte a velocidade máxima correspondente e as curvas do poderiam impedir que o
comando de velocidade desejadas para a sua aplicação. comando correto fosse
selecionado
OU
Fiação de seleção do
comando com defeito

04
150
16

– – –1/1

6 Teste do Acelerador 1. Gire o motor em velocidade nominal de carga total. 97% ou acima:
VÁ PARA 7
2. Leia o parâmetro Acelerador Percentual usando o DST ou SERVICE ADVISOR.
Abaixo de 97%:
NOTA: Para obter uma explicação desse parâmetro, consulte DESCRIÇÃO DOS consulte o manual da
PARÂMETROS DE DADOS, no Grupo 160. máquina e execute o
procedimento de
calibração do acelerador
e, em seguida, teste
novamente.

– – –1/1

7 Verificação da Verifique a pressão do Turbo Auxiliar. Consulte MEDIÇÃO DA PRESSÃO DO Pressão do coletor de
Pressão de Reforço COLETOR DE ADMISSÃO (VERIFICAÇÃO DO REFORÇO/POTÊNCIA DO admissão dentro ou
do Turbocompressor TURBOCOMPRESSORna Seção 04, Grupo 150, do Manual do Motor Básico de acima da faixa,
Motores Diesel 4,5L e 6,8L (CTM104). comparada com a
especificação do
auxiliar:
VÁ PARA 8

Pressão do coletor de
admissão abaixo da
faixa, comparada com a
especificação do
auxiliar:
VÁ PARA 9
– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-16 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=138
Diagnósticos e Testes Observáveis

8 Verificação do Verifique o sistema de suprimento de combustı́vel. Consulte F1 - PROCEDIMENTO Sistema de suprimento


Sistema de DE DIAGNÓSTICO DE VERIFICAÇÃO DO SISTEMA DE SUPRIMENTO DE de combustı́vel está
Suprimento de COMBUSTÍVEL mais adiante neste Grupo. OK:
Combustı́vel com parece que o motor está
Pressão de Reforço distribuindo potência total.
Normal Verifique se há
problemas no veı́culo que
poderiam causar uma
carga excessiva no
motor.

Problema encontrado
no sistema de
suprimento de
combustı́vel:
conserte o problema do
sistema e teste
novamente.

04
150
17

– – –1/1

9 Verificação da Verifique a pressão de compressão. Consulte TESTE DA PRESSÃO DE Pressão de compressão


Pressão de COMPRESSÃO DO MOTOR na Seção 04, Grupo 150 do Manual do Motor Básico de dentro da
Compressão Motores Diesel de 4,5L e 6,8L (CTM104). especificação:
VÁ PARA 10

Pressão de compressão
fora da especificação:
VÁ PARA 13

– – –1/1

10 Verificação das Verifique abaixo o que poderia causar redução na pressão de reforço: Não foi encontrado
Causas Potenciais nenhum dos problemas
da Baixa Pressão de 1. Purificador de ar restrito acima:
Reforço VÁ PARA 11
2. Vazamento do ar de admissão
Problema encontrado:
3. Vazamento do ar de escape conserte o problema e
teste novamente.
4. Restrição no escape

5. Turbocompressor com defeito. Consulte INSPEÇÃO DO TURBOCOMPRESSORna


Seção 02, Grupo 080 do Manual do Motor Básico de Motores Diesel de 4,5L e 6,8L
(CTM 104).

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-17 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=139
Diagnósticos e Testes Observáveis

11 Verificação do Verifique o sistema de suprimento de combustı́vel. F1 - PROCEDIMENTO DE O sistema de


Sistema de DIAGNÓSTICO DE VERIFICAÇÃO DO SISTEMA DE SUPRIMENTO DE suprimento de
Suprimento de COMBUSTÍVEL mais adiante neste Grupo. combustı́vel está OK:
Combustı́vel com VÁ PARA 12
Pressão de Reforço
Baixa Problema encontrado
no sistema de
suprimento de
combustı́vel:
conserte o problema do
sistema e teste
novamente.

– – –1/1

12 Teste dos Bicos Teste os bicos injetores de combustı́vel. Consulte F5 - VERIFICAÇÃO DO BICO Teste dos bicos
Injetores de INJETOR DE COMBUSTÍVEL posteriormente neste Grupo. injetores OK:
04
Combustı́vel bomba injetora com
150
defeito
18
OU
ECU com defeito

Bico(s) injetor(es) com


defeito encontrado(s):
repare ou substitua os
bicos injetores com
defeito.

– – –1/1

13 Verificação do Anel NOTA: NÃO use muito óleo. NÃO deixe o óleo entrar nas válvulas. Pressão de compressão
do Pistão dentro da
1. Aplique óleo na área do anel do pistão através do furo do bico injetor. Consulte especificação:
REMOVA OS BICOS INJETORES DE COMBUSTÍVEL na Seção 02, Grupo 090 VÁ PARA 16
deste manual.
Pressão de compressão
2. Teste novamente a pressão de compressão. fora da especificação:
VÁ PARA 14

– – –1/1

14 Verificação do 1. Certifique-se de que não haja problemas mecânicos no motor e que não haja algo Folga da válvula dentro
Chicote da Válvula puxando potência excessiva do motor da especificação:
VÁ PARA 15
2. Certifique-se de que o chicote da válvula esteja ajustado corretamente. Consulte
VERIFICAÇÃO E AJUSTE DA FOLGA DA VÁLVULA na Seção 02, Grupo 020 do Folga da válvula fora da
Manual do Motor Básico de Motores Diesel de 4,5L e 6,8L (CTM 104). especificação:
ajuste as válvulas de
acordo com as
especificações e teste
novamente.

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-18 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=140
Diagnósticos e Testes Observáveis

15 Verificação da Verifique a elevação da válvula. Consulte MEDIÇÃO DA ELEVAÇÃO DA VÁLVULA na A elevação de todas as
Elevação da Válvula Seção 02, Grupo 020 do Manual do Motor Básico de Motores Diesel de 4,5L e 6,8L válvulas dentro da
(CTM104). especificação:
VÁ PARA 16

A elevação de uma ou
mais válvulas está fora
da especificação:
reajuste a folga de
acordo com a
especificação após medir
a elevação. Consulte
VERIFICAÇÃO E
AJUSTE DA FOLGA DA
VÁLVULA na Seção 02,
Grupo 020 do Manual do
Motor Básico de Motores
Diesel de 4,5L e 6,8L
(CTM104).
04
150
19

– – –1/1

16 Verificação de Neste ponto, a causa mais provável da pressão de compressão baixa do motor é uma Problema encontrado
Pistões, Anéis e das seguintes falhas dos pistões, anéis e/ou camisas de cilindro ou nas guias de nos pistões, anéis e/ou
Camisas de Cilindro válvulas. Verifique os itens mais prováveis conforme o caso. camisas ou guias de
válvulas: repare o
• Anéis de controle de óleo desgastados ou quebrados problema conforme
• Camisas de cilindro ou pistões marcados necessário.
• Ranhuras do anel do pistão excessivamente gastas
• Os anéis de pistão ficam presos nas ranhuras dos anéis
• A tensão dos anéis de pistão é insuficiente
• Os intervalos entre os anéis de pistão não estão escalonadas
• Camisas de cilindro vitrificadas (carga insuficiente durante o amaciamento do motor)
• Guias ou hastes da válvula gastos
• O cabeçote do cilindro pode precisar de recondicionamento

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-19 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=141
Diagnósticos e Testes Observáveis

E4 - Motor Emite Muita Fumaça Branca Pelo Escapamento

RG40854,00000D6 –54–02JAN02–1/1

E4 - Procedimento de Diagnóstico Motor Emite Fumaça de Escape Branca em Excesso

NOTA: Este procedimento deve ser usado se o motor emitir fumaça branca excessiva pelo escapamento. Este tipo
de fumaça provoca uma sensação de queimação nos olhos. Se o motor emitir uma fumaça menos pesada,
azulada pelo escapamento, consulte 4,5 l/6,8 l - L1 - CONSUMO EXCESSIVO DE ÓLEO na Seção 04, Grupo 150
do Manual de Motores Básicos Diesel de 4,5 l e 6,8 l (CTM206).

04
150
20

– – –1/1

1 E4 - Verificação Antes de utilizar o procedimento de diagnóstico: Não foram encontrados


Preliminar problemas:
• Certifique-se de que a quantidade e a qualidade de combustı́vel estejam OK. VÁ PARA 2
Consulte VERIFICAÇÃO DA QUALIDADE DO SUPRIMENTO DE COMBUSTÍVEL,
posteriormente, neste Grupo. Problema encontrado:
• Assegure-se de que a temperatura do lı́quido de arrefecimento do motor não esteja Repare e teste
extremamente baixa. novamente.

– – –1/1

2 Teste de Falha da Verifique se há alguma junta do cabeçote com defeito. Consulte VERIFICAÇÃO DE Sem sinais de falha na
Junta do Cabeçote FALHAS NA JUNTA DO CABEÇOTEno Grupo 150 do Manual de Motores Básicos junta do cabeçote:
Diesel de 4,5 l e 6,8 l (CTM206). VÁ PARA 3

Encontrados sinais de
falha na junta do
cabeçote:
Consulte VERIFICAÇÃO
DE FALHAS DA JUNTA
DO CABEÇOTEno Grupo
020 do Manual de
Motores Básicos Diesel
de 4,5 l e 6,8 l (CTM206).

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-20 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=142
Diagnósticos e Testes Observáveis

3 Verificação da Verifique a pressão de compressão. Consulte TESTE DA PRESSÃO DE Pressão de compressão


Pressão de COMPRESSÃO DO MOTOR, na Seção 04, Grupo 150, do Manual de Motores está dentro da
Compressão Básicos Diesel de 4,5 l e 6,8 l (CTM206). especificação.
VÁ PARA 4

Pressão de compressão
não está dentro da
especificação.
VÁ PARA 6

– – –1/1

4 Verificação da Verifique a pressão de combustı́vel. Consulte VERIFICAÇÃO DA PRESSÃO DE Pressão do combustı́vel


Pressão de SUPRIMENTO DE COMBUSTÍVEL, posteriormente, neste Grupo. dentro da
04
Suprimento de especificação:
150
Combustı́vel VÁ PARA 5
21
Pressão do combustı́vel
abaixo da
especificação:
Verifique o sistema de
suprimento de
combustı́vel. Consulte F1
- PROCEDIMENTO DE
DIAGNÓSTICO E
VERIFICAÇÃO DO
SISTEMA DE
SUPRIMENTO DE
COMBUSTÍVEL mais
adiante neste Grupo.

– – –1/1

5 Verificação do Bico Teste os bicos injetores de combustı́vel. Consulte F5 - VERIFICAÇÃO DO BICO Teste dos bicos
Injetor de INJETOR DE COMBUSTÍVEL mais adiante, neste Grupo. injetores OK:
Combustı́vel Bomba injetora com
defeito.

Encontrado(s) bico(s)
injetor(es) com defeito:
Repare ou substitua os
bicos injetores.

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-21 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=143
Diagnósticos e Testes Observáveis

6 Verificação dos Anéis NOTA: NÃO use muito óleo. NÃO deixe cair óleo nas válvulas. Pressão de compressão
do Pistão está dentro da
1. Aplique óleo na área do anel no pistão através do furo do bico injetor. Consulte especificação.
REMOÇÃO DOS BICOS INJETORES DE COMBUSTÍVEL na Seção 02, Grupo 090 VÁ PARA 9
deste manual.
Pressão de compressão
2. Teste novamente a pressão de compressão. não está dentro da
especificação.
VÁ PARA 7

– – –1/1

7 Verificação da Folga 1. Certifique-se de que não haja problemas mecânicos no motor e que não haja algo Folga da válvula dentro
da Válvula puxando potência excessiva do motor. da especificação:
04
VÁ PARA 8
150
2. Certifique-se de que a folga da válvula esteja ajustada corretamente. Consulte
22
VERIFICAÇÃO E AJUSTE DA FOLGA DA VÁLVULAna Seção 02, Grupo 020, do Folga da válvula fora da
Manual de Motores Básicos Diesel de 4,5 l e 6,8 l (CTM206). especificação:
Ajuste as válvulas de
acordo com as
especificações e teste
novamente.

– – –1/1

8 Verificação do Curso Verifique o curso da válvula. Consulte MEDIÇÃO DO CURSO DA VÁLVULA, no Curso de todas as
da Válvula Grupo 020, Seção 02 do Manual de Motores Básicos Diesel de 4,5 l e 6,8 l (CTM206). válvulas dentro da
especificação:
VÁ PARA 9

Curso em uma ou mais


válvulas fora da
especificação: Redefina
a folga de acordo com a
especificação depois de
medir o curso. Consulte
VERIFICAÇÃO E
AJUSTE DA FOLGA DA
VÁLVULA na Seção 02,
Grupo 020 do Manual de
Motores Básicos Diesel
de 4,5 l e 6,8 l (CTM206).

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-22 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=144
Diagnósticos e Testes Observáveis

9 Verificação de Neste ponto, a causa mais provável da pressão de compressão baixa do motor é uma Problema encontrado
Pistões, Anéis e das seguintes falhas dos pistões, anéis e/ou camisas de cilindro ou nas guias de nos pistões, anéis e/ou
Camisas de Cilindro válvulas. Verifique os itens mais prováveis conforme necessário. camisas ou guias de
válvula: Repare o
• Anéis de lubrificação desgastados ou quebrados problema conforme
• Camisas de cilindro ou pistões marcados necessário.
• Canaletas dos anéis de pistão com desgaste excessivo
• Os anéis do pistão estão emperrando nas canaletas do anel
• Tensão insuficiente do anel de pistão
• Folgas dos anéis não ajustadas
• Camisas de cilindro vitrificadas (carga insuficiente durante o amaciamento do motor)
• Guias ou hastes de válvula desgastadas
• O cabeçote de cilindros pode necessitar de recondicionamento

– – –1/1

04
150
23

CTM339 (03OCT05) 04-150-23 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=145
Diagnósticos e Testes Observáveis

E5 - Motor Emite Muita Fumaça Preta ou Cinza

RG40854,00000D7 –54–23SEP05–1/1

E5 - Motor Emite Muita Fumaça Preta ou Cinza - Procedimento de Diagnóstico

NOTA: Este procedimento deve ser usado se o motor emitir fumaça preta ou cinza em excesso pelo escape. Se o
motor emitir uma fumaça menos pesada, azulada, pelo escape, consulte 4,5L/6,8L - L1 - CONSUMO EXCESSIVO
DE ÓLEO na Seção 04, Grupo 150 do Manual Básico de Motores Diesel 4,5L e 6,8L (CTM 104).

04
150
24

– – –1/1

1 E5 - Verificação Antes de utilizar o procedimento de diagnóstico, faça as seguintes verificações: Nenhum problema
Preliminar encontrado:
• Verifique se a quantidade e a qualidade de combustı́vel estão normais. Consulte VÁ PARA 2
VERIFICAÇÃO DA QUALIDADE DO SUPRIMENTO DE COMBUSTÍVEL
posteriormente neste Grupo. Problema encontrado:
• Certifique-se de que o motor não tenha excesso de carga Repare e teste
• Certifique-se de que o filtro de ar não esteja restringido ou entupido novamente.

– – –1/1

2 Verificação da Curva NOTA: Esta verificação somente é necessária para Escavadoras. Para todas as outras Número correto da
de Torque aplicações, VÁ PARA 3 . curva de torque
exibido:
1. Conecte o DST ou SERVICE ADVISOR. VÁ PARA 3

2. Com o motor funcionando, leia o parâmetro Curva de Torque no DST ou SERVICE Número incorreto da
ADVISOR. curva de torque
exibido:
NOTA: Para obter uma explicação desse parâmetro, consulte DESCRIÇÃO DOS ajuste a curva de torque
PARÂMETROS DE DADOS, no Grupo 160. com o DST ou SERVICE
ADVISOR. Consulte
3. Compare o Parâmetro da Curva de Torque com a tabela correspondente de curva INSTRUÇÕES DE
de torque. Consulte ESCAVADORAS - SELEÇÃO DA CURVA DE TORQUE na TESTE DO MOTOR -
Seção 06, Grupo 210, neste manual. TESTE DE ALTERAÇÃO
DA CURVA DE TORQUE
DA ESCAVADORA na
Seção 4, Grupo 160
deste manual.

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company – – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-24 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=146
Diagnósticos e Testes Observáveis

3 Teste da Admissão Verifique restrições e vazamentos de ar na entrada e no escape. Consulte Não foram encontradas
de Ar e Escape VERIFIQUE RESTRIÇÕES NA ADMISSÃO E NO ESCAPE , TESTE A EXISTÊNCIA restrições ou
DE VAZAMENTOS NA ADMISSÃO DE AR e VERIFIQUE VAZAMENTOS DE AR DE vazamentos:
ESCAPE (MOTORES TURBOCOMPRIMIDOS) na Seção 04, Grupo 150 do Manual de VÁ PARA 4
Motor Básico de Motores Diesel de 4,5L e 6,8L (CTM 104).
Restrições ou
vazamentos
encontrados:
conserte ou substitua os
componentes conforme
necessário.

– – –1/1

4 Verificação do Verifique se há falhas no turbocompressor. Consulte INSPEÇÃO DO Não foram encontradas
Turbocompressor TURBOCOMPRESSORna Seção 02, Grupo 080 do Manual do Motor Básico de falhas no
04
Motores Diesel de 4,5L e 6,8L (CTM 104). turbocompressor:
150
VÁ PARA 5
25
Encontradas falhas no
turbocompressor:
siga o procedimento
correspondente de
conserto no Grupo 080
do Manual do Motor
Básico de Motores Diesel
4,5L e 6,8L (CTM104).

– – –1/1

5 Verificação do Verifique o chicote da válvula. Consulte VERIFICAÇÃO E AJUSTE DA FOLGA DA Chicote de todas as
Chicote da Válvula VÁLVULAno Grupo 020 do Manual do Motor Básico de Motores Diesel de 4,5L e 6,8L válvulas dentro da
(CTM104). especificação:
VÁ PARA 6

Chicote da válvula em
uma ou mais válvulas
fora da especificação:
ajuste o chicote da
válvula e teste
novamente

– – –1/1

6 Verificação na Linha Verifique a existência de restrições na linha de retorno de combustı́vel e conexão. Não foram encontradas
de Retorno de restrições:
Combustı́vel VÁ PARA 7

Restrição encontrada:
conserte e teste
novamente.

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-25 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=147
Diagnósticos e Testes Observáveis

7 Verificação do Bico Teste os bicos injetores de combustı́vel. Consulte F5 - VERIFICAÇÃO DO BICO Teste positivo nos
Injetor de INJETOR DE COMBUSTÍVEL posteriormente neste Grupo. bicos injetores:
Combustı́vel bomba de injeção com
defeito.

Encontrado(s) bico(s)
injetor(es) com defeito:
conserte ou troque os
bicos injetores

– – –1/1

04
150
26

CTM339 (03OCT05) 04-150-26 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=148
Diagnósticos e Testes Observáveis

E6 - Motor Não Gira

Sintoma Problema Solução

E6 - Motor Não Gira Bateria fraca Substitua a bateria.

Conexões da bateria corroı́das ou Limpe os terminais e conexões da


frouxas bateria.

Interruptor principal ou interruptor de Repare o interruptor conforme


segurança de partida com defeito necessário.

Solenóide do motor de partida com Substitua o solenóide.


defeito
04
150
Motor de partida com defeito Substitua o motor de partida. 27

Circuito de partida com defeito Verifique a fiação, os fusı́veis e os


relés.

Motor está emperrado Verifique girando o motor


manualmente.

RG40854,00000D8 –54–02JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-27 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=149
Diagnósticos e Testes Observáveis

E7 - Marcha Lenta do Motor Está Fraca

Sintoma Problema Solução

E7 - Marcha Lenta do Motor Está Combustı́vel de qualidade inferior Drene o combustı́vel e substitua-o
Fraca por um combustı́vel de qualidade
com o grau adequado.

Vazamento de ar no lado de sucção Verifique a mangueira e as


do sistema de admissão de ar conexões do tubo quanto ao aperto
e repare conforme necessário.
Consulte ESPECIFICAÇÕES DO
SISTEMA DE ADMISSÃO DE AR E
ESCAPEna Seção 6, Grupo 200 do
04
150 Manual de Motores Básicos Diesel
28 de 4,5 l e 6,8 l (CTM206).

Problema no sistema de controle Consulte E2 - PROCEDIMENTO DE


eletrônico ou problema no motor DIAGNÓSTICO DO MOTOR COM
básico FALHA NA
IGNIÇÃO/FUNCIONAMENTO
IRREGULAR, anteriormente neste
Grupo.

RG40854,00000DA –54–02JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-28 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=150
Diagnósticos e Testes Observáveis

E8 - Ruı́do Anormal no Motor

Sintoma Problema Solução

E8 - Ruı́do Anormal no Motor Bronzinas principais ou da biela Determine a folga da bronzina.


desgastadas Consulte ESPECIFICAÇÕES DO
BLOCO DE CILINDROS, DAS
CAMISAS, DOS PISTÕES E
BIELAS na Seção 6, Grupo 200 ou
ESPECIFICAÇÕES DO
VIRABREQUIM, MANCAIS
PRINCIPAIS E VOLANTE na Seção
6, Grupo 200 do Manual de Motores
Básicos Diesel de 4,5 l e 6,8 l
04
(CTM206). 150
29
Folga excessiva no virabrequim Verifique a folga no virabrequim.
Consulte VERIFICAÇÃO DA FOLGA
DO VIRABREQUIMna Seção 2,
Grupo 040 do Manual de Motores
Básicos Diesel de 4,5 l e 6,8 l
(CTM206).

Capa do mancal principal frouxa Verifique a folga da bronzina;


substitua as bronzinas e os
parafusos conforme necessário.
Consulte ESPECIFICAÇÕES DO
VIRABREQUIM, MANCAIS
PRINCIPAIS E DO VOLANTEna
Seção 6, Grupo 200 do Manual de
Motores Básicos Diesel de 4,5 l e
6,8 l (CTM206).

Buchas da haste de ligação e pinos Inspecione os pinos e buchas do


do pistão desgastados pistão. Consulte INSPEÇÃO DE
PINOS E BUCHAS DO PISTÃOna
Seção 2, Grupo 030, do Manual de
Motores Básicos Diesel de 4,5 l e
6,8 l (CTM206).

Pistões marcados Inspecione os pistões. Consulte


VERIFICAÇÕES PRELIMINARES
DA CAMISA, PISTÃO E BIELAna
Seção 2, Grupo 030, do Manual de
Motores Básicos Diesel de 4,5 l e
6,8 l (CTM206).

Continua na próxima página RG40854,00000DB –54–02JAN02–1/2

CTM339 (03OCT05) 04-150-29 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=151
Diagnósticos e Testes Observáveis

Sintoma Problema Solução

Engrenagens de sincronização Verifique a folga da engrenagem de


gastas ou com excesso de folga sincronização. Consulte MEDIÇÃO
DA FOLGA DA ENGRENAGEM DE
SINCRONIZAÇÃOna Seção 2,
Grupo 050, do Manual de Motores
Básicos Diesel de 4,5 l e 6,8 l
(CTM206).

Folga excessiva na válvula Verifique e ajuste a folga da válvula.


Consulte VERIFICAÇÃO E AJUSTE
DA FOLGA DA VÁLVULAna Seção
02, Grupo 020, do Manual de
Motores Básicos Diesel de 4,5 l e
6,8 l (CTM206).
04
150
30 Comando de válvulas desgastado Inspecione o comando de válvulas.
Consulte INSPEÇÃO VISUAL DO
COMANDO DE VÁLVULAS na
Seção 2, Grupo 050, do Manual de
Motores Básicos Diesel de 4,5 l e
6,8 l (CTM206).

Eixos do balancim desgastados Inspecione os eixos do balancim.


Consulte DESMONTAGEM E
INSPEÇÃO DO CONJUNTO DO
EIXO DO BALANCIMna Seção 2,
Grupo 020, do Manual de Motores
Básicos Diesel de 4,5 l e 6,8 l
(CTM206).

Lubrificação insuficiente do motor Consulte 4,5 l/6,8 l - L2 - PRESSÃO


BAIXA NO ÓLEO DO MOTORna
Seção 4, Grupo 150, do Manual de
Motores Básicos Diesel de 4,5 l e
6,8 l (CTM206).

Ruı́do no turbocompressor Consulte INSPEÇÃO DO


TURBOCOMPRESSOR na Seção 2,
Grupo 080 do Manual de Motores
Básicos Diesel de 4,5 l e 6,8 l
(CTM206).

RG40854,00000DB –54–02JAN02–2/2

CTM339 (03OCT05) 04-150-30 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=152
Diagnósticos e Testes Observáveis

E9 - Acelerador Analógico (B) Não Responde

NOTA: Esse procedimento é necessário somente para


aplicações OEM. Para obter informações sobre
outras aplicações, verifique os Códigos de
Diagnóstico de Falhas (DTCs) e siga o
procedimento correspondente.

Sintoma Problema Solução

E9 - Acelerador Analógico (B) Verificação do DTC Ativo Leia os DTCs no DST ouSERVICE
Não Responde ADVISOR. Vá para o
procedimento de diagnóstico do
DTC correspondente.
04
150
Verificação do Acelerador Analógico Consulte T6 - PROCEDIMENTO DE 31
(B) DIAGNÓSTICO DE BAIXA
ENTRADA DO ACELERADOR
ANALÓGICO (B) no Grupo 160
deste manual.

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company RG40854,0000145 –54–23SEP05–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-31 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=153
Diagnósticos e Testes Observáveis

F1 - Verificação do Sistema de Suprimento de Combustı́vel

RG40854,00000DD –54–02JAN02–1/1

F1 - Procedimento de Diagnóstico e Verificação do Sistema de Suprimento de Combustı́vel

– – –1/1

1 F1 - Verificação NOTA: Para obter mais informações sobre a operação do sistema de combustı́vel, Não foi encontrado
Preliminar consulte OPERAÇÃO DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL na Seção 03, Grupo 130 problema:
04
anteriormente neste manual. VÁ PARA 2
150
32
Antes de utilizar o procedimento de diagnóstico: Problema encontrado:
Repare e teste
• Certifique-se de que a quantidade e a qualidade de combustı́vel estejam OK. novamente.
Consulte VERIFICAÇÃO DA QUALIDADE DO SUPRIMENTO DE COMBUSTÍVEL,
posteriormente, neste Grupo.
• Verifique se há rupturas ou vazamentos em todas as linhas e conexões de
combustı́vel.
• Se o sistema de combustı́vel tiver sido aberto recentemente, sangre o sistema de
combustı́vel. Consulte SANGRIA DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL, posteriormente,
neste Grupo.
– – –1/1

2 Verificação de Ar no NOTA: Para obter mais informações sobre a operação do sistema de combustı́vel, Não foi encontrado ar
Combustı́vel consulte OPERAÇÃO DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL na Seção 03, Grupo 130 no sistema de
anteriormente neste manual. combustı́vel:
VÁ PARA 3
Verifique se há ar no combustı́vel. Consulte TESTE DE AR NO COMBUSTÍVEL mais
adiante, neste Grupo. Ar encontrado no
sistema de combustı́vel:
Sangre o sistema de
combustı́vel. Consulte
SANGRIA DO SISTEMA
DE COMBUSTÍVEL,
posteriormente, neste
Grupo.

– – –1/1

3 Verificação da NOTA: Para obter mais informações sobre a operação do sistema de combustı́vel, Pressão dentro da
Pressão de consulte OPERAÇÃO DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL na Seção 03, Grupo 130 especificação:
Suprimento de anteriormente neste manual. VÁ PARA 7
Combustı́vel
Verifique a pressão de suprimento de combustı́vel. Consulte VERIFICAÇÃO DA Pressão abaixo da
PRESSÃO DE SUPRIMENTO DE COMBUSTÍVEL, posteriormente, neste Grupo. especificação:
VÁ PARA 4

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-32 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=154
Diagnósticos e Testes Observáveis

4 Teste do Filtro de NOTA: Para obter mais informações sobre a operação do sistema de combustı́vel, Pressão dentro da
Combustı́vel. consulte OPERAÇÃO DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL na Seção 03, Grupo 130 especificação:
anteriormente neste manual. Problema resolvido

1. Substitua o filtro final de combustı́vel e teste novamente. Pressão abaixo da


especificação:
2. Substitua o pré-filtro (se equipado) e teste novamente. VÁ PARA 5

3. Verifique a pressão de suprimento de combustı́vel. Consulte VERIFICAÇÃO DA


PRESSÃO DE SUPRIMENTO DE COMBUSTÍVEL, posteriormente, neste Grupo.

– – –1/1

5 Verificação das NOTA: Para obter mais informações sobre a operação do sistema de combustı́vel, Não foram encontradas
Linhas de Suprimento consulte OPERAÇÃO DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL na Seção 03, Grupo 130 restrições:
04
de Combustı́vel anteriormente neste manual. VÁ PARA 6
150
33
Remova as linhas de suprimento de combustı́vel e determine se há quaisquer Restrição encontrada:
restrições internas. Repare ou substitua os
componentes conforme
necessário.

– – –1/1

6 Verificação da Bomba NOTA: Para obter mais informações sobre a operação do sistema de combustı́vel,
de Suprimento de consulte OPERAÇÃO DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL na Seção 03, Grupo 130
Combustı́vel anteriormente neste manual.

Neste ponto, a causa mais provável da pressão baixa do combustı́vel é uma falha na
bomba de suprimento de combustı́vel. Consulte TESTE DE BANCADA DA BOMBA
DE SUPRIMENTO DE COMBUSTÍVEL, posteriormente neste Grupo.

– – –1/1

7 Verificação do NOTA: Para obter mais informações sobre a operação do sistema de combustı́vel, Bom fluxo de
Combustı́vel de consulte OPERAÇÃO DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL na Seção 03, Grupo 130 combustı́vel saindo da
Retorno anteriormente neste manual. válvula de transbordo
frouxa:
1. Desconecte a linha de combustı́vel da válvula de transbordo da bomba injetora. Nenhum problema
encontrado na bomba de
2. Afrouxe a válvula de transbordo da bomba injetora suprimento de
combustı́vel.
3. Gire o interruptor da ignição para a posição “ON”.
SEM um bom fluxo de
4. Opere o escorvador manual na bomba de suprimento de combustı́vel até que o combustı́vel ou nenhum
combustı́vel flua para fora do local do encaixe da válvula de transbordo. Se não for fluxo saindo da válvula
obtido um fluxo de combustı́vel saindo do furo, reaperte todas as conexões. de transbordo frouxa:
VÁ PARA 8
– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-33 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=155
Diagnósticos e Testes Observáveis

8 Verificação de NOTA: Para obter mais informações sobre a operação do sistema de combustı́vel, Nenhuma restrição
Restrições na Linha consulte OPERAÇÃO DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL na Seção 03, Grupo 130 encontrada:
de Pré-injeção de anteriormente neste manual. Nenhum problema
Combustı́vel encontrado no suprimento
Essa verificação ajudará a determinar se a linha de pré-injeção de combustı́vel está de combustı́vel.
restringida. Retorne ao procedimento
de diagnóstico anterior
• Desconecte a linha de combustı́vel do filtro final até a bomba injetora. neste Grupo para:
• Force ar através da linha de combustı́vel. E1 - PROCEDIMENTO
DE DIAGNÓSTICO
MOTOR GIRA/NÃO DÁ
PARTIDA
OU
E3 - PROCEDIMENTO
DE DIAGNÓSTICO
MOTOR NÃO
DESENVOLVE
POTÊNCIA TOTAL

04 Foram encontradas
150 restrições:Repare ou
34 substitua os componentes
conforme necessário.
– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-34 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=156
Diagnósticos e Testes Observáveis

F2 - Consumo Excessivo de Combustı́vel

Sintoma Problema Solução

F2 - Consumo Excessivo de Combustı́vel de qualidade inferior Drene o combustı́vel e substitua-o


Combustı́vel por um combustı́vel de qualidade
com o grau adequado.

Motor sobrecarregado Reduza a carga do motor

Purificador de ar restrito ou sujo Substitua o elemento do purificador


de ar, se necessário.

Compressão muito baixa Determine a causa da baixa


04
compressão e repare, se necessário. 150
35
Vazamentos no sistema de Localize a fonte do vazamento e
suprimento de combustı́vel repare, se necessário.

RG40854,00000DE –54–02JAN02–1/1

F3 - Combustı́vel no Óleo

Sintoma Problema Solução

F3 - Combustı́vel no Óleo Vedação dianteira da bomba injetora Substitua a vedação dianteira.


com defeito

RG40854,00000DF –54–02JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-35 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=157
Diagnósticos e Testes Observáveis

F5 - Verificação do Bico Injetor de Combustı́vel

O F5 - Verificação do Bico Injetor de Combustı́vel • Testes de Desempenho - Consulte TESTE DOS


fornece uma lista de falhas possı́veis e suas soluções. BICOS INJETORES DE COMBUSTÍVEL na Seção
A lista a seguir fornece orientações para auxiliar no 02, Grupo 090 deste manual.
diagnóstico e reparo dos bicos. • Desmontagem - Consulte DESMONTAGEM DOS
BICOS INJETORES DE COMBUSTÍVEL na Seção
• Funcionamento - Consulte FUNCIONAMENTO DOS 02, Grupo 090 deste manual.
BICOS INJETORES DE COMBUSTÍVEL na Seção • Ajuste - Consulte AJUSTE DOS BICOS INJETORES
03, Grupo 130 deste manual. DE COMBUSTÍVEL na Seção 02, Grupo 090 deste
• Remoção - Consulte REMOÇÃO DOS BICOS manual.
INJETORES DE COMBUSTÍVEL na Seção 02, • Instalação de Vedações - Consulte INSTALAÇÃO
Grupo 090 deste manual. DAS VEDAÇÕES NOS BICOS INJETORES DE
• Limpeza - Consulte LIMPEZA DOS BICOS COMBUSTÍVEL na Seção 02, Grupo 090 deste
04
150 INJETORES DE COMBUSTÍVEL e LIMPEZA DOS manual.
36 ORIFÍCIOS DOS BICOS INJETORES DE • Instalação - Consulte INSTALAÇÃO DOS BICOS
COMBUSTÍVEL na Seção 02, Grupo 090 neste INJETORES DE COMBUSTÍVEL na Seção 02,
manual. Grupo 090 deste manual.

Sintoma Problema Solução

Falha na Arruela de Vedação Bico substituı́do sem usar nova Limpe a canaleta e instale nova
Restritiva de Carbono vedação ou arruela. vedação e arruela.

Canaleta da vedação restritiva de Limpe a canaleta e instale uma nova


carbono não foi limpo quando a vedação.
nova vedação foi instalada.

Pressão de Abertura Incorreta Regulagem incorreta Ajuste a pressão de abertura.


Consulte TESTE DOS BICOS
INJETORES DE COMBUSTÍVEL na
Seção 02, Grupo 090 deste manual.

Mola quebrada Substitua a mola

Bico não Abre Orifı́cios entupidos Limpe os orifı́cios

Orifı́cios lascados Substitua o bico injetor

Parafuso de levante assentado Ajuste o parafuso de levante.

Padrão Baixo de Pulverização Orifı́cios entupidos Limpe os orifı́cios

Orifı́cios lascados Substitua o bico injetor

Ponta do bico rachada Substitua o bico injetor.

Atomização Baixa Orifı́cio entupido Limpe o orifı́cio.

Continua na próxima página RG40854,0000001 –54–06MAR02–1/2

CTM339 (03OCT05) 04-150-36 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=158
Diagnósticos e Testes Observáveis

Sintoma Problema Solução

Orifı́cio lascado Substitua o bico injetor

Ponta do bico rachada Substitua o bico injetor.

Vazamento no Assento Depósitos na área de assento Limpe o assento.

Sede da válvula erodida ou com Esmerilhe a válvula para o assento.


corrosão localizada Substitua o bico conforme
necessário.

Sede da ponta com corrosão Esmerilhe a ponta para o assento.


localizada Substitua o bico conforme
necessário.
04
Válvula emperrada Consulte TESTE DOS BICOS 150
INJETORES DE COMBUSTÍVEL na 37
Seção 02, Grupo 090 deste manual.

Corpo empenado Substitua o bico injetor

Ponta rachada Substitua o bico injetor

Antivazamento Alto Desgaste ou arranhado na guia Esmerilhe a válvula para a guia.


Substitua o bico conforme
necessário.

Antivazamento Baixo Verniz na válvula Limpe a Área da Guia

Folga insuficiente Limpe o bico. Esmerilhe a válvula


para a guia. Substitua o bico injetor,
conforme necessário.

RG40854,0000001 –54–06MAR02–2/2

CTM339 (03OCT05) 04-150-37 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=159
Diagnósticos e Testes Observáveis

D1 - A ECU Não Se Comunica Com DST ou SERVICE ADVISOR


C
O
L2 A1 A2 A3 N
CAN Baixa E
B1 B2 B3
CAN Alta L1 C1 C2 C3
C
T
D1 D2 D3
O
Blindagem da CAN E1 E2 E3 R

D
F1 F2 F3
O
D D
E G1 G2 G3
C
C C H1 H2 H3 H
F A B E J1 J2 J3 I
J B Voltagem Comutada K1 K2 K3 C
G O
H A Fio-terra Estático
04 T
150 L1 L2 L3
E
38 M1 M2 M3
E
N1 N2 N3
Conector L
de Diagnóstico P1 P2 P3 É
R1 R2 R3 T
R
I
C
S1 S2 S3
O
B A A B B T1 T2 T3

A W1 W2 W3 D

–54–10OCT02
X1 X2 X3 A
C Y1 Y2 Y3
E
C C
U

RG11336
C
Finalizador da CAN

Este procedimento de diagnóstico deve ser usado se a CAN, consulte REDE DE ÁREA DO CONTROLADOR
comunicação entre a DST ou o SERVICE ADVISOR (CAN) na Seção 03, Grupo 130 anteriormente neste
e a Unidade de Controle do Motor (ECU) não puder manual.
ser estabelecida. Para obter mais informações sobre o

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company RG41221,00000F6 –54–08FEB03–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-38 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=160
Diagnósticos e Testes Observáveis

D1 - A ECU Não Se Comunica Com DST ou SERVICE ADVISOR

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company RG40854,00000E9 –54–04JAN02–1/1

D1 - A ECU Não Se Comunica Com o DST ou SERVICE ADVISOR - Procedimento de Diagnóstico

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company – – –1/1

1 Verificação da IMPORTANTE: Não force as sondas nos terminais do conector, ou haverá danos. Nenhuma conexão com
conexão Use o Kit de Teste do Adaptador do Conector JT07328 para fazer medições nos defeito:
04
conectores. Este procedimento garantirá a não ocorrência de danos no terminal. VÁ PARA 2
150
39
NOTA: Para obter informações sobre a fiação e a teoria de operação, consulte as Conexão(ões) com
informações de suporte do D1 - A ECU NÃO SE COMUNICA COM o DST ou defeito:
SERVICE ADVISOR repare a(s) conexão(ões)
com defeito
Realize uma inspeção preliminar no conector da ECU, no conector de diagnóstico e
em todas as conexões entre eles. Procure terminais sujos, danificados ou
malposicionados.

– – –1/1

2 Teste de Falha NOTA: Para obter informações sobre a fiação e a teoria de operação, consulte as DST ou Service
Intermitente informações de suporte do D1 - A ECU NÃO SE COMUNICA COM o DST ou ADVISOR não se
SERVICE ADVISOR comunica com a ECU:
VÁ PARA 3
1. Conecte o DST ou SERVICE ADVISOR.
O DST ou Service
2. Certifique-se de que todos os cabos de comunicação estejam devidamente ADVISOR se comunica
conectados com a ECU: o problema
é intermitente. Se não
3. Ignição LIGADA, motor DESLIGADO houver outros códigos,
consulte DIAGNÓSTICO
4. Inicie o Software de Comunicação da ECU DE FALHA
INTERMITENTE,
anteriormente, neste
Grupo.

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-39 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=161
Diagnósticos e Testes Observáveis

3 Teste de Tensão do NOTA: Para obter informações sobre a fiação e a teoria de operação, consulte as 4,5 V ou acima:
Sensor informações de suporte do D1 - A ECU NÃO SE COMUNICA COM o DST ou VÁ PARA 5
SERVICE ADVISOR
Abaixo de 4.5 V:
1. Ignição DESLIGADA VÁ PARA 4

2. Desconecte o sensor da ECT

3. Ignição LIGADA

4. Usando um multı́metro, meça a tensão entre ambos os terminais do conector do


chicote elétrico do sensor selecionado

– – –1/1

4 Teste de Suprimento NOTA: Para obter informações sobre a fiação e a teoria de operação, consulte as 10,0 V ou acima:
de Energia informações de suporte do D1 - A ECU NÃO SE COMUNICA COM o DST ou fusı́vel de alimentação da
04
SERVICE ADVISOR ECU com defeito
150
OU
40
1. Ignição DESLIGADA Fiação de alimentação da
ECU com defeito
2. Desconecte o conector da ECU OU
ECU com defeito.
3. Ignição LIGADA
Abaixo de 10,0 V:
4. Usando um multı́metro, meça a tensão entre um bom aterramento e o terminal A2 fio do sinal de chave
na extremidade do chicote elétrico do conector da ECU. ligada aberto ou em curto
com o terra
OU
Interruptor da ignição
com defeito
OU
Fusı́vel da chave ligada
com defeito

– – –1/1

5 Teste de Luz de NOTA: Para obter informações sobre a fiação e a teoria de operação, consulte as Luz de energia verde
Energia PDM informações de suporte do D1 - A ECU NÃO SE COMUNICA COM o DST ou LIGADA:
SERVICE ADVISOR VÁ PARA 8

1. Ignição LIGADA Luz de energia


vermelha ou luz de
2. Observe a luz da energia no Módulo de Dados Paralelos (PDM) energia DESLIGADA:
VÁ PARA 6

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-40 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=162
Diagnósticos e Testes Observáveis

6 Abra o Teste de NOTA: Para obter informações sobre a fiação e a teoria de operação, consulte as Substancialmente
Diagnóstico do Fio informações de suporte do D1 - A ECU NÃO SE COMUNICA COM o DST ou abaixo da voltagem da
Terra do Conector SERVICE ADVISOR bateria:
VÁ PARA 7
1. Ignição DESLIGADA
Na ou próximo à
2. Desconecte o cabo de diagnóstico do conector de diagnóstico voltagem da bateria:
conector de diagnóstico
3. Ignição LIGADA com defeito
OU
4. Com um multı́metro, meça a tensão entre o terminal de tensão não-permanente e o Cabo de diagnóstico com
terminal terra da extremidade do chicote do conector de diagnóstico defeito
OU
Módulo de Dados da
Porta (PDM) Paralela
com Defeito

04
150
41

– – –1/1

7 Verificações da NOTA: Para obter informações sobre a fiação e a teoria de operação, consulte as Luz LIGADA:
Alimentação do informações de suporte do D1 - A ECU NÃO SE COMUNICA COM o DST ou conector de diagnóstico
Chicote/Fio Terra SERVICE ADVISOR com defeito
OU
1. Ignição DESLIGADA Fio terra aberto ou em
curto
2. Desconecte o cabo de diagnóstico do conector de diagnóstico
Luz DESLIGADA:
3. Insira o terminal terra no lado do chicote elétrico do conector de diagnóstico com Conector de diagnóstico
uma luz de teste conectada à voltagem da bateria. com defeito
OU
Fio terra aberto

– – –1/1

8 Teste de Circuito do NOTA: Para obter informações sobre a fiação e a teoria de operação, consulte as Ambas as medições
Chicote Elétrico informações de suporte do D1 - A ECU NÃO SE COMUNICA COM o DST ou apresentam 5 ohms ou
Aberto SERVICE ADVISOR menos:
VÁ PARA 9
1. Ignição DESLIGADA
Uma ou mais medidas
2. Desconecte o conector e o cabo de diagnóstico da ECU do conector de diagnóstico são maiores que 5
ohms:
3. Usando um multı́metro, meça a resistência na extremidade do chicote elétrico de aberta no circuito do
ambos os conectores entre: chicote elétrico

• Terminal baixo D da CAN, no conector de diagnóstico, e terminal F1, no conector


ECU.
• Terminal alto C da CAN, no conector de diagnóstico, e terminal G1, no conector
ECU.

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-41 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=163
Diagnósticos e Testes Observáveis

9 Teste de Resistência NOTA: Para obter informações sobre a fiação e a teoria de operação, consulte as Entre 45 - 75 ohms:
da CAN informações de suporte do D1 - A ECU NÃO SE COMUNICA COM o DST ou VÁ PARA 10
SERVICE ADVISOR
Abaixo de 45 ou acima
1. Ignição DESLIGADA de 75 ohms:
conector do finalizador da
2. A ECU e conector de diagnóstico ainda estão desconectados. CAN faltando ou com
defeito
3. Usando um multı́metro, meça a resistência entre os terminais C e D na OU
extremidade do chicote elétrico do conector de diagnóstico. Chicote elétrico da CAN
aberto ou em curto

– – –1/1

10 Teste de Tensão Alta NOTA: Para obter informações sobre a fiação e a teoria de operação, consulte as Ambas as medidas
e Baixa na CAN informações de suporte do D1 - A ECU NÃO SE COMUNICA COM o DST ou entre 1,5 - 3,5 volts:
04
SERVICE ADVISOR ligação do Chicote
150
Elétrico da Cabine/ECU
42
1. Ignição DESLIGADA com defeito
OU
2. Reconecte o conector da ECU Cabo de diagnóstico com
defeito
3. Ignição LIGADA, motor DESLIGADO OU
Conector de diagnóstico
4. Usando um multı́metro, meça a tensão entre um bom aterramento no chassi e: com defeito
OU
• o terminal C no conector de diagnóstico Módulo de Dados da
• o terminal D no conector de diagnóstico Porta Paralela (PDM)
com defeito
OU
Configuração do
computador/software de
diagnóstico com defeito
OU
ECU com defeito

Qualquer uma das


medidas abaixo de 1,5
ou acima de 3,5 volts:
fiação da CAN em curto
com o terra ou com a
tensão
OU
ECU com defeito

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-42 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=164
Diagnósticos e Testes Observáveis

04
150
43

CTM339 (03OCT05) 04-150-43 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=165
Diagnósticos e Testes Observáveis

D2 - Indicador de Diagnóstico Não se Comunica com ECU

C
O
A1 A2 A3 N
CAN Baixa L2
B1 B2 B3 E
CAN Alta L1 C1 C2 C3 C
D1 D2 D3 T
Blindagem da CAN O
E1 E2 E3
R

D
F1 F2 F3 O
G1 G2 G3
C
H1 H2 H3
B H
J1 J2 J3 I
H A
G K1 K2 K3 C
04
G B F O
T
150 F C E Voltagem Comutada L1 L2 L3 E
44
E D D Fio-terra Estático M1 M2 M3
N1 N2 N3 E
P1 P2 P3 L
É
R1 R2 R3
Conector do Aferidor T
R
de Diagnóstico I
S1 S2 S3 C
B A A B B O
T1 T2 T3
A W1 W2 W3

–54–10OCT02
D
C X1 X2 X3 A
Y1 Y2 Y3
C E
C
C

RG11649
U
Finalizador da CAN

NOTA: Para obter mais informações sobre o CAN, seguido se o indicador de diagnóstico mostrar os
consulte REDE DE ÁREA CONTROLADA seguintes códigos de erro ou se ele não puder se
(CAN) na Seção 03, Grupo 140 anteriormente comunicar com a ECU.
neste manual. – Erro EE
– Erro ACP/Sem Addr
Erros Internos no Indicador de Diagnóstico – Erro ACP/Barramento EP
– Erro ACP/Erro de Barramento
• O procedimento de diagnóstico D2 - Indicador de
Diagnóstico Não se Comunica com a ECU deve ser

RG41221,00000D4 –54–27MAR02–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-44 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=166
Diagnósticos e Testes Observáveis

D2 - Indicador de Diagnóstico Não se Comunica com ECU

RG40854,0000147 –54–11FEB02–1/1

D2 - Procedimento de Diagnóstico Indicador de Diagnóstico Não se Comunica com a ECU

– – –1/1

1 Verificação da IMPORTANTE: Não force as sondas nos terminais do conector ou poderá haver Nenhuma conexão com
conexão danos. Use o Kit de Teste do Adaptador de Conectores JT07328 para fazer as defeito:
04
medições nos conectores. Isto garantirá que não ocorram danos no terminal. VÁ PARA 2
150
45
NOTA: Para obter informações de suporte sobre teoria de operação, consulte D2 - Conexão(ões) com
INDICADOR DE DIAGNÓSTICO NÃO SE COMUNICA COM A ECU. defeito:
Repare a(s) conexão(ões)
Execute a inspeção preliminar do conector da ECU, do conector do indicador de com defeito
diagnósticos e todas as conexões entre eles. Procure terminais posicionados de
maneira errada, danificados ou sujos.

– – –1/1

2 Teste de Falha NOTA: Para obter informações de suporte sobre a fiação, consulte D2 - INDICADOR Sem energia ou erro no
Intermitente DE DIAGNÓSTICO NÃO SE COMUNICA COM A ECU. indicador de
diagnóstico:
1. Desligue a ignição VÁ PARA 3

2. Ignição LIGADA Nenhum erro


encontrado e há energia
no indicador de
diagnóstico:
O problema é
intermitente. Se não
houver outros códigos,
consulte DIAGNÓSTICO
DE FALHA
INTERMITENTE,
anteriormente, neste
Grupo.

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-45 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=167
Diagnósticos e Testes Observáveis

3 Teste de Voltagem do NOTA: Para obter informações de suporte sobre a fiação, consulte D2 - INDICADOR 4,5 V ou acima:
Sensor DE DIAGNÓSTICO NÃO SE COMUNICA COM A ECU. VÁ PARA 5

1. Desligue a ignição Abaixo de 4,5 V:


VÁ PARA 4
2. Desconecte qualquer um dos seguintes:

• Sensor de temperatura do combustı́vel


• Sensor da MAT
• Sensor da ECT

3. Ignição LIGADA

4. Usando um multı́metro, meça a voltagem entre ambos os terminais do conector do


chicote elétrico do sensor selecionado.

04
150
46

– – –1/1

4 Teste de Suprimento NOTA: Para obter informações de suporte sobre a fiação, consulte D2 - INDICADOR 10,0 V ou acima:
de Energia DE DIAGNÓSTICO NÃO SE COMUNICA COM A ECU. Fusı́vel da ECU com
defeito
1. Desligue a ignição OU
Fiação da ECU com
2. Desconecte o conector da ECU defeito
OU
3. Ignição LIGADA ECU com defeito

4. Usando um multı́metro, meça a voltagem entre um bom aterramento e o terminal Abaixo de 10,0 V:
A2 na extremidade do chicote elétrico do conector da ECU. Fio do sinal de chave
ligada aberto ou em curto
com o aterramento
OU
Chave de ignição com
defeito
OU
Fusı́vel de chave ligada
com defeito

– – –1/1

5 Teste de Energia do NOTA: Para obter informações de suporte sobre a fiação, consulte D2 - INDICADOR Indicador tem energia:
Indicador de DE DIAGNÓSTICO NÃO SE COMUNICA COM A ECU. VÁ PARA 8
Diagnóstico
1. Ignição LIGADA Indicador não tem
energia:
2. Observe o indicador de diagnóstico VÁ PARA 6
– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-46 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=168
Diagnósticos e Testes Observáveis

6 Abra o Teste de NOTA: Para obter informações de suporte sobre a fiação, consulte D2 - Substancialmente
Diagnóstico do PROCEDIMENTO DE DIAGNÓSTICO INDICADOR DE DIAGNÓSTICO NÃO SE abaixo da voltagem da
Aterramento do COMUNICA COM ECU. bateria:
Conector VÁ PARA 7
1. Desligue a ignição
Na ou próximo à
2. Desconecte o cabo de diagnóstico do conector de diagnóstico voltagem da bateria:
Conector de diagnóstico
3. Ignição LIGADA com defeito
OU
4. Usando um multı́metro, meça a voltagem entre o terminal com voltagem não Cabo de diagnóstico com
permanente e o terminal de aterramento da extremidade do chicote do conector de defeito
diagnóstico OU
Módulo de Dados da
Porta Paralela (PDM)
com Defeito

04
150
47

– – –1/1

7 Teste do Fio de NOTA: Para obter informações de suporte sobre a fiação, consulte D2 - INDICADOR Luz ACESA:
Alimentação do DE DIAGNÓSTICO NÃO SE COMUNICA COM A ECU. Fio da alimentação não
Conector do permanente do indicador
Indicador de 1. Desligue a ignição de diagnóstico aberto ou
Diagnóstico Aberto em curto com o
2. Desconecte o conector do indicador de diagnóstico aterramento.

3. Insira o terminal D no conector do indicador de diagnóstico com uma luz de teste Luz APAGADA:
conectada à voltagem da bateria. Fio-terra do conector do
indicador de diagnóstico
aberto.

– – –1/1

8 Teste de Circuito do NOTA: Para obter informações de suporte sobre a fiação, consulte D2 - INDICADOR Todas as medições
Chicote Elétrico DE DIAGNÓSTICO NÃO SE COMUNICA COM A ECU. apresentam 5 ohms ou
aberto menos:
1. Desligue a ignição VÁ PARA 9

2. Desconecte o conector da ECU e o cabo de diagnóstico do conector de Uma ou mais medidas


diagnóstico. são maiores que 5
ohms:
3. Usando um multı́metro, meça a resistência na extremidade do chicote elétrico de Circuito de chicote
ambos os conectores entre: elétrico em aberto
OU
• o Terminal B no conector do indicador de diagnóstico e o terminal F1 no Terminais do conector
conector da ECU. estão em posição errada
• o Terminal G no conector do indicador de diagnóstico e o terminal G1 no
conector da ECU.

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-47 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=169
Diagnósticos e Testes Observáveis

9 Teste de Resistência NOTA: Para obter informações de suporte sobre a fiação, consulte D2 - INDICADOR Entre 45 -75 ohms:
do CAN DE DIAGNÓSTICO NÃO SE COMUNICA COM ECU. VÁ PARA 10

1. Desligue a ignição Abaixo de 45 ou acima


de 75 ohms:
2. ECU e conectores de diagnóstico ainda desconectados. Conector(es) do
finalizador do CAN
3. Usando um multı́metro, meça a resistência entre os terminais B e G na ausente(s) ou com defeito
extremidade do chicote elétrico do conector de diagnóstico. OU
Chicote elétrico do CAN
em aberto ou em curto

– – –1/1

10 Teste de Voltagem NOTA: Para obter informações de suporte sobre a fiação, consulte D2 - INDICADOR Ambas as medidas
Alta e Baixa no CAN DE DIAGNÓSTICO NÃO SE COMUNICA COM ECU. entre 1,5 - 3,5 V:
04
Conexão da ECU com
150
1. Desligue a ignição defeito
48
OU
2. Reconecte o conector da ECU Conexão do indicador de
diagnóstico com defeito
3. Ignição LIGADA OU
Configuração do
4. Usando um multı́metro, meça a voltagem entre um bom aterramento no chassi e: software/computador de
diagnóstico com defeito
• O terminal B no conector do indicador de diagnóstico OU
• O terminal G no conector do indicador de diagnóstico ECU com defeito

Qualquer uma das


medidas abaixo de 1,5
V ou acima de 3,5 V:
Fiação do CAN em curto
com o aterramento ou
com a energia
OU
ECU com defeito

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-48 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=170
Diagnósticos e Testes Observáveis

04
150
49

CTM339 (03OCT05) 04-150-49 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=171
Diagnósticos e Testes Observáveis

A1 - Verificação do Aquecedor da Admissão de Ar


C E
Luz Indicadora do A1 A2 A3 O L
Aquecedor de Ar N É
B1 B2 B3 E
C1 C2 C3 C T
T R
Voltagem Não Permanente G2 D1 D2 D3
O I
E1 E2 E3 R C
O
D
O

–54–23JAN02
D
F1 F2 F3
C A
Habilitação do Relé do Aquecedor de Ar K3 G1 G2 G3 H
H1 H2 H3 I E
C C

RG12049
J1 J2 J3 O
T U
K1 K2 K3
E

04 NOTA: O esquema elétrico mostra somente as Quando a ECU envia voltagem da bateria para o relé
150 aplicações do motor OEM. Para obter do aquecedor de ar, o solenóide do relé se ativa e o
50 informações sobre fiação de motores não aquecedor de ar é LIGADO. Nesse momento, a ECU
OEM, consulte ESPECIFICAÇÕES DA acende a luz indicadora do aquecedor de ar. Quando
APLICAÇÃO na Seção 06, Grupo 210, neste a ECU pára de enviar voltagem da bateria, o
manual. solenóide se desativa e o aquecedor de ar DESLIGA.
Nesse momento, a ECU APAGA a luz indicadora do
Aquecedor da Admissão de Ar aquecedor de ar.

O aquecedor do ar de admissão está localizado entre Para garantir a plena utilização do aquecedor do ar de
o tubo de admissão e o coletor de admissão. Sua admissão, o operador deve esperar até que a luz se
função é aquecer o ar de admissão durante condições apague antes de dar partida na máquina. Sempre que
de partida a frio. Seu tempo de operação depende da o motor girar mas não der partida, será necessário um
temperatura do combustı́vel do motor que a ECU ciclo chave-desligada/chave-ligada antes que o
detectar com a chave ligada. A tabela na página pré-aquecimento seja permitido novamente.
correspondente explica esta relação.

RG40854,00000E6 –54–03JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-50 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=172
Diagnósticos e Testes Observáveis

A1 - Verificação do Aquecedor da Admissão de Ar - Continuação

NOTA: A tabela abaixo serve SOMENTE para Condições de Funcionamento do Aquecedor do Ar de


aplicações OEM. Para obter as especificações Admissão - Motores de tratores 6020
Funcionamento do Aquecedor do Ar de Admissão - Motores
sobre outras aplicações, consulte de tratores 6020
ESPECIFICAÇÕES DA APLICAÇÃO na Seção
Temperatura do Combustı́vel Tempo de Operação
06, Grupo 210 deste manual.
-1°C (30°F) 2 segundos
Condições de Funcionamento do Aquecedor do Ar de -2°C (28°F) 4 segundos
Admissão - Motores OEM -3°C (26°F) 6 segundos
Funcionamento do Aquecedor do Ar de Admissão - Motores
OEM -4°C (25°F) 8 segundos
Temperatura do Combustı́vel Tempo de Operação -5°C (23°F) 10 segundos

-5°C (23°F) 5 segundos -10°C (14°F) 15 segundos


-10°C (14°F) 15 segundos -15°C (5°F) 20 segundos

-15°C (5°F) 20 segundos -20°C (-4°F) e abaixo 30 segundos


04
-20°C (-4°F) 30 segundos 150
Condições de Funcionamento do Aquecedor do Ar de 51
-25°C (-13°F) e abaixo 30 segundos Admissão - Motores de tratores 7020
Funcionamento do Aquecedor do Ar de Admissão - Motores
Condições de Funcionamento do Aquecedor do Ar de de tratores 7020
Admissão - Motores Telehandler (Manipuladores
Temperatura do Combustı́vel Tempo de Operação
Telescópicos)
Funcionamento do Aquecedor do Ar de Admissão - Motores -1°C (30°F) 2 segundos
Telehandler (Manipulador Telescópico) -2°C (28°F) 4 segundos
Temperatura do Combustı́vel Tempo de Operação -3°C (26°F) 6 segundos
-1°C (30°F) 2 segundos -4°C (25°F) 8 segundos
-2°C (28°F) 4 segundos -5°C (23°F) 10 segundos
-3°C (26°F) 6 segundos -10°C (14°F) 15 segundos
-4°C (25°F) 8 segundos -15°C (5°F) 20 segundos
-5°C (23°F) 10 segundos -20°C (-4°F) e abaixo 30 segundos
-10°C (14°F) 15 segundos
-15°C (5°F) 20 segundos
-20°C (-4°F) e abaixo 30 segundos

RG40854,00000E7 –54–04JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-51 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=173
Diagnósticos e Testes Observáveis

A1 - Verificação do Aquecedor di Ar de Admissão

RG40854,00000EB –54–04JAN02–1/1

A1 - Procedimento do Diagnóstico de Verificação do Aquecedor do Ar de Admissão

NOTA: A luz indicadora do aquecedor de ar é a mesma luz onde são exibidos os códigos de problemas. Se a luz
ficar acesa por mais de 25 segundos, verifique os códigos de problemas ou um curto com o terra no fio da luz
indicadora do aquecedor de ar.

04
150
52

– – –1/1

1 Verificação da IMPORTANTE: Não force as sondas nos terminais do conector, ou haverá danos. Nenhuma conexão com
conexão Use o Kit de Teste do Adaptador do Conector JT07328 para fazer medições nos defeito:
conectores. Este procedimento garantirá a não ocorrência de danos no terminal. VÁ PARA 2

NOTA: Para obter informações de suporte sobre fiação e teoria da operação, consulte Conexão(ões) com
A1 - VERIFICAÇÃO DO AQUECEDOR DO AR DE ADMISSÃO defeito:
repare a(s) conexão(ões)
Realize uma inspeção preliminar no conector da ECU, no conector do relé do com defeito
aquecedor de ar, no conector do aquecedor de ar e em todas as conexões entre eles.
Procure terminais sujos, danificados ou malposicionados.

– – –1/1

2 Verificação da Luz NOTA: Não faça o motor funcionar durante este procedimento de diagnóstico. A luz funciona:
Indicadora do VÁ PARA 3
Aquecedor de Ar NOTA: Para obter informações de suporte sobre fiação e teoria da operação, consulte
A1 - VERIFICAÇÃO DO AQUECEDOR DO AR DE ADMISSÃO A luz não funciona:
fiação da luz indicadora
1. Chave LIGADA, motor DESLIGADO do aquecedor de ar com
defeito
2. Verifique se a luz indicadora do aquecedor de ar está funcionando OU
Luz indicadora do
aquecedor de ar com
defeito

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-52 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=174
Diagnósticos e Testes Observáveis

3 Teste do DTC Ativo NOTA: Para obter informações de suporte sobre fiação e teoria da operação, consulte Não há DTC(s) ativos:
A1 - VERIFICAÇÃO DO AQUECEDOR DO AR DE ADMISSÃO VÁ PARA 4

1. Conecte o DST ouSERVICE ADVISOR. Há DTC(s) ativo(s):


vá para o procedimento
2. Ignição LIGADA, motor DESLIGADO adequado de diagnóstico

3. Inicie o Software de Comunicação da ECU

4. Chave LIGADA, motor DESLIGADO

5. Leia os DTCs com uso do DST ou SERVICE ADVISOR.

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company – – –1/1

4 Verificação da NOTA: Para obter informações de suporte sobre fiação e teoria da operação, consulte Abaixo de -5°C (23°F):
Temperatura do NÍVEL 12 - A1 - VERIFICAÇÃO DO AQUECEDOR DO AR DE ADMISSÃO VÁ PARA 5
04
Combustı́vel
150
1. Chave LIGADA, motor DESLIGADO Em -5°C (23°F) ou
53
acima:
2. Leia o parâmetro Temperatura do Combustı́vel usando o DST ou SERVICE nenhum problema
ADVISOR. encontrado referente ao
aquecedor de ar

– – –1/1

5 Verificação da Tensão NOTA: Para obter informações de suporte sobre fiação e teoria da operação, consulte Na voltagem da bateria
no Aquecedor de Ar NÍVEL 12 - A1 - VERIFICAÇÃO DO AQUECEDOR DO AR DE ADMISSÃO ou próximo dela:
VÁ PARA 6
1. Chave DESLIGADA
Nenhuma tensão
2. Usando um multı́metro, meça a tensão entre o parafuso prisioneiro de potência do detectada:
aquecedor de ar e um bom aterramento no chassi enquanto gira a chave para VÁ PARA 7
LIGADA (motor DESLIGADO)

NOTA: A tensão deve ser lida enquanto a chave estiver sendo LIGADA

– – –1/1

6 Verificação do NOTA: Para obter informações de suporte sobre fiação e teoria da operação, consulte A temperatura aumenta:
Aquecedor de Ar A1 - VERIFICAÇÃO DO AQUECEDOR DO AR DE ADMISSÃO nenhum problema
relacionado com o
1. Chave DESLIGADA aquecedor de ar
encontrado
2. Usando um multı́metro, meça a temperatura do alojamento do aquecedor de ar
A temperatura não
3. Chave LIGADA, motor DESLIGADO aumenta
aquecedor de ar com
4. Continue a monitorar a temperatura do alojamento do aquecedor de ar defeito

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-53 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=175
Diagnósticos e Testes Observáveis

7 Verificação do Relé NOTA: Para obter informações de suporte sobre fiação e teoria da operação, consulte O relé clica:
do Aquecedor de Ar A1 - VERIFICAÇÃO DO AQUECEDOR DO AR DE ADMISSÃO fio para o relé com
defeito
1. Chave DESLIGADA OU
Fio com defeito entre o
2. Escute um clique no relé do aquecedor de ar ao girar a chave para LIGADA (motor relé e o aquecedor
DESLIGADO) OU
Relé do aquecedor de ar
com defeito

O relé não clica:


fio de ativação do
aquecedor de ar com
defeito
OU
Aterramento do relé com
defeito
OU
Relé com defeito
04
150
54

– – –1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-54 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=176
Diagnósticos e Testes Observáveis

Verificação da Qualidade do Suprimento de Combustı́vel

04
150
55

–UN–23JAN02
RG11969
A qualidade do diesel combustı́vel afeta o 3. Ignição DESLIGADA, motor desligado
desempenho do motor. Verifique seu manual do
operador para obter as especificações corretas do 4. Desconecte a linha de combustı́vel no lado da
combustı́vel. entrada do pré-filtro (se equipado) ou no lado da
entrada do filtro final em motores sem pré-filtro.
O combustı́vel de baixa qualidade ou contaminado
dificulta a partida, falha na ignição, o motor funciona 5. Conecte uma mangueira na pórtico de entrada.
com dificuldade ou produz baixa potência.
6. Mergulhe a mangueira em um recipiente com
Se suspeitar que o combustı́vel é de baixa qualidade combustı́vel limpo, de boa qualidade e que esteja
ou está contaminado, faça o seguinte: dentro das especificações do motor.

1. Verifique o pré-filtro (se equipado) e o filtro final de 7. Opere o motor sob carga e observe seu
combustı́vel quanto às condições de uso. Se o filtro desempenho.
estiver equipado com uma câmara de água,
esvazie e limpe-a. Se o desempenho melhorar, o combustı́vel está
contaminado ou não é do grau adequado. Verifique
2. Dê partida no motor e opere sob carga, observando a proveniência do combustı́vel.
seu desempenho.

RG40854,00000EC –54–04JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-55 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=177
Diagnósticos e Testes Observáveis

Teste a Drenagem de Retorno do


Combustı́vel

A drenagem de retorno do combustı́vel através do


sistema pode causar partidas difı́ceis. Este procedimento
determinará se está entrando ar no sistema nas ligações
e permitindo que o combustı́vel retorne para o tanque.

1. Desconecte as linhas de suprimento e de retorno de


combustı́vel no tanque.

IMPORTANTE: A linha de retorno de combustı́vel


DEVE estender-se abaixo do nı́vel do
combustı́vel no tanque antes de se
fazer o teste. Encha o tanque de
04 combustı́vel se necessário.
150
56 2. Drene todo o combustı́vel do sistema, incluindo a
bomba de suprimento de combustı́vel, a bomba
injetora, os filtros de combustı́vel e a câmara de água
(se equipado).

3. Tampe bem a extremidade do tubo de retorno de


combustı́vel.

CUIDADO: A pressão máxima do ar deve ser de


100 kPa (1 bar) (14.5 psi) ao se fazer o teste.

4. Usando uma fonte de ar de baixa pressão, pressurize


o sistema de combustı́vel na linha de suprimento.

5. Aplique uma solução de água com sabão lı́quido em


todas as juntas e ligações do sistema de combustı́vel
e inspecione quanto a vazamentos.

NOTA: As ligações podem deixar o ar entrar no sistema


sem permitir que o combustı́vel vaze.

6. Se encontrar qualquer vazamento, tome as devidas


providências para reparar.

7. Reconecte as linhas de suprimento e retorno e prepare


o sistema para iniciar.

8. Dê partida no motor e deixe-o funcionar por


aproximadamente 10 minutos.

9. Deixe o motor sem funcionar durante a noite e tente


dar partida na manhã seguinte.

RG40854,00000EE –54–04JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-56 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=178
Diagnósticos e Testes Observáveis

Teste o Ar no Combustı́vel

04
150
57

–UN–23JAN02
RG11970
NOTA: Se o motor virar mas não der partida, consulte 2. Opere o motor e verifique se há bolhas de ar no
SANGRIA DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL, recipiente. Se houver bolhas, sangre o sistema de
posteriormente, neste Grupo. combustı́vel e repita o teste. Consulte SANGRIA
DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL, posteriormente,
O ar no sistema de combustı́vel dificulta a partida, neste Grupo.
falha a ignição, o motor funciona com dificuldade ou
produz baixa potência. Além disso, ele pode causar 3. Se ainda houver bolhas, verifique o seguinte:
fumaça e batidas excessivas.
• Verifique se há encaixes de combustı́vel soltos no
Sempre que o sistema de combustı́vel for aberto para lado de sucção da bomba de suprimento de
reparo, ele deve ser sangrado para remover todo o ar combustı́vel para o tanque que inclua todas as
que entrou no sistema. linhas e filtros.
• Verifique o tubo de sucção do tanque de
1. Desconecte a mangueira da extremidade do combustı́vel (se equipado) e as juntas soldadas
conjunto da linha antivazamento de combustı́vel. quanto a rachaduras ou furos.
Conecte uma mangueira de plástico transparente à
extremidade do conjunto da linha antivazamento e Faça qualquer reparo necessário, sangre o sistema de
coloque a extremidade oposta da mangueira em combustı́vel e repita o teste.
um recipiente adequado com combustı́vel como
mostrado.

RG40854,00000EF –54–04JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-57 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=179
Diagnósticos e Testes Observáveis

Verificação da Pressão de Suprimento de


Combustı́vel

IMPORTANTE: Antes de desconectar qualquer linha


de combustı́vel, limpe cuidadosamente
qualquer detrito em volta da conexão.

–UN–15JAN98
NÃO deixe os detritos entrarem na
linha de combustı́vel.

1. Remova o bujão da base do filtro final de combustı́vel.

RG7946
2. Instale o equipamento de teste como exibido.

3. Dê partida no motor. A bomba de combustı́vel deve


manter uma pressão positiva mı́nima indicada abaixo.
04 Se a pressão for baixa, substitua o elemento de filtro e
150 verifique a pressão novamente.
58
Especificação
Bomba de Suprimento de
Combustı́vel—Pressão Estática .............. 25 — 30 kPa (0,25 — 0,30 bar)
(3.5 — 4.5 psi)
Bomba de Suprimento de
Combustı́vel—Pressão Estática
Mı́nima com Motor a 850 rpm ......................... 15 kPa (0,15 bar) (2.0 psi)
Bomba de Suprimento de
Combustı́vel—Pressão Positiva
Mı́nima com Motor a 2.400 rpm ........... 21— 34 kPa (0,21 — 0,34 bar) (3
— 5 psi)
Bomba de Suprimento de
Combustı́vel—Fluxo Mı́nimo com
Motor a 2.400 rpm .................................................... 1,5 L/min (0.42 gpm)

RG40854,00000F9 –54–15JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-58 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=180
Diagnósticos e Testes Observáveis

Teste de Bancada da Bomba de Suprimento


de Combustı́vel

Os testes de bancada a seguir podem ser realizados em


uma bomba de suprimento instalada no motor quando se
suspeitar que a bomba está com defeito. Consulte

–UN–16MAR98
VERIFICAÇÃO DA PRESSÃO DE SUPRIMENTO DE
COMBUSTÍVEL, na Seção 04, Grupo 150.

Execute o Teste de Vácuo/Pressão e o Teste de

RG9052
Vazamento, listados abaixo. Substitua a bomba de
suprimento se qualquer um dos testes mostrar que ela
Bomba de Suprimento de Combustı́vel com Tampa de Metal
está com defeito. Não há procedimento de reparo.
A—Alavanca
Teste de Vácuo/Pressão B—Lado da Saı́da da Bomba
C—Lado da Entrada da Bomba
04
NOTA: Este teste dará uma boa indicação das condições D—Alavanca do Escorvador
150
das válvulas de saı́da e de entrada e do 59
diafragma. Os valores numéricos obtidos nos
lados de vácuo e de pressão não são
importantes, o movimento do ponteiro é que é
importante (muito lento para uma bomba boa;
muito rápido ou nada para uma bomba com
defeito).

1. Remova as conexões de entrada e saı́da.

2. Instale o manômetro de vácuo/pressão no lado da


entrada da bomba (C).

3. Mova a alavanca do escorvador (D) ao máximo para


baixo. Solte a alavanca e observe o manômetro ao
mesmo tempo:

• O ponteiro do manômetro deve apresentar o mesmo


valor todas as vezes e, em seguida, retornar
lentamente para “0”. Isso indica que a válvula de
entrada e o diafragma apresentam boas condições.
Vá para a próxima etapa.
• Se o ponteiro do manômetro não se mover nem um
pouco ou se ele retornar rapidamente a “0”,a bomba
está com defeito e deve ser substituı́da.

4. Remova o manômetro de pressão/vácuo e instale no


lado da saı́da da bomba (B).

5. Mova a alavanca do escorvador ao máximo para cima.


Solte a alavanca e observe a indicação do manômetro
ao mesmo tempo:

Continua na próxima página RG40854,0000146 –54–11FEB02–1/3

CTM339 (03OCT05) 04-150-59 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=181
Diagnósticos e Testes Observáveis

• O ponteiro do manômetro deve indicar inicialmente


28—41 kPa (0,28—0,41 bar) (4—6 psi), e retornar a
“0” muito lentamente. Isso indica que a válvula de
saı́da e o diafragma apresentam boas condições. A
bomba de suprimento está funcionando
corretamente e deve ser reinstalada no motor.

Especificação
Bomba de Suprimento de
Combustı́vel—Pressão ............................ 28 — 41 kPa (0,28 — 0,41 bar)
(4 — 6 psi)

• Se o ponteiro do manômetro indicar inicialmente o


mesmo valor acima e retornar imediatamente para
04 “0”, a bomba está com defeito e deve ser
150 substituı́da.
60

RG40854,0000146 –54–11FEB02–2/3

Teste de Vazamentos

O teste de vazamento deve ser realizado se suspeitar


que a bomba de suprimento de combustı́vel esteja com
vazamento externo de combustı́vel ou interno para dentro
do cárter do motor.

–UN–16MAR98
1. Instale uma linha de ar no lado da entrada da bomba
(C) e aplique uma pressão de 140 kPa (1,4 bar) (20
psi).

RG9052
2. Coloque o dedo sobre o lado de saı́da da bomba (B)
ou instale um bujão. Mergulhe a bomba em um Bomba de Suprimento de Combustı́vel com Tampa de Metal
recipiente com combustı́vel diesel limpo.
A—Alavanca
B—Lado da Saı́da da Bomba
• Se surgirem bolhas de ar em volta da conexão C—Lado da Entrada da Bomba
enfaixada que une as duas metades da bomba D—Alavanca do Escorvador
(indicando vazamento), substitua a bomba.
• Se o diafragma estiver ruim, haverá vazamento
através dos furos de ventilação (se equipado) e ao
redor do balancim. Substitua a bomba conforme
necessário.

RG40854,0000146 –54–11FEB02–3/3

CTM339 (03OCT05) 04-150-60 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=182
Diagnósticos e Testes Observáveis

Sangria do Sistema de Combustı́vel

CUIDADO: A fuga de fluidos sob pressão pode


penetrar na pele e causar ferimentos graves.
Evite esse risco aliviando a pressão antes de
desconectar uma linha hidráulica ou outras

–UN–23AUG88
linhas. Aperte todas as conexões antes de
aplicar pressão. Procure por vazamentos com
um pedaço de papelão. Proteja as mãos e o
corpo dos fluidos de alta pressão.

X9811
No caso de um acidente, procure um médico
imediatamente. Qualquer fluido injetado na pele
deve ser retirado cirurgicamente dentro de
algumas horas; do contrário, poderá resultar
em gangrena. Os médicos não-familiarizados 04
com este tipo de lesão podem entrar em 150
61
contato com o Departamento Médico da Deere
& Company, em Moline, Illinois, ou com outra
fonte médica especializada.

Sempre que o sistema de freios for aberto para a


execução de serviços (linhas desconectadas ou filtros
removidos), será necessário sangrar o ar do sistema.

O sistema de combustı́vel pode ser sangrado em um


entre diversos pontos. Em algumas aplicações de
motores, pode ser necessário consultar o manual de
operação e escolher o melhor local para a aplicação do
seu motor/máquina.

RG40854,00000F0 –54–04OCT05–1/5

1. Desapertar, com duas voltas completas à mão, o


parafuso de sangria do ar (A) situado na base do filtro
do combustı́vel.

A—Parafuso de Sangria do Ar
–UN–25OCT01
RG11805

Continua na próxima página RG40854,00000F0 –54–04OCT05–2/5

CTM339 (03OCT05) 04-150-61 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=183
Diagnósticos e Testes Observáveis

2. Acione a alavanca do escorvador da bomba de


suprimento de combustı́vel (B) ou o botão do
escorvador na base do filtro de combustı́vel (se
equipado).

3. Aperte o bujão de sangria firmemente; continue a

–UN–25OCT01
operar o escorvador até que não se sinta mais o
bombeamento.

4. Dê partida no motor e verifique se não existem

RG11806
vazamentos.

Se o motor não der partida, pode ser necessário


sangrar o ar do sistema de combustı́vel na bomba de B—Alavanca do Escorvador
injeção de combustı́vel ou nos bicos injetores
conforme explicado a seguir.
04
150
62

RG40854,00000F0 –54–04OCT05–3/5

Na Bomba Injetora de Combustı́vel

IMPORTANTE: Use sempre uma chave de apoio ao


soltar ou apertar as linhas de
combustı́vel nos bicos e/ou na bomba
de injeção para evitar danos.

–UN–25OCT01
1. Desaperte a linha de retorno de combustı́vel (A) na
bomba injetora de combustı́vel.

RG11807
2. Acione a alavanca do escorvador da bomba de
suprimento de combustı́vel ou botão do escorvador na
base do filtro de combustı́vel (se equipado).
A—Linha de Retorno de Combustı́vel
3. Assim que o fluxo de combustı́vel estiver livre de
bolhas de ar, aperte a linha de retorno de combustı́vel
de acordo com as especificações. A alavanca do
escorvador é acionada por mola e irá retornar à
posição normal.

Especificação
Linha de Retorno da Bomba
Injetora de Combustı́vel—Torque ................................... 27 N•m (20 lb-ft)

Continua na próxima página RG40854,00000F0 –54–04OCT05–4/5

CTM339 (03OCT05) 04-150-62 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=184
Diagnósticos e Testes Observáveis

Nos Bicos Injetores de Combustı́vel

1. Coloque a alavanca do acelerador na posição de meia


aceleração.

IMPORTANTE: Use sempre uma chave de apoio ao

–UN–25OCT01
soltar ou apertar as linhas de
combustı́vel nos bicos e/ou na bomba
de injeção para evitar danos.

RG11808
2. Usando duas chaves de boca, solte as duas ligações
da linha de combustı́vel nos bicos injetores.
Linha de Pressão de Combustı́vel do Bico
3. Dê partida no motor por 15 segundos com o motor de
partida (mas não o deixe pegar), até começar a
escorrer combustı́vel sem bolhas da conexão solta.
04
Aperte novamente as conexões com o torque 150
especificado. 63

Especificação
Condutos de Bicos Injetores de
Combustı́vel—Torque ...................................................... 27 N•m (20 lb-ft)

4. Repita o procedimento para os outros bicos injetores


(se necessário) até que todo o ar tenha sido removido
do sistema de combustı́vel.

Se o motor não der partida, consulte a assistência técnica


autorizada ou o distribuidor de motores.

RG40854,00000F0 –54–04OCT05–5/5

CTM339 (03OCT05) 04-150-63 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=185
Diagnósticos e Testes Observáveis

Teste Quanto a Falha na Ignição do Cilindro


(Motor Funcionando)

CUIDADO: O fluido sob pressão, ao escapar,


pode penetrar na pele e causar lesões graves.
Mantenha as mãos e o corpo afastados de
furos e bicos que poderiam injetar fluidos sob
alta pressão.

Se QUALQUER fluido for injetado na pele, deve


ser retirado cirurgicamente dentro de poucas
horas, por um médico que esteja familiarizado
com este tipo de lesão ou isso pode resultar
em gangrena. Médicos não familiarizados com
este tipo de lesão podem entrar em contato
04 com o Departamento Médico da Deere &
150
Company, em Moline, Illinois, ou com outra
64
fonte médica especializada.

1. Opere o motor em velocidade intermediária sem carga.

2. Coloque uma toalha de oficina em volta da conexão


bico-para-a-linha, para absorver o combustı́vel que
está escapando.

3. Afrouxe lentamente a linha de pressão do combustı́vel


em um dos bicos até que o combustı́vel escape na
conexão (combustı́vel não abrindo a válvula do bico
injetor).

• Se a rotação do motor se alterar, o cilindro


provavelmente está trabalhando satisfatoriamente.
• Se a rotação do motor não se alterar, um cilindro
está com defeito.

4. Aperte as linhas de combustı́vel de acordo com as


especificações.

Especificação
Linhas de Suprimento do Bico
Injetor de Combustı́vel—Torque ..................................... 27 N•m (20 lb-ft)

5. Repita o teste para cada cilindro remanescente.

6. Remova os bicos injetores com defeito e repare


conforme necessário. Consulte F5 - VERIFICAÇÃO
DO BICO INJETOR DE COMBUSTÍVEL anteriormente
neste Grupo.

RG40854,00000F1 –54–04JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-150-64 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=186
Grupo 160
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes
Sobre este Grupo do Manual

Esta seção do manual contém as informações Para ajudar a diagnosticar os problemas no sistema
necessárias para diagnosticar o sistema de controle de controle eletrônico, a Seção 06, Grupo 210,
eletrônico. Use estas informações em conjunto com o ESPECIFICAÇÕES PARA DIAGNÓSTICO, contém
Manual do Motor Básico de Motores Diesel de 4,5L e informações úteis, como a identificação do terminal
6,8L (CTM104). ECU e um esquema da fiação do sistema.

Consulte o Manual do Motor Básico de Motores Diesel IMPORTANTE: Sob NENHUMA circunstância, a
de 4,5L e 6,8L (CTM 104) para: Unidade de Controle do Motor
(ECU) deve ser aberta.
• Remoção dos componentes do motor base
• Procedimentos de reparação do motor base NOTA: São dadas instruções em todas as tabelas de
• Desmontagem do motor base diagnóstico para se fazer as medidas de
• Inspeção do motor base resistência e tensão no conector da ECU.
• Montagem do motor base Observe que essas medidas sempre são feitas
04
na extremidade do chicote elétrico do 160
As peças como os sensores, atuadores, conectores e conector. As medidas nunca devem ser feitas 1
chicotes elétricos estão funcionando e disponı́veis. na extremidade da ECU do conector.

RG40854,00000FA –54–15JAN02–1/1

Conceitos Elétricos

Os testes incluirão a medida da tensão e da resistência e


as verificações quanto a circuitos abertos e
curto-circuitos. É necessário ter uma compreensão dos
seguintes conceitos para usar os procedimentos de
diagnóstico:

• Tensão (volts)
• Corrente (amperes)
• Resistência (ohms)
• Circuito Aberto
• Curto-Circuito

RG40854,00000FB –54–15JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-160-1 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=187
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Uso de um Multı́metro Digital

Recomenda-se que seja usado um multı́metro digital


(JT07306 ou equivalente com mostrador analógico) para
fazer as medições necessárias nos procedimentos de
diagnóstico. Presume-se que haja um conhecimento da

–UN–19JUN00
operação do medidor usado.

As instruções para medir as voltagens tomam a seguinte


forma:

RG11126
• Meça a tensão do Ponto A (+) para o Ponto B (-)
Multı́metro Digital

Neste exemplo, o condutor positivo de teste da entrada


de volt-ohm do medidor deve ser conectado ao Ponto A e
o condutor negativo de teste da entrada comum do
04
160 medidor deve ser conectado ao Ponto B.
2
A não ser que esteja indicado de outra forma, todas as
medidas de tensão são em corrente contı́nua (CC).

Ao fazer uma medição de resistência, tome cuidado para


usar a faixa correta de resistência no medidor.
Desconecte os conectores adequados ou desligue a
chave de contato conforme instruı́do nos procedimentos
de diagnóstico, posteriormente, neste grupo.

RG40854,00000FC –54–15JAN02–1/1

Defeitos do Circuito Elétrico

Defeitos do Circuito

Há quatro tipos principais de defeitos do circuito. São


eles:

1. Circuito de alta resistência

2. Circuito aberto

3. Circuito aterrado

4. Circuito em curto

Continua na próxima página RG40854,00000FD –54–15JAN02–1/6

CTM339 (03OCT05) 04-160-2 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=188
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes
RG9891 –UN–06JAN99

Circuito de Alta Resistência

A—Resistência Indesejada

Definição dos Tipos de Defeito do Circuito Um circuito que tem resistência indesejada (A) que
causa uma queda de tensão e reduz o fluxo de
1. Circuito de Alta Resistência: corrente.

RG40854,00000FD –54–15JAN02–2/6

RG9892 –UN–06JAN99

04
160
3
Circuito Aberto

A—Quebra ou Separação no
Circuito

2. Circuito Aberto:
Um circuito que tem uma quebra ou separação (A)
que evita que a corrente flua pelo circuito.
RG40854,00000FD –54–15JAN02–3/6

RG9893 –UN–06JAN99

Circuito Aterrado

A—Fio de Tensão em Contato


com a Estrutura da
Máquina

3. Circuito Aterrado:
Um fio de tensão em contato com a estrutura da
máquina (A) que dá continuidade com o terminal
terra da bateria.

Continua na próxima página RG40854,00000FD –54–15JAN02–4/6

CTM339 (03OCT05) 04-160-3 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=189
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

–UN–06JAN99
RG9894
Circuito em Curto

4. Circuito em Curto: curto com o fio terra que conecta um


Um contato entre dois fios adjacentes que fornece componente ao terminal negativo da bateria).
continuidade indesejada entre os dois fios. Os tipos • Fio terra em contato com outro fio terra (fios de
04 de curto-circuitos são os seguintes: tensão zero).
160 • Fio de tensão em contato com outro fio de
4
tensão (fios de tensão igual ou não). NOTA: Este tipo de curto não cria um defeito
• Fio de tensão em curto com um fio de sinal de observável. Portanto, não são necessárias
sensor (fios não são de tensão igual). mais explicações para detectar e resolver os
• Fio de tensão em curto com um fio terra (fios da problemas.
voltagem da bateria ou da tensão regulada, em

RG40854,00000FD –54–15JAN02–5/6

RG9895 –UN–06JAN99

Localização dos Tipos de Defeitos do Circuito

A—Interruptor de Controle B—Carga

Localização dos Tipos de Defeito do Circuito: confundido com defeitos do circuito. Portanto, deve-se
tomar cuidado ao isolar a causa do problema.
Em um "Circuito Elétrico Simples" o defeito do circuito
ocorre em somente três locais. São eles: Exemplo: um componente pode não funcionar antes
de se soltar uma conexão elétrica, mas funciona após
1. Antes do interruptor de controle (A). se reconectar o conector.

2. Entre o interruptor de controle (A) e a carga (B). Motivo: a oxidação dos terminais criou "Alta
Resistência" e uma queda de tensão que evita que a
3. Após a carga (B). quantidade adequada de corrente passe para o
componente. Ao desconectar-se e reconectar-se o
Os componentes elétricos podem sofrer defeitos com conector, um pouco da oxidação é removida e
os mesmos quatro tipos de defeito do circuito. Às restabelece-se boa continuidade através do conector.
vezes, defeitos do componente podem ser facilmente

RG40854,00000FD –54–15JAN02–6/6

CTM339 (03OCT05) 04-160-4 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=190
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Detecção e Resolução de Problemas de Defeitos do Circuito


RG9896 –UN–06JAN99

Detecção e Resolução de Problemas de Defeitos do Circuito

A—Bateria D—Resistência Indesejada G—Conector do Circuito I—Carga (Lâmpada)


B—Interruptor E—Conector do Circuito H—Terminal do Componente J—Terra
C—Terminal do Componente F—Circuito Aberto

1. Circuito de Alta Resistência: verifique quanto à tensão adequada em um local


facilmente acessı́vel entre (C) e (H).
Um circuito de "Alta Resistência" pode provocar 04
funcionamento lento, reduzido ou nenhum • Se a tensão estiver baixa, siga até a fonte de 160
5
funcionamento (por exemplo, terminais soltos, tensão (A) para localizar o ponto de queda de
corroı́dos, sujos ou com óleo, bitola do fio muito tensão.
pequena ou trechos quebrados no fio). • Se a tensão estiver correta, vá para a carga
(I) e o terminal terra (J), para localizar a
2. Circuito Aberto: queda de tensão.

Um Circuito "Aberto" provoca o não funcionamento NOTA: O exemplo mostra alta resistência (D) entre
de todos os componentes, pois o circuito está (C) e (E) e o circuito aberto (F) entre (E) e (G).
incompleto (por ex., fios rompidos, terminais
desconectados, interruptores ou dispositivos de b. Repare o circuito conforme necessário.
proteção abertos).
c. Faça uma inspeção geral operacional no
Faça o seguinte para isolar o local de um circuito componente após concluir a reparação.
de "Alta Resistência" ou "Aberto":

a. Com o interruptor de controle (B) fechado


(ligado) e a carga (I) conectada no circuito,

Continua na próxima página RG40854,00000FE –54–15JAN02–1/4

CTM339 (03OCT05) 04-160-5 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=191
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes
RG9897 –UN–06JAN99

Circuito Terra

A—Terminal do Fusı́vel "A" C—Interruptor E—Terminal do Fio G—Terminal do Componente


B—Terminal do Fusı́vel "B" D—Terminal do Componente F—Circuito Aterrado H—Carga (Lâmpada)

3. Circuito Terra: b. Desconecte a carga (H) no terminal do


componente (G).
Um circuito "Aterrado" (F) provoca o não
funcionamento de todos os componentes e o c. Com o interruptor de controle (C) aberto
fusı́vel ou disjuntor se abre (por exemplo: um cabo (desligado), verifique a continuidade para o
de força em contato com a estrutura da máquina, aterramento entre (D) e (E).
04 chassi ou alojamento do componente).
160
6
• Se houver continuidade, há um circuito
Faça o seguinte para isolar o local de um circuito aterrado entre (D) e (E). Repare o circuito.
"Aterrado":
NOTA: O exemplo está aterrado entre (D) e (E) em
a. O interruptor (C) deve ser aberto (desligado). (F).
Verifique se há continuidade para o terra entre
(B) e (C). • Faça uma inspeção geral operacional no
componente após concluir a reparação.
• Se houver continuidade, há um circuito
aterrado entre (B) e (C). Repare o circuito.
• Se não houver continuidade, vá para a etapa
b.

Continua na próxima página RG40854,00000FE –54–15JAN02–2/4

CTM339 (03OCT05) 04-160-6 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=192
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

–UN–06JAN99
RG9898
Circuito em Curto

4. Circuito em Curto: 5. Fiação da bateria do interruptor (Int. 2) está em 04


curto em (E) com o fio de tensão do sinal do 160
As máquinas equipadas com diversos dispositivos sensor. 7
de controle eletrônico contêm chicotes elétricos que • Resultado: o sinal do sensor está distorcido.1
podem entrar em curto por uma ou mais formas
indicadas anteriormente. 6. Fiação da bateria do interruptor (Int. 2) está em
curto em (F) com o fio terra do sensor.
1. O fio da bateria do fusı́vel (F1) está em curto • Resultado: fusı́vel (F2) abre após fechar-se o
em (A) com outro fio da bateria após o interruptor (Int. 2) e o sinal do sensor está
interruptor (Int.2). distorcido.1
• Resultado: a lâmpada (E1) está
permanentemente ligada. 7. O fio de tensão regulada do controlador está em
curto em (G) com o fio de tensão de sinal do
2. O fio da bateria do fusı́vel (F1) está em curto sensor.
em (B) com outro fio da bateria após os • Resultado: o sinal do sensor está distorcido.
interruptores (Int.1 e Int.2).
• Resultado: ambas as lâmpadas (E1 e E2) 8. O fio de tensão regulada do controlador está em
funcionam em cada interruptor (Int. 1 ou 2). curto em (H) com o fio terra do sensor.
• Resultado: o sinal do sensor está distorcido.1
3. Fio da bateria do fusı́vel (F1) está em curto em
(C) com um fio terra. 9. O fio de tensão do sensor está em curto em (I)
• Resultado: fusı́vel (F1) abre após fechar-se o com o fio terra do sensor.
interruptor (Int. 1) • Resultado: o sinal do sensor está distorcido.1

4. Fiação da bateria do interruptor (Int. 2) está em Faça o seguinte para isolar um "Curto-Circuito":
curto em (D) com um fio de tensão regulada.
• Resultado: a tensão do sinal do sensor está
distorcida.1

1
A tensão do sinal do sensor sai da faixa e um código de falha pode
ser restaurado. O controlador poderá parar ou funcionar com
operação limitada para sua função.
Continua na próxima página RG40854,00000FE –54–15JAN02–3/4

CTM339 (03OCT05) 04-160-7 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=193
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

a. Reveja o esquema elétrico da máquina para f. Método Alternativo de Verificação de Circuito em


identificar nos circuitos o componente que não Curto.
funciona.
Com os componentes desconectados em cada
b. Desconecte os componentes em cada extremidade dos circuitos suspeitos, ligue a
extremidade dos circuitos para separar os fios chave de contato. Conecte uma ponta do
afetados. medidor em um bom aterramento da estrutura.
Com a outra ponta de teste do medidor, encoste
c. Para evitar danos aos terminais do conector, em cada um dos circuitos suspeitos, um por vez.
obtenha terminais compatı́veis com o conector Se houver indicação de tensão, o circuito está
nas peças de reposição. NÃO force as pontas em curto com outro fio de tensão. Repare o
de teste do medidor nos terminais do conector. circuito.

d. Conecte as pontas do medidor em dois dos g. Repare o "Circuito em Curto" da seguinte


circuitos afetados. O medidor não deve mostrar maneira:
continuidade entre os dois circuitos. Repita a
04
160 verificação em outra combinação de dois • Fios desencapados: enrole fita isolante nos
8 circuitos até que todos os circuitos afetados fios individualmente ou substitua o fio ou
tenham sido verificados. banda danificada conforme necessário.
• Fios encapados: se houver pontos de
e. A seguir, conecte um condutor do medidor em aquecimento na área de curto do chicote
cada circuito afetado, um por vez, e encoste os elétrico, troque o chicote elétrico. Se não
outros condutores do medidor em todos os forem observados pontos de aquecimento,
terminais do conector. O medidor não deve instale um novo fio de bitola apropriada entre
mostrar continuidade entre qualquer um dos as duas últimas ligações. Use bandas de
dois circuitos. ligação para prender o fio no lado externo do
chicote elétrico.
Exemplo: um conector de 37 pinos contém três
fios para um sensor. Com uma ponta de teste h. Faça uma inspeção geral operacional no
do medidor acoplada a cada um dos três fios, componente após concluir a reparação.
um por vez, encoste a outra ponta de teste do
medidor nos 36 fios restantes. Se houver
continuidade entre quaisquer dois fios, o circuito
estará em curto. Repare o circuito.

RG40854,00000FE –54–15JAN02–4/4

CTM339 (03OCT05) 04-160-8 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=194
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

04
160
9

CTM339 (03OCT05) 04-160-9 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=195
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Parâmetros de Dados de Configuração do


Motor no Indicador de Diagnóstico

Acesso aos Parâmetros de Dados de Configuração do


Motor:

–54–08OCT02
1. Role o menu principal dos parâmetros do motor
pressionando o interruptor de toque direitoou esquerdo

2. Selecione o submenu "E-Config" pressionando

RG11647
simultaneamente o interruptor de toque direito e
esquerdo.

3. Role o submenu "E-Config" para visualizar os


Parâmetros de Configuração do Motor pressionando o
04 interruptor de toque direito ou esquerdo, até que o
160 parâmetro desejado seja encontrado. Os números ao
10 lado dos parâmetros correspondem ao número do
gráfico.

–UN–28OCT99
4. Para sair do submenu "E-Config",
pressionesimultaneamente o interruptor de toque
direito e esquerdo.

RG10031
A—Indicador de Diagnóstico
B—Interruptores de Toque
C—Luzes

Continua na próxima página RG40854,00000FF –54–15JAN02–1/2

CTM339 (03OCT05) 04-160-10 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=196
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Descrição do Parâmetro de Configuração do Motor


Parâmetro Exibido no Unidades Descrição
Indicador de Diagnóstico
Rotação 1 RPM Rotação de marcha lenta estacionária do motor, que inclui as influências devidas à
temperatura do motor e outras alterações estacionárias. Este é o ponto 1 no mapa
de configuração do motor.
Torque 1 % O torque 1 é igual ao torque desejado da ECU, dividido pelo torque de referência.
Rotação 2 RPM Rotação do motor no ponto 2 do mapa de configuração do motor. Esta é definida
como o ponto a partir do qual o torque se reduz a zero.
Torque 2 % O torque 2 é igual ao torque desejado da ECU, dividido pelo torque de referência.
Rotação 3 RPM Rotação do motor no ponto 3 do mapa de configuração do motor. Os pontos 3, 4 e
5 são opcionais e podem ser localizados em qualquer lugar entre os pontos 1 e 2.
Torque 3 % O torque 3 é igual ao torque desejado da ECU, dividido pelo torque de referência.
Rotação 4 RPM Rotação do motor no ponto 4 do mapa de configuração do motor. Os pontos 3, 4 e
5 são opcionais e podem ser localizados em qualquer lugar entre os pontos 1 e 2.
Torque 4 % O torque 4 é igual ao torque desejado da ECU, dividido pelo torque de referência. 04
Rotação 5 RPM Rotação do motor no ponto 5 do mapa de configuração. Os pontos 3, 4 e 5 são 160
opcionais e podem ser localizados em qualquer lugar entre os pontos 1 e 2. 11

Torque 5 % O torque 5 é igual ao torque desejado da ECU, dividido pelo torque de referência.
Rotação 6 RPM A rotação do motor está em marcha acelerada.
Torque 6 % O torque 6 é igual ao torque desejado da ECU, dividido pelo torque de referência.
Ganho no Comando % É igual à alteração de torque entre os pontos 2 e 6, dividida pela alteração da
rotação do motor entre os pontos 2 e 6.
Torque de Referência Nm (ft-lbs) Este parâmetro é o valor de referência de 100% para todos os parâmetros de
torque do motor definidos e indicados. Ele é definido somente uma vez e não se
altera se um mapa de diferença de torque do motor tornar-se válido.
Rotação 7 RPM A rotação máxima do motor acima do ponto 6, permitida pelo controle do motor
durante um cancelamento momentâneo da marcha acelerada. Esta duração é
limitada pelo limite máximo de tempo de cancelamento momentâneo.
Limite de Tempo segundos O limite máximo de tempo permitido para cancelar a alta rotação do motor.
Limite Baixo RPM A rotação mı́nima do motor que esse permite quando funcionar no modo de
controle/limite de velocidade
Limite Alto RPM A rotação máxima do motor que este permite quando funcionar no modo de
controle/limite de velocidade.
Limite Baixo % O torque mı́nimo do motor que este permite quando funcionar no modo de
controle/limite de torque.
Limite Alto % O torque máximo do motor que este permite quando funcionar no modo de
controle/limite de torque.

RG40854,00000FF –54–15JAN02–2/2

CTM339 (03OCT05) 04-160-11 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=197
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Exibição dos DTCs no Indicador de


Diagnóstico

Acesso aos Códigos Ativos de Problemas (DTCs)


para Diagnóstico:

–UN–28OCT99
1. Role o menu principal dos parâmetros do motor
pressionando o interruptor de toque direitoou esquerdo

2. Selecione o submenu "SrvcCode" pressionando

RG10031
simultaneamente o interruptor de toque direito e
esquerdo.
A—Indicador de Diagnóstico
3. Role o submenu "SrvcCode" para visualizar os DTCs
B—Interruptores de Toque
ativos, pressionando o interruptor de toque direito ou C—Luzes
04 esquerdo, até que todos os códigos sejam
160 encontrados.
12
4. Para sair do submenu "SrvcCode",
pressionesimultaneamente o interruptor de toque
direito e esquerdo

RG40854,0000100 –54–15JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-160-12 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=198
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Exibição dos DTCs Armazenados no Aferidor


de Diagnóstico

Acesso aos Códigos de Diagnóstico de Falhas (DTCs)


Armazenados:

–UN–28OCT99
1. Role o menu principal dos parâmetros do motor
pressionando o interruptor de toque direitoou esquerdo

2. Selecione o submenu "StorCode" pressionando

RG10031
simultaneamente o interruptor de toque direito e
esquerdo.
A—Indicador de Diagnóstico
3. Role o submenu "StorCode" para visualizar os DTCs
B—Interruptores de Toque
armazenados, pressionando o interruptor de toque C—Luzes
direito ou esquerdo, até que todos os códigos sejam 04
encontrados. 160
13
NOTA: Se "No Data" (sem dados) estiver no indicador,
não há códigos armazenados.

4. Para sair do submenu "StorCode",


pressionesimultaneamente o interruptor de toque
direito e esquerdo.

DPSG,OUOD007,2842 –54–21OCT99–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-160-13 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=199
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Limpeza dos DTCs Armazenados no


Indicador de Diagnóstico

Limpeza os Códigos de Diagnóstico de Falhas (DTCs)


Armazenados:

–UN–28OCT99
1. Role o menu principal dos parâmetros do motor
pressionando o interruptor de toque direitoou esquerdo

2. Selecione o submenu "StorCode" pressionando

RG10031
simultaneamente o interruptor de toque direito e
esquerdo.
A—Indicador de Diagnóstico
3. Role o submenu "StorCode" para visualizar os DTCs
B—Interruptores de Toque
armazenados, pressionando o interruptor de toque C—Luzes
04 direito ou esquerdo, até que todos os códigos sejam
160 encontrados.
14
NOTA: Se "No Data" (sem dados) estiver no indicador,
não há códigos armazenados.

4. Para limpar os códigos, pressione simultaneamente o


interruptor direito e esquerdo durante 8 segundos, no
mı́nimo.

NOTA: Se os interruptores forem segurados por menos


de 8 segundos, o submenu desaparecerá.

5. Se o mostrador exibir ”***********”, pressione o


interruptor direito durante 8 segundos, no mı́nimo.

NOTA: Se o interruptor for segurado por menos de 8


segundos, o submenu desaparecerá.

6. Se o mostrador exibir "*Send* **DM3 *", os códigos


agora estão limpos. Para sair do submenu "StorCode",
pressionesimultaneamente o interruptor de toque
direito e esquerdo.

RG40854,000006A –54–23JAN01–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-160-14 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=200
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

DTCs Intermitentes

Nas aplicações OEM que tenham uma Lâmpada de 5. Seguindo os códigos ativos, a Lâmpada de Falha
Falha, a ECU tem a capacidade de exibir DTCs piscará um código 33, indicando o inı́cio dos
usando a seqüência de intermitência da lâmpada de códigos ativos de intermitência. Se houver qualquer
falha. Para recuperar os DTCs da ECU usando o DTC armazenado, a Lâmpada de Falha piscará seu
método de "código de intermitência": número de 2 dı́gitos. Se houver mais de um DTC
armazenado, a ECU piscará cada código em ordem
NOTA: A ECU pisca somente os códigos de dois numérica. Se não houver nenhum DTC
dı́gitos. Para converter os códigos em códigos armazenado, a Lâmpada de Falha piscará um
SPN/FMI, consulte a LISTAGEM DE código 88.
CÓDIGOS DE DIAGNÓSTICO DE FALHAS
(DTCS) NA ECU posteriormente neste Grupo. 6. Quando tiver concluı́do, a seqüência acima se
repetirá.
1. Mude o interruptor de ignição para "LIGADO".
7. Ao concluir, "DESLIGUE" a ignição
04
2. Mantenha o Interruptor de Cancelamento de 160
Parada pressionado por alguns segundos Como exemplo, se um motor tivesse um DTC ativo de 15
18 e armazenado de 53, a seqüência de intermitência
3. A Lâmpada de Falha começará a piscar um seria:
número de código. Por exemplo, pisca três vezes...
pausa curta... pisca duas vezes.... pausa longa. • pisca três vezes...pausa curta
Este exemplo é o código 32. • pisca duas vezes...pausa longa
• pisca uma vez...pausa curta
4. A ECU começa a seqüência de intermitência • pisca oito vezes...pausa longa
piscando um código 32, o que indica o inı́cio dos • pisca três vezes...pausa curta
códigos ativos de intermitência. Se não houver • pisca três vezes...pausa longa
DTCs ativos, a ECU piscará seu número de 2 • pisca cinco vezes...pausa curta
dı́gitos. Se houver mais de um DTC ativo, a ECU • pisca três vezes
piscará cada código em ordem numérica. Se não
houver nenhum DTC ativo, a Lâmpada de Falha
piscará um código 88.

RG40854,0000102 –54–15JAN02–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-160-15 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=201
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Descrição do Parâmetro de Dados

A seguir, fornecemos uma lista dos parâmetros de dados


que podem ser lidos no DST ou Service ADVISOR. Na
lista abaixo está incluı́da uma breve descrição de cada
parâmetro, a faixa de leituras possı́veis e a unidade de
medida de cada parâmetro.

Parâmetro Unidades Descrição


Tempo Restante do Aquecedor de Ar segundos Quantidade de tempo que o aquecedor de ar continuará a aquecer o ar, antes
da partida.
Tensão de Entrada do Acelerador volts Tensão do sensor de posição do acelerador analógico (A) (potenciômetro) em
Analógico (A) (OEM) aplicações OEM SOMENTE.
Tensão de Entrada do Acelerador volts Tensão do sensor de posição do acelerador analógico (A) (potenciômetro) em
Analógico (A) aplicações não-OEM.
Tensão de Entrada do Acelerador volts Tensão do sensor de posição do acelerador analógico (B) (potenciômetro) em
04
Analógico (B) (OEM) aplicações OEM SOMENTE.
160
16 Tensão de Entrada do Acelerador volts Tensão do sensor de posição do acelerador analógico (B) (potenciômetro) em
Analógico (B) aplicações não-OEM.
Tensão de Entrada do Acelerador volts Tensão do sensor de posição do acelerador analógico (C) (potenciômetro) em
Analógico (C) (OEM) aplicações OEM SOMENTE.
Tensão de Entrada do Acelerador volts Tensão do sensor de posição do acelerador analógico (C) (potenciômetro).
Analógico (C)
Voltagem da Bateria volts A voltagem da bateria ligada pode variar, dependendo da aplicação.
Indicador do Ruı́do de Entrada da % A leitura "0" significa que NÃO há ruı́do. Entre 0 e 100, o ruı́do no sinal do
Posição do Virabrequim sensor do virabrequim fica cada vez pior. Quando alcança 100, é acionado um
código de problema.
Rotação do Sensor da Posição do rpm A rotação da roda de sincronização do virabrequim.
Virabrequim
Curva do Regulador da Rotação N/Aa O modo selecionado depende da aplicação. Consulte ESPECIFICAÇÕES DA
Desejada APLICAÇÃO na Seção 6, Grupo 210, deste manual e consulte a curva do
comando de rotação desejada para a sua aplicação.
Número de Peça do Bloco da Capa da N/Aa Número de peça para o bloco da capa da Unidade de Controle do Motor
ECU (ECU).
Número de Peça para o Arquivo de N/Aa Número de peça para o arquivo de configuração da ECU.
Configuração da ECU
Número de peça dos dados de EOL do N/Aa Número de peça para os dados programados na ECU no final da linha de
ECU montagem. EOL = Final da Linha
a
N/A = Não se Aplica

Service ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company Continua na próxima página RG40854,0000103 –54–15JAN02–1/3

CTM339 (03OCT05) 04-160-16 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=202
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Parâmetro Unidades Descrição


a
Número de Peça da ECU N/A Número de peça para o hardware da Unidade de Controle do Motor (ECU).
Número de Série da ECU N/Aa Número de série da Unidade de Controle do Motor (ECU).
a
Número de Peça do Conjunto de N/A Número de peça para o conjunto de software da Unidade de Controle do
Software do ECU Motor (ECU).
Número de Peça do Software da ECU N/Aa Número de peça para o software de operação da Unidade de Controle do
Motor (ECU).
Temperatura do Lı́quido de °C Valor da Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor.
Arrefecimento do Motor (°F)
NOTA: se houver uma falha ativa para o circuito ECT, o ECT será mostrado
como ND
Tensão de Entrada da Temperatura do volts Tensão de Entrada do Sensor de Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento
Lı́quido de Arrefecimento do Motor do Motor para a ECU
Horı́metro do Motor horas Total de horas que a ECU funcionou em um motor.
minutos
segundos
04
Carga do Motor à Rotação Atual % Percentagem de carga no motor em determinada rotação.
160
Número do Modelo do Motor N/Aa O número do modelo do motor. 17
Pressão do Óleo do Motor kPa Valor da pressão do Óleo do Motor
(psi)
Número de Série do Motor N/Aa Número de série do motor.
Rotação do Motor rpm A velocidade que o sensor do virabrequim detecta em que a roda de
sincronização do virabrequim está se movimentando.
Modo de Combustı́vel N/Aa Este código explica o modo de operação do motor.
a
Número de Peça do Sistema de N/A O número de peça do sistema de combustı́vel usado no motor.
Combustı́vel
Número de Série do Sistema de N/Aa O número de série do sistema de combustı́vel usado no motor.
Combustı́vel
Temperatura do Combustı́vel °C Valor da temperatura do combustı́vel.
(°F) NOTA: se houver uma falha ativa para o circuito de temperatura do
combustı́vel, a temperatura do combustı́vel será mostrada como ND
Tensão da Entrada da Pressão de volts Tensão de entrada do sensor de temperatura do combustı́vel para a ECU.
Combustı́vel
Taxa de Uso de Combustı́vel L Quantidade total de combustı́vel que a ECU comandou que a unidade de
(gal) controle da bomba distribuı́sse durante o total de horas mostrado pelo
parâmetro do Horı́metro do Motor.
Temperatura do Ar do Coletor °C Valor da Temperatura do Ar do Coletor.
(°F)
NOTA: se houver uma falha ativa para o circuito da MAT, a MAT será
mostrado como ND
a
N/A = Não se Aplica

Continua na próxima página RG40854,0000103 –54–15JAN02–2/3

CTM339 (03OCT05) 04-160-17 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=203
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Parâmetro Unidades Descrição


Tensão de Entrada da Temperatura do volts Tensão de Entrada do Sensor de Temperatura do Ar do Coletor para a ECU.
Ar do Tubo
Curva do Regulador de Rotação N/Aa O modo selecionado depende da aplicação. Consulte ESPECIFICAÇÕES DA
Máxima APLICAÇÃO na Seção 06, Grupo 210, deste manual e consulte a curva do
comando de velocidade máxima correspondente à sua aplicação.
Pressão do Óleo kPa (psi) Valor da pressão do óleo.

NOTA: se houver uma falha ativa para o circuito de pressão do óleo, a


pressão do óleo será mostrada como ND
Tensão da Entrada da Pressão do Óleo volts Tensão de entrada do sensor de Pressão do Óleo para a ECU
a
Número de Peça do Conjunto de Opção N/A Número de peça que descreve todas as opções de todo o veı́culo. Isto inclui
o Número de Peça da Opção de Desempenho e o Número de Peça da
Opção do Veı́culo.
Número de Peça da Opção de N/Aa Estas são as opções especı́ficas de desempenho do motor relativas à
Desempenho potência e ao torque.
04 Tensão do Suprimento do Sensor volts Tensão com a qual a ECU abastece os sensores no suprimento de energia
160 nº. 1
18
Tipo de Acelerador N/Aa Tipo de acelerador(es) ativo(s)
Posição do Acelerador % Percentagem de aceleração
Número da Curva de Torque N/Aa Em algumas aplicações, a ECU limita o combustı́vel máximo nas curvas de
torque múltiplo. Isto exibe a curva de torque que a ECU está usando no
momento para limitar o combustı́vel máximo. Consulte ESPECIFICAÇÕES
DA APLICAÇÃO na Seção 6, Grupo 210, deste manual e consulte a curva de
torque correspondente para a sua aplicação.
Número de Peça da Opção do Veı́culo N/Aa Essas são as opções especı́ficas do veı́culo para o motor como reduções,
desligamentos, limites dos sensores, etc.
Número de Série do Veı́culo N/Aa Número de série do veı́culo onde se encontra este motor.
a
N/A = Não se Aplica

RG40854,0000103 –54–15JAN02–3/3

CTM339 (03OCT05) 04-160-18 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=204
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Instruções de Teste do Motor – Teste de


Alteração da Curva de Torque da Escavadora

Pode ser necessário ajustar a curva de torque para


escavadoras que funcionam em áreas de grandes
altitudes. Selecionando a opção de redução de altitude,
os sintomas observáveis indesejados tais como excesso
de fumaça preta podem ser reduzidos significativamente
ou eliminados. O ajuste da curva de torque pode ser
realizado apenas com o DST ou SERVICE ADVISOR.

Execução do Ajuste de Grande Altitude da Curva de


Torque

1. Ignição LIGADA, motor desligado.


04
2. Selecione Teste de Alteração da Curva de Torque da 160
Escavadora no DST ou no SERVICE ADVISOR. 19

3. Selecione a opção que corresponda à operação


desejada.

1. Operação normal
2. Redução na capacidade normal para altitude

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company RG40854,0000171 –54–23SEP05–1/1

Reprogramação da Unidade de Controle do


Motor (ECU)

A ECU pode ser reprogramada com o DST ou SERVICE


ADVISOR. Consulte o material de treinamento fornecido
com seu curso de treinamento do Service Advisor. Todos
os usuários autorizados do Service Advisor receberam
este treinamento. O treinamento online também está
disponı́vel na John Deere University, um aplicativo de
aprendizado à distância baseado na internet.

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company RG41221,0000092 –54–23SEP05–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-160-19 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=205
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Códigos de Diagnóstico de Falhas (DTCs)

Há diversos métodos diferentes para exibir os DTCs Neste manual, será necessário converter esses
armazenados e ativos na ECU. códigos para os códigos SPN/FMI para seguir o
procedimento de diagnóstico correto. Consulte LISTA
CÓDIGOS SPN/FMI DE CÓDIGOS DE DIAGNÓSTICO DE FALHAS
(DTCS) NA ECU no Grupo 160 deste manual.
Os códigos SPN/FMI são escritos a partir da norma
SAE J1939 como códigos de duas partes. A primeira OUTROS CÓDIGOS
parte do código é o Número do Parâmetro Suspeito
(SPN). Normalmente, ele contém de 2 a 4 dı́gitos. O Se os códigos não forem exibidos como códigos
SPN identifica o sistema ou o componente que tem a SPN/FMI ou códigos de 2 dı́gitos, talvez o aplicativo
falha, por exemplo, SPN 110 indica uma falha no esteja utilizando outro formato. Por exemplo, em
circuito de temperatura do lı́quido de arrefecimento do alguns aplicativos, o código F455 é exibido para a
motor. A segunda parte do código é chamada de tensão alta de entrada da temperatura do lı́quido de
código do Identificador de Modo de Falha (FMI). O arrefecimento do motor. Isso pode ser visto em alguns
04
160 FMI contém 2 dı́gitos. O FMI identifica o tipo de falha aplicativos dentro do DST ou SERVICE ADVISOR.
20 que ocorreu: por exemplo, FMI 3 indica valor acima do Neste manual, é necessário converter este formato de
normal. Para determinar a falha exata, são código em um código SPN/FMI para garantir que o
necessários o SPN e o FMI. Combinar o SPN 110 procedimento de diagnóstico correto seja seguido.
com o FMI 3 torna alta a tensão de entrada da Consulte a LISTAGEM DE CÓDIGOS DE
temperatura do lı́quido de arrefecimento do motor . DIAGNÓSTICO DE FALHAS (DTCS) NA ECU

Em todas as aplicações com a Unidade de Controle LÂMPADA DE ADVERTÊNCIA


do Motor (ECU) Nı́vel 12, a ECU transmite os códigos
SPN/FMI para a Rede da Área do Controlador (CAN). Em algumas aplicações, existe uma lâmpada de
Isso permite o uso de ferramentas de serviço como a advertência que é usada quando um código se torna
DST ou SERVICE ADVISOR e o Indicador de ativo. Quando um código estiver ativo, essa lâmpada
Diagnóstico para exibir os DTCs ativos e pisca ou permanece acesa. Normalmente, uma luz
armazenados. Ao usar o DST ou SERVICE constante indica que a ECU está tomando medidas
ADVISOR os códigos serão exibidos no formato extremas para proteger o motor e uma luz intermitente
000000.00. Por exemplo, SPN 110 FMI 3 será exibido indica que a ECU detectou uma falha e o desempenho
como 000110.03. do motor pode ser afetado. Consulte o Manual do
Operador para obter informações mais detalhadas
CÓDIGOS DE 2 DÍGITOS sobre uma dada aplicação.

Algumas aplicações não apresentam códigos de motor LIMPEZA DOS DTCS ARMAZENADOS
como um SPN/FMI. Na maioria desses casos, o
código é exibido com 2 dı́gitos. Um exemplo de um Os DTCs armazenados podem ser apagados através
código de 2 dı́gitos é 18 para tensão de entrada alta do painel de instrumentos OEM, através do DST ou
da temperatura do lı́quido de arrefecimento do motor. SERVICE ADVISOR. Para obter mais informações
Se usado em uma aplicação com vários controladores, sobre como limpar os DTCs usando o leitor de
a ECU pode ser exibida na frente dos números, tal códigos de diagnóstico no painel de instrumentos,
como ECU 018. Um código de 2 dı́gitos pode ser visto consulte IMPEZA DOS DTCS ARMAZENADOS NO
no DST ou SERVICE ADVISOR, no mostrador de INDICADOR DE DIAGNÓSTICO, anteriormente, neste
bordo ou quando o código pisca por várias razões. Grupo.

SERVICE ADVISOR é uma marca comercial da Deere & Company


SERVICE ADVISOR RG40854,0000104 –54–07SEP05–1/1

CTM339 (03OCT05) 04-160-20 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=206
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

04
160
21

CTM339 (03OCT05) 04-160-21 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=207
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Lista dos Códigos de Diagnóstico de Falhas


(DTCs) na ECU

Códigos SPN/FMI em Ordem Crescente

Lista de DTCs nos Códigos SPN/FMI em Ordem Crescente


SPN FMI Definição
000028 03 Tensão Alta do Acelerador
04 Tensão Baixa do Acelerador
000029 03 Tensão Alta do Acelerador
04 Tensão Baixa do Acelerador
14 Tensão do Acelerador Fora da Faixa
000091 03 Tensão Alta do Acelerador
04 Tensão Baixa do Acelerador
07 Calibragem do Acelerador Inválida
09 Mensagem da CAN da Posição do Pedal do Acelerador Faltando, Atrasada ou Inválida
10 Tensão Baixa do Acelerador
13 Calibragem do Acelerador Cancelada
04
14 Tensão do Acelerador Fora da Faixa
160
000097 00 Água no Combustı́vel, acima do Normal, Mais Grave
22
03 Tensão Alta do Sinal de Água no Combustı́vel
04 Baixa Tensão do Sinal de Água no Combustı́vel
16 Água Detectada no Combustı́vel
31 Água Detectada no Combustı́vel, Condição Existe
000100 01 Pressão do Óleo do Motor Extremamente Baixa
03 Tensão Alta na Entrada de Pressão do Óleo do Motor
04 Tensão Baixa na Entrada de Pressão do Óleo do Motor
16 Pressão do Óleo do Motor, Leitura Incorreta
18 Pressão do Óleo do Motor Moderadamente Baixa
000105 03 Tensão Alta na Entrada da Temperatura do Ar do Coletor
04 Tensão Baixa na Entrada da Temperatura do Ar do Coletor
16 Temperatura do Ar do Coletor Moderadamente Alta
000107 00 Filtro de Ar com Restrição
000110 00 Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor Extremamente Alta
03 Tensão Alta de Entrada da Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor
04 Tensão Baixa na Entrada da Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor
15 Temperatura Alta do Lı́quido de Arrefecimento do Motor Menos Grave
16 Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor Moderadamente Alta
000111 00 Perda de Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento de Extremamente Alta
03 Perda de Tensão Alta de Entrada da Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento
04 Perda de Tensão de Entrada da Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento Baixa
000158 17 Erro de Desligamento da ECU
000171 03 Temperatura do Ar Ambiente, Tensão OOR, Alta
04 Temperatura do Ar Ambiente, Tensão OOR, Baixa
000174 03 Tensão Alta na Entrada da Temperatura do Combustı́vel
04 Tensão Baixa na Entrada da Temperatura do Combustı́vel
16 Temperatura Alta do Combustı́vel Alta Moderadamente Grave
000189 00 Redução da Capacidade Normal de Rotação do Motor
000190 00 Excesso Extremo de Rotação do Motor
01 Rotação do Motor, Abaixo do Normal, Mais Grave
16 Excesso Moderado de Rotação do Motor
000523 09 Marcha Atual Não Recebida ou Inválida
18 Rotação do Motor, Abaixo do Normal, Moderadamente Grave
000620 03 Tensão Alta de Suprimento do Sensor
04 Tensão Alta de Suprimento do Sensor
000627 04 Energia não Comutada do ECU Faltando

Continua na próxima página RG40854,0000106 –54–04OCT05–1/4

CTM339 (03OCT05) 04-160-22 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=208
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

000629 13 Erro da ECU


000636 02 Ruı́do Detectado no Sensor de Posição do Motor
08 Ausência de Sinal do Sensor de Posição do Motor
10 Erro Detectado no Padrão do Sensor de Posição do Motor
000637 01 Sensor de Sincronização (Virabrequim), Erro no Padrão do Sinal
02 Ruı́do na Entrada da Posição do Virabrequim
10 Erro de Padrão de Entrada da Posição do Virabrequim
000639 13 Erro de Barramento CAN
000644 02 Entrada de Comando de Velocidade Externa, Dados Erráticos, Intermitentes ou Incorretos
000729 03 Alto Sinal do Aquecedor de Ar de Entrada
000729 05 Baixo Sinal do Aquecedor de Ar de Entrada
000898 09 Velocidade do Veı́culo Inválida/Faltando
000970 31 Interruptor Auxiliar de Desligamento do Motor Ativo
000971 31 Interruptor Externo de Redução da Capacidade Normal do Motor Ativo
001076 00 Fechamento da Válvula de Controle da Bomba muito Longo
01 Fechamento da Válvula de Controle da Bomba muito Curto
03 Alta Corrente do Solenóide da Bomba
05 Circuito do Solenóide da Bomba Aberto
06 Circuito do Solenóide da Bomba Gravemente em Curto
07 Fechamento da Válvula de Controle da Bomba Não Detectado 04
10 Circuito do Solenóide da Bomba Moderadamente em Curto 160
13 Tempo de Queda de Corrente da Bomba Inválido 23
001079 03 Tensão Alta de Suprimento do Sensor
04 Tensão Alta de Suprimento do Sensor
001109 31 Advertência de Parada do Motor
001110 31 Parada do Motor
001568 04 Tensão de Entrada da Seleção de Curva de Torque Baixa
001569 31 Redução na Capacidade Normal do Combustı́vel
002000 06 Falha Interna da ECU
13 Violação de Segurança

Continua na próxima página RG40854,0000106 –54–04OCT05–2/4

CTM339 (03OCT05) 04-160-23 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=209
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Códigos de 2 Dı́gitos em Ordem Crescente/Outros


Códigos

Lista de DTCs em Códigos de 2 Dı́gitos em Ordem Crescente


Códigos de SPN FMI Definição
2
Dı́gitos/Outros
Códigos
11 000091 03 Tensão Alta do Acelerador
12 000091 04 Tensão Baixa do Acelerador
13 000028 03 Tensão Alta do Acelerador
14 000028 04 Tensão Baixa do Acelerador
15 000029 03 Tensão Alta do Acelerador
16 000029 04 Tensão Baixa do Acelerador
18 000110 03 Tensão Alta de Entrada da Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor
19 000110 04 Tensão Baixa na Entrada da Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor
21 000620 03 Tensão Alta de Suprimento do Sensor
001079 03 Tensão Alta de Suprimento do Sensor
04 22 000620 04 Tensão Alta de Suprimento do Sensor
160 001079 04 Tensão Alta de Suprimento do Sensor
24 23 000100 03 Tensão Alta na Entrada de Pressão do Óleo do Motor
24 000100 04 Tensão Baixa na Entrada de Pressão do Óleo do Motor
25 000105 03 Tensão Alta na Entrada da Temperatura do Ar do Coletor
26 000105 04 Tensão Baixa na Entrada da Temperatura do Ar do Coletor
28 000629 13 Erro da ECU
32 N/Aa N/Aa Os códigos intermitentes significam o inı́cio dos códigos de falha ativos.
33 N/Aa N/Aa Os códigos intermitentes significam o inı́cio dos códigos de falha ativos anteriormente.
37 000174 03 Tensão Alta na Entrada da Temperatura do Combustı́vel
38 000174 04 Tensão Baixa na Entrada da Temperatura do Combustı́vel
39 000637 02 Ruı́do na Entrada da Posição do Virabrequim
10 Erro de Padrão de Entrada da Posição do Virabrequim
42 000190 00 Excesso Extremo de Rotação do Motor
16 Excesso Moderado de Rotação do Motor
54 000158 17 Erro de Desligamento da ECU
55 000639 13 Erro de Barramento CAN
62 000110 15 Temperatura Alta do Lı́quido de Arrefecimento do Motor Menos Grave
63 000110 16 Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor Moderadamente Alta
64 000100 18 Pressão do Óleo do Motor Moderadamente Baixa
65 000100 01 Pressão do Óleo do Motor Extremamente Baixa
66 000105 16 Temperatura do Ar do Coletor Moderadamente Alta
68 001569 31 Redução na Capacidade Normal do Combustı́vel
69 000110 00 Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor Extremamente Alta
71 001076 00 Fechamento da Válvula de Controle da Bomba muito Longo
72 001076 01 Fechamento da Válvula de Controle da Bomba muito Curto
73 001076 05 Circuito do Solenóide da Bomba Aberto
74 001076 06 Circuito do Solenóide da Bomba Gravemente em Curto
75 001076 07 Fechamento da Válvula de Controle da Bomba Não Detectado
76 001076 10 Circuito do Solenóide da Bomba Moderadamente em Curto
77 001076 03 Alta Corrente do Solenóide da Bomba
78 002000 13 Violação de Segurança
79 002000 06 Erro Interno da ECU
81 000174 16 Temperatura Alta do Combustı́vel Alta Moderadamente Grave
82 001110 31 Desligamento de Proteção do Motor
83 000970 31 Interruptor Auxiliar de Desligamento do Motor Ativo
84 000158 17 Erro de Desligamento da ECU
a
N/A = Não se Aplica

Continua na próxima página RG40854,0000106 –54–04OCT05–3/4

CTM339 (03OCT05) 04-160-24 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=210
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

000971 31 Interruptor Externo de Redução da Capacidade Normal do Motor Ativo


88 N/Aa N/Aa Os códigos intermitentes significam que não há códigos de falha no buffer.
F400 000029 03 Entrada Alta do Acelerador Multiestado
F401 000029 04 Entrada Baixa do Acelerador Multiestado
F402 000029 14 Tensão de Entrada do Acelerador Multiestado Fora do Intervalo
F411 000620 04 Tensão Alta de Suprimento do Sensor
F414 000620 03 Tensão Alta de Suprimento do Sensor
F415 000100 04 Tensão Baixa na Entrada de Pressão do Óleo do Motor
F418 000105 16 Temperatura do Ar do Coletor Moderadamente Alta
F420 000091 04 Entrada Baixa do Acelerador Analógico (A)
F421 000091 10 Tensão de Entrada do Acelerador Abaixo da Calibragem Inferior
F422 000110 16 Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor Moderadamente Alta
F423 000091 09 Calibragem do Acelerador Cancelada
F425 000091 03 Entrada Alta do Acelerador Analógico (A)
F474 000174 16 Temperatura Alta do Combustı́vel Alta Moderadamente Grave
F428 000091 07 Acelerado Não Calibrado Adequadamente
F42A 000091 14 Tensão da Entrada do Acelerador Analógico (A) Fora da Faixa
000639 13 SOMENTE Tratores de Arraste - Erro do Barramento da CAN
F445 000100 03 Tensão Alta na Entrada de Pressão do Óleo do Motor
F446 000100 01 Pressão do Óleo do Motor Extremamente Baixa 04
F450 000110 04 Tensão Baixa na Entrada da Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor 160
F455 000110 03 Tensão Alta de Entrada da Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor 25
F457 000110 00 Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento do Motor Extremamente Alta
F460 000105 04 Tensão Baixa na Entrada da Temperatura do Ar do Coletor
F465 000105 03 Tensão Alta na Entrada da Temperatura do Ar do Coletor
F49A 001076 10 Circuito do Solenóide da Bomba Moderadamente em Curto
F497 001076 13 Tempo de Queda de Corrente da Bomba Inválido
F474 000174 16 Temperatura Alta do Combustı́vel Alta Moderadamente Grave
F475 000174 03 Tensão Alta na Entrada da Temperatura do Combustı́vel
001569 31 Redução na Capacidade Normal do Combustı́vel
F478 001076 13 Tempo de Queda de Corrente da Bomba Inválido
F48A 000637 10 Erro de Padrão de Entrada da Posição do Virabrequim
F48b 000637 02 Ruı́do na Entrada da Posição do Virabrequim
F490 001076 06 Circuito do Solenóide da Bomba Gravemente em Curto
F491 001076 01 Fechamento da Válvula de Controle da Bomba muito Curto
F492 001076 03 Alta Corrente do Solenóide da Bomba
F493 001076 07 Fechamento da Válvula de Controle da Bomba Não Detectado
F494 001076 00 Fechamento da Válvula de Controle da Bomba muito Longo
F495 001076 05 Circuito do Solenóide da Bomba Aberto
F49A 001076 10 Circuito do Solenóide da Bomba Moderadamente em Curto
F4A0 000111 04 Perda de Tensão de Entrada da Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento Baixa
F4A5 000111 03 Perda de Tensão Alta de Entrada da Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento
F4A7 000111 00 Perda de Temperatura do Lı́quido de Arrefecimento de Extremamente Alta
F4E0 002000 06 Falha Interna da ECU
F4E3 000629 13 Erro da ECU
F4EA 000158 17 Erro de Desligamento da ECU
F4Ed 002000 13 Violação de Segurança
a
N/A = Não se Aplica

RG40854,0000106 –54–04OCT05–4/4

CTM339 (03OCT05) 04-160-25 Sist.Eletr.Combustı́vel Nı́v.12, Motores 4,5L e 6,8L


022206
PN=211
Diagnósticos de Código de Problemas e Testes

Procedimento de Diagnóstico

O diagnóstico do sistema de controle eletrônico deve 5. Depois de fazer os consertos, verifique novamente
ser feito de acordo com o seguinte procedimento: para ter certeza de que todos os DTCs tenham
sido eliminados.
1. Certifique-se de que todos os sistemas mecânicos
e outros sistemas não relacionados com o sistema NOTA: Após utilizar a DST ou SERVICE ADVISOR,
de controle eletrônico estejam funcionando sempre substitua a tampa contra poeira no
adequadamente. conector de diagnóstico.

2. Leia e registre o(s) DTC(s). Se não for utilizado um IMPORTANTE: Deve-se ter cuidado durante os
código SPN/FMI, converta o código para SPN/FMI. procedimentos de diagnóstico para
Consulte LISTAGEM DE CÓDIGOS DE evitar danificar os terminais dos
DIAGNÓSTICO DE FALHAS (DTCS) NA ECU conectores, sensores e atuadores.
anteriormente neste Grupo. As sondas não devem ser forçadas
para dentro ou em volta dos
04
160 3. Vá para o procedimento de diagnóstico que terminais ou poderão causar
26 corresponda ao(s) DTC(s) presente(s).