Você está na página 1de 9

CAPÍTULO I: DETERMINAÇÂO DO OBJETO DE ESTUDO

A educação inclusiva é tema recorrente de discussões na área educacional nos


últimos anos e o debate sobre a inclusão de alunos com necessidades
educacionais especiais, em salas regulares, tem provocado uma grande
reflexão.

A legislação tem avançado e a inclusão na escola é um direito constitucional de


todos, pois, não há mais espaço para a discussão da aceitação, ou não, de
alunos com necessidades educacionais especiais, como consta na Constituição
Federal de 1988, artigo 205, o direito à educação é para todas as pessoas.

A lei é específica quanto à obrigatoriedade em acolher alunos com necessidades


especiais, contudo, não é suficiente para garantir que ocorra o pleno
desenvolvimento de suas potencialidades. No momento em que se propõe
discutir a respeito de uma educação inclusiva, está se pensando e procurando
construir práticas educativas que transformem a realidade educacional, não
apenas dos alunos especiais, mas de todos os alunos e em todos os aspectos.

Para que ocorra uma proposta inclusiva na escola, é necessária uma junção, ou
parceria, de todos os setores da sociedade, pois a educação inclusiva consiste
na ideia de uma escola que não seleciona crianças tomando como base as suas
diferenças individuais.

A escola precisa ser vista como um ambiente de fortalecimento de laços afetivos,


de socialização de saberes individual ou coletivamente elaborados, da
construção de conhecimento, não de segregação. Reconhece-se as diversas
dificuldades enfrentadas no ambiente escolar, pois é preciso confrontar as
práticas discriminatórias existentes na sociedade e criar alternativas para
superá-las no ambiente escolar.

A educação inclusiva implica na mudança de paradigma, visa à construção de


uma educação diferente, transformadora, com práticas inclusivas que
pressupõem a inclusão dos alunos com necessidades educacionais especiais e
uma educação de qualidade para a diversidade desses alunos.

É necessário lembrar que para que ocorra a verdadeira inclusão de alunos com
necessidades especiais no sistema regular de ensino, não basta apenas a
promulgação de leis, cursos de capacitação para professores, nem a
obrigatoriedade da matrícula. Essas são medidas essenciais, porém a discussão
é muito mais complexa.

A participação de crianças com deficiência na escola é um direito, que para ser


acessado depende, entre outros aspectos, da articulação entre profissionais,
famílias e sociedade para o cumprimento de diretrizes educacionais, destinação
de recursos humanos e materiais e formação de profissionais habilitados para o
enfrentamento dos diferentes desafios trazidos pela prática cotidiana do ensino.

Alguns estudos já efetuados verificaram a opinião de professores em relação à


educação inclusiva. De modo geral, os professores destacam o sentimento de
desafio diante do projeto de educação inclusiva e a busca por apoio pedagógico;
a importância da prática e da formação continuada; e a importância do apoio da
equipe pedagógica, do intercâmbio entre professores e a composição favorável
da infraestrutura escolar.

Título

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais nas turmas


regulares do Ensino Fundamental na Escola Carmem Valente da Silva no
município de Jacareacanga, estado do Pará.

1.2 Problema

O tema abordado nesta pesquisa será a inclusão de alunos com deficiência nas
turmas regulares, tendo como foco a atitude dos docentes frente à inclusão de
tais alunos nas turmas regulares do Ensino Fundamental na escola Carmem
Valente da Silva, localizada no município de Jacareacanga, no estado do Pará.

Dois fatores foram determinantes para o desenvolvimento desta pesquisa. A


busca de maior e mais profundo conhecimento do tema, que permita agregar
subsídios à experiência pessoal da pesquisadora como docente na Educação
Básica, e sua atuação como gestora educacional e professora em cursos de
licenciatura de instituições privadas de Ensino Superior.

Ao se falar da Educação Inclusiva é necessário entender como se dá o processo


de inclusão dos alunos com deficiência nas turmas regulares atualmente. Os
questionamentos quanto à atitude dos professores frente a inclusão estão
relacionados às dificuldades postas pelo sistema de ensino, aos conflitos
existentes no âmbito escolar que concorrem para facilitar ou dificultar a inclusão
e dos procedimentos adotados pelos integrantes do magistério para a satisfatória
inclusão dos alunos com necessidades educacionais especiais nas turmas
regulares.

Quanto ao âmbito administrativo é necessário verificar se os recursos humanos,


de infraestrutura e humanos são suficientes; se foram executadas adaptações
na escola visando a inclusão no que se refere à acessibilidade e eliminação de
barreiras e se realmente há um compromisso político da escola com a educação
inclusiva.

Em relação às práticas pedagógicas surgem questionamento quanto às


condições de ensino e aprendizagem oferecidas aos alunos com necessidades
educacionais especiais; a contribuição dos docentes para o sucesso escolar de
tais alunos; a necessidade de flexibilização do currículo para o atendimento das
especificidades dos alunos; a formação dos professores que atuam em turmas
com alunos inclusos.

.
1.2.1 Problema geral

 Qual a atitude prevalente do docente a respeito dos alunos com


necessidades educativas especiais e sua inclusão em sala de aula regular
do Ensino Fundamental na escola Carmem Valente da Silva, em
Jacareacanga – PA?

1.2.2 Problemas Específicos

 Quais são as principais características da atitude docente respeito a


inclusão de alunos com necessidades educativas especiais?

 Qual a atitude dos docentes relacionada à gestão do processo de inclusão


de alunos com necessidades educativas especiais em sala de aula
regular?

 Qual a atitude dos docentes no que se refere às práticas pedagógicas de


atenção aos alunos com necessidades educativas especiais e sua
inclusão em sala de aula regular?

1.3 Objetivos

A seguir são apresentados os objetivos da pesquisa.

1.3.1 Objetivo Geral

 Descrever a atitude prevalente do docente a respeito dos alunos com


necessidades educativas especiais e sua inclusão em sala de aula regular
do Ensino Fundamental na escola Carmem Valente da Silva, em
Jacareacanga - PA.
1.3.2 Objetivos específicos

 Estabelecer as principais características da atitude docente respeito a


inclusão de alunos com necessidades educativas especiais.

 Observar a atitude dos docentes relacionada à gestão do processo de


inclusão de alunos com necessidades educativas especiais em sala de aula
regular.

 Verificar a atitude dos docentes no que se refere às práticas pedagógicas


de atenção aos alunos com necessidades educativas especiais e sua
inclusão em sala de aula regular.

1.4 Justificativa da Pesquisa

O presente estudo é direcionado a investigar as condições da escola de Ensino


Fundamental diante da decisão de incluir nas turmas regulares alunos com
necessidades educativas especiais, no que se refere à atitude adotada pelo
professor das referidas turmas; em relação à gestão do processo de inclusão
adotado pelo sistema de ensino e pela escola; quanto às práticas pedagógicas
de atenção aos alunos inclusos nas turmas regulares adotadas pela escola.
Feitas essas considerações preliminares se apresentam a seguir as justificativas
para a realização desta pesquisa.

Quanto à relevância social, pode-se afirmar que o presente estudo ajudará a


responder algumas questões interessantes, não só aos professores e alunos
com necessidades educacionais especiais, mas a todos os gestores públicos
envolvidos no processo educativo e a sociedade, que se preocupa em entender
o tema, uma vez que ele abrange uma questão relevante para a educação
brasileira, pois a Inclusão Escolar é uma forma de reconhecer e valorizar as
diferenças, sem discriminar os alunos nem segrega-los.
No que se refere à contribuição teórica deve-se citar que a problemática da
inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais em turmas
regulares adquire, há algum tempo e ainda no momento atual, especial
relevância e destaque em nosso meio. A busca da construção da qualidade do
ensino para todos e de uma escola de educação básica comprometida com a
formação para a cidadania exigem necessariamente um entendimento mais
profundo da questão de justiça.

A inclusão e a escolaridade são elementos das inovações propostas pelas


políticas educacionais e pelas práticas escolares que envolvem o ensino regular
e especial. A Educação Especial é um instrumento legal na LDB e tem sido
relacionada diretamente com a oferta de uma educação de qualidade para todos,
sobretudo nas escolas de educação básica. Por esse motivo é importante que
toda a comunidade acadêmica adquira consciência da necessidade de
elaboração de políticas educacionais inclusivas que visem à transformação das
escolas e a atitude dos profissionais da educação.

Os resultados dessa pesquisa podem contribuir para a academia não só no


sentido de elevar a compreensão acerca dessa política pública, como também
fornecendo elementos para a compreensão dos princípios norteadores da
inclusão escolar: a preservação da dignidade humana, a busca da identidade e
o exercício da cidadania.

Embora seja um tema muito discutido atualmente, a pesquisa apresenta


originalidade ao se propor discutir o tema de forma plural, não se limitando
apenas à temática inclusão escolar, e sim buscando respostas a questões
relacionadas às condições da escola respeito a inclusão dos alunos com
necessidades educativas especiais em sala de aula regular do Ensino
Fundamental, como a atitude dos professores frente ao processo de inclusão, os
procedimentos adotados administrativamente pelo sistema de ensino e pela
escola, as práticas pedagógicas de atenção aos alunos inclusos adotadas na
escola.

Quanto à viabilidade da pesquisa o tema se mostra passível de execução por


várias razões: pela possibilidade de identificação dos alunos com necessidades
educacionais especiais inclusos nas turmas regulares de Ensino Fundamental
na Escola Carmem Valente da Silva; pela disposição geográfica de todos os
elementos a serem pesquisados em apenas um município – Jacareacanga/PA;
pelo apoio técnico e humano que a pesquisadora receberá da Direção da referida
escola e dos docentes que ali atuam, no fornecimento dos dados solicitados,
respectivamente; por haver disponibilidade dos recursos financeiros necessários
à execução da presente pesquisa.

1.5 Alcance da pesquisa

Com relação ao tempo, a presente pesquisa teve início no final do segundo


semestre de 2013 e se estende até maio de 2015.

No âmbito espacial a pesquisa foi feita no município de Jacareacanga, estado


do Pará. O município de Jacareacanga está localizado no extremo sudoeste do
Estado do Pará, limita-se ao norte com o município de Itaituba, ao sul com o
estado do Mato Grosso, a leste com os municípios de Itaituba e Novo Progresso
e a oeste com o estado do Amazonas. A cidade de Jacareacanga, sede do
município, está situada à margem esquerda do Rio Tapajós, distante da capital
do estado (Belém), cerca de 1.120 km, sendo o acesso possível através de três
tipos de transportes: terrestre, aéreo e fluvial. Ressalte-se, que a sede do
município mais próximo fica a 400 km de distância. Segundo dados oficiais, o
município de Jacareacanga possui uma área de 53.911 km2, o que o coloca
entre os dez maiores municípios paraenses.

Epistemologicamente esta pesquisa se situa no campo da Pedagogia, estando


relacionada diretamente com as disciplinas Educação Inclusiva, Vivência na
Prática Educativa, Compreensão da Função Social da Escola e Didática.

1.6 Limitações da Pesquisa

A presente pesquisa se constituiu para a pesquisadora um estudo deveras


desafiante e, embora todos os procedimentos adotados ao longo da realização
da mesma tenham sido efetuados com rigor, ainda assim se faz necessário
elencar alguns aspectos limitantes.

1.6.1 Tempo

O fator tempo disponível deve ser considerado relevante para o bom andamento
da pesquisa, e isso foi crucial para a pesquisadora, pois as atividades ligadas à
docência da instituição educacional onde atua exigem uma parcela significativa
do seu tempo, além do exercício de atividade de gestão educacional no
município. Organizar horários de maneira a dedicar tempo para as atividades
ligadas à pesquisa, estudo e muita leitura concomitantemente às atividades
diárias se constituiu um desafio difícil de superar.

1.6.2 Técnicas

Quanto a este fator não tive nenhum problema, o meu tutor sempre esteve muito
presente nas minhas pesquisas, houve uma troca muito valiosa de experiências
vivenciadas pela socialização e interação educativa entre professor-tutor e
aluno-pesquisador. Nossos contatos via e-mails sempre foram muito bem
resolvidos.

1.6.3 Humanas

O fator humano em qualquer tipo de pesquisa deve ser observado com atenção
especial uma vez que esse elemento é subjetivo e a ele são inerentes emoções,
pontos de vista diferentes, disponibilidades, valores, parcialidades, bem como a
diversidade de habilidades e necessidades humana. Essas e outras
características também estiveram presentes nesta pesquisa, e mesmo as
limitações ocorridas dentro da convivência escolar, que não se restringe à
criança com deficiência, nem tampouco, de forma mais ampla, àquelas com
necessidades educacionais especiais, mas contempla toda criança, em sua
vasta diversidade de habilidades e dificuldades.

1.6.4 Institucionais

A limitação no aspecto institucional pode ser desconsiderada, pois a


pesquisadora atuou durante quatro anos na Escola Carmem Valente da Silva.
Ainda hoje mantém estreita relação profissional com professores e gestores da
referida escola, acompanha enquanto gestora educacional os trabalhos
relacionados ao Atendimento Educacional Especializado (AEE). Considerando
esse fator positivo, pode-se dizer que nenhum incidente provocou atraso na
elaboração, análise e interpretação dos dados, o que consequentemente não
acarretou demora na elaboração do relatório da pesquisa.