Você está na página 1de 16

PATH​O​LOGIA

Para ​entender e ​medir ​emot​iona​l qualidades é ​muito ​difícil. Psicólogos ​e educadores têm lutado com
esse problema por anos, ​mas ​estamos ​ainda ​incapazes de medir emoções ​e ​personalidade ​traços com
a exatidão com a qual podemos medir a inteligência.
​ L​I​GS ​em ​Glimpses i​na
-​ROSE ​ZE ​ Chil​d Lif​e *

DISTÚRBIOS AUTÍSTICOS DE CONTATO AFETIVO


​ EO ​KA​NNER
Por L

Desde 1938, têm chegado ao nosso conhecimento um número de crianças cujos


condição diferem tão marcadamente e exclusivamente de qualquer coisa relatada até
agora, que cada caso mereça e espero, eventualmente receba uma detalhada
consideração de suas peculiaridades fascinantes. Nesse local, as limitações impostas
necessariamente pelo espaço exigem uma apresentação condensada do material do
caso. Pelo mesmo motivo, as fotografias também foram omitidas. Uma vez que
nenhum dos filhos de este grupo tem ainda atingido uma idade além de 11 anos, este
deve ser considerado um relatório preliminar, a ser desenvolvida como os pacientes
envelhecem e mais de observação do seu desenvolvimento é feito.
DISCUSSION

As onze crianças (oito meninos e três meninas) cujas histórias foram


brevemente apresentadas oferecem, como é de se esperar, diferenças individuais no
grau de seus distúrbios, na manifestação de características específicas, na constelação
familiar e no passo a passo. desenvolvimento de etapas ao longo dos anos. Mas
mesmo uma rápida revisão do material faz com que o surgimento de várias
características comuns essenciais pareça inevitável. Essas características formam um
"sinódromo" único, até agora não relatado, o que parece ser raro o suficiente, mas
provavelmente é mais frequente do que o indicado pela escassez de casos
observados. É bem possível que algumas dessas crianças tenham sido vistas como
fracas ou esquizofrênicas. De fato, várias crianças do nosso grupo nos foram
apresentadas como idiotas ou imbecis, uma ainda mora em uma escola estadual para
os fracos, e duas já haviam sido consideradas esquizofrênicas.

A desordem fundamental "patognomônica", notável, é a incapacidade das


crianças de se relacionarem de maneira comum com pessoas e situações desde o
início da vida. Seus pais se referiram a eles como sempre tendo sido "auto-suficientes";
"como numa concha"; "mais feliz quando deixado sozinho"; "agindo como se as
pessoas não estivessem lá"; "perfeitamente alheio a tudo nele"; "dando a impressão de
sabedoria silenciosa"; "não desenvolver a quantidade usual de consciência social";
"agindo quase como se estivesse hipnotizado". Isso não é, como em crianças ou
adultos esquizofrênicos, um afastamento de um relacionamento inicialmente presente;
não é um "empecilho" da participação anteriormente existente. Desde o início, existe
uma extrema solidão vautista que, sempre que possível, desconsidera, ignora, exclui
tudo o que chega à criança de fora. O contato físico direto ou qualquer movimento ou
ruído que ameace perturbar a solidão é tratado "como se não estivesse lá" ou, se isso
não for mais suficiente, ressentia-se dolorosamente como interferência perturbadora.

Segundo Gesell, a criança comum aos 4 meses de idade faz um ajuste motor
antecipado pela tensão facial e pela atitude de encolher os ombros dos ombros quando
levantados de uma mesa ou colocados sobre uma mesa, Gesell comentou:

É possível que uma evidência menos definida de tal ajuste seja encontrada tão
abaixo quanto o período neonatal. Embora um hábito deva ser condicionado pela
experiência, a oportunidade para a experiência é quase universal e a resposta é
suficientemente objetiva para merecer mais observações e registros.

Essa experiência universal é fornecida pela frequência com que uma criança é
apanhada por sua mãe e outras pessoas. Portanto, é altamente significativo que quase
todas as mães dos nossos pacientes lembraram-se de espanto com o fracasso das
crianças em assumir a qualquer momento uma postura antecipatória preparatória para
serem apanhadas. Um pai lembrou que sua filha (Barbara) não mudou durante anos
sua fisionomia ou posição no mínimo quando os pais, ao voltarem para casa após
algumas horas de ausência, se aproximaram do berço conversando com ela e se
preparando para buscá-la.

O bebê médio aprende durante os primeiros meses a ajustar seu corpo à


postura da pessoa que o segura. Nossos filhos não foram capazes de fazê-lo por dois
ou três anos. Tivemos a oportunidade de observar Herbert, de 38 meses, em tal
situação. A mãe dele o informou em termos apropriados de que ela iria levantá-lo,
estendendo os braços na direção dele. Não houve resposta.

Ela começou a pegá-lo, e ele permitiu que ela o fizesse, permanecendo


completamente passivo como se ele fosse um saco de farinha. Foi a mãe que teve que
fazer todo o anúncio. Herbert naquela época era capaz de sentar, ficar de pé e andar.

Oito das onze crianças adquiriram a capacidade de falar na idade normal ou


após algum atraso. Até agora, três (Richard, Herbert, Virgínia) permaneceram "mudos".
Em nenhuma das oito crianças "falantes", a linguagem, durante um período de anos,
serviu para transmitir significado a outras pessoas. Elas foram, com exceção de John
F., capaz de articulação e fonação claras. Nomear objetos não apresentou dificuldade;
mesmo palavras longas e incomuns foram aprendidas e retidas com facilidade notável.
Quase todos os pais relataram, geralmente com muito orgulho, que as crianças
aprenderam em tenra idade a repetir um número excessivo de rimas infantis, orações,
listas de animais, a lista de presidentes, o alfabeto para frente e para trás, até canções
de ninar em francês (em francês), além do recital de frases contidas nos poemas
prontos ou em outras peças lembradas , demorou muito tempo para eles começarem a
juntar as palavras. Além disso, a "linguagem" consistia principalmente em "paming",
substantivos que identificavam objetos, adjetivos indicando cores e números indicando
nada específico.

Sua excelente memória mecânica, combinada com a incapacidade de usar a


linguagem de qualquer outra maneira, muitas vezes levava os pais a enchê-los de mais
e mais versos, 200 nomes lógicos e botânicos, títulos e compositores de peças de
registro de victrola, etc. Assim, desde o início, a linguagem - que as crianças não
usavam para o propósito da comunicação - foi desviada em uma medida considerável
para ser um exercício de memória auto-suficiente, sem valor e semântica e sem
conversação ou distorcida grosseiramente. Para crianças de 2 ou 3 anos de idade,
todas essas palavras, números e poemas ("perguntas e respostas do Presbiteriano
Catecismo ";" concerto para violino de Mendelssohn "; o vigésimo terceiro salmo"; uma
canção de ninar francesa; uma página de índice da enciclopédia) dificilmente teria mais
significado do que conjuntos de sílabas sem sentido para adultos. É difícil saber ao
certo se o recheio, como tal, contribuiu essencialmente para o curso da condição
psicopatológica. Mas também é difícil imaginar que não tenha entrado profundamente
no desenvolvimento da linguagem como uma ferramenta para receber e transmitir
mensagens significativas.

No que diz respeito às funções comunicativas da fala, não há diferença


fundamental entre os oito filhos falantes e os três mudos. Uma vez, Richard ouviu sua
mãe de embarque dizer claramente: "Boa noite". O ceticismo justificado sobre essa
observação foi dissipado mais tarde quando essa criança "muda" foi vista no escritório
moldando sua boca em repetição silenciosa de palavras quando solicitada a dizer
certas coisas "Mute" Virginia - assim seus companheiros de casa de campo em
assistida - foi ouvida repetidamente dizendo: "Chocolate"; "Marshmallow"; "Mamãe";
"Bebê,"

Quando as frases são finalmente formadas, elas são por muito tempo repetições
parecidas com papagaios de combinações de palavras ouvidas. Às vezes, ecoam
imediatamente, mas são igualmente "armazenados" pela criança e proferidos
posteriormente. Pode-se, se desejar, falar de ecolalia tardia. A afirmação é indicada
pela repetição literal de uma pergunta. "Sim" É certo que os filhos demoram muitos
anos a adquirir e são incapazes de usá-lo como um símbolo geral de consentimento.

Donald aprendeu a dizer "sim" quando seu pai lhe disse que o colocaria sobre
seus ombros se dissesse "sim". Essa palavra passou a "significar" apenas o desejo de
ser colocado nos ombros de seu pai. Levou muitos meses para que ele pudesse
desanexar a palavra "sim" dessa situação específica e demorou muito mais tempo para
que ele pudesse usá-la como um termo geral de afirmação.

O mesmo tipo de literalidade existe também com relação a preposições. Alfred,


quando perguntado: "Sobre o que é essa foto?", Respondeu: "As pessoas estão se
movendo".

John F. corrigiu a declaração de seu pai sobre pietures na parede; as fotos


estavam "perto da parede". Donald T., pediu para colocar algo no chão, prontamente
colocado no chão. Aparentemente, o significado de uma palavra se torna inflexível e
não pode ser usado com outra conotação, exceto a adquirida originalmente.

Não há dificuldade com plurais e tempos. Mas a ausência de formação


espontânea de sentenças e a reprodução do tipo ecolalia, em cada uma das oito
crianças falantes, deram origem a um fenômeno gramatical peculiar. Pronomes
pessoais são repetidos da mesma maneira que são ouvidos, sem alterações para se
adequar à situação alterada. A criança, uma vez disse por sua mãe, "Agora vou lhe dar
seu leite", expressa o desejo de leite exatamente nas mesmas palavras.
Conseqüentemente, ele passa a falar de si mesmo sempre como "você" e da pessoa
abordada como "eu". Não apenas as palavras, mas também a entonação são
mantidas. Se a observação original da mãe tiver sido feita na forma de uma pergunta, é
reproduzida com a forma gramatical e a inflexão de uma pergunta. A repetição "Você
está pronto para a sua sobremesa?" significa que a criança está pronta para a
sobremesa. Há uma frase definida, a não ser alterada, para cada A fixação pronominal
permanece até o sexto ano de vida, quando a criança aprende gradualmente a falar de
si mesma na primeira pessoa e do indivíduo abordado na segunda pessoa. No período
de transição, às vezes ainda volta a a forma anterior ou às vezes se refere a si mesmo
na terceira pessoa.

O fato de as crianças ecoarem as coisas ouvidas não significa que elas


"tendem" quando são faladas. Muitas vezes são necessárias várias reiterações de uma
pergunta ou comando antes que haja uma resposta ecoada. Portanto, pelo menos sete
das crianças foram consideradas surdas ou com deficiência auditiva. Existe uma
necessidade: todo-poderoso, de ser deixado imperturbável. Tudo o que é trazido de
fora para a criança, tudo o que muda seu ambiente externo ou mesmo interno,
representa uma intromissão temida.

A comida é a primeira intrusão que é trazida para a criança de fora. David Levy
observou que as crianças famintas por afetos, quando colocadas em lares adotivos
onde são bem tratadas, demandam inicialmente quantidades excessivas de alimentos.
Hilde Bruch, em seus estudos com crianças obesas, descobriu que o excesso de
comida geralmente resultava quando as ofertas afetivas dos pais estavam ausentes ou
consideradas insatisfatórias. Nossos pacientes, inversamente, ansiosos por afastar o
mundo exterior, indicaram isso pela recusa de comida. Donald, Paul ("vomitou bastante
durante o primeiro ano"), Barbara ("teve que ser alimentada por sonda até 1 ano de
idade"), Herbert, Alfred e John apresentaram dificuldade alimentar severa desde o
início da vida. A maioria deles, depois de uma luta malsucedida, constantemente
interferiu, finalmente desistiu da luta e de repente começou a comer satisfatoriamente.

Outra intrusão vem de barulhos altos e objetos em movimento, que são reagidos
com horror. Triciclos, baloiços, elevadores, aspiradores de pó, água corrente,
queimadores a gás, brinquedos mecânicos, batedores de ovos, até o vento pode, às
vezes, causar um grande pânico. Uma das crianças teve medo de chegar perto do
armário onde o aspirador foi guardado. Injeções e exames com estetoscópio ou
otoscópio criaram uma grave crise emocional. No entanto, não é o barulho ou o
movimento propriamente dito que é temido. A perturbação vem do barulho ou
movimento que se intromete ou ameaça se intrometer na solidão da criança. A própria
criança pode, com alegria, fazer um barulho tão grande quanto o que teme e mover
objetos para o desejo de seu coração.

Mas os ruídos e movimentos da criança e todas as suas performances são tão


monoticamente repetitivas quanto suas declarações verbais. Há uma limitação
acentuada na variedade de suas atividades espontâneas. O comportamento da criança
é governado por um desejo ansiosamente obsessivo de manter a mesmice que
ninguém, a não ser a própria "criança, pode atrapalhar em raras ocasiões. Mudanças
de rotina, de arranjo de móveis, de um padrão, da ordem em que os atos cotidianos
são realizados. Quando os pais de John se preparavam para se mudar para um novo
lar, a criança ficou frenética ao ver os homens se movendo enrolando o tapete em seu
quarto, ficou agitado até o momento em que, no novo lar ele viu sua mobília arrumada
da mesma maneira que antes.Ele parecia satisfeito, toda a ansiedade desapareceu de
repente, e ele deu um tapinha carinhoso em cada peça.Depois que os blocos,
miçangas e paus foram montados de uma certa maneira, eles são sempre se
reagrupou exatamente da mesma maneira; mesmo que não houvesse um projeto
definido. A memória das crianças era fenomenal a esse respeito. Após o lapso de
vários dias, vários blocos puderam ser rearranjados exatamente no mesmo padrão
desorganizado, com a mesma cor de cada bloco apareceu, com cada figura ou letra na
superfície superior de cada bloco voltada para a mesma direção que antes. A ausência
de um bloco ou a presença de um bloco supranumerário foi notada imediatamente e
houve uma demanda imperativa pela restauração da peça que faltava. Se alguém
removesse o bloqueio, a criança lutava para recuperá-lo, entrando em uma birra de
pânico até recuperá-lo e, em seguida, imediatamente e com uma calma repentina após
a tempestade voltar ao projeto e substituir o bloco.

Essa insistência na mesmice levou várias crianças a ficarem muito perturbadas


ao ver algo quebrado ou incompleto. Uma grande parte do dia foi gasta exigindo não
apenas a uniformidade da redação de uma solicitação, mas também a uniformidade da
sequência de eventos. Donald não saiu da cama depois de tirar uma soneca até depois
de dizer: "Boo, diga 'Don, você quer descer?'" E a mãe concordou. Mas isso não foi
tudo. O ato ainda não foi considerado concluído. Donald continuaria: "Agora diga 'Tudo
bem". "Novamente, a mãe teve que obedecer, ou houve gritos até que a apresentação
fosse concluída. Todo esse ritual era uma parte indispensável do ato de acordar depois
de uma soneca. Todas as outras atividades tinham que ser concluídas do começo ao
fim, da maneira como foram iniciadas originalmente. Era impossível voltar de uma
caminhada sem ter coberto o mesmo terreno que havia sido coberto antes. A visão de
uma trave quebrada na porta de uma garagem em sua excursão diária tão perturbou
Charles que ele continuou conversando e perguntando sobre isso por semanas a fio,
mesmo enquanto passava alguns dias em uma cidade distante. Uma das crianças
notou uma rachadura no teto do escritório e continuou perguntando ansiosa e
repetidamente quem havia quebrado o teto, sem se acalmar com nenhuma resposta
dada a ela. Outra criança, vendo uma boneca com um chapéu e outra sem chapéu,
não pôde ser aplacada até que o outro chapéu fosse encontrado e colocado na cabeça
da boneca. Ele então imediatamente perdeu o interesse pelos dois bonecos; a
mesmice e a completa integridade haviam sido restauradas, e tudo estava bem
novamente.

O medo da mudança e da incompletude parece ser um fator importante na


explicação da repetitividade monótona e na resultante limitação na variedade de
atividades espontâneas. Uma situação, uma performance, uma sentença não é
considerada completa se não for composta exatamente pelos mesmos elementos
presentes no momento em que a criança foi confrontada pela primeira vez. Se o menor
ingente é alterado ou removido, a situação total não é mais a mesma e, portanto, não é
aceita como tal, ou é ressentida com impaciência ou mesmo com uma reação de
profunda frustração. A incapacidade de experimentar o conjunto sem total atenção às
partes constituintes lembra um pouco a situação das crianças com deficiência
específica de leitura que não respondem ao sistema moderno de instrução de leitura
configuracional, mas devem ser ensinadas a criar palavras a partir de seus elementos
alfabéticos. Essa talvez seja uma das razões pelas quais as crianças do nosso grupo
que tinham idade suficiente para serem instruídas na leitura imediatamente se
preocuparam excessivamente com a "ortografia" das palavras ou porque Donald, por
exemplo, ficou tão perturbado com o fato de " luz "e mordida", com a mesma qualidade
fonética, devem ser escritas de maneira diferente.

Objetos que não mudam sua aparência e posição, que mantêm sua mesmice e
nunca ameaçam interferir na solidão da criança, são prontamente aceitos pela criança
autista. Ele tem uma boa relação com objetos; ele está interessado neles, pode brincar
com eles alegremente por horas. Ele pode gostar muito deles ou ficar bravo com eles
se, por exemplo, não conseguir encaixá-los em um determinado espaço. Quando está
com eles, ele tem uma sensação gratificante de poder e controle indiscutíveis. Donald e
Charles começaram no segundo ano de vida a exercer esse poder girando tudo o que
poderia ser girado e pulando em êxtase quando viram os objetos girarem. Frederick
"pulou para cima e para baixo com grande alegria" quando se jogou e viu os pinos
afundarem. As crianças sentiram e exerceram o mesmo poder sobre seus próprios
corpos rolando e outros movimentos rítmicos. Essas ações e o fervor extático que a
acompanha indicam fortemente a presença de gratificação orgástica masturbatória.

A relação das crianças com as pessoas é completamente diferente. Todas as


crianças, ao entrar no escritório, foram imediatamente atrás de blocos, brinquedos ou
outros objetos, sem prestar a menor atenção às pessoas presentes. Seria errado dizer
que eles não estavam cientes da presença de pessoas. Mas as pessoas, desde que
deixassem a criança sozinha, figuravam da mesma maneira que a mesa, a estante de
livros ou o arquivo. Quando a criança foi abordada, ela não se incomodou. Ele teve a
opção de não responder de maneira alguma ou, se uma pergunta foi repetida com
muita insistência, "acabar logo com isso" e continuar com o que ele vinha fazendo. As
idas e vindas, mesmo da mãe, pareciam não se registrar. As conversas que
aconteciam na sala não despertavam interesse: se os adultos não tentassem entrar no
domínio da criança, ele às vezes, enquanto se movia entre eles, tocava suavemente
uma mão ou um joelho, como em outras ocasiões em que batia na mesa ou no sofá.
Mas ele nunca olhou para o rosto de alguém: se um adulto se intrometia forçosamente
afastando um quarteirão ou pisando em um objeto de que a criança precisava, a
criança lutava e ficava irritada com a mão ou o pé, que era tratado per se e não como
parte de uma pessoa. Ele nunca dirigiu uma palavra ou um olhar ao proprietário da
mão ou do pé. Quando o objeto foi recuperado, o humor da criança mudou
abruptamente para um de placidez. Quando picado, mostrou medo do alfinete mas não
da pessoa que o picou.

A relação com os membros da família ou com outras crianças não difere dessa
relação com as pessoas no escritório. A solidão profunda domina todo comportamento.
O pai, a mãe ou ambos podem estar ausentes por uma hora ou um mês; no regresso a
casa, não há indicação de que a criança tenha tido consciência da sua ausência.
Depois de muitas explosões de frustração, ele gradualmente e com relutância aprende
a se comprometer quando não encontra saída, obedece a certas ordens, cumpre em
assuntos da rotina diária, mas sempre insiste estritamente na observância de seus
rituais. Quando há companhia, ele se move entre as pessoas "como um estranho" ou,
como dizia uma mãe, "como um potro que foi deixado de fora de um recinto". Quando
com outras crianças, ele não brinca com elas. joga sozinho enquanto está por perto,
sem manter contato físico, fisionômico ou verbal com eles. Ele não participa de jogos
competitivos. Ele simplesmente está lá e, se às vezes ele passa pela periferia de um
grupo, ele logo se remove e fica sozinho, e ao mesmo tempo, rapidamente se
familiariza com os nomes de todas as crianças do grupo, pode conhecer a cor dos
cabelos de cada criança e outros detalhes sobre cada criança.

Existe um relacionamento muito melhor com fotos de pessoas do que com as


próprias pessoas. Afinal, as imagens não podem interferir. Charles estava
carinhosamente interessado na foto de uma criança em um anúncio de revista. Ele
comentou repetidamente sobre a doçura e beleza da criança. Elaine era fascinada por
fotos de animais, mas não chegava perto de um animal vivo. João não fez distinção
entre pessoas reais e representadas. Quando viu uma fotografia de grupo, perguntou
seriamente quando as pessoas saíam da foto e entravam na sala.

Mesmo que a maioria dessas crianças tenha sido vista, em um momento ou


outro, como uma pessoa fraca, todas elas são inquestionavelmente dotadas de boas
potencialidades cognitivas. Todos eles têm fisionomias surpreendentemente
inteligentes. Seus rostos, ao mesmo tempo, dão a impressão de seriedade e, na
presença de outros, uma tensão ansiosa, provavelmente por causa da antecipação
incômoda de uma possível interferência. Quando está sozinho com os objetos, muitas
vezes há um sorriso plácido e uma expressão de bem-aventurança, às vezes
acompanhada de cantarolar e cantar alegre, embora monótono. O vocabulário
impressionante das crianças falantes, a excelente memória para eventos de vários
anos antes, a fenomenal memória mecânica para poemas e nomes e a lembrança
precisa de padrões e sequências complexas revelam uma boa inteligência no sentido
em que essa palavra é comumente usada. usava. O teste Binet ou similar não pôde ser
realizado devido à acessibilidade limitada. Mas todas as crianças se deram bem com o
quadro de formulários de Seguin.

Fisicamente, as crianças eram essencialmente normais. Cinco tinham cabeças


relativamente grandes. Várias crianças eram um tanto desajeitadas no desempenho da
marcha e no motor, mas todas eram muito hábeis em termos de coordenação muscular
mais fina. Os eletroencefalogramas eram normais no caso de todos, exceto John, cuja
fontanela anterior não fechava até os 212 anos de idade e que aos 544 anos
apresentava duas séries de convulsões predominantemente do lado direito. . Frederick
tinha um mamilo super numerado na axila esquerda; não houve outros casos de
anomalias congênitas.
Há um outro denominador comum muito interessante nos antecedentes dessas
crianças. Todos eles vêm de famílias altamente inteligentes. Quatro pais são

psiquiatras, um advogado brilhante, um graduado em química e direito,


empregado no Escritório de Patentes do governo, um patologista de plantas, um
professor de silvicultura, um redator publicitário, formado em direito e estudou em três
universidades, um é engenheiro de minas e o outro é um homem de negócios de
sucesso. Nove das onze mães são graduadas. Dos dois que têm apenas o ensino
médio, um era secretário de um laboratório de patologia e o outro dirigia um escritório
de reservas teatrais em Nova York antes do casamento. Entre os outros, havia um
escritor freelancer, um médico, um psicólogo, uma enfermeira graduada e a mãe de
Frederick era sucessivamente agente de compras, diretora de estudos de secretariado
em uma escola para meninas e professora de história. Entre os avós e as garantias
existem muitos médicos, cientistas, escritores, jornalistas e estudantes de arte. Todas
as famílias, exceto três, são representadas no Who's Who na América ou no American
Men of Science, ou em ambos.

Duas das crianças são judias, as outras são descendentes de anglo-saxões. V


Três são "únicos" filhos, cinco são os primogênitos de dois filhos em seus re famílias,
um é o mais velho de três filhos, um é o mais novo de dois e o mais novo de três.
COMMENT

A combinação de autismo extremo, obsessividade, estereotipia e ecolalia coloca


o quadro total em relação com alguns dos fenômenos esquizofrênicos básicos.
Algumas crianças foram realmente diagnosticadas desse tipo uma vez ou outra. Mas,
apesar das notáveis ​semelhanças, a condição difere em muitos aspectos de todos os
outros casos conhecidos de esquizofrenia infantil.

Antes de tudo, mesmo nos casos com o primeiro início de esquizofrenia


registrado, incluindo os da demência praecocissima de De Sanctis e da demência
infantilis de Heller, as primeiras manifestações observáveis ​foram precedidas por pelo
menos dois anos de desenvolvimento essencialmente médio; as histórias enfatizam
especificamente uma mudança mais ou menos gradual no comportamento dos
pacientes. Todos os filhos do nosso grupo mostraram sua extrema solidão desde o
início da vida, sem responder a nada que lhes chega do mundo exterior. Isso é mais
provável do que nunca, porque não se deita tensamente acteristicamente, no relato
recorrente de falha da criança em assumir uma postura antecipada ao ser apanhada e
falha em ajustar o corpo ao da pessoa que a segura.

Segundo, nossos filhos são capazes de estabelecer e manter uma relação


excelente, completa e "inteligente" com objetos que não ameaçam interferir em sua
solidão, mas são, desde o início, ansiosos e tensamente impermeáveis ​para as
pessoas, com quem por um longo período de tempo. vez que eles não têm nenhum
tipo de contato afetivo direto. Se lidar com outra pessoa se torna inevitável, um
relacionamento temporário é formado com a mão ou o pé da pessoa como um objeto
definitivamente desapegado, mas não com a própria pessoa.

Todas as atividades e declarações das crianças são governadas de maneira


rígida e consistente pelo poderoso desejo de solidão e igualdade. Seu mundo deve
parecer que são constituídos por elementos que, uma vez experimentados em um
determinado cenário ou sequência, não podem ser tolerados em nenhum outro cenário
ou sequência; nem a configuração ou sequência pode ser tolerada sem todos os
ingredientes originais na mesma ordem espacial ou cronológica. Daí a repetição
obsessiva. Daí a reprodução de frases sem alterar os pronomes de acordo com a
ocasião. Daí, talvez, também o desenvolvimento de uma memória verdadeiramente
fenomenal que permita à criança recordar e reproduzir padrões complexos de
"absurdos", por mais desorganizados que sejam, exatamente da mesma forma que
originalmente concebida.

Até agora, cinco de nossos filhos atingiram idades entre 9 e 11 anos. Com
exceção de Vivian S., que foi abandonada em uma escola para pessoas com
deficiências, elas mostram uma curso interessante. O desejo básico de solidão e
semelhança permaneceu essencialmente inalterado, mas houve um grau variável de
emergência da solidão, uma aceitação de pelo menos algumas pessoas como parte da
esfera de consideração da criança e um aumento suficiente no número de pessoas
experientes. padrões para refutar a impressão anterior de extrema limitação do
conteúdo ideacional da criança. Talvez se possa dizer o seguinte: enquanto o
esquizofrênico tenta resolver seu problema saindo de um mundo do qual fez parte e
com o qual esteve em contato, nossos filhos se comprometem gradualmente ao
estender sentimentos cautelosos ao mundo. em que eles foram totalmente estranhos
desde o começo. Entre 5 e 6 anos, eles abandonam gradualmente a ecolalia e
aprendem espontaneamente a usar pronomes pessoais com referência adequada. A
linguagem se torna mais comunicativa, a princípio no sentido de um exercício de
perguntas e respostas, e depois no sentido de maior espontaneidade na formação de
frases. Comida é aceita sem dificuldade. Ruídos e movimentos são tolerados mais do
que anteriormente. As birras diminuem. O ness repetitivo assume a forma de
preocupações obsessivas. O contato com um número limitado de pessoas é
estabelecido de duas formas: as pessoas são incluídas no mundo da criança na
medida em que satisfazem suas necessidades, respondem a suas perguntas
obsessivas, ensinam-lhe como ler e fazer as coisas. Segundo, embora as pessoas
ainda sejam consideradas incômodas, suas perguntas são respondidas e seus
comandos são obedecidos com relutância, com a implicação de que seria melhor
acabar com essas interferências, quanto mais cedo fosse possível voltar à ainda muito
desejada solidão. Entre as idades de 6 e 8 anos, as crianças começam a brincar em
grupo, ainda nunca com os outros membros do grupo, mas pelo menos na periferia ao
lado do grupo. A habilidade de leitura é adquirida rapidamente, mas as crianças leem
monotonamente, e uma história ou uma imagem em movimento é vivenciada em partes
não relacionadas, e não em sua totalidade coerente. Tudo isso faz a família sentir que,
apesar da reconhecida "diferença" de outras crianças, há progresso e melhoria.

Não é fácil avaliar o fato de todos os nossos pacientes terem pais altamente
inteligentes. Isso é certo, pois há muita obsessão no contexto familiar. Os diários e
relatórios muito detalhados e a lembrança frequente, após vários anos, de que as
crianças haviam aprendido a recitar vinte e cinco perguntas e respostas do Catecismo
Presbiteriano, a cantar trinta e sete canções infantis ou a discriminar entre dezoito
sinfonias, fornecem ilustração da obsessão dos pais.

Um outro fato se destaca de forma destacada. Em todo o grupo, existem muito


poucos pais e mães realmente calorosos. Na maioria das vezes, os pais, os avós e as
garantias são pessoas fortemente preocupadas com abstrações de natureza científica,
literária ou artística e limitadas no interesse genuíno pelas pessoas. Até mesmo alguns
dos casamentos mais felizes são amigos frios e formais. Três dos casamentos foram
sombrios falhas. Surge a questão de saber se ou até que ponto esse fato contribuiu
para a condição das crianças. A solidão das crianças desde o início da vida dificulta a
atribuição de todo o quadro exclusivamente ao tipo de relação inicial dos pais com
nossos pacientes.

Devemos, então, assumir que essas crianças vieram ao mundo com


incapacidade inata de formar o contato afetivo usual fornecido biologicamente com as
pessoas, assim como outras crianças vêm ao mundo com alças físicas ou intelectuais
inatas. Se essa suposição estiver correta, um estudo mais aprofundado de nossas
crianças pode ajudar a fornecer critérios concretos com relação às noções ainda
difusas sobre os componentes constitucionais da reatividade emocional. Pois aqui
parece que temos exemplos de cultura pura de distúrbios autistas inatos de contato
afetivo. *

* Desde a conclusão deste artigo, mais 2 casos de distúrbio autístico inato de contato
afetivo foram observados.