Você está na página 1de 2

Projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma

organização transitória, ao qual são alocados os insumos necessários para, em um dado praz
o, atingir um
objetivo. Sendo este objetivo geralmente especificado em termos de custos, tempo
e desempenho. Um
projeto é único, tem objetivo definido e mensurável e tem um ciclo de vida.
Rede Pert (Program Evaluation and review Technique)
Criada em 1956 pela Cia. E. I. Dupont de Nemours para o cálculo de prazos em lançame
nto de
novos produtos, esta técnica recebeu inicialmente a denominação de Kelley-Walkers.
Em 1958 a Marinha Americana contratou a empresa de consultoria Bozz-Allen and Ha
milton para
desenvolver um sistema de planejamento e controle na construção de um foguete. O pro
grama
foi intitulado de Projeto Polaris. Por se mostrar muito extenso (3000 empreiteir
os e
subempreteiros e 70000 peças que deveriam ser fabricadas) e como era de vital impo
rtância o
cumprimento dos prazos estabelecidos, foi criado um grupo de pesquisa para impla
ntar uma
ferramenta de organização e controle denominada posteriormente de PERT, Técnica de Ava
liação
e Controle de Projetos. A representação gráfica do sistema PERT é composta por setas
orientadas que representam as atividades e círculos ou nós que representam os evento
s.
CPM (Critical Path Method)
Em 1957, através da associação com a Remington-Rand, a técnica CPM (Método do Caminho
Crítico) foi convertida para o uso em computadores Univac. Surgia o primeiro softw
are de
gerenciamento de projetos. Referindo-se ao caminho crítico como fator determinante
da duração do
projeto, a CPM introduzia um novo conceito em gerenciamento de projetos.
O método francês CPM é representado por uma rede composta por setas orientadas que mos
tram
as interdependências e retângulos em que são descritas as atividades do projeto. As du
rações são
normalmente colocadas dentro dos retângulos.
Rede Pert CPM (Rede de Planejamento)
É um método que divide as operações de um projeto em atividades necessárias à execução, ond
as atividades são apresentadas em suas interdependências e durações com o objetivo de
analisar prazos, custos e otimização de calendários.
As redes PERT/CPM dão ênfase aos objetivos, visam a otimização política, da performance, d
o
prazo, do preço e do risco (indicadores presentes em qualquer projeto), são uma ferr
amenta
interdisciplinar e de comunicação e estabelecem de forma clara as relações entre cliente
s e
fornecedores.
Cabe notar que o modelo PERT/CPM não cria situações, mas revela situações, evitando ou
minimizando os efeitos oriundos de ocorrências não previstas ao longo do projeto. Po
r isso,
ele ajuda a decidir, mas não é a decisão. O método não pode evitar chuvas ou atrasos de
fornecedores, mas irá revelar ou até mesmo prevenir contra tais ocorrências: o que faz
er,
onde e como atuar, quando agir e com que recursos, tendo em vista a ocorrência de
eventos
estranhos ao planejamento inicial ou base .
Principais conceitos
· Recurso: Pessoas, equipamentos e materiais utilizados para desenvolver trabalhos
em um
projeto.
· Indentar: Gerar uma estrutura de tópicos através de diferenciação por níveis.
· Antecipação: Recurso do sistema que permite a sobreposição de atividades vinculadas para
reduzir a duração.
· Retardo: Período de defasagem (ociosidade) entre atividades vinculadas.
o Obs.: As antecipações e os retardos facilitam o inter-relacionamento entre as ativ
idades,
permitindo maior flexibilidade nas durações.
· Caminho crítico: É o conjunto de atividades inter-relacionadas que precisam ser conc
luídas no
tempo programado para que o projeto seja finalizado no prazo definido. Ou seja,
quando a
última tarefa do caminho crítico for concluída, o projeto estará concluído.
· Tarefa crítica: É a tarefa que precisa ser concluída de acordo com a agenda para que o
projeto termine no prazo final determinado. A série de tarefas críticas constitui o
caminho
crítico do projeto. Á medida em que as tarefas vão sendo concluídas, elas deixam de ser
críticas.
· Recurso de trabalho: são as pessoas e equipamentos que realizam as tarefas dedican
do tempo
a elas. Ex.: supervisor, gerente, retro-escavadeira, caminhão.
· Recurso de material: são suprimentos, estoques ou outros itens consumidos durante
as
atividades. Ex.: cimento, combustível, água.
· Acumulação de custos: É a determinação de como o custo será analisado do ponto de vista d
pagamento do recurso. O programa oferece 3 opções: início, rateado, fim, sempre em rel
ação à
tarefa. A acumulação de custos está diretamente ligada ao fluxo de caixa do projeto.
· Custo de linha de base: É o custo original do projeto, é uma amostra do custo na oca
sião
em eu o plano de linha de base foi salvo. O controle e a comparação dos custos de li
nha de
base com os custos reais podem ser úteis para o controle do desempenho dos custos
e o cálculo
de valoresacumulados.
· Custo por uso: É uma taxa definida para o uso de um recurso. Pode substituir ou co
mplementar
uma variável ou custo de recurso por hora.