Você está na página 1de 22

1

METODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA

1. A UNIVERSIDADE E A PESQUISA CIENTÍFICA

1.1. OBJETIVOS:

O Ensino Superior tem por objetivo a PESQUISA, o DESENVOLVIMENTO das


CIÊNCIAS, LETRAS e ARTES e a formação de profissionais de nível Universitário,
sendo o Ensino Superior INDISSOCIÁVEL da PESQUISA.

1.2. FUNÇÃO:

Têm a função informativa, em vista da conservação e transmissão do patrimônio


cultural sendo o centro do ensino.

* Outras:

a) Ser um centro de formação de técnicos e especialistas altamente habilitados e


qualificados.

b) Atuar como centro de prestação de serviços especializados, sobretudo de natureza


técnico-científico, à comunidade.

c) Ser centro de produção cultural, mediante a pesquisa científica.

d) Constituir-se em centro comunitário de reflexão com a participação de professores,


pesquisadores e estudantes, centro de irradiação capilar da cultura e de renovação social
permanente
As funções do Ensino Superior podem ser resumidas no trinômio:

Ensino - pesquisa - extensão


2

* A pesquisa é a FONTE que alimenta o desenvolvimento do conhecimento.

1.3. TRABALHOS CIENTÍFICOS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

- A pesquisa pode ser considerada como:

FORMA DE APRENDIZAGEM CULTURAL  PESQUISA DIDÁTICA


FORMA DE PRODUÇÃO CULTURAL  PESQUISA CIENTÍFICA

- A pesquisa científica e a didática podem ser feitas na própria realidade ou em


documentos escritos.

- Modalidades de Trabalhos Científicos:


Trabalhos científicos são escritos que resultam de pesquisas científicas, e podem
ser classificados em três categorias. Baseados no critério NATUREZA DO
CONTEÚDO, FORMA DE REDAÇÃO, MATERIAL UTILIZADO:

a) Memórias científicas originais


b) Publicações provisórias ou notas prévias
c) Estudos recapitulativos

TRABALHOS NA GRADUAÇÃO

- Programa de Iniciação Científica


- O aluno deve progredir gradativamente através de uma orientação

a) TRABALHOS DE SÍNTESE  destinam-se a expor resumidamente um assunto


tratado numa ou mais obras, isto é, a reproduzir condensadamente os elementos
essenciais de uma ou mais obras, sem emitir juízo de valor a respeito delas.
a) Ler e reler o texto, procurando entendê-lo a fundo, em extensão e em
compreensão.
b) Procurar a idéia geral de cada parágrafo (pensamento geral)
c) Eliminar tudo o que não seja essencial à compreensão da idéia geral
d) Relacionar e ordenar as idéias uma por uma, pode-se utilizar um esquema
e) Escrever formando frases que envolvam todas as idéias essenciais
3

f) Confrontar a síntese com o original para não esquecer nenhuma idéia

b) SINOPSES  Resumo analítico. É a apresentação concisa do texto de um


artigo. É mera apresentação condensada do texto de uma publicação com suas
principais idéias, sem emissão de juízo de valor

c) RESUMO  É a apresentação concisa e freqüentemente seletiva do texto de um


artigo, obra ou outro documento, pondo em relevo os tópicos de maior importância.

d) RESENHA CRÍTICA  É a apresentação de uma obra, acompanhada de uma


avaliação crítica. É o resumo mais a elaboração de um comentário crítico,
utilizando-se opiniões de diversas autoridades científicas, comparando com o
texto.

e) TRABALHOS CIENTÍFICOS  É a comunicação ao público em geral e


sobretudo das pessoas interessadas nos últimos resultados da pesquisa científica.
Revistas Nacionais, Internacionais  Index

2. O CONHECIMENTO

Dividimos o conhecimento humano em:

a) Conhecimento POPULAR, COMUM ou EMPÍRICO


b) Conhecimento RELIGIOSO
c) Conhecimento FILOSÓFICO
d) Conhecimento CIENTÍFICO

2.1. Conhecimento Popular:


- Necessidade do homem de resolver problemas relacionados à sua própria
sobrevivência, guiado pelo instinto e a ação.
4

- Transformar o meio ambiente para a sua conservação própria, age antes de


conhecer.

- O homem sofre influências do meio ambiente que o rodeia.

- Surge do desamparo em que o homem se encontra, face às agressões da


natureza e dos problemas diários.

- O instinto em certos casos age cegamente, podendo algumas vezes ser fatal ao
invés de benéfico.

- Transmitido de geração para geração o conhecimento adquirido.


- O conhecimento popular é a somatória de experiências e observações do
cotidiano

2.2. Conhecimento Religioso:


- O homem primitivo vivia em contato direto com as forças da natureza, achava-se
preso às forças ocultas e divinas.

- Fenômenos naturais.

- Estabelecimento de dois planos: o da natureza e o do sagrado, sendo este objeto


da religião.

- A reflexão, a meditação ativa e a razão crítica vieram destruir o mundo místico e


elaborar uma explicação - a racional ou filosófica.

2.3. Conhecimento Filosófico:

- É uma visão do Mundo, uma concepção da vida, que o homem adota para seu
uso pessoal.

- Filos = amigos ; Sofia = sabedoria  Esforçar-se por adquirir novos


conhecimentos.
5

- Segundo Aristóteles 3 coisas ocorrem para a realização do conhecimento 


NATUREZA - HÁBITO - RAZÃO

- O homem difere dos seres inferiores pela sua capacidade de criar contextos
explicativos do meio e do universo.

2.4. Conhecimento Científico:

- Através da pesquisa obter o conhecimento objetivo, racional e sistemático, sendo


sempre verificável.

3. A CIÊNCIA

É o conhecimento sistemático dos fenômenos da natureza e das leis que os


regem, obtidos através da investigação e comprovado pela observação, pelo
raciocínio e pela experimentação intensiva.

 Através da ciência, estabelecemos um certo grau de controle sobre a natureza.

CIÊNCIA = SCIENTIA (Latim) = SCIRE = Aprender ou conhecer

 A ciência pode ser dividida em dois aspectos básico:

1. Aspecto Lógico - é a tentativa de descrição, interpretação e verificação exatas,


que compreende as seguintes etapas:

1. Obs. racional e controlada dos fenômenos


2. Experimentação e reobservação
3. Fundamentar e construir generalizações e leis

2. Aspecto Técnico - é o registro das condições sob as quais os fenômenos


ocorrem, sua freqüência, persistência, término, etc....
Ciências Formais (Lógica, matemática)

Utilizam-se de símbolos e visam interpretar enunciados. Tem como base


postulados previamente estabelecidos e não tem a finalidade da descoberta.

Ciência Fatual - Depende de experimentação, consiste na observação dos


fenômenos naturais, na tentativa de reprodução experimental tentando elucidar o
fato.
6

 Dois motivos para que haja ciência: 1) necessidade interna do pesquisador, de


criar, projetar, construir o mundo que o cerca. 2) outro baseado na dúvida
científica.

 A ciência está em constante modificação pois a investigação e especulação


fazem com que seja necessário a revisão e reavaliação dos resultados.

 Um dos aspectos mais positivos da ciência moderna é a preocupação constante


de aperfeiçoamento e correção dos métodos de investigação.

4. MÉTODO CIENTÍFICO

É um ordenamento lógico e racional de atitudes e procedimentos empregados na


demonstração da verdade.

 Galileu foi o teórico do chamado método experimental. Para ele a ciência caminhava
a partir da observação de fenômenos, confirmados pela experimentação.

 Só era aceito como verdade, aquilo sobre o que, não pairasse quaisquer dúvidas.

 Em nosso século EISTEIN = revoluciona a concepção de método científico, criando a


ATITUDE CRÍTICA. Em seu pensamento não há lógica na descoberta científica.

 Devemos submeter as hipóteses às condições de falseabilidade através do método


científico.

 Uma teoria só deve ser aceita após ter passado por duas ou mais provas críticas.

 Em outras palavras poderiamos dizer que o pesquisador deve submeter a sua teoria a
testes rigorosos tentando encontrar algum fato que a torne falsa.
7

MÉTODO CIENTÍFICO:

FATOS
( Observação )

PROBLEMA
( Formular )

Métodos Para Testar:


- Mat. Biológico
- Condições do ensaio
- Referências bibliográficas
- Método
- Substância a testar
- Contaminação, etc....

HIPÓTESES
( Criar )

EXPERIÊNCIA EXPERIÊNCIA EXPERIÊNCIA


( Sem controle ) ( Controlada A ) ( Controlada B )

SEM VALOR CONFIRMAÇÃO NÃO CONFIRMA


CIENTÍFICO DA HIPÓTESE A HIPÓTESE

TEORIA HIPÓTESE
FALSA

5. PROJETO DE PESQUISA

 O planejamento da pesquisa consiste em um complexo que envolve desde a escolha


do problema, até a viabilização material do projeto.

 Fases do projeto: a) escolha do problema b) delimitação do problema c)


metodologia (heurística) d) formulação do plano de pesquisa

 Na escolha do problema devemos levar em conta:


8

1. A prioridade = escolha de um tema que possa ser adequado as prioridades do


local e do momento.
2. Novidade = O “ ineditismo ” devemos buscar sempre para que possamos ter
sucesso na escolha de nossa pesquisa.
1. Obs: a mesma pesquisa com variantes diferentes.

FORMULAÇÃO DO PLANO DE PESQUISA

1. Título da pesquisa:
- Deve refletir a proposição do autor, delimitando o tema. Devemos utilizar títulos
objetivos e explicativos.

2. Introdução:
- Devemos explicar o prisma sob o qual iremos abordar. Teremos de dar ênfase
ao tema.

3. Objetivos:
- Apontamos a dúvida científica que nos move à pesquisa.

4. Justificativa:
- Devemos discorrer sobre o tema proposto apresentando os dados de maior
relevância sobre o assunto.

5. Revisão de Literatura:
- Para dar maior peso a justificativa e proposição do tema devemos realizar uma
revisão básica citando apenas os trabalhos de maior relevância.

N da xerox N de ordem
Nome do autor; título do artigo; cidade da publicação; título do periódico; n do volume;
n do exemplar; n de páginas; ano

Resumo do artigo: (Essência do artigo)

Fonte : (onde foi obtida a referência)

6. Definição das variáveis:


- As variáveis devem ser definidas, as manipuladas e as fixas.

7. População, amostragem, grupos experimentais:


- Os instrumentos da pesquisa devem aqui ser explicitados.
- Quando se tratar de animais de laboratório devemos indicar sua procedência,
sexo, idade, peso, condições de manutenção e dieta.
9

- Em amostras populacionais devemos indicar a região considerada, as


características desta população e os critérios de avaliação.

8. Metodologia: (Materiais e Métodos)


- Devemos enfocar todos os procedimentos utilizados na confecção da pesquisa,
bem como os aparelhos, drogas, instrumentos......
9. Análise de dados:
- Resume o tratamento estatístico que iremos aplicar aos dados obtidos na coleta.

10. Cronograma de execução:


- Deve ser dividido em fases, com tempos mínimos e máximos para a sua
realização.
11. Anexos:
- Inclui as fichas, questionários, tabelas, fotos........

6. O PROBLEMA NA PESQUISA

6.1 - TEMA DA PESQUISA


Toda pesquisa cientifica começa pela FORMULAÇÃO DE UM PROBLEMA, buscando
sempre a SOLUÇÃO do mesmo

O problema da pesquisa costuma ser apresentado na forma de uma proposição


interrogativa. ????????

- É uma DIFICULDADE sem SOLUÇÃO.

O Problema é uma questão para ser discutida e resolvida pelas regras da LÓGICA.

Utilizando HIPÓTESES vamos buscar a solução, portanto a hipótese é uma


SOLUÇÀO PROVISÓRIA do problema.

TEMA  É um assunto que se deseja provar ou desenvolver.

- Para provar algo devo definir parâmetros: a) POPULAÇÃO b) LOCAL c)


CIRCUNSTÂNCIAS d) VARIÁVEIS : Gerais, Intermediárias, Fixas, Manipuláveis.

MOTIVO  Curiosidade intelectual, Desejo de ampliar o conhecimento científico,


Tentativa de resolver uma questão de ordem prática, Ganho financeiro e Outras
FONTE / IDÉIA  1) Observação da realidade empírica
2) Fatos que acontecem em torno de nós
3) Experiências pessoais 4) Específicos do saber humano
5) Sugestões aparecidas em cursos / reuniões de estudo
6) Leitura de livros revistas especializadas......
10

6.2 - FORMULAÇÃO DO PROBLEMA


Consiste em dizer de maneira explícita, clara, compreensível qual a dificuldade e
como pretendemos resolver, limitando o campo.

Alguns Critérios:

- Este problema pode ser resolvido pela pesquisa proposta?


- O problema é relevante para justificar a pesquisa?
- É um problema original?
- A pesquisa é factível?
- O problema é adequado para ser desenvolvido?
- Pode-se chegar a uma conclusão valiosa?
- Tenho a necessária competência para executar o estudo?
- Os dados que a pesquisa exige, pode ser obtidos?
- Há recursos financeiros para realizar a pesquisa?
- Terei tempo para o projeto?
- Serei persistente?

7. A PESQUISA CIENTÍFICA

A pesquisa é uma atividade humana, honesta, cujo propósito é descobrir respostas


para as indagações.

- A pesquisa têm como finalidade principal, explicar os fenômenos naturais.


- Tipos básicos de pesquisa científica:

a) PESQUISA BIBLIOGRÁFICA
É aquela que se desenvolve a partir da tentativa de resolução do problema
(hipótese), através de referências teóricas encontradas em livros, periódicos e
literatura afim.

- Objetivo: conhecer e analisar as principais contribuições teóricas existentes na


literatura sobre um determinado assunto.
- Vantagem: atualizar os assuntos pesquisados.

b) PESQUISA EXPERIMENTAL
É aquela que utiliza a manipulação de variáveis em torno do fato, tendo como
requisito a obtenção de novas VERDADES para ciência.  Denominamos:
trabalho científico original

- Para sua realização utilizamos instrumentos de precisão, eletrônicos e sofisticados.


- Objetivo: obter de forma precisa a relação existente entre as variáveis propostas e o
assunto a ser investigado.
FASES DA PESQUISA:

- A pesquisa, como atividade científica completa, compreende pelo menos 7 fases:

1. INTRODUÇÃO
11

- Enunciar o assunto, os conceitos necessários para a compreensão do mesmo.


- Delimitação do problema, indica-se nesta fase o prisma sob o qual iremos enfocar o
assunto.
- Devemos mostrar a importância do tema abordado, chamando a atenção do leitor e
procurando interessá-lo.
- Justificar o motivo do trabalho, não esquecendo de que a base deve ser a literatura
corrente.

2. REVISÃO DE LITERATURA

- Uma das fases mais importantes da pesquisa, levantamos a bibliografia existente com
dados pertinentes ao assunto.
- A revisão deve ser ampla e abrangente.
- Normalmente retrocedemos uma média de 5 a 10 anos de pesquisa bibliográfica.

3. PROPOSIÇÃO

- Razão e a essência do trabalho científico.


- Autor deve formular e definir a hipótese que gerou a curiosidade científica.
- Deve ser clara, concisa e objetiva de modo a não permitir dúvidas.
- Limitar os parâmetros sob os quais iremos abordar o assunto.

4. MATERIAL E MÉTODOS

- Esclarecer a metodologia científica utilizada.


- Definir a seqüência lógica pela qual procuraremos resolver a hipótese formulada.
- Podemos dividir:
a) Material  grupo estudado(animais, plantas, humanos)
Instrumentos; as drogas; objetos e substâncias utilizadas na
pesquisa.
* Devemos especificar: medidas, marcas, dosagens e
espécies.

b) Métodos  Resumo da metodologia utilizada, devemos


esclarecer a maneira pela qual foram utilizados os materiais
da pesquisa.
* Devemos explicar a metodologia utilizada para racionalizar a
hipótese.

5. RESULTADOS

- Podemos utilizar na apresentação, tabelas e súmulas desde que as mesmas sirvam


para resumir os achados.
- Gráficos têm sido utilizados com freqüência. (barras e os cartesianos são os mais
utilizados)

6. DISCUSSÃO

- É a fase mais importante de uma pesquisa.


- Consiste na confrontação dos dados obtidos com a aplicação da metodologia proposta
(resultados), com os existentes na literatura levantada (revisão de literatura).
12

- Autor procura justificar de forma positiva ou negativa a sua proposição (hipótese).

7. CONCLUSÃO

- Apresenta o(s) resultado(s) final da investigação. (conclusão ou conclusões)


- Deve ressaltar os fatos positivos ou negativos obtidos na pesquisa.
- Devemos enumerar os itens.

8. A ÉTICA NA PESQUISA

- A pesquisa compreende o desenvolvimento de ações que contribuam para:


a) Conhecimento dos processos biológicos, psicológicos dos seres humanos.
b) O conhecimento dos vínculos e a estrutura social.
c) A preservação e controle dos problemas humanos
d) Conhecimento e avaliação do ambiente e o indivíduo
e) O estudo de técnicas e métodos que se recomendem ou empreguem para a
prestação de serviços
f) Produção de insumos.

Em toda a pesquisa que envolva seres humanos, deverá prevalecer o critério de


respeito à sua dignidade, direitos e bem estar

- Bases para a pesquisa com seres humanos:


a) Ser adequada aos princípios científicos e éticos que a justifiquem.
b) Estar fundamentada em experimentos prévios em animais de laboratório.
c) Ser realizada somente se o conhecimento necessário não puder ser obtido de
outra forma.
d) os benefícios prováveis devem prevalecer sobre os riscos previsíveis.
e) Contar com o consentimento do indivíduo, após ter sido convenientemente
informado dos riscos caso ocorra.
f) Ser realizada por profissional da área, com conhecimento e experiência para
cuidar da integridade da pessoa.

- No que diz respeito aos riscos dividimos as pesquisas em:

* PESQUISA SEM RISCO: é aqueles em que não se realiza nenhuma intervenção ou


modificação intencional nas variáveis fisiológicas, psicológicas e sociais, dos indivíduos
que participam do estudo. (questionários, entrevistas, revisão de prontuários clínicos e
outros, não sendo identificado ou invasivo a intimidade do indivíduo)

* PESQUISA DE RISCO MÍNIMO: prospectivos em que se empreguem o registro de dados,


através de procedimentos comuns aos exames físicos ou psicológicos de diagnóstico ou
tratamentos rotineiros, tais como: a) pesar o indivíduo b) audiometria
c)eletrocardiograma d) termografia e) coleção de excretas f) obtenção de placenta
durante o parto g) coleção de líquido amniótico ao romper-se a bolsa amniótica h)
obtenção de sangue i) exercícios voluntários j) provas psicológicas etc...

* PESQUISA DE RISCO MAIOR QUE O MÍNIMO: são aquelas em que as probabilidades de


afetar o indivíduo são significativas, tais como: a) estudos radiológicos b) microondas
c)medicamentos e fármacos experimentais d) novos dispositivos e) procedimentos
cirúrgicos f) procedimentos invasivos.
13

9. COLETA DE DADOS
- Em uma pesquisa científica existem três formas de se levantar dados de interesse:
a) Levantamento bibliográfico
b) Pesquisa de campo
c) Pesquisa experimental

* LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO:

Ato de ler, selecionar, fichar e arquivar tópicos de interesse para a pesquisa em


questão

- É de maior importância para o trabalho.


- Deve ser consultado: a) livros-texto b) trabalhos publicados c) boletins d) jornais
e) anuários f) documentos fotográficos g) catálogos h) pareceres etc.....
- As fontes normalmente são encontradas em bibliotecas especializadas.

Referência Bibliográfica: indica a relação por meio de listagem (em ordem alfabética)
dos autores citados no texto.

Bibliografia: consiste na ordenação através de listagem, das obras consultadas ou


consideradas relevantes para o tema desenvolvido.

Fontes Bibliográficas na Área Biomédicas:

- Livros-texto  - demora muito tempo para serem atualizados


- indispensáveis na confecção da espinha dor-
sal da pesquisa. (histórico do assunto)

- Periódicos  trazem trabalhos atuais sobre o assunto a ser pesquisado e resumem a


produção científica de vários centros de estudos. ( 2000 títulos)
* As publicações comumente encontradas são:
INDEX MEDICUS - publicação mensal, contendo citações de revistas, jornais,
periódicos e monografias selecionadas, publica somente artigos originais.
INDEX MEDICUS LATINO-AMERICANO (IMLA) - produzido pelo Centro Latino-
Americano de Informação em Ciências da Saúde (BIREME). Freqüência trimestral,
títulos em português, inglês e espanhol. Dispõe de uma busca computadorizada.
BIOLOGICAL ABSTRACT - publicado em inglês desde 1927, mensal e abrange
as seguintes áreas:
- Biologia geral - Ciências Médicas Básicas - Botânica
- Zoologia - Produção Animal - Cereais
- Pesquisa de Alimentos e Nutrição - Biologia Humana
- Microbiologia, Imunologia e Parasitologia
14

1. PESQUISA DE CAMPO:

Coleta direta de informações, no local em que ocorre, através de entrevistas,


questionários, testes, escalas, e outras técnicas de amostragem controladas.
- Instrumentos de coleta de dados mais utilizados são: entrevistas e questionários.
- Na entrevista o informante conta com a presença do pesquisador que registra as
informações.
- No questionário não é exigido a presença do pesquisador sendo preenchido pelo próprio
informante.

A formulação dos itens de um questionário deve ser cuidadoso, de modo a obrigar


o informante a respondê-lo de forma honesta e sincera. Melhor forma de fazê-lo é
a de repetir com outro texto as questões.

* PESQUISA EXPERIMENTAL:

O experimento de laboratório visa criar uma situação na qual se manipula certas


variáveis e se controla outras para atingir uma determinada meta.

- Na pesquisa experimental ou de laboratório a coleta de dados é auxiliado por


instrumentos de precisão, animais de laboratório e experimentos prévios.
- Entende-se por LABORATÓRIO, uma instalação dotada de instrumentos de precisão
com finalidade de pesquisa.

10. LINGUAGEM CIENTÍFICA

A linguagem científica tem como característica a objetividade.

- Os assuntos deverão ser de maneira direta e simples, informativa com lógica e


continuidade.

A linguagem científica é informativa e técnica, racional, apoiada em dados


concretos, a partir dos quais analisa e sintetiza, questiona e conclui.

- O caráter técnico a distingue das outras formas de expressão, pois transmite


conhecimentos, informações com precisão, clareza e objetividade.

Toda a ciência cria sua própria linguagem.

- Os vocábulos devem corresponder a símbolos que admitam uma só interpretação.


(Todos os iniciados de uma mesma área)

Conceituar adequadamente cada parte ou o todo dos fenômenos.

- Escolher termos adequados à idéia que queremos exprimir e determinar seu significado
exato.
15

Os conceitos e terminologia científica pode ser entendida e empregada por outros


cientistas da mesma área científica.

11. REDAÇÃO CIENTÍFICA

Para transmitir uma informação com clareza é preciso que haja clareza de idéias,
saber empregar a terminologia técnico-científica.

11.1. OBJETIVIDADE
- Os assuntos deverão ser tratados de maneira direta e simples.
- Empregar a linguagem DENOTATIVA , isto é, cada palavra deve apresentar seu
significado próprio, não dando margem a outras interpretações.
- Aconselha-se o uso de frases curtas e simples, com vocabulário adequado.
- Deve-se usar a linguagem direta: sujeito - verbo - predicado.
- Não utilizar a primeira pessoa, tanto no singular como no plural.
- Usar a terceira pessoa para denotar impessoalidade.
- Quando se descreve é sempre aconselhável o uso de medidas objetivas e não
“pequena”, “média” ou “grande”.

11.2. PERTINÊNCIA
- Ser pertinente é não dar margem a interpretações diversas daquelas que se quer
comunicar.
- Deve focalizar a matéria nos seus pontos principais evitando uma linguagem requintada.
- Os assuntos devem ser expostos de forma lógica e seqüencial o que contribui para a
pertinência da informação.

11.3. PRECISÃO
- Conhecer o significado exato do termo usado, a precisão se faz necessário.
- Não se admite o uso de termos em sentido figurado, devem ser empregados
unicamente em sentido próprio, concreto e objetivo.
- Não é recomendado os termos: “nem todos” , “alguns”, “vários”, porque podem ser
interpretados de formas variadas pelo leitor. ( Usar 95% .......)

11.4. CONSISTÊNCIA
- Um parágrafo deve apresentar apenas uma idéia principal, em torno da qual giram as
idéias secundárias, os detalhes importantes.
- Um texto repetitivo, que apresenta a mesma idéia em mais de um parágrafo, por mais
bem escrito que seja, torna-se cansativo.
- O vocabulário científico é manifesto através dos conceitos próprios de cada campo do
conhecimento científico, ex: “cultura” em antropologia apresenta um significado e em
biologia outro.

APRESENTAÇÃO DO TRABALHO

1. Conceito de Monografia
16

- É um estudo científico de uma questão bem determinada e limitada, realizado com


profundidade e de forma exaustiva. (RAFAEL FARINA)

- É a descrição ou tratado especial de determinada parte de uma ciência, ou de um


assunto em particular ( MARTINHO ALONSO).
- É um trabalho sistemático e completo sobre um assunto particular, usualmente
pormenorizado no tratamento, mas não extenso no alcance (American Library
Association).

- É o tratamento escrito de um tema específico que resulte de investigação científica com


o escopo de apresentar uma contribuição relevante ou original e pessoal à ciência (APUD
DÉLCIO VIEIRA SALOMON).

CARACTERÍSTICAS:

a) A redução da abordagem a um só assunto, a um único problema particular. - Estudo


por escrito de um único tema específico. MONOGRAFIA
MONOS  (um só) GRAPHEIN  (escrever)

b) É um estudo limitado em extensão, mas exaustivo e completo na compreensão e


profundidade.
c) Resultado de uma investigação científica, conforme a metodologia própria de cada
ciência.
d) Apresenta uma contribuição ao progresso da ciência.
e) É uma contribuição pessoal à ciência.

2. ESTRUTURA

- Elementos condicionados à necessidade. (* Ver estrutura)

3. CAPA
- Cobertura que reveste o trabalho, idêntica a folha de rosto.

4. FOLHA DE ROSTO
- Folha que apresenta os elementos essenciais à identificação do trabalho.
5. EPÍGRAFE E / OU DETICATÓRIA
6. AGRADECIMENTOS
7. SUMÁRIO
8. LISTAS DE TABELAS, ILUSTRAÇÕES, ABREVIATURAS, SIGLAS E
SÍMBOLOS
9. RESUMO
10. INTRODUÇÃO
11. REVISÃO DA LITERATURA
12. METODOLOGIA (MATERIAL E MÉTODOS)
13. DISCUSÃO
14. CONCLUSÕES
15. ANEXOS
16. GLOSSÁRIO
17. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
17

OBS:
- Outras normas a seguir: - Referências Bibliográficas
- Estilo e Orientação para Digitação
- Citações e Notas de Rodapé

ANEXOS:

RESENHA

A RESENHA TEM 2 PARTES:

Análise de aspectos quantitativos de um livro: perguntas-chave

1. Quantas partes?
2. Quantos capítulos?
3. Qual a extensão de cada parte ou capítulo?
4. Qual a parte mais extensa? Qual o capítulo mais extenso?
5. Quantos exercícios? (se a obra tiver Teoria e Prática)
6. Quantos exercícios desafiadores? Triviais?
7. Quantos apêndices?
8. Quantos índices (de autores, de assuntos)
9. Quantas tabelas, ilustrações?
10. Quantos itens na bibliografia?
11. Quantos itens de origem estrangeira? Brasileira?
12. Quantas obras recentes foram incluídas?
13. Qual a abrangência da bibliografia? De 1950 até os nossos dias?
14. Quantas citações? (número razoável ou exagerado?)
15. Quantos parágrafos demasiado extensos (dificultando a compreensão do leitor
médio), isto é, com mais de 20 linhas impressas?
16. Quantos artigos (de revistas especializadas) foram citados? Nacionais?
Estrangeiros?
17. Quantas pesquisas foram mencionadas?
18. Quais os autores mais citados na obras?
19. Quantos conceitos –chave fora abordados?
20. Quantos termos técnicos foram utilizados (correspondentes a conceitos)?
18

Análise de aspectos qualitativos: perguntas-chave

1. Há um parágrafo de “abertura” que atrai a atenção do leitor?


2. Qual a hipótese do autor ou sua idéia central?
3. Qual o objetivo do autor? Por que escreveu o livro? Qual o efeito pretendido?
4. Que idéias fundamentam a hipótese do autor?
5. Que idéias servem de base ao objetivo?
6. Que tipos de evidência (fatos) são apresentados? Científicos, históricos,
estatísticos?
7. O autor se baseia também em “opiniões” de especialistas?
8. A exemplificação é “genérica” ou “específica”?
9. A organização da obra é clara, lógica, consistente?
10. Qual o padrão organizacional do livro? Como está hierarquizado? Em pares?
Capítulos? Teoria e prática? Problemas para solução e discussão?
11. O tom usado pelo autor é foral ou cerimonioso demais? Informal? Envolvente?
Adequado ao leitor visado? Por quê?
12. Quais os pontos fortes e fracos da argumentação do autor? Ele antecipa objeções
possíveis?
13. A conceituação e a terminologia correspondente são precisas?
14. A bibliografia é utilizada de maneira parcimoniosa, mas eficaz?
15. Há observância das normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas
(ABNT)? Há influência de normas estrangeiras, por exemplo, da APA (American
Psychological Association)?
16. Quem será beneficiado com a leitura do texto? Por quê?
17. Como a obra se compara a trabalhos semelhantes?
18. Qual o grau de inteligibilidade dos capítulos?
19. Qual o balanço dos méritos e das falhas do livro? (Lembre-se do princípio da
magnanimidade: você poderia estar no lugar do autor ....)
20. As conclusões são convincentes, “fortes”, memoráveis? Por quê?

PROJETO DE PESQUISA (Partes)

1. INTRODUÇÃO

1.1 Contextualização
19

Inicie seu trabalho, contextualizando, de forma sucinta, o tema de sua pesquisa.


contextualizar significa abordar o tema de forma a intensificar a situação ou o
contexto no qual o problema a seguir será identificado. É uma introdução do leitor
ao tema, onde se encontra o problema, de forma a permitir-lhe uma visualização
situacional do problema.

1.2 Problema

A seguir a visão macro do tema, para o problema a ser pesquisado. Concentre-se


somente no seu problema e identifique-o claramente. Delimite que aspectos ou
elementos do problema você irá tratar. Seja claro e preciso nesta parte. Lembre-
se, a identificação e delimitação clara do problema é o primeiro passo par
aprovação do projeto e êxito na sua execução.

1.3 Problematização (Hipóteses/Perguntas de pesquisa/Pressuposto)

Depois de definido o seu problema de pesquisa este poderá ser desmembrado em


hipóteses, perguntas de pesquisa, pressupostos ou em indicadores. Estes irão
determinar as relações entre as variáveis que deram origem ao problema de
pesquisa.

1.4. Revisão de Bibliografia

A revisão de bibliografia deve permitir saber o que já tem sido feito na área de sua
pesquisa. Isto permitir-lhe-á consubstanciar cientificamente sua proposta. A
revisão bibliográfica, assim, constitui-se na análise comentada dos trabalhos
realizados na matéria de enfoque de sua pesquisa.

2. OBJETIVOS

Aqui você indica, clara e exatamente, o que você quer fazer, que metas você quer
alcançar com sua pesquisa, desdobrando em:

2.1 Objetivos Gerais:


Indique de forma genérica qual(is) objetivo(s) devem ser alcançados.
2.2 Objetivos Específicos:
Arrole o(s) objetivo(s) que deverão ser alcançados pela execução da proposta de
pesquisa.
3. RELEVÂNCIA ou JUSTIFICATIVA

Apresente neste parágrafo, a relevância técnica. Em outras palavras, justifique


tecnicamente, cientificamente e socialmente sua proposta. Arrole e explicite
argumentos que indiquem que sua pesquisa é significativa, importante ou relevante.

4. METODOLOGIA

Aqui você desenha sua pesquisa. Em outras palavras, indique como pretende
executá-la. Isto é, se for uma pesquisa qualitativa, de que maneira você pretende
coletar e analisar os dados qualitativos(observação/entrevistas, etc..). Se for uma
pesquisa quantitativa, de que maneira pretende coletar dados. Apresente em linhas
gerais o método a ser utilizado para execução da pesquisa. Conforme área de
atuação, utilizar os seguintes:
20

a) População e Amostragem: você deve identificar a população da qual você


está retirando a sua amostra. Por exemplo, se sua pesquisa envolve os ex-
alunos de Biologia de 1995, sua população é o número total destes ex-alunos de
Biologia, por exemplo 75 alunos. Se você decide então fazer uma amostragem,
digamos de 30%, então sua amostra par fins de sua pesquisa será de 23 alunos.

b) Coleta de Dados: neste item você indica como irá operacionalizar a coleta dos
dados (enviando questionários por correio, ou pessoalmente; anotando os
resultados da reação em tempos pré-determinados, etc.).

c) Análise e Interpretação dos Resultados: descreva neste item como você vai
analisar os resultados da pesquisa (se a pesquisa for qualitativa, as respostas
podem ser interpretadas globalmente ou individualmente, se a pesquisa for
quantitativa, você provavelmente irá utilizar a estatística descritiva (média,
mediana, moda, desvio padrão, tendência central) ou estatística inferencial
(regressão linear bivariada, multivariada, etc...)

5. CRONOGRAMA FÍSICO

Neste item você identifica cada parte ou fase de sua pesquisa e relaciona com o tempo
necessário para executá-la. Explicite aqui o plano de atividades, atendo-se às etapas
da pesquisa, desde a confecção do projeto até a entrega da monografia.

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Todas, e somente as citações feitas no texto, são arroladas no final. Utilize a Norma
ABNT-UFPr - Referências Bibliográficas, para padronizar sua lista de referências
bibliográficas.

BIBLIOGRAFIA DA DISICPLINA:

BARBIER, J-M. Elaboração de projetos de acção e oplanificação. Porto: Porto Editora


Ltda., 1993.

CARVALHO, M. C.M. Técnicas de metodologia científica. Construindo o saber. Campinas: Papirus, 1988.

CERVO, A.L.; BERVIAN, P. A.. Metodologia Científica. São Paulo - McGraw Hill, 1983.

COELHO, M.I.M. A elaboração do projeto de investigação científica. Belo Horizonte:


UFMG - ICEX, Dep. de Estatística, 1981.

COELHO, M.I.M. O projeto de pesquisa científica. Belo Horizonte: UFMG - ICEX, Dep. de
Estatística, 1993.

COELHO, M.I.M. Pesquisa: envolvendo os estudantes na construçào do conhecimento.


Dois pontos - Teoria & Prática em Educação, v.3, n.26, p.42-44, maio/junho de
1996.
21

COELHO, M.I.M. Prática docente na escola de 1 Grau: interesses, conflitos e


possibilidades de mudanças. Educação em Revista, Belo Horizonte, n.4, p.22-29,
Dez. 1986.

CONTANDRIOPOULOS, A. P. et. al. Saber preparar uma pesquisa. São Paulo: Ed.
Hucitec-Abrasco, 1994.

D’OLIVEIRA, M.M.H. Ciências e Pesquisa em Psicologia. Uma Introdução. São Paulo:


EPU, 1995.

DE BRUYNE, P. et. al. Dinâmica da pesquisa em Ciências Sociais. Rio de Janeiro;


Francisco Alves, 1977.

FERNANDES, M. N. O. Técnicas de Estudos: Como estudar sozinho. E.P.U. 1979


FRANÇA, J.L. et. al. manual para Normatização de Publicações Técnico-Científicas. 3ª
Ediçào rev. e aum. - Belo Horizonte: Editora UFMG. 1996.

GALLIANO, A. G. O método científico: teoria e prática. São Paulo - Harbra, 1979.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. São paulo: Atlas, 1988.

GRESSLER, L.A. Pesquisa educacional. São Paulo, Loyola, 1979.

HEGENBERG, L.. Etapas de investigação científica. São Paulo - EDUSP, 1976.

LAKATOS, E.M.; MARCONI, M.A. Fundamentos de metodologia científica. São paulo;


Atlas, 1991.

LESSARD-HÉBERT, M. Pesquisa em Educação. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

MATTAR, F.N. Pesquisa de marketing. 2 vol. São Paulo: Atlas, 1992.

MATURANA, H.; VARELA, F. G. A árvore do conhecimento. As bases biológicas do


entendimento humano. Campinas: Workshopsy, 1995.

MINAYO, M.C.S. (org.) Pesquisa social, teoria, método e criatividade. Petrópolis:


Vozes, 1994.

MORAES, I. Y. Elaboração da Pesquisa Científica. Editora Atlas. São Paulo. 1990.

MORIN, E. Ciência com Consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

PÁDUA, E.M.M. Metodologia da Pesquisa - Abordagem teórico-prática. Campinas:


Papirus, 1996.

RATHS, L. Ensinar a pensar - Teoria e Aplicação. São Paulo: EPU, 1995.

REY, L.. Como redigir trabalhos científicos, São Paulo - EDUSP, 1972.

REY, L. Planejar e redigir trabalhos científicos. 2ª Edição rev. e amp. São Paulo: Editora
Edgard Blucher Ltda, 1993.
22

ROSSI JR, R.. Metodologia científica para a área de saúde. Pancaster Editora Com.
e Repres. Ltda. São Paulo, 136p, 1990.

RUDIO, F.V. Introdução ao projeto de pesquisa científica. Petrópolis - Editora Vozes,


16ª ed. 1991.

RUDIO, F.V. Introdução ao projeto de pesquisa científica. petrópolis: Vozes, 1979.


SALMON, D.V. Como fazer uma monografia. São Paulo - Martins Fontes, 2ª ed. rev.
atual, 1991.

SALOMON, D.V. Como fazer uma monografia. Belo Horizonte: Interlivors, 1990 (versão
atualizada em 1995).

SELLTIZZ. et. al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: Herder, 1971.
(atualizado por KIDDER, L.H. (Org.) Médodos de pesquisa nas relaçòes sociais. 3
volume. São Paulo: EPU, 1995.)

SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. São paulo: Moraes, 1991.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Normas para apresentação de trabalhos,


Biblioteca Central. Curitiba, 3ª ed. v. 1 a 8, 1994.

VERA, A. A. Metodologia da Pesquisa Científica. Editora Globo, 1974.