Você está na página 1de 5

Abordagem Triangular no Ensino de Artes Visuais

Cilene Leite de Mello*

RESUMO:
Este artigo teve como objetivo fazer uma breve análise da Abordagem Triangular de Ana Mae Tavares
Bastos Barbosa, que foi considerado um programa educativo influenciado pelas Escuelas Al Aire Libre
(México), Critical Studies (Inglaterra) e da Discipline Based Art Educacion (DBAE - USA)
desenvolvido pela Getty Foundation, sistematizado nos anos de 1987 a 1993 no Museu de Arte
Contemporânea (MAC) da USP. Esta proposta prevê uma nova forma de se aplicar o conteúdo de Artes
Visuais em sala de aula, para educandos da educação infantil, ensino fundamental e médio, é sugerida
pela autora a partir da análise de uma obra de arte visando pontos como: contextualização histórica, a
leitura da obra de arte e sua reprodução. Esta abordagem focada no ensino de artes foi tão forte na época
da elaboração da pesquisa feita por Ana Mae Barbosa que influenciou grandemente o ensino público,
inclusive os Parâmetros Curriculares da Educação no Brasil.

Palavras-chave: Educação. Programa Educativo. Análise. Obra-de-arte. Artes visuais.

INTRODUÇÃO

Ana Mae Tavares Bastos Barbosa nasceu no Rio de Janeiro em 17 de Julho de 1936. É
uma arte educadora brasileira e considerada pioneira em arte-educação.
Em um período já considerado pós-modernismo, Ana Mae resolve dedicar sua vida à
pesquisa direcionada a crítica e reflexão da arte, apontando para possíveis caminhos
metodológicos, onde o educador pode trabalhar imagens diversificadas.
Sua proposta em arte-educação foi sistematizada à partir de 1987, denominada como
Proposta Triangular ou Abordagem Triangular. Foi considerado um programa educativo tendo
influência das Escuelas Al Aire Libre (México), Critical Studies (Inglaterra) e da Discipline
Based Art Educacion (DBAE - USA) desenvolvido pela Getty Foundation que é a Arte-
Educação baseada em 4 disciplinas: produção de arte, história da arte, crítica e estética.
Ana Mae considera que o ensino da Arte não dever ser apenas um repasse informativo
de fatores históricos, mas deve ser uma mola propulsora de criatividade, inventividade e leituras
diversas, entendendo que a arte pode ter um diálogo constante de aprendizado.
Essa Abordagem começou a ser divulgado nas escolas municipais de SP por volta de
1989 a 1992 por meio de visitas dos alunos ao MAC onde os mesmos ficavam em contato direto
com essa nova abordagem.
Esses experimentos se deram através do “fazer artístico”, sem considerar o contexto
histórico da obra, mas as turmas tiveram melhor resultado quando esse “fazer” era
contextualizado historicamente. Assim Ana Mae pesquisa e estuda experiência em diversas
regiões do Brasil procurando avaliar erros e acertos e resultados que diversos professores vem
obtendo com o uso da Abordagem Triangular.
Em suas experiências na Escolinha de Arte de São Paulo (EASP/1968-1971) Ana Mae
já atentava para a necessidade de desenvolver a capacidade crítica para analisar uma obra e
encorajar os estudantes ao processo criativo, do qual se resultaria a novas respostas em relação
a realidade, podendo até chegar a um processo de transformação. (Barbosa, 1975 pag. 70 apud
Peterson & Coutinho, 2017).
Através da criação da Lei 5.692/71, Ana Mae já chamava a atenção dos profissionais da
Arte sobre a obrigatoriedade da disciplina Educação Artística nos currículos plenos dos
estabelecimentos de 1º e 2º graus, e o perigo de a disciplina ser considerada apenas como
atividade paralela (Barbosa,1975, p. 111 apud Peterson & Coutinho, 2017).
Durante os anos de 1987 a 1993 essa proposta foi testada no MAC – Museu de Arte
Contemporânea da Universidade de São Paulo (USP), através de leituras de obras originais.
Ana Mae optou mais pelo termo “Abordagem” pelo fato de ser considerado uma forma de
aprendizagem e não propriamente um método ou um modelo a ser seguido. É uma opção onde
cada professor poderá usá-la em suas práticas cotidianas e poderá ser motivado ao incessante
processo investigativo.
E foi no XIV Festival de Inverno de Campos de Jordão, local considerado por Ana como
‘laboratório’ de concepção de ensino de arte, reativa as consequências da Educação Artística
praticada ao longo da década de 70.
Ana Mae Barbosa primeiramente chamou seus estudos de Metodologia Triangular, e
com o passar do tempo, observou interpretações erradas do termo “metodologia” e resolveu
renomear seus estudos como “Abordagem Triangular”, tornando-se uma referência pedagógica
para a educação. (SILVA, 2011)
Em 1997 o Ministério da Educação e Cultura (MEC) estabeleceu os Parâmetros
Curriculares Nacionais dando enfoque na Arte através das diretrizes para o ensino de arte na
educação básica. Essa ênfase se deu através de três documentos: PCN/Arte para o Ensino
Fundamental (Brasil, 1997), Referencial curricular Nacional para a educação infantil (Brasil,
1998) e PCN/ Ensino Médio (Brasil, 1999). É evidente nestes documentos a Abordagem
Triangular, porém a mesma não é citada na bibliografia. (SILVA, 2011)
A ABORDAGEM TRIANGULAR

Na Abordagem Triangular Ana Mae propõe uma alfabetização pela imagem onde se
daria a união da teoria e a prática das artes através da leitura de imagens. Segundo Ana Mae as
imagens transmitem a linguagem presentacional, que é aquela que capta e processa a
informação através da imagem. A linguagem presentacional “faz com que o ser humano consiga
transmitir significados que não podem ser transmitidos através da linguagem discursivas:
científica ou linguística”. (Dicionário Informal, 2018)
A linguagem discursiva não consegue expressar tudo aquilo que uma imagem pode
trazer a um observador. Por isso que, para uma mesma obra de arte é possível interpretações
diversas.
Para se fazer a leitura de uma imagem é impossível não relacionar os fatos estéticos com
o fator histórico, uma vez que o artista ao produzir uma obra de arte, dificilmente não expressa
a situação que está em seu entorno, e esta situação que afeta a produção da obra de arte, pode
ser de aspecto político, social ou religioso.
A Abordagem Triangular de Ana Mae diz que para se construir conhecimento em Artes,
essa proposta visa três eixos de ação: contextualizar, ler e fazer, por isso o termo Triangular,
onde permite ao professor ver qual desses três vértices irá escolher para desenvolver o seu
trabalho, tornando-se uma abordagem flexível.

A abordagem não se baseia em conteúdos a serem dados, mas em ações mentalmente


e sensorialmente básicas, sendo facilmente apropriadas a diversos conteúdos.
Seguramente, a Abordagem Triangular corresponde aos modos como se aprende, não
é um modelo, um guia, para o que se aprende. (BARROS, 2016)

Ou seja, quando um educador usar a Abordagem Triangular como referencial para sua
aula, ele não obrigará o educando a escolher uma obra de arte como suporte para a sua produção
plástica. A observação de obras de arte o estimulará a uma experiência individual. O educador
não deve ficar exigindo dos educandos representações fiéis das obras de arte observadas. Elas
devem ser uma fonte de inspiração representativa e não um modelo a ser copiado fielmente.
A livre expressão deve ser estimulada no aluno, ou seja, levar o educando a criar sua
própria obra de arte inspirando-se nas já existentes. Assim o educador pode utilizar esses três
vértices:
1. Contextualização Histórica:

A história da arte leva os educandos a compreender o lugar e o tempo onde as obras


estão situadas. Nenhuma obra de arte existe sem um contexto, e para compreendê-la é
necessário o entendimento deste. Assim Ana Mae (1999) diz: "A estética esclarece as bases
teóricas para julgar a qualidade do que é visto'“.
O educando precisa compreender que a arte se dá em contextos relacionados a tempos
e espaço, obtendo o conhecimento relacionado a história. Não é apenas situá-lo historicamente
da época em que foi produzida a obra, mas dar sentido à vida daqueles que a observam.
Através da leitura de obras de artes estaremos preparando o educando para a
decodificação da gramática visual da imagem fixa, através da leitura, do cinema e da televisão,
levando-as a aprender a gramática da imagem em movimento.

2. Leitura de Obras de Arte (Apreciação):

Sensibilizar os educandos quanto a capacidade de ver e sentir uma obra de arte,


incentivando-os à análise. Nessa leitura levamos o educando a observar os detalhes da obra, o
desenho, as cores, a disposição do ambiente, as formas das figuras, etc.

3. Produção (Fazer arte):

Despertar no educando a capacidade de criar objetos e imagens utilizando as formas já


existentes e incentivando-os a criação de novas formas, despertando a sua criatividade.
Ana Mae salienta que “... nem toda criança virá a ser um produtor de Arte, mas todas
poderão ser observadores efetivos, extraindo do consumo visual os mesmos benefícios
auferidos na ação sobre os materiais e na construção de símbolos. Para isso é necessário que
aprendam, pela contemplação, que o objeto de arte age sobre quem o observa, organizando
sentimentos e ideias e permitindo que o processo de interpretar imagens mobilize o potencial
criativo, da mesma maneira que o processo de produzi-las. ” (BARBOSA, 1975, p. 113)

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Observamos o histórico de vida de Ana Mae Barbosa, uma arte educadora que trouxe
grandes contribuições para o campo da Arte.
A Abordagem Triangular é uma opção para o professor de Artes das séries iniciais,
ensino fundamental e médio para a aplicação dos conteúdos de artes em sala de aula. Uma
forma de levar os educandos a interpretar obras e leva-los ao fazer artístico. Essa abordagem
nos dá a opção de fazermos várias atividades diferenciadas, uma forma livre do professor criar
opções para o educando entrar em contato com o mundo artístico, e vivenciar experiências
próprias.
Embora a Abordagem Triangular seja uma forma de levar os educandos ao mundo da
apreciação artística, fazendo-os verdadeiros experimentadores da arte, ela também pode ser
usada por todos aqueles que desejam ser apreciadores de arte ou que tenham o objetivo de
desenvolver o estudo de obras diversas. A Abordagem sugerida por Ana Mae Barbosa abre um
leque de possibilidades à todos aqueles que desejam desenvolver a habilidade de apreciação de
obras de arte e relatar históricos sobre as mesmas.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

BARBOSA, Ana Mae. Teoria e prática da Educação Artística. São Paulo: Cultrix, 1975.

BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino da arte. São Paulo: Perspectiva, 1999.

BARROS, Ângelo Roberto Silva. Abordagem Triangular no Ensino das Artes e Culturas
Visuais: uma breve revisão. Anais do XXVI CONFAEB, Boa Vista, Novembro de 2016.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais : Arte/


Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 130p

DICIONÁRIO INFORMAL: https://www.dicionarioinformal.com.br/presentacional/


LEI 5.692 (DIRETRIZES E BASE 1971).https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-
1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html

PETERSON, Sidiney; COUTINHO, Rejane Galvão. Abordagem Triangular: ziguezagueando


entre um ideário e uma ação reconstrutora para o ensino de artes. 282 Revista GEARTE, Porto
Alegre, v. 4, n. 2, p. 282-294, maio/ago. 2017. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/gearte

SILVA, Patrícia Simone da. Aplicação da Abordagem Triangular nas séries do Ensino
Fundamental II nas Escolas Públicas da cidade de Barretos. UNB: Instituto de Artes,
Barretos/SP, 2011.

* Cilene Leite de Mello é formada em Educação Artística – Habilitação em Música pela Universidade Federal de
Mato Grosso (UFMT) e em Teologia pela Faculdade Sul Americana (FTSA), pós-graduada em Metodologia do
Ensino de Artes (Música, Dança, Artes Visuais e Teatro), em Psicopedagogia pela Escola Superior Aberta do
Brasil (ESAB) e em Aconselhamento Cristão Contemporâneo (FTSA). Mestranda em Estudos de Cultura
Contemporânea do PPGECCO na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). É professora de Artes (Música)
para Ensino Fundamental e Médio pela SEDUC-MT e na Universidade do Estado de Mato Grosso
(UNEMAT/DEAD) no curso de Artes Visuais.