Você está na página 1de 6

www.qconcursos.

com

21 Q209060 Direito Civil > Domicílio e Bens , Direito das Obrigações , Direito das Coisas / Direitos Reais Parte Geral
Ano: 2006 Banca: ND Órgão: OAB-DF Prova: ND - 2006 - OAB-DF - Exame de Ordem - 1 - Primeira Fase

Assinale a alternativa INCORRETA:

os bens públicos não estão sujeitos a usucapião, mas os dominicais podem, observadas as exigências da lei, ser
A
alienados;

o possuidor de má-fé responde por todos os frutos colhidos e percebidos, bem como pelos que por sua culpa, deixou
B
de perceber, desde o momento em que se constituiu de má-fé, e não tem direito às despesas da produção e custeio;
o credor pode renunciar à solidariedade em favor de todos; se o zer em relação a um ou alguns dos devedores,
C
subsistirá a dos demais;

D dá-se a novação quando o novo devedor sucede ao antigo, cando este quite com o credor.

22 Q209063 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Condomínio
Ano: 2006 Banca: ND Órgão: OAB-DF Prova: ND - 2006 - OAB-DF - Exame de Ordem - 1 - Primeira Fase

Assinale a alternativa INCORRETA:

A o contrato preliminar, exceto quanto à forma, deve conter todos os requisitos essenciais ao contrato a ser celebrado;
as dívidas contraídas por um dos condôminos em proveito da comunhão, e durante ela, a todos obrigam, assegurado
B
ao contratante ação regressiva contra os demais;
o negócio anulável pode ser con rmado pelas partes, salvo direito de terceiros, e, se não houver prazo estabelecido
C
para se pleitear sua anulação, este será de dois anos, a contar da conclusão do ato;

nos contratos bilaterais, nenhum dos contratantes, antes de cumprida sua obrigação, pode exigir o implemento da do
D
outro.

23 Q530769 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , En teuse e Superfície
Ano: 2015 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2015 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - XVII - Primeira Fase

Mateus é proprietário de um terreno situado em área rural do estado de Minas Gerais. Por meio de escritura pública levada
ao cartório do registro de imóveis, Mateus concede, pelo prazo de vinte anos, em favor de Francisco, direito real de
superfície sobre o aludido terreno. A escritura prevê que Francisco deverá ali construir um edifício que servirá de escola
para a população local. A escritura ainda prevê que, em contrapartida à concessão da superfície, Francisco deverá pagar a
Mateus a quantia de R$ 30.000,00 (trinta mil reais). A escritura também prevê que, em caso de alienação do direito de
superfície por Francisco, Mateus terá direito a receber quantia equivalente a 3% do valor da transação.
Nesse caso, é correto a rmar que

é nula a concessão de direito de superfície por prazo determinado, haja vista só se admitir, no direito brasileiro, a
A
concessão perpétua.

é nula a cláusula que prevê o pagamento de remuneração em contrapartida à concessão do direito de superfície, haja
B
vista ser a concessão ato essencialmente gratuito.
é nula a cláusula que estipula em favor de Mateus o pagamento de determinada quantia em caso de alienação do
C
direito de superfície.

D é nula a cláusula que obriga Francisco a construir um edifício no terreno.

24 Q542964 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Prescrição e Decadência , Direito de Vizinhança Parte Geral
Ano: 2012 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2012 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - VI - Primeira Fase - Reaplicação

Glicério construiu a casa onde reside há oito anos com duas janelas rentes à divisa do terreno. A disposição das janelas na
divisa teve como objetivo a iluminação, a ventilação e a vista. Na época, seu vizinho não se opôs à construção. Ocorre que o
lote vizinho foi vendido a terceiro, e este levantou um muro rente à parede em que se encontram as janelas.

Considerando a situação hipotética e as regras de direitos reais, assinale a alternativa correta.

Por ter transcorrido o prazo prescricional de ano e dia da data da abertura das janelas, não poderá mais o proprietário
A
do prédio lindeiro exigir o desfazimento da abertura irregular da janela.
Não se aplica o prazo decadencial de ano e dia para demolição e fechamento das janelas abertas irregularmente se o
B
proprietário do prédio lindeiro se manifestou expressamente contrário à feitura da obra na época da construção.
Considerando a hipótese de a construção ter sido realizada de maneira irregular e o proprietário do prédio lindeiro
C ter, no momento da construção, anuído de maneira tácita, mesmo antes de ano e dia serão aplicáveis as regras de
servidão de utilidade.

O terceiro adquirente do prédio vizinho poderá, a todo tempo, levantar uma edi cação no seu prédio; todavia, ca
D
impossibilitado de vedar a claridade e a ventilação da casa do Glicério.

25 Q208707 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais


Ano: 2006 Banca: ND Órgão: OAB-DF Prova: ND - 2006 - OAB-DF - Exame de Ordem - 3 - Primeira Fase

Acerca dos direitos reais, jugue os itens abaixo:


I) A elasticidade, inerente aos direitos reais, estabelece a capacidade dos direitos reais de sofrerem compressões destinadas
a constituição de direitos reais limitados;
II) A personi cação jurídica dos condomínios edilícios, de acordo com o Código Civil, é a capacidade jurídica destes em
contrair direitos e possuir obrigações na esfera civil;
III) Após a entrada em vigor do Código Civil, o direito real de superfície que substituiu a en teuse impede a constituição
desta. De sua parte, o direito de superfície previsto no mesmo texto legislativo revogou o mesmo direito previsto no
Estatuto das Cidades;
IV) As acessões podem ser físicas ou naturais, bem como arti ciais ou industriais. Em relação às primeiras diz-se que são
formas originárias de aquisição da propriedade; as segundas, modalidades derivadas de aquisição da propriedade.
São falsas as seguintes assertivas:

A I e III;

B I e IV;
C II e III;

D III e IV.

26 Q224805 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Propriedade
Ano: 2012 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2012 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - VI - Primeira Fase

Diogo, proprietário de um terreno urbano localizado no Município de Vila Formosa, autorizou Rafael, dono de uma
transportadora, a utilizar parte desse terreno como garagem. Passados alguns meses de uso, Rafael, sem autorização de
Diogo, construiu um galpão coberto com objetivo de proteger sua frota da chuva e do sol. Com o crescimento dos negócios,
Rafael ampliou o galpão e ali montou uma o cina para realizar a manutenção dos seus veículos. Veri cando uma
oportunidade de negócio, Rafael passou a prestar serviços mecânicos a terceiros.
Considerando a situação hipotética e as regras atinentes à acessão arti cial, assinale a alternativa correta.

Con gurará aquisição por acessão invertida se o valor das construções realizadas por Rafael ultrapassar
A
consideravelmente o valor do terreno.
Mesmo que Rafael estivesse agindo de má-fé quando da realização da construção no terreno de Diogo, teria direito à
B
indenização das benfeitorias úteis para evitar enriquecimento sem causa deste.

C A acessão decorrente de construção é forma de aquisição derivada da propriedade.

As acessões arti ciais podem ser equiparadas às benfeitorias úteis, sobretudo quando representarem instrumento
D
apropriado para conservação do bem principal.

27 Q129229 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Direitos Reais de Garantia - Penhor, Anticrese e Hipoteca
Ano: 2010 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2010 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - II - Primeira Fase

Passando por di culdades nanceiras, Alexandre instituiu uma hipoteca sobre imóvel de sua propriedade, onde reside com
sua família. Posteriormente, foi procurado por Amanda, que estaria disposta a adquirir o referido imóvel por um valor bem
acima do mercado. Consultando seu advogado, Alexandre ouviu dele que não poderia alienar o imóvel, já que havia uma
cláusula na escritura de instituição da hipoteca que o proibia de alienar o bem hipotecado.
A opinião do advogado de Alexandre

está incorreta, porque a hipoteca instituída não produz efeitos, pois, na hipótese, o direito real em garantia a ser
A
instituído deveria ser o penhor.
está incorreta, porque Alexandre está livre para alienar o imóvel, pois a cláusula que proíbe o proprietário de alienar o
B
bem hipotecado é nula.

está incorreta, uma vez que a hipoteca é nula, pois não é possível instituir hipoteca sobre bem de família do devedor
C
hipotecário.
está correta, porque em virtude da proibição contratual, Alexandre não poderia alienar o imóvel enquanto recaísse
D
sobre ele a garantia hipotecária.

28 Q156910 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Modos de Aquisição da Propriedade Imóvel
Ano: 2010 Banca: CESPE Órgão: OAB Prova: CESPE - 2010 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - I - Primeira Fase

Assinale a opção correta com relação ao registro, exigido na transmissão da propriedade de bens imóveis.

Realizado o registro do título translativo, este produzirá efeitos ex tunc, o que torna o adquirente proprietário desde a
A
formalização do título.

Sendo o registro, no âmbito do direito nacional, meio necessário para a transmissão da propriedade de bem imóvel,
B
sua realização importa presunção absoluta de propriedade.
Vendido o imóvel a duas pessoas diferentes, será válido o registro ainda que realizado pelo adquirente que possua o
C
título de data mais recente.
Se uma pessoa vender imóvel seu a outra e esta, por sua vez, o vender a terceiro, será possível, provada a
D
regularidade dos negócios, o registro desse último título translativo sem que se registre o primeiro.

Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Posse - Teoria, Classi cação e Aquisição ,
29 Q299426
Efeitos, Tutela, Transmissão e Perda da Posse
Ano: 2007 Banca: CESPE Órgão: OAB Prova: CESPE - 2007 - OAB - Exame de Ordem - 2 - Primeira Fase

Tendo em vista o que dispõe o Código Civil a respeito de posse, julgue os itens seguintes.
I Dá-se o constituto possessório quando o possuidor transfere a posse a outrem, mas mantém-se como detentor direto da
coisa. II Constitui efeito da posse a autodefesa do possuidor no caso de turbação ou esbulho. III O possuidor de má-fé deve
indenizar o reivindicante pelos prejuízos decorrentes de perda ou deterioração do bem, ainda que acidentais, salvo se
provar que a perda ou deterioração ocorreria de qualquer modo, mesmo que estivesse o bem em poder do reivindicante.IV
É admissível a oposição de embargos de terceiro fundados em alegação de posse advinda do compromisso de compra e
venda de imóvel, ainda que desprovido do registro. Assinale a opção correta.

A Apenas os itens I e II estão certos.


B Apenas os itens I e III estão certos.

C Apenas os itens II e IV estão certos.


D Todos os itens estão certos.

30 Q304864 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Direitos Reais de Garantia - Penhor, Anticrese e Hipoteca
Ano: 2012 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2012 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - IX - Primeira Fase

De acordo com as regras atinentes à hipoteca, assinale a a rmativa correta.

A O Código Civil não admite a divisibilidade da hipoteca em casos de loteamento do imóvel hipotecado.
O ordenamento jurídico admite a instituição de nova hipoteca sobre imóvel hipotecado, desde que seja dada em favor
B
do mesmo credor.

Segundo o Código Civil, o adquirente de bem hipotecado não pode remir a hipoteca para que seja extinto o gravame
C
pendente sobre o bem sem autorização expressa de todos credores hipotecários.
A hipoteca pode ser constituída para garantia de dívida futura ou condicionada, desde que determinado o valor
D
máximo do crédito a ser garantido.

31 Q304947 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais


Ano: 2012 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2012 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - VIII - Primeira Fase

Em janeiro de 2010, Nádia, unida estavelmente com Rômulo, após dez anos de convivência e sem que houvesse entre eles
contrato escrito que disciplinasse as relações entre companheiros, abandona de nitivamente o lar. Nos dois anos
seguintes, Rômulo, que não é proprietário de outro imóvel urbano ou rural, continuou, ininterruptamente, sem oposição de
quem quer que fosse, na posse direta e exclusiva do imóvel urbano com 200 metros quadrados, cuja propriedade dividia
com Nádia e que servia de moradia do casal. Em março de 2012, Rômulo – que nunca havia ajuizado ação de usucapião, de
qualquer espécie, contra quem quer que fosse - ingressou com ação de usucapião, pretendendo o reconhecimento judicial
para adquirir integralmente o domínio do referido imóvel.
Diante dessa situação hipotética, assinale a a rmativa correta.

A pretensão de aquisição do domínio integral do imóvel por Rômulo é infundada, pois o prazo assinalado pelo Código
A
Civil é de 10 (dez) anos.
A pretensão de aquisição do domínio integral do imóvel por Rômulo é infundada, pois a hipótese de abandono do lar,
B
embora possa caracterizar a impossibilidade da comunhão de vida, não autoriza a propositura de ação de usucapião.
A pretensão de aquisição do domínio integral do imóvel por Rômulo é infundada, pois tal direito só existe para as
C
situações em que as pessoas foram casadas sob o regime da comunhão universal de bens.

A pretensão de aquisição do domínio integral do imóvel por Rômulo preenche todos os requisitos previstos no Código
D
Civil.

32 Q692573 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Modos de Aquisição da Propriedade Móvel
Ano: 2016 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2016 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - XX - Primeira Fase (Reaplicação

Salvador/BA)

O apartamento de João é invadido e, entre outras coisas, um paletó é furtado. Três meses depois, João descobre que o seu
paletó está sendo usado por Ricardo. Ao ser confrontado, Ricardo esclarece que adquiriu o paletó há um mês de um
brechó, que o mantinha exposto no mostruário. Alegou ainda que adquiriu a roupa sem saber que era proveniente de
furto. Em prova do alegado, Ricardo exibe documento comprobatório da compra do paletó feita no brechó.

Tendo em vista a situação descrita, assinale a a rmativa correta.

A Ricardo não é o legítimo proprietário do paletó, pois o adquiriu do brechó, que não era o verdadeiro dono da coisa.
Ricardo é o legítimo proprietário do paletó, uma vez que o adquiriu de boa-fé, em estabelecimento comercial, que, nas
B
circunstâncias do caso, aparentava ser o dono da coisa.

Ricardo é o legítimo proprietário do paletó, mas deve indenizar João, entregando-lhe soma equivalente ao preço que
C
pagou ao brechó.
Ricardo não é o legítimo proprietário do paletó, uma vez que o comprou do brechó apenas dois meses depois do furto
D
sofrido por João.

33 Q665249 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Condomínio
Ano: 2016 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2016 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - XX - Primeira Fase

Vítor, Paulo e Márcia são coproprietários, em regime de condomínio pro indiviso, de uma casa, sendo cada um deles titular
de parte ideal representativa de um terço (1/3) da coisa comum. Todos usam esporadicamente a casa nos nais de semana.
Certo dia, ao visitar a casa, Márcia descobre um vazamento no encanamento de água. Sem perder tempo, contrata, em
nome próprio, uma sociedade empreiteira para a realização da substituição do cano dani cado. Pelo serviço, cou ajustado
contratualmente o pagamento de R$ 900,00 (novecentos reais). Tendo em vista os fatos expostos, assinale a a rmativa
correta.

A A empreiteira pode cobrar a remuneração ajustada contratualmente de qualquer um dos condôminos.

A empreiteira pode cobrar a remuneração ajustada contratualmente apenas de Márcia, que, por sua vez, tem direito
B
de regresso contra os demais condôminos.
A empreiteira não pode cobrar a remuneração contratualmente ajustada de Márcia ou de qualquer outro condômino,
C
uma vez que o serviço foi contratado sem a prévia aprovação da totalidade dos condôminos.

A empreiteira pode cobrar a remuneração ajustada contratualmente apenas de Márcia, que deverá suportar sozinha a
D despesa, sem direito de regresso contra os demais condôminos, uma vez que contratou a empreiteira sem o prévio
consentimento dos demais condôminos.

34 Q852389 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Posse - Teoria, Classi cação e Aquisição , Servidões
Ano: 2017 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2017 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - XXIV - Primeira Fase

Laurentino constituiu servidão de vista no registro competente, em favor de Januário, assumindo o compromisso de não
realizar qualquer ato ou construção que embarace a paisagem de que Januário desfruta em sua janela. Após o falecimento
de Laurentino, seu lho Lucrécio decide construir mais dois pavimentos na casa para ali passar a habitar com sua esposa.

Diante do exposto, assinale a a rmativa correta.

A Januário não pode ajuizar uma ação possessória, eis que a servidão é não aparente.
B Diante do falecimento de Laurentino, a servidão que havia sido instituída automaticamente se extinguiu.

C A servidão de vista pode ser considerada aparente quando houver algum tipo de aviso sobre sua existência.
D Januário pode ajuizar uma ação possessória, provando a existência da servidão com base no título.

Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Usucapião ,


35 Q852390
Direitos Reais de Garantia - Penhor, Anticrese e Hipoteca
Ano: 2017 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2017 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - XXIV - Primeira Fase

Quincas adentra terreno vazio e, de forma pública, passa a construir ali a sua moradia. Após o exercício ininterrupto da
posse por 17 (dezessete) anos, pleiteia judicialmente o reconhecimento da propriedade do bem pela usucapião.

Durante o processo, constatou-se que o imóvel estava hipotecado em favor de Jovelino, para o pagamento de numerários
devidos por Adib, proprietário do imóvel.

om base nos fatos apresentados, assinale a a rmativa correta.

A hipoteca existente em benefício de Jovelino prevalece sobre eventual direito de Quincas, tendo em vista o princípio
A
da prioridade no registro.

B A hipoteca é um impeditivo para o reconhecimento da usucapião, tendo em vista a função social do crédito garantido.
Como a usucapião é modo originário de aquisição da propriedade, a hipoteca não é capaz de impedir a sua
C
consumação.

Quincas pode adquirir, pela usucapião, o imóvel em questão, porém cará com o ônus de quitar o débito que a
D
hipoteca garantia.

36 Q798379 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Servidões
Ano: 2017 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2017 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - XXII - Primeira Fase

George vende para Marília um terreno não edi cado de sua propriedade, enfatizando a existência de uma “vista eterna para
a praia” que se encontra muito próxima do imóvel, mesmo sem qualquer documento comprovando o fato. Marília adquire
o bem, mas, dez anos após a compra, é surpreendida com a construção de um edifício de vinte andares exatamente entre o
seu terreno e o mar, impossibilitando totalmente a vista que George havia prometido ser eterna. Diante do exposto e
considerando que a construção do edifício ocorreu em um terreno de terceiro, assinale a a rmativa correta.

A Uma vez transcorrido o prazo de 10 anos, Marília pode pleitear o reconhecimento da usucapião da servidão de vista.

Mesmo sem registro, Marília pode ser considerada titular de uma servidão de vista por destinação de George, o antigo
B
proprietário do terreno.
C Mesmo sendo uma servidão aparente, as circunstâncias do caso não permitem a usucapião de vista.

D Sem que tenha sido formalmente constituída, não é possível reconhecer servidão de vista em favor de Marília.

Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Usucapião ,


37 Q921005
Direitos Reais de Garantia - Penhor, Anticrese e Hipoteca
Ano: 2018 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2018 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - XXVI - Primeira Fase

Diante da crise que se abateu sobre seus negócios, Eriberto contrai empréstimo junto ao seu amigo Jorge, no valor de R$
200.000,00, constituindo, como garantia, hipoteca do seu sítio, com vencimento em 20 anos. Esgotado o prazo estipulado e
diante do não pagamento da dívida, Jorge decide executar a hipoteca, mas vem a saber que o imóvel foi judicialmente
declarado usucapido por Jonathan, que o ocupava de forma mansa e pací ca para sua moradia durante o tempo necessário
para ser reconhecido como o novo proprietário do bem. Diante do exposto, assinale a opção correta.

A Como o objeto da hipoteca não pertence mais a Eriberto, a dívida que ele tinha com Jorge deve ser declarada extinta.

Se a hipoteca tiver sido constituída após o início da posse ad usucapionem de Jonathan, o imóvel permanecerá
B
hipotecado mesmo após a usucapião, em respeito ao princípio da ambulatoriedade.
Diante da consumação da usucapião, Jorge tem direito de regresso contra Jonathan, haja vista que o bem usucapido
C
era objeto de sua garantia.
Sendo a usucapião um modo de aquisição originária da propriedade, Jonathan pode adquirir a propriedade do imóvel
D
livre da hipoteca que Eriberto constituíra em favor de Jorge.

38 Q973375 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Usucapião
Ano: 2019 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2019 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - XXVIII - Primeira Fase

Aline manteve união estável com Marcos durante 5 (cinco) anos, época em que adquiriram o apartamento de 80 m² onde
residiam, único bem imóvel no patrimônio de ambos. In uenciado por tormentosas discussões, Marcos abandonou o
apartamento e a cidade, permanecendo Aline sozinha no imóvel, sustentando todas as despesas deste. Após 3 (três) anos
sem notícias de seu paradeiro, Marcos retornou à cidade e exigiu sua meação no imóvel. Sobre o caso concreto, assinale a
a rmativa correta.

A Marcos faz jus à meação do imóvel em eventual dissolução de união estável.


B Aline poderá residir no imóvel em razão do direito real de habitação.

C Aline adquiriu o domínio integral, por meio de usucapião, já que Marcos abandonou o imóvel durante 2 (dois) anos.
D Aline e Marcos são condôminos sobre o bem, o que impede qualquer um deles de adquirí-lo por usucapião.

39 Q1003651 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Usufruto
Ano: 2019 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2019 - OAB - Exame de Ordem Uni cado XXIX - Primeira Fase

Arnaldo institui usufruto de uma casa em favor das irmãs Bruna e Cláudia, que, no intuito de garantir uma fonte de renda,
alugam o imóvel. Dois anos depois da constituição do usufruto, Cláudia falece, e Bruna, mesmo sem “cláusula de acrescer”
expressamente estipulada, passa a receber integralmente os valores decorrentes da locação.

Um ano após o falecimento de Cláudia, Arnaldo vem a falecer. Seus herdeiros pleiteiam judicialmente uma parcela dos
valores integralmente recebidos por Bruna no intervalo entre o falecimento de Cláudia e de Arnaldo e, concomitantemente,
a extinção do usufruto em função da morte de seu instituidor.

Diante do exposto, assinale a a rmativa correta.

Na ausência da chamada “cláusula de acrescer”, parte do usufruto teria se extinguido com a morte de Cláudia, mas o
A
usufruto como um todo não se extingue com a morte de Arnaldo.

Bruna tinha direito de receber a integralidade dos aluguéis independentemente de estipulação expressa, tendo em
B
vista o grau de parentesco com Cláudia, mas o usufruto automaticamente se extingue com a morte de Arnaldo.

A morte de Arnaldo só extingue a parte do usufruto que caberia a Bruna, mas permanece em vigor no que tange à
C parte que cabe a Cláudia, legitimando os herdeiros desta a receberem metade dos valores decorrentes da locação,
caso esta permaneça em vigor.
A morte de Cláudia extingue integralmente o usufruto, pois instituído em caráter simultâneo, razão pela qual os
D herdeiros de Arnaldo têm direito de receber a integralidade dos valores recebidos por Bruna, após o falecimento de
sua irmã.

40 Q423517 Direito Civil > Direito das Coisas / Direitos Reais , Usufruto
Ano: 2014 Banca: FGV Órgão: OAB Prova: FGV - 2014 - OAB - Exame de Ordem Uni cado - XIV - Primeira Fase

Sara e Bernardo doaram o imóvel que lhes pertencia a Miguel, cando o imóvel gravado com usufruto em favor dos
doadores. Dessa forma, quanto aos deveres dos usufrutuários, assinale a a rmativa INCORRETA:

A Não devem pagar as deteriorações resultantes do exercício regular do usufruto.

B Devem arcar com as despesas ordinárias de conservação do bem no estado em que o receberam.
C Devem arcar com os tributos inerentes à posse da coisa usufruída.

D Não devem comunicar ao dono a ocorrência de lesão produzida contra a posse da coisa.

Respostas

21: B 22: B 23: C 24: B 25: C 26: A 27: B 28: C 29: D 30: D 31: D 32: B

33: B 34: D 35: C 36: D 37: D 38: C 39: A 40: D

www.qconcursos.com