Você está na página 1de 8

Wax Play – Guia Geral by RiggerKali

Glossário básico:

Bottom: quem recebe a prática Parafina: material do qual são feitas a maioria
das velas comuns, a “cera”
Top: quem aplica a prática
Ponto de fusão: temperatura que, quando a
Wax: cera
parafina atinge, ela derrete e fica líquida
Play: brincar
Estearina: aditivo muito usado em velas
baratas para deixá-las mais duras

O que é Wax Play?

Traduzindo literalmente do inglês, “brincar com cera”. É a prática de


derramar, pintar ou pingar cera de vela quente sobre o corpo do
bottom.

É uma prática bem conhecida, inclusive no meio baunilha. Já foi


representada em diversos clipes de músicas, filmes, etc e pode ser
considerada uma prática de baixo a médio risco.

O que este guia pretende?


Fonte: Pinterest
Informar da parte de segurança, visto que cada sessão de wax play é
única e não pretendemos te ensinar a brincar, somente a ter segurança enquanto brinca.

Riscos? Quais são eles?

O mais comum é a queimadura, mas corremos também riscos de alergia e incêndio.

Como minimizar os riscos, então?

Não preciso dizer que devemos estar em pleno controle das nossas faculdades mentais quando pretendemos
realizar alguma prática, certo? Então evitar remédios que dêem sonolência, álcool, drogas, etc, é uma boa
maneira de manter a prática sã e segura.

 Incêndio:

Manter afastado das velas qualquer tipo de material inflamável, por ex, cabelos, tecidos, papel, etc.

Manter próximo uma toalha molhada para abafar eventuais acidentes.

Um extintor pequeno também é recomendado caso você vá usar várias velas acesas ao mesmo tempo.

Manter as velas que não estão sendo usadas em uma superfície plana, longe de inflamáveis e sem risco de
tombamento ou queda.

Retirar a vela do recipiente onde ela vem se for de material inflamável, como plástico e papel ou papelão
encerados.
 Alergia:

Conhecimento prévio de alergia de corantes do/a bottom ajuda muito, mas nem sempre é possível.

Testar com pequenos pingos ou pinceladas em áreas mais sujeitas a alergias (por ex, dentro do antebraço) e
aguardar alguns minutos ou mesmo de um dia para o outro pode ajudar a descobrir se a pessoa tem alergia.

Utilizar parafina pura sem aromatizantes ou corantes.

 Queimadura:

Há bastante discussão sobre qual a temperatura onde a pele começa a sofrer queimadura, em uma pesquisa
rápida, encontrei um folhetim explicando bastante sobre temperatura e nele explica que a 45°C tem-se o início
do ciclo da histamina, que é o primeiro estágio da queimadura e o início do mecanismo da dor.

O ponto de fusão das velas costuma girar entre 48°C e 65°C. Enquanto a de 48°C é bastante segura, a de 65°C
já é quente o suficiente para causar queimaduras sérias, então devemos ter bastante cuidado para que a
brincadeira seja prazerosa sem causar danos, sejam eles permanentes ou não.

Sabemos que no wax play uma das sensações buscadas é, sim, a dor, mas não queremos que esta dor cause
danos ao bottom.

Devemos, também, saber identificar visualmente os tipos de


queimadura:

Queimadura de 1º Grau

Todos já sofremos com essa, é quando a pele fica vermelha e quente,


com sensação de ardência. Costuma acontecer por exposição excessiva
ao sol e pode ocorrer tocando superficies quentes, derramando água
quente sobre a pele, etc. Não deixa cicatrizes. Queimadura de 1º Grau (provavelmente por
exposição solar excessiva)
É o tipo de queimadura mais comum no wax play, mas geralmente não Fonte: www.vivomaissaudavel.com.br
traz sequelas ou necessita de muita intervenção.

Queimadura de 2º Grau:

Formam-se bolhas sobre a superfície da pele, que podem conter


líquido, e pode ocorrer o desprendimento parcial ou total da pele. O
dano é mais profundo e esta dói mais que a de primeiro grau. Pode
deixar cicatrizes.

Queimadura de 2º Grau
Fonte: www.t2.uc.ltmcdn.com
Queimadura de 3º Grau:

Atingem as camadas mais profundas da pele. O local pode ficar


esbranquiçado ou carbonizado (escurecido). A dor geralmente não é
tão grande pois danifica as terminações nervosas. Sempre deixam
cicatrizes e podem requerer tratamento cirúrgico.

É importante saber como proceder em caso de queimaduras. As de


primeiro e segundo grau podem ser tratadas em casa mesmo, as de
Queimadura de 3º Grau
terceiro recomenda-se consultar um médico e ir imediatamente a um
Fonte: http://www.mdsaude.com
pronto-socorro.

Este guia não tem de maneira alguma nenhuma intenção de substituir o tratamento receitado por um médico,
mas as dicas aqui expostas podem ofertar alívio inicial. Caso ocorram queimaduras de qualquer grau, a pessoa
deve ingerir bastante líquidos, pois o corpo hidratado reage melhor.

Queimaduras de primeiro grau devem ser lavadas com água fria corrente por alguns minutos para diminuir a
temperatura da pele e após pode-se aplicar compressas frias para diminuir a dor e o inchaço. Pomadas, só
com receita médica ou indicação do farmacêutico.

Queimaduras de segundo grau deve ser realizado o mesmo procedimento das queimaduras de primeiro grau,
com muito cuidado com as compressas, e as bolhas devem ser cobertas com curativos embebidos em vaselina
até a total cicatrização. Pomadas e analgésicos, novamente, somente com receita médica ou indicação do
farmacêutico.

As de terceiro grau são muito difíceis de ocorrer durante uma sessão de wax play, mas podem ocorrer em caso
de pequenos incêndios durante a mesma, então a nossa orientação é: vá a um pronto-socorro
IMEDIATAMENTE!!!

Importante:

 Nunca aplicar sal, açúcar, pasta da dente, pomadas ou qualquer outro produto caseiro, pois eles
podem complicar a queimadura e dificultar o diagnóstico;
 Não aplicar gelo diretamente sobre o local afetado;
 Evitar pomadas ou remédios naturais, assim como qualquer medicação não prescrita por médicos;
 Em caso de ingestão de produtos caústicos ou queimaduras em boca e olhos, lavar o local com
bastante água corrente e procurar o pronto-socorro;
 Não tocar a área afetada.
 Não tentar retirar pedaços de roupa grudados na pele. Se necessário, recortar em volta da roupa que
está aderida a pele queimada.
 Não cobrir a queimadura com algodão.

Coisas que devemos sempre observar antes, durante e após a sessão de wax play:

 Procedência da vela

Sempre compre velas preferencialmente produzidas para este fim, com corantes hipoalergênicos. Se você
souber que o/a bottom tem alergia a determinados corantes (ao amarelo é bem comum!), evite-os.
Procure comprar velas de fornecedores já conhecidos no meio, pergunte às pessoas que você conhece se você
indica quem faça velas apropriadas e que já tenha usado as mesmas ou, ainda, procure comprar sempre da
mesma marca se for comprar no comércio baunilha.

Velas de loja de 1,99, de aniversário, com glitter, ou aquelas votivas do supermercado definitivamente não
são boas para este tipo de prática. Evite, sério!

Velas de parafina pura de lojas de produtos religiosos costumam ser usadas com bons resultados, mas
certifique-se de que não contém estearina. Este produto costuma aumentar muito o ponto de fusão da vela e
aumenta muito o risco de queimadura.

 Tipo da vela

Cada tipo de “cera” de vela tem um ponto de fusão diferente, isto é um dos fatores que vai influenciar na
temperatura final em que a cera chega na pele da pessoa.

A parafina pura tem ponto de fusão entre 58°C e 62°C. É de origem mineral, derivado de petróleo.

A cera de abelha tem ponto de fusão entre 61°C e 65°C.

A cera de palma é o substituto vegano para a cera de abelha, tem ponto de fusão de 57°C a 59°C.

A cera de soja tem ponto de fusão entre 48º e 55º, sendo o ponto de fusão mais baixo. Algumas pessoas
relatam que o cheiro da cera de soja ao queimar é levemente desagradável e que ela é ruim de tirar do corpo
posteriormente.

 Aditivos, essências e corantes

Velas contendo aditivos podem ter seu ponto de fusão aumentado ou reduzido por estes aditivos.

Aditivos comuns são os aromatizantes, óleos essenciais, corantes, conservantes, enrijecedores e o óleo
mineral.

Os óleos essenciais normalmente são utilizados em quantidade muito baixa, mas podem causar alergias e
alterar o ponto de fusão para menos, porém aumentar o tempo para solidificação da cera.

Os aromatizantes e conservantes além de potencialmente causar alergias podem aumentar o ponto de fusão
da vela.

Os corantes costumam não interferir no ponto de fusão, mas podem causar alergias.

Os enrijecedores aumentam drasticamente o ponto de fusão das velas, sendo o mais comum a estearina.
Devem ser absolutamente evitadas velas com estearina.

O óleo mineral é um aditivo bem comum em velas especificas para wax play. Em pequenas quantidades (20 a
30%) ele auxilia na redução do ponto de fusão da vela. Em grandes quantidades, interfere também no processo
de solidificação e resfriamento da cera e baixa significativamente o ponto de fusão da vela, tornando seu
manuseio mais complicado.

 Recipientes e pavios

Muitas velas para uso específico em wax play vêm do fabricante em recipientes de plástico. É importante
retirá-las destes recipientes para que não ocorra o derretimento acidental do plástico, pois ele pode causar
queimaduras de segundo e terceiro grau.
Algumas velas compradas sem ser para este fim específico possuem um
fino fio metálico dentro do pavio, para conferir mais resistência ao mesmo.
Esse fio é tão fino que o calor da chama costuma ser suficiente para
fragmentá-lo ou mesmo derretê-lo e causar queimaduras sérias no contato
com a pele.

Algumas velas possuem um suporte para o pavio no fundo da mesma e


devemos ter cuidado, pois este suporte pode aquecer muito, quando a vela
Pavio com fio de cobre interno e suporte
chega próximo ao final, e cair na pele do/a bottom. metálico
Fonte: www.essenciassaocaetano.com
 Preparo da pele

A pele não deve receber óleos ou loções corporais imediatamente antes de uma sessão de/com wax play. O
óleo sobre a pele interfere no processo de solidificação da cera, deixando-o mais lento. Se a cera demora para
esfriar, prolonga a sensação de queimação e possivelmente aquela cera pode chegar a ferir a pele do/a
bottom.

A pele que é muito seca ou ressecada tende a sofrer mais com o calor da cera, portanto estar hidratada é
importante, contanto que o hidratante tenha sido aplicado algumas horas antes da sessão.

A pele oleosa pode sofrer um pouco na questão da solidificação da cera se for muito, muito oleosa, nestes
casos uma toalha seca passada nas áreas onde será aplicada a cera diminui a oleosidade temporariamente e
é suficiente.

Distância de aplicação

A cera da vela vai esfriando conforme cai até chegar na pele.


Esse tempo de queda é necessário para trazer uma vela, por
exemplo, de parafina pura, dos seus 60°C até os 50°C que são
uma temperatura adequada para causar dor, deixar um
pouquinho avermelhada a pele, mas sem efetivamente causar
uma queimadura.

A distância deve ser o suficiente para a cera chegar a uma


temperatura adequada à tolerância a dor do/a bottom e à
segurança da cena. A regra básica é: quanto mais longe, mais Pingos de cera azul e vermelha na pele
Fonte: agatsumasoubisan.deviantart.com
fria a cera. Comece de uma distância grande e vá testando e
obtendo feedback do/a bottom para que você chegue a um meio termo saudável.

Saiba que de uma grande distância os pingos tendem a espirrar, efeito este que se torna mais controlado
conforme a distância vai diminuindo.

É importante que o/a Top sempre teste a distância, inclusive em sua própria pele, para que tenha uma noção
do que está aplicando à/ao bottom.

Local de aplicação

Wax play é seguro de ser realizado na maior parte do corpo, embora em algumas áreas a experiência seja mais
dolorosa que nas outras.

Devemos evitar as mucosas, por causa da maior sensibilidade delas a queimaduras e alergias, o rosto, pois a
cera pode ir nos olhos, nariz, boca ou orelhas e causar danos sérios.
A área genital e ânus devem ser tratados com extremo cuidado. Pode ser uma experiência fantástica para o/a
bottom, mas pode causar danos muito sérios também. Evitar a mucosa, sempre.

Os mamilos são bem sensíveis na maioria das pessoas, então muito cuidado também deve ser dispensado a
eles. Aumentar a distância de aplicação costuma ser suficiente para muitas pessoas, mas evitá-los totalmente
pode ser necessário, assim como a genitália / região anal.

Forma de aplicação

A forma de aplicação também vai determinar a distância e como você vai proceder para manter uma maior
segurança.

A cera derretida, por ser um líquido, tende a se concentrar em depressões e áreas planas no corpo e escorrer
de áreas arredondadas ou inclinadas. Essa concentração da cera pode ser um fator de risco para queimaduras
mas também pode ser o efeito desejado pelo Top.

As formas de aplicação mais comuns são: pingos, derramamento direto da vela, derramamento a partir de
outros recipientes, pintura corporal com os dedos ou pincel.

 Pingos

É a forma mais intuitiva e mais conhecida, consiste em acender a vela e fazer


com que a cera escorra em pequenas gotas na pele do/a bottom. É bem
tolerável para iniciantes e indicado também para testar a temperatura na pele
do/a Top. A grandes distâncias pode respingar e acertar áreas onde não se
pretendia colocar cera.

Fonte: www.k13r.deviantart.com
 Derramamento direto da vela

Consiste em derramar uma


maior quantidade de cera
diretamente da vela.
Comumente se observa que a
cera escorre e pode se acumular
Efeito comumente observado:
escorre bastante!
em depressões do corpo.
Fonte: Loja AgreeableAgony (etsy)
A vela pode estar contida,
também, em algum tipo de recipiente, o que pode auxiliar a Fonte: Loja AgreeableAgony (etsy)

segurar a vela, direcionar o derramamento e também a


aproveitar ao máximo a cera da mesma, mas deve-se tomar muito cuidado, pois este recipiente pode
esquentar e queimar a mão do/a Top ou ainda, se for de vidro, fragmentar-se. Recipientes de plástico ou
papelão devem ser removidos ou completamente evitados para que não derretam junto ou peguem fogo,
pondo o/a bottom e até o/a Top em risco.
 Derramamento a partir de recipientes

Neste método de aplicação a cera é derretida sem


necessariamente vir de uma vela (usa-se muito a cera crua para
fabricação de velas) e os corantes podem ser adicionados na
hora.

Panelas elétricas ou rechauds podem ser usados. É imperativo


que se controle a temperatura da cera liquefeita usando um
termômetro culinário. A cera não deve passar de 50°C para
minimizar o risco de queimaduras.

Normalmente é aplicada usando uma concha, colher ou Cera sendo derretida em uma “Crock Pot”
similares e existem os mesmos riscos de escorrimento e Fonte: http://www.thechillydog.com
acúmulo em locais indesejado que do método anterior, porém
em maior grau devido à maior quantidade de cera utilizada.

 Pintura corporal

Neste caso normalmente a cera é derretida previamente e mantida aquecida para uso como se fosse tinta no
corpo do/a bottom. A aplicação é feita através de pincéis ou com os dedos, proporcionando uma experiência
bem sensual. Há mais perigo do/a Top se queimar do que do/a bottom, mas muita atenção ainda é necessária,
pois as mãos suportam temperaturas mais altas que o restante do corpo.
[Obs.: não há fotos porque não achei nenhuma que fosse de domínio público! Sorry! :/ ]

Remoção

A remoção da cera do corpo do/a bottom pode ser feita de várias formas.

A mais comum é retirar com a mão, usando a unha pra levantar e descolar a cera
do corpo, mas pode ser tirada com flog ou cane nos locais apropriados, ou mesmo
com uma faca, passada horizontalmente.

Todos os métodos devem ser realizados com carinho e atenção, pois cada um
tem seus riscos próprios e não vamos fazer toda uma aplicação perfeita pra
depois machucar o/a bottom no finalzinho, bem na hora de retirar, não é?

Vale lembrar que a cera colorida pode manchar cordas, roupas, lençóis, pisos de
madeira, rejuntes de pisos cerâmicos, pisos de concreto e outras superfícies,
então é interessante evitar que respingue onde se deseja preservar.
Remoção com faca
Eu costumo sentir a pele “encerada”, uma sensação meio emborrachada, após a Fonte: Pinterest
retirada da cera.

Essa sensação pode ser reduzida com massagens com óleos próprios para este fim posterior à remoção das
placas e pingos de cera e um banho bem quente, embora este último só seja recomendado caso a pele não
esteja muito sensibilizada ou com queimaduras.

Aftercare

Cada Top e cada bottom têm seus tipos preferidos de aftercare, mas na sessão de wax play alguns são bastante
recomendados.
Compressas frias de água ou chá de camomila nas áreas avermelhadas ajudam a acalmar a pele, reduzir o
inchaço e a vermelhidão.

Massagens suaves com óleos essenciais que estimulem a cicatrização, a sensação de calma e introspecção são
bons também, tomando cuidado com as áreas mais sensibilizadas pelo acúmulo de cera.

Banhos mornos são bons para que a pele resfrie. Banhos quentes são bons para ajudar a terminar a remoção
da cera. Banhos frios devem ser evitados pelo choque térmico que pode ocorrer.

Considerações finais

O Wax Play é uma experiência única e sensual, encaixa na categoria de sensation play no BDSM (brincadeira
com sensações) e pode ser utilizada como forma de tortura para quem tem baixa tolerância à dor.

Pode ser quase indolor se aplicada de uma distância maior, ou extremamente doloroso se aplicado a uma
curta distância da pele.

O importante é ficar muito atento aos sinais de que algo está errado, manter todos os materiais em local plano
e não inflamável, ao alcance da mão, sem deixá-los sem supervisão, nunca deixar o/a bottom sozinho
vendado/a e/ou amarrado, deixar os inflamáveis longe e cuidar da procedência, distância, etc.

Referências Bibliográficas:

http://www2.pelotas.ifsul.edu.br/denise/transmissaodocalor/termologiacorpohumano_galeradafisica.pdf

https://www.sbcd.org.br/pagina/1720

http://www.bdsmwaxplay.com/erotic_waxing.htm

http://healthybdsm.tumblr.com/tagged/wax-play

https://fetlife.com/groups/34936 (leitura)

https://fetlife.com/groups/74531 (workshops)

Autora: RiggerKali

Colaboração / proofreading: cubby_, Lereon, Diego

Maio / 2017

Permitida a reprodução e/ou tradução, mantendo os créditos.

Você também pode gostar