Você está na página 1de 8

CAPÍTULO 4

A Gestalt

     


A Psicologia da Gestalt é uma das tendências teóricas mais
coerentes e coesas da história da Psicologia. Seus articuladores
preocuparam-se em construir não só uma teoria consistente, mas
também uma base metodológica forte, que garantisse a consistência
teórica.

Gestalt é um termo alemão de difícil tradução. O termo mais


próximo em português seria forma ou configuração, que não é utilizado,
por não corresponder exatamente ao seu real significado em Psicologia.

Como já vimos no capítulo 2, no final do século passado muitos


estudiosos procuravam compreender o fenômeno psicológico em seus
aspectos naturais (principalmente no sentido da mensurabilidade). A
Psicofísica estava em voga.

Ernst Mach (1838-1916), físico, e Christian von Ehrenfels (1859-


1932), filósofo e psicólogo, desenvolviam uma psicofísica com estudos
sobre as sensações (o dado psicológico) de espaço-forma e tempo-forma
(o dado físico) e podem ser considerados como os mais diretos
antecessores da Psicologia da Gestalt.

Max Wertheimer (1880-1943), Wolfgang Köhler (1887-1967) e Kurt


Koffka (1886-1941), baseados nos estudos psicofísicos que relacionaram
a forma e sua percepção, construíram a base de uma teoria
eminentemente psicológica.

Eles iniciaram seus estudos pela percepção e sensação do


movimento. Os gestaltistas estavam preocupados em compreender quais
os processos psicológicos envolvidos na ilusão de ótica, quando o
estímulo físico é percebido pelo sujeito como uma forma diferente da
que ele tem na realidade. [pg. 59]

É o caso do cinema. Quem já viu uma fita cinematográfica sabe


que ela é composta de fotogramas estáticos. O movimento que vemos na
tela é uma ilusão de ótica causada pela pós-imagem retiniana (a imagem
demora um pouco para se “apagar” em nossa retina). Como as imagens
vão-se sobrepondo em nossa retina, temos a sensação de movimento.
Mas o que de fato está na tela é uma fotografia estática.

A PERCEPÇÃO

A percepção é o ponto de partida e também um dos temas centrais


dessa teoria. Os experimentos com a percepção levaram os teóricos da
Gestalt ao questionamento de um princípio implícito na teoria
behaviorista — que há relação de causa e efeito entre o estímulo e a
resposta — porque, para os gestaltistas, entre o estímulo que o meio
fornece e a resposta do indivíduo, encontra-se o processo de
percepção. O que o indivíduo percebe e como percebe são dados
importantes para a compreensão do comportamento humano.

O confronto Gestalt/Behaviorismo pode ser resumido na posição


que cada uma das teorias assume diante do objeto da Psicologia — o
comportamento, pois tanto a Gestalt quanto o Behaviorismo definem a
Psicologia como a ciência que estuda o comportamento.

O Behaviorismo, dentro de sua preocupação cora a objetividade,


estuda o comportamento através da relação estímulo-resposta,
procurando isolar o estímulo que corresponderia à resposta esperada e
desprezando os conteúdos de “consciência”, pela impossibilidade de
controlar cientificamente essas variáveis.

A Gestalt irá criticar essa abordagem, por considerar que o


comportamento, quando estudado de maneira isolada de um contexto
mais amplo, pode perder seu significado (o seu entendimento) para o
psicólogo.
Na visão dos gestaltistas, o comportamento deveria ser
estudado nos seus aspectos mais globais, levando em
consideração as condições que alteram a percepção do estímulo.
Para justificar essa postura, eles se baseavam na teoria do isomorfismo,
que supunha uma unidade no universo, onde a parte está sempre
relacionada ao todo.

Quando eu vejo uma parte de um objeto, ocorre uma tendência à


restauração do equilíbrio da forma, garantindo o entendimento do que
estou percebendo.

Esse fenômeno da percepção é norteado pela busca de


fechamento, simetria e regularidade dos pontos que compõem uma
figura (objeto).

Rudolf Arnheim dá um bom exemplo da tendência à restauração


do equilíbrio na relação parte-todo: “De que modo o sentido [pg. 60] da
visão se apodera da forma? Nenhuma pessoa dotada de um sistema
nervoso perfeito apreende a forma alinhavando os retalhos da cópia de
suas partes (...) o sentido normal da visão (...) apreende um padrão
global”1.

1
R Arnheim Arte e percepção visual: uma psicologia da visão criadora. p.44-7.
Os fenômenos deste tipo
encontram sua explicação
naquilo que os psicólogos da
Gestalt descrevei como a lei
básica da percepção visual:
“qualquer padrão de estímulo
tende a ser visto de tal modo
que a estrutura resultante é tão
simples quanto as condições
dadas permitem”.

Nós percebemos a figura 1 como um quadrado, e não como uma


figura inclinada ou um perfil (figura 2), apesar de essas últimas também
conterem os quatro pontos. Se forem acrescentados mais quatro pontos
à figura 1, o padrão mudará, e perceberemos um círculo (figura 3). Na
figura 4 é possível ver círculos brancos ou quadrados no centro das
cruzes, mesmo não havendo vestígio dos seus contornos.

A BOA-FORMA
A Gestalt encontra nesses fenômenos da percepção as condições
para a compreensão do comportamento humano. A maneira como
percebemos um determinado estímulo irá desencadear nosso
comportamento. [pg. 61]
Muitas vezes, os nossos comportamentos guardam relação estreita
com os estímulos físicos, e outras, eles são completamente diferentes do
esperado porque “entendemos” o ambiente de uma maneira diferente da
sua realidade. Quantas vezes já nos aconteceu de cumprimentarmos a
distância uma pessoa conhecida e, ao chegarmos mais perto,
depararmos com um atônito desconhecido. Um “erro” de percepção nos
levou ao comportamento de cumprimentar o desconhecido. Ora, ocorre
que, no momento em que confundimos a pessoa, estávamos “de fato”
cumprimentando nosso amigo. Esta pequena confusão demonstra que a
nossa percepção do estímulo (a pessoa desconhecida) naquelas
condições ambientais dadas é mediatizada pela forma como
interpretamos o conteúdo percebido.
Se nos elementos
percebidos não há equilíbrio,
simetria, estabilidade e
simplicidade, não alcançaremos
a boa-forma.
O elemento que
objetivamos compreender deve ser apresentado em aspectos básicos,
que permitam a sua decodificação, ou seja, a percepção da boa-forma.
O exemplo da figura 5 ilustra a noção de boa-forma. Geralmente
percebemos o segmento de reta a maior que o segmento de reta b, mas,
na realidade, isso é uma ilusão de ótica, já que ambos são idênticos.
A maneira como se distribuem os elementos que compõem as
duas figuras não apresenta equilíbrio, simetria, estabilidade e
simplicidade suficientes para
garantir a boa-forma, isto é, para
superar a ilusão de ótica.
A tendência da nossa
percepção em buscar a boa-
forma permitirá a relação figura-
fundo. Quanto mais clara estiver
a forma (boa-forma), mais clara
será a separação entre a figura e
o fundo. Quando isso não ocorre,
O que temos aqui? Uma taça ou dois perfis? A figura
ambígua não oferece uma clara distinção figura- torna-se difícil distinguir o que é
fundo.
figura e o que é fundo, como é o caso da figura 6. Nessa figura ambígua,
fundo e figura substituem-se, dependendo da percepção de quem os
olha. Faça o teste: é possível ver a taça e os perfis ao mesmo tempo?
[pg. 62]

MEIO GEOGRÁFICO
E MEIO COMPORTAMENTAL

O comportamento é determinado pela percepção do estímulo e,


portanto, estará submetido à lei da boa-forma. O conjunto de estímulos
determinantes do comportamento (lembre-se da visão global dos
gestaltistas) é denominado meio ou meio ambiental São conhecidos
dois tipos de meio: o geográfico e o comporta mental.
O meio geográfico é o meio enquanto tal, o meio físico em termos
objetivos. O meio comportamental é o meio resultante da interação do
indivíduo com o meio físico e implica a interpretação desse meio através
das forças que regem a percepção (equilíbrio, simetria, estabilidade e
simplicidade). No exemplo, a pessoa que cumprimentamos era um
desconhecido — esse deveria ser o dado percebido, se só tivéssemos
acesso ao meio geográfico. Ocorre que, no momento em que vimos a
pessoa, a situação (encontro casual no trânsito em movimento, por
exemplo) levou-nos a uma interpretação diferente da realidade, e
acabamos por confundi-la com uma pessoa conhecida. Esta particular
interpretação do meio, onde o que percebemos agora é uma “realidade”
subjetiva, particular, criada pela nossa mente, é o meio comportamental.
Naturalmente, o comportamento é desencadeado pela percepção do
meio comportamental.

Certamente, a semelhança entre as duas pessoas do exemplo (a


que vimos e a que conhecemos) foi a causa do engano. Nesse caso,
houve uma tendência a estabelecer a unidade das semelhanças entre as
duas pessoas, mais que as suas diferenças. Essa tendência a “juntar” os
elementos é o que a Gestalt denomina de força do campo psicológico.
CAMPO PSICOLÓGICO
O campo psicológico é entendido como um campo de força que
nos leva a procurar a boa-forma. Funciona figurativamente como um
campo eletromagnético criado por um ímã (a força de atração e
repulsão). Esse campo de força psicológico tem uma tendência que
garante a busca da melhor forma possível em situações que não estão
muito estruturadas. [pg. 63]

Esse processo ocorre de acordo com os seguintes princípios:


1. Proximidade — os elementos mais próximos tendem a ser
agrupados:

Vemos três colunas e não três linhas na figura.

2. Semelhança — os elementos semelhantes são agrupados:

Vemos três linhas e não quatro colunas.


3. Fechamento — ocorre uma tendência de completar os
elementos faltantes da figura para garantir sua compreensão:
Vemos um triângulo e não alguns traços.

INSIGHT
A Psicologia da Gestalt, diferentemente do associacionismo
(capítulo 2), vê a aprendizagem como a relação entre o todo e a parte,
onde o todo tem papel fundamental na compreensão do objeto
percebido, enquanto as teorias de S-R (Associacionismo, Behaviorismo)
acreditam que aprendemos estabelecendo relações — dos objetos mais
simples para os mais complexos.
Exemplificando, é possível a
uma criança de 3 anos, que não
sabe ler, distinguir a logomarca de
A conhecida logomarca da Coca-Cola é destacada
do fundo pela criança, que identifica a figura como um refrigerante e nomeá-lo
se soubesse ler a palavra.
corretamente. Ela separou a
palavra na sua totalidade, distinguindo a figura (palavra) e o fundo (figura
7). No caso, a criança não aprendeu [pg. 64] a ler a palavra juntando as
letras, como nos ensinaram, mas dando significação ao todo.
Nem sempre as situações vividas por nós apresentam-se de forma
tão clara que permita sua percepção imediata. Essas situações dificultam
o processo de aprendizagem, porque não permitem uma clara definição
da figura-fundo, impedindo a relação parte/todo.
Acontece, às vezes, de estarmos olhando para uma figura que não
tem sentido para nós e, de repente, sem que tenhamos feito nenhum
esforço especial para isso, a relação figura-fundo elucida-se.
A esse fenômeno a Gestalt dá o nome de insight. O termo designa
uma compreensão imediata, enquanto uma espécie de “entendimento
interno”.

Você também pode gostar