Você está na página 1de 404

Conteúdo

Ações: ................................................................................................................................................................... 13
O que são? ........................................................................................................................................................... 13
Sistema de Indemnização aos Investidores ....................................................................................................... 75
Depósitos ............................................................................................................................................................. 95
Planos Poupança-Reforma ............................................................................................................................ 119
O que são? ......................................................................................................................................................... 119
Obrigações......................................................................................................................................................... 130
Produtos complexos ....................................................................................................................................... 151
Warrants autónomos....................................................................................................................................... 158
Ouro ..................................................................................................................................................................... 167
Diamantes .......................................................................................................................................................... 173
Certificados ....................................................................................................................................................... 177
Certificados de Aforro .................................................................................................................................... 183
Futuros e Opções............................................................................................................................................. 192
Forex .................................................................................................................................................................... 223
ETF - Exchange Traded Funds ..................................................................................................................... 231
Seguros de capitalização ............................................................................................................................... 235
Características .................................................................................................................................................. 249
Ação cíclica ............................................................................................................................................................... 256
Ação defensiva ......................................................................................................................................................... 257
Ação ordinária........................................................................................................................................................... 257
Ação preferencial ..................................................................................................................................................... 258
Ação volátil ................................................................................................................................................................ 258
AEX 25 ......................................................................................................................................................................... 258
Alavancagem ............................................................................................................................................................. 258
Alienação potestativa ............................................................................................................................................. 259
Alocação ..................................................................................................................................................................... 259
Alpha ........................................................................................................................................................................... 260
American Depositary Receipt (ADR) ................................................................................................................... 260
Amortização............................................................................................................................................................... 260
Análise fundamental ............................................................................................................................................... 260
Análise técnica ......................................................................................................................................................... 261
APFIPP ........................................................................................................................................................................ 261
Aquisição ................................................................................................................................................................... 262
Arbitragem ................................................................................................................................................................. 262
ASE .............................................................................................................................................................................. 263
Assembleia geral ...................................................................................................................................................... 263
ASX .............................................................................................................................................................................. 263
Ativo subjacente....................................................................................................................................................... 263
Atualização ................................................................................................................................................................ 264
Aumento de capital .................................................................................................................................................. 264
Autonomia financeira .............................................................................................................................................. 264
Aviso sobre resultados .......................................................................................................................................... 265
Balança comercial ................................................................................................................................................... 265
Balança corrente ...................................................................................................................................................... 265
Balança de pagamentos ......................................................................................................................................... 266
Balanço ....................................................................................................................................................................... 266
Banco central ............................................................................................................................................................ 266
Banco de investimento ........................................................................................................................................... 267
Bear market ............................................................................................................................................................... 267
BEL 20 ......................................................................................................................................................................... 267
Benchmark ................................................................................................................................................................. 267
Beta .............................................................................................................................................................................. 268
Big caps ...................................................................................................................................................................... 268
Big mac ....................................................................................................................................................................... 268
Bilião............................................................................................................................................................................ 269
Blockbuster ............................................................................................................................................................... 269
Blue chips .................................................................................................................................................................. 269
Bolha especulativa .................................................................................................................................................. 270
Break-even ................................................................................................................................................................. 270
Brent ............................................................................................................................................................................ 270
Broker online ............................................................................................................................................................. 270
Bull market ................................................................................................................................................................. 270
C) .................................................................................................................................................................................. 271
CAC 40 ........................................................................................................................................................................ 271
Call ............................................................................................................................................................................... 271
Capitais próprios ...................................................................................................................................................... 271
Capital próprio/total do balanço .......................................................................................................................... 272
Capitalização bolsista ............................................................................................................................................. 272
Carry trade ................................................................................................................................................................. 272
Carteira ....................................................................................................................................................................... 273
Cash-flow ................................................................................................................................................................... 273
Categoria de fundos ................................................................................................................................................ 273
Certificados ............................................................................................................................................................... 274
Chapter 11 .................................................................................................................................................................. 274
Ciclo económico....................................................................................................................................................... 274
Clearing e Clearnet .................................................................................................................................................. 275
Código ISO ................................................................................................................................................................. 275
Coeficiente de exploração ..................................................................................................................................... 276
Comissão ................................................................................................................................................................... 277
Comissão de depósito ............................................................................................................................................ 277
Comissão de gestão ................................................................................................................................................ 277
Comissão de gestão ligada à performance....................................................................................................... 278
Comissão de guarda de títulos ............................................................................................................................ 278
Comissão de resgate .............................................................................................................................................. 278
Comissão de subscrição........................................................................................................................................ 279
Comissão de transacção........................................................................................................................................ 279
Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM)................................................................................. 279
Compensação ........................................................................................................................................................... 279
Compra a descoberto.............................................................................................................................................. 280
Compra de ações próprias .................................................................................................................................... 280
Consolidação ............................................................................................................................................................ 280
Consumer discretionary......................................................................................................................................... 280
Consumer Staples ................................................................................................................................................... 281
Conta-títulos .............................................................................................................................................................. 281
Contra-indicador ...................................................................................................................................................... 282
Core business ........................................................................................................................................................... 282
Core tier one .............................................................................................................................................................. 283
Corporate ................................................................................................................................................................... 283
Corporate governance ............................................................................................................................................ 283
Correlação.................................................................................................................................................................. 283
Cotação bolsista....................................................................................................................................................... 284
Cotação das Obrigações do Tesouro ................................................................................................................. 284
Cotação valor intrínseco ........................................................................................................................................ 284
Crash ........................................................................................................................................................................... 284
Credit crunch............................................................................................................................................................. 285
Crédito de imposto por dupla tributação internacional................................................................................. 285
Crescimento .............................................................................................................................................................. 285
Crescimento interno ................................................................................................................................................ 285
Crescimento orgânico ............................................................................................................................................ 286
Crescimento potencial ............................................................................................................................................ 286
Crise em V e crise em W ........................................................................................................................................ 286
Cross selling ............................................................................................................................................................. 287
Cupão .......................................................................................................................................................................... 287
Cupão zero ................................................................................................................................................................. 287
Custo de imparidade ............................................................................................................................................... 288
Custos operacionais ............................................................................................................................................... 288
Data de lançamento do fundo............................................................................................................................... 288
Data-valor ................................................................................................................................................................... 288
DAX .............................................................................................................................................................................. 289
Day-trade .................................................................................................................................................................... 289
Defensivo ................................................................................................................................................................... 289
Deflação ...................................................................................................................................................................... 289
Delisting...................................................................................................................................................................... 289
Delta hedging ............................................................................................................................................................ 290
Demonstração de resultados ................................................................................................................................ 290
Depósito a prazo ...................................................................................................................................................... 290
Depreciação ............................................................................................................................................................... 291
Derivado ..................................................................................................................................................................... 291
Derrama estadual ..................................................................................................................................................... 291
Desblindagem de estatutos................................................................................................................................... 291
Desconto .................................................................................................................................................................... 292
Desmaterialização.................................................................................................................................................... 292
Desregulação ............................................................................................................................................................ 292
Desvio-padrão ........................................................................................................................................................... 292
Dia de cálculo ............................................................................................................................................................ 293
Diluição ....................................................................................................................................................................... 293
Direito de atribuição ................................................................................................................................................ 293
Direito de subscrição .............................................................................................................................................. 293
Discount rate ............................................................................................................................................................. 294
Diversificação ........................................................................................................................................................... 294
Dividend discount model ....................................................................................................................................... 294
Dividendo ................................................................................................................................................................... 295
Dividendo bruto ........................................................................................................................................................ 295
Dividendo intercalar ................................................................................................................................................ 296
Dividendo líquido ..................................................................................................................................................... 296
Dividendo opcional .................................................................................................................................................. 296
Dividendos em espécie .......................................................................................................................................... 297
DJ Euro Stoxx 50 ...................................................................................................................................................... 297
DMIF ............................................................................................................................................................................. 298
Dogs............................................................................................................................................................................. 298
Dotcom........................................................................................................................................................................ 298
Double dip .................................................................................................................................................................. 298
Dow Jones ................................................................................................................................................................. 299
Driving season .......................................................................................................................................................... 299
Due diligence............................................................................................................................................................. 300
Dumping ..................................................................................................................................................................... 300
Dupla cotação ........................................................................................................................................................... 300
Dupla tributação ....................................................................................................................................................... 301
EBIT ............................................................................................................................................................................. 301
EBIT/volume de negócios ...................................................................................................................................... 301
Economias de escala .............................................................................................................................................. 302
Efeito alavanca ......................................................................................................................................................... 302
Efeito de base ........................................................................................................................................................... 302
Emergente (mercados emergentes) .................................................................................................................... 302
Emissão ...................................................................................................................................................................... 303
Entidade comercializadora .................................................................................................................................... 303
Escolha Acertada ..................................................................................................................................................... 303
Estratégia de retorno absoluto............................................................................................................................. 303
Euribor ........................................................................................................................................................................ 304
Euro-obrigação ......................................................................................................................................................... 304
Euronext ..................................................................................................................................................................... 304
Euronext 100 ............................................................................................................................................................. 305
Ex-direitos .................................................................................................................................................................. 305
Exchange Traded Funds (ETF) ............................................................................................................................. 305
Exercício ..................................................................................................................................................................... 306
Exercício automático .............................................................................................................................................. 306
Exóticos ...................................................................................................................................................................... 306
Fannie Mae ................................................................................................................................................................. 307
FEFSI ........................................................................................................................................................................... 307
Finança comportamental ....................................................................................................................................... 307
Fitch ............................................................................................................................................................................. 308
Fluxo de caixa ........................................................................................................................................................... 309
Fluxo de caixa corrente .......................................................................................................................................... 309
Fluxo de caixa líquido ............................................................................................................................................. 309
Footsie 100 (FTSE 100) ........................................................................................................................................... 310
Freddie Mac ............................................................................................................................................................... 310
Free-float .................................................................................................................................................................... 310
Frequência de cáculo .............................................................................................................................................. 310
Fundo de capitalização........................................................................................................................................... 310
Fundo de distribuição ............................................................................................................................................. 311
Fundo de fundos ...................................................................................................................................................... 311
Fundo de Garantia de Bolsa.................................................................................................................................. 312
Fundo de Garantia de Depósitos ......................................................................................................................... 313
Fundo de investimento ........................................................................................................................................... 314
Fundo de investimento imobiliário...................................................................................................................... 314
Fundo especial de investimento (FEI) ................................................................................................................ 314
Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) ...................................................................................... 315
Fundo Monetário International (FMI) .................................................................................................................. 315
Fundo sectorial ......................................................................................................................................................... 316
Fundo-índice ............................................................................................................................................................. 316
Fundos abertos e fechados ................................................................................................................................... 316
Fundos com capital garantido .............................................................................................................................. 317
Fundos event-driven ............................................................................................................................................... 317
Fundos harmonizados ............................................................................................................................................ 318
Fundos High Yield ................................................................................................................................................... 319
Fundos mistos .......................................................................................................................................................... 319
Fundos próprios ....................................................................................................................................................... 320
Fundos próprios tangíveis .................................................................................................................................... 320
Fungibilidade............................................................................................................................................................. 320
Futuro .......................................................................................................................................................................... 320
G8 ................................................................................................................................................................................. 321
Gearing ....................................................................................................................................................................... 321
Globalização .............................................................................................................................................................. 321
Golden share ............................................................................................................................................................. 321
Goodwill ...................................................................................................................................................................... 322
Green shoe................................................................................................................................................................. 322
Hang Seng .................................................................................................................................................................. 322
Hedge funds .............................................................................................................................................................. 323
Holding........................................................................................................................................................................ 323
IBEX 35........................................................................................................................................................................ 324
ICAE ............................................................................................................................................................................. 324
In the money .............................................................................................................................................................. 324
Indicador de desempenho ..................................................................................................................................... 324
Indicador de risco .................................................................................................................................................... 325
Inflação ....................................................................................................................................................................... 325
InLine warrant ........................................................................................................................................................... 325
Institucionais ............................................................................................................................................................. 326
Instituições de crédito ............................................................................................................................................ 326
Instrumentos financeiros ....................................................................................................................................... 326
Integração vertical e horizontal ............................................................................................................................ 327
Intermediário financeiro ......................................................................................................................................... 327
International Depositary Receipts (IDR)............................................................................................................. 327
Investimento mínimo (compras posteriores) em fundos .............................................................................. 327
IPO................................................................................................................................................................................ 327
ISIN ............................................................................................................................................................................... 328
ISM ............................................................................................................................................................................... 329
ISSO ............................................................................................................................................................................. 329
IT ................................................................................................................................................................................... 330
Índice bolsista ........................................................................................................................................................... 330
Índice de preços ....................................................................................................................................................... 331
Índice de rendimento .............................................................................................................................................. 331
Índice de Sharpe....................................................................................................................................................... 331
Índice ético................................................................................................................................................................. 332
Índice ponderado ..................................................................................................................................................... 332
Joint-venture ............................................................................................................................................................. 333
Junk bond .................................................................................................................................................................. 333
Juros corridos........................................................................................................................................................... 333
Large caps ................................................................................................................................................................. 333
Libor............................................................................................................................................................................. 334
Linha de negócio ...................................................................................................................................................... 334
Liquidação financeira.............................................................................................................................................. 334
Liquidez ...................................................................................................................................................................... 335
Livro bege .................................................................................................................................................................. 335
Lock up ....................................................................................................................................................................... 336
Longo prazo............................................................................................................................................................... 336
Mais-valia ................................................................................................................................................................... 336
Mais-valias líquidas ................................................................................................................................................. 336
Management buy-out e management buy-in .................................................................................................... 337
Margem bruta ............................................................................................................................................................ 337
Margem de exploração ........................................................................................................................................... 337
Margem EBITDA ....................................................................................................................................................... 337
Margem financeira ................................................................................................................................................... 338
Margem líquida ......................................................................................................................................................... 338
Margem operacional ................................................................................................................................................ 338
Maturidade ................................................................................................................................................................. 338
Média ponderada ...................................................................................................................................................... 339
Menos-valia................................................................................................................................................................ 339
Mercado eficiente ..................................................................................................................................................... 339
Mercado monetário interbancário ....................................................................................................................... 339
Mercado primário ..................................................................................................................................................... 339
Mercado secundário ................................................................................................................................................ 340
MIB 30.......................................................................................................................................................................... 340
Mid caps ..................................................................................................................................................................... 340
MiFID............................................................................................................................................................................ 340
Montante mínimo ..................................................................................................................................................... 340
Moody's ...................................................................................................................................................................... 341
Moratória .................................................................................................................................................................... 341
Morgan Stanley ......................................................................................................................................................... 342
NAFTA ......................................................................................................................................................................... 342
NAIRU .......................................................................................................................................................................... 342
NASDAQ ..................................................................................................................................................................... 342
NASDAQ 100 ............................................................................................................................................................. 343
NASDAQ Composite................................................................................................................................................ 343
Necessidades em fundo de maneio .................................................................................................................... 343
Negociação em contínuo ....................................................................................................................................... 343
Negociação por chamada ...................................................................................................................................... 343
Next 150 ...................................................................................................................................................................... 344
Next economy ........................................................................................................................................................... 344
Next Prime.................................................................................................................................................................. 344
Nikkei ........................................................................................................................................................................... 345
Nível de stocks ......................................................................................................................................................... 345
Notação ....................................................................................................................................................................... 345
Número de acções ................................................................................................................................................... 346
NYSE ............................................................................................................................................................................ 346
Obrigação convertível............................................................................................................................................. 346
Obrigação de cupão zero ....................................................................................................................................... 346
Obrigação do tesouro ............................................................................................................................................. 347
Obrigação perpétua ................................................................................................................................................. 347
Obrigações subordinadas ..................................................................................................................................... 347
OCDE ........................................................................................................................................................................... 348
Oferta institucional .................................................................................................................................................. 348
Oferta Pública de Aquisição (OPA) ..................................................................................................................... 349
Oferta Pública de Distribuição (OPD) ................................................................................................................. 349
Oferta Pública de Subscrição ............................................................................................................................... 349
Oferta Pública de Troca (OPT) .............................................................................................................................. 349
OPA potestativa ........................................................................................................................................................ 350
Opção .......................................................................................................................................................................... 350
Ordem de bolsa ao melhor .................................................................................................................................... 350
Ordem de bolsa com limite de preço .................................................................................................................. 351
Organismo de Investimento Colectivo (OIC) .................................................................................................... 351
Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) ........................................................................ 351
Organização Mundial do Comércio (OMC) ........................................................................................................ 352
Out of the Money ...................................................................................................................................................... 352
Outsourcing ............................................................................................................................................................... 352
Pagamento ................................................................................................................................................................. 353
Par ................................................................................................................................................................................ 353
Paridade do poder de compra .............................................................................................................................. 353
Passaporte europeu ................................................................................................................................................ 354
Payout ......................................................................................................................................................................... 354
Perímetro constante ................................................................................................................................................ 354
Perímetro de consolidação.................................................................................................................................... 354
Peritos avaliadores (FII) ......................................................................................................................................... 355
Pipeline ....................................................................................................................................................................... 356
Política de dividendos ............................................................................................................................................ 356
Política monetária .................................................................................................................................................... 356
Ponto de equilíbrio .................................................................................................................................................. 357
Portfólio ...................................................................................................................................................................... 357
Potencial de crescimento ...................................................................................................................................... 357
Prazo recomendado ................................................................................................................................................ 358
Pré-aviso de resgate ............................................................................................................................................... 358
Preço de exercício ................................................................................................................................................... 358
Preço de introdução ................................................................................................................................................ 359
Preço do ativo subjacente ..................................................................................................................................... 359
Preço total do imóvel .............................................................................................................................................. 359
Prémio ......................................................................................................................................................................... 359
Prémio de conversão .............................................................................................................................................. 360
Prémio de emissão .................................................................................................................................................. 360
Prémio de risco......................................................................................................................................................... 360
Price earnings ratio ................................................................................................................................................. 360
Pricing power ............................................................................................................................................................ 361
Private equity ............................................................................................................................................................ 361
Produtividade ............................................................................................................................................................ 361
Produto bancário ..................................................................................................................................................... 362
Produto interno bruto (PIB) ................................................................................................................................... 362
Profit warning ............................................................................................................................................................ 362
Prospeto ..................................................................................................................................................................... 362
Provisão...................................................................................................................................................................... 363
PSI-20 .......................................................................................................................................................................... 363
Put ................................................................................................................................................................................ 363
Racio cotação/cash-flow ........................................................................................................................................ 364
Rácio cotação/lucro................................................................................................................................................. 364
Rácio cotação/valor contabilístico ...................................................................................................................... 364
Rácio cotação/valor contabilístico tangível ...................................................................................................... 364
Rácio de informação ............................................................................................................................................... 364
Rácio de liquidez corrente ..................................................................................................................................... 365
Rácio de Treynor ...................................................................................................................................................... 365
Rácio PROTESTE INVESTE ................................................................................................................................... 366
Rácios de solvabilidade ......................................................................................................................................... 366
Rateio .......................................................................................................................................................................... 366
Rating .......................................................................................................................................................................... 366
Recessão .................................................................................................................................................................... 367
Record date ............................................................................................................................................................... 367
Redução de valor ..................................................................................................................................................... 367
Reembolso ................................................................................................................................................................. 368
Renda m2 .................................................................................................................................................................... 368
Rendimento do dividendo...................................................................................................................................... 368
Rendimento esperado a longo prazo.................................................................................................................. 368
Rentabilidade ............................................................................................................................................................ 369
Rentabilidade anualizada de um fundo .............................................................................................................. 369
Rentabilidade dos capitais próprios ................................................................................................................... 369
Repo rate .................................................................................................................................................................... 370
Reserva ....................................................................................................................................................................... 370
Reservas estratégicas de petróleo ...................................................................................................................... 370
Resgate ....................................................................................................................................................................... 371
Resultado corrente .................................................................................................................................................. 371
Resultado corrente líquido .................................................................................................................................... 372
Resultado de exploração ....................................................................................................................................... 372
Resultado extraordinário ....................................................................................................................................... 372
Resultado financeiro ............................................................................................................................................... 372
Resultado líquido ..................................................................................................................................................... 373
Resultado operacional ............................................................................................................................................ 373
Resultados pró-forma ............................................................................................................................................. 373
Resultados recorrentes .......................................................................................................................................... 373
Return on Equity (ROE) .......................................................................................................................................... 374
Reverse split.............................................................................................................................................................. 374
Risco de mercado .................................................................................................................................................... 375
Roll-up ......................................................................................................................................................................... 375
Royalties ..................................................................................................................................................................... 375
Score Corporate Governance ............................................................................................................................... 375
Securities and Exchange Commission (SEC) .................................................................................................. 375
Securitização ............................................................................................................................................................. 376
Serviço da dívida ...................................................................................................................................................... 376
Shortseller.................................................................................................................................................................. 376
Sinergias..................................................................................................................................................................... 377
Sistema de Indemnização aos Investidores ..................................................................................................... 377
Small caps.................................................................................................................................................................. 378
SMI ............................................................................................................................................................................... 378
Sobreaquecimento económico ............................................................................................................................ 379
Sobreponderação..................................................................................................................................................... 380
Sociedade gestora ................................................................................................................................................... 380
Solvabilidade ............................................................................................................................................................. 380
Spin off........................................................................................................................................................................ 380
Split .............................................................................................................................................................................. 381
Split off........................................................................................................................................................................ 381
Split up ........................................................................................................................................................................ 381
Sporting SAD............................................................................................................................................................. 381
Spread ......................................................................................................................................................................... 382
Standard & Poor's .................................................................................................................................................... 382
Start up ....................................................................................................................................................................... 383
Stock option .............................................................................................................................................................. 383
Stop limit .................................................................................................................................................................... 384
Stop loss..................................................................................................................................................................... 384
Strike price ................................................................................................................................................................. 384
Subprime .................................................................................................................................................................... 384
Subscrição ................................................................................................................................................................. 385
Suspensão ................................................................................................................................................................. 385
Swap ............................................................................................................................................................................ 385
TAEL ............................................................................................................................................................................ 386
TAEL (Certificados de Aforro) .............................................................................................................................. 386
TAEL (Certificados do Tesouro) .......................................................................................................................... 386
TAEL (obrigações) ................................................................................................................................................... 386
Tankan......................................................................................................................................................................... 387
TANL (Certificados do Tesouro) .......................................................................................................................... 387
Taxa anual nominal bruta (TANB)........................................................................................................................ 388
Taxa anual nominal líquida (TANL) ..................................................................................................................... 388
Taxa crescente.......................................................................................................................................................... 388
Taxa de bolsa ............................................................................................................................................................ 388
Taxa de câmbio......................................................................................................................................................... 389
Taxa de desconto ..................................................................................................................................................... 389
Taxa de imposto ....................................................................................................................................................... 389
Taxa de juro de mercado........................................................................................................................................ 390
Taxa de juro real ....................................................................................................................................................... 390
Taxa directora ........................................................................................................................................................... 390
Taxa fixa ..................................................................................................................................................................... 391
Taxa liberatória ......................................................................................................................................................... 391
Taxa marginal............................................................................................................................................................ 391
Taxa nominal ............................................................................................................................................................. 391
Taxa variável ............................................................................................................................................................. 392
Taxas de câmbio cruzadas .................................................................................................................................... 392
Tesouraria .................................................................................................................................................................. 392
Titularização .............................................................................................................................................................. 392
TMT .............................................................................................................................................................................. 393
Tomada firme ............................................................................................................................................................ 393
Top-down ................................................................................................................................................................... 393
Total expense ratio (TER) ...................................................................................................................................... 394
Trackers ...................................................................................................................................................................... 394
Tracking error ........................................................................................................................................................... 395
Trader .......................................................................................................................................................................... 395
TSE 300 ....................................................................................................................................................................... 395
Turbo warrant ............................................................................................................................................................ 395
Unidade de participação ........................................................................................................................................ 396
Valor contabilístico .................................................................................................................................................. 398
Valor contabilístico tangível.................................................................................................................................. 398
Valor de mercado (empresa) ................................................................................................................................. 398
Valor de mercado (imóvel)..................................................................................................................................... 398
Valor intrínseco ou valor patrimonial líquido ................................................................................................... 398
Valor nominal ............................................................................................................................................................ 399
Valor por m2 (imóvel)............................................................................................................................................... 399
Vencimento ................................................................................................................................................................ 399
Venda a descoberto................................................................................................................................................. 399
Vendas em base comparável ................................................................................................................................ 400
Volatilidade ................................................................................................................................................................ 400
Volume ........................................................................................................................................................................ 400
Volume de negócios ................................................................................................................................................ 400
Vulture funds ............................................................................................................................................................. 400
Wall Street .................................................................................................................................................................. 401
Warrant autónomo ................................................................................................................................................... 401
Whispers..................................................................................................................................................................... 401
Writer ........................................................................................................................................................................... 402
Yield curve ................................................................................................................................................................. 402
Yields ........................................................................................................................................................................... 403
ZEW.............................................................................................................................................................................. 403

Ações:

O que são?

As ações são títulos emitidos pelas sociedades anónimas, por norma grandes
empresas. Provam que o seu titular é coproprietário da sociedade que as emite, ou seja,
que possui uma parte do capital. No passado, as ações tinham existência física, mas hoje
em dia são apenas simples registos informáticos, designadas escriturais.

É frequente as ações de uma sociedade anónima se encontrarem repartidas por um


número reduzido de pessoas (determinado grupo económico ou membros da família do
fundador, por exemplo). Mas também há companhias cujo capital está distribuído por
centenas de milhares de acionistas. É o caso da EDP e Portugal Telecom, entre outras.

A posse de ações confere determinados direitos, idênticos para todos os acionistas,


entre os quais se destacam:
Participar nos lucros obtidos pela empresa, caso existam, através da distribuição de
dividendos;

• Exercer o direito de voto nas assembleias de acionistas (normalmente, para ter direito
a um voto, é necessário um número mínimo de ações);

• Ser regularmente informado sobre a evolução dos negócios da empresa;


• Em caso de dissolução da sociedade, receber a parte correspondente à participação
no capital social.
• Só as ações que se encontram cotadas em bolsas, como a Euronext Lisboa, podem
ser facilmente adquiridas pelo público. É a variação dos lucros e, sobretudo, as
perspetivas de crescimento que explicam que as cotações das ações variarem
significativamente. Outro fator importante que influencia as cotações é o clima
económico geral (nível das taxas de juro, conjuntura internacional, pressão fiscal
sobre as empresas, etc.).

• Para o investidor particular, a gestão pessoal e atenta da sua carteira de ações seria,
em princípio, a solução mais adequada. Mas é necessário disponibilidade e
conhecimentos suficientes, além de uma quantia suficiente para conseguir uma boa
diversificação da carteira. Em alternativa, pode optar por uma carteira de fundos de
ações.

Como investir?

Negociar em bolsa

Tomada a decisão de investir em ações e escolhidos os títulos em que deseja apostar,


o passo seguinte consiste em dar uma ordem de compra. Para tal, os investidores
particulares têm à sua disposição corretoras e bancos, as únicas entidades que, em
Portugal, têm acesso direto ao mercado bolsista.

Antes de transacionar em bolsa, o investidor tem de depositar junto do intermediário


financeiro (banco ou corretora) a quantia que pretende investir. Deve abrir a conta-títulos,
onde serão depositadas as ações que possui em carteira. O processo de abertura desta
conta é muito simples:

• Se utilizar uma corretora para negociar em bolsa, apenas tem de abrir uma conta-
títulos, na qual deposita o dinheiro que pretende investir e que funciona como uma
conta à ordem normal;
• Se abrir conta num banco, a conta-títulos onde são depositadas as ações fica
associada à conta à ordem, mas com um número diferente. Caso não seja cliente do
banco, tem de abrir as duas contas.

• A partir daí, pode começar a negociar em bolsa.

Acompanhar o investimento

Feito o investimento, deve acompanhar atentamente a evolução da cotação dos títulos


escolhidos, bem como estar a par de todas as informações relevantes sobre a atividade das
empresas que constituem a carteira de ações.

As cotações da bolsa nacional são publicadas diariamente nos principais jornais,


nomeadamente os económicos. Nestes são também noticiadas outras informações
relevantes, como, por exemplo, as datas de pagamento de dividendos, os relatórios e
contas anuais das empresas, os anúncios de aumento de capital, as ofertas públicas de
venda, as ofertas públicas de aquisição, etc.

Mas a Internet veio revolucionar a forma como a informação é tornada pública. Os sites
dos bancos e das corretoras disponibilizam gratuitamente as cotações das ações, não só
nacionais como estrangeiras, a par das principais notícias sobre as empresas.

Apesar disso, para se manter informado sobre a atividade das empresas cotadas no
mercado nacional, recomendamos que consulte o site da Comissão de Mercado de Valores
Mobiliários (www.cmvm.pt), onde as sociedades cotadas são obrigadas a divulgar, em
primeira mão, todas as informações relevantes acerca da sua atividade: resultados
trimestrais, semestrais e anuais, alterações significativas na estrutura acionista, datas de
pagamento de dividendos, anúncios de aumentos de capital, notícias sobre a evolução dos
seus negócios (aquisições e alienações de ativos), esclarecimentos sobre notícias
publicadas na imprensa, etc.
Segurança

A principal característica de uma ação é ser um título de copropriedade, e não um título


de dívida, como as obrigações. Uma ação não tem data, nem preço de reembolso. Cada
ação dá direito a receber uma parte do que restar da empresa, em caso de falência ou
liquidação, pelo que pode perder todo o capital investido. Mas a expectativa de um
investidor quando adquire ações é de que a empresa registe um crescimento sustentado
dos lucros, já que é essa progressão que permite à cotação subir.

Assim, os sucessivos acionistas poderão realizar mais-valias na venda dos seus


títulos. Por exemplo, se o investidor A comprar uma ação por 5 euros e, mais tarde, vendê-
la ao investidor B por 7 euros, que por sua vez vai aliená-la a C por 8,50 euros... Na teoria,
todos os investidores poderiam obter ganhos com o mesmo título. Mas seria ingénuo pensar
que as ações estão sempre a subir. Ninguém sabe ao certo se uma determinada ação vai
subir ou descer. É esta incerteza, somada à inexistência de garantia do capital, que faz das
ações uma aplicação de risco.

No entanto, nem todas as ações estão sujeitas ao mesmo grau de risco, porque a
situação das empresas que as emitem é diferente.

Solidez financeira

A solidez financeira de cada empresa é um dos aspetos mais importantes e depende


de vários fatores: qualidade da gestão, evolução do volume de vendas e dos resultados,
montante de dívidas de curto e longo prazo, etc. Os analistas financeiros procuram avaliá-
los e, depois, emitem recomendações sobre as empresas, que podem ser bastante úteis
aos investidores.

Mas a solidez financeira da empresa emitente não é o único critério para avaliar a
segurança de uma ação. O risco do negócio também varia consoante o ramo de atividade.
Por exemplo, a eletricidade e a banca são negócios com uma procura mais ou menos
estável. O mesmo não acontece com o setor da pasta de papel, com oscilações frequentes.
É necessário avaliar a evolução da cotação. Para tal, os analistas utilizam várias
técnicas e indicadores como, por exemplo, os Betas. Quanto maiores forem as flutuações
do preço de uma ação, maior é o risco que ela apresenta.

A longo prazo

Quanto mais elevado o risco de uma aplicação, maior é o rendimento que se pode
esperar.

Vários estudos a nível mundial confirmam que as ações sofrem, ao longo dos anos,
maiores variações de valor do que as obrigações, por exemplo. Assim, se num ano sobem
muito, no seguinte podem ter resultados completamente desanimadores (e vice-versa). A
curto prazo, se o momento da compra for bem escolhido, os ganhos podem ser
consideráveis, mas também as perdas também podem ser significativas.
Para minimizar o risco, deve avaliar durante quanto tempo pode pôr de parte o dinheiro
que pretende aplicar em ações. Isto porque o risco diminui à medida que o período da
aplicação aumenta. Quanto maior for a duração do investimento, menos o rendimento se
afastará da média estimada. No primeiro ano, a margem de flutuação é enorme, mas depois
vai diminuindo progressivamente.

A longo prazo (dez ou 15 anos), o risco é muito menor. Por isso, se puder dispor de
parte do seu dinheiro durante um período suficientemente longo, pode com toda a
tranquilidade optar pelo investimento em ações. Mas se há forte probabilidade de necessitar
do dinheiro dentro de um prazo relativamente curto (um ou dois anos), é preferível escolher
algo menos arriscado.

A probabilidade de receber menos dinheiro do que o aplicado, ao investir em bolsa


durante apenas um ano, é bastante elevada. Ao fim de cinco anos, esse risco torna-se
substancialmente inferior e, ao fim de 20 anos, o risco de perder dinheiro é quase nulo.
Estes resultados variam de acordo com o mercado considerado.

As conclusões são as mesmas: o risco do investimento em bolsa diminui com o prazo


de aplicação, ou seja, a possibilidade de perder dinheiro, por vender os títulos abaixo do
valor pago, reduz-se ao longo do tempo.
Diversificação

"Não coloque todos os ovos dentro do mesmo cesto", isto é, minimize o risco,
repartindo o dinheiro por vários títulos. Investir numa única empresa, mesmo que
promissora, é muito mais arriscado que o conjunto da bolsa, independentemente. Assim, o
risco diminui quando o investidor detém uma carteira composta por diversas ações.

Mas mesmo a melhor diversificação não elimina o risco de investir em bolsa (risco de
mercado). Quando esta está numa fase desfavorável, a generalidade dos títulos segue essa
tendência. É claro que umas ações caem mais do que outras, consoante o grau de oscilação
seja superior ou inferior ao da bolsa no seu conjunto. Assim, o risco de mercado apenas
pode ser atenuado se o investidor diversificar além das ações, através de outro tipo de
ativos como obrigações, imobiliário, derivados, etc. Quanto maior for a diversificação, menor
é o risco do investimento bolsista.

Vários estudos demonstram que só se consegue uma boa diversificação escolhendo,


pelo menos, uma dezena de títulos diferentes. Para isso, é necessária uma quantia
considerável (a partir de 20 mil euros), já que quanto menor for o montante da carteira,
maior será o peso relativo dos custos que o investidor tem de suportar. Para alguns
investidores, a única possibilidade de conseguirem uma boa diversificação é o investimento
em ações através de um fundo

Liquidez

Uma ação diz-se muito ou pouco líquida consoante um investidor possa comprá-
la/vendê-la com rapidez e sem influenciar significativamente a sua cotação. Essa
possibilidade depende da quantidade de transações, ou seja, do número de ações
compradas/vendidas durante um determinado período de tempo. Duas das medidas de
liquidez mais utilizadas são a quantidade e o volume (cotação x quantidade) médio de ações
transacionadas diariamente: quanto mais elevadas, mais líquida é a ação.
Que motivos podem condicionar a liquidez de uma ação?

Admissão à cotação e free float

Pode acontecer que nem todas as ações de uma empresa estejam admitidas em bolsa
ou o free float da empresa seja reduzido. Este corresponde à percentagem do capital que
se encontra disperso em bolsa e que não constitui participações estratégicas (posições
detidas por determinados acionistas numa perspetiva de longo prazo).
Por vezes verifica-se que as empresas apenas têm uma pequena parte do capital disponível
para negociação, sendo que a grande fatia está nas mãos de acionistas estratégicos, família
do proprietário ou outra empresa do grupo (chamado "núcleo duro").

Dimensão

As grandes companhias têm, obviamente, mais ações e também maior visibilidade,


pelo que atraem um maior número de investidores particulares e institucionais. É natural
que este tipo de ações tenha maior liquidez. Na Euronext Lisboa, por exemplo, as ações
mais transacionadas habitualmente são a Portugal Telecom, EDP e BCP, que também são
as com maior dimensão.

Tempo

A liquidez também pode variar com o tempo. Em períodos de queda bolsista, há muitos
investidores que saem do mercado acionista, originando uma redução generalizada do
número de transações. Nesses períodos, a liquidez é mais reduzida.

Importância na decisão de investimento

Apesar de não ser crucial, a liquidez de uma ação é muito importante para a decisão
do investidor. Garante que a todo o momento existe um preço de compra (preço mais
elevado a que existem investidores interessados em comprar o título) e de venda (preço
mais baixo a que existem investidores interessados em vender o título) com um intervalo
não muito grande, o que facilita as transações

A compra e venda de ações pouco líquidas inclui um risco de liquidez. Por exemplo,
se uma empresa tem mil ações cotadas, certamente uma venda de 100 títulos faz cair a
cotação. É natural que a ordem não seja total ou parcialmente executada, ou que a sua
execução ocorra repartida em vários negócios. Isto é, se, por exemplo, quiser comprar 100
ações da empresa X, pode acontecer que, numa primeira fase, apenas estejam a vender
60 títulos ao preço que deseja comprar, e que só mais tarde consiga adquirir os restantes
40. Esta fragmentação também implica maiores custos de transação.

Não basta que uma empresa seja atrativa em termos fundamentais. Mesmo que seja
adquirida a um bom preço, pode existir muita dificuldade para a vender, por não haver
investidores interessados em comprar ao preço pretendido. É até possível que, devido à
escassa liquidez, a ação demore muito tempo a ajustar ao valor fundamental da empresa,
o que pode ser desesperante. Por isso, evite títulos de liquidez reduzida, sobretudo em
carteiras pouco diversificadas.

Rendimento

O rendimento global de uma ação deriva da distribuição de dividendos e de eventuais


mais-valias.
Dividendos

Em princípio, os acionistas não têm direito a um rendimento fixo. O que recebem, na


forma de dividendos, depende dos lucros realizados e da política de distribuição
adotada pela empresa. Em termos práticos, há outras particularidades a ter em conta,
como por exemplo as diversas formas sob as quais os dividendos podem ser distribuídos e
a importância do conceito de ex-dividendo.

Mais-valias

A maioria dos investidores particulares tem expectativa de obter um ganho com a


diferença de preço das ações entre o momento da compra e venda. Raramente pensam
nos eventuais dividendos que possam vir a obter. O que pretendem é obter ganhos com a
evolução da cotação: por exemplo, vender a sete euros uma ação que foi comprada a cinco
euros.

Mas ninguém pode garantir, com segurança, que a cotação de uma ação vai subir ou
descer. Existem vários fatores que explicam que grandes variações na cotação das ações:
evolução dos lucros da empresa, perspetivas de crescimento futuro, clima económico global
(nível das taxas de juro, conjuntura internacional, pressão fiscal sobre as empresas), etc.
Custos

Taxa de bolsa

Sempre que se compram ou vendem títulos é necessário pagar uma taxa de bolsa,
que constitui a remuneração dessa entidade pelo serviço prestado. Com a migração para o
sistema de negociação da Euronext, a comissão de bolsa passou a ser fixa,
independentemente do volume de cada transação.

Desde 7 de novembro de 2004, a taxa de bolsa é composta pelas seguintes parcelas:

• Comissão por oferta - corresponde a 0,30 euros. Este custo surge sempre que se
envia uma ordem para o sistema de negociação, mesmo que se trate apenas de uma
alteração à ordem inicial ou a ordem não seja executada. As únicas exceções são as
ordens de cancelamento, nas quais não há lugar ao pagamento de qualquer
comissão além da cobrada inicialmente;

• Comissão por negócio realizado - trata-se de uma taxa fixa, mas o valor depende
do volume de negócios mensal do intermediário financeiro. Ou seja, um investidor
pode ter taxas diferentes consoante o escalão do intermediário financeiro.
Atualmente, esta taxa varia entre os 0,40 e os 1,94 euros;

• Comissão respeitante à compensação, liquidação e custódia - corresponde a 0,65


euros.

Comissão sobre as transacções


O investidor também tem de suportar as comissões de intermediação, cobradas pela
instituição financeira onde é dada a ordem (banco ou corretora). Estas comissões são
normalmente de dois tipos: fixas ou em percentagem do montante negociado (cotação x
quantidade). Neste último caso, é normal existir também um valor mínimo para a comissão
cobrada.

Há ainda instituições que criaram escalões consoante o valor da transação, aplicando


para cada um deles uma comissão diferente (quanto maior o montante, menor o peso da
comissão). A existência de uma comissão fixa ou variável não constitui, à partida, uma
vantagem ou inconveniente. Tudo depende do perfil do investidor e, consequentemente, do
tipo e número de transações que executa ao longo do ano. Sobre as comissões acresce
ainda uma taxa de imposto de selo de 4 por cento.

Nas operações a efetuar em bolsas fora da Euronext Lisboa, através de um


intermediário financeiro nacional ou internacional, os custos são normalmente superiores.
Caso pretenda adquirir ações em bolsas estrangeiras, informe-se primeiro sobre os custos
a suportar junto do seu intermediário financeiro.

Sobre o pagamento de dividendos

Muitas empresas distribuem, periodicamente, rendimentos aos investidores


(dividendos). O pagamento é feito por intermédio da instituição onde os títulos estão
depositados, a qual cobra uma taxa por esse serviço. Geralmente, consiste numa
percentagem sobre o montante de dividendos a distribuir e é sujeita, quase sempre, a um
valor mínimo.

Guarda dos títulos

Quando as ações se encontram depositadas numa instituição financeira, há custos que


o intermediário tem de suportar, nomeadamente a taxa de supervisão mensal paga à
CMVM. Assim, grande parte das instituições cobra periodicamente (trimestral, semestral ou
anualmente) aos clientes uma comissão pela guarda dos títulos, embora também haja
casos em que esse serviço é gratuito.
Regra geral, trata-se de uma comissão fixa, mas, nos casos em que dependa do valor
da carteira, é normalmente exigido um mínimo. Os valores a pagar oscilam entre os 20 e
os 30 euros por ano. Quando estão em causa ações estrangeiras, estes custos são, em
regra, superiores.

Transferência da carteira

Se estiver insatisfeito com as comissões cobradas pelo seu banco/corretora, pode


transferir a sua carteira de títulos para outra instituição financeira. Mas a maioria dos
intermediários financeiros cobra uma comissão ao cliente por este serviço. Nalguns casos,
o intermediário cobra um montante fixo, noutros cobra uma percentagem do valor da
carteira e, noutros ainda, o custo pode depender do número de valores mobiliários que
pretende transferir. A forma mais comum é a aplicação de uma taxa fixa sobre o valor da
carteira a transferir.

Em termos práticos, é necessário ter mais um aspeto em atenção: se a transferência


implica ou não uma alteração de titularidade. Se o titular da conta em ambas as instituições
não for o mesmo, trata-se de uma operação semelhante a uma compra e venda. Nesse
caso, além da comissão do banco ou da corretora, tem de pagar as taxas de bolsa aplicadas
a esse tipo de operações.

Fiscalidade

A fiscalidade das ações é outro aspeto importante para os investidores e que exige
uma abordagem detalhada. Nos mercados financeiros mais desenvolvidos, o
enquadramento fiscal é relativamente estável, mas em Portugal tem sofrido frequentes
alterações ao longo dos últimos anos.

Distribuição de dividendos

A tributação dos dividendos sofreu alterações significativas nos últimos anos.

Os dividendos distribuídos pelas empresas nacionais estão sujeitos a uma taxa de


liberatória de 26,5 por cento. A entidade que paga os dividendos é obrigada, no ato do
pagamento, a reter a parcela correspondente à aplicação dessa taxa, que depois entrega
diretamente ao Estado.

Embora não seja fiscalmente interessante, os dividendos recebidos podem ser


englobados nos restantes rendimentos. No caso das ações nacionais estão parcialmente
isentos de imposto, pois apenas 50% dos dividendos são efetivamente tributados. Assim,
deverá inscrever no anexo E da declaração de rendimentos 50% dos dividendos recebidos.

No caso de receber dividendos de ações cotadas em bolsas internacionais,


também terá de se preocupar com as suas obrigações fiscais. Neste caso, os dividendos
estão sujeitos, no país onde foram pagos, à retenção na fonte de acordo com as taxas em
vigor nesse país. Contudo, se o pagamento for feito através de um intermediário financeiro
nacional, será também efetuado, em Portugal, um pagamento de imposto por conta à taxa
de 26,5 por cento.

• Se o seu intermediário financeiro não estiver sediado em Portugal, terá de preencher


o anexo J (referente a rendimentos obtidos no exterior) da declaração de
rendimentos, no qual indicará o montante total dos dividendos brutos recebidos no
exterior (que são englobados a 100%), bem como o valor do imposto que lhe foi retido
no exterior;

• No caso do intermediário financeiro estar sediado em Portugal, deverá preencher o


anexo J, mas indicando também o pagamento por conta efetuado em Portugal. Neste
caso, o Fisco fará as contas utilizando um mecanismo de crédito de imposto por dupla
tributação internacional e que visa evitar que o investidor seja penalizado duas vezes
com o pagamento de imposto (em Portugal e no país onde foi obtido o rendimento).
Assim, na prática, o investidor nacional não pagará mais imposto do que aquele que
pagaria se o rendimento fosse obtido em Portugal.

Obtenção de mais-valias

O investidor é sempre obrigado a declarar as ações que vendeu ao longo de cada


ano. Terá de preencher o anexo G da declaração de rendimentos. Nesse documento deverá
identificar os títulos vendidos, valores de compra, valores de venda e, ainda, custos
suportados com a venda dos títulos.

A tributação ocorrerá apenas se o valor dos negócios em que houve mais-valias


exceder o valor dos que registaram prejuízo.

Nos casos em que há mais-valias, o investidor poderá optar pela tributação


autónoma ou pelo englobamento nos restantes rendimentos. Quem escolher a tributação
autónoma pagará ao fisco 10% do saldo global das mais-valias e menos-valias realizadas
nesse ano, independentemente dos restantes rendimentos. Mas se tiver mais-valias
inferiores a 500 euros, não será tributado. No caso do englobamento, o imposto a pagar
dependerá da taxa de IRS a aplicar à totalidade dos rendimentos do contribuinte. Esta última
pode variar entre 11,5 e 46,5 por cento.

Se o ano lhe correu bem e obteve ganhos com o investimento em ações, em princípio
não deverá optar pelo englobamento, já que a taxa de 10% aplicada por tributação
autónoma é sempre inferior à taxa de IRS mais baixa, que é de 11,5 por cento. Neste caso,
paga menos imposto do que se optar pelo englobamento.

No entanto, o englobamento pode ser vantajoso em duas situações:

• Se no total do ano obteve menos-valias (prejuízo) na venda de ações, poderá deduzir


o prejuízo desse ano às eventuais mais-valias que venha a realizar nos dois anos
seguintes;

• Se obteve menos-valias nos dois anos anteriores e optou, nessa altura, pelo
englobamento, poderá ser rentável optar novamente por essa via. Nesse caso, os
prejuízos obtidos anteriormente serão abatidos aos ganhos agora realizados, mas
tudo depende dos valores em causa. Nos casos em que as mais-valias obtidas são
muito superiores às menos-valias englobadas nos dois anos anteriores e a taxa
marginal de IRS do contribuinte é muito elevada, pelo que pode não ser vantajoso
optar pelo englobamento.
No caso das ações internacionais, a declaração também é obrigatória e o processo de
cálculo das mais-valias é idêntico. A diferença está unicamente no "prazo". A lei não o afirma
expressamente, mas estas são sempre tributadas, mesmo que o investidor detenha os
títulos por mais de 12 meses. O contribuinte terá de inscrever no anexo J da declaração de
rendimentos o saldo global de todas as mais e menos-valias realizadas. Mantém-se a opção
entre a tributação autónoma e o englobamento das mais-valias aos restantes rendimentos.

Atenção

Alertamos para o facto da fiscalidade implícita no investimento em ações ser suscetível


de ser alterada. Para se manter bem informado sobre eventuais alterações, consulte o Guia
Fiscal publicado anualmente pela revista Dinheiro & Direitos.

American Depositary Receipts (ADR)

Os American Depositary Receipts (ADR) são um caso específico de representação de


ações. No fundo, foi uma forma que os bancos criaram para facilitar o acesso de empresas
estrangeiras ao mercado de capitais norte-americano. Na prática, os bancos americanos
adquirem ações dessas empresas que, por sua vez, distribuem pelos investidores norte-
americanos sob a forma de ADR, concedendo-lhes os mesmos direitos que têm as ações.

As vantagens para as empresas são muitas: maior notoriedade da marca, aumento da


base de acionistas, maior liquidez, maior facilidade em fazer aumentos de capital e aceder
ao mercado da dívida americano, entre outras.

Para os investidores, os ADR também podem ser uma alternativa bastante


interessante. Como quase todas as grandes empresas mundiais possuem ADR, o investidor
pode aceder a uma grande diversidade de empresas francesas, alemãs, espanholas,
japonesas, etc., através de um intermediário financeiro que disponibilize somente o
mercado americano.
Aumento de capital

Por incorporação de reservas

Quando ocorre um aumento de capital por incorporação de reservas, apenas se


reforça o capital social da empresa por contrapartida de uma diminuição das suas reservas.
Neste caso, o investidor não será muito afetado se deixar "passar em branco" a operação.
Os direitos de incorporação são negociados, autonomamente, em bolsa, durante
determinado período (definido no prospeto de aumento de capital e que antecede a
realização efetiva do aumento). Mas se os seus direitos não forem vendidos em bolsa
(direitos esses que têm por base a quantidade de títulos que possui), o banco ou a corretora
convertê-los-á, automaticamente, em novas ações. Em termos puramente monetários é
indiferente, em princípio, tomar uma ou outra opção.

Por subscrição

Nos aumentos de capital por subscrição são emitidas mais ações da empresa em
questão. Muitas vezes estas novas ações apenas estão reservadas aos anteriores
acionistas e, na esmagadora maioria dos casos, a sua subscrição é feita a um preço inferior
à cotação bolsista. Assim, se os antigos acionistas não fizerem nada, perderão dinheiro,
pois o valor dos títulos que possuíam, caso o aumento seja feito a um preço inferior ao da
cotação em bolsa, irá baixar. A razão para isso é simples: o valor da empresa, que se
encontra representado na cotação das ações, passará a estar repartido por um maior
número de títulos.

Um acionista que não tenha exercido os seus direitos (isto é, manifestado junto do seu
intermediário financeiro vontade de subscrever as novas ações), nem os tenha vendido em
bolsa, no final do aumento de capital, ficou com o mesmo número de ações, mas a valerem
menos que anteriormente. Desta forma, o investidor seria afetado pelo ajuste da cotação
decorrente do aumento de capital, uma vez que não tomou qualquer decisão.

É muito importante que os acionistas informem o seu intermediário financeiro sobre o


que pretendem fazer: vender os direitos em bolsa ou adquirir as novas ações. A melhor
opção dependerá, em primeiro lugar, do eventual interesse em manter ou reduzir o seu
investimento na empresa em questão. Depois, há que ter em conta o preço proposto para
as novas ações, a cotação em bolsa dos títulos já existentes e o volume do aumento de
capital.

Crash

O termo crash é utilizado para descrever uma situação em que uma ou mais bolsas
sofrem uma queda súbita e, geralmente, de grande amplitude. Embora não seja um
fenómeno frequente, especialmente nos mercados mais desenvolvidos, a verdade é que
pode acontecer. Foi o caso em janeiro de 1995 devido ao terramoto ocorrido em Kobe, no
Japão, ou na sequência dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 nos Estados
Unidos.

Ao longo da história económica, alguns crashs ficaram famosos, devido aos danos que
causaram, com poucos investidores a saírem ilesos. Por isso, tornou-se célebre a história
de um americano que conseguiu escapar ao crash da Bolsa de Wall Street em outubro de
1987: decidiu vender todos os títulos que possuía, depois de ouvir o seu motorista gabar-
se das ações que tinha acabado de comprar. Pouco depois, a bolsa nova-iorquina
começava a cair, atingindo uma quebra de 23% num só dia. Para aquele investidor, as
palavras do motorista soaram como um oportuno alerta para o período de insensata euforia
que então se vivia.

A melhor precaução contra um crash é ter consciência de que os mercados de ações


não são jogos de roleta russa. Fundamentam-se em informações e decisões racionais dos
investidores, que, geralmente, se baseiam em análises de especialistas. Mas, apesar disso,
os mercados atravessam, por vezes, períodos de grande irracionalidade, a que convém
estar atento. Mais cedo ou mais tarde, os desvios serão corrigidos, pelo que o melhor, para
o investidor cauteloso, é "jogar na antecipação" e tomar decisões corajosas, mas serenas.
Normalmente, a euforia é má conselheira.

Desdobramento de ações (split)

O desdobramento do número de ações de uma empresa, em inglês stock split,


corresponde à alteração do seu valor nominal. Por exemplo, o Finibanco efectuou em julho
de 2001 um desdobramento das ações, no qual reduziu o valor nominal de cada uma de
cinco para um euro. Assim, cada acionista passou a deter cinco novas ações por cada uma
das antigas. Esta operação não altera em nada o valor da empresa, que apenas passa a
estar dividido por um maior número de ações, sendo que o valor do seu património se
mantém o mesmo. O objetivo desta operação é promover a liquidez do título em bolsa. O
preço ajusta-se a este desdobramento: no exemplo referido, a cotação bolsista passou para
um quinto do seu antigo valor. Assim, no caso do stock split, o acionista não precisa de
fazer nada já que esta operação decorre de forma automática e não tem implicações
relevantes.

Dividendos

Cabe à Assembleia Geral (AG) de acionistas da empresa, sob proposta da


administração, decidir sobre a distribuição de dividendos em cada exercício. Se os
resultados do ano tiverem sido favoráveis e a empresa não necessitar de dinheiro para, por
exemplo, efetuar investimentos, os dividendos a distribuir poderão ser elevados. Se os
resultados forem menos bons, ou mesmo negativos, ou se a empresa decidir constituir
reservas significativas, o acionista terá de se contentar com um rendimento reduzido (ou,
eventualmente, nulo). Há empresas que, apesar de terem tido prejuízos num determinado
ano, conseguem, mesmo assim, distribuir dividendos, graças a uma cautelosa política de
constituição de reservas, enquanto outras não oferecem qualquer tipo de rendimento
durante anos.

Hoje em dia, a maioria dos dividendos são creditados diretamente na conta de títulos
e, regra geral, são pagos uma vez por ano. A distribuição é feita, normalmente, após a
divulgação dos resultados do ano anterior, que costuma ocorrer entre março e maio.

Outra possibilidade para a distribuição de dividendos é a empresa efetuar o pagamento


através da emissão de novas ações, realizando para isso um aumento de capital.

É ainda possível dar a escolher ao acionista entre receber os dividendos em dinheiro


ou através de novas ações. Neste caso, dependendo do rácio de atribuição das novas
ações e das perspectivas futuras da empresa em causa, o investidor deverá tomar a sua
decisão.

Para ter direito aos dividendos pagos pelas empresas cotadas em bolsa, o investidor
necessita de comprar as ações, pelo menos, quatro dias úteis antes da data-valor (data
efetiva) de pagamento de dividendos. Isto acontece porque, no terceiro dia útil antes da
data-valor, as ações da empresa em causa iniciam o período de cotação designado por ex-
dividendo.

Na prática, trata-se da data a partir da qual as ações são transacionadas já sem


conferirem o direito relativo ao pagamento de dividendos. Nesse dia, o preço da ação cai,
num valor aproximado ao do dividendo líquido, porque quem adquire a ação a partir do dia
ex-dividendo (ou seguintes) já não tem direito ao dividendo. Logo, não faz sentido pagar
por algo que não irá receber. É claro que a cotação não cai exatamente pelo montante do
dividendo líquido, porque é afetada pelos habituais movimentos da bolsa. Até é possível
que a cotação suba no dia de ex-dividendo, mas tal dever-se-á a outros fatores que não o
dividendo em si.

Imaginemos que uma ação está cotada a 10 euros, antes do pagamento de um


dividendo líquido de 0,60 euros. Três dias úteis antes deste ser pago, a cotação ajustará
para perto dos 9,40 euros. Isto, em teoria, porque a cotação pode sempre sofrer outras
influências, de acordo com as perspetivas de evolução da empresa ou devido a fatores
externos.

Fatores que influenciam as cotações

Em cada momento, existe um número limitado de ações em circulação. Isso significa


que, para alguém comprar, tem de haver, pelo menos, uma pessoa que queira vender. A
cotação varia em função da procura e da oferta de cada ação: quanto maior for a procura,
mais a cotação tenderá a subir.

A procura e a oferta são influenciadas pela opinião dos investidores sobre a situação
da empresa (fatores internos) e por diversos elementos de natureza social, política e
económica que a empresa não domina, mas que desempenham um papel preponderante
(fatores externos). A lista de fatores que podem influenciar as cotações e que as empresas
não conseguem controlar é considerável. Uns podem afectar apenas a cotação de uma
empresa específica, como, por exemplo, o rumor de uma oferta pública de aquisição. Outros
podem agir sobre todas as ações de um mercado.

Lucro

Entre os factores internos à própria empresa, o lucro é o principal responsável pela


variação do preço das ações. Os lucros esperados, influenciam bastante as cotações em
bolsa, porque os investidores formulam expectativas positivas ou negativas quanto aos
resultados da empresa, o que se traduz num aumento ou numa diminuição da procura
desses títulos.

A experiência diz-nos que as cotações costumam antecipar alguns meses os


acontecimentos. Se, quando os resultados são anunciados, estiverem dentro das previsões
iniciais, dificilmente se verificarão grandes variações na cotação. Mas se os ganhos obtidos
forem inferiores ao previsto, a cotação tenderá a baixar, porque haverá mais pessoas a
querer vender os títulos do que a querer comprar. Por esse motivo, as cotações tendem a
variar mais sobretudo quando a realidade não corresponde às expectativas formuladas
pelos investidores.

Cash-flow

Além dos lucros e dos dividendos, há outras formas de medir se a atividade de uma
empresa está a evoluir no bom sentido. É o caso do cash-flow que compreende o lucro
líquido (depois de pagar os impostos) e as reservas constituídas anualmente para fazer
face a despesas futuras (substituição de equipamento, por exemplo). Na realidade, uma
empresa que constitui boas reservas, reduzindo, por essa via, o lucro distribuído aos
acionistas, pode estar numa situação melhor do que uma concorrente que apresenta
grandes resultados, mas não acautela o futuro. Daí a importância do cash-flow.
Novos investimentos

Outro exemplo de um fator interno que pode influir na expectativa quanto aos lucros
futuros e, portanto, na cotação de uma empresa, é a realização de novos investimentos. Se
os investidores pensarem que esse novo investimento é benéfico para o futuro da empresa,
o preço das suas ações tenderá a subir. Caso contrário, a sua cotação poderá ser
penalizada, já que é normal que haja mais investidores com vontade de sair do título
(vender).

Taxas de juro

A descida das taxas de juro tem um efeito positivo sobre todo o mercado acionista. Isto
acontece porque, ao acompanharem a queda dos juros, as aplicações sem risco (como os
depósitos a prazo e os Certificados de Aforro) e as obrigações tornam-se menos atrativas
e, portanto, passa a haver mais investidores interessados em investir nas ações.
As taxas de juro mais baixas também se refletem em menores encargos financeiros
(juros pagos pelos empréstimos) para as empresas, sobretudo para as mais endividadas,
que veem, assim, aumentar os lucros. Isto leva a que as suas ações sejam mais procuradas
e, em consequência, as cotações subam. Mesmo para o setor financeiro, as taxas de juro
baixas permitem que os bancos possam emprestar mais dinheiro e também remunerem os
depósitos dos seus clientes a uma taxa inferior. Pelo contrário, a subida das taxas de juro
é desfavorável para a bolsa.

Esta relação inversa entre as taxas de juro e as cotações existe desde sempreem todos
os mercados. No entanto, há algumas bolsas que são mais sensíveis a este fator. A Bolsa
de Nova Iorque, a maior do mundo, é conhecida, nos meios financeiros, pela sensibilidade
às especulações sobre a subida das taxas de juro. Qualquer alteração das taxas por parte
banco central americano (FED), ou mesmo uma forte expectativa de alteração, no sentido
da subida, provoca quase sempre uma descida da bolsa.

Também há setores económicos mais sensíveis a alterações nas taxas de juro. Por
exemplo, no setor da construção, dado que as empresas necessitam de realizar
investimentos avultados, é necessário muitas vezes recorrer ao crédito, tornando este setor
muito mais sensível à variação das taxas de juro do que o setor alimentar, por exemplo.
Crescimento económico

Com o crescimento da economia, as empresas conseguem, regra geral, aumentar as


vendas, obtendo maiores lucros. A bolsa antecipa esse fenómeno. A atividade económica
tem ciclos. Assim, quando se encontra numa "fase má" (produção estagnada, desemprego
elevado, exportações em queda), mas se prevê para breve uma melhoria da conjuntura
(crescimento económico, diminuição dos encargos fiscais, aumento das exportações), a
bolsa tende a subir.

O pensamento dos investidores é que uma recessão será seguida, certamente, de um


período de crescimento e os lucros das empresas acompanharão essa prosperidade
económica. Assim, antecipam a melhoria dos resultados das empresas, conferindo uma
onda de optimismo à bolsa. Compram a "baixos" preços, esperando uma melhoria, alguns
meses mais tarde, dos resultados. Por isso, as ações são mais procuradas, não nos
períodos de estabilidade (quando a economia cresce a ritmo moderado), mas sim quando
se prevê a recuperação.

Obviamente, o contrário também sucede: as bolsas começam a cair quando os


investidores estimam que se atingiu o ponto mais alto do crescimento e temem uma
recessão.

Taxas de câmbio

Um fator a ter em conta na compra de ações cotadas fora da zona euro é a taxa de
câmbio. Quando um investidor nacional compra uma ação cotada nos Estados Unidos, o
mais certo é o euro variar em relação ao dólar. Por exemplo, uma eventual subida da
cotação em dólares pode ser anulada (pelo menos parcialmente) pela valorização do euro
(queda do dólar). Isto porque reduz o montante obtido com a venda após a conversão em
euros, mas vejamos um exemplo. O Paulo, residente em Portugal, comprou 100 ações da
Intel a 33 dólares por ação. Nesse momento a taxa de câmbio do euro face ao dólar era
igual a 1, pelo que o montante despendido foi:

100 ações x 33 dólares x 1 = 3 300 euros


Mantendo-se a taxa de câmbio, se um ano mais tarde vendesse as suas ações a 36
dólares cada uma, o montante da venda corresponderia a:

100 ações x 36 dólares x 1 = 3 600 euros

Mas se entretanto o dólar tivesse desvalorizado e valesse menos cinco cêntimos (1


dólar = 0,95 euros), o montante da venda em dólares quando convertido em euros seria de
apenas:

100 ações x 36 dólares x 0,95 = 3 420 euros

E em vez de obter um lucro de 300 euros (3 600 – 3 300), ganharia apenas 120 euros
(3 420 – 3 300).

Mas se este é o impacto direto da taxa de câmbio não é único e, provavelmente, nem
será o mais importante. Não nos podemos esquecer que os lucros das empresas também
são afetados pelas evoluções cambiais. Veja-se, por exemplo, as empresas europeias que
realizam parte das vendas nos Estados Unidos ou que concorrem internamente com
produtos americanos. Para elas, uma subida do euro implica uma perda de competitividade:
os seus produtos tornam-se mais caros e os oriundos dos Estados Unidos ficam mais
baratos. Por outro lado, se as empresas estiverem diretamente instaladas nesse mercado,
os lucros aí obtidos, quando convertidos em euros, vão ser menores. Inversamente,
algumas empresas europeias podem beneficiar da subida do euro se, pelo menos, parte
dos seus custos for em dólares.

É importante verificar a moeda na qual a ação está cotada, mas também é preciso
analisar a exposição das atividades da empresa às várias divisas, porque esse fator exerce
grande influência na evolução da cotação da empresa.

Outras bolsas

Os mercados acionistas são sensíveis ao que se passa nos outros mercados. Veja-se,
por exemplo, a especial atenção que todos os investidores e analistas financeiros dão à
Bolsa de Nova Iorque. Por isso, diz-se muitas vezes que os mercados bolsistas têm uma
forte correlação entre si.

Isso não significa que a variação seja a mesma em todas as bolsas (uma pode subir
8% e a outra apenas 2%), mas o sentido da variação é, muitas vezes, o mesmo. É frequente
que a evolução das bolsas europeias esteja condicionada pela tendência registada nos
mercados norte-americanos. É usual os mercados europeus só definirem a sua tendência
após a abertura das bolsas nos Estados Unidos. Porém, se a evolução das bolsas europeias
tende, no curto prazo, a ser uma réplica de Wall Street e do Nasdaq, a situação a longo
prazo é diferente, pois as realidades económicas também não são as mesmas.

Influências específicas

A influência dos fatores externos pode não abranger toda a bolsa da mesma forma.
Alguns acontecimentos ou incidentes políticos, por exemplo, podem afetar apenas um
grupo de ações ou até uma única ação. Alguns exemplos de acontecimentos que podem
ter esse efeito:

• Boas ou más notícias acerca da atividade de uma empresa;


• Rumores de fusões ou de aquisições de empresas;

• Alterações na Administração Pública;

• Notícias sobre o mercado em que a empresa atua.

Indicadores-chave

Em teoria, não há nada mais simples que investir na bolsa. Basta comprar as ações
“baratas”, esperar que a cotação suba e depois vender. Mas é bem mais complexa e
existem inúmeros fatores que influenciam o valor de uma empresa. Para ajudar o investidor
, existem vários indicadores que, quando bem interpretados, podem indicar quais as ações
mais interessantes. Entre os mais importantes destacamos:
• Dividendo sobre cotação (ou em inglês, dividend yield ): corresponde ao rácio do
dividendo por ação sobre a cotação da empresa em bolsa e designa a taxa de
rentabilidade do dividendo. Se, por exemplo, uma ação estiver cotada a 10 euros e o
dividendo por ação for de 0,40 euros, o dividend yield dessa empresa é:

(0,40 ÷ 10) x 100 = 4%

Quanto maior for o dividend yield, mais atrativo tende a ser o título, uma vez que a
rentabilidade oferecida aos acionistas é superior.

• Cotação sobre lucro (ou em inglês, PER - Price Earnings Ratio): corresponde à
divisão da cotação da ação pelo lucro por ação gerado pela empresa num
determinado ano. Supondo que a empresa está cotada a 10 euros e que o seu lucro
por ação é de 0,50 euros, o PER é igual:
10 euros ÷ 0,50 euros = 20 anos

Se admitirmos que os lucros por ação da empresa se mantêm constantes ao longo do


tempo e que são integralmente distribuídos, isto significa que um investidor que pague 10
euros por uma ação e que receba todos os anos 0,50 euros terá que esperar 20 anos até
recuperar todo o dinheiro investido. Daqui se deduz que uma empresa com um PER baixo
será, em princípio, mais atrativa do que uma que tenha um PER elevado.

• Cotação sobre valor contabilístico (ou em inglês, price book value): corresponde ao
rácio da cotação da ação sobre o seu valor contabilístico. Trata-se do valor do
património líquido (depois de descontadas as dívidas) da empresa, dividido pelo
número de ações. Dito de outra forma, o valor contabilístico (book value) por ação
corresponde, aproximadamente, ao montante que, em determinado momento, o
acionista teria direito a receber, por cada título detido, se a empresa "fechasse
portas". Uma empresa cotada a 5 euros e com capital próprio de 40 milhões de euros
representado por 20 milhões de ações, terá um valor contabilístico por ação de:

40 000 000 ÷ 20 000 000 = 2 euros

e o price book value:


5 euros ÷ 2 euros = 2,50

À partida, quanto maior for o price book value, mais cara está a ação e não é um bom
momento para comprar. Contudo, este rácio varia bastante de setor para setor. Por norma,
nos setores de crescimento mais elevado, o price book value é maior do que nos setores
mais tradicionais (banca, automóvel, construção, etc.).

• Cotação sobre cash-flow (ou price cash-flow): corresponde à divisão da cotação da


ação sobre o cash-flow por ação. Assim, se o preço de uma ação for de 7,50 euros e
a empresa gerar um cash-flow de 1,50 euros por ação, o price cash-flow dessa
empresa é de:

7,50 euros ÷ 1,50 euros = 5

O cash-flow compreende o lucro líquido (depois de pagar os impostos) mais as


"reservas" constituídas pela empresa anualmente para fazer face a despesas futuras
(substituição de equipamento, por exemplo). Na realidade, uma empresa que constitui boas
reservas, reduzindo, por essa via, o lucro distribuído aos acionistas, pode estar numa
situação melhor do que uma concorrente que apresenta grandes resultados, mas que não
acautela o futuro. Logo, tal como no indicador anterior, quanto maior for o price cash-flow,
mais caro está o título.

O facto da grande maioria dos indicadores considerar sempre os valores por ação tem
a ver com dois aspectos:

• Permite comparar duas empresas diferentes. Por exemplo: duas companhias, A e B,


obtiveram resultados anuais de, respectivamente, 200 mil e 100 mil euros, mas estão
cotadas ao mesmo preço. Numa primeira análise, parece concluir-se que a empresa
A está mais barata, porque o seu preço em bolsa é o mesmo e o seu lucro é o dobro
do da empresa B. Contudo, se o número de ações que compõem o capital social da
empresa A também for o dobro, chegamos à conclusão que as duas empresas têm
rentabilidades idênticas, pois os lucros por ação são iguais;
• Facilita a análise dos resultados ou do valor da empresa ao longo do tempo, mesmo
que esta tenha efetuado aumentos de capital. Mesmo que os resultados totais
progridam, se os lucros por acção diminuírem, a situação dos acionistas pode piorar.

Nenhuma decisão de investimento se deve basear exclusivamente num único


indicador. Pelo contrário, é a análise conjugada de todos estes indicadores, juntamente com
as perspetivas de crescimento da empresa a longo prazo, que permite avaliar se
determinada ação está cara ou barata.

Índices de bolsa

Para medir o comportamento das bolsas são utilizados índices, que constituem
um indicador de como o mercado de ações evolui na sua globalidade.

Um barómetro

Um índice é, em grande medida, um barómetro do funcionamento de determinado


mercado, traduzindo num número a evolução de um grupo de ações. Esse número constitui
a média das subidas e descidas da cotação dessas ações. Assim, o índice de uma bolsa
pode ser comparado ao índice de preços no consumidor, que é um indicador utilizado para
medir a inflação: se o preço dos principais produtos, como o pão, leite, vestuário e calçado
aumentar, o índice sobe. De igual modo, se a cotação das maiores ações que compõem
um determinado índice aumentar, o valor desse índice também sobe.

Os índices da bolsa indicam aos investidores se, em média, as cotações apresentam


uma tendência de subida ou de descida. Isto quer dizer que a subida do índice não significa
que uma determinada ação, em particular, se tenha valorizado. Do mesmo modo, a
valorização de um só título pode não ter um efeito significativo no índice.

Para calcular um índice de bolsa, podem considerar-se todas as ações cotadas numa
Bolsa. Contudo, também é possível limitar o índice às ações mais importantes ou mais
representativas de uma bolsa, que são ponderadas de forma a refletir a sua importância
no mercado, ou calcular vários índices consoante os vários setores de atividade. Tal como
existem muitas bolsas, setores e regiões, há também um grande número de índices que
foram criados para as representar.

A composição destes "barómetros" é revista periodicamente, de forma a manterem-se


representativos da bolsa. Assim, no curto prazo, o facto de uma ação vir a fazer parte de
um índice de referência de uma bolsa é sempre um atrativo extra para os investidores.
Isto porque há muitos fundos de investimento que procuram replicar exatamente a evolução
dos principais índices.

As entradas/saídas são divulgadas com alguma antecedência pela entidade


responsável pelo índice, mas como as fórmulas de cálculo são conhecidas, os investidores
conseguem sempre fazer as suas próprias previsões. Assim, é comum que uma ação
próxima de integrar o índice PSI-20, por exemplo, tenha uma tendência de subida nessa
altura, uma vez que a procura desse título aumenta. Quando, pelo contrário, vai deixar de
fazer parte do índice, é frequente que a sua cotação caia. No longo prazo, onde o que está
em causa é o valor real das empresas, este tipo de alterações tende a ter uma relevância
nula ou muito diminuta.

Preço ou rendimento

• Índices de preços - Não recalculam o seu valor no caso de haver distribuição de


dividendos de uma das ações que o compõem. Ou seja, a sua evolução não
pressupõe o reinvestimento dos dividendos. É o que se passa com a maioria dos
índices internacionais e também com o PSI-20. Isto significa que quando uma
empresa paga dividendos, a cotação da ação cai e o PSI 20 também cai, o que em
bom rigor não deveria acontecer. Assim, em período de pagamento de dividendos é
natural que o PSI-20 dê uma imagem da bolsa mais desfavorável do que a realidade.

• Índices de rendimento - Têm em conta o rendimento proporcionado aos investidores


com a distribuição de dividendos, pressupondo o seu reinvestimento. Assim, o
simples ajuste da cotação de uma ação causado pela distribuição de dividendos não
origina uma queda do índice. Era o caso do antigo BVL-30 (índice composto pelas
trinta principais ações da Bolsa de Lisboa) e, atualmente, do PSI-20 Total Return.
Os índices PSI-20

O Portuguese Stock Index 20 (PSI-20) é o índice de referência do mercado de ações


nacional, embora existam outros. É composto pelos vinte títulos mais representativos da
Bolsa de Lisboa e tem como finalidade refletir a evolução do mercado, servindo,
igualmente, de suporte à negociação de instrumentos derivados e outros produtos
estruturados.

Para a seleção dos componentes do índice PSI-20, as ações são elegíveis em função
do valor transacionado nos últimos seis meses. Além disso, o peso dos títulos é
estabelecido de acordo com a sua importância relativa. Assim, duas ações que sofram uma
variação de preço semelhante não afetarão o valor do índice da mesma forma. Para
assegurar que os títulos são mesmo hierarquizados consoante o volume transacionado, a
comissão gestora do índice pode excluir negócios não representativos, como por exemplo,
passagens de carteira entre bancos. O índice é revisto semestralmente mas pode ser alvo
de alterações extraordinárias.

Além do PSI-20, a Euronext Lisboa divulga também os seguintes índices:

• PSI 20-TR - este índice de rendimento (ou performance), que já referimos, possui uma
carteira igual à do PSI-20, mas que assume o reinvestimento dos dividendos ilíquidos;

• PSI Geral - inclui todas as ações admitidas à negociação no Mercado de Cotações


Oficiais;

• Índices setoriais - refletem a evolução de subconjuntos do segmento acionista do


Mercado de Cotações Oficiais.

Índices internacionais

O número de índices calculados é muito superior ao dos mercados. É muito comum


existirem diversos índices para o mesmo mercado, índices vocacionados para segmentos
dessa bolsa, índices que englobem uma dada região, e por aí fora. De seguida, referimos
apenas alguns dos mais conhecidos.
A Euronext calcula e divulga vários índices representativos do conjunto dos mercados
que a integram (Amesterdão, Bruxelas, Paris e Lisboa), sendo os mais conhecidos o
Euronext 100 e o Next 150. No primeiro caso, estão agrupadas as 100 empresas com
maior capitalização bolsista e liquidez da Euronext. No Next 150, temos as 150 empresas
seguintes no ranking das maiores capitalizações.

Alguns dos índices mundialmente mais famosos são divulgados pelas próprias bolsas
que representam. É o caso do CAC 40 (Bolsa de Paris) ou do DAX 30 (Bolsa de Frankfurt).
Outro exemplo paradigmático é o Nasdaq, simultaneamente uma Bolsa e um índice da
Bolsa com o mesmo nome.

Paralelamente existem várias firmas internacionais cujo negócio passa também pela
criação e divulgação de índices. Vejamos alguns exemplos:

• DJ Euro Stoxx 50 - é um índice criado pela Dow Jones (DJ) para a zona euro. O índice
mais célebre criado por esta empresa é o centenário Dow Jones Industrial Average,
que reflete a evolução das trinta ações mais importantes da Bolsa de Nova Iorque. É
conhecido pelos investidores apenas como o “Dow Jones”;

• S&P 500 - é um dos índices criados pela empresa Standard & Poor's. Neste caso
particular, engloba 500 das maiores empresas americanas;

• Índices MSCI - são da responsabilidade da Morgan Stanley Capital International.


Citamos, por exemplo, o MSCI Mundo, o MSCI Europa ou o MSCI Telecomunicações,
mas existem muitos outros, tais como o MSCI Portugal.

Oferta pública de aquisição (OPA)

Por norma, com o mercado deprimido, as empresas começam a sair de bolsa,


aproveitando as cotações mais baixas. Surgem assim as ofertas públicas de aquisição
(OPA). Uma OPA consiste numa proposta de compra, lançada por uma determinada
sociedade, sobre os títulos de outra.
Esta operação denomina-se "pública" quando é dirigida a todos os acionistas de
determinada empresa, sem qualquer discriminação. Isto acontece porque, quando uma
empresa tem o seu capital disperso na bolsa, é difícil identificar todos os acionistas (já que
apenas é obrigatória a comunicação ao mercado de participações superiores a 2% do
capital da sociedade). Mas, como as OPA são anunciadas, obrigatoriamente, nos jornais
de grande circulação, no Boletim de Cotações da Euronext Lisboa e no sítio da CMVM,
todos os acionistas ficam informados de que há interesse na compra dos títulos que
possuem.

A forma e as condições em que as OPA podem ser realizadas e autorizadas pela


Comissão de Valores Mobiliários estão previstas na lei. Dependendo das circunstâncias,
em particular do preço proposto na OPA face ao seu preço na bolsa ou, ainda, das
recomendações dos analistas quanto às perspetivas da empresa, o acionista individual
poderá, ou não, ter interesse em vender. Por isso, é conveniente estar atento a situações
deste tipo.

Oferta pública de distribuição (OPD)

As ofertas públicas de distribuição (OPD), por vezes denominadas também de ofertas


públicas de venda (OPV), ocorrem, sobretudo, durante os períodos de subida do mercado
bolsista. Nessas alturas assiste-se, normalmente, a um grande número de entradas de
novas empresas em bolsa. É um fenómeno natural, pois as empresas conseguem um
melhor encaixe dada a euforia dos investidores.

Mas convém que o investidor não seja tentado a comprar tudo, contagiado pelo
excesso de optimismo, tal como não deve vender ao desbarato quando o pessimismo
impera. Deve sempre ter em conta o valor real da empresa e estimar se o preço oferecido
na OPV é ou não adequado.

Oferta pública de troca (OPT)


As ofertas públicas de troca (OPT) são operações muito idênticas às OPA só que,
neste caso, em vez da entidade compradora oferecer uma determinada quantia em dinheiro,
dá como contrapartida ações dela própria.

Contudo, muitas vezes não existe esta possibilidade de escolha, pelo que a operação
é feita apenas através da troca de ações. Nesse caso, além da relação de troca proposta,
é preciso sobretudo ter em atenção se vale ou não a pena ficar com ações da empresa que
lançou a operação. Pode acontecer que as perspetivas dessa empresa não sejam
favoráveis. Nesse caso, não deve aceitar a troca e deve vender as ações.

Ordens de bolsa

Para negociar na bolsa, o investidor tem à sua disposição diversos tipos de ordens,
embora as mais comuns sejam as que se seguem.

Ao melhor

Ao dar uma ordem com esta indicação, o investidor define apenas a quantidade de
ações que pretende comprar/vender, sujeitando-se a adquiri-las/vendê-las a um preço
"qualquer". Este será determinado pelas condições existentes no mercado, no momento em
que a ordem for introduzida pelo corretor. Sobretudo em títulos com uma liquidez razoável,
a execução destas ordens é quase sempre imediata. Contudo, nos casos das ações pouco
transaccionadas (pouco líquidas), as ordens "ao melhor" podem não ser executadas por
inexistência de compradores/vendedores ou ser mesmo lesivas para o investidor mais
incauto. Quando existe um número reduzido de investidores a negociar um determinado
título, é normal existirem grandes disparidades entre os preços de compra e venda. Com
uma “ordem ao melhor” o investidor arrisca-se a comprar a um preço exorbitante ou a
vender a um valor muito baixo.

Com limite de preço

É uma ordem para a qual o investidor estabelece a quantidade e o preço a que quer
efectuar o negócio. Tratando-se de uma ordem de compra, esta indicação define o preço
máximo que o investidor estará disposto a pagar por uma determinada ação; se for uma
ordem de venda, refere o preço mínimo que pretende receber por essa ação.
Vejamos um exemplo: "Quero vender 200 ações Brisa a 5,40 euros". Esta ordem só
será executada quando a cotação da ação for igual ou superior a 5,40 euros. Se, no
momento em que a ordem é introduzida, houver investidores interessados em comprar a
ação a este preço, a ordem é executada de imediato. Caso contrário, fica a aguardar que,
eventualmente, a cotação da Brisa iguale ou ultrapasse o valor especificado.

De preferência, não dê ordens com um limite de preço "arredondado": diga "vendo a


partir de 8,99 euros" ou "compro até 5,49 euros". Os investidores institucionais (fundos de
investimento, por exemplo) costumam escolher limites "arredondados" e, como
movimentam grandes quantidades, podem não deixar espaço para os clientes particulares.

Stop

É uma forma um pouco mais complexa de transmitir ordens de bolsa. Na prática, o


investidor condiciona a introdução efectiva da sua ordem à evolução da cotação, o que pode
ser bastante útil em algumas situações. Quando se trata de uma ordem de compra, o
investidor define o preço-limite que, numa primeira fase, estará disposto a pagar. Na altura
em que este preço é atingido, a ordem converte-se numa simples ordem com limite de preço
ou ao melhor (consoante se tenha indicado, ou não, um segundo limite de preço). Assim, o
segundo preço-limite serve de precaução, para o caso da cotação subir mais do que se
esperava. Se a ordem for de venda, tudo se processa de forma inversa: primeiro,
estabelece-se um preço-limite para a venda; se as cotações continuarem a cair, a segunda
indicação transforma a ordem numa simples ordem com limite de preço ou ao melhor.

Casadas

Acontece quando existem, simultaneamente, ordens de compra e de venda, referentes


a diferentes títulos, em que a execução de umas depende das outras. É possível indicar
qual das ordens deverá ser executada em primeiro lugar. É bastante útil, por exemplo, para
investidores que, ao se depararem com um potencial bom negócio, não tenham, de
momento, saldo disponível na sua conta. Assim, descartando-se previamente de alguns
títulos, poderão obter o dinheiro que lhes permitirá concretizar o negócio que pretendem.
Datas de validade

Em relação à validade de uma ordem de Bolsa, há que distinguir duas situações:

• Nos casos em que o investidor não define o prazo de validade para a sua ordem de
bolsa, esta é considerada válida até ao final do dia em que foi introduzida ou até que
seja cancelada. Ou seja, por defeito, a ordem apenas é válida para a própria sessão
bolsista, mesmo nos casos em que existe um preço-limite;

• Quando o investidor opta por especificar uma data de validade para a ordem de bolsa,
ela nunca pode exceder os 365 dias. Obviamente que, durante esse período, o
investidor poderá sempre cancelar a ordem.
Contudo, esta extensão do prazo é uma possibilidade oferecida apenas pela bolsa. Os
intermediários financeiros têm limites inferiores, devendo informar os clientes sobre os
prazos de validade que praticam. Além disso, há operações especiais em que as ordens
que se encontram ativas são canceladas automaticamente, visto que essas operações
alteram a cotação. Entre outras situações, é o caso da distribuição de dividendos, do
desdobramento de ações (stock split) e do destaque de direitos em aumentos de capital.

Por norma, é preferível privilegiar os prazos curtos: mantenha as suas ordens válidas
apenas para a sessão do próprio dia ou do dia seguinte. É que, devido às alterações
constantes, que podem ocorrer, inclusive, em poucos segundos, as ações podem sofrer
grandes variações de preço, tornando o preço da sua ordem desajustado.
Prioridades na Bolsa

Existem alguns princípios básicos para a ordenação das transações na Bolsa, de


acordo com o preço, o tempo e a quantidade de títulos transacionáveis.

Quanto ao preço, são sempre executadas, primeiro, as ordens dadas ao melhor. Em


condições de igualdade no preço proposto por dois ou mais investidores (seja para compra
ou para venda), é sempre executada primeiro a ordem que foi introduzida no sistema de
negociação há mais tempo. A cotação deve ser sempre aquela que assegure a transação
da maior quantidade de títulos possível.
Lotes mínimos

Ao contrário do que sucedia há alguns anos, em que para negociar ações na Euronext
Lisboa era definido um lote mínimo de ações (geralmente, 100) e apenas era possível
negociar quantidades múltiplas desse lote mínimo, atualmente é possível transacionar
apenas uma ação, tal como acontece nas principais bolsas internacionais. Contudo, este
tipo de ordens com quantidades muito reduzidas não é aconselhável, dado que o peso dos
custos sobre o montante da transação seria, neste caso, muito elevado.

Alterar e anular ordens

As ordens de bolsa podem ser modificadas ou anuladas a qualquer momento, desde


que, obviamente, ainda não tenham sido executadas. É possível, por exemplo, reduzir a
quantidade de títulos a vender, alterar o preço-limite, torná-lo ao melhor, etc. A alteração de
uma ordem implica que perde a sua prioridade inicial. Consoante o preçário do
intermediário, o investidor poderá incorrer ter de suportar alguma comissão pela alteração
ou anulação das ordens.

Liquidação

A liquidação financeira dos negócios realizados na Euronext Lisboa ocorre três dias
úteis após a concretização dos mesmos. Por exemplo, se um negócio for realizado numa
quinta-feira, apenas será liquidado na terça-feira seguinte. Contudo, este facto não impede
a maioria dos intermediários financeiros de possibilitar a venda de títulos que o investidor
acabou de comprar e que ainda aguardam a liquidação física e financeira (o denominado
day-trading).

A grande maioria dos intermediários financeiros também permite que os clientes


comprem ações, mesmo que a sua conta não tenha saldo suficiente no prazo entre a ordem
de venda e a sua liquidação. O saldo da conta do cliente é, nestes casos, imediatamente
atualizado, como se a liquidação financeira das ordens fosse feita logo após a sua
concretização em bolsa. Isto permite aos investidores não ter que esperar pela liquidação
financeira de uma operação de venda para comprar determinado título. Deverá informar-se
junto do seu intermediário financeiro sobre a existência ou não de custos.

Volatilidade

Para calcular o risco de um título, analisa-se muitas vezes a evolução passada da sua
cotação. Quanto maiores forem as flutuações do preço de uma ação, maior é o risco que
ela apresenta.
Uma das formas de avaliar esta volatilidade (amplitude das variações registadas pela
cotação num determinado período) de um ativo é através do cálculo do seu beta. É um
indicador da sensibilidade desse ativo em relação a outro ativo ou conjunto de ativos
(normalmente, um índice de bolsa).

Por exemplo, se uma ação nacional se comportasse exatamente como o índice PSI
20, o que na prática é difícil, diríamos que tinha um beta igual a 1. Da mesma forma, uma
ação com um beta superior a 1 significa que, quando a bolsa sobe, essa ação deverá subir
mais do que o mercado e, quando desce, também deverá descer mais.

Quanto maior for o beta de uma ação, maior é o risco que lhe está associado.

Bull & Bear

Quem segue os mercados financeiros já ouviu falar nas expressões ‘bull’ (em
português, touro), quando a bolsa está a subir, e ‘bear’ (urso), quando está a cair.
Mas o que significam exatamente estes termos?

Fluxo e refluxo

Na linguagem financeira, o termo bullish refere-se a um mercado que regista uma


tendência de subida, fruto do otimismo dos investidores. Ao invés, num mercado bearish,
as cotações descem e o pessimismo é o sentimento dominante. De acordo com a definição
técnica, fala-se de mercado bullish (altista) quando as cotações subiram 20% num ano face
ao nível mínimo e de mercado bearish (baixista) quando as cotações caíram 20% no mesmo
período face ao nível máximo. Estes termos podem ser utilizados no caso das ações, mas
também das obrigações e das matérias-primas, entre outros. É o caso, por exemplo, do
ouro que está há alguns anos numa tendência bullish.

Inversão da tendência

Estas expressões representam também uma indicação dos ciclos e do sentimento dos
investidores num determinado mercado. Um mercado bullish começa a ganhar forma
quando a maioria dos investidores tem dúvidas, as perspetivas são sombrias e as
expectativas são baixas. Por outras palavras, nada pior pode acontecer. Nessas alturas,
produz-se uma reviravolta e as cotações começam a subir. Foi o que se verificou em março
de 2009, quando ninguém via a luz ao fundo do túnel. Os índices começaram a recuperar
e o mercado bullish começou a tomar forma.

Atualmente ainda nos encontramos na fase ascendente, mas não são de excluir
quedas intermédias. No entanto, o mercado pode registar uma inversão duradoura da
tendência quando as expectativas se tornam demasiado grandes e a euforia reina. A “bolha”
rebenta e entramos num novo mercado bearish. Por enquanto, ainda não há otimismo
exagerado, mas um dia acontecerá e os ursos estarão de volta, como se diz no jargão
financeiro.

Porquê touro (‘bull’) e urso (‘bear’)?

As expressões estão associadas à forma de ataque dos dois animais. O touro baixa a
cabeça e faz um movimento ascendente com os cornos. O urso ataca com as garras no
sentido contrário, levando o opositor ao solo.

Price to book value

A comparação entre o valor da ação em bolsa e o valor dos capitais próprios é um dos
indicadores fundamentais que utilizamos na nossa avaliação. Veja, à luz deste, quais as
empresas mais atrativas.

O que é o Price to Book Value (PBV)?


• Trata-se de um rácio que compara o valor em bolsa da empresa com o valor
contabilístico dos capitais próprios. Ou seja, a diferença entre o que o mercado avalia a
empresa e o valor dos seus ativos, líquidos das dívidas.

• Tendo em conta o princípio da prudência, é de esperar que o valor da empresa em


bolsa supere a soma dos ativos líquidos. Ou seja, o PBV ser superior a 1.

• Se o PBV for inferior a 1 quer dizer que os ativos líquidos valem mais do que a cotação
da empresa em bolsa. Isto significa que os investidores acham que empresa não conseguirá
rentabilizar os ativos que possui. Ou então que os ativos estão sobreavaliados a nível
contabilístico. O PBV é inferior a 1 apenas em 26% das empresas da nossa seleção.

• Se o PBV for inferior a zero, é porque os capitais próprios são negativos. O que
representa, grosso modo, que os passivos superam os ativos. Uma situação indicadora de
falência técnica mas que poderá ser apenas temporária.

Negócios mais arriscados

• A priori, uma ação com um PBV inferior a 1 é uma boa oportunidade. Mas basear as
compras num só indicador é muito arriscado. Outros fatores devem entrar em conta, como
os lucros ou os fluxos de caixa gerados, os dividendos pagos ou a taxa de crescimento a
longo prazo, entre outros.

• Mas o balanço da empresa poderá incorporar aspetos intangíveis, cuja avaliação


levanta mais dificuldades.

É legal cobrar a transferência de uma carteira de ações?

A associada A.L., de Afife (Viana do Castelo), pretende transferir as ações que


detém na carteira para outra entidade, mas considera excessivo o custo cobrado pelo
seu intermediário financeiro. É legal?
Legislação não abrange

A transferência de uma carteira pode ter um custo elevado, porque muitos


intermediários calculam a comissão em proporção do valor dos títulos a transferir. Também
é frequente a cobrança da comissão por espécie, ou seja, por cada lote de títulos. No
entanto, a legislação não abrange os custos de transferência de títulos, que variam
consoante o preçário da instituição.

Se os titulares da conta de destino não forem os mesmos da conta original, o fisco


considera a transferência como uma transação e fica sujeito ao imposto de mais-valias.

Vender e voltar a comprar

Uma alternativa será vender os títulos e comprá-los através do novo intermediário, mas
terá de calcular os custos da operação. Podem ainda existir implicações a nível fiscal. No
nosso portal, pode encontrar o intermediário financeiro mais barato para o seu perfil.

Vendi ações e tive prejuízo. Tenho de declarar ao fisco?

O leitor A.G., de Rio Tinto (Porto), vendeu ações e teve prejuízo. Pergunta-nos se
é obrigado a declarar ao fisco.

Entrega na segunda fase

A venda de ações, com ganhos ou perdas, tem de ser declarada no anexo G do modelo
3 do IRS durante a segunda fase de entregas: em abril se fizer a entrega em papel ou em
maio se enviar pela Internet. No caso das ações estrangeiras, é o anexo J. O leitor pode
optar por englobar o valor aos restantes rendimentos. Se o fizer, o imposto a pagar não
diminui, mas fica com a possibilidade de subtrair o prejuízo agora obtido a eventuais ganhos
com a venda de ações nos próximos 2 anos. Para isso, nessa altura, terá de optar
novamente pelo englobamento. Convém, contudo, fazer bem as contas.

Tributação autónoma mais vantajosa


Em geral, o contribuinte paga menos imposto se escolher a tributação autónoma, que,
atualmente, se traduz numa taxa de 20% sobre os ganhos obtidos em 2011 (25% a partir
deste ano). Com o englobamento, os rendimentos das ações são adicionados aos de
trabalho, pensões, juros bancários, dividendos ou outros, antes de apurar a taxa a aplicar.

Como devo proceder para ter direito a receber dividendos?

Para ter direito ao dividendo pago pelas empresas nacionais cotadas em bolsa é
necessário comprar as ações, pelo menos, quatro dias úteis antes da data-valor de
pagamento do dividendo, caso contrário não terá direito ao mesmo. Isto acontece porque
no terceiro dia útil antes, as ações da empresa iniciam o período de cotação designado por
ex-dividendo: nesse dia o preço da ação cai aproximadamente pelo valor do dividendo
líquido. Esta queda verifica-se porque quem adquire a ação no dia em que está cotada ex-
dividendo (ou seguintes) não tem direito ao dividendo, logo não vai pagar por algo que não
irá receber. É claro que a cotação poderá não cair exatamente pelo montante do dividendo
líquido, porque é afetada pelos habituais movimentos da bolsa.

O que se pretende dizer quando se afirma que uma determinada ação é das
mais líquidas da bolsa?

Uma ação diz-se líquida se um investidor puder comprar/vender com rapidez e


sem influenciar a cotação da ação que está a negociar. Essa possibilidade vai depender
da quantidade de transações, ou seja, do número de ações compradas/vendidas durante
um determinado período de tempo. Assim, uma das medidas de liquidez mais utilizada é a
quantidade média diária de ações transacionadas: quanto mais elevada, mais líquida a
ação. Mas é mais correto considerar o volume transacionado, que corresponde à
quantidade negociada multiplicada pelo preço respetivo.

Existem várias razões para uma ação ter pouca liquidez. Uma delas pode passar pelo
facto das empresas terem apenas parte das ações disponíveis para negociação (free float),
estando as restantes na posse de acionistas estratégicos, na família do proprietário ou
noutra empresa do grupo. Menos ações, potencialmente menos transações. Outra razão é
a dimensão da empresa. As grandes companhias têm obviamente mais ações, mas também
têm uma maior visibilidade e, por isso, atraem um maior número de investidores particulares
e institucionais.

Mas a liquidez também varia com o tempo. Em períodos de queda da bolsa, muitos
investidores saem do mercado acionista, provocando uma redução generalizada das
transações. A compra e venda de ações pouco líquidas acarretam riscos para o investidor.
Se uma empresa tem, por exemplo, mil ações cotadas, uma venda de cem títulos fará cair
a cotação. É possível até que a ordem não seja (totalmente) executada.

Títulos com baixa liquidez devem ser evitados, sobretudo em carteiras pouco
diversificadas.

O que devo fazer quando é anunciado um aumento de capital?

Estas operações podem ser de dois tipos: por incorporação de reservas ou por
subscrição, reservada (ou não) aos atuais acionistas.

No caso de um aumento de capital por incorporação de reservas, não é grave se


deixar "passar em branco" a operação, pois é um procedimento meramente contabilístico.
Senão vender os seus direitos em bolsa (equivalentes à quantidade de títulos que possuir),
o banco ou a corretora converte-os automaticamente em novas ações. No entanto, terá
sempre de contactar o seu intermediário, já que, na grande maioria dos casos, os direitos
atribuídos não correspondem a um número exato de novas ações. Poderão sobrar alguns,
pelo que será conveniente vendê-los. Se quiser reforçar a sua posição na empresa poderá
comprar mais alguns para obter um número certo de novas ações. O preço em bolsa ajusta:
o investidor passa a deter mais ações de menor valor, mas o património total mantém-se
idêntico.

Já nos aumentos de capital por subscrição é concedido, por norma, o privilégio aos
acionistas de subscreverem ações por um preço inferior ao de bolsa. Neste cenário, se
nada fizerem, os investidores perdem dinheiro porque os títulos que possuíam baixam de
valor, corrigindo do aumento de capital. A descida depende de diversos fatores: quantidade
de novas ações a emitir, quantidade de ações existente, preço em bolsa das ações, preço
das novas ações no aumento de capital, se estes têm ou não direito a dividendos, etc. É
extremamente importante instruir a instituição financeira do que se pretende fazer: vender
os direitos em bolsa ou adquirir as novas ações.

O termo OPA é mencionado com frequência quando se fala dos mercados


financeiros. De que se trata?

Uma oferta pública de aquisição (OPA) consiste numa proposta de compra lançada
por uma determinada sociedade sobre os títulos de outra companhia. A operação diz-
se pública, porque é dirigida a todos os acionistas (ou titulares de outros valores mobiliários)
de determinada empresa, sem discriminação.

Quando uma empresa tem o seu capital disperso em bolsa, é difícil identificar todos os
seus acionistas. Assim, do ponto de vista prático, quem pretenda comprar uma parte do
capital de uma empresa pode recorrer a uma OPA. Sendo anunciada obrigatoriamente em
jornais de grande circulação e no boletim de cotações da Euronext Lisboa, quem for
acionista fica informado de que existem interessados em comprar as suas ações.

A lei prevê que em determinadas circunstâncias, seja obrigatório o lançamento de uma


OPA. Com a obrigatoriedade de realização de OPA permite-se que todos os investidores,
sem discriminação, possam vender os seus títulos pelo preço que é proposto. Evita-se
assim que os pequenos investidores fiquem à margem dos negócios que se efetuam entre
o clube dos "grandes" (institucionais, grandes grupos económicos, etc.). Mas uma OPA não
implica necessariamente um negócio atrativo para o pequeno investidor. Fique atento às
nossas análises.

Em que consistem e quais as diferenças entre os vários tipos de ordens de


bolsa?

Os três tipos de ordens mais comuns são "ao melhor", com "limite de preço" e "stop".

Nas ordens "ao melhor", o investidor define apenas a quantidade de ações da


empresa que pretende comprar/vender. Por exemplo, "quero comprar 500 ações da EDP".
A execução destas ordens é imediata para a maioria dos títulos. Contudo, nos casos das
ações pouco transacionadas (pouco líquidas), as ordens "ao melhor" podem não ser
executadas por inexistência de compradores/vendedores ou ser mesmo lesivas para o
investidor desprevenido. Quando há poucos investidores a negociar um determinado título,
é normal surgirem grandes disparidades entre os preços de compra e venda. Com uma
"ordem ao melhor", o investidor arrisca-se a comprar a um preço exorbitante ou a vender a
um valor irrisório.

Nas ordens com "limite de preço", o investidor estabelece a quantidade e um preço


para o negócio. Vejamos um exemplo: "quero vender 200 ações Portugal Telecom a 4
euros". Esta ordem só será executada quando a cotação for igual ou superior a 4 euros. Se
no momento em que a ordem é introduzida, a cotação respeitar essa condição, então a
ordem é executada de imediato. Caso contrário, fica "à espera" que, eventualmente, a
Portugal Telecom iguale ou ultrapasse o valor indicado.

As ordens "stop" são uma forma um pouco mais complexa de transmitir ordens de
bolsa. Na prática, o investidor condiciona a introdução efetiva da sua ordem à evolução da
cotação, o que pode ser bastante útil em, pelo menos, duas situações:

• "Adquiri 100 ações do BCP a 0,10 euros, mas não estou disposto a perder mais de
10%!"

Este investidor poderá dar a seguinte ordem: "se a cotação atingir 0,09 euros, quero
vender as minhas ações". Uma vez indicada esta ordem, e caso a cotação do BCP toque
nos 0,09 euros (o chamado valor de disparo – trigger), o sistema coloca automaticamente
à venda as ações. Esta última ordem pode ser definida à partida como sendo "ao melhor"
ou "com limite de preço". Na terminologia do mercado, é uma ordem stop loss.

• "Quando a cotação da Cimpor ultrapassar os 5,50 euros, já está a ganhar balanço e


eu quero aproveitar!"

Por outras palavras: "quero colocar uma ordem de compra de 100 ações da Cimpor se
a cotação atingir os 5,50 euros." Esta ordem condicionada poderá ser "ao melhor" ou ter
um preço definido que, obviamente, terá de ser superior a 5,50 euros. Esta ordem é
denominada de stop limit.
Qual o prazo máximo permitido para uma ordem de bolsa na Euronext Lisboa?

Nos casos em que o investidor não define o prazo de validade para a sua ordem de
Bolsa, esta é considerada válida até ao final do dia em que foi introduzida ou até que seja
cancelada.

No máximo, as ordens poderão ser dadas por um prazo de 365 dias, contados a partir
do dia seguinte à introdução da ordem. Contudo, esta é apenas uma possibilidade teórica
oferecida pela Bolsa pois, em regra, os intermediários financeiros definem prazos máximos
inferiores, normalmente de 30 dias. Durante esse período, o investidor poderá sempre
cancelar a ordem.

Para que serve o Sistema de Indemnização aos Investidores?

O Sistema de Indemnização aos Investidores (SII) destina-se a cobrir os principais


instrumentos financeiros e não os depósitos “comuns”. Se a sua corretora ou banco
enfrentarem dificuldades financeiras ou forem à falência e, de repente, “desaparecerem” as
ações ou as unidades de participação que tinha em carteira, nem tudo está perdido! O SII
protege parcialmente os investidores face a tais acontecimentos.

A proteção oferecida pelo SII inclui os seguintes instrumentos financeiros: ações,


obrigações, títulos de participação, unidades de participação em fundos de investimento,
entre outros. Garante também o dinheiro entregue ao intermediário financeiro destinado
expressamente a ser investido em instrumentos financeiros. É o caso, por exemplo, de uma
conta numa corretora.

O SII não garante a devolução da totalidade dos instrumentos financeiros, sendo o re-
embolso máximo de 25 000 euros. O valor limite é estabelecido por investidor e não por
conta. Por exemplo, numa conta com dois titulares, o re-embolso máximo seria de 50 000
euros. O montante das indemnizações é calculado com base no valor dos instrumentos
financeiros à data do acionamento do SII. Assim, o Fundo não compensa as
desvalorizações dos instrumentos financeiros.
É muito comum ouvir referências a índices de bolsa. Em que consistem e para
que servem?

Um índice de bolsa não é mais do que uma média das cotações dos títulos e serve
para medir o comportamento de determinado mercado, nomeadamente de ações.

Pode ser visto como um barómetro do que está a acontecer no mercado. Se o índice
sobe, é sinal de que o preço das ações, em geral, subiu. Se, pelo contrário, o índice desce,
significa que as ações, em média, registaram perdas de valor.

Um índice deve refletir, o mais fielmente possível, o comportamento da bolsa, ou do


conjunto de títulos, em análise. No entanto, não há necessidade de considerar todas as
ações desse mercado, pois selecionando apenas uma amostra representativa, é possível
obter, da mesma forma, um instrumento que traduza o comportamento do mercado no seu
todo. É o caso do índice PSI-20, constituído por apenas vinte ações cotadas na Euronext
Lisboa.

Qual o interesse dos lucros serem apresentados por ação e não em termos
absolutos?

O lucro por ação, também conhecido como EPS (earnings per share ), resulta da
divisão dos lucros gerados pela empresa pelo número de ações existentes.

É um indicador importante por duas razões. Para se poder comparar a rentabilidade


de empresas diferentes. Por exemplo, duas companhias, A e B, obtiveram respetivamente
resultados anuais de 100 mil euros e 50 mil euros. Mas a empresa A é maior que a B: o
número de ações que compõe o seu capital é o dobro da segunda. Chegamos à conclusão
que as duas obtiverem os mesmos resultados, pois os lucros por ação são iguais.

Além disso, permite analisar a mesma empresa ao longo do tempo: à medida que vai
crescendo, a empresa necessita de aumentar o capital. Apesar dos resultados estarem a
progredir, os acionistas poderão estar pior, se os lucros por ação sofrerem um decréscimo.
Muitas análises de ações falam em valor contabilístico da ação. Qual a utilidade
deste indicador?

O valor contabilístico por ação corresponde ao valor do património líquido da empresa


dividido pelo número de ações. Na prática, seria o montante que o acionista teria direito,
por cada título detido, se a empresa fosse extinta nesse momento.

Normalmente, considera-se como um limite mínimo para o preço da ação. Quando a


cotação está abaixo desse valor é preciso ter algum cuidado. Basicamente, poderão surgir
duas interpretações, ou a ação está muito barata, e poderá ser uma boa oportunidade de
compra, ou a empresa atravessa uma importante crise e, nesse caso, o melhor que tem a
fazer é manter-se afastado da mesma.

Existe correlação entre a evolução dos mercados europeus e os seus


congéneres norte-americanos?

A correlação corresponde ao nível de ligação entre dois fatores sendo, por isso, um
dos elementos que mais influenciam o risco total de uma carteira de investimentos. Por
exemplo, diz-se que uma ação é fortemente correlacionada com um índice, quando a
evolução da cotação progride de forma quase paralela à do índice.

Quanto maior for a correlação entre os títulos ou os mercados, maior é a probabilidade


destes evoluírem de forma idêntica, e menor é a possibilidade de diminuir o risco ao
selecioná-los simultaneamente. E, na realidade, muitos mercados de ações europeus
tendem a apresentar, no curto prazo, comportamentos semelhantes aos norte-
americanos.

Assim, para assegurar uma maior diversificação será preciso incluir mercados com
correlações mais fracas, ou seja, que evoluam de forma diferente ou mesmo em direções
opostas. Neste último caso diz-se que a sua correlação é negativa.

Investir em mercados pouco correlacionados diminui o risco pela simples razão


de que a queda num mercado pode ser compensada pela subida em outro. É, por
exemplo, o que sucede entre os mercados de ações e de obrigações: normalmente quando
os primeiros sobem, os segundos recuam e vice-versa.

Mas a ausência de correlação entre diversos tipos de aplicações não deve constituir,
por si só, um critério de investimento. Outros fatores devem igualmente ser considerados.
Por exemplo, as carteiras de fundos recomendadas pela PROTESTE INVESTE têm em
consideração, entre outros elementos, o rendimento esperado, os custos, o risco e as
correlações dos diversos mercados de ações e obrigações.

A subida das taxas de juro afecta as ações?

Com efeito, os mercados de ações tendem a reagir negativamente à subida das


taxas de juro. Porém, convém lembrar que os movimentos de oscilação dos preços fazem
parte da própria essência dos mercados acionistas. No curto e médio prazo, o
comportamento da oferta e da procura são fortemente influenciados pelas flutuações nas
expectativas dos investidores. Por outro lado, convém ter presente que as bolsas tendem a
reagir por antecipação à evolução das variáveis económicas e podem já apresentar uma
forte valorização.

As taxas de juro são das variáveis económicas mais importantes para os mercados,
pelo que o aumento da expectativa de subida das taxas de juro tem consequências
significativas. O impacto nas cotações das ações surge porque o aumento do preço do
dinheiro afeta os lucros das empresas. Em primeiro lugar, aquelas que têm maiores níveis
de endividamento passam a pagar juros mais elevados das dívidas, aumentando os seus
encargos financeiros. Em segundo lugar, os juros mais altos servem de travão ao consumo
das famílias e consequentemente ao crescimento das vendas e dos lucros das empresas.

Apesar disso, o impacto da subida dos juros pode ser vista noutra perspetiva. Com taxas
de juros mais elevadas, os mercados obrigacionistas tornam-se mais interessantes (a
taxa de juro corresponde ao rendimento das obrigações – yield) e, deste modo, atraem mais
investidores, em detrimento das ações. Em face de uma redução da procura, os mercados
acionistas tendem então a reagir em baixa.
A avaliação de ações tem em conta o valor atual de fluxos futuros estimados, sejam
dividendos ou lucros. Para calcular este valor, os fluxos futuros são atualizados recorrendo
à taxa de remuneração mínima que é exigida pelos investidores. Como esta está associada
ao rendimento que podem obter no mercado obrigacionista, e este sobe, o valor teórico das
ações recua.

Porque razão o índice S&P 500 é muitas vezes preferido ao Dow Jones?

Na realidade, há duas razões para se utilizar com maior frequência o índice Standard
and Poor’s 500 ou S&P 500.
Em primeiro lugar, o Dow Jones não é um índice ponderado em função da
capitalização bolsista e do peso da ação na bolsa (valor da cotação multiplicado pelo
número de ações). No Dow Jones, sobretudo por razões históricas, o mais importante é o
valor absoluto das ações. Por outras palavras, uma ação cotada em 60 dólares pesa duas
vezes mais que um título cotado a 30 dólares, seja qual for a importância relativa das duas
empresas.

Esta abordagem dá uma imagem menos precisa da evolução do mercado do que um


índice ponderado pela capitalização bolsista. Aliás, o Dow Jones deve ser lido como o
valor médio da cotação das empresas que o constituem. Deste modo, se o Dow está
em 12 000 pontos, o valor médio das cotações dessas empresas seria de 12 000 dólares.
Na prática, esta leitura só não é direta porque os componentes do Dow vão mudando, há
aumentos de capital, desdobramentos de ações (splits), etc. e o Dow tem de ser ajustado.

Em segundo lugar, o Dow Jones também não é o melhor barómetro para a economia
do Tio Sam porque inclui apenas 30 ações, sendo muitas delas do setor industrial. Ao invés,
o índice S&P 500, como engloba 500 empresas ponderadas pelo seu peso bolsista, torna-
se mais adequado para avaliar o comportamento do mercado acionista e da economia
norte-americana.

Porque razão as ações têm um potencial de rendimento superior?

O rendimento propiciado pelas ações provém da distribuição de dividendos e das


eventuais mais-valias geradas quando se vende a ação por uma cotação superior à da
compra. Ora para distribuir dividendos mais atrativos e para ver a sua cotação subir, as
empresas precisam aumentar os seus lucros. Por seu turno, os lucros estão dependentes
das vendas feitas pela empresa. Por fim, é natural que as vendas cresçam em sintonia com
o nível económico: quando as famílias têm mais dinheiro consomem mais. Assim, podemos
estabelecer a seguinte relação: mais crescimento económico = mais vendas = mais lucros
= subida das cotações e maior distribuição de dividendos.

É claro que este raciocínio não se aplica a todas as empresas a todo o tempo. Por
exemplo, há empresas cujos lucros crescem, durante algum tempo, mais do que a
economia, mas também aquelas que não conseguem transformar o aumento das vendas
em mais lucros. Em suma, a relação que estabelecemos deve sempre ser considerada em
termos médios e é válida sobretudo no longo prazo.
Do outro lado da trincheira temos as obrigações. Estes são títulos representativos de dívida
(de empresas ou Estados) e que oferecem aos seus compradores um rendimento. Ora, as
empresas ou os Estados para pagar esses compromissos têm de gerar dinheiro. Ou seja,
parte das suas receitas destinam-se a pagar esses juros. Assim, para que a sua atividade
seja viável, é preciso que os rendimentos gerados sejam superiores aos encargos. Isto é,
que os lucros cresçam mais do que os encargos com a dívida.

Deste modo, se conjugarmos a origem do rendimento das ações e das obrigações,


podemos facilmente concluir que o rendimento das ações – a longo prazo e à escala
mundial – tem, em teoria, de ser mais elevado do que o das obrigações. E será que é isso
que acontece? Até agora, a maioria das pesquisas empíricas demonstram que esta teoria
tem fundamento: as ações têm tido, em média, um rendimento que supera, a longo prazo,
as obrigações entre 3 a 4% ao ano.

Por esse motivo, quanto mais prolongado o prazo de investimento maior deve ser a
aposta em ações.

Contudo é preciso não esquecer que:

• No curto prazo, o risco das ações é demasiado elevado pelo que deve evitá-las. Só
recomendamos o investimento para mais de cinco anos;
• Em períodos em que o crescimento da economia é muito reduzido, ou mesmo
negativo, é preferível investir, temporariamente, em obrigações;

• A nível mundial, há polos de crescimento mais fortes do que outros.

Pode aplicar uma parte da sua carteira de investimentos nestes polos (por exemplo, a
Europa de Leste, a América latina e o Sudeste asiático). Mas, uma vez mais, não aposte
tudo no mesmo cavalo, porque o risco é elevado.

Onde declaro as mais-valias obtidas com a venda de ações?

Na declaração das mais-valias a legislação não distingue as ações nacionais das


estrangeiras. Assim, se vendeu ações preencha o quadro 8 do anexo G: identifique os
títulos vendidos e o valor de compra e venda. Nas despesas com a venda, pode incluir as
comissões, taxas de bolsa e de corretagem. Em 2011, o saldo positivo até 500 euros não
paga imposto. Acima desse montante, aplica-se uma taxa autónoma de 20% (passou para
25% em 2012).

❄Fundos de investimento

O que são?

Um organismo de investimento coletivo em valores mobiliários (OICVM),


habitualmente designado por fundo de investimento, é uma imensa carteira detida por
inúmeros investidores que aplicam em comum o seu dinheiro em ações, obrigações,
depósitos, etc. O conjunto do seu património é gerido por uma equipa de especialistas, a
sociedade gestora, que pertence quase sempre a uma instituição financeira.

Cada investidor torna-se numa espécie de co-proprietário de uma parte da carteira


total do fundo. Esta carteira é normalmente composta por ações e/ou obrigações, mas uma
parcela pode também estar aplicada noutros produtos, como os depósitos bancários.
A sociedade gestora do fundo tem de respeitar a estratégia de investimento, tal como
está definida no prospeto. Se este prevê que a sociedade gestora apenas pode aplicar em
ações portuguesas, é interdita a possibilidade de apostar em ações de outros países ou
obrigações.

A forma mais adequada de distinguir os fundos é com base nos títulos em que
investem:

• Fundos monetários ou tesouraria - apostam, sobretudo, em títulos de grande


liquidez (depósitos a prazo, papel comercial, etc.);

• Fundos de obrigações - apostam principalmente em obrigações;

• Fundos de ações - fundos em que as ações predominam;

• Fundos mistos - quando investem em obrigações e ações e definem barreiras


para o peso das aplicações na carteira;

• Fundos flexíveis - quando investem em obrigações e ações e não definem


barreiras para o peso das aplicações na carteira;

• Fundos de fundos - têm como particularidade uma carteira composta por UP de


outros fundos;

• Fundos especiais de investimento - caracterizam-se por uma grande liberdade


na determinação da política de investimento;

• Fundos de poupança-reforma (PPR) - têm uma composição semelhante aos


fundos mistos, mas a lei atribuí-lhes um estatuto especial;

• Fundos de capital garantido - oferecem uma garantia total ou parcial dos


montantes investidos à custa de um menor rendimento potencial.
Segurança

Os fundos de investimento não poderiam deixar de estar sujeitos à conhecida regra


financeira: quanto maior o risco, maior a rentabilidade. Mas a verdade é que, nos fundos,
nem todos os riscos são da mesma natureza. Uns proveem do mercado onde se investe,
outros da própria gestão do fundo.

Como nem todos os fundos têm a mesma composição, nem todos correm os mesmos
riscos. Uns apostam na rentabilidade e, por isso, correm um risco maior. É o caso dos
fundos de ações portuguesas ou internacionais. Outros, como os fundos de tesouraria euro,
apostam na segurança e, por isso, o rendimento a esperar é, forçosamente, mais reduzido,
embora também mais regular.

Isto acontece porque os fundos de investimento não são aplicações que garantam, à
partida, uma determinada rentabilidade. Esta está intimamente relacionada com as
características dos títulos e dos mercados financeiros em que investem. O risco consiste,
sobretudo, na possibilidade de não reaver a totalidade do dinheiro investido, devido à
oscilação do valor dos títulos.

Portanto, o risco de cada fundo está dependente, sobretudo, da composição da


sua carteira. Um fundo de ações é sempre mais arriscado do que um fundo de tesouraria:
ninguém ignora que se correm mais riscos ao investir em ações do que em depósitos a
prazo.

Contudo, é preciso não esquecer que, salvo algumas exceções, os fundos de


investimento não garantem nenhum tipo de rendimento, nem o reembolso do capital
investido. Esta regra é válida mesmo para os fundos à partida pouco arriscados, como os
de tesouraria.

Também pode acontecer que o fundo seja mal gerido e perca parte do seu valor. Trata-
se de um outro tipo de risco, directamente relacionado com a competência da sociedade
que gere o fundo. Uma das formas utilizadas para contornar este problema é analisar o
histórico dos fundos e das sociedades gestoras. Em princípio, as gestoras e os fundos com
um bom comportamento no passado oferecem mais garantias sobre o seu desempenho
futuro.

Liquidez

Para aplicar as suas poupanças em fundos de investimento, basta dirigir-se a um


banco e aí preencher o impresso de subscrição. Em alternativa, também subscrever via
serviço telefónico ou naa Internet. Alguns também podem ser subscritos nos correios.

Montantes mínimos

O montante mínimo para investir nos fundos é um dos principais trunfos destas
aplicações, pois estão ao alcance de quase todas as bolsas: bastam poucas centenas de
euros para comprar unidades de participação (UP) da maioria dos fundos. O montante
mínimo consta do prospecto e ronda habitualmente os 500 euros.

Em muitos fundos, está ainda prevista a existência de unidades de participação


fracionadas. Isto é, o subscritor pode possuir um número não inteiro de UP.

Algumas sociedades gestoras estabelecem, não um montante, mas um número


mínimo de UP a subscrever. Nesse caso, para saber quanto será necessário aplicar, basta
multiplicar o preço de aquisição (afixado nos locais onde os fundos são comercializados)
pelo número de unidades. Os montantes exigidos para os reforços são, regra geral,
inferiores aos da subscrição inicial.

Pré-aviso de reembolso

Um aspeto bastante atrativo dos fundos abertos é a facilidade de reembolso. Tal como
a subscrição, o pedido de resgate pode ser feito em qualquer agência do banco onde o
fundo foi subscrito, através do serviço telefónico ou da Internet.
Todos os fundos abertos possuem uma liquidez elevada, embora raramente seja
possível dispor do dinheiro no próprio dia em que se pretende fazer o resgate. O prazo para
recuperar o dinheiro consta do prospcto simplificado e varia geralmente entre um e dez dias,
após a data de pedido do resgate.

• Fundos tesouraria euro - salvo algumas excepções, no dia útil seguinte;

• Fundos de obrigações - em média, três a cinco dias;

• Fundos de ações - cerca de cinco dias. Os que apostam em títulos mais


arriscados, como os fundos de ações dos mercados emergentes, poderão ser
superiores;

• Fundos especiais de investimento - em alguns casos poderá ser superior a um


mês.

Valor de reembolso

Nem sempre é possível conhecer, quando se efetua o pedido de reembolso das UP, o
valor exato que se irá receber. Isso tem a ver com o dia considerado para o cálculo do valor
patrimonial para reembolso: alguns fundos determinam que o dia a considerar é o do
pedido, na maioria dos casos é o dia útil seguinte. Apenas pode usar como aproximação, o
valor da unidade de participação já conhecido aquando da ordem de resgate.

Pode encontrar os valores patrimoniais das unidades nos principais jornais diários ou
nos sites das entidades gestoras, o que também lhe permitirá acompanhar a evolução do
investimento. Esse valor é calculado, na maioria dos casos, no final da tarde do dia anterior,
depois do fecho dos mercados (Euronext Lisboa, por exemplo).

Prazo

À partida, um fundo não tem uma duração pré-estabelecida. Dessa forma, quem acaba
por fixar o prazo da aplicação é o próprio investidor. Ou seja, a duração do investimento
será o tempo que decorre entre a ordem de subscrição e a de resgate. Contudo, na prática,
ocorrem algumas exceções:

• Por vezes, os fundos são liquidados. Isto é, a sociedade gestora decide pôr termo
ao fundo, vendendo o seu património (ações, obrigações, etc.) e entregando a cada
investidor a sua quota parte;

• Noutras ocasiões, o fundo pode ser incorporado noutro, através da transferência de


todo o seu património. Para o investidor, este processo de fusão não traz qualquer
tipo de custos nem afecta o valor total do seu investimento, embora o número de UP
detidas e o seu valor unitário deverão ser diferentes dos iniciais. Existe ainda a
possibilidade do fundo incorporante possuir uma política de investimento que não
interesse ao investidor, devendo então proceder ao resgate das UP.

Rendimento

Os fundos de investimento, cujas carteiras são constituídas, fundamentalmente, por


ações e obrigações, ao receberem dividendos e juros, também podem distribuir
rendimentos. No entanto, o mais habitual é a capitalização dos ganhos e a possibilidade de
mais-valias.

Estas ocorrem quando, graças a uma boa política de investimentos, o fundo aumenta
o seu valor, o que se traduz por uma subida equivalente do valor das UP. Se o subscritor
vender, nessa altura, as suas unidades, obtém uma mais-valia, ou seja, um ganho que
corresponde (se não houver custos) à diferença entre o preço da venda e o preço da
compra.

No entanto, onde há subidas também pode haver descidas: em períodos de "vacas


magras", os títulos em que os fundos apostaram podem, dependendo da sua natureza,
perder parte do seu valor, o que se traduz por uma perda equivalente do valor das unidades.

Investir num fundo de ações é quase a mesma coisa que aplicar em ações. Mesmo
um fundo baseado numa carteira de obrigações de taxa fixa não está ao abrigo destas
oscilações, porque quando as taxas de juro sobem, a cotação destas obrigações desce e,
consequentemente, também descerão os valores das unidades de participação desse
fundo.

O rendimento anual de um fundo é a combinação dos valores recebidos


(rendimentos distribuídos) ao longo do ano e da subida/queda do valor da unidade de
participação.

A escolha adequada da estratégia de investimento é essencial. Uma forma de obter


um bom rendimento das suas poupanças, mantendo o risco a um nível aceitável, consiste
em constituir uma carteira de fundos. Obviamente, também é possível constituir uma
carteira de ações e de obrigações individuais, mas esta opção exige informação específica
para a escolha dos títulos; mais tempo disponível para acompanhar diariamente a cotação
dos títulos; e quantias consideráveis para assegurar uma boa repartição da carteira. Por
isso, os fundos constituem, para a maioria dos investidores, a melhor opção.

A possibilidade de repartição da carteira por diferentes tipos de fundos dependerá do


tempo que o dinheiro possa permanecer aplicado (ou seja, do horizonte temporal do
investimento). Quanto mais dilatado for esse prazo, mais fundos de ações poderá meter na
carteira. O risco das aplicações em ações e obrigações de taxa fixa vai diminuindo com o
tempo. Por isso, apenas são recomendáveis a longo prazo: para tirar partido do seu
dinheiro, deverá aplicá-lo, no mínimo, durante cinco anos.

Os investidores de perfil mais agressivo optarão, certamente, por fundos de ações. Os


mais conservadores ou os que desejem obter rendimentos periódicos preferirão os fundos
de obrigações.
Outra possibilidade é confiar o seu dinheiro às decisões da sociedade gestora, para
que esta o aplique num fundo misto de ações e obrigações. Normalmente, é uma solução
interessante para os pequenos investidores, mas tem um inconveniente: não é possível
influenciar a repartição da percentagem de ações e obrigações, nem escolher os mercados
potencialmente mais interessantes.

Custos
As remunerações cobradas pelos serviços da sociedade gestora e pelo depositário,
bem como os demais custos, devem constar, expressamente, dos prospetos completo e
simplificado do fundo. Há que distinguir entre as despesas deduzidas ao próprio fundo e as
que são pagas diretamente pelo subscritor.

São deduzidas ao fundo:

• Comissão de gestão - é cobrada periodicamente, com base num cálculo diário, e


destina-se a cobrir todas as despesas de gestão. Por outras palavras, é o pagamento
pelo "trabalho" da sociedade gestora;

• Comissão de depósito - também é cobrada de forma periódica e serve para


remunerar os serviços da entidade depositária (guarda de títulos e operações de
compra e venda).

Os prospetos dos fundos têm de mencionar o valor da taxa global de custos (TGC).
Esta inclui a comissão de gestão e depósito, bem como outros custos inerentes à atividade
do fundo: a comissão de supervisão da CMVM, auditoria às suas contas, etc. De fora da
TGC, apenas ficam os encargos de compra/venda dos títulos em carteira.

Apesar de serem deduzidos automaticamente ao fundo, estes custos influenciam o


rendimento do investidor. Isso é fácil de perceber: se dois fundos tiverem um rendimento
anual de 7%, mas um cobrar 1% ao ano e o outro 2%, este último terá menos dinheiro para
dar ao subscritor. Quanto mais elevados forem os custos, menor será o rendimento do
investidor.

O participante tem de pagar diretamente:

• Comissão de subscrição - destina-se a cobrir as despesas de emissão das UP e é


paga no momento da subscrição;
• Comissão de resgate - é o encargo a suportar quando se recebe o dinheiro investido
e o respetivo rendimento.
Estas comissões são definidas em percentagem (2% do montante a resgatar, por
exemplo).

Em alguns fundos, as comissões de resgate dependem do tempo que o participante


manteve as UP em seu poder. A estrutura da comissão de resgate poderá ser do tipo: 2%
até 15 dias; 1% até 30 dias; 0,5% até 365 dias; 0% para mais de 365 dias.

O montante cobrado pode anular o interesse da aplicação. Por exemplo, se quiser


recuperar o dinheiro ao fim de três ou quatro dias, nalguns fundos poderá não ganhar nada,
noutros até poderá receber menos do que o montante investido.

Fiscalidade

Em primeiro lugar, há que estabelecer a diferença entre as obrigações fiscais do


próprio fundo e as de cada subscritor. Além disso, quando os fundos são geridos por
sociedades estrangeiras também existem algumas particularidades.

Fundos nacionais

No caso dos fundos sediados em Portugal, o IRS é retido aos próprios fundos. Ou seja,
quando a sociedade gestora recebe os juros ou as mais-valias dos títulos em que investe,
o imposto é imediatamente retido e os participantes só recebem os rendimentos líquidos do
fundo. O impacto dos impostos é refletido diariamente no valor do fundo e
consequentemente no valor divulgado da unidade de participação. No caso dos fundos de
distribuição, como já foram tributados, o rendimento entregue ao investidor é líquido.

Fundos estrangeiros

A fiscalidade dos fundos estrangeiros é diferente da praticada para os fundos sediados


em Portugal. A tributação só acontece no resgate ou quando o fundo distribui algum
rendimento. Nesse momento, os eventuais ganhos estarão sujeitos a IRS, à taxa de 26,5
por cento. O imposto a pagar será retido pela instituição, sediada no nosso país, que
comercializa os fundos.
Esta particularidade fiscal é essencial para se calcular a rentabilidade de um fundo
estrangeiro. Como a tributação só se dá no resgate, os valores apresentados para as
unidades de participação e para as rentabilidades são sempre em termos brutos (antes de
incidência do imposto).

Subscritores

Os subscritores de fundos de investimento não têm de se preocupar com o IRS. Dado


que o imposto é repercutido no fundo (nacionais) ou existe retenção na fonte a uma taxa
liberatória (estrangeiros), não é necessário inscrever os ganhos obtidos com fundos na
declaração de rendimentos.

Existe a opção pelo englobamento, mas só é vantajosa para quem estiver, na prática,
isento de IRS.

Abertos ou fechados

Os fundos também se distinguem na forma como são emitidas as unidades de


participação:

• Quando estas são em número variável, diz-se que se trata de um fundo aberto: na
prática, sempre que um novo investidor adere ao fundo são emitidas mais unidades
de participação (UP). Salvo raras excepções, os fundos são normalmente de tipo
aberto, o que facilita bastante a subscrição e o reembolso.

• Os fundos fechados, pelo contrário, caracterizam-se por possuírem, desde o início,


um número fixo de unidades. Depois de um período de subscrição limitado no tempo,
a sua compra/venda só é possível em determinadas circunstâncias.

Os fundos fechados têm geralmente um prazo predefinido que pode ir até dez anos.
Atingida a data estabelecida, os participantes podem optar pela sua liquidação ou
prorrogação. Na denominação deste tipo de fundos está frequentemente incluído o ano da
liquidação.

A legislação prevê a existência de fundos fechados com duração ilimitada, mas com a
obrigatoriedade dos mesmos estarem cotados em bolsa. Esta medida visa possibilitar a
venda das UP a qualquer momento e de uma forma mais transparente.

Ações

Os fundos de ações investem, predominantemente, em ações. Quando, pelo menos,


dois terços do total da carteira sejam dedicados a esse tipo de títulos, a lei estabelece que
a expressão "ações" terá de constar na designação do fundo.

Investir em fundos de ações é quase o mesmo que fazê-lo nas próprias ações, só que
por via indireta. Portanto, o rendimento da aplicação deriva da valorização dos títulos em
que o fundo investe. Porém, a cotação das ações varia constantemente, o que produz
grandes oscilações no valor dos fundos, que só se diluem no longo prazo.

Os ganhos dos investidores que apostam em fundos de ações resultam, sobretudo, da


diferença entre o montante investido na subscrição e o montante recebido no resgate. Como
investem em ações, estes fundos estão sujeitos a um risco considerável mas, em
compensação, também permitem "sonhar" com rendimentos de nível elevado: estima-se
que, a longo prazo, os montantes aplicados em ações permitem obter, em média, 3 a
4% mais que os produtos de baixo risco.

A incerteza associada a estes fundos provém, essencialmente, de dois fatores:


possíveis descidas de cotação das ações que compõem a carteira do fundo e, em alguns
casos, variação, em relação ao euro, do valor das divisas escolhidas.

A estratégia adoptada pela sociedade gestora também condiciona bastante o


rendimento de cada fundo. Se a qualidade de gestão for boa, a sociedade gestora tende a
selecionar os melhores títulos, gerando um rendimento superior ao do mercado onde
investe. Quando a gestão é menos boa, o comportamento do fundo tende a ser inferior ao
das bolsas.
Ações "generalistas"

Em termos gerais, os fundos de ações "generalistas" são todos os fundos de ações


cuja política de investimento esteja direcionada para uma ou várias bolsas de países
desenvolvidos. Além disso, à partida, não excluem nem têm preferência por determinados
tipos de empresas. Podem ser subdivididos em diversas categorias.

Assim, uns investem exclusivamente num único mercado. É o caso, por exemplo, dos
fundos de ações nacionais, cujo rendimento e risco estão bastante interligados à evolução
do mercado acionista português.

Outros são abrangentes e apostam em regiões mais amplas. Existem, por exemplo,
fundos que aplicam em países da zona euro e, por isso, também não incorrem em risco
cambial, à semelhança dos fundos de ações nacionais. Mas há ainda aqueles virados para
toda a Europa (zona euro, Reino Unido, Suíça, Noruega…).

Por último, há aqueles que investem à escala mundial, nomeadamente dividindo os


investimentos pelos três grandes blocos económicos (Europa, Estados Unidos e Japão).

Agrupamentos de fundos

Existe ainda um tipo de fundos cuja designação não deriva propriamente da


composição, mas antes da possibilidade de o subscritor transferir facilmente o seu dinheiro
entre os vários fundos que o constituem: o agrupamento de fundos. Trata-se de fundos,
divididos em subconjuntos, que permitem a mobilidade entre os vários compartimentos sem
serem cobradas quaisquer comissões pela transferência das unidades que os compõem.
Isto permite ao investidor gerir o seu dinheiro de forma mais dinâmica, transferindo-o entre
os diversos tipos de fundos.

Capitalização ou distribuição

Existe ainda um tipo de fundos cuja designação não deriva propriamente da


composição, mas antes da possibilidade de o subscritor transferir facilmente o seu dinheiro
entre os vários fundos que o constituem: o agrupamento de fundos. Trata-se de fundos,
divididos em subconjuntos, que permitem a mobilidade entre os vários compartimentos sem
serem cobradas quaisquer comissões pela transferência das unidades que os compõem.
Isto permite ao investidor gerir o seu dinheiro de forma mais dinâmica, transferindo-o entre
os diversos tipos de fundos.

Especiais de investimento

Os fundos especiais de investimento (FEI) podem investir nos mesmos valores mobiliários
(ações, obrigações, depósitos, outros fundos, etc.) que os restantes fundos. Contudo, os fundos
“normais” são restringidos por um conjunto de regras e limites à política de investimento que visam
a diversificação da carteira e a diminuição do grau de risco. Ora, nos FEI estas regras prudenciais
foram bastante aligeiradas. Existe considerável liberdade para efectuar operações de empréstimo
de valores mobiliários, utilizar instrumentos financeiros derivados (futuros e opções) ou mesmo
fazer vendas de títulos que não se possui (vendas a descoberto).

Mas a grande diferença dos FEI é a possibilidade de investirem noutros ativos quaisquer
desde que sejam bens duradouros e não sejam facilmente perecíveis. Apesar de se exceptuarem
os imóveis e o investimento directo em matérias-primas (commodities), o objeto principal de
investimento pode ser deixado completamente à “imaginação” da sociedade gestora.
É claro que esta a política de investimento mais vasta, bem como os limites aplicáveis aos
vários ativos, têm de ser indicados, de forma clara e precisa, nos respetivos prospetos. Refira-se
ainda que a CMVM pode condicionar a autorização do fundo à sua comercialização junto de
determinados segmentos de investidores. Por outras palavras, dado o elevado risco destes fundos,
o público-alvo, por norma, não deverá ser o pequeno investidor. Nesse sentido, os montantes
mínimos exigidos também são elevados. Apesar de todas as precauções, a supervisão deste tipo
de fundos é sempre mais difícil.

"Éticos"

O conceito de investidor responsável deu origem a um novo tipo de fundos.


Denominados, por vezes, de éticos, não são geridos unicamente por critérios financeiros e
garantem aos investidores que determinadas empresas têm de cumprir um determinado
conjunto de critérios.
No entanto, o termo "ético" é multifacetado. Os critérios utilizados para a seleção das
ações que irão compor o fundo podem ser de teor ecológico, político, religioso, etc.,
consoante o investidor-alvo a que se destinam. Por exemplo, os investidores que se
mostrem mais preocupados com o ambiente poderão optar por um fundo que só invista em
empresas que contribuam para o desenvolvimento sustentado do planeta. Ou, ainda,
possibilitar a um investidor católico ou muçulmano o investimento exclusivamente em
empresas que respeitem as suas crenças religiosas.

Se, nos Estados Unidos, este tipo de fundos é comum, na Europa e, em particular, em
Portugal, ainda estão pouco divulgados. Refira-se ainda que os fundos com preocupações
especiais não têm, necessariamente, de investir unicamente em ações, podendo ter, por
exemplo, uma política de investimento mista (ações, obrigações, etc.).

Falência de um fundo?

As normas estabelecidas para o funcionamento dos fundos são muito restritivas,


de forma a precaver situações que possam pôr em risco o dinheiro dos subscritores.
Vejamos quais são:

• A constituição de todo e qualquer fundo tem de ser autorizada pela Comissão do


Mercado de Valores Mobiliários.

• Os fundos de investimento possuem um património autónomo, que pertence aos


subscritores das UP. Isto significa que o dinheiro investido não pode ser utilizado, em
caso algum, para pagar dívidas da sociedade gestora.

• Quando uma empresa abre falência, isso significa que não conseguiu pagar as suas
dívidas. No caso dos fundos, a lei condiciona bastante o endividamento. Um fundo
só pode endividar-se temporariamente e, mesmo assim, não o pode fazer em
montantes superiores a 10% do valor global do fundo, no caso de fundos abertos, e
de 20%, para os fechados. Em relação aos fundos imobiliários, os abertos têm o limite
de endividamento de 25% e os fechados de 33 por cento.
• Os fundos não podem garantir empréstimos de terceiros. Portanto, nenhum fundo pode
comprometer-se a pagar dívidas de empresas.

• Os fundos não podem fazer vendas a descoberto, ou seja, vender títulos que, na
realidade, não possuem.

• Um gestor desonesto também terá muita dificuldade em aproveitar-se do dinheiro dos


subscritores. Os títulos adquiridos pelo fundo são depositados numa instituição
financeira (entidade depositária). Esta instituição, normalmente um banco, tem a
missão de controlar o desenrolar das operações. Os gestores, por exemplo, serão
impedidos de registar, em seu nome, títulos do fundo.

• Nas situações em que haja falência do depositário e o investidor não consiga reaver o
dinheiro investido, existe ainda o Sistema de Indemnização ao Investidor.

Um fundo nunca pode falir, pode é perder valor! Na verdade, a sociedade ou o banco
depositário podem falir, mas nunca o próprio fundo.

Sistema de Indemnização aos Investidores

O Sistema de Indemnização aos Investidores (SII) é uma pessoa coletiva de direito


público com o objetivo de proteger os pequenos investidores e que funciona junto da
Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Este sistema destina-se a cobrir os riscos de falência dos bancos ou corretoras. Assim,
se de repente “desaparecerem” as ações que tinha em carteira, nem tudo está perdido. O
SII protege parcialmente os investidores face a tais acontecimentos.

A proteção oferecida pelo SII inclui os seguintes instrumentos financeiros: ações,


obrigações, títulos de participação, unidades de participação em fundos de investimento,
entre outros. Garante também o dinheiro entregue ao intermediário financeiro destinado
expressamente a ser investido em instrumentos financeiros. É o caso, por exemplo, de uma
conta numa corretora.
Contudo, o SII não garante a devolução da totalidade dos instrumentos financeiros,
sendo o reembolso máximo de 25 000 euros. O valor limite é estabelecido por investidor e
não por conta. Por exemplo, numa conta com dois titulares, o reembolso máximo seria de
50 000 euros. O montante das indemnizações é calculado com base no valor dos
instrumentos financeiros à data do acionamento do sistema, isto é, a data da falência da
empresa. Assim, o fundo não compensa as desvalorizações dos instrumentos financeiros.

Se, por exemplo, o Rui tiver em carteira 1000 ações do BPI e a sua corretora for à
falência, ele terá direito a receber um valor correspondente a 1000 ações vezes a cotação
do BPI na altura em que o sistema for acionado. Se essa cotação for, por exemplo, de 3,30
euros, o Rui receberá 3300 euros (3,30 euros x 1000 ações), independentemente do
montante que inicialmente pagou por essas ações. Essa quantia pode ter sido superior ou
inferior aos 3,30 euros.

Morada: Rua Laura Alves, 4


Apartado 14258
1064-003 Lisboa
Telefone: 213 177 000
Fax: 213 537 077/8
E-mail: cmvm@cmvm.pt

Forma jurídica

Apesar de serem vulgarmente conhecidos como fundos de investimento, a designação


correta deste tipo de aplicações é organismo de investimento coletivo em valores
mobiliários. Os OICVM subdividem-se consoante a sua natureza jurídica:

• Fundos de investimento mobiliário sob a forma contratual - esta classificação


aplica-se aos fundos onde existe uma separação jurídica entre o património do fundo
e a sociedade gestora. A totalidade dos fundos geridos em Portugal é deste tipo.

• Sociedades de investimento mobiliário - a sociedade gestora e o património


constituem uma só entidade. No nosso país, a legislação prevê a criação deste tipo
de OICVM, mas o seu enquadramento legal ainda não está completo. Por outro lado,
a grande maioria dos OICVM geridos por sociedades estrangeiras e comercializados
em Portugal é deste tipo, sendo também denominados de sociedades de
investimento com capital variável - SICAV.

Dada esta distinção, não é totalmente correto denominar os OICVM de "fundos de


investimento". Apesar disso, nos aspetos relevantes para o investidor, o funcionamento é idêntico
quer se trate de um fundo ou uma SICAV. Assim, optamos por usar sempre a terminologia "fundo
de investimento" quando nos referimos a ambos os tipos de OICVM.

Fundos-índice

Normalmente, é a sociedade gestora que define a percentagem do fundo a investir em


cada ação, consoante as perspetivas de cada título. Quando existe esta abordagem
dizemos que se trata de uma gestão ativa, onde o gestor do fundo tenta "bater" o mercado.
No campo oposto encontramos a gestão passiva, que consiste na cópia exacta da
evolução do mercado. O expoente máximo desta abordagem é os fundos-índice, onde o
gestor apenas replica o índice escolhido, atribuindo às diversas ações um peso exatamente
igual ao índice de referência.

Por exemplo, um fundo de ações indexado ao índice PSI-20 da bolsa nacional teria
uma composição igual à desse índice. Dado que o trabalho do gestor é muito menor, estes
fundos tendem a praticar comissões mais baixas. Ainda assim, essas comissões, os custos
de transação e os impostos implicam que a rentabilidade de um fundo-índice fique sempre
um pouco aquém do índice de referência.

Fundos de fundos

Os fundos de fundos não são, propriamente, uma categoria específica de fundos.


Apresentamo-los separadamente, porque a lei lhes dá um estatuto à parte, definindo-os
como uma modalidade especial de fundos e impondo-lhes determinadas restrições.

Os fundos de fundos são constituídos, exclusivamente, por unidades de participação


de outros fundos de investimento, embora também possam incluir aplicações com alguma
liquidez para compensarem eventuais resgates. São facilmente identificáveis: na sua
designação deve constar a expressão fundo de fundos ou, pelo menos, a sigla F.F.

A sua principal vantagem consiste na maior facilidade de diversificação, tanto dos


títulos (ações, obrigações, etc.), como dos mercados ou regiões. Mas existe um importante
senão: a duplicação das comissões de gestão e depósito. Os subscritores têm de pagar
não só as comissões do próprio fundo de fundos, mas também as relativas à gestão e
depósito dos fundos em que este investe, pois estas refletem-se no valor de cada fundo.

Garantia de capital?

Salvo raras excepções, os fundos de investimento não garantem, à partida, qualquer


rendimento, nem sequer o capital investido. Mas, como diz o ditado, “não há regra sem
exceção”. Alguns fundos garantem ao investidor o capital investido ou, pelo menos, uma
parte do montante aplicado.

No entanto, as comissões dos fundos de capital garantido tendem a ser elevadíssimas


e o potencial de valorização fica sempre aquém dos restantes. Isto porque, para oferecerem
a garantia de capital, os fundos nunca podem apostar tanto no mercado como um fundo
“normal”.

Geralmente, os fundos que oferecem garantias de capital são fechados e têm uma
duração limitada no tempo, sendo liquidados numa data definida. Existe também a
possibilidade de serem transacionados em bolsa.

Harmonizados❄

Quando a política de investimento e os procedimentos para a divulgação de


informação de um fundo seguem as diretivas comunitárias de investimento coletivo,
estamos perante um fundo em harmonizados, caso contrário, dir-se-á não-harmonizado.

Com as recentes alterações das diretivas e a sua transposição para a legislação


nacional, os fundos são quase todos considerados harmonizados. Mesmo os fundos
monetários e os fundos de fundos também já se podem enquadrar nessa classificação. De
fora ficam ainda, por exemplo, os fundos fechados e os fundos especiais de investimento.

Nos fundos harmonizados, a supervisão e as regras prudenciais estão, em grande


medida, asseguradas ao nível que é exigido na União Europeia. Dessa forma, o risco
depende apenas dos títulos que compõem o fundo. Nos não-harmonizados, dado que o
enquadramento não é tão restrito, o risco pode ser consideravelmente superior.

A harmonização significa também que esses fundos são portadores de uma espécie
de passaporte europeu. Em princípio, o passaporte permite-lhes ser comercializados em
qualquer país da UE, necessitando apenas de uma simples autorização por parte das
entidades supervisoras locais.

Mercados emergentes

A designação mercados emergentes aplica-se a certas regiões (ou países) com


grande potencial de crescimento, que, ainda há bem pouco tempo, eram consideradas
subdesenvolvidas. É o caso, sobretudo, do sudeste asiático (Coreia do Sul, Tailândia,
Malásia, China), da América latina (Brasil, México, Argentina), da Europa central e oriental
(Hungria, Polónia, República Checa, Rússia) ou ainda da Índia ou da África do Sul.

Muitos desses países ainda são caracterizados por estruturas económicas pouco
consolidadas, mais sensíveis a choques externos (subida do preço de petróleo, crise nos
mercados de exportação, preços de outras matérias-primas, etc.) e, nalguns casos, ainda
sofrem de alguma instabilidade política e social.

Mas essa realidade tem igualmente uma grande vantagem: o “espaço” de crescimento
é muito superior ao das economias desenvolvidas. No longo prazo, essa possibilidade
permite às empresas desses países apresentarem perspetivas de aumento dos lucros mais
interessantes.

Mistos
Ao contrário de outros fundos de investimento, os fundos mistos não são
especializados em determinado tipo de aplicações. Por isso, as suas carteiras são
compostas por ações, obrigações, depósitos bancários e até unidades de participação em
outros fundos de investimento.

Apesar dessa opção comum pela diversificação, não se pode afirmar que os fundos
mistos possuem políticas de investimento semelhantes. Longe disso, podem ter
potencialidades e níveis de risco completamente diferentes entre si: uns privilegiam
claramente o investimento em ações, outros apostam mais nas obrigações, outros têm uma
carteira bastante diversificada internacionalmente, apostando em vários países e regiões
carteira.

Os fundos mistos definem, nos respectivos prospetos, limites para o investimento em


ações e/ou outras aplicações. Esse facto pode limitar um pouco a margem de manobra da
sociedade gestora, mas oferece maior segurança ao investidor, que conhece à partida o
nível máximo de risco a que se está a expor quando faz a subscrição.

Uma das formas utilizadas para compartimentar e diferenciar os fundos mistos é a


percentagem da carteira que dedicam às ações, habitualmente a aplicação mais arriscada!
É claro que o risco de um fundo também pode ser influenciado por outras aplicações,
nomeadamente as obrigações de longo prazo, obrigações de alto risco ou mesmo a aposta
em moedas que não o euro.

Consideramos que a classificação com base na percentagem aplicada em ações é a


mais ilustrativa do nível de risco do fundo. Assim, consoante o maior ou menor grau da
aposta em ações, dividimos estes fundos em três tipos: defensivos, neutros e agressivos.

Defensivos

Investem pouco em ações, representando estas menos de 30% da carteira. São a


subcategoria mais numerosa. Estes fundos têm um risco relativamente mais baixo, mas o
rendimento potencial também é menos atrativo, embora seja superior ao dos fundos
monetários euro e ao das obrigações de taxa variável. É aconselhável investir por um
período mínimo de cinco anos.
Neutros

Nestes, as ações ocupam uma parcela significativa: 30% a 50% da carteira.


Caracterizam-se por um certo equilíbrio entre a componente de ações e a de rendimento
fixo. Esta repartição implica um ganho potencial e um risco superiores face aos defensivos.
Assim, o horizonte de investimento para esta subcategoria de fundos deve ser de dez anos.

Agressivos

Trata-se de fundos que dedicam, pelo menos, metade da carteira ao investimento em


ações. Podem proporcionar rendimentos elevados, mas também comportam maiores
riscos, sendo frequentes as flutuações do seu valor. São, por isso, adequados para prazos
ainda mais longos: entre 15 a 20 anos.

Flexíveis

Os fundos flexíveis possuem um política de investimento mista (ações e obrigações),


mas não estabelecem limites para o investimento em ações e/ou outras aplicações, pelo
que não podem ser incluídos em nenhuma das categorias anteriores.

Esta vertente dá mais margem de manobra para a sociedade gestora ajustar as suas
decisões à conjuntura dos mercados, mas impede que o investidor controle o nível de risco
a que se pretende expor. No limite, os fundos flexíveis podem assumir um risco semelhante
aos fundos de ações.

Nacionais ou estrangeiros

Nos fundos nacionais ou estrangeiros, faz-se a distinção entre os fundos geridos por
sociedades com sede no nosso país e os geridos por entidades sediadas em outros países
(Luxemburgo, Irlanda, Alemanha).

• Fundos nacionais: a denominação “nacional” não tem qualquer relação com o


mercado onde investem, mas apenas com a sede da sociedade gestora. Em termos
de montantes aplicados, os fundos nacionais continuam a ser os mais importantes
em Portugal;

• Fundos estrangeiros: são os fundos geridos fora do nosso país, sendo a fiscalidade
o seu principal elemento distintivo. A comercialização de fundos estrangeiros no
nosso país também está dependente de comunicação e autorização da Comissão do
Mercado de Valores Mobiliários.

A forma de funcionamento dos fundos estrangeiros é bastante similar à dos que são
sediados em Portugal, mas há algumas diferenças. São, por norma, acompanhados de um
prospeto completo, mas não dispõem de um prospeto simplificado. No seu lugar, existe a
denominada Nota Informativa Complementar - NIC.

A rentabilidade apresentada por um fundo estrangeiro não pode ser diretamente


comparada com um fundo de política de investimento semelhante, mas sediado em
Portugal.

Quando o valor patrimonial é definido numa moeda que não o euro, a sua subscrição
pode implicar custos cambiais no processo de conversão dos euros investidos para essa
divisa. Mas, além desse facto, a moeda em que as unidades de participação são emitidas
não influencia diretamente o rendimento do fundo. O que interessa são as moedas dos
títulos em que o fundo investe. O valor de um fundo que invista, por exemplo, em obrigações
em euros e em dólares norte-americanos será determinado pelo valor desses títulos nas
bolsas e não pelo facto do fundo ser denominado em euros ou dólares.

Obrigações

A carteira dos fundos de obrigações é composta maioritariamente por obrigações.
Contudo, essa restrição não é suficiente para caracterizá-los. A relação rendimento/risco
das obrigações pode variar consideravelmente consoante sejam de taxa fixa ou variável, o
emitente das obrigações ou ainda da divisa na qual se encontram expressas.
Assim, podemos dizer que os fundos de obrigações estão sujeitos a, pelo menos um,
dos seguintes três tipos de risco:
• Risco de subida das taxas de juro nos países onde o fundo investe. Se isso
acontecer, o preço das obrigações (de taxa fixa) existentes desce, dado que se
tornam menos atrativas que as novas, que serão emitidas com uma taxa de juro mais
elevada. Em consequência, o valor do fundo também diminuirá.

• Risco de crédito associado à entidade emissora do título. Se aquela se tornar incapaz


de reembolsar o dinheiro aplicado ou de pagar os juros, o fundo perderá valor. No
entanto, em termos reais, este risco tende a ser reduzido, uma vez que as sociedades
gestoras preferem emitentes com um baixo grau de risco. Obviamente que há
exceções, como é o caso dos fundos de alto risco.

• Risco cambial. Pode acontecer que a(s) moeda(s) das aplicações em que o fundo
investe baixe(m) ou suba(m) de valor em relação ao euro, o que se traduzirá em
perdas ou ganhos cambiais.

A legislação em vigor determina que os fundos indiquem na sua denominação o tipo


de obrigações a que dão preferência, fazendo a distinção entre taxa fixa/taxa variável.
Assim, por exemplo, um fundo de obrigações que aplique mais de 50% da carteira em títulos
de taxa fixa deverá incluir na sua designação “obrigações de taxa fixa”. Se mais de 50%
das obrigações forem de cupão variável então será “obrigações de taxa variável”. No caso
do fundo não prever dar nenhuma preferência, a denominação incluirá somente:
“obrigações”.

Obrigações de alto risco

Os fundos de obrigações de alto risco são também conhecidos por high yield (ou
alto rendimento), sendo a sua característica distintiva não o tipo de taxa (fixa ou variável)
nem a moeda (euro, dólar), mas o emitente.

A escolha das obrigações é feita deliberadamente entre empresas com notações


(ratings) mais baixas. Uma estratégia que visa tirar proveito das taxas de juro mais elevadas
que essas obrigações proporcionam. O reverso da medalha é obviamente um risco de
crédito muito superior, dado que as situações de incumprimento e de falência são elevadas
entre empresas com ratings reduzidos.

A aposta neste tipo de fundos deve ser só feita pelos que desejam assumir um risco
considerável na esperança de rendimentos também elevados

Obrigações taxa variável euro

Os fundos de obrigações de taxa variável investem sobretudo em obrigações de


taxa variável e denominadas em euros. Logo, quase não são afetados pelas flutuações das
taxas de juro de longo prazo e pelas taxas de câmbio, pelo que o rendimento e o risco
seriam, à partida, reduzidos.

Os ganhos acompanhariam a evolução das taxas de juro de curto prazo do mercado.


Contudo, o rendimento destes fundos foi bastante atingido por outro fator, o risco de crédito.
Durante a crise financeira de 2008, inúmeras empresas entraram em incumprimento e o
valor das respetivas obrigações caiu a pique levando consigo a rentabilidade dos fundos.
Em muitos casos, ocorreram até perdas significativas. As hipóteses de recuperação são
diminutas. Mantenha-se afastado.

Obrigações taxa fixa euro

São considerados fundos de taxa fixa euro os que investem, pelo menos, metade da
carteira em obrigações de taxa fixa e que sejam expressas em euros. Porque investem a
longo prazo, estes fundos têm um rendimento superior ao dos produtos que apostam no
curto prazo.

As obrigações em que apostam estes fundos mantêm a mesma taxa de juro ao longo
da sua existência. Isto produz o seguinte efeito: quando as taxas de juro do mercado
descem, as novas obrigações são emitidas a uma taxa inferior, enquanto que as já
existentes, como mantêm a taxa mais alta, são mais procuradas e sobem de preço. Porém,
o inverso também pode acontecer, por isso, estes fundos comportam o risco de taxa de
juro.
Devido à grande dependência relativamente à evolução das taxas de juro das novas
obrigações, só são aconselháveis para quem possa investir a médio (dois a cinco anos) ou
a longo prazo (cinco ou mais anos). Por isso, também se podem denominar de fundos de
obrigações euro médio/longo prazo.

Obrigações em outras divisas

Incluem-se na categoria obrigações em outras divisas os fundos que apostam parte


considerável da sua carteira em aplicações expressas em moedas estrangeiras. Se essa é
a sua característica comum, nada impede que encontremos importantes diferenças mesmo
dentro desta categoria. Por um lado, existem fundos dedicados a divisas específicas: dólar
australiano (AUD), dólar canadiano (CAD), dólar norte-americano (USD), libra esterlina
(GBP), etc. Por outro, é possível encontrar fundos que diversifiquem a sua carteira a nível
europeu ou mundial.

A grande maioria destes fundos aposta em obrigações de dívida pública de taxa fixa
emitidas por países desenvolvidos. Assim, o risco de crédito é reduzido, mas estão mais
expostos a uma eventual subida das taxas de juro. Não obstante, o principal elemento
distintivo face aos restantes fundos de obrigações é o facto da divisa em que estão
denominadas não ser o euro, pelo que acresce ainda o risco cambial a que fizemos
referência.

Por fim, encontramos ainda alguns fundos de obrigações virados para dívida pública
economias emergentes. Dado que os emitentes são menos fiáveis, esta subcategoria acaba
por estar bastante exposta a todos os tipos de risco: taxa de juro, crédito e cambial.

Os fundos de obrigações de outras divisas podem ser utilizados quando existe a


expectativa de valorização a curto prazo de uma determinada divisa face ao euro. Porém é
muito difícil prever os movimentos cambiais nos próximos dias ou meses. Só quando o
horizonte de tempo é mais alargado é que existem diversos modelos económicos que
ajudam nessa tarefa de previsão. Se se dispõe desse tipo de informação, estes fundos são
ideais para diversificar a carteira.

Planos de Poupança em Ações (PPA)


Subscrever um Plano de Poupança em Ações (PPA) significa investir em ações
nacionais, mas são fundos com características particulares. Cada titular não pode
subscrever mais do que um PPA.
Ao contrário do que acontece nos fundos de ações, em que não está estabelecido
qualquer horizonte temporal para a aplicação, o prazo mínimo nos PPA é de seis anos,
contados a partir da data da primeira entrega. Após este período, o prazo poderá ser
prolongado, por períodos sucessivos de mais três anos, durante os quais é possível, a
qualquer momento, levantar o dinheiro.

Os fundos PPA não são alvo de tributação. Por exemplo, quando obtêm mais-valias
ou recebem dividendos de ações, não pagam imposto. A tributação ocorre apenas no
momento em que investidor procede ao resgate. Nesse momento, os ganhos obtidos, caso
existam, são tributados e o imposto é retido na fonte.

Por outro lado, a taxa de imposto a aplicar varia com a duração do PPA. Assim, se
este for detido por um período significativo de tempo, o investidor poderá beneficiar de uma
tributação mais reduzida sobre os eventuais ganhos.

As taxas reduzidas só serão válidas se, pelo menos, 35% das entregas forem feitas na
primeira metade do plano. Em princípio, quem faz aplicações regulares cumpre este critério.

A lei prevê ainda possibilidade de transferir o capital de um PPA para outro. Uma opção
que deve ser ponderada caso o investidor não esteja satisfeito com o desempenho do seu
plano. Contudo, a transferência implica pagar, quase sempre, uma comissão. Esta é,
geralmente, elevada: cerca de 2 a 3 por cento.

Prospeto

Cada fundo tem um prospeto completo que estabelece exaustivamente todas as suas
características. Este inclui o regulamento de gestão e constitui o documento de base de um
fundo. Todavia, a informação que consta do prospeto completo tende a ser muito “densa”
e, por vezes, de difícil interpretação.

Para colmatar esta falha, existe o prospecto simplificado. Este documento resume as
principais características do fundo e deve ser sempre entregue aos subscritores antes da
subscrição. Entre outras informações, poderá encontrar no prospeto simplificado:

• Denominação do fundo - permite identificar, em muitos casos, o tipo de fundo em


questão ou, pelo menos, se se trata de um fundo de ações ou de obrigações;

• Denominação e sede da entidade gestora e do depositário - trata-se de uma


informação fundamental, já que são as entidades a que deverá dirigir-se para
qualquer assunto ligado à gestão (eventuais reclamações, por exemplo) e registo das
operações do fundo;

• Política de investimentos do fundo - define os objetivos e o tipo de aplicações em


que pretende investir. Esta informação permite-lhe conhecer melhor os riscos que
está a assumir;

• Valor, modo de cálculo e condições de cobrança das comissões - dados


indispensáveis para a comparação com outros investimentos do mesmo tipo;

• Pré-aviso ou prazo de reembolso - na altura do resgate das unidades, quantos dias


é necessário esperar para ter o dinheiro na conta? O prospeto deve indicar
claramente qual o prazo de pré-aviso exigido;

• Rendimentos - permite saber se o fundo distribui ou capitaliza os rendimentos. No


caso de se tratar de um fundo de distribuição, também deverá indicar a periodicidade
da mesma.

Setoriais

Com a crescente integração dos mercados e o fenómeno da globalização, a repartição


geográfica dos investimentos tem vindo a sofrer a concorrência de outro tipo de abordagem:
a setorial. Por outras palavras, o importante não é tanto escolher o país onde se investe,
mas sim o setor da economia em que se aposta.

Assim, nasceram os fundos de ações sectoriais, cuja política de investimento não é


virada para a bolsa portuguesa, zona euro ou dos EUA, mas antes para o sector financeiro
ou para as telecomunicações ou outro qualquer setor económico.

Apesar desta última abordagem ter vindo a ganhar peso, é indiscutível que o fator
“geográfico” não pode ser totalmente descurado, nomeadamente, quando comparamos as
perspetivas dos grandes blocos económicos (Europa, Estados Unidos e Japão). Assim,
também podemos encontrar fundos setoriais do setor financeiro europeu ou do setor
tecnológico norte-americano. As combinações são imensas.

A grande vantagem deste tipo de fundos é permitir que o investidor esteja mais exposto
ao setor que irá beneficiar mais com as perspetivas a médio prazo da economia. Num
momento de crise económica poder-se-ia apostar num fundo com ações de empresas de
setores como o da alimentação e bebidas ou farmacêutico. As fases de recuperação
económica possibilitam uma exposição ao setor financeiro ou a atividades cíclicas (ex.:
setor automóvel).

Porém, esta aparente vantagem tem os seus inconvenientes. Ao subscrever um fundo


setorial, o investidor está sujeito a um nível de risco muito superior. Um único setor está
muito mais vulnerável a acontecimentos negativos do que um fundo de ações “generalista”,
onde o nível de diversificação é muito maior.

Tesouraria/monetários euro

Os fundos de tesouraria é uma das categorias com maior importância, tendo em


conta os montantes neles investidos. Este sucesso advém de terem um risco quase nulo,
elevada liquidez e o rendimento ser relativamente certo. Ou seja, por um lado, a
possibilidade de o subscritor vir a perder dinheiro é praticamente inexistente. Por outro, o
dinheiro está quase sempre disponível no dia útil seguinte ao pedido de resgate.
Quanto ao rendimento, os fundos monetários euro propiciam ganhos constantes e
seguros, mas dependentes das taxas de juro de curto prazo. Para ter uma ideia de quanto,
em média, é razoável esperar, por mês, utilize, como referência, a taxa Euribor a seis
meses.

A quase totalidade da carteira destes fundos, é composta por títulos denominados em


euros ou, quando optam por outras divisas, protegem-se do risco cambial, pelo que tudo se
passa como se investissem somente na moeda única europeia. Dessa forma, o risco a que
se expõem está bastante limitado.

Apesar disso, existe sempre alguma incerteza: é possível o incumprimento por parte
de algum banco onde o fundo possua um depósito ou pode suceder o não pagamento dos
juros ou do reembolso de obrigações que o fundo tenha adquirido.

De acordo com a legislação em vigor desde o início de 2004, a denominação destes


fundos (OICVM) deve incluir a expressão "tesouraria" ou “mercado monetário”. Para se
poder denominar de “tesouraria”, um fundo tem de possuir, entre 50 e 85% da sua carteira
em valores mobiliários com prazo inferior a 12 meses (alguns depósitos a prazo e papel
comercial, por exemplo), não podendo os depósitos bancários exceder 50% do valor do
fundo. Além disso, está-lhes vedado o investimento em:

• Ações;

• Títulos de participação;

• Obrigações subordinadas, convertíveis ou outras que confiram o direito de aquisição


de ações;

• Outros fundos cujo prospeto não impeça as aplicações acima referidas.

• Se o prospeto definir ainda 85% como fasquia mínima para as aplicações em valores
mobiliários com prazo de vencimento inferior a 12 meses, o fundo assume a
designação de “mercado monetário”. Nestes casos, não existe o limite máximo de
50% para os depósitos bancários.
Tesouraria/monetários em outras divisas

Face aos fundos monetários euro, os fundos monetários de outras divisas investem
em títulos emitidos noutras moedas (por exemplo, USD - dólar norte-americano, GBP - libra
esterlina, etc.), o que lhes confere um risco significativo. Uma variação desfavorável da
divisa estrangeira implicaria perdas para o investidor.

Dado o risco acrescido, só nalgumas situações específicas deverá subscrever fundos


desta categoria:

• Necessidade de ter poupanças em moeda estrangeira;

• Opção consciente pela especulação;

• Intuito de diversificar a carteira embora, neste caso, seja preferível optar por fundos de
obrigações na divisa pretendida e não num fundo monetário.

Valor patrimonial

A quantia que o investidor paga pela subscrição, ou recebe pela venda, de cada
unidade de participação (UP) depende do valor do fundo. Por outras palavras, o valor
patrimonial de cada UP resulta da divisão do valor da carteira pelo número de unidades
em circulação. Sendo que o património da carteira, correspondente à soma do valor de
todos os títulos que a compõem (ações, obrigações, depósitos bancários, etc.).

Se, por exemplo, o património de um fundo estivesse avaliado em 10 200 000 de euros
e existissem 4 000 000 de UP, cada uma valeria 2,55 euros.
10 200 000 : 4 000 000 = 2,55 euros

Posso investir nas carteiras recomendadas de fundos através do Barclays Global


Trader?
O nosso associado G.S, de Lisboa, quer saber se pode investir nas nossas carteiras
recomendadas de fundos através do Barclays Global Trader.
Apenas corretagem de acções

O Barclays Global Trader é um serviço de corretagem, por isso está vocacionado para
o investimento direto em ações e não em fundos. No entanto, o Barclays também
disponibiliza fundos de investimento. Contudo, a oferta é limitada e não abrange todas
as categorias que recomendamos. Não é possível replicar as nossas carteiras-modelo
através do Barclays.

Adira ao nosso protocolo de fundos


A pensar nos nossos subscritores como G.S., celebrámos com a sociedade gestora
Optimize um protocolo que permite um investimento instantâneo nas nossas carteiras a 10
anos. A Optimize Selecção é uma conta de gestão de património, acessível a partir de 5000
euros, cuja política de investimento consiste na reprodução dos conselhos da PROTESTE
INVESTE sobre fundos. Todas as operações com os fundos são executadas pela Optimize.
Não há qualquer custo além daqueles cobrados pelos fundos.

Qual o impacto do câmbio na rentabilidade dos fundos?

Diversificar é um dos objetivos do nosso associado António Costa, de Coimbra.


Ele pretende investir em fundos de obrigações noutras divisas que não o euro.
Porém, tem dúvidas sobre o impacto que o movimento cambial pode ter na sua
carteira.

Ao investir num fundo de investimento cotado numa divisa que não o euro, é preciso separar
os ganhos (ou as perdas) do fundo, refletidos na variação da unidade de participação, da
variação da própria divisa. Assim, é possível ter um ganho no fundo que se transforma numa
perda ao contabilizar a variação cambial ou pode ver o valor da unidade de participação
diminuir mas acabar por ter ganhos através do movimento cambial.

Para aferir a rentabilidade, deve tomar-se o último valor da unidade de participação e


convertê-lo para euros ao câmbio do dia. A depreciação do euro face a outras divisas
representa um ganho para um investidor com ativos denominados nessas divisas.

É relevante referir um pormenor da fiscalidade aplicável: o critério seguido pela Autoridade


Tributária e Aduaneira não leva em conta o efeito cambial. Se existe um aumento de valor
da unidade de participação, na moeda do fundo, há lugar a tributação; se não existe, não
há qualquer tributação. Portanto, num fundo denominado numa moeda estrangeira, os
ganhos cambiais não são tributados.

Como são tributados os fundos mistos?

Em 2011, o leitor Paulo Moreira, da Maia (Porto), vendeu algumas unidades de


participação de fundos mistos e pretende saber se tem de declarar as mais ou menos-
valias obtidas com a venda na sua declaração de IRS.

Os subscritores de fundos de investimento não têm de se preocupar com o IRS. No


caso dos fundos sediados em Portugal, o IRS é retido aos próprios fundos. Ou seja, quando
a sociedade gestora recebe os juros ou as mais-valias dos títulos em que investe, o imposto
é imediatamente retido e os participantes só recebem os rendimentos líquidos do fundo.
A fiscalidade dos fundos estrangeiros é diferente. A tributação só acontece no resgate
ou quando o fundo distribui algum rendimento. Nesse momento, os eventuais ganhos
estarão sujeitos a IRS, à taxa de 25 por cento. O imposto a pagar será retido pela instituição,
sediada no nosso país, que comercializa os fundos.

Assim, o nosso leitor não terá de indicar os ganhos obtidos com fundos na sua
declaração de rendimentos. Existe a opção pelo englobamento, mas só é vantajosa para
quem, na prática, estiver isento de IRS.

Qual o valor de UP na subscrição e resgate de um fundo?

Um fundo de investimento é constituído por um conjunto de ativos financeiros:


depósitos, ações, obrigações, divisas, etc. O peso de cada componente no valor do fundo
vai depender do tipo de política de investimento da sociedade gestora.

Mas quanto custa essa participação? O valor de cada UP é calculado, com um


determinada periodicidade (que normalmente é diária), dividindo o valor global do fundo, já
descontado de impostos e custos, pelo número de unidades de participação em circulação.
Como o valor global do fundo evolui em função das cotações dos títulos e divisas que
compõem a carteira do fundo, é claro que o valor das unidades de participação também irá
variar.
• Na subscrição: quem subscreve um fundo de investimento, em regra, não conhece à
partida o valor preciso que vai pagar, porque a avaliação da carteira de um fundo, e
consequentemente o valor das unidades de participação, num determinado dia (n) é
realizada tendo por base os preços de fecho do mercado desse mesmo dia, mas é
divulgada apenas no dia útil seguinte (n+1).

• No resgate: os participantes de um fundo de investimento que pretendam o resgate


das unidades de participação que detêm nesse fundo, devem realizar o pedido com
alguns dias de antecedência, o chamado pré-aviso. Embora, para efeitos de resgate,
seja, em regra, considerado o valor das unidades de participação calculado na
primeira avaliação da carteira que ocorre após o pedido, normalmente o dia seguinte,
o dinheiro só é creditado na conta do investidor alguns dias depois do pedido de
resgate. Em regra, os fundos monetários são os que demoram menos tempo neste
processo, enquanto no caso dos fundos de ações internacionais pode demorar alguns
dias.

Por que motivo recomendam o investimento em moedas escandinavas, mas não


incluem a coroa norueguesa?

Petróleo da Noruega

• A economia norueguesa beneficiou bastante da subida do preço do petróleo, pois


graças à exploração no Mar do Norte, a Noruega é um dos maiores produtores do
mundo. Esse bom desempenho refletiu-se também na forte apreciação da coroa
norueguesa (NOK) face ao euro. Mas não só! O país também foi visto como um
refúgio seguro da tormenta que atinge a zona euro, levando ao aumento da procura
de NOK.
• No entanto, consideramos que o potencial de subida da coroa está esgotado e que
aumentaram bastante os riscos de queda. Por um lado, o banco central quer
contrariar a perda de competitividade cambial e tem vastos meios para impedir uma
maior apreciação. Por outro, a situação incerta na zona euro pode levar a um recuo
na procura de petróleo, o que atingiria inevitavelmente o NOK.

• Prefira outras moedas

• As moedas da Dinamarca (DKK) e Suécia (SEK) também beneficiam de


economias pouco endividadas, mas sem os riscos associados à dependência
norueguesa do setor petrolífero. Por isso, agora os fundos de obrigações em coroa
norueguesa não são incluídos nas carteiras. Prefira as duas outras categorias de
obrigações da Escandinávia. Veja os fundos recomendados.

Um fundo pode ir à falência?

No que respeita aos fundos é necessário ter em conta dois aspetos bastante diferentes.
Por um lado, os fundos de investimento tal como existem não podem falir. Por outro, existe
o risco de o investidor não obter o rendimento esperado, podendo até perder uma parte
considerável do capital investido.

Quanto ao primeiro tipo de risco, as normas estabelecidas para o funcionamento dos


fundos são muito restritivas, de forma a precaver situações que possam pôr em risco o
dinheiro dos subscritores.

• Os fundos de investimento possuem um património autónomo, que pertence aos


subscritores das unidades de participação. Isto significa que o dinheiro investido não
pode ser utilizado, em caso algum, para pagar dívidas da sociedade gestora.

• Quando uma empresa abre falência, isso significa que não conseguiu pagar as suas
dívidas. No caso dos fundos, a lei condiciona bastante o endividamento. Um fundo
só pode endividar-se temporariamente e, mesmo assim, não o pode fazer em
montantes superiores a 10% do valor global do fundo, no caso de fundos abertos, e
de 20%, para os fechados.

• Os fundos não podem garantir empréstimos de terceiros. Portanto, nenhum fundo


pode comprometer-se a pagar dívidas de empresas.
• Os fundos não podem fazer vendas a descoberto, ou seja, vender títulos que, na
realidade, não possuem.

• Os títulos adquiridos pelo fundo são depositados normalmente num banco, que
tem a missão de controlar o desenrolar das operações. Os gestores, por exemplo,
serão impedidos de registar, em seu nome, títulos do fundo.

• Apesar de altamente improvável, mesmo que haja falência do depositário e o investidor


não consiga reaver o dinheiro investido, existe ainda o Sistema de Indemnização ao
Investidor que protege o património aplicado em fundos até ao valor máximo de 25
000 euros.

• Pela sua natureza, a sociedade gestora ou o banco depositário podem falir, mas nunca
o próprio fundo. Mas isso não significa que o fundo não possa perder valor e que, por
esse motivo, o investidor se arrisque a perder parte do dinheiro aplicado. Ao
investirem em depósitos, ações, obrigações, unidades de participação de outros
fundos, etc., os fundos estão sujeitos às flutuações de valor dessas aplicações.
Por exemplo, um fundo de ações tem muito maior probabilidade de ganhar/perder
valor do que um fundo monetário euro, cuja política de investimento dá preferência
aos depósitos.
❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄

Depósitos

O que são?

Existem no nosso país vários tipos de depósitos bancários que podem ser classificados
da seguinte forma:

• Depósitos à ordem: vulgarmente conhecidos como "contas à ordem". Neste caso, os


bancos funcionam como uma espécie de armazéns das quantias depositadas, que
os titulares utilizam quando bem entenderem, sem sofrerem qualquer penalização
por isso.
• Depósitos a prazo: também por vezes apelidados de "contas a prazo". As quantias
são entregues aos bancos por um prazo pré-definido e só poderão ser utilizadas
antes do final desse prazo, dentro de condições estabelecidas pelos bancos;

• Depósitos a prazo não mobilizáveis: distinguem-se dos anteriores pelo facto de não
haver qualquer possibilidade de reaver o dinheiro antecipadamente, isto é, antes do
final do prazo;

• Depósitos constituídos em regime especial: esta categoria engloba todos os tipos


de depósitos bancários que não se enquadram nas definições anteriores ou que
resultam de legislação específica, como é o caso das contas poupança-habitação e
poupança-reformado.

Segurança

O Estado definiu normas destinadas a garantir a segurança de todos os tipos de


depósitos bancários. Quando se faz um depósito, estabelece-se um contrato entre o
cliente e a entidade bancária, que garante o re-embolso total do dinheiro aplicado. Por
isso, a única situação que poderia ameaçar as quantias depositadas seria a falência do
banco. No entanto, esse risco é mínimo.

Em Portugal, a responsabilidade de supervisionar a atividade bancária cabe ao Banco


de Portugal. Entre outras funções, compete-lhe examinar as contas dos bancos e intervir
sempre que necessário. Por exemplo, pode exigir que um banco que tenha uma grande
fatia de crédito malparado, com sérios riscos de não reaver o dinheiro, reforce os seus
capitais: a entrada de dinheiro permitirá que, em princípio, o banco honre os compromissos
assumidos com os depositantes.

Mesmo que, contrariando todas as expetativas, um banco venha a falir, o dinheiro


depositado não está completamente perdido. As instituições bancárias são obrigadas a
depositar no Banco de Portugal uma quantia proporcional aos montantes recebidos (Fundo
de Garantia de Depósitos). O fundo poderá reembolsar a totalidade ou parte do dinheiro
depositado, dependendo da quantia.
Liquidez

Como o que mais interessa, numa conta à ordem, é a facilidade com que se pode
utilizar o dinheiro depositado, os bancos têm vindo a introduzir melhorias nas formas de
movimentação. Os cartões bancários, o serviço telefónico e a Internet contribuíram para a
comodidade e rapidez de acesso aos mais diversos produtos e serviços bancários.

O dinheiro aplicado numa conta a prazo pode ser movimentado em qualquer


altura. Mas, se isso acontecer antes de terminar o prazo contratado, o banco pode penalizar
o cliente. É conveniente ter algum cuidado na escolha do prazo. Por exemplo, se prevê
utilizar o dinheiro para o pagamento de uma intervenção cirúrgica dentro de um ano, mas
existe a possibilidade de se realizar nos próximos seis meses, o melhor é escolher à partida
o prazo mais curto. Assim, evita penalizações. Caso não necessite do dinheiro, basta
renovar a aplicação.

Atualmente, a maioria dos bancos tenta ajustar-se às necessidades dos clientes e,


pelo menos em teoria, é possível fazer depósitos a prazo com qualquer duração (15, 130
ou 240 dias, por exemplo). Alguns bancos permitem ao cliente escolher o número de dias.
Mas os prazos mais frequentes continuam a ser um mês (31 dias), três meses (91 dias),
seis meses (181 dias) e um ano (366 dias). Há bancos que aceitam ainda depósitos com
duração de vários anos (dois, três, cinco anos), sempre com taxa garantida.

Mas a escolha do prazo da aplicação deve ser feita de acordo com a taxa de juro a
contratar e a data em que prevê necessitar do dinheiro. Não deve fazer um depósito de 181
dias se souber que vai precisar do dinheiro dentro de três meses.

Os depósitos a prazo também podem renovar-se automaticamente. Se, até ao final do


prazo contratado, o cliente nada disser em contrário, o banco assume que o depósito é
revalidado por um prazo idêntico ao anterior. Por exemplo, se um depósito de 181 dias
terminar no dia 20 do próximo mês, e nada for dito em contrário, os juros começarão a
contar, a partir do dia 21, durante mais seis meses. No entanto, confirme sempre das
condições de renovação do depósito.
Rendimento

À ordem

Os juros das contas à ordem são, em regra, contados diariamente, em função do saldo
médio e da taxa de juro em vigor. Se tiver direito a juros, em princípio serão creditados todos
os meses, mas essa periodicidade pode variar de banco para banco.

O saldo médio de uma conta é calculado a partir dos montantes aplicados e do tempo
de permanência. Por exemplo, no dia 1 de janeiro, abre uma conta à ordem e deposita 1000
euros. Durante esse mês, não movimenta a conta nem lhe são cobrados quaisquer
encargos (despesas de manutenção, entre outros). Em 31 de janeiro, o saldo médio mensal
da conta seria de 1000 euros. Se a conta fosse aberta a 16 de janeiro com a mesma quantia,
o saldo médio em 31 de janeiro seria apenas 500 euros. É considerado o valor de 1000
euros, mas apenas durante meio mês.

As taxas de juro a aplicar ao saldo médio podem ser determinadas de acordo com
escalões ou pelo sistema de taxa única.

A prazo

A remuneração tem por base a taxa de juro disponibilizada no preçário da instituição


bancária. Deverá ter em atenção o prazo e o montante a aplicar, pois a remuneração varia
quase sempre com o montante aplicado: quanto mais se deposita, mais favorável pode ser
a taxa.
A taxa de juro de um depósito a prazo pode variar de acordo com a instituição bancária,
prazo contratado e montante a aplicar. Calcule sempre quais são os melhores depósitos.

A partir de determinadas quantias, a taxa de juro pode ser negociada entre a instituição
e o cliente. Quanto mais elevada for o montante a depositar, mais facilidades terá na
negociação. Por exemplo, um cliente com 100 mil euros terá muito maior peso negocial do
que um detentor de uma poupança mais pequena.

As condições anunciadas podem variar de um dia para o outro. Isto é, se ler no jornal
hoje que determinado banco pratica uma taxa aliciante, não há garantias de que continue a
ser assim na semana que vem. No entanto, uma vez contratado o prazo (um, três, seis
meses), a taxa de juro permanecerá igual até ao fim da aplicação ou, em termos técnicos,
até ao vencimento do depósito.

Nas condições de depósito também está definido o “tratamento” dos juros. Na data de
vencimento do depósito, os juros são creditados na conta à ordem do investidor ou
reinvestidos. Esta última alternativa é quase sempre possível quando o depósito é
renovável. Na prática, é constituído um novo depósito a prazo cujo montante investido
corresponde ao valor inicial mais os juros entretanto obtidos. É a chamada capitalização
dos juros.

Custos

A maioria dos bancos exige que o saldo médio das contas à ordem “normais” não
desça abaixo de um determinado valor (em geral, 250 euros). Caso contrário, cobram
despesas de manutenção.
No entanto, alguns bancos isentam de pagamento de despesas de manutenção um
determinado tipo de contas. É o caso das contas-ordenado e grande parte das contas para
jovens. Também as contas à ordem de suporte a aplicações financeiras (geralmente, com
um valor mínimo) ou a um empréstimo bancário (crédito à habitação ou crédito pessoal, por
exemplo), ficam isentas da cobrança dessa comissão.

Os depósitos a prazo não têm qualquer custo direto. Os encargos, caso existam,
podem estar associados à conta à ordem que lhes serve de suporte.

Fiscalidade

A lei exige que a entidade que paga os juros das contas à ordem ou a prazo retenha
26,5% do montante total para ser entregue ao Fisco. Por isso, na prática, o titular da conta
só recebe 75% dos juros pagos pelo banco. Como se trata de uma taxa liberatória, não é
obrigatório incluir esses rendimentos na declaração de IRS.

Data de movimento e data-valor

A facilidade de contacto nem sempre significa rapidez nas operações. Fique atento,
sobretudo, à diferença entre a data de movimento e data-valor: a data em que o cliente
realiza a operação (data de movimento) pode ser diferente da data que o banco
considera para a contagem de juros (data-valor).

A diferença entre estas duas datas pode ser importante. Por exemplo, os bancos
assumem que apenas a data-valor é válida para a contagem de juros. Quando se faz um
depósito, a data-valor é, no máximo (se o depósito for em dinheiro), a data do dia útil
seguinte (D+1). Logo, só a partir desse dia é que o dinheiro passa a render juros.

Mas quando se faz um pagamento ou um levantamento em cheque ou em dinheiro, a


data-valor é sempre o próprio dia e, portanto, essas quantias deixam de contar, a partir
dessa data, para cálculo dos juros.

Fundo de Garantia de Depósitos

Embora seja algo que raramente acontece, a falência de um banco é sempre uma
possibilidade a considerar. Os casos são poucos, mas existem. Na década de 1990, deu-
se por exemplo, a nível internacional, a falência do Barings e uma grave crise económico-
financeira que afetou significativamente a atividade bancária na Argentina. Em 2007, a crise
financeira começou por atingir o banco inglês Northern Rock, mas outros se lhe seguiram
em várias regiões do mundo.

Para evitar repercussões mais nefastas para os investidores e para a economia em


geral, existem mecanismos que visam de salvaguarda ao sistema financeira. Para fazer
face a problemas semelhantes, em Portugal existe o Fundo de Garantia de Depósitos.

Imaginemos uma situação extrema: o seu banco tinha falido e, logicamente, não
poderia levantar o seu dinheiro. Nesse caso, poderia recorrer ao Fundo de Garantia de
Depósitos, tutelado pelo Banco de Portugal, que garante alguma proteção ao investidor
e permite que seja, pelo menos, parcialmente reembolsado.

As principais características deste fundo são:

• Abrange todos os depósitos obtidos em Portugal ou noutro Estado comunitário, por


bancos sediados no nosso país;

• Garante o reembolso até um valor máximo 100 000 euros por investidor;

• Estão incluídos os juros até à data de indisponibilidade dos depósitos;

• Os reembolsos respeitantes às contas coletivas (conjuntas, solidárias ou mistas) deverão


ser repartidos em partes iguais. Por exemplo, se um casal for titular de uma conta com
1000 euros, neste caso, cada um tem direito a receber 500 euros;

• Não se encontram abrangidos os depósitos constituídos em nome de fundos de


investimento, fundos de pensões ou noutras instituições de investimento coletivo.

Os depósitos em instituições bancárias de outros países comunitários também


beneficiam de um sistema semelhante nos países de origem, que até poderá ser mais
vantajoso.

Modalidades de contas❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄
Normalmente, os depósitos podem ser constituídos em várias modalidades, no que
respeita às pessoas autorizadas a movimentar as quantias depositadas.

A opção por uma determinada modalidade de conta (singular, coletiva conjunta,


coletiva solidária e coletiva mista) determina as assinaturas que devem constar na ficha de
abertura do depósito (documento que se assina quando se abre a conta) e que são
necessárias para movimentar o dinheiro.
No caso das contas singulares, o titular é a única pessoa que pode movimentá-las e
somente a sua assinatura é que consta da ficha. Já em relação às contas coletivas (com
dois ou mais titulares), todas as assinaturas dos titulares deverão constar da ficha. Neste
caso, é necessário ainda estabelecer a modalidade de movimentação da conta. Existem
três possibilidades.

• Conjunta: quando são necessárias as assinaturas de todos os titulares (por exemplo,


se três pessoas abrirem uma conta deste tipo, todas terão de assinar os cheques);

• Solidária: nos casos em que a assinatura de qualquer um dos titulares é suficiente


para movimentá-la;

• Mista: sempre que as assinaturas de uma parte dos titulares sejam suficientes, de
acordo com o estabelecido no ato de abertura da conta.

Penalizações sobre os juros

A maioria dos bancos penaliza os clientes que levantam o dinheiro (ou parte dele)
antes do final do prazo contratado. Estas penalizações incidem, normalmente, sobre os
juros. O cliente acaba por beneficiar de uma taxa inferior à que receberia se o prazo
tivesse sido respeitado. Os bancos são obrigados a informar os clientes sobre as
situações em que poderão incorrer neste tipo de penalizações.
Existem dois tipos de penalizações:

Subtração de uma determinada percentagem à taxa de juro

Neste caso, os juros são contados desde o início da aplicação, mas a uma
percentagem inferior à contratada. Por exemplo, se a taxa contratada para três meses era
de 5% e o dinheiro acabou por ser levantado ao fim de dois meses, o banco pode calcular
os juros aplicando uma taxa de apenas 3,5 por cento;

Penalização variável em função do tempo


A taxa de juro pode manter-se, mas os juros só são contados, por exemplo, após ter
decorrido um determinado prazo. Por exemplo, após 90 dias: se o dinheiro for levantado
antes do 90.º dia, o investidor não receberá quaisquer juros. Se o fizer depois, mas ainda
assim antes do prazo, só receberá juros a contar do 90.º dia. Por exemplo, se levantar o
dinheiro no 92.º dia, apenas terá direito a dois dias de juros.

Saldo disponível e contabilístico❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄


❄❄❄❄
Convém não confundir a data do saldo contabilístico com a data em que o dinheiro
fica realmente disponível.

Por exemplo, no caso dos depósitos em valor (cheques), o dinheiro só poderá ser
utilizado alguns dias depois (em regra, quatro dias úteis). Assim, embora tenha saldo
suficiente na conta, o dinheiro não está disponível. O saldo disponível, que corresponde aos
valores depositados na conta à ordem efetivamente à disposição do cliente, é menor que o
saldo contabilístico. Este último engloba, além do saldo disponível, valores que se
encontram pendentes de boa cobrança (por exemplo, cheques depositados que ainda não
foram compensados pelo sistema bancário).

O cliente não pode levantar esses montantes nem utilizá-los para aplicar num produto
de poupança ou para pagar compras com o cartão de débito. Para os cheques, só após a
confirmação de boa cobrança é que esses valores passam a saldo disponível. Se utilizar o
dinheiro antes, ser-lhe-ão cobrados juros.

Taxas de juro

Anual Nominal

As taxas de juro são quase sempre apresentadas em base anual. Mesmo que faça um
depósito para prazos diferentes de um ano, a taxa que lhe é apresentada é sempre para
esse período. Por exemplo, coloca 5 000 euros num depósito a seis meses, com uma taxa
de 3 por cento. Ao fim dos seis meses recebe 75 euros, que corresponde a 1,5% ao
semestre (3% a dividir por 2 semestres). Num depósito a três meses, teria 37,50 euros, ou
seja, 0,75% ao trimestre (3% a dividir por quatro trimestres). Num depósito mensal, o juro
que recebe mensalmente corresponde à taxa de juro anual a dividir por 12 meses.

Bruta vs. Líquida

Uma taxa de juro bruta significa que o imposto não foi retirado. Nos depósitos a prazo
tradicionais, a taxa de IRS é 21,5%. Um banco que oferece uma taxa anual nominal bruta
de 3% (TANB) está a proporcionar na realidade 2,4% líquidos ao ano (TANL, taxa anual
nominal líquida).
Por exemplo, os 5 000 euros rendem 3% ao ano, ou seja 150 euros, mas o Estado fica
com 21,5% desse valor. Na conta, são creditados apenas 120 euros, o que corresponde a
2,4% do montante aplicado.

Efetiva

O conceito de taxa anual efetiva líquida (TAEL) é talvez o mais difícil de entender. Uma
taxa efetiva pressupõe que os juros recebidos são sempre reinvestidos à mesma taxa, até
um ano sobre a data inicial da aplicação. Imaginemos que pode aplicar 5 000 euros por um
ano num depósito com juros trimestrais ou noutro que paga juros só no fim do ano.

A taxa anual nominal líquida (TANL) é igual nos dois casos: 2,4 por cento. Qual
escolheria? Dado a taxa ser exatamente igual, deve optar-se por aquele que paga primeiro
juros. A TAEL confirma a resposta. Como o depósito trimestral vai pagando juros (30 euros
a cada três meses), estes podem ser reinvestidos à mesma taxa (2,4%) nos trimestres
seguintes até ao final do ano. Se isso acontecer, o ganho final será de 121,08 euros, ou
seja, obtém-se uma TAEL de 2,42 por cento. Num depósito a um ano, a taxa anual é igual
à taxa efetiva, porque não há juros para reinvestir, isto é, obtemos 120 euros.

Real

A taxa real é aproximadamente igual à taxa nominal menos a inflação. O objetivo deste
cálculo é avaliar o poder de compra do dinheiro. O capital depositado cresce à taxa nominal,
enquanto os preços daquilo que pode comprar aumentam, em termos médios, à taxa de
inflação. Se, por exemplo, fizer um depósito a um ano com uma taxa de 2% e no final desse
ano tiver o mesmo poder de compra, é porque os preços subiram também 2 por cento. Por
outras palavras, a taxa de juro real é nula. Se a inflação for superior, em termos reais está
a perder dinheiro.

Quando fui levantar metade da poupança, informaram-me que não o podia fazer,
porque estava fora do prazo. O que devo fazer?

Seguindo os nossos conselhos, Joana Fontes alienou os Certificados de Aforro que


detinha. Depois, dirigiu-se ao Banco Santander Totta para constituir uma conta de
poupança. O que ela procurava nessa altura, em novembro de 2011, era uma aplicação em
que tivesse alguma liberdade para fazer aforros e resgates. Essa conta serviria para gerir
os fluxos financeiros da sua atividade de empresária em nome individual. Porém, ao balcão
do banco aconselharam-na a contratar o depósito a prazo Protecção Garantida – Novembro
2011, porque a taxa de juro era muito mais elevada.

Só pode mexer em 15 dias por semestre

Quando, no início de junho passado, a nossa leitora tentou resgatar metade da sua
poupança, os funcionários do Santander Totta disseram que não era possível. Uma leitura
atenta da ficha de informação normalizada do depósito a prazo contratado mostra que
apenas é possível a mobilização antecipada nos 15 dias anteriores ao pagamento de cada
juro semestral. Joana teria de esperar cerca de cinco meses para voltar a ver a cor do seu
dinheiro.

Comentário PROTESTE INVESTE

Ao assinar o boletim de subscrição da conta de poupança, Joana Fontes aceitou as


condições do produto, incluindo os prazos da mobilização antecipada. Ao contactar o nosso
Serviço de Informações em busca de auxílio, ajudámo-la a escrever ao banco a solicitar a
mobilização antecipada fora das condições previstas, justificando o pedido com razões
pessoais e profissionais.
Após negociação, o Santander Totta aceitou encerrar o depósito a prazo e a devolver
o capital inicial a Joana Fontes. Embora tenha recuperado o seu capital na negociação, a
nossa associada perdeu os juros, algo que, naturalmente, não a satisfez.

Os certificados de depósito são abrangidos pelo Fundo de Garantia de Depósitos?

Interessada em subscrever um certificado de depósito comercializado pelo


Banco Finantia, a nossa associada Carla Marques, de Valongo (Porto), pretende saber
se o produto está protegido pelo Fundo de Garantia de Depósitos, se tem despesas
associadas e qual o seu grau de risco.

O certificado de depósito não é muito comum em Portugal, mas trata-se de um produto


semelhante a um depósito a prazo, nomeadamente a nível de fiscalidade e garantias.
Assim, o capital é garantido: encontra-se abrangido pelo Fundo de Garantia de Depósitos
até 100 mil euros.

No entanto, é representado por um título mobiliário, que pode ser transmitido a outro
investidor. Assim, não permite o resgate antecipado, a menos que a instituição se
comprometa a comprar o título e liquidar o depósito. Se necessitar do capital, terá de vender
o certificado a outro investidor.

Em relação a eventuais despesas associadas, é necessário distinguir as despesas de


manutenção da conta à ordem das despesas com a custódia de títulos. No Banco Finantia,
as despesas mensais podem ser elevadas (até 500 euros por ano), mas pode evitá-las se
mantiver um saldo médio trimestral superior a 2500 euros. Quanto à custódia de títulos, o
preçário da instituição não indica custos relativo aos certificados de depósito. Apenas é
indicado um custo de 100 euros por transmissão dos certificados a outro investidor.

Valores em vigor em junho de 2012

Há bancos que oferecem depósitos com remuneração por escalões. Em que consiste
esse método?

Menos do que aparenta


Na maioria dos depósitos a prazo, a taxa de juro anunciada pelo banco incide sobre a
totalidade do dinheiro investido. Se, por exemplo, depositar 10 mil euros por um prazo de
12 meses e taxa for de 4%, recebe 400 euros de juros no final do prazo.

10 000 × 0,04 = 400

Mas quando os depósitos remuneram o cliente por escalão significa que o dinheiro
investido irá usufruir de taxas de juro diferentes. Suponhamos as seguintes taxas de juro
para um hipotético depósito a 12 meses:

Ficha do depósito “Alfa”


Escalões TANB TANL
(%) (%)
Até 25 000 euros 3,50 2,625
Entre 25 001 e 40 4,00 3,00
000 euros
Entre 40 001 e 60 6,00 4,50
000 euros

TANB: taxa anual nominal bruta; TANL: taxa anual nominal líquida, e que equi-vale à
TANL menos o imposto retido à taxa de 25%.
Neste exemplo, um cliente que deposite 45 mil euros terá o seu dinheiro remunerado
a três taxas diferentes. Os “primeiros” 25 mil euros beneficiam de um juro bruto de 3,5%.
Os “seguintes” 15 mil euros (até aos 40 mil) rendem 4%. Por fim, os restantes 5 mil euros
(acima de 40 mil) conseguem um juro de 6%. O juro bruto total será de 1775 euros:

25 000 × 0,035 = 875

15 000 × 0,040 = 600

5 000 × 0,060 = 300


E a taxa anual nominal bruta (TANB) auferida pela totalidade do depósito não é 6%
mas sim de:

1 775 ÷ 45 000 = 3,94%

Esteja atento

Este exemplo ilustra bem que o ganho do investidor fica muito aquém da taxa de 6%
anunciada para o escalão máximo, apesar do montante depositado ser superior a 40 mil
euros.
Para evitar surpresas deve ler atentamente a ficha de informação normalizada do
depósito. Confira, na parte que detalha a remuneração, se o depósito tem ou não taxas
para diferentes escalões.

Não confie apenas nas condições do depósito que sejam fornecidas verbalmente. Por
vezes, o próprio funcionário do banco pode não conhecer bem as características do produto
ou ter tendência apenas para mostrar o seu lado positivo. Investidor prevenido, vale por
dois.

Quais são os prós e contras dos depósitos em Espanha?

Ao comparar os depósitos a prazo, o leitor Miguel Coelho, de Albufeira, verificou


que, à exceção do Banco Finantia e do Banco Invest, as melhores taxas rondam os
4,5 por cento. Por sua vez, em Espanha, encontrou taxas de juro acima dos 5% e o
imposto é de apenas 21 por cento. Quais são as vantagens e desvantagens de
subscrever um depósito em Espanha?

Em termos fiscais, como residente em Portugal, os rendimentos obtidos no estrangeiro


estão sujeitos a tributação pelo Estado português. Assim, terá de indicar no anexo J da
declaração de IRS os juros pagos por depósitos subscritos no estrangeiro, a par da
tributação aplicada no país em causa, que será considerada pelo fisco. Feitas as contas,
não irá pagar menos imposto.
Ao aplicar o capital em Espanha, usufrui de uma proteção semelhante à proporcionada
pelo Fundo de Garantia de Depósitos português. Assim, dos 2 lados da fronteira, em caso
de falência da instituição bancária, está garantido o reembolso de todos os depósitos até
um valor máximo de 100 mil euros por investidor.
Mas se conseguir obter taxas mais favoráveis em bancos espanhóis, deve aproveitá-
las. Tenha o cuidado de verificar junto do Banco de Espanha se a entidade está
devidamente autorizada a receber depósitos. Pode consultar mais informação junto do
portal financeiro da nossa congénere espanhola OCU. Em alternativa, pode sempre tentar
negociar a taxa de juro junto do seu banco. No teste prático que realizámos em outubro,
verificámos que pode render até sete vezes mais.

Taxas em vigor a 20 de abril de 2012

Tenho 3.500€ para aplicar de 1 a 3 anos. Tenho conta na CGD, BCP e Montepio. O que
sugerem? Algum produto nestes bancos ou noutro banco?

Depende do objetivo da sua poupança, liquidez pretendida e risco que está disposto a
correr. Mas, assumindo que pretende um produto com elevada liquidez e sem risco, ou seja,
um depósito, consegue encontrar melhores taxas de juro noutros bancos além dos que
refere.

A seguir, apresentamos as melhores propostas para alguns desses prazos. No


entanto, alertamos o leitor para a taxa de inflação esperada para este ano (3,2% segundo
o Banco de Portugal). Assim, apenas as primeiras 3 propostas oferecem remuneração
líquida igual ou superior à inflação esperada para este ano.

• PrivatBank: 5,3% bruta a 3 anos

• Banco Invest: 4,75% bruta a 2 anos

• Banco Big: 4,25% bruta a 3 anos

• CGD: 4,2% bruta média, com o Depósito Crescente Mais a 3 anos


• Banif: 4,1% bruta no Depósito Crescente a 2 anos

• BES: 4% bruta na Conta Rendimento CR a 3 anos

Outra solução, caso não necessite do capital nos próximos cinco anos, será investir
em Certificados do Tesouro (TANL de 5,1% para prazos de investimento de 5 a 9 anos).
Faça as contas no nosso simulador.

Taxas em vigor a 16 de março de 2012

Quais são as formas de movimentação possíveis nas contas bancárias?

Uma conta bancária pode ser singular, quando pertence a uma pessoa, ou coletiva,
quando é de mais do que uma pessoa. Se for coletiva, há três alternativas para movimentar
o dinheiro:

• Contas conjuntas - para movimentar o dinheiro (levantamentos, cheques, etc.) é


preciso que todos os titulares assinem;

• Contas solidárias - basta a assinatura de um dos titulares para autorizar as


movimentações;

• Modalidade mista - são necessárias as assinaturas de alguns dos titulares, por


exemplo, em que fica estabelecido que numa conta com três titulares são precisas
as assinaturas de dois para mexer nos valores.
A forma mais prática e, geralmente, utilizada é a forma de conta solidária. No entanto, esta
opção não está isenta de riscos. Além de casos de burlas sem remédio, pode sempre
acontecer que um dos titulares, desconhecendo as movimentações do outro, passe um
cheque sem cobertura. Assim, pela grande facilidade de efetuar pagamentos, há que ter
algum cuidado na "gestão" da conta.

Nos extratos dos meus depósitos é referida a expressão "data-valor". O que


significa?
A expressão "data-valor" pode ter dois significados diferentes, caso diga respeito a um
depósito ou a um levantamento.

• Depósito - data a partir da qual o dinheiro começa a render juros. Normalmente, estes
só começam a contar um dia útil após ter realizado o depósito. A data-valor não
coincide com esta última data.

• Levantamento - dia a partir do qual se deixa de receber juro. O dia em que levanta o
seu dinheiro não é contabilizado para o cálculo de juros. Aqui, a data-valor
corresponde ao dia do levantamento.

Qual é a diferença entre a taxa líquida e a taxa bruta de um depósito?

A taxa anunciada pelos bancos é, em regra, a taxa anual nominal bruta. Anual, por
ser definida tendo em conta o período de um ano. Nominal, porque não tem em conta o
período efetivo da aplicação. Bruta, porque ainda não foram retirados os impostos (o IRS).

Os juros dos depósitos a prazo são tributados à taxa de 25% de IRS. Como este
imposto é imediatamente descontado aos juros que tem a receber, o que lhe interessa saber
são as taxas líquidas praticadas pelos vários bancos.

Duas chamadas de atenção: os juros podem ou não ser capitalizados, embora na


maioria dos casos os juros sejam acrescentados ao capital, de modo que os juros são
calculados sobre um montante mais elevado. Como grande parte dos depósitos são por
prazos inferiores a um ano, existe a possibilidade de reinvestir os juros recebidos. Se aplicar
sucessivamente, durante um ano, o capital inicial mais os juros mensais, a rentabilidade
que obtém é equivalente à taxa anual efetiva líquida (TAEL).

Se, pelo contrário, for renovando o seu depósito apenas com o montante inicial, isto é,
sem reinvestir os juros, a sua remuneração corresponde à taxa anual nominal líquida
(TANL). Esta taxa deriva diretamente da taxa anunciada pelos bancos, para tal, basta retirar
os 25% de imposto à taxa nominal bruta. Como os juros vão rendendo dinheiro, a TAEL é
sempre superior à TANL, com exceção das aplicações a um ano em que, logicamente, a
taxa nominal coincide com a efetiva.
Conta no estrangeiro: dúvidas frequentes

A banca nacional é segura?

O sistema financeiro português atravessa um período conturbado, mas os fundos da


ajuda financeira da troika e o reforço do capital protegido pelo Fundo de Garantia de
Depósitos para os 100 mil euros dão tranquilidade aos aforradores com depósitos. Nos
fundos de investimento, apesar de não estarem ao abrigo dessa garantia, o investidor
mantém o valor de mercado dos ativos que os compõem mesmo no caso de falência do
banco.

Onde devo abrir conta?

As moedas mais atrativas são a coroa sueca e o franco suíço (consulte as perspetivas
das taxas de câmbio) devido à solidez das finanças públicas destes países e à
subvalorização face ao euro. Com finanças públicas sãs, mas com menor atratividade da
moeda, também recomendamos fundos de obrigações em dólares canadianos, em coroas
dinamarquesas e em zlótis polacos. Já o dólar australiano, apesar da situação económica
e financeira invejável da Austrália, não é recomendado por estar demasiado
sobrevalorizado face ao euro. No caso de um colapso da moeda única, algo em que não
acreditamos, os investidores poderão ter refúgio no dólar americano e no franco suíço.

Que cuidados devo ter ao abrir uma conta no exterior?

É sempre preferível escolher uma instituição credível e com peso no mercado bancário
onde pensa abrir conta, mas deverá ter outras atenções. Em concreto, procurar saber se o
banco contribui para algum sistema de garantia de depósitos e qual o montante que está
garantido. Do ponto de vista operacional, tenha em atenção aos custos que incorrerá com
a manutenção da conta, a tributação que incide sobre os rendimentos, o custo com a
transferência de capitais de volta para Portugal e a utilização dos meios de pagamento (por
exemplo, cartão de crédito e operações via homebanking).

Informação em vigor em julho de 2012


Fundos imobiliários

O que são?

No sentido mais clássico do termo, o investimento em imobiliário consiste na compra


de terrenos ou de qualquer tipo de imóveis (habitações, escritórios e lojas, por exemplo).
É o que se denomina investimento direto. De certa forma, todos nós, ao comprarmos uma
habitação, estamos a investir no imobiliário. Mesmo que não o façamos a pensar na sua
venda posterior e nos ganhos que daí possam advir, estamos, pelo menos, a aplicar em
património.

Mas as possibilidades de investimento em imobiliário não se esgotam na compra de


imóveis. Outra opção consiste na subscrição de unidades de participação de fundos de
investimento imobiliário (FII). Os FII, tal como os outros fundos, reúnem o dinheiro de
muitos participantes. A diferença é que os primeiros investem em bens imóveis, enquanto
os segundos aplicam em valores mobiliários, como ações, obrigações, depósitos, etc. Os
fundos estão divididos em unidades de participação (UP) que refletem o valor real do seu
património.

O principal “alvo” dos FII são os imóveis destinados ao arrendamento no segmento


comercial (escritórios, lojas e armazéns). O segmento da habitação também pode ser
incluído, mas atualmente tem um peso muito diminuto nestes fundos. Os FII investem
sobretudo em imóveis já concluídos, mas também podem adquirir terrenos para construção
e promoção de empreendimentos.

Quem trata de tudo são os profissionais da sociedade gestora, que, com o dinheiro
dos subscritores, compram os imóveis (no caso do FII) para, na maior parte dos casos, os
arrendar. As rendas pagas e a valorização dos edifícios são incorporadas no valor do fundo.

Os FII são facilmente acessíveis aos pequenos investidores, já que permitem investir
à medida das possibilidades de cada um. Com cerca de 100 euros, já é possível tornar-se
"senhorio" de um vasto conjunto de imóveis. Os FII permitem um nível de diversificação
imobiliária que no investimento direto não é possível.
Também são bastante cómodos, pois é a sociedade gestora quem cobra as rendas,
faz as obras, renova os contratos e procura novos inquilinos. Além disso, sendo composta
por especialistas, os seus conhecimentos e experiência permitem-lhes, em princípio,
conseguir negócios, pelo menos, em linha com as condições do mercado.

Segurança

Como veremos, os FII não têm o rendimento garantido. Em último caso, até é
possível perder parte do capital investido. No entanto, o risco é inferior ao do investimento
direto. Isto porque estes fundos são proprietários de dezenas de imóveis de diversos tipos,
espalhados por diversas zonas do país e, desde 2002, até em imóveis localizados nos
Estados-Membros da União Europeia.

Como o investimento está repartido geográfica e setorialmente, o risco de perder


dinheiro é menor do que se se tratasse apenas de um único edifício. Além disso, os bons
FII privilegiam, por norma, uma evolução estável dos rendimentos. Para tal, rodeiam-se de
alguns cuidados na seleção dos inquilinos, sendo a aquisição dos imóveis feita, em regra,
quando o arrendamento já está contratado.

Para evitar que os FII assumam demasiados riscos, a lei impõe algumas restrições
relativamente à composição das carteiras. Os limites são aferidos em relação à média
dos valores verificados no final de cada um dos últimos 6 meses, devendo ser respeitados
no prazo de 2 anos a contar da data de constituição do fundo de investimento.

Em casos devidamente fundamentados pela sociedade gestora, poderá a Comissão


do Mercado de Valores Mobiliários autorizar que os fundos de investimento detenham
transitoriamente uma estrutura patrimonial que não respeite alguns dos limites impostos. O
não cumprimento destas normas pode levar à aplicação de multas, ou mesmo à suspensão
das subscrições e resgates, até que tudo volte à normalidade.

Liquidez
Atualmente existem uma dezena de fundos abertos, que são facilmente subscritos e
resgatados pelos pequenos investidores. Esta é uma das vantagens face ao investimento
direto. Nos fundos abertos, o re-embolso pode ser efetuado em qualquer altura. Só tem de
avisar o banco com alguma antecedência, geralmente entre 5 e 10 dias úteis.

No entanto, a generalidade dos fundos imobiliários encontra-se inacessível aos


investidores particulares. Ou seja, estão disponíveis apenas para investidores
institucionais ou então têm montantes mínimos muito elevados. Dentro dos que estão
disponíveis, alguns são fechados, pelo que recuperar o dinheiro investido pode ser
complicado. Mesmo que estejam cotados em bolsa, a sua venda pode ser difícil devido à
falta de compradores deste tipo de unidades de participação no mercado.

Rendimento

O rendimento dos FII é variável, espelhando os bons ou maus negócios que a


sociedade gestora efetuar. Alguns fundos periodicamente distribuem rendimentos. São
chamados fundos de rendimentos ou distribuição. Se o fundo não distribuir rendimentos
é classificado como fundo de acumulação, em que os rendimentos gerados são
reaplicados no fundo.

Por norma, estes fundos rendem um pouco mais que os depósitos a prazo, os
Certificados de Aforro ou as obrigações de taxa variável. As vantagens fiscais e uma
adequada gestão da carteira também contribuem para esta maior rentabilidade. No entanto,
como o setor imobiliário esta a ser fortemente penalizado pela crise, prevemos que nos
próximos anos a rentabilidade dos FII continue a diminuir.

Custos

As sociedades gestoras dos fundos fazem-se pagar pelo seu trabalho. É a chamada
comissão de gestão e depósito. Este custo é automaticamente retirado ao fundo e o valor
das unidades de participação que é divulgado já foi deduzido desta comissão.
Em regra, são cobradas ao investidor comissões de subscrição e de re-embolso
que são, por vezes, bastante elevadas e têm um impacto importante no rendimento.
Normalmente, a comissão de resgate diminui com a antiguidade. Isto leva a que um
investimento neste tipo de fundos deva ser feito numa perspetiva de médio/longo prazo, em
que, para minimizar o impacto das comissões deve deter o fundo, pelo menos, 3 anos.

Fiscalidade

Os fundos imobiliários gozam de um regime de tributação que, em princípio, é mais


favorável que o do investimento direto, quando este é exercido como atividade económica.
Os FII abertos ou fechados de subscrição pública estão isentos de pagamento do Imposto
Municipal sobre Transmissões e do Imposto Municipal sobre Imóveis. As rendas, deduzidas
dos encargos, são tributadas em 20% e os ganhos (mais-valias) na venda de imóveis em
12,5 por cento. Além disso, o imposto só incide sobre metade das mais-valias.

Do ponto de vista do investidor, não existem preocupações fiscais: os eventuais


ganhos já são líquidos de impostos. Também não é necessário incluí-los na declaração de
IRS. Apenas se optar pelo englobamento de rendimentos é que precisa de declara-los na
declaração de IRS.

Abertos, fechados ou mistos

Tal como nos fundos de investimento mobiliário, os FII podem ser abertos ou
fechados. Está também prevista, na legislação, a existência de fundos mistos imobiliários.
Apesar da denominação ser igual, estes fundos mistos não têm qualquer semelhança com
os fundos mistos mobiliários.

No caso dos FII, o termo “misto” advém da possibilidade de associação entre capitais
de investidores institucionais e recursos captados junto do público. Na prática, estes fundos
são compostos por uma parte de capital fixa e outra variável (isto é, metade abertos e
metade fechados).

Limites aos investimentos


Para garantir alguma segurança, a lei impõe restrições aos investimentos a efetuar
pelos fundos imobiliários. Apresentamos de seguida os limites impostos aos fundos
imobiliários abertos, sendo que no caso dos fechados e dos mistos as restrições são
semelhantes, mas menos acentuadas:

• Valor dos imóveis não pode representar menos de 80% do ativo total do fundo;

• Desenvolvimento de projetos de construção não pode representar mais de 10% do


fundo;

• Valor de um único imóvel não pode representar mais de 20% do fundo;

• Valor dos imóveis arrendados a uma mesma entidade ou grupo económico não pode
superar 20% do ativo total;

• Fundo de investimento poderá endividar-se até um limite de 10% do seu ativo total;

• Fundo imobiliário não pode ter mais de 10% da sua carteira noutros fundos imobiliários;

• Sociedade gestora não pode adquirir mais de 20% das unidades de participação de
outro fundo imobiliário;

• Fundo não pode deter participações em sociedades imobiliárias.

Peritos de avaliação

O regime jurídico dos FII aprovado em 2002 reforçou o papel dos peritos avaliadores.
Estes estão sujeitos a registo junto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, dada
a importância do rigor e objetividade, essenciais à atividade de avaliação de imóveis,
enquanto garantia perante o mercado e os investidores.

Além disso, a avaliação de imóveis pela sociedade gestora terá de situar-se no


intervalo compreendido entre o valor de aquisição e a média simples dos valores
estabelecidos pelos peritos nos relatórios de avaliação. O valor das avaliações deverá
constar da carteira de aplicações do fundo.

Os imóveis que integram os fundos de investimento devem ser avaliados por, pelo
menos, dois peritos avaliadores independentes nas seguintes situações:

• Previamente à sua aquisição e alienação;

• Antes do desenvolvimento de projetos de construção, designadamente para


determinar o valor do imóvel a construir;

• Sempre que ocorram circunstâncias suscetíveis de alterar de forma significativa o valor


do imóvel;

• Com uma periodicidade mínima de 2 anos.

Apesar da nova legislação ter trazido maior transparência, muitos fundos fechados não
passam de instrumentos destinados a proporcionar ganhos fiscais às instituições que os
criaram (daí a designação, normalmente utilizada, de instrumentais). Felizmente, a sua
subscrição por particulares é praticamente impossível.

Regulamento de gestão

O regulamento de gestão é o documento-base de um fundo imobiliário. Mas existe


outro documento, criado para possibilitar o acesso fácil a informação sobre o fundo: o
prospeto. Este último documento é elaborado à semelhança de prospeto simplificado dos
fundos de investimento mobiliário. Todos os subscritores devem ter acesso ao prospeto
antes da subscrição do fundo.
Planos Poupança-Reforma

O que são?

O princípio do investimento em PPR é simples. O aforrador apenas tem de entregar


uma determinada quantia, periodicamente ou não, a uma companhia seguradora ou a
uma sociedade gestora de fundos de pensões ou de fundos de investimento mobiliário
(entidades que podem gerir os PPR). Regra geral, o montante mínimo para a subscrição é
baixo (na maioria dos casos, inferior a 500 euros).

Os montantes entregues são investidos de acordo com determinadas regras. No


reembolso, o subscritor receberá as quantias acumuladas (soma das entregas), mais o
rendimento originado pelos investimentos efetuados pela entidade que geriu o dinheiro.

Subscrição

Os PPR podem ser subscritos aos balcões dos bancos e seguradoras, nos mediadores
e corretores de seguros e, em alguns casos, nas estações dos correios. Para tal, basta
dirigir-se a um desses locais, não esquecendo de levar o cartão do cidadão (em alternativa,
o bilhete de identidade e o cartão de contribuinte), e preencher a respetiva proposta de
adesão (seguros) ou o boletim de subscrição (fundos).

Para os seguros, a proposta deverá indicar os beneficiários em caso de morte (que


poderão ser qualquer pessoa). Quando pretende optar por um plano de entregas
programadas, deverá indicar ainda o montante que tenciona investir periodicamente e a
forma como vão ser efetuados os pagamentos. Cada investidor pode ter mais do que um
PPR.

Fundos e seguros
Os PPR podem ter a forma de seguros ou de fundos de investimento, estando neste
caso a cargo de sociedades gestoras de fundos de pensões ou fundos de investimento
mobiliário.

Seguros PPR

Assumem a forma de apólices de seguro, mas, na prática, não se destinam a cobrir


qualquer risco. São fundamentalmente produtos financeiros, tal como acontece com os
seguros de capitalização. A vantagem em relação aos fundos é terem uma estratégia mais
defensiva, adequada para os aforradores muito pouco propensos ao risco. Além disso,
quase sempre garantem o capital e um rendimento mínimo.

Neste caso, para cada PPR comercializado, existe um fundo autónomo constituído por
títulos da dívida pública e outros títulos negociáveis na bolsa (por exemplo, ações),
adquiridos pela seguradora com o dinheiro entregue pelos subscritores.

Ao contrário dos fundos PPR, não é possível acompanhar a evolução do investimento:


as cotações não são publicadas, salvo raras exceções. As seguradoras enviam,
anualmente e por correio, uma espécie de extrato de conta com o saldo acumulado, o
rendimento obtido pelo fundo e as comissões cobradas.

Fundos PPR

Têm características semelhantes às dos fundos de investimento mobiliário. Os


subscritores podem acompanhar facilmente a evolução do investimento, pois os fundos
encontram-se divididos em unidades de participação, cujo valor deve ser publicado, pelo
menos uma vez por mês. Na prática, essa informação é mais regular, sendo o valor
divulgado todos os dias úteis, no Boletim de Cotações da Euronext Lisboa, nos jornais de
maior circulação. Na Internet, estão muitas vezes disponíveis nos sítios das entidades
gestoras/comercializadoras.

Na altura do reembolso, os subscritores recebem os montantes aplicados e a


totalidade dos rendimentos líquidos gerados pelo PPR, isto é, após a dedução dos custos
suportados pelo fundo (compra e venda de títulos, por exemplo) e das eventuais comissões.
Mas não há garantia contratual: o subscritor pode, inclusive, receber menos do que investiu
já que o valor final depende dos ganhos obtidos pelo fundo.

Nos prospetos simplificado e completo estão indicadas as principais regras e


condições de funcionamento do fundo. Entre outros, encontra-se a política de gestão e os
custos a cobrar ao participante. No caso particular dos fundos de pensões, o documento de
base será o regulamento de gestão.

Segurança

Para que as carteiras dos PPR não tenham um nível de risco demasiado elevado, a lei
impõe às sociedades gestoras e seguradoras algumas regras para a sua composição.
Contudo, o risco associado ao investimento em PPR pode ser muito diferente,
consoante o produto escolhido: há seguros com garantia de capital e rendimento mínimo
e outros sem garantias. Nos fundos, há os que investem em ações e os que adotam uma
estratégia mais defensiva que exclui esse tipo de títulos.

Os fundos que prevejam um investimento acima de 40% em ações devem incluir na


sua designação a expressão «Ações». Por exemplo, «PPR – Ações». Uma elevada
componente de ações implica um risco muito maior, mas pode valer a pena. Para que o
rendimento compense o risco, é aconselhável que o investidor mantenha o PPR durante,
pelo menos, dez anos.

Todas as sociedades gestoras de PPR estão sujeitas à supervisão de autoridades,


para garantir a sua saúde financeira e salvaguardar os interesses dos investidores. No caso
dos seguros e fundos de pensões, a supervisão está a cargo do Instituto de Seguros de
Portugal. As sociedades gestoras de fundos de investimento mobiliário são fiscalizadas pela
Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Por sua vez, o Banco de Portugal efetua, periodicamente, uma supervisão a todas as
entidades gestoras. Além disso, a lei portuguesa dá aos subscritores algumas garantias
contra eventuais situações de "bancarrota" das entidades gestoras. Por exemplo, as
sociedades gestoras de PPR não podem ser dissolvidas, sem que uma outra entidade,
devidamente habilitada, as substitua na gestão do investimento.
Os PPR podem considerar-se, em regra, aplicações consideravelmente seguras,
embora, em alguns casos, o valor do investimento possa sofrer variações
significativas (especialmente no caso dos fundos de poupança-reforma que investem em
ações).

Liquidez

O subscritor pode exigir, a qualquer momento, o dinheiro aplicado num PPR. Contudo,
existem regras que limitam os reembolsos destes produtos a determinadas
circunstâncias. Se o investidor optar por ignorá-las sujeita-se a fortes penalizações.

Cumprindo as regras

Quando se respeitam as condições inerentes aos PPR constata-se que a sua liquidez
é reduzida, pois é preciso cumprir duas condições para usufruir dos benefícios fiscais. A
primeira diz respeito à indisponibilidade das entregas: o período durante o qual não pode
haver resgate é de cinco anos.

Além disso, o reembolso só pode ser efetuado numa das seguintes situações:

• A partir dos 60 anos;


• Reforma por velhice (pessoas a quem tenham sido atribuídas pensões de velhice de
qualquer regime de proteção social).

Em circunstâncias excepcionais

Há algumas situações especiais nas quais poderá proceder ao resgate, sem ser para
os efeitos previstos e sem incorrer em penalizações fiscais. São casos em que o participante
ou algum dos membros do seu agregado familiar experimente especial dificuldade:

• Desemprego de longa duração (trabalhadores que estejam há mais de 12 meses


desempregados e inscritos em centros de emprego);
• Em caso de doença grave;

• Incapacidade permanente para o trabalho;


• Falecimento do titular.

Transferência

Os investidores que estejam descontentes com o desempenho de seu PPR podem


pedir a transferência para outro PPR de natureza idêntica ou diferente (fundos ou seguros).
A comissão de transferência é, no máximo, de 0,5% e apenas nos PPR com garantia de
capital (os fundos PPR sem garantia de capital nem sequer podem aplicar comissão de
transferência).

Se não se verificar nenhuma das situações descritas, o subscritor pode, mesmo assim,
pedir a antecipação do reembolso. Nessa situação, sofrerá penalizações fiscais e também
terá suportar as denominadas comissões por reembolso antecipado, cobradas pela
entidade gestora do PPR.

Rendimento

Nos PPR, o rendimento do investidor dependerá, essencialmente, da qualidade da


gestão efetuada, da participação nos resultados que é atribuída (no caso dos seguros) e
dos custos cobrados pela entidade gestora.

Seguros

Embora se conheça o rendimento distribuído ao segurado, não se sabe o rendimento


real obtido pela sua gestão. Salvo raras exceções, é muito difícil saber, exatamente, qual o
rendimento real e a estratégia de investimento das seguradoras. E, sem esta informação, é
difícil captar o nível de qualidade na gestão das quantias confiadas à seguradora.
O facto da maioria dos seguros poupança-reforma garantirem um rendimento
mínimo, ao contrário do que sucede com os fundos, proporciona uma certa segurança, pois
o investidor sabe que, no mínimo, irá receber o montante investido acrescido dessa
percentagem. Além disso, o mais importante do rendimento mínimo garantido é, desde logo,
a certeza de reaver o capital investido, eliminando a possibilidade de perdas. Existem
também seguros PPR que definem à partida a totalidade do rendimento a atribuir ao
investidor e não apenas o mínimo.

Nas apólices, todos os seguros têm de especificar qual a participação mínima dos
resultados. Esta última varia, normalmente, entre 75 e 100% e incide sobre a parte dos
ganhos obtidos pela carteira de investimentos que excedem o rendimento mínimo do
seguro.
Fundos

Para aplicarem o dinheiro que lhes é confiado, as sociedades gestoras escolhem


diferentes estratégias: por exemplo, umas optam, sobretudo, por obrigações de taxa
variável, outras por obrigações de taxa fixa e ações. Estas opções têm, como consequência,
carteiras com diferentes graus de risco, que também se traduzem em diferentes níveis
de rendimento: como referimos, por diversas vezes, quanto maior é o risco, maior deverá
ser o rendimento a longo prazo. O grau de risco aumenta com a proporção de investimento
em ações.

Em geral, os fundos não garantem qualquer rendimento mínimo, nem sequer o


capital aplicado. Todos os resultados da gestão (ganhos e perdas) são atribuídos ao
investidor, pelo que se pode dizer que a “participação dos resultados” é 100%. Contudo,
esta terminologia não se aplica aos fundos.

Custos

Comissão de entrega (subscrição)

Trata-se de um custo a suportar sempre que seja feita uma entrega de dinheiro.

Na maioria dos seguros, esse custo é deduzido ao montante entregue. Por exemplo,
se aplicar 2 500 euros e a comissão for de 5%, apenas ficarão a render 2 375 euros: os
outros 125 euros vão diretamente para o "bolso" da seguradora. Esta forma de cobrar a
comissão de entrega implica que a comissão acaba por ser superior ao anunciado. No
exemplo anterior, a verdadeira comissão aplicada é de 5,26 por cento.
No caso dos PPR sob a forma de fundo e de alguns seguros, a comissão é acrescida
ao valor da entrega. Por exemplo, se o montante mínimo a aplicar for de 2 500 euros e a
comissão de 2%, isso significa que terá de gastar, no total, de 2 550 euros. A “remuneração”
da sociedade gestora/seguradora será 50 euros, enquanto os 2 500 euros são investidos
no fundo/seguro.

Comissão de gestão

Esta comissão representa um custo para o investidor, mas não é paga diretamente por
ele. É cobrada de diferentes formas, conforme o seguro ou o fundo.

Na maioria dos seguros, incide diretamente sobre o montante acumulado, sendo


deduzida, anualmente, ao rendimento do seguro. Porém, algumas entidades gestoras
aplicam-na, por exemplo, ao valor médio do fundo autónomo ou ao seu rendimento anual.
As formas de cálculo diferem e são, por vezes, bastante complexas.

Nalguns seguros, esta comissão não existe formalmente. Mas o investidor também a
suporta pois, nesses casos, a percentagem de participação nos rendimentos obtidos pela
seguradora é menor. Uma forma de reduzir o rendimento final do investidor.

Nos fundos de poupança-reforma, a comissão de gestão incide sobre o valor global da


carteira. Os cálculos são efetuados diariamente e o valor da unidade de participação reflete
de imediato esses encargos.

Comissão de depósito

À semelhança do que sucede nos restantes tipos de fundos de investimento, nos


fundos PPR existe também uma comissão de depósito. É paga pelo fundo à entidade (um
banco) que guarda os títulos e efetua os registos e movimentos relacionados com o PPR.

Comissão de resgate
Este custo é suportado na altura em que o subscritor pretende recuperar o dinheiro
investido e o rendimento acumulado. Atualmente, se o resgate acontecer nas condições
normais previstas pela lei, esta comissão apenas é cobrada por alguns fundos. Contudo,
há sempre elevadas comissões a suportar em caso de resgate “irregular”. Só após a
dedução destes encargos, o subscritor saberá quanto irá receber, realmente, pelo seu
investimento.

Comissão de transferência

Os montantes aplicados num determinado PPR podem ser transferidos para outro.
Esta operação está sujeita a uma comissão de transferência, no máximo de 0,5% e apenas
nos PPR com garantia de capital (os fundos PPR sem garantia de capital nem sequer
podem aplicar comissão de transferência).

Fiscalidade

A principal vantagem dos PPR era o benefício fiscal à entrada. Mas as regras
mudaram e, apesar de teoricamente se manterem os benefícios fiscais, foram definidos
limites máximos de dedução fiscal.
Apenas quem tiver um rendimento mensal próximo do salário mínimo nacional poderá
beneficiar das deduções fiscais máximas dos PPR. Incluem-se nestes limites todas as
despesas com benefícios fiscais, como seguros, donativos e energias renováveis. Assim,
quem tenha um seguro de vida associado ao crédito à habitação, não consegue usufruir do
benefício fiscal dos PPR. Ou seja, eles existem, mas poucos ou nenhuns os poderão
usufruir.

Mantém-se o benefício fiscal à saída, isto é, a taxa de imposto reduzida (8,6%), desde
que respeitadas as condições legais. Na prática, passam a ter uma tributação semelhante
à dos seguros de capitalização, mas os PPR exigem a permanência até à reforma.

Entregas programadas ou esporádicas


Se optar por entregas programadas, terá de definir, com a entidade gestora do PPR,
um plano de entregas periódicas (mensais, trimestrais, semestrais ou anuais) e um
determinado montante mínimo. O valor poderá ir aumentando com o decorrer dos anos.

Se, por qualquer motivo, não puder respeitar o plano acordado (impossibilidade
financeira temporária ou definitiva), as quantias aplicadas continuarão a capitalizar, mas o
montante final acumulado será menor. Alguns produtos preveem, contudo, penalizações
quando há interrupção das entregas contratadas. Mesmo que opte pelas entregas
programadas, lembre-se de que nada o impede de, sempre que o desejar, reforçar o seu
saldo com quantias adicionais.

As entregas não programadas permitem uma maior flexibilidade: o investidor aplica


apenas quando tem disponibilidade financeira. Esta opção tem o inconveniente de não
disciplinar a poupança, mas nada impede o investidor de efetuar entregas regulares.
Contudo, mesmo neste caso, há montantes mínimos a cumprir.

Reembolso: renda periódica

O montante anual das rendas recebidas terá de ser incluído na declaração de IRS,
como rendimento de pensões, do ano a que respeitam. O imposto incidirá sobre os
rendimentos totais auferidos (rendas, salários, etc.), o que significa que quanto mais
elevados forem, maior será a taxa e o valor a pagar.

Reembolso: sistema misto

O regime fiscal a aplicar é misto: os montantes recebidos no reembolso estarão


sujeitos a uma taxa de 8%; as rendas anuais serão englobadas e pagarão imposto à taxa
que vier a ser determinada para os rendimentos totais, do ano a que respeitam.
Reembolso: total

No final do prazo, o subscritor terá de pagar uma taxa autónoma de 20% sobre 2/5 do
rendimento obtido, ou seja, na prática, será aplicada uma taxa de 8% sobre os ganhos
totais. Por exemplo, se ao longo de dez anos, o casal Santos investiu 25 000 euros num
PPR e, na altura do resgate, tiver direito a receber 35 000 euros (depois de cobrados os
respetivos custos). Sobre os ganhos da aplicação seria feita uma retenção de 8%, calculada
da seguinte forma:

(35 000 euros – 25 000 euros) x 8% = 800 euros

Assim, o casal receberia 34 200 euros líquidos. Os 800 euros de imposto seriam
retidos, diretamente, pela entidade gestora. Como a taxa de imposto também é considerada
liberatória, em princípio, o casal Santos não terá interesse em englobar esses ganhos nos
seus rendimentos.

O Banco BPI recusa-se a transferir o meu PPR para outra instituição que comercializa
o mesmo fundo. É legal?

A associada Ana Rita Gomes subscreveu o fundo BPI Reforma Acções PPR junto do
Banco BPI, mas agora pretende transferir as unidades de participação para o ActivoBank,
que também comercializa o produto. No entanto, a BPI Gestão de Activos, a sociedade
gestora de fundos do Banco BPI, recusou a transferência, argumentando que o plano de
poupança-reforma (PPR) só pode ser transferido para um fundo PPR diferente. A entidade
gestora alega que, legalmente, não é obrigada a aceitar o pedido.

Banco mostra-se inflexível

Em fevereiro, contactámos o Banco BPI, questionando a recusa da transferência do


fundo. A alternativa apresentada (transferência para um PPR de outra sociedade) é
insatisfatória para ambas as partes. Ana Rita Gomes terá de subscrever um produto
diferente e a BPI Gestão de Activos deixará de receber parte das comissões de gestão do
fundo.

No início de março, a instituição bancária respondeu-nos, explicando que não está


disposto a ceder à concorrência de “instituições que procuram cativar os nossos clientes e
ainda obter ganhos adicionais indiretos”.

Comentário PROTESTE INVESTE


Não existe atualmente legislação ou instruções que imponham regras ou práticas às
instituições em relação a estes casos. Trata-se da possibilidade de transferir valores
mobiliários de uma instituição para outra. A PROTESTE INVESTE vai pedir a clarificação
destas situações para que estas mudanças sejam possíveis.

Sugerimos que deixe de efetuar entregas para o fundo no Banco BPI, se ainda for
o caso, e que subscreva o fundo na instituição para a qual pretendia transferir. Outra
solução é transferir para um outro fundo na nova instituição e depois pedir para regressar
ao PPR de origem. Tem de salvaguardar que não tem custos nem perdas de vantagens
(isenção de comissões, por exemplo).

Pedi o resgate antecipado de uma solução de poupança para a reforma, mas a


penalização é muito superior à comissão máxima de 5% indicada pela seguradora.
Posso reclamar?

Em setembro de 2009, o associado Valter Santos, de Felgueiras, subscreveu a solução


de poupança PrévoiReforma 2, com a duração de 10 anos, para a qual descontou um
montante fixo todos os meses até novembro de 2011. Nessa data, contactou a seguradora
Prévoir para averiguar qual o valor do prémio e a possibilidade de resgate antecipado.

Após esse contacto, ficou a saber que o montante a receber seria muito inferior ao
esperado. Em causa, estaria uma comissão de 5% do valor do prémio por resgate
antecipado. Mas, ao fazer os cálculos, constatou que a comissão era superior aos 5%
indicados e pediu a nossa ajuda.

Encargos acima dos 16%

Depois de analisarmos as condições particulares do produto e o esclarecimento sobre


o resgate antecipado enviado pela Prévoir em dezembro de 2011, verificámos que a
diferença referia-se a encargos de aquisição não amortizados, que não foram
adequadamente explicados. Contactámos a seguradora, exigindo os necessários
esclarecimentos, mas de uma forma geral concluímos que os custos não são transparentes
e tornam-se difíceis de calcular por parte do cliente, penalizando bastante o rendimento da
aplicação.

Comentário PROTESTE INVESTE

Os produtos de poupança propostos pelas seguradoras, nomeadamente seguros de


capitalização ou seguros PPR, têm frequentemente uma estrutura de custos pesada e
pouco transparente. Evite subscrever produtos com comissões elevadas e baixos
rendimentos.

Se já contratou, examine cuidadosamente as condições de resgate antecipado para


evitar surpresas. Podem ser penalizadoras, especialmente nos primeiros anos do contrato.
Em caso de dúvida, contacte o nosso serviço de informação financeira ou envie-nos a ficha
detalhada do produto no âmbito do serviço de avaliação a pedido.

Obrigações

O que são?

Investir numa obrigação é, em termos simples, quase a mesma coisa que emprestar
dinheiro a alguém. Só que, neste caso, esse alguém pode ser uma empresa, uma instituição
(nacional ou estrangeira) ou até o próprio Estado.

Quando uma empresa emite obrigações está, no fundo, a contrair um empréstimo


(regra geral, mais barato do que se tivesse de recorrer a um banco). Por outras palavras:
quem aplica o seu dinheiro em ações está a adquirir uma parte, mesmo que ínfima, de uma
empresa; quem investe em obrigações está apenas a emprestar dinheiro a quem as emite.
Enquanto os acionistas são co-proprietários de uma empresa, os obrigacionistas são seus
credores.

Para os particulares, as obrigações podem ser muito úteis, já que contribuem bastante
para a diversificação das aplicações. O facto de alguns aspetos importantes, como o prazo
e, na maioria dos casos, o rendimento, já serem conhecidos à partida, é uma das suas
principais vantagens. Por outro lado, apesar das potencialidades, o mercado de obrigações
em Portugal está pouco desenvolvido e um dos maiores problemas é a falta de liquidez.
Além disso, não é fácil saber qual o tipo de obrigação mais adequado a cada caso.

Para satisfazer as diferentes necessidades dos investidores e os objetivos da entidade


que as emite, é possível construir diversos tipos de obrigações. Contudo, por detrás da
diversidade existem dois elementos-chave que constituem a essência das obrigações e que
permitem agrupá-las em grandes grupos. Referimo-nos ao emitente e ao tipo de taxa de
juro.

Segurança

Investir em obrigações é emprestar dinheiro a alguém que se compromete a pagar a


dívida. Assim, importa desde logo saber se o devedor é merecedor dessa confiança. Assim,
um dos factores determinantes para a segurança associada às obrigações é o tipo de
emitente. Existem dois grandes tipos de emitentes: os Estados e as empresas privadas.

Obrigações do Estado

Estas obrigações dão origem à dívida pública, já que são uma forma do Estado se
financiar, sendo as Obrigações do Tesouro o exemplo mais conhecido. Mas existem ainda
obrigações de outras entidades públicas ou a elas equiparadas, que têm a garantia do
Estado português ou de qualquer Estado estrangeiro. Englobam os municípios e os
organismos internacionais e supranacionais.

Obrigações de empresas ou diversas

São os títulos emitidos por empresas, privadas ou públicas, que não tenham a garantia
do Estado. As obrigações das empresas são menos seguras que as do Estado, porque a
única garantia existente é a capacidade das empresas para respeitar os compromissos
assumidos. Isto significa que se o investidor aplicar 5000 euros em obrigações de uma
empresa e esta, entretanto, entrar em falência, não será fácil recuperar o dinheiro. Por isso,
o risco de investir nessas obrigações é sempre considerável, a não ser que se disponha de
boas informações sobre a situação financeira da empresa. Sobretudo, é preciso um cuidado
especial com as obrigações que oferecem rendimentos muito aliciantes, pois estas
escondem, por vezes, riscos elevados. A empresa em questão pode ter dificuldades em
respeitar os seus compromissos.

Liquidez

Compra

Quem estiver interessado na aquisição de obrigações dispõe de duas alternativas: o


mercado primário e o secundário.

Mercado primário

Apesar de algumas emissões ainda se destinarem ao público em geral, este mercado


está, cada vez mais, vocacionado para investidores institucionais, como os fundos de
investimento ou os fundos de pensões.

Mercado secundário

A bolsa é o mercado secundário mais adequado para comprar e vender obrigações.


As transações são efetuadas com maior facilidade e os preços de compra e venda são
mais transparentes.

As ordens para transacionar obrigações em bolsa têm ser transmitidas através de uma
corretora ou do banco. Contudo, na prática, levantam-se alguns problemas:

• Para diversificar é necessário dispor de montantes elevados. Caso contrário, não é


possível diluir os custos.
• Para investir diretamente é preciso ter um certo nível de conhecimentos e informação.

• O mercado de obrigações português é bastante incipiente e não oferece muita escolha.

Por estes motivos, as aplicações em obrigações devem, sobretudo, ser feitas através
de fundos de investimento.
Venda em bolsa

Se a obrigação estiver cotada, poderá vendê-la em bolsa. Caso contrário, há a


possibilidade de a vender ao seu banco através de uma operação fora de bolsa. Em ambos
os casos, terá de se sujeitar aos preços que lhe são oferecidos pela obrigação. Em bolsa,
as cotações são mais transparentes, apesar de, para muitas emissões, existir um número
reduzido de compradores/vendedores interessados.

Além da quantia referente à venda da obrigação, o investidor terá sempre direito a


receber os juros corridos desde o pagamento do último cupão.

Esperar pelo reembolso

Outra alternativa é esperar que a obrigação vença, isto é, que atinja a data de
maturidade. Nesse momento dá-se o reembolso. O mais frequente é o sistema de
reembolso único: todas as obrigações são amortizadas na data de maturidade. Também é
regra que o valor de reembolso corresponda ao valor nominal da obrigação. Mas, como não
há regra sem excepção, pode suceder que o reembolso seja feito noutra modalidade. Tanto
a data de maturidade como as condições de reembolso têm de vir definidas no anúncio de
lançamento e no prospeto da obrigação.

Rendimento

As obrigações proporcionam dois tipos de rendimento: a diferença entre o preço de


venda e de compra, por um lado, e os juros, por outro. Contudo, o rendimento total do
investidor não pode divergir muito das taxas de juro que vigoram no mercado para títulos
de risco e prazo idênticos. As obrigações emitidas há mais tempo têm de se ir ajustando à
evolução das taxas de juro. A forma como se processa esse ajustamento varia consoante
as obrigações sejam de taxa variável ou fixa.

Taxa variável

O rendimento das obrigações provém, normalmente, de uma taxa de juro de cupão


que vai variando ao longo do tempo. Regra geral, essa variação tem por referência um
indexante e é feita de acordo com as condições estabelecidas na ficha técnica da emissão.
O indexante mais utilizado é a taxa Euribor.

Ao remunerarem o investidor a uma taxa variável, estas obrigações podem facilmente


ajustar às condições do mercado. Se houver uma subida das taxas de juro de mercado, o
rendimento das obrigações (taxa de juro dos cupões) também sobe; se houver uma descida,
acontecerá o contrário. Dessa forma, o preço (cotação) destas obrigações permanece
relativamente inalterado, porque o ajustamento às taxas de juro de mercado é feito pela
taxa de cupão.

Contudo, se o risco de rendimento é reduzido, existe sempre a possibilidade de o


emitente não honrar os seus compromissos e o investidor perder parte ou a totalidade da
quantia aplicada. Por isso, embora o preço destas obrigações seja pouco sensível às taxas
de mercado, pode ter grandes variações caso o risco de crédito se altere
consideravelmente.

Taxa fixa

Uma obrigação é denominada de taxa fixa quando apresenta uma taxa de cupão que
não varia ao longo do tempo. Por exemplo, quando estabelece o pagamento anual de 4,5%
de juros.

Se a taxa de cupão é fixa, como é que o rendimento deste tipo de obrigações se ajusta
às taxas de juro de mercado? O ajuste das obrigações de taxa fixa às condições do mercado
terá de ser feito através das oscilações da cotação:

• Quando as taxas de juro de mercado baixam, a cotação das obrigações já disponíveis


tem tendência a subir. Isto acontece porque, como possuem uma taxa de juro fixa
superior às novas emissões de obrigações, despertam um interesse acrescido por
parte dos investidores. Dessa forma, o seu preço (cotação) tenderá a subir até que o
rendimento proporcionado, a quem as comprar em bolsa, seja semelhante ao das
novas emissões com o mesmo prazo. Quanto mais o preço subir, menos rendem
para os compradores.
• Quando as taxas de juro de mercado sobem, acontece precisamente o contrário. As
novas obrigações são emitidas com uma taxa de juro superior e os títulos
anteriormente disponíveis veem o seu valor (cotação) diminuir, pois tornam-se menos
interessantes.

Nas obrigações de taxa fixa, o rendimento só é garantido caso o investidor detenha a


obrigação até ao seu vencimento. Isto porque, se a taxa de cupão é fixa e garantida, o valor
da venda da obrigação antes da maturidade depende das condições de mercado. Assim, a
venda poderá ser efectuada a um valor diferente do inicialmente previsto para o reembolso.
O rendimento total do investidor (cupões e mais ou menos-valia com a venda) irá depender
das taxas de juro no momento da venda da obrigação.

Custos

O investimento em obrigações implica, na maioria dos casos, diversos encargos. Estes


são muito semelhantes aos de uma carteira de ações.

É importante não perder de vista a totalidade dos custos cobrados. Antes de


subscrever uma obrigação, informe-se sobre os custos envolvidos: um título com um
rendimento interessante, à partida, pode revelar-se um péssimo negócio. As comissões
elevadas podem anular, quase por completo, o rendimento de alguns títulos, sobretudo se
estes forem em número reduzido.

Compra e venda

No mercado primário (novas emissões), tem de pagar-se uma comissão relativa à


subscrição das obrigações. Já no mercado secundário, para cada operação realizada na
bolsa, além de uma taxa cobrada pela Euronext Lisboa, deverá pagar uma comissão ao
intermediário que executa as suas ordens. O valor destas comissões varia de banco para
banco e de corretora para corretora.

Rendimentos
Os juros são recebidos através da instituição onde os títulos se encontram
depositados. Essas instituições aplicam uma determinada percentagem sobre as quantias
recebidas.

Reembolsos

Se mantiver as obrigações até ao seu vencimento, o reembolso do dinheiro investido


é efetuado pela instituição depositária, que cobra, também, uma taxa por esse serviço.

Guarda de títulos

Para serem negociados na bolsa, os títulos têm de estar depositados numa instituição
financeira. Esta comissão é, por norma, um valor fixo, penalizando os investidores que
possuam em carteira um menor número de obrigações.

Outras comissões

Algumas obrigações têm custos "escondidos", sob a forma de despesas de expediente


e portes, o que pode revelar-se bastante dispendioso. Consulte atentamente o preçário e
compare as comissões cobradas pelas diferentes instituições.

Fiscalidade

Os rendimentos gerados pelas obrigações estão sujeitos a uma taxa de retenção na


fonte de 26,5%, independentemente da entidade que as emita. Como essa taxa é
liberatória, não é necessário declarar esses rendimentos ao Fisco. O englobamento apenas
é interessante para quem tenha a declarar rendimentos muito reduzidos.

Relativamente às mais-valias, os eventuais ganhos obtidos na venda das obrigações


ou no momento do reembolso têm de ser declarados e são tributados em 26,5 por cento.

Características de uma obrigação

As principais características de uma obrigação são:


• Valor nominal: é o valor facial do título. Um cêntimo de euro (0,01 euros) é o valor
mais comum, sobretudo nos títulos de dívida pública.

• Preço de emissão: é a quantia paga no momento da aquisição (ou subscrição). Pode


ser diferente do valor nominal. Se for inferior, diz-se que se trata de uma emissão
abaixo do par; se for superior, diz-se acima do par; se coincide, chama-se emissão
ao par.

• Taxa de juro do cupão: há muito anos , todas as obrigações continham pequenos


pedaços de papel destacáveis (cupões), que deveriam ser entregues nos bancos na
altura do pagamento dos juros. Hoje já não é assim e as obrigações não passam de
meros registos informáticos, mas a expressão ficou. Trata-se da taxa de juro da
obrigação, ou seja, a taxa que o emissor se compromete a pagar a quem adquire os
títulos.

• Periodicidade de pagamento de juros: é o intervalo de tempo com que os


subscritores recebem, periodicamente, os juros. O mais frequente é o pagamento
anual e semestral, ao contrário do trimestral, que é mais raro.
• Prazo de maturidade: é o tempo que decorre desde a emissão até ao reembolso da
obrigação. Atingida a maturidade, a obrigação "vence" e é extinta.

• Forma de reembolso: por norma o investidor recebe o valor nominal, mas poderão
existir outras variantes.

Notação (rating)

O risco de crédito é a possibilidade de uma empresa ou Estado que emite títulos de


dívida não honrar os seus compromissos, ou seja, não pagar os juros prometidos ou
reembolsar o dinheiro aplicado. Um instrumento que ajuda os investidores a avaliar este
grau de risco é a notação ou rating ("avaliação" em inglês). O objetivo é dar uma ideia da
probabilidade de não cumprimento por parte da entidade emissora: quanto mais elevada for
essa probabilidade, pior será o rating da empresa ou do país. É frequente as empresas e
Estados submeterem-se este tipo de avaliação.
A nível internacional, as duas agências mais conhecidas são as norte-americanas
Moody's (www.moodys.com) e Standard & Poor's (www.standardandpoors.com). As
notações são normalmente definidas por um conjunto de letras, sendo também feita
uma repartição entre as obrigações mais adequadas para o investimento e as de cariz
especulativo.

Ratings para a dívida de longo prazo


S&P Moody’s Fitch
“Investment grade” – Grau investimento
AAA Aaa AAA Crédito de melhor
qualidade
AA Aa AA Capacidade de
cumprimento muito
forte
A A A Forte capacidade de
cumprimento
BBB Baa BBB Qualidade do
emitente
adequada
“Junk bonds” - Grau especulativo
BB Ba BB Sujeitos a algumas
incertezas
B B B Vulnerável ao não
pagamento
CCC Caa CCC Atualmente
vulnerável
CC Ca CC Muito vulnerável
C Ca C Incumprimento
iminente
D C C/D Incumprimento

Na S&P, os ratings de AA a CCC poderão incluir um sinal (+) ou (-) e, na Moody’s, os


ratings de Aa a Caa incluem um valor de 1, 2 ou 3, para evidenciar o posicionamento relativo
dentro de cada categoria.

No entanto, não se trata de uma avaliação exata. A situação do país ou empresa pode
evoluir e a notação alterar-se. Para evitar surpresas, o melhor é investir em várias
obrigações, escolhendo só as mais fiáveis. Outra possibilidade, sobretudo para quem
disponha de menos meios, é optar por um fundo de obrigações. Dessa forma, terá acesso
a uma carteira diversificada, investindo apenas algumas centenas de euros.
Evolução entre 2008 e 2011
País janeiro 2008 junho 2011
Alemanha AAA AAA
Brasil BBB BBB-
China A AA-
Espanha AAA AA
Estados AAA AAA
Unidos
Grécia A CCC
Irlanda AAA BBB+
Islândia AA BBB-
Itália A+ A+
Japão AA AA-
Portugal AA- BBB-
Rússia A- BBB

Fonte: S&P; Ratings para a dívida de longo prazo

Obrigações com cap

Obrigações com cap são obrigações de taxa variável, mas que se caracterizam por
incluírem, no cálculo da taxa de juro, um limite máximo, que não poderá ser ultrapassado
durante toda a vida da obrigação. O cap é uma proteção contra as flutuações das taxas de
juro, o que beneficia geralmente o emitente.

Obrigações com floor

Obrigações com floor são obrigações de taxa variável. Tal como o cap, o floor
funciona como uma proteção contra as flutuações das taxas de juro, mas como limite
inferior. Assim, caracterizam-se por incluírem, no cálculo da taxa de juro, um valor mínimo,
que não poderá ser quebrado durante toda a vida da obrigação. Por regra, constituem uma
vantagem para o investidor.

Obrigações com warrant


Obrigações com warrant dão aos seus subscritores o direito (warrant) de se tornarem
acionistas das empresas que as emitem ou de negociarem essa possibilidade na bolsa (isto
é, os warrants podem ser negociados, de forma autónoma, na bolsa). Esse direito pode ser
exercido durante um determinado período, definido nas condições de emissão. Só as
empresas que possuam ações cotadas na bolsa podem emitir este tipo de obrigações. O
risco e forma de funcionamento destes warrants é muito semelhante à dos warrants
autónomos.

Obrigações convertíveis

Obrigações convertíveis dão aos subscritores o direito de as converterem num


determinado número de ações da empresa que as emite, de acordo com condições pré-
estabelecidas. No entanto, ao contrário das obrigações com warrant , esse direito não é
cotado, nem pode ser vendido separadamente, pois faz parte do valor da obrigação.

O rendimento destas obrigações não provém apenas da taxa de juro de cupão, mas
também da cotação das ações em que estas se podem transformar. Se a empresa que as
emite evoluir favoravelmente, o valor das obrigações acompanhará essa tendência,
permitindo obter mais-valias.

Se o direito de conversão for exercido, as obrigações desaparecem e os seus


detentores passam a acionistas da empresa. Mas se os ganhos da empresa ficarem aquém
das expectativas, a conversão perderá interesse. Nesse caso, como a conversão não é
obrigatória, é preferível conservar os títulos, que continuam a render juros e mantêm o valor
de reembolso.

Existem ainda duas outras variantes para as obrigações convertíveis. Em primeiro


lugar, quando o direito de conversão pode suceder por opção do emitente e não dos
investidores, estamos perante os reverse convertibles.

Em segundo lugar, a conversão pode ser obrigatória e não opcional. Neste caso, os
emitentes têm obrigatoriamente de proceder ao seu reembolso em espécie na data de
vencimento, através da entrega de ações.
O risco associado a este tipo de obrigações tende a ser muito superior ao das
obrigações "normais", porque a evolução do seu valor não depende apenas da evolução
das taxas de juro, mas também do ativo subjacente para o qual está prevista a possibilidade
de conversão. Ou seja, o risco acaba por ser semelhante ao das ações.

Obrigações de caixa

As obrigações de caixa são emitidas e comercializadas pelos intermediários


financeiros, nomeadamente para servirem de alternativa às aplicações de aforro mais
tradicionais.

A fórmula de cálculo do rendimento pode assumir diversas formas, podendo até ser de
taxa variável ou fixa. Nestes casos, funciona exatamente como nas outras obrigações.
Contudo, a remuneração das obrigações de caixa pode ser bastante mais complexa e muito
diferente das obrigações "tradicionais".
Obrigações de cupão zero

Nas obrigações de cupão zero, a remuneração do investidor é obtida apenas no


vencimento. Geralmente, esta consiste na diferença entre o valor do reembolso da
obrigação e o valor que foi pago na emissão. Um número considerável de obrigações de
caixa é emitido neste formato.

Obrigações do Tesouro de taxa fixa

À semelhança do que acontece noutros países, o Instituto de Gestão do Crédito


Público (IGCP), entidade que gere a dívida pública em Portugal, tem optado pela emissão
de Obrigações do Tesouro de taxa fixa (OT) como forma principal de financiamento.

Muitas vezes confunde-se a taxa de cupão das obrigações com a taxa de rendimento.
No entanto, o valor da taxa de juro do cupão é apenas um dos elementos que afecta a taxa
de rendimento, pois é necessário ter também em conta outros fatores, principalmente a
cotação à qual a obrigação é adquirida.
Sabemos, por exemplo, que a Obrigação do Tesouro Junho XPTO apresenta uma taxa
de cupão líquida de 4% e que os juros são pagos anualmente. Ou seja, até à data do
reembolso (XPTO), os titulares têm direito a receber, todos os anos, 0,0004 euros de juros
líquidos por obrigação.

Mas, considerando que o preço a pagar em 15 Março de XPTI, era de 105,91% do


valor nominal (ou seja, 0,010591 euros), o seu rendimento anual líquido, caso o título fosse
mantido até ao reembolso, seria apenas de 3,17 por cento. Este valor é visivelmente inferior
à taxa de cupão (4%). O cálculo da yield pode ser feito com o recurso uma calculadora
financeira ou uma folha de cálculo (em Excel, por exemplo).
Mas será 3,17% o rendimento efetivamente proporcionado pela obrigação referida? É
certo que se adquirir essa OT à cotação de 105,91% e esperar até ao reembolso irá obter
um rendimento fixo de 3,17%? A resposta é afirmativa, mas só se forem cumpridas duas
condições:

• O investidor terá de manter a obrigação até ao vencimento. Se desejar reaver o


dinheiro previamente poderá vendê-la em bolsa. Mas o preço de venda depende das
condições do mercado nesse momento. A rentabilidade poderá ser superior aos
3,17%, mas também poderá ser inferior, ou até negativa, em casos extremos,
gerando uma perda de capital ao investidor.

• O cálculo desta taxa pressupõe que o dinheiro proveniente dos cupões é reinvestido à
mesma taxa. Caso contrário, o rendimento poderá ser diferente. Trata-se de uma
simplificação habitual no cálculo de rentabilidades de aplicações financeiras e
assume-se que é cumprida.

Obrigações grupadas

As obrigações grupadas têm a particularidade de englobar diversas entidades


emitentes, pertencentes ao mesmo grupo económico. Isso permite emissões feitas por
empresas relativamente pequenas e a custos inferiores. Os capitais obtidos desta forma
são repartidos pelas empresas envolvidas.

Obrigações hipotecárias
As obrigações hipotecárias só podem ser emitidas por instituições financeiras que
estejam autorizadas a conceder crédito para a construção e aquisição de imóveis, em que
os empréstimos são garantidos através de uma hipoteca. Isto significa que, se o banco não
tiver dinheiro para satisfazer os seus compromissos (devido a falta de pagamento de quem
havia pedido o empréstimo), os titulares poderão receber, mesmo assim, o produto da
venda dos imóveis hipotecados. Portanto, este tipo de obrigações tem um risco baixo.

As obrigações hipotecárias distinguem-se, ainda, por o prazo de reembolso não poder


ser inferior a 3 anos nem superior a 30. Também são o único tipo de obrigações que podem
ser negociadas diretamente, na bolsa, pelas próprias entidades emitentes. Isto é, essas
entidades podem comprar ou vender obrigações por si emitidas.

Quanto aos juros, a taxa de referência é, normalmente, uma percentagem da praticada


pela instituição financeira para o crédito à habitação. Assim, se a taxa para os empréstimos
hipotecários for de 4%, por exemplo, e a instituição financeira atribuir 67,5% desse valor, a
taxa de juro da obrigação será de 2,7 por cento.

Obrigações participantes

As obrigações participantes conferem aos seus titulares, além do juro fixo, o direito
de receberem um juro suplementar e/ou um prémio de reembolso, dependentes dos lucros
obtidos pela empresa que as emite. Desta forma, à semelhança dos acionistas, passam a
participar nos resultados da empresa, sem deixarem de receber os juros próprios deste tipo
de aplicação.
Obrigações subordinadas

Desde já, um aviso se impõe: sempre que, numa obrigação, surgir o termo
subordinado, tenha cuidado! Isso significa que, em caso de falência da empresa, o
reembolso das obrigações e o pagamento dos juros fica dependente (subordinado) da
liquidação anterior das dívidas não-subordinadas. Por outras palavras, em caso de falência,
os titulares das obrigações apenas receberão o que lhes é devido depois de as dívidas a
todos os restantes credores estarem pagas. Mesmo assim, têm prioridade sobre os
acionistas da empresa.
Convém realçar que estas obrigações devem ter um prazo de reembolso não inferior
a 5 anos. Além disso, não podem prever o reembolso antecipado por iniciativa dos
subscritores. É evidente que estas obrigações são, à partida, mais arriscadas do que as
anteriores, tendo como contrapartida taxas de juro mais elevadas. São bastante frequentes
entre nós, pois são muitas as instituições financeiras nacionais que emitem obrigações de
caixa subordinadas.

Reembolso: amortização antecipada

Pode conceder-se o direito à amortização antecipada à entidade emitente ou aos


subscritores:

• As obrigações com opção de compra (call option) conferem à entidade que as emitiu
o direito à amortização, total ou parcial, antes de atingirem a maturidade. A
amortização é normalmente acrescida de um prémio de reembolso. Em regra, este
vai diminuindo durante o prazo da obrigação. Normalmente, as obrigações com este
tipo de condições não são recomendáveis. Na prática, a entidade emitente pode
proceder ao reembolso quando mais lhe convém. Por exemplo, uma empresa poderá
querer reembolsar antecipadamente uma emissão de taxa fixa, porque as taxas de
mercado baixaram. Depois emite um novo empréstimo, com taxas de juro mais
baixas. O investidor é penalizado, já que, se quiser, terá de comprar novas obrigações
com um juro mais baixo.

• As obrigações com opção de venda (put option) dão aos investidores o direito de as
venderem, à entidade emitente, antes do seu vencimento. A venda é feita a um preço
que, regra geral, inclui uma certa redução no rendimento, determinada de forma
idêntica à utilizada nos prémios de reembolso das obrigações com call option.

Reembolso: redução do valor nominal

Outra possibilidade de reembolso é a redução do valor nominal. A partir de certa


altura, prevista nas condições de emissão, amortiza-se, em cada ano, parte do valor
nominal de cada obrigação. Por exemplo: para uma obrigação de 50 euros, emitida pelo
prazo de 9 anos, prevê-se a amortização de 20% do valor nominal, em cada ano, a partir
do quinto. Assim, esse valor descerá para 40 euros no quinto ano, para 30 euros no sexto,
para 20 euros no sétimo e assim sucessivamente, até ao reembolso total.

Reembolso: sorteio

Durante muitos anos, o sistema mais frequente de reembolso foi a amortização por
sorteio. Ao invés do reembolso de todos os títulos em simultâneo, no final do prazo, estes
vão sendo amortizados em momentos definidos ao longo do tempo. Neste sistema, todas
as obrigações são numeradas, permitindo que se sorteie o número de títulos
correspondente ao montante que o emitente pretende amortizar. Nas condições de emissão
deve estar prevista a data em que todas as obrigações estarão amortizadas. Sempre que
este tipo de reembolso é utilizado, o prazo de vencimento das obrigações de uma mesma
emissão será diferente.

Ordens de bolsa sobre obrigações

Uma ordem de compra/venda de uma obrigação é diferente da utilizada para as


acções. Por exemplo, uma ordem para ações pode ser “comprar 200 ações da Portugal
Telecom com um preço máximo de 8 euros”.

Para as obrigações é diferente. Por exemplo, para a Obrigação do Tesouro (OT) Julho
XPTO, a ordem a transmitir teria de ser do tipo “ordem de compra de 2500 euros de valor
nominal até ao limite de 98%”.

A cotação das obrigações é dada em percentagem do valor nominal. Feitas as contas,


a ordem indicada significa que, no máximo, se pretende gastar 2450 euros pelas
obrigações:

2500 x 0,98 = 2 450 euros

Neste exemplo, a ordem implica também que se quer comprar 250 000 obrigações,
dado o valor nominal de cada uma ser 0,01 euros (1 cêntimo de euro).
Nas ordens relativas a obrigações, o preço indicado para compra/venda não
corresponde exatamente ao que o investidor vai pagar ou receber. Há que ter em conta os
denominados juros corridos. Como a transação das obrigações acontece, na maioria dos
casos, no período que medeia entre o pagamento de dois cupões consecutivos, o
comprador tem de pagar ao vendedor o valor dos juros corridos.

Tenho Obrigações do Tesouro. Devo vendê-las e investir o capital na conta Optimize


Seleção?

O nosso subscritor J.P. tem Obrigações do Tesouro e pretende saber se deverá


vendê-las e investir o capital na conta OPTIMIZE SELEÇÃO, ao abrigo do nosso
protocolo.

Pode, mas cuidado com os custos

Com a subida das Obrigações do Tesouro (OT) nos últimos meses, e queda das
respetivas yields, é possível que o nosso subscritor possa encaixar importantes mais-valias
com a venda. Por princípio, aconselhamos o investimento em OT numa ótica de manter os
títulos até à maturidade. Mas tal não significa que, no caso de uma subida acentuada do
valor dos títulos, não os possa vender. Para tal, deverá ter em atenção dois aspetos
essenciais: os custos que o banco cobra com a alienação e deverá dar a sua ordem com
um preço mínimo. Isto coloca-o ao abrigo de uma queda acentuada das cotações.
Quanto ao protocolo OPTIMIZE SELEÇÃO, trata-se de uma conta que replica a nossa
carteira a 10 anos, que o ajuda a diversificar os seus investimentos mas não se trata um
produto de capital garantido.

Informações em vigor em setembro de 2012

Nas Obrigações do Tesouro, como funciona a cotação em percentagem e como pode


influenciar a rentabilidade?
Antes de investir em Obrigações do Tesouro, o leitor António Garcia, de Lisboa,
quer saber como funciona a cotação em percentagem e como isso pode influenciar a
sua rentabilidade.

A convenção diz que a cotação das Obrigações do Tesouro (OT) é em percentagem


do valor nominal. A OT que se vence em junho de 2014 ser negociada a 93% significa que,
para adquirir um valor nominal de 50.000 euros, se paga 46.500 euros (93% × 50.000
euros). Se o Estado cumprir as suas obrigações financeiras, o ganho será de 3500 euros.

Além do desconto no preço implícito na cotação, as OT pagam anualmente juros. A


emissão que se vence em junho de 2014 paga uma taxa anual bruta de 4,375%, calculada
sobre o valor nominal. Por isso, os 50.000 euros de OT dão direito a 2187,50 euros de juros
por ano, que se reduzem para 1640,62 euros depois da retenção de 25% por conta de
imposto sobre o rendimento.

A taxa anual efetiva líquida calculada no nosso simulador reflete não só os juros a
receber das OT mas também o desconto ou o prémio que se paga sobre o valor nominal
dos títulos e a tributação em vigor.

Através de que instituição financeira é mais barato investir em Obrigações do


Tesouro?

O leitor C.C., da Nazaré (Leiria), quer investir cerca de 56.000 euros em


Obrigações do Tesouro (Outubro 2015, Outubro 2016 ou Outubro 2017) e tem conta
no Banco Finantia, Optimize e Millennium bcp.
Se optar pelo Banco Finantia terá de pagar uma comissão de 0,5% na compra e mais
0,5% sobre o valor da carteira todos os anos, e sem contar com custos no pagamento de
juros e no reembolso. Na Optimize, ao abrigo do novo protocolo, pode adquirir Obrigações
do Tesouro com prazos até 5 anos. Assim, se optar por comprar a OT outubro de 2015 ou
a OT outubro 2016, pagará uma comissão de apenas 0,1% na compra e mais 0,5% de
comissão de gestão anual. Como na Optimize não terá mais custos, o investimento em
Obrigações do Tesouro será sempre mais barato do que no Banco Finantia.
Caso invista através do Millennium bcp paga uma comissão de 0,45% sobre a compra
(ou 0,15% se usar a Internet). O investidor não terá nenhum encargo anual pela posse das
Obrigações do Tesouro, dado que o Millennium bcp isenta esta dívida da custódia de títulos.
Sobre os juros pagos anualmente, terá de pagar 2,4% e no momento do reembolso mais
0,35% sobre o montante recebido. No total terá de pagar aproximadamente entre 500 e
700, consoante a OT escolhida e o recurso ou não à Internet para dar a ordem de compra.
Este encargo é cerca de metade do cobrado pela Optimize. Esta entidade tem uma
comissão sobre a compra mais apelativa (apenas 0,1%) e não tem encargos aquando do
pagamento dos juros e no reembolso. Contudo, tem uma comissão de gestão anual de 0,5%
(ou de 1% caso não seja subscritor da PROTESTE INVESTE).

Por prudência e com o objetivo de diversificar o risco, não recomendamos que


coloque mais do que 20% do seu património em Obrigações do Tesouro. Do ponto de
vista apenas dos encargos, o Millennium é a melhor opção. Porém, a compra de OT não é
muito intuitiva (ordens em percentagem, juros corridos, etc.), o que levanta bastantes
problemas aos investidores menos familiarizados com obrigações. Se for esse o caso do
leitor, o protocolo que celebrámos com a Optimize tem a vantagem de permitir um
"investimento sem complicações". Veja as perguntas mais frequentes.

Informações em vigor em julho de 2012

Adquiri obrigações da CGD e da REN. Se o capital não for reembolsado no final


do prazo, é possível acionar o Sistema de Indemnização aos Investidores?

Com o objetivo de diversificar os seus investimentos, o associado J.S., de Paços


de Brandão (Santa Maria da Feira), adquiriu obrigações da Caixa Geral de Depósitos
e da REN, através do Banco Big. Caso alguma das empresas não reembolse o capital
no final do prazo, o investimento está coberto pelo Sistema de Indemnização aos
Investidores?

O Sistema de Indemnização ao Investidor (SII) não cobre o incumprimento de crédito


dos emitentes de títulos de dívida, quer se trate ou não de uma instituição financeira. Ao
adquirir obrigações, o investidor está a aceitar o risco do emitente não proceder ao
reembolso.
Portanto, se a CGD ou a REN não reembolsarem essa dívida, o SII não poderá ser
acionado. No caso de falência destas duas instituições, teria de recorrer aos tribunais como
credor para tentar reaver parte do dinheiro aplicado.

Na questão que nos coloca, o SII cobriria o risco de insolvência do Banco Big. Se o
Banco Big for à falência e não conseguir entregar-lhe os títulos que lhe pertencem por
direito, então o SII poderá ser ativado. O reembolso máximo é de 25 mil euros por investidor.

Porque é que as obrigações de taxa fixa descem quando as taxas de juro sobem?

Como é sabido, as taxas de juro variam ao longo do tempo. Essas oscilações têm
impacto no valor das obrigações. Vejamos o exemplo de uma descida: se as taxas de juro
diminuem, as novas obrigações que são emitidas passam a ser colocadas a uma taxa
inferior. Consequentemente, as obrigações de taxa fixa já existentes no mercado (e que
proporcionam taxas superiores) sofrem uma subida no preço por serem mais atrativas e
mais procuradas. Caso as taxas de juro subam sucede exatamente o oposto.

Perante este cenário, a compra de obrigações de taxa fixa pode ser encarada de duas
formas:

• A primeira consiste em manter a obrigação até ao vencimento. Dessa forma irá obter
uma dada rentabilidade conhecida à partida que é determinada pelo preço no
momento da compra, pela taxa de cupão (taxa de juro fixa a que a obrigação foi
emitida) e pelo valor de reembolso. É a alternativa mais segura.

A segunda passa pela venda posterior das obrigações antes do vencimento. Nesse
caso poderá incorrer em ganhos ou perdas consoante o preço atual da obrigação seja
superior ou inferior face ao do momento em que a adquiriu. É uma opção interessante em
períodos em que se perspetivam descidas nas taxas de juro de médio e longo prazo.

Em Portugal, as obrigações de taxa fixa mais comuns são as Obrigações do Tesouro,


emitidas pelo Estado. Ao contrário, do que sucede em outros países, as empresas nacionais
não têm por hábito emitir obrigações de taxa fixa.
Quais as características específicas da negociação de obrigações que devo
conhecer para evitar erros nas transações?

Por exemplo, uma ordem para ações pode ser: "Comprar 200 ações da Portugal
Telecom ao preço máximo de 9 euros".

Para as obrigações é diferente. Por exemplo, no caso da Obrigação do Tesouro (OT)


Julho 2009, a ordem a transmitir teria de ser do tipo: "Ordem de compra de 2500 euros de
valor nominal até ao limite de 98%".
Esta diferença deve-se ao facto das obrigações estarem cotadas em percentagem do
valor nominal. Esta ordem significaria que, no máximo, pretende pagar 2450 euros pelas
obrigações.

2500 x 0,98 = 2450 euros

Além disso, implica também que se quer comprar 250 000 obrigações, porque o valor
nominal de uma OT é 0,01 euros, ou um cêntimo de euro.

2500 : 0,01 = 250 000 obrigações

O que é uma obrigação de caixa ligada a um índice de ações?

O rendimento proveniente das obrigações de caixa, quase nunca provém do


pagamento regular de cupões, como por exemplo uma Obrigação do Tesouro. Ao invés, o
investidor é remunerado na data de vencimento da obrigação de caixa. O valor de
reembolso, a que o investidor terá direito, será igual à soma do Valor Nominal mais uma
dada Remuneração Variável. Este tipo de obrigações é enquadrado nos produtos
complexos.

Sendo que o Valor Nominal é fixo e conhecido à partida, o ganho total do investidor
depende apenas da Remuneração Variável. Esta última dependente, por sua vez, da
evolução de índices de ações ou de cotações de empresas. O índice mais comum tem sido
o pan-europeu DJ Euro Stoxx 50, mas também são utilizados índices de outras bolsas
europeias.

Assim, é natural que a Remuneração Variável seja positiva ou negativa, consoante a


evolução do mercado. No entanto, o risco é limitado. A maior parte das obrigações
estabelece limites para a Remuneração Variável. Muitas obrigações garantem que mesmo
quando a soma do Valor Nominal mais a Remuneração Variável é negativa o investidor
receba o Valor Nominal. Ou seja, no vencimento, o investidor tem a garantia de reembolso
do capital aplicado, ou pelo menos de parte substancial deste.
Nalguns casos as obrigações têm ainda uma remuneração mínima (VN mais uma dada
percentagem) e eventualmente também um limite para o rendimento máximo que pode
obter. Tal como num comum depósito a prazo, a remuneração obtida pela obrigação está
sujeita a IRS. Quando receber os seus ganhos, estes já vêm deduzidos em 25%.

Produtos complexos

O que são?

A principal característica dos produtos complexos é dar acesso aos mercados


financeiros, mas minimizando o risco associado a este tipo de investimento.

O rendimento dos produtos complexos depende da evolução de um determinado


indexante, normalmente cabazes de ações, índices bolsistas ou fundos de investimentos,
mas também taxas de juro, taxas de câmbio ou mesmo commodities (matérias-primas).
Para além desta componente variável, os produtos complexos poderão ou não garantir
parte ou a totalidade do capital inicial e ter ou não um rendimento mínimo.

Os produtos complexos podem ter como base diversos tipos de produtos financeiros.
Os mais utilizados para a “construção” são as obrigações de caixa, os depósitos a prazo e
os seguros de capitalização.

Obrigações de caixa
A emissão de obrigações de caixa está reservada às instituições de crédito,
sociedades de investimento, sociedades de locação financeira (leasing), sociedades de
factoring e sociedades financeiras para aquisição a crédito. Esta pode ser contínua ou por
séries, de acordo com as necessidades do emitente. Terá de ter um valor nominal de 50
euros, ou um múltiplo desse valor, e pode ser solicitada a sua admissão à cotação na bolsa.
São emitidas por um prazo de maturidade não inferior a dois anos. As entidades emissoras
podem permitir que os titulares solicitem antecipadamente o reembolso, mas, em qualquer
dos casos, este só pode efetuar-se passados doze meses da data de emissão.

Os produtos complexos sob a forma de obrigação de caixa são muitas vezes cotados
em Bolsa. Esta opção permite ao investidor reaver mais cedo, pelo menos, parte da quantia
investida. Contudo, o facto de estar cotada em bolsa também permite aos investidores
adquirirem a obrigação, após o período inicial de subscrição. Nessa eventualidade, além
dos cuidados habituais com os produtos complexos, o investidor deverá ter em atenção dois
aspetos:

O valor patrimonial da obrigação. Por outras palavras, é necessário avaliar quanto vale
a obrigação, numa determinada data, tendo em conta a evolução do indexante.

Se existir um rendimento mínimo garantido para o produto, o valor patrimonial poderá


não corresponder ao reembolso efetivo. Ou seja, caso o valor de reembolso mínimo de uma
obrigação de caixa seja superior ao seu valor patrimonial na data de vencimento, é este o
montante que será reembolsado ao investidor.

Atenção: nem todas as obrigações de caixa são produtos complexos e vice-versa.


Muitas obrigações de caixa apresentam rendimentos fixos, conhecidos à partida, ou que se
encontram dependentes direta e proporcionalmente de uma taxa de juro de mercado (a
Euribor, por exemplo).

Depósitos indexados
São considerados como produtos complexos os depósitos cujo rendimento dependa
da evolução de um determinado instrumento financeiro, como por exemplo a cotação de
uma ação ou um índice de ações.

Desta definição, são excluídos os depósitos onde a remuneração é calculada mediante


o valor de uma taxa de juro de mercado. Por exemplo, os depósitos cuja taxa de juro
dependa direta e proporcionalmente do valor da Euribor à data do depósito. Neste caso,
apesar da Euribor influenciar a taxa de juro do investimento, o aforrador sabe que o
rendimento irá evoluir da mesma forma que a Euribor.

Outros

Uma das particularidades dos produtos complexos é a sua versatilidade. Com efeito,
é tecnicamente possível (pode ou não ser financeiramente viável) fazer qualquer tipo de
indexante. Por exemplo, podemos definir um produto complexo cujo rendimento dependa
do número de dias que chove ao longo do ano. Este exemplo é tecnicamente viável, mas,
financeiramente, só o será se o banco emitente conseguir obter algum proveito com a sua
comercialização.

Segurança

Regulamentação

O nível de risco dos produtos complexos nem sempre é facilmente percetível ou


compreensível para o investidor.

• Os folhetos promocionais terão de identificar, expressamente, os produtos


comercializados como produtos complexos.

• No caso de serem divulgados dados históricos referentes aos ativos ou instrumentos


financeiros subjacentes, deve ser esclarecido que os valores divulgados representam
dados passados, não constituindo garantia de rendibilidade para o futuro.
• Deve ser divulgado o período de referência e se as rendibilidades são (ou não) líquidas
de eventuais encargos a suportar pelo aforrador.

• Deve estar claramente indicado se existe o risco de perda do capital investido e da


remuneração do investimento poder ser nula.

• Por último, terá de haver uma referência quanto à existência de um prospeto


informativo detalhado sobre o produto complexo em causa.

Risco

Os produtos complexos podem ser divididos em três categorias consoante o grau de


risco: capital garantido, risco limitado e risco total.

• Capital garantido - estes produtos garantem ao investidor a totalidade do capital


inicialmente investido. O rendimento é variável em função das condições de emissão
e poderá ser nulo ou então estar prevista uma remuneração mínima. Normalmente,
a garantia de capital só é válida na data inicialmente prevista para o reembolso e não
antes.

• Risco limitado - os produtos de risco limitado garantem ao investidor, no final do prazo,


pelo menos uma parte do capital inicialmente investido. Este tipo deverá ter uma
maior rendibilidade esperada dado o risco superior que lhe é inerente.

• Risco total - o investidor pode esperar um rendimento superior mas as perdas poderão
ser significativamente maiores. Nenhuma parte do capital está garantida à partida,
pelo que o investidor pode perder o dinheiro aplicado.

Os tipos de produto

Os produtos complexos podem assumir várias formas (obrigação de caixa, depósito,


etc.), pelo que a segurança do investimento depende também do tipo de produto que o
constitui.
A importância a reembolsar ao titular de obrigações de caixa, no caso do valor nominal
destas ser inferior a 50 000 euros, não pode ser, em qualquer circunstância, inferior ao
preço de emissão das mesmas. As obrigações de caixa com valor nominal inferior a 50 000
euros têm de garantir o capital inicialmente investido. A grande maioria das obrigações de
caixa tem um valor nominal de 50 euros, pelo que são abrangidas por esta norma.

Nos depósitos indexados, para montantes mínimos inferiores a 49 879 euros, o capital
também tem de estar garantido. A maioria dos depósitos enquadra-se nesta categoria.

Liquidez

Na maioria dos casos, o horizonte de investimento do produto complexo é conhecido


à partida, mas a liquidez é reduzida. Por norma, o resgate antecipado não está previsto na
emissão e até é possível que a própria data de vencimento esteja dependente do
comportamento do indexante. Em qualquer destes casos, o investidor poderá ter dificuldade
em reaver o dinheiro antes de terminado o prazo, o que dependerá ainda do tipo de produto
complexo. Por vezes, a mobilização não é possível e, em alternativa, o banco concede uma
linha de crédito. Noutros casos, é possível fazer o resgate, mas sujeitando-se às condições
de mercado ou com encargos elevados. Tudo depende do que vem definido nas condições
de emissão.

As obrigações de caixa, o tipo mais comum de produto complexo, são muitas vezes
objeto de cotação em bolsa, caso a entidade emitente assim o solicite. Desta forma, é
possível vender a obrigação em bolsa e reaver o investimento antes do vencimento. Não
obstante, o investidor está sujeito ao preço (cotação) que vigorar no momento da venda e
este pode ser desfavorável, recebendo-se menos que o inicialmente aplicado.

Rendimento

Em regra, o rendimento dos produtos complexos corresponde à soma de duas


parcelas:
• uma parcela fixa - correspondendo à garantia total ou parcial de reembolso do capital
e ao rendimento mínimo garantido, caso exista;

• uma parcela variável - gera um rendimento variável, que depende do indexante, pelo
que o investidor desconhece à partida quanto irá receber.

O rendimento de um ICAE pode flutuar bastante. O valor total de reembolso, a que o


investidor terá direito, é igual ao mínimo garantido, caso exista, mais uma determinada
remuneração variável. Se o primeiro é conhecido à partida, esta última resulta do
comportamento do indexante: um cabaz de ações, fundos de investimento, um índice
bolsista, etc. Desta forma, este valor variável poderá ser positivo ou negativo, consoante a
evolução do índice ao qual está ligado.

A indexação não significa que a remuneração é exatamente igual aos ganhos ou


perdas do respetivo indexante. Aliás, raramente é esse o caso, sendo a variação entre a
data de emissão e a de vencimento obtida, geralmente, por uma complexa fórmula de
cálculo. Para grande parte dos produtos complexos, esta estabelece diversos limites para
o rendimento variável, quer mínimos quer máximos.

Outros têm a particularidade de definirem o rendimento total do investimento, mas não


estabelecerem o momento em que é efetuado o reembolso. Assim, a fórmula de cálculo, ao
invés de definir o rendimento a receber, indica qual a data de reembolso dessa aplicação.
Por norma, nestes casos, quanto mais cedo ocorrer o reembolso, maior será o rendimento
anual efetivo líquido.

Como o rendimento destes produtos varia de emissão para emissão, a velha máxima
de "quanto maior o risco, maior o rendimento potencial" deverá estar sempre presente. Os
produtos complexos que oferecem capital ou rendimento garantido têm, geralmente, uma
fórmula de cálculo do rendimento que impede ganhos significativos. No entanto, há casos
de produtos que possibilitaram ganhos substanciais ou que infligiram perdas consideráveis
aos investidores.

Apesar da maior transparência agora exigida, as fórmulas que dão origem ao


rendimento destes produtos não são, em regra, de fácil compreensão para os aforradores,
o que nos leva a aconselhar muita prudência na sua subscrição. Para uma análise mais
rigorosa, é necessário recorrer a conhecimentos técnicos que, naturalmente, não estão
sempre ao alcance do comum dos investidores.
Fiscalidade

A remuneração obtida pelos produtos complexos está sujeita a IRS, à taxa de 26,5 por
cento. O imposto é retido pela instituição financeira, pelo que quando receber os
rendimentos, estes já vêm deduzidos de 26,5 por cento. Não é necessário incluí-los na
declaração de rendimentos.

No caso dos seguros de capitalização indexados do ramo vida, o investidor poderá,


em casos muito específicos, obter vantagens fiscais adicionais.

Tratando-se de obrigações de caixa compradas em bolsa, o montante sobre o qual


incide o imposto é a diferença entre o valor de reembolso e o valor nominal (como se tivesse
sido efetuada a subscrição). Se a obrigação adquirida for, posteriormente, alienada em
bolsa, as eventuais mais-valias serão tributadas a 26,5 por cento.

Prospeto informativo

No prospeto informativo detalhado, além dos elementos já descritos e obrigatórios dos


folhetos promocionais, deverão constar ainda os seguintes aspectos:

• Identificação dos principais fatores que influenciam o valor do investimento,


designadamente pela existência de risco de variação de preço, risco de taxa de juro e
risco cambial;

• Apresentação da evolução do valor desses ativos ou instrumentos financeiros


subjacentes ou associados ao produto complexo ao longo dos últimos doze meses,
preferencialmente de forma gráfica que reflicta objectivamente os dados dessa
evolução;

• Descrição das condições de reembolso antecipado do investimento e de eventuais


penalizações;
• Descrição do regime fiscal aplicável ao produto complexo e que, à data da respetiva
emissão, seja conhecido ou, pelo menos, determinável;

• Indicação das fontes que permitam acompanhar a evolução da rendibilidade e risco


associados ao produto complexo.

Warrants autónomos

O que são?

Um warrant é um valor mobiliário cotado em bolsa que dá ao seu titular o direito, mas
não a obrigação, de comprar ou vender um bem subjacente numa (ou até uma) determinada
data (data de expiração) a um preço estabelecido à partida (preço de exercício) e mediante
o pagamento de um prémio. Visto que não existe obrigação, o detentor de um warrant só
exerce o seu direito se lhe for financeiramente favorável.

Estes produtos gozam de alguma notoriedade entre os investidores nacionais dado o


leque alargado de opções de investimento que permitem face aos diversos tipos de ativos
e maturidades disponibilizadas. Além disso, apresentam como fatores atrativos a
possibilidade de obter elevados ganhos com os movimentos de subida ou descida do
mercado e a facilidade com que podem ser negociados.

Porém, nem tudo são rosas, e se a aplicação nestes produtos é relativamente simples,
a mecânica do próprio produto e a sua avaliação é algo complexa. Deste modo, os warrants
destinam-se a investidores com alguma experiência.

Segurança

O investimento em warrants pode ser bastante arriscado, dependendo também da


estratégia adotada. Consoante o objetivo seja a especulação, cobertura de risco ou
aumento de liquidez, o risco será diferente.
No caso do investimento puro e simples em warrants com intuito especulativo, os
ganhos podem ser muito elevados, mas também é possível perder todo o investimento
inicial num espaço de tempo relativamente curto. Assim, logo à partida deve fixar objetivos
de preço. Faça uma previsão para a cotação do ativo subjacente e construa vários cenários
de valorização ou depreciação. Também deve definir o nível de risco que está disposto a
assumir.

Liquidez

Para reaver o investimento, é possível vender os warrants em bolsa ou exercer o direito


junto da instituição financeira que emitiu o warrant.

Exercício de warrants

Quando um warrant de compra é exercido, o seu detentor está a usufruir do direito de


adquirir o ativo subjacente ao preço de exercício fixado. Este exercício pode acontecer de
duas formas: através da entrega física do ativo (ações) contra pagamento do preço de
exercício ou através de liquidação financeira (diferença entre o preço do ativo subjacente e
o preço do exercício multiplicada pela paridade).

O exercício de um warrant de venda corresponde à venda do ativo ao preço de


exercício. Estes warrants são liquidados apenas em dinheiro e pela diferença entre o preço
de exercício e o preço do ativo subjacente multiplicado pela paridade.

O preço de exercício é fixado pelo emitente no momento da emissão. O exercício pode


acontecer apenas na data de expiração (estilo europeu) ou em datas anteriores a esta
(estilo americano).
Para fins da liquidação financeira, o preço do ativo subjacente pode resultar do valor
de fecho do último dia de negociação ou de uma média de valores do ativo nos últimos dias
de negociação. Assim, em cada prospeto emitido, as instituições financeiras divulgam quais
as datas que deverão ser consideradas para determinar o valor de referência a ser utilizado
para o reembolso. Existem emissões em que se prevê o exercício automático do warrant,
caso este se encontre in-the-money na expiração. Contudo, pode caber ao detentor do
warrant declarar a sua intenção de exercício à instituição financeira.
Venda em bolsa

A possibilidade de exercício de um warrant é, contudo, meramente teórica, servindo


“apenas” para lhe conferir valor. É muito raro serem exercidos, porque o ganho com o
exercício é sempre inferior ao obtido com a venda do warrant em bolsa.

Este fenómeno acontece porque o preço de um warrant é composto pela soma de duas
componentes: o valor intrínseco e o valor temporal. O valor intrínseco é o valor que o warrant
teria numa determinada altura, caso o seu detentor optasse pelo seu exercício imediato.
Por sua vez, o valor temporal decorre da probabilidade de subida do valor intrínseco, sendo
calculado através da diferença entre a cotação do warrant e o valor intrínseco. No exercício
ganha-se somente o valor intrínseco. Na venda, além desse, usufrui-se do valor temporal.
Além disso, a venda de um warrant em bolsa é bastante mais prática para o investidor.

Rendimento

No mínimo, para não ter perdas, é necessário que a evolução do ativo corresponda às
expectativas iniciais e que o exercício ou venda do warrant possibilite, pelo menos, cobrir o
prémio pago inicialmente pela sua aquisição.

Mas o nível da alavancagem também é essencial para determinar os ganhos/perdas


geradas pelo investimento.

Alavancagem

Outro factor determinante para os ganhos/perdas do investidor é a denominada


alavancagem. À semelhança de outros produtos financeiros derivados, os warrants
permitem que o investidor se exponha muito mais às flutuações do mercado do que se
investisse diretamente o mesmo montante. Assim, a alavancagem indica quantos warrants
podem ser adquiridos com a quantia necessária para comprar o ativo subjacente.

Para se saber qual o grau de alavancagem de um warrant basta dividir o preço do ativo
subjacente pelo produto entre o preço do warrant e a paridade. O montante de ganhos e
perdas será alavancado na proporção do rácio, se optar por investir um montante
semelhante ao que efetuaria se comprasse diretamente a ação. Caso a evolução seja
favorável, o investidor aumenta o rendimento do seu investimento. Caso contrário, assume
perdas mais elevadas.

Valor dos warrants

"Acertar" na evolução do ativo subjacente é essencial para se obter ganhos com os


warrants, mas pode não ser suficiente. Existem outros fatores que condicionam a evolução
do valor dos warrants.

• Preço do ativo subjacente: uma subida da cotação do ativo subjacente aumentará o


valor dos warrants de compra e reduzirá o valor dos warrants de venda. Uma descida
do preço do ativo terá o efeito contrário.

• Preço de exercício: num warrant de compra, quanto mais baixo for o preço de
exercício, maior será o valor do warrant, considerando que existirá uma maior
probalidade de o preço de mercado da ação ultrapassar o preço de exercício do
warrant. Num warrant de venda acontece o oposto. Quanto mais baixo for o preço de
exercício menor será o valor do warrant. O preço de exercício é fixado na emissão.

• Data de maturidade: consiste na data até à qual é possível exercer o direito no caso
dos warrants americanos. Após a data de maturidade, o warrant deixa de existir. A
uma maturidade elevada corresponde um preço maior (valor temporal), dado que
aumenta as probabilidades do warrant atingir um valor mais elevado. Recorde-se que,
no caso dos warrants europeus, o exercício só pode ocorrer mesmo na data de
maturidade.

• Taxa de juro: a aquisição de um warrant de compra corresponde à compra de um


ativo com parte do pagamento a ser efectuado mais tarde. O pagamento inicial
corresponde ao preço pago pelo warrant, enquanto o pagamento posterior será o
valor atualizado do preço de exercício à taxa de juro sem risco. Um aumento das
taxas provoca um aumento dos preços dos warrants de compra e uma descida dos
warrants de venda. Em todo o caso, o efeito sobre o valor dos warrants é diminuto.
• A volatilidade traduz o grau de incerteza dos preços futuros do ativo subjacente. A
volatilidade influencia de igual forma os warrants de compra e venda. Num mercado
com oscilações acentuadas, a probabilidade de, à data da maturidade, o ativo
subjacente (ação, índice…) atingir o preço de exercício é maior, o que aumenta o
valor dos warrants.

Os dividendos só influenciam os warrants no caso dos ativos subjacentes serem


ações, cabazes de ações ou índices. Um aumento do valor dos dividendos a distribuir
provocará uma descida da cotação da ação. Desta forma, sucede uma descida do preço
dos warrants de compra e uma subida do preço dos warrants de venda. Todavia, este efeito
na cotação dos warrants é, por norma, residual.

Custos

A negociação de warrants envolve diversos custos, normalmente semelhantes aos


suportados com a transacção de ações em bolsa.

Fiscalidade

O rendimento das operações com warrants (venda ou exercício) é considerado como


uma mais-valia para efeitos de IRS:

• Na venda de warrants, o rendimento sujeito a imposto é dado pela diferença positiva


entre o valor de realização e o valor a que foi adquirido;

• Em caso de exercício, o rendimento sujeito a IRS para warrants de compra resulta da


diferença positiva entre o preço de mercado do ativo subjacente e o preço de
exercício mais o seu valor de aquisição. Para warrants de venda, o valor resulta da
diferença positiva entre o preço de exercício deduzido do valor de aquisição e a
cotação do ativo subjacente.
O investidor pode optar por tributar o saldo positivo das mais-valias e menos-valias à
taxa liberatória de 26,5% ou proceder ao englobamento das mais-valias nos restantes
rendimentos. Na generalidade dos casos, é preferível optar pela tributação à taxa liberatória.

Ativos subjacentes

Os warrants incidem sobre diversos tipos de ativos: ações (Portugal Telecom, EDP,
Telefónica, Yahoo, Nokia…); índices bolsistas (Dax, Dow Jones, Nasdaq 100, Nikkei
225…); taxas de câmbio (Euro/Dólar; Euro/Iene); e ainda o petróleo ou o ouro. Contudo,
está em aberto a possibilidade do surgimento de warrants sobre outros tipos de ativos.

Avaliação teórica de um warrant

Os modelos de avaliação utilizados para os warrants são os mesmos das opções


(sendo o mais conhecido, o de Black-Scholes). Caso não tenha um programa que lhe
permita calcular o valor teórico de cada warrant, recorra às folhas de cálculo
disponibilizadas na Internet pelas entidades emitentes e por alguns intermediários
financeiros.

Na prática, o valor teórico do warrant nunca é igual à sua cotação em bolsa. A


discrepância deve-se, sobretudo, às diferentes medidas de volatilidade utilizadas pelos
intervenientes no mercado. Apesar disso, o valor teórico é sempre um instrumento útil para
o investidor, servindo de valor de referência para efetuar os seus negócios.

Call ou put

Os warrants podem ser de compra (call warrant) ou de venda (put warrant). Se o


investidor esperar uma valorização do ativo deverá adquirir um warrant de compra. Caso
contrário, deverá optar por um warrant de venda.

Data de vencimento
A data de vencimento marca o fim de vida de um warrant. Nessa altura, o direito é
exercido, havendo lugar ao pagamento do preço de exercício; ou o direito não é exercido e
caduca.

Emitente

São diversas as instituições financeiras que emitem warrants:

Millennium bcp (www.millenniumbcp.pt), Citigroup www.citiwarrants.com), Commerzbank


(www.warrants.commerzbank.com), Merrill Lynch, Société Générale
(www.warrants.socgen.com) e UBS. Nos warrants aparecem respetivamente com a
designação: BC, CT, CZ, ML, SG e UB.

Estratégia: aumento da liquidez

A liquidez é obtida pela transferência do investimento em ações para warrants. Para


concretizar esta operação o investidor vende os títulos que tem em carteira. De seguida,
utiliza parte da liquidez gerada para comprar warrants que ofereçam o mesmo nível de
exposição ao ativo e liberta o restante capital. Para saber como se procede a esta operação,
o investidor deve calcular a sua posição equivalente, que é igual ao número de ações
"desejadas" multiplicado pela paridade do warrant.

Estratégia: cobertura

Quando o investidor possui outro tipo de aplicações, os warrants também possibilitam


a cobertura o risco face a movimentos adversos do mercado.

• Caso se possua uma carteira de ações, cobre-se o risco de desvalorização adquirindo


warrants de venda. Se o valor das ações cair, a cotação do warrant de venda sobe e,
em termos globais, o investidor fica aproximadamente na mesma.
• Embora não seja prática comum em Portugal, o investidor pode vender ações a
descoberto (posição curta), ou seja dar ordem de venda de ações sem que nesse
momento as tenha em sua posse. Nessa situação poderia cobrir a posição,
comprando warrants de compra . Caso as ações subam o investidor perde dinheiro,
sendo compensado pelos ganhos dos warrants de compra. No final, o investidor não
ganha nem perde.

Na prática, é complicado fazer uma cobertura perfeita do investimento. Ou seja, a soma


dos ganhos e das perdas, muito dificilmente será nula, pelo que existe sempre algum risco
nesta estratégia. Além disso, este método de cobertura do risco tem custos: o preço
(prémio) pago pelos warrants e as comissões de transação. Portanto, só é utilizado pelos
investidores mais experientes.

Estratégia: especulação

Os warrants permitem especular em torno da subida ou descida do ativo subjacente


(ações, índices, etc.). Quando a expectativa do investidor é de uma valorização do ativo,
pode investir diretamente no ativo subjacente ou assumir uma posição longa em warrants,
adquirindo um warrant de compra sobre o ativo. Caso contrário, deverá apostar num warrant
de venda para beneficiar com a descida do valor do ativo.

Conforme o tipo de especulação que se faça com os warrants, o risco a que o investidor
se expõe é também diferente. No mínimo, o risco será semelhante ao de deter o ativo
subjacente. Mas quando se utiliza o efeito de alavanca, o investimento sofre variações
elevadas mesmo face a alterações reduzidas no preço do ativo subjacente, tornando o risco
extremamente elevado.

Em ambos os casos, ao adquirir um warrant o valor máximo de perda é igual ao


montante pago pelo warrant. O investidor pode perder tudo, mas como contrapartida os
ganhos potenciais são enormes.

Europeus ou americanos
Warrants de estilo europeu: permitem o exercício apenas no final de vida do warrant
. Aparecem com a designação E.

Warrants de estilo americano: permitem o exercício do warrant em qualquer altura


até à data de expiração, inclusive. Aparecem com a designação A (são a maioria em
Portugal).

Paridade

Entende-se por paridade o número de unidades do ativo subjacente que o warrant dá


direito a subscrever. Este número pode variar entre valores inferiores à unidade e valores
superiores à unidade.

Por exemplo: 100/1 significa que são necessários 100 warrants para subscrever uma
unidade do ativo subjacente.

Esta situação permite reduzir o valor unitário dos warrants, o que possibilita uma maior
liquidez. O conceito de paridade é vulgarmente designado por rácio de conversão.

Preço de exercício e preço de mercado

O preço de exercício indica o valor futuro pelo qual o warrant pode ser exercido pelo
seu detentor, enquanto o preço de mercado reflete o valor presente do ativo. A relação entre
estes dois preços é conhecida como o grau de moneyness.

Sensibilidades

As sensibilidades medem as variações na cotação dos warrants provocadas por


alterações de valor de várias variáveis. As medidas utilizadas são as chamadas variáveis
gregas: Delta, Theta, Vega, Gamma e Rho. De todas elas, o Delta é a mais importante.

O Delta mede a variação do preço de um warrant face a uma variação unitária no preço
do ativo subjacente. Consideremos um warrant de compra com o preço de 1 euro, paridade
de 1 e um Delta de 30%. Se o preço do subjacente subir 1 euro, o preço teórico do warrant
de compra subirá 30 por cento.

No caso de um warrant de compra, o Delta apresenta sempre um valor positivo, uma


vez que o preço do call sobe quando o preço do ativo subjacente sobe. De igual forma,
apresenta um valor negativo para os put, visto que o preço desce quando o preço do ativo
subjacente desce.
O Delta não é uma medida estática e varia ao longo da vida do warrant, de acordo com
a posição relativa entre o preço de mercado e o preço de exercício.

Ouro

Características

O ouro é um metal raro, que durante séculos serviu como garantia de valor, permitindo
transações em períodos de grande instabilidade (fome, peste, guerra). Com o aparecimento
da economia mercado e dos Estados centralizados, passou a ter um valor mais simbólico,
deixando de ser utilizado nas transações quotidianas.

Recentemente, a instabilidade do setor financeiro e a queda das bolsas levaram muitos


investidores a manter o ouro como valor-refúgio. Com as dúvidas sobre a qualidade dos
títulos de dívida pública e o pessimismo sobre as perspetivas de crescimento das empresas,
o metal dourado poderá continuar a conquistar atenções e a cotação a bater novos
recordes.

Mas, atenção, a subida do valor do ouro tem sido imparável porque, além da procura
para a indústria da ourivesaria, o mercado também tem sido impulsionado por investidores
que procuram um valor-refúgio. Comprar ouro é uma salvaguarda em caso de crise
muito grave, mas é um investimento sem rendimento. Os ganhos ou perdas dependem
da diferença entre o valor de venda e aquisição definidos pelos mercados.

Se quer ter o ouro “à mão” deve comprar físico em barras, libras de ouro ou peças de
ourivesaria. O valor do ouro físico evolui de forma próxima à cotação internacional do
mercado. Mas o preço dos objectos e jóias de ouro, como anéis e fios, é influenciado pelo
valor artístico e, por isso, é muito subjectivo. Na revenda, a desvalorização desses objectos
pode ser muito grande. No limite, arrisca-se a receber apenas o equivalente ao peso do
ouro.

• Lingotes ou barras: com pesos entre 2,50 gramas e 12,50 quilos, a escolha depende
do montante que pretende investir. Em Portugal, o preço do ouro expressa-se em
euros por grama. Este preço deriva das cotações em Londres, onde o preço é fixado
em dólares por onça (31,1 gramas). Diariamente, o Banco de Portugal publica o preço
da cotação do ouro em barra negociado no mercado londrino.

• Moedas (ouro amoedado): existem milhares de moedas de ouro diferentes com curso
legal em todo o mundo. Entre as mais populares, encontram-se a libra esterlina e os
reis portugueses. Poderá aceder à cotação em revistas ou casas de numismática. No
mínimo, as moedas valem o seu peso à cotação do ouro em barra divulgada pelo
Banco de Portugal. É a forma mais usual e fácil de investir em ouro.

Tenha cuidado com o local e o preço do ouro onde faz a aquisição. Há enormes
diferenças nos valores entre a compra e a venda por parte dos bancos e de outras entidades
até de simples barras de ouro, onde nem sequer existe um valor subjetivo como no caso
das peças de ourivesaria.

Na Internet, encontra mais informação sobre ouro nos sites do Banco de Portugal
(www.bportugal.pt), o Fundo Monetário Internacional (www.imf.org) ou, ainda,
http://minerals.usgs.gov, www.gold.org e www.gfms.co.uk.

Segurança

O rendimento do ouro é muito incerto, já que o investidor não tem garantias de obter
lucro ou mesmo de recuperar a totalidade do investimento. Neste sentido, o preço do ouro
comporta-se como o de qualquer outro metal, oscilando quotidianamente consoante a oferta
e a procura existentes no mercado. No entanto, dado que se trata de um bem que vale por
si só (ao contrário de uma nota de papel ou de uma acção de uma empresa, que só valem
por aquilo que representam), transmite uma sensação de segurança ao seu possuidor, mas
que pode não passar disso mesmo.

Outro aspecto ligado à segurança da aplicação é a qualidade do ouro ou da moeda.


As barras, por exemplo, devem conter entre 999 e 1000 milésimas de ouro fino. Também é
necessário, para qualquer peça, confirmar se trazem gravadas as punções (marcas)
autorizadas, que legitimam a peça.

Ao contrário do que acontece com as barras, o preço das moedas pode ser superior
ao valor do ouro que contêm. A esta diferença chama-se prémio, e depende, entre outras
coisas, da sua antiguidade, do valor de coleção e da raridade. O estado de conservação
das moedas também é muito importante: se a efígie ou os contornos se encontrarem
danificados, ainda que ligeiramente, a moeda pode perder grande parte do seu valor (mas
nunca valerá menos do que o seu peso em ouro). Por isso, para não correr o risco de fazer
uma má compra (a não ser que seja um entendido), é preferível limitar-se às moedas mais
conhecidas, como a libra Rainha Vitória, a mais procurada pelos portugueses.

Se o valor o justificar, tanto no caso das moedas como das barras, considere a
possibilidade de as guardar no cofre de um banco.
Liquidez

O ouro, tanto em barra como amoedado, pode ser transacionado nos bancos, nas
ourivesarias e nas agências de câmbio. No entanto, esta operação nem sempre é simples.
De qualquer forma, em princípio não haverá grandes problemas, a não ser que se trate de
uma moeda rara. Nesse caso, a venda é dirigida a colecionadores e poderá ser mais difícil
e demorada, até que apareça alguém disposto a pagar o seu valor de coleção. Uma razão
adicional para preferir as moedas mais correntes.

Rendimento

É possível obter mais-valias (lucros) com a venda do ouro, caso o tenha comprado
num momento favorável, com os preços em baixa. No entanto, a maioria dos pequenos
investidores pensa no ouro como uma reserva para o futuro e, por isso, não costuma
preocupar-se muito com o preço.

O mesmo não se passa com outra classe de investidores, os especuladores. Como o


seu objetivo é obter ganhos avultados, de preferência em pouco tempo, investem em ouro
quando acreditam numa subida rápida da sua cotação. Um comportamento que o “comum
dos mortais” deve evitar, devido ao seu alto risco.

Isso não significa que não seja importante conhecer as melhores alturas para comprar
ou vender. O preço do ouro, como o de qualquer outro bem, depende da oferta e da procura.

A oferta, neste caso, é alimentada pela produção das minas; pelas vendas dos bancos
centrais e de outros organismos internacionais; e pela venda de ouro em segunda mão (o
chamado cascalho).
Quanto à procura, provém da indústria de joalharia e dos investidores, sendo
influenciada por diversos fatores:

• inflação: quanto mais sobem as taxas de inflação, mais aumenta o preço do


ouro. Foi-lhe sempre atribuída, de facto, a função de proteção contra a subida dos
preços, ou seja, ao contrário do dinheiro, que perdia valor em termos reais, as
pessoas adquiriam ouro pois acreditavam que não perderia valor.

• crescimento económico: quanto maior o crescimento económico (ou seja, a


prosperidade), maior a procura de objectos em ouro. Os ourives aumentam as suas
encomendas e, por conseguinte, o preço do ouro tende a subir;

• comportamento do dólar: o metal amarelo é, tradicionalmente, uma alternativa à


moeda americana (principal divisa mundial). Por isso, tendem a registar evoluções
opostas. Quando o dólar se aprecia, o ouro perde valor. Quando o ouro está em alta,
normalmente o dólar deprecia-se. Atualmente, o euro funciona igualmente como uma
alternativa à moeda americana e, consequentemente, ao ouro;

• taxas de juro reais: uma aplicação em ouro, como vimos, não paga juros. Assim, com
taxas de juro altas, os investimentos que rendem juros tornam-se mais atrativos do
que o ouro. Em momentos de taxas de juro reais baixas, o custo de oportunidade do
investimento em ouro é menor – o montante investido em ouro poderia estar colocado
noutro investimento – , logo o interesse para investir em ouro é superior.

Estes fatores são determinantes para a evolução dos preços do ouro a longo prazo.
Contudo, o preço é determinado pelo jogo da oferta e da procura dos grandes investidores.
O pequeno investidor tem pouca influência, à exceção de épocas de grande instabilidade
política e económica, onde o ouro ainda é visto por muitos investidores como um valor de
refúgio.

Custos

Se quiser guardar as moedas ou barras no cofre de um banco (o que é preferível, se


o valor o justificar), terá de pagar o aluguer. Este varia com a dimensão do cofre. Os mais
pequenos (do tamanho de uma pequena gaveta) custam cerca de 30 euros por ano.

Caso contrário, não existem custos adicionais nas transações com ouro, a não ser o
que resulta da diferença entre o preço de compra e venda no intermediário. Esta diferença
corresponde ao ganho do intermediário.

Fiscalidade

A compra de ouro para investimento está isenta de IVA. Como investimento, considera-
se o ouro em barras e algum tipo de moedas, nomeadamente as que tenham curso legal
no seu país de origem. A compra de joias e outros artefactos está sujeita a IVA. Os ganhos
na venda do ouro não estão sujeitos a imposto sobre mais-valias.

Marcas de Contrastaria e de Responsabilidade

Um metal precioso diz-se que está legalmente marcado quando tiver apostas as
marcas de punções de duas espécies: punção de fabrico ou equivalente (dito também de
responsabilidade) e punção ou punções de contrastaria.
A marca de responsabilidade inclui a letra inicial do nome do industrial ou do importador
e um símbolo privativo.
Em relação à punção de contrastaria, é a marca que comprova o metal precioso em
questão, o seu toque e a contrastaria que fez o controle de qualidade. Em Portugal, existem
duas contrastarias: a de Lisboa e a do Porto. Além do ouro, as contrastarias comprovam a
platina e a prata.

Considera-se, igualmente, que estão legalmente marcados os artefactos provenientes,


e marcados, de países do espaço económico europeu.

Da mesma forma, é autorizada a venda no território nacional de artefactos de


ourivesaria marcados ao abrigo da Convenção sobre o Controlo e Marcação de Artefactos
de Metais Preciosos, assinada em 1972 em Viena por Portugal, Áustria, Finlândia, Noruega,
Suécia, Suíça, Reino Unido, Dinamarca e Islândia. Ao abrigo desta convenção, foram
criadas marcas comuns que estas fossem facilmente reconhecidas.

Marcas de contrastaria

(1)
Aplicáveis desde 21 de março de 1999.
(2)
Aplicáveis desde 21 de junho de 1998.
Quilates e quilates

O quilate é uma unidade de medida que representa coisas diferentes, consoante


falemos de ouro ou diamantes.

• No ouro, trata-se de uma medida de pureza: o ouro puro tem 24 quilates (1000
milésimas de ouro). Assim, uma peça de 22 quilates, por exemplo, contém apenas 916,67
milésimas de ouro. A libra Rainha Vitória, por exemplo, pesa 7,98 gramas, representando o
ouro 7,32 gramas. Tem, assim, uma pureza de 917,3 milésimas (cerca de 22 quilates). As
moedas têm, geralmente, uma parte de ouro inferior às barras, que são quase totalmente
compostas por ouro puro.

• Nos diamantes, os quilates medem o tamanho (e, por conseguinte, o peso). Um


diamante de um quilate pesa apenas 0,20 gramas.

Diamantes

Características

Antes de mais um mineral excelente para a indústria, devido às suas características


naturais, como a resistência ao calor ou a dureza extrema (o material mais duro que se
conhece), é à procura privada que o diamante deve o seu valor. De facto, os particulares
ficam rendidos à beleza nata deste mineral. Entre nós não existe tradição de investir em
diamantes. No entanto, durante a época da descolonização, os diamantes assumiram
alguma importância, pois, aparentemente, foram uma das formas de os residentes nas ex-
colónias transportarem consigo alguma riqueza. As histórias atribuladas de viagens
intermináveis com pedras escondidas nos saltos dos sapatos demonstram a utilidade que,
em algumas situações, os diamantes podem ter.

Tal como acontece com o ouro, é em épocas instáveis que se começa a pensar no
investimento em diamantes, a mais valiosa das pedras preciosas. Mas, tal como fizemos
para o metal amarelo, não vamos considerar aqui o investimento dos diamantes enquanto
jóias, devido à subjectividade da sua avaliação.

O preço do diamante é determinado pela lei da oferta e da procura, mas também por
quatro características essenciais, conhecidas como "os quatro cês". Estes são:

• colour (cor): regra geral, quanto mais branco for um diamante, mais caro é. A cor
pode variar do amarelo ou cor de palha ao branco com tons de rosa ou azul. Existe
uma classificação oficial de cores, que são ordenadas da letra D (o branco mais
valioso) à Z;
• clarity (pureza): é indicada por uma escala muito rigorosa, que vai da pureza absoluta
dos diamantes IF (internally flawless, ou seja, sem defeitos) ao P3, já com impurezas
visíveis a olho nu;

• carat (quilate): o peso e, por conseguinte, o tamanho de um diamante, medem-se em


quilates. Um quilate equivale a 0,20 gramas. Quanto mais pesado for um diamante,
mais caro será. Além do que, devido a alguns pesos serem mais apreciados, pode
significar que uma ligeira diferença de peso signifique um grande diferencial no preço.
Por exemplo, um diamante de 0,98 quilates vale significativamente menos do que um
de 1,01 quilates. Como curiosidade, o maior diamante de que há memória, o
Cullinam, pesava, em bruto, 3 106 quilates (cerca de 620 gramas). Foi, numa primeira
fase, dividido em dois: um com perto de 2 500 quilates e outro com 500. No total, foi
dividido em 9 partes;

• cut (talha): os diamantes à venda são, na esmagadora maioria dos casos, talhados.
É a talha (ou lapidação) que faz com que seja praticamente impossível obter dois
diamantes iguais. Se o diamante for lapidado em forma redonda, denomina-se
brilhante. Se o for noutra forma (por exemplo, em pêra ou em coração), chama-se de
fantasia.

Na Internet poderá encontrar mais informação sobre diamantes em sítios como o De


Beers (www.debeers.com), Rio Tinto (www.riotinto.com) e Sothebys (www.sothebys.com)
ou www.apollodiamond.com e www.omniadiamonds.com ou ainda em
www.ourivesariauniversal.com.

Segurança

À semelhança do que acontece com o ouro, ninguém pode garantir que irá recuperar
o dinheiro aplicado em diamantes. Isto porque o preço de um diamante depende, sobretudo,
da procura, o que é muito difícil de prever. Por exemplo, no final da década de setenta e
princípio da de oitenta, o preço médio dos diamantes disparou, para cair a pique logo
depois. Quem comprou no pico, é capaz de possuir agora um diamante que vale metade
do que pagou!
A segurança do investimento em diamantes depende também, em grande parte, do
certificado que acompanha a pedra. Este garante a sua autenticidade e características. No
entanto, muitos compradores e vendedores recorrem ainda aos serviços de um avaliador
da sua confiança.

Liquidez

Em Portugal, são poucas as ourivesarias que negoceiam diamantes "soltos". No


entanto, também aparecem pedras à venda em leilões e lojas de antiguidades. A venda de
um diamante será, em princípio, mais facilitada e valorizada se este for acompanhado do
respectivo certificado (normalmente, não é exigido para pedras pequenas, à volta dos 0,30
quilates). Caso contrário, o recurso à avaliação será obrigatório. As ourivesarias são,
geralmente, capazes de recomendar avaliadores.

Rendimento

Tal como o ouro, os diamantes não rendem juros, pelo que o investidor apenas poderá
conseguir algum lucro com a venda. No entanto, não existe nenhum preço "oficial" e
uniforme, ao contrário do que acontece com as acções ou obrigações, por exemplo, ou
mesmo com o ouro, que, como vimos, é negociado na Bolsa de Londres. Desta forma, o
comprador não tem nenhuma forma de saber se o preço que lhe estão a pedir é razoável
ou não. Existem apenas preços indicativos, que variam constantemente, e aos quais o
pequeno investidor não tem acesso. Geralmente, cada caso é um caso e o mais provável é
ouvir, pelo menos, dois preços diferentes em dois sítios distintos. E nem sequer existe um
padrão absoluto e universal: um determinado diamante pode ser muito apreciado em Hong
Kong e quase invendável nos Estados Unidos...

Os factores que determinam os preços do diamante são, basicamente, os mesmos que


afectam o valor do ouro, ou não fossem ambos valores de refúgio. Assim, além da oferta e
da procura, também a inflação, o crescimento económico e as baixas taxas de juro tendem
a elevar o preço dos diamantes. A desvalorização das moedas fortes é um factor de subida
adicional, assim como os períodos de instabilidade económica e política. Mas, a não ser
que algo de grave ocorra na economia, um diamante só poderá vir a dar algum lucro a longo
prazo – cerca de dez ou vinte anos. Se vender pouco tempo após a compra, arrisca-se a
perder muito dinheiro.

Os diamantes mais pequenos, que podem custar cerca de 100 ou 200 euros, não são
aconselhados como investimento. As mais adequadas são as pedras maiores, com preços
a partir dos vários milhares de euros.

Custos

Se pretender avaliar o diamante, terá de suportar o custo desta operação, que,


normalmente, andará entre 1 e 5% do valor da pedra. Nesse caso, não se esqueça de pedir
um certificado ou uma declaração. As normas para a avaliação seguem, normalmente, as
referências da De Beers, a empresa sul-africana que controla a maior parte da produção
mundial de diamantes.

Fiscalidade

Tal como o ouro, os diamantes estão sujeitos ao pagamento de IVA sobre o preço de
compra. Os ganhos na venda de diamantes não estão sujeitos a imposto.

A nova era dos diamantes?

Devido à sua escassez, empresas por todo o mundo têm-se dedicado à produção de
diamantes sintéticos. Desta forma, são criadas em laboratório as condições geológicas que
estiveram na origem dos diamantes, procurando-se encontrar um produto com as mesmas
características minerais do diamante puro. Estes diamantes são bastante utilizados na
indústria, nomeadamente nos semicondutores, devido à sua capacidade de resistência ao
calor. Ainda que não sejam tão eficazes como os diamantes puros, os sintéticos são
preferidos pela indústria pelo seu preço inferior e pela sua maior maneabilidade (tamanhos
mais reduzidos).

Contudo, algumas empresas vieram a público afirmar que tinham conseguido criar
diamantes sem qualquer falha (leia-se, iguais aos puros) o que, a concretizar-se, poderá
afectar a valorização dos diamantes puros.
Quilates e quilates

O quilate é uma unidade de medida que representa coisas diferentes, consoante


falemos de ouro ou diamantes.

• No ouro, trata-se de uma medida de pureza: o ouro puro tem 24 quilates (1 000
milésimas de ouro). Assim, uma peça de 22 quilates, por exemplo, contém apenas 916,67
milésimas de ouro. A libra Rainha Vitória, por exemplo, pesa 7,98 gramas, representando o
ouro 7,32 gramas. Tem, assim, uma pureza de 917,3 milésimas (cerca de 22 quilates,
portanto). As moedas têm, geralmente, uma parte de ouro inferior às barras, que são quase
totalmente compostas por ouro puro.

• Nos diamantes, os quilates medem o tamanho (e, por conseguinte, o peso). Um


diamante de um quilate pesa apenas 0,20 gramas...

Certificados

O que são?

Os certificados são produtos financeiros que representam, normalmente, uma


participação num índice de acções. Deste modo, mediante uma única aplicação é possível
investir, de forma indirecta, em todas as acções que compõem um índice, despendendo
apenas uma quantia reduzida de capital. No vencimento, o investidor receberá o valor
respectivo do índice: ganha o que este subir ou perde o que este descer. Por norma, os
certificados são lançados por instituições financeiras e transaccionados em Bolsa. Assim, o
investidor poderá esperar pela data de vencimento do certificado ou vendê-lo em Bolsa, a
qualquer momento.

Estes produtos financeiros estão largamente divulgados em muitos países da Europa.


Entre os diversos activos subjacentes contam-se acções, índices accionistas, índices do
sector imobiliário, índices de índices, taxas de câmbio e fundos de investimento. A
introdução de certificados em Portugal ocorreu no primeiro semestre de 2002. Actualmente
a diversidade é reduzida e as emissões estão, apenas, por conta de três entidades: o
Millennium bcp Investimento (www.millenniumbcp.pt), o
Commerzbankw.warrants.commerzbank.com) e a UBS (www.ubs.com). Além disso,
incidem sobre os índices de acções mais conhecidos e alguns índices sectoriais.

Entre outros, os índices disponíveis são o francês CAC 40, o pan-europeu DJ Euro
Stoxx 50, o alemão DAX, os americanos Dow Jones e Nasdaq 100, o japonês Nikkei 225 e
o lusitano PSI-20.

Para compreender como funciona o investimento em certificados, é indispensável


conhecer as características das emissões:
• A entidade emissora da oferta, ou seja, a instituição financeira responsável pela
emissão;

• O activo subjacente da emissão;

• O rácio da emissão, ou seja, a relação entre o número de certificados e o número de


unidades do activo subjacente que o investidor tem direito a receber. Em Portugal, o
rácio das emissões tem sido de 0,01, ou seja, 100 certificados dão direito a receber
uma unidade do activo (índice);

• A data de referência , que indica o dia em que o valor de fecho do activo servirá como
preço de referência para o reembolso. Em alguns casos, este valor poderá resultar
de uma média efectuada entre vários dias;

• A data de reembolso , que corresponde ao dia em que o certificado deixa de existir e


o investidor é reembolsado.

Como se pode verificar, os certificados disponíveis têm datas de vencimento, ao


contrário do que sucede num investimento em acções, que não tem prazo definido à partida.
Assim, os investidores que adquiram certificados e não os vendam em Bolsa receberão, na
data de reembolso, o valor do índice referente a esse certificado. É o chamado preço de
referência. Por cada certificado, o investidor receberá o preço de referência multiplicado
pelo rácio de emissão.
Consideremos a seguinte situação: as datas para calcular o preço de referência são,
por exemplo, os dias 3 e 4 de Novembro de 2005. Suponhamos que o valor de fecho do
índice DAX nesses dias é, respectivamente, 4 000 e 4 100 pontos. O cálculo do preço de
referência é uma média aritmética destes dois valores, isto é, 4 050 pontos. Na data de
reembolso, por cada certificado (excluindo comissões), o investidor recebe:

4 050 x 0,01 (rácio de emissão) = 40,50 euros

O facto de cada ponto de índice corresponder, por norma, a 0,01 euros, os certificados
permite investir na evolução de um índice, com um montante muito inferior ao que seria
necessário para o investimento directo. Vejamos um exemplo.

Se o índice alemão DAX estiver cotado a 3 400 pontos, como a paridade é de 100
certificados para o índice, 100 certificados valem aproximadamente 3 400 euros. Ou seja,
cada certificado estará cotado a cerca de 34 euros. E como a quantidade mínima de
negociação é de apenas 1 certificado, o investidor pode investir indirectamente na Bolsa de
Frankfurt com apenas 34 euros! Seriam precisas muitas dezenas de milhares de euros para
constituir a carteira de 30 acções que compõem este índice germânico.

Assim, os certificados constituem um instrumento útil para diversificar os


investimentos, à semelhança dos fundos de investimento. Ao replicarem um índice, com
custos relativamente baixos, os certificados permitem aos pequenos investidores obter uma
carteira de acções diversificada.

A desvantagem é que o investidor não tem qualquer tipo de intervenção na gestão da


carteira de acções. Esta é simplesmente uma réplica de um índice.

Segurança

Nos certificados não existe rendimento nem capital garantido. São produtos que
comportam riscos semelhantes aos de uma carteira de acções e de que os potenciais
investidores deverão estar conscientes. É possível que registem perdas no final do período
de vida do certificado ou se, durante a vigência do mesmo, decidirem vender em Bolsa e o
preço estiver abaixo daquele a que foi comprado. Estes produtos financeiros nada têm a
ver com os conhecidos Certificados de Aforro, onde o investidor tem um determinado
rendimento garantido.

Quando se espera pela data de vencimento do certificado, existe a possibilidade do


emitente não proceder ao devido reembolso do investidor. No entanto, dado que o emitente
é um intermediário financeiro sujeito a regras rígidas de supervisão por parte das
autoridades monetárias, as hipóteses de tal acontecer são muito reduzidas. No que diz
respeito às transacções em Bolsa, o sistema de liquidação e compensação Clearing 21
garante que a “outra parte” do negócio cumpre o estipulado, eliminando as hipóteses de
incumprimento.

Liquidez

Em regra, todos os certificados disponíveis em Portugal são transacionados em bolsa.


Desta forma, o investidor sabe que pode, de um momento para o outro, vender os
certificados que detém e receber o seu valor (cotação) nessa altura.

Para garantir que existam (quase) sempre ofertas de compra e venda destes produtos,
a cada emissão está geralmente associado um contrato de fomento. Na prática, a
entidade emissora, ou outra entidade contratada para o efeito, compromete-se a operar
como criador de mercado (market maker). O principal propósito é manter ofertas de compra
e venda ao longo da sessão de Bolsa. À partida, o criador de mercado define os seguintes
parâmetros para a sua actividade:

• Tempo de exposição de ofertas (exemplo: manutenção de ofertas durante 80% da


sessão);

• Quantidades mínimas (exemplo: 1 000 000 certificados/dia);

• Diferença máxima entre os preços de compra e venda (o spread).


Refira-se que estas condições constam do prospecto de referência, disponível
aquando da emissão dos certificados.

O spread, que constitui a margem do intermediário, é uma das características mais


importantes destes contratos de fomento. O investidor que venda um certificado irá obter
um valor ligeiramente inferior ao da transacção do activo subjacente. Em contrapartida,
quem comprar um certificado irá pagar um pouco mais do que o valor do activo subjacente.
Quanto mais elevado for o spread, maiores serão as diferenças.

A título de exemplo, poderá ficar estipulado que o criador de mercado tenha um spread
máximo entre ofertas de compra e venda de 3%. Nesse caso, se o Manuel quisesse adquirir
um certificado cujo activo subjacente valesse 10 euros, teria de pagar 10,15 euros. Se
quisesse vender esse mesmo certificado, o criador de mercado ofereceria 9,85 euros.

O investidor não é obrigado a vender o certificado em Bolsa. Como alternativa, pode


mantê-lo até à data de vencimento e receber o valor de reembolso. Este é dado pelo preço
de referência, calculado com base no procedimento definido no prospecto de emissão. Em
termos práticos, o investidor irá receber um valor bastante aproximado daquele que obteria
se vendesse o certificado em Bolsa perto da data de vencimento.

Rendimento

O valor do certificado espelha com grande exactidão a variação da cotação do activo


subjacente. Quando o activo subjacente sobe, o valor dos certificados aumenta na mesma
proporção, sucedendo precisamente o mesmo em caso de queda.

Ainda que de forma pouco significativa, os dividendos distribuídos pelas empresas que
compõem um índice também influencia o certificado. Assim, quanto mais elevados forem
os dividendos, maior será o seu impacto negativo no valor do índice e, consequentemente,
no certificado. Esta situação aplica-se a quase todos os índices que foram objecto de
emissão de certificados, com excepção do DAX, que é um índice calculado com o
reinvestimento dos dividendos.
Entretanto, surgiram certificados com novas características de em termos de
rendimento e de risco.

Custos

Dado que estes valores são negociados na Bolsa, as transacções estão sujeitas às
habituais comissões de corretagem, cobradas pelos intermediários financeiros, e aos custos
associados a uma carteira de títulos, como sucede com as acções. Acresce também a taxa
de Bolsa. Em caso de reembolso, são também cobrados custos aos titulares.

Fiscalidade

O regime fiscal dos certificados é o mesmo que vigora para os warrants. As mais-valias
obtidas estão sujeitas a uma taxa liberatória de 26,5% ou, em alternativa, podem ser
englobadas aos restantes rendimentos. A primeira opção é quase sempre a mais favorável.

Exemplo de investimento

O Mário tem a expectativa de que a Bolsa portuguesa vai subir nos próximos anos.
Uma forma de acompanhar esta subida seria constituir uma carteira diversificada de acções
ou subscrever um fundo de investimento em acções portuguesas. A primeira alternativa
implica o investimento de avultadas somas e o dispêndio de muito tempo, na escolha das
acções e no acompanhamento e ajustamento dessa carteira. A segunda significa ficar
sujeito às decisões de investimento e às comissões da sociedade gestora. Uma alternativa
prática é comprar um certificado que tenha o índice PSI-20 como activo subjacente.

Assim, partindo do pressuposto que o índice PSI-20 está em 12 000 pontos, o Mário
compraria cada certificado por 120 euros (paridade de 0,01). Efectuado o investimento,
pode, a qualquer momento, vender os certificados, se a evolução do PSI 20 atingir as suas
expectativas de valorização. Caso o comportamento do PSI 20 esteja a ser pouco favorável,
tem a possibilidade de vender os certificados e aceitar a perda ou, então, aguardar até à
data de vencimento. Esta “espera” pode permitir que o PSI 20 recupere ou agravar o
prejuízo!
Certificados de Aforro

O que são?

São títulos de dívida pública, com risco nulo e elevada liquidez. A capitalização
dos juros é trimestral e oferecem ainda um prémio de permanência. Tornaram-se numa das
aplicações mais conhecidas dos aforradores portugueses, especialmente dos que são
menos propensos ao risco, devido à garantia do Estado.

Estes títulos só podem ser subscritos por particulares e possuem algumas


características bastante específicas. Com eles, o Estado procurou atrair as poupanças dos
pequenos investidores, tornando-os inicialmente bastante atrativos em comparação com
outros produtos como, por exemplo, os depósitos a prazo.

Desde final de Janeiro de 2008, só é possível subscrever Certificados de Aforro da


Série C. No entanto, dado que ainda existem muitos aforradores que têm Certificados da
Série B iremos, sempre que se justificar, referi-los.

Segurança

O risco associado aos Certificados de Aforro é praticamente nulo. As características


do produto garantem, pelo menos, o reembolso da totalidade do capital investido. Além
disso, uma vez que se trata de um empréstimo ao Estado português, é improvável que este
declare falência e não consiga devolver os montantes que os particulares aplicaram.

Liquidez

Os Certificados de Aforro podem ser subscritos nas estações de correio de todo o


país. Qualquer pessoa pode comprá-los. Para subscrever apenas é necessário ser portador
de um documento de identificação e número de contribuinte. Não existem limites mínimos
ou máximos de idade para se tornar num subscritor de Certificados de Aforro.

Também já é possível subscrever ou consultar on-line a sua carteira de Certificados


de Aforro. O acesso ao AforroNet poderá ser feito através do endereço
http://aforronet.igcp.pt, sendo condição para aderir o facto de já receber extratos periódicos
no seu domicílio, visto que o código de acesso será enviado para essa morada após ter
feito a adesão ao AforroNet.

Para movimentar os certificados, é necessário que o titular tenha, pelo menos, 15 anos.
Mas a lei permite ultrapassar essa limitação, já que é possível inscrever nos títulos, além
do nome do titular, o nome de outra pessoa, que os poderá movimentar. Para tal, basta
preencher, no impresso de requisição, o espaço previsto para o efeito
.
Os títulos são nominativos. Isto significa, entre outras coisas, que se trata de títulos
não-transmissíveis: não pode vendê-los a um amigo, por exemplo, ou dá-los a um familiar.
A titularidade dos Certificados de Aforro apenas é transmissível em caso de falecimento do
aforrador. Nesta situação, os poderes de quem está autorizado a movimentar o título
cessam e os legítimos herdeiros poderão requerer a amortização ou a transmissão do título
para seu nome.

Que montantes?

Para subscrever Certificados de Aforro (Série C) é preciso 100 euros. Mais


precisamente pode comprar 100 unidades ao preço de 1 euro cada. O montante máximo
de subscrição é bem mais elevado: cada pessoa pode adquirir duzentos e cinquenta mil
unidades, o que equivale a 250 mil euros.

Que prazos?

Os Certificados da Série C terminam no final de 10.º ano de vida, no qual serão


automaticamente resgatados. Além disso, os títulos não podem ser liquidados durante os
três primeiros meses após a subscrição, ou seja, durante esse período não é possível
reaver o dinheiro. Em linguagem mais técnica, diz-se que, nos primeiros três meses, a
liquidez dos Certificados é nula.

Os Certificados da Série B não têm prazo máximo, de forma que o investidor poderá
mantê-los enquanto for esse o seu desejo.

Como recuperar o dinheiro?

• A liquidação (reembolso) dos Certificados de Aforro pode ser feita nos mesmos
locais da subscrição. Em muitas estações de correios, o pedido de amortização
pode ser processado de imediato, pelo que o cliente recebe no ato o valor a
reembolsar. Nas restantes, o pagamento do resgate efetua-se no terceiro dia útil
posterior ao pedido do cliente. Pode receber o dinheiro em numerário (notas e
moedas), através de cheque ou por transferência bancária. Neste último caso, é
necessário fornecer o NIB.
• Antes de pedir o reembolso dos Certificados, verifique a data que consta no extrato.
Se possível, aguarde pelo dia em que o tempo decorrido perfaça mais um trimestre
completo. Por exemplo, se subscreveu os títulos a 10 de maio, os trimestres
completos ocorrerão a 10 de agosto, 10 de novembro e 10 de fevereiro. É
conveniente ter em conta essas datas e pedir o reembolso só depois de o trimestre
ter terminado. Se não o fizer, perderá três meses de juros: no exemplo anterior, se
resgatasse os Certificados no dia 8 de novembro, não receberia os juros
correspondentes ao período entre 10 de agosto e 8 de novembro. Por dois dias, o
seu dinheiro teria ficado três meses parado, sem render absolutamente nada.

• É possível pedir o reembolso de apenas uma parte das unidades subscritas em


determinada ocasião. Por exemplo, se tiver subscrito 100 unidades, pode reaver o
dinheiro relativo a apenas 40. Nessa altura, terá de entregar o título representativo
das 100 unidades subscritas e ser-lhe-á entregue um novo, relativo às 60 unidades
que manteve. A data de emissão inicial não será alterada.

• Em caso de falecimento do titular, os herdeiros têm um prazo de dez anos para


solicitar a transferência da titularidade. Nesse caso, será emitido um novo certificado
em nome dos herdeiros, mantendo a data de emissão do original. Nada haverá a
pagar pela transferência dos títulos. Mas se, ao fim de dez anos, não for solicitada a
transferência, o seu valor reverterá a favor do Estado. Como o resgate só pode ser
pedido pelo subscritor ou pela pessoa nomeada no momento da subscrição, os
herdeiros não podem exigir o reembolso direto. Só após transferirem os certificados
para seu nome, poderão optar por reaver os montantes aplicados ou manter os
certificados.

Rendimento

Os Certificados de Aforro funcionam como uma espécie de depósito, renovado


automaticamente, de três em três meses, durante um prazo indeterminado. Os trimestres
contam-se a partir da data de subscrição, que deverá constar no verso do título emitido.

Os juros são calculados trimestralmente e adicionados ao valor anterior do título.


Produz-se, dessa forma, um efeito de capitalização: os juros de um determinado trimestre
passam a render juros no trimestre seguinte.

Se possui títulos de Certificados de Aforro, mas não sabe quanto valem atualmente,
pode obter essa informação em qualquer estação dos correios. Além disso, o IGCP emite
extratos para os clientes com uma periodicidade trimestral e envia-os para a respetiva
morada. Nas lojas financeiras dos CTT de Lisboa e Porto e no balcão do IGCP, existe a
possibilidade de emissão on-line de extratos pontuais. A informação dos extratos de
Certificados de Aforro consiste numa listagem dos títulos que cada aforrador detém. Por
cada certificado, é mencionada a data de subscrição, o número de unidades desse título e
a valorização da carteira até ao momento. O extrato contém ainda informação sobre os
movimentos de subscrição e de resgate mais recentes.

Outra forma de saber quanto valem os certificados consiste em consultar a folha


gratuita distribuída nos locais de subscrição.

Varia ao longo do tempo


A taxa de juro dos Certificados de Aforro depende de três fatores: a taxa de referência,
o diferencial que consta nas condições de emissão e o prémio de permanência. É
calculada, mensalmente, pelo Instituto de Gestão do Crédito Público e aplicada aos
certificados emitidos nesse mês e aos que iniciam, nesse mesmo mês, mais um período
trimestral de capitalização. A taxa mantém-se inalterada durante um trimestre.

Rendimento das novas emissões

A taxa de juro base dos Certificados de Aforro é calculada, mensalmente, pelo Instituto
de Gestão do Crédito Público e aplicada aos certificados emitidos nesse mês e aos que
iniciam, nesse mesmo mês, mais um período trimestral de capitalização. Desde a criação
da série C em janeiro de 2008, são calculadas duas taxas: uma para os certificados da série
B ainda existentes e outra para os certificados da série C. A taxa mantém-se inalterada
durante um trimestre.

Em ambos os casos, a remuneração dos certificados está dependente das taxas de


juro de curto prazo (Euribor). Assim, quando estas sobem ou descem, a remuneração dos
certificados acompanha essa evolução. Contudo, como a taxa de juro base dos Certificados
de Aforro é revista trimestralmente, quando se dá a renovação, a fórmula de cálculo utilizada
será a que vigorar no momento. Nada garante que seja a mesma. As inúmeras alterações
à fórmula de cálculo dos certificados da série B e a criação da série C são um bom exemplo.

Fórmula de cálculo – sérieC

A taxa base dos Certificados de Aforro da série C é calculada no antepenúltimo dia


de cada mês com base na Euribor a três meses e de acordo com a seguinte fórmula:

Taxa atual dos certificados = 0,85 x E3 + 0,25


E3 é a média das últimas dez observações da Euribor.

Fórmula de cálculo – série B


A taxa dos Certificados de Aforro da série B tem por base a TBA, que é uma média
ponderada das taxas Euribor a três e 12 meses, consoante indicado nas fórmulas
seguintes:

Taxa atual dos certificados = TBA x 0,6

TBA = 0,52 x L3 + 0,47 x L12 – 0,12

L3 e L12 são as médias ponderadas das últimas 20 observações da Euribor a três e a


12 meses, respetivamente, terminadas no penúltimo dia útil ao dia a que se refere o cálculo.

Até 31 de dezembro de 2016, a taxa de juro da série B é acrescida de um prémio de


1%, não podendo resultar deste mecanismo uma taxa de remuneração superior a 5 por
cento.

Prémio de permanência

A intenção do Estado foi sempre de fazer dos Certificados de Aforro um instrumento


de poupança a médio prazo. Para isso, tem concedido um prémio de permanência a quem
mantenha os títulos durante mais tempo.

Este prémio consiste em acrescer juros à taxa base. Para os certificados da série C,
até 31 de dezembro de 2016, a taxa é acrescida de um prémio de 2,75%, sendo que a
remuneração não pode ser superior a 5 por cento. A partir de 1 de janeiro de 2017, tendo
em conta a data de subscrição, serão de novo aplicados os seguintes prémios de
permanência:

• 0,5% no 2.º ano


• 0,75% no 3.º ano
• 1% do 4.º ao 7.º ano
• 1,25% no 8.º ano
• 1,5% no 9.ºano
• 2,5% no 10.º e último ano
Na série B, o prémio de permanência consiste em somar 0,25% à taxa de juro bruta
(antes de descontados os impostos), por cada semestre de aplicação. É atribuído, pela
primeira vez, no início do segundo semestre e termina quando atinge os 2%, o que, na
prática, acontece no início do quinto ano. A partir desta data conta sempre com mais 2%
acrescidos à taxa base.

Assim, os títulos mais antigos beneficiam de um prémio de permanência superior e,


por isso, apresentam taxas mais atrativas. Se tiver de pedir o reembolso de alguns títulos,
opte pelos mais recentes, para não perder os prémios entretanto acumulados.

Numa perspetiva de investimento a curto prazo, a taxa dos Certificados de Aforro deve
ser comparada com a taxa dos depósitos a prazo por três meses, até porque, como está
indexada a uma taxa de referência, acompanha a evolução do mercado. No entanto, há que
ter em conta se as taxas se encontram a descer ou a subir.

Custos

Este tipo de aplicação não tem quaisquer custos, pois não existem comissões de
subscrição ou de resgate, nem são cobradas despesas de expediente (envio de extratos de
conta, por exemplo).

Fiscalidade

Tal como acontece com os depósitos a prazo, os juros dos Certificados de Aforro estão
sujeitos a uma retenção na fonte de 26,5 por cento. A retenção é feita automaticamente,
todos os trimestres, de forma que a capitalização incide apenas sobre os juros líquidos.
Uma vez que se trata de uma taxa liberatória, não é necessário incluir estes rendimentos
na declaração de IRS.

O que representa cada indexante?

Indexantes fixados administrativamente:


• TE (Taxa Equivalente) - fixada por portaria. Substituiu a taxa básica de desconto do
Banco de Portugal (TRBP) a partir de 1 de janeiro de 1999.

Indexantes definidos pelo mercado:

• Euribor - taxa calculada com base nas taxas médias diárias disponibilizadas por um
conjunto de 57 bancos da zona euro. Veio substituir a Lisbor.

• TBA (taxa de base anual) - era calculada com base no resultado da taxa média anual
das 12 últimas emissões de Bilhetes do Tesouro de qualquer prazo. Atualmente
depende da Euribor a três e a 12 meses.

• TD3 - é calculada a partir das taxas anuais praticadas pelos três bancos com maior
volume de depósitos a prazo (por períodos superiores a 180 dias e inferiores a um
ano).

Tenho Certificados de Aforro (série B) há 10 anos. Qual é a melhor alternativa para as


minhas poupanças?

Há dez anos que o nosso leitor Mário Roberto, de São João da Talha (Loures),
mantém Certificados de Aforro da série B e pergunta-nos qual a melhor forma de
aplicar as suas poupanças.

Na melhor das hipóteses, o nosso associado está a ganhar 1,9% líquidos com a série
de Certificados de Aforro que subscreveu. É um rendimento pouco interessante e encontra
no mercado depósitos mais rentáveis. O nosso conselho é resgatar e damos-lhe três
alternativas para rentabilizar as suas poupanças.

Se pretende aplicar por menos de cinco anos e ter o capital sempre disponível, opte pelos
melhores depósitos. As taxas atingem 4,3% líquidos nos prazos até 1 ano. Quando atingir
a maturidade, renove à melhor taxa do mercado ou tente negociar a taxa de juro junto do
seu banco.
Com maior rendimento, embora transacionadas na bolsa, recomendamos as Obrigações
do Tesouro. Invista apenas se tiver a certeza de que não vai necessitar do capital antes da
maturidade e apenas para montantes superiores a 2500 euros. Não aplique mais de 20%
das suas poupanças.

Valores em vigor em junho de 2012

Como se financia o Estado e qual o papel dos Certificados de Aforro ou do Tesouro?

A grande maioria dos Estados recorre a financiamento junto dos mercados para cobrir
as suas despesas. Isto é, como os Estados gastam mais do que recebem (sobretudo,
receitas dos impostos) têm de pedir emprestado para cobrir essa diferença.

Normalmente, as obrigações de taxa fixa são o instrumento mais utilizado. Em


Portugal, chamam-se Obrigações do Tesouro (OT), na Alemanha Bunds, em Espanha
Bonos, ou Treasuries nos Estados Unidos. Trata-se de títulos de médio ou longo prazo, isto
é, emitidos por vários anos e onde o Estado se compromete a pagar uma taxa de juro até
à data de vencimento, em que ocorre também o reembolso do empréstimo.

No entanto, os Estados não se limitam à emissão de obrigações. Em Portugal, a dívida


pública também assume outras formas, nomeadamente os Certificados de Aforro e do
Tesouro. Ou seja, ao subscrever certificados está a emprestar dinheiro ao Estado em troca
de uma remuneração (juros).

As Obrigações do Tesouro e os certificados têm algumas diferenças. Por exemplo, os


Certificados só podem ser adquiridos por particulares (nos CTT) e sem qualquer custo. As
OT destinam-se a intermediários financeiros (bancos), embora possam ser transacionadas
pelos restantes investidores em bolsa (com custos de transação). Além disso, o
funcionamento das OT é menos intuitivo e o capital só está garantido caso mantenha os
títulos até ao vencimento. Por sua vez, os certificados não beneficiam apenas os pequenos
investidores. O Estado também sai bastante beneficiado pelo investimento dos particulares
nestes produtos de poupança.
Futuros e Opções

O que são?

Sempre que são negociados produtos derivados estamos no mercado a prazo, já que
se contrata hoje, mas só se entrega amanhã. Por contraponto, sempre que se compra ou
vende uma acção actua-se no mercado à vista, já que a transacção é imediata.

No mercado à vista, diz-se que um investidor está longo sempre que assume uma
posição compradora no activo (acção, taxa de câmbio…). Nos futuros e opções passa-se
exactamente o mesmo, pois, ao comprar um contrato, o investidor está a assumir um
compromisso futuro de compra. A expectativa é de subida do preço do activo. Do lado
oposto, o investidor diz-se curto quando assume uma posição vendedora no activo, sendo
a sua expectativa de descida do valor do activo. Nos derivados esta posição é mais fácil de
assumir, já que no mercado à vista a utilização de posições curtas não está ao alcance da
maioria dos investidores.

Futuros vs. Opções

Apesar de tanto os futuros como as opções se enquadrarem no mercado a prazo,


possuem características bastante diferentes entre si.

Os futuros

• Um futuro é um contrato celebrado entre duas partes que se comprometem a


comprar/vender um determinado bem, numa determinada data futura, num local
predefinido e a um preço preestabelecido. Estes contratos são negociáveis na Bolsa
e todas as suas características são antecipadamente conhecidas: entre outras, a
quantidade e a qualidade do que se pretende transaccionar, a data de vencimento e
o modo de liquidação. Em relação ao tipo de entrega, podemos ter futuros com
entrega física ou com entrega monetária: no primeiro caso, no vencimento do
contrato, o comprador paga o preço e recebe o bem, enquanto o vendedor entrega o
bem e recebe o preço. No segundo caso, na data de vencimento, a parte que ficou a
perder com a evolução do preço do activo paga essa diferença à outra através da
Bolsa (caso de índices, taxas de câmbio…). Como os futuros são contratos
simétricos, a perda de um é precisamente o ganho do outro.

• Sendo os contratos de futuros negociados em Bolsa, deixa de ser necessário procurar


uma contraparte para o negócio, conseguindo-se, desta forma, diminuir a morosidade
do processo. Por outro lado, e uma vez que os preços são determinados em Bolsa,
o valor destes contratos tende a ser mais justo do que se fosse somente acertado
entre dois investidores.

• Refira-se, ainda, que o preço dos contratos de futuros está bastante correlacionado
com o preço no mercado à vista do activo subjacente ao contrato. Isto deriva da
cotação do activo subjacente ser o principal determinante do valor do futuro. Durante
a vida de um contrato existirão, contudo, diferenças entre os dois preços. Estas
resultam da relação entre os custos de deter o activo (custo de oportunidade,
armazenamento…) e as expectativas de evolução do preço. Quando o preço do
mercado à vista é superior ao preço do futuro (a base é positiva), diz-se que o futuro
está a desconto. Caso contrário, diz-se que está a prémio. Na data de expiração, o
preço do futuro converge para o preço do mercado à vista.

As opções

• Uma opção é um contrato pelo qual uma entidade confere, a outra, o direito de comprar
(call option) ou vender (put option) um determinado activo financeiro (activo
subjacente), numa dada quantidade (unidade de transacção), numa (ou até)
determinada data futura e a um preço pré-estabelecido (preço de exercício ou strike).
Daqui resulta que, neste tipo de contratos, a compra ou venda de um activo é
opcional, cabendo ao comprador decidir se irá haver transacção ou não. Esta é uma
das principais diferenças entre as opções e os futuros: enquanto o contrato de futuros
é simétrico, isto é, o comprador e o vendedor têm ambos obrigações, os contratos de
opções são assimétricos: o comprador tem o direito (de comprar ou vender) e o
vendedor tem a obrigação (de vender ou de comprar), no caso do comprador exercer
o seu direito.

• Para ter o direito de exercer uma opção, o comprador paga um prémio ao


vendedor. O prémio é o preço da opção no momento em que está a ser negociada.
A cotação é dada em valores unitários, ou seja, se o prémio de uma opção sobre 100
acções for 5 euros, o comprador despenderá 500 euros (100 x 5 = 500).

O comprador irá exercer a sua opção se o preço de mercado do activo for superior ao
preço de exercício, deduzido do preço pago pela opção. Neste caso, comprará um activo a
um preço inferior ao seu valor de mercado. No caso de uma opção de venda, o comprador
terá interesse em exercer a opção quando o preço de mercado for inferior ao preço de
exercício. Neste caso, consegue vender a um preço mais elevado do que o mercado. Caso
a evolução do preço do activo não seja favorável, o comprador não tem interesse em
exercer a opção e deixa-a expirar.

Embora possa assumir qualquer uma das quatro posições, o investidor particular tende
a assumir apenas posições longas. Essa postura implica que a perda máxima é conhecida
à partida, já que se resume ao valor do prémio. Muito importante é também entender que
comprar uma opção de venda (put option ) é completamente diferente de vender uma
opção, seja esta de compra ou de venda.
Por fim, em relação à modalidade do exercício, as opções podem ser europeias ou
americanas. No primeiro caso, o direito só pode ser exercido numa única data
preestabelecida, a data de vencimento. Nas opções americanas, o direito pode ser exercido
em qualquer momento até à data de vencimento. Na Euronext são transaccionadas as duas
modalidades de opções.

O investimento em derivados

O investimento no mercado a prazo é relativamente mais complexo do que no mercado


à vista (acções, por exemplo). Em primeiro lugar, permite a implementação de estratégias
de investimento bastante mais elaboradas. Em segundo lugar, em termos de acessibilidade,
os produtos derivados estão sujeitos a maiores restrições e a mecanismos de controlo mais
apertados. Por fim, o investimento em derivados implica um conhecimento mais
aprofundado do produto em causa, nomeadamente através das fichas técnicas de cada
contrato de futuros ou opções, e das Bolsas onde são transaccionados.

Três tipos de investidores

Dadas as maiores potencialidades dos derivados, é possível implementar várias


estratégias de investimento. Consoante a sua posição no mercado, os investidores podem
ser divididos em três grandes categorias:
• Os hedgers procuram cobrir o risco de uma evolução desfavorável da sua carteira;

• Os arbitragistas procuram retirar vantagens de pequenas discrepâncias de preços em


diversos mercados, não assumindo risco algum;

• Os especuladores assumem riscos e tomam posições de acordo com as suas


expectativas: num cenário de subida estão compradores, num cenário de descida
estão vendedores.

Os dois primeiros tipos de investidores conjugam os futuros e opções com outros


investimentos (acções, outros futuros ou opções, etc.). Esta estratégia é relativamente
complexa e, na prática, só os grandes investidores institucionais (bancos, fundos de
investimento, etc.) fazem cobertura de risco e arbitragem. Os pequenos investidores ficam-
se pela especulação que é, ao mesmo tempo, a mais simples e arriscada das três
estratégias.

Especificidade do mercado

Devido às suas características específicas, os produtos derivados são normalmente


transaccionados em Bolsas especializadas. Além disso, as operações sobre derivados são
supervisionadas por uma Câmara de Compensação. Esta entidade assume-se como
contraparte de todos os negócios, para eliminar o risco de incumprimento das partes
envolvidas (o comprador e o vendedor). Paralelamente, as Bolsas de derivados criaram
também uma série de mecanismos, dos quais se destacam as margens, que funcionam
como garantia do cumprimento dos contratos.
Para aceder às Bolsas de derivados, o investidor terá que abrir conta num intermediário
financeiro (banco ou corretora) que lhe permita comprar e vender futuros ou opções. Se a
necessidade de existir um intermediário é similar à do mercado de acções ou de obrigações,
o acesso aos derivados é mais difícil. Muitos intermediários financeiros não disponibilizam
esse serviço, porque não são membros da Bolsa, ou limitam-no a um grupo restrito de
clientes, exigindo elevados montantes de abertura de conta.

Tipos e características dos contratos

Os contratos de derivados são, por norma, estandardizados e transaccionados numa


Bolsa de futuros e opções, o que lhes confere, naturalmente, maior facilidade de transacção.
Contudo, existem também contratos que não são estandardizados (as opções de balcão,
por exemplo), cujas características são acordadas livremente entre as partes contratantes
.
Relativamente ao activo subjacente, podem existir contratos de derivados sobre quase
tudo, mas, normalmente, incidem sobre matérias-primas (ouro, prata…), câmbios, taxas de
juro de curto e longo prazo, dívida pública, índices e acções. Em Julho de 2007, a Euronext
Lisboa disponibilizava futuros sobre 10 acções: BCP, BPI, Brisa, EDP, Galp Energia, PT;
PT Multimédia, REN, Sonae; SonaeCom e sobre o índice PSI-20.

Para transaccionar futuros e opções é necessário saber quais as características de


cada contrato, seja sobre activos nacionais ou internacionais. Ou seja, é preciso conhecer
a unidade do activo, quais os prazos disponíveis, o método de cotação, a variação mínima
da cotação (tick), o último dia de negociação e o preço de liquidação no vencimento.
Segurança

Uma vez que os futuros e opções se caracterizam pela fórmula "contrato hoje, pago
amanhã", pode haver ganhos ou perdas com um investimento real diminuto. Se o investidor
não mantiver o contrato até ao seu termo, a quantia correspondente ao valor do contrato
não é despendida. Contudo, a cotação dos futuros e opções varia diariamente e o investidor
acarretará as perdas ou ganhos decorrentes da sua desvalorização ou valorização.

Tal como acontece nas restantes aplicações, há que averiguar se existe o risco de a
entidade com que se estabelece o contrato não respeitar os seus compromissos (risco de
crédito) ou se é possível vir a perder o dinheiro investido (risco de investimento).
Inevitavelmente, nos derivados também é válida a regra: quanto maior é o risco, maior é o
rendimento potencial, mas, de igual modo, também as perdas poderão ser bastante
elevadas.

Risco de crédito

Pelo menos teoricamente, nos derivados o risco de crédito é enorme. A principal razão
prende-se com o facto das perdas e os ganhos poderem ocorrer sem ter havido qualquer
investimento. Assim, uma evolução contrária às expectativas do investidor poderia levar a
que este fosse "tentado" a não respeitar o compromisso assumido. Contudo, na prática esse
risco é anulado pela existência da Câmara de Compensação.

As margens nos futuros

O sistema de margens é um dos conceitos mais importantes para o mercado de


derivados. No fundo, este conceito transfere o risco de incumprimento das partes para a
Câmara de Compensação. As margens não são um custo para o investidor, uma vez que
ser-lhe-ão devolvidas, ou o que restar delas, após o apuramento das perdas/ganhos quando
sair do mercado. Desta forma, o depósito das margens funciona somente para demonstrar
as intenções do investidor em honrar as suas responsabilidades por cada posição aberta
na Câmara de Compensação. Existem, essencialmente, três tipos de margens para os
investidores.

• Margem inicial - corresponde ao valor que cada investidor tem que depositar,
inicialmente, para abrir a sua posição. A finalidade deste depósito é a de cobrir perdas
decorrentes de uma evolução contrária à expectativa do investidor. As margens
iniciais são depositadas numa conta que serve para debitar/creditar as perdas e
ganhos resultantes da evolução da cotação do activo. Uma vez que esta margem é
constituída no momento de abertura de uma posição, ou seja, antes das sucessivas
variações de preços, o seu valor deverá ser calculado tendo em conta diversos
parâmetros, como o activo subjacente, o seu preço e volatilidade. Assim, as margens
exigidas são diferentes para cada contrato, e traduzem uma taxa em relação ao valor
do contrato, cabendo à Câmara de Compensação a sua definição. No caso dos
futuros sobre o PSI-20, a LCH.Clearnet estabelece uma margem inicial de 300 euros.

• Margem de manutenção - indica o limite mínimo que o saldo da margem inicial pode
atingir. Ou seja, caso a evolução do activo seja contrária à expectativa do investidor,
a conta vai diminuindo de dia para dia, até atingir um montante que torna necessário
repor a margem inicial.

• Margem de variação - dado que o apuramento de resultados é feito diariamente, não


é mais que um crédito ou um débito na conta do investidor resultante da
valorização/desvalorização diária do activo. No limite, quando a conta de um
investidor desce até à margem de manutenção, é-lhe exigido um reforço, a fim de a
colocar ao nível da margem inicial.

O valor das margens está também relacionado com o nível indicativo de variação diária
de preços definido em cada contrato. Nos futuros sobre o PSI-20, este valor é de 250 euros.
A relação entre as margens e o nível indicativo de variação diária de preços deve ser tal
que permita à Câmara de Compensação fechar posições sem que o valor da margem se
mostre insuficiente para fazer face aos prejuízos eventualmente decorrentes das variações
de preços verificadas. Caso a volatilidade do mercado origine variações de preços que se
aproximem do nível indicativo para essa variação, poderá proceder-se à chamada de
margens adicionais para as posições abertas, para evitar situações de incumprimento.

As margens nas opções

Em algumas Bolsas, nomeadamente nas americanas, como a CBOE ou CBOT, o sistema


de margens adoptado nos contratos de opções diferencia o comprador do vendedor (o que
não acontece nos futuros). Por regra, o comprador da opção não pode perder mais do que
o valor que pagou por ela (prémio) e não paga mais nada. Ao vendedor da opção, que
recebe o prémio, é exigido que deposite um determinado montante junto do intermediário
(a margem), como forma de garantir as obrigações inerentes ao contrato. Para ele, este
sistema de margens funciona como nos futuros, em que as perdas e ganhos são
contabilizados diariamente. Contudo, ao invés do que sucede nos futuros, não existe uma
transferência diária de dinheiro entre as contas do comprador e do vendedor. O que
acontece é apenas uma relação entre o vendedor e a sua própria conta, sendo esta
creditada ou debitada de acordo com as variações no mercado. Quanto ao comprador da
opção, e uma vez que já pagou o prémio, não é obrigado a despender qualquer margem
adicional, pelo que os ganhos ou perdas obtidos não podem ser realizados antes de se
efectuar o exercício ou a venda da opção. Para além disso existe também uma margem de
variação, que traduz as variações diárias das cotações e fluxos monetários na conta do
investidor.

Noutras Bolsas, nomeadamente as reguladas pela LCH.Clearnet, tanto o vendedor


como o comprador têm de realizar depósitos de margens. O sistema é idêntico ao dos
futuros, com o ajustamento diário de ganhos e perdas para o vendedor e para o comprador.
E isto porque o comprador apenas tem de pagar o prémio na data de exercício ou de
expiração. Todavia, o valor máximo da margem que o comprador é obrigado a realizar está
limitado ao valor do prémio a pagar. Desta maneira, não existem obrigações adicionais para
o comprador. Este sistema permite um pagamento do prémio faseado no tempo. Já o
vendedor terá que depositar uma margem adicional, para reflectir o risco da sua posição
(lucro limitado/perdas ilimitadas).

Ajustamentos diários de ganhos e perdas

Os ajustes diários de ganhos e perdas obrigam os membros liquidadores a realizarem os


seus ganhos (e perdas) diariamente. Dessa forma, mantém-se o risco de crédito a um nível
controlável, independentemente de uma eventual variação de preços poder afectar, de
forma desfavorável, a posição de alguns dos intervenientes no mercado. No fundo, o ajuste
diário de ganhos e perdas funciona como se houvesse uma liquidação parcial do contrato.
Para tal, em cada sessão, é determinado pela Bolsa um preço de liquidação diário (preço
de referência). Este pode, por exemplo, ter por base os preços reportados no período de
dois minutos anterior ao fecho da sessão.
Desta forma, quando o preço do activo sobe, o comprador ganha com essa variação,
dado que com os futuros está a comprar a um preço mais baixo que no mercado à vista,
enquanto o vendedor perde, pois está a vender a um preço inferior ao do mercado (vice-
versa quando a cotação desce). A indexação faz com que a conta do comprador seja
creditada e a do vendedor debitada.
Risco de Investimento

Enquanto que, no investimento directo em títulos, é possível esperar por um


momento mais oportuno para concretizar a venda, nos futuros não há qualquer
possibilidade de adiar a data de vencimento: o contrato tem, necessariamente, de ser
cumprido. Assim, é preciso que as expectativas se concretizem antes do contrato vencer.
Para além disso, ao comprar ou vender futuros, o investidor pode perder bastante mais do
que inicialmente investiu: ao comprar futuros pode perder o equivalente ao valor do
contrato, se vender pode ter um prejuízo, em teoria, ilimitado. Mas a estratégia seguida
acaba também por ser um factor preponderante para determinar o nível de
rendimento/risco.

Hedgers – cobertura do risco

Um dos riscos a que os diferentes agentes económicos estão sujeitos é o de variação


de preços de um determinado activo. Assim, se, por exemplo, um investidor tiver comprado
uma acção, pode ter que enfrentar uma perda, caso o preço desça. De forma a reduzir ou
a anular esse risco, os agentes económicos desenvolveram o mercado de derivados. Uma
vez que os preços entre o mercado à vista e o mercado a prazo estão correlacionados,
bastará assumir no mercado de derivados uma posição exactamente oposta à que se detém
no mercado à vista. Ou seja, se o investidor estiver longo na acção, e caso não queira
assumir risco de variação de preço, então deverá abrir um contrato de futuros de venda
desse mesmo activo. Se, por um lado, o investidor elimina a incerteza quanto a uma
possível perda, simultaneamente também elimina a hipótese de vir a ter qualquer ganho
com o activo.
Consideremos o seguinte exemplo: o José adquiriu no mercado à vista 100 acções da
Portugal Telecom a 10 euros. Uma vez que ia de férias durante alguns meses e não podia
acompanhar de perto o mercado, e receando que este activo pudesse vir a desvalorizar-se,
o José cobriu a sua posição vendendo um contrato de futuros Portugal Telecom. Assim,
fazendo com que as posições assumidas nos mercados à vista e a prazo fossem simétricas,
o efeito da variação de preços é nulo, e a exposição ao risco eliminada. Caso o José
quisesse manter a sua cobertura durante um período mais alargado, uma vez que os futuros
vencem a curto prazo, então na data de vencimento do futuro que adquiriu teria que mudar
a sua posição para um novo futuro da Portugal Telecom com uma maturidade mais
avançada.

Arbitragistas – ausência de risco com um ganho garantido

A figura da arbitragem é a mais apreciada entre os investidores, pois não implica risco
e o ganho é garantido. Por isso mesmo, estas situações são raras no mercado e resultam,
normalmente, de pequenos desfasamentos momentâneos, que podem dar origem a
incongruências entre o preço dos futuros/opções e o valor dos activos subjacentes. Estes
desfasamentos permitem obter mais-valias, ao comprar num mercado e vender no outro.
Contudo, face à rapidez com que os mercados corrigem estas situações e ao volume de
negócios, a arbitragem apenas está ao alcance dos profissionais.

Especuladores – assumir risco

Os especuladores dividem-se, normalmente, em três categorias, de acordo com o


prazo de investimento: os scalpers, para o curtíssimo prazo, os day-traders, para negócios
ao longo do dia, e os position traders, que mantêm as suas posições por um período mais
alargado (o limite será o prazo do contrato a negociar).

Para obterem lucros com as variações dos preços, os especuladores correm riscos.
De uma forma geral, o especulador no mercado de derivados limita-se a compra/vender
contratos de futuros e opções quando existe uma expectativa de variação de preço do
activo. Neste mercado, o investidor pode facilmente assumir uma posição compradora ou
vendedora do activo.

Posição compradora

A compra de opções tem diversos riscos. Por um lado, pode implicar a perda de todo
o dinheiro investido num curto espaço de tempo: no final do contrato, as opções podem não
ter qualquer valor. Assim, e apesar do prémio a pagar ser relativamente reduzido face ao
preço do activo base, não exercer a opção representa uma perda máxima de 100%. Por
outro, o pagamento do prémio penaliza o potencial de lucro numa posição, podendo mesmo
vir a suplantá-lo. Por último, para um comprador de uma opção não lhe basta estar certo
em relação ao movimento do activo, tem também de acertar no momento em que tal vai
acontecer. Ou seja, de nada lhe valerá o activo evoluir de acordo com as suas expectativas
após a data de expiração do contrato. Este risco é mais elevado quanto menos tempo faltar
para a data de expiração e quanto mais out-of-the-money estiver a opção.

Posição vendedora

Quando se vende uma opção (de compra ou de venda), o investidor está sujeito a
um risco acrescido. No caso de uma opção americana, poderá a qualquer altura ser
chamado a encerrar a sua posição. Quanto mais in-the-money estiver a opção, e menos
tempo faltar para a sua expiração, maior é a probabilidade de tal vir a ocorrer. Quem
vende opções isoladamente pode ter, em teoria, perdas ilimitadas: o prémio recebido pode
não cobrir as perdas resultantes de evoluções negativas da cotação. Por fim, os
vendedores que efectuarem cobertura desse risco não têm oportunidade de beneficiar
com evoluções positivas do preço dos activos subjacentes ao contrato. Um lucro no
mercado à vista corresponde a uma perda nos derivados.

Vejamos o seguinte exemplo: o António esperava uma correcção do mercado durante


o mês de Setembro. Desta forma, decidiu vender em Setembro um contrato PSI-20 pelo
valor unitário de 13 000 euros. No final desse mês, a sua expectativa revelou-se bem
fundamentada e o índice caiu para os 12 900 pontos, o equivalente a 12 900 euros. Assim,
o António comprou um futuro sobre o PSI-20 para a mesma data e fechou a sua posição
obtendo um lucro de 100 euros.

Liquidez

Nos futuros, o investidor pode inverter a sua posição em Bolsa ou esperar pelo
momento do vencimento. Nas opções, além dessas alternativas, o investidor poderá ainda
exercer o direito concedido.

Liquidação no vencimento

Se, após ter adquirido um contrato de futuros, o investidor nada fizer, na data de
vencimento terá que cumprir as suas obrigações. Com excepção das entregas físicas, a
liquidação é feita de forma automática pelo intermediário financeiro. No caso das acções,
poderá ter que comprar um determinado número de acções, a um preço predefinido, ou de
entregar um ou mais lotes de acções, recebendo uma determinada contrapartida. No caso
dos índices, uma vez que não têm existência física e que os títulos não são totalmente
divisíveis, a liquidação dos contratos é efectuada segundo liquidação financeira, ou seja,
pela satisfação da diferença entre o preço fixado e o preço de referência previsto para o
activo. A alternativa passa pela transacção em Bolsa.

Transacção em Bolsa

A prática mais comum não é aguardar pelo vencimento. Normalmente, o investidor


pode, antes da data de vencimento, realizar uma nova transacção na Bolsa, anulando,
dessa forma, o compromisso anteriormente assumido. É imprescindível que esta nova
transacção seja de sinal inverso da anterior. Ou seja, quem se comprometera a comprar
deve vender e vice-versa.

A formação das cotações, numa Bolsa de derivados, processa-se de forma


precisamente igual à do mercado à vista: o preço dos contratos resulta da oferta e da
procura. Se houver muitos interessados em fazer contratos de compra de um determinado
futuro, o preço deste tende a subir. Se, pelo contrário, houver mais gente a querer vender
do que a comprar, as cotações descem. E o que influencia a procura ou a oferta? Tal como
acontece com o mercado à vista, tudo depende das expectativas em relação à evolução
das cotações.

Quem compra está na expectativa de que o preço do título adquirido venha a valorizar-
se acima da quantia paga. Quem efectua um contrato de compra de futuros pensa de forma
idêntica: espera que a cotação, no mercado à vista, do título (ou outro activo) negociado
venha a atingir, até à data de vencimento, um valor superior ao preço contratado.

Para aferir a liquidez de um mercado podem ainda ser utilizadas outras medidas:

• O spread, que consiste na diferença entre o preço de compra e de venda; quanto mais
pequeno mais líquido é o mercado;
• O número de posições em aberto, ou open interest, isto é, o mínimo de contratos sobre
os quais um investidor toma uma posição e que ainda não foram liquidados;

• A taxa de rotação, ou seja, o quociente entre o volume total e o open interest; quanto
mais elevado este for, mais activo é o mercado.

O mercado de futuros nacionais tem uma dimensão reduzida. Esta falta de liquidez
pode penalizar os investidores que queiram desfazer-se da sua posição em futuros. Poderá
ser difícil encontrar outro investidor com uma intenção contrária e com um preço “justo”.

Tipos de ordens

Os investidores dispõem de um alargado leque de ordens para liquidarem a sua


posição em Bolsa, nomeadamente ao melhor e limitadas. A estes tipos de ordens podem
ainda ser adicionadas diversas designações, como ordens com stop de preços, limitadas a
um determinado volume, tal como no mercado à vista.

• Ao melhor - o investidor não sabe, à partida, qual será o preço de execução, mas o
negócio é efectuado ao melhor preço possível, de acordo com as condições do
mercado, no momento da ordem. A maior flexibilidade destas ordens permite que
sejam executadas com maior rapidez. Desta forma, se o investidor estiver seguro da
direcção que o mercado vai tomar e quiser, de imediato, efectuar o seu negócio, este
é o tipo de ordem mais adequado.

• Com limite de preço - o investidor define um preço máximo de compra ou um preço


mínimo de venda. A ordem permanece no sistema até que esse preço seja atingido
ou termine o prazo de validade da ordem. Este tipo de ordem é o mais utilizado, já
que evita a execução em condições desfavoráveis para o investidor. Por exemplo,
um investidor dá uma ordem limitada de compra de 5 contratos de futuros sobre o
PSI-20 a 12 900 euros. Assim, o intermediário financeiro só executará esta ordem
caso consiga um preço igual ou inferior a 12 900 euros. Para valores superiores, a
ordem não é efectuada.

Exercício de opções
Quem tiver investido em opções pode liquidar a sua posição em Bolsa ou exercer o
seu direito. Esta segunda situação pode ocorrer durante o tempo de vida das opções (no
caso de uma opção de estilo americano) ou somente na data de vencimento (estilo
europeu). Um investidor que exerça uma opção obtém, de imediato, um determinado
resultado final (o denominado payoff). Este é calculado pela relação entre o preço de
exercício (X) e o preço de mercado (ST).

Rendimento

A remuneração obtida com a transacção de futuros e opções depende muito da


estratégia definida pelo investidor. Todavia, estratégias como a cobertura de risco e a
arbitragem são relativamente complexas e de difícil implementação pelo pequeno
investidor. Por esse motivo, iremos apenas abordar os resultados que se podem obter
quando se investe isoladamente num determinado futuro/opção, ou seja, focaremos o
investimento com um cariz especulativo.

Ganhos e perdas com futuros

Quando a expectativa é de subida do preço do activo subjacente, o investidor deverá


comprar um contrato de futuros; se for de descida, deve vender contratos de futuros. O
rendimento irá depender da concretização ou não das expectativas do investidor até à
data de vencimento dos contratos.

Comprar futuros

O investidor que tenha uma expectativa de aumento do preço adquire o contrato para
vendê-lo mais tarde a uma cotação superior. É um procedimento também denominado de
Posição Longa.
Vejamos o exemplo do Saraiva, que comprou um contrato de futuros da Portugal Telecom
a 10 euros, comprometendo-se a adquirir 100 acções da PT a 10 euros na data de
vencimento. No mercado à vista, uma ordem semelhante seria equivalente a 100 x 10 euros,
ou seja, a uma aplicação de 1000 euros. No entanto, como a transacção só se vai realizar
numa data futura (data de vencimento), o investidor apenas deu uma “entrada” (a margem
inicial). Se passados alguns dias, os futuros estiverem a negociar a 10,50 euros, o Saraiva
pode vender o contrato PT e ganhar 50 euros:

50 euros = (10,50 euros - 10,00 euros) x 100

Vender futuros

O investidor que antecipe uma descida do preço deve vender contratos agora e comprá-los
mais tarde, a um preço inferior, ganhando o diferencial. É a denominada Posição Curta.
Quando dá a ordem de venda, não precisa de ter as acções subjacentes ao contrato.
Apenas se mantiver a posição em aberto até ao vencimento do contrato é obrigado a
entregar as acções.

É o caso do António, vendedor de um contrato sobre a Portugal Telecom a 10 euros.


Passados 3 dias, os futuros estão cotados a 9,50 euros, pelo que dá uma ordem de compra
(o inverso da inicial) de um contrato, fechando a posição com um ganho de:

50 euros = (10 euros - 9,50 euros) x 100

Se, pelo contrário, as expectativas do António quanto à evolução do preço do activo


não se tivessem confirmado, e a acção tivesse subido 0,50 euros, teria tido um prejuízo de
50 euros.

Investir num futuro: os ajustes diários

Uma particularidade de alguns derivados e, em particular, dos futuros, é a existência


de margens e o seu ajustamento diário. Mas vejamos um exemplo.
O Bernardo decidiu investir em futuros PSI-20 a 1 de Outubro de 2003. Optou por
comprar 5 contratos com maturidade em Dezembro. Como estavam cotados a 6 250 pontos,
e a cada ponto equivalia 1 euro, isto significa que se comprometeu a “comprar” o PSI-20
por 6 250 euros, na data de vencimento. O compromisso total será então de:

5 x 6 250 = 31 250 euros


Esta quantia só será paga no final de Dezembro (vencimento), mas o Bernardo teve
desde logo de depositar uma margem inicial no intermediário financeiro onde deu a ordem.
Neste caso, o intermediário exigiu uma margem de 300 euros por contrato, ou seja:

300 euros x 5 contratos = 1 500 euros

Apesar das expectativas que o investidor tinha de subida, nesse dia o preço de fecho
do PSI-20 foi de 6 174 pontos, ou seja, 76 pontos abaixo do preço de aquisição. A diferença
traduziu-se numa perda de 76 euros por contrato, ou seja:

5 contratos x 76 euros = 380 euros

O Bernardo não vendeu a sua posição, mas esta foi contabilizada pela Bolsa através
do método de ajustamento diário de ganhos e perdas. Assim, teve de depositar esse
montante no intermediário financeiro, para repor a margem no valor inicial de 1 500 euros.

No dia seguinte, aproveitando a queda dos preços, o Bernardo reforçou a sua posição
e comprou mais 10 contratos PSI-20 (com a mesma data de vencimento), ao preço de 6
180 euros. Dessa forma, passou a ter uma posição compradora de 15 contratos e teve de
depositar mais 3 000 euros (10 x 300) de margem no seu banco, correspondentes aos 10
novos contratos. Desta vez, o preço de fecho da sessão foi favorável à sua posição, com o
índice a cotar-se nos 6 200 pontos.

Refira-se que, em relação aos contratos adquiridos em sessões de Bolsa passadas, o


apuramento dos ganhos ou das perdas potenciais faz-se pela diferença entre o preço de
referência da sessão do dia corrente e o do dia anterior. Nos contratos adquiridos na sessão
corrente, o ajustamento é feito através da diferença entre o valor da aquisição e o preço de
referência. Assim, e actualizando o valor dos contratos, temos no total 330 euros de lucro
potencial:

5 x (6 200 - 6 174) + 10 x (6 200 - 6 180) = 330 euros

Na sessão seguinte, o Bernardo, aproveitando nova subida do índice PSI-20, decidiu


desfazer-se da sua posição. Nesta altura, anulou totalmente os seus compromissos
(invertendo a posição), através de uma ordem de venda de 15 contratos a 6 300 pontos.
Uma operação que lhe permitiu encaixar mais 1 500 euros. Lembramos que, se tivesse
vendido contratos com uma data de vencimento diferente dos inicialmente adquiridos, não
estaria a encerrar a sua posição, mas sim a aumentá-la (já que ficaria com um total de 30
contratos: 15 de compra e 15 de venda). Para anular as posições, os contratos têm de ter
as mesmas características, nomeadamente no que respeita ao prazo.

O último ajustamento, que corresponde ao encerramento das posições, obtém-se


através da diferença entre a cotação de venda dos contratos e o preço de referência do dia
anterior. O ganho total do investimento obtém-se somando todos os ajustamentos diários,
pois, ao encerrar a sua posição no mercado de derivados, é devolvido ao investidor o valor
das margens depositadas inicialmente. A soma dos ajustamentos terá de ser igual à
diferença entre as cotações de venda e de compra do contrato, pois é daí que resulta a
mais-valia.

Feitas as contas, o saldo final mostrou-se favorável em 1 450 euros que puderam ser
levantados pelo investidor. Face ao montante investido inicialmente, o Bernardo obteve um
rendimento de cerca de 32,2%. Este valor obtém-se dividindo a soma dos ajustamentos
diários pelo montante investido (isto é, as margens depositadas).

(1 450 euros ÷ 4 500 euros) x 100 = 32,2%

onde os 4 500 euros correspondem às margens:

15 contratos x 300 euros = 4 500 euros

Se, pelo contrário, o investidor tivesse, nos mesmos momentos, especulado com a
venda de contratos PSI-20, teria tido um prejuízo de 32,2%.

Ganhos e perdas com opções

Existem diversas estratégias à disposição dos investidores em opções, como a


arbitragem, a cobertura e a especulação. Contudo, o investimento isolado em opções
implica sempre uma postura especulativa: aposta na subida/descida de uma acção, índice,
etc. Assim, é relativamente a esta estratégia que apresentamos as implicações no
rendimento.

Posições no mercado de opções

Existem quatro posições possíveis para um investidor em opções.

Comprar uma cal

O investidor obtém lucro se o preço de mercado do activo subir, podendo registar


ganhos ilimitados. Por outro lado, o prejuízo máximo cinge-se ao prémio pago. Num cenário
de descida ou manutenção do preço de mercado, o comprador perde o prémio que pagou
pelo contrato.

Comprar uma put

O lucro do comprador aumenta com a descida do preço do activo. A este lucro é


descontado o prémio pago pela opção. Em caso de manutenção ou subida do preço, o
comprador não exerce a sua opção e perde o prémio pago.

Vender uma cal

O vendedor recebe o prémio. Em caso de descida ou manutenção do preço do activo


subjacente, o prémio será o seu lucro máximo. Em caso de subida da cotação, o prejuízo é
crescente e ilimitado, embora seja atenuado pelo prémio recebido.

Vender uma put

Tal como no caso anterior, o vendedor recebe o prémio. Este será o seu lucro máximo,
se o preço de mercado se mantiver ou subir. Em caso de descida, o prejuízo é crescente,
embora atenuado pelo prémio recebido.
Em caso de exercício
O investidor que opte por exercer a opção, em vez de a vender em Bolsa, obtém de imediato
um determinado resultado (o payoff). O mesmo se aplica aos investidores que venderam
as opções e que podem ser chamados a cumprir com as suas obrigações.

Para quem adquire opções

• Numa opção de compra (call option), o payoff é a diferença entre o preço actual
de mercado do activo subjacente e o preço de exercício, quando o primeiro é
superior ao segundo (ST > X). Ou é igual a zero, se ST < X. Neste último caso,
como é evidente, não vale a pena exercer o direito.

• Quem adquire uma opção de compra obtém sempre um payoff positivo (no
mínimo pode ser zero). E isto porque a opção concede um direito e não uma
obrigação. Na data de vencimento, o comprador pode simplesmente não
exercer a opção de compra, se esta não for favorável, embora perca o dinheiro
pago pelas opções.

• Numa opção de venda (put option), o payoff é dado pela diferença entre o preço
de exercício (X) e o preço de mercado do activo subjacente (ST), quando o
primeiro é superior ao segundo (X > ST). Ou é igual a zero, se ST > X. Mais
uma vez, neste segundo caso não vale a pena exercer o direito.

• No caso da opção de venda, o comprador não exerce o direito se a cotação for


superior à cotação acordada. Porém, se as suas expectativas se confirmarem,
poderá lucrar de duas formas:
• vendendo a opção em Bolsa e ganhando a diferença de preços (uma
descida do valor do activo base num put é inversamente proporcional ao
valor do prémio);

• comprando o activo no mercado e exercendo a opção. Sendo o preço de


exercício superior ao preço de mercado do activo subjacente, a diferença
corresponderá ao lucro do investidor, depois de deduzido o prémio pago
pela opção.
Para quem vende opções

Quem está do “outro lado” do mercado, ou seja, o vendedor das opções, obtém
exactamente o resultado oposto.

• Numa opção de compra, o payoff é o menor de dois valores:

• A diferença entre o preço de exercício e o preço do mercado;

• zero.

• O vendedor de um call fica obrigado a vender o activo ao preço de exercício,


caso lhe venha a ser exigido pelo comprador. Em contrapartida, recebe o
prémio pago por quem adquiriu a call.

• Numa opção de venda, o payoff é dado pelo menor de dois valores:

• A diferença entre o preço de mercado e o preço de exercício;

• zero.

• O vendedor de um put está sujeito à vontade do comprador para, quando este


quiser, lhe adquirir o activo ao preço de exercício. Em contrapartida, recebe o
prémio pago por quem adquiriu a put.

Valor intrínseco e valor temporal

O prémio que o comprador paga por uma opção traduz o seu valor num determinado
momento. Esse montante resulta da soma de duas parcelas, o valor intrínseco e o valor
temporal.
• O valor intrínseco (VI) - é o valor que uma opção teria num determinado momento,
caso o investidor optasse pelo seu exercício imediato.

Para uma opção de compra (call), o valor intrínseco é igual ao preço do activo
subjacente (ST) deduzido do seu preço de exercício (X) ou zero. Quando o preço de
exercício é superior ao preço do activo subjacente, o valor intrínseco é nulo, pelo que não
há interesse em exercer o direito.

Para uma opção de venda (put), o valor intrínseco é a diferença entre o preço de
exercício e o preço do activo subjacente. Neste caso, quando o preço de exercício for
inferior ao preço do activo, o valor intrínseco será nulo, e como tal não faz sentido exercer
a opção.

• O valor temporal - existe devido à probabilidade de aumento do valor intrínseco da


opção. Pode ser calculado a partir da diferença entre o prémio (cotação da opção) e
o valor intrínseco. No fundo, este valor reflecte as expectativas do mercado de que o
valor intrínseco da opção se altere até à data de expiração. Este factor temporal tende
para zero à medida que se aproxima a data de maturidade, uma vez que o preço do
activo terá uma probabilidade menor de superar o preço de exercício, no caso de uma
call, ou de se tornar inferior, no caso de uma put.

Grau de moneyness

As opções, tal como os warrants, podem ser classificadas de três formas quanto à
relação entre o preço do activo subjacente (ST) e o preço de exercício (X). Esta
classificação é conhecida como o grau de moneyness.

As opções out-of-the-money têm apenas valor temporal, já que o valor intrínseco é


nulo. At-the-money, as opções têm um valor intrínseco próximo de zero, mas são as que
apresentam maior valor temporal. Por fim, in-the-money, as opções possuem um valor
intrínseco elevado, mas um menor valor temporal.

Factores que influenciam o valor de uma opção


A cotação de uma opção é influenciada por diversos factores, sendo a evolução do preço
do activo subjacente a mais significativa. Contudo, as fórmulas utilizadas para a avaliação
das opções são relativamente complexas e não serão abordadas aqui. Não obstante,
pensamos ser útil enumerar as variáveis necessárias para a avaliação das opções,
nomeadamente através de modelos matemáticos como o de Black e Scholes.

Preço do activo subjacente

Uma subida da cotação do activo subjacente aumenta o valor das opções de compra
(call option) e reduz o valor das opções de venda (put option). Uma descida do preço do
activo terá o efeito contrário. Estas variações influenciam as expectativas relativas ao preço
na data de maturidade da opção, ou seja, influenciam o seu valor temporal. À medida que
a cotação do activo evolui favoravelmente, a incerteza diminui e a opção ganha valor
intrínseco, mas perde valor temporal.

Preço de exercício

Numa opção de compra (call option), quanto mais baixo for o preço de exercício, mais
elevado será o preço da opção. E isto porque a probabilidade de o preço de mercado do
activo subjacente ultrapassar o preço de exercício da opção é maior. Numa opção de venda
(put option) acontece o oposto: quanto mais alto for o preço de exercício, maior será o preço
da opção.

Tempo para a maturidade

A maturidade corresponde à data até à qual é possível exercer a opção. As opções de


estilo europeu só podem ser exercidas nesta data, enquanto as de tipo americano podem
ser exercidas em qualquer altura até à maturidade.

O prazo de vencimento influencia o valor da opção de duas maneiras:

• Quanto mais alargado, maior será a volatilidade do preço do activo base e mais
elevado será o valor do call e do put;
• Quanto mais alargado, menor será o valor actualizado do preço de exercício,
o que aumenta o valor do call, mas diminui o valor do put.

Volatilidade

A volatilidade traduz o grau de incerteza dos preços futuros do activo subjacente. A


volatilidade tem bastante importância para o valor das opções e influencia de igual forma
as opções call e put.
Existem diversos tipos de volatilidade. Entre elas:

• A histórica, calculada através da evolução passada das variações do activo


subjacente;

• A implícita ou de mercado, que reflecte as expectativas do mercado quanto à


volatilidade do activo subjacente até à maturidade da opção.

Taxa de juro sem risco

A aquisição de uma call option equivale à compra do activo subjacente, com parte do
pagamento a ser efectuado mais tarde. O pagamento inicial corresponde ao prémio pago
pela opção, enquanto o pagamento posterior será o valor actualizado do preço de exercício
à taxa de risco sem risco. Um aumento das taxas provoca um aumento dos preços das call
options e uma descida das put. Em todo o caso, o efeito sobre o valor das opções é
diminuto.

Dividendos

Um aumento dos dividendos a distribuir provocará uma descida da cotação da acção


ou de alguns índices de acções. Desta forma, ocorre uma descida do preço das opções de
compra (call) e uma subida do preço das opções de venda (put). Porém, o efeito dos
dividendos na cotação das opções é, por norma, residual.
Alavancagem

O conceito de alavancagem é um dos mais importantes no investimento de produtos


derivados. Com o investimento em derivados é possível fixar previamente o preço de
compra de um activo, utilizando apenas uma parte do capital que seria necessário
despender se o investidor adquirisse o activo de imediato. Desta forma, o investimento do
mesmo montante em derivados pode gerar ganhos ou perdas mais acentuadas do que no
investimento directo.

Vejamos o exemplo do Jorge, que tem uma expectativa de subida da cotação da


Portugal Telecom. Desta forma, pode comprar em Bolsa 100 acções da PT, a 10,20 euros,
por exemplo, ou, em alternativa, adquirir 10 contratos de futuros sobre a PT, com uma
margem inicial de 102 euros cada. Em ambos os casos, despende 1020 euros. No entanto,
a segunda opção é bastante mais arriscada, pois a exposição é muito maior (a cada contrato
equivalem 100 acções da PT). Assim, no primeiro caso, e se a PT descesse 0,20 euros, a
perda seria de 20 euros; já no segundo, a perda seria de 200 euros.

Daqui conclui-se que, para obter um idêntico grau de risco nos dois mercados, não se
pode aplicar nos futuros o mesmo valor que é aplicado no mercado à vista! O investidor que
queira assumir o risco associado a 100 acções da PT, através da compra de futuros, apenas
deverá comprar um contrato e despender a margem inicial de 102 euros. O restante capital
(1020 - 102 = 918 euros) poderá ser colocado numa aplicação sem risco, com duração
idêntica à do contrato de futuros.

Custos

Os principais custos cobrados aos intermediários financeiros são reflectidos nas


comissões cobradas aos clientes finais. Assim, estas diferem de instituição para instituição
e de contrato para contrato. Mas, de forma geral, os intermediários financeiros cobram uma
comissão que inclui os custos de compensação, liquidação, corretagem… acrescida do
imposto de selo (4%.) Tal como acontece noutros valores mobiliários, estes podem ainda
cobrar despesas de expediente e custódia de títulos.

Como já tivemos ocasião de mencionar, a migração da Euronext Lisboa para a


plataforma electrónica Liffe Connect produziu diversas alterações nos derivados nacionais.
Com efeito, apenas os futuros migraram, tendo sido extintos os contratos de opções, pelo
que não incluímos os custos com estes produtos financeiros.

Fiscalidade

Todas as transacções relativas aos futuros e opções têm de ser declaradas para
efeitos de IRS. As mais-valias obtidas com estes produtos estão sujeitas a imposto, mas o
investidor pode optar entre:

• Tributar o saldo positivo das mais-valias e menos-valias à taxa liberatória de 26,5 por
cento. O saldo entre mais e menos valias resulta não só das operações realizadas
com futuros e opções, mas também com as ações e warrants;

• Proceder ao englobamento das mais-valias nos restantes rendimentos. O imposto a


pagar dependerá da taxa de IRS a aplicar à totalidade dos rendimentos do
contribuinte.
• Se ao longo do ano tiver obtido mais-valias, em princípio não deverá optar pelo
englobamento, já que a taxa aplicada por tributação autónoma é, em regra, inferior à
taxa de IRS. Neste caso, paga menos imposto do que se optar pelo englobamento.
Todavia, o englobamento pode ser vantajoso em duas situações:

• se tiver registado menos-valias poderá deduzir o prejuízo desse ano às eventuais


mais-valias que venha a realizar nos dois anos seguintes;

• se registou menos-valias nos dois anos anteriores e, nessa altura, optou pelo
englobamento, poderá agora ser vantajoso optar novamente por essa inclusão.
Nesse caso, as menos-valias averbadas serão abatidas às mais-valias agora
realizadas. Embora tudo dependa dos valores em causa, regra geral, a melhor opção
passa pela tributação à taxa liberatória de 26,5 por cento.
Os rendimentos obtidos com derivados terão que ser declarados no Anexo G. Por fim,
refira-se ainda que, ao contrário das ações, o prazo de uma eventual detenção (mais ou
menos de 12 meses) de produtos derivados não influencia a sua tributação.

Futuro sobre a Portugal Telecom

As principais características deste futuro são as seguintes:

• Os contratos Portugal Telecom incidem sobre um lote de 100 acções, cotadas na


Euronext Lisboa. Assim, considerando, por exemplo, que se pretende pagar (ou
receber) por cada acção da Portugal Telecom a quantia de 10 euros (preço definido
no futuro), o valor ou dimensão do contrato é de 1000 euros;
• Em cada momento, poderão ser comprados ou vendidos futuros com vencimento no
final do mês corrente, no final do mês seguinte e nos 2 meses mais próximos do ciclo
Março, Junho, Setembro e Dezembro. Por exemplo, se estiver no início de Abril, pode
negociar futuros Portugal Telecom para fins de Abril, fins de Maio e fins de Junho e
Setembro;

• O último dia de negociação é a terceira sexta-feira do mês de vencimento;

• Na data de vencimento, a liquidação é física, ou seja, quem fez um contrato de venda


tem de entregar um lote de 100 acções e recebe uma contrapartida financeira. Se o
contrato for de compra, o investidor recebe o lote de 100 títulos a que tem direito e
paga o valor do contrato.

Futuro sobre o PSI-20

Para exemplificar os futuros sobre índices consideremos o contrato PSI-20. Este índice
de acções nacionais é composto pelos 20 títulos mais importantes da Euronext Lisboa.
Utilizando o contrato de PSI-20 é possível assumir uma posição a prazo (compradora ou
vendedora) no índice subjacente.

Algumas das características deste futuro:


• O contrato é cotado em pontos de índice e o seu valor obtém-se multiplicando cada
ponto de índice por 1 euro. Assim, se o PSI-20 estiver cotado, para um determinado
prazo, a 13 000 pontos, o valor do contrato será de 13 000 pontos x 1 euro = 13 000
euros;

• Os futuros PSI-20 são negociados com vencimentos para os 4 meses mais próximos
do ciclo Março, Junho, Setembro e Dezembro. Ou seja, em Julho de 2007 podem ser
negociados futuros para Setembro e Dezembro de 2007 e ainda para Março e Junho
de 2008;

• O último dia de negociação destes contratos corresponde à terceira sexta-feira do mês


em que o contrato vence;

• A liquidação dos contratos é financeira.

Contratos de opções

Existem algumas diferenças face aos futuros. Entre elas, contam-se a natureza da
opção (de compra ou de venda), o estilo (europeu ou americano) e o preço de exercício
contido em cada série de contrato. São lançadas diversas séries, com intervalos de preços
sobre o activo e com diferentes maturidades.

Devido à migração das Bolsas Euronext para uma única plataforma de negociação,
têm-se vindo a efectuar diversas alterações nas características dos contratos de derivados,
para uniformizar alguns parâmetros. Entre eles, está por exemplo, o estabelecimento da
terceira sexta-feira do mês de vencimento como o último dia de negociação. Em Portugal,
a passagem para a Liffe Connect fez com que fossem alteradas as margens iniciais de cada
contrato, que passaram a ser calculadas segundo um método baseado na exposição total
ao risco (o SPAN), que incorpora diversos parâmetros, como o preço, o risco e o tempo
para a maturidade. Com efeito, ao contrário do que sucedia antes, quando as margens de
cada contrato eram fixas e conhecidas à partida, compete agora à LCH.Clearnet (Câmara
de Compensação) definir o seu cálculo e aplicá-lo, diariamente, aos seus diferentes
membros. Estes, por sua vez, reflectirão estas margens aos seus clientes finais.
As principais Bolsas de derivados

As Bolsas de futuros surgiram nos Estados Unidos, fruto da necessidade dos


agricultores de se precaverem de riscos naturais que poderiam afectar as suas colheitas.
Assim, em 1848, agricultores e comerciantes juntaram-se e formaram uma Bolsa de
mercadorias, a Chicago Board of Trade (CBOT). A intenção passava, essencialmente, pela
formalização de contratos para entrega diferida de mercadorias, visando ainda um melhor
funcionamento dos contratos de compra e venda realizados no dia-a-dia. Esta situação
resolvia o problema de incerteza quanto ao preço a pagar e o risco da contraparte não
querer efectuar o negócio.

As Bolsas de opções surgiram já na década de 70. A primeira Bolsa de opções data


de 1973 e foi criada pela CBOT, designando-se Chicago Board Options Exchange (CBOE).
Nessa altura, as opções incidiram apenas sobre acções.

Actualmente existem inúmeras Bolsas de futuros e opções, espalhadas pelos quatro


cantos do mundo. Entre as maiores estão a Euronext.liffe e a Eurex.

A Euronext.liffe

Resulta da integração dos negócios de derivados da Euronext (que inclui as Bolsas de


Amesterdão, Paris, Bruxelas e Lisboa) com a Bolsa britânica de futuros e opções Liffe
(adquirida pelo grupo Euronext no final de 2001). Em 2003, situou-se como a segunda maior
Bolsa mundial de derivados em termos de volume e valor.

Os derivados da Euronext migraram para a plataforma de negociação electrónica


comum, a Liffe Connect, passando a utilizar o mesmo sistema de liquidação, o Clearing 21.
Em Portugal, a migração aconteceu em 22 de Março de 2004. Entre os diversos contratos
existentes que podem ser negociados através da Liffe Connect estão futuros e opções sobre
acções, índices, taxas de juro, matérias-primas, etc.

A Eurex
É a maior Bolsa mundial de futuros e opções denominados em euros e é gerida pela
Bolsa Alemã, juntamente com a Bolsa Suíça.

O papel da Câmara de Compensação

Sempre que um contrato de futuros ou de opções é transaccionado, a Câmara de


Compensação actua como contraparte do negócio, ou seja, assume a responsabilidade
pelo cumprimento da transacção de ambas as partes. O comprador vai então exigir os
pagamentos das margens à Câmara e é a esta que o comprador pode exigir o respeito do
que está estipulado no contrato. O mesmo se aplica ao vendedor. Esta forma de
funcionamento proporciona inúmeras vantagens. Entre elas, diminui o risco de
incumprimento e, dada a autonomia da Câmara de Compensação, confere maior
credibilidade e segurança a quem transacciona. Além disso, diminui a morosidade negocial
e permite a obtenção de um preço mais justo.

Para que seja possível garantir os compromissos assumidos, foi criado o mecanismo
das margens e o ajustamento diário de ganhos e perdas. De facto, em vez de deixar
acumular perdas ou ganhos consecutivos até ao dia do vencimento, a Câmara de
Compensação faz o "balanço" diário da conta de cada interveniente. Este é calculado com
base no preço de referência, a partir dos preços a que foram negociados os últimos
contratos. Se forem apuradas perdas potenciais, o investidor terá de depositar, na
instituição financeira onde realizou o contrato, a quantia correspondente, de forma a manter
intacta a margem inicial. Se se tratar de ganhos potenciais, o cliente pode optar entre
levantar o dinheiro ou deixá-lo na sua conta, para compensar eventuais perdas futuras.

A liquidez nas Bolsas de derivados

A importância da liquidez traduz-se, fundamentalmente, na capacidade em anular uma


posição mediante a realização de uma operação contrária (off set). Os futuros e as opções
transaccionados em Bolsa têm duas importantes características que, à partida, podem
facilitar uma maior liquidez:

• Estandardização: permite que o único item a negociar pelas partes seja o preço (preço
do futuro ou o prémio da opção), estando o restante predefinido. Por exemplo, nos
contratos de futuros sobre acções nacionais, a unidade de negociação é, por norma,
de 100 acções, e o último dia de negociação é a terceira sexta-feira do mês de
vencimento;

• Fungibilidade: este conceito complementa o primeiro e confere maior liquidez na


negociação. Ou seja, no mercado de derivados todos os contratos da mesma série
são iguais.

Especular com opções: exemplos

Vejamos alguns exemplos de especulação com recurso às opções. Para mais fácil
compreensão, os diversos cenários não incluem o eventual pagamento de margens nem os
custos de intermediação.

Comprar calls

O António tem a expectativa de que a cotação de uma determinada acção, actualmente


em 6,90 euros, irá subir em breve. Para poder beneficiar com a eventual concretização
dessa expectativa, compra 10 calls sobre essa acção com vencimento em Dezembro.
Suponhamos ainda que cada call dá direito a adquirir 100 acções, a um preço de exercício
de 6,90 euros, e está cotada a 0,39 euros. Assim, no total o António aplica:

0,39 euros x 10 calls x 100 acções = 390 euros

Cenário A

Na data de vencimento da opção, a cotação da acção subiu para 7,50 euros. Como o
preço de mercado é superior ao preço de exercício (ST > X), a opção de compra está in-
the-money, logo o comprador exerce as opções. Desta forma, o payoff é igual a:
(7,50 euros - 6,90 euros) x 10 calls x 100 acções = 600 euros

Subtraindo o prémio pago pelas opções de compra, obtém-se o

lucro:

600 euros - 390 euros = 210 euros

Cenário B

Na data de vencimento da opção, a cotação subiu para 7 euros. Nesta situação, a


opção está igualmente in-the-money, uma vez que o preço de mercado é mais elevado do
que o preço de exercício. O payoff será:

(7 - 6,90) x 10 x 100 = 100

Mas, para saber qual o ganho efectivo do António, é preciso considerar o prémio pago.
Assim, conclui-se que, apesar da evolução positiva da cotação, o resultado final saldou-se
por um prejuízo:

100 - 390 = -290 euros

Cenário C

A cotação desce para os 6 euros. Como o preço de mercado é inferior ao preço de


exercício (ST < X), o comprador não deve exercer a call, pois apenas iria aumentar a sua
perda. Assim, o prejuízo desta operação resume-se ao prémio pago inicialmente (390
euros).

Comprar puts
Ao contrário do António, o José espera que o preço da acção (6,90 euros) desça nos
próximos meses e, como tal, decide comprar 5 puts para o mesmo prazo e com o mesmo
preço de exercício. Para tal, paga:
0,35 euros x 5 puts x 100 acções = 175 euros

Cenário A

Na data de vencimento, em Dezembro, a cotação desce para os 6 euros. Neste caso,


o preço de mercado é inferior ao preço de exercício (ST < X). Logo, a opção de venda deve
ser exercida, resultando num payoff para o comprador de:

(6,90 - 6) x 5 x 100 = 450 euros

pelo que o lucro será:

450 - 175 = 275 euros

Cenário B

Caso a cotação tivesse subido para os 7,50 euros, a put não seria exercida, pois o
comprador obteria um preço mais favorável recorrendo directamente ao mercado e
vendendo lá as suas acções. Neste cenário, o payoff seria zero e o prejuízo igual ao prémio
pago pelas opções (175 euros).

Forex

O que é?

Forex resulta da junção das palavras inglesas foreign e exchange, que significa
mercado cambial ou de divisas. O mercado cambial representa a troca de uma moeda
de um país por a de outro. Um turista português de visita aos Estados Unidos precisa de
trocar euros por dólares. Ao fazê-lo, ainda que indiretamente via banco ou agência de
câmbio, está a participar neste mercado. Em termos de volume, o forex é considerado o
mercado mais líquido do mundo, pois envolve transações internacionais entre instituições
financeiras, estados, bancos centrais e multinacionais.

A taxa de câmbio entre duas moedas varia, com tendências anuais, mensais, diárias
ou mesmo de minutos. A tentativa de acertar nesta tendência é que leva o investidor a
negociar no forex, na expectativa de comprar e posteriormente vender a um preço superior
e assim ter uma mais-valia.

Existem muitos fatores que influenciam as variações cambiais. O mais importante


é a oferta e a procura da moeda. Por exemplo, um aumento de emissão do dólar pelo banco
central americano, por si só, causa uma depreciação do dólar via aumento da massa
monetária em circulação.

Outros fatores que influenciam a procura e a oferta da moeda, e assim a taxa de


câmbio, são o nível de inflação, as taxas de juro, o sentimento dos investidores e outros
dados macroeconómicos. É normal a volatilidade aumentar antes e após a divulgação de
dados económicos.

Características

O forex apresenta algumas características únicas, diferentes do mercado de ações.

Alavancagem

A alavancagem é a característica mais importante do forex e a principal razão de


muitos investidores perderem dinheiro neste mercado. Todas as corretoras permitem que
o investidor alavanque o seu investimento. Por exemplo, se a corretora indicar um rácio
de 50:1 significa que pode alavancar 50 vezes o seu capital. Com um investimento de €1000
pode montar uma posição com uma exposição de €50 000.

Se o potencial de ganhar dinheiro é um chamariz, uma pequena flutuação contra a


posição assumida pode levar a perda total do capital investido em poucos minutos. Em
situações extremas de oscilações súbitas na cotação até é possível que a perda seja
superior ao capital investido. Neste cenário, a posição é automaticamente fechada pelo
intermediário financeiro, ficando o investidor responsável pela dívida resultante.

O rácio também pode ser apresentado em percentagem. Um rácio de 50:1 significada


que a margem mínima exigida pelo intermediário financeiro é 2% (a conta é 1/50). Quanto
menor a percentagem de margem exigida, maior a alavancagem e consequentemente o
risco.

Horário

Exceto ao fim de semana, o mercado funciona em contínuo. Regra geral, o mercado


abre às 23 horas portuguesas de domingo e só encerra às 22h de sexta-feira. Algumas
corretoras cotam ao fim de semana.

Custos

Comissões

Em geral, as comissões de negociação cambial estão refletidas nos preços. O


intermediário financeiro acrescenta ao preço de mercado a sua margem. Se o par EUR/USD
estiver a cotar 1,2966 e a margem for 2 pips significa que o preço de compra é 1,2967 e o
preço de venda 1,2965. Quanto menor a margem, menor a comissão que se paga à
corretora.

As margens nem sempre são fixas. Se no momento de divulgação de dados


económicos relevantes, a volatilidade e incerteza aumentam, a corretora tende subir a
margem. Alguns intermediários, além da margem, cobram uma comissão fixa.

Juros (roll over)


Sempre que uma posição fique em aberto para o dia seguinte é calculado um juro
positivo sobre a moeda que está comprador e um juro negativo sobre a moeda que está
vendedor. Estes juros são calculados com base nas taxas overnight das duas moedas. Se
o resultado for positivo a conta é creditada e se for negativo é debitada.

Sobre a taxa overnight as corretoras por norma deduzem uma margem, o que aumenta
significativamente a probabilidade do valor obtido ser negativo. Isto pode penalizar
fortemente posições deixadas em aberto várias semanas ou meses.

Segurança

Investir em mercados cambiais não é para todos. É um produto muito perigoso para
quem não tenha experiência ou não esteja familiarizado com a mecânica deste mercado.
Estudos de reguladores internacionais comprovam que cerca de dois terços dos
investidores de forex perde dinheiro no longo prazo.

Flutuações inesperadas no câmbio do par negociado, associado a elevadas


alavancagens, podem originar perdas súbitas de todo o capital investido e em situações
limites ficar com uma posição devedora junto do intermediário financeiro.

O forex é um jogo tendencialmente de soma negativa. Ao contrário das ações que, em


períodos de crescimento económico, globalmente as empresas ao apresentarem resultados
positivos, geram riqueza e valor para os seus acionistas, no forex há transferência de
riqueza. Se um investidor ganha a contraparte, perde o mesmo montante e, pelo meio, ainda
existem custos relacionados com as comissões da corretora. Muitas vezes a contraparte
pode ser um profissional com acesso a ferramentas profissionais e com informação de
melhor qualidade em termos de conteúdo e de velocidade. Até pode ser o seu próprio
intermediário financeiro.

Se optar por negociar online através de corretoras internacionais, existe também o


risco de negociar com uma empresa fraudulenta. Existem muitos sites que oferecem
serviços de corretagem em forex, mas que na realidade não passam de fraudes. Se
depositar num desses sites, o mais certo é nunca mais conseguir recuperar o seu dinheiro.
Se pensar abrir conta numa corretora certifique-se que a CMVM não emitiu nenhum
alerta sobre intermediação financeira não autorizada e principalmente que a entidade esta
registada no regulador no país de origem. Por exemplo, se for uma empresa Americana,
tem que estar registada na Commodity Futures Trading Commission (CFTC). Já uma com
sede no Reino Unido, tem que estar registada na Financial Services Authority (FSA).

Liquidez

Ao contrário do mercado acionista, no mercado de divisas não existe uma casa de


compensação que centraliza as operações. Na prática, cada corretora atua como se ela
própria fosse o mercado, pelo que existe sempre liquidez, uma vez que esta sempre a
cotar cada par. Isto leva a que cada corretora possa praticar preços diferentes para o
mesmo par. Estas diferenças tendem a ser mínimas, pois se não forem, existe a
possibilidade de arbitrar (comprar um par na corretora com o preço mais barato e vender
na que tem o preço mais caro).

O importante é o spread entre o preço de compra e o preço de venda praticado pela


corretora. Nos pares com maior volume de transações (por exemplo USD/EUR, USD/JPY),
o spread tende a ser substancialmente menor que nos pares com menor volume (por
exemplo CZK/JPY ou EUR/ZAR).

Rendimento

O rendimento global do forex resulta da expectativa de fazer mais-valias, ou seja,


obter um ganho com a diferença do preço no momento da abertura de posição com o preço
obtido no momento de fecho.

Fiscalidade

O investidor é sempre obrigado a declarar todas as mais-valias e menos-valias


obtidas no forex. O resultado líquido é adicionado as mais e menos-valias obtidas com
outros produtos financeiros (ações, obrigações, opções, futuros) e o resultado será tributado
à taxa autónoma de 26,5% ou então englobando o resultado com os restantes rendimentos.

Regra geral, o englobamento não compensa. A tributação autónoma deverá ser menor
do que a taxa marginal de imposto para a generalidade dos contribuintes.

Intermediários financeiros registados na CMVM e com escritório em Portugal.

Presentemente existem os seguintes intermediários financeiros registados na CMVM,


com escritórios abertos em Portugal, que permitem aos seus clientes transacionar nos
mercados cambiais:

• Banco Best

• Banco Big

• Dif Broker
• Fincor

• GoBulling

• Golden Broker

• IG Markets

• Orey Financial

• X-Trade Brokers

Pips

Pips é o termo usado para indicar o menor incremento que pode ocorrer num par.

Par
Par é o termo usado para indicar o câmbio de 2 moedas. EUR/USD é a designação do
par euro dólar.

Spread

Spread é o termo inglês utilizado para definir a margem. É a diferença entre o preço
de compra e o preço de venda de um par. Quanto maior o spread, maior a comissão do
intermediário financeiro.

Overnight

Overnight é o termo inglês utilizado para designar aplicações de muito curto prazo,
cuja maturidade ocorre no dia seguinte.

Porque é que a referência aos mercados cambiais é sempre feita no plural?

Mercado descentralizado

A referência aos mercados cambiais é feita no plural, porque estes estão repartidos
por todas as grandes praças financeiras mundiais. Os mais importantes são Londres,
Nova Iorque, Tóquio, Hong Kong e Singapura. Só no Reino Unido, são realizadas 37% das
transações mundiais em divisas e nos Estados Unidos 18%. Estes mercados não são
entidades organizadas com uma autoridade e local central para a negociação. Trata-se de
mercados livres, nos quais as corretoras e outros intermediários negoceiam diretamente
entre eles. Ao longo de toda a semana, estes mercados não param. Desde o final de cada
domingo até sexta-feira à noite, é transacionado diariamente um montante equivalente a
mais de 1 bilião de euros (quase seis vezes a riqueza gerada por Portugal durante um ano).
E, se incluirmos os produtos derivados, cujo valor dependa das taxas de câmbio, o volume
diário é de 2,7 biliões de euros. Esta dimensão coloca os mercados cambiais entre os mais
importantes do mundo.
Objetivo

O principal motivo dos mercados cambiais é acelerar o funcionamento do comércio


internacional. Se, por exemplo, uma empresa europeia tem de comprar bens e pagar em
dólares deve poder comprar facilmente a divisa norte-americana. Mas as grandes empresas
não são os únicos intervenientes nos mercados. Há também corretores de divisas,
instituições financeiras, bancos centrais e especuladores (hedge funds, investidores
privados). Cada interveniente tem objetivos diferentes e assume posições diversas, o que
dá forma e profundidade ao mercado. Contudo, mais de metade das transações é realizada
por grandes bancos. O alemão Deutsche Bank é o mais ativo neste domínio, representando
18% do mercado.

Aos pares

A negociação de divisas é naturalmente sempre “em pares”: uma moeda só se


aprecia/deprecia relativamente a outra. Um quarto das transações mundiais é entre euros
e dólares (EUR/USD). Segue-se as trocas entre dólares e ienes (USD/JPY) que
representam 15% do total. Quando se considera todas as transações, o dólar está presente
em 85% dos casos e o euro em apenas 39%.

Procura e oferta

O valor (relativo) das moedas é determinado pela procura e oferta de todos os


intervenientes nos mercados cambiais. Por isso, as tomadas de posições são influenciadas
por diferentes fatores. Por exemplo, os dados macroeconómicos não podem ser ignorados,
pelo que um país com uma boa situação financeira tenderá a ter uma moeda mais “forte”.
Mas há também fatores geopolíticos, tendências de mercado, etc. Tendo em conta a
multiplicidade de fatores, é muito difícil fazer previsões sobre a evolução a curto prazo das
taxas de câmbio. Contudo, no longo prazo, os dados económicos fundamentais dos
países são um bom indicador sobre a evolução cambial. É nesse pressuposto que se
baseiam os conselhos da PROTESTE INVESTE.
ETF - Exchange Traded Funds

O que são?

Os ETF são fundos de investimento que são negociados na bolsa como as ações.
A grande maioria incide sobre índices de ações, mas também existem ETF dedicados às
obrigações, matérias-primas e taxas de câmbio.

A cotação do ETF é, por norma, expressa como uma fração do índice que procura
replicar (1:10 ou 1:100), em que cada ponto de índice corresponde a um euro. Se um índice
está cotado a 10 mil pontos e o ETF tiver uma fração de 1:100, significa que o ETF deverá
cotar em torno dos 100 euros.

Com os ETF, os investidores podem estar expostos a um determinado mercado ou


setor de forma mais direta, pois a cotação do ETF deverá acompanhar muito de perto
evolução do índice subjacente (PSI-20, DAX, S&P 500, MSCI World, etc.). A réplica
poderá, no entanto, não ser perfeita, uma vez que um índice é um produto teórico enquanto
os administradores do ETF terão de comprar os títulos que compõem o índice e fazer os
respetivos ajustes, quando necessário, o que acarreta custos.

Como negociar?

Uma vez selecionado o ETF, o passo seguinte é transmitir a ordem. Aqui também
funciona como se fosse uma compra de ações. O investidor tem de recorrer aos serviços
de uma corretora ou banco que ofereça a possibilidade de negociar ETF.
Se tiver conta num desses intermediários financeiros, o passo seguinte é “encontrar”
outrem, em bolsa, que esteja interessado em vender o ETF que pretende comprar. As
quantidades oferecidas e os preços podem ser visualizados na chamada profundidade de
mercado. A grande maioria dos ETF assegura sempre preços de venda e de compra, pelo
que não terá dificuldade na transação.

Segurança
Os ETF, tal como os fundos de investimento tradicionais, não garantem rentabilidades
nem o reembolso do capital investido. O nível de risco de não reaver a totalidade do dinheiro
investido, devido à oscilação do valor dos títulos, depende das características dos títulos e
dos mercados financeiros em que os ETF investem.

Um ETF relativo a um índice de ações emergentes é mais arriscado do que um ETF


dedicado a um índice de obrigações de países ocidentais.

Liquidez

Para que os investidores possam negociar os ETF a qualquer momento, as sociedades


gestoras contratam entidades que colocam ordens permanentes de compra e de venda.
Contudo, podem existem naturalmente diferenças entre os preços oferecidos e o real valor
do ETF. Por isso, opte por ETF com mais negócios para garantir uma maior eficácia na
formação dos preços. Prefira adquirir na Euronext Paris ou na bolsa de Frankfurt, mercados
com maior liquidez. As plataformas de negociação online dos intermediários normalmente
permitem acompanhar esta informação.

Rendimento

O valor de um ETF depende da cotação das ações, obrigações, ou outros produtos,


que compõem a sua carteira. Estes, por seu turno, oscilam ao sabor dos mercados. Não há
garantia de rendimento nem de capital.

Quando o mercado onde o ETF aposta está em alta, o seu valor (cotação) aumenta.
Se o investidor vendê-lo nessa altura, obtém uma mais-valia, ou seja, um ganho que
corresponde (se não houver custos) à diferença entre o preço da venda e o preço da
compra.

No entanto, onde há subidas também pode haver descidas: em períodos de "vacas


magras", os títulos em que o ETF aposta podem, dependendo da sua natureza, perder parte
do seu valor, o que se traduz por uma perda equivalente do valor da respetiva cotação e na
carteira do investidor.
Além das mais-valias, o rendimento global de um ETF também deve considerar
eventuais distribuições de dividendos. Trata-se de dinheiro que não é incorporado na
cotação do ETF mas que é entregue ao investidor.

Custos

Comissão de negociação

O investidor tem de suportar as comissões de intermediação, cobradas pela instituição


financeira (banco ou corretora) onde é dada a ordem de compra ou venda do ETF. Estas
comissões são normalmente de dois tipos: fixas ou em percentagem do montante
negociado (cotação x quantidade). Neste último caso, é normal existir também um valor
mínimo para a comissão cobrada. Em regra, o custo deverá ficar entre os 5 e os 14 euros
no caso de comprar os ETF na bolsa de Lisboa ou nas praças da NYSE Euronext. Se for
noutros mercados (nomeadamente Frankfurt), há intermediários que cobram acima destes
valores.

Sobre o pagamento de dividendos

Muitos ETF distribuem, periodicamente, rendimentos aos investidores (dividendos). O


pagamento é feito por intermédio da instituição onde os títulos estão depositados, a qual
cobra uma taxa por esse serviço. Geralmente, consiste numa percentagem sobre o
montante de dividendos a distribuir e é sujeita, quase sempre, a um valor mínimo.

Guarda dos títulos

À semelhança das ações, os ETF ficam depositados numa instituição financeira.


Grande parte das instituições cobra periodicamente (trimestral, semestral ou anualmente)
aos clientes uma comissão por este serviço de guarda dos títulos.

Custo de gestão

Como o ETF é um fundo de investimento, tem igualmente uma comissão de gestão,


que incorpora os custos associados às operações que faz, como a negociação dos títulos
adquiridos pelo fundo. Essa comissão variável corresponde a uma percentagem do capital
investido pelo aforrador. Varia bastante, mas a maioria enquadra-se no intervalo entre 0,2
e 0,6 por cento. Esta comissão não é cobrada diretamente ao investidor. É incorporada na
cotação do ETF.

Fiscalidade

Mais-valias

O investidor é sempre obrigado a declarar os ETF vendidos ao longo de cada ano.


Terá de preencher o anexo G da declaração de rendimentos. Nesse documento deverá
identificar os títulos vendidos, valores de compra, valores de venda e, ainda, custos
suportados com a venda dos títulos.

A tributação ocorrerá apenas se o valor dos negócios em que houve mais-valias


exceder o valor dos que registaram prejuízo.

Nos casos em que há mais-valias, o investidor poderá optar pela tributação autónoma
ou pelo englobamento nos restantes rendimentos. Quem escolher a tributação autónoma
pagará ao fisco 26,5% do saldo global das mais-valias e menos-valias realizadas nesse
ano, independentemente dos restantes rendimentos. Na opção pelo englobamento, o
imposto a pagar dependerá da taxa de IRS a aplicar à totalidade dos rendimentos do
contribuinte (incluindo salários, pensões, etc.). Esta última pode variar entre 11,5 e 46,5 por
cento. Na maioria dos casos não deverá optar pelo englobamento, já que a taxa de
26,5% aplicada pela tributação autónoma é inferior à maior dos escalões de IRS.

Distribuição de dividendos

No caso de receber dividendos de ETF terá de se preocupar com as suas obrigações


fiscais. Como a quase totalidade está cotada em bolsas estrangeiras, os dividendos estão
sujeitos, no país onde foram pagos, à retenção na fonte de acordo com as taxas em vigor
nesse país. Contudo, se o pagamento for feito através de um intermediário financeiro
nacional, será também efetuado, em Portugal, um pagamento de imposto por conta à taxa
de 26,5 por cento.
Se comprou ETF através de um intermediário financeiro nacional deverá preencher o
anexo J, indicando também o pagamento por conta efetuado em Portugal. O fisco fará as
contas utilizando um mecanismo de crédito de imposto por dupla tributação internacional
para evitar que o investidor seja penalizado duas vezes com o pagamento de imposto (em
Portugal e no país onde foi obtido o rendimento). Na prática, o investidor nacional não
pagará mais imposto do que aquele que pagaria se o rendimento fosse obtido em Portugal.

ETF complexos

Com o desenvolvimento deste mercado, começaram a ser desenhados ETF mais


complexos. Entre eles, há os alavancados (“ultra", "leveraged", "2x") que, através da
utilização de instrumentos derivados, procuram multiplicar a evolução do índice, o que
também potencia as perdas no caso de uma descida.

Há igualmente ETF que foram feitos para evoluírem de forma contrária à do índice.
Se o índice recuar 3%, o ETF deverá subir 3% e vice-versa. Por isso, incluem na sua
designação as palavras "short" ou "reverse".

Estes tipos de ETF não são aconselháveis para a maioria dos investidores particulares,
dada a sua complexidade e o seu elevado risco.

Seguros de capitalização

O que são?

Os seguros de capitalização são uma opção para quem pretende constituir um "pé-de-
meia", efetuando entregas regulares de pequenos montantes. Trata-se de produtos
puramente financeiros, semelhantes a depósitos bancários, embora possuam algumas
características particulares:

• O cliente entrega à companhia de seguros um determinado montante. Este ser-lhe-á


devolvido no final do contrato, acrescido do respetivo rendimento, que tem, na maioria
das vezes, um nível mínimo garantido. No entanto, o rendimento obtido é, regra geral,
superior ao mínimo garantido e resulta dos ganhos obtidos pela seguradora na gestão
dos montantes entregues;

• Uma das principais desvantagens consiste no facto de não ser aconselhável levantar
o dinheiro antes dos primeiros cinco ou oito anos, ou seja, trata-se de uma aplicação
a médio/longo prazo.

Como e onde subscrever?

Os seguros de capitalização podem ser subscritos nas dependências das seguradoras


do ramo vida ou através das suas redes de mediadores e corretores. Contudo, são muitas
vezes os bancos que comercializam os seguros de capitalização das seguradoras ou têm
departamentos específicos da atividade seguradora, criando os seus próprios produtos.

Para efetuar a subscrição, basta que se dirija a um dos locais de comercialização e


preencher a proposta de seguro. Nesta proposta, entre outras informações, deverão constar
os seus dados pessoais, os montantes que deseja investir, o prazo da aplicação e o nome
dos beneficiários. Como em qualquer seguro de vida, é também conveniente designar, no
contrato, quem receberá o capital em caso de morte do segurado. Caso contrário, este
reverterá a favor dos herdeiros legais, ou seja, na maioria dos casos, os filhos e o cônjuge.
Mas é sempre aconselhável nomear os beneficiários, para evitar eventuais complicações
legais.

O direito de renúncia

Se tiver assinado uma proposta de subscrição de um seguro e, após ter lido


atentamente as condições, chegar à conclusão que, afinal, o investimento não lhe convém,
saiba que ainda pode desistir, desde que respeite o prazo previsto para o fazer. A lei confere
ao tomador de qualquer seguro do ramo vida um prazo de 30 dias, a contar da data de
receção da apólice, para renunciar ao contrato. A renúncia deve ser comunicada à
seguradora através de carta registada, de preferência com aviso de receção.
Antes de assinar um contrato (ou proposta de seguro), é conveniente que consulte a
apólice, dado que aí se encontram discriminadas as condições gerais do produto, tais como
os custos cobrados, a forma como se poderá efetuar o resgate, etc. Se, na altura da
subscrição, a seguradora não lhe der acesso às condições gerais (apesar de ser obrigada
a fazê-lo), pode, mesmo assim, assinar a proposta, e posteriormente exercer o direito de
renúncia.

A rescisão do contrato extingue todas as obrigações dele decorrentes. Sendo assim,


a seguradora deve devolver quaisquer quantias que lhe tenham sido entregues desde a
subscrição, exceto as que disserem respeito a custos que ela própria haja suportado (custos
administrativos associados à subscrição, por exemplo).

Entregas

Pode existir uma única entrega ou entregas sucessivas.

Na entrega única subscreve-se o seguro e efetua-se uma única entrega, cujo


montante mínimo é definido pela seguradora. O dinheiro entregue, depois de deduzidos os
custos de subscrição, é investido pela seguradora e produzirá o efeito de capitalização
durante o período integral de duração do contrato.

Quanto às entregas sucessivas, é possível optar por um esquema de entregas


programadas, que podem ser mensais, trimestrais ou anuais, e cujo montante mínimo é
definido pelas seguradoras. Algumas seguradoras, contudo, não estabelecem um esquema
rígido para as entregas, definindo apenas um valor mínimo (anual ou de cada entrega),
podendo o subscritor efetuá-las quando desejar. No limite, poderá até realizar uma única
aplicação, a não ser que o contrato estipule algo diferente: por exemplo, um mínimo de seis
entregas durante dois anos.

Segurança

Os seguros de capitalização são considerados aplicações seguras, devido à


supervisão efetuada às seguradoras e às garantias oferecidas pelos próprios produtos.
Assim, a segurança mínima no investimento depende sempre das garantias específicas de
cada produto. Embora, o seu risco seja normalmente reduzido, atualmente é possível
encontrar seguros que não usufruem de garantia contratual e em que o investimento poderá
sofrer flutuações e perder valor.

Solvência controlada

O risco de uma seguradora ir à falência é relativamente baixo. A capacidade da


companhia para pagar aos investidores é assegurada pelas provisões (dinheiro posto de
lado para fazer face a eventuais despesas futuras) que o Instituto de Seguros de Portugal
(ISP) obriga a constituir. O ISP é o organismo de regulação e supervisão da atividade
seguradora e resseguradora, dos fundos de pensões e da atividade de mediação de
seguros.

Essa instituição controla também a chamada margem de solvência, que traduz a


capacidade de fazer frente aos compromissos assumidos por cada companhia. Além disso,
a segurança proporcionada por este tipo de aplicações é reforçada pelo facto de o ISP
assegurar, aos subscritores, o cumprimento das garantias dos contratos, em caso de
falência da seguradora.

Rendimento mínimo garantido

A maior parte dos seguros de capitalização têm um rendimento mínimo garantido e,


nesse caso, asseguram também o reembolso do capital investido. Por seu lado, os
seguros de rendimento fixo garantem, inclusive, um determinado rendimento à partida, não
havendo incertezas quanto ao resultado final da aplicação. No caso dos seguros de
capitalização de rendimento variável, a maioria tem a chamada garantia contratual: no
mínimo, no final do prazo recupera-se o capital investido, acrescido de uma taxa "técnica"
mínima de rendimento. Mas como não há regra sem excepção, é possível encontrar
seguros que não garantam nem um rendimento mínimo nem o capital investido.

Liquidez

Estes produtos têm, quase sempre, uma liquidez reduzida: nem sempre é possível
recuperar os montantes investidos de forma rápida e a qualquer momento. E, quando é
possível o resgate antecipado há quase sempre custos significativos. Além disso, essa
hipótese também não é aconselhável por razões fiscais.

Alterações ao contrato

Devido à reduzida liquidez, o ideal é que, antes de se decidir pela subscrição, o


investidor se certifique de que não necessitará do dinheiro durante um período de, pelo
menos, cinco ou oito anos (dependendo do produto em causa). Este é, obviamente, um dos
fatores que pode levar muitas pessoas a não aderir aos seguros de capitalização.

No caso de ocorrer um imprevisto, existe a possibilidade de recuperar o dinheiro antes


do final do contrato, apesar de ter de suportar uma penalização por não ter cumprido o que
tinha sido acordado. São três as alterações que poderá fazer ao contrato: redução, resgate
e adiantamento.

Redução

Se o subscritor tiver contratado, com a seguradora, um esquema programado de


entregas periódicas e, por qualquer motivo, lhe for impossível cumpri-lo, temporária ou
definitivamente, poderá deixar de efetuar as entregas ou diminuir o seu valor. Nesse
caso, diz-se que o contrato foi reduzido, porque o capital a receber, no final, será inferior ao
previsto.

O contrato continuará a vigorar até ao final do prazo, mesmo que o tomador do seguro
não possa pagar mais prémios, e as cláusulas inicialmente acordadas serão respeitadas,
exceto a que determinava o capital seguro, que será, necessariamente, inferior. Os
contratos reduzidos continuam a beneficiar, inclusive, da participação de resultados.
Nalguns casos poderão existir comissões de redução, aspeto ao qual deverá estar atento
no momento da contratação.

A redução pode ser solicitada pelo tomador do seguro ou ser-lhe imposta, no caso de
o prémio não ser pago dentro dos 30 dias posteriores ao seu vencimento. Mas, se assim
for, a seguradora só poderá efetuar a redução depois de avisar o tomador do seguro,
através de carta registada com, pelo menos, oito dias de antecedência.

Obviamente, a redução só terá sentido e só será possível, quer por iniciativa do


segurado quer da seguradora, nos seguros que definam montantes mínimos para as
entregas. Nos seguros de entrega única e nos que não obedeçam a um esquema rígido de
entregas (desde que a seguradora não estabeleça um mínimo anual), o subscritor poderá
fazer as entregas quando desejar e, portanto, nunca haverá redução.

Resgate

Outra possibilidade de fazer face a imprevistos consiste em pedir o reembolso (ou


resgate) antecipado do dinheiro investido. A maior parte dos seguros deste tipo permitem
que o subscritor solicite o reembolso do dinheiro logo após a primeira anuidade. Outros,
porém, só dão essa possibilidade a partir do segundo ou do terceiro ano de vigência do
contrato. Na maioria das vezes, o resgate antecipado acarreta penalizações bastante
severas, sobretudo nos primeiros anos.

Se solicitar o reembolso integral do dinheiro investido, antes do final do contrato,


os prémios até então entregues (depois de deduzidos os custos) ser-lhe-ão devolvidos,
acrescidos dos montantes provenientes da respetiva capitalização. No caso dos seguros
representados por unidades de participação, o montante do reembolso obtém-se do
seguinte modo: multiplica-se o número de unidades a resgatar pelo valor da última cotação
publicada. Ao resultado há que deduzir, ainda, os eventuais encargos de resgate.

No caso de pretender o reembolso de apenas uma parte do dinheiro, deve solicitar


um resgate parcial. Também neste caso terá de suportar os eventuais encargos cobrados
pela seguradora, que consistem numa determinada percentagem sobre o montante
levantado. Normalmente, as seguradoras estabelecem valores máximos possíveis para
este tipo de resgate.

Adiantamento

Se já tiver sido atingido o período em que o contrato permite o resgate antecipado, o


tomador do seguro também pode pedir um adiantamento à seguradora. Na prática, trata-se
de uma espécie de empréstimo, cujo valor máximo corresponde ao montante que
receberia se resgatasse o dinheiro. Em contrapartida, terá de pagar juros no início de cada
anuidade até ao final do prazo inicialmente contratado. O incumprimento dessa obrigação
poderá implicar a anulação do contrato.

Capital ou renda?

No termo do contrato, o beneficiário pode optar por receber o dinheiro todo junto
(capital) ou na forma de prestações periódicas (renda). Desaconselhamos esta última
hipótese pelas seguintes razões:

• Se optar pelas rendas e, entretanto, vier a falecer, os seus herdeiros nada receberão;

• O rendimento oferecido pelas seguradoras é inferior, regra geral, ao que se pode obter
com outro tipo de investimentos;

• A fiscalidade aplicada às rendas é, para a maioria das pessoas, mais penalizadora.

Rendimento

O rendimento dos seguros de capitalização varia consoante as suas características,


mas, de uma forma geral, pode dizer-se que é composto pelo rendimento mínimo
garantido, quando existe, e pelos resultados obtidos pela seguradora na gestão do
dinheiro que lhe foi confiado. Estes dois aspetos refletem-se, embora de modos diferentes,
nos dois grandes tipos de seguros de capitalização: rendimento fixo e rendimento variável.

Rendimento fixo

Nestes seguros, o rendimento é conhecido à partida. Para um determinado prazo e


mediante uma única entrega, garantem ao segurado um determinado rendimento. É por
isso que são chamados seguros de capitalização de rendimento fixo. O prazo convém ser,
por razões fiscais, no mínimo, cinco ou oito anos.
Estes produtos têm, geralmente, um período de subscrição limitado. Findo esse
prazo, surgem, normalmente, novas versões cujas taxas refletem as taxas de mercado.

Como se trata de seguros em que é feita uma única entrega, não são indicados para
quem pretenda um plano de poupança gradual a médio ou longo prazo. Portanto, destinam-
se somente aos investidores que pretendam aplicar, sem risco, um determinado montante,
com a garantia de uma taxa de rendimento conhecida à partida.

Rendimento variável

São os seguros de capitalização mais comuns e estão sempre disponíveis nos


locais de subscrição. O nível de rendimento não é muito elevado, quando comparado com
outras aplicações. No entanto, têm a vantagem da segurança, pois não existe a componente
de risco que encontramos, por exemplo, nas ações.

As entregas são quase sempre múltiplas, sendo possível estabelecer, por exemplo,
planos de entregas anuais, semestrais ou mensais, o que permite disciplinar a
poupança. Os montantes mínimos exigidos são geralmente reduzidos.

A maioria destes seguros tem um rendimento mínimo garantido frequentemente


muito próximo daquele que os depósitos a prazo proporcionam. A esse mínimo vêm somar-
se, regra geral, os ganhos obtidos pela seguradora com a gestão do dinheiro que lhe foi
entregue. Dessa forma, o rendimento total depende dos resultados obtidos pela seguradora
e da percentagem de participação nos ganhos que esta resolver atribuir aos contratos (varia
entre 75% e 100%).

Divididos em unidades de participação

Alguns seguros de rendimento variável funcionam à base de unidades de participação


(UP). Isto significa que os montantes entregues à seguradora são aplicados num fundo de
investimento específico e este é dividido em partes iguais (UP). O rendimento obtido pelo
fundo vai sendo incorporado nas UP, que, assim, vão aumentando de valor. Este é
calculado diária ou semanalmente, o que permite acompanhar mais facilmente a evolução
do investimento. Por isso, quem decidir recuperar o dinheiro antes do final de cada período
anual, saberá quanto vai receber, tendo em conta também os custos de resgate.

Outros seguros estão divididos em UP de fundos especializados no investimento em


ações ou em obrigações. São designados Unit Link, o que significa que as UP estão ligadas
(ou são parte de) um determinado fundo ou carteira de investimento específicos. Permitem
a escolha de um tipo de aplicações que se identifiquem com o perfil e a estratégia do
investidor. Estes produtos, normalmente, não garantem um rendimento mínimo e tendem a
aproximar-se dos títulos em que apostam, sendo comparáveis aos fundos de investimento.

Atualmente, a maioria dos produtos divididos em UP não garantem o capital investido.


O valor do investimento pode sofrer flutuações, dado que a cotação das UP pode subir ou
descer livremente. No entanto, como se trata de produtos de médio e longo prazo, esse
risco tende a diminuir com o tempo.

Não divididos em unidades de participação

É a modalidade mais comum. Alguns destes seguros apresentam uma remuneração


fixa já conhecida no ato de subscrição. Mas na maioria dos seguros não divididos em
unidades de participação, o rendimento não é conhecido à partida, pois depende dos
resultados que a seguradora obtiver com a gestão do dinheiro que lhe é entregue e da
estrutura de custos. Contudo, o investidor não terá necessariamente direito a todos os
ganhos obtidos pela seguradora. As seguradoras atribuem, em regra, uma percentagem
entre 75 e 100% dos resultados. Esta participação acresce ao rendimento mínimo garantido
(no caso de existir).

Ao investir nesta modalidade, os segurados não estão a adquirir uma parte de um


fundo. A cada investidor é atribuído um saldo de conta, a que vai somar-se, anualmente, o
rendimento atribuído (resultante da taxa mínima garantida e da participação nos resultados
obtidos pela seguradora).

Ao contrário dos seguros divididos em unidades de participação, estes não adotam


uma política de investimentos especializada. Pelo contrário, as seguradoras, apesar de
também investirem em imóveis e ações, aplicam a maior fatia dos montantes que lhes são
entregues em produtos de rendimento garantido (obrigações de taxa fixa e variável). Assim,
o rendimento destes seguros é, regra geral, inferior ao das ações e um pouco superior ao
dos fundos de investimento que apostam apenas em obrigações de taxa variável e noutras
aplicações de curto prazo.

Custos

Os custos são um aspeto importante a considerar neste tipo de seguros, uma vez que
podem ter um certo impacto no rendimento final do investidor.

Custos de subscrição

Devido a estas comissões, nem todo o dinheiro fica realmente a render: há uma
percentagem que é deduzida aos montantes entregues. Por exemplo, suponha que a
comissão de subscrição de um determinado seguro é de 3% (a deduzir à quantia entregue).
Se aplicar 1 000 euros, são retirados 30 euros para pagar a referida comissão. Apenas
aplica no seguro 970 euros. Assim, a comissão real é de 3,09 por cento.

Custos de gestão anual

Trata-se de uma percentagem que, todos os anos, é deduzida ao valor acumulado.


Essa percentagem é aplicada ao valor total do fundo autónomo, quando este existe, ou
incide sobre o rendimento anual ou sobre o saldo de cada segurado.

Custos de resgate (antecipado)

São retirados ao montante total a receber quando se levanta o dinheiro antes do


final do prazo. Nalguns casos, podem ser bastante elevados. Os valores dependem, regra
geral, da diferença entre o tempo real em que o dinheiro esteve aplicado e o prazo
inicialmente contratado: obviamente, quanto maior é essa diferença (ou seja, quanto mais
cedo levantar o capital), mais elevada é, em termos percentuais, a penalização a suportar.
As condições relativas ao levantamento antecipado constam dos contratos. Quando o
reembolso ocorre na data prevista não há lugar ao pagamento de qualquer comissão.

Fiscalidade

A única vantagem fiscal destes produtos é a redução na taxa de imposto sobre o


rendimento, que varia consoante o prazo da aplicação. Assim, continuam a beneficiar de
uma fiscalidade mais atrativa se detidos por um prazo mais longo.

Quem detiver o seguro por prazos até 5 anos, paga 26,5% de imposto sobre o
rendimento; para prazos de 5 a 8 anos paga 20% e, por último, as aplicações com mais de
8 anos são tributadas a 10 por cento. Mas para beneficiar desta vantagem, 35% das
entregas devem ser efetuadas até à primeira metade do prazo.

Devido a este benefício fiscal, são produtos de poupança destinados ao longo prazo
(mais de 5 anos).

Quatro anos depois da subscrição de um seguro financeiro, o banco disse-nos que o


capital não está garantido. O que podemos fazer?

Antes de serem convocados pelo Banco Santander Totta, Alfredo e Maria Amélia
Alves, do Montijo, estavam convencidos que a aplicação que tinham há quase quatro anos,
o Seguro Financeiro Premium V, garantia o capital investido. Os nossos associados dizem
que foi essa a informação que lhes deram em setembro de 2008. Contudo, ao balcão do
banco, em julho passado, o funcionário avisou-os que seria de esperar uma perda em torno
dos 6 por cento, o equivalente aos juros que tinham recebido ao longo dos quase quatro
anos.
Aconselhados a assumir as perdas

O casal do Montijo foi aconselhado pelo funcionário do Santander Totta a resgatar a


aplicação, assumindo as perdas, antes de o vencimento ser atingido, o que aconteceria em
setembro. O valor obtido deveria ser aplicado noutro seguro de capitalização. Porém, se
resgatassem antecipadamente, perderiam a última tranche de juros. Insatisfeitos,
escreveram à administração do banco e solicitaram a nossa ajuda.

Capital recuperado sem prejuízo

Depois da nossa intervenção, Alfredo e Maria Amélia Alves foram de novo convocados.
O Santander Totta aceitou proceder ao resgate antecipado da aplicação devolvendo o valor
investido inicialmente, mas não cedeu ao pagamento da última tranche de juros. Embora
tenham ficado sem perdas, Alfredo e Maria Amélia não ficaram satisfeitos.

A comunicação prévia à subscrição foi insuficiente, o que justifica uma reclamação


junto do Banco de Portugal e do Instituto de Seguros de Portugal. Peça sempre a ficha de
informação normalizada antes de investir e pergunte: O capital está garantido? A qualquer
momento ou só no vencimento? Posso levantar o dinheiro a qualquer momento? Qual o
rendimento líquido (TAEL)?

Sem a apresentação dos títulos não é possível resgatar o seguro de capitalização?

Quando o pai da nossa associada Maria do Carmo Sousa, de Aljubarrota (Alcobaça),


se dirigiu à Axa para receber a sua aplicação num seguro de capitalização, disseram-lhe
que não o podia fazer sem os títulos. Apesar de o seguro Capinveste 2003 ter chegado ao
seu fim após 8 anos, a Axa exigiu os documentos porque os títulos são ao portador.

No entanto, o pai de Maria do Carmo, agora com 81 anos, já tinha alertado a


companhia de seguros para o facto dos títulos terem desaparecido após ele ter entrado num
lar. Embora não tenha os títulos, o senhor continua a ser o subscritor do Capinveste 2003.

Avançar para tribunal

As condições gerais do Capinveste 2003 são claras: “O pagamento das


importâncias devidas pela companhia será efetuado ao portador, mediante a entrega
do original do título.” Sendo assim, resta apenas uma alternativa ao pai de Maria do
Carmo Sousa: avançar para um processo judicial de reforma de títulos.
O processo é iniciado com um requerimento no tribunal seguido pela publicação de
anúncios identificando os títulos e convidando a quem os tenha na sua posse a apresentá-
los até a uma data determinada pelo juiz. Será agendada a conferência dos títulos, se
entretanto aparecem. A seguradora é também notificada para essa conferência e, se não
houver qualquer oposição, é logo proferida a sentença que determina que fiquem sem valor
os títulos iniciais e ordenada a emissão de novos títulos, que podem ser liquidados junto da
Axa.

Comentário PROTESTE INVESTE

Há casos em que faz sentido ter títulos ao portador. Neste caso, fazia sentido, porque
a filha poderia movimentá-los em caso de dificuldade do pai. No entanto, quando se elege
esta opção é preciso guardar os documentos como um tesouro. Sem eles, é difícil
reaver a poupança.

Os seguros de capitalização têm características semelhantes a outros seguros


existentes no mercado?

Os seguros de capitalização funcionam como um contrato celebrado entre uma


seguradora e a pessoa interessada na compensação proposta pelo seguro. Nesse contrato,
a seguradora compromete-se a pagar, ao beneficiário, uma determinada quantia, num certo
momento da vida da pessoa segura ou após a sua morte. Quem subscreve o seguro
compromete-se a pagar, à seguradora, os prémios acordados. Assim, existem quatro partes
envolvidas no contrato:

• Tomador do seguro: a pessoa ou entidade que subscreve a apólice e paga os


prémios;

• Segurado ou pessoa segura: a pessoa cuja vida ou morte, consoante o contrato, irá
determinar o pagamento de uma quantia pela seguradora;

• Beneficiário: a pessoa ou entidade que recebe a quantia prevista no contrato. Se não


for especificado, o seguro reverterá a favor dos herdeiros legais, ou seja, na maioria
dos casos, os filhos e o cônjuge;
• Seguradora: a empresa que cobre os riscos.

Na prática, acontece, com frequência, que o tomador do seguro, o segurado e o


beneficiário sejam a mesma pessoa. Mas também podem ser pessoas diferentes. Vejamos
dois exemplos.
O António fez um contrato com uma seguradora em que se compromete a entregar,
anualmente, uma determinada quantia; em troca, a companhia pagar-lhe-á, quando fizer 65
anos, 50 000 euros. Neste caso, o António:

• É o tomador do seguro, uma vez que foi ele quem subscreveu o contrato e se
comprometeu a pagar os prémios;

• É o segurado, porque é a sua vida que leva ao pagamento de um capital;

• Será também o beneficiário, se estiver vivo aos 65 anos, caso contrário, serão os
herdeiros a receber a quantia acordada.

A Isabel, preocupada com o futuro do neto, resolveu fazer um seguro de vida, no valor
de 50 000 euros, em que o filho é a pessoa segura. Essa quantia, em caso de morte do
filho, deverá ser paga ao neto. Neste caso:

• A Isabel é a tomadora do seguro, uma vez que foi ela quem subscreveu o contrato e
paga os prémios;

• O filho é o segurado, pois é a sua morte que determinará o pagamento da quantia


estipulada no contrato;

• O neto é o beneficiário, porque é a ele que os 50 000 euros serão pagos, em caso de
morte do pai.
A taxa de rendimento garantido é bruta ou líquida de impostos?

Depois de receber os juros anuais do seu seguro de capitalização, o nosso


associado A.G, do Porto, pergunta-nos se a seguradora Allianz não lhe deveria ter
pago mais neste ano.

Regra geral, as taxas de rendimento garantido dos produtos financeiros são brutas, o
que quer dizer que é preciso descontar os impostos a pagar para descobrir exatamente
quanto se receberá na conta bancária. Os valores anunciados são, por defeito, antes de
impostos. Seria preciso uma menção explícita a rendimentos livre de impostos no contrato
assinado para que a taxa anunciada fosse líquida de Imposto sobre o Rendimento das
Pessoas Singulares (IRS).

Como os rendimentos deste tipo de produtos estão sujeito à taxa de retenção na fonte,
é preciso descontar à taxa garantida os 25% de IRS. No caso do Allianz Poupança
Contínua, subscrito por A.G., a taxa anual garantida de 3% reduz-se para 2,25% livres de
impostos. Esta percentagem calcula-se retirando os 25% de IRS à taxa garantida: 3% ×
(100% - 25%).

Note-se que é possível que um contribuinte recupere parte ou a totalidade do imposto


retido, caso tenha rendimentos muito baixos e opte pelo englobamento dos rendimentos.
São, no entanto, raros os casos em que vale a pena fazer esse englobamento.

Valores em vigor em Julho de 2012

Certificados do Tesouro

Em comercialização desde 1 de Julho de 2010, os Certificados do Tesouro são a


Características
mais recente aplicação de dívida pública emitida pelo Estado português.
Este produto pretende aliar a liquidez dos Certificados de Aforro (embora menor) Valor nominal 1 euro
ao rendimento das Obrigações do Tesouro (OT).
Mínimo de subscrição 1000 unidades

As taxas serão calculadas de acordo com três períodos: (1000 euros)


No período inferior a 5 anos, o subscritor recebe anualmente a taxa em vigor na Máximo por titular 1 milhão de euros
data de subscrição dos Bilhetes de Tesouro (BT) ou da Euribor a 12 meses.
Prazo 10 anos

Se detiver por 5 anos ou mais, será remunerado à taxa da OT a 5 anos praticada


Resgate Permite resgate antecipado,
na data de subscrição.
total ou parcial, nas datas anuais de
pagamento de juros.
Caso ocorra fora dessas datas, perde
Se mantiver os títulos por 10 anos, será remunerado à taxa da OT a 10 anos. direito a remuneração no período entre
último pagamento de juros e resgate.
A distribuição de juros processa-se anualmente: O resgate só é possível 6 meses após
subscrição.

Até ao 5.º ano, tem como referência as taxas dos BT ou Euribor a 12 meses
praticadas à data de subscrição; Abertura de conta É necessário abrir
conta no Instituto de Gestão de Gestão
da Tesouraria e do Crédito Público
No 5.º ano, são distribuídos os juros correspondentes à diferença entre a
(IGCP).
remuneração dos BT ou Euribor a 12 meses e das OT a 5 anos, para garantir uma
remuneração que tem como referência a das OT durante o respetivo período de
Locais de subscrição Em
aplicação (diferencial de juros);
comercialização nos CTT e IGCP.
Disponível na Internet através do
A partir do 5.º ano, tem como referência a taxa das OT a 5 anos praticadas à AforroNet em aforronet.igcp.pt.
data de subscrição;

No 10.º ano, são distribuídos os juros correspondentes à diferença entre a


remuneração da OT a 5 anos e das OT a 10 anos, de modo a garantir uma
remuneração tendo como referência a destas OT durante o respetivo período de
aplicação (diferencial de juros).

A quem se destina?

É interessante para quem investe por mais de 5 anos, sobretudo se pretende


liquidez e segurança a um rendimento conhecido à partida e acima das aplicações
de curto prazo. Para períodos inferiores a 5 anos, encontra na banca depósitos
ou outras aplicações mais rentáveis
.

Perante um eventual cenário de fim do euro, o dinheiro que investi em Certificados


do Tesouro seria reembolsado? Com base em que rendimento?

Se Portugal saísse do euro, passaríamos a ter outra moeda, talvez o escudo, e todas
as aplicações em euros seriam convertidas na nova moeda. Assim, a leitora Maria Isabel
Figueira, de Tavira, deixaria de ter Certificados do Tesouro em euros para deter o
equivalente noutra moeda. Não haveria problema no reembolso, mas seria eventualmente
na nova moeda.

O rendimento é fixo e conhecido à partida em função das taxas em vigor na data de


subscrição e do prazo do investimento. As taxas são calculadas de acordo com 3 períodos:
até 5 anos, recebe anualmente a taxa dos Bilhetes de Tesouro ou da Euribor a 12 meses;
se detiver por 5 anos ou mais, é remunerada à taxa da Obrigações do Tesouro (OT) a 5
anos; ao atingir os 10 anos, obtém a taxa da OT a 10 anos. No entanto, desde abril de 2011,
as taxas brutas dos Certificados do Tesouro mantêm-se, uma medida extraordinária
justificada pelo funcionamento disfuncional dos mercados de dívida pública.

Apesar de alguns analistas porem em causa a continuidade da moeda única, não


antecipamos esse destino. Seria uma catástrofe para os países que teriam de regressar às
suas divisas. Esse retrocesso teria um grave impacto sobre as economias, o sistema
financeiro poderia ir à falência e a zona euro cairia numa profunda recessão. Mas, por
prudência, não aplique mais do que 25% do património em dívida do Estado
português e inclua ativos fora da zona euro.

Outras Questões

O que são taxas de juro diretoras e qual o seu impacto da subida dos juros na
economia?

Vejamos, por exemplo, o caso em Reserva Federal americana decide aumentar a sua
principal taxa de juro diretora, a Federal Funds Rate (FFR). A FFR é a taxa de juro oferecida
aos bancos que depositam os seus meios financeiros excedentários junto do banco central.
A duração destes depósitos não excede normalmente um dia, pois as instituições
financeiras procuram rapidamente formas mais rentáveis de remunerar o seu dinheiro. Na
zona euro, o instrumento usado pelo Banco Central Europeu (BCE) é a refi rate.

O efeito de uma alteração da taxa diretora é relativamente simples. Uma subida das
taxas incentiva os bancos a depositar os excedentes monetários na Reserva Federal ou no
BCE. Ao fazerem-no, retiram da circulação uma parte do dinheiro existente na economia.
Se tudo o resto permanecer igual, essa redução da massa monetária diminui a inflação (se
há menos dinheiro para gastar, os preços sobem mais lentamente).

A subida da taxa diretora repercute-se imediatamente nas taxas de curto prazo, porque
as instituições financeiras são obrigadas a ajustar às condições oferecidas pelo banco
central.

Contudo, o impacto é menos sistemático nas taxas de longo prazo e são estas que
estão mais ligadas à atividade económica, pois os particulares e as empresas não recorrem
a empréstimos diários, mas fazem-no por períodos de 15 a 20 anos para comprar uma
habitação ou investir numa fábrica.

Mas existe uma ligação lógica entre as taxas de curto e longo prazo. Emprestar
dinheiro por um ano ou emprestar mensalmente 12 vezes durante um ano deve render o
mesmo. Por outras palavras, as taxas de longo prazo flutuam sobretudo em função da
evolução esperada das taxas de curto prazo. É essencialmente a expectativa de subida da
taxa diretora no futuro que leva ao aumento das taxas de longo prazo.

Qual a importância da inflação nos mercados financeiros?

Os números da inflação são sempre olhados com muita atenção pelos economistas e
analistas financeiros. A teoria económica vigente defende que uma inflação elevada é
prejudicial ao crescimento sustentado de um país no longo prazo, porque impede os
agentes económicos (consumidores, empresários e o Estado) de proceder a decisões
económicas eficientes.

Assim, os bancos centrais, encarregados da política monetária, sobem as taxas de


juro, caso vejam sinais de inflação no horizonte. Esta subida das taxas de juro fará reduzir
gradualmente o consumo e o investimento e, dessa forma, irá controlar a subida dos preços,
que colocaria em perigo o crescimento da economia.
Se o efeito de uma subida das taxas de juro na economia real não é imediato, o mesmo
não se passa nos mercados financeiros, com estes últimos a ajustarem mais rapidamente.
Uma subida dos juros faz cair as ações, porque as torna menos atrativas face a
investimentos alternativos (por exemplo, obrigações) e faz cair o preço das obrigações de
taxa fixa, porque as emissões de obrigações após a subida das taxas terão um rendimento
superior e logo serão mais atrativas do que as já existentes. Daí a atenção que os mercados
dispensam às declarações dos bancos centrais.

Porque é que se fala em valores diferentes para a inflação nos meios de


comunicação social?

A inflação é medida por diversos índices. Atualmente, os mais conhecidos são o índice
de preços no consumidor (IPC), que é calculado pelo Instituto Nacional de Estatística, e o
índice harmonizado de preços no consumidor (IHPC), divulgado pela Eurostat. O objectivo
do IHPC é possibilitar a comparação da evolução dos preços entre os países da União
Europeia. Tanto o IPC como o IHPC são constituídos por um cabaz de bens representativo
do consumo de uma família, desde os gastos com a alimentação às despesas de lazer.
Contudo, também são utilizadas várias “medidas” para a inflação.

• Se a inflação mensal for, por exemplo, durante um determinado mês 0,1%, significa
simplesmente que os preços medidos pelo IPC cresceram 0,1% face ao mês
precedente.

• Se a inflação homóloga, num dado mês foi 2,3%, estamos a comparar os preços
registados num dado mês, mas agora comparados com os do mesmo mês do ano
anterior. Assim, os preços seriam 2,3% mais altos do que no mesmo mês do ano
passado. Porém, a inflação homóloga, tomada isoladamente, não é muito fiável na
avaliação do nível de inflação. Isto porque, basta a existência de um acontecimento
fora do comum num dos meses em questão para que os números da inflação sejam
"deturpados".

• A inflação média resolve este problema, sendo por isso a mais usada quando fazemos
referência à inflação num dado ano. A inflação média é obtida comparando a média
dos últimos 12 valores do índice relativas a cada mês, com a média dos 12 meses
precedentes.

Como se mede a riqueza de uma economia, ou seja, de um país? Qual o papel do


PIB?
O indicador mais utilizado e quase universalmente aceite para medir a riqueza gerada
por uma economia é o produto interno bruto (PIB). Este indicador representa a produção
total de bens e de serviços de um determinado país durante um determinado período de
tempo, geralmente um ano. Quanto mais elevada for a produção de um país, maior tenderá
a ser o bem-estar dos cidadãos.

Mas a medição da riqueza gerada está longe de ser uma tarefa fácil. Se preencher
uma declaração de impostos pode ser uma tarefa complexa, imagine-se como não será
"contabilizar" um país inteiro. Por isso, é natural que o valor do PIB, num dado ano, seja
revisto ao longo tempo, à medida que mais e melhor informação é disponibilizada.

Outra medida da riqueza bastante utilizada é o PIB per capita (expressão latina que
significa "por cabeça"). Este indicador económico obtém-se dividindo o PIB pelo número de
habitantes de um país, resultando, dessa forma, o valor da "riqueza" média de cada um. No
entanto, embora espelhe melhor o nível individual de bem-estar, permitindo estabelecer
comparações entre os diferentes países, a verdade é que o valor do PIB per capita pode
ser enganador.

Por exemplo, se o PIB de um hipotético país com 100 habitantes fosse de 1 milhão de
euros por ano, a riqueza média gerada por cada um seria de 10 mil euros. No entanto, se,
dos 100 habitantes, 50 usufruíssem de tudo e os restantes de nada, o PIB per capita
continuaria a ser de 10 mil euros!

Esta desigualdade na repartição da riqueza afeta, em maior ou menor grau, a


generalidade das economias mundiais. Entre os casos mais conhecidos, está o Brasil e
alguns países exportadores de petróleo. O PIB e o PIB per capita nada nos dizem sobre as
desigualdades de uma economia mas são, mesmo assim, os indicadores de riqueza mais
utilizados.

Tão ou mais importante do que o valor absoluto do PIB, é forma como evolui, ano após
ano: a taxa de crescimento do PIB. O ideal seria que a taxa de variação do PIB fosse
sempre elevada. Infelizmente, existem anos em que se produz pouco mais, ou até mesmo
menos, do que nos anteriores. Momentos em que podemos ficar todos, em média, um
pouco mais pobres e em que o desemprego aumenta. Ou anos de recuperação económica,
com retoma da produtividade e da competitividade, que voltam a colocar o crescimento do
PIB em valores francamente positivos.

Existe um abrandamento da economia, se o crescimento do PIB é inferior ao do


período que serve de termo de comparação. Por exemplo, se um país conheceu um
crescimento regular de 3% durante vários anos e, em seguida, o crescimento cai para 1%,
fala-se, pois, de uma evolução económica menos favorável. Está-se perante uma recessão,
em termos técnicos, quando o PIB de um país cai, consecutivamente, durante dois ou mais
trimestres.

Em que consiste o défice orçamental? Qual a sua relação com a dívida pública?

À partida, o Estado poderia simplesmente decidir aumentar o consumo e o


investimento públicos e, dessa forma, impulsionar o crescimento da riqueza nacional. Mas
a questão é mais complexa, pois não se pode simplesmente alargar os cordões à bolsa. Tal
como o cidadão particular, o Estado precisa ter algum equilíbrio entre as despesas e as
receitas.

Quando as despesas excedem as receitas, o saldo orçamental é negativo, ou seja, há


um défice. Mas só por si não é uma situação preocupante porque, em maior ou menor grau,
quase todos os países geram anualmente défices orçamentais.

Apesar disso, a questão do défice gera grandes paixões. Alguns são da opinião que o
défice é uma boa forma de o Estado impulsionar a economia em momentos de crise. Outros
veem-no como um desperdício de dinheiro que causa entraves ao investimento privado. Os
recursos económicos são limitados, logo o Estado, ao absorvê-los, retira-os ao setor privado
que, teoricamente, é mais eficiente e geraria maior riqueza.

Além de outras consequências no funcionamento da economia, quando as despesas


governamentais excedem as receitas, é preciso pedir emprestado para cobrir essa
diferença. Para esse efeito, o Estado emite dívida, cuja forma mais comum em Portugal são
os Bilhetes do Tesouro, Obrigações do Tesouro e Certificados de Aforro. Estes títulos de
dívida são comprados por bancos ou particulares que, em troca do dinheiro emprestado ao
Estado, recebem uma determinada remuneração. Ao total destes compromissos do Estado
para com terceiros, dá-se o nome de dívida pública.

Assim, se o défice consiste no "excesso" de gastos em cada ano, a dívida pública


equivale ao valor acumulado dos empréstimos pedidos pelo Estado ao longo do tempo. Por
esse motivo, o défice tende a variar mais de ano para ano, enquanto a dívida é mais estável
e constitui um indicador mais fiável dos encargos futuros dos países.

Em ambos os casos, estas variáveis são habitualmente apresentadas em percentagem


do PIB (riqueza gerada em cada ano) para facilitar a sua perceção. Apesar de bastante
importante, a análise destas variáveis é, em regra, insuficiente para se avaliar o
desempenho presente ou mesmo as perspetivas futuras de uma determinada economia.

Léxico

A)

A descoberto

Define-se como compra a descoberto quando se adquire ações no mercado a prazo,


sem dispor dos fundos necessários de imediato, dado que o pagamento é diferido. Trata-
se de uma especulação sobre a subida do título a curto prazo que permitirá, caso essa se
confirme, vender de seguida e lucrar com a diferença. Por outras palavras, obtém-se lucro
sem ter sido necessário qualquer investimento inicial.

Define-se como venda a descoberto quando se vende ações, no mercado a prazo,


sem as possuir no momento, e porque apenas se terá de entregá-las no futuro. Trata-se de
uma especulação sobre a queda do título a curto prazo que permitirá, caso essa se
confirme, comprar posteriormente as ações e lucrar com a diferença de preços. Por outras
palavras, obtém-se lucro sem se ter detido as ações.

Ação cíclica
Denomina-se de ação cíclica à empresa particularmente sensível aos ciclos
económicos. É o caso das empresas sujeitas à evolução económica das regiões/países
onde vendem os seus produtos.

As ações cíclicas têm tendência a ter fortes movimentos de subida e descida em


função da conjuntura. O sector do aço constitui um bom exemplo de um setor cíclico.

Ação defensiva

Uma ação defensiva é aquela cuja evolução é pouco sensível aos ciclos económicos.
Logo em momentos de crise conjuntural, a sua cotação tende a resistir melhor à de uma
ação cíclica.

Uma ação é muitas vezes defensiva porque pertence a um sector tido também como
um sector defensivo:

• Alimentar (Danone, Nestlé, Unilever…): com melhor ou pior conjuntura


económica, a alimentação permanece como uma necessidade básica.

• Serviços públicos como o fornecimento de água e energia (Suez, Vivendi


Environnement, Electrabel…): são encargos a que os agentes económicos
dificilmente podem escapar.

• Farmacêutico (UCB, Novartis…): a população não se pode privar de


medicamentos, qualquer que seja a conjuntura; além disso, as patentes
garantem royalties às empresas por cada embalagem vendida.

As ações cíclicas opõem-se às defensivas mas não existe uma fronteira totalmente
definida entre as duas noções.

Ação ordinária
A ação ordinária é o valor mobiliário representativo do capital social de uma sociedade
anónima, que atribui ao seu detentor (acionista) uma parcela da propriedade da empresa e
o direito de voto em Assembleia Geral.
O acionista é remunerado através do pagamento de dividendos, em função dos lucros
obtidos pela empresa e da política de distribuição dos mesmos, e pela obtenção de mais-
valias (ou menos-valias) com a venda da ação.

Ação preferencial

Ao contrário das ações ordinárias, as ações preferenciais sem voto conferem o direito
a um dividendo prioritário (que, em Portugal, equivale a um mínimo de 5% do seu valor
nominal) e ao reembolso prioritário do seu valor nominal, no caso de liquidação da
sociedade.
Em contrapartida, os detentores destes títulos não têm direito de voto na Assembleia-
Geral de accionistas.

Caso os detentores destas ações não recebam dividendos durante dois exercícios,
passam a ter direito de voto até que a situação seja reposta.

Ação volátil

Diz-se que uma ação é volátil quando apresenta um risco mais elevado. É caso, por
exemplo, de uma empresa recente em pleno crescimento ou de um sector mais sensível
aos ciclos económicos. Este tipo de acções sofre frequentemente flutuações muito elevadas
e inesperadas das cotações.

AEX 25

O AEX 25 é o índice de referência da Bolsa de Amesterdão.

Este índice reflete a evolução das 25 maiores ações holandesas.


Alavancagem
Significa investir um montante inferior à exposição direta no ativo. Permite obter
ganhos superiores, mas também potencia as perdas.

Alienação potestativa

De acordo com o Código dos Valores Mobiliários, os titulares das ações


remanescentes após o lançamento de uma OPA, poderão exercer o direito de alienação
potestativa .

Para isso, devem dirigir, por escrito e num prazo de 3 meses, um convite ao sócio
dominante para que este lhe faça uma proposta de aquisição das suas ações.

Caso não exista uma proposta ou esta não seja satisfatória, pode recorrer à CMVM
acompanhada de:

• Documento comprovativo de consignação em depósito ou de bloqueio das


ações a alienar;

• Indicação de uma contrapartida justa para as ações.

Alocação

O termo alocação é utilizado para indicar as categorias onde são realizados


determinados investimentos. Pode-se igualmente falar de alocação de bens.

Trata-se, assim, de uma decisão relacionada com a percentagem de dinheiro investido


em ações, obrigações, património imobiliário e liquidez. Por exemplo, pode falar-se de uma
alocação com 60% de ações e 40% de obrigações. Ou, no âmbito de uma carteira de ações,
a alocação pode ainda ser setorial ou geográfica com, por exemplo, 10% de ações
portuguesas, 20% de ações americanas, 20% de ações australianas, etc.

A alocação depende do perfil de risco do investidor (prazo do investimento, atitude face


ao risco) e das perspetivas das diferentes categorias de ativos.
Alpha

No âmbito da avaliação de um fundo de investimento, denomina-se alpha (alfa) à


parcela do desempenho que é fruto do know-how da sociedade gestora e beta ao fator que
traduz o grau de risco do fundo relativamente ao mercado.

American Depositary Receipt (ADR)

ADR significa American Depositary Receipt: tratam-se de certificados emitidos por


um banco (geralmente americano) e que representam um determinado número de ações (1
ADR = X ações de uma dada empresa).

São geralmente utilizados para a cotação de empresas estrangeiras nos Estados


Unidos.

Amortização

Nas contas de uma empresa, designa-se por amortização aos valores imputados
anualmente como custos relativos à depreciação de certos elementos de capital (desgaste,
obsolescência…) ou para repercutir no tempo o efeito de um investimento nos resultados.

Análise fundamental

Denomina-se de análise fundamental à avaliação de ações com recurso às previsões


sobre o futuro da empresa. Tem por base o valor teórico de uma ação:

• Dividendo - o resultado da soma dos dividendos distribuídos nos próximos anos. Para
o futuro, têm-se em conta previsões o mais precisas possíveis, baseadas na análise
da empresa (potencial de crescimento, perspetivas de ganhos, possibilidades de
financiamento, qualidade de gestão) e do setor. Para o futuro mais distante,
considera-se que o dividendo cresce a um ritmo constante.

• Rendimento exigido - o montante do dividendo deve ser comparado com o oferecido


pelos investimentos de taxa fixa, ao qual acresce um prémio de risco. Ou seja, a
remuneração suplementar exigida face às aplicações de taxa fixa (sem risco). Em
média, estima-se que é necessário um rendimento em excesso de 3,5% para que os
investimentos em ações sejam preferíveis.

• Cotação - se a cotação for superior ao valor teórico, a ação está sobreavaliada ou cara.
Se a cotação é inferior ao valor teórico, a ação está subavaliada ou barata. Se o valor
teórico está próximo da cotação, diz-se que está correta.
A análise fundamental difere da análise técnica, essencialmente baseada em gráficos
que representam as cotações passadas.

Análise técnica

A análise técnica procura estimar a tendência de evolução do valor das ações tendo
por base, sobretudo, gráficos históricos:

• Linha de resistência - no gráfico com o histórico das cotações é a linha traçada através
dos sucessivos máximos da cotação.

• Linha de suporte - no gráfico com o histórico de cotações é a linha traçada através dos
sucessivos mínimos da cotação.

Quanto mais a cotação se aproxima da linha de resistência maior é o "sinal" de venda.


Quanto mais perto se encontra do suporte, mais forte é o conselho de compra.

Contudo, trata-se apenas de dois indicadores. Este tipo de análise também tenta
interpretar o movimento das cotações entre estas duas linhas, prever alterações na
tendência, reagir corretamente quando as cotações se afastam da média e "detetar" figuras
no histórico das cotações para retirar conclusões sobre o futuro.

A análise técnica difere da análise fundamental, a qual se centra nas previsões de


lucros futuros das empresas.

APFIPP
A APFIPP (Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e
Patrimónios) é a associação portuguesa que a agrupa a grande maioria das sociedades
gestoras de fundos de investimento, pensões e património.

A missão da APFIPP é representar e defender os interesses dos setores que


representa junto das autoridades nacionais e internacionais e entidades reguladoras do
mercado, designadamente o Governo, a CMVM, o ISP e o Banco de Portugal, e promover
a atividade junto do público, nomeadamente difundindo informação sobre as indústrias que
congrega.

Aquisição

A aquisição de uma empresa por outra é a compra, pela empresa adquirente, da


totalidade das ações ou de uma participação maioritária na sociedade adquirida.

Se o objetivo for adquirir as ações detidas pelo público, a empresa adquirente pode
lançar uma oferta pública de aquisição (OPA), através da qual pagará as ações em dinheiro,
ou uma oferta pública de troca (OPT), na qual a compra é feita através de uma troca de
ações.

Arbitragem

A arbitragem consiste em comprar e vender simultaneamente títulos da mesma


natureza para beneficiar das diferenças (cotação, rendimento…) constatadas entre eles.

Existe a arbitragem de obrigações quando se passa de uma divisa para outra


(normalmente subavaliada), de um título de baixa remuneração para outro com um melhor
rendimento atualizado ou de um emitente que se tornou arriscado para outro mais seguro.

Existe arbitragem de ações, por exemplo, quando um mesmo título beneficia de uma
cotação mais vantajosa numa bolsa do que noutro mercado.
A arbitragem implica que se incorra em diversos custos de transação pelo que apenas
são rentáveis para os profissionais que trabalham com grandes montantes e não para os
particulares.

ASE

O ASE é o índice da bolsa de Atenas e que reflecte a evolução das principais ações
gregas.

Assembleia geral

Como a denominação deixa antever, a assembleia geral (AG) é uma “grande reunião”
onde estão presentes todos os acionistas de uma empresa. O objetivo é votarem as
principais decisões a adotar quanto à gestão da empresa, a distribuição dos dividendos, as
operações pontuais sobre os títulos, etc.

Para os acionistas do público em geral, a convocatória faz-se normalmente através da


imprensa. No entanto, poucos acionistas particulares assistem às AG, não apenas pela falta
de tempo ou de interesse, mas também porque o seu direito de voto é limitado
proporcionalmente às ações que detêm, o que implica um peso diminuto nas decisões
finais.

A AG pode ocorrer anualmente (assembleia geral ordinária) ou em ocasiões


excecionais (assembleia geral extraordinária).

ASX

O ASX é o índice que reflete a evolução da Bolsa de Sidney (Austrália).

Ativo subjacente

O ativo subjacente serve de base a outros instrumentos financeiros, como futuros,


opções e warrants autónomos.
No caso dos warrants, por exemplo, há uma incidência sobre diversos tipos de ativos:
ações (sobre a Portugal Telecom, EDP, Telefónica, Yahoo, Nokia…); índices bolsistas (Dax,
Dow Jones, Nasdaq 100, Nikkei 225…); taxas de câmbio (Euro/Dólar; Euro/Iene); e ainda
o petróleo ou o ouro. Contudo, está em aberto a possibilidade do surgimento de warrants
sobre outros tipos de ativos.

Atualização

O conceito de atualização está na base da avaliação de uma ação. Um dos modelos


utilizados é o dividend discount model: como uma ação não tem maturidade e nunca será
reembolsada, o seu valor é função dos dividendos a distribuir no futuro. Para determinar o
valor actual da ação, o fluxo de dividendos futuros deve ser atualizado.

A base da atualização encontra-se na taxa de juro (a taxa mínima sem risco que o
investidor exige pela sua poupança) mais um prémio de risco.

Quanto mais distantes no tempo são os dividendos, mais o valor da ação será sensível
às variações das taxas de juro.
Esta situação é típica das acções de crescimento, que só distribuem dividendos após
um longo período de forte investimento.

Aumento de capital

Operação que consiste no aumento de capital de uma empresa pela entrada de


dinheiro fresco. Com efeito, a empresa emite novas ações que propõe aos acionistas a um
preço geralmente inferior ao da cotação em bolsa.

Autonomia financeira

A autonomia financeira corresponde à divisão do capital próprio pelo total do balanço.


Permite determinar qual a parte dos ativos da empresa que está a ser financiada por fundos
próprios.

É um dos rácios que avalia a solidez financeira de uma empresa.


Aviso sobre resultados

Uma empresa lança um aviso sobre resultados (profit warning em inglês) para
informar que não será capaz de alcançar os resultados que previa.

A razão pela qual a empresa não obterá os resultados esperados pode ser conjuntural
(temporária) ou estrutural (recorrente e mais grave) e poderá dever-se a fatores externos
(os quais o grupo não controla) ou internos (incapacidade, falta de eficiência da empresa).

No caso de um profit warning, a cotação baixa. Para saber se a queda é exagerada e


constitui uma oportunidade de compra, convém observar o nível de valorização da ação.

Podemos considerar como uma reação exagerada se a forte queda ocorre num
momento no qual a ação não está cara e se a origem dos problemas não coloca em causa
as perspetivas a prazo da empresa. Se o motivo do profit warning não for demasiado grave
(conjuntural, externo) e se o nível de valorização esperado após o aviso for razoável, poderá
ser um bom momento para comprar. A avaliação com exatidão da causa do profit warning
é, por isso, fundamental.

B)

Balança comercial

A balança comercial corresponde à diferença entre o valor dos bens e serviços


exportados por um país e aqueles que são importados. Este valor não diz tudo sobre uma
economia porque também é preciso considerar os fluxos monetários.

Nesse sentido, existe a balança corrente. Esta tem em conta não só a balança
comercial, mas também os fluxos financeiros e, nomeadamente, os juros pagos aos
detentores estrangeiros da dívida emitida pelo país e os dividendos pagos aos investidores
estrangeiros.

Balança corrente
Antes de mais convém saber que a balança comercial corresponde à diferença entre
o valor dos bens e serviços exportados por um país e aqueles que são importados. Contudo,
este valor não diz tudo sobre uma economia porque também é preciso considerar os fluxos
monetários.

Nesse sentido, existe a balança corrente . Esta tem em conta não só a balança
comercial, mas também os fluxos financeiros e, nomeadamente, os juros pagos aos
detentores estrangeiros da dívida emitida pelo país e os dividendos pagos aos investidores
estrangeiros.

Balança de pagamentos

A balança de pagamentos reflete a totalidade dos pagamentos de um país feitos ao


exterior e todas as receitas obtidas no estrangeiro. Pode ser subdividida da seguinte forma:

• Balança corrente: a diferença entre as exportações e importações de bens e serviço e


incluindo os fluxos financeiros;

• Balança de capitais: saldo entre os capitais investidos no país pelo exterior e,


inversamente, os investimento feitos e os créditos detidos pelo país no exterior;

• O aumento ou a redução das reservas em ouro ou em divisas.

Balanço

O balanço é o documento contabilístico que consiste num quadro recapitulativo dos


ativos (imobilizado, créditos, disponibilidades) e do passivo (capital, dívidas).

O balanço é o documento base da análise fundamental.

Banco central
O banco central é a instituição encarregue de assegurar o controlo da inflação e/ou
da taxa de câmbio de um país. Esta entidade dispõe, sobretudo, das taxas de juro e da
possibilidade de comprar/vender grandes quantidades de divisas para atingir os seus
objetivos. O banco central dispõe, em regra, do direito exclusivo da emissão de notas.
Na zona euro, é o Banco Central Europeu que cumpre essa função. Nos Estados
Unidos, é a Reserva Federal (Fed).

Atualmente, o Banco de Portugal já não conduz a política monetária nacional, embora


mantenha as competências no campo da supervisão. Porém o Banco de Portugal está
integrado no Sistema Europeu de Bancos Centrais (SEBC) e o governador do Banco de
Portugal tem assento no conselho de governadores do Banco Central Europeu e participa
dessa forma na condução da política monetária da zona euro.

Banco de investimento

Instituição financeira vocacionada para o aconselhamento sobre aquisições e fusões,


gestão de ativos, bem como a colocação no mercado de ações e obrigações de terceiros.
Ao contrário de outros bancos, não recebem depósitos.

Bear market

Denominamos bear market a um período prolongado de descida dos mercados


bolsistas. Se o sentimento generalizado é de descida, é igualmente comum falar-se em
tendência ou sentimento bearish.

BEL 20

O Bel 20 é o índice de referência da Bolsa de Bruxelas e reflete a evolução de um


conjunto de ações belgas com base na sua capitalização bolsista.

Benchmark
O benchmark é o indicador de referência utilizado para comparar um título (ação,
obrigação, fundo…) a um grupo de títulos com a mesma natureza, que servem como ponto
de comparação (setor, mercado…).

Beta

O coeficiente Beta é um indicador de volatilidade.

As ações com maior peso têm geralmente um Beta próximo de 1, que é a média do
mercado. Quanto mais se afastar de 1, a ação reage de uma forma mais volátil do que a
média. Para Betas inferiores a 1, a ação é menos volátil do que o mercado em que se insere.
Um Beta de 1,16, por exemplo, significa que a volatilidade da acção é 16% superior à média.

O mesmo raciocínio pode ser feito quando se comparam as oscilações do valor dos
fundos de investimento com o mercado onde estes investem. Por exemplo, um fundo de
ações nacionais, cujo Beta seja maior que 1, é mais volátil que a Euronext Lisboa.

Big caps

Chamam-se big caps ou large caps às ações que possuem uma grande capitalização
bolsista. É entre elas que se encontram as blue chips, ou seja, as acções que gozam de
maior notoriedade.

As big caps são o inverso das small caps, as ações com pequenas capitalizações.
Entre as duas, encontram-se as mid caps.

Big mac

O Big Mac é acima de tudo um hambúrguer… um produto conhecido por todos e


vendido, em princípio, a um preço idêntico pelo mundo inteiro.
Mas o Big Mac é igualmente um índice, calculado sobre o preço do Big Mac em mais
de cem países, para medir o grau de sobre ou subvalorização de uma divisa com base no
poder de compra.
Se partirmos da hipótese que um Big Mac custa três euros num local e três dólares
noutro, um dólar e um euro terão, teoricamente, o mesmo valor.

O índice Big Mac é um indicador entre outros, o qual podemos considerar de uma
forma razoável se levarmos em conta a realidade das taxas de câmbio, as diferenças do
nível de vida entre os países, etc.

Este índice foi criado pela revista "The Economist".

Bilião

Um bilião corresponde a um milhão de milhão na escala longa.


Em alguns países, nomeadamente nos EUA, Reino Unido ou Brasil, bilião representa
mil milhões. É a chamada escala curta.

Em Portugal, tal como na maioria dos países europeus, utilizamos a escala longa.

Blockbuster

Têm a designação de blockbuster os produtos cujas vendas são superiores a mil


milhões de dólares norte-americanos por ano.

Este termo é particularmente utilizado nas análises relativas ao volume de negócios


dos grandes grupos farmacêuticos.

Blue chips

Denominam-se de blue chips, as ações que possuem uma elevada capitalização


bolsista (big caps ou large caps) e que têm a maior notoriedade entre os investidores.
As blue chips opõem-se às small caps que são títulos que gozam de um sucesso mais
limitado junto do público e de uma fraca capitalização, e as ações de crescimento (empresas
de setores de ponta cotadas, por norma, em mercados específicos).

Bolha especulativa

Designamos por bolha especulativa todo o crescimento da cotação bolsista


exagerado face à realidade fundamental das empresas. Este crescimento artificial é
normalmente seguido de um "crash" ou de períodos de descidas significativas.
Break-even

Designa-se por break-even (ponto de equilíbrio) à situação na qual se encontra uma


empresa, considerando os investimentos feitos numa nova atividade. É o momento em que
essa atividade já não está em perda, mas também ainda não gera lucros.

Brent

O termo brent é utilizado para designar o petróleo do Mar do Norte. O preço por barril
(159 litros) é a referência em matéria de preços de petróleo, dada a importância para o
conjunto da economia.

Broker online

Intermediário financeiro que oferece aos seus clientes a possibilidade de transmitir as


suas ordens de bolsa e de gerir a sua conta-títulos via Internet.

Bull market

Apelidamos de bull market a um período prolongado de crescimento dos mercados


bolsistas. Se o sentimento generalizado é de subida, é igualmente comum falar-se em
tendência ou sentimento bullish.
C)

CAC 40

O CAC 40 é o índice de referência da Bolsa de Paris e reflete a evolução de 40 grandes


empresas francesas.

Call

Termo utilizado para referir o direito que está incorporado em determinados


instrumentos financeiros. Genericamente, a call representa o direito de comprar o ativo
subjacente.

No que diz respeito às obrigações, a call é a possibilidade que o emitente se reserva


de reembolsar antecipadamente os títulos. A existência da call é comunicada aquando da
emissão, bem como, na maior parte dos casos, a data ou datas em que pode ser executado.

O emitente faz uso da call quando a situação lhe é favorável (quando as taxas de juro
baixam e pode pedir emprestado em melhores condições). Para o detentor, não é um bom
negócio porque se vê privado de um juro atrativo e que só poderá ser substituído por outro
de taxa inferior.

Em matéria de warrants ou opções, o termo call significa que o direito detido pela posse
do warrant ou da opção é um direito de compra (de uma ação, um cabaz de ações, etc.).
Opõe-se ao put que é um direito de venda.

Capitais próprios
O termo capitais próprios designa os fundos que pertencem à própria empresa, por
oposição àqueles fundos que foram obtidos através de empréstimo.

A nível contabilístico, trata-se do valor dos ativos da empresa tal como são retomados
nas contas anuais, após a dedução das dívidas e das provisões.

Capital próprio/total do balanço

A divisão do capital próprio pelo total do balanço permite determinar qual a parte
dos ativos da empresa que está a ser financiada por fundos próprios e avaliar a solidez
financeira da empresa.

Este rácio é habitualmente designado por autonomia financeira. Quanto maior for, mais
sólida é a empresa em termos financeiros.

Capitalização bolsista

A capitalização bolsista é o valor de uma empresa, baseado na cotação das suas


ações e do número de títulos emitidos e admitidos à cotação.

É igualmente um dos critérios de entrada na composição de muitos índices bolsistas e


no peso que cada empresa tem no seio destes.

Carry trade

Quando existem diferenças substanciais entre as taxas de juro de país para país,
muitos investidores empregam uma estratégia designada por carry trade.

Isto é, os investidores pedem emprestado dinheiro no país onde as taxas são mais
baixas para, depois, aplicarem esse dinheiro no estrangeiro, comprando outras moedas
com rendimentos superiores.
Com o carry trade, a moeda do país onde as taxas são mais baixas é comprada para
ser vendida de imediato, pelo que se tende a depreciar face à maioria das divisas
internacionais.

Esta estratégia é normalmente empregue apenas entre as grandes economias


mundiais (zona euro, EUA, Austrália, Reino Unido), pois o risco que estes países oferecem
é bastante similar, permitindo aos investidores centrarem-se apenas no diferencial dos
juros.

Carteira

Uma carteira de ativos, valores mobiliários ou de fundos é um conjunto de bens


(valores mobiliários, imóveis ou dinheiro).

Cash-flow

O cash-flow refere-se, geralmente, a todas as receitas monetárias menos todas as


despesas monetárias. Ou seja, os proveitos e os custos que dão origem a entradas/saídas
de dinheiro.

Deste modo, o cash-flow corresponde ao lucro líquido anual mais as amortizações e


provisões (custos contabilizados mas que não dão origem a saídas de dinheiro). Representa
a capacidade da empresa gerar fundos para investir sem recorrer a capitais alheios.

Falamos em cash-flow operacional quando se consideram apenas receitas e despesas


operacionais.

Categoria de fundos

Classe a que o fundo pertence e que é atribuída consoante o tipo de ativos (ações,
obrigações, etc.), localização geográfica (Portugal, Europa, Estados Unidos, etc.) ou setorial
(financeiro, tecnológico).
Certificados

Os certificados são produtos financeiros que representam, normalmente, uma


participação num índice de ações. Deste modo, mediante uma única aplicação é possível
investir, de forma indireta, em todas as acções que compõem um índice, despendendo
apenas uma quantia reduzida de capital.

Por norma, os certificados são lançados por instituições financeiras e transacionados


em bolsa.

Chapter 11

O Chapter 11 da lei americana sobre falências permite a uma empresa com


dificuldades financeiras continuar a funcionar normalmente enquanto tenta chegar a um
acordo com quem deve dinheiro. Trata-se de uma declaração de restruturação, sob a
supervisão de um tribunal.
O famoso Chapter 11 implica que a empresa sob a sua alçada mantém-se proprietária
de todos os seus ativos, pode opôr-se aos pedidos dos seus credores e apresentar atrasos
nos pagamentos.

Em contrapartida, uma empresa objecto da protecção do Chapter 11 deverá, durante


o primeiro período de 120 dias seguintes à concessão da proteção, apresentar relatórios
regulares e detalhados sobre a sua real situação financeira e sobre as transações com os
credores.

Se tudo correr bem, a empresa apresenta um plano de restruturação a explicar


concretamente como irá reembolsar as dívidas e qual a forma que se irá financiar para que
possa cumprir a forma de reembolso acordado.

Ciclo económico

Chama-se ciclo económico às oscilações periódicas registadas no ritmo das


economias.
Quando a procura é elevada, a produção tem de subir para se adaptar. Quando a
procura recua, a produção abranda.

Dessa forma, assiste-se a períodos sucessivos de crescimento e estagnação. Um


período durante o qual o produto interno bruto (PIB) aumenta regularmente é chamado de
crescimento económico, enquanto o período ao longo do qual diminui progressivamente
denomina-se de recessão. À primeira etapa de crescimento, após a recessão chama-se de
retoma económica.

A duração de um ciclo é difícil de prever.

Clearing e Clearnet

Na bolsa, clearing é a operação que consiste em concretizar as transações passadas,


a isto é, entregar os títulos comprados e assegurar o pagamento dos títulos vendidos. Esta
operação também é designada pelo termo "compensação".

Na bolsa de Lisboa, esta operação é garantida pela empresa Clearnet, filial da


Euronext.

Código ISO

Para facilitar a identificação das divisas de cada país foi criado um código que é
obtido, por norma, juntando duas letras que identificam o país à primeira letra da
moeda, usando a língua inglesa.

Por exemplo, o dólar americano é designado por USD (United States Dollar), o iene
japonês por JPY (JaPanese Yen) e o real brasileiro por BRL (BRazilian Real). O euro, por
exemplo, não encaixa totalmente nesta regra e é representado pela sigla EUR.

País (ou território) Divisa Código

África do Sul Rand ZAR

Austrália Dólar australiano AUD


Brasil Real BRL

Bulgária Lev BGN

Canadá Dólar canadiano CAD

Coreia do Sul Won KRW

Dinamarca Coroa dinamarquesa DKK

Eslováquia Coroa eslovaca SKK

Eslovénia Tolar SIT

Estados Unidos Dólar americano USD

Estónia Coroa estónia EEK

Hong Kong Dólar de Hong Kong HKD

Hungria Forint HUF

Islândia Coroa islandesa ISK

Japão Iene JPY

Letónia Lats LVL

Lituânia Litas LTL

Noruega Coroa norueguesa NOK

Nova Zelândia Dólar neo-zelandês NZD

Polónia Zloty PLN

Reino Unido Libra esterlina GBP

República Checa Coroa checa CZK

Roménia Leu ROL

Singapura Dólar de Singapura SGD

Suécia Coroa sueca SEK

Suiça Franco suíço CHF

Turquia Lira turca TRL

Zona Euro Euro EUR

Coeficiente de exploração
O coeficiente de exploração de uma instituição bancária é o rácio entre os custos de
exploração (custos com pessoal, administrativos) e o produto bancário líquido (conjunto das
receitas da instituição).

É um importante indicador de rentabilidade. O recuo deste coeficiente pode ocorrer


pela queda dos custos de exploração ou por um aumento do produto bancário líquido.

Comissão

Para quase todas as operações, o intermediário (banco, corretora, seguradora…)


reclama a sua parte do bolo: é a comissão. Conforme as operações em causa trata-se de
um valor fixo ou de uma percentagem do montante transaccionado ou mesmo uma
combinação dos dois.

As comissões previstas por cada instituição são discriminadas no preçário, que está
disponível para os clientes que o desejem consultar.

Comissão de depósito

Trata-se de uma percentagem que é retirada ao valor do fundo para remunerar a


entidade depositária dos títulos (um banco).

A comissão de depósito influencia o rendimento global do fundo. Contudo, o valor da


unidade de participação é divulgado após a dedução desta comissão, pelo que o investidor
não necessita de considerá-lo para calcular o rendimento.

Comissão de gestão

A comissão de gestão é um dos custos associados aos fundos de investimento e aos


seguros de capitalização. Trata-se de uma percentagem que é retirada ao valor do fundo
para remunerar a sociedade gestora ou a seguradora.

Este encargo influencia o desempenho global do produto. Quanto maior for, mais
prejudicará o rendimento. Contudo, o valor da unidade de participação é divulgado após a
dedução desta comissão, pelo que o investidor não necessita de considerá-la para calcular
o rendimento do fundo.

Comissão de gestão ligada à performance

Para alguns fundos de investimento, a percentagem destinada a remunerar a


sociedade gestora não é totalmente fixa.

O regulamento de gestão do fundo pode prever que a comissão de gestão dependa


da performance do investimento: se o fundo superar um determinado nível de rendimento,
a sociedade gestora pode cobrar uma comissão mais elevada.

Comissão de guarda de títulos

As ações ou as obrigações que adquire são incluídas numa conta de títulos, pelo que
o banco exige uma comissão por esse serviço. Trata-se da comissão por guarda de
títulos.

Apesar de atualmente as ações cotadas só terem “existência digital”, tem de pagar um


valor normalmente fixo e que pode atingir mais de 200 euros por ano caso tenha ações
estrangeiras.

Comissão de resgate

Quando resgata unidades de participação de um fundo, o investidor poderá ter de


pagar custos de resgate que revertem para a sociedade gestora ou entidade
comercializadora.

Existem muitos fundos que não cobram comissões deste tipo e os que impõem
encargos, normalmente, diminuem-nos à medida que aumenta prazo durante o qual foram
mantidas as unidades de participação.
Esta comissão é definida em percentagem e incide sobre o valor resgatado.
Comissão de subscrição

Quando adquire unidades de participação de um fundo ou um seguro, o investidor


poderá ter de suportar custos de subscrição que revertem para a sociedade gestora ou
entidade comercializadora.

Trata-se de uma percentagem que incide sobre o valor a investir.

Comissão de transacção

Encargo pago ao intermediário financeiro pelo serviço de corretagem. A comissão


pode ser variável (em função do montante da operação ou mesmo do número de ações
negociadas) ou fixa.

Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM)

Organismo que, em Portugal, supervisiona e regula os mercados de valores mobiliários


e instrumentos financeiros derivados e a atividade de todos os agentes que neles atuam.

Morada: Rua Laura Alves, 4


1050-138 Lisboa
Site oficial: www.cmvm.pt
E-mail: cmvm@cmvm.pt
Telefone: (+351) 213 177 000
Fax: (+351) 213 537 077

Compensação

Em bolsa, chama-se compensação à operação que consiste em concretizar


operações passadas, isto é, em entregar os títulos comprados e assegurar o pagamento
dos títulos vendidos. Esta operação também se designa por clearing.
Na bolsa de Lisboa, esta operação é garantida pela Clearnet, filial da Euronext.

Compra a descoberto

Define-se como compra a descoberto quando se adquire ações no mercado a prazo,


sem dispor dos fundos necessários de imediato, dado que o pagamento é diferido.

Trata-se de uma especulação sobre a subida do título a curto prazo que permitirá, caso
se confirme, vender de seguida e lucrar com a diferença. Por outras palavras, obtém-se um
lucro sem ter sido necessário qualquer investimento inicial.

Compra de ações próprias

Quando uma empresa compra as suas próprias ações, o número de títulos em


circulação diminui. O lucro total é dividido por menos ações e, por conseguinte, o lucro por
ação é mais elevado.

Em Portugal, o número de ações próprias está limitado a um máximo de 10% do capital


social.

Consolidação

Em contabilidade, a consolidação é o ato de agrupar as contas de uma empresa mãe


e das suas filiais. A publicação de contas consolidadas permite dar uma imagem mais fiel
da empresa no seu conjunto.

Além disso, fala-se de consolidação de um setor quando se assiste ao reagrupamento


de diferentes intervenientes (alianças, fusões, aquisições).

Consumer discretionary

De um modo geral, o setor de bens de consumo está dividido entre os segmentos


consumer staples e consumer discretionary. Ainda que a classificação das empresas não
seja sempre consensual, a linha de divisória é geralmente traçada, por um lado, entre os
produtos que respondem às necessidades primárias (staples – alimento principal) e, pelo
outro, os produtos destinados a necessidades menos fundamentais (discretionary –
discricionário).

Este último segmento, um pouco mais sensível aos ciclos conjunturais, é composto
por empresas que produzem bens duradouros como os automóveis ou os
electrodomésticos. Algumas incluem, por vezes, os hotéis, o lazer ou até os media.
Segundo a definição aplicada, esta categoria pode assim incluir empresas como a Renault,
a Philips ou o Club Med.

Consumer Staples

De um modo geral, o setor de bens de consumo está dividido entre os segmentos


consumer staples e consumer discretionary. Ainda que a classificação das empresas não
seja sempre consensual, a linha de divisória é geralmente traçada, por um lado, entre os
produtos que respondem às necessidades primárias (staples – alimento principal) e, pelo
outro, os produtos destinados a necessidades menos fundamentais (discretionary –
discricionário).

O primeiro segmento, menos cíclico, inclui as empresas ativas no ramo do comércio a


retalho, bebidas, cosméticos e produtos de entretenimento. Podemos mencionar a título de
exemplo a Coca-Cola, a Nestlé, a Procter & Gamble ou a Unilever.

Conta-títulos

A conta-títulos é uma conta bancária na qual estão à guarda os títulos (ações,


obrigações, bilhetes do tesouro, unidades de participação em fundos de investimento) que
não têm existência material ou para os quais o investidor pretende transferir para a
instituição financeira a tarefa de guardar, movimentar, receber os cupões, etc.
Com uma conta-títulos, os cupões são pagos no primeiro dia de pagamento e as
notícias respeitantes às operações sobre os títulos são comunicadas através do correio,
mas o investimento deixa de ser anónimo.

Contra-indicador

Um contra-indicador, ou contrarian indicator em inglês, é um sinal que, segundo os


defensores desta noção, permite prever com alguma antecedência um movimento contrário
no mercado de ações.

Assim, há quem argumente que o sentimento dos investidores é um contra-indicador.


Por outras palavras, quanto mais optimistas os investidores, mais possibilidades existem de
as bolsas recuarem, e vice-versa. De facto, um investidor que acredita que as bolsas vão
subir já comprou. E quantos mais investidores já compraram, menores são as hipóteses de
um aumento das cotações. Pelo contrário, se a maioria dos investidores já vendeu, as
cotações poderão aumentar rapidamente.

Por outro lado, o pânico também pode ser um bom contra-indicador, ainda que se deva
ser prudente com este tipo de indicadores susceptíveis das interpretações mais diversas.
Com efeito, se o optimismo dos investidores se traduz automaticamente por uma queda das
cotações, para impulsionar as cotações os investidores deveriam mostrar-se... pessimistas!

Core business

O core business é o principal negócio de uma empresa. Atualmente, existe uma


tendência para as empresas se concentrarem nas suas atividades nucleares, para as quais
dispõem de melhores competências.
Core tier one

O core tier one (ou core tier 1 ) é o indicador utilizado na análise da solvabilidade das
empresas do setor bancário. Corresponde aos fundos próprios de base, isto é, ao capital
social e às reservas acumuladas (soma dos lucros não distribuídos).

Para avaliar a solidez financeira de um banco, pode usar-se o rácio core tier one:
divide-se o core tier one pela totalidade dos ativos, que são ponderados pelo risco
associado. Deste modo, o rácio core tier one (em %) é comparável entre dois bancos com
diferentes exposições ao risco.
Corporate

Utiliza-se o termo corporate para designar uma gama de obrigações ou a categoria


de fundos que investem nesse tipo de obrigações.

As obrigações corporate são obrigações emitidas por emitentes privados (grandes


empresas de serviços ou industriais). Estas empresas oferecem uma taxa de juro tanto mais
elevada consoante o risco de dificuldade em cumprir os pagamentos. Este risco é avaliado
pelas agências de notação que definem um rating.

Corporate governance

O corporate governance, ou governo das sociedades, é uma noção cada vez mais
importante. Este conceito engloba um conjunto de práticas cujo intuito é tornar as estruturas
das empresas mais eficazes e maximizar a criação de valor para os acionistas, incluindo os
minoritários.

Correlação

A correlação é o nível de ligação entre duas variáveis e é um dos elementos que


influencia a avaliação do risco.
Normalmente, diz-se que uma ação (ou um fundo de investimento) possui uma elevada
correlação com um índice, se a sua evolução for muito idêntica à do índice em causa.

Também se fala frequentemente entre correlação entre mercados. Neste caso, quanto
maiores foram as ligações entre os mercados, susceptíveis de lhes dar uma evolução
similar, mais se reforça o risco caso se invista neles simultaneamente. Aplicar em dois
mercados pouco correlacionados reduz o risco porque a queda sofrida por um lado poder
ser compensada pela subida noutro mercado.

Cotação bolsista

A cotação bolsista de um título é o preço ao qual pode ser comprado ou vendido em


bolsa num dado momento. Esse preço flutua, sobretudo, ao sabor da oferta e da procura.
É o caso das ações, obrigações, etc.

Para as obrigações, a cotação exprime-se em percentagem. Por exemplo, poderá ser


98, 99, 100, 101, 102% do preço de emissão.

Cotação das Obrigações do Tesouro

A compra de Obrigações do Tesouro (OT) é feita num “mercado”, normalmente a bolsa,


no qual se encontram compradores e vendedores e são definidos os preços. Assim, o preço
de uma OT varia ao longo do tempo, ao contrário dos Certificados de Aforro e do Tesouro
cujo valor é sempre de um euro e nem podem ser vendidos a outras pessoas.

Cotação valor intrínseco

O rácio que compara a cotação com o valor intrínseco é mais um indicador que
ajuda a decifrar se um título está caro ou barato.

Crash

O termo crash designa um colapso brutal das cotações de uma ou várias bolsas.
Credit crunch

Denomina-se credit crunch ao período durante o qual a incerteza económica é tão


elevada que os bancos consideram, na maioria dos casos, demasiado arriscada a
concessão de crédito, tanto às empresas como aos particulares. Ou seja, é um período
durante o qual é quase impossível obter empréstimos, com todas as consequências que se
podem imaginar para o bom funcionamento da economia.

Crédito de imposto por dupla tributação internacional

Trata-se do mecanismo fiscal que serve para ressarcir parte do imposto pago sobre os
dividendos de ações estrangeiras distribuídos a investidores nacionais, dado estarem
sujeitos a uma dupla tributação, isto é, no país de origem e em Portugal.

Crescimento

Salvo indicação em contrário, os valores de crescimento exprimem-se em


percentagem e, por norma, sobre uma base anual.

Para uma empresa, refletem o crescimento do volume de negócios e/ou dos resultados
num determinado período face ao mesmo período do ano anterior.

Para um país, região ou setor de atividade, o termo crescimento, só por si, designa um
aumento da atividade económica.

Também se diz ação ou empresa de crescimento quando se pretende referir pequenas


empresas, ativas sobretudo nos setores de ponta, esperando-se um maior potencial de
crescimento dos lucros. O potencial de subida da cotação é elevado, mas os riscos também.

Crescimento interno
Refere-se ao crescimento interno de uma empresa, durante um dado período,
quando o crescimento não considera as vendas ou as compras realizadas durante esse
espaço de tempo.

Crescimento orgânico

Este termo designa o crescimento do volume de negócios obtido graças ao volume de


atividade mais elevado (vendendo mais aos mesmos clientes ou a novos), contrariamente
ao crescimento conseguido através da aquisição de terceiros.
O crescimento orgânico é de grande importância pois permite espelhar melhor o
progresso das vendas próprias e a capacidade de uma empresa em conquistar novos
mercados sem proceder a aquisições.

Crescimento potencial

O crescimento potencial pode ser definido como o crescimento máximo que uma
economia pode atingir sem provocar um sobreaquecimento da atividade, ou seja, sem gerar
tensões inflacionistas.

O crescimento potencial está intimamente ligado a três fatores: a quantidade de mão-


de-obra de um país, as reservas de capital e a produtividade.

• Quantidade de mão-de-obra é determinada pelo número de trabalhadores e a


duração do trabalho;

• Reservas de capitais dependem do número e da dimensão dos investidores;

• Produtividade total reflete a eficácia com que a mão-de-obra e os capitais são


utilizados e depende nomeadamente do progresso tecnológico.

Crise em V e crise em W

Os conceitos de crise em V ou em W baseiam-se na forma assumida pela curva de


representação gráfica da evolução económica, por exemplo, de um país.
Numa crise em V, a atividade económica recua rapidamente antes de recuperar de
forma igualmente rápida.

Quando se dá uma crise em W, a atividade económica recua rapidamente, vive uma


recuperação de curta duração e, em seguida, sofre uma nova queda que, na prática,
costuma ser mais acentuada que a primeira. A crise em W também é denominada de double
dip.

Cross selling

Designamos por cross selling a possibilidade que se oferece às empresas de


aproveitarem um canal de distribuição/venda de um tipo de produtos para venderem outro
distinto.

Se uma empresa A estiver ativa no sector X e tiver uma participada ativa no sector Y,
pode aproveitar para promover os produtos da empresa ativa no sector Y junto da clientela
da empresa A.

Um exemplo típico é a banca, que aproveita a rede de balcões da banca de retalho


para vender os produtos de seguros.

Cupão

Há muito anos, o cupão era um pequeno pedaço de papel, muitas vezes numerado,
que fazia parte integrante das obrigações. Esse cupão era destacado pelo investidor no
momento em que poderia ser trocado, por exemplo, pelos juros.

Actualmente, o termo cupão continua a ser utilizado para designar os juros pagos pelas
obrigações, apesar destas já não terem existência física.
Cupão zero

São chamadas de cupão zero as obrigações que não distribuem cupão e que não
anunciam à partida nenhuma taxa.
Para oferecer rendimento são emitidas abaixo de 100% mas reembolsadas a 100%.
Ou são emitidas a 100% mas serão reembolsadas, por exemplo, a 150%. Dessa forma, não
se recebe juros mas antes uma mais-valia.

Custo de imparidade

Segundo as novas normas contabilísticas, as empresas têm de verificar regularmente


se o valor contabilístico de alguns ativos é superior ao seu valor de mercado. Caso isso se
verifique, a empresa terá de contabilizar um custo de imparidade para reajustar os valores.

Custos operacionais

Os custos operacionais incluem todos os encargos que a empresa deve suportar


para assegurar o exercício da sua atividade. Deste modo, excluem-se desde logo os
encargos provenientes de empréstimos.

Os custos operacionais distinguem-se em duas categorias: os que dão origem a saídas


de fluxos monetários (salários, matérias-primas, energia, etc.) e os que não dão
(amortizações e provisões).

É também usual designarem-se por custos de exploração.

D)

Data de lançamento do fundo

Data em que o fundo começou o seu exercício.

Data-valor

A data-valor é a data a partir da qual uma transação começa efetivamente a ser


tomada em conta nos cálculos e que é diferente da data da transação.
Pode dizer respeito ao cálculo dos juros, ao débito ou crédito de uma conta após uma
compra ou venda de títulos, etc.

DAX

O Dax Xetra é o índice de referência da Bolsa de Frankfurt e reflete a evolução de 30


grandes empresas alemãs.

Day-trade

Significa, em inglês, negociação diária. Trata-se de uma expressão que designa a


compra, num determinado dia, seguida da venda, nesse mesmo dia, dos mesmos valores
mobiliários.

Defensivo

Um investimento defensivo é uma aplicação pouco arriscada porque o capital está


garantido ou porque se trata de um investimento dedicado a títulos pouco sensíveis aos
ciclos económicos ou de empresas muito sólidas.❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄
❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄
Deflação

A deflação é a descida generalizada, anormal e constante dos preços no consumidor


dos bens e serviços. É normalmente um sinal de recessão económica.

É o inverso de inflação.

Delisting

Designa-se por delisting a operação que consiste na saída de bolsa por parte de uma
empresa.
Delta hedging

Designamos por delta o indicador que exprime a sensibilidade de uma opção ou de um


warrant a variações do valor do ativo subjacente.

O delta hedging é a pratica que consiste em comprar ou vender um certo número de


warrants/opções em função da evolução do seu delta, com vista a cobrir corretamente o
risco de uma carteira. É uma operação pouco utilizada pelos particulares, dado o custo não
negligenciável das operações com warrants/opções.

Demonstração de resultados

A demonstração de resultados é o documento contabílistico que estabelece a


diferença entre as várias receitas da empresas e os custos (compra, encargos,
amortizações…), só para dar os principais exemplos.

Este documento é um instrumento importante na análise fundamental de uma


empresa. Por norma, é subdividido em três partes:

• A que diz respeito da exploração propriamente dita da empresa, isto é, o


resultado de exploração ou operacional;

• Os elementos de ordem puramente financeira (receitas de investimento,


encargos das dívidas);

• Os elementos que intervêm nos resultados a título excecional.

Depósito a prazo
Quando se constitui um depósito a prazo, aplica-se o dinheiro numa conta bancária
com uma duração determinada à partida (um mês, três meses, seis meses, um ano).

No final do prazo estabelecido, os montantes depositados ficam imediatamente


disponíveis, acrescidos dos juros à taxa que também foi determinada à partida.❄❄❄❄❄
❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄❄

Depreciação

A depreciação corresponde à perda de valor dos ativos. Esse custo poderá advir da
desvalorização dos ativos financeiros, mas também de perdas relacionadas com o desgaste
dos ativos imobilizados (material de escritório, máquinas, edifícios, etc.).

Derivado

Pela denominação de derivado, designa-se um produto financeiro que aposta sobre a


evolução de outra aplicação, o ativo subjacente.

Os warrants, opções e futuros são produtos derivados.

Derrama estadual

Imposto em sede de IRC (Imposto sobre o Rendimento Colectivo) criado em 2010 e


correspondente a uma taxa de 2,5% sobre os lucros das empresas que superem os 2
milhões de euros.

A actual taxa de IRC é de 25% (isenção de 50% para os lucros até 12 500 euros), à
qual acresce a taxa de derrama municipal que, consoante o concelho de localização da
empresa, poderá atingir os 1,5%. Ou seja, taxa de IRC poderá atingir os 29%.

Desblindagem de estatutos
Por vezes os estatutos prevêem situações que impedem ou dificultam a tomada do
controlo da empresa por novos acionistas ou agrupamentos de acionistas (limites aos
direitos de voto, golden shares, múltiplos direitos de voto, etc.). Falamos em desblindagem
de estatutos quando são eliminados esses entraves.

Desconto

Afirmamos que uma ação está a desconto quando consideramos que a ação está
subavaliada relativamente, por exemplo, às empresas do seu setor.

O inverso de estar a desconto é estar a prémio.

Desmaterialização

Diz-se que um título é desmaterializado quando a sua entrega física não é possível,
sendo a única hipótese a inscrição da transação numa conta-títulos.

Desregulação

Em teoria, quem pretende investir em bolsa procura limitar os riscos, pelo que existe
interesse em procurar ações mais defensivas. Mas na realidade, esta é uma opção difícil
de se tomar, nomeadamente no seguimento do fenómeno da desregulação.

A desregulação vem acabar com as receitas e lucros recorrentes. O exemplo do setor


da produção de eletricidade é uma caso típico. Anteriormente protegido, este setor está a
ser liberalizado, o que tem um impacto de descida das tarifas e, consequentemente, das
margens.

Desvio-padrão

A noção de desvio-padrão é um importante fator na avaliação de produtos financeiros.


Durante um determinado período, os mercados estão sujeitos a altos e baixos. Em
torno da média prevista para os dois movimentos é possível construir um intervalo com base
no desvio-padrão.

Quanto maior for o desvio-padrão, mais arriscado é, neste caso, o mercado analisado.
As bolsas que ofereçam o melhor rendimento esperado com a volatilidade mais reduzida
são, à partida, as mais atrativas em termos de avaliação.

Dia de cálculo

Dia da semana ou do mês em que é obtido o valor da unidade de participação quando


não há cálculo diário.

Diluição

Quando aumenta o número de ações de uma empresa (por exemplo, na sequência de


um aumento de capital), o lucro a distribuir pela empresa terá de ser repartido por um maior
número de títulos. O lucro por ação pode assim diminuir temporariamente: é o que se chama
de diluição do lucro.

Direito de atribuição

O direito de atribuição é a prioridade dada, pela empresa, aos seus acionistas, de


adquirir ações de outra empresa.
A posse de um determinado de ações dá direito a um número determinado de ações
a um preço pré-estabelecido. Na maioria dos casos, esses direitos são negociados em
bolsa: os acionistas que não pretendam participar no aumento de capital ou que não
detenham um múltiplo do número dos direitos necessários, podem vender/comprar direitos
em bolsa.

Direito de subscrição
O direito de subscrição é a prioridade dada aos actuais acionistas em participar num
aumento de capital.

A posse de um determinado de ações dá direito a um número determinado de ações


a um preço pré-estabelecido. Na maioria dos casos, esses direitos são negociados em
bolsa: os acionistas que não pretendam participar no aumento de capital ou que não
detenham um múltiplo do número dos direitos necessários, podem vender/comprar direitos
em bolsa.

Discount rate

Designa-se por discount rate a taxa (diretora) à qual os bancos centrais emprestam
fundos aos bancos comerciais. Esta taxa influencia o nível de taxas do conjunto de créditos
no país ou região.

Opõe-se à repo rate que é a taxa à qual os bancos centrais remuneram os fundos
depositados pelos bancos comerciais.

Diversificação

"Não se deve colocar todos os ovos no mesmo cesto". Esta popular expressão é muito
pertinente no mundo dos investimentos. Qualquer carteira equilibrada deve incluir diversos
tipos de títulos (obrigações, acões ou fundos, etc.), bem como depósitos e, eventualmente,
outros tipos de produtos como os derivados. Ou seja, deve-se sempre diversificar.

Dividend discount model

O dividend discount model (modelos dos dividendos descontados) é utilizado no


quadro da avaliação do valor de uma ação. Tendo em conta que uma ação não é
reembolsada, o seu valor depende diretamente dos dividendos distribuídos no futuro. Para
determinar o valor atual da ação, o fluxo dos dividendos futuros deverá ser atualizado para
o dia de hoje.

A taxa de atualização corresponde à taxa de juro (taxa sem risco que o investidor pode
aplicar as suas poupanças) mais um prémio de risco, que varia de setor para setor e de
empresa para empresa.
Quanto mais afastado tiver o pagamento dos dividendos do dia de hoje, maior será a
sensibilidade do valor da empresa a variações nas taxas de juro.

Esta situação caracteriza, nomeadamente, as ações de crescimento, que não


distribuem dividendos durante um largo período de fortes investimentos.

Dividendo

Nas ações, o dividendo é uma forma de remuneração dos acionistas. Trata-se de uma
parte do lucro obtido pela empresa e que, em assembleia-geral, foi decidido atribuir aos
acionistas.

Antes de imposto (retido na fonte) é o dividendo bruto; depois de imposto é dividendo


líquido. Nas fichas detalhadas de ações, é apresentado o dividendo líquido para as ações
portuguesas e belgas, sendo bruto nos restantes casos.

Num fundo de investimento de distribuição, o dividendo é a parcela dos rendimentos


do fundo atribuída aos detentores das unidades de participação.

Dividendo bruto

Nas ações, o dividendo é uma forma de remuneração dos acionistas. Trata-se de uma
parte do lucro obtido pela empresa e que, em assembleia-geral, foi decidido atribuir aos
acionistas.
Num fundo de investimento de distribuição, o dividendo é a parcela dos rendimentos
do fundo atribuída aos detentores das unidades de participação.

Antes de imposto (retido na fonte) é o dividendo bruto; depois de imposto estamos


perante o dividendo líquido.

Dividendo intercalar

Algumas empresas não distribuem o dividendo aos acionistas de uma só vez, uma vez
por ano. Assim, optam por um fazer um adiantamento: é o dividendo intercalar. Após a
aprovação das contas do exercício distribuem o remanesceste de forma a obterem o
dividendo final.

Dividendo líquido

Nas ações, o dividendo é uma forma de remuneração dos acionistas. Trata-se de uma
parte do lucro obtido pela empresa e que, em assembleia-geral, foi decidido atribuir aos
acionistas.

Antes de imposto (retido na fonte) é o dividendo bruto; depois de imposto é dividendo


líquido. Nas fichas detalhadas de ações, é apresentado o dividendo líquido para as ações
portuguesas e belgas, sendo bruto nos restantes casos.

Num fundo de investimento de distribuição, o dividendo é a parcela dos rendimentos


do fundo atribuída aos detentores das unidades de participação.

Dividendo opcional

Algumas empresas deixam o acionista optar entre um dividendo em numerário ou sob


a forma de novas ações (pagamento em espécie). É o dividendo opcional.
A distribuição sob a forma de novas ações é mais vantajosa para o acionista sob o
ponto de vista fiscal, uma vez que não está sujeita a retenção em sede de imposto sobre o
rendimento ao contrário do que sucede nos dividendos pagos em numerário.

O dividendo opcional é uma prática muito usual em empresas holandesas.

Dividendos em espécie

A empresa pode decidir distribuir o dividendo em espécie (ou dividendo em ações ou


stock dividend). Deste modo, ao invés de pagar uma quantia monetária ao acionista, a
empresa oferece novas ações.

Se ao acionista for dada a opção de escolher entre dividendo em dinheiro e dividendo


em ações, falamos de dividendo opcional.

O dividendo distribuído sob a forma de ações não está sujeito a encargos fiscais no
momento da distribuição.

DJ Euro Stoxx 50

O DJ Stoxx designa uma série de índices bolsistas europeus.

Entre outros, existem o DJ Euro Stoxx 50, o DJ Stoxx 50 e uma série de índices
setoriais:

DJ Stoxx Seguros
Banca
Química
Cíclícas
Media
Farmacêuticas
Tecnologia
Telecomunicações
Utilities
DMIF

A DMIF é a sigla para diretiva relativa aos mercados de instrumentos financeiros ou,
em inglês MiFID (Markets in Financial Instruments Directive ).

Trata-se de uma diretiva europeia sobre o funcionamento dos mercados financeiros,


destinada a reforçar o mercado financeiro europeu único, favorecendo a concorrência
internacional entre as instituições financeiras europeias.

Para atingir esse objetivo, a diretiva visa uniformizar as regras do mercado,


nomeadamente em matéria de proteção dos pequenos investidores. A diretiva fixa também
a postura as instituições financeiras devem adoptar perante os seus clientes particulares e
a maneira como devem executar as ordens sobre os títulos. A legislação exige ainda que
os bancos e outras instituições financeiras publiquem mais dados e clarifiquem as
informações que colocam à disposição.

Dogs

O termo dogs tem origem nos Estados Unidos e designa as ações que são
caracterizadas pelo facto de oferecerem os dividendos mais elevados.

Dotcom

Chamam-se dotcom às empresas ativas no setor da Internet.

Double dip

Para saber em que consiste um double dip, é preciso conhecer os conceitos de crise
em V e em W.
O conceito de crise em V ou em W baseia-se na forma assumida pelas curvas de
representação gráfica da evolução económica, por exemplo, de um país.

Numa crise em V, a atividade económica recua rapidamente antes de recuperar de


forma igualmente rápida.

Nas crises em W, a atividade económica recua rapidamente, em seguida tem uma


recuperação de curta duração e volta a cair, em regra, de forma mais acentuada do que na
primeira vez.

Um double dip é outra forma de exprimir uma crise em W.

Dow Jones

O Dow Jones Industrial Average é um dos índices de referência da Bolsa de Nova


Iorque.

Reflete a evolução de 30 grandes empresas americanas.

Dow Jones designa também outros índices bolsistas que refletem a evolução de
certos setores da Bolsa de Nova Iorque, tais como:
Dow Jones Transportes
Dow Jones Serviços Públicos

Driving season

Em economia, o termo driving season é utilizado para designar os períodos de férias,


durante os quais inúmeras famílias viajam de automóvel ou de avião, rumo a climas mais
amenos. Este comportamento de massas implica uma subida do consumo de combustíveis
e, por isso, é susceptível de levar ao aumento do preço do petróleo e da energia.

Até agora, nenhum estudo estatístico conseguiu determinar a quantidade de energia


consumida em excesso durante estes períodos.
Due diligence

Aquando de uma compra de uma empresa por outra, as duas instituições acordam os
detalhes da operação (preço, forma de pagamento…). Mas antes de finalizarem
definitivamente a operação, é iniciada uma análise, de comum acordo entre as sociedades,
para dar ao comprador uma perspectiva geral mais válida, nomeadamente para detetar a
eventual presença de “esqueletos no armário” com vista a permitir-lhe renunciar ou
renegociar a compra.

Esta análise levada a cabo normalmente por revisores de contas, auditores e fiscalistas
designa-se pelo termo inglês due diligence.

Dumping

Dumping corresponde à venda de produtos abaixo do preço de custo. Esta prática


comercial é proibida por lei. As empresas que o fazem têm como objetivo limitar ou eliminar
a concorrência. O dumping permite ainda às empresas ter uma margem de manobra
superior na formação dos preços e contribui para a manutenção de uma quota de mercado
elevada.

Dupla cotação

A globalização da economia levou algumas empresas a estarem cotadas num outro


mercado, para além do seu próprio país. O que procuram as empresas com isto?

• Notoriedade. Em média, uma ação cotada em Nova Iorque é seguida por um número
duas vezes superior de analistas. E algumas empresas consideram que os analistas
americanos são capazes de avaliar mais corretamente as suas atividades.

• Oportunidades de crescimento. Ao procurarem uma cotação nos Estados Unidos, as


empresas procuram desenvolver as suas atividades no mercado americano. E, para
proceder a aquisições através da troca de títulos, é preferível que estes estejam
cotados em Nova Iorque.

A dupla cotação pode ter um efeito positivo no curto prazo, mas não muda
necessariamente os fundamentais da empresa para o longo prazo.

Dupla tributação

Para a maior parte das ações estrangeiras, os dividendos recebidos em Portugal


sofrem da dupla tributação: o imposto estrangeiro no país de origem e a taxa liberatória
portuguesa de 21,5%.

No entanto, os titulares destes rendimentos têm direito a um crédito de imposto por


dupla tributação internacional. O montante desse crédito varia consoante o montante de
imposto pago no estrangeiro, o impacto deste no cálculo do IRS e ainda pela existência de
acordos por dupla tributação internacional com o país em causa.

E)

EBIT

EBIT é a abreviatura de earnings before interest and taxes. Trata-se, grosso modo, do
resultado operacional. Ou seja, corresponde à diferença (positiva ou negativa) entre os
proveitos (vendas, prestações de serviços…) e os custos (salários, matérias-primas,
amortizações…) ligados à atividade habitual da empresa. Exclui os encargos e proveitos
financeiros assim como o imposto sobre o rendimento.

EBIT/volume de negócios

EBIT é a abreviatura deearnings before interest and taxes. Trata-se do lucro antes de
juros e impostos, ou seja, é outra forma de apresentar o resultado corrente.
Dividido pelo volume de negócios (EBIT/vendas) funciona como indicador da
rentabilidade da empresa.
Economias de escala

O conceito de economias de escala aplica-se a uma situação em que o preço de


custo por unidade para produzir um determinado bem diminui à medida que o número de
peças produzidas aumenta. Esse caso verifica-se, por exemplo, no setor da construção
automóvel, onde as despesas fixas são muito elevadas, independentemente do número de
veículos produzidos.

Contudo, as economias de escala não devem ser confundidas com as economias de


gama, que se verificam quando é mais barato produzir dois produtos ou serviços em
conjunto do que em separado. Um exemplo é o dos bancos e das seguradoras que vendem
os seus produtos em conjunto nas suas agências.

Efeito alavanca

O efeito alavanca consiste num efeito multiplicador. Por exemplo, nos warrants e
opções, as flutuações na cotação do ativo subjacente são repercutidas no valor do warrant
ou opção de forma muito superior.
O efeito de alavanca aplica-se na subida do ativo subjacente mas também na descida,
o que torna os warrants e as opções bastante especulativos.

Efeito de base

O nível das variáveis económicas como a inflação, a produção industrial ou o produto


interno bruto (PIB) é apresentado, muitas vezes, como a variação relativa ao nível registado
no mesmo período do ano anterior. Assim, um determinado acontecimento menos usual
que tenha ocorrido no ano precedente pode ter uma influência significativa na evolução
anual, pois altera a base da comparação. A este fenómeno chama-se efeito de base.

Emergente (mercados emergentes)


Designam-se por mercados emergentes as bolsas de países com um peso
relativamente reduzido a nível mundial ou que não tenham abarcado a economia de
mercado há muito tempo, mas que começam a oferecer, cada vez mais, perspetivas de
crescimento apreciáveis. Trata-se normalmente de mercados mais arriscados do que a
média.

Emissão

A emissão de:

• Uma obrigação é a operação na qual uma instituição pública ou uma empresa privada
coloca no mercado um empréstimo com condições predeterminadas: taxa de juro,
duração, modalidade de reembolso, etc.

• Uma ação designa o lançamento de novas ações no mercado no âmbito de um aumento


de capital.

• Um fundo de investimento designa a criação de novas unidades de participação.

Entidade comercializadora

Local ou locais de comercialização onde o fundo de investimento pode ser subcrito.

Escolha Acertada

É a opção mais rentável para investir no prazo indicado.

Estratégia de retorno absoluto

Os hedge funds pretendem gerar ganhos mesmo quando a evolução dos mercados é
desfavorável. Esta é a chamada estratégia de retorno absoluto.
Para alcançar este difícil objetivo, recorrem a políticas de investimento mais arriscadas
e, por vezes, pouco transparentes. O objetivo de ganhar mesmo quando os mercados estão
em queda é ambicioso e atrativo, mas pode trazer grandes dissabores porque se a gestão
não for adequada, o fundo arrisca-se a ter prejuízos, quer os mercados subam ou desçam.

Além disso, muitos hedge funds estão situados em offshores onde não existe qualquer
supervisão, o que aumenta exponencialmente as hipóteses de fraude.

Euribor

A Euribor (Euro Interbank Offered Rate ) é uma taxa interbancária, ou seja, uma taxa
de juro à qual os bancos comerciais emprestam dinheiro entre si. Esta taxa é válida para
toda a zona euro.

O seu valor é determinado por um painel de 44 bancos que atuam na zona euro e
depende diretamente do nível das taxas diretoras fixadas pelo Banco Central Europeu
(BCE).
Existem taxas Euribor com diferentes durações, de uma semana a 12 meses. Para
mais informação pode consultar o sítio www.euribor.org.

Euro-obrigação

Uma euro-obrigação é uma obrigação emitida simultaneamente em vários países e


na qual a divisa não é necessariamente aquela que vigora no país de emissão ou do
emitente.

Euronext

A Euronext é o nome da empresa que resultou da fusão das bolsas de:

• Amesterdão

• Bruxelas
• Paris

A Euronext agrupou também, posteriormente, a Bolsa de Lisboa.


Euronext 100

O Euronext 100 é um índice que reflete a evolução das 100 maiores empresas da
Euronext.

Ex-direitos

Aplica-se quando se dá a negociação de um valor mobiliário, habitualmente uma ação,


sem um direito que lhe esteve associado na emissão. Por exemplo, sem o direito de receber
dividendos ou de subscrever/incorporar ações atribuído no âmbito de uma operação de
aumento de capital.

Exchange Traded Funds (ETF)

Um tracker, ou Exchange Traded Fund (ETF), é um fundo índice cotado em bolsa, à


semelhança das ações. A sociedade gestora de um ETF tem como objetivo copiar a
evolução de um determinado índice bolsista. Assim, o preço reflete a procura e oferta do
fundo, mas sobretudo o valor do índice subjacente. A cotação do tracker é, por norma,
expressa como uma fração do índice que acompanha (1:10 ou 1:100). Assim se o índice
está em 10 000 pontos, o tracker pode estar cotado a 1000 euros ou 100 euros, por
exemplo.

A grande maioria dos ETF podem ser adquiridos nas bolsas de Frankfurt, Paris ou
Nova Iorque, desde que o intermediário financeiro dê acesso a esses mercados.

Tal como os restantes fundos de investimento, os ETF cobram comissões de gestão.


Estas são mais reduzidas pois as tarefas de gestão limitam-se à “replicação” dos índices
subjacentes. Contudo, como são transacionados em bolsa, a compra/venda de ETF implica
o pagamento de comissões de transação e de guarda de títulos semelhantes às ações.
Assim, investir pequenos montantes é desaconselhável, pois os eventuais rendimentos
seriam penalizados pelos custos.
Pela sua natureza, os ETF apenas “copiam” a evolução do mercado. Um fundo de
investimento bem gerido será sempre preferível porque, em média, irá superar o mercado.
Mas será que os ETF não são úteis para investir? Sim, mas apenas em alguns casos.
Em primeiro lugar, se incidirem sobre um setor ou bolsa para a qual não há outros fundos
disponíveis. Em segundo, quando os fundos existentes têm um mau desempenho e nem
sequer conseguem atingir a valorização obtida pelo mercado de referência.

Exercício

O exercício designa o ano contabilístico de uma empresa.


Em circunstâncias normais, um exercício completo corresponde a um período de 12
meses.

Para a maioria das empresas europeias, este período equivale ao ano civil. Para
outras, como é o caso de muitas empresas americanas, os 12 meses estendem-se por um
período diferente: do início de junho ao fim de maio, por exemplo.

No final de cada exercício, as empresas são obrigadas apresentar as contas anuais


(balanço e demonstração de resultados).

Exercício automático

As opções e os warrants autónomos podem ou não ter exercício automático na


maturidade. Ou seja, o emitente pode proceder ao pagamento devido ao titular do warrant
ou da opção sem que este tenha de manifestar a intenção de o exercer.

Exóticos

O termo exótico é principalmente utilizado para designar os fundos de investimento


especializados em países onde a economia de mercado ainda não está totalmente
estabelecida, ao contrário das economias ocidentais e do Japão.
Dessa forma, os fundos exóticos podem investir na Ásia, América do Sul, Europa de
Leste e em todas as economias em desenvolvimento mas que possuam perspetivas de
crescimento apreciáveis. O risco deste investimento é mais elevado.

Fannie Mae

Designação comum da agência norte-americana dedicada ao mercado do crédito


hipotecário, a Federal National Mortgage Association.

FEFSI

A FEFSI é a Federação Europeia dos Fundos e Sociedades de Investimento


(Fédération Européenne des Fonds et Sociétés d'Investissement ).

Esta entidade agrupa os profissionais do setor (promotores e gestores de fundos) em


mais de 20 países, ou seja, mais de 900 bancos e corretoras e mais de 36 000 produtos.

Finança comportamental

A finança comportamental designa um domínio da investigação financeira que


identifica os elementos psicológicos no processo de decisão financeira. Trata-se de uma
teoria que coloca em causa os modelos tradicionais, baseados na hipótese de que os
investidores avaliam sempre os fatores de risco e de rendimento de modo racional.
Com efeito, a característica que faz com que o ser humano não admita facilmente os
seus erros (medo do arrependimento, segundo os psicólogos) pode levar um investidor a
manter demasiado tempo uma ação cuja cotação esteja em queda ou a vender rapidamente
uma ação cuja cotação esteja a subir. Além disso, as escolhas de investimento são também
influenciadas, positiva ou negativamente, pela atitude em relação à riqueza.

Por isso, a finança comportamental parte do princípio de que, tendo em conta os


fatores psicológicos, é possível descobrir as ações cuja cotação não reflete corretamente
as perspetivas de lucro da empresa em questão. Ou porque os investidores estão
demasiado pessimistas e, consequentemente, há forte possibilidade da ação estar barata
e a sua compra ser interessante. Ou porque os investidores estão excessivamente
optimistas e, neste caso, é preferível vender a ação antes que se torne demasiado cara.

Fitch

A Fitch Ratings é uma das três maiores agências de notação do mundo, sendo uma
referência em matéria de obrigações.

Esta empresa atribui ratings aos emitentes de obrigações, ou seja, faz uma avaliação
da sua solvabilidade e qualidade dos empréstimos que colocam no mercado.

A empresa tem sede em Nova Iorque e Londres, mas pertence a um grupo com
quartel-general em Paris.

Ratings para a dívida de longo


prazo
“Investment grade” – Grau
investimento
AAA Crédito de melhor qualidade
AA Capacidade de cumprimento
muito forte
A Forte capacidade de
cumprimento
BBB Qualidade do emitente
adequada
“Junk bonds” - Grau especulativo
BB Sujeitos a algumas
incertezas
B Vulnerável ao não
pagamento
CCC Atualmente vulnerável
CC Muito vulnerável
C Incumprimento iminente
C/D Incumprimento

Os ratings de AA a B poderão incluir um sinal (+) ou (-).

Fluxo de caixa

Nas contas de uma empresa, o fluxo de caixa (em inglês, cash-flow) designa todas
as receitas em dinheiro diminuídas de todos os custos que deram origem à saída de fluxos
monetários. Corresponde ao saldo de todas as operações de caixa.

O cash-flow não tem em conta os encargos contabilísticos não monetários, como


sejam as amortizações, reduções de valor ou provisões. Outra forma de designar este termo
é o lucro líquido aumentado pelas amortizações, provisões, etc.

O fluxo de caixa dá uma ideia da capacidade da empresa gerar liquidez e, com isso,
poder investir sem recorrer ao endividamento.
Fluxo de caixa corrente

Nas contas de uma empresa, o fluxo de caixa (em inglês, cash-flow) designa todas as
receitas em dinheiro diminuídas de todos os custos que deram origem à saída de fluxos
monetários. Corresponde ao saldo de todas as operações de caixa. O cash-flow não tem
em conta os encargos contabilísticos não monetários, como sejam as amortizações,
reduções de valor ou provisões.

Podemos distinguir entre fluxo de caixa bruto (antes de impostos), fluxo de caixa líquido
(depois de impostos), ou ainda o fluxo de caixa corrente (não tem em conta os resultados
extraordinários).

Fluxo de caixa líquido

Nas contas de uma empresa, o fluxo de caixa (em inglês, cash-flow) designa todas as
receitas em dinheiro diminuídas de todos os custos que deram origem à saída de fluxos
monetários. Corresponde ao saldo de todas as operações de caixa. O cash-flow não tem
em conta os encargos contabilísticos não monetários, como sejam as amortizações,
reduções de valor ou provisões.

Podemos distinguir entre fluxo de caixa bruto (antes de impostos), fluxo de caixa
líquido (depois de impostos), ou ainda o fluxo de caixa corrente (não tem em conta os
resultados extraordinários).

Footsie 100 (FTSE 100)

O Footsie 100, ou FTSE 100 , é o principal índice da Bolsa de Londres.

Reflete a evolução de 100 grandes empresas britânicas.

Freddie Mac

Designação comum da agência norte-americana dedicada ao mercado do crédito


hipotecário, a Federal Home Loan Mortgage Corporation.

Free-float

O free-float de uma ação é a parcela de capital negociada em bolsa e que não se


encontra na posse dos acionistas de referência.

Fala-se de free-float quando se evoca a liquidez de uma ação. Quanto maior for a
liquidez de uma ação (medida nomeadamente pelo volume de transações diárias e pelo
free-float), mais investidores podem comprar/vender ações e provocar grandes oscilações
da cotação.

Frequência de cáculo

Regularidade com que é efetuado o cálculo do valor da unidade de participação.

Fundo de capitalização
Num fundo de capitalização, os rendimentos obtidos são de novo aplicados e as
unidades de participação (UP) tendem a aumentar de valor. Quem opta por aplicar num
fundo de capitalização, obtém a sua remuneração através da realização de mais-valias.
Compra as UP por um determinado preço, vendendo-as posteriormente mais caras, desde
que o fundo tenha obtido ganhos.
Independentemente de um fundo ser de capitalização ou de distribuição, os resultados
obtidos são teoricamente iguais.

Fundo de distribuição

Num fundo de distribuição, os participantes recebem periodicamente rendimentos. O


que se reflete no valor das unidades de participação: como há uma saída de dinheiro, o
preço cai pelo montante distribuído.

Exemplo: o fundo Alfa distribui mensalmente a totalidade dos ganhos obtidos. Desta
forma, todos os meses, após a distribuição dos rendimentos, o valor de cada UP volta aos
5 euros. Se por hipótese, o fundo pagou, num determinado mês, aos seus subscritores,
uma quantia de 0,02 euros por UP, de um valor de 5,02 euros, as UP desceram para 5
euros, imediatamente após a distribuição. Um subscritor, que tenha adquirido cada UP por
5 euros, obteve um rendimento unitário de 0,02 euros. Caso o fundo não tivesse procedido
à distribuição, o valor das UP ter-se-ia mantido nos 5,02 euros. Ou seja, realizando o
resgate, o investidor obteria, à mesma, um ganho de 0,02 euros por UP.

Independentemente de um fundo ser de capitalização ou de distribuição, os resultados


obtidos são teoricamente iguais.

Fundo de fundos

Os fundos de fundos não são uma categoria específica de fundos. Contudo, a


legislação atribui-lhes um estatuto à parte, definindo-os como uma modalidade especial de
fundos e impondo-lhes determinadas restrições.
Como os fundos de fundos são constituídos, exclusivamente, por unidades de
participação de outros fundos de investimento, embora também possam incluir aplicações
com alguma liquidez, a legislação pretende evitar abusos. Por outras palavras, quer impedir-
se que um fundo X compre unidades de participação do fundo Y e que, por seu turno,
adquira UP do Z, e por aí fora…

Essa prática seria altamente lesiva para o investidor pois levaria ao multiplicar de
comissões. Recorde-se que os subscritores têm de pagar as comissões do próprio fundo
de fundos e as relativas à gestão e depósito dos fundos em que este investe.

Assim, um fundo de fundos pode deter UP de outros fundos, mas nenhum desses
fundos detidos pode ele próprio ser um FF.

A principal vantagem dos FF consiste na maior facilidade de diversificação, tanto dos


títulos (ações, obrigações, outros fundos, etc.), como dos mercados ou regiões.

Muitos FF investem principalmente em fundos da própria sociedade gestora, os quais


o investidor poderia também subscrever facilmente. Assim, ao aplicar nesses FF sujeita-se
desnecessariamente a uma duplicação dos custos, com impacto negativo no rendimento e
sem grandes benefícios.

O subscritor de um fundo de fundos assume uma atitude demasiado passiva, quase


passando um "cheque em branco" à sociedade gestora, pelo que consideramos preferível
constituir uma carteira própria com diversos fundos.

Fundo de Garantia de Bolsa

O objetivo deste fundo é ressarcir o investidor por danos sofridos em consequência da


atuação dos intermediários financeiros.

O Carlos quer vender 100 ações do BES, mas o intermediário engana-se e vende 100
ações da EDP que o investidor também tinha em carteira. Caso o intermediário não corrija
a situação, devolvendo as ações da EDP e indemnizando eventuais prejuízos por não ter
vendido as do BES, o Carlos pode recorrer a este fundo.

Primeiro, deve reclamar junto do intermediário, num prazo de 30 dias, através de carta
registada com aviso de receção. Se, após dez dias, a situação não for resolvida, o investidor
deve comunicar de imediato todos os factos relevantes à comissão gestora do Fundo de
Garantia de Bolsa, que funciona junto da Euronext Lisboa (telefone: 217 900 000). A
situação será apreciada e, caso tenha razão, o investidor será indemnizado até 50 000
euros por reclamação. Num ano, as indemnizações não podem exceder 125 000 euros por
investidor.

Fundo de Garantia de Depósitos

Embora seja algo que raramente acontece, a falência de um banco é uma possibilidade
que não deve ser colocada de parte. Este fundo destina-se a garantir os depósitos.

Na década de 1990, deu-se por exemplo, a nível internacional, a falência do Barings e


uma grave crise económico-financeira que afetou significativamente a atividade bancária na
Argentina. Em 2007, a crise financeira atingiu o banco inglês Northern Rock e outros se
seguiram em várias regiões do mundo.
Para evitar repercussões prejudiciais para os investidores e economia em geral,
existem mecanismos que visam a salvaguarda do sistema financeiro. Em Portugal, trata-se
do Fundo de Garantia de Depósitos.

Imaginemos uma situação extrema: o seu banco tinha falido e, logicamente, não
poderia levantar o seu dinheiro. Nesse caso, poderia recorrer ao Fundo de Garantia de
Depósitos, tutelado pelo Banco de Portugal, que garante alguma proteção ao investidor e
permite que este seja, pelo menos, parcialmente reembolsado.

Este fundo caracteriza-se sobretudo por:

• Abranger todos os depósitos obtidos em Portugal ou noutro Estado comunitário, por


bancos sediados no nosso país;
• Garantir o reembolso até um valor máximo 100 000 euros por investidor;

• Incluir os juros até à data de indisponibilidade dos depósitos;

• Repartir em partes iguais os reembolsos respeitantes às contas coletivas (conjuntas,


solidárias ou mistas). Por exemplo, se um casal for titular de uma conta com 1000
euros, neste caso, cada um tem direito a receber 500 euros;

• Não abranger os depósitos constituídos em nome de fundos de investimento, fundos


de pensões ou noutras instituições de investimento coletivo.
Os depósitos em instituições bancárias de outros países comunitários também
beneficiam de um sistema semelhante nos países de origem, que até poderá ser mais
vantajoso.

Fundo de investimento

Um fundo é uma imensa carteira detida por inúmeros investidores que aplicam em
comum o seu dinheiro em ações, obrigações, etc.
O conjunto do seu património é gerido por uma equipa de especialistas, a sociedade
gestora, que pertence quase sempre a uma instituição financeira.

Cada investidor torna-se numa espécie de coproprietário de uma parte da carteira total
do OICVM. Esta carteira é normalmente composta por ações e/ou obrigações, mas uma
parcela pode também estar aplicada noutros produtos como os depósitos bancários.

Fundo de investimento imobiliário

Um fundo de investimento imobiliário é um organismo de investimento coletivo


dedicado ao setor imobiliário.

O dinheiro “recolhido” pelo fundo junto dos subscritores é investido em terrenos para
construção, escritórios, armazéns, habitações, etc.

Fundo especial de investimento (FEI)


Os fundos especiais de investimento (FEI) podem investir nos mesmos valores
mobiliários (ações, obrigações, depósitos, outros fundos, etc.) que os restantes fundos.
Contudo, os fundos "normais" são restringidos por um conjunto de regras e limites à política
de investimento que visam a diversificação da carteira e a diminuição do grau de risco. Nos
FEI estas regras prudenciais foram bastante aligeiradas. Existe considerável liberdade para
efetuar operações de empréstimo de valores mobiliários, utilizar instrumentos financeiros
derivados, incluindo derivados sobre mercadorias, ou mesmo fazer vendas a descoberto.

Mas a grande diferença dos FEI é a possibilidade de investirem noutros ativos


quaisquer desde que sejam bens duradouros e não sejam facilmente perecíveis. Apesar de
se excetuarem o investimento direto em imóveis e commodities (matérias-primas), o objeto
principal de investimento pode ser deixado completamente à "imaginação" da sociedade
gestora.

Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF)

O Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) foi criado em junho de 2010


para auxiliar os países da zona euro em dificuldades financeiras. O Fundo já interveio para
ajudar a Irlanda, Portugal e a Grécia.

O FEEF obtém dinheiro através da emissão de obrigações. Os membros da zona euro,


que são os “acionistas” do fundo, constituem o garante do pagamento dessa dívida, o que
permite financiamento a taxas de juro reduzidas. O dinheiro captado pelo fundo é depois
emprestado aos Estados-membros com taxas ligeiramente superiores.

Com o agravar das crise e a pressão do Fundo Monetário Internacional e do Banco


Central Europeu foi necessário alargar as competências do FEEF, nomeadamente a
compra de obrigações para fazer baixar os juros exigidos a vários países, como Espanha e
Itália. O fundo tem autorização para obter financiamento até 1 bilião de euros.
O FEEF é um mecanismo temporário e tem fim previsto para meados de 2013. Nessa
data deverá ser substituído pelo Mecanismo Europeu de Estabilização (MEE).

Fundo Monetário International (FMI)


O FMI é uma instituição das Nações Unidas criada para favorecer a implementação de
uma economia mundial mais sólida. A sede é em Washington e tem 183 Estados-membros.

O FMI ocupa um papel central no que diz respeito aos pagamentos internacionais e às
taxas de câmbio. Tem como objetivo prevenir crises sistémicas e incentivar os países a
adoptar políticas económicas sãs.

Como o nome indica, também é um fundo ao qual os Estados-membros podem


recorrer, caso necessitem de um financiamento temporário.

Fundo sectorial

Um fundo setorial investe em ações com base no facto das empresas pertencerem a
um determinado setor de atividade, e não consoante estejam cotadas numa dada bolsa ou
atuem numa dada região.

O investimento num fundo setorial deve ser feito no longo prazo, ser limitado a uma
pequena parte das poupanças ou no âmbito de uma carteira diversificada de fundos
setoriais.

Fundo-índice

Um fundo-índice investe exclusivamente nas ações que compõem um determinado


índice: PSI-20, DJ EuroStoxx 50, FTSE 100, etc.

É uma garantia de diversificação e um limite ao risco, mas é preciso não esquecer que
diversos fundos de ações, que não são fundos-índice, fazem uma gestão ativa e
conseguem, por vezes, superar os índices bolsistas.

Fundos abertos e fechados


Fundos abertos: destinam-se a todos os investidores a todo o tempo. Quer
subscrever? A sociedade gestora emite novas unidades de participação. Pretende
resgatar? As unidades de participação serão destruídas. A referência é o valor líquido da
unidade de participação.

Fundos fechados: não é possível adquirir unidades de participação a não ser que
exista alguém interessado em vender, pois o seu número é fixo (capital invariável). É a lei
da oferta e da procura que permite às partes encontrarem-se e fazer a transação.

Fundos com capital garantido

Um fundo diz-se de capital garantido quando assegura que o investidor vai recuperar
o capital na data de vencimento. Com efeito, apenas o valor inicial do investimento está
garantido (isto é, a quantia paga durante o período de subscrição) e na condição de ser
mantido até ao vencimento. Não obstante, há alguns fundos podem garantir apenas parte
do capital (exemplo: 90%).
O rendimento é limitado porque, para assumir a garantia, o fundo tem de privilegiar os
ativos mais defensivos. Outros fundos recorrem a complexos cálculos para determinar o
rendimento e funcionam de forma muito semelhante aos produtos complexos.

Fundos event-driven

A estratégia event-driven é utilizada por hedge funds para gerar rendimentos


positivos, independentemente do que se passa na bolsa. Mas é apenas uma “intenção”
porque nada garante que estes fundos não possam perder dinheiro.

Os fundos event-driven concentram-se em determinado acontecimento (“event” em


inglês) tentando tirar partido dessa situação. Esta estratégia será muito lucrativa se a
previsão da sociedade gestora se verificar, caso contrário, a penalização é imediata.

A principal estratégia event-driven é a da merger arbitrage. Tomemos como exemplo


a “batalha” pela aquisição do banco Alfa.
A sociedade gestora de um fundo event-driven poderia considerar que a cotação do
ABN irá aumentar e que o valor do possível comprador diminuirá proporcionalmente,
consoante o montante a pagar. Assim, o fundo compra as ações Alfa e vende,
simultaneamente, as ações do potencial comprador sem as possuir (chama-se a isto
posição curta ou short, na gíria financeira) na expectativa de as poder readquirir mais tarde
por um preço inferior. Se estas hipóteses se verificarem, a sociedade gestora registará um
duplo benefício ou, caso contrário, uma dupla perda!

Outra estratégia event-driven chama-se distressed securities e consiste em especular


sobre as empresas que atravessam graves problemas financeiros. Neste caso, a sociedade
gestora compra ações à espera uma recuperação rápida que faça subir a cotação em bolsa.

Por fim, pode também, através de obrigações de alto risco (junk bonds), apostar numa
possível melhoria da solvabilidade da empresa emitente para obter ganhos suplementares.

Em Portugal são comercializados vários fundos especiais de investimento (FEI) cuja


política de investimento passa pela compra de hedge funds. Estes FEI funcionam como
fundos de hedge funds e, por isso, é natural que nas suas carteiras também incluam fundos
com estratégias event-driven.

Fundos harmonizados

Um fundo diz-se harmonizado quando respeita um conjunto de leis europeias sobre


investimento.

Entre outros aspetos, estas diretivas impõem normas rigorosas de dispersão do


investimento e, consequentemente, do risco assumido pelos fundos. O respeito por estas
regras também lhes confere o denominado passaporte europeu, que lhes permite serem
comercializados livremente na União Europeia. Caso contrário, são denominados de não
harmonizados.

A grande maioria dos fundos comercializados em Portugal é harmonizada, incluindo


os sediados no estrangeiro. Como exceção existem os planos poupança-reforma e os
fundos especiais de investimento, que são regidos por regulamentação própria.
Fundos High Yield

A habitual definição de fundos High Yield indica aqueles que privilegiam a aposta em
obrigações emitidas por empresas cujo rating (“notação”) é baixo. Por outras palavras, trata-
se de empresas em que existe uma significativa probabilidade de incumprimento das
obrigações financeiras.

Assim, para se conseguirem financiar junto dos mercados, estas empresas têm de
oferecer taxas de juro mais elevadas (daí a designação High Yield ou elevado rendimento).
Mas como é evidente, o reverso da medalha é inevitável: alto risco.

Outra política de investimento adotada pelos fundos “Alto Risco” consiste na aquisição
de obrigações emitidas em países emergentes, nomeadamente dívida governamental.
Embora não sejam muitas vezes incluídos na definição mais tradicional de High Yield, o seu
perfil de risco é semelhante.

Nos fundos de obrigações emergentes, o risco de advém da incapacidade dos Estados


emitentes poderem falhar pagamentos de cupões ou mesmo entrar em falência. Nos casos
em que as obrigações estão expressas nas moedas locais, acresce também o risco de
depreciação dessas divisas e, consequentemente, do valor do fundo.

Fundos mistos

Um fundo misto não investe de forma exclusiva em ações ou obrigações, mas reparte
a sua carteira por ações, obrigações, depósitos e até outros fundos. Por norma, também
investem em vários países e divisas.
Podemos ainda classificar os fundos mistos da seguinte forma:

• Defensivos: dedicam a maior parte da carteira aos investimentos sem risco


(normalmente, menos de 30% do fundo está aplicado em ações).

• Neutros: repartem a carteira de forma mais ou menos equitativa entre ações e outro
tipo de aplicações menos arriscadas (obrigações, depósitos).
• Agressivos: atribuem um peso preponderante às ações que tendem a representar
mais de metade da carteira.

Fundos próprios

Trata-se da diferença entre o que a empresa tem e o que deve a terceiros em


determinado momento. No momento de constituição da empresa corresponde ao capital
social.

Ao longo do tempo, os fundos próprios são influenciados por vários fatores, como os
resultados obtidos pela empresa, as reavaliações do imobilizado, entre outros. Também se
designa como capital próprio ou situação líquida.

Fundos próprios tangíveis

Corresponde ao valor dos capitais próprios, considerando apenas os ativos reais.

Deste modo, exclui-se o goodwill.

Fungibilidade

Utiliza-se o termo fungível para designa os títulos de uma mesma categoria que
podem ser substituídos por outros.
Para as obrigações, diz-se que são fungíveis as diversas tranches de um mesmo
empréstimo e que são objeto de uma única cotação em bolsa.

Futuro

Um futuro é um produto financeiro derivado. Com efeito trata-se de um contrato a


prazo, na qual as duas partes acordam em comprar ou vender um determinado produto
numa data previamente definida.
Podem ser utilizados como instrumentos de especulação, mas também para a
cobertura de risco. Ao contrário das opções, obrigam as duas partes que concluíram o
acordo.
Os futuros são cotados em mercados separados.

G8

O G8, que significa o Grupo dos 8, teve o seu início em 1975 quando o presidente
francês, Giscard D'Estaing, convidou os líderes do Japão, Estados Unidos, Alemanha,
Reino Unido e Itália para Rambouillet, perto de Paris, para discutir os problemas
económicos da altura. O grupo expandiu-se posteriormente para incluir o Canadá em 1976
e a Rússia em 1998. Atualmente, o G8 também conta igualmente com a participação de
responsáveis da União Europeia.

Ao contrário de outras organizações internacionais, o G8 não tem uma estrutura fixa


nem uma administração permanente. O país que detém a presidência é que determina a
agenda e organiza uma cimeira anual. A presidência é rotativa e anual.

Gearing

É o rácio entre o endividamento da empresa (dívida financeira) e os seus capitais


próprios. Um gearing elevado é, em regra, um sinal de maior risco.

Globalização

Em teoria, quem pretende investir em bolsa mas limitando os riscos opta pelas ações
ditas defensivas. Contudo, na realidade essa estratégia é mais difícil de seguir,
nomeadamente com o fenómeno da globalização.

Com a globalização, cada empresa tem agora de enfrentar uma concorrência feroz,
tanto no mercado nacional como internacional. É cada vez mais difícil para uma empresa
dominar o seu mercado indefinidamente e obter uma rentabilidade constante, pelo que as
características defensivas de certas ações se tornaram menos evidentes.

Golden share
Este tipo de ações permite ao seu detentor ter direitos especiais na gestão da empresa,
como, por exemplo, o direito de veto. Usualmente, o Estado utiliza as golden shares para
manter algum controlo nas empresas privatizadas.

Goodwill

Quando uma empresa faz aquisições, paga um preço pelos ativos que pode não refletir
necessariamente o valor contabilístico da empresa adquirida. Deste modo, a empresa
compradora pode pagar um prémio devido à importância da marca, imagem emblemática,
carteira de clientes, perspetivas de crescimento, etc. Este acréscimo no preço designa-se
por goodwill.

A presença do goodwill no balanço de uma empresa é um fator que aumenta o risco.


Além disso, as empresas cotadas já não podem amortizar goodwill anualmente, devido à
entrada em vigor das novas normas de relato financeiro.

Green shoe

A propósito da entrada de uma empresa em bolsa, o prospeto faz, por vezes, menção
de uma opção green shoe.

Esta opção permite, durante um tempo determinado e segundo as modalidades


precisas, apresentar, após a introdução, um pacote suplementar de ações, no caso da
procura exceder a oferta de títulos.

A origem deste termo é a empresa Green Shoe Corporation que utilizou pela primeira
vez esta técnica.

H)

Hang Seng
O Hang Seng é o índice de referência da Bolsa de Hong Kong.
Hedge funds

Também conhecidos como fundos especulativos ou de gestão alternativa, os hedge


funds recorrem a estratégias de gestão muito variadas com o objetivo de obter rendimentos
positivos independentemente da evolução dos mercados.

O princípio do hedging pode ser definido como: comprar as ações que se espera vir a
subir, vendendo ao mesmo tempo as ações que se pensa irem baixa, ou uma postura de
neutralidade protegendo-se alternadamente contra as subidas e as descidas. Mas na
prática, muito poucos fundos são verdadeiramente neutros. Alguns conseguem resultados
bastante melhores que as bolsas, mas o inverso também é verdade.

Os hedge funds têm vários inconvenientes:

• Ausência de controlo e informação do investidor;

• Preponderância excessiva da capacidade e da honestidade do gestor;

• Falta de liquidez quando as bolsas atravessam momentos menos bons;

• Montantes mínimos elevados que limitam a diversificação.

Holding

Trata-se de uma empresa cuja atividade é deter participações em outras sociedades,


normalmente para determinar e controlar a sua gestão.

I)
IBEX 35

O IBEX 35 é o índice que reflete a evolução de 35 grandes ações da Bolsa de Madrid.

ICAE

Um Instrumento de Captação de Aforro Estruturado (ICAE) é, em regra, um produto


em forma de depósito ou obrigação de caixa, que promete ganhos elevados e pouco risco,
com prazo entre um e cinco anos.

Muitos ICAE apresentam uma rendibilidade que depende do comportamento de outros


instrumentos ou ativos subjacentes (índices bolsistas, valores mobiliários ou outros
instrumentos financeiros). Assim, designam-se por ICAE todos os produtos que combinam
as características de um produto clássico – bancário, segurador ou do mercado de valores
mobiliários – com as de outro instrumento.

Todavia, a diversidade destes produtos é enorme e o nível de risco exige uma


avaliação caso a caso.
In the money
Um call warrant in the money é um warrant no qual o preço de exercício é inferior à
cotação em bolsa do ativo subjacente.

Este conceito opõe-se a out of the money, quando o preço de exercício é superior ao
valor em bolsa do ativo subjacente.

Indicador de desempenho

O indicador de desempenho é elaborado pela PROTESTE INVESTE para classificar


a qualidade de gestão dos fundos com base em três critérios: rendimento, risco e
consistência dos resultados durante os últimos cinco anos.

Um valor elevado do indicador significa que a gestora do fundo tem conseguido, de


forma consistente, uma performance superior à do mercado onde o fundo aplica.
Este indicador é representado sob a forma de ”estrelas“ (mais estrelas = melhor
desempenho) e só é atribuído para os fundos com, pelo menos, cinco anos de existência.

Indicador de risco

O indicador de risco de uma ação utilizado pela PROTESTE INVESTE é


representado por um determinado número de 1 a 5.

Quanto maior o número, maior é o risco associado à ação. Este indicador considera a
amplitude das flutuações da cotação (volatilidade), bem como o risco ligado à situação
financeira e ao setor onde atua a empresa.

Inflação

A inflação é uma noção, geralmente, expressa em percentagem e que traduz a subida


média do nível de preços.

Normalmente, compara-se o nível de preços com o registado 12 meses antes. Por


exemplo, diz-se que a inflação atingiu 1% num dado mês, se os preços forem 1% superiores
aos verificados no mesmo mês do ano anterior. Contudo, a inflação pode ser medida de
várias formas.

À inflação opõe-se a deflação.

InLine warrant

Os InLine warrants (IW) têm duas barreiras predefinidas: uma inferior e uma superior.
Estas estabelecem um chamado intervalo (corredor) do IW. Na maturidade, o investidor
receberá um valor máximo de 1 euro se o preço do ativo subjacente não atingir ou
ultrapassar as barreiras. Se tal acontecer, este tipo de warrant extingue-se e perde-se todo
o dinheiro investido.
Logo, os IW destinam-se àqueles que querem “apostar” não numa subida ou descida,
mas antes na estabilidade do valor do ativo subjacente até à data de maturidade. Assim, ao
invés dos restantes warrants , a aproximação da maturidade aumenta o valor do IW.

Institucionais

Denominam-se de investidores institucionais todos aqueles que não são


particulares. Ou seja, são as entidades que a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários
(CMVM) considera que possuem competências e experiência suficientes para investir em
valores mobiliários.

Trata-se essencialmente de bancos, empresas de seguros e de investimentos, fundos


de pensões, sociedades de capital de risco, etc.

Alguns investimentos, com elevados valores mínimos de subscrição são, de facto,


reservados aos investidores institucionais.

Instituições de crédito

As instituições de crédito são empresas cuja atividade consiste em receber do


público depósitos ou outros fundos reembolsáveis para os aplicarem por conta própria
através da concessão de crédito.

Tratam-se de bancos, caixas económicas, Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo,


caixas de crédito agrícola mútuo, sociedades de investimento, sociedades de locação
financeira, sociedades de factoring, sociedades financeiras para aquisição a crédito,
sociedades de garantia mútua, instituições de moeda eletrónica e outras empresas
qualificadas como tal pela lei.

Instrumentos financeiros

Esta expressão designa valores mobiliários (ações, obrigações) e instrumentos


financeiros derivados (futuros, opções).
Integração vertical e horizontal

Denomina-se de integração vertical quando se pretende fazer referência a uma


empresa que incorpora todos os processo de produção dos seus produtos, de a a z. Pode,
por exemplo, produzir ela própria as suas matérias-primas ou controlar as empresas que
utilizam ou vendem os seus produtos.

Chama-se integração horizontal quando uma gama bastante extensa de bens e


serviços são produzidos a partir de uma base comum.

Intermediário financeiro

Um intermediário financeiro é uma empresa que presta serviços a investidores ou


outras empresas no âmbito dos mercados de valores mobiliários.

International Depositary Receipts (IDR)

Para um certo número de ações estrangeiras, existem títulos especiais, previstos para
serem negociados numa bolsa distinta da do país de origem: são os International
Depositary Receipts (IDR).

Entre os mais importantes, encontramos os ADR (American Depositary Receipts) nos


Estados Unidos.

Investimento mínimo (compras posteriores) em fundos

Certos fundos permitem que sejam feitos reforços com montantes diferentes do exigido
inicialmente.

IPO

IPO é uma sigla que significa Initial Public Offering.


Por outras palavras, designa a introdução em bolsa de uma empresa (primeira oferta
pública de ações aos investidores).
Em português designa-se como oferta pública de distribuição.

ISIN

ISIN é a sigla para International Standards Identification Number.


O código ISIN é o número de identificação internacional atribuído às ações e outros
títulos para facilitar as transações bolsistas. É útil, sobretudo, quando se transmitem ordem
sobre empresas menos conhecidas.

Trata-se de um código alfanumérico de 12 caracteres, sendo que os 2 primeiros


identificam o país no qual o título foi emitido.

O código é atribuído pela ISO (International Standards Organisation).

Os sítios na Internet das diferentes bolsas costumam incluir normalmente os códigos


ISIN para os diversos títulos cotados.

Como informação complementar apresentamos a lista de códigos dos países mais


importantes:

DE Alemanha
AU Austrália
AT Áustria
BE Bélgica
BR Brasil
CA Canadá
CN China, excepto Formosa
DK Dinamarca
ES Espanha
US Estados Unidos
FI Finlândia
FR França
GR Grécia
HK Hong Kong
IT Itália
JP Japão
LU Luxemburgo
MX México
NO Noruega
NL Holanda
PL Polónia
PT Portugal
GB Reino Unido
RU Rússia
SE Suécia
CH Suíça

ISM

ISM é a abreviatura de Institute for Supply Management, instituição que publica


diversos indicadores.

O indicador mais conhecido é o que reflete as intenções futuras dos diretores de


compras no setor industrial e dos serviços nos Estados Unidos. Este indicador permite
observar em que medida as empresas deverão investir no setor. Quando está acima dos
50 pontos, prevê-se um aumento das encomendas (e, consequentemente, da atividade no
setor). Abaixo dessa fasquia, indica uma contração.

NAPM é a abreviatura de National Association of Purchasing Management, a anterior


designação desta instituição.

ISSO

Na gíria financeira, as divisas são muitas vezes referidas pelo seu código ISO
(International Standards Organisation). Trata-se de um código standard internacional do
qual apresentamos alguns exemplos:
AUD (dólar australiano)
CAD (dólar canadiano)
CHF (franco suíço)
CZK (coroa checa)
DKK (coroa dinamarquesa)
EUR (euro)
GBP (libra esterlina)
JPY (iene japonês)
NOK (coroa norueguesa)
NZD (dólar neozelandês)
SEK (coroa sueca)
SKK (coroa eslovaca)
USD (dólar norte-americano)
ZAR (rand sul-africano)

A mesma organização atribui igualmente às ações o código internacional de


identificação ISIN.

IT

O termo IT é a abreviatura da expressão inglesa Information Technology e designa


tudo o que diz respeito à "alta" tecnologia de informação, ou seja, à informática, Internet,
etc.

Í)

Índice bolsista

Um índice bolsista é um valor que traduz a tendência geral de um determinado


conjunto de títulos, nomeadamente, ações (por país, região, setor), através de um média
das subidas e das descidas.
O valor do índice é relativo. Parte-se, por exemplo, de uma base de 100. A progressão
do índice traduz-se pela evolução do valor face ao momento inicial. Um índice que tenha
começado em 100 e atinja 200 num dado período significa que, em média, as ações que o
compõem duplicaram de valor durante esse espaço de tempo. Os investidores particulares
referem-se, em regra, somente aos índices mais correntes. Contudo, o número de índice
existente é extremamente elevado.

Entre os índices mais comuns podemos referir: PSI-20, Dow Jones, DJ Euro Stoxx 50,
S&P 500, Nikkei, FTSE 100.

Índice de preços

Um índice de preços (price index) é um índice bolsista que não considera os


dividendos distribuídos pelas ações que o compõem, mas apenas a evolução das cotações.
Opõe-se aos índices de rendimento que incluem o efeito dos dividendos.

Índice de rendimento

Denomina-se de índice de rendimento ao índice de bolsa que tem em conta a


evolução das cotações e os dividendos distribuídos pelas ações que o compõem. Estes
índices representam o ganho médio do investidor que a aposte na bolsa em causa.

Opõe-se ao índice de preços que considera as cotações mas não os dividendos.

Índice de Sharpe

O índice de Sharpe pondera a rentabilidade pelo risco do fundo.

O índice é obtido deduzindo ao rendimento uma taxa de juro sem risco. Esta diferença
é, em seguida, dividida pela volatilidade do fundo.

Quanto mais elevado for o índice, mais interessante será o fundo para o investidor.
Se nenhum valor foi mencionado para este rácio é porque o fundo existe há menos de
cinco anos ou o rácio é negativo e, por isso, inutilizável.

Índice ético

O crescente interesse pelos investimentos éticos deu origem a vários índices éticos,
que refletem a cotação de ações de empresas consideradas "sustentáveis". Alguns
exemplos: Calvert Social Index, Domini Social Index, Dow Jones Sustainability Indexes,
FTSE4good.

Atualmente, os estudos realizados demonstram que o desempenho dos fundos que


investem de forma ética é muito semelhante ao dos fundos clássicos.

Índice ponderado

Um índice ponderado é um índice no qual cada título (ação, por exemplo) influencia
o índice em função do seu peso na bolsa.
Se um índice for composto unicamente pelas ações A e B, o valor do índice será
calculado tendo em conta as cotações das duas ações e o número de ações emitidas pelas
duas sociedades. Se a empresa A representa 10 000 ações, cada um acotada a 50 euros,
e a empresa B emitiu 20 000 ações à cotação de 100 euros por ação, o valor índice –
correspondente a um determinado número de pontos – será medido da seguinte forma:

(10 000 x 50 + 20 000 x 100) : 30 000 = 83,33

O S&P 500, o Nasdaq, tal como a maioria dos índices são ponderados em função da
capitalização bolsista. O seu nível é calculado com base na cotação de todas as ações
incluídas no índice, bem como da sua quantidade. Ao invés, o Dow Jones e o Nikkei são
exemplos de índices em que esta ponderação não existe.
J)

Joint-venture

Forma de aliança entre duas ou mais empresas juridicamente independentes que


colocam em comum um conjunto de recursos para a entrada em projetos de grande
envergadura.

É uma opção eficaz quanto à partilha do risco.

Junk bond

Pode-se traduzir junk bond aproximadamente como "obrigação de lixo".

É o nome atribuído às obrigações cujo rating (notação) foi seriamente revisto em baixa
e que não beneficiam de garantias suficientes no que diz respeito ao pagamento de juros e
ao reembolso do capital.

Juros corridos

Para cada obrigação negociada antes da maturidade, o comprador deve pagar ao


vendedor os juros corridos entre a data do cupão precedente e a data da transação. O
comprador receberá o cupão seguinte por inteiro, de forma que recupera os juros corridos
pagos ao vendedor. O intermediário financeiro encarrega-se do cálculo exato do montante
que o comprador tem de desembolsar.

L)

Large caps
Denominam-se de large caps ou big caps, as ações que possuem uma elevada
capitalização bolsista. É entre elas que se encontram as blue chips, isto é, as ações que
detêm uma maior notoriedade.

Às large caps ou big caps opõem-se as small caps, os títulos com pequenas
capitalizações. Entre os dois grupos, encontram-se as mid caps.

Libor

Abreviatura de London Interbank Offered Rate, a Libor é a taxa de base utilizada para
empréstimos entre alguns bancos de Londres.

A Libor é fixada todos os dias úteis, às 11 horas, pela British Bankers Association
(BBA), o organismo que gere a taxa. Para tal, a BBA baseia-se na média das taxas
aplicadas por vários bancos sediados em Londres face a outros bancos.

A taxa Libor é calculada para várias divisas, como o dólar, o iene, a coroa
dinamarquesa, o franco suíço e a libra esterlina, bem como por diversos períodos de tempo
(1 dia, 1 semana, 2 semanas, 1 mês, 2 meses e, assim sucessivamente, até 12 meses).

Linha de negócio

As ordens de bolsa podem ser fracionadas em vários negócios (por exemplo, uma
ordem de compra que tenha de recorrer a dois ou mais vendedores).

Esta situação ocorre nomeadamente em ações com menor liquidez (pouco


transacionadas) e/ou em ordens de montantes mais elevados.

Liquidação financeira
A liquidação financeira corresponde à altura em que o dinheiro é retirado da conta
para pagar os títulos.

Em Portugal, na compra de ações em bolsa, a data de liquidação financeira ocorre em


três dias úteis (considerando dias úteis os dias em que a bolsa está aberta) após a compra.
Se, por exemplo, adquirimos ações numa segunda-feira, o dinheiro ser-nos-á retirado da
conta na quinta-feira. No caso de operações especiais de bolsa (como uma oferta pública
de venda), a data de liquidação está definida no prospeto.

Liquidez

De um ponto de vista estrito, o termo liquidez designa o dinheiro que dispomos sob a
forma de notas e moedas. Tendo em conta a facilidade de dispor dos depósitos à ordem
bancários, também os incluímos atualmente no termo liquidez.

Num sentido mais lato, representa a facilidade de conversão de um investimento


(ações, depósitos, imóveis) em dinheiro, de uma forma rápida e sem que isso implique uma
perda do valor significativa.
Falamos igualmente em liquidez para medir a facilidade, maior ou menor, com que um
título pode ser vendido. Existem ações mais líquidas do que outras. Porém, por exemplo,
uma ação cotada terá à partida maior liquidez do que um imóvel.

Livro bege

O Livro bege é um importante indicador da economia americana. Tal como o índice


IFO na Alemanha ou o barómetro conjuntural do Banco Nacional da Bélgica, trata-se de
uma espécie de barómetro do estado de saúde da economia.

Este relatório, publicado oito vezes por ano, assenta sobre dados dos departamentos
regionais da Reserva Federal, que recolhem informações sobre a situação económica do
respetivo distrito. A recolha é feita através de entrevistas com pessoas que ocupam cargos
importantes no mundo dos negócios.
O Livro bege reúne as informações por distrito e por setor, e aborda os seguintes
temas: despesas de consumo, indústria transformadora, construção e imobiliário,
agricultura, indústria de matérias-primas, mercado de trabalho, evolução dos salários e dos
preços, e setor financeiro.

Lock up

As ações que incluem um lock-up não poderão ser negociadas antes de uma data
fixada no momento da sua emissão.

Em Portugal, esse mecanismo foi utilizado pelo Estado em alguns processos de


privatização. Uma tranche das ações, normalmente designada por “pequenos investidores”,
não poderia ser vendida antes de 6 meses após a admissão à negociação. Naturalmente,
essa tranche beneficiava de um desconto face às restantes ações (normalmente, 5%).

Longo prazo

Investir a longo prazo significa aplicar por um horizonte temporal alargado, mas é uma
noção relativa. No âmbito dos conselhos emitidos pela PROTESTE INVESTE, considera-
se que longo prazo implica, no mínimo, 5 anos e, idealmente, 8 a 10 anos.

Optar por um produto financeiro aconselhado para o longo prazo passa, sobretudo,
por ter a certeza de que o dinheiro aplicado não será necessário durante esse espaço de
tempo. Contudo, esta premissa não invalida, em certos casos, que o investimento seja bem
remunerado a curto ou médio prazo.

M)

Mais-valia

Vender um título com uma mais-valia é, simplesmente, vendê-lo com lucro, isto é,
vendendo por um valor superior ao que foi pago no momento da compra.

Mais-valias líquidas
Em sede de IRS, a noção de mais-valias líquidas corresponde à diferença entre o
total das mais-valias e das menos-valias obtidas na negociação de ações.

Management buy-out e management buy-in

Como se fala cada vez mais em aquisições de empresas por fundos de private equity,
torna-se frequente recorrer às expressões management buy-out e management buy-in.

Por um lado, o buy-out consiste na aquisição – financiada através da dívida – de uma


empresa pela administração atual, eventualmente com a ajuda de um investidor externo.

Por outro, o buy-in trata-se da aquisição – igualmente financiada pela dívida – de uma
empresa por um investidor externo, com uma nova direção também externa.

Margem bruta

A margem bruta (gross margin) corresponde ao lucro bruto (antes de impostos)


dividido pelo volume de negócios.

Esta margem indica até que ponto uma empresa é rentável do ponto de vista
fundamental.

Margem de exploração

A margem de exploração determina-se dividindo o resultado operacional pelo volume


de negócios e multiplicando por cem.

Margem EBITDA

Equivale ao EBITDA dividido pelo volume de negócios.


É um indicador, expresso em percentagem, que permite medir a rentabilidade
operacional antes de amortizações e provisões de uma empresa num determinado período.
Margem financeira

Margem financeira é o termo utilizado na análise dos bancos e que resulta da


diferença entre os juros cobrados pelos créditos concedidos (calculados através da taxa de
juro ativa) e os juros pagos aos aforradores pelos montantes que estes confiam aos bancos
(calculados através da taxa de juro passiva).

Margem líquida

A margem líquida (net margin ou net profit margin ) corresponde ao lucro líquido
dividido pelo volume de negócios.

Quanto mais elevada for, mais eficiente é a empresa a transformar as suas receitas
(volume de negócios) em lucros (bom controlo de custos).

Margem operacional

Expressa em percentagem, a margem operacional determina-se dividindo o resultado


operacional pelo volume de negócios e multiplicando por cem.

É um indicador que permite medir a rentabilidade operacional de uma empresa num


determinado período.

Maturidade

A maturidade ou data de maturidade é o período ou momento durante o qual ou até


ao qual o direito contido num determinado instrumento financeiro pode ser exercido ou é
válido. O termo utiliza-se não só para referir uma data concreta (data de maturidade) mas
também um período de tempo e é usado, por exemplo, para warrants autónomos, opções,
futuros e obrigações.

Nas obrigações, a data de maturidade é a data prevista para o reembolso do capital.


Média ponderada

Em bolsa, quando falamos em média ponderada, estamos a calcular, para um


determinado período, a média das cotações de um determinado título ponderada pelo
número de ações transacionadas.

Assim, um dia em que a ação tenha transacionado mais irá ter um maior peso do que
um dia com menos liquidez, refletindo de forma mais precisa o valor médio do título ao longo
do período.

Menos-valia

Vender uma participação com uma menos-valia é, simplesmente, vendê-la com


prejuízo, isto é, vendendo por um valor inferior ao que está contabilizado.

Mercado eficiente

A teoria do mercado eficiente afirma que todas as cotações estão sempre corretas,
partindo do princípio que as informações estão disponíveis e que o mercado está ao
corrente das perspetivas futuras da empresa e as suas implicações.

Contudo, consideramos que a realidade é diferente e que uma avaliação precisa das
empresas permite descobrir boas oportunidades de investimento.

Mercado monetário interbancário

Mercado onde os bancos pedem crédito ou emprestam dinheiro entre si, consoante as
necessidades.

Mercado primário
Denomina-se de mercado primário à oferta de novas emissões de obrigações ou a
introdução em bolsa de empresas, por oposição ao mercado secundário, que diz respeito à
compra e venda em bolsa de títulos existentes.

Mercado secundário

Denomina-se de mercado secundário, o mercado de títulos que trata da compra e


venda em bolsa de ações, obrigações já existentes.
Opõe-se ao mercado primário que se destina à oferta de novas emissões.

MIB 30

O MIB 30 é índice da Bolsa de Milão.

Reflete a evolução de 30 grandes ações italianas.

Mid caps

Denominam-se de mid caps as ações com uma capitalização bolsista média.

Opõem-se às small caps (pequenas capitalizações) e às big caps ou large caps


(grandes capitalizações).

MiFID

Em inglês, MiFID é a sigla para Markets in Financial Instruments Directive, ou seja,


Directiva relativa aos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF).

Montante mínimo

O montante mínimo é o valor necessário para subscrever o fundo pela primeira vez.
Por norma, corresponde a uma quantia expressa em euros, mas pode ser definido noutra
moeda ou representar um determinado número de unidades de participação.
Moody's

A Moody's Investor Service é uma das três maiores agências de notação do mundo,
sendo uma referência em matéria de obrigações.
Esta empresa atribui ratings aos emitentes de obrigações, ou seja, faz uma avaliação
da sua solvabilidade e da qualidade dos empréstimos que colocam no mercado.

A empresa pertence à Moody's Corporation cotada na bolsa de Nova Iorque.

Ratings para a dívida de longo


prazo
“Investment grade” – Grau
investimento
Aaa Crédito de melhor qualidade
Aa Capacidade de cumprimento
muito forte
A Forte capacidade de
cumprimento
Baa Qualidade do emitente
adequada
“Junk bonds” - Grau especulativo
Ba Sujeitos a algumas incertezas
B Vulnerável ao não pagamento
Caa Atualmente vulnerável
Ca Muito vulnerável
Ca Incumprimento iminente
C Incumprimento

Os ratings de Aa a Caa incluem um valor de 1, 2 ou 3.

Moratória
Trata-se do adiamento do prazo do pagamento de uma dívida, concedido pelo credor
ao devedor.

Morgan Stanley

A Morgan Stanley é uma empresa ativa no setor financeiro e onde as recomendações


sobre empresas são frequentemente fonte de referência.

Além disso, a Morgan Stanley calcula índices bolsistas, sendo que o mais conhecido
reflete a evolução dos mercados a nível mundial.

N)

NAFTA

NAFTA é uma abreviatura que designa North American Free Trade Agreement , ou
seja, Acordo de Comércio Livre da América do Norte.

Trata-se de um acordo comercial entre o Canadá, os Estados Unidos e o México.

NAIRU

NAIRU é a abreviatura de Non Accelerating Inflation of Rate Unemployment, ou seja,


a taxa de desemprego que não “acelera” a inflação. Por outras palavras, a taxa de
desemprego “natural” que permite um equilíbrio no mercado de trabalho ao nível dos
salários reais.

Quando a taxa de desemprego diminui e se aproxima da NAIRU, surgem sinais de


sobreaquecimento económico (escassez de mão-de-obra, aumento do preço das
habitações) e o ritmo de crescimento da economia deverá abrandar.

NASDAQ
NASDAQ é a sigla de North American Security Dealers Automated Quotation.

O NASDAQ é um mercado eletrónico dedicado às ações de crescimento, que não


satisfazem as condições requeridas por outros mercados. Este mercado tende a ser mais
especulativo e as comissões praticadas superiores.

NASDAQ 100

O NASDAQ 100 é o índice bolsista que reflete a evolução das 100 maiores empresas
do mercado americano para as ações de crescimento, o NASDAQ.

NASDAQ Composite

O NASDAQ Composite é um índice bolsista que reflete a evolução do mercado


americano vocacionado para as empresas de crescimento.
Ao contrário do NASDAQ 100 que reflete a evolução de uma seleção dos 100 maiores
títulos cotados no NASDAQ, o NASDAQ Composite reflete a evolução de todo o mercado,
ou seja mais de 4000 títulos cotados.

Necessidades em fundo de maneio

As necessidades em fundo de maneio resultam da diferença entre as necessidades


cíclicas de uma empresa (existências, clientes, adiantamento a fornecedores) e os recursos
cíclicos à sua disposição (fornecedores, adiantamento de clientes).
Negociação em contínuo

A Euronext é composta por dois sistemas de negociação diferentes: a negociação em


contínuo e a negociação por chamada.

Fala-se em negociação em contínuo quando as ofertas de compra e de venda são


“casadas” a todo o momento, permitindo a realização imediata do negócio e a determinação
de preços. A negociação em contínuo na Euronext Lisboa decorre das 8:00 até às 16:30.

Negociação por chamada


A Euronext é composta por dois sistemas de negociação diferentes: a negociação em
contínuo e a negociação por chamada.

Fala-se em negociação por chamada quando as ofertas de compra e de venda


apenas são objeto de tratamento conjunto em um ou mais momentos pré-determinados da
sessão de bolsa.

Next 150

O Next 150 é o índice que reflete a evolução de 150 ações da Euronext.

As 100 maiores empresas por capitalização bolsista formam o índice Euronext 100.

As 150 seguintes (pequenas e médias capitalizações) formam o Next 150.

Next economy

O Next Economy é o índice que reflete a evolução de um determinado número de


ações cotadas na Euronext, mais precisamente de empresas ativas no domínio das novas
tecnologias.

A integração de uma empresa neste índice é garantia de uma transparência financeira


que satisfaz as exigências da Euronext.

Next Prime

O Next Prime é o índice que reflete a evolução de um determinado número de ações


cotadas na Euronext, mais precisamente as pequenas e médias empresas de setores
económicos mais tradicionais.

A integração de uma empresa neste índice é garantia de uma transparência financeira


que satisfaz as exigências da Euronext.
Nikkei

O Nikkei é o índice de referência da Bolsa de Tóquio.

Reflete a evolução de 225 grandes empresas japonesas.

Nível de stocks

Os stocks são os excedentes de produção que não foram consumidos. Tanto podem
aumentar como diminuir, sendo importantes porque dão uma indicação aos investidores
sobre o nível esperado do crescimento económico de um país.
Quando o nível dos stocks é muito baixo, é provável que aumente no futuro próximo.
As empresas não produzirão apenas para responder às necessidades imediatas, mas
também para repor os stocks, o que sustentará o PIB e gerará também algum crescimento
económico.

Quando o nível de stocks muito elevado, é natural que diminua. A redução dos stocks
permitirá responder a uma parte da procura, mas significa também que as empresas
produzirão menos, o que é negativo em termos de atividade económica.

Em ambos os casos, o impacto dos stocks pode ser muito importante. Mas estimar
com precisão a dimensão do efeito dos stocks não é fácil, uma vez que estes são, por
definição, muito voláteis e frequentemente reservam surpresas.

Por vezes, suavizam os movimentos cíclicos permitindo compensar uma subida ou


uma redução da procura. Outras vezes, ampliam-nos porque o abrandamento ou o aumento
esperado da procura é acompanhado de uma redução ou subida preventiva dos stocks.

Notação

Chama-se notação à avaliação estabelecida por agências (Moody’s, Standard &


Poor's e Fitch) encarregues de estudar, analisar e acompanhar a solvabilidade de empresas
ou Estados. Reflete a sua capacidade futura de cumprir com o pagamento de juros e dos
re-embolsos referentes às dívidas que contraíram.

A notação é designada também pelo termo inglês rating.

Número de acções

Conhecer o número de ações de uma empresa permite relativizar os valores


divulgados (lucros, vendas…) e obter, por exemplo, o lucro por ação ou a influência de uma
determinada operação (aumento de capital…) na cotação da ação. Além disso, facilita a
comparação entre diferentes ações.

Para determinar o lucro por ação, a PROTESTE INVESTE considera as ações


efectivamente em circulação, excluindo os títulos na posse da própria empresa.

NYSE

NYSE é a sigla para New York Stock Exchange, ou seja, da Bolsa de Nova Iorque,
situada em Wall Street, designação pela qual também é conhecida.

O)

Obrigação convertível

Uma obrigação convertível oferece a possibilidade de trocar as obrigações contra as


ações da empresa emitente, segundo condições estabelecidas à partida.

Este título é tanto mais interessante quanto a ação em questão for mais promissora e
o preço da obrigação não for demasiado caro face à cotação da ação.

Obrigação de cupão zero


As obrigações de cupão zero são obrigações que não distribuem cupões (sem
rendimento anual) e que não anunciam qualquer taxa.

Para oferecerem rendimento, são emitidas abaixo de 100%, mas reembolsadas a


100%, ou reembolsadas a 150% mas emitidas a 100%. O rendimento não advém do juro
mas da mais-valia.

Obrigação do tesouro

Em Portugal, as Obrigações do Tesouro (OT) são a forma mais comum da dívida


pública (emitida pelo Estado). O valor nominal destes títulos é de 1 cêntimo. Os investidores
particulares podem adquirir OT em bolsa.

Obrigação perpétua

Uma obrigação perpétua é uma obrigação sem data de vencimento prevista. Por isso,
o emitente não é obrigado a reembolsar o capital num momento específico, mas unicamente
a pagar os juros anuais.

A obrigação perpétua pode ser atrativa se a taxa for elevada, mas o investidor, que
pretenda recuperar o seu capital, tem de vender a obrigação em bolsa à cotação da altura,
o que dependerá da diferença entre o nível das taxas do momento e da taxa da sua
obrigação.

Em geral, estas obrigações não são interessantes para o investidor particular.

Obrigações subordinadas

As obrigações subordinadas são as reembolsadas em último lugar em caso de


falência do emitente.

Dessa forma, apresentam um risco acrescido e, por isso, oferecem normalmente uma
remuneração ligeiramente superior. Só são recomendadas quando a solvabilidade dos
emitentes é bastante elevada.
OCDE

OCDE é a sigla para Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico.


Esta organização publica regularmente indicadores económicos, estatísticas e estudos
muito utilizados para as análises e previsões macroeconómicas.

Em 1947, surgiu a Organização para a Cooperação Económica Europeia (OCEE), com


o apoio dos Estados Unidos e do Canadá, para coordenar o Plano Marshall destinado à
reconstrução da Europa após a II Guerra Mundial. Alguns anos mais tarde, em 1961, a
necessidade de criar uma congénere económica da NATO, levou à transformação da OCEE
na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, a OCDE.

A OCDE tem como missão auxiliar os governos na prossecução de um crescimento


económico sustentado e na melhoria dos níveis de vida dos seus cidadãos. Atualmente, os
objetivos passam sobretudo pela conjugação de esforços para lidar com os desafios
económicos, sociais e ambientais derivados da globalização da economia mundial.
Contudo, ao contrário do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional, a OCDE não
empresta dinheiro aos países.
Os membros da OCDE são essencialmente países da Europa Ocidental e Central
(incluindo Portugal), outras economias desenvolvidas (EUA, Japão, Austrália, etc.), mas
também o México, a Coreia e a Turquia. Em teoria, a admissão na OCDE é apenas limitada
pelo empenhamento do país em manter uma economia de mercado e uma democracia
plura