Você está na página 1de 5

Simpósio de Tecnologia Ambiental e de Biocombustíveis

TRABALHO CIENTÍFICO

AVALIAÇÃO DA TEMPERATURA NA EXTRAÇÃO DE


FLAVONÓIDES DAS FOLHAS DE CHÁ VERDE (Camellia
sinensis)

EVALUATION OF TEMPERATURE OF FLAVONOIDS


EXTRACTION FROM GREEN TEA LEAVES (Camellia sinensis)

Marlon Menezes Maciel Bindes(1)


Franz Berbert Ferreira(2)
Amanda Ferreira da Cunha (3)
Maria Eduarda Gonçalves Fernandes Carneiro (4)
Mira Hespanhol Miranda Reis(5)
Vicelma Luiz Cardoso(6)

Resumo
Os flavonoides são compostos bioativos do grupo dos polifenóis encontrados em matrizes
vegetais como nos chás da planta Camellia sinensis. Nesse estudo, a influência da temperatura
(40, 60, 80 e 90°C) foi avaliada na determinação de flavonoides totais das folhas de chá verde
(Camellia sinensis) para a infusões de 30 min. A melhor temperatura de extração encontrada
para a extração de flavonóides foi a 80°C uma vez que para 30 min de extração não houve
diferenças significativas entre as temperaturas de 80 e 90°C. A centrifugação fui usada para
reduzir o teor de sólidos totais do extrato, observou-se para tal uma redução de
aproximadamente 9,8% de flavonóides e 8,4% de sólidos totais.

Palavras-chave: Flavonóides, extração, chá verde, centrifugação

Abstract
Flavonoids are bioactive compounds from the group of polyphenols, they are found in plant
matrices as in the teas of the Camellia sinensis. In this study, the influence of temperature
(40, 60, 80 and 90° C) was evaluated in the determination of total flavonoids from green tea
leaves (Camellia sinensis) for infusions of 30 min. The best extraction temperature found for
flavonoids extraction was 80 ° C because for 30 min of extraction it does not hear significant
differences between the temperatures 80 and 90 ° C. Centrifugation was used to reduce the
total solids content of the extract, a reduction of approximately 9.8% of flavonoids and 8.4%
of total solids was observed.

Keywords: Flavonoids, extraction, green tea, centrifugation

1
Mestre em Engenharia Química pela Universidade Federal de Uberlândia. Endereço eletrônico:marlonbindes@hotmail.com
2
Mestre em Mestre em Engenharia Química pela Universidade Federal de Uberlândia. Endereço eletrônico: franz_berbert@hotmail.com
3
Graduanda em Engenharia Química pela Universidade Federal de Uberlândia. Endereço eletrônico: amandinhahfc@gmail.com
4
Graduanda em Engenharia Química pela Universidade Federal de Uberlândia. Endereço eletrônico:
5
Doutora em Engenharia Química pela Universidade Estadual de Campinas. Endereço eletrônico: miria@ufu.br
6
Doutora em Engenharia Química pela Universidade Estadual de Campinas. Endereço eletrônico: vicelma@ufu.br

De 23 a 27 de abril de 2018. Ciência & Tecnologia: Fatec-JB, Jaboticabal, v. 10, p. 165-169, 2018. Suplemento.
Simpósio de Tecnologia Ambiental e de Biocombustíveis
TRABALHO CIENTÍFICO

1 Introdução
Com o aumento da preocupação das pessoas pela ingestão de alimentos e bebidas
saudáveis, os chás da planta Camellia sinensis tem sido cada vez mais consumidos.
Comparando os chás verde, preto e branco, o chá verde apresenta maior teor de polifenóis,
incluindo os flavonóides (Komes et al., 2010; Carloni et al., 2013). Por essa razão o chá verde
tem chamado mais atenção que os outros e foi, por isso, escolhido para ser abordado no
presente estudo. Os flavonóides, um grupo de substâncias naturais com estruturas fenólicas
variáveis, são encontrados em frutas, vegetais, grãos, cascas, raízes, caules, flores, chá e
vinho. Os flavonóides são bem conhecidos por seus efeitos benéficos sobre a saúde e esforços
tem sido feitos para isolá-los a partir das matrizes vegetais (Panche et al., 2016).
No chá verde, os flavonóides mais importantes são as catequinas (Yamamoto et al.,
1997; Komes et al., 2010) e essas, devido às suas propriedades antioxidantes, produzem
notáveis efeitos benéficos ao nosso organismo.
Nesse sentido, a extração tem sido amplamente empregada nas indústrias de alimentos
e bebidas como etapa preliminar na segregação de compostos funcionais a partir de matrizes
vegetais para a produção de ingredientes para diversas aplicações (Dai e Mumper, 2010; K.N
et al., 2015; Pinela et al., 2016). Já a centrifugação pode ser usada com o propósito de reduzir
a concentração de partículas sólidas no extrato de chá. Os efeitos desse fenômeno sobre os
efeitos da gravidade são acelerados pelo efeito das forças centrífugas.
Esse trabalho teve como objetivo determinar a melhor temperatura de extração aquosa
e convencional de flavonóides das folhas de chá verde (Camellia Sinensis) além de empregar
a centrifugação como uma etapa de clarificação do extrato de chá.

2 Material e Métodos
As folhas de chá verde (Camellia Sinensis) da marca Yamamotoyama do Brasil foram
adquiridas no comércio local (Uberlândia – MG, Brasil). Eram folhas secas, trituradas e
vendidas a granel. Para se chegar à granulometria desejada do chá foi feita a moagem,
peneiramento, a classificação e o material foi acondicionado em um lugar seco e arejado. A
influência da temperatura (40, 60, 80 e 90°C) foi avaliada na determinação de flavonoides
totais das folhas de chá verde para a infusão de 30 min. Amostras contendo 0,6 g de chá mesh
100 (0,149 mm) foram adicionadas em um reator com 50 ml de água destilada com agitação
de 120 rpm, após o tempo da infusão a amostra foi filtrada em um filtro de nylon (Medeiros
102). A concentração de flavonoides totais foram determinados segundo o método

De 23 a 27 de abril de 2018. Ciência & Tecnologia: Fatec-JB, Jaboticabal, v. 10, p. 165-169, 2018. Suplemento.
Simpósio de Tecnologia Ambiental e de Biocombustíveis
TRABALHO CIENTÍFICO

colorimétrico do cloreto de alumínio de acordo com Karadeniz (2005) com algumas


modificações. A absorbância foi lida em um espectrofotômetro (UVmini – 1240 Shimadzu)
no comprimento de onda de 510 nm e o teor de flavonoides foi encontrado através da curva de
calibração com soluções de rutina (200 µg mL-1). A centrifugação foi feita usando uma
centrífuga (J-25 Avanti ™ Beckman Coulter) (8000 rpm, 20 min) de acordo com (Rao et al.,
2011). O sobrenadante foi coletado para análises posteriores. Para a determinação da
concentração de sólidos em cada solução, uma amostra de chá foi coletada e a mesma foi
levada para uma estufa onde ficou por 24 h a 100°C. Após 24 h, a massa final de sólidos foi
medida em uma balança analítica e a concentração de sólidos dada em mg L-1.

3 Resultados e Discussão
O Gráfico 1 mostra que o maior valor encontrado para a concentração de flavonoides foi
de 71,98 mgR g-1 utilizando-se a temperatura de 80°C.

Figura 1 – Concentração de Flavonóides em função da temperatura de extração.

Como não existe diferença significativa entre 80º e 90º, é mais vantajoso proceder a
extração à temperatura de 80º, já que nesta temperatura pode-se evitar maiores perdas de
volume de extrato devido a evaporação além de preservar as características sensoriais das
infusões. A Tabela 1 mostra a concentração de flavonoides e sólidos do extrato centrifugado
em relação ao extrato alimentado.
Durante a centrifugação observou-se uma redução de aproximadamente 9,8% de
flavonóides, 8,4% de sólidos totais. Esses resultados mostram que a centrifugação mostra-se
adequada como uma etapa preliminar de remoção de sólidos dos extratos de chá verde.

De 23 a 27 de abril de 2018. Ciência & Tecnologia: Fatec-JB, Jaboticabal, v. 10, p. 165-169, 2018. Suplemento.
Simpósio de Tecnologia Ambiental e de Biocombustíveis
TRABALHO CIENTÍFICO

Tabela 1 - Análise físico-química do extrato centrifugado em comparação com o extrato


alimentado.
Amostra Flavonóides Sólidos

(mgR g-1) (mg L-1)

Alimentação 71,98±0,27a 23200±85a

Centrifugado 64,92±0,56b 21251±104b

Os valores médios indicados por uma letra diferente ao longo de uma coluna, são
significativamente diferentes para o teste de Tukey com nível de significância igual a 0,05.

No trabalho de Sousa (2016), a clarificação do extrato de chá verde por centrifugação


foi analisada. A autora empregou as mesmas condições de tempo (20 min) e rotação (8000
rpm) mas com uma concentração inicial de sólidos totais (61.080mg L-1) quase três vezes
superior à desse trabalho (23200 mg L-1) e observou uma redução de 3,4% de sólidos em
suspensão.

4 Conclusões
Pelos resultados obtidos conclui-se que a temperatura de 80ºC foi mais adequada para a
extração aquosa de flavonóides das folhas de chá verde (Camellia sinensis) fornecendo uma
concentração de flavonóides de 71, 98 mgR L-1. A extração a 80ºC evita que compostos termo
sensíveis sejam degradados em temperaturas superiores. Após a centrifugação observou-se
uma redução de aproximadamente 9,8% de flavonóides, 8,4% de sólidos totais. Esses
resultados indicam que a centrifugação mostra-se adequada como uma etapa preliminar de
remoção de sólidos dos extratos de chá verde.

Referências
CARLONI, P. et al. Antioxidant activity of white, green and black tea obtained from the
same tea cultivar. Food Research International, v. 53, n. 2, p. 900-908, 2013/10/01/ 2013.
ISSN 0963-9969. Disponível em: <
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0963996912003018 >.

DAI, J.; MUMPER, R. J. Plant phenolics: extraction, analysis and their antioxidant and
anticancer properties. Molecules, v. 15, n. 10, p. 7313-52, Oct 21 2010. ISSN 1420-3049.

K.N, L.; CHANNARAYAPPA; VENKATARANGANA, M. Exemplified screening


standardization of potent antioxidant nutraceuticals by principles of design of experiments.

De 23 a 27 de abril de 2018. Ciência & Tecnologia: Fatec-JB, Jaboticabal, v. 10, p. 165-169, 2018. Suplemento.
Simpósio de Tecnologia Ambiental e de Biocombustíveis
TRABALHO CIENTÍFICO

Journal of Functional Foods, v. 17, n. Supplement C, p. 260-270, 2015/08/01/ 2015. ISSN


1756-4646. Disponível em: <
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1756464615002613 >.

KARADENIZ, F. B., HANDE SELEN; KOCA, NURAY; SOYER, YESIM. Antioxidant


Activity of Selected Fruits and Vegetables Grown in Turkey. Turkish Journal of
Agriculture & Forestry, v. 29, n. 4, 2005.

KOMES, D. et al. Green tea preparation and its influence on the content of bioactive
compounds. Food Research International, v. 43, n. 1, p. 167-176, 2010/01/01/ 2010. ISSN
0963-9969. Disponível em: <
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0963996909002877 >.

PANCHE, A. N.; DIWAN, A. D.; CHANDRA, S. R. Flavonoids: an overview. Journal of


Nutritional Science, Cambridge, UK, v. 5, p. e47, 12/29
07/18/received
10/04/revised
10/05/accepted 2016. ISSN 2048-6790. Disponível em: <
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5465813/ >.

PINELA, J. et al. Microwave-assisted extraction of phenolic acids and flavonoids and


production of antioxidant ingredients from tomato: A nutraceutical-oriented optimization
study. Separation and Purification Technology, v. 164, n. Supplement C, p. 114-124,
2016/05/30/ 2016. ISSN 1383-5866. Disponível em: <
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1383586616301356 >.

SOUSA, L. D. S. Extração e purificação dos compostos fenólicos presentes nas folhas de


Camellia sinensis
2016. 106 (Mestrado). Faculdade de Engenharia Química, Universidade Federal de
Uberlândia, Uberlândia.

YAMAMOTO, T. et al. Chemistry and Applications of Green Tea. New York: Boca
Raton, 1997. 176 ISBN 9780849340062.

De 23 a 27 de abril de 2018. Ciência & Tecnologia: Fatec-JB, Jaboticabal, v. 10, p. 165-169, 2018. Suplemento.

Você também pode gostar