Você está na página 1de 32

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO

- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO -

Fátima Trindade
Técnica Superior de Educação Especial e Reabilitação
Terapeuta Familiar e de Casal
Doutoranda em Psicologia da Educação

Simpósio Internacional
Perturbações Específicas da Aprendizagem
Évora, 25.1.2019
Índice

• Introdução: o que sabemos... sobre Leitura e Fluência de Leitura Oral (FLO)

• A Leitura e o Contexto Educativo atual

• Práticas de Avaliação e Monitorização da FLO

• Leitores em desenvolvimento:”Ginasticando a FLO”

• Conclusões

• Dúvidas e partilha...
O que sabemos... sobre Leitura e Fluência de Leitura Oral

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
O que sabemos... sobre Leitura

Gonçalves, (2002);
Processo complexo que decorre no tempo e no qual surgem
Pereira, (2011); Viana,
(2007) dificuldades.

Smith (2003) Decorre no tempo e não é instantâneo.

Martins (2000) e Ribeiro


Alicerçado na linguagem.
e Batista (2006)

Lau (2006) Processo neuro-cognitivo especializado.

Shaywitz (2006) Processo não inato.

Carvalho (2011) Envolve treino e esforço.

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
O que sabemos... sobre Leitura

“(…) Conhecer o conjunto das letras, discriminá-las. Conhecer o seu


Metas valor fonológico, o que a vai ajudar nas suas tentativas de
Curriculares decodificação, já que o fonema é abstrato, e dizer que o segmento
(2012) fónico é a única maneira possível e a mais aproximativa de “dizer” o
fonema (…).”

“(…) Ler também é compreender textos. Assim, temos tarefas


diferenciadas tendo em conta os diversos tipos de textos, que
Morais, J. incidem, nomeadamente, sobre habilidades que condicionam a
(2012) compreensão, como o conhecimento de vocabulário, o
conhecimento sintático e morfológico e, ainda, a fluência na leitura
(…).”

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
O que dizem os professores...

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
O que dizem os professores...

• Diferentes “Olhares” (conceções)

• Diferentes Práticas e Expetativas

• Diferentes Necessidades de Formação

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
O que sabemos... sobre Fluência de Leitura Oral (FLO)

• medida relevante: avaliação e monitorização da evolução na aprendizagem da


Leitura (Adams, 1990; DGE, 2012; Fuchs et al, 2001; National Reading Panel, 2000; Zutell &
Rasinski, 2001);

• indicador da competência básica em leitura (Fernandes, Simões, Querido e Verhaeghe,


2015);

• elo de ligação entre as competências iniciais necessárias à aprendizagem da leitura


e à compreensão leitora (Pikulski & Chard, 2005; Rasinnski, 2009);

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
O que sabemos... sobre Fluência de Leitura Oral (FLO)

• A definição da FLO não é consensual na comunidade científica.

(Schwanenflugel, P. & Ruston, H., 2003)


INDICADORES DA
FLUÊNCIA DE
(Trindade et al, 2018)
•Descodificar as palavras de
LEITURA ORAL Velocidade uma rápida, automática e sem
esforço.

•Reconhecer corretamente as
Precisão palavras.

•Ler com expressividade,


Prosódia utilizando entoação, volume e
ritmo adequados.

(Shaywitz, 2006 ; Esteves & Cruz, 2008)

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
Contexto
A
A Leitura e o educativo
aprendizagemContexto Educativo
e o Contexto Atual... atual
educativo

MC Português
(DGE, 2012)
DL 3/2008
CIF (O.M.S.,2003)
A
A aprendizagem e o Contexto
Leitura e o Contexto educativo
Educativo Atual- 3ºatual
ano 3º CEB

Metas Curriculares (2015) Aprendizagens Essenciais (2018)

Ler um texto com articulação e Ler textos com entoação e ritmo


entoação corretas e uma velocidade adequados.
de leitura de, no mínimo, 110 palavras
por minuto.

Velocidade e expressividade √ Expressividade √


Precisão? Velocidade e Precisão?
A
A Aprendizagem eo
aprendizagem e osContexto
nossos Alunos...
educativo atual

Lógica -
Matemática Linguística
Naturalista
8 1 2

Múltiplas
Intrapessoal 7
Gardner, R. (1998) Inteligências 3 Musical

6 5 4
Interpessoal
Espacial
Físico-
Cinestésica
A
A Aprendizagem eo
aprendizagem e osContexto
nossos Alunos...
educativo atual

Pela Com os
Rotina Erros

Pela Por
Prática Imitação

Como Problema
Com os
Cardoso, J. (2003) /
Outros aprendem? Situação

Criando Aprendendo
Mapa a Aprender
Mental

Por
Análise
Memorização
Práticas de Avaliação da FLO

Avaliar com que finalidade?


• Identificar competências e fragilidades
• Observar/ monitorizar a evolução
• Planear a intervenção educacional/ reeducativa
• Promover e estimular a leitura
• Prevenir o insucesso

PERFIL LEITOR
LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO
FÁTIMA TRINDADE
Práticas de Avaliação da FLO

Como?

• Avaliação Formal

• Avaliação Funcional
Avaliação com Base no Currículo (Curriculum Based- Assessement)

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
PERFIL LEITOR
(Trindade et al, 2018)

Avaliação com Base no Currículo


(Curriculum Based- Assessement)

Modelo de Resposta à Intervenção


(RTI Model- Response To Intervenion )
Práticas de Monitorização da FLO

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


LEITORES EM DESENVOLVIMENTO - PRÁTICAS
FÁTIMA DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO
TRINDADE
Práticas de Monitorização da FLO
- Gráficos de Evolução -

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
Práticas de Monitorização da FLO
- Gráficos de Evolução -
Coordenação Fátima Trindade
Carine Fernandes
Inês Elias
Daniel Dias
Sandra Costa
Tânia Duarte
Tânia Galrão
Joana Santos

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
LEITORES EM DESENVOLVIMENTO
- ”GINASTICANDO” A FLUÊNCIA DE LEITURA ORAL -

A FLO desenvolve-se através da prática.


(Schwanenflugel, P. & Ruston, H., 2003).

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
LEITORES EM DESENVOLVIMENTO
- ”GINASTICANDO” A FLUÊNCIA DE LEITURA ORAL -
Princípios para o desenvolvimento da FLO: (Rasinski, 2003)
1- fornecer modelo de leitura expressiva

2- dar suporte ajustado de acordo com o nível de desenvolvimento leitor

3- permitir tempo de práticas diversificadas

4- realçar o papel da prosódia (expressividade e ritmo)

5- dar feedback imediato e explícito do desempenho

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
LEITORES EM DESENVOLVIMENTO
- ”GINASTICANDO” A FLUÊNCIA DE LEITURA ORAL -
O que torna um aluno um leitor motivado?
1-Auto-eficácia leitora

(“Como é a minha leitura?”)

2- Relevância da leitura

(“Quão importante é a minha leitura?”)

3- Objetivos da leitura

(“Qual a finalidade da minha leitura?”)

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
Práticas de LEITORES
Avaliação e EM DESENVOLVIMENTO
Monitorização daatual
FLO
A aprendizagem e o Contexto educativo
- ”GINASTICANDO” A FLUÊNCIA DE LEITURA ORAL -
• Leituras cronometradas repetidas
• Leitura repetida com modelo (eco)
• Leitura repetida com feedback corretivo
• Participação de um leitor fluente (modelação da leitura)
• Leitura a pares
• Leitura em coro…

As leituras repetidas têm-se mostrado como medida eficiente para promover a


fluência, de tal forma que aumentam a precisão e a fluência e promovem melhor
compreensão na leitura. (Eckert, L. et al; 2002)

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
Programa de Reeducação da Leitura e Escrita Diferenças
Trindade et al (2012)
Conclusões
Em jeito de conclusão…

• A aprendizagem da Leitura encerra em si mesma dificuldades

• A FLO é uma medida relevante: avaliação e monitorização da


evolução na aprendizagem da Leitura (Adams, 1990; DGE, 2012; Fuchs et al, 2001;
National Reading Panel, 2000; Zutell & Rasinski, 2001).

• A FLO desenvolve-se através da prática (Schwanenflugel, P. & Ruston, H., 2003).

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
Perfil de Funcional do
desempenho leitor:

1- em evolução

2- em revisão
O Perfil de funcionalidade possibilita
3- re/ construção… um melhor entendimento das
necessidades e respetivas
consequências. Permite ainda
identificar o que é preciso melhorar.
(Carroll, 1992, cit. por Schaik, 1999)

LEITORES EM DESENVOLVIMENTO- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO


FÁTIMA TRINDADE
LEITORES EM DESENVOLVIMENTO
- PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO E MONITORIZAÇÃO -

Fátima Trindade
fatimaptrindade2018@gmail.com
Referências bibliográficas
• Abadzi, H. (2011). Reading Fluency Measurements in EFA FTI Countries: outcomes and Improvement Prospects. Retirado em 30 de abril de 2013
de http://www.educationfasttrack.org
• Adams, M. J.(1990) Beginning to read: Learning and thinking about print. Cambridge, M.A.: Mit Press, 1990.
• Allington, R. (2006). Fluency: still waiting after all this years. In Samuels, S. & Farstrup, A. (Eds.), What research has to say about fluency
instruction (pp. 94-105). Newark, DE: International Reading Association.
• Begeny, J., Krouse, H., Brown, K. & Mann, C. (2011). Teacher Judgments of Students’ ReaMeasures. School Psychology Review, 40 (1), 23-38.
• Cadwell, J., & Jenkins, J. (1986). Teacher´s judgments about their students: The efftects of cognitive simplification strategies on the rating
process. American Eduactional Reseach Journal, 23, 460-475.
• Carvalho, A. & Pereira, M. (2009). O Rei- Um Teste de Avaliação da Fluência e Precisão da Leitura no 1º e 2º ciclos do Ensino Básico. Psychologica,
51, 283-305.
• Chan, J.K., & Lam, C. (1999). The Development of Student Teacher’s Beliefs Through Their Initial Teacher Trainning. Papper presented at the
Biennal Conference of the Australian Curriculum Studies Association (Inc), University of Western Autralia, Perth.
• Gonçalves, M. D. (2002). Conceções científicas e conceções pessoais sobre o conhecimento e dificuldades de aprendizagem (Dissertação de
doutoramento em Psicologia da Educação não publicada). Faculdade de Psicologia e de Ciências de Educação da Universidade de Lisboa, Lisboa.
• Gonçalves, M. (2011). Avaliação da fluência da Leitura oral e dificuldades na aprendizagem: aplicações clínicas e educacionais. Comunicação
apresentada no VIII Congresso Anual IberoAmericano de Avaliação Psicológica, Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa, Lisboa.
Retirado em 4 de maio de 2013 de http://hdl.handle.net/10451/6321
• Good, T. L., & Brophy, J. R., (1986). School effects. In M. C. Wittrock (Ed.), Handbook of research on teaching (3rd ed.). New York: Macmillan.
• Ribeiro, A., & Baptista, A. (2006). Dislexia: compreensão, avaliação e estratégias educativas. Coleção educação. Coimbra: Editora Quarteto.
• Smith, F. (2003). Compreendendo a Leitura: uma análise psicolinguística da Leitura e do aprender a ler. São Paulo: Artmed Editora.
• Viana, F. L. (2007). O ensino da Leitura: a avaliação. Ministério da Educação: Direção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular.
• Zutell, J. & Rasinski, T. (2001). Training teachersConceções
do attenddetoProfessores sobre Leitura-
their students’ Fátima fluency.
oral reading Trindade Theory in to Pratice, 30, 211-217.
Referências bibliográficas
• Lau, K. (2006). Reading Strategy use between Chinese good and poor readers: a think-aloud study. Journal of Research in Reading, 9 (4), 383-399.
doi:10.1111/j.1467-9817.2006.0302.
•Martins, M. A. (2000). Pré- história da aprendizagem da Leitura (2ª ed.). Lisboa: Instituto Superior de Psicologia Aplicada.
•Schirmer, B. R., Casbon, J., & Twiss, L. L. (1997). Teacher beliefs about learning: What happens when the child doesn´t fit the schema? The Reading
Teacher, 50 (8), 690-692.
•ding Abilities Across a Continuum of Rating Methods and Achievement
•Snider, V. E., & Roehl, R. (2007). Teachers’ Beliefs About Peadgogy And Related Issues. Psychology in the Schools, 44 (8), 873-886.
•Chard, D. J., Vaughn, S., & Tyler, B. J. (2002). A synthesis of research on effctive interventions for building reading fluency with elementary students
with learing disabilities. Journal of Learning Disabilities, 35, 386-406. doi: 10.1177/00222194020350050101
•Fuchs, L. S., Fuchs, D., & Maxwell, L. (1988). The validity of informal measures of reading comprehension. Remedial and Special Education, 9, 20-28.
doi: 10.1177/074193258800900206
•Shinn, M. R., Good, R. H., Knutson, N., Tilly, W. D., & Collins, V. (1992). Curricullum –based measurement of oral reading fluency: A confirmatory
analysis of its relation to reading. School Psychology Review, 21 (3), 459-479. Retirado de http://www.specialistedpsy.com/shinnetalSPR1992.pdf-
link.pdf
•Meisinger, E. B., Bloom, J. S., & Hynd, G. W. (2010). Reading fluency: Implications for the assessment of children with reading disabilities. Annals of
Dyslexia, 60, 1-17.

Conceções de Professores sobre Leitura- Fátima Trindade


Referências bibliográficas
•Rasinski, T.V. (2004). Assessing Reading Fluency. Honolulu, Hawaii: Pacific Resources for Education and Learning.
•Esteves, S. & Cruz V. (2008). Fluência leitora: Uma competência- ponte entre a descodificação e compreensão. Revista de Educação Especial e
Reabilitação, 15, 27-33.
•Fuchs, L.S., Fuchs, D., Hosp, M.K. & Jenkins, J.R. (2001). Oral reading fluency as an indicator of reading competence: A theoretical, empirical, and
historical analysis. Scientific Studies of Reading, 5, 239-256.
•National Reading Panel. (2000). Report of the National Reading Panel: Teaching children to read. Report of the subgroups. Washington: U.S.
Department of Health and Human Services, National Institutes of Health.
•Fernandes, S., Simões, C., Querido, L., & Verhaeghe, A. (2015). Fluência na Leitura Oral de Texto e de Palavras: Estudo Transversal com Adolescentes
Portugueses. Revista Iberoamericana de Diagnóstico e Evaluación e Avaliação Psicológica, 39 (1), 116-127.
•Pikulski, J. J., & Chard, D. J. (2005). Fluency: Bridge between decoding and reading comprehension. The Reading Teacher, 58 (6), 510-519.
doi:10.1598/RT.58.6.2
•Rasinski, T. (2009). Fluency: The essential link from phonics to comprehension. In T. Rasinski (Ed.). Essential readings on fluency. (pp. 1-10). Newark,
Del.: International Reading Association.
•Morais, J. (1997). A arte de ler: Psicologia cognitiva da leitura. Lisboa: Edições Cosmos.
•DGE (2012). Metas Curriculares de Português. Caderno de Apoio- Aprendizagem da Leitura e da escrita (LE).
•Shaywitz, S. (2006). Entendendo a Dislexia: um novo e completo programa para todos os níveis de problemas de Leitura. São Paulo: Artmed.

Conceções de Professores sobre Leitura- Fátima Trindade

Você também pode gostar