Você está na página 1de 3

CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS

É daoectoderma que se origina a pele. Ela também protege contra agentes


físicos, biológicos, químicos, térmicos e radiações solares. As principais
funções da pele são: sensorial, transpiração, imunidade, absorção, etc. A pele
também previne a perda de eletrólitos para o meio externo.
A ferida pode ser causada por agentes físicos, químicos ou biológicos.

A PELE NORMAL (ÍNTEGRA)

A pele normal é elástica, lisa, sem brilho. O sistema tegumentar também é


constituído por fâneros, que são unhas e pelos, que podem sofrer infecções
que aumentam com a idade.

PH DA PELE

O equilíbrio fisiológico da pele relaciona-se com quantidades de água, sal e


gordura em quantidade correta, e também com o PH. Esses nutrientes,
combinados, evitam que a desidratação por evaporação exagerada de água.
Pele ácida – PH -7
Pele neutra – PH 7
Pele alcalina – PH +7
Uma pele normal tem PH entre 4,5 a 6.
O PH da pele é regulado pelas glândulas sudoríparas, e atua como mecanismo
de defesa do organismo (contra fungos por exemplo). Conforme a idade vai
avançando, o PH da pele vai ficando mais neutro, o que é bom para os fungos,
que se proliferam mais facilmente. Algumas patologias alteram o PH da pele,
possibilitando o surgindo de novas doenças.
Alguns tipos de coberturas modificam o PH para o valor normal, protegendo a
pele.
SEMIOLOGIA DA PELE
Sentimentos como medo, ansiedade e vergonha se manifestam na pele com
frieza, suor ou rubor.
Já sinais que indicam doenças são percebidos por meio de uma pele pálida,
cianótica ou ictérica.
O profissional de saúde deve avaliar: sensibilidade, turgor, elasticidade,
textura, umidade, coloração, temperatura, grau de hidratação e de
ressecamento, continuidade ou integridade e a presença de lesões
fundamentais, como manchas, máculas, pápulas, vesículas, pústulas, crostas,
que podem ser percebidas ao toque da pele. Elevações anormais, formações
edematosas ou sólidas, alteração de espessura, perdas ou reparações
teciduais. Qualquer um desses pode significar um distúrbio, infecção ou
processo patológico.
CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS
Saber a classificação das feridas ajuda na realização do diagnóstico.
Da etiologia das feridas
1- Feridas patológicas
As feridas patológicas são consequência de alguma doença. A cicatrização
dessa ferida é difícil, pois está relacionada com a doença base. Um exemplo de
ferida patológica é úlcera vasculogênica, também conhecida como úlcera da
perna, porque deriva doenças que afetam as extremidades inferiores. Alguns
exemplos de doenças base são diabetes mellitus (DM) e hipertensão arterial
sistêmica (HAS).
2- Feriadas iatrogênicas
Iatrogenia vem do grego: iatros – médico – e gennis – origem -, se refere a
lesões causadas por profissionais de saúde. Exemplos de iatrogenia são a
lesão causa por radioterapia ou a lesão causada por uma traqueostomia. O
benefício deve ser sempre maior que o risco.
3- Feridas intencionais ou cirúrgicas
As feridas intencionais são feridas esperadas e realizadas sob as condições
asspéticas, técnicas e científicas para uma cirurgia. Ela é feita utilizando-se de
instrumental cortante afiado e estéril, o que facilita a união dos bordos, reduz a
agressão a pele e minimiza complicações. Os benefícios devem ser maiores
que os riscos também.
4- Feridas acidentais ou traumáticas
Diferente das cirúrgicas, as feridas traumáticas são acidentais, inesperadas.
Decorre de trauma, violência, impacto, etc. Nesse tipo de lesão, o tecido da
pele é rompido, expondo o tecido por baixo deste, suscetibilizando-o a
infecções. Esse tipo de ferida pode ser incisa, puntiforme, cortante, contundente,
perfurante, lacerantes, inoculações (animais peçonhentos), mordeduras, golpes,
contusões, escoriações, lacerante, etc.
5- Feridas causadas por fatores externos
São resultantes do contato da pele com substâncias inflamáveis, causticantes,
extremamente quentes (queimaduras) e também pressão contínua do corpo sobre
regiões de proeminências ósseas (lesão por pressão).
As feridas por queimadura são classificadas de acordo com a extensão e a área do
corpo que foi comprometida. Elas vão do primeiro grau (vermelhidão) ao quarto
grau, com lesões profundas e irreversíveis.
As lesões por pressão são classificadas de acordo com a profundidade e a
presença ou ausência de tecido necrótico, e vão do primeiro estágio (pele intacta)
ao quarto estágio (a ulceração se estende aos tecidos musculares, fáscia, tendões
e ossos.
EVOLUÇÃO DAS FERIDAS
1- Feridas agudas
É considerada ferida aguda quando há uma ferida traumática recente em que
houve interrupção da vascularização nas veias ou artérias. Feridas cirúrgicas são
consideradas agudas, sendo que esse tipo cicatriza por primeira intenção (com as
bordas da ferida lado a lado), enquanto que feridas agudas traumáticas dependem
do objeto que causou a lesão, do grau de contaminação e do atendimento no
momento do acidente e após a ocorrência.
O indicado é lavar abundantemente com água limpa e corrente, sem utilizar
qualquer outro produto ou medicamento, cobrir com um pano limpo e procurar um
serviço de saúde. Em caso de intenso sangramento deve-se comprimir com uma
toalha limpa e úmida. Manter o membro em um nível mais alto que o do coração
também ajuda a cessar o sangramento, por conta da gravidade. Em caso de
amputação de membro, deve-se separar o mesmo em água limpa ou soro, em um
saco plástico envolto em gelo.
Qualquer outro cuidado além desses citados é contraindicado e pode prejudicar o
paciente e a avaliação profissional.
2- Feridas crônicas
É a ferida que já tem mais de 6 meses. Ela surge como consequência de doenças
de base como DM, HAS, hanseníase, neoplasias, problemas neurológicos, etc.

Você também pode gostar