Você está na página 1de 74

Cumprimento de Sentença e

Processo de Execução

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 1


CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO

AULA 1: TEORIA GERAL DA TUTELA DE EXECUÇÃO

1 - A tutela de execução e o CPC: realização de direitos e pretensões


materiais de títulos executivos judiciais e extrajudiciais
O acesso à Justiça é sem dúvida um tema recorrente no âmbito da academia, em seus
diversos e amplos aspectos de abordagem, pelas condições econômicas daqueles que
pretendem demandar ou demandados são; pela celeridade que se espera de atos e
ritos processuais como um todo; pelo comportamento dos sujeitos do processo; pela
possibilidade de recursos; entre outros temas.

Após a promulgação da Constituição de 1988, o Brasil viveu períodos de reforma da


legislação processual e reestruturação do Poder Judiciário em prol de um aumento
quantitativo e qualitativo de acesso à Justiça (não necessariamente acesso ao Poder
Judiciário). Até os meios alternativos à jurisdição rebatizados de meios adequados
receberam em décadas e com prioridades distintas a devida atenção do legislador em
prol de melhores resultados de satisfação na solução formal e material dos conflitos.

Em sede do que demonstrava ser um desfecho legislativo, chegou-se ao Código de


Processo Civil de 2015 (CPC/2015) repleto de ajustes em sede de teoria geral do
processo, tutela de conhecimento de primeiro grau e recursais com novidades
pautadas em padrões decisórios intitulados de precedentes, entre outros temas.

No âmbito da tutela de execução, o CPC funcionou mais como uma consolidação das
alterações legislativas levadas a cabo desde meados dos anos 1990, consolidando o
sincretismo processual com uma melhor distribuição de ritos de cumprimento de
sentença, e valorizando importantes alterações para a ação e a defesa em sede de

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 2


processos de execução de títulos executivos extrajudiciais. Sim, o CPC em sede de
tutela de execução, foi um misto de consolidação e ajuste fino, mas não trouxe, do
ponto de vista legislativo, nenhuma grande pérola a ser desvelada.

Pois bem. Então a tutela de execução continua sendo “tutela de execução”. E você,
caro acadêmico em especialização, caro advogado ou profissional das demais funções
essenciais ao funcionamento da Justiça, consegue descrever, em poucas palavras, o
que seria a “execução” enquanto tutela jurisdicional prestada pelo Estado Juiz? Vamos
experimentar?

Por tutela de execução podemos entender a atividade estatal do Poder Judiciário em


realizar o direito material e as pretensões de respectivos titulares existentes em
decisões judiciais e outros documentos que a lei chama de títulos executivos
extrajudiciais. Em ambos os casos, dever haver sempre certeza, liquidez e exigibilidade
presentes – exatamente como você já aprendeu na lei e na doutrina como requisitos
de qualquer título executivo.

Se assim entendermos a tutela de execução, encontraremos no CPC as denominações


de cumprimento de sentença e processo de execução, sem prejuízo de outros tópicos
que devemos e podemos agregar em comentários.

Ao olhar inicialmente o CPC, encontramos o seguinte:

• Cumprimento de sentença (arts. 513 a 538) – dispositivos destinados à


ritualística do exercício da ação, à jurisdição e a uma possível defesa na fase de
cumprimento de sentenças com conteúdo condenatório de obrigações diversas,
dividido, na prática, em cinco ritos processuais possíveis.

• Processo de execução (arts. 771 a 925) – dispositivos destinados à


ritualística do exercício de ação, à jurisdição e a uma possível defesa nos
processos que têm como objeto uma ou mais obrigação certa, líquida e exigível.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 3


Você consegue ter a mesma visão? Pensou em situações distintas? Vamos ver se
há alguma semelhança com as observações a seguir e que serão essenciais para que
você compreenda a metodologia das aulas da disciplina, incluindo vídeos, material de
apoio e tudo mais, ok?

O que você precisa incialmente saber da tutela de execução no CPC para a


presente aula e a sequência dos estudos na disciplina:

• O conteúdo “Cumprimento de Sentença” prevê cinco ritos diferentes para a


fase de cumprimento de uma sentença condenatória. De acordo com a
combinação de critérios objetivos (obrigação) e subjetivos
(credores/devedores), o legislador diferenciou os ritos, isto é, diferenciou o
que cada advogado, juiz, promotor e todos que eventualmente participem do
processo pode ou deve praticar em relação a atos processuais.

• Apesar de não estar explícito no título, o “cumprimento de sentenças” também


regula a execução de decisões judiciais interlocutórias e monocráticas,
normalmente concessivas de tutelas provisórias. Os critérios acima são os
mesmos.

• Também não é explicado de forma clara e inicial, mas existem dispositivos do


conteúdo do “Processo de Execução” que são comuns, pois inerentes a toda
e qualquer execução como disposições gerais, princípios, responsabilidade
patrimonial e a fase comum de expropriação patrimonial nos casos de títulos
executivos com obrigação de pagar quantia certa (judiciais ou extrajudiciais).
Regulação da penhora, avaliação, depósito, alienação antecipada são apenas
alguns exemplos de temas que são de uso comum.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 4


Ficou surpreso? Pois é, mas pode conferir em seus casos práticos da advocacia se não
é isso que ocorre. Verifique também em sua doutrina de estudo como o tema é tratado
e reflita. É possível que você esteja adquirindo a visão mais completa agora.

Se não ficou surpreso, ótimo! Sinal de que você em algum momento já percebeu que
o legislador “fala menos do que deveria”. Certamente, no campo legislativo da tutela
de execução, isso ocorre.

Se discordou, faça uma nova leitura dos dispositivos legais e depois as seguintes
reflexões:

• Que dispositivos regulam como devem ser cumpridas as tutelas


provisórias?
• É possível identificar as diferenças dos atos processuais a serem
praticados se decisão judicial condenatório for de fazer, não fazer, dar
ou pagar quantia certa, inclusive no caso de alimentos e também em
face da Fazenda Pública?
• Qual a razão do legislador não regular no “ Cumprimento de Sentença”
os atos de penhora, avaliação e depósito?

Após suas reflexões e um olhar no passado do CPC de 1973, você perceberá que o
tema da Execução era tratado como objeto do Livro II. As sentenças eram
“executadas” de modo muito similar aos processos de execução dos títulos
extrajudiciais. Por tal razão, e por uma opção legislativa, optou o CPC manter normas
de aplicação para a execução de ambas as execuções. Entendeu?

Vamos agora ver alguns princípios aplicáveis à tutela de execução, tanto de títulos
executivos judiciais e como extrajudiciais.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 5


2 - Princípios aplicáveis à tutela de execução

• Princípios do acesso à Justiça e razoável duração do processo –


consagrados incialmente na CRFB/1988 e com grande aporte doutrinário
jurisprudencial nas décadas seguintes, hoje reforçam o CPC em meio ao
movimento formal e material de constitucionalização do Direito Processual
(art. 5º, XXXV c/c art. 3º e 4º do CPC).

• Princípio do título executivo – sem título executivo, não existe


execução. Pode haver ação monitória ou ação de conhecimento originária,
mas não execução. É necessário um título executivo certo, líquido e
exigível (arts. 513, 515, 783 e 784 do CPC).

• Princípio da responsabilidade patrimonial – juiz e advogados em


regra não conseguem em autos processuais a produção de lastro
patrimonial para assegurar a efetividade material das execuções.
Limitações legais e contratuais e fraudes patrimoniais podem inviabilizar o
resultado ou o desfecho único esperado (arts. 789 a 792 do CPC, Lei nº
8.009/90).

• Princípio da efetividade da execução – a execução deve satisfazer o


credor, preferencialmente com o direito e a pretensão originária. Princípio
muito valorizado com as tutelas específicas das obrigações de fazer, não
fazer e dar a partir dos anos 1990. Luiz Guilherme Marinoni é um autor
que merece reconhecimento e leitura pelo pioneirismo e pelo tempo
dedicado ao tema (arts. 139, IV; 536-538 e 806-823 do CPC).

• Princípio da menor onerosidade para o executado – a execução


dever ocorrer na medida do título e, quando houver possibilidade do
cumprimento originário ou equivalente ocorrer por mais de um meio, que
seja eleito o de menor gravidade (patrimonial e pessoal) ao devedor,

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 6


garantidor ou mesmo terceiro que possa suportar a execução (art. 805 do
CPC).

• Princípio do contraditório e defesa – ainda que seja um tema


polêmico em sede de doutrina e jurisprudência, fato é que com a
CRFB/1988 e o CPC em vigor, o devido processo legal e todos os seus
corolários devem estar presentes em processos judiciais. Por óbvio, que
não necessariamente de forma idêntica da fase cognitiva, como, inclusive,
já ocorre na fase recursal (conhecimento em instâncias superiores). O
direito à impugnação e ao livre peticionamento para alegar inconsistências
processuais e fatos supervenientes por si só demonstram o respeito. O
CPC em vigor, art. 10, reforça a posição adotada (arts. 10, 525 do CPC c/c
art. 5º, LIV e LV da CRFB/1988).

• Princípio do desfecho único – é nítida a diferenciação do tratamento


legislativo em relação aos atos do exequente, juiz e executado em sede
de tutela de execução se comparado aos processos em fase de
conhecimento. Tal fato se dá em razão e como corolário direto do princípio
do título a sua presunção de legalidade e executoriedade. Por tal razão,
por exemplo, executados são intimados ou citados para pagar e não
apenas, apresentar “resposta” (arts. 523 c/c 775 do CPC).

Não se preocupe, pois o tema dos princípios e sua aplicação prática serão revisitados
no decorrer das aulas.

3 - Competência para a tutela de execução no CPC


O tema da competência é tratado de forma relativamente simples pelo CPC para efeito
da tutela de execução de títulos judiciais e extrajudiciais. Para além de simples, a
legislação obedece à lógica da formação dos títulos e sua natureza material. Vamos
ver cada caso de tratamento legislativo e os pontos de atenção que precisamos levar
em consideração na prática da advocacia:

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 7


→ Competência – cumprimento de sentença
A competência para a chamada fase de cumprimento de sentenças vem regulada no
art. 516 do CPC e traz as seguintes hipóteses, órgãos competentes e comentários:

I – Tribunal – valorização da perpetuação da competência (competência originária).

II – Juízo prolator da sentença de 1º grau – valorização da perpetuação da


competência).

III – Juízo cível competente – nos casos de sentença pela condenatória, sentença
arbitral, sentença estrangeira, ou acórdão proferido por Tribunal Marítimo – aqui, como
os títulos não foram originariamente gerados no processo civil (brasileiro ou não), o
legislador remete às regras de competência que você analisaria em sede de exercício
de ação de conhecimento, nos termos dos arts. 42 a 69 do CPC.

→ Possibilidades de modificação da competência – cumprimento de


sentença
Por outro lado, o parágrafo único permite a mitigação do princípio da perpetuação da
competência nos casos de:

I – bens localizados em comarca/seção judiciária distinta;


II – atual domicílio do executado;
III – juízo do local onde deva ser cumprida a obrigação.

Repare que, nesses casos, a intenção do legislador, valorizando os princípios do


desfecho único e da efetividade de execução (vistos acima), é aproximar o credor
já em execução (exequente) do patrimônio ou da maior realidade fática para se chegar
ao cumprimento da tutela específica, nos casos de obrigações de fazer, não fazer e
dar.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 8


Competência – processos de execução
No caso dos processos de execução de títulos executivos extrajudiciais, o legislador
também valoriza, de modo flagrante, os mesmos princípios citados anteriormente
(desfecho único e efetividade da execução), apenas variando em mais opções,
considerando que nos casos dos títulos extrajudiciais a liberdade de contratação (art.
421 do Código Civil), por exemplo, pode gerar mais opções do que as previsões dos
arts. 42 a 69 do CPC.

São as seguintes hipóteses e os respectivos órgãos competentes:


I – foro de eleição, domicílio do executado ou de situação dos bens;
II - pluralidade de domicílios, em qualquer um deles;
III – incerto ou desconhecido o domicílio, onde for encontrado ou foro do domicílio do
exequente;
IV – local do ato ou fato que deu origem ao título, mesmo que tenha ocorrido
modificação de residência ou domicílio do executado.

Todas as normas refletem a valorização do acesso à Justiça, aqui considerado o acesso


facilitado do credor (futuro exequente) em busca do patrimônio e ou bens específicos
(móveis ou imóveis) do devedor (futuro executado). Tal valorização faz todo sentido,
considerando que a execução no processo civil é de cunho patrimonial, inclusive nos
casos de obrigações de fazer, não fazer e dar. Inexistindo a possibilidade da prestação
originária ou mesmo outra fungível ou por equivalência, a resolução, a cargo do
credor/exequente, se dará por perdas e danos.

REFERÊNCIAS
ARAÚJO, Luis Carlos de. Curso do novo processo civil. Rio de Janeiro: Editora
Freitas Bastos, 2015.
ASSIS, Araken de. Manual da execução. 20. ed. Rio de Janeiro: Revista dos
Tribunais, 2018.
BUENO, Cassio Scarpinella. Curso sistematizado de direito processual civil:
tutela jurisdicional executiva. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2019. v. 3.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 9


MARINONI, Luiz Guilherme. Tutela de urgência e tutela de evidência: soluções
processuais diante do tempo da justiça. 2. ed. Revista dos Tribunais, 2018.
NEGRÃO, Theotonio et al. Código de processo civil e legislação processual em
vigor. 50. ed. ver. e atual. São Paulo: Saraiva, 2019.
PINHO, Humberto Dalla Bernardina de. Manual de direito processual civil
contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2019.

AULA 2: RESPONSABILIDADE PATRIMONIAL

1 – Responsabilidade patrimonial
Na aula 1, vimos que a tutela de execução é a atividade estatal do Poder
Judiciário em realizar o direito material e pretensões de respectivos
titulares existentes em decisões judiciais e outros documentos que a lei
denomina títulos executivos extrajudiciais.
Ao validarmos tal conceito, implicitamente compreendemos que para a realização do
direito material e pretensões é necessário haver um lastro patrimonial para as
execuções de pagar quantia certa e alimentos, por exemplo. E que também é
necessário o lastro patrimonial no caso de impossibilidade de cumprimento da tutela
específica das obrigações de fazer, não fazer e dar, pois pode ser que seja necessário
convolar a execução para quantia certa, de modo a recuperar, em dinheiro, aquilo que
não foi honrado na prestação originária.

Então, é justamente nesse ponto que entra a noção inicial para conceituar a
responsabilidade patrimonial de uma pessoa natural ou jurídica. Sim, todos nós, sem
exceção, temos uma esfera jurídica pessoal e uma esfera jurídica patrimonial.

A reponsabilidade patrimonial pode ser conceituada como “parte do patrimônio


de pessoa natural ou jurídica apta a responder voluntária ou involuntariamente pelo
cumprimento de suas obrigações não honradas originariamente”.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 10


Partindo do conceito inicial e levando em conta que a presunção de solvência das
pessoas naturais e jurídicas e do mercado como um todo é positiva, parte-se da
premissa de sermos todos completamente responsáveis (patrimonialmente falando)
pelas obrigações que contraímos nos atos jurídicos que praticamos no dia a dia.

Sim! Você pratica atos jurídicos, mesmo que às vezes não perceba, até que algo dê
errado e você, ou outras pessoas envolvidas, se movimente em busca de seus
direitos!

Mas, se todos têm presunção de solvência, mas não, ou necessariamente não, estarão
solventes na sequência temporal da vida, como ter segurança jurídica na prática?
Como um advogado “pode ou não atestar” a solvência de uma pessoa natural ou
jurídica e recomendar, se for o caso, a celebração de determinado negócio jurídico?

Então, para todos os fins de direito, e respeitados os atos de natureza sigilosa, no


Brasil, normalmente quando alguém se apresenta para negócios, esse alguém é
“avaliado pelos bens que detém propriedade ou o exercício de outros direitos que
possam conferir certo status patrimonial que normalmente varia bastante”.

E a partir daí podemos sofrer consequências jurídica, tais como restrições explícitas
e implícitas na disponibilidade de bens, limitações ao crédito, invalidação total ou
parcial da prática de atos jurídicos que causam danos a credores e terceiros e
possível condenação por má-fé processual!

Você já tentou alugar um imóvel ou comprar um carro financiado no “feirão” do


shopping ou na concessionária? Se já tentou, certamente teve de preencher
questionários, juntar comprovante de renda (às vezes despesas), escrituras e certidões
de bens imóveis etc. Tudo serve para que o mercado avalie seu risco de amanhã ser
uma pessoa inadimplente ou mesmo insolvente.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 11


Para tanto, além da Lei de Registros Públicos (Lei nº 6.015/1973), existe uma série de
entidades privadas e públicas que dentro da abrangência de suas competências podem
“avaliar e certificar seu status de crédito” mediante consulta sua ou de outrem. Quando
isso ocorre, você estará carimbado como bom ou mau pagador (risco de crédito), algo
que ajudará ou atrapalhará bastante na busca de crédito direto ou outras operações.

Limitações à responsabilidade patrimonial


É correto também afirmar que nem todo nosso patrimônio responde por nossas
obrigações, considerando existir um mínimo essencial à sobrevivência humana e que
o direito protege. No caso brasileiro, existe um referencial maior, que é a dignidade
da pessoa humana, presente com ênfase na CRFB/1988, e que irradia para todo o
nosso ordenamento jurídico material e processual verdadeiras “limitações” aos direitos
de credores em face de devedores. E não são poucas as restrições ou mesmo vedações
de se expropriar a totalidade de bens de um devedor para satisfazer um ou mais
credores.

Limitações legais
Existe, como a lei, a doutrina e a jurisprudência gostam de observar, uma série de
bens impenhoráveis, isto é, que não podem ser penhorados porque não poderão ser
utilizados diretamente para atender aos direitos de credores.

É o que chamamos de limitações legais. Elas podem ser:

• Voluntárias: o art. 1.711 CC representa um bem de família específico


com função social/moradia;
• Involuntárias: a Lei nº 8.009/90 e os arts. 789-796, 833-836 do CPC
trazem hipóteses que a própria lei protege o devedor com função
social do trabalho, moradia, propriedade e capital.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 12


Obs.: Jurisprudência tem papel significativo na prática da advocacia e utiliza
princípios com referência teórica para resolução de casos concretos.

Limitações contratuais
Ao lado das limitações legais e considerando a liberdade de contratar prevista no art.
421 do Código Civil, e mais ainda na Medida Provisória nº 881/2019, existem as
limitações contratuais, que permitem que as partes envolvidas em determinados
negócios presentes e futuros possam “preservar parte de seus bens” em comum
acordo para não serem afetados (um pelo outro) em caso de disputas jurídicas entre
si, não podendo, obviamente, prejudicar terceiros.

Atos atentatórios à dignidade da Justiça


De qualquer modo, devedores devem ter para consigo, com terceiros e, se for o caso,
com o Poder Judiciário a chamada boa-fé objetiva (art. 422 do CC) para não incorrer
em suspeita de atos dolosos com o intuito de fraudar seus respectivos credores e a
Justiça como um todo. Quando isso ocorre, estaremos diante de hipóteses de má-fé
processual e no âmbito da tutela de execução, de atos atentatórios à dignidade da
Justiça, conforme previsão do art. 774 do CPC que lista, sem prejuízo de outras
práticas, o que seriam tais atos. Vejamos um por um:

I – frauda a execução;
Exemplo: alienação gratuita ou onerosa de bens após ciência de processo que poderia
levar à sua insolvência.
II – se opõe maliciosamente à execução, empregando ardis e meios
artificiosos;
Exemplo: dificulta o cumprimento de atos de intimação ou citação.
III – dificulta ou embaraça a realização da penhora;
Exemplo: busca confundir o oficial de Justiça em penhoras portas adentro, esconde
veículos ou insinua ser apenas usuário quando é também proprietário

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 13


IV – resiste injustificadamente às ordens judiciais;
Exemplo: não cumpre prazos para informação patrimonial, entrega de bens etc.
V – intimado, não indica ao juiz quais são e onde estão os bens sujeitos à
penhora e os respectivos valores, nem exibe prova de sua propriedade e, se
for o caso, certidão negativa de ônus.
Exemplo: o próprio inciso V é claro em suas hipóteses (não taxativas).

Em todos os casos, resta flagrante o dolo do devedor ou terceiro que pratica tais atos
em burlar, seja com atrasos ou mesmo com intenção definitiva de encerrar a fase ou
tutela de execução.

Fraudes e remédios processuais


Uma vez reconhecido o conceito de responsabilidade patrimonial e suas limitações
legais e contratuais, importante tema a ser revisitado são os atos jurídicos materiais
de alienação ou oneração de patrimônio com o intuito de fraudar credores ou credores
e o sistema de Justiça – neste último caso, chamado de fraude à execução. São as
fraudes e seus remédios processuais que veremos na sequência.

Fraude a credores & ação pauliana


A fraude a credores é caracterizada pela prática de atos jurídicos (processual ou
extraprocessual) que lesam diretamente interesses patrimoniais de um credor. Trata-
se de um instituto de previsão no direito material (art. 158 do Código Civil), mas opera
também no campo do processo.

Os atos aqui referidos não são atos novos a ser estudados, mas sim atos que vocês já
viram no campo do direito privado, e que têm como objeto bens e direitos e respectiva
alienação ou oneração a título oneroso ou gratuito, o que dolosamente reduz sua
responsabilidade patrimonial, impedindo ou dificultando a satisfação do crédito de
credores, fora ou dentro do juízo.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 14


Fraude a credores
Ex.: Devedor (pessoa natural) vende seus dois carros e se torna insolvente após a
relação obrigacional de mútuo constituída com o Credor (banco), sem que houvesse
processo judicial de cobrança.
Elemento objetivo – Dano patrimonial (ativo < passivo) = Deve mais!
Elemento subjetivo – Dolo de fraudar (ciência) = Sabe das consequências do
ato!
Ação pauliana – Ônus da prova do credor para invalidar o ato e retornar status.

É importante para que se possa corretamente caracterizar o ato de fraude a certeza


jurídica do momento em que alguém tem uma relação obrigacional (credor- devedor).
Em outras palavras, quando podemos chamar alguém de devedor e ele entender que
tem um ou mais credores? Não se recorda do direito civil?

Pois bem, credor e devedor assim são chamados no momento da constituição da


relação obrigacional. Se eu vou a um Banco e faço um empréstimo (mesmo que seja
no caixa eletrônico) no dia 10 do mês de janeiro para pagar em 10 de dezembro do
mesmo ano, a partir do dia 11 já sou devedor do banco, e o banco passa a ser meu
credor. Qualquer ato de alienação do meu patrimônio com dolo de não gerar condições
de honrar o compromisso em dezembro nem permitir uma cobrança judicial é, sem
dúvida, uma hipótese de fraude aos credores.

Nesses casos, descoberto tempestivamente pelo credor o ato de alienação, pode ele
pedir sua invalidação em juízo, a partir de uma ação desconstitutiva, chamada de ação
pauliana. Havendo procedência do pedido, o bem volta à esfera jurídica do devedor e
poderá, caso seja efetivamente necessário, ser objeto de penhora e futura
expropriação patrimonial.

Fraude à execução e ineficácia parcial

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 15


A fraude à execução é uma modalidade mais gravosa de fraude, pois além de afetar
os interesses privados do credor atinge também e macula o trabalho do sistema de
justiça, quase sempre inerente aos atos do juiz e à atuação do Poder Judiciário como
um todo.

Para além do credor que intentou e conseguiu se tornar exequente, o juiz e seus
auxiliares poderão trabalhar em vão, simplesmente porque o devedor (executado ou
não) praticou atos de alienação ou oneração patrimonial que o deixaram insolvente. É
risco quase certo de todos morrerem na praia, jamais alcançando a satisfação material,
desfecho único pretendido em toda e qualquer execução.

Fraude à execução
Ex.: Devedor (pessoa natural) vende seus dois carros e se torna insolvente após a
relação obrigacional de mútuo constituída com o Credor (banco) e com ciência de
processo judicial de cobrança capaz de levar à insolvência.
Elemento objetivo – Dano patrimonial (ativo < passivo) = Deve mais!
Elemento subjetivo – Dolo de fraudar presumido = Sabe das consequências do
ato; requerimento nos autos: ônus da prova invertido ao devedor
(presunção).

No caso da fraude à execução, para além da prévia existência da relação obrigacional


(credor/devedor), é preciso demonstrar que o devedor tinha efetiva ciência da
existência do processo. Em outras palavras, citação ou intimações são atos processuais
que, cada qual a seu momento e turno, são capazes de trazer segurança jurídica sobre
a existência ou não de ação judicial (conhecimento com pretensão condenatória ou
processo de execução de título extrajudicial).

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 16


O CPC melhorou consideravelmente as condições de segurança jurídica para se
comprovar a efetiva ciência da existência de processo, quando se examina a leitura
conjugada dos arts. 792 e 828. Tais dispositivos demonstram claramente que,
dependendo do tipo de bem (móvel ou imóvel, com ou sem registros públicos ou
privados confiáveis), é possível, com iniciativa do credor (exequente), comprovar que
o devedor tinha ciência de um processo capaz de levá-lo à insolvência no caso de
alienação ou oneração de seu patrimônio.

Em meio às inovações legislativas, importante registrar súmulas do STJ, algumas ainda


na vigência do CPC/1973, com destaque para a Súmula nº 375 que ainda produz seus
efeitos práticos:

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 17


Súmula nº 375
Inteiro Teor
Súmula anotada
O reconhecimento da fraude à execução depende do registro da penhora do bem
alienado ou da prova de má-fé do terceiro adquirente.

Súmula nº 486
Inteiro Teor
Súmula anotada
É impenhorável o único imóvel residencial do devedor que esteja locado a terceiros,
desde que a renda obtida com a locação seja revertida para a subsistência ou a
moradia da sua família.

Súmula nº 549
Inteiro Teor
Súmula anotada
É válida a penhora de bem de família pertencente a fiador de contrato de locação.

E no âmbito do STF, uma importante decisão da 1ª Turma em 2018 merece registro,


apesar da polêmica criada:
http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=381644.

1ª Turma afasta penhorabilidade de bem de família do fiador na locação


comercial
Em sessão realizada na terça-feira (12), a Primeira Turma do Supremo Tribunal
Federal (STF) decidiu que não é possível penhorar o bem de família do fiador na
locação comercial. Por maioria dos votos, os ministros proveram o Recurso

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 18


Extraordinário (RE) 605709, no qual o recorrente alegava ser nula a arrematação de
sua casa – localizada em Campo Belo (SP) – em leilão ocorrido no ano de 2002.

Segundo o recorrente, o imóvel seria impenhorável por ser sua única propriedade,
sendo ele o responsável pelo sustento da família. Assim, alegou que, na hipótese,
cabe a proteção do direito fundamental e social à moradia.
O julgamento teve início em outubro de 2014, quando o ministro Dias Toffoli
(relator) – então componente da Primeira Turma – votou pelo desprovimento do RE,
entendendo que a penhorabilidade do bem de família é possível tanto na locação
residencial como na comercial> na ocasião, o julgamento foi suspenso pelo pedido
de vista do ministro Luís Roberto Barroso. Nesta terça-feira (12), ele apresentou
voto acompanhando o relator. De acordo com Barroso, o Supremo tem
entendimento pacífico sobre a constitucionalidade da penhora do bem de família do
fiador por débitos decorrentes do contrato de locação residencial.

Para o ministro, a lógica do precedente é válida também para os contratos de


locação comercial na medida em que, embora não envolva direito à moradia dos
locatários, compreende o seu direito à livre iniciativa que também tem fundamento
constitucional. Segundo ele, a possibilidade de penhora do bem de família do fiador
que, voluntariamente oferece seu patrimônio como garantia do débito, impulsiona o
empreendedorismo ao viabilizar a celebração de contratos de locação empresarial
em termos mais favoráveis.

No entanto, a ministra Rosa Weber abriu divergência ao acolher o parecer do


Ministério Público Federal (MPF), que se manifestou pelo provimento do recurso
extraordinário, entendimento seguido pela maioria dos ministros. A ministra fez
considerações no sentido de que não se pode penhorar o bem de família na locação
comercial.

Do mesmo modo votou o ministro Marco Aurélio, segundo o qual deve haver
manifestação de vontade do fiador na locação residencial ou comercial,

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 19


acrescentando que, quanto à impenhorabilidade, a lei não distingue o tipo de
locação. Para ele, não se pode potencializar a livre iniciativa em detrimento de um
direito fundamental que é o direito à moradia, tendo em vista que o afastamento da
penhora visa a beneficiar a família. Também votou com a divergência o ministro Luiz
Fux, no sentido da impenhorabilidade.

Veja os comentários do texto no link em anexo e tire suas conclusões:


https://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI298909,91041-
1+turma+do+STF+comete+lamentavel+equivoco+em+julgamento+sobre+a.

REFERÊNCIAS
ARAÚJO, Luis Carlos de. Curso do novo processo civil. Rio de Janeiro: Editora
Freitas Bastos, 2015.
ASSIS, Araken de. Manual da execução. 20. ed. Rio de Janeiro: Revista dos
Tribunais, 2018.
BUENO, Cassio Scarpinella. Curso sistematizado de direito processual civil:
tutela jurisdicional executiva. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2019. v. 3.
MARINONI, Luiz Guilherme. Tutela de urgência e tutela de evidência: soluções
processuais diante do tempo da justiça. 2. ed. Revista dos Tribunais, 2018.
NEGRÃO, Theotonio et al. Código de processo civil e legislação processual em
vigor. 50. ed. ver. e atual. São Paulo: Saraiva, 2019.
PINHO, Humberto Dalla Bernardina de. Manual de direito processual civil
contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2019.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 20


AULA 3: OBRIGAÇÕES: TUTELA ESPECÍFICA E EXECUÇÃO

1 – Obrigações de dar, fazer e não fazer e quantia certa


É bem provável que você já tenha percebido após a aula 2 que a tutela de execução
no processo civil brasileiro tem um caráter patrimonial, em oposição à tutela de
execução no processo penal que possui um caráter de predomínio da restrição da
liberdade de ir e vir, ainda que com crescente interação com a patrimonialidade e seus
encantos.

Fato é que o Código de Processo Civil e outras leis especiais que regulam a tutela de
conhecimento e execução estão cada vez mais correspondentes e atentas às
necessidades reais da sociedade brasileira. Uma justiça efetiva não é necessariamente
aquela medida por números, mas é também aquela que consegue entender as
necessidades e conceder as respostas demandadas no tempo e espaço necessários.

E nem sempre é fácil, considerando a realidade fática que permeia a sociedade civil,
cada mais ativa e interativa, ávida por resultados quase que instantâneos, sob pena
de não mais interessarem ou se prestarem para o uso originário. Atender às
expectativas das obrigações de fazer, não fazer, dar e pagar quantia certa no tempo,
espaço e modo mais adequado exige mais do que mera aplicação da lei existente.
Exige a compreensão da necessidade de medidas de coerção e “incentivo” ao
cumprimento originário, alternativas jurídicas ao cumprimento pelo devedor originário
quando possível e não houver solução, e uma dose coerente de reparação material no
que se convencionou chamar de perdas e danos pelo inadimplemento obrigacional.

A leitura que se fazia das obrigações e possíveis soluções (já no caso do CPC/1916)
era mais objetiva, estanque, no sentido de identificar a relação obrigacional, seus
sujeitos, objeto e regras de pactuação. Parecia até que uma possível intervenção do
Poder Judiciário fosse algo distante, meio que sem muito nexo e também alternativas.
A mora e o inadimplento pareciam punidos com o peso e as métricas do próprio Código

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 21


Civil, não havendo, de forma sistêmica, uma preocupação em busca de tutela
específica “daquela obrigação”.

Com base nessa visão, era improvável imaginar um advogado ir a juízo e pleitear o
cumprimento contratual de obrigação de fazer, firme e convicto de que o Poder
Judiciário faria de tudo para alcançar a tutela específica “daquela” obrigação muito
antes da segunda metade dos anos 1990.

Não se afirma que não existiam dispositivos pontuais ou mesmo ritos específicos já
(ou quase desde sempre) preocupados em uma maior efetividade da caneta de juízes,
desembargadores e ministros em atividade. Um excelente exemplo são as chamadas
ações possessórias (códigos de 1973 e 2015) que já inauguravam, através do interdito
proibitório, medidas mais efetivas de cumprimento de ordens judiciais de reintegração,
manutenção e proteção preventiva da posse.

Em 1990, o próprio Código de Defesa do Consumidor, ao introduzir a “Defesa do


Consumidor em Juízo”, supera, e muito, a simples ideia de tutela coletiva e individual,
e incentiva, por exemplo, a partir do art. 84, o que mais tarde seria o referencial teórico
para tantas outras reformas e ajustes em prol da efetividade no cumprimento de
medidas judiciais de obrigações de fazer, não fazer e dar.

Muito antes, a Lei da Ação Civil Pública trazia em seu art. 11 ideias correlatas, sem
contudo atingir em massa a advocacia privada e suas pretensões, até pelas restrições
à época de seu objeto e sua legitimidade. Fato é que não havia uma tradição em busca
do cumprimento forçado, medidas coercitivas e tudo mais. Majoritariamente, a mora
e o inadimplemento se resolviam em rescisões contratuais (quando fosse o caso) e
perdas e danos.

É a partir dos anos 1990 (mais precisamente do meio para a segunda metade) que as
ideias de tutelas específicas, medidas coercitivas mais fortes, ganham fôlego e
produzem resultados. Daí a importância das normas processuais estarem adequadas

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 22


aos direitos e pretensões que visam tutelar em abstrato. De nada adianta uma
excelente regra se ela não produz resultados.

Faça um teste e responda:

Como seria uma ação de obrigação de fazer (retirada de nome de cadastro indevido)
sem a possibilidade de medidas coercitivas ou a possibilidade de se obter uma tutela
equivalente (certidão positiva com efeito de negativa)?

Imagino que para algumas pessoas isso nem seria possível. As pessoas já contam com
as ferramentas processuais. E olha que falamos aqui de duas das mais simples medidas
que poderíamos invocar. Seria possível ainda falar em outras medidas de restrição de
direito de ir e vir, praticar atos de compra e venda etc.

A própria natureza das obrigações de fazer, associada à liberdade de contratar (art.


421 do CC), demonstra o quanto é útil ter ferramentas com as quais o juiz de ofício
ou por requerimento possa empoderar sua própria decisão em prol do respeito e do
cumprimento “voluntário”.

O mesmo vale para as obrigações de não fazer. Hoje se consegue (para além das
discussões) travar o funcionamento de aplicativos, TV, internet e outros sistemas
operacionais diversos caso se demonstre a periculosidade ou o descumprimento
efetivo da ordem. Os exemplos são bem repetitivos, e envolvem, em sua grande
maioria, proibições de cunho dos direitos da personalidade ou o lado dos direitos
patrimoniais, uso indevido de imagens etc.

Com base na evolução da legislação e doutrina nos últimos 25 ou 30 anos, emissoras


já saíram do ar porque se recusaram a cumprir ordens judiciais, políticos já foram

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 23


impedidos de continuar no poder, torcedores foram obrigados a “curtir” o horário de
jogos esportivos na delegacia do bairro etc.

E tudo isso só foi possível graças a uma crescente cultura de dispositivos legais que
vêm fortalecendo as decisões judiciais condenatórias de obrigação de fazer, não fazer
e dar. No tocante às obrigações de pagar quantia certa, muito embora a própria
natureza da obrigação não permita maiores punições, o CPC também inovou com
possibilidades de restrições de direitos como meio indireto de coibir o descumprimento
de mandados de pagamento e penhora, por exemplo. Ainda que com algumas
restrições e polêmicas, fato é que existem também ferramentas para ajudar juízes e
credores de quantia certa, ainda que em medida mais tímida.

Vamos então ver, com base no CPC, que ferramentas e dispositivos são esses e como
podemos utilizar tais recursos nos peticionamentos (advogados, promotores,
defensores) e nas próprias decisões (juízes e equipes de analistas).

2 – O Código de Processo Civil: ferramentas e dispositivos em prol da tutela


de execução e tutelas específicas
Em que pese o CPC de 1973 ter incorporado boas medidas a partir das experiências
do art. 461 e seus parágrafos (também aplicáveis ao art. 461), posteriormente
inseridos no art. 287, em claro sinal de avanço do uso e reconhecimento da efetividade
das astreintes e outras medidas possíveis, o CPC/2015 amplia o empoderamento dos
juízes, levando o tema explicitamente aos “Poderes, Deveres e Responsabilidade do
Juiz”, em seu art. 139, IV. Vejamos:

Art. 139. O juiz dirigirá o processo conforme as disposições deste Código,


incumbindo-lhe:
[...] IV - determinar todas as medidas indutivas, coercitivas, mandamentais
ou sub-rogatórias necessárias para assegurar o cumprimento de ordem judicial,
inclusive nas ações que tenham por objeto prestação pecuniária; [...]

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 24


Nota-se claramente o reconhecimento e fortalecimento das ferramentas em prol do
que se espera da fluidez de um processo judicial e suas decisões, isto é, do
cumprimento de suas decisões.

Para Humberto Pinho (2019), as medidas listadas no art. 139, IV, seriam diferenciadas
entre si da seguinte forma:

a) Indutivas – como uma novidade ao CPC/1973 e mais próximas das


coercitivas, embora possam dar um caráter mais de premiação do que de
punição em caso de cumprimento.

b) Coercitivas – já previstas no CPC/1973 e com papel de constranger o


devedor ao pagamento, sob pena de sanções diversas, tais como multa,
proibições específicas, entre outras possibilidades conforme os casos
concretos.

c) Mandamentais – determinam obrigações específicas e podem ser


reforçadas por multas diárias, bem como o cumprimento por terceiros, por
exemplo. Eram (e continuam) presentes em leis especiais, apesar de serem
usadas no CPC/1973 em certos ritos especiais.

d) Sub-rogatórias – independem da ação ou omissão do devedor, como no


caso de busca e apreensão, por exemplo. Também já existiam no CPC/1973.

Ao reforçar a atuação de juízes, inclusive de ofício, na aplicação das modalidades de


medidas aqui explicadas, o CPC amplia a força da Justiça, objetivando proporcionar
efetividade aos comandos e, consequentemente, aos resultados pretendidos. E o faz
inicialmente na parte do código que fala dos poderes que o juiz tem em toda e qualquer
fase de processo de conhecimento ou execução.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 25


Em outras palavras, ainda que não diretamente em momentos de execução direta,
pode o juiz se valer do comando e atuar com maiores chances de resultados materiais
e, quando for o caso, processuais. Sim, pois temos ordens judiciais de natureza (ou
objeto) processual, além daquelas que apenas concedem direitos materiais.

Seja como for, visto a regra geral do art. 139, vamos às conexões em sede de matéria
de tutela de execução:

Prisão do devedor de alimentos, art. 139, IV, c/c 528 §1º, ambos do CPC –
possibilidade de prisão, sem prejuízo de outras tentativas de restrição de direitos.

Você acha o tema pacífico? Veja a sequência de decisões abaixo, apenas em 2018 e
2019:

JUNHO 2018

“STJ proíbe apreensão de passaporte do devedor, mas mantém a de CNH”,


disponível em: http://bit.do/e4yNc.

DEZEMBRO 2018

“STJ valida bloqueio de passaporte como meio coercitivo para pagamento de dívida”,
disponível em: http://bit.do/e4yNa.

MARÇO 2019

“STF pode julgar se é inconstitucional a apreensão de CNH e passaporte a fim de


garantir o pagamento de dívidas”, disponível em: http://bit.do/e4yM3.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 26


Astreintes e outras medidas – art. 139, IV, c/c 536-537, todos do CPC –
correspondência com os lendários arts. 461 e 461-A do CPC, um dos dispositivos que
derivaram, por sua vez, do art. 84 do CDC, inicialmente utilizado para as execuções
de obrigações de fazer, não fazer, e posteriormente às obrigações de dar. Cerne do
desenvolvimento da aplicação das multas periódicas, rapidamente “consagradas”
como “diárias”.

Aqui separamos uma decisão bem completa, envolvendo até o poder geral de cautela,
reforçado pelo art. 297 do CPC. Faça uma leitura e teça comentários sobre a aplicação
de astreintes ao caso concreto:

ASTREINTES – PODER GERAL DE CAUTELA

Agravo de Instrumento nº 0020668-94.2017.8.19.0000, de 24 de maio de 2017,


disponível em: http://bit.do/e4yMu.

Para além dos arts. 536-537, o CPC também aborda o tema e suas possibilidades em
dispositivos inerentes ao processo de execução como um todo. Veja:

• Arts. 771-774; 777 (Disposições Gerais)


• Arts. 806, §§ 1º e 2º (Dar)
• Arts. 814-815 (Fazer)
• Arts. 822-823 (Não Fazer)

Viu? O CPC cercou por quase todos os lados (veja que não fomos aos procedimentos
especiais) o fortalecimento de ferramentas que possibilitem o cumprimento do
resultado que espera do título executivo judicial e extrajudicial.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 27


E você? Já teve a oportunidade de requerer tais ferramentas? Foram admitidas e
surtiram efeitos? Vejamos alguns casos sobre astreintes, valores e sua modificação:

Superior Tribunal de Justiça STJ – RECURSO ESPECIAL: REsp 1714990 MG


2017/0101471-4, disponível em:
https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/639479854/recurso-especial-resp-
1714990-mg-2017-0101471-4?ref=serp.

Superior Tribunal de Justiça STJ – RECURSO ESPECIAL: REsp 1528070 SP


2015/0087081-4, disponível em:
https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/652015787/recurso-especial-resp-
1528070-sp-2015-0087081-4?ref=serp.

Superior Tribunal de Justiça STJ – AGRAVO INTERNO NO AGRAVO INTERNO NOS


EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AgInt no AgInt
nos EDcl no AREsp 766996 MT 2015/0203985-6, disponível em: http://bit.do/e4yMh.

E não podemos deixar de fora a Súmula nº 410 do STJ, que ainda na vigência do
CPC/1973 buscava trazer maior segurança jurídica para o termo inicial de inicial da
aplicação de multa por descumprimento.

“A prévia intimação pessoal do devedor constitui condição necessária para


a cobrança de multa pelo descumprimento de obrigação de fazer ou não
fazer.”

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 28


REFERÊNCIAS
ARAÚJO, Luis Carlos de. Curso do novo processo civil. Rio de Janeiro: Editora
Freitas Bastos, 2015.
ASSIS, Araken de. Manual da execução. 20. ed. Rio de Janeiro: Revista dos
Tribunais, 2018.
BUENO, Cassio Scarpinella. Curso sistematizado de direito processual civil:
tutela jurisdicional executiva. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2019. v. 3.
MARINONI, Luiz Guilherme. Tutela de urgência e tutela de evidência: soluções
processuais diante do tempo da justiça. 2. ed. Revista dos Tribunais, 2018.
NEGRÃO, Theotonio et al. Código de processo civil e legislação processual em
vigor. 50. ed. ver. e atual. São Paulo: Saraiva, 2019.
PINHO, Humberto Dalla Bernardina de. Manual de direito processual civil
contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2019.

AULA 4: METODOLOGIA DA EXECUÇÃO NO CPC

A tutela de execução: breve histórico no período de 1990 a 2005


O Código de Processo Civil de 2015 tem uma estrutura bem diferente de seu
antecessor, considerando sua divisão em Parte Geral (VI Livros) e Parte Especial (IV
Livros), principalmente no tocante à Parte Geral, mais completa e com perfil mais
apropriado a uma teorização (ainda tímida) do processo. Processo Civil mesmo ocorre
na Parte Especial, com o Livro I dedicado ao Processo de Conhecimento e
Cumprimento de Sentença; o Livro II ao Processo de Execução; o Livro III ao Processo
nos Tribunais e dos Meios de Impugnação das Decisões Judiciais; e o Livro
Complementar com suas normas finais e transitórias.

A bem da verdade, perpetua-se a mitigação do estudo e tratamento das fases de


cognição de 1º e 2º graus de jurisdição (e 3ª instância), dificultando a percepção de
que recursos e outros meios de impugnação de decisões judiciais são também tutela
cognitiva. Ou não? Se o direito material e processual resta não definido, podendo os

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 29


recursos terem provimento e modificar o resultado anterior, sim, sem sombra de
dúvida estamos diante de fases de conhecimento.

Ultrapassada tal observação, encontramos então na Parte Especial, Livro I, a chamada


fase de cumprimento de sentenças, como o CPC assim o nomeia, muito embora os
dizeres normativos se apliquem a toda e qualquer decisão condenatória do Poder
Judiciário, nos termos do art. 515 do CPC. Por que não denominar “cumprimento de
títulos executivos judiciais” ou “tutela da execução dos títulos executivos judiciais”?
São questionamentos que devem permear seus estudos da presente aula, seja qual
for sua conclusão.

Gostando ou não gostando, fato é que o CPC inaugura a tutela de cumprimento de


sentenças a partir do art. 513 do CPC, estendendo-se até o art. 538, conforme
veremos. A bem da verdade, o tema da liquidação de sentenças (arts. 509-512) já
adianta um pouco o porvir, sem necessariamente inaugurar normas gerais e ritos
especializados do cumprimento de sentenças.

Mas o que fez o legislador ao criar a estruturação do cumprimento de sentenças no


CPC/2015? Em primeiro lugar, bebeu toda a fonte que inspirou as reformas processuais
do CPC/1973, que desde 1994 vêm ratificando a ideia de concentração de atos
processuais e o sincretismo processual, associado também à ideia de um processo
bifásico de modo mais generalista, ainda que existam experiências anteriores no CDC
(art. 84), por exemplo.

Em 1994, o art. 461 do CPC/1973 permite o cumprimento de sentenças (na verdade,


decisões judicias interlocutórias e monocráticas também) como uma fase ou momento
subsequente ao da prolatação da decisão. O juiz, ao conceder uma tutela antecipada
à época, determinava o seu imediato cumprimento (execução), e ao final do processo
(fase de conhecimento), com a sentença de procedência do pedido, aguardava-se o
cumprimento voluntário ou recurso. Em caso negativo do primeiro ou com recurso com

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 30


efeito apenas devolutivo, inicia-se a execução com uma nova intimação, nos autos do
mesmo processo.

Aliás, o art. 461 do CPC/1973 (alterado em 1994) era, na verdade, cópia fiel do art.
84 do CDC/1990. Isso significa dizer que desde 1994 já não possuíamos o então Livro
II tratando da execução de sentenças de fazer e não fazer. É bom recordar que, até
1994, sentenças e títulos extrajudiciais eram executados com os mesmos dizeres
legislativos (Livro II do CPC 1973).

O resultado gerou tamanha efetividade (talvez pelo incremento quase sincrônico do


art. 273 do CPC) e celeridade propriamente dita com as sentenças que, em 2002, o
legislador instalou o art. 461-A, dedicado ao mesmo sincronismo e cumprimento de
sentenças (e possíveis decisões antecipatórias) agora às obrigações de dar. É talvez
um dos artigos mais efetivos do ordenamento legislativo processual – considerando
que, com exceção do perecimento ou não localização da coisa móvel ou imóvel,
dificilmente o credor fica com a satisfação material pretendida.

Mas a verdade é que, até 2005, pouca atenção era dada às alterações dos arts. 461 e
461-A do CPC/1973. Foi apenas com a instalação do art. 475-J, e seguintes,
estendendo às obrigações de pagar quantia certa que boa parte da doutrina e
operadores jurídicos começou a enxergar a realidade normativa e metodológica que
se estende até os nossos dias e o CPC, com gratos ajustes em 2015.

A metodologia e critérios da execução no CPC atual


O CPC atual, apoiado na estruturação do código de processo deposto, ratifica a sua
metodologia de procurar associar ritos diferenciados de acordo com dois critérios
iniciais combinados entre si:

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 31


(1) Espécie de título executivo (Judicial – Extrajudicial)

(2) Espécie da obrigação (Fazer/não fazer – entregar/dar – pagar quantia


certa)

Esses são os dois critérios que inicialmente repartem os dizeres normativos a respeito
da execução. Em primeiro lugar, independentemente da espécie ou natureza da
obrigação, o CPC dividiu dois grandes blocos, conforme a origem do título executivo:

Execução de Títulos Executivos Judiciais (Cumprimento de sentenças) com


previsão dos arts. 513-538 do CPC.

Execução de Títulos Executivos Extrajudiciais (Processos de execução) com


previsão nos arts. 771-925 do CPC.

Então, se você advoga e está querendo se especializar na tutela de execução no


processo civil, já pode perceber que pode haver dois tipos de posicionamentos
distintos, conforme a origem do título de seu cliente. Contudo, associado a esses dois
critérios, há um terceiro, que complementa e ajuda a definir os caminhos processuais
em cada caso. Na sequência, veja que o 3º critério é:

(3) Status jurídico do exequente/executado

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 32


Como assim? Fácil. Veja só. Os exequentes e executados são as pessoas naturais ou
jurídicas, de direito público ou privado que têm personalidade e capacidade jurídica
para os atos da vida civil. Ótimo. Então, se você é uma pessoa natural ou pessoa
jurídica de direito privado, os dispositivos para figurar como exequente ou executado
são os mesmos.

Agora – considerando o status jurídico patrimonial das mesmas pessoas –, se de


antemão já se sabe de seu caráter de insolvência patrimonial, os caminhos processuais
são distintos, havendo, inclusive, aplicação das normas do CPC/1973 com relação aos
processos de insolvência de pessoas naturais e possivelmente aplicação da Lei nº
11.101/2005 (Lei de recuperação judicial) para os insolventes pessoas jurídicas, como
regra.

E mais: se o credor for uma pessoa jurídica de direito público? Nesses casos, a tutela
de execução deverá seguir a ritualística da Lei nº 6.830/1980, conhecida como a Lei
de Execução Fiscal. Por sua vez, se o devedor for a pessoa jurídica de direito público,
a hipótese será de utilização do CPC mesmo, mas em rito especialmente criado para
confrontar as pessoas jurídicas de direito público de modo diferenciado.

Agora, vamos fazer considerações a respeito de metodologia, critérios definidores e o


que isso tudo resultou no CPC.

Premissas da Tutela de Execução

1ª Premissa (ORIGEM DO TÍTULO): O CPC dividiu a tutela de execução


conforme os títulos executivos judiciais e extrajudiciais.

2ª Premissa (ESPÉCIE DA OBRIGAÇÃO): Após tal divisão, o CPC analisa a


espécie da obrigação (fazer e não fazer, dar e pagamento de quantias).

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 33


3ª Premissa (STATUS JURÍDICO DO DEVEDOR): O CPC leva ainda em
consideração se o devedor é pessoa natural ou jurídica de direito privado solvente
ou insolvente, e se é jurídica de direito público ou privado. É na verdade um critério
duplo de verificação.

A conjugação dessas três premissas permitiu ao legislador CPC criar ritos distintos para
títulos executivos judiciais e extrajudiciais. Em cada um dos casos, os ritos refletem os
atos processuais mais adequados à busca pela satisfação material dos credores
(exequentes).

Agora você já consegue identificar a seguinte visão de sistema da tutela de execução


no CPC e que será objeto de estudo de nossa próxima aula:

CUMPRIMENTO DE TÍTULOS JUDICIAIS: CINCO RITOS PROCESSUAIS


PROCESOS DE EXECUÇÃO: CINCO RITOS PROCESSUAIS

Esperamos que você tenha aproveitado a presente aula para preparar de modo
sistêmico o estudo dos ritos processuais de cumprimento de títulos judiciais e
processos de execução no CPC.

Agora que você já viu as razões e especificidades dos critérios apresentados, é só se


preparar para a nossa próxima aula!

REFERÊNCIAS
ARAÚJO, Luis Carlos de. Curso do novo processo civil. Rio de Janeiro: Editora
Freitas Bastos, 2015.
ASSIS, Araken de. Manual da execução. 20. ed. Rio de Janeiro: Revista dos
Tribunais, 2018.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 34


BUENO, Cassio Scarpinella. Curso sistematizado de direito processual civil:
tutela jurisdicional executiva. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2019. v. 3.
MARINONI, Luiz Guilherme. Tutela de urgência e tutela de evidência: soluções
processuais diante do tempo da justiça. 2. ed. Revista dos Tribunais, 2018.
NEGRÃO, Theotonio et al. Código de processo civil e legislação processual em
vigor. 50. ed. ver. e atual. São Paulo: Saraiva, 2019.
PINHO, Humberto Dalla Bernardina de. Manual de direito processual civil
contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2019.

AULA 5: O CUMPRIMENTO DE TÍTULOS JUDICIAIS NO CPC

O CPC lista, em seu art. 515, os títulos executivos judiciais, que podem ser sentenças
acórdãos, decisões judiciais interlocutórias ou monocráticas nos casos de alguma
concessão de tutela provisória possível. É importante registrar que o cumprimento de
“liminares, tutelas e outros comandos condenatórios” se dá de modo equivalente ao
de uma sentença, com as naturais ressalvas do caráter de provisoriedade.

Vejamos as definições de títulos executivos judiciais do art. 515 do CPC e respectivos


comentários:

I – as decisões proferidas no processo civil que reconheçam a exigibilidade de


obrigação de pagar quantia, de fazer, de não fazer ou de entregar coisa;

Comentário: O inciso traz uma saudável modificação ao CPC, pois ratifica o que vem
sendo ventilado nas aulas anteriores sobre a aplicação do “cumprimento de sentença”
às decisões interlocutórias e monocráticas. Considerando que já no CPC/1973 a
execução de tais decisões se dava pelo então cumprimento de sentença existente, o
inciso I chega em boa hora. Uma pena que o legislador não aproveitou para modificar

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 35


também a denominação macro, pois o mais adequado seria “cumprimento de títulos
executivos judiciais” ou algo similar.

II – a decisão homologatória de autocomposição judicial;


Comentário: Interessante dispositivo também imigrante (em parte) do CPC/1973 e
que valoriza o incentivo aos meios mais adequados de composição de conflitos,
reforçando as garantias de maior efetividade em caso de não cumprimento voluntário.
Aqui pode haver homologação de conciliação, transação, mediação e outros
instrumentos com termos de ajustamento de condutas (TACs) e similares.

III – a decisão homologatória de autocomposição extrajudicial de qualquer natureza;


Comentário: Corolário do inciso anterior, reforça a autocomposição extrajudicial de
naturezas diversas. Todos os itens do inciso II (com exceção da conciliação) podem,
em tese, ter execução também pelo inciso III. O que vai ditar é o ambiente e o
momento da autocomposição.

IV – o formal e a certidão de partilha, exclusivamente em relação ao inventariante,


aos herdeiros e aos sucessores a título singular ou universal;
Comentário: Ratifica a força executiva dos processos sucessórios realizados em juízo,
dando mais garantia aos herdeiros, sucessores e terceiros que podem ter realizados
negócios jurídicos tempestivos com o inventariante.

V – o crédito de auxiliar da Justiça, quando as custas, emolumentos ou honorários


tiverem sido aprovados por decisão judicial;
Comentário: Medida mais que justa, valorizando a sinergia e a celeridade processual
para aqueles que de um modo ou de outro contribuíram para o resultado útil do
processo.

VI – a sentença penal condenatória transitada em julgado;

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 36


Comentário: Cada vez mais efetivas no processo civil, as sentenças condenatórias
do campo penal têm aumentado a capacidade de impor também restrições de cunho
patrimonial, além de outras obrigações de fazer, não fazer e pagar quantia certa.

VII – a sentença arbitral;


Comentário: Símbolo da harmonia das possiblidades dos meios adequados de
solução de conflitos e atuação do Poder Judiciário, a arbitragem tem suas limitações
formais e materiais. Não havendo cumprimento voluntário, a execução do equivalente
é realizada em cumprimento de sentença. O cuidado aqui é você não confundir: apesar
de ser um título fora do Poder Judiciário, é considerando pelo sentido de equivalência
aqui apresentado, um título executivo judicial.

VIII – a sentença estrangeira homologada pelo Superior Tribunal de Justiça;


Comentário: Fruto das parcerias cada vez mais efetivas em sede de cooperação
internacional, o inciso VIII e o seguinte (IX) representam os esforços em busca de
uma tutela judicial cada vez mais efetiva.

IX – a decisão interlocutória estrangeira, após a concessão do exequatur à carta


rogatória pelo Superior Tribunal de Justiça.
Comentário: Comentário no item anterior.

Atenção! Para além do reconhecimento dos títulos executivos judiciais, o art. 515 do
CPC traz ainda dois importantes parágrafos que merecem o devido destaque:

Citação – Intimação
§ 1º Nos casos dos incisos VI a IX, o devedor será citado no juízo cível para o
cumprimento da sentença ou para a liquidação no prazo de 15 (quinze) dias.
Comentário: Importantíssimo dispositivo para o peticionamento, pois uma das
grandes diferenças do cumprimento de sentença em regra é a intimação no lugar da
citação, como era antes do sincretismo processual iniciado nos anos 1990. Aqui, é

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 37


exatamente o contrário, considerando que os títulos dos incisos respectivos foram
formados em outro ramo processual que não o processo sob jurisdição civil.

Autocomposição judicial
Elementos subjetivos e objetivos estranhos ao processo

§ 2º A autocomposição judicial pode envolver sujeito estranho ao processo e versar


sobre relação jurídica que não tenha sido deduzida em juízo.

Comentário: O parágrafo 2º do art. 515 é para muitos um tema desconhecido e sem


muito sentido, mas ajuda de modo significativo a autocomposição judicial em suas
várias possiblidades.

A permissão passou a existir no CPC/1973 em meio às reformas da tutela de execução


de 2005, e permite que em meio a um acordo em construção as partes originárias
envolvam outros direitos e pessoas para formalizar a autocomposição.

De todo modo, com ou sem surpresas, os títulos executivos judiciais devem ser certos
(obrigação identificada e diferenciada), líquido (quantificação) e exigíveis (sem
impedimentos materiais ou processuais), e poderão ter o seu cumprimento requerido
em juízo conforme as disposições dos arts. 513-538 do CPC.

Na presente aula, vamos examinar os cinco ritos disponíveis para o cumprimento de


sentenças, a saber:

Ritos processuais – tipicidade no CPC

Pagar quantia (credor e devedor particular) – arts. 520-527


Pagar quantia (credor particular e devedor público) – arts. 534-535
Pagar alimentos – arts. 528-533
Fazer, não fazer – arts. 536-537

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 38


e Dar – arts. 536-538

Antes, porém, é importante que você entenda: quando nos referimos aqui a ritos, o
fazemos no sentido eminentemente técnico, processual. Ou seja, de acordo com o
título executivo que tiver em mãos, para realizar o direito material de seu cliente, você
deverá eleger um dos caminhos processuais aqui indicados.

Isso significa dizer que os ritos previstos em lei (Veja: Índice Sistemático do CPC)
trazem uma previsão (não excludente) dos atos processuais do exequente, juiz e
executado, sem prejuízo de outros que podem intervir no curso do processo.

E, com tal previsão legal, respectivos advogados podem se programar, e, de algum


modo, até prever e prevenir certas situações jurídicas, em especial quanto à satisfação
material dos bens, nos casos de execuções pecuniárias, bem como as possibilidades
de acesso à tutela específica das obrigações de fazer, não fazer e dar.

Rito 1º – Execução pecuniária privada


Pagar quantia (credor e devedor particular) – arts. 520-527
Trata-se do cumprimento de sentença de maior escala de ocorrências, considerando
não só maior número de atos e negócios jurídicos envolvendo diretamente quantias
certas, mas também como a consagração da ideia de que a tutela de execução no
processo civil é patrimonial. Assim, mesmo as execuções de fazer e não fazer e dar
são convertidas em perdas e danos, reforçando assim os números da execução de
sentença com obrigações pecuniárias.

Pois bem, quando a obrigação pecuniária não tiver a rubrica de alimentos ou não for
em face da Fazenda Pública (e vice-versa), o rito a ser obedecido é justamente esse.

A partir do art. 520 do CPC, encontramos os dispositivos que vão tratar da execução
por quantia certa em face de devedor solvente de modo provisório e definitivo. É a

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 39


partir do art. 523 que encontramos os requisitos formais do requerimento que o
advogado do credor deve realizar:

Início da fase de cumprimento: arts. 523-524 do CPC


• Petição/requerimento de início de fase de cumprimento;
• Demonstrativo discriminado e atualizado do crédito;
• Outros requisitos (art. 524 do CPC);
• Prazo de quinze dias para pagamento;
• Possibilidade de multa de 10%;
• Penhora ao não pagamento.

A defesa correta é a impugnação, que não tem efeito suspensivo (regra) e não
impede, portanto, a sequência do cumprimento, e pode ter como temas as chamadas
matérias de ordem pública e outros fatos relevantes após a sentença. É a dialética
presente em respeito ao contraditório continuado, ainda que bem mitigado em relação
ao já proporcionado na fase de conhecimento. Vejamos os temas:

Impugnação (temas): arts. 525-527 do CPC


I - falta ou nulidade da citação se, na fase de conhecimento, o processo correu à
revelia;
II - ilegitimidade de parte;
III - inexequibilidade do título ou inexigibilidade da obrigação;
IV - penhora incorreta ou avaliação errônea;
V - excesso de execução ou cumulação indevida de execuções;
VI - incompetência absoluta ou relativa do juízo da execução;
VII - qualquer causa modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento,
novação, compensação, transação ou prescrição, desde que supervenientes à
sentença.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 40


Após o prazo de impugnação, sua solução (ou mesmo sua ausência), caso não ocorra
sentença, a fase de cumprimento se empodera dos artigos do CPC destinados à
expropriação patrimonial do executado (arts. 876-909), os mesmos aplicáveis à
execução de títulos executivos extrajudiciais.

OBS.: Importante registrar que os atos de penhora, avaliação e depósito de


bens bem como as formas de expropriação são regidos por normas comuns do CPC
(arts. 831-869).

Rito 2º – Execução em face da fazenda pública


Pagar quantia (credor particular e devedor público) – arts. 534-535
A fazenda pública em juízo é intimada, no caso de obrigação de quantia certa, para
oferecer impugnação na forma da lei. Ela não sofre penhora nem é intimada para
pagamento de quantia certa. No máximo, tratamos, em casos pontuais, de requisição
de pequeno valor (RPV).

A impugnação é o meio de defesa previsto para todas as fases de cumprimento de


sentença. Ao final, caso o direito ao crédito persista, aplica-se o regramento dos
precatórios.

Rito 3º – Execução pecuniária específica


Pagar alimentos – arts. 528-533
O CPC apresenta a possibilidade de o credor de alimentos adotar um rito que busque
a medida coerciva da prisão (entre outras) para fazer com que o devedor cumpra com
sua obrigação. Pode o credor optar pelo rito da execução por quantia certa, caso
entenda inviável ou descabido o pedido de prisão como medida coercitiva, por
questões circunstanciais (ex.: não localização do devedor).

O devedor é intimado a pagar, demonstrar que o fez ou justificar a impossibilidade. A


omissão leva à presunção de inércia e possibilidade de pagamento. Isso gera a

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 41


possibilidade de prisão (questionável). A defesa é realizada por impugnação, mas pode
haver HC ou AI no caso de prisão deferida.

Rito 4º – Execução não pecuniária


Fazer, não fazer – arts. 536-537
Há duas possibilidades, mas que têm muita equivalência na sequência processual dos
atos que podem ocorrer no cumprimento de sentença. Em tese, o que muda é em
razão da prestação a ser cumprida. Se fungível ou infungível, se haverá resistência,
necessidade de multas ou outras medidas que possam reforçar a opção do devedor,
agora executado, pelo cumprimento da ordem judicial.

É importante tipificar corretamente nos peticionamentos, principalmente nos itens com


requerimentos de medidas coercitivas e sendo a obrigação fungível, possível até o
cumprimento por terceiros.

Rito 5º – Execução não pecuniária


Dar – arts. 536-538

O rito 5º guarda uma sintonia fina com o procedimento a ser adotado para as
obrigações de fazer e não fazer. A bem da verdade, o comando final do requerimento
e eventual é que são alterados, mas as medidas coercitivas e demais disposições de
um rito valem para o outro. A divisão aqui é muito mais de cunho didático.

Importante combinar também o art. 139, IV, do CPC. No caso do art. 538 do CPC, a
efetividade pode chegar ao máximo desejado, pois, no caso da não entrega,
expede-se mandado de busca e apreensão ou imissão na posse. Tirando a hipótese
de perecimento da coisa, é bem provável que a satisfação material seja alcançada pelo
exequente com o apoio do Poder Judiciário. A defesa é realizada também pela
impugnação, nos termos do art. 525 e seguintes do CPC.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 42


REFERÊNCIAS
ARAÚJO, Luis Carlos de. Curso do novo processo civil. Rio de Janeiro: Editora
Freitas Bastos, 2015.
ASSIS, Araken de. Manual da execução. 20. ed. Rio de Janeiro: Revista dos
Tribunais, 2018.
BUENO, Cassio Scarpinella. Curso sistematizado de direito processual civil:
tutela jurisdicional executiva. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2019. v. 3.
MARINONI, Luiz Guilherme. Tutela de urgência e tutela de evidência: soluções
processuais diante do tempo da justiça. 2. ed. Revista dos Tribunais, 2018.
NEGRÃO, Theotonio et al. Código de processo civil e legislação processual em
vigor. 50. ed. ver. e atual. São Paulo: Saraiva, 2019.
PINHO, Humberto Dalla Bernardina de. Manual de direito processual civil
contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2019.

AULA 6: O CUMPRIMENTO DE TÍTULOS EXTRAJUDICIAIS NO CPC

O CPC lista em seu art. 784 os títulos executivos extrajudiciais que são documentos
privados e públicos criados pelo homem para, em tese, fazer circular e garantir valores
mobiliários e imobiliários com um grau satisfatório de certeza, liquidez e exigibilidade
a ponto de dispensar a submissão de seus direitos e pretensões ao primado dos
processos de conhecimento. Os títulos executivos extrajudiciais autorizam os
processos de execução e respectivas ordens e comandos em prol da satisfação do
credor por meio da expropriação de bens do devedor.

Ora, mas qual a razão de o direito abraçar tal diferenciação com base apenas em leis
e documentos? Muito simples: as relações sociais se multiplicaram e se entrelaçaram
de tal forma, espaço e tempo que a ideia originária de realizar justiça via um juiz que
irá decidir o certo ou errado parece complexa e forte em demasia, se considerada a
multiplicidade de negócios jurídicos praticados entre as partes.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 43


Imaginar que as relações antigas do direito comercial entre mercadores de continentes
distintos não poderiam gozar de uma série de presunções é querer que a todo
momento, todo e qualquer fato, ato ou negócio jurídico não honrado tivesse de ser
submetido ao crivo de um juiz ou tribunal. Já imaginaram como seria?

Portanto, estamos diante de inteligentes opções legislativas que, de um lado,


fortificaram no Brasil e em boa parte do mundo os documentos que formalizam as
relações comerciais mais corriqueiras e de interesse da economia, para dar maior
celeridade e certeza jurídica, se houver necessidade de recuperação de valores no
Poder Judiciário ou outros meios adequados.

Vejamos então títulos executivos extrajudiciais do art. 784 do CPC e respectivos


comentários:

I - I - a letra de câmbio, a nota promissória, a duplicata, a debênture e o cheque;


Comentário: O inciso traz uma relação dos mais importantes documentos privados e
que fazem a economia circular. São os famosos títulos de crédito, utilizados por grande
parte do mercado para lastrear operações, assegurar outros negócios, transferir
valores, entre outros propósitos. O fato de estarem logo no inciso I é simbólico,
representando a real vocação do CPC em matéria de tutela de execução.

II - a escritura pública ou outro documento público assinado pelo devedor;


III - o documento particular assinado pelo devedor e por 2 (duas) testemunhas;
IV - o instrumento de transação referendado pelo Ministério Público, pela Defensoria
Pública, pela Advocacia Pública, pelos advogados dos transatores ou por conciliador
ou mediador credenciado por tribunal;
V - o contrato garantido por hipoteca, penhor, anticrese ou outro direito real de
garantia e aquele garantido por caução;
VI - o contrato de seguro de vida em caso de morte;
VII - o crédito decorrente de foro e laudêmio;

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 44


VIII - o crédito, documentalmente comprovado, decorrente de aluguel de imóvel,
bem como de encargos acessórios, tais como taxas e despesas de condomínio;
Comentário: Reunimos vários títulos executivos que têm como princípio básico a
realização de pactos de livre manifestação de vontade das partes. Aqui pode haver
documento público ou privado, homologação de, transação, mediação e outros
instrumentos como termos de ajustamento de condutas e similares.

Porém, a ideia central é a mesma: os sujeitos que formalizam entre si um contrato,


formalizam de modo certo, líquido e exigível direitos e obrigações a tempo presente e
futuro, para local e modos padronizados ou criados à parte.

IX - a certidão de dívida ativa da Fazenda Pública da União, dos Estados, do Distrito


Federal e dos Municípios, correspondente aos créditos inscritos na forma da lei;
X - o crédito referente às contribuições ordinárias ou extraordinárias de condomínio
edilício, previstas na respectiva convenção ou aprovadas em assembleia geral, desde
que documentalmente comprovadas;
XI - a certidão expedida por serventia notarial ou de registro relativa a valores de
emolumentos e demais despesas devidas pelos atos por ela praticados, fixados nas
tabelas estabelecidas em lei;
Aqui estamos diante de certidões (públicas) e débitos oriundos de relação condominial
prevista anteriormente. As certidões confirmam, para todos os fins de direito, que
existem ou inexistem débitos em face de um CPF ou CNPJ, passíveis de processos
autônomos de execução.

XII - todos os demais títulos aos quais, por disposição expressa, a lei atribuir força
executiva.
Comentário: O inciso XXI necessita da interpretação mais objetiva e ao mesmo
tempo mais ampla possível, considerando a possibilidade de livre criação legislativa do
direito e suas fontes em estabelecer, ou não, novos títulos executivos ou até mesmo
variações de alguns títulos executivos já existentes.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 45


De um lado, traz certeza jurídica de que hoje só é título o que a lei aponta (ou apontar
amanhã), mas deixa a possibilidade, muito saudável, de flexibilizar o direito para
acontecimentos futuros, não legislando de modo a cercear ou dificultar o direito de
futuras gerações.

Para além dos incisos, o art. 784 do CPC traz importantes considerações acerca dos
títulos executivos extrajudiciais e o exercício de ações em face de direitos creditórios.
Considerando a temática envolvida, faremos tais comentários em conjunto com o
disposto no art. 785 do CPC, que reflete a ideia do princípio da disponibilidade da
execução, tema importantíssimo para o manejo de ferramentas processuais mais ou
menos adequadas e casos mais complexos.

Vamos lá, iniciando pelo § 1º do art. 784:

§ 1º A propositura de qualquer ação relativa a débito constante de título executivo


não inibe o credor de promover-lhe a execução.
Comentário: A previsão legal reforça a diferença entre a tutela de execução e a tutela
de conhecimento, deixando claro que o exercício da ação executiva não pode, em tese,
ser cerceado por qualquer outra ação relativa ao débito ou mesmo ao título executivo
em si. Toda e qualquer manifestação deve prioritariamente ser exercida como resposta
ao processo de execução, por meio de embargos do executado ou mesmo exceção de
pré-executividade, em situações mais extremas.

É importante destacar que não se proíbem ações envolvendo discussões sobre o título
executivo e seus requisitos, por exemplo. O que não se pode é inviabilizar o exercício
da ação de execução, sob pena de se retirar sentido da própria diferenciação da tutela
executiva.

Veja um exemplo de ação de inexigibilidade de título cumulada com sustação de


protesto e seu respectivo desdobramento no âmbito recursal:

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 46


(0096222-81.2007.8.19.0001 – APELAÇÃO)
1ª Ementa
Des(a). CINTIA SANTAREM CARDINALI – Julgamento: 10/7/2019 – VIGÉSIMA
QUARTA CÂMARA CÍVEL

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO CAUTELAR DE SUSTAÇÃO DE PROTESTO APENSADA À


DECLARATÓRIA DE INEXIGIBILIDADE DE TÍTULO C/C INDENIZATÓRIA POR DANOS
MATERIAIS E MORAIS. PROTESTO DE CONTRATO DE ALUGUEL. SENTENÇA QUE
JULGOU IMPROCEDENTES OS PEDIDOS DA AÇÃO CAUTELAR, BEM COMO DA
PRINCIPAL, AO FUNDAMENTO DE QUE O AUTOR NÃO INDICOU A CADERNETA DE
POUPANÇA ONDE ESTARIA DEPOSITADA A GARANTIA OFERECIDA PELA RÉ, NEM,
MUITO MENOS, NAS OUTRAS AÇÕES, DESCONTOU DO VALOR TOTAL DO DÉBITO
A IMPORTÂNCIA DEPOSITADA A TÍTULO DE CAUÇÃO. RECURSO DA PARTE
AUTORA, PRETENDENDO A REFORMA IN TOTUM DA SENTENÇA IMPUGNADA, QUE
NÃO MERECE PROSPERAR. EM QUE PESE ASSISTIR RAZÃO AO APELANTE, POIS,
DE FATO, O JUIZ DE PRIMEIRO GRAU SE EQUIVOCOU, POIS A GARANTIA FOI
PRESTADA PELA AUTORA/LOCATÁRIA E NÃO PELA RÉ/LOCADORA, A SENTENÇA DE
IMPROCEDÊNCIA MERECE SER MANTIDA. CONTUDO, POR FUNDAMENTOS
DIVERSOS. A CLÁUSULA 13ª DO CONTRATO DE ALUGUEL OBJETO DA LIDE PREVÊ
O DEPÓSITO DE TRÊS MESES DE ALUGUEL, COMO GARANTIA. ARTIGO 38, §2º, DA
LEI DO INQUILINATO. DÉBITO RELATIVO AO ALUGUEL DE MAIO DE 2007,
PROTESTADO EM JUNHO DE 2007. INADIMPLÊNCIA DA PARTE AUTORA NO
CITADO MÊS QUE É INCONTROVERSA. PROTESTO QUE OCORREU NA VIGÊNCIA
DO CONTRATO, POIS ESTE SOMENTE FOI RESCINDIDO EM DEZEMBRO DE 2007,
COM A IMISSÃO DA LOCADORA NA POSSE DO IMÓVEL. EXISTINDO DÉBITO
DECORRENTE DE CONTRATO DE LOCAÇÃO, VÁLIDO O PROTESTO DO CONTRATO
LOCATÍCIO (ARTIGO 1º DA LEI Nº 9492/97). NA HIPÓTESE, VERIFICA-SE A
EXISTÊNCIA DE UMA DÍVIDA LÍQUIDA, CERTA E EXIGÍVEL, RESTANDO
DEMONSTRADO, PORTANTO, QUE O PROTESTO DO CONTRATO LOCATÍCIO FOI
REGULAR. A AUTORA, LOCATÁRIA, PARTIU DE PREMISSA EQUIVOCADA - QUE NÃO
PODERIA TER HAVIDO O PROTESTO, DIANTE DA AUSÊNCIA DO DESCONTO DA

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 47


GARANTIA - PORQUE O PROTESTO FOI REALIZADO ANTES DO TÉRMINO DO
CONTRATO E O LEVANTAMENTO DA GARANTIA, CONFORME PREVISÃO
CONTRATUAL (CLAUSULA 13ª), SÓ PODERIA TER OCORRIDO AO TÉRMINO DA
LOCAÇÃO. A LOCADORA ATUOU NO EXERCÍCIO REGULAR DO DIREITO,
REVELANDO-SE LEGÍTIMO O PROTESTO DO TÍTULO, MOTIVO PELO QUAL NÃO SE
VERIFICA QUALQUER CONDUTA ILÍCITA DA LOCADORA A ENSEJAR O DIREITO À
COMPENSAÇÃO POR DANOS MORAIS À LOCATÁRIA. COM ISSO, NÃO SE ESTÁ
AFIRMANDO QUE A AUTORA NÃO TEM DIREITO AO LEVANTAMENTO DA GARANTIA
DEPOSITADA, DEVIDAMENTE CORRIGIDA, PORQUANTO, DE FATO, AO QUE
PARECE, O VALOR DA CAUÇÃO NÃO FOI DESCONTADO DO MONTANTE DO DÉBITO,
NEM RESTITUÍDO À LOCATÁRIA. CONTUDO, O LEVANTAMENTO DA GARANTIA
NÃO É ALVO DO PEDIDO. SENTENÇA DE IMPROCEDÊNCIA QUE SE MANTÉM, MAS
POR FUNDAMENTOS DIVERSOS. RECURSO A QUE SE NEGA PROVIMENTO.

O acórdão completo está disponível em: http://bit.do/e4yK8.

O art. 785 do Código de Processo Civil


Sem prejuízo da valorização da tutela de execução e mais especificamente do exercício
de ação em prol da instauração de processos de execução fundados em títulos
executivos extrajudiciais, o art. 785 do CPC traz uma disposição que merece análise
mais detalhada para fins de atividade da advocacia na prática. Vamos ao tema:

Pode-se perguntar, por exemplo, qual seria o interesse do credor, que possui em
seu favor um título executivo extrajudicial, que lhe permite exercer ação para atuar
em processos de execução, de abrir mão de tal direito e exercer ação para atuar em
processos de conhecimento ou eventualmente um rito monitório?

Apesar de parecer certo retrocesso, e ilógico, a princípio, é preciso levar em


consideração algumas realidades fáticas:

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 48


a) É possível que você, advogado do credor, perceba inconsistências entre o
título e a realidade jurídica e negocial existente entre as partes.
Ex.: Um contrato prevê determinadas obrigações e formas de pagamento, mas as
partes, informalmente, oscilam entre o cumprimento originário e alternativo, sem
qualquer linha racional e constante, demonstrando claramente que o papel do contrato
foi superado, e muito, pela realidade fática.

b) É possível que você, advogado do credor, perceba, em outros casos, a


necessidade de produzir provas em negócios jurídicos controversos em parte,
mas que possuam uma ideia de tutela de evidência ou mesmo urgência para
outros pontos.

Em situações assim, é possível que o exercício da ação de execução possa gerar uma
possibilidade de embargos do executado com grande potencialidade de descaracterizar
o título executivo, no todo ou em parte, o que precisa ser avaliado por você, advogado.
Para além de simplesmente seguir a previsão legal e formal dos títulos executivos, é
importante ratificar com seu cliente uma coerência entre a realidade fática do
combinado com o realizado.

Caso realmente persistam as inconsistências, os riscos devem ser avaliados. Às vezes


é melhor ter o contraditório em sede de ação originária de conhecimento ou rito
monitório do que querer sustentar uma execução fundada em título executivo
formalmente “em dia”, mas frágil no ponto material, sendo alvo fácil para o advogado
do executado. São apenas avaliações que devem ser feitas e que não mudam a
normatividade dos arts. 784 e 785.

O art. 785, combinado com o art. 775 (caput), representa a melhor realidade da
autonomia da tutela de execução, ressaltando que a presunção de certeza, liquidez e
exigibilidade do credor tem um peso significativo na tramitação dos processos de
execução, na prática.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 49


Isso não significa entender que o princípio da isonomia não se aplica aos processos de
conhecimento (ou mesmo fases de cumprimento de sentenças), mas é nítida a
diferenciação entre a situação jurídica inicial dos sujeitos (credor e devedor) da
execução se comparados aos sujeitos da cognição (autor e réu).

Art. 775. O exequente tem o direito de desistir de toda a execução ou de apenas


alguma medida executiva [...]
Art. 785. A existência de título executivo extrajudicial não impede a parte de optar
pelo processo de conhecimento, a fim de obter título executivo judicial.

De todo modo, com ou sem surpresas, os títulos executivos extrajudiciais representam


uma importante formalização para o mundo dos negócios e sua tempestividade
esperada, em especial às vantagens advindas da circulação econômica e da máxima
de que “tempo é dinheiro”. Uma compra e venda com pagamento à vista tem seu valor
diferenciado da compra e venda com pagamento a prazo, e ambas gozam da
possibilidade de circulação do crédito que, ao final de tempo e lugar, deverá ser
satisfeito ao credor então nominado ou por último destinado.

É o grande papel dos contratos, títulos de crédito e outros títulos executivos


extrajudiciais, qual seja, formalizar com nível alto de segurança os atos jurídicos
(negócios) praticados pelas partes originárias e destinados ao cumprimento imediato,
circulação e recebimento ao final. Considerando a liberdade de contratação e de algum
modo de manifestação de vontade e celebração de vontades de um modo geral (art.
421 do CC), em associação aos princípios da ordem econômica (art. 170 da
CRFB/1988), há um campo fértil à criatividade humana à constituição de obrigações
mútuas de fazer e não fazer, dar e pagar quantias certas.

No entanto, mesmo considerando tal campo livre, a criatividade nos títulos executivos
extrajudiciais resta contida nas espécies de obrigações aqui apontadas, ainda que
misturadas entre si: fazer e não fazer, dar e pagar quantias certas, razão pela qual o

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 50


legislador aqui também criou cinco ritos disponíveis para o exercício da ação e
tramitação dos processos de execução.

Veja interessante posição do STJ sobre o tema no Informativo de Jurisprudência nº


0612, disponível em: http://bit.do/e4yKE. Ao final da aula, veja outros julgados e
comentários temáticos.

Os direitos e atos processuais possíveis ao credor (futuro executado), juiz e


devedor/garantidor (futuro executado) serão a seguir abordos na análise dos cinco
ritos disponíveis:

Ritos processuais – tipicidade no CPC


Pagar quantia (credor e devedor particular) – arts. 824-925
Pagar quantia (credor particular e devedor público) – art. 910
Pagar alimentos – arts. 911-913
Fazer e não fazer – arts. 814-823
Dar – arts. 806-813

Antes, porém, é importante que você entenda: quando nos referimos aqui a ritos, o
fazemos no sentido eminentemente técnico, processual. Ou seja, de acordo com o
título executivo que tiver em mãos, para realizar o direito material de seu cliente, você
deverá eleger um dos caminhos processuais aqui indicados.

Isso significa dizer que os ritos previstos em lei (Veja: Índice Sistemático do CPC)
trazem uma previsão (não excludente) dos atos processuais do exequente, juiz e
executado, sem prejuízo de outros que podem intervir no curso do processo.

E, com tal previsão legal, respectivos advogados podem se programar, e, de algum


modo, até prever e prevenir certas situações jurídicas, em especial quanto à satisfação
material dos bens nos casos de execuções pecuniárias, bem como as possibilidades de
acesso à tutela específica das obrigações de fazer, não fazer e dar.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 51


Rito 1º – Execução pecuniária privada
Pagar quantia (credor e devedor particular) – arts. 824-925

Trata-se dos processos de execução com maior escala de ocorrências, considerando


não só maior número de atos e negócios jurídicos envolvendo diretamente quantias
certas, mas também como a consagração da ideia de que a tutela de execução no
processo civil é patrimonial. Assim, mesmo os processos de execução de fazer e não
fazer e dar são convertidos em perdas e danos, reforçando assim os números de
execução de sentença com obrigações pecuniárias.

Pois bem, quando a obrigação pecuniária não tiver a rubrica de alimentos ou não for
em face da Fazenda Pública (e vice-versa), o rito a ser obedecido é justamente esse.

A partir do art. 824 do CPC, encontramos os dispositivos que vão tratar da execução
por quantia certa em face de devedor solvente. No caso dos processos de execução,
os requisitos de todas as petições iniciais estão previstos nos arts. 798-800 do CPC, e
deverão ser conjugados com os demais requisitos ou características específicas no rito.

• Petição inicial;
• Demonstrativo discriminado e atualizado do débito;
• Prazo de três dias para pagamento sob pena de penhora;
• Possibilidade de arresto (em caso de não citação);
• Prazo de quinze dias para embargos ou possível parcelamento;

A defesa correta são os embargos do executado, que não têm efeito suspensivo
(regra) e não impedem, portanto, a sequência do processo de execução. Como
verdadeira ação de conhecimento, os embargos do executado podem versar sobre
tudo que seria lícito alegar sede de processo de conhecimento.

Trata-se de verdadeira e primeira oportunidade para que o executado, intitulado de


devedor até então, possa desconstituir sua condição ou mesmo o título, no todo ou

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 52


em parte, sem prejuízo de outras defesas indiretas em relação à penhora, à avaliação
e ao depósito, por exemplo. É a hora de a presunção legal de certeza, liquidez e
exigibilidade ser colocada à prova em respeito aos mandamentos constitucionais
alinhados ao exercício da ação, jurisdição e defesa.

Após o prazo dos embargos do executado, com ou sem oposição e salvo a concessão
de eventual efeito suspensivo, o processo de execução segue o seu curso, caminhando
rumo à expropriação patrimonial dos bens do executado, conforme previsão dos arts.
876-909 do CPC, e presumindo que os atos de penhora, avaliação e depósitos já
tiveram suas respectivas ocorrências, nos termos dos arts. 831-869 do CPC.

Veja interessante posição do STJ sobre o tema no Informativo de Jurisprudência nº


0304, disponível em: http://bit.do/e4yKt. Ao final da aula, veja outros julgados e
comentários temáticos.

Rito 2º – Processo de execução em face da fazenda pública


Pagar quantia (credor particular e devedor público) – art. 910
A fazenda pública em juízo é citada, no caso de obrigação de quantia certa, para
oferecer embargos do executado na forma da lei. Não há penhora ou intimação
para pagamento de quantia certa. No máximo, tratamos, em casos pontuais de
requisição de pequeno valor (RPV), conforme previsões legais (valores e ritos de
juizados, por exemplo).

Veja o disposto no art. 910 do CPC e as possibilidades legais:

• Petição Inicial;
• Demonstrativo discriminado e atualizado do débito;
• Prazo de trinta dias para embargos;
• Sem penhora;
• Sem pagamento.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 53


Ao final, com o julgamento dos embargos do executado, caso o direito ao crédito
persista, aplica-se o regramento dos precatórios, considerando as particularidades
da fazenda pública em juízo.

Veja interessante posição do STJ sobre o tema no Informativo de Jurisprudência nº


0584, disponível em:
https://ww2.stj.jus.br/jurisprudencia/externo/informativo/?acao=pesquisarumaedic
ao&livre=@cod=%270584%27. Ao final da aula, veja outros julgados e comentários
temáticos.

Rito 3º – Processo de execução – Alimentos


Pagar alimentos – arts. 911-913
O CPC apresenta a possibilidade de o credor de alimentos adotar um rito que busque
a medida coerciva da prisão (entre outras) para fazer com que o devedor cumpra com
sua obrigação. Pode o credor optar pelo rito da execução por quantia certa, caso
entenda inviável ou descabido o pedido de prisão como medida coercitiva, por
questões circunstanciais (ex.: não localização do devedor).

De acordo com o art. 911, seguem os requisitos da petição inicial e suas possíveis
consequências jurídicas:

• Petição inicial;
• Demonstrativo discriminado e atualizado do débito;
• Prazo de três dias: pagamento/comprovação/justificativa;
• Possibilidade de prisão após o terceiro dia;
• Possibilidade de adoção de rito genérico (quantia certa).

O devedor é citado para pagar, demonstrar que o fez ou justificar a impossibilidade. A


omissão leva à presunção de inércia e possibilidade de pagamento. Isso gera a
possibilidade de prisão (questionável). A defesa é realizada também por embargos
do executado, mas pode haver HC ou AI no caso de prisão deferida.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 54


Consulte a busca de jurisprudência do Supremo Tribunal de Justiça sobre o tema da
prisão: http://bit.do/e4yJT. Ao final da aula, veja outros julgados e comentários
temáticos.

Rito 4º – Execução não pecuniária


Fazer/não fazer – arts. 814-823
Assim como o previsto para as fases de cumprimento de sentenças, há duas
possibilidades que têm muita equivalência na sequência processual – a execução de
obrigações de fazer e não fazer. Em tese, o que muda é em razão da prestação a ser
cumprida. Se fungível ou infungível, se haverá resistência, necessidade de multas ou
outras medidas que possam reforçar a opção do devedor, agora executado, pelo
cumprimento da ordem judicial.

É importante é tipificar corretamente na petição inicial, principalmente nos itens com


requerimentos de medidas coercitivas; sendo a obrigação fungível, é possível até o
cumprimento por terceiros.

Veja interessante posição do STJ sobre o tema da prisão: Consulte a busca de


jurisprudência do Supremo Tribunal de Justiça sobre o tema da prisão:
http://bit.do/e4yJT. Ao final da aula, veja outros julgados e comentários temáticos.

Rito 5º – Execução não pecuniária


Dar – arts. 806-813
O rito 5º guarda uma sintonia fina com o procedimento a ser adotado para as
obrigações de fazer e não fazer. A bem da verdade, o comando final do requerimento
e eventual é que são alterados, mas as medidas coercitivas e demais disposições de
um rito valem para o outro. A divisão aqui é muito mais de cunho didático.

Importante combinar também o art. 139, IV, do CPC para se ter a percepção de que
não se está limitado a multas diárias. No caso do art. 806, §§ 1º e 2º do CPC, a
efetividade pode chegar ao máximo desejado, pois, no caso da não entrega,

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 55


expede-se mandado de busca e apreensão ou imissão na posse. Tirando a hipótese
de perecimento da coisa, é bem provável que a satisfação material seja alcançada pelo
exequente com o apoio do Poder Judiciário. A defesa é realizada também por
embargos do executado, nos termos do arts. 914-920 do CPC.

Consulte a busca de jurisprudência do Supremo Tribunal de Justiça sobre o tema da


prisão: http://bit.do/e4yJT. Ao final da aula, veja outros julgados e comentários
temáticos.

REFERÊNCIAS
ARAÚJO, Luis Carlos de. Curso do novo processo civil. Rio de Janeiro: Editora
Freitas Bastos, 2015.
ASSIS, Araken de. Manual da execução. 20. ed. Rio de Janeiro: Revista dos
Tribunais, 2018.
BUENO, Cassio Scarpinella. Curso sistematizado de direito processual civil:
tutela jurisdicional executiva. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2019. v. 3.
MARINONI, Luiz Guilherme. Tutela de urgência e tutela de evidência: soluções
processuais diante do tempo da justiça. 2. ed. Revista dos Tribunais, 2018.
NEGRÃO, Theotonio et al. Código de processo civil e legislação processual em
vigor. 50. ed. ver. e atual. São Paulo: Saraiva, 2019.
PINHO, Humberto Dalla Bernardina de. Manual de direito processual civil
contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2019.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 56


AULA 7: Ritos de Execução em Legislação Especial (Tutela Singular e
Coletiva)

O CPC lista em seus arts. 515 e 784 os títulos executivos judiciais e extrajudiciais
capazes de lastrear atividade jurisdicional de cunho executivo. A primeira é chamada
de cumprimento de sentença e a seguinte de tutela de execução propriamente dita. É
o que dita o CPC em vigor, não destoando muito do diploma anterior em sua essência
consignado após as reformas dos anos 1990 e 2000.

De um lado ou de outro, estamos diante de caminhos processuais de satisfação


material de direitos e pretensões de credores consagrados em documentos públicos
(Poder Judiciário e outros) e documentos privados criados pela lei do homem para
gerar maior circulação de bens e direitos, evitando instâncias ainda maiores junto aos
órgãos jurisdicionais em atividade cognitiva.

Em condições normais, busca-se através dos ritos formais de cumprimento de


sentenças e processos de execução de títulos extrajudiciais a satisfação de credores
pelo alcance das obrigações originárias, ou melhor, o que elas deveriam gerar
(obrigações de fazer, não fazer, dar e pagar quantia certa). Porém, como não é rara
a impossibilidade fática ou jurídica da satisfação originária, o legislador garante sempre
a possibilidade de satisfação pecuniária, normalmente intitulada de reparação em
perdas e danos ou expressões similares.

Então, você já reparou como há outros meios de alcance de satisfação material


(originária ou pecuniária) de credores fora do tradicional e singular cumprimento de
sentença e processos de execução de títulos executivos extrajudiciais. Não? Pois é,
mas eles existem, e como satisfazem (em tese) direitos e pretensões de credores
diversos, entendemos por bem trabalhar com tais ritos e institutos em sede de nossa
disciplina. Ao fim, estaremos diante de alguma forma de tutela ou atividade de
execução que levará à realização material de credores.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 57


Situações jurídicas diferenciadas: não incidência dos ritos de cumprimento
de sentenças e processos de execução
Existem situações jurídicas de natureza material ou material e processual que podem
afastar a incidência dos ritos ordinariamente destinados à tutela de execução em
condições normais, isto é, previsão legal e presunção de responsabilidade patrimonial
para a prática de atos jurídicos como um todo pelas pessoas naturais e jurídicas.
Estamos falando, em outras palavras, de casos como insolvência civil e empresarial e
suas consequências para credores e devedores. Vamos lá?

Na aula 2 estudamos o tema da responsabilidade patrimonial como sendo a parte do


patrimônio de pessoa natural ou jurídica apta a responder voluntária ou
involuntariamente pelo cumprimento de suas obrigações não honradas
originariamente. E continuamos naquela oportunidade dizendo que “partindo do
conceito inicial acima e do fato que a presunção de solvência das pessoas naturais e
jurídicas e do mercado como um todo é positiva, parte-se da premissa de que somos
todos completamente responsáveis (patrimonialmente falando) pelas obrigações que
contraímos nos atos jurídicos que praticamos no dia a dia”.

Mas o que fazer quando você já sabe, de antemão, da condição de


responsabilidade patrimonial negativa ou positiva de um devedor ou
garantidor?
O que fazer quando for justamente seu cliente que está insolvente ou na
iminência de “quebrar”, como se afirma na prática?

Essas situações não revelarem uma realidade predominante – pois, como já


abordamos aqui, a presunção é de responsabilidade patrimonial positiva, ou seja, um
estado de solvência. Quando isso não acontece, existem algumas opções que você
advogado ou advogada precisa conhecer (e saber avaliar):

INSOLVÊNCIA PESSOA NATURAL – o que fazer

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 58


Para os casos de insolvência de pessoa natural o mais indicado é avaliar a possibilidade
da execução por quantia certa contra devedor insolvente, cuja previsão legal
continua sendo os arts. 748 a 786-A do CPC/1973, consoante o previsto no art. 1052
do CPC/2015.

A execução, nesse caso, assume previamente um caráter potencialmente UNIVERSAL,


pois ao se abrir as portas com a notícia da possível declaração de insolvência, não se
sabe ao certo as consequências patrimoniais que poderão surgir no curso do processo.
A execução aqui pode ser requerida pelo CREDOR ou mesmo pelo DEVEDOR, com um
ato de iniciativa própria, colaborativa e de boa-fé objetiva, demonstrando a terceiros
ou ao mercado sua real condição e possíveis providências necessárias para futuros
recebimentos.

A previsão legal é muito similar às providências que devem ser tomadas no caso de
uma declaração de insolvência das sociedades empresárias, previstas na Lei nº
11.101/205 (Lei de Recuperação Judicial), e podem ser resumidas nas seguintes
etapas previstas entre os arts. 748 a 786-A do CPC:

DA EXECUÇÃO POR QUANTIA CERTA CONTRA DEVEDOR INSOLVENTE


• INSOLVÊNCIA (REQUERIDA PELO DEVEDOR – CREDOR – ESPÓLIO);
• DECLARAÇÃO JUDICIAL DE INSOLVÊNCIA – ADMINISTRADOR E
ATRIBUIÇÕES;
• VERIFICAÇÃO – CLASSIFICAÇÃO DOS CRÉDITOS – SALDO DEVEDOR;
• EXTINÇÃO DAS OBRIGAÇÕES – DISPOSIÇÕES GERAIS

É possível reparar que há uma fase de conhecimento para apuração do estado de


insolvência ou não e, após sentença declaratória da insolvência, iniciar a classificação
dos créditos e administrar um plano que permita, na forma da lei, alcançar a satisfação
patrimonial dos credores.

INSOLVÊNCIA DE PESSOA JURÍDICA – o que fazer

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 59


Nos casos específicos de estado de insolvência ou iminência, a legislação prevê um
tratamento diferenciado para as pessoas jurídicas, qual seja a possibilidade de
requerer um RECUPERAÇÃO JUDICIAL ou mesmo FALÊNCIA, nos termos da Lei nº
11.101/2005, a conhecida Lei de Recuperação Judicial.

Repare que, em situações como essa, o credor, ainda que inicie uma execução por
quantia certa em face de devedor solvente, ou mesmo uma fase de cumprimento de
sentença condenatória de pagamento de quantia certa, está envolvido no chamado
concurso universal. É o tratamento diferenciado para aqueles que, na regularidade
formal de pessoas jurídicas empresárias, gozam em razão da função social das pessoas
jurídicas.

O importante aqui é você perceber que seu cliente, credor, pode ser convidado a se
manifestar sobre eventuais requerimentos de recuperação e falência, o que talvez
atrapalhe seus planos de execução singular. Nesses casos, com ou sem processo
judicial de execução, haverá, muito provavelmente a reunião dos credores em
processo e rito único, de modo a conduzir as etapas de definição ou não do estado de
insolvência e possível recuperação ou falência para, em seguida, no modelo de uma
administração supervisionada, tramitar em prol da satisfação material dos credores.

AÇÃO CIVIL PÚBLICA, TAC e outros instrumentos: possibilidades de


consenso e formação de títulos executivos extrajudiciais e judiciais
Considerando a temática da presente aula e, mais especificamente a proposta de
nosso curso de especialização, não se pode deixar de trazer o tema da construção do
consenso (e seu incentivo cada vez maior) que vem crescendo em nosso direito pátrio.

Da simples transação, do incentivo à conciliação e da mediação, evoluímos para a


produção de títulos executivos judiciais e extrajudiciais, verdadeiras “lei entre as
partes” e que, invariavelmente, criam direitos e deveres distintos da aplicação do que
seriam as fontes mais tradicionais, afastando princípios como indisponibilidade,

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 60


propriedade, entre outros, e afetando também uma legião de terceiros direta ou
potencialmente interessados.

E tal processo vem ocorrendo no campo do direito civil, penal e administrativo, com
um sem-fim de acordos nominados de termos de ajustamento de conduta, termos de
compromisso, acordos de leniência, colaboração premiada etc. Todos eles, sem
exceção, são potencialmente pensados para encerrar ou diminuir litígios com algum
tipo de resultado mais vantajoso e eficaz do que iniciar ou seguir o fluxo normal de
processo judicial. Todos eles, por alguma razão, cedem e ganham direitos e deveres
em seus termos, cláusulas e condições os quais, se fossem levados ao campo da
instrução e de sentenças e acórdãos, provavelmente não chegariam a tanto.

É importante frisar que não se faz aqui nenhum julgamento de mérito sobre o aspecto
legal ou não de tais práticas pela inadequação de espaço e proposta, considerando o
escopo de nossa disciplina. No entanto, também é inegável que você amanhã poderá
advogar para credores e devedores de tais pactos, sendo imprescindível a percepção
de que são títulos executivos formatados por sentenças e contratos, mas que revelam
discutível teor jurídico material, principalmente nos termos realizados fora do Poder
Judiciário (e sem necessidade de homologação).

Veja alguns exemplos interessantes de termos firmados com o intuito colaborativo de


proporcionar soluções jurídicas mais eficazes à realidade social de credores,
devedores, terceiros, mercado, governo etc. Temas como a dignidade da pessoa
humana, função social da propriedade e das pessoas jurídicas, preservação de sistema
de empregos, serviços e políticas públicas, investimentos e desenvolvimento local,
regional e nacional são apenas alguns dos interesses que podem sugerir a construção
do consenso nestes casos:

TAC UNIMED RIO: http://www.mpf.mp.br/rj/sala-de-imprensa/docs/pr-rj/tac-


unimed/at_download/file.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 61


TAC FAZENDA SANTA EUFRÁSIA: http://www.mpf.mp.br/rj/sala-de-
imprensa/docs/prm-volta-redonda/tac-fazenda-santa-eufrasia/view.

TAC CHEVRON:
http://www.inea.rj.gov.br/cs/groups/public/documents/document/zwew/mtcx/~edi
sp/inea0171370.pdf.

TAC MARIANA: https://www.samarco.com/wp-content/uploads/2016/07/TTAC-


FINAL.pdf.

Caso você seja convidado para atuar em defesa de um executado nas hipóteses
elencadas, como seriam os embargos do executado? De que outras maneiras seria
possível realizar defesas? Que caminhos processuais ou mesmo temas materiais
poderiam ser alegados? É importante você perceber que tais títulos não terão os
argumentos de defesa tradicionalmente previstos.

E O QUE DIZER DE ALGUNS ACORDOS DE LENIÊNCIA?

UTC Engenharia: https://www.cgu.gov.br/assuntos/responsabilizacao-de-


empresas/lei-anticorrupcao/acordo-leniencia/acordos-firmados/utc.pdf.

J & F Empreendimentos: http://www.mpf.mp.br/df/sala-de-imprensa/docs/acordo-


leniencia.

Andrade Gutierrez: http://www.cgu.gov.br/assuntos/responsabilizacao-de-


empresas/lei-anticorrupcao/acordo-leniencia/acordos-firmados/andrade-
gutierrez.pdf/view.

A EXECUÇÃO NOS JUIZADOS ESPECIAIS – LEI Nº 9099/95

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 62


Importante rito processual formalizado na década de 1990, em substituição e
ampliação das experiências dos antigos juizados de pequenas causas com base na Lei
nº 9099/95 e que muito contribuiu para o aumento quantitativo do acesso à Justiça
no âmbito do direito privado, não poderia ficar de fora da análise da tutela de
execução.

Aliás, muitas das alterações realizadas no CPC/1973 e depois incorporadas ao


CPC/2015 foram embrionariamente testadas no respectivo rito. Para além dos
princípios norteadores do art. 2º, a ritualística proposta pela Lei nº 9.099/95 foi
considerada inovadora a sua época, inclusive para o crime, considerando as
possibilidades do JECRIM, os juizados especiais criminais.

No entanto, considerando também os impactos legislativos e inovadores do rito para


a fase de conhecimento, os destaques e as possibilidades da tutela de execução,
inclusive com o cumprimento de sentença, somente ganhariam fôlego e repercussão
anos mais tarde. Sem dúvida, a fase de conhecimento propícia a chegar a um acordo
rápido, a partir da conciliação em audiência de parada obrigatória, conversão em
instrução como defesa e sentença, causou certo frisson – um verdadeiro movimento
ou guinada quantitativa de acesso à Justiça.

Conforme os acordos não saíam e as sentenças condenatórias não eram cumpridas


voluntariamente, os operadores jurídicos se voltaram para o espaço legal da Lei nº
9.099/95 destinada ao cumprimento de sentença e, a reboque, da possível execução
de títulos executivos extrajudiciais no valor de até quarenta salários. É justamente
esse particular momento legislativo e sua operação prática que nos interessa reviver
na presente aula.

A tutela de execução está prevista nos arts. 52 e 53 da Lei nº 9.099/95 e tem o


CPC/2015 como aplicação mais do que subsidiária, respeitados os princípios do art.
2º, conjugados com os princípios inerentes à própria execução no CPC. Vamos dividir
aqui nossa análise com base em duas partes:

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 63


CUMPRIMENTO DE TÍTULOS EXECUTIVOS JUDICIAIS
Aqui estamos diante das previsões do art. 52 da Lei nº 9.099/95 e, apesar de fazer
menção apenas às sentenças, obviamente envolve também o cumprimento de
decisões interlocutórias (deferimento de tutelas provisórias) e acórdãos das turmas
recursais. Diferentemente do que prevê expressamente o CPC, aqui não temos a
especificidade de cinco ritos distintos. Caberá ao advogado do credor realizar o
requerimento previsto no art. 52 de modo a especificar, nos termos dos arts. 520
(quantia certa), 536 (fazer e não fazer) e 537 (dar), exatamente qual a pretensão
específica da prestação não honrada voluntariamente pelo devedor.

As principais características do cumprimento de títulos judiciais nos juizados especiais


são:

• Fase de cumprimento, nos moldes existentes no CPC/2015;


• Decisões devem ser líquidas;
• Intimação para cumprimento deve ser em sentença, sempre que
possível;
• Necessidade de manifestação do interessado;
• Possibilidade de astreintes e outras medidas a partir do não
cumprimento da decisão originária ou mesmo ordem judicial já em
execução;
• Fase de expropriação simplificada com desejável adjudicação de
bens penhorados ou mesmo facilitação da alienação a terceiros;
• Defesa prevista para o devedor (mesmo nessa fase), equivalente à
impugnação (art. 525 do CPC).

PROCESSOS DE EXECUÇÃO DE TÍTULOS EXECUTIVOS EXTRAJUDICIAIS


(ATÉ QUARENTA SALÁRIOS)
Já nos casos de processos novos de execução de títulos extrajudiciais no valor de até
quarenta salários, segue também a normativa geral do CPC, isto é, de acordo com as

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 64


características próprias para cada uma das três possibilidades aqui possíveis (pagar
quantia certa, fazer e não fazer e dar) e ainda com as seguintes características:

• Realização de audiência de conciliação após a penhora para acordo


ou oferecimento de embargos do devedor, nos termos do art. 52,
IX, da Lei nº 9.099/95.
• A audiência funciona para além da ideia maior de acordo, de um
prévio saneamento sobre as melhores hipóteses de expropriação,
com preferência para os meios mais céleres e menos onerosos,
sendo a adjudicação a hipótese mais buscada.
• Se as diligências não surtirem efeitos para a localização de bens ou
do próprio executado, o processo será extinto

É importante também registrar que a Lei nº 9.099/95 trouxe grandes inovações à


tutela de conhecimento e execução que posteriormente foram inseridas, de tempo em
tempo, no CPC/1973 e consagradas no CPC/2015. A simplificação do cumprimento de
sentenças para todas as obrigações desde sempre previstas foi introduzida no
CPC/1973 em 1994 (art. 461), 2002 (art. 461-A) e, posteriormente, em 2005 (art. 475-
J), demonstrando os avanços propostos à época. Considerando também tais alterações
(hoje já consolidadas no CPC/2005), é sempre importante estar atento a enunciados,
julgados e à própria interpretação da Lei nº 9.099/95.

Para tanto, além de compreender os padrões decisórios dos juizados de seu espaço
cotidiano de trabalho, nada melhor do que consultar os ENUNCIADOS do FONAJE
(Fórum Nacional dos Juizados Especiais) e, em especial, os ENUNCIADOS CÍVEIS.

O FONAJE reúne os mais importantes enunciados em matéria, cível, criminal e de


fazenda pública, sendo talvez a mais relevante e antiga contribuição na tentativa de
uma atuação mais uniforme dos juizados em todo o Brasil.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 65


FONAJE – ENUNCIADOS CÍVEIS
Conselho Nacional de Justiça: http://bit.do/enunciados_civeis.

Para além do FONAJE, outras iniciativas são também destaque no tratamento da Lei
nº 9099/95 como um todo:

STJ – ENTENDIMENTOS – JUIZADOS


“STJ divulga 16 entendimentos da corte sobre juizados especiais”:
http://bit.do/e4tYv.

• Validamos os ritos de recuperação judicial, execução de insolventes e falência


sobre ritos passíveis de satisfação material de credores.
• Trabalhamos a execução dos TACs e outros documentos de acordos
extrajudiciais ou mesmo judiciais com base em suas forma e conteúdo.

REFERÊNCIAS
ARAÚJO, Luis Carlos de. Curso do novo processo civil. Rio de Janeiro: Editora
Freitas Bastos, 2015.
ASSIS, Araken de. Manual da execução. 20. ed. Rio de Janeiro: Revista dos
Tribunais, 2018.
BUENO, Cassio Scarpinella. Curso sistematizado de direito processual civil:
tutela jurisdicional executiva. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2019. v. 3.
MARINONI, Luiz Guilherme. Tutela de urgência e tutela de evidência: soluções
processuais diante do tempo da justiça. 2. ed. Revista dos Tribunais, 2018.
NEGRÃO, Theotonio et al. Código de processo civil e legislação processual em
vigor. 50. ed. ver. e atual. São Paulo: Saraiva, 2019.
PINHO, Humberto Dalla Bernardina de. Manual de direito processual civil
contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2019.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 66


AULA 8: RITOS DE EXECUÇÃO EM LEGISLAÇÃO ESPECIAL: EXECUÇÃO
FISCAL

BREVES CONSIDERAÇÕES
A tutela de execução foi tratada durante toda a disciplina seguindo a metodologia
prevista no CPC/2015, que seguiu o estilo e a organização do CPC/1973, adequando
questões ritualísticas e ajustando pontos precisos em atos processuais ligados às
medidas antifraude, de incremento das medidas coercitivas e reforço dos atos de
expropriação judicial.

Em que pese tais mudanças, a ideia de dividir a tutela de execução em títulos judiciais
ou extrajudiciais e separar pela espécie da obrigação e sua prestação, bem como pelo
status jurídico de credores e devedores (pessoas naturais, pessoas jurídicas de direito
privado e público), foi mantida. E é justamente pela combinação de dois desses
critérios (espécie da obrigação e sua prestação + status jurídico do credor) que
necessitamos estudar os principais pontos da Lei nº 6.830/1980, que trata da execução
fiscal, sendo uma previsão de tipicidade material e ritualística processual, como
veremos na sequência.

A EXECUÇÃO FISCAL: DIVIDA ATIVA (TRIBUTÁRIA E NÃO TRIBUTÁRIA)


A Lei nº 6.830/80 já inicia, em seus arts. 1º e 2º a utilização dos critérios acima
apontados, quais sejam, a espécie da obrigação (pagamento de quantia certa) e status
jurídico do credor (União, dos estados, do Distrito Federal, dos municípios e respectivas
autarquias), e que pode ter origem tributária ou não tributária, nos termos da Lei nº
4.320/1964.

É o rito processual definido pelo legislador para que os credores já mencionados


intentem recuperar seus direitos creditórios, em clara sinalização de vontade de
proporcionar um tratamento jurídico diferenciado dos particulares e também das
demais espécies de obrigações e respectivas prestações. É a posição estatal tão

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 67


prevista em momentos anteriores e ratificada nos anos 1980 como sendo parte
distinta, merecedora de tratamento executivo diferenciado.

O caso não é único, se olharmos o passado e o presente do tratamento das pessoas


jurídicas de direito público em juízo, fazendo do princípio da isonomia e do dever de
boa-fé processual elementos de pesos e medidas diferenciadas. É o poder da criação
da legislação, muito criticado por não se ajustar ou acompanhar a ciência da área do
conhecimento da área respectiva, aqui o Direito.

O que faz do Poder Público, logo ele, tão devedor de direitos fundamentais de A a Z
para a sociedade civil, ser merecedor de um cuidado processual diferenciado de A a
Z? É uma pergunta mais que contemporânea.

A respeito das questões envolvendo o tratamento normativo da execução


fiscal acesse:
“Execução fiscal e a equiparação entre depósito, fiança e seguro”, disponível em:
https://www.conjur.com.br/2019-abr-23/luis-pires-execucao-fiscal-equiparacao-
entre-deposito-fianca.

“Crítica da execução fiscal como meio de cobrança do crédito público em massa:


horizontes, aperfeiçoamento e alternativas”, disponível em: http://bit.do/e4t4o.

“O entendimento da 1ª Seção do STJ sobre redirecionamento da execução fiscal”,


disponível em: https://www.conjur.com.br/2019-mai-31/luis-pires-tese-stj-
redirecionamento-execucao-fiscal.

O TÍTULO EXECUTIVO EXTRAJUDICIAL: INSCRIÇÃO E CERTIDÃO DA


DÍVIDA ATIVA
Como toda execução, é necessário haver certeza, liquidez e exigibilidade para que o
Poder Judiciário possa dar sequência ritualística em prol do estabelecimento da relação
jurídica processual executiva com a citação válida do devedor, que se tornará em breve

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 68


o executado. Para tanto, não teremos um rol exaustivo de títulos executivos
extrajudiciais conforme a previsão do art. 784, IX, do CPC, mas a necessidade formal
e material da inscrição e expedição de uma certidão da dívida ativa, de modo a
confirmar para o mundo exterior a certeza, liquidez e exigibilidade do crédito que se
pretende recuperar.
O art. 2º (caput e parágrafos) tipifica o que efetivamente pode ser considerado Dívida
Ativa da Fazenda Pública:

Constitui Dívida Ativa da Fazenda Pública aquela definida como tributária ou não
tributária na Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964, com as alterações posteriores,
que estatui normas gerais de direito financeiro para elaboração e controle dos
orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal.
§ 1º - Qualquer valor, cuja cobrança seja atribuída por lei às entidades de que trata o
art. 1º, será considerado Dívida Ativa da Fazenda Pública.

A redação do dispositivo é clara ao afirmar como se constitui a Dívida Ativa, bem como
a forte presença do critério da legalidade como item definidor de valores que podem
ou não ser considerados como tais. Assim, já é possível excluir as obrigações de fazer
e não fazer e dar do âmbito das execuções fiscais, sem prejuízo da possibilidade dos
ritos de conhecimento, monitório e mesmo executivo para satisfação dos direitos
respectivos.
Considerando que você poderá atuar como representante da Fazenda Pública ou como
advogado privado de pessoas naturais e jurídicas, é importante saber a referência
normativa da apuração e inscrição da Dívida Ativa. Trata-se da formação do termo de
inscrição que, logo em seguida, baseará a Certidão da Dívida Ativa em si nos termos
do art. 2º da Lei nº 6.830/1980. Como todo documento que se preze a ser um título
executivo ou equivalente, goza de certeza, liquidez e, salvo qualquer outra
intervenção, exigibilidade, nos termos do art. 3º da Lei nº 6.830/1980.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 69


A respeito das questões envolvendo a formação a Dívida Ativa, Termo e
Certidão acesse:
Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional: orientações aos contribuintes, disponível
em: http://www.pgfn.fazenda.gov.br/servicos-e-orientacoes/servicos-da-divida-
ativa-da-uniao-dau.

“Diagnóstico e análise-crítica da dívida ativa do município de Salvador e propostas


para o seu saneamento”, disponível em: http://bit.do/e4yFT.

“OAB critica ato do CNJ que constrange contribuintes em dívida ativa com Fisco”,
disponível em: https://www.oabpr.org.br/oab-critica-ato-do-cnj-que-constrange-
contribuintes-em-divida-ativa-com-fisco/.

PETIÇÃO INICIAL E CITAÇÃO DO EXECUTADO


A petição inicial da execução fiscal é bem sucinta e deverá conter os requisitos mínimos
do art. 319 do CPC, com o diferencial do acréscimo da Certidão da Dívida Ativa, que
poderá estar como parte integrante do próprio documento, confeccionado por meio
eletrônico. Seguindo a linha das demais execuções, o valor da causa abrange a dívida
e seus encargos legais.

A citação do executado produz os efeitos legais da regra geral do CPC, determina ao


executado o pagamento da Dívida Ativa e acréscimos legais ou a garantia do juízo
para poder, caso queira, realizar sua defesa de embargos do executado. A inércia do
mesmo quando devidamente citado acarreta a possibilidade de penhora, arresto,
avaliação e respectivos registros, considerando as espécies de bens existentes.

Como é possível perceber, é uma execução por quantia certa em sua essência, com
diferentes prazos para atos comuns como pagamento, penhora, arresto, avaliação etc.
E não poderia ser diferente pois, por mais que se procure adequar ritos pelos critérios
de espécie da obrigação e status jurídico do credor, ou estamos diante de cobranças

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 70


via tutela cognitiva para formar um título executivo para, em seguida exigir o
pagamento em execução, ou já se inicia o direito de ação com expectativa e natureza
processual de execução. Os ajustes, aqui ou ali em prazos para credor e devedor,
ordem de atos etc. não podem descaracterizar a tutela de execução.

A respeito da Petição Inicial e Citação do Executado


acesse:
Execução fiscal, disponível em:
http://www.tjpa.jus.br/PortalExterno/institucional/Acordaos-e-
Jurisprudencia/101245-Execucao-Fiscal.xhtml.

“O bloqueio de ativos financeiros antes da tentativa de citação em execução fiscal”,


disponível em: https://www.conjur.com.br/2018-mar-23/fabricio-griebeler-
bloqueio-ativos-financeiros-antes-citacao.

Citação ou intimidação, disponível em:


http://www.tjrj.jus.br/documents/10136/31404/citacao.pdf.

DEFESA: OS EMBARGOS DO EXECUTADO


Como ocorre nas execuções previstas no CPC, a defesa do executado será por
embargos, que terão natureza jurídica autônoma, abrindo a possibilidade do exercício
do contraditório e ampla defesa em sua plenitude. É importante destacar que é nesse
momento que o executado deverá alegar toda a sua matéria de defesa, salvo alguma
restrição legal. Aqui temos duas diferenciações a registrar:

• Prazo de 30 dias
• Necessidade de Garantia do Juízo

Importante o registro, considerando a normativa geral do CPC quanto ao prazo (quinze


dias) e da desnecessidade de garantia do juízo para apresentação dos embargos. São

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 71


dois pontos de destaque que necessitam ser diferenciados, juntamente com as
possibilidades eventualmente previstas em leis específicas quanto às possibilidades de
parcelamento da dívida na esfera administrativa ou judicial. Em alguns casos, em prazo
de embargos é possível comprovar um parcelamento recém-pactuado e que não foi
informado, bem como às vezes requer um parcelamento autônomo, distinto da
previsão do art. 916 do CPC.

A respeito de possíveis defesas do executado,


acesse:

"Cabe agravo de instrumento contra decisão que nega efeito suspensivo a embargos
à execução", disponível em: http://bit.do/e4yH6.

Súmula nº 317, de 5 de outubro de 2005, disponível em: http://bit.do/e4yJt.

Súmula nº 393, de 23 de outubro de 2009, disponível em: http://bit.do/e4yHY.

Recurso extraordinário nº 713.902, de 10 de outubro de 2012, disponível em:


http://bit.do/e4yHr.

InfoJur, ano IV, n. 67, 1 a 14 fev. 2005, disponível em: http://bit.do/e4yG7.

“As 5 melhores formas de defender execuções e autor de infração”, disponível em:


http://bit.do/e4yJz.

SITUAÇÕES JURÍDICAS ESPECIAIS: TAC E EXECUÇÃO FISCAL


A seguir, temos algumas situações jurídicas de interesse de quem vai atuar como
representante de credores e devedores em sede das execuções fiscais pautadas na Lei
nº 6.830/1980.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 72


Por opção e com base na ênfase nas possibilidades de execuções de TACs, termos de
compromissos e outros acordos que podem suspender, encerrar ou mesmo gerar
situações que pode desaguar em execuções fiscais, veja a seguir:

Processo administrativo nº 001.005450.14.1, disponível em:


http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/pgm/usu_doc/parecer_1192-
2015.pdf.

Reclamação nº 16.911, de 13 de maio de 2016, disponível em: http://bit.do/e4yAi.

Execução forçada e Ministério Público, de 25 de novembro de 2014, disponível em:


https://www.conamp.org.br/pt/biblioteca/artigos/item/485-execucao-forcada-e-
ministerio-publico.html.

“Autuar empresa que já firmou TAC enfraquece atuação do Ministério Público”,


disponível em: https://www.conjur.com.br/2018-ago-19/autuar-empresa-firmou-
tac-enfraquece-atuacao-mp.

REFERÊNCIAS
ARAÚJO, Luis Carlos de. Curso do novo processo civil. Rio de Janeiro: Editora
Freitas Bastos, 2015.
ASSIS, Araken de. Manual da execução. 20. ed. Rio de Janeiro: Revista dos
Tribunais, 2018.
BUENO, Cassio Scarpinella. Curso sistematizado de direito processual civil:
tutela jurisdicional executiva. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2019. v. 3.
MARINONI, Luiz Guilherme. Tutela de urgência e tutela de evidência: soluções
processuais diante do tempo da justiça. 2. ed. Revista dos Tribunais, 2018.
NEGRÃO, Theotonio et al. Código de processo civil e legislação processual em
vigor. 50. ed. ver. e atual. São Paulo: Saraiva, 2019.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 73


PINHO, Humberto Dalla Bernardina de. Manual de direito processual civil
contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2019.
TEODORO JÚNIOR, Humberto. Lei de execução fiscal. 13. ed. Rio de Janeiro:
Saraiva, 2016.

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA E PROCESSO DE EXECUÇÃO 74