Você está na página 1de 5

Orientações Gerais

Os ativos em moeda estrangeira da instituição no Brasil ou de suas subsidiárias no exterior devem ser informados em
suas respectivas moedas, porém convertidos para Real (R$) pela PTAX (venda) da data base de apuração do LCR.
1) Já os limites apresentados em Real (R$) nos normativos e na instrução de preenchimento devem ser convertidos para
as moedas dos respectivos países onde a instituição possui subsidiárias para fins de classificações e apuração do LCR. A
taxa de conversão deve ser a PTAX (venda) da data base de apuração do LCR.

Valores referentes a ativos líquidos e fluxos de caixa no exterior que estão vinculados ao conglomerado prudencial no
Brasil (operacionalizados por meio de agências, escritórios de representação e bancos correspondentes, entre outros)
2)
devem ser informados no DRL relativo à jurisdição Brasil (na respectiva moeda, porém convertido para Real – R$ pela
Ptax – Venda).

Os limites denominados em reais (R$) devem ser convertidos para a moeda local da subsidiária (PTAX venda) para
3)
apuração da classificação de clientes (pessoa física e pessoa jurídica de pequeno porte).

4) Moeda local, no caso de jurisdição na qual há mais de uma moeda corrente, é aquela emitida pela jurisdição.

5) A precificação dos ativos informados deve considerar seus valores de mercado (marcação a mercado).

1
Agências e escritórios de representação podem ser consolidados no documento “Brasil”. Nesse caso, ativos e fluxos de
caixas estarão sendo considerados na instituição no Brasil e, portanto, não há saída líquida de caixa na jurisdição que
está sendo consolidada.
6)
Desta forma, não é possível classificar como HQLA ativos existentes na jurisdição que está sendo consolidada caso
tais ativos somente possam ser considerados HQLA para cobrir as saídas líquidas de caixa da jurisdição considerada.
1
Subsidiárias não podem ser consolidadas no documento “Brasil”.

1
Os ativos para serem considerados no estoque de Ativos de Alta Liquidez (HQLA) devem:
o
(i) Ser facilmente convertidos em espécie sem, ou com pouca perda, de valor (Art. 4 , inc. I);
2 3
(ii) Estar livres de qualquer impedimento ou restrição legal , regulatória ou contratual para sua negociação
o
(unencumbered) (Art. 4 , inc. II);
o
(iii) Ser de fácil e certo apreçamento (Art. 4 , inc. IV);
(iv) Ser transacionados em um mercado ativo e significativo, com pequena diferença entre o preço de compra e
o
7) venda, grande volume de negociação e grande número de participantes (Art. 4 , inc. VII);
o o
(v) Estar sob o controle da unidade responsável pela gestão da liquidez da instituição (Art. 4 , § 2 , inc. I, alínea “a”).
1
A elegibilidade do título independe da sua classificação contábil (se para negociação, disponível para venda ou
mantido até o vencimento).
2
No caso de ações, inclui restrição de venda devido à necessidade de manter participação acionária (controle ou
participação em grupo de controle e ou acordo de acionistas).
Negociação  ver Anexo 1 – Glossário: Conceitos e definições
3

Ativos elegíveis a HQLA não podem constituir obrigação de instituição financeira ou de entidades controladas por
o
instituições financeiras (Art. 4 , inc. X), excetuando os casos que as instituições sejam organismos multilaterais ou
8)
Entidades Multilaterais de Desenvolvimento (EMDs) definidas no Art. 19, inc. V da Circular 3.644 de 4 de março de
o
2013 (Art. 4 , § 7º, inc. I).

9)
Ativos (incluindo ações) recebidos em: (i) operações compromissadas; (ii) operações de swap de colaterais; (iii)
operações de aluguel; ou (iv) como colaterais de outra operações, podem ser incluídos no estoque de HQLA desde que
a instituição tenha direito de uso do ativo e o mesmo esteja desimpedido para ser oferecido em garantia de outra
o
operação ou vendido (em definitivo ou com compromisso de recompra) (Art. 4 , § 1º).

Ativos recebidos (i) como colateral; (ii) em operações de swap de colaterais e (iii) em operações de aluguel de ativos,
não serão elegíveis a HQLA caso as respectivas operações tenham vencimento nos próximos 30 dias ou casos os
3 2 o
titulares dos ativos tenham direito de saque nos próximos 30 dias (Art. 4 , § 2º, inc. IV).
10)
Direito de saque  ver Anexo 1 – Glossário: Conceitos e definições.
1

2
Ativos recebidos em operações de compra com compromisso de revenda não se enquadram nas restrições referentes
ao vencimento da operações e ao direito de saque do titular (Art. 4º, §8º).

A classificação de clientes “pessoas físicas” entre “com depósitos abaixo de R$ 1,5 milhão” e “com depósitos iguais ou
acima de R$ 1,5 milhão” deve ser realizada na data de apuração do LCR.
A classificação deve considerar todas as captações do cliente, independentemente de seus prazos de vencimento ou de
suas condições de resgate, incluindo as emissões próprias de instrumentos financeiros e as operações compromissadas
lastreadas por títulos emitidos por instituição do próprio conglomerado prudencial (Art. 13, inciso III, alínea “a”).
11)
No cálculo do limite de captações totais do cliente (R$ 1,5 milhão), deve-se incluir o resultado líquido de operações
com derivativos se, na data de apuração do LCR, a posição líquida do cliente em tais operações for positiva (Art. 13, §
7º).

Obs.: Exemplos de cálculo das captações totais por cliente pessoa física: ver Anexo 2 – Exemplo de Cálculo 17.

Cálculo do LCR - Consolidação

O cálculo do Liquidity Coverage Ratio (LCR) é dado por:

𝑬𝒔𝒕𝒐𝒒𝒖𝒆 𝒅𝒆 𝑨𝒕𝒊𝒗𝒐𝒔 𝒅𝒆 𝑨𝒍𝒕𝒂 𝑳𝒊𝒒𝒖𝒊𝒅𝒆𝒛 (𝑯𝑸𝑳𝑨)


LCR =
𝑺𝒂í𝒅𝒂𝒔 𝑳í𝒒𝒖𝒊𝒅𝒂𝒔 𝒅𝒆 𝑪𝒂𝒊𝒙𝒂

Onde:
Estoque de Ativos de Alta Liquidez (HQLA) = Item 1
Saídas Líquidas de Caixa = Item 2

1 Estoque de Ativos de Alta Liquidez (HQLA)

O item 1 deve somar os valores dos seguintes itens:


1.1 – Ativos Líquidos Nível 1
1.2 – Ativos Líquidos Nível 2A
1.3 – Ativos Líquidos Nível 2B

Adicionalmente, o item 1 deve agregar os valores de Ativos Líquidos Nível 1 (item 1.1) e os Ativos Líquidos Nível 2A (item 1.2)
e Nível 2B (item 1.3), considerando que:
 Os Ativos de Nível 2(item 1.2 + item 1.3) não podem constituir mais do que 40% (quarenta por cento) do estoque total
de Ativos de Alta Liquidez – HQLA (item 1), considerando os valores dos ativos após a aplicação dos respectivos fatores
o o
de ponderação (Art. 7 , § 1 ).
 Os Ativos de Nível 2B (item 1.3) não podem constituir mais do que 15% (quinze por cento) do estoque total de Ativos de
Alta Liquidez – HQLA (item 1), considerando os valores dos ativos após a aplicação dos respectivos fatores de
o o
ponderação (Art. 7 , § 2 ).

Matematicamente, os limites relacionados acima podem ser calculados utilizando a seguinte fórmula:

Estoque de Ativos de Alta Liquidez (item 1) =(item 1.1 + item 1.2 + item 1.3) subtraído do máximo entre:
 (Item 1.2 + item 1.3) subtraído de (item 1.1 x (2/3))
 (Item 1.3) subtraído de ((15/85) x (item 1.1 + item 1.2))
 Zero

Assim:
Item 1 – Estoque de Ativos de Alta Liquidez (HQLA) = Item 1.1 + Item 1.2 + Item 1.3 – Máximo ((Item 1.2 + Item 1.3) – ((2/3) x
Item 1.1); Item 1.3 – ((15/85) x (Item 1.1 + Item 1.2)); 0) .......................................................................................................... (1)

Os ajustes nos itens 1.2 e 1.3 são dados por:

Se Item 1.3 ≤ 0,15 x Item 1  Ajuste Ativos Nível 2B = 0 (zero)

Ajuste “Item 1.3 – Ativos Líquidos Nível 2B”


Se Item 1.3 > 0,15 x Item 1  Ajuste Ativos Nível 2B = Item 1.3 subtraído 0,15 x
Item 1.3

Onde:

Item 1 = Estoque de Ativos de Alta Liquidez (HQLA), dado pela equação (1)

Assim, Ativos Nível 2B no estoque de HQLA é dado por = Item 1.3 subtraído de Ajuste “Item 1.3 – Ativos Líquidos Nível 2B”

Se Ajuste “Item 1.3 – Ativos Líquidos Nível 2B” = 0 (zero) Ajuste Ativos Nível
2A = Item 1.2 subtraído de (Item 1 subtraído de (Item 1.1 + Item 1.3))
Ajuste “Item 1.2 – Ativos Líquidos Nível 2A”
Se Ajuste “Item 1.3 – Ativos Líquidos Nível 2B” > 0 (zero) Ajuste Ativos Nível
2A = Item 1.2 subtraído de (Item 1 subtraído de (Item 1.1 + 0,15 x Item 1))

Onde:

Item 1 = Estoque de Ativos de Alta Liquidez (HQLA), dado pela equação (1)

Assim, Ativos Nível 2A no estoque de HQLA é dado por = Item 1.2 subtraído de Ajuste “Item 1.2 – Ativos Líquidos Nível 2A”

1.1 Ativos Líquidos Nível 1

O item 1.1 deve somar os valores dos seguintes itens:


1.1.1 – Ativos Líquidos Nível 1 – Brasil
1.1.2 – Ativos Líquidos Nível 1 – Subsidiária 1
1.1.2– Ativos Líquidos Nível 1 – Subsidiária 2
(...)
1.1.2 – Ativos Líquidos Nível 1 – Subsidiária “n”

1.2 Ativos Líquidos Nível 2A

O item 1.2 deve somar os valores dos seguintes itens:


1.2.1 – Ativos Líquidos Nível 2A
1.2.2 – Ativos Líquidos Nível 2A – Subsidiária 1
1.2.2 – Ativos Líquidos Nível 2A – Subsidiária 2
(...)
1.2.2 – Ativos Líquidos Nível 2A – Subsidiária “n”

1.3 Ativos Líquidos Nível 2B

O item 1.3 deve somar os valores dos seguintes itens:


1.3.1 – Ativos Líquidos Nível 2B
1.3.2 – Ativos Líquidos Nível 2B – Subsidiária 1
1.3.2 – Ativos Líquidos Nível 2B – Subsidiária 2
(...)
1.3.2 – Ativos Líquidos Nível 2B – Subsidiária “n”

2 Saídas Líquidas de Caixa

O item equivale ao total de saídas de caixa subtraído do valor do total de entradas de caixa (Art. 2º, parágrafo único).
Adicionalmente, o montante total das entradas de caixa não pode ser superior a 75% do total das saídas de caixa (Art. 2º,
parágrafo único).

Dessa forma, o item “2 – Saídas líquidas de Caixa” é dado por:


“Item 3 – Saídas de Caixa” subtraído do menor valor entre:
(i) “Item 4 – Entradas de Caixa”
(ii) 0,75 x “Item 3 – Saídas de Caixa”

3 Saídas de Caixa

O item 3 deve somar os valores dos seguintes itens:


3.1 – Saídas de Caixa – Brasil
3.2 – Saídas de Caixa – Subsidiária 1
3.2 – Saídas de Caixa – Subsidiária 2
(...)
3.2 – Saídas de Caixa – Subsidiária “n”

4 Entradas de Caixa

O item 4 deve somar os valores dos seguintes itens:


4.1– Entradas de Caixa – Brasil
4.2 – Entradas de Caixa – Subsidiária 1
4.2 – Entradas de Caixa – Subsidiária 2
(...)
4.2 – Entradas de Caixa – Subsidiária “n”

Instrução de preenchimento: tipos de campos

Campo
Item que agrega valores informados ou calculados em outros campos.
sintético

Campo Informações que devem ser apuradas e ou calculadas e que serão consideradas diretamente no cálculo do
informativo LCR.

Informações p/ Informações para controle e monitoramento e que não são consideradas no cálculo do LCR ou utilizadas em
controle cálculos de outros itens do documento.
Informações Informações que não são consideradas diretamente no cálculo do LCR , porém são utilizadas em cálculos de
para cálculo outros itens do documento.

Campo Informações que são calculadas a partir de outros campos do documento e são consideradas diretamente no
Calculado cálculo do LCR.